UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE DIREITO CENTRO DE DIREITO DA FAMÍLIA

INTERVENÇÃO SOCIAL E JUDICIAL
PROCESSO DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS E PROTECÇÃO DAS CRIANÇAS E JOVENS EM PERIGO
PERSPECTIVA PRÁTICA

TRABALHO ELABORADO POR: ALDA DE FÁTIMA TOMÁS FERREIRA LUIS PEDRO SEVERINO

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores

2002/2003

Universidade de Coimbra

“Pois eu gosto de crianças, Já fui criança também Não me lembro de o ter sido, Mas, só ver reproduzido O que fui sabe-me bem. É como se de repente A minha imagem mudasse No cristal de uma nascente E tudo o que sou voltasse À pureza da semente”
Miguel Torga

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

2

Universidade de Coimbra

INDICE

I – Introdução…………………………………………………………………………………………..............5

II – Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e dos Jovens 1- O Sistema de Protecção Português – Evolução Histórica………………………………...……….8 2 – A Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em Perigo – Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro 2.1. – A Actuação das CPCJP……………………………………................................................12 2.2. – A Actuação do Ministério Público – O Processo Judicial………………………. …… 17

III – Estudo de Caso 1 – História Social……………………………………………………………..............................................28 2 – Situação – Problema…………………………………………………………………...........................30 3 – A Intervenção da CPCJP……………………………………………………………………………...32 4 – A Intervenção Judicial ………………………………………………………………………………. 39

IV – Conclusões/Considerações 1 – Insucesso e subsequente Abandono Escolar…………………………………………………...….43 2 – Trabalho Infantil………………………………………………………………………………………. 46 3 – Intervenção das CPCJP e dos Tribunais…………………………………………………………... 59 4 – Considerações/ Propostas…………………………………………………………………………. …64 V – Bibliografia……………………………………………………………………………………………...67

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

3

Universidade de Coimbra

PARTE – I INTRODUÇÃO

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

4

Universidade de Coimbra

I – INTRODUÇÃO
O presente trabalho pretende mostrar, que embora cada história de vida seja diferente, existe sempre um padrão comum nos menores em situação de perigo: famílias desestruturadas, pobreza socio-económica, más condições habitacionais, ausência de responsabilidades parentais, negligência, maus-tratos, exposição a violência e a privações múltiplas, dificuldades escolares, abandono precoce e problemas de comportamento. Nesta perspectiva, esta investigação reporta-se a todos os jovens que não tiveram experiências tradicionalmente vistas como fazendo parte de uma infância normal, não lhes foram dadas as necessidades básicas, como comida, roupa, carinho e conforto, não tiveram o estimulo e a tolerância que encoraja o crescimento pessoal e o seu desenvolvimento e não usufruíram de oportunidades para se sentirem queridos e úteis, vendo por isso, a integração precoce no mercado de trabalho subjacente ao abandono escolar, como a única solução para poderem contribuir, como pessoas, para o seu bem estar. Nestes casos, a ausência de um “meio facilitador” é na grande maioria um problema transgeracional que se vai perpetuando, levando a que o desejo de crescer e o prazer de aprender seja apenas uma miragem para estas crianças que encontram na escola um ambiente tão hostil que, em regra deixam de a frequentar. De facto, perante o problema social dos jovens em progressiva “desfiliação”, fuga da família e principalmente da escola, tal como sucede no estudo de caso apresentado, o Estado tem de ter uma resposta proactiva, ou seja, o Estado deve promover a inserção em sociedade de jovens que potencialmente se encontram a caminho da marginalidade e da exclusão, que se afastam da escola e estabelecem com esta relações de recusa e abandono e vão construindo identidades próprias na busca de alguma forma de valorização social, particularmente entre o grupo de pares. Não

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

5

Universidade de Coimbra

esquecendo que estas situações começam a acontecer cada vez mais cedo e são essas que nos preocupam. Ora, enquanto o Estado não dá respostas de qualificação profissional e escolar aos jovens que se excluíram da escola e estão, por isso mesmo, mais vulneráveis a aprofundar processos de exclusão (que, com frequência são prévios percursos de marginalidade) parece-nos incongruente que o mesmo Estado impeça o acesso a Formação Profissional de jovens menores de 15 anos que não concluíram a escolaridade obrigatória, quando esta pode até constituir um factor de desenvolvimento e de integração familiar e social. Porém, convém não esquecer os riscos que se podem correr ao dizer que estas crianças já não se adaptam às medidas que priorizam a sua escolaridade e que eventualmente poderiam assumir alguns “ofícios” devido à sua maturidade em muitos adquirida à “força” para poderem sobreviver no seu dia a dia e prosseguirem a luta sem desistirem. Será que ao tratarmos estas crianças como pequenos adultos, devido à tal maturidade, pode implicar o risco destes terem que assumir outras medidas mais punitivas por cometerem actos juridicamente puníveis? Na perspectiva de se encontrarem soluções para o problema destes jovens, muitas são as Escolas que vêem como única alternativa a sinalização destas situações às Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, no intuito destas aplicarem medidas capazes de dissolver os seus problemas. Mas será que as Comissões, através das suas medidas conseguem solucionar o problema destes jovens? Ou terá o Sistema Judicial forma de os resolver? Que soluções consagra então o Estado no sentido de promover a promoção e protecção dos jovens com menos de 15 anos? Foram estas e outras questões que nos propusemos responder tendo em conta algumas considerações que a nível prático deveriam existir de forma a possibilitar uma actuação com a mesma eficácia em todas as situações de jovens em perigo.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

6

Universidade de Coimbra

PARTE – II Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e dos Jovens
1- O Sistema de Protecção Português – Evolução Histórica 2 - A Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em Perigo -Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro 2.1. - A Actuação das CPCJP 2.2. – A Actuação do Ministério Público

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

7

Universidade de Coimbra

II – Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens em Perigo
1 – O Sistema de Protecção Português: Evolução Histórica
Em Portugal, o trabalho de intervenção com crianças abandonadas e maltratadas, tem início no Séc. XIX, cujo principio era pautado pela Caridade Cristã, sendo por isso desenvolvido pelas Misericórdias. Nesta perspectiva assistencialista, a organização da Protecção da Infância e da Juventude, circunscrevia-se à criação de instituições de acolhimento, para onde eram enviadas, indiscriminadamente e por tempo indeterminado, as crianças órfãs, abandonadas e mendigas. Os menores eram vítimas dos eufemismos da reeducação e das medidas de segurança que, na prática, traduziam o castigo e legitimavam privações de liberdade sem processo, sem garantias e sobretudo sem um tempo definido de duração. Somente em 1911, a ideia de proteger as crianças e os jovens foi definitivamente consagrada com a “Lei de Protecção à Infância”. Na sequência deste diploma é criado o 1.º Tribunal Especial para Crianças, em Lisboa, a que se chamou Tutoria Geral da Infância. Nesta altura, as medidas de protecção aplicadas, consistiam essencialmente no “internamento por período indeterminado em “casas de correcção”e “reformatórios”de regime fechado, revestindo por isso a natureza de verdadeiras penas privativas de liberdade”.1 De uma maneira geral, subsistiam processos que pouco explicavam ao menor acerca dos factos que lhe eram imputados, pouco lhe reconheciam o direito de se pronunciarem e praticamente lhe negavam toda a possibilidade de se defender. Os Tribunais tinham poderes quase ilimitados na escolha do tipo e duração da medida. Nesta altura, há uma manifesta ausência de garantias de defesa dos menores.

Cfr. Rosa Clemente, in “Um Novo Olhar Sobre a Criança – Um Direito Novo de Promoção de Direitos e de Protecção”, Revista Intervenção Social, n.º 17/18, 1998, pág. 20 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

1

8

Universidade de Coimbra

Após a Revolução de 1974, surge em Portugal, a ideia de se proceder à criação de Comissões de Protecção de Menores, com Órgãos Administrativos de Aplicação da Justiça, que visava a reforma da legislação. Estas Comissões Administrativas de Protecção de Menores seriam constituídas por “especialistas dos três Ministérios interessados na formação de crianças e adolescentes (Ministério da Educação e Cultura, Ministério dos Assuntos Sociais e Ministério da Justiça) e delegados da Câmara Municipal das áreas de intervenção, tendo uma base local – Sedes do Concelho.”2 Ao projecto subjazia a ideia de que a protecção social devia sobrepor-se à protecção judiciária nas situações de inadaptação de crianças e jovens, circunscrevendose a intervenção obrigatória do tribunal apenas nos casos em que fosse necessário limitar o poder paternal, e a situações de crianças que tendo atingido os 14 anos, cometessem actos qualificados na lei como crime.3 Este projecto da criação de Comissões de Protecção de Menores, que acabou por não ser posto em prática, é retomado em 1978 pelo Decreto-Lei 314/78 de 27 de Outubro. Este diploma, ao proceder à Revisão da Organização Tutelar de Menores (OTM), veio criar, nos Centros de Observação e Acção Social (COAS), órgãos de gestão a que foi dado o nome de Comissão de Protecção. Estas comissões surgiram com uma configuração distinta da projectada em 1974. As suas competências eram mais restritas, quer ao nível da intervenção (limitada às situações de inadaptação e delinquência; com jovens até aos 12 anos4), quer ao nível do funcionamento (desaparece a base local, ou seja, não intervêm junto da comunidade, mas sim dos tribunais). Além disso, estas Comissões não tinham um plano de acção nacional, limitando-se apenas aos Centros de Observação e Acção Social de Lisboa, Porto e Coimbra. A sua instalação em todos os concelhos teria implicado a criação de meios institucionais e humanos, o que não veio a acontecer. No entanto, a Lei previa no Art.81.ºda OTM, o alargamento da acção dos centros e a criação de subcentros “em
Comissão constituída pelo Ministro da Justiça, Salgado Zenha, cujas conclusões se encontram na Revista “Infância e Juventude”, n.º 1, 1976 3 Crf. Graça Afonso e Paulo Pedroso, 1998 4 Vide Art.76.º da OTM 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
2

9

Universidade de Coimbra

zonas onde se verificasse uma maior incidência de casos de delinquência ou inadaptação”5 Posteriormente, veio a ser retomada a ideia inicial de 1974, pelo Decreto-Lei n.º 189/91 de 17 de Maio, que veio institucionalizar as Comissões de Protecção de Menores. Este modelo, instituído na OTM vem configurar uma protecção não-judiciária exercida a nível local, de modo a encontrar respostas adequadas na comunidade. As competências abrangem não só a inadaptação e a delinquência até aos 12 anos, mas também as situações de menores em risco até aos 18 anos. Estas Comissões exigem uma intervenção interdisciplinar e interinstitucional, cuja preocupação na promoção dos direitos fundamentais das crianças e da família, passa por uma intervenção nãojudiciária e só em último caso devem ser assegurados pelo sistema judiciário. No entanto, o sistema da OTM6 não proporciona aos menores medidas adequadas às suas necessidades e conforme os seus direitos, uma vez que são objecto de medidas de internamento em instituições de reeducação, tanto menores em situação de desprotecção (que não encontram na família condições sócio-educativas ou económicas), como menores agentes de factos ilícitos.7 Foi precisamente para que se ultrapassassem as limitações deste regime que se iniciaram vários estudos que deram origem à Reforma do Direito dos Menores, com o intuito de preconizar a diferenciação entre menores delinquentes e menores em perigo, pois a OTM, não distinguia o que era naturalmente diferente, tratando de igual forma, situações desiguais à partida. Nesta perspectiva, foram aprovadas duas leis que separam definitivamente as situações de menores em perigo a carecer de protecção por falta de cuidados básicos
Cfr. Maria Teresa Sousa, in “Competências das Comissões de Protecção de Menores para a Aplicação e Revisão de Medidas por elas Promovidas”, Revista Infância e Juventude, n.º 3, 1998, pág.8 6 Na OTM os menores que cometem crimes devem ser tratados exactamente nos mesmos termos que as crianças com outras dificuldades de integração social, mas que não infringem a lei penal, ou que simplesmente se encontrem em perigo, dadas as condições em que vivem. Vide Eliana Gersão, in “ As Novas Ideias de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo e de Tutela Educativa – Uma Reforma Adequada aos Dias de Hoje”Revista Infância e Juventude, n.º 2, 2000, pág. 28 7 Eliana Gersão, 2000 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
5

10

Universidade de Coimbra

(Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo – Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro), das situações de comportamentos ilícitos levados a cabo pelas crianças e jovens a exigir uma educação para o direito e uma recuperação (Lei Tutelar Educativa – Lei n.º 166/99 de 14 de Setembro). Assim sendo, a criança em perigo passou a ser definida como “ aquelas crianças sujeitas a maus-tratos, a quem os pais ou representantes legais, não prestem os cuidados necessários ao seu desenvolvimento e aquelas que com o seu comportamento ponham elas próprias em causa o seu crescimento”.8 Visa-se, com o alargamento deste conceito, abrir a possibilidade de intervenção na protecção de crianças e jovens que têm comportamentos desajustados, sem que, todavia, cometam infracções.9Porém, nem todas as situações de perigo justificam a intervenção estadual, sendo esta legítima somente nos casos em que os pais não queiram ou não consigam pôr termo às situações de perigo. Cabe pois, aos pais, em primeira instância, intervir nas situações de perigo, educando os filhos com a noção da sua responsabilidade parental que lhe advém do Poder Paternal.

2 – A Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em Perigo – Lei nº 147/99 de 1 de Setembro

Partindo do marco legislativo actual – Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro – o Sistema de Promoção e Protecção intervêm nos casos considerados em Situações de Perigo10, pois diariamente somos confrontados e interpelados com a evidência mediática
Definição da Comissão Interministerial para o Estudo da Articulação entre os Ministérios da Justiça e Solidariedade e Segurança Social 9 Idem Eliana Gersão, 2000, pág. 17 10 Considera-se que a criança ou o jovem está em situação de perigo quando: a) Está abandonada ou vive entregue a si própria b) Sofre de maus-tratos físicos ou psíquicos ou é vítima de abusos sexuais c) Não recebe os cuidados ou a afeição adequados à sua idade e situação pessoal d) É obrigada a actividades ou trabalhos excessivos ou inadequados à sua idade, dignidade e situação pessoal ou prejudiciais à sua formação e desenvolvimento e) Está sujeita, de forma directa ou indirecta, a comportamentos que afectem gravemente a sua segurança ou o seu equilíbrio emocional f) Assume comportamentos ou se entrega a actividades ou consumos que afectem gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou desenvolvimento sem que os pais, o 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
8

11

Universidade de Coimbra

de uma realidade persistente de muitas crianças e jovens vítimas de toda a espécie de violação de direitos fundamentais, sujeitas a múltiplos factores de risco que comprometem o seu desenvolvimento equilibrado e seguro. Assim, torna-se imperativo a intervenção do estado e da sociedade civil na promoção dos direitos e protecção das crianças e jovens sujeitas a maus-tratos, a abusos de autoridade, a negligência, a abandono e ainda aqueles a quem os pais ou representantes legais não prestem os cuidados integrais ao seu desenvolvimento, não tomando (ou não podendo tomar) as medidas necessárias para pôr cobro a esses comportamentos, ou não se mostrando eficazes as medidas que adoptam.11 Neste âmbito, evidencia-se a importância da substituição da intervenção judicial pela intervenção social, considerada menos estigmatizante e melhor preparada para fazer face aos problemas e dificuldades que estão muitas vezes na base das situações de desprotecção de crianças.12

2.1. – A Actuação das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo

As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo são um modelo de intervenção não-judiciária que apela à participação activa da comunidade, uma vez que, é a comunidade local, pela proximidade dos seus problemas, das pessoas e das soluções, que está em melhores condições para responder às questões que se colocam no domínio da infância e da juventude. Assim, a competência territorial13das comissões, contribui não só para promover acções e identificar carências, como também para mobilizar recursos na comunidade que ajudem a afastar as crianças e os jovens do
representante legal ou quem tenha a guarda de facto se lhes oponha de modo adequado a remover essa situação. Vide, n.º 2 do Art.3º da LPCJP 11 Vide, Rosa Clemente, 1998 12 Cfr. Eliana Gersão, in “A Intervenção Comunitária na Protecção de Crianças e Jovens em Perigo”, Actas do Congresso Internacional – Os Mundos Sociais e Culturais da Infância, II Volume; Janeiro/2000, pág.48 13 Vide, Art.15º da LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

12

Universidade de Coimbra perigo.14Porém, para afastar o perigo em que estes se encontram e proporcionar-lhes as condições que permitam proteger e promover a sua segurança, saúde, formação, educação, bem-estar e desenvolvimento integral, é necessário ter em atenção os princípios orientadores da intervenção, que devem nortear a actuação de todos os actores sociais.15 Pretende-se com estes princípios garantir à criança e ao jovem, uma intervenção que atenda prioritariamente aos seus interesses e necessidades globais – Princípio do Superior Interesse da Criança e do Jovem16 – sempre que se encontrem em perigo e logo que haja conhecimento dessa situação – Princípio da Intervenção Precoce17 – deve-se actuar de forma a evitar quaisquer actos que comprometam o bem-estar e o desenvolvimento integral da criança ou jovem. Assim sendo, as situações em que se verifique a existência de perigo iminente para a vida e integridade física da criança ou do jovem e a oposição dos detentores do poder paternal ou de quem tenha a guarda de facto, legitimam o recurso aos procedimentos de urgência.18Nestes casos, a retirada do menor para um local de protecção pode ser feita pela polícia, sem ordem do tribunal, mas este deve ser imediatamente informado, para que a situação seja legalizada nas 48h

14

Para facilitar a compreensão enunciam-se as competências da Comissão Alargada: a) Informar a comunidade sobre os direitos das crianças e do jovem e sensibilizá-la para os apoiar sempre que estes conheçam especiais dificuldades; b) Promover acções e colaborar com as entidades competentes tendo em vista a detecção dos factos e situações que, na área da sua competência territorial, afectem os direitos e interesses da criança e do jovem, ponham em perigo a sua segurança, saúde, formação ou educação ou se mostrem desfavoráveis ao seu desenvolvimento e inserção social; c) Informar e colaborar com as entidades competentes no levantamento das carências e na identificação e mobilização dos recursos necessários à promoção dos direitos, do bem-estar e do desenvolvimento integral da criança e do jovem; d) Colaborar com as entidades competentes no estudo e elaboração de projectos inovadores no domínio da prevenção primária dos factores de risco e no apoio ás crianças e jovens em perigo; e) Colaborar com as entidades competentes na constituição e funcionamento de uma rede de acolhimento de crianças e jovens, bem como na formulação de outras respostas sociais adequadas; f) Dinamizar e dar parecer sobre programas destinados às crianças e jovens em perigo. Vide, Art.18º da LPCJP 15 Vide, Art.17º da LPCJP 16 Vide, Art.4º alínea a) da CPCJP 17 Vide, Art.4º alínea c) da CPCJP 18 Vide, Art.91º da LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

13

Universidade de Coimbra

após a retirada. Enquanto se define o seu encaminhamento subsequente, podem ser aplicadas medidas provisórias.19 As situações de perigo podem ser comunicadas pelas autoridades policiais20, pelas entidades com competência em matéria da infância e da juventude,21ou por qualquer pessoa que tenha conhecimento dessas situações22. Importa referir, que as comunicações devem ser acompanhadas de todos os elementos disponíveis que se mostrem relevantes para a apreciação da situação, salvaguardando a intimidade da criança ou jovem, nos termos do nº2 do Art.71º LPCJP. Uma vez feita a comunicação/denúncia, terá lugar a avaliação e investigação do caso para que se possa definir um plano de intervenção, tendo em conta as informações recolhidas do denunciante, de outros profissionais, da família e da criança ou jovem. Esta investigação irá conduzir ao diagnóstico, com o qual se pretende equacionar, em tempo útil, a medida23 mais adequada e eficaz de forma a remover o perigo concreto em que a criança ou jovem se encontra – Principio da Intervenção Mínima24, e só pode intervir na sua vida e na da sua família no caso de ser estritamente necessário essa finalidade – Principio Proporcionalidade e Actualidade25.

19 20

Vide, Art.37º da LPCJP Vide, Art.64º da LPCJP 21 Vide, Art.65º da LPCJP 22 Vide, Art.66º da LPCJP 23 O Art.34º da LPCJP prescreve as finalidades das medidas: “ as medidas de promoção dos direitos e de protecção das crianças e dos jovens em perigo, adiante designadas por medidas de promoção e protecção visam: a) Afastar o perigo em que estes se encontram; b) Proporcionar-lhes as condições que permitam proteger e promover a sua segurança, saúde, formação, educação, bem-estar e desenvolvimento integral c) Garantir a recuperação física e psicológica das crianças e dos jovens vítimas de qualquer forma de exploração e abuso.” Nos termos do n.º1 do Art.35º da LPCJP, as Medidas de Promoção e Protecção são: a) Apoio junto dos pais; b) Apoio junto de outro familiar; c) Confiança a pessoa idónea; d) Apoio para a autonomia de vida; e) Acolhimento familiar; f) Acolhimento em instituições. 24 Vide, Art.4º alínea d) da CPCJP 25 Vide, Art.4º alínea e) da CPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

14

Universidade de Coimbra

A responsabilidade da promoção de direitos e da protecção das crianças e jovens, não deve afastar os pais – Princípio da Responsabilidade Parental,26deve pois, procurar realçar o papel fulcral destes, como mentores essenciais na formação e desenvolvimento dos filhos, auxiliando-os e responsabilizando-os. Parafraseando Manuel Valente “a família, por mais que muitos tentem desvalorizar o seu papel, ainda representa uma força tal que se encontra sempre presente, pertencendo-lhe indubitavelmente a educação”27. Assim sendo, deve-se priorizar as medidas que não separem a criança da família e que proporcionem aos pais condições para assumirem os seus deveres para com os filhos – Princípio da Prevalência da Família.28 No processo de intervenção, todos os elementos (a criança ou jovem, pais ou representante legal ou as pessoas que detenham a guarda de facto), devem ser informados dos motivos que conduziram à intervenção e da forma como esta se processa – Princípio da Obrigatoriedade da Informação29. Subjacente a este princípio, refira-se o Consentimento30 expresso pelos pais ou representante legal ou quem tenha a guarda de facto, assim como da criança ou jovem com idade igual ou superior a 12 anos31 para que as Comissões de Protecção possam intervir. Porém, para que se possa obter esse consentimento é necessário explicar à família e à criança ou jovem as causas, os motivos e a forma como a intervenção se irá processar, tendo eles o direito de se oporem.32 Outra norma básica do processo diz respeito, não só ao direito que todos os intervenientes têm de serem ouvidos33sobre a situação que originou a intervenção, como também ao direito que têm de participar em todos os actos relativos à aplicação, revisão

Vide, Art.4º alínea f) da CPCJP Cfr. Manuel Valente, in “ Os Princípios Estruturantes da Intervenção face aos Menores e Jovens em Perigo: Uma Viagem pela Lei n.º147/99 de 1 de Setembro”, Revista Infância e Juventude, nº 4, 2002, pag.92 28 Vide, Art.4º alínea g) da CPCJP 29 Vide, Art.4º alínea h) da CPCJP 30 Vide, Art.9º da LPCJP 31 Vide, Art.10º da LPCJP 32 Vide, Art.94º da LPCJP 33 Vide, Art.84º e 85º da LPCJP
27

26

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

15

Universidade de Coimbra ou cessação das medidas,34 mediante o denominado Acordo de Promoção e Protecção35Principio da Audição Obrigatória.36 A intervenção deve ser realizada apenas pelas pessoas e entidades cuja acção seja necessária à consecução do resultado pretendido. Neste contexto, a lei estabelece um esquema de intervenção, em vários níveis, representado por uma pirâmide de três degraus (o primeiro degrau é do âmbito das instituições com competência em matéria da Infância e Juventude; o segundo das CPCJP e o terceiro, topo da pirâmide, das Entidades Judiciárias), correspondendo cada um desses degraus ao nível da intervenção – Princípio da Subsidiariedade37. Com efeito, as entidades com competência em matéria da infância e juventude situam-se na base inferior da pirâmide, próximas da comunidade e portanto das situações concretas. Este modelo implica que as entidades, designadamente no âmbito da acção social, da saúde e da educação, mediante a detecção de casos de crianças em perigo, promovam as acções e actividades adequadas ao tratamento da situação, através dos seus próprios recursos ou em parceria. Somente os casos muito graves que requerem a aplicação de medidas de protecção previstas, são comunicados à Comissão de Protecção, a qual, em sede de Comissão Restrita,38 decide
Vide, Art.35º da LPCJP O Acordo de Promoção e Protecção, consiste no “compromisso reduzido a escrito entre as CPCJ ou Tribunal e os pais ou representante legal ou quem tenha a guarda de facto e, ainda, a criança e o jovem com mais de 12 anos, pelo qual se estabelece um plano contendo medidas de Promoção e de Direitos e Protecção”, nos termos da alínea. f) Art.5.º da LPCJP 36 Vide, Art.4º alínea i) da CPCJP 37 Vide, Art.4º alínea j) da CPCJP 38 A intervenção nos casos individuais é reservada à Comissão Restrita, composta por um mínimo de 5 pessoas, escolhidas pela Comissão Alargada de entre os seus membros, de forma a assegurar-lhes uma composição interdisciplinar e interinstitucional, incluindo sempre que possível pessoas com formação em Serviço Social, Psicologia, Direito, Educação e Saúde (Art.20º da LPCJP). Fazem parte necessariamente da Comissão Restrita, os representantes do Município, dos Serviços de Solidariedade e Segurança Social, e um representante, escolhido, das Organizações Não Governamentais. Os membros da Comissão Restrita, exercem funções a tempo inteiras, sempre que o volume de trabalho o justifique. (n.º3 do Art.22º da LPCJP) Nos termos do Art.21º da LPCJP, compete à Comissão Restrita: a) Atender e informar as pessoas que se dirigem à Comissão de Protecção; b) Apreciar liminarmente as situações de que a Comissão de Protecção tenha conhecimento, decidindo o arquivamento imediato do caso quando se verifique manifesta desnecessidade de intervenção ou abertura de processo de promoção de direitos e protecção; c) Proceder à instrução dos processos; d) Solicitar a participação dos membros da Comissão Alargada, sempre que se mostre necessário; e) Solicitar parecer e colaboração de técnicos ou de outras pessoas e entidades públicas ou privadas;
35 34

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

16

Universidade de Coimbra

e acompanha a aplicação das medidas necessárias ou, no caso de não estarem reunidas as condições para a sua intervenção39, remeta a sua resolução para o sistema judiciário40. Porém, na aplicação dessas medidas, é preciso ter em conta o carácter, a personalidade do menor e o seu estádio de desenvolvimento, devendo por essa razão moldar-se a medida, tanto quanto possível, à individualidade daquele, nunca esquecendo que se trata de alguém com especificidades próprias. Por outro lado, as medidas devem também ser exequíveis, sob pena de perderem totalmente a sua eficácia, por isso devem ser fixados prazos41 que levarão à obrigatoriedade da sua revisão42na qual tem que ser decidida a sua prorrogação ou a cessação43 sempre que a sua continuação se mostre desnecessária. No entanto, ainda que cessados os processos, estes podem ser reabertos quando ocorram novos factos determinantes para o perigo da criança ou jovem.44 Resulta do exposto, que perpassa por todo o trabalho das CPCJP, proporcionar bem-estar e segurança às crianças e jovens, com a indispensável colaboração, não só das famílias como das instituições às quais temos que recorrer, a fim de minorar as múltiplas situações de perigo com que diariamente somos confrontados.

2.2. – A Actuação do Ministério Público – O Processo Judicial
Na actual Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (LPCJP) o Ministério Público (MP) não tem a qualidade de membro das Comissões de Protecção

f) Decidir a aplicação, acompanhar e rever as medidas de promoção e protecção; g) Informar semestralmente a Comissão Alargada, sem identificação das pessoas envolvidas, sobre os processos iniciados e o andamento dos processos pendentes. 39 Vide, Art.11º da LPCJP 40 Adiante abordaremos a intervenção judicial mais em pormenor 41 Vide, Art.60º e Art.61ºda LPCJP 42 Vide, Art.62º da LPCJP 43 Vide, Art.63º da LPCJP 44 Vide, Art.99º da LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

17

Universidade de Coimbra

de Crianças e Jovens (CPCJP). O magistrado do MP não sendo membro das Comissões também não é seu consultor jurídico45, nem um representante do Tribunal. No entanto, tal facto não significa um afastamento do MP do trabalho das CPCJP, ou uma menor colaboração ou menor responsabilidade desta magistratura em face das funções atribuídas às CPCJP. O MP é um dos principais intervenientes na Lei nº147/99 de 01 de Setembro, assumindo um papel fundamental no processo judicial de promoção dos direitos e protecção de crianças e jovens em perigo, nomeadamente nas fases de instrução e de decisão, onde se exige uma solução célere e adequada. Efectivamente, nesta Lei estabeleceu-se um “esquema de pirâmide”, em conformidade com o princípio da subsidiariedade46, pelo que a intervenção do Tribunal tem por detrás uma intervenção prévia das Comissões. Tal determina que na maioria dos casos o Tribunal se vá apoiar nas Comissões, solicitando colaboração desta, não só na fase de instrução (com a audição de técnicos que conhecem a situação da criança ou jovem47) como também na fase de decisão negociada (quando chama as entidades que para a subscrição do acordo sejam entendidas como relevantes48). Assim, e quanto à intervenção do MP, o artigo 72º da LPCJP fixa que este intervém na promoção e defesa dos direitos das crianças e jovens49, sendo que o artigo
O artigo 20º nº4 da LPCJP diz que a Comissão restrita deve incluir pessoas com formação na área de direito, que, se necessário, pode ser um técnico cooptado nos termos da alínea m) do artigo 17º, sendo que desta forma pode ficar assegurado o conhecimento das regras jurídicas. 46 Artigo 4º alínea j) da LPCJP. Estamos perante um esquema de intervenção estruturado em vários níveis, sendo cada um deles subsidiário do que o antecede. Ora o primeiro nível da intervenção é precisamente constituído pelas entidades, públicas ou privadas, que desenvolvem actividades nas áreas da infância ou da juventude. São essas entidades que constituem a “guarda avançada”, a primeira linha, na protecção das crianças e jovens em perigo. Só quando não conseguirem, no âmbito das suas competências, remover o perigo em que a criança se encontrem devem ser accionados os órgãos de intervenção de segunda linha, que são as comissões de protecção – entidades já não “generalistas”, mas sim de natureza especializada e competência reservada a situações, descritas na lei. O terceiro e último degrau de protecção – a ponta da pirâmide – são confiados ao tribunal. – Eliana Gersão 47 Artigo 107º nº2 LPCJP 48 Artigo 112º LPCJP 49 “Compete, ainda, de modo especial, ao Ministério Público representar as crianças e jovens em perigo, propondo acções, requerendo providências tutelares cíveis e usando de quaisquer meios judiciais necessários à promoção e defesa dos seus direitos e à sua protecção” (artigo 72º nº3); é um representante dos interesses do menor, como já resultaria do Estatuto do Ministério Público (Lei nº 60/98 de 27 de Agosto e rectificação nº 20/98 de 2 de Novembro). Em 25 de Janeiro de 2001 o Sr. Procurador-Geral da 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
45

18

Universidade de Coimbra

73º da mesma Lei confere ao MP apenas a faculdade de apreciar da necessidade de uma intervenção. Deste modo, o MP acompanha a actividade das comissões de protecção, apreciando a legalidade e adequação das decisões, fiscalizando a sua actividade processual e promovendo os procedimentos judiciais adequados.50 O MP assume, desta forma, uma posição de charneira entre o social e o judiciário, sendo esta aquela que melhor lhe permite desempenhar as funções que no seu estatuto lhe confere em matéria de defesa da legalidade e dos interesses dos menores51 Mas como exerce o MP as atribuições previstas no artigo 72º n.º 2? As Comissões têm, por lei, que comunicar obrigatoriamente ao MP: Situações em que a iniciativa e a legitimidade para intervir não cabe às comissões mas sim ao MP: 1. Quando as Comissões considerem adequado o encaminhamento para adopção e o organismo de segurança social divirja nesse entendimento52; 2. Quando se justifiquem a regulação ou alteração do regime do exercício do poder paternal, a inibição do poder paternal, a instauração da tutela ou a adopção de qualquer outra providência cível, nomeadamente nos casos em que se mostre necessária a fixação ou a alteração ou se verifique o incumprimento das prestações de alimentos53;
República emitiu uma circular, com o nº 1/2001, que trata da “Intervenção do Ministério Público nas Comissões de Protecção das Crianças e Jovens, ao abrigo do disposto no artigo 72º nº2 da Lei 147/99 de 1 de Setembro” e transmite quatro grandes orientações: 1º O Ministério Público deve articular com cada Comissão os termos do acompanhamento da sua actividade, quer no que respeita à periodicidade quer quanto à presença nas reuniões; 2º A fiscalização da actividade das CPCJ pode realizar-se a qualquer momento, a posteriori, devendo englobar a totalidade do trabalho desenvolvido; 3º A apreciação da legalidade e do mérito das decisões não se pode limitar à matéria das comunicações obrigatórias; 4º Deve ser identificado o magistrado interlocutor de cada Comissão. “É um defensor da legalidade democrática, ou seja, zela por que a actividade da comissão respeite a Constituição e a lei” no dizer de Rui do Carmo 51 Pedroso 1998 52 Artigo 68º alínea a) da LPCJP 53 Artigo 69º LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
50

19

Universidade de Coimbra

3. Quando não sejam prestados ou sejam retirados os consentimentos necessários à sua intervenção, à aplicação da medida ou à sua revisão, ou haja oposição da criança ou do jovem54. Situações cuja análise pelo MP se impõe, embora mantendo-se, em princípio, a competência da Comissão para intervir: 1. A adopção dos procedimentos necessários à remoção dos obstáculos à aplicação ou execução das medidas, considerados adequados pelas Comissões, nomeadamente quando os acordos estabelecidos não sejam reiteradamente cumpridos – artigo 68º alínea b); 2. Quando não se obtenha disponibilidade dos meios necessários para aplicar ou executar a medida que considere adequada, nomeadamente por oposição de um serviço ou instituição55; 3. Quando não tenha sido proferida decisão decorridos seis meses após o conhecimento da situação da criança ou do jovem em perigo56; 4. Quando foi aplicada uma medida que a lei considera só poder ter lugar em situações excepcionais (quando se determina ou se mantenha a separação da criança ou do jovem dos seus pais, representante legal ou das pessoas que tenham a sua guarda de facto57; 5. Os factos que tendo determinado a situação de perigo constituam crime58; 6. Os procedimentos urgentes adoptados quando haja perigo actual e iminente para a vida ou integridade física da criança ou jovem, havendo oposição dos detentores do poder paternal ou de quem tenha a guarda de facto da criança59. Importa referir, que as Comissões elaboram ainda anualmente um relatório de actividades, com identificação da situação e dos problemas existentes no município em
54 55

Artigo 68º alínea b) da LPCJP Artigo 68º alínea c) LPCJP 56 Artigo 68º alínea d) LPCJP 57 Artigo 68º alínea e) LPCJP 58 Artigo 70º LPCJP 59 Artigo 91º LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

20

Universidade de Coimbra

matéria de promoção de direitos e protecção de crianças e jovens em perigo. O relatório inclui dados estatísticos e informações que permitem conhecer da natureza dos casos apreciados, as medidas aplicadas, avaliar as dificuldades e eficácia da intervenção, sendo que este tem de ser remetido, até ao dia 31 de Janeiro do ano seguinte àquele que diz respeito, ao MP60. Na sequência das comunicações referidas, o MP pode: 1. Arquivar liminarmente, através de despacho fundamentado quando seja manifesta a falta de fundamentação das comunicações ou se revele desnecessária a sua intervenção61; 2. Instaurar procedimentos tutelares cíveis, em representação do menor62; 3. Iniciar inquérito criminal; 4. Requer abertura de processo judicial de promoção dos direitos e de protecção63; 5. Accionar todos estes mecanismos em simultâneo; 6. Tomar iniciativas não processuais susceptíveis de removerem os obstáculos à actuação ou execução das medidas decididas pelas Comissões 7. Requerer a realização de auditoria e inspecção às Comissões64. Estas comunicações obrigatórias definem o mínimo exigível de acompanhamento e fiscalização da actividade das Comissões por parte do MP. No entanto, os poderes-deveres do MP face ao trabalho das Comissões vão para lá destas comunicações obrigatórias, pois deve requerer a apreciação judicial de qualquer decisão da Comissão quando entenda que as medidas aplicadas são ilegais ou inadequadas para a promoção dos direitos e protecção da criança ou do jovem em

60 61

Artigo 32º LPCJP Artigo 74º LPCJP 62 Artigo 75º LPCJP 63 Artigo 73º LPCJP 64 Artigo 33º LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

21

Universidade de Coimbra perigo65. Entre MP e CPCJP deve pois existir uma relação de proximidade e colaboração, sendo que se deve privilegiar relações não burocráticas. O MP, por sua iniciativa ou a convite, pode assistir a reuniões da Comissão Alargada ou da Comissão Restrita, pode participar na ponderação sobre um caso concreto, pode (deve) propor iniciativas de intervenção à Comissão Alargada, sinalizar situações66 em que deve haver intervenção da comissão e participar em actividades organizadas pela CPCJP. Mas não deve participar nas diligências processuais realizadas pela comissão, que tenham em vista a confirmação da situação de perigo, a obtenção dos consentimentos exigidos para a sua intervenção ou a recolha de informação sobre a situação da criança ou do jovem. Consequentemente, não deve participar nas deliberações da CPCJ. Estes são, de acordo com Rui do Carmo, os limites da colaboração e proximidade. O processo judicial de promoção dos direitos e protecção das crianças e jovens em perigo, é de jurisdição voluntária67, é constituído pelas fases de: Instrução, Debate Judicial, Decisão e Execução da Medida68sendo que compete ao Tribunal de Família e Menores a Instrução e Julgamento do Processo69. Fora das áreas abrangidas pela jurisdição dos Tribunais de Família e Menores cabe ao Tribunal da respectiva Comarca conhecer das causas que àqueles estão atribuídas70, sendo que neste caso o Tribunal se constitui em Tribunal de Família e Menores71.

Artigo 76º LPCJP. A intervenção judicial nesta situação bem como quando não sejam prestadas ou sejam retirados os consentimentos ou assentimentos necessários à intervenção da comissão de protecção (referidos no nosso anterior ponto 1c); ou quando tendo aqueles sido prestados, o acordo de promoção ou protecção não seja cumprido (referidos no nosso anterior ponto 2 a), são as situações para as quais a intervenção judicial está fundamentalmente prevista, sendo que as outras situações de intervenção (nomeadamente as previstas nas alíneas a), d) e e) do artigo 11º) são de natureza residual, sendo que um bom funcionamento das comissões lhes tira o relevo. – Eliana Gersão 66 O MP conhecendo uma situação de criança ou jovem em perigo, que não se enquadre numa das situações que lhe permita desde logo desencadear a abertura de um processo judicial de promoção e protecção, previstas nomeadamente no artigo 73º LPCJP, tem que dar conhecimento, comunicar, sinalizar, essa situação à comissão da área. No entanto, e após a sinalização ao MP pode controlar, dentro dos poderes que a lei lhe confere, essa situação – artigo 72º LPCJP. 67 Artigo 100º LPCJP 68 Artigo 106º n.º1 LPCJP 69 Artigo 101º n.º1 LPCJP 70 Artigo 101º n.º2 LPCJP 71 Artigo 101º n.º3 LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

65

22

Universidade de Coimbra A iniciativa processual cabe ao MP72, podendo no entanto os pais, o representante legal ou as pessoas que tenham a guarda de facto requerer também a intervenção do Tribunal, nos casos em que a criança ou jovem tenha idade superior a 12 anos e tenham decorrido seis meses após o conhecimento da situação pela Comissão de Protecção e não tenha sido proferida qualquer decisão73. Recebido o requerimento inicial o Juiz profere despacho de Abertura de Instrução, ou se considerar que dispõe de todos os elementos necessários ordena as notificações para a realização do Debate Judicial74. Aberta a Instrução o Juiz designa data para Audição Obrigatória da criança ou do jovem e dos pais, do representante legal (da criança ou do jovem) ou da pessoa que tenha a guarda de facto75. Em qualquer fase do processo, os pais, o representante legal ou quem tiver a guarda de facto, pode constituir advogado ou requerer a Nomeação de Patrono que os represente, a si ou à criança ou jovem76. A Lei determina que é obrigatória a Nomeação de Patrono à criança ou jovem quando os seus interesses e os dos seus pais, representante legal ou de quem tenha a guarda de facto sejam conflituantes e ainda quando a criança ou jovem, com a maturidade adequada, o solicitem em tribunal77. A criança ou jovem, os seus pais, representante legal ou quem tiver a guarda de facto têm direito a requerer diligências e oferecer meios de prova, estando assim garantido o contraditório78, sendo que na Fase de Instrução, e com a notificação da data para Audição Obrigatória, os pais, representantes legais ou quem tenha a guarda de facto da criança ou jovem são também notificados para, querendo, requerem a realização de diligências instrutórias ou juntarem meios de prova79. No despacho de Abertura de Instrução o Juiz pode, se achar conveniente, designar dia para ouvir os técnicos que conhecem a situação da criança ou jovem a fim de prestarem os

72 73

Artigo 105º nº1 LPCJP Artigo 195º nº2 LPCJP 74 Artigo 106º nº2 LPCJP 75 Artigo 107º nº1 alíneas a) e b) da LPCJP 76 Artigo 103º nº1 LPCJP 77 Artigo 103º nº2 LPCJP 78 Artigo 104º nº1 LPCJP 79 Artigo 107º nº3 LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

23

Universidade de Coimbra esclarecimentos necessários80. De igual modo, e se entender também conveniente e necessário o Juiz pode utilizar como meios de obtenção de prova a informação ou relatório social sobre a situação da criança ou jovem81, podendo ser solicitadas às pessoas singulares ou colectivas públicas, cooperativas, sociais ou privadas que, por desenvolverem actividades de infância e juventude têm legitimidade para intervir na promoção dos direitos e na protecção de criança e jovem em perigo82. A informação social deve ser remetida ao Tribunal no prazo de oito dias e o relatório social no prazo de trinta dias.83 A Fase de Instrução não pode ter uma duração superior a quatro meses84. Ouvido o MP, o juiz declara encerrada a instrução e pode decidir: 1. Arquivar o processo, quando conclua que em virtude de a situação de perigo não se comprovar ou já não subsistir, se tornou desnecessária a aplicação de qualquer medida de promoção e protecção85; 2. Designar dia para conferência com vista à obtenção de Acordo de Promoção e Protecção, convocando para o efeito o MP, os pais, o representante legal ou quem tenha a guarda de facto, a criança ou jovem com mais de 12 anos e as pessoas e representantes de entidades cuja presença e subscrição de acordo seja entendida como relevantes86. Se não existir oposição do MP o acordo é homologado por decisão judicial e o acordo fica a constar da acta que é subscrito por todos os intervenientes87.

Artigo 107º nº1 LPCJP Artigo 108º nº1 LPCJP 82 Artigo 108º nº º 2 LPCJP 83 Artigo 108º nº º 2 e 3 LPCJP 84 Artigo 109º LPCJP 85 Artigos 110º alínea a) e 111º da LPCJP 86 A procura de consensos é uma das ideias fortes do processo judicial de protecção. Assim encerrada a instrução do processo, o juiz deve procurar, em conferência, a solução do caso de forma negociada, consubstanciada num acordo de promoção e protecção, a realizar em termos análogos aos previstos relativamente às comissões de protecção. A decisão por forma impositiva, em “debate judicial”, perante o tribunal colectivo, fica reservada aos casos em que a realização da “conferência” se mostre como uma formalidade inútil, em virtude de a solução negociada se mostre “manifestamente improvável”, bem como às situações em que na conferência não tenha sido possível chegar a acordo. 87 Artigos 110º alínea b), 112º e 113º LPCJP
81

80

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

24

Universidade de Coimbra

3. Determinar o prosseguimento do processo para realização de Debate Judicial, quando se mostre manifestamente improvável uma solução negociada88. Nestes casos, em que não é possível chegar, em conferência, a uma “Decisão Negociada” o Juiz notifica o MP, os pais, o representante legal, quem detiver a guarda de facto e a criança ou jovem com mais de 12 anos para alegarem por escrito, querendo, e apresentarem prova no prazo de 10 dias89. Recebidas as alegações e apresentada a prova, o juiz designa dia para o Debate Judicial, ordenando a notificação das pessoas que devem comparecer, sendo que com a notificação da data para o Debate, é dado conhecimento aos pais, ao representante legal ou a quem detiver a guarda de facto das alegações e prova apresentada pelo MP e a este das restantes alegações e provas apresentadas90. O Debate Judicial é realizado perante um Tribunal composto pelo Juiz e por dois Juízes Sociais91. Após um debate contínuo, que decorre sem interrupções ou adiamentos, salvo as necessárias para alimentação e repouso e em que são consideradas as provas que puderem ter sido contraditadas, o Tribunal toma uma decisão por maioria de votos92. A Decisão inicia-se com um relatório em que se identifica a criança ou jovem, os seus pais, representante legal ou a pessoa que tem a guarda de facto e se procede a uma descrição da tramitação do processo93. Ao relatório segue-se a fundamentação, que consiste numa enumeração dos factos provados e não provados, bem como na sua valoração e exposição das razões que justificam o Arquivamento ou a Aplicação de uma Medida de Promoção e Protecção94. Podem interpor Recurso das Decisões que, definitiva ou provisoriamente, se pronunciem sobre a Aplicação, Alteração ou Cessação de Medidas de Promoção e Protecção o MP, a criança ou jovem, os pais, o representante legal e quem detiver a guarda de facto de criança ou jovem95.

88 89

Artigo 110º alínea c) LPCJP Artigo 114º nº º 1 LPCJP 90 Artigo 114º nº º 2 e nº º 3 LPCJP 91 Artigo 115º LPCJP e D. Lei 156/78 de 30 de Junho 92 O último a votar é o juiz presidente – Artigo 120º LPCJP 93 Artigo 121º nº º 1 LPCJP 94 Artigo 121º nº2 LPCJP 95 Artigo 123º LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

25

Universidade de Coimbra

A Execução da Medida aplicada é dirigida e controlada pelo Tribunal que a aplicou, sendo por este designada a entidade que considere mais adequada para acompanhar a Execução da Medida96

96

Artigo 125º e 59º nº º 3 e 4º da LPCJP

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

26

Universidade de Coimbra

PARTE – III

Estudo de Caso

1 - História Social 2 – Situação – Problema 3 – A Intervenção da CPCJP 4 - A Intervenção Judicial

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

27

Universidade de Coimbra

III – Estudo de Caso
O estudo de caso consiste numa investigação aprofundada de um indivíduo, de uma família, de um grupo ou de uma organização. É uma investigação de natureza empírica, que se assume como particularística, ou seja, que se debruça deliberadamente sobre uma situação específica, procurando descobrir o que há nela de mais essencial e característico. De forma a sustentar este estudo foram utilizadas várias estratégias metodológicas, tais como, análise processual, entrevistas informais, análise de conteúdo e metodologias de natureza qualitativa. Assim, procurou-se estudar no conjunto das comunicações entradas na CPCJP, um caso que envolveu a actuação concertada de vários profissionais, que no próprio meio detectaram, acompanharam e após esgotados os seus recursos, sinalizaram a situação à CPCJP, que por sua vez, procedeu à sua avaliação e a aplicação de medidas que não se mostraram adequadas à resolução da situação problema, tendo por isso, o processo sido remetido para Ministério Público. A análise do caso visa salientar tão fielmente quanto possível os problemas dos jovens que inseridos em agregados desestruturados, são muitas vezes rejeitados pelo sistema escolar, por terem problemas familiares aliados a dificuldades de aprendizagem e consequentemente de comportamento. O seu relato assume a forma de uma narrativa, cujo objectivo é contar uma história que acrescente algo de significativo ao conhecimento existente e seja, tanto quanto possível, interessante para a resolução de problemas semelhantes.

1 – História Social
O Pedro97 faz parte de uma fratria de 6 irmãos, sendo o filho mais velho do 2.º relacionamento da sua mãe.
Pedro foi o nome escolhido para expor o caso, o que não corresponde à verdadeira identificação do menor. 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
97

28

Universidade de Coimbra

Esta provém de uma família com graves problemas etílicos sem um referencial de normas e de regras que culminaram na sua gravidez precoce. Assim, aos 15 anos envolve-se com um homem mais velho, casado, ficando grávida de gémeas, sem que o pai destas crianças assumisse a paternidade. É a partir desta altura que inicia o seu consumo de álcool, sendo por isso discriminada na comunidade onde residia. Aos 20 anos, decide viver em união de facto com o pai do Pedro, que à semelhança do seu primeiro relacionamento, é mais velho que ela cerca de dez anos. Este tinha ficado viúvo há sensivelmente meio ano e não tinha filhos. Também ele era uma pessoa com problemas etílicos e com um grande historial de maus-tratos infligidos à cônjuge. Após união de facto, as duas irmãs gémeas do Pedro foram institucionalizadas num Lar do concelho da área de residência, devido à falta de afecto evidente por parte do padrasto e à inexistência de disponibilidade na prestação de cuidados devidos às menores, por parte da progenitora. A estes comportamentos negligentes, subjaziam os maus-tratos físicos a que as crianças eram sujeitas, em consequência dos constantes estados de embriaguês do casal. Estas duas irmãs mais velhas, nunca se sentiram como parte integrante daquela família, visto terem sido sempre rejeitadas pelo padrasto e pela própria mãe que nunca aceitou nem perspectivou a possibilidade de as mesmas poderem regressar a casa. Em consequência, os contactos com os irmãos são esporádicos e as relações de afectividade são quase inexistentes. Os outros três irmãos mais novos de Pedro são vítimas da síndrome fetal alcoólico, possuem um atraso cognitivo acentuado, responsável pelas suas limitações e por graves dificuldades de aprendizagem. São crianças fisicamente débeis e que exigem cuidados de vigilância apertados a nível da saúde, que nunca foram assumidos pelos progenitores. Na sequência desta situação, uma das irmãs foi institucionalizada, a pedido dos pais, no Lar onde as irmãs mais velhas haviam sido acolhidas, só vindo a casa aos fins-de-semana, situação que se mantém. Os avós paternos são os únicos elementos de referência destas crianças, dado que a única atenção que têm advém desta relação de proximidade conseguida quando o
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

29

Universidade de Coimbra

agregado foi residir para uma habitação contígua à destes. A casa, de construção antiga, é composta por um quarto (onde dorme o casal), uma cozinha e uma sala, onde dormem os restantes menores, sendo as divisões improvisadas com tábua pan. Os espaços são extremamente exíguos e as condições de habitabilidade fracas. Não existe casa de banho nem água canalizada, contando, para colmatar essas dificuldades, com o apoio dos avós paternos dos menores. Os rendimentos que possuem são provenientes, para além da prestação de Rendimento Mínimo Garantido, do trabalho esporádico exercido pelo progenitor, como carpinteiro da construção civil, em obras realizadas em diferentes locais, exigindo por vezes a sua ausência de casa durante toda a semana. A progenitora realiza alguns trabalhos agrícolas, deixando muitas vezes as crianças sozinhas em casa. Esta falta de vigilância, culminou com o falecimento de um dos irmãos do Pedro, que morreu afogado num poço. Trata-se de um agregado familiar que desvaloriza a escola e toda a aprendizagem e inserção social inerente. Os próprios pais não concluíram os estudos, optando pelo trabalho precoce e por isso imputam nos filhos um percurso social e educacional idêntico O casal caracteriza-se por uma ausência notória de regras de comportamento, o que se repercute nos seus descendentes.

2 – Situação – Problema

O Pedro, à excepção dos seus irmãos, é o único filho do casal que não sofreu fisicamente as consequências inerentes ao alcoolismo dos pais. No entanto, foi possível verificar-se a existência de alguns episódios perturbadores, nomeadamente dificuldades no controlo de esfíncteres com enurese. Esta sintomatologia foi confirmada pelos maustratos físicos que o progenitor infligia ao menor e pelos problemas do meio familiar.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

30

Universidade de Coimbra

Desde muito cedo, que o Pedro foi “obrigado” a desempenhar tarefas indispensáveis à sua própria sobrevivência e dos seus irmãos menores, como por exemplo, a procura de satisfação das necessidades alimentares, a protecção dos irmãos, e muitas vezes até dos pais. Esta situação nunca lhe deixou muito tempo para os estudos, porém sempre demonstrou ter um potencial intelectual normal. Apesar dos professores apresentarem queixas do seu comportamento, devido à dificuldade que o Pedro tinha em aceitar e compreender as regras, o seu percurso escolar efectuou-se sem registos significativos. Importa referir que nesta fase o Pedro se encontrava a frequentar a Telescola na freguesia onde residia. Ao transitar para o 7.ºano, o Pedro passou a frequentar a Escola EB 2,3 da cidade. É a partir desta altura, que começam a registar-se sucessivos insucessos escolares, agravando-se os seus problemas comportamentais, nomeadamente

absentismo escolar acentuado e desrespeito de normas e regras inerentes ao espaço escolar. Passou a ser um foco de conflitualidade entre os colegas, sendo muitas vezes o causador de um mau ambiente vivido na sala de aula, originando sucessivas queixas dos professores, que esgotaram as respostas para alterar o seu comportamento. Fazendo um apanhado geral desses comportamentos podemos referir alguns: ausentava-se da sala de aula por iniciativa própria, perturbava os colegas com o lançamento de pequenos objectos, interrompia constantemente as aulas de forma despropositada e com assuntos inoportunos, falava num tom de voz exageradamente alto, durante as aulas fazia constantemente ruídos e sons onomatopeicos inoportunos. Por todos estes

comportamentos, a presença do Pedro na sala de aula passou a ser indesejada pelos professores. Estes referiam que o Pedro era um aluno insolente, revelando nas suas intervenções um misto de infantilidade, displicência e agressividade, chegando a ameaça-los quando o advertiam das punições que poderiam vir a ocorrer, derivado aos seus comportamentos perturbadores. No decorrer deste processo foram contactados, várias vezes, os progenitores que nunca compareceram, reconhecendo-se perante os factos apresentados a sua disfuncionalidade e limitação em educar o Pedro.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

31

Universidade de Coimbra

Pelo exposto e tendo em conta as difíceis condições de vida do agregado familiar, subjacentes ao alcoolismo crónico por parte dos progenitores, à violência doméstica, à insuficiência de rendimentos, às más condições habitacionais, à ausência de responsabilidades parentais, à negligência, ao abandono e aos maus-tratos, Pedro sentia-se rejeitado do meio escolar e, por isso, assumia comportamentos desajustados à situação de ensino/aprendizagem.

3. A Intervenção da CPCJP
No final do 1.º Período do ano Lectivo de 2002/2003, a Comissão de Protecção toma conhecimento, através da Escola, da situação de perigo em que o Pedro se encontrava, pois tendo ele nascido a 23/02/1988 (nesta fase com 14 anos), ainda se encontrava abrangido pela escolaridade obrigatória. Segundo refere a própria escola, o menor apresentava sucessivos problemas comportamentais, decorrentes do desrespeito das normas e das regras inerentes ao espaço escolar, que se repercutem no seu insucesso e subsequente absentismo escolar. Não obstante esta situação, o Pedro era um jovem com capacidades que lhe permitiram ter um percurso escolar, até esta fase, com sucesso, pelo que não se percebia o porquê da alteração do seu comportamento. Todavia, a Escola na perspectiva de encontrar respostas adequadas à remoção desta situação, propôs ao Pedro, um acompanhamento psicológico no intuito de se conhecerem as suas expectativas, relativamente às vantagens da escolarização e dos diplomas escolares. Durante as várias etapas deste acompanhamento, o Pedro demonstrou motivação para a aprendizagem, assim como verbalizou o desejo em dar continuidade aos estudos. Porém, o seu ambiente familiar não lhe permitia criar expectativas e esperanças positivas relativamente ao que a escola lhe poderia oferecer considerando que, para tal, a única solução seria integrar uma instituição, como as suas irmãs, que lhe proporcionasse um ambiente estável e harmonioso de forma a poder concluir a escolaridade obrigatória.
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

32

Universidade de Coimbra

Tendo em consideração as necessidades, os direitos e o bem-estar do menor, a Escola solicita a intervenção da CPCJP na aplicação das medidas adequadas à situação problema. Perante os factos subjacentes à sinalização efectuada, procedeu-se à análise dos mesmos pelos elementos da Comissão Restrita. Esta, para dar seguimento à intervenção, solicitou à Segurança Social relatório sobre o agregado familiar, uma vez que acompanhavam a família no âmbito da prestação do Rendimento Mínimo Garantido (actual Rendimento Social de Inserção). Face ao relatório enviado pela Segurança Social onde constava reiteradamente a incapacidade destes progenitores assumirem as suas responsabilidades, bem como a manifesta vontade do menor em abandonar a casa e a Escola que frequentava, com o risco deste iniciar percursos de pré-delinquência, consideravam os técnicos daquela entidade, numa perspectiva de prevenção para a situação vivida pelo menor, que a resposta mais adequada seria a sua institucionalização, como solicitado pelo mesmo e com o acordo dos progenitores. Perante esta informação, a Comissão decidiu convocar os pais e o menor no intuito de: - Ouvir os pais sobre o pedido de colocação institucional verbalizado pelo filho; - Ouvir o menor, sobre as suas motivações e expectativas na institucionalização, - Saber se todos aceitavam a intervenção da CPCJP. Assim, na data previamente acordada, compareceu na sede da CPCJP, apenas o menor e a sua mãe, já que o pai tinha emigrado. No entanto, a progenitora informa que era já do seu conhecimento e de seu marido esta intenção do Pedro sair de casa para estudar, por isso aceitavam a intervenção da Comissão, não se opondo à Assinatura do Consentimento. A mãe assinou e o pai autorizou verbalmente por telefone. Quanto ao menor, verificou-se que as suas intenções não se tinham diluído, tendo por isso assinado o Consentimento para a Comissão intervir.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

33

Universidade de Coimbra

Posteriormente, a Comissão requereu a colaboração da Segurança Social no intuito de se encontrar uma instituição adequada à solicitação do menor. Ao ser referenciada uma instituição, que nesta altura tinha vaga para receber o Pedro, decidiu a Comissão realizar uma entrevista, onde estiveram presentes a mãe, o menor, a Assistente Social, representante do Núcleo de Menores em Risco da Segurança Social (responsável pelo acompanhamento de menores institucionalizados), a representante da Segurança Social na CPCJP e a Directora Técnica da Instituição. Esta entrevista teve como objectivo: - Saber se o menor ainda manifestava vontade em ser colocado numa instituição; - Ouvir as opiniões e as motivações do menor e dos progenitores (sendo a mãe a porta-voz das mesmas) para o pedido efectuado; - Explicar as regras e o funcionamento das instituições, bem como os direitos e os deveres a que o Pedro estaria sujeito. Assim, a Assistente Social e a Psicóloga da Instituição sensibilizaram-no para a realidade vivida em contexto institucional, ao que o Pedro reagiu positiva e entusiasticamente. Perante esta situação, a Comissão decidiu aplicar a Medida de Acolhimento em Instituição pelo prazo de 6 meses, terminando a medida no final do ano escolar. A Instituição comprometeu-se a zelar pela alimentação, higiene, saúde e conforto do menor bem como pela sua assiduidade escolar e ocupação dos tempos livres. Os pais podiam visitar o menor, nos termos a acordar com a instituição, sempre que o desejassem, sem prejuízo do normal descanso e escolaridade deste. O menor comprometeu-se a respeitar as regras e o funcionamento da instituição bem como a sua assiduidade escolar. Não estava impedido de vir a casa aos fins-de-semana e no período das férias escolares. Os Técnicos da Instituição responsabilizaram-se por prestar informações trimestrais, que corresponderiam ao final da cada período lectivo, sobre a situação do menor. Não

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

34

Universidade de Coimbra

obstante esta situação, as informações poderiam ser prestadas sempre que a Instituição considerasse pertinente para o bom acompanhamento do menor. A Comissão de Protecção comprometeu-se a acompanhar a família, de forma a melhorar as suas condições para que o Pedro e os seus irmãos pudessem usufruir de um ambiente estável e harmonioso, que lhes permitisse ter um percurso sócio-educativo estável, pelo que a progenitora se comprometeu a assumir um tratamento de desintoxicação alcoólica. Este foi o Acordo de Promoção e Protecção assinado pelos progenitores, pelo menor, pelos co-gestores do acordo (dois elementos da Comissão Restrita responsáveis pelo acompanhamento) e pelos restantes elementos da comissão restrita. Assim, no início do 2.º período (6 de Janeiro de 2003), o Pedro dá entrada na Instituição, acompanhado pela mãe e pela Assistente Social, representante do Núcleo de Menores em Risco da Segurança Social (responsável pelo acompanhamento de menores institucionalizados). Chegada a altura das férias do Carnaval, a Instituição decide sem aviso prévio, que o menor não poderia regressar mais àquela Instituição, alegando o incumprimento do acordo por parte deste. Assim, as Técnicas da Instituição acompanharam o menor deixando-o na Segurança Social. A Comissão ao tomar conhecimento desta situação decidiu reunir de emergência com a finalidade de ouvir as Técnicas da Instituição e o menor sobre a situação apresentada. A Psicóloga e a Assistente Social da Instituição informaram a Comissão, somente nesta altura, que a decisão da Instituição se baseava no facto do menor não respeitar as regras da instituição e da escola onde se encontrava matriculado, afirmando que o menor assumia comportamentos agressivos com os professores e com o grupo de pares. Afirmaram ainda, que não poderiam “obrigar” o menor, se não fosse sua vontade, a ficar na Instituição, o que seria possível somente com uma Decisão Judicial. O Pedro alegava que os seus comportamentos se deviam ao facto de ter sido integrado numa turma que era conhecida pelos “meninos do Lar”, e como tal os

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

35

Universidade de Coimbra

professores e os restantes alunos da escola não os tratavam da mesma forma. Eles eram vistos como “meninos problemáticos”, “ perigosos”,” burros”e segundo o Pedro, “já que tínhamos a fama tínhamos que ter o proveito”. Afirma ainda, que era seu desejo deixar de estudar porque considerava que “estudar para continuar a não ser alguém, então não vale a pena andar lá”, “o meu pai também não estudou e trabalha”,”vim para aqui porque ninguém conhecia os problemas da minha família…., mas continuei na mesma a não ser aceite…”,”não é por eu estudar muito ou pouco que vou conseguir mudar esta situação…”, “eu gosto de estar no lar e de fazer as tarefas que me obrigam..., eles pensam que me estão a castigar, mas enganam-se….eu até me dou bem com a cozinheira…não tenho amigos lá dentro porque eu não sou igual a eles…. Eu estou lá porque quis e eles não….”, “Isto da escolaridade obrigatória é só p´ra gente não ir trabalhar”, “os stôres dizem que ainda não temos idade, se calhar eu já assumi mais responsabilidades do que eles…, são todos uns meninos da mamã, até têm medo da gente…, se eles passassem metade do que eu já passei…, e sou mais novo!., Eles não sabem o que dizem…há lá uma que ainda sabe alguma coisa…, ela disse-me que eu podia fazer uns cursos lá na escola!...se calhar percebeu que tenho jeito p´ra trabalhar…, a única pessoa que me compreende é a cozinheira…, às vezes faz a minha comida preferida, e enche-me o prato…, vê-se que ela gosta de mim, até chorou quando eu vim embora!.. Devia saber que já não queriam que eu voltasse!”, pois as Doutoras andavam sempre a dizer: “se quiseres ir embora vai e não voltes…não andas cá a fazer nada…”. De acordo com a situação apresentada pelo menor, a Comissão alertou-o para o facto de ele não poder abandonar a escola só porque lhe apetecia trabalhar, pois ainda não podia exercer uma actividade profissional. No entanto, a Comissão comprometeu-se a avaliar a situação no sentido de se poder alterar a medida, para que o menor pudesse frequentar um Curso de

Formação/Aprendizagem. Porém, esta proposta só seria possível a partir de Setembro, por isso o Pedro teria que continuar na Instituição, até ao terminus das aulas, tal como foi solicitado por ele.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

36

Universidade de Coimbra

O menor aceitou regressar à Instituição para concluir o ano lectivo, assumido a sua entrada após as férias do Carnaval. A Instituição foi informada desta decisão. Convocou-se a mãe para comparecer na sede da CPCJP, informando-a dos acontecimentos subsequentes à institucionalização do Pedro. Esta referiu que o filho telefonava aos avós e que de vez em quando falava consigo, referindo sempre que se encontrava bem, e que estava a gostar do Lar, pelo que na sua opinião e do seu pai ele deveria permanecer lá, pois “não vem para casa fazer nada”. Relativamente ao seu tratamento de desintoxicação, encontrava-se a cumpri-lo, denotando-se já uma evolução ao nível dos cuidados prestados aos dois irmãos menores do Pedro, que se encontravam em casa. O Pedro, após as férias, regressa ao Lar, como tinha ficado acordado. A Instituição, findos os três meses, envia à comissão um relatório a informar que o Pedro não se tinha esforçado por alterar o seu comportamento em meio escolar, referindo os problemas que estavam a decorrer. Para proporcionar ao menor o interesse escolar que se tinha perdido, propôs-se à escola alteração do seu currículo. Nunca se obteve informação sobre esta proposta. Decorrido o 2.º Período, o menor vem passar as férias da Páscoa e aquando do início das aulas, relativas ao 3.º Período, sai de casa, a fim de regressar à Instituição, o que não veio a acontecer, pois passados 3 dias regressou novamente a casa, sem nunca ter dado entrada no Lar. A Comissão nunca teve qualquer informação da Instituição a este respeito, tendo sido informada do facto pela progenitora. Esta declara que o filho não podia ficar em casa sem fazer nada, afirmando que “não sou eu que vou trabalhar para ele…já tem bom corpo e o pai também já lhe disse que quando voltasse não queria vêlo de costas ao alto…” Perante esta situação, as gestoras do processo, (dois elementos da Comissão responsáveis pelo acompanhamento) realizaram visita domiciliária com o objectivo de falar com o menor relativamente ao sucedido. Este alegou que não regressava à Instituição pelo facto do seu avô ter falecido e a sua avó precisar de si para a ajudar. Referiu ainda, que não queria continuar a estudar porque esse não era o seu futuro, e que
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

37

Universidade de Coimbra

por isso só estava a “perder tempo com os estudos”. No entanto, aceitou manter o consentimento para a Comissão intervir, por considerar que a sua mãe tem conseguido deixar de beber. Após este contacto a Comissão encaminhou o Pedro para se inscrever num Curso de Formação/Aprendizagem, pois como já tinha 15 anos iria ser possível a sua integração. Como tal, o Pedro aceitou inscrever-se no Curso de Carpintaria No entanto, como o curso só iria começar em Setembro, o Pedro inscreveu-se no Instituto da Juventude para integrar o Programa de Ocupação de Tempos Livres, de forma a manter-se ocupado até ao seu início. A Revisão do Acordo de Promoção e Protecção que iria privilegiar a Medida de Apoio Junto aos Pais, encontrava-se a ser elaborada. Quando se marcou o dia para a sua assinatura só compareceu a progenitora, informando que o filho se encontrava a trabalhar (desbravamento dos terrenos para a construção do IP). Foi-lhe explicado que o Pedro não podia exercer uma actividade profissional, pois era menor e ainda se encontrar dentro da escolaridade obrigatória. Depois de discutida a situação com todos os elementos da Comissão Restrita, concluiu-se que a Inspecção do Trabalho deveria ser informada sobre a actividade profissional que o menor se encontrava a realizar, tendo sido enviada informação à família por escrito desta decisão. A Inspecção do Trabalho nunca deu resposta sobre diligências que eventualmente efectuou. Marcou-se um novo encontro, para se proceder à assinatura da Revisão do Acordo. No entanto, o menor e a sua mãe só compareceram após várias insistências. O menor mostrou-se revoltado por não o “deixarem trabalhar”, encontrava-se a receber 25€ por dia, e como tal só via vantagens em continuar com aquela actividade. O seu patrão já o tinha aconselhado, caso fosse abordado por estranhos, como deveria agir. Mostrou várias vezes preocupação em saber quem é que lhe iria pagar aquele dia que estava a perder connosco. Após várias tentativas de diálogo com o menor e a sua mãe, não foi possível obter a assinatura da Revisão do Acordo. A progenitora verbalizou o desejo de ver o filho a trabalhar, pois só andava a perder tempo na escola. Considerava
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

38

Universidade de Coimbra

que a escola só tem sido um obstáculo à sua rápida inserção no mundo do trabalho, uma vez que ela também não tinha estudado, foi trabalhar muito cedo e nunca lhe disseram que era obrigatório estudar, por isso “não queremos que nos chateiem mais com isso de estudar…, não vêem que ele precisa é de ganhar dinheiro…” Perante o facto do menor e dos seus progenitores terem recusado a Assinatura da Revisão do Acordo de Promoção e Protecção, decidiu esta Comissão enviar o Processo para o Ministério Público.

4. A Intervenção Judicial98
Efectuada a comunicação pela Comissão de Protecção ao Ministério Público, nos termos do disposto no artigo 68º alínea b) da LPCJP, de que a medida aplicada não foi cumprida e que revisão da mesma foi recusada pelo menor e pelos seus progenitores, este requisitou àquela, nos termos do disposto no nº º 2 do artigo 73º da já referida Lei, o processo relativo ao menor. Em face dos elementos enviados o MP, considerando que o solicitado não tinha sido integralmente cumprido99, realizou nova diligência junto da Comissão, no sentido de que todos os documentos e informações do processo fossem enviados. Efectivamente o Ministério Público constatou que o processo remetido pela Comissão não estava devidamente organizado, estando omissos documentos, peças e elementos que seriam essenciais para uma tomada de decisão, pelo que perante tal situação o Ministério Público diligenciou junto da Comissão interpelando-a no sentido de, desde logo, o processo ser devidamente instruído.

Quanto a esta fase do processo, as informações foram obtidas através de um contacto directo estabelecido com a Ilustre Magistrada do Ministério Público, que muito amavelmente nos recebeu. 99 Os elementos relativos ao menor, e que foram enviados pela Comissão ao Tribunal, além de incompletos, não tinham uma organização formal adequada, nomeadamente não estando devidamente numerados e não observando uma sistematização dos documentos de acordo com a sucessão temporal dos factos. 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

98

39

Universidade de Coimbra

Após esta nova interpelação a Comissão remeteu os elementos em falta, tendo então o Tribunal considerado que tinha sido dado cumprimento, por parte da Comissão, ao estipulado no nº º 2 do artigo 73º da LPCJP. Como consequência imediata a análise do processo pelas instâncias judiciais ocorreu mais tardiamente e foi retardada a abertura do processo judicial de promoção e protecção de menores. Pelo exposto, constata-se que os contactos e comunicações estabelecidas entre a Comissão e o Ministério Público privilegiaram a via formal100. Findas estas diligências, o MP procedeu à análise de todas as “peças” existentes no processo remetido pela CPCJP, considerando que estavam reunidos todos os pressupostos para a Abertura do Processo Judicial Pode-se afirmar que, por parte do MP existe uma certa predisposição para que seja aplicada uma Medida de Acolhimento em Instituição101. Em conformidade com sua apreciação decide, o MP, solicitar à Segurança Social informações sobre a existência de alguma instituição com disponibilidade para acolher o menor em questão, sem que tenha obtido qualquer resposta. Recebido o requerimento inicial o Juiz do Tribunal declarou Aberta a Instrução e procedeu à Audição do Pedro e dos seus pais, sendo que no decurso da referida diligência o menor ausentou-se do gabinete onde a mesma se realizava e abandonou pura e simplesmente o Tribunal102 O Pedro assumiu este comportamento quando o Juiz, à semelhança da CPCJP, lhe informa que apesar de ser sua pretensão trabalhar ainda não o poderia fazer devido à sua idade. O processo encontra-se nesta fase, afigurando-se bastante improvável que se obtenha uma decisão negociada, pois os pais também manifestam o desejo do filho
Interpelações do Tribunal à Comissão ocorreram de forma escrita, pela via do ofício, enviada por correio. 101 A mesma medida foi a aplicada pela Comissão a pedido do menor e não foi cumprida, 102 O Pedro assumiu o mesmo comportamento na Comissão, quando se tentava obter a revisão do acordo. 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
100

40

Universidade de Coimbra

trabalhar, sendo que se torna quase inevitável a realização do Debate Judicial findo o qual o Tribunal proferirá uma decisão.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

41

Universidade de Coimbra

PARTE IV

Conclusões/ Considerações
1 - Insucesso e subsequente Abandono Escolar 2 – Trabalho Infantil 3 – Medidas das CPCJP e dos Tribunais 4 – Considerações/Propostas

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

42

Universidade de Coimbra

IV – Conclusões/Considerações

O caso do Pedro permite efectuar, tal como era intenção, algumas reflexões, nomeadamente ao nível: 1 - Insucesso e subsequente Abandono Escolar103; 2 - Trabalho Infantil; 3 - Intervenção das CPCJP e dos Tribunais na remoção destes problemas 4 – Considerações/Propostas

1 – Insucesso e subsequente Abandono Escolar
O caso do Pedro à semelhança de muitos outros casos, vem demonstrar que a complexidade dos seus problemas está relacionada com a disfuncionalidade dos contextos familiares em que estes jovens se inserem. Assim, o comportamento e atitude destes jovens dependerão do ambiente onde vivem que na grande maioria se pauta pela ausência de responsabilidades dos pais na sua função parental. Hoje em dia há cada vez mais crianças e adolescentes que são vítimas de vários factores adversos, sociais e familiares em que a escola será depois o local preferencial de exteriorização desse mal-estar. Muitas destas crianças e adolescentes sentem-se, como o Pedro, rejeitadas pelo sistema escolar, por terem dificuldades de aprendizagem, em especial se aliadas a problemas de comportamento.

O presente estudo faz referência ao insucesso e ao abandono escolar apenas nos casos de jovens com idades compreendidas entre os 12 anos e os 15 anos, pois ainda se encontram dentro da escolaridade obrigatória 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

103

43

Universidade de Coimbra

No entanto, é importante que estes comportamentos devam acima de tudo ser compreendidos, e não apenas ignorados ou denegados, pois são na sua maioria manifestações de conflitos vividos no seio familiar. Assim sendo, as crianças originárias de famílias ditas disfuncionais, caracterizam-se por uma ausência de estímulos intelectuais que afectam o seu desenvolvimento, incorrendo com bastante frequência em situações de insucesso. Para estes jovens a escola perde o seu sentido e torna-se uma obrigação. Nestes casos, a ausência de um “meio facilitador” é na grande maioria um problema transgeracional que se vai perpetuando, levando a que o desejo de crescer e o prazer de aprender seja apenas uma miragem para estas crianças que encontram na escola um ambiente tão hostil que, em regra deixam de a frequentar. Na verdade elas não só entram numa situação de permanente fuga à escola, como também desenvolvem uma rejeição. Esta rejeição é na grande maioria motivada não só pelos pais, que também não desenvolveram comportamentos adaptativos à escola, como também pela ausência de respostas práticas que estes adolescentes não encontram nas escolas. Estudar programas completamente desajustados às suas necessidades, constitui a base para o abandono escolar, devido à desadequação entre o que se está a oferecer e o que o adolescente necessita. Trata-se de um mal-estar associado à formação escolar que conduz frequentemente a uma marginalização social, que se caracteriza pelo facto de não serem bem sucedidos na escola. Os seus sentimentos de incapacidade e de marginalização determinam que mais facilmente desenvolvam estratégias adaptativas à disfunção do contexto relacional que é vivido em qualquer um dos sistemas de pertença, nomeadamente na família, na escola, na turma. É na escola e consequentemente na turma, que procuram recrutar aliados por entre aqueles que também têm fraco aproveitamento escolar e para o conseguirem assumem comportamentos desadequados. Tal como o Pedro, interrompem

continuadamente o decorrer das aulas, procuram criar situações de “galhofa”, tentam
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

44

Universidade de Coimbra

bloquear as situações que exigem consenso e cooperação e, acima de tudo provocam sistematicamente a autoridade dos professores, que consideram a sua presença, nas salas de aula, indesejada pelos conflitos que levantam. Assim sendo, muitos destes jovens manifestam falta de motivação perante o trabalho escolar, contrariedade no estudo e aborrecimento face aos conteúdos, o que origina a adopção de mecanismos subjacentes ao absentismo e à integração precoce no mercado de trabalho. Pois, o fosso existente entre o que os alunos aprendem na escola e o que utilizam na vida quotidiana contribui para que cada vez mais crianças decidam sair do sistema de ensino. Este sistema continua sem alternativas para estas crianças que se encontram na faixa etária dos 12 aos 15 anos. De acordo com a Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº 46/86 de 14 de Outubro, existe apenas a obrigatoriedade destes jovens frequentarem a escola até aos 15 anos104, pois só a partir desta idade105, ou com o 9.º ano completo, é que poderão ter acesso a uma Formação Profissional. Esta hipótese que os jovens têm de se prepararem para a vida activa, com vista à integração no mundo de trabalho pela aquisição de conhecimentos e competências profissionais surge tardiamente, já que muitos são os que não chegam ao 7.º ano ou ao 9.º ano para os iniciarem. Exemplo desta situação foi o que aconteceu com o Pedro, que não tendo a escolaridade obrigatória nem idade para frequentar uma Formação Profissional inicia, há semelhança de outros jovens, um percurso de rejeição à escola e subsequente abandono, sem retorno. Para estes jovens a única solução vislumbra-se com a chegada dos 15 anos uma vez que, a partir desse momento já podem decidir o seu percurso, que em muitos casos acaba por ser igual ao dos seus progenitores: “Pobreza – Insucesso escolar, Insucesso Escolar – Pobreza”.
De acordo com o nº 1 do Art. 6º da Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº46/86 de 14 de Outubro, “ o ensino básico é universal, obrigatório e gratuito e tem a duração de noves anos”. O nº 4 do mesmo Artigo diz que: “ a obrigatoriedade de frequência do ensino básico termina aos 15 anos de idade. 105 Nos termos da alínea a) do Art.19º da Lei nº46/86 de 14 de Outubro, a Formação Profissional prevê-se para os jovens com menos de 15 anos desde que “tenham concluído a escolaridade obrigatória”, ou para aqueles que “ não a tenham concluído até à idade limite desta” alínea b) do mesmo Artigo. 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003
104

45

Universidade de Coimbra

No entanto, coloca-se-nos algumas questões: • Até que ponto as Comissões, através das suas medidas conseguem solucionar o problema destes jovens? • Terá o sistema Judicial forma de os resolver? Ao analisarmos todas as fases pelas quais o Pedro passou, poderíamos responder que a solução para os jovens entre os 12 e os 15 anos, com sucessivos insucessos escolares, nunca chega ou quando chega já não produz os efeitos desejados, porque dificilmente voltarão a acreditar que poderão ter um percurso sócio-familiar diferente daquele em que sempre viveram. Muitos destes jovens descrevem as suas vivências sem saída possível, tal como o Pedro verbalizou “estudar para continuar a não ser alguém, então não vale a pena andar lá”, “o meu pai também não estudou e trabalha”.

2 - Trabalho Infantil A medida de institucionalização aplicada pela CPCJP, não tendo sido bem sucedida, revelou-se inadequada no caso do Pedro. Ao analisarmos as razões e circunstâncias que estão na causa do Trabalho Infantil, deparamos que o Pedro se encontra numa situação de perigo, bastante elevada, quanto à possibilidade de entrar ilegalmente no mercado de trabalho. Efectivamente, atentamos desde logo: - Sexo e a idade deste; - Facto de não estudar e não demonstrar apetência na prossecução dos seus estudos, sendo um menor desocupado; - Não ter concluído a escolaridade obrigatória; - Já ter tido acesso ao mercado de trabalho onde, trabalhando por conta de outrem, teve já oportunidade de auferir o “seu” vencimento;
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

46

Universidade de Coimbra

- As condições socio-económico e culturais da família onde está inserido, nomeadamente condições de habitação, dimensão, rendimentos, percurso escolar e situação profissional dos responsáveis; - A zona geográfica onde vive; Fazem com que o Pedro seja um elemento do agregado que é “necessário” para obter rendimento, para “ir ganhar dinheiro”. O trabalho é algo de básico para a realização pessoal e profissional do indivíduo, dignifica o homem. Contudo, quando é realizado por crianças em plena fase de desenvolvimento e aprendizagem, o trabalho é susceptível de constituir um factor de perturbação desse mesmo desenvolvimento, com influências nefastas na construção do seu futuro individual.106 As leis não resolvem tudo e é necessário atacar as causas de exploração do trabalho de menores, mas o direito, com o seu discurso de “dever ser” tem uma influência decisiva no ser que está mal e que contraria a consciência jurídica geral, potenciando uma alteração de comportamentos e influindo no devir social. Assim, a regulamentação jurídica do trabalho de menores surge como um pilar fundamental que assenta na protecção das crianças e jovens contra a exploração do seu trabalho. Porque é que o Direito do Trabalho protege especificamente o menor no trabalho? De acordo com o Dr. Jorge Leite há duas ordens de razões para esta protecção. Em primeiro lugar, o menor tem uma fragilidade inerente, uma fragilidade que o acompanha por ser menor, por não ter completado o seu desenvolvimento e por ser anatómica, fisiológica e psiquicamente diferente dos adultos. O seu reduzido desenvolvimento torna-o mais vulnerável e o trabalho comporta para si, riscos

Uma Nota Pastoral sobre o trabalho infantil, de 1993, refere que “Há crianças que não chegam a viver e saborear a alegria de um período irrepetível da sua vida, tornando-se adultos antes do tempo, ficando muitas vezes incapacitados de enfrentar o futuro em igualdade de condições com os restantes, ou mesmo, tornando-se fisicamente deficientes e psicologicamente marcadas para toda a vida” 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

106

47

Universidade de Coimbra

específicos para o seu desenvolvimento físico e a sua saúde (cargas demasiadas pesadas para a sua estrutura, p.ex.), o seu desenvolvimento psíquico e emocional (uma humilhação no local de trabalho pode ter efeitos devastadores)107. A influência do tipo de trabalho e do condicionalismo de subordinação típico do contrato de trabalho, no desenvolvimento do menor, é importante para se aferir o que é ou não aceitável no trabalho de menores, embora se saiba que, por não ser linear o processo de crescimento e de autonomização de cada um, que uma certa actividade, com uma certa intensidade e duração pode contribuir positivamente para o desenvolvimento de um e negativamente para o de outro. O menor é também mais frágil porque não tem ainda capacidade para, por si próprio, se impor enquanto pessoa ao colectivo. Se já um trabalhador adulto é geralmente mais frágil do que a outra parte, devido à posição subordinada que ocupa na relação laboral, a verdade é que consegue impor-se ou negociar enquanto colectivo. Já o menor não consegue tal, estando mais expostos que os adultos para quem trabalham. Em segundo lugar, além desta fragilidade, o menor que em regra entra numa relação de dependência laboral, é oriundo de famílias cultural e economicamente mais frágeis e sofre, além das pressões e necessidades próprias da sua menoridade as pressões a que está sujeita a sua própria família, o que lhe confere uma fragilidade relativa. O menor é tanto mais frágil quanto mais frágil for a família a que pertence e os factores que determinam, quer o abandono precoce do meio escolar, quer a necessidade de contribuir para o sustento do agregado familiar, pressionam o menor a trabalhar, muitas vezes sem o mínimo de consciência dos seus direitos (e de capacidade para os fazer valer), o que torna a sua vulnerabilidade acrescida constituindo mais um motivo para que o direito se preocupe em proteger o menor. À face da lei o menor108 está sujeito a um regime específico quando desempenha uma actividade sob as ordens, direcção e fiscalização de outrem mediante retribuição109. Este regime de protecção dos menores no trabalho por conta de outrem aplica-se quer o

É por este motivo que a Convenção dos Direitos da Criança consagra no seu artigo 32º a proibição de todo o tipo de actividades à criança que afectem o seu desenvolvimento como pessoa e como ser social 108 Todo aquele que não completou 18 anos de idade – artigo 122º do Código Civil 109 Esta é a noção clássica de contrato de trabalho – artigo 1º do D.L. n º 49.408 de 24 de Novembro de 1969 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

107

48

Universidade de Coimbra menor trabalhe em instalações do empregador, quer no seu próprio domicílio110. Além do trabalho subordinado de menores, e desde a Lei 58/99 de 30/06 que veio adequar-se a importantes instrumentos internacionais de protecção de menores no trabalho, também o trabalho autónomo ou por conta própria dos menores é objecto de protecção na lei.111 Continua fora da protecção jurídico-laboral o trabalho que o menor realiza no seio da família112

Chegados a este ponto passamos à análise dos traços gerais do quadro legal que regulamenta a protecção dos menores do trabalho. A protecção jurídica dos menores no trabalho efectua-se através das normas de Direito de Trabalho, e com o próprio Direito de Menores sempre que o trabalho ponha em perigo a segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento do menor113. As normas de Direito de Trabalho encontram-se dispersas por vários diplomas e disciplinam: - O Dec. Lei N º 49.408 de 24/11/1969 que aborda os princípios gerais da contratação de menores, os limites de idade – a lei, em consonância com o artigo 69º da Constituição da República Portuguesa e com a Convenção n º 138 da OIT proíbe a admissão ao trabalho antes dos 16 anos, considerando que a entrada no mercado de trabalho antes dessa idade atenta contra o direito natural ao desenvolvimento de cada um. Apenas o admite antes dos 16 anos desde que o menor tenha concluído a escolaridade obrigatória e desde que o trabalho a efectuar seja leve. Paralelamente, nas condições de admissão ao trabalho, a lei estabelece um conjunto de regras relativas à capacidade de o menor celebrar contrato de trabalho,

Embora seja naturalmente mais difícil à Inspecção Geral de Trabalho fiscalizar e detectar o trabalho realizado para outrem no domicílio. 111 Artigo 5º da Lei 58/99 de 30/06. 112 Muitas vezes este tipo de trabalho pode significar maior violência ou maior exploração da sua actividade (âmbito da agricultura ou das tarefas domésticas ou ainda quando se auxilia o pai ou a mãe que são eles mesmos assalariados no domicílio). 113 Artigo 3º LPCJP 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

110

49

Universidade de Coimbra

estabelecendo um princípio de gradualismo que faz acompanhar a idoneidade jurídica para agir da evolução natural da capacidade que resulta do próprio crescimento. De salientar que, no Quadro Normativo está previsto um quadro sancionatório para todas as situações de infracção ao Regime Jurídico do Trabalho de Menores114 que, tendo em conta o tipo de situações abstractas que são tuteladas e das sanções que lhes correspondem, são um factor fortemente dissuasor do trabalho de menores que se realize à margem do quadro que ela estabelece e por isso, constitui um instrumento privilegiado para combater a Exploração do Trabalho Infantil.

Atendendo deste logo a este Quadro Jurídico existente e em vigor115, e às razões que estão na base deste mesmo quadro, torna-se evidente que ao Pedro, ponderando desde logo a sua idade, e malgrado a sua vontade, de momento lhe está legalmente vedado o acesso, e consequente permanência, ao Mercado de Trabalho.116 E foi, desde logo, por esse motivo que o Pedro foi retirado do mercado de trabalho e está deste afastado.

A Lei 116/99 de 4 de Agosto consagrou como contra-ordenações as condutas violadoras de normas laborais. Este regime foi completado pelas Leis 113/99 de 3 de Agosto e n º 118/99 de 11 de Agosto, diplomas que concretizaram o regime através da classificação das contra-ordenações relativas às leis gerais reguladoras do contrato individual de trabalho (no qual se inclui o trabalho de menores), sobre segurança, higiene, saúde no trabalho e sobre regimes específicos. Além das contra-ordenações prevê-se ainda um crime de desobediência (artigo 128º) cominando-se uma sanção penal – quando o inspector de trabalho verifica uma violação de disposições legais sobre trabalho de menores, notifica por escrito o infractor para fazer cessar imediatamente a actividade do menor sob pena de incorrer num crime de desobediência qualificada (punível com prisão até dois anos ou multa até 240 dias). 115 Existem ainda outros diplomas e legislação relevante quanto ao trabalho de menores como D. Lei 396/91 de 16 de Outubro (quanto à formação e orientação profissional e comunicação à Inspecção Geral de Trabalho dos estabelecimentos de ensino); Lei 58/99 de 30 de Junho (descanso semanal de menores e protecção de menores no trabalho autónomo; Portarias 714/93 e 715/93 de 3 de Agosto (define trabalhos leves e os proibidos ou condicionados por serem prejudiciais ao desenvolvimento físico, psíquico e moral do menor atentas a sua natureza e as condições em que são prestadas; 116 O Código de Trabalho aprovado pela Lei n º 99/2003 de 27 de Agosto e que entra em vigor no dia 1 de Dezembro de 2003, tem toda uma Subsecção dedicada ao Trabalho de Menores (Subsecção V, artigos 53º a 70º), que no entanto, nos termos do disposto no artigo 3º nº º 2 da Lei que o aprovou o Código só se aplica após a entrada em vigor da legislação nela referenciada. Acrescente-se que os artigos desta Subsecção do Código de Trabalho, de uma forma geral, correspondem sem grandes alterações de fundo às disposições actualmente em vigor e que regulam a matéria relativa ao trabalho de menores.

114

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

50

Universidade de Coimbra

Mas a sociedade não pode limitar-se, por intermédio de leis, a retirar os menores do trabalho, que é o que geralmente sucede após a detecção pela Inspecção do Trabalho de uma situação desconforme com a lei. Há que pensar o que fará e onde estará o Pedro, e outros menores como ele, amanhã, dentro de um ano. Cominar pura e simplesmente sanções para a entidade empregadora, para este e outros casos de menores sem escolaridade obrigatória, sem a existência de um outro tipo de abordagem no acompanhamento destes menores, não resolve, certamente, o problema de fundo que aqui existe e se nos coloca. De facto, perante um problema social dos jovens em progressiva “desfiliação”, fuga da família e principalmente da escola, tal como sucede no caso do Pedro, o Estado tem de ter uma resposta proactiva, ou seja o Estado deve promover a inserção em sociedade de jovens que potencialmente se encontram a caminho da marginalidade e da exclusão, que se afastam da escola e estabelecem com esta relações de recusa e abandono e vão construindo identidades próprias na busca de alguma forma de valorização social, particularmente entre o grupo de pares. Não esquecendo que estas situações começam a acontecer cada vez mais cedo. Ora, enquanto o Estado não dá respostas de qualificação escolar/profissional aos jovens que se excluíram da escola e estão, por isso mesmo, mais vulneráveis a aprofundar processos de exclusão (que, com frequência são prévios a percursos de marginalidade) parece-nos incongruente que o mesmo Estado impeça o acesso a Formação Profissional de jovens menores de 15 anos que não concluíram a escolaridade obrigatória, quando esta pode até constituir um factor de desenvolvimento e de integração familiar e social.

Que soluções consagra então o Estado no sentido de promover a educação e a formação profissional, particularmente nos jovens com menos de 15 anos? E até que ponto essas soluções, a existirem, permitem enquadrar a situação do Pedro?

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

51

Universidade de Coimbra

Das soluções existentes destaque-se o Despacho Conjunto n.º 279/2002 do Ministro da Educação e o Ministro do Trabalho e Solidariedade que criou, em Março de 2002, os Cursos de Educação-Formação. Estes Cursos de Educação-Formação são tutelados pelo Ministério da Educação em estreita colaboração com o Ministério do trabalho e da Solidariedade, e implementados por iniciativa dos estabelecimentos do Ensino Público que leccionem o 3.º ciclo do ensino Básico. Estão orientados para facilitar a integração dos jovens no mundo de trabalho, quando estes apresentam pouco interesse pelas actividades escolares, dificuldades de aprendizagem com sucessivos insucessos escolares e revelam altos indíces de absentismo. Os destinatários são jovens com mais de 15 anos que tenham concluído o 9.º ano de escolaridade ou tendo 15 anos e não tenham concluído o 9.º ano, apesar de terem frequentado. O objectivo para estes jovens é ter acesso a uma Formação Profissional que garanta a obtenção de um certificado. Para os Jovens com mais de 15 anos e tenham frequentado o 7.º ano, mesmo que não o tenham concluído, têm acesso a este curso que terá a duração de 2 anos e equiparado ao 9.º ano. O mesmo acontece aos jovens com mais de 15 anos e com o 8.º ano, sendo que para estes a duração do curso será apenas de 1 ano. Estes cursos são propostos pelas escolas, são aprovados pelo departamento do Ensino Básico, sendo obrigatório o parecer favorável do Centro de Emprego relativamente à necessidade do curso em termos de empregabilidade e saída profissional. Infelizmente muitas são as escolas que não apresentam quaisquer propostas. A par desta medida generalista, foi publicado em Setembro de 2003 um novo diploma legal que vem revogar e dar continuidade ao PIEF – Programa Integrado de Educação e Formação, como uma medida desenhada para um público mais específico, conforme se apresenta adiante.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

52

Universidade de Coimbra

O P.I.E.F. – Programa Integrado de Educação e Formação – foi criado no âmbito do Plano para Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil (PEETI117) pelo Despacho Conjunto n.º 882/99 do Ministro da Educação e do Ministro da Segurança Social e do Trabalho, de 28 de Setembro, publicado no Diário da República, 2.a série, n.º 241, de 15 de Outubro de 1999, tendo sido revisto e reformulado pelo recente Despacho Conjunto 948/2003, sendo visto como uma medida de excepção que se apresenta como remédio quando tudo o mais falhou e à qual os jovens e suas famílias efectivamente aderem (depois de terem rejeitado outras existentes quer no sistema educativo quer na formação profissional ou de terem sido rejeitados...).

Criado em 1998 (Resolução do Conselho de Ministros 75/98 de 2 de Julho), o Plano para Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil (PEETI) surge na sequência da extinção da Comissão Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, e tem como horizonte temporal Dezembro de 2003 (Resolução de Conselho de Ministros 1/2000 de 13 de Janeiro). Tem como objectivos prioritários a remediação/reparação de situações de trabalho infantil, incluindo as formas intoleráveis de exploração de menores (Convenção 182 da OIT) e a remediação do abandono escolar precoce e risco de inserção precoce no mundo do trabalho, em situações de exploração, permitindo a reintegração destas crianças e jovens em percursos escolares regulares. Embora fosse orientação principal a adopção de práticas tendentes à prevenção e remediação dos problemas dos jovens já referidos, por intermédio da base institucional escola, tentando-se evitar, quando possível, soluções que remetessem prematuramente os jovens para outros contextos institucionais, reconhecia-se, que em casos particulares, desde logo de crianças e jovens em situação de exploração do trabalho infantil, era necessário a adopção de uma estratégia flexível, baseado num princípio da individualização das soluções. Desde a sua criação, o PEETI procura, em conjunto com investigadores, bem como com entidades actuando nesta área como a Inspecção-geral do Trabalho (IGT), o Ministério da Educação, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), parceiros locais, por um lado, analisar as causas do trabalho infantil e, por outro, operacionalizar as medidas legislativas que foram surgindo ao longo da vigência do Plano. O PEETI tem âmbito nacional e conta com a intervenção directa de 17 equipas móveis multidisciplinares (EMM) constituídas por técnicos de formações diferenciadas que, no terreno, e em articulação com os vários serviços locais, fazem o diagnóstico de todas as sinalizações chegadas aos serviços centrais em Lisboa e Matosinhos, encaminhando-as para as respostas mais adequadas a cada caso, que vão desde o regresso ao ensino regular até à integração em medidas de excepção.

117

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

53

Universidade de Coimbra

O novo despacho reforça a dupla vertente do PIEF: a vertente educativa e ou formativa, centrada no reingresso escolar e na definição de percursos alternativos de educação e formação, visando a escolaridade ou a dupla certificação escolar e profissional, e a vertente de integração, orientada para a despistagem de situações e para a disponibilização de respostas de ordem social e económica, para a inserção em actividades de formação não escolar, de ocupação e desenvolvimento vocacional, de orientação e de desporto escolar. O objectivo é favorecer o cumprimento da escolaridade obrigatória a menores e a certificação escolar e profissional de menores a partir dos 15 anos, em situação de Exploração de Trabalho Infantil, nomeadamente nas formas consideradas intoleráveis pela Convenção n.º 182 da OIT, e favorecer o cumprimento da escolaridade obrigatória associada a uma qualificação profissional relativamente a menores com idade igual ou superior a 16 anos que celebrem contratos de trabalho. O PIEF integra um conjunto diversificado de medidas e acções prioritariamente orientadas para a reinserção escolar, através da integração no percurso escolar regular ou da construção de percursos alternativos, escolares e de educação e ou formação, incluindo actividades de educação extra-escolar, de ocupação e orientação vocacional e de desporto escolar, promovidas, realizadas ou apoiadas pelos serviços e organismos dos Ministérios da Educação e da Segurança Social e do Trabalho. A concretização, relativamente a cada menor, ocorre mediante a elaboração de um plano de educação e formação (PEF) com subordinação aos seguintes princípios: 1. Individualização, tendo em conta a idade, a situação pessoal, os interesses e as necessidades de inserção escolar e social do menor, com base em avaliação diagnóstico inicial; 2. Acessibilidade, permitindo a intervenção e a integração do menor em qualquer momento do ano lectivo; 3. Flexibilidade, permitindo a integração do menor em percursos de educação e formação ou de educação extra-escolar, nomeadamente em acções susceptíveis de certificação ou de creditação no quadro de percurso subsequente;
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

54

Universidade de Coimbra

4. Continuidade, procurando assegurar uma intervenção permanente e integrada, através da frequência de actividades de desenvolvimento de competências, designadamente de carácter vocacional, de acordo com os recursos e as ofertas dos serviços e entidades tutelados ou apoiados pelos Ministérios da Educação e da Segurança Social e do Trabalho, em especial quando concluído o 2.o ciclo do ensino básico sem possibilidade de ingresso imediato em percurso subsequente; 5. Faseamento da execução, permitindo o desenvolvimento da intervenção por etapas estruturantes do percurso educativo e formativo do menor; 6. Celeridade, permitindo a obtenção de certificados escolares em período de tempo mais curto, nomeadamente de um ano e de dois anos para a conclusão dos 2.o e 3.o ciclos do ensino básico, respectivamente; 7. Actualização, permitindo a revisão e alteração do plano, em função das alterações de situação e de necessidades do menor, disponibilizando-lhe apoio psicopedagógico e favorecendo-lhe a frequência de actividades de orientação escolar e profissional. O PEF é assumido como forma de intervenção para a promoção dos direitos e para a protecção da criança e do jovem em perigo, no âmbito do previsto no Artigo 7.º da Lei de Protecção de Crianças e Jovens em perigo, aprovada pela Lei n.o 147/99, de 1 de Setembro. A metodologia de intervenção para execução da medida PIEF, embora variando um pouco de acordo com o contexto, processa-se do seguinte modo: Uma 1ª fase de diagnóstico em que as EMM do PEETI actuam junto de menores e respectivas famílias, partindo da informação recebida no PEETI sob a forma de sinalização de situações de trabalho infantil e risco de trabalho infantil (abandono escolar confirmado pela não frequência da escola no ano imediatamente sequente à sinalização do abandono). Esta intervenção é reflectida em articulação com outros serviços com vista à elaboração do diagnóstico, com os seguintes contributos:

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

55

Universidade de Coimbra • • •

Segurança Social – conhecimento da situação familiar; Escola – percurso escolar; Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) – razões de sinalização.

Esta intervenção faz parte de um processo que tem como objectivos centrais a mobilização das instituições locais para a partilha dos diagnósticos individuais e familiares e a concepção e execução de medidas – resposta às situações identificadas e diagnosticadas. Uma 2ª fase, que visa a obtenção da titularidade do 2º ciclo, decorrendo concomitantemente um processo de desenvolvimento vocacional a fim de permitir uma escolha profissional apoiada com prática em áreas profissionais variadas, com o apoio das Direcções Regionais de Educação (DRE) e do IEFP. Uma 3ª fase de formação profissional qualificante, a que os jovens acedem quando terminam com sucesso a 2ª fase, é da responsabilidade do Ministério da Educação ou do IEFP, ou conjunta, consoante o encaminhamento que for considerado o mais adequado para cada jovem. Apesar destas medidas de excepção, e desde logo atendendo à idade do Pedro conclui-se que a situação deste não pode obter solução no âmbito destes programas118. E como o Pedro muitos outros menores encontram-se também desprotegidos, sem a existência de medidas legislativas adequadas, que permita retira-los de uma situação de risco. Saliente-se que no âmbito do relatório preliminar do PEETI era considerado ser necessário criar de imediato respostas de “excepção” para situações de crianças e

Destaque-se ainda a medida CLÁUSULA DE FORMAÇÃO (Decreto Regulamentar n.º 16/2002, de 15 de Março; Decreto-Lei n.º 58/2002 de 15 de Março), que permite conjugar a certificação escolar com a formação em contexto de trabalho para jovens com mais de 16 anos, que não tenham concluído com aproveitamento o 9º ano de escolaridade. A legislação que enquadra a referida cláusula determina que” o período normal de trabalho inclui uma parte reservada a formação correspondente, no mínimo, a 40% do limite máximo constante da lei, da regulamentação colectiva aplicável ou do período praticado, na respectiva categoria, a tempo completo, na empresa”. Será contudo de referir que mesmo nesta cláusula a situação do Pedro não encontra enquadramento.

118

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

56

Universidade de Coimbra

jovens que abandonaram “definitivamente” o sistema educativo e que talvez já trabalhem. Estas situações eram percepcionadas com níveis diferentes de gravidade e implicavam respostas diversas119. Uma vez que metade dos adolescentes encontrados em situação de trabalho dependente e remunerado tinham entre 14 e 15 anos era proposto dois tipos de medidas de educação/formação, conforme tenham concluído, ou não a escolaridade obrigatória. Assim, no caso de jovens com 14 ou 15 anos e com escolaridade obrigatória concluída propunha-se que integrassem um modelo misto de educação/formação120. Pretendia-se agora maleabilizar esse Programa e permitir, a partir dele, criar pequenas unidades locais com formação humanística e formação profissionalizante. O Currículo de formação humanística deveria integrar duas linhas fundamentais, a Higiene e Segurança no Trabalho e os Direitos e Deveres dos Trabalhadores. A formação profissionalizante seria ainda negociada com uma rede de empresas de acolhimento e acompanhados por técnicos do PEETI/IEFP com formação específica para o efeito.

Para as crianças e adolescentes com idades compreendidas entre os 13 e os 15 anos de idade, sem escolaridade obrigatória concluída Nestes casos, propunha-se a criação de um espaço de educação/formação ao qual se sugeria chamar-se Oficina/Escola ou Oficina de Formação.

Os esforços da Inspecção-geral de Trabalho, no sentido de apurar, identificar e punir situações de exploração de trabalho infantil, defrontavam-se com problemas de vária ordem: - Cumplicidade das famílias e dos vizinhos para quem a cultura da formação pelo trabalho é muito forte; - O desejo de muitos adolescentes de integrar um posto de trabalho, mesmo ilegal, mal remunerado e sem regalias sociais; - A sua relutância em regressar à escola; - A ausência de propostas alternativas para lhes oferecer. 120 Este modelo já teria sido experimentado com bons resultados pelo Programa Educação/Formação, resultante do Despacho Conjunto ME/MTS 123/97 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

119

57

Universidade de Coimbra

Seria um currículo alternativo levado ao potencial máximo. A designação procura motivar adolescentes e famílias para uma forte tónica em aprendizagens práticas que seriam certificadas e motivariam um empenhamento na conclusão da escolaridade obrigatória. Avaliações extraordinárias de conhecimentos, consignados no enquadramento jurídico da Avaliação, permitiriam construir módulos de formação que possibilitassem a conclusão do 9º ano em um ou dois anos conforme os diferentes níveis de aprendizagem dos alunos. Seria necessário construir projectos educativos individuais para cada formando, envolvendo os próprios, e as suas famílias na sua elaboração. O modelo seria próximo do da formação em alternância. A vertente de formação prática teria lugar conforme a realidade contextual em: 1. “Empresas de acolhimento” devidamente credenciadas para tal; 2. Centros de Formação do IEFP; 3. Centros Protocolares de Formação de Associações Patronais em protocolo com IEFP; 4. Artesãos credenciados pelo IEFP, Cada projecto Oficina/Escola deveria ser avalizado pelo ME e pelo MTS. Cada uma das modalidades previa a criação de bolsas de formação, considerando não só causas de base económica para a inserção precoce no mundo de trabalho, mas o hábito adquirido de alguma autonomia financeira. Estas bolsas não deveriam ser tão reduzidas que deixassem de ser aliciantes, nem tão grandes que provocassem efeitos perversos e estimulassem outros a abandonar o Sistema Educativo. Não deveriam ser iguais para todos, pois tratava-se de projectos educativos individuais. Para a aplicação deste projecto seriam tidos em conta, todos os recursos humanos e materiais existentes nos Ministérios envolvidos, nas autarquias, nos sindicatos, nas empresas, nas IPSS, nos centros sociais das paróquias entre outros. Todas as situações de colaboração multisectorial seriam protocoladas. A oficina/escola deveria ter capacidade para integrar formandos ao longo do ano lectivo.
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

58

Universidade de Coimbra

Para as crianças em situação de trabalho infantil com idades inferiores a 13 anos deveria ser sempre proposto o regresso à Escola, sendo que esse regresso deveria ser cuidadosamente preparado e para essas crianças deveriam ser também concebidos projectos educativos individuais em cada escola. Importa dizer que estas medidas de excepção, nunca chegaram nunca a ser implementadas. Será contudo de referir que os motivos e razões que estariam na origem da sua implementação à data, e que já foram devidamente expostas, quanto a nós não só existiam como continuam a subsistir ainda hoje, sendo que o caso do Pedro é disso um bom exemplo. De facto tendo em conta as soluções que hoje estão previstas torna-se por demais evidente que, por razões fundamentalmente de ordem etária e de escolaridade obrigatória, existe uma faixa de crianças e jovens para as quais inexistem soluções que urge encontrar e implementar.

3 – Intervenção das CPCJP e dos Tribunais
Actualmente, e cada vez mais, as escolas se vêem invadidas por situações problema que não podem ou não sabem dar resposta, uma vez que o Sistema de Educação continua sem alternativas suficientes para as crianças e adolescentes que apresentam sucessivos insucessos e subsequente abandono escolar, já que os currículos com maior ênfase numa inteligência prática e aplicação concreta são quase inexistentes. Perante a limitação na resolução dos problemas destes jovens, muitas são as Escolas que vêem como única alternativa, tal como aconteceu no caso do Pedro, a sinalização destas situações às Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, no intuito destas aplicarem medidas capazes de dissolver os seus problemas. Ao procurarmos responder à questão: Até que ponto as Comissões, através das suas medidas conseguem solucionar o problema dos jovens, principalmente os que abandonam a escola, com idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos?
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

59

Universidade de Coimbra

Encontrámos um desfecho pouco risonho, porque para os menores que acabamos de aludir parece que ainda não existe uma medida adequada à remoção do seu problema. Aplicar a medida de Apoio Junto dos Pais aliada à Educação/ Responsabilidade Parental, não nos parece que nestas situações seja suficiente para se obter o sucesso pretendido, que os jovens retomem ou continuem a escolaridade. Isto porque: As famílias destes jovens, na grande maioria disfuncionais, não adquiriram conhecimentos necessários a uma carreira escolar sem insucesso. Assim, como poderão eles transmitir aos filhos o que não aprenderam? Nesta perspectiva, podemos dizer que os pais sentem-se incapazes de elaborar modelos referenciais para os filhos. Assim sendo, como “ensinar” os pais a educarem os filhos para que estes possam e queiram continuar a estudar? Sendo que esta condição não é considerada, nem por uns nem por outros, como essencial à aquisição de um futuro mais auspicioso. Tal como os pais do Pedro, muitos há que consideram, pela sua prática, que os filhos não necessitam de estudar, incitando-os a exercerem actividades que lhes dêem autonomia económica, “não queremos que nos chateiem mais com isso de estudar…, não vêem que ele precisa é de ganhar dinheiro…” Como poderão as Comissões alterar este ciclo geracional de abandono escolar aliado à integração precoce no mercado de trabalho? Sabemos que a responsabilidade parental tem como fim último consciencializar os pais para um processo educacional que deveria ter acontecido já na sua adolescência. No entanto, tal não se verificou pois ocorrem com frequência, entre outras situações, as gravidezes precoces levando a que esses jovens, agora pais, interrompessem o seu percurso escolar. Nesta linha de pensamento, podemos dizer que estes jovens acabam por repetir os modelos geracionais como testemunho de lealdade familiar, pois nas famílias em que o Insucesso Escolar é uma tradição os filhos que se apresentam como maus alunos consideram que seu futuro, à semelhança dos seus pais, passa também pela integração precoce no mercado de trabalho.
6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

60

Universidade de Coimbra

Porém, há situações em que apesar das condições de existência, extremamente adversas, muitas famílias desenvolvem praticas que tornam os seus filhos competentes e alunos bem ajustados, o que leva a concluir que a parentalidade depende da forma como se é parentalizado121. Assim sendo, torna-se necessário intervir o mais precocemente possível como medida preventiva. Quanto mais cedo actuarmos junto destas crianças e adolescentes, mais fácil se tornará para aproveitar os aspectos positivos e de qualidade no seu desenvolvimento global. No entanto, até que ponto esta intervenção deve “obrigar” os jovens a frequentar o sistema de ensino quando já todos perceberam que essa não será a solução para a remoção do problema? Pois é do conhecimento geral que a obrigação leva a uma rejeição, sendo esta a posição que a maioria dos jovens assume, quando perde a motivação face aos conteúdos funcionais do sistema educativo. Todavia, convém não esquecer os riscos que se podem correr ao dizer que estas crianças já não se adaptam às medidas que priorizam a sua escolaridade e que eventualmente poderiam assumir alguns “ofícios” devido à sua maturidade em muitos adquirida à “força” para poderem sobreviver no seu dia a dia e prosseguirem a luta sem desistirem. Será que ao tratarmos estas crianças como pequenos adultos, devido à tal maturidade, pode implicar o risco destes terem que assumir outras medidas mais punitivas por cometerem actos juridicamente puníveis?... São estas e outras questões que dificultam a obtenção de uma solução efectiva sem quaisquer constrangimentos para a protecção dos menores. No entanto, podemos pensar ainda nas as medidas de Acolhimento em Instituição. Será que estas conseguem trazer os jovens de regresso a escola? Sabemos que as crianças costumam viver a separação do núcleo familiar como um acto violento, extremamente duro, sem sentido e muito desagradável. Contudo,

121

Cfr.Pedro Strecht, 2000

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

61

Universidade de Coimbra

ainda que saibam que estarão, a partir daí, em melhores condições do que no seu núcleo familiar, tal como o Pedro tinha consciência, muitos são os que preferem exercer uma actividade profissional com o intuito de ajudarem a família do que dar continuidade aos estudos, mesmo que seja num ambiente mais propício ao seu sucesso. Neste sentido, a Medida de Institucionalização encontra-se desfasada da compreensão dos problemas destes jovens, que ao verem-se privados do seu meio familiar, não o consideram nefasto ao seu desenvolvimento sócio educacional, acaba por dar origem a sentimentos de revolta, incompreensão a que subjaz os comportamentos de pré-delinquencia. Mesmo considerando a excepcionalidade do Pedro, que solicitou a sua institucionalização, com o objectivo de usufruir de condições essenciais para o seu desenvolvimento educacional, a medida não produziu os efeitos desejados, acabando o jovem por abandonar a escola, sentindo-se agora sozinho sem capacidade de confiar em alguém que o ajude! Nesta perspectiva, podemos dizer que a Comissão será um “ Mágico sem magia”, pois vê-se sem medidas adequadas à remoção dos problemas destes jovens que acabam por perder a esperança de verem a sua situação resolvida.

Terá o sistema Judicial forma de os resolver? Esta questão surge inevitavelmente. Pelos contactos estabelecidos com a Magistrada do Ministério Público, e se se atender também às diligências realizadas pela mesma, tudo indica que a medida de protecção que vai ser determinada pelo Tribunal, na situação do Pedro, é a mesma que a Comissão adoptou inicialmente e que não foi bem sucedida. Assim várias questões naturalmente surgem e podem colocar-se como: dado que a medida decidida pela Comissão não teve sucesso, que probabilidade haverá que a mesma determinada agora pelo Tribunal possa ser bem sucedida? Será que há um maior respeito por parte de todos os intervenientes para com as decisões proferidas pelo Tribunal em relação às proferidas

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

62

Universidade de Coimbra

pelas Comissões? Enfim, será que a judicialização do processo levará à aplicação de uma medida que seja a solução mais adequada e eficaz? Ou será que nem o Tribunal consegue aplicar medidas capazes de remover os problemas destes jovens, entre os 12 e os 15 anos, que ainda se encontram dentro da escolaridade obrigatória, e que abandonam a escola por falta de motivação face aos conteúdos teóricos do sistema educativo? Mais ainda, será que a melhor solução para estes processos é “arrastá-los” até que os jovens deixem de se encontrar dentro da escolaridade obrigatória? Pois só a partir dessa altura se vislumbram algumas soluções! Em síntese: Até que ponto as medidas aplicadas pelos Tribunais conseguem “levar” os jovens às escolas fazendo com que estes tenham um percurso escolar “normal”, sem que manifestem precocemente vontade de exercer uma actividade profissional? Porquê que têm que ser os jovens a adaptar-se ao sistema e não o sistema adaptar-se às suas necessidades/ aspirações? Estaremos num beco sem saída educacional? Não nos parece, contudo é importante reflectir-se numa medida mais adequada para estes jovens, no intuito de se conseguir uma intervenção precoce, pois já alguém dizia que os adolescentes de hoje serão os pais de amanhã.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

63

Universidade de Coimbra

4 – Considerações/ Propostas

Os factos e legislação que anteriormente, e em consequência do caso do Pedro, foram expostos leva-nos, nesta fase do trabalho, a formular as seguintes considerações/propostas:

A) No caso de menores entre os 12 e 15 anos, sem escolaridade obrigatória concluída, que abandonaram definitivamente o sistema educativo e que já trabalham é necessário criar uma resposta legal que consagre a sua inclusão num espaço de educação/formação – Oficina/Escola ou Oficina de Formação, já referidas no Relatório Preliminar do PEETI e que nunca entraram em vigor. Nessa resposta a eles dedicada, estes deveriam ser abrangidos por projectos educativos individuais, com envolvimento da família e em que o modelo permitiria que a sua formação tivesse uma componente prática em Empresas devidamente credenciadas para o efeito e/ou em Centros de Formação122. Em nosso entender, e apesar de ser uma medida de aplicação excepcional, que desde logo implicaria a análise individual e multidisciplinar da criança ou jovem em questão, tratava-se de dar “vida” e expressão legal a uma resposta que o Relatório Preliminar do PEETI considerava, na altura, ser necessário criar de imediato para menores a partir dos 13 anos, como uma resposta de “excepção”. Será contudo de referir que consideramos ser fundamental que tal medida previsse a sua aplicação a menores a partir dos 12 anos, contrariamente ao que o referido Relatório defendia. Tendo em conta a natureza da medida que aqui defendemos – Educação/Formação e não trabalho, devidamente ponderada na sua aplicação e controlada na sua execução, pela Comissão ou pelo Tribunal – consideramos que esta não é contrária às orientações da Organização Internacional de Trabalho.
122

A criação de bolsas de formação deveria estar também prevista para estas situações

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

64

Universidade de Coimbra

De facto esta Organização, na sua Convenção 138 propõe como idade mínima para trabalhar, e que deve ser integrada na legislação dos países que ratificaram a referida Convenção, a idade de 15 anos. Aceita contudo a existência de excepções, podendo a idade descer para os 14 anos ou até mesmo 12-13 anos, no caso de países onde o sistema escolar e outras infra-estruturas estejam insuficientemente

desenvolvidos. Ora, tal como já foi exposto, através do caso do Pedro, torna-se evidente que em Portugal existem situações em que o sistema escolar não consegue dar a devida resposta às crianças a partir dos 12 anos e jovens atendendo às suas necessidades. Nesta perspectiva, propomos a aplicação de uma medida de

Educação/Formação com currículos mais práticos para os jovens que apresentem sucessivos insucessos escolares, sendo obrigatório não o 9º ano mas o 5º ano, desde que os jovens tenham 12 anos, idade mínima exigida na Assinatura do Consentimento para a comissão intervir. Esta medida com carácter excepcional, deve ser decidida em sede de Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo ou em sede Judicial, consoante estivessem ou não reunidos os restantes pressupostos legalmente consagrados na Lei 147/99 de 1 de Setembro. Contudo, no nosso entender, a aplicação da referida medida pelas Comissões, estaria condicionada à participação nesta de elementos do Instituto de Emprego e Formação Profissional. Assim sendo, deveria ponderar-se se a acção do Instituto de Emprego e Formação Profissional não justificará a sua inclusão nas Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, uma vez que só com uma eficiente articulação entre os vários parceiros se poderá inverter esta situação, pois, ao verificarem-se abandonos escolares com eventuais empregos precários, mui difícil se torna o regresso destes jovens a frequentarem a escola.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

65

Universidade de Coimbra

B) Numa altura em que se fala em alterações a introduzir na Lei nº 147/99 de 1 de Setembro123, será de referir que no âmbito das medidas aplicadas em Meio Natural de Vida, se deve completar a reforma que foi desencadeada em 1999 e que deu origem à presente Lei. Assim, nos termos do Art.41º referente à Educação Parental, constatámos de acordo com a redacção desse artigo que “os pais ou familiares a quem a criança fosse entregue podiam beneficiar de um Programa de Formação que visava o melhor exercício das suas funções parentais”. O nº2 desse mesmo Artigo refere que “o conteúdo e a duração do Programas de Educação Parental são objecto de regulamento”, que até à data não chegou a ser regulamentado. De forma a evitar todos os constrangimentos sentidos com a aplicação das medidas em meio natural, em alternativa desde logo à institucionalização, consideramos necessário não só a publicação da referida regulamentação como também a afectação de Técnicos à Comissão a tempo inteiro. Só assim se poderá efectuar um acompanhamento próximo e contínuo às famílias, pois com o aumento de solicitações torna-se cada vez mais difícil acompanhar as famílias responsabilizando-as nas suas funções parentais.

Na sequência do rescaldo do caso da criança de 30 meses que faleceu em Ermesinde, vítima de maus tratos pelo pai, depois da Comissão de Protecção de Vila Nova de Gaia ter ordenado a sua entrega a este, desencadeou-se uma forte polémica sendo que há quem pretenda que o Ministério Público tenha um poder de tutela sobre as Comissões e que os casos ditos “mais graves voltem ao Tribunal. 6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

123

66

Universidade de Coimbra

PARTE V Bibliografia

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

67

Universidade de Coimbra

V – Bibliografia

Afonso P: As Politicas de Protecção às Crianças em Risco. Revista Intervenção Social, 17/18, 1998, pp. 53-68.

Bell J: Como Realizar um Projecto de Investigação. Um Guia para a Pesquisa em Ciências Sociais e da Educação. Gradiva Editora, Lisboa, 1993.

Breyner G: O Ministério Público e a Protecção das Crianças e Jovens, em Direito Tutelar de Menores – O Sistema em Mudança. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra – Centro de Direito da Família – Procuradoria-geral da Republica, Coimbra Editora, 2002.

Canha J: Criança Maltratada. O papel de uma pessoa de referência na sua recuperação. Estudo Prospectivo de 5 anos. Quarteto Editora, Coimbra, 2000.

Carmo R: O Ministério Publico e as Comissões de Protecção de Crianças e Jovens. Revista do Ministério Público, nº91, 2002, pp. 135 – 139.

Clemente R: Um novo olhar sobre a criança – Um direito novo de Promoção dos Direitos e de Protecção. Revista Intervenção Social, 17/18, 1998, pp.19 – 25.

• • • • •

Despacho Conjunto nº948/2003 de 26 de Setembro: Decreto-lei 49408/69 de 24 de Novembro: Decreto-lei 396/91 de 16 de Outubro: Epifânio R: Direito de Menores, Almedina Editora, 2001 Fonseca G, Pedroso J: As Comissões de Protecção: Caminhos a Percorrer na Promoção da Cidadania das Crianças e dos Jovens. Revista Intervenção Social, 17/18, 1998, pp. 31-51.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

68

Universidade de Coimbra •

Gersão E: As Novas Leis de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo e de Tutela Educativa – Uma Reforma Adequada aos Dias de Hoje. Revista Infância e Juventude, nº2, 2000, pp.9 - 47.

Gersão E: A Intervenção Comunitária na Protecção das Crianças e Jovens em Perigo. Actas do Congresso Internacional: Os Mundos Sociais e Culturais da Infância. Vol. II, Universidade do Minho, 2000, pp. 48 – 56.

Gonçalves M: As Relações Pais/Crianças: Uma Perspectiva Clínica. Revista Análise Psicológica, 1 (x), 1992, pp. 35 – 41.

Guerra P: O Novo Direito das Crianças e Jovens – Um verdadeiro Recomeço. Revista Infância e Juventude, nº1, 2003, pp.53 - 80.

Pedroso J: O Ministério Publico e o Apoio Técnico aos Tribunais: Dois Factores de Crise ou de Sucesso da Nova Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, em Direito Tutelar de Menores – O Sistema em Mudança. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra – Centro de Direito da Família – Procuradoria-geral da Republica, Coimbra Editora, 2002.

PEETI: Trabalho Infantil em Portugal – Caracterização Social dos Menores em Idade Escolar e suas Famílias – Ministério do Trabalho e da Solidariedade, Plano para a Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil, Colecções Caderno PEETI, nº3 – 2001.

PEETI: Plano para a Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil: Medidas Politicas e Legislativas – Ministério do Trabalho e da Solidariedade, Plano para a Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil, Colecções Caderno PEETI, nº3 – 2001.

• • •

Portaria nº714/93 de 3 de Agosto: Portaria nº715/93 de 3 de Agosto: Lei nº58/99 de 30 de Junho:

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

69

Universidade de Coimbra •

Lei nº147/99 de 1 de Setembro: Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em Perigo.

• • •

Lei nº46/86 de 14 de Outubro: Lei de Bases do Sistema Educativo. Leitão L: Código do Trabalho Anotado, Almedina Editora, 2003 Machado M, Morgado R: A Educação Parental: Delineamentos para uma Intervenção. Revista Análise Psicológica, 1 (x), 1992, pp. 43 – 49

Magalhães T: Maus-tratos em Crianças e Jovens. Quarteto Editora, Coimbra, 2002.

Neto A: Contrato de Trabalho, Notas Práticas, 16º Edição, Ediforum Edições Jurídicas, Lda., Lisboa, Setembro 2000

Neto A: Código do Trabalho e Legislação Conexa Anotados, Ediforum Edições Jurídicas, Ilda, Lisboa, Setembro 2003

Portugal S: A Família e o Estado nos Cuidados da Criança. Revista Interacções, nº3, 1998, pp.103-127.

Pinto S: Insucesso Escolar: Fatalidade ou Desafio? Dos Discursos Científicos à Visão dos Professores – a Relevância da Sistémica. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Coimbra, 2002.

Strecht P: Crescer Vazio. Repercussões Psíquicas do Abandono. Negligência e Maus-tratos em Crianças e Adolescentes. Assírio & Alvim Editora, Lisboa, 1998.

Strecht P: Preciso de Ti. Perturbações Psicossociais em Crianças e Adolescentes. Assírio & Alvim Editora, Lisboa, 1999.

Valente M: Os Princípios Estruturantes da Intervenção Face aos Menores e Jovens em Perigo: Uma Viagem pela Lei nº147/99, de 1 de Setembro. Revista Infância e Juventude, nº4, 2002, pp.69 - 99.

6º Curso de Pós Graduação de Protecção de Menores 2002/2003

70

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful