25 – CONTRATOS MERCANTIS: Franquia e Faturização (Factoring) FRANQUIA – Lei n. 8.

955/94 Aquele que se aventura a investir em determinado empreendimento, antes deve avaliar os riscos. Uma das formas de minimizar os riscos é celebrar um contrato de franquia (franchising). Conceito: art. 2º da Lei n. 8.955/94, franquia empresarial é o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício . Interesses das partes: a) franqueador: consegue expandir seus negócios e divulgar sua marca sem investir na construção de novos pontos; b) franqueado: aproveita-se da fama do franqueador e da experiência administrativa e empresarial. Envolve outros contratos: o contrato de franquia envolve outros contratos, como a cessão de uso de marca ou patente e a distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços. Da doutrina: “o franqueador autoriza o uso de sua marca e presta aos franqueados de sua rede os serviços de organização empresarial, enquanto estes pagam os royalties pelo uso da marca e remuneram os serviços adquiridos, conforme previsão contratual” (Fábio Ulhoa Coelho, Curso de Direito comercial. V. III. 7.ed.São Paulo: Saraiva, 2007.p. 125). Organização empresarial desdobra-se em 3 (três) contratos específicos: a) engineering, no qual o franqueador orienta o franqueado no processo de montagem e planejamento do estabelecimento; b) management, franqueador orienta o franqueado no treinamento da equipe de funcionários e gerência; c) marketing, franqueador orienta o franqueado nos procedimentos de divulgação e promoção dos produtos comercializados. Subordinação empresarial: no contrato de franquia há subordinação empresarial do franqueado em relação ao franqueador, sem que isso configure vínculo empregatício. Oferta de franquia: o franqueador deve fornecer aos potenciais franqueados uma Circular de Oferta de Franquia – COF, que apresentará os dados fundamentais do negócio. Art. 3º da Lei n. 8.955/94, sempre que o franqueador tiver interesse na implantação de sistema de franquia empresarial, deverá fornecer ao interessado em tornar-se franqueado uma circular de oferta de franquia, por escrito e em linguagem clara e acessível, contendo obrigatoriamente as seguintes informações:

apenas de fornecedor indicados e aprovados pelo franqueador. e b) possibilidade de o franqueado realizar vendas ou prestar serviços fora de seu território ou realizar exportações. V – perfil do franqueado ideal no que se refere a experiência anterior. em que condições o faz. XI – informações claras e detalhadas quanto à obrigação do franqueado de adquirir quaisquer bens. bem como os respectivos nomes de fantasia e endereços. as empresas controladoras e titulares de marcas. subfranqueados e subfranqueadores da rede. equipamentos e do estoque inicial e suas condições de pagamento. após a expiração do contrato de franquia. e seus subfranquedos. endereço e telefone. o seguinte: a) remuneração periódica pelo uso do sistema. XIV – situação do franqueado. patentes e direitos autorais relativos à operação. detalhando as respectivas base de cálculo e o que as mesmas remuneram ou o fim a que se destinam. d) treinamento dos funcionários do franqueado. e b) implantação de atividade concorrente da atividade do franqueador. c) treinamento do franqueado. II – balanços e demonstrações financeiras da empresa franqueadora relativos aos dois últimos exercícios. operação ou administração de sua franquia. IX – relação completa de todos os franqueados. especificamente. b) serviços de orientação e outros prestados ao franqueado. bem como dos que se desligaram nos últimos doze meses. VI – requisitos quanto ao envolvimento direto do franqueado na operação e na administração do negócio. oferecendo ao franqueado relação completa desses fornecedores. VII – especificações quanto ao: a) total estimado do investimento inicial necessário à aquisição. da marca ou em troca dos serviços efetivamente prestados pelo franqueador ao franqueado (royalties). questinoando especificamente o sistema de franquia ou que possam diretamente vir a impossibilitar o funcionamento da franquia. VIII – informações claras quanto a taxas periódicas e outros valores a serem pagos pelo franqueado ao franqueador ou a terceiros por este indicados. d) seguro mínimo. XV – modelo . XIII – situação perante o Instituto Nacional de Propriedade Industrial – (INPI) das marcas ou patentes cujo uso estará sendo autorizado pelo franqueador. descrição geral do negócio e das atividades que serão desempenhadas pelo franqueado. IV – descrição detalhada da franquia. implantação e entrada em operação da franquia. e c) valor estimado das instalações. serviços ou insumos necessários à implantação. com nome. III – indicação precisa de todas as pendências judiciais em que estejam envolvidos o franqueador. e) manuais de franquia. indicando. no que se refere a: a) supervisão de rede. caso positivo. conteúdo e custos. f) auxílio na análise e escolha do ponto onde será instalada a franquia. especificando duração. obrigatória ou preferencialmente. b) valor da taxa inicial de filiação ou taxa de franquia e de caução. forma societária e nome completo ou razão social do franqueador e de todas as empresas a que esteja diretamente ligado. XII – indicação do que é efetivamente oferecido ao franqueado pelo franqueador. e e) outros valores devidos ao franqueador ou a terceiros que a ele sejam ligados. nível de escolaridade e outras características que deve ter. b) aluguel de equipamentos ou ponto comercial. c) taxa de publicidade ou semelhante. deve ser especificado o seguinte: a) se é garantida ao franqueado exclusividade ou preferência sobre determinado território de atuação e. e g) layout e padrões arquitetônicos nas instalações do franqueado.I – histórico resumido. X – em relação ao território. em relação a: a) know how ou segredo de indústria a que venha a ter acesso em função da franquia.

9.do contrato-padrão e. pela variação da remuneração básica dos depósitos de poupança mais perdas e danos. Implicações: ao conceder o crédito. 211 da LPI (Lei n. FATURIZAÇÃO (fomento mercantil ou factoring) É comum o fato de os empresários conceder crédito a seus clientes para alavancar as vendas (desenvolvimento das atividades negociais). a título de taxa de filiação e royalties. 7º da Lei dispõe que a sanção prevista no parágrafo único do art. A antecedência permite ao franqueado conhecer o negócio e analisar a viabilidade. inclusive dos respectivos anexos e prazo de validade. devidamente corrigidas. também do pré-contrato-padrão de franquia adotado pelo franqueador. contratos de franquia e similares para produzirem efeitos em relação a terceiros.279/96) determina que o INPI fará o registro dos contratos que impliquem transferência de tecnologia. dispõe o parágrafo único do art. Conceito: “contrato por meio do qual o empresário transfere a uma instituição financeira (que não precisa ser. mas produz efeitos somente entre franqueador e franqueado. 4º. Entrega da COF ao candidato: art. ao franqueador que veicular informações falsas na sua circular de oferta de franquia. não sendo oponível a terceiros. também. 4º desta lei aplica-se. 8. Pela importância do assunto. a circular oferta de franquia deverá ser entregue ao candidato a franqueado no mínimo 10 (dez) dias antes da assinatura do contrato ou pré-contrato de franquia ou ainda do pagamento de qualquer tipo de taxa pelo franqueado ao franqueador ou a empresa ou pessoa ligada a este. 6º da Lei n. É fundamental que as informações sejam verdadeiras : em complemento à obrigação de entrega prévia da COF. sem prejuízo das sanções penais cabíveis Contrato escrito: art. Registro no INPI: o art. necessariamente. o franqueado poderá arguir a anulabilidade do contrato e exigir devolução de todas as quantias que já houver pago ao franqueador ou a terceiros por ele indicados. o empresário (a) assume o risco da insolvência do cliente e (b) passa a administrar a carteira de devedores. 4º: na hipótese do não cumprimento do disposto no caput deste artigo. Em síntese: a instituição . Algumas vezes. se for o caso. o art.955/94 dispõe que o contrato de franquia deve ser sempre escrito e assinado na presença de 2 (duas) testemunhas e terá validade independentemente de ser levado a registro perante o cartório ou órgão público. com texto completo. A ausência de registro do contrato de franquia no INPI não o invalida. um banco) as atribuições atinentes à administração do seu crédito. esse contrato também envolve a antecipação desse crédito ao empresário.

3. inclusive. “CHEQUE – ENDOSSO – FACTORING – RESPONSABILIDADE DA ENDOSSANTE – FATURIZADA PELO PAGAMENTO. antecipa o valor dos créditos que o empresário possui e assume o risco da inadimplência desses créditos” (André Luiz santa Cruz Ramos.626. STJ. na qual há a antecipação dos valores referentes ao crédito do faturizado (remuneração alta). 573). de 07. b) maturity factoring. Humberto Gomes de Barros). A tese adotada. prestar efetivamente os serviços de administração dos créditos do faturizado (para conferir segurança à operação). nesse caso. No contrato de factoring. Salvador: Editora JusPodivm. apenas a administração do crédito.04. . (STJ. portanto. com base no art. Art. Daí decorre a necessidade de análise criteriosa dos créditos por parte do faturizador e. é comum as faturizadoras exigindo dos faturizados o endosso dos títulos cedidos. Modalidades contratuais: a) conventional factoring. tendo ele natureza aleatória Endosso: entretanto. Diferença entre factoring e desconto bancário: é simples. para assegurar o direito de cobrança em regresso os valores pagos. 21). Ao endosso. há a transferência do risco do faturizado para o faturizador. deve ser atribuído o efeito de mera cessão civil de crédito. em caso de inadimplência dos títulos cedidos. naquele a instituição financeira assume o risco do inadimplemento dos créditos do faturizado cedidos (cessão de crédito).ed. Curso de Direito Empresarial. O mesmo ocorre no caso de endosso. Sendo assim. prevista na Lei de Usura (Decreto 22. Faturizado. é a de que a cessão de crédito pode ser feita pro soluto ou por solvendo. p. havendo cláusula no contrato de factoring determinando a responsabilidade do faturizado pela solvência dos títulos cedidos. no desconto bancário o banco não assume esse risco.33). Limitação de juros em 12% ao ano : é orientação jurisprudencial do STJ que ao contrato de factoring seja aplicada a limitação de juros em 12% ao ano. – Salvo estipulação em contrário expressa na cártula. Tal prática contraria a natureza do contrato factoring. não responde pelo inadimplemento dos créditos que cedeu.financeira orienta o empresário acerca da concessão do crédito a seus clientes. 914 do Código Civil/02. Operação comum para as empresas com dificuldades de capital de giro. a endossante-faturizada garante o pagamento do cheque a endossatária-faturizadora (Lei do cheque.672. entendimento recente: o Superior Tribunal de Justiça entendeu ser legítimo o exercício do direito de regresso do faturizador contra o faturizado. Resp 820. é legítimo o direito de regresso por parte do faturizador. 2009. não há a antecipação dos valores. Relator Min.

595/64.595/1964.5. por sua vez. é aplicável a Lei da Usura. razão pela qual é de ser mantida a limitação dos juros remuneratórios à taxa de 12% ao ano (Dec. o contrato de factoring não é contrato bancário típico. João Otávio de Noronha. e HC 7. O STJ julga de tamanha importância a administração do crédito que. 342).705-RS. .626/1933. DJ 24. não se inclui no sistema introduzido no direito brasileiro pela Lei nº 4. Barros Monteiro. DJ 29/6/1998. como tal. não integrante do Sistema Financeiro Nacional e. (Resp 489. temos a agiotagem. já tendo julgado prevendo que as instituições financeiras que prestam o serviço de faturização devem ser registradas no Conselho Regional de Administração (REsp 497882/SC. Nessas condições. Trata-se de empresa que opera no ramo de factoring. Min. julgado em 5/5/2005 – Informativo nº 245/2005). Min.2007. O contrato de factoring.845-RS. c) cláusula de aprovação prévia pelo faturizador. Rel. Rel. apesar de ilegal. 1º). TAXA DE JUROS. é uma prática muito comum. Caso a antecipação do crédito seja em caráter eventual.658-RS. p. EMPRESA. b) cláusula de totalidade: o faturizado transmite todos os crédito ao faturizador e este escolhe quais os que vai garantir. DJ 22/2/1999. inclusive. nº 22. pois as faturizadoras não precisam de autorização do Banco Central para operar. FACTORING. DJ 15/9/2003. Precedentes citados: Resp 330. e para que fique caracterizado é necessária a administração do crédito e que as operações sejam constantes. Resp 119. não é ilegal. LIMITAÇÃO.463-PR.Conforme entendimento do próprio STJ. com base na Lei n. 4. Factoring X agiotagem: agiotagem. Cláusulas típicas do contrato de faturização : a) cláusula de exclusividade: faturizado não pode contratar outro faturizador (p/ impedir que ceda créditos bons para um e os ruins ou duvidosos para outro faturizador). art.

pela qual o franqueado reproduz e vende as prestações de serviços inventadas pelo franqueador. e)Não é imprescindível o registro no Conselho Regional para o desempenho das atividades do Representante Comercial. viabilizando o investimento em negócio de marca já consolidada. d)Nos contratos de distribuição. d)Contrato de franquia empresarial ou franchising. em caso de inadimplemento do devedor-sacado (cliente do faturizado). devendo o contrato ser assinado na presença de duas testemunhas. b)a lei brasileira sobre franquia não obriga os empresários. b)Ao término do arrendamento mercantil (leasing) possui o arrendatário apenas duas opções. d)o contrato de franquia não registrado no IPC. cuida-se de: a)Contrato de faturização ou factoring. pode-se afirmar que: a)o contrato de franquia serve para promover acentuada expansão dos negócios do franqueador. b)deve ficar à disposição do franqueado. associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços. renovar o arrendamento ou devolver o bem. porquanto não há qualquer vínculo de subordinação entre franqueado e franqueador. tendo validade independentemente de ser levado a registro perante Cartório. sem os investimentos exigidos na criação de novos estabelecimentos. 6)(Juiz do Trabalho – RJ – 2004)É correto afirmar que: a)O faturizador (factor) pode obter judicialmente. d)é condição necessária para a plena eficácia do contrato de franquia e deverá integrar. assim. Questões de concursos – responder e apontar a fundamentação legal 1)(OAB – MG – Agosto – 2006) Quando uma pessoa cede a outra o direito de uso de marca ou patente. d)Havendo subfranquia o subfranqueado se sub-rogará em todas as condições impostas ao franqueado. e)nenhuma das anteriores. c)uma das características é a independência do franqueado. 2)(OAB – DF – Dezembro – 2005) Quanto aos contratos comerciais é CORRETO afirmar: a)O contrato de franquia comercial dispensa o registro quando assinado na presença de duas testemunhas. que poderá solicitá-la mediante o pagamento de uma taxa não superior a 10% (dez por cento) da taxa a ser exigida na assinatura do contrato de franquia. exceto: a)uma das modalidades existentes é a franquia de serviços. ainda. mostra-se válida e eficaz entre o franqueador e o franqueado. ao oferecerem franquia. ressarcimento pelo prejuízos. 3)(Juiz do Trabalho – MT – 2004) Sobre a franquia (franchising). b)Na comissão mercantil o comissário realiza negócios em nome do comitente e. todas as assertivas estão corretas. em face do faturizado. 5)(Juiz de Direito – SP – 2007)A circular de oferta de franquia a)somente será entregue se o candidato a franqueado firmar compromisso de confidencialidade das condições que estão sendo negociadas para o futuro e possível contrato de franquia. 7)(Juiz de Direito – GO – 2004/2005)Franquia é: . o proponente se obriga a aceitar todos os pedidos de compra encaminhados pelo distribuidor. No tocante ao contrato de franquia. mediante remuneração direta ou indireta. e. c)O foro do contrato de representação comercial é o do domicílio do representado. c)Não existe previsão de alienação fiduciária para bens imóveis. eventualmente também o direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo cedente. o mesmo não ocorre em relação a terceiros. mediante ação de regresso.25. 4)(Juiz de Direito – DF – 2003)Assinale a alternativa incorreta. c)o contrato de franquia propicia ao franqueado aproveitamento da experiência do franqueador. do pagamento de qualquer tipo de taxa ao franqueador. b)a forma de contratar é escrita. não é parte nos contratos de compra e venda. prestem as informações necessárias à avaliação das reais condições proporcionadas pelo negócio. d)as partes na franquia (franchising) são denominadas Franqueador (franchisee) e Franqueado (Franchisor). o mencionado contrato. como anexo. b)Contrato de arrendamento mercantil ou leasing. c)Contrato de representação comercial. c)é condição necessária para a plena eficácia do contrato de franquia e deverá ser entregue ao franqueado no mínimo 10 (dez) dias antes de sua assinatura ou.

a)Todas as proposições são verdadeiras. mesmo que falsos os títulos. 9)(Juiz do Trabalho – PA – 2005)Assinale a alternativa incorreta: a)Uma das modalidades do arrendamento mercantil é o leasing financeiro. III – Da autonomia e da independência emana a regra de que o cheque não se vincula ao negócio jurídico que lhe deu origem. 8)(Juiz de Direito – DF – 2007)Julgue as proposições seguintes. pelo terceiro adquirente. de recuperação extrajudicial e de falência aplica-se ao empresário e sociedade empresária. mediante o pagamento de prestações pecuniárias periódicas. por prazo determinado. ainda que reconhecida a prescrição do título para efeito de execução. o franqueado explora uma marca ou produto. com o direito de optar entre a aquisição de sua propriedade. os utilize. c)sucursal de uma marca sem exclusividade. sebre a mácula no negócio jurídico que deu origem à emissão do cheque. ainda que se trate de empresa de factoring. com assistência técnica do franqueador. IV – Comprovada a ciência. objeto de factoring. a sociedade de economia mista. o faturizador a)caracteriza-se como instituição financeira em sentido estrito. no todo ou em parte. c)deve necessariamente adiantar ao faturizado os valores correspondentes as suas vendas a prazo. é título hábil para instruir pedido de falância. b)adquire créditos do faturizado relativos às suas vendas a prazo. d)representação e agenciamento empresarial. a alternativa correta: I – De acordo com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. assinalando. consistente no desconto sobre os respectivos valores. b)licenciamento e organização empresarial. pois não há qualquer vínculo de subordinação ou empregatício entre ele e o franqueador. os créditos provenientes de suas vendas mercantis a terceiro.a)distribuição de produtos com exclusividade. para que. 10)(Procurador/TCE – PI – 2005)Na faturização. na cobrança de dívidas. por tratar-se de prestador de serviços. e age comercialmente com independência. e)não tem qualquer direito contra o faturizado. a nota promissória emitida para o resgate de duplicatas frias. e)O novo regime jurídico de recuperação judicial. pois o possuidor de boa-fé não pode ter o seu direito restringido em virtude das relações entre anteriores possuidores e o emitente. a instituição financeira pública ou privada. . c)Apenas uma das proposições é verdadeira. a título oneroso tendo como uma das consequências o direito do faturizador agir em nome do faturizado. após. d)Apenas uma das proposições é falsa. mediante o pagamento de uma remuneração. b)Todas as proposições são falsas. b)O contrato de faturização é aquele em que um comerciante (faturizado) cede a outro (faturizador). a cooperativa de crédito. excluindo-se a empresa pública. além da eventual prestação de outros serviços. dentre outras. as exceções pessoais do devedor passam a se oponíveis ao portador. II – É lícita a recompra de títulos (frios” transferidos em operação de factoring. pelo qual o arrendador adquire de terceiro certos bens de pordução com o intuito de entregá-lo a uma empresa. d)No contrato de franquia. pois desconta o título apresentado pelo faturizado. pois os adquire em caráter prósoluto. a devolução dos bens arrendados ao arrendador e a renovação do contrato. c) A recente lei brasileira que trata especificamente sobre faturização o considera uma verdadeira cessão de débito. d)não se caracteriza como empresário.