Editorial

FAMINTOS E MILIONARIOS
Quase 40 milhões de pessoas passam fome no Brasil. No mundo são mais de um bilhão de famintos. Isso significa que, para cada seis pessoas que habitam o planeta hoje, uma não tem o que comer. A proporção brasileira é ainda pior. Dados os 191 milhões de brasileiros, pelas contas do IBGE, mais de um a cada cinco cidadãos está sem comida no prato. Fixe essa constatação estarrecedora: um quinto da população daqui está com fome, em estágiode desnutrição ou subnutrição. Os números absurdos, inaceitáveisno escopo de uma civilização que vive o século XXI, com avanços de toda ordem, foram divulgados recentemente pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). E justamente o Brasil, celeiro do mundo, líder da produção de alimentos em vários itens, maior exportador global de carne, maior produtor de soja, trigo e similares, traz índices típicos de Terceiro Mundo logo neste quesito. O banco americano Merrill Lynch entregou na semana passada o outro lado da moeda. Num levantamento realizado em parceria com a consultoria Capgemini, constatou que o número de milionários do mundo - incluídos na contabilidade apenas aqueles com ao menos US$ 1 milhão em caixa - chega a 8,6 milhões de felizardos. O Brasil contribui com 131 mil milionários - em dólar! - e está entre os dez primeiros no ranking dos países com mais milionários. É o retrato de seu histórico erro na divisão do bolo. A brutal, vergonhosa desigualdade social, uma praga que se alastra principalmente por falta de empenho geral por soluções efetivas para as camadas mais desassistidas, poderia ser facilmente sanada se, por exemplo, os bilhões em recursos despejados para salvar bancos, multinacionais de carros e que tais fossem reorientados nessa direção. Não vão, mas .naturalmente é preciso pensar logo em saídas. Até quando será possível viver indiferente ao estado de desnutrição de tantas pessoas? É plausível admitir um país das dimensões e riquezas do Brasil no bloco daqueles com maior disparidade? Se cada um parar para pensar sobre o que fazer, desencadeando uma corrente de solidariedade intercontinental, com ações concretas, haverá mais esperanças para o fim do flagelo da fome. É tudo uma questão de prioridades e o mundo tem que despertar para a constatação de que essa é a maior delas. CarlosJosé Marques,diretor editorial

,

--

20

ISTOÉ2068 lQn12009

No início,

O ENCANTO
-"
Quando televisão a setornoupopularnadécada de1960,o rostoinfantile o sorriso amigável e d Michael Jackson segundo, (o dadir.paraa esq.) seduziram osamericanos. Nasaparições mbranco e e pretodosJackson ive,a indústria F cultural vislumbrava umahistóriadiferenteparamoversua máquina desucessos. garotoquecomapenas Eo cincoanosjá cantavaprofissionalmente viria a setornaressapeça-chave.
FOTO: MICHAEL OCHS/GETTY IMAGES

,"""~ ~

Especial Michael Jackson

'" )1;:..".>

~~.

-~,,~~t

~:

),

Noauge,

OM ITO
o artista,
que na década de 70 fez a televisão e na de 80 o videoclipe, foi o precursor dos megaconcertl No estádio de Wembley, teve mais público que Beatles ou RoUingStones. A turnê "Bad Tour", com 1 apresentações e 4,4 milhões de ingressos vendidos' 15 países, entrou para a história como a mais rentá'

do século XX.Detém o recordede maiorvendedor

~..

discos de todos os tempos, com 750 milhões de cópi de 16 álbuns. Faturou mais de US$ 1 bilhão na carrei "Eu me sinto honrado por ter sido escolhido pelos cé para ser invencível", declarou em 2001.

Especial Michael Jackson

Traumas, fama,poder, riqueza, solidão e decadência:trajetória a deumídolomutante
Antonio Carlos Prado e Ivan Claudio

varias vidas de

,

.

As

..

.

A maior estrelapop de todos os temposnão tinha Até seu pai, Joseph,homem autoritário e violento que se dirigia aos filhos com xingacor. Tevevárias.A maior estrelapop de todos os mentose osfazia ensaiarsob cintadasde coutempos não tinha uma sexualidade claramente ro, mostrava-se mais ameno quando o "macadefinida. Disseele,certavez,que tinha várias. A maior estrelapop de todos os temposnem sequer co" - era assim que ele tratava Michael - começava a cantar e dançar. Quando um dos tinha face - também aí tevevárias.A maior estrela pop de todos os tempos,Michael Jackson,que morreu em tos Angelesna quinta-feira 25, não teveuma vida. Tevevárias.
É por isso que, após a morte única e solitária, garotos arrebentou a corda de sua guitarra tentando tocá-Ia, surpreendentemente ele não o repreendeu. Intuiu que os filhos podiam brilhar. Eram os anos 60, uma grande revolu- . ção se anunciava no cenário da música nos
EUA e Michael e quatro irmãos

quando

cessarem as homenagens fúnebres, vai-se finalmente descobrir qual Michael Jackson será conduzido à imortalidade. A aposta mais óbvia é a do talento que fulminou o mundo como os cortantes acordes iniciais da música "Thriller", o estrondoso sucesso que fez do homem sem cor e face o mito e o recordista planetário de venda de discos. De "Thriller", por exemplo, foram mais de 100 milhões de cópias comercializadas. Reunindo toda a sua obra, as vendas chegam à casa mundial dos 750 milhões de exemplares. A primeira das muitas vidasde MichaelJacksoncomeçou aos cinco anos como vocalista da banda Jackson Five no Estado de Indiana, no centro-oeste dos EUA. Era a vida de um anjo: bastava o garoto abrir a garganta afinadíssima para que todos ao seu redor o reverenciassem - como gente grande.
ISTOÉ206810fi12009

-

Jackie, Tito,

Jermaine e Marlon

- foram literalmente "ades-

MICHAEL PELO MUNDO
o pop star
apoiou campanhas humanitárias contra asdrogas e a fome BRASIL Filmagens no Morro Dona Marta, o n Rio.Avaldotraficante Marcinho P(1996) V

APRESENTAÇÃO E ADEUS Mãe mostra Mlchael Jackson na tela para o filho numa loja de eletrônicos em Manlla, nas Filipinas, na quinta-feira 25, dia de sua morte

trados" pelo pai para aprenderem os segredos do ritmo e da dança negras. "Euvomitava sóde ouvirospassos depapal",admitiuelemuitotempo

CASA BRANCA Na campanha antidrogas do casal Ronald e Nancy Reagan (1984)
CLIPE Com Paul McCartney na gravação do vídeo da música "The Girl is Mine" (1982)

~t~1 ..

VOTOApoio ao presidenteemocrata d BiU CUntonavéspera n desuaposse (1993)

COLEGAS clipe No de "We are the World" para arrecadar fundos contra a fome (1985)
FOTO: NAT GARCIAlAFP

ÁFRICA DOSUL Show beneficente noaniversário de Nelson Mandela1996) (

depois. Pelo amor ou pela dor, a disciplina do pai funcionou pelo menos no campo artístico. Com apenas dois anos de apresentações amadoras, o quinteto já ganhava o seu primeiro prêmio na soul music americana. Foi na gravadora Motown, em Detroit, que eles gravaram em 1969 seus primeiros compac-. tos simples. Fenômeno: "I Want You Back", "ABC", "The Love You Save" e 'TIl Be There" atingiram o topo. Com um sentido musical inato, Michael tornou-se a partir daí o centro dos holofotes. O proprietário da gravadora, Berry Gordy, percebeu que ali havia futuro e começou a investir em sua carreira solo. Michael agradeceu a Deus. Não podia saber que estava se despedindo da fase de anjo. Essa recordação soa como uma despedida da infância que ele não teve: "Certa vez vi garotos brincando diante da gravadora. Tudo o que eu queria era estar junto. Escondi minha cara para chorar." O tempo passou. Depois de cinco trabalhos bem-sucedidos e com 24 anos, Mi-

Especial Michael Jackson

I:' 1
. ",

...r

,

,

:"".~

INGLATERRA o rei do pop, em todos os Jornais. Ele faria shows em Londres

EUA Fis com luvas e Imagem no peito diante do hospital em Los Angeles

chael Jackson preparou-se então para a sua grande obra, a gravação que mudaria o cânone da música pop. Guardado sob sete chaves no estúdio,

no dia

10

de dezembro de 1982esse

disco invadiu as lojas dos EUA. Chamava-se "Thriller", o monumental "Thriller", que além da faixa-título apresentava canções perfeitas como "Billie Jean" e "Beat it". O álbum permaneceu 37 semanas em primeiro lugar e sete de suas nove faixas ficaram entre as dez músicas mais executadas. A MTV, emissora que exibia apenas videoclipes e se recusava a abrir espaço para artistas negros, ajoelhou-se: impossível sobreviver fechando os olhos ao novo astro, até porque os clipes que o próprio Michael Jackson concebera para acompanhar as canções também eram uma revolução. Para esbanjar criatividade, ele ainda lançava os seus passos moonwalk (passo da lua) que aprendera com os dançarinos do hiphop - trejeitosuevirariamsuamaKa, q a
além das luvas,do cabeloalisadoe das rou. pas de couro justas que muitas vezes lhe davam uma aparência andrógina, ou, pelo menos,de uma difusa sexualidade.

A partir daí tudo que passou a se referir a Michael Jackson foi astronômico e superlativo, o destino quis-lhe mito e a sua vida tornou-se movida por somas milionárias. Michael recebeu numa mesma noite oito Grammys: recorde. Assinou o maior contrato publicitário já visto, com a Pepsi Cola, no valor de US$ 5 milhões (foi quando passou pela primeira cirurgia plástica porque queimou o rosto). Na sequência, comprou o catálogo da obra do The Beatles. Em 1986, "Bad" tornou-se o primeiro álbum na história da música a ter cinco faixas em primeiro lugar. Sua turnê foi também avassaladora. Em 1993; ano da apresentação no Super High Bowl, acompanhada por 91 milhões de pessoas (outro recorde), ele cravou mais um verbete no Guinness:a sua entrevista para a apresentadora americana Oprah Winfrey foi a que teve a maior audiência da his-

tória da televisão. É para Oprah que ele revelou que tinha vitiligo, que apanhava do pai, que não comprara em Londres a ossada de um "homem elefante". Mas, apesar de sua negativa, cada vez mais circulavam notícias (algumas verdadeiras, outras, só lendas) de que sua vida se cercava de bizarrices. Ganhou o apelido, que odiava, de "Wacko Jacko", ou seja, "Jackson Maluco". Desembarcaram em meio a comportamentos estranhos, reais ou que "Estoutendo um
milhão de reações. Só sei que ele conectava aspessoas"
Cher, antorae atriz c

..

:

,,

"Desdeos tempos dos Jackson Five, ele nunca sedeteve Umfenômeno"
AmoldSchwarzenegger, governador aCallfómla d

"Nãoconsigo
parar de chorar. Viverá sempre.

r-

"Nunca haverá outro

FredAstaireou ElvisPresley.Nem
Michael Jackson"

Deus

o abençoe"
Madonna, cantora

-- "'-- '''''''' .\ '
50 anos

ISTOÉ 206819fi/2009

~
.

,

'

i

.

foitãoturbulento
Jamie Foxx, ator

"Ofim de sua can-eira

.. ,

que tudo que espero é que ele tenha paz"

"Era um homem-menino Um homem com alma gentil"
Paul McCartney,
músico

"Ele era um homem muito doente.
Mlkhall Baryshnlkov,
dançarino ecoreógrafo

~
'" .'

.' ,-,.. .

não é nada"

J

~

~::

-,1

8'
.

"Celebro essa vida incrivel e estou de

profundo luto por sua morte"
Brooke Shlelds, atriz

"Perdemos um verdadeiro embaixador do mundo da música"
JustIn Tlmberlake, cantor

"Seus filhos eram

tudo para ele.o que
maisposso dizer?"
Usa Marle PresleY.ex-mulher de Michaele filhade Elvis Presley

"Um (cone Um presente arttstico para o mundo"
Neli Portnow, presidente

"Ele teve um impacto maior que qualquer outro artista"
Beyoncé, cantora

do prêmio Grammy

"Estou abalada.
f

Meu amigo Michael Jackson mon-eu"
Jane Fonda,atrlz

"Jackson era meu melhor amigo. Eu nao consigo crer em sua morte"
UrI Geller, paranormal

"Estou triste. Eu o acompanhei desde o in(do no Jackson Five"
Tsutomu Sato, ministro japonês do Interior e das Comunicações

"Estou arrasado por ele ter sido tirado de nós tao de repente"
Qulncy Jones, produtor do disco "1hriller"

"Apesar de seus dons,pennanece uma figura trágica"
John Landls, diretor
do videocUpe"1hriller"

lhe eram atribuídos, os primeiros sinais de decadência - e o seu dia a dia tornou-se cada vez mais misterioso. Desde o final dos anos 80, Michael vivia em Neverland, um rancho de 2,7 mil acres comprado por US$ 28 milhões. Nessa espécie de parque temático da Disney, ele recebia como hóspedes crianças poFOTOS: MATT CUNHAM, REED SAXONIAP; MICHAL CZERWONKAIGETTY IMAGESlAFP;

bres e geralmente doentes. Foi acusado de assediar sexualmente alguns garotos, vieram processos (com absolvição) e milionárias quantias gastas com advogados. No auge da crise, em 1994, ele se casou com Lisa Marie Presley, filha de Elvis Presley, mas se separou 19 meses depois. Procurou então a companhia de sua
KIM KVUNG-HOONIREUTERS

antiga enfermeira, Debbie Rowe, com a qual teve dois filhos. A inspiração pareceu ter desaparecido completamente. Apesar de em 1991 ter assinado com a Sony um contrato de US$ 65 milhões, a fórmula perfeita não mais deu certo. Ao lançar o álbum "Invincible", seu último disco de estúdio, em 2001, decidiu romper com a gravadora. No mesmo período, passou a desfilar com o rosto coberto por máscaras e brincou de exibir, colocando para fora da janela, num hotel em Berlim, o seu terceiro. filho, periclitando-Ihe a vida. Atolado em dívidas (em torno de US$ 400 milhões), foi obrigado a vender parte dos direitos do catálogo dos The Beatles e teve a sua Neverland fechada pela Justiça. Ao morrer, Michael tinha agendado uma turnê em Londres numa tentativa de abrandar seus prejuízos. Paratanto, estavaensaiando duro, Tão duro quanto seu pai lhe ensinou, Michaelpor Michael: "Sempre senti solidão," Ele que, em discos e clipes, fez e faz companhia para bem mais que um bilhão de pessoas, _
Colaboraram: Camila Pati e Joice Tavares

I

J

Especial Michael Jackson

Asúltimas

HORAS
Ensaio antesde dormir, njeção i de analgésico e manhãe um d telefonemaparaosparamédicos: "Elenãoestárespirando"
Adr/ana Prado, Gustavo de Alme/da, Marra Magro e Renata Cabral

Na noite da quarta-feira 24, MichaelJacksonchegou três horas atrasado ao ginásio de esportes onde ensaiava para a turnê que realizaria no próximo mês. Estava com "um jeitão meio indiferente", segundo contou um membro de sua trupe ao site americano TMZ dedicado a celebridades. "Mas isso era normal para quem o conhecia." O ensaio prosseguiu sem maiores contratempos e, ao final, o cantor despediu-se de todos e voltou para sua casa, uma mansão alugada por US$ 100mil (cerca de R$ 200 mil) no bairro de Bel-Air, em Los Angeles. Em seus aposentos, ainda teria cantado e dançado antes de ir dormir. Estava motivado, mas tenso. Vivia a contagem regressiva de duas semanas para retomar aos palcos após 12 anos e queria recuperar o sucesso perdido. Dormiu tranquilo, acordou tarde e, por volta do meio-dia na Califómia (16 horas em Brasília),tomou uma injeção de Demerol, um analgésico semelhante à morfina, aplicado por Conrad Robert Murray, médico pessoal do cantor e que, segundo a polícia, moraria na casa do astro. Pouco depois, a respiração de Michael ficou difícile lenta, até parar, contou ao jornal inglês The Sun uma fonte próxima do cantor. O médico tentou reanimá-Io com respiração boca-a-boca e massaISTOÉ206810n/2009

gem cardíaca. A partir daí, foi tudo muito rápido. Os empregados da casa também se uniram aos esforços para reanimá-Io e um deles ligou, às 12h21, para 911, número do serviço de emergência do país (leia a transcrição do

diálogo na próxima página). Estava nervoso e pediu uma ambulância. Michael Jackson estava na cama e não respirava, apesar das manobras realizadas pelo médico e pelos funcionários da casa. Em nova tentativa para

AO VIVO Jackson chega ao hospital com máscara de oxigênio, seu corpo é trasladado e, na Times Square, em Nova Vork, o choque com a notícia em três minutos. Queriam declarar a morte imediata-

Jermaine Jackson, irmão de Michael, virou uma espécie de porta-voz da família e ainda no hospital, confirmou a notícia já transmitida pelos médicos e ainda não totalmente digerida por uma multidão de Ias que acompanhavam os últimos momentos do ídolo ou nas imediações do hospital ou pelos aparelhos de tevês espalhados pelo mundo afora. "Nossa família pede que a mídia respeite nossa privacidade durante esse período difícil, e que Alá esteja com Michael sempre", disse Jermaine. O site americano E! Online foi um dos primeiros a conseguir falar com o pai do artista, Joe Jackson, antes da confirmação do óbito. "Ele não está bem. A mãe dele está indo para o hospital neste momento para vê-lo. Não tenho certeza do que aconteceu. Estou esperando uma resposta", disse, enquanto ainda se acreditava que o quadro era reversível. Não foi. E todos se fazem a mesma

reanimá-Io, seguindo as orientações recebidas pelo telefone, o ídolo pop foi colocado no chão a fim de ser submetido a novas massagens cardíacas sem correr o risco de lesões na coluna. Os paramédicos chegaram à casa do cantor
FOTOS: AP

pergunta: afinal, o que causou a morte o do rei do pop? A medicação que Michael tomou antes de morrer, a injeção de Demerol, pode ser fatal quando mente, segundo o site TMZ, mas o médico do artista teria misturada com álcool, tomada por pessoas com histórico de vício ou miimpedido - e pedido novas tentativas de reanimação. Por nistrada em dose elevada. O cantor era 42 minutos, osprofissionais ten- dependente de remédios e havia, inclutaramressusc:itar Jacksoninda sive, reconhecido isso publicamente. a dentro decasa.Às 13h07, Sua dependência teria começado por (I7h07 em Brasília),deixaram conta de um acidente durante a gravaa mansão rumo ao hospital ção de um comercial para a Pepsi Cola, Ronald Reagan da Universi- em 1984, quando sofreu queimaduras dade da Califórnia.Seisminuno couro cabeludo. Devido ao vício, tos depois, o corpo do artista chegou a antecipar o fim da turnê de era retirado da ambulância e Dangerous, em 1993. Nas últimas selevado para a emergência. O manas, Michael Jackson, segundo funprimeiro diagnóstico foi pa- cionários de sua casa,vinha tomando a rada cardíaca. A seguir, uma droga com maior frequência. O astro teria sofrido uma queda durante os informação não confirmada pelo hospital dizia que Micha- ensaios para a turnê e vinha sofrendo com dores nas costas e nas pernas. Até el estava em coma profundo. a início da noite da sexta-feira 26, a O impasse demorou uma hora, periodo em que a equipe ainda polícia de Los Angeles estava a procura trabalhou na reanimação do cantor. Às do médico Murray. As autoridades que 16h17, o Instituto Médíco Legalde Los investigam a morte do cantor querem Angeles confirmava a notícia: Michael saber exatamente o que, a que horas e Jackson tinha oficialmente morrido em qual quantidade ele ministrou ao horas antes, às 14h26. cantor. O carro do médico foi guincha-

do pela polícia e levado para perícia. Já se sabe que em seu interior encontravam-se diversos medicamentos de uso controlado. "O fato é que Michael Jackson tinha remédios de tarja preta a disposição dele o tempo todo", disse Brian Oxman, ex-advogado de Michael e amigo da família. Michael Jackson viveu de forma hollywoodiana.E seus últimos momentos não foram diferentes. Os diálogos dos funcionários com os paramédicos foram gravados e transmitidos para todo o planeta. A entrada do cantor na ambulância também foi filmada, assim como a remoção do corpo para o IML. O publicitário brasileiro Pedro Tourinho, 29 anos, que faz mestrado na Universidade da Califórnia, soube que o cantor estavaem estado gravee correu para a porta do hospital. "Tinha gente de todas as idades.Aspessoas chegavam

chorando, com caixasde som portáteis, para tocar as músicas do Michael. Construiram até um altar em homenagem a ele", disse Tourinho à ISTOÉ. Por conta do número crescente de admiradores, curiosos e jornalistas, a polícia cercou e interditou o acesso ao hospital que, a essa altura, havia virado alvo de atenção internacional. Aimagem dadorestava estampada emfãsInconsoláveis, abraçados ouatônitos naporta dohospital. de heliFoi cóptero que o corpo do cantor deixou o prédio rumo ao Instituto Médico Legal de 10s Angeles, para a realização da autópsia, na sexta-feira 26. O exame provou que não havia traumas no seu corpo, o que afasta a hipótese de crime violento. As homenagens se multiplicaram imediatamente, em especial nos lugares que eram referências do cantor. Como a casa onde ele nasceu e passou

parte da infância, na cidade de Gary, no estado de Indiana, cujos arredores ficaram repletos de bichos de pelúcia, desenhos, flores e outros objetos levados por fãs para homenagear o cantor. Ou as imediações do Apollo Theater, teatro que sediou o primeiro show do grupo Jacksons Five,no bairro negro do Harlem, em Nova Yorl<.No letreiro, brilhava o texto: "Em memória de Michael Jackson: uma verdadeira lenda do Apollo". A estrela de Michael Jackson na calçada da fama também foi tomada por velas, papéis com orações, pessoas querendo prestar uma última homenagem. Na Inglaterra, o público do tradicional festivalde rock em Glastonbury, em Somerset, deixou por alguns momentos o showem segundo plano para lamentar a morte de Michael. "Estou arrasado, ele foi meu ídolo de infância. Eu iria ao show dele em Londres com

!

"NÃOESTACONSCIENTE"
Diálogo gravado entre um empregado da casa

TRANSPORTE o corpo do idolo deixa o hospital, na Callf6rnla
ISTOE 206812n12009

de Mlchael Jackson e o atendente do serviço de emergência. A ligação foi feita às 12h21, horário de Los Angeles, e durou 42 segundos: Senhor, eu preciso... eu preciso de uma ambulância o mais rápido possível, senhor Ok, qual o endereço? Los Angeles, Callfórnia. 9007 CarroUwood Drive. - Ok, senhor, qual é o número do telefone do qual está ligando? E qual... - Senhor, temos um homem aqui que precisa

-

-

-

de ajuda e não está respirando. Ele não está respirando e nós estamos tentando massagear o peito dele, mas ele não está respirando. - OK. Qual é a idade dele? - 50 anos, senhor. - 50, OK. Ele está Inconsciente, não está respirando? - Sim, senhor, ele não está respirando.

- E ele também não está consciente? - Ele não está consciente, senhor. - Ok, ele está no chão? Onde ele está agora?

-

Ele está na cama, senhor, ele está na cama.

- Ok, vamos colocá-Io no chão.

-Ok.

""I
~ 'I "/

.
gem ao cantor: "Ele sabia como iria morrer. Anos atrás, estávamos conversando e ele me questionou sobre a morte do meu pai. Em um momento, me olhou intensamente e disse com muita certeza: 'Tenho medo de acabar como ele, do mesmo jeito que ele'." A família ainda não divulgou oficialmente a data do enterro do cantor, mas em função das investigações a cerimônia pode levar cerca de uma semana MOBILlZAÇÃO esq., em Garv, À no Estado de Indiana, cidade natal dos Jacksons, fãs em frente à casa da famRla. À dlr., público no museu Madame Tussauds, em Nova Vork que Mendelsohn postou no Twitter, às 17h48,uma tradução da notícia de que Jackson estava no hospital, os acessos ao MJBets dispararam (foram a mais de 16 mil) e o site saiu do ar. "Estamos nos sentindo órfãos", disse ele. "Eu me identifico com ele não só por ser negra, mas também porque, como ele, não soube o que era infância. As pessoas o criticaram, esquecendo o que ele fez, o caminho que ele abriu para

-

d para ocorrer. Oresultadoostestes os artistas negros", disse chorando por telefone à ISTOÉ a cantora Elza Soamas semanas paraserconhecido. No res. Uma favela carioca, em especial, Brasil - onde Michael Jackson esteve entrou em luto: o Morro Dona Marta, três vezes, entre Salvador, Rio e São em Botafogo, na zona Sul, onde o Paulo - também os fãs estavam inconídolo gravou, em fevereiro de 1996, o soláveis. O curitibano Kevin Mendel- clipe da música They don't care about sohn, 27 anos, administra o MJBeats,o us, dirigido pelo cineasta Spike Lee. maior Ia-clube de lingua portuguesa de Uma frase foi pintada numa faixa e afixada numa parede da laje que serviu Presley e ex-mulher de Michael, Lisa Michael Jackson, com mais de quatro Marie Presley, publicou em sua página mil pessoas registradas no Brasil e em de palco: "Fica com Deus Michael". O países como Portugal e Angola. Desde atual presidente da associação de mono site MySpace um texto em homenaradores, José Mário - Ok, vamos colocá-Io no chão e fazer uma Hilario, conta que es- Não, senhor, s6 o médico. O médico era o massagem cardiorresplrat6rla agora, ok? único presente. tá, há anos, tentando - Precisamos, precisamos... - Ok. O médico viu o que aconteceu? construir a Casa do - Estamos a caminho, já estamos a caminho... - Doutor, o senhor viu o que aconteceu? Michae}, um centro - Alguém o viu? (vozes nervosas ao fundo) Senhor, por - Temos um médico pessoal aqui com ele, cultural que ficaria favor, você poderia... senhor. - Estamos a caminho, estamos a caminho. sobre essa laje. Na - Ah, tem um médico aí? Estou passando essas perguntas aos manha da sexta-feira - Sim, mas ele não está respondendo a nada, paramédicos 26 o governador do e estamos a caminho. à massagem cardíaca nem a nada. - Estamos a caminho, mas se alguém está Rio, Sergio Cabra}, - Obrigada,senhor,ele está apertando fazendo a CPR (ressuscitação cardiopulmonar) e apertando o peito dele, mas ele não anunciou que uma responde a nada, senhor, por favor. com Instrução de um médico, ele tem uma estátua do cantor será autoridade maior que eu. Alguém viu o que - Ok, estamos a caminho e chegaremos colocada no local. . aconteceu? em breve.
toxiológicosambémdevedemorar t algu-

mais três amigos; íamos nos vestir como ele em diferentes fases da carreira", disse Eddy, de 26 anos, que assistia ao festival. Na Espanha, o Museu de Cera de Madri levou a escultura que representa Michael Jackson de óculos escuros, luvas e camiseta branca para a Praça Colón, no centro da cidade. "Perdemos um grande artista e ícone pop", lamentou o governador da Califórina, Amold Schwarzenegger. A cantora Madonna contou que "não conseguia parar de chorar por conta das más notícias." A filha de Elvis

..

d
DISCOGRAFIA
Com 16 albuns lançados, o astro colecionou recordes certificados pelo Gulnness World Records: 19 Grammys em carreira solo, seis Grammys com The Jacl<son Flve e 41 m6slcas no topo das paradas como cantor solo

.,on'

Gotbe There*

1979
é o ano do lançamento do seu primeiro disco solo, o "Offthe WaU". O disco vende 25 milhões de cópias no mundo todo

750
milhões
é o volume de discos vendidos de Michael Jackson no mundo

!li.

~ ~
i.
I. l
Offthe Wall Vendeu:25 mllhi5es

II
Music, Me*

8
8en*
Forever, Michael*

Lançado em 1982.o álbum "Thrlller" foi o mais vendido da história: cerca de

100 milhõesdecóPias,
que lhe renderam oito prêmios Grammy. O disco conta com contribuições do cantor Paul McCartney, do guitarrista Eddie Van Halen e do americano Vincent Price

A ~'979
.

-

r

-<

..

foi quanto o astro faturou em três décadas de carreira
0.0

US$l bilhão
' 0.0 , 0.0 ....

'082

..

Thriller Vendeu:100 milhões

8ad Vendeu:38 mllhi5es

i 1 (i)
. .' '087 '991

~

~

Michael Jackson nasceu em 29 de agosto de 1958 em Gary, Indiana (EUA), o sétimo de nove irmãos. Cinco dos irmãos Jackson - Jackie, Tito, Jermaine, Marlon e Michael- apresentaramse juntos pela primeira vez num programa de calouros quando Michael tinha 5 anos. Eles levaram o primeiro prêmio

....................................................................

'.~'

...

Dangerous Vendeu:41milhões

HiStory Vendeu:35 mllhi5es

Ii
~

8100don the DanceFloar Vendeu:15milhões

O grupo mais tarde se tornou o Jackson Five e, quando assinou contrato com a gravadora Motown Records. no final dos anos 1960, passou por uma metamorfose final, tornando-se The Jackson Flve
....................................................................

~

I

2001 Invincible Vendeu:16 mllhi5es

Após

sem sair em tumê, Michael Jackson anunciou em março deste ano uma série de 50 shows

anos

12

2004 The Ultimate Collection Vendeu:300 mil

~.
2003

-

l,

Aos

15 anOS.fOitrancadopelos

....................................................................

irmãos com duas prostitutas em um quarto de hotel para que fosse iniciado à força no sexo. Terminou a noite lendo a "Bíblia" para as moças, sem que nada acontecesse além disso

Number Ones Vendeu: 6 milhões

Em

Michael Jackson estreia o filme "The Wiz", ao lado de Diana Ross,

1976,

considerada a madrinha
dos Jackson Five .................................................................... Jackson tem
11.

2005 The Essential Vendeu:2,5 milhões

3 fi lh O S,
Paris Michael conhecido

chamados

Prince Michaell, este último

e Prince Michael

por um momento

em Londres parajulho.

....................................................................

público breve em que seu pai o segurou para fora da sacada de um hotel

40 mil
ingressos foram vendidos

Thriller:
'sem registro sob,eas vendas

US$ 14,6 milhões
foi quanto Michael pagou pelo rancho Neverland, em 1988

porhora

25th Anniversary Edition Vendeu: 3,5 milhões

DE(AD~N(IA

INFOGRAF1A: FERNANOO BRUM RICARAMOS E

Eramos

,

CINCO
A famíliamusical comandadaelopaitirano p e controlador perde suaporção maisgenial
João Loes A primeira coisa que Joseph "Joe" Jackson fez quando descobriu que um dos filhos brincava escondido com seu violão foi espancá-Io. Quem apanhou foi Toriano Jackson, conhecido como Tito, o mais velho da família, então com 9 anos. Depois da surra, para surpresa do menino, Joe pediu para que ele mostrasse o que vinha dedilhando no instrumento. Ainda
ISTO~ 206810/7/2009

chorando, o garoto pegou o violão e tocou os acordes que praticava. O pai gostou do que ouviu e teve uma ideia. O resto é história. Não se sabe quanto dessa versão do marco zero da carreira musical da família Jackson é verdadeira. Mas dois aspectos básicos da lógica por trás da "Família Real do Pop" ficam evidentes nessa versão, contada com poucas variações pelos 11 membros do clã: Joe foi o gênio e o carrasco por trás dela. Mas, ironicamente, foi

o mais jovem e frágil membro da trupe, Michael, quem sustentou a família no show biz por mais de quatro décadas. Joe misturou violência, talento musical e um aguçado tino empresarial para criar o fenômeno pop. Michael, com talento artístico puro, não só sustentou a mística como transformou os Jackson em uma indústria bilionária. E ele se foi antes dos outros. São muitas as histórias que pintam Joe, hoje com 79 anos, como um tira-

no. Ele mesmo reconheceu, publicamente, que era duro com os filhos. Quem trabalhava com a banda Jackson Five - Michael entrou para o grupo em 1969, com 11 anos de idade - testemunhou demonstrações de violência. Durante ensaios e shows, por exemplo, ele proibia os meninos de o chamarem de pai. Em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, em 1993, Michael contou queo patriarca
chegou dizerqueele era"feiocomoum a macaco", queofez odiara própriaapao

rência. Durante as inúmeras viagens
da trupe, a rotina espartana era supervisionada pelo onipresente Joe. Quem não se levantasse às 7h, não se empenhasse nos estudos com a professora particular ou errasse nos ensaios sofria

vidas", afirma Ivory em documentário que trata da trajetória da família Jacksono "E mesmo assim a influência de Joe continuou." O pai reprovou os quatro casamentos. Segundo ele, as núpcias afastariam os filhos do show biz e espantariam as fãs. Ainda assim, o empresário Joe se manteve à frente do grupo e assinou contrato para tirálos da Motown - gravadora que revelou o conjunto - e levá-los à CBS Records. "O relacionamento deles sofreu muito por causa dessa visão empresarial que ele tinha da própria. família", explica Ivory. Depois de ver os irmãos se casarem, Michael, o mais novo, virou alvo fácil de Joe. "Não tive infância", reconheceu o ídolo quando recebeu das mãos da

RETRATO

como uma bomba na família, que se esforçava para parecer unida em público, mas se desfazia nos bastidores. Dois anos antes, em janeiro de 1991, Latoya Jackson, irmã de Michael, publicara um livro intitulado "Growing up in the Jackson Family" (Crescendo na Família Jackson, em tradução livre). Na obra, Latoya, que é dois anos mais velha que Michael e, a certa altura da vida, era a cara do irmão mais novo, detalhou os podres da família - com destaque para os abusos de Joe. Em entrevistas de 1994 ela foi além e disse desconfiar da inocência do irmão nos casos de abuso sexual. Embora tenha alegado, posteriormente, que havia escrito o livro sob pressão de um marido abusivo, Latoya relembrou várias questões incômodas com a obra. Em entrevista ao docu-

INCOMPLETO À esq., a famRla Jackson no auge, em 1970. À dlr., Janet (centro) posa com os quatro Irmãos: Marlon, Tito, Jackle e Randy (da esq. para a dlr.), em 2008

dolorosas consequências. "Nunca surrei ~eus filhos, pois surra se dá com pau. Eu só batia com um cinto", disse Joe em entrevista concedida ao jornalista Louis Theroux para um documentário que foi ao ar em 2003 pela BBC de Londres. A medida que os meninos foram envelhecendo, o rompimento com o pai violento e centralizador foi se tornando inevitável. Para o jornalista Steven Ivory, especialista em pop dos anos 1960 e 1970, sair de casa era a única maneira que eles tinham de se afastar de Joe. Quatro dos cinco membros dos Jackson Five se casaram com menos de 20 anos. "Eles fizeram isso para assumir as rédeas das próprias
FOTOS: JOHN 0lS0N: AP PHOTQlCHRIS PlZZELLO

mentarista inglês Martin Bashir em 2003, Michael assumiu que sofria sim com os abusos físicos e psicológicos do pai. Ele batia com frequência e caçoava de seu nariz e do problema que tinha com acne. A mágoa era evidente, afastou os dois, e para o paranormal Uri Geller, grande amigo do astro, foi o motivo de tantas cirurgias plásticas - Michael não queria, em hipótese alguma, ser parecido com o pai. No afã de se afastar da pesada figura paterna, ele se afastou de toda irmã Janet o prêmio especial de Lena família. Os quatro irmãos dos Jackda do Grammy, durante cerimônia son Five já marcaram diversas turnês em 1993. No evento, considerado o de retorno do grupo. A última foi Oscar da músicas pop, Jackson falou fechada em 2008 para ocorrer em abertamente sobre sua complicada 2009 e contaria com a participação do infância. "NãotinhaNatalnemaniversá- integrante mais genial. Ele teria assirio. Não tive os prazeres de uma infância nado um contrato que previa a exclunormal- eles foram substituídos por muisividade de sua presença nos shows, to trabalho,esforço dor", desabafou e o mas não cumpriu a cláusula, pois astro, que já colecionava 12 Grammys marcou 50 apresentações só dele em em casa. Nos tempos de Jackson Five, Londres. O descumprimento lhe renele costumava observar as crianças deu um processo movido pelos irjogando beisebol da janela, enquanto mãos, que pediram US$ 20 milhões passava horas preso nos ensaios. Em em reparações. "Quando eu tinha 11 anos, meu pai disse que eu teria que 1993, também surgiu a primeira insustentar toda a minha família", devestigação sobre um suposto envolvimento de Jackson com abusos sexuais clarou Michael na entrevista a Oprah. a menores de idade. A notícia caiu Nisso Joefoiprofético. .

Especial Michael Jackson

o mundo encantado e d
Zoológico, parquede diversões e brinquedos faziamdo rancho um símbolo suasextravagâncias de
Danlela Mendes e Verônlca Mambrlnl

NEVERLAND
O menino que não teve infância resolveu criàr a sua própria Terra do Nunca depois de adulto. Um lugar mágico, o sonho de qualquer criança, com zoológico, parque de diversões, cinema e toda sorte de brinquedos. Michael Jackson fez do rancho Neverland, localizado em Santa Barbara, na Califórnia, seu paraíso particular. O local, onde se refugiava em sua realidade estranha aos olhos do público, era um símbolo de suas extravagâncias. Era o lugar onde Jackson, tal qual Harnlet, podia ser o rei do espaço infinito' recluso em sua casca de noz. Com a sua morte, deverá ser venerado como um santuário pelos fãs do ícone pop. O rancho, batizado de Neverland (Terra do Nunca) em homenagem ao reino da fantasia de Peter Pan, não é hoje nem sombra do que já foi. Comprado em 1988 pelo cantor por US$ 17 milhões, tem cerca de 1.100 hectares e é cercado por fazendas de gado e parreiras. Jackson se encantou com o lugar ao se hospedar lá durante as filmagens do clipe "Say, Say, Say", com Paul McCartney. No seu apogeu, o rancho chegou a ter 150 funcionários e um custo de manutenção de US$ 10 milhões por ano. Abrigava um zoológico com girafas, orangotangos, tigres e serpentário. Pista de kart, duas linhas férreas, uma das quais
ISTOE 2068 10n12009

capaz de acomodar um trem antigo a vapor, e um ônibus amarelo com imagens em tamanho real dos Três Patetas do lado de fora. Quarto de brinquedos, de bonecas e uma minialdeia indígena. Havia 22 construções no terreno,

incluindo a residência principal de 1.200 metros quadrados erguida em estilo Tudor, casas de hóspedes, estábulos, anfiteatro de 50 lugares com equipamentos para exibição de filmes e duas salas especiais para pessoas com baixa imunidade. Contava também com dois helipontos e um departamento de bombeiros com equipe e frota a postos, em tempo integral, para atender a vizinhança. Todos que entravam em Neverland tinham de assinar contratos de confidencialidade e não podiam usar câmeras ou gravadores. A imprensa não era bem-vinda, mas o cantor abria sua residência para os amigos - em 1991, Elizabeth Taylor se casou lá com Larry Fortensky, seu sétimo marido - e as crianças, sobretudo as seriamente doentes. O hábito de receber pequenos visitantes terminou por selar o declinio de Neverland e, em certa medida, a ruína de Jackson. Em 2003, o cantor admitiu em um programa de televisão que dividia o quarto com seus hóspedes infantis. A revelação grudou nele a pecha de pedófilo. Dois anos depois, o golpe final: Jackson foi acusado por um adolescente de 13 anos, convalescente de câncer, de abuso sexual. Embora tenha sido inocentado nos tribunais, jamais se recuperou do episódio. E abandonou Neverland,

APOGEUA propriedade chegou a ter 150 funcionários e consumia US$ 10 milhões anuais de manutençio

o local onde seus fãs fizeram vigília durante o julgamento de quatro meses. No dia da absolvição do ídolo, formaram uma fila de carros, de três quilômetros, do lado de fora. Michael Jackson viveu no rancho por mais de 15 anos. Noquarto do cantor, aviaumpiano h decauda, vários
brinquedos bonecas, lémde pilhasde e a

, ,
a

vfdeos defotosdeShirley e Temple,a artista prodígio dos anos 30. A mansão era enfeitada com lustres de cristal e armaduras medievais, assim como estátuas do super-homem, da atriz Marilyn Monroe e pôsteres de atores infantis. Em Neverland, ele escreveu as canções de "Dangerous" (1991), sentando em uma casa na árvore, e criou seus três filhos, que nunca foram a uma escola comum - eles tinham aulas no terceiro andar da residência principal. Atolado em dívidas, o cantor quase perdeu o rancho. Em 2006, as autoridades da Califórnia determinaram

o fechamento da propriedade e multaram Jackson por não pagar os salários de seus empregados nem manter os seguros em dia. No ano passado, quando os débitos somavam US$ 24,5 milhões, a empresa Colony Capital LLC comprou a dívida por US$ 23 milhões e se tornou sócia do cantor no empreendimento. Para tentar transformar Neverland em algo lucrativo, a companhia resolveu investir. Trocou o nome do rancho para Sycamore Valley, gastou US$ 3 milhões somente em consertos dos sistemas elétrico e hidráulico e colocou 80 funcionários para trabalhar na sua recuperação, de modo a deixar para trás os dias de janelas quebradas e morcegos como hóspedes. Antes da morte do cantor, seu valor era estimado em US$ 90 milhões. Jackson, que ultimamente vivia entre a cidade de Las Vegas, a Europa e o Bahrein, planejou levar a leilão, em abril, os pertences que mantinha

no local, como sua coroa e seu cetro, um modelo de lego de Darth Vader em tamanho natural, um quadro retratando-o como um nobre elisabetano e estátuas do ET. No total, eram 1.390 lotes dispostos em um catálogo de 900 páginas. Na última hora, desistiu de vendê-Ios. "Ele nunca nos explicou o porquê", disse à ISTOÉ Darren Julian, presidente da empresa contratada para leiloar os objetos. "Mas creio que estava triste por causa do fechamento do rancho." A Colony Capital ainda não sabe qual será o destino da propriedade. "Não estamos pensando nisso agora. No momento, nossos pensamentos estão com ele e sua família", disse Owen Blicksilver, porta-voz da empresa. Neverland estará para sempre associada a Michael Jackson e, para seus fãs, será o guardião da magia e do encanto que o astro pop irradiou ao hipnotizar o público com sua dança e sua voz. Colaborou Carolina Guerra .

FOTOS: CIVULGAÇAO; ASON KIRK/GETTY IMAGES; MICHAEl JACKSONI STAFF FILE

Especial Michael Jackson

....
..C'

" \....
'I

...

,

I

-.
ri"

J\..

'" -,

. , ....
I
I

I
IJ
l '.. ..

.

-,
.... ...

,
-...

r
I

I

I

\.. I.- ""'-

I"

I

I

I ·

!
I

....,

L18

-,
I ....I

I""- """

I
I'

II

__J ,

I)

,

I __

-

I '-,
I

,
I

J,
]...-

---

--

--

~

era colocada na berlinda. Não era para menos. Segundo biógrafos do astro pop, ele só teria iniciado a vida sexual ~. ". el Jackson. Era uma meta a ~ ser alcançada. superada. com a própria Lisa, aos 35 anos. Foi E 'il O astronegroqueriaultra- uma tentativa de transpor a barreira da infância e se tornar um homem, capaz passarem fortuna e glória o lendário rei do rock. A obsessãoera tanta que Jack- de estabelecer uma relação madura. son secasou com a única filha do mito, Não foi possível. A história durou apenas 19meses. Tamanha dificuldade Lisa Marie Presley, herdeira de uma fortuna estimada em US$ 100 milhões, para se relacionar com o sexo oposto em 26 de maio de 1994. O anúncio da acontecia porque Michael, também na união deixou o mundo atônito. Até esfera afetiva, não conseguia crescer. "Ele não teve infância, por causa da então, o casal que reunia dois dos maiovida no Jackson Five e do pai tirano", res genes musicais de todos os tempos explica o professor Ailton Amelio da nunca havia sido visto junto em clima Silva, da Universidade de São Paulo de romance. Ao contrário, volta e meia (USP). "E quem não teve infância, a sexualidade do intérprete de "Thriller"
Elvis Presley era mais do que um ídolo para Micha-

perpetua, não consegue sair dela." Num genuíno esforço para romper as barreiras da Terra do Nunca, Michael se casou com Lisa numa cerimônia secreta na República Dominicana, o paraíso dos casamentos relâmpagos. A noiva, no esplendor de seus 26 anos, usava um vestido preto, nada apropriado para o horário do evento, 9h30. O noivo, 11 anos mais velho, trajava calça e camisa pretas, cinto e chapéu de caubói, rabo de cavalo e batom nos lábios. Até o anúncio oficial, não era público sequer que se conheciam. Mas a história dos dois havia começado na infância, tendo como padrinho o próprio Elvis Presley - em 1974, ele levou

,
I

"

POLEMICOATE COMOPAI
Antes mesmo de se casar com sua primeira esposa, Lisa Marie Presley, Michael Jackson já manifestava vontade a

A

,

f
,'

I .
.

í
!

_,'s',:",:
~ '

)~.
I ~.

de ser pai. Lisa não engravidou. terminou e, naquele mesmo

l~

.
.
, I'""

\"..

obteve a guarda definitiva

deles na

Justiça. As crianças nasceram por inseminação artificial e. para gerá-Ias, a mãe fortuna. Na teria recebido uma verdadeira

esteira da loucura do pai, os filhos do cantor viviam isolados e, quando apareciam, usavam máscaras para cobrir o rosto. Em fevereiro de 2002, nasceu Prince Michaelll (foto à dir.), de mãe desconheciao Com uma

o casamento

ano de 1996, o astro se casou com a enfermeira Oeborah Rove. 37 anos. Foi ela quem gerou seus

da. O mais novo do clã foi apresentado mundo de uma forma chocante.

filhos Prince Michael Jr.. 12 anos (foto à esq.), e Paris Michael Katherine, 11.Em 1999. Oebbie abriu mão dos filhos e o artista

fralda na cabeça,oi chacoalhado f pelo pai

OFICIAISLisa Marle Presley (acima), a filha de Elvls, grande fdolo de Mlchael. À direita, a enfermeira Deborah Rover, a mãe de dois filhos do astro a filha a um show dos Jackson Five. Quase 20 anos depois, em 1993,Lisa se aproximou de Michael porque pretendia seguir a carreira de cantora e queria se aconselhar com o ídolo. O casal se encontrou durante seis meses enquanto ela ainda vivia com o músico Danny Keough, pai de seus dois filhos.Michael teria perdido a virgindade em Mar-A-Lago, propriedade do bilionário Donald Trump, em Palm Beach, Flórida. Segundo o livro "Michael Jackson - A Magia e a Loucura", de J.Randy Taraborrelli, Trump confirmou o envolvimento. "Eleme contou que havia beijado a moça mais bonita do mundo e que esperava merecê-Ia."

Desde o início, a união foi encarada ainda mais polêmico, casamento, com com desconfiança. Como se deu logo Deborah Rove, 37 anos, enfermeira de após o cantor ser acusado de pedofilia sua dermatologista. A união foi envolta pela primeira vez, em 1993,suspeitava- em uma nuvem de suspeita e o casal nunca se esforçou em desanuviá-Ia. A se que era uma estratégiapara melhorar a imagem dele. Havia também quem essa altura, o astro já se transformara na julgava ser um bem-sucedido golpe de figura excêntrica que o fazia ficar cada marketing para a carreira de ambos. Os vez mais recluso. Deborah gerou dois dois negavam com veemência esses de seus filhos (leia quadro),por meio comentários. Fato é que, no início, pa- de inseminação artificial.Segundo consreciam um casal como qualquer outro. ta, o vínculo só teria sido oficializado por causa das crianças - e a pedidoda Recém-casados, apareceram num promãe de Michael, Katherine. Nascidos os grama de tevê e declararam estar prorebentos,a relaçãoacabou- apesarde os fundamente apaixonados e já tentando doisnunca teremmorado juntos. ter um filho. Lisa Marie protagonizou Katherine Jackson, a matriarca do cenas quentes com Jackson no videoclipe da música "You Are Not Alone". clã, foi uma figura decisivana formação do comportamento afetivodo filho.Sua Também beijou efusivamente o marido na entrega do MTV Video Music fragilidadee submissão diante da tirania Awards, em 1994. do marido, Joseph, fezcom que Michael buscasse a companhia de mulheres A mesma premiação,um ano depois, mostrou que a relação ELE E ELAS já não ia nada bem. A hostilidade entre o casal era latente: a câmera flagrou Lisa olhando furiosamente para o ídolo pop enquanto ele se apresentavano palco. "As coisas ficaram bem feias no final", confesFIÉIS Jackson conheceu a cantora Dlana Ross (à esquerda) aos 11anos e era obcecado por ela; a sou ela, após a separaatriz Ellzabeth Taylor sempre defendeu o artista ção. O rompimento foi devastador para a filha de Elvis. Em entrevista à revista Rolling Stone, na época, confessouque a experiência havia lhe causado um colapso físico e mental. "Estava totalmente apaixonada COMPANHEIRASJackson disse ter tido um caso e acabei embarcando com Brooke Shlelds (à esquerda), que negou; a atriz Lisa Mlnelll era sua grande amiga em toda essa coisa, da qual não me orgulho hoje", confessou a artista. O casal, apa- fortes e poderosas, num contraponto da rentemente, distanciou-se, o que não imagem materna. Diana Ross é a mais impediu o sofrimento dela com a notí- emblemática. Ele a conheceu aos 11 cia da morte do ex. "Estou muito triste anos, quando a cantora já era uma diva e confusa, sentindo todas as emoções da gravadora Motown. Ficou extasiado. Desde então, estabeleceramuma relação possíveis", afirmou. Em 1996, mesmo ano em que se de parceria, que ele repetiu com mulheseparou da filha de seu grande ídolo, res como as atrizes Jane Fonda e ElizaMichael Jackson iniciou o segundo e, beth Taylor. Sem sexo, vale lembrar.

li

na janelado terceiro andar deumhotel em Berlim,Alemanha.Segundo portao vozda família,ascrianças devemficar coma mãedo cantor, KatherineJackson. "Elaos amaprofundamente",afirmouBrian Oxman.Comoherança. o pai deixoupelo menos100canções inéditas,queteria dedicadoaosfilhos.

.

FOTOS: REUTERS; REPRODUÇÃO: MARCOS VASQUEZlTHE GROSBY GROUP; R BIRNDORF/ P PHOTO A TOBIAS SCHWARZ; CHRIS PIZZElLO; HONOA

--

.---..

o artista
Ivan Claudio

REVOLUCIONARI
o cantorconcebia música a como
umafusãodesome visual abriu e o popparaasmisturas eritmos d
de maio de 1983. Nesse dia, ele estaria apresentando a música "Billie Jean", a mais bem-acabada canção de seu álbum "Thriller", que, àquela altura, já estava há mais de 25 semanas no primeiro lugar nas paradas. Quando Michael Jackson entrou de temo preto, chapéu de feltro, camisa prateada e começou a "flutuar" ao som da incrível linha do baixo da canção, ficou claro para as pessoas a revolução que ela estava anunciando. Para Michael Jackson, música era dança - e tinha que chegar aos olhos, aos ouvidos e ao corpo simultaneamente.
FOTOS: FRANK MICElOTTAlIMAGEDIRECT; KEVIN MA%URIWRELMAGE

I

Primeiro é um pé que avança para a frente, simulando um passo. O outro pé desliza para trás e, na sequência, o movimento é repetido ininterruptamente, dando a sensação de que a pessoa está flutuando de tão leve - andando na lua, como queriam os dançarinos de hip-hop que apelidaram essa dança de "moonwalk". Michael Jackson passou horas diante do espelho ensaiando esses passos. Queria que eles ficassem perfeitos - "orgânicos", disse ele - para causar um impacto fulminante na plateia do especial de 25 anos da gravadora Motown, em 16

l

ISTO~2066 10/7/2009

SEMGRAVIDADE Mlchael dança o "moonwalk", que ensaiou multo para lançar "BIlUeJean", uma música perfeita de um disco perfeito Falarda revoluçãode MichaelJackson é falar de "moonwalk", de "BillieJean" e de "Thriller" porque com esses trabalhos de 1982 ele cravou seu nome definitivamente na história da música. E não apenas em relação a vendagens, porque mesmo artistas medíocres vendem discos. Michael Jackson era um gênio da música porque, ao compor, a canção parecia entrar pelo seus ouvidos e chegar ao seu corpo - e o corpo só é plenamente feliz na dança. "O segredo para ser um compositor maravilhoso é não escrever a música. É deixar a sala livre para a entrada de Deus. Quando eu componho algo e conduo que está perfeito, caio de joelhos e agradeço a Jeová", disse Michael em sua última entrevista, à revista americana Ebony, em 2007. As lendas dizem que outro músico teria dito algo parecido. Seu nome era Wolfgang Amadeus Mozart. Todos os historiadores da música pop costumam
citar James Brown, Marvin Gaye e Stevie W onder como as grandes fontes da música de Michael Jackson. Mas nessa mesma entrevista-testamento ele cita

,~

Quincy Jones. "Sevocê observar atentamente, são na verdade quatro baixos fundidos, cada um com uma personalidade diferente e é isso que dá à canção tanta personalidade", disse o cantor. uma influência surpreendente, mais Uma música seria suficientepara definir próxima de Mozart. Trata-se do músico russo Pietr Illich Tchaikovski. Foi oua revoluçãode Michael Jackson,mas em "Thriller" ele abriu caminho para outras vindo seus concertos e sinfonias que Michael teve a ideia de fazer "Thriller". revoluções. "Beat it", por exemplo, que Dizia ele: "Desde pequeno estudei ompo- traz o guitarrista de heavy metal Eddie c siçãoe foi Tchalkovski quemmaisme in- Van Halen, não é mais soul-funk, espefluenciou. evocêouvir S o"Quebra-nozes", cialidade dos músicos saídos da Mototodasas músicas sãoextraordinárias. Eu wn. É rode. Essa canção abriu o pop quisfazer issocomum discode músicapop. para o cruzamento de ritmos, uma mestiçagem sonora que ainda está em proE trabalhei duro para isso." "Billie Jean" é o melhor exemplo cesso. Isso explica por que o desaparedesse perfeccionismo. Ela começa com cimento de Michael Jackson deixou o um baixo que sugere movimento e vai meio musical estarrecido. Sem ele, a aos poucos incorporando bateria, violi- música ficou menor. Mesmo o ex-executivo da Sony Tommy Mottola, desano, guitarras. Logoo ouvido está dominado pelo balanço, carregando com ele feto de Michael, reconheceu: "Ninguém jamais tinha feito o que ele fez na sua o resto do corpo. E é preciso ter um bom ouvido para perceber o preciosis- época. Ninguém mais fará o que ele fez, a . mo de Michael e do produtor do disco, encerrada suaépoca."

F.speciat Michael Jackson
INOCENTE Na câmara da longevldade e na Corte, em 2005, quando foi absolvido de acusação de abuso sexual

I

Menteinsana em
I"

CORPO DOENTE
Uma Cheio deenergia nopalco, astro doente, émente insana em aum corpo o difícil estabelecer fronteira a partir da qual lutavacontra saúde a frágile as da responsabilidadeJackson infemizavaa cabeça de Michael angústiassicológicas p davidareal sua saúde físicaou o contrário: a doenCarlna Rabelo e Lulza VllIaméa

~
.

No palco, o personagem era ágil, flexível e irradiava ener-

.. .

gia. Essas características

"

davam-lheforça para encan~..1 tar multidões. Na vida real, Michael Jackson enfrentava uma fragilidade físicae emocional que, no decorrer de sua carreira, produziu um extenso prontuário médico. Seus problemas de saúde começaram aos 21 anos, com uma cirurgia após quebrar o nariz durante um ensaio, e avançaram por todo o organismo até chegar a um distúrbio psiquiátriISTOÉ2~6L ..r.'/200Ç

co conhecido como dismorfia corporal - a distorção da própria imagem. Nesse cenário complexo, passou ainda por uma severa dependência de analgésicos controlados, assumida em novembro de 1993, durante seu primeiro processo por pedofilia. "A pressão dessa falsa acusação, junto com a incrível energia necessária para que eu me apresente, provocou demasiada tensão, o que me deixou física e emocionalmente exausto", disse Jackson. "Eu me tomei muito mais dependente de analgésicos."

ça real agravava suas perturbações mentais. Jackson tinha 22 anos ao ser diagnosticado com lúpus, uma doença inflamatória de origem desconhecida, que pode provocar lesões na pele, malestar, febre e fadiga. Os sintomas, porém, haviam desaparecido quatro anos depois, quando ele sofreu queimaduras de segundo grau no couro cabeludo, durante a gravação de um comercial da Pepsi-Cola em Los Angeles. Um fogo de artifício explodiu bem detrás de Jackson, que cantava a música "Billie Jean", cobrindo-o de faíscas e ateando fogo em seus cabelos. Levado a um hospital, teve alta no dia seguinte, mas
FOTOS: KEVORK OJANSEZIAN/POOL/EFE; GSIMITHE GROSBY GROUP

1-

ca da juventude eterna e da longevidade, o cantor incorporou à rotina uma câmara hiperbárica, na qual passavahoras por dia, às vezes toda a noite, submetido a uma pressão maior do que a atmosférica e respirando oxigênio a 100%. Da câmara, saía sentindo-se "como uma nova pessoa" e convencido de que ela era uma ferramenta fundamental para o seu plano de viver "pelo menos 150 anos". Apesar do uso intensivo do equipamento, em 1990 ele chegou a ser hospitalizado com dores no peito. Um dos períodos mais críticos da fragilidade física e emocional só se evidenciou, no entanto, três anos depois. Primeiro, seu dermatologista,Amold Klein,anunciou que o clareamento de Jackson se devia ao vitiligo,doença de origem desconhecida. Essamoléstia faz com que a pessoa perca melanina, o pigmento que determina a cor da pele, cabelos e olhos, em uma área ou em todo o corpo. O progressivoclareamento do cantor era acompanhado pelo afilamento do nariz, produto de cirurgias plásticas que, estima-se, chegaram a 50. Elas envolveram intervenções nas maçãs do rosto e no queixo, que renderam ao cantor intensas críticas por abandonar

jamais se livrou do uso dos analgésicos que começou a tomar para aplacar as dores das queimaduras. Pouco depois de os cabelos se incendiarem, Jacksoncomeçou uma sucessão de tratamentos dermatológicos que clareavam cada vez mais o tom de pele. Os cabelos, por sua vez, perderam o esti- CONDENADO lo "black power" da Em fevereiro, época em que os cin- com touca e co irmãos Jackson máscara: armas para cantavam juntos. lutar contra Acabaram completa- problemas mente lisos. Em bus- de saúde

sua imagem original. Em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, em fevereiro de 1993, Jackson pareceu confortável ao falar sobre música, mas revelou-se quase indignado ao ser questionado sobre a transformação do visual. À Oprah, que também é negra, garantiu que não podia controlar o clareamento, argumentando que se tratava de um problema herdado da família paterna. ,.As pessoas contam histórias de que eu não quero ser quem eu sou. Isso me machuca", lamentou Jackson. ,"Deus, não estou fazendo nada para mudar a cor da minha pele." Ainda em 1993, ele cancelou uma série de shows na América Latina, no Oriente Médio e na Ásia, devido a problemas de saúde, mas não entrou em detalhes sobre a situação. Durante a turnê americana, porém, o astro pop, então com 35 anos, não resistiu aos impactos causados no organismo pela q dependência química. Admitiu uese viciaraem analgésicos rescritos p por médicosove n anos antes, omo c morfina e Demerol, quando queimara couro o ca. beludo. seguida, internou-se para Em tratamento de desintoxicação na Clínica Charter Nightingale, em Londres, na Inglaterra, onde permaneceu por 11 dias. A peregrinação de Jackson por clínicas médicas continuou pelos dois anos seguintes,embora de forma mais discreta. Enquanto isso, os resultados das intervenções cirúrgicas ficavam cada vez mais evidentes, especialmente no nariz, onde foi acrescentada cartilagem às extremidades para dar-lhe sustentação e remodelá-lo. Malsucedido, o procedimento implicou o uso de uma prótese na região. No dia a dia, disfarçava o encaixe da estrutura com maquiagem, mas também costumava dispensá-Ia. "Quando Michael é visto com a máscara cirúrgica que se tomou parte integrante de sua imagem, nem sempre é porque está tentando esconder sua identidade ou evitar micróbios", registrou o biógrafo J.Randy Taraborreli, em "Michael Jackson - A Magia e a Loucura". "A colocação do aplique é um processo

Especial Michael Jackson
desagradável e frustrante. É uma cruz que ele tem de carregar todos os dias." O ritmo do próprio trabalho foi sua outra cruz. Revelou-se pesado demais na tarde de uma quartafeira de dezembro de 1995, durante um ensaio no Beacon Theater, em Nova Yor1<, desmaiar no palco. ao Quando chegaram ao teatro, os paramédicos do serviço de emergência de Nova York diagnosticaram um quadro de exaustão e desidratação, além de uma perigosa queda de pressão sanguínea. Estava com 7 por 4, quando o padrão é 12 por 8. "Ele aparecia muito REALNa pintura, um príncipe perfeito. No shopplng, a busca pela beleza na arte apático", disse à época a paramédica La-Shunn Kninantes" nas costas. "A dor física é real. grenhados e vestindo um pijama azul. ghí. "Balbuciava palavras que eu não conseguia compreender." Precisou enE há também o sentimento de que foi Aparentava estar muito sedado. E não tão receber oxigênio antes de ser levado traído por aqueles que confiou", disse parou de se queixar de dores nas costas. o reverendo, referindo-se aos acusado- O processo provocou um forte impacpara o Beth Israel Hospital North. Aexposição pública dafragilidade fi. res de Jackson. to no patrimônio de Jackson, assim slcaeemocional eJackson d seaguçou no No dia em que seu advogado avisou como sua compulsão por consumo. periodo querespondeu umsegundo que ele faltaria à audiência devido às em a Nos últimos anos, eram frequentes processo opapeldemolestadornfantil. dores, o juiz Rodney Melville deu um n i os rumores de que o cantor sofria de A fase de seleção do júri teve de ser prazo de uma hora para que o cantor câncer de pele. Há cerca de um ano, interrompida por uma semana, duranchegasse ou expediria um mandado de foi flagrado circulando por Las Vegas em uma cadeira de rodas. Pouco temte a qual o cantor ficou internado em prisão. Com oito minutos de atraso, Jackson desembarcou no tribunal di- po depois, outro biógrafo seu, Ian um hospital, tratando de uma gripe. Meses depois, na véspera do julgareto do hospital, com os cabelos desHalperin, divulgou que ele teria de mento, no domingo 6 de fazer um transplante de pulmão, por estar sofrendo de deficiência de alfa-l junho de 2005, ele teve de ser levado em uma amantitripsina, uma doença genética que bulância de seu rancho, provoca enfisema pulmonar e hemorNeverland, para um cenragias internas no órgão. Jackson netro médico da região, o gou. Em fevereiro passado, fotografado Santa Ynez Valley Cottaem Beverly Hills, estava com touca ge Hospital. Tinha a apacirúrgica e máscara, mas o que mais rência frágil, estava abaichamou a atenção foram suas mãos xo do peso e pouco leminchadas e vermelhas. De lá para cá, brava o artista que danpreparando-se para o retorno em grançara sobre uma camionede estilo na turnê que começaria dia te em uma gravação feita 13 de julho em Londres, intensificou 18 meses antes. Depois as atividades físicas. Para quem pensaPLEBEU Em2008, de visitá-Io, o reverendo va viver por 150 anos, a viagem de flagrado pouco antes Jesse Jackson disse que Michael Jackson acabou quando ele de rumoresde que faria ele sofria dores "lancitransplante de pulmão completou um terço do caminho. .
ISTO~ 2068 10n/2009
FOTOS: DIVULGAÇÃO

Afama

MATA
Especialistas explicam porquea morte virao único limite paraquemlevauma vidasuperlativa
Ellane Lobato

A morte de Michael Jackson é um bom exemplo de como a celebridade transtorna a vida do célebre.Não são poucos os que sucumbem ao estrelato: Marilyn Monroe, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Elvis Presley,

gação louva a justa medida, exatamente o que não existe na vida de uma estrela. "É tudo demais. A pessoa tem dinheiro demais, sucesso demais, come demais, bebe demais", diz Sodré. "A morte acaba sendo o limite para quem vive uma vida sem limites." Em seu livro "O Autoengano", o escritor e professor Eduardo Gianetti também explora a tese de que "o caminho do excessoextravasaas fronteiras da nossa condição mortal, agride a ordem divina ou natural das coisas e, por isso, não termina bem." É uma overdose de poder. Para a psicanálise,isso pode levar à patologia. De certa forma, os muito famosos já vivem em estado de paranoia, na opinião do psicanalista argentino radicado no Brasil Alberto Goldim. "O paranoico acha que todo mundo está olhando para ele. O famoso tem de lidar com isso na vida real: de fato, está todo mundo olhando para ele mesmo", explica o especialista. A consequência imediata é que elese afasta do comum e acentua o narcisismo. Depois, vemasolidão ea busca porsuportes, como drogas, álcool remée dios, araa frustraçãoorterdelidarcom "inp p a significância humana", simbolizada atosrotipor neiros fazera barba, tomar banho e escovar como os dentes. Michael Jacksonsó se sentia à vontade no palco.Diziaestartão acostumado a andar com seguranças e assistentes que tremia se tivesse de abrir uma porta. John Lennon foi vítima da exacerbação do dano causado pela fama ao ser assassinado justamente por quem se supõe amar um ídolo: o fã. É um caso raro dentro de um universo de quem pagou com a vida o preço dos extremos que o sucesso acarreta em forma de sintomas, doenças psicossomáticas, depressão, realidade deturpada. Para Goldim, Jackson provou quanto era poderoso quando decidiu mudar a própria genética, trocar de pele. Mas até que ponto isso pode ser feito sem consequências? Para Muniz Sodré, "o grotesco do cantor era a falta de limite, a desmedida" - que começounuma infância promissora e virou esquisitice numa maturidade perturbada. O complemento grego do "nada em excesso" é o famoso "conhece-te a ti mesmo", que significa não apenas encontrar sua própria verdade, mas conhecer a necessidade de guiar a vida de um modo adequado, visando à virtude e à felicidade, segundo o filósofo Maurício Marsola. Ou seja, premissas que praticamente inexistem na vida de estrelas da

~
ELVISPRESLEY Insuficiência cardíaca tirou sua vida aos 42 anos

JOHN LENNON Foi assassinado por um fã. Tinha 40 anos

KURT COBAIN Suicidou-se com um tiro na cabeça aos 27 anos

Kurt Cobain, Jim Morrison, Heath Ledger, Elis Regina, Garrincha, Cazuza e até mesmo John Lennon, assassinadopor um fã. Há um princípio grego que prega: "Nada em excesso." O curto preceito explicaum pouco por que a fama mata. Segundo o professor e sociólogo Muniz Sodré, autor do livro "O Império do Grotesco", a preFOTOS: API!MAGE PLU5

grandeza deMichael Jackson.

.

JANIS JOPLlN Morreu de overdose de heroína aos 27 anos

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful