You are on page 1of 2

MANDADO DE SEGURANÇA – ENSINO SUPERIOR – INADIMPLÊNCIA – REMATRÍCULA – IMPOSSIBILIDADE – PRECEDENTES – 1. A Lei nº 9.

870/1999, em seus artigos 5º e 6º, disciplinando a questão dos alunos inadimplentes, diferencia duas situações, ou seja, protege aqueles que efetuaram regularmente a matrícula no ano em curso, vedando-lhes a aplicação de penalidades pedagógicas e garantindo- lhes a continuidade do ensino no período, todavia, excetua, expressamente, a rematrícula, desobrigando, então, a instituição privada de ensino superior a prestar serviços, sem a devida contraprestação financeira. 2. Inexistência de ilegalidade ou abusividade no ato impugnado. 3. Precedentes da Terceira Turma. 4. Apelação e remessa oficial providas. (TRF 3ª R. – AMS 230698 – (2000.61.00.007299-1) – 3ª T. – Rel. Des. Fed. Márcio Moraes – DJU 24.03.2004 – p. 328) MANDADO DE SEGURANÇA – ENSINO SUPERIOR – INADIMPLÊNCIA – REMATRÍCULA – IMPOSSIBILIDADE – PRECEDENTES – 1. A Lei nº 9.870/1999, em seus artigos 5º e 6º, disciplinando a questão dos alunos inadimplentes, diferencia duas situações, ou seja, protege aqueles que efetuaram regularmente a matrícula no ano em curso, vedando-lhes a aplicação de penalidades pedagógicas e garantindo- lhes a continuidade do ensino no período, todavia, excetua, expressamente, a rematrícula, desobrigando, então, a instituição privada de ensino superior a prestar serviços, sem a devida contraprestação financeira. 2. Inexistência de ilegalidade ou abusividade no ato impugnado. 3. Precedentes da Terceira Turma. 4. Remessa Oficial provida. (TRF 3ª R. – REOMS 253101 – (2002.61.00.020721-2) – 3ª T. – Rel. Des. Fed. Márcio Moraes – DJU 24.03.2004 – p. 330) MANDADO DE SEGURANÇA – ENSINO SUPERIOR – INADIMPLÊNCIA – REMATRÍCULA – IMPOSSIBILIDADE – PRECEDENTES – 1. A Lei nº 9.870/1999, em seus artigos 5º e 6º, disciplinando a questão dos alunos inadimplentes, diferencia duas situações, ou seja, protege aqueles que efetuaram regularmente a matrícula no ano em curso, vedando-lhes a aplicação de penalidades pedagógicas e garantindo- lhes a continuidade do ensino no período, todavia, excetua, expressamente, a rematrícula, desobrigando, então, a instituição privada de ensino superior a prestar serviços, sem a devida contraprestação financeira. 2. Inexistência de ilegalidade ou abusividade no ato impugnado. 3. Precedentes da Terceira Turma. 4. Apelação e remessa oficial providas. (TRF 3ª R. – AMS 236488 – (2001.61.00.021526-5) – 3ª T. – Rel. Des. Fed. Márcio Moraes – DJU 24.03.2004 – p. 329/330) MANDADO DE SEGURANÇA – ENSINO SUPERIOR – INADIMPLÊNCIA – REMATRÍCULA – IMPOSSIBILIDADE – PRECEDENTES – 1. A Lei nº 9.870/1999, em seus artigos 5º e 6º, disciplinando a questão dos alunos inadimplentes, diferencia duas situações, ou seja, protege aqueles que efetuaram regularmente a matrícula no ano em curso, vedando-lhes a aplicação de penalidades pedagógicas e garantindo- lhes a continuidade do ensino no período, todavia, excetua, expressamente, a rematrícula, desobrigando, então, a instituição privada de ensino superior a prestar serviços, sem a devida contraprestação financeira. 2. Inexistência de ilegalidade ou abusividade no ato impugnado. 3. Precedentes da Terceira Turma. 4. Remessa Oficial provida. (TRF 3ª R. – REOMS 253101 – (2002.61.00.020721-2) – 3ª T. – Rel. Des. Fed. Márcio Moraes – DJU 24.03.2004 – p. 330)

PROCESSUAL CIVIL – APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA – ENSINO SUPERIOR – REMATRÍCULA – INADIMPLÊNCIA – INEXISTÊNCIA DO FUMUS BONI IURIS – I- A princípio, o pagamento das mensalidades é condição sine qua non à existência do ensino particular, representando a contraprestação de uma relação contratual que foi estabelecida voluntariamente entre as partes, e esta, por sua vez, é resguardada pelo Código de Defesa do Consumidor. II??Aplicação dos artigos 5º e 6º, da Lei nº 9.870/99, dos quais entende-se que a instituição de ensino não pode adotar medidas pedagógicas punitivas no curso do contrato, que, uma vez extinto, faz desaparecer a proteção legal ao aluno inadimplente. III – Apelação e Remessa Oficial providas. (TRF 3ª R. – AMS 226676 – (2001.61.00.007279-0) – 3ª T. – Relª Desª Fed. Cecilia Marcondes – DJU 24.03.2004 – p. 338/339) MATRÍCULA CURSO SUPERIOR – INADIMPLÊNCIA – RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA – IMPOSSIBILIDADE – LEI Nº 9.870/99 – I. O regime geral da iniciativa privada é o de pagamento da prestação de serviços educacionais pelo estudante, tratando-se de contrato oneroso, ou seja, o estudante tem que cumprir com os pagamentos para continuar a receber serviços. II. Nenhuma norma é descumprida se a universidade resolve não prestar mais serviços educacionais ao não pagador, medida que não tem qualquer conotação vexatória ou abusiva, vez que decorre do bom senso contratual. Todavia, não pode a prestação de ensino ser interrompido antes do término do período em curso. O aluno que iniciou o semestre deve finalizá-lo para não causar solução de continuidade pedagógica. III. A Lei nº 9.870/99 proíbe a suspensão de provas escolares, retenção de documentos escolares ou a aplicação de quaisquer outras penalidades pedagógicas por motivo de inadimplemento. IV. No tocante a renovação de matrícula, a instituição particular não está obrigada a efetuar a rematrícula, isto é, a recontratar o aluno que deixou em aberto mensalidades do período anterior. V. Remessa necessária provida. (TRF 2ª R. – REO 1999.02.01.059041-1 – RJ – 3ª T. – Rel. Juiz Guilherme Diefenthaeler – DJU 13.11.2001) RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO MANDADO DE SEGURANÇA – ESTABELECIMENTO DE ENSINO MENSALIDADES EM ATRASO – DECISÃO QUE INDEFERE LIMINAR PARA EFETIVAÇÃO DE REMATRÍCULA – CLÁUSULA CONTRATUAL QUE CONCEDE À INSTITUIÇÃO DE ENSINO A POSSIBILIDADE DE INDEFERIMENTO DE MATRÍCULA EM CASO DE INADIMPLÊNCIA E ART. 5º DA LEI Nº 9.870/99 – POSSIBILIDADE – DECISÃO MANTIDA RECURSO IMPROVIDO – Havendo cláusula contratual, livremente aceita pelo aluno, no sentido de que, existindo débito relativo a mensalidades em atraso, faculta-se ao estabelecimento de ensino o indeferimento da rematrícula, é de ser mantida a decisão que, em mandado de segurança, indefere liminar para renovação da matrícula independentemente do pagamento do mínimo exigido pela instituição de ensino. Hipótese em que se aplica, também, o disposto no art. 5º da Lei nº 9.870/99. (TJMT – AI 13.274 – 3ª C.Cív. – Rel. Des. José Ferreira Leite – J. 10.10.2001)