João Arlindo Gil Copetti Júlio César Ragone Lopes Maria Célia Mitidiero Mariana Cardoso Allegretti

PLANO DE PROJETO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDÚSTRIAS REUNIDAS PRESTO S.A.

Trabalho apresentado ao curso MBA em Gerência de Projetos, Pós-Graduação lato sensu, da Fundação Getulio Vargas como requisito parcial para a obtenção do Grau de Especialista em Gerência de Projetos.

ORIENTADOR: Prof. Álvaro Antônio Bueno de Camargo

São Paulo Janeiro / 2010

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PROGRAMA FGV MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

O Trabalho de Conclusão de Curso Plano de Projeto Estação de Tratamento de Efluentes elaborado por: João Arlindo Gil Copetti Júlio César Ragone Lopes Maria Célia Mitidiero Mariana Cardoso Allegretti

e aprovado pela Coordenação Acadêmica do curso de MBA em Gerência de Projetos, foi aceito como requisito parcial para a obtenção do certificado do curso de pós-graduação, nível de especialização do Programa FGV Management.

São Paulo, Data

Carlos A. C. Salles Jr. Coordenador Acadêmico Executivo

Alvaro Camargo

DECLARAÇÃO A empresa meri Sistemas e Tecnologia Ltda, representada neste documento pelo Sr. Silvio Roberto Romero, diretor comercial para a América do Sul, autoriza a divulgação das informações e dados coletados em sua organização, na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado Plano de Projeto – Estação de Tratamento de Efluentes, realizados pelo(s) aluno(s) João Arlindo Gil Copetti, Júlio César Ragone Lopes, Maria Célia Mitidiero, Mariana Cardoso Allegretti, do curso de MBA em Gerência de Projetos, do Programa FGV Management, com o objetivo de publicação e/ ou divulgação em veículos acadêmicos.

São Paulo, Data

Diretor Comercial para America do Sul meri Sistemas e Tecnologia Ltda

TERMO DE COMPROMISSO

Os alunos João Arlindo Gil Copetti, Júlio César Ragone Lopes, Maria Célia Mitidiero, Mariana Cardoso Allegretti, abaixo assinados, do curso de MBA em Gerência de Projetos, Turma UCI 4 – B do Programa FGV Management, realizado nas dependências da Fundação Getulio Vargas, no período de 16/05/2008 a 13/03/2010, declara que o conteúdo do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado Plano de Projeto, Estação de Tratamento de Efluentes, é autêntico, original e de sua autoria exclusiva.

São Paulo, Data

João Arlindo Gil Copetti

Júlio César Ragone Lopes

Maria Célia Mitidiero

Mariana Cardoso Allegretti

As famílias que respeitaram nossas faltas e ausências durante todo o curso. . Aos mestres pela dedicação e paciência em seus ensinamentos.

Paraná e Goiás.A. pessoal. comunicação. As principais áreas relacionadas ao gerenciamento de projetos e estudadas durante todo o curso serão trabalhadas a fim de esclarecer as necessidades do projeto. estão iniciando o projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes. custos. Brasil. riscos e aquisições. controle de qualidade. O efluente será gerado por uma nova máquina de papel tipo Kraft Branqueado a ser instalada em uma área industrial do município de São Paulo no estado de São Paulo. Uma etapa terciária de polimento através de flotação também esta sendo considerada.RESUMO DO PROJETO Este presente documento. na qual será utilizada uma etapa anaeróbica e outra aeróbica em seqüência para a redução do DQO (demanda Química de Oxigênio) e DBO (Demanda Biológica de Oxigênio). A matéria prima a ser utilizada será madeira de Eucalipto proveniente de plantações próprias ou de terceiros localizados nos estados de São Paulo. . As Indústrias Reunidas PRESTO S. intitulado Plano de Projeto – Estação de Tratamento de Efluentes visa apresentar os principais pontos necessários ao desenvolvimento de um projeto para a instalação de uma estação de tratamento de efluentes em uma indústria produtora de papel. O processo de tratamento consiste em três etapas. estas relacionadas com escopo. cronograma de trabalho. A etapa primária composta de gradeamento grosseiro e flotação para a redução dos sólidos em suspensão e preparar o efluente para a etapa secundária.

A tertiary polishing step through flotation is also being considered. The treatment process consists of three steps. Paraná and Goiás. related to scope. The Industrias Reunidas PRESTO S. which will be one step anaerobic and another aerobic with the target to reduce the COD (Chemical Oxygen Demand). The primary stage consists of coarse screening and flotation to reduce the suspended solids in the effluent and prepare for the secondary stage. quality control.Wastewater Treatment Plant aims to present the main points necessary to develop a project for the installation of a wastewater treatment plant in an paper industry. The effluent will be generated by a new paper machine type Bleached Kraft to be installed in an industrial area of São Paulo in São Paulo. costs. . is starting the project of building a wastewater treatment plant. The main areas related to project management and studied throughout the course will be worked in order to clarify the needs of the project. Brazil. The raw material to be used will be wood from eucalyptus plantations themselves or others located in the states of São Paulo. BOD (Biological oxygen demand).ABSTRACT This present document entitled Project Plan . personnel. communications.A. risk and procurement. work schedule.

5.6 3.9.7 3.3 2.1 3.1 3.9.11 3.ÍNDICE 1 2 2.5.8 3.1 2.9 3.5 3.10 3. ______________________________________________ 44 Suprimento de água ________________________________________________________________ 44 Energia elétrica ___________________________________________________________________ 44 3.9 INTRODUÇÃO ____________________________________________________ 13 TERMO DE ABERTURA____________________________________________ 15 SUMÁRIO EXECUTIVO __________________________________________________ 15 PROBLEMA / OPORTUNIDADE ___________________________________________ 15 META _________________________________________________________________ 16 OBJETIVOS ____________________________________________________________ 16 ESCOPO _______________________________________________________________ 16 EXCLUSÃO DO ESCOPO _________________________________________________ 17 DESIGNAÇÕES _________________________________________________________ 17 PREMISSAS ____________________________________________________________ 17 CONSIDERAÇÕES DE CRONOGRAMA/PROJETOS RELACIONADOS __________ 17 3 3.2 3.3 3.1 4.6 DECLARAÇÃO DE ESCOPO ________________________________________ 19 APRESENTAÇÃO _______________________________________________________ 19 OBJETIVO ______________________________________________________________ 20 LIMITES DO ESCOPO DE FORNECIMENTO ________________________________ 20 LOCAL DE MONTAGEM DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ____ 22 CONCEITO DE PROCESSO (EQUIPAMENTOS) ______________________________ 23 Etapa primária de tratamento ________________________________________________________ 23 Etapa secundária de tratamento ______________________________________________________ 27 Etapa terciária de tratamento ________________________________________________________ 29 Equipamentos complementares ao escopo de fornecimento _______________________________ 31 Características do Efluente Não Tratado________________________________________________ 40 Características do Efluente Tratado ___________________________________________________ 41 3.5.6 2.1 3.4 3.2 CRITÉRIOS DE PROJETO _________________________________________________ 42 CÓDIGOS E PADRÕES ___________________________________________________ 42 CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS E CLIMÁTICAS _______________________________ 43 UTILIDADES DISPONÍVEIS.8 2. _____________________________________________ 47 ESTRUTURA ANALITICA – EAP – ATÉ NÍVEL 2 ____________________________ 49 ESTRUTURA ANALITICA – EAP – ATÉ NÍVEL 3 ____________________________ 50 DICIONARIO DA EAP ____________________________________________________ 52 4 4.2 3.5.5 3.5.4 3.2 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO ___________________________ 60 DEFINIÇÃO DAS ATIVIDADES ___________________________________________ 61 DETERMINAÇÃO DAS DURAÇÕES DAS ATIVIDADES ______________________ 61 .4 2.2 2.5 2.5.13 DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA.7 2.12 3.3 3.

1 6. ____________________ 111 OBJETIVO.5.2 Acompanhamento Mensal _________________________________________________________ 105 Acompanhamento Acumulado ______________________________________________________ 106 5.2 5.6 4.4 5.6.6 FLUXO FINANCEIRO (CURVA “S” – ACOMPANHAMENTO PREVISTO X REALIZADO) __________________________________________________________________ 105 5.4 6.8 5. ______________________________________________________________ 111 PARTICIPANTES. _______________________________________________________________ 121 Itens Gerais______________________________________________________________________ 121 7 7.4 6.7.3 4.3 4.5 4. ______________________________________________________ 111 PLANO DE QUALIDADE.5.5.7 4.1 5.5 PLANO DE GERENCIAMENTO DO CUSTO ___________________________ 89 OBJETIVO ______________________________________________________________ 89 DEFINIÇÕES ___________________________________________________________ 90 ESTIMATIVA DE CUSTO DAS ATIVIDADES ________________________________ 90 ORÇAMENTAÇÃO ______________________________________________________ 91 ESTIMATIVA DE CUSTO DOS RECURSOS _________________________________ 92 Custo Geral do Projeto PRESTO – Nível 1 _______________________________________________ 92 Estimativa de Custo – Nível 2 ________________________________________________________ 93 Composição dos Custos _____________________________________________________________ 95 Custo da Equipe de Trabalho PRESTO __________________________________________________ 98 Custo com Equipamentos __________________________________________________________ 100 5.5.6 ATUALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO CRONOGRAMA ________________ 61 LISTA DE ATIVIDADES DO PROJETO _____________________________________ 62 DIAGRAMA DE REDES (PDM) CONTENDO O CAMINHO CRÍTICO ____________ 66 LISTA DE RECURSOS DAS ATIVIDADES __________________________________ 67 ESTIMATIVA DE DURAÇÃO DAS ATIVIDADES E DO PROJETO (PERT)________ 78 Marcos do Projeto (Milestones) ______________________________________________________ 82 Cronograma Resumido _____________________________________________________________ 82 Cronograma do Projeto _____________________________________________________________ 84 Atualizações do Cronograma _________________________________________________________ 87 Revisão e Aprovação das Mudanças do Cronograma ______________________________________ 87 Formulário de Solicitação de Alteração no Cronograma do Projeto __________________________ 88 5 5.2 6.5.7.5.3 6.1 GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS ______________________ 122 OBJETIVO _____________________________________________________________ 122 .7 5.5.5 4.4 4.5.7. ________________________________________________ 120 Entrega Data Book de todos os equipamentos instalados contendo no mínimo: ______________ 120 Operação em condições de projeto por 15 dias corridos__________________________________ 120 Período do teste __________________________________________________________________ 121 Coleta de amostras.7.2 4.5 6.6.2 6.9 5. ________________________________________________ 112 TESTE DE ACEITAÇÃO.5.1 5.2 5.5 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE.9.4.1 5.3 5.9.4 4.7.1 5.3 6. ____________________________________________________________ 111 ETAPAS.1 6.3 5.4 5.2 CONTROLE DE CUSTOS ________________________________________________ 107 GERENCIAMENTO DO VALOR AGREGADO_______________________________ 108 RESERVAS ____________________________________________________________ 109 Reservas de Gerenciamento ________________________________________________________ 109 Reservas de Contingenciamento _____________________________________________________ 110 6 6.5 5.5.1 4.7.

2 7.1 8.4.4 9.11.4.4 7.5 7.2 7.1 GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES _______________________________ 165 OBJETIVO _____________________________________________________________ 165 .3 9.6 7.2 GERENCIAMENTO DE RISCOS ____________________________________ 153 OBJETIVO _____________________________________________________________ 153 PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS _____________________________ 153 Identificação dos riscos ____________________________________________________________ 153 Análise qualitativa e quantitativa ____________________________________________________ 159 9.1 7.2 8.4 HORÁRIO.1 7.4.11.7.2 7.7 7.11.2.11 7.2 7.3 7.5 PLANEJAMENTO DE RESPOSTAS ________________________________________ 163 MONITORAMENTO E CONTROLE DOS RISCOS ___________________________ 163 FECHAMENTO DE RISCOS ______________________________________________ 164 10 10.3 8.10 7.3 CONFORMIDADES LEGAIS _____________________________________________ 129 ALOCAÇÃO E DEMANDA DE RH ________________________________________ 129 Contratação através de empresa de terceirização _______________________________________ 129 Contratação de pessoal ____________________________________________________________ 129 Remuneração ____________________________________________________________________ 129 7.4 8.5 CRITÉRIOS DE LIBERAÇÃO DOS PRINCIPAIS RECURSOS HUMANOS ________ 132 NORMAS ADMINISTRATIVAS ___________________________________________ 132 Segurança e medicina do trabalho ___________________________________________________ 133 Integração: ______________________________________________________________________ 134 Liberação de acesso: ______________________________________________________________ 134 Renovação: ______________________________________________________________________ 135 Alteração de funcionário de pedido: __________________________________________________ 135 7.3 7.1 9.1 7.11.9.9.1 7.2 8.2 9.12 CÓDIGO DE ÉTICA _____________________________________________________ 136 8 8.4 7.5.1 8.3 8.7. LOCAL DE TRABALHO E CAPACITAÇÕES / TREINAMENTOS _____ 130 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E PREMIAÇÃO / RECONHECIMENTO _______ 130 Gestão de Competências ___________________________________________________________ 131 Sistemas de Gestão de si Mesmo ____________________________________________________ 131 Sistemas de Gestão de Processos ____________________________________________________ 132 Planos de trabalho ________________________________________________________________ 132 7.3 7.9.9.1 9. FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES DA EQUIPE DO PROJETO ______ 122 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES ______________________________________ 125 DEFINIÇÕES DAS NECESSIDADES DE PESSOAL___________________________ 126 Histograma na forma de tabela ______________________________________________________ 127 Histograma de recursos na forma de gráfico de colunas empilhadas ________________________ 128 7.4 GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO ____________________________ 137 INTRODUÇÃO _________________________________________________________ 137 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO ________________________________ 137 FLUXO DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO ________________________________ 139 MEIOS E EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO______________________ 140 O Gerenciamento do Processo de Distribuição de Informação _____________________________ 140 Eventos de Comunicação ___________________________________________________________ 141 Gerenciamento dos Registros do Projeto ______________________________________________ 150 Gerenciamento das Partes Interessadas _______________________________________________ 150 9 9.4.7.11.8 7.2.9 7.2 ORGANOGRAMA DO PROJETO __________________________________________ 122 CARGOS.7.5.

5 12.2.5.2 11.1.1.10 10.14 10.2 12.6 CONSIDERAÇÕES INDIVIDUAIS __________________________________ 189 JOÃO ARLINDO GIL COPETTI ___________________________________________ 189 Pontos Fortes e Fracos do Grupo ____________________________________________________ 189 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto ______________________________ 190 Dificuldades encontradas __________________________________________________________ 190 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho __________________________________ 191 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho __________________________________ 192 Conclusão individual ______________________________________________________________ 192 12.2 DEFINIÇÕES __________________________________________________________ 166 PLANEJAR COMPRAS E AQUISIÇÕES ____________________________________ 166 TIPO DE CONTRATO ___________________________________________________ 166 PARTICIPAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE COMPRAS ______________________ 166 Preparação de Especificações Técnicas e RFP___________________________________________ 167 Mapa de Aquisições do Projeto ______________________________________________________ 169 10.10.2 12.6 12.6 10.7 10.1.4 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO DOS TRABALHOS ______________________________________________________________ 186 11.7 AVALIAÇÃO DO GRUPO SOBRE A VIABILIDADE DE EXECUÇÃO DO PROJETO EM CONDIÇÕES REAIS _________________________________________________________ 187 12 12.14.11 10.2.1 12.2 12.5 10.1.3 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (ORGANOGRAMA E DEFINIÇÃO DE PAPÉIS)182 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES ______________________________________ 183 CRONOGRAMA DOS TRABALHOS _______________________________________ 185 11.2.3 12.7 JÚLIO CÉSAR RAGONE LOPES __________________________________________ 194 Introdução ______________________________________________________________________ 194 Pontos Fortes e Fracos do Grupo ____________________________________________________ 194 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto ______________________________ 195 Dificuldades encontradas __________________________________________________________ 196 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho __________________________________ 196 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho __________________________________ 197 Conclusão individual ______________________________________________________________ 197 12.8 10.1 12.3 10.5 11.2 10.2.5.12 10.9 10.1.4 12.4 12.2.3 MARIA CÉLIA MITIDIERO ______________________________________________ 199 .1 10.13 10.4 10.1 PLANEJAR CONTRATAÇÕES OU ENTREGAS DO PROJETO _________________ 173 SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS __________________________________________ 173 RESPOSTAS DE FORNECEDORES ________________________________________ 175 SELEÇÃO DE FORNECEDORES __________________________________________ 176 NÍVEIS DE APROVAÇÃO________________________________________________ 177 ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO _______________________________________ 177 FECHAMENTO DO CONTRATO __________________________________________ 178 SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES ______________________________________ 179 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ____________________________________________ 179 Relatório de avaliação de propostas de fornecimento de serviços __________________________ 179 11 CONSIDERAÇÕES DO GRUPO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO __________________________________ 182 11.1.5 12.6 CALENDÁRIO DE REUNIÕES ____________________________________________ 186 FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO _____________________________________ 187 11.3 12.1 12.2.1 11.2.

4 12.4.3.3 12.6 Pontos Fortes e Fracos do Grupo ____________________________________________________ 199 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto ______________________________ 199 Dificuldades encontradas __________________________________________________________ 199 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho __________________________________ 199 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho __________________________________ 199 Conclusão individual ______________________________________________________________ 199 12.3.2 12.4.4.5 12.4.4.3.3.1 12.4.4 12.2 12.4 12.3 12.3.1 12.6 MARIANA CARDOSO ALLEGRETTI ______________________________________ 200 Pontos Fortes e Fracos do Grupo ____________________________________________________ 200 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto ______________________________ 201 Dificuldades encontradas __________________________________________________________ 202 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho __________________________________ 202 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho __________________________________ 203 Conclusão individual ______________________________________________________________ 203 .5 12.3.12.

compatíveis com o desenvolvimento sustentável do planeta. Tem também como objetivo iniciar o embrião para a gestão do conhecimento durante o período de desenvolvimento do projeto com a formulação de uma universidade coorporativa. 13 . além de gerenciar com sucesso as expectativas das partes interessadas e atender os requisitos.. O Plano de Gerenciamento do Projeto ETE-03 integra os diversos planos de gerenciamento nas diversas áreas de conhecimento do Gerenciamento de Projeto. consolidar. Meio-Ambiente. Brasil. sejam elas: • • • • • • • • Plano de Gerenciamento do Escopo do Projeto Plano de Gerenciamento do Tempo do Projeto Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Plano de Gerenciamento da Qualidade do Projeto Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto Plano de Gerenciamento das Comunicações do Projeto Plano de Gerenciamento de Risco do Projeto Plano de Gerenciamento de Aquisições do Projeto As Indústrias Reunidas Presto se compromete a expandir o presente Plano de Gerenciamento de Projeto de forma a implementar políticas claras e objetivas relacionadas a Saúde.A. Segurança e Responsabilidade Social. articular ações integradoras que são essenciais para a conclusão do projeto. O Gerenciamento da integração inclui os processos e atividades necessárias para unificar. identificando pontos importantes de manutenção da inteligência da organização.1 INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Plano de Gerenciamento do Projeto da Estação de Tratamento de Efluentes – ETE-03 – das Indústrias Reunidas Presto S. sediada no município de São Paulo no estado de São Paulo.

busca-se atingir os objetivos de desempenho definidos no plano. todos os planos de projeto. aplicações de correções das ações e planos de recuperação de desvios. seu monitoramento e controle.Entende-se que os processos de gerenciamento de projetos são introduzidos separadamente com fronteiras comuns definidas.2. no entanto. Através do acompanhamento das ações. que incluem escolhas. expectativas. de acordo com sistema de controle integrado de mudanças A finalização do projeto. para realizar o trabalho previsto. Esse plano dará condições ao gerente de projeto e sua equipe para orientar e gerenciar a execução do projeto.4. quando se inicia o processo de finalização de todas as atividades. bem como o plano de gerenciamento do projeto. Através do Termo de Abertura do Projeto declaram-se os motivos para realização do projeto. que envolve a revisão das linhas de base de todas as áreas de conhecimento. concessões entre metas e alternativas conflitantes e gerenciamento de dependências mútuas entre as áreas de conhecimento. 14 . ou seja. Caberá também ao gerenciamento da Integração realizar o controle integrado de mudanças. documentos de projeto. Estas mudanças estão citadas ao longo dos planos individuais. designando o Gerente de Projeto. Com a consolidação do presente plano obtêm-se a integração e coordenação das ações necessárias descritas em documento unificado. características. e serão geridas através das reuniões do Comitê de Gestão de Mudanças. na prática estes se sobrepõem e interagem de maneiras totalmente interdependentes. além da autorização do início do projeto. seus objetivos. mudanças estas que afetam as entregas. atingindo os objetivos do projeto. citado no item 7. processos organizacionais. o processo de encerramento do projeto é parte da integração das áreas.

sendo os mesmos inadequados para descarte direto no sistema hidroviário local. R$ 30.000.2 TERMO DE ABERTURA Nome do Projeto: SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE Gerente do Projeto: Patrocinador do Projeto: Número do Projeto: 2009-036779 Estimativas (Hhs & Custo): Aparício de Souza Preparado por: Rachel Cristina Pereira Álvaro Camargo Data: 10/10/2009 50.1 SUMÁRIO EXECUTIVO O presente projeto visa o tratamento de efluente industrial proveniente de processo de fabricação de papel e celulose de modo a remover os resíduos sólidos e contaminações possibilitando o seu descarte em rio próximo à unidade produtiva de acordo com as normas ambientais vigentes e classificação de descarte aceitáveis na bacia correspondente.000 Revisão: 0 2.2 PROBLEMA / OPORTUNIDADE Nos processos de Cozimento da Polpa e na própria Máquina de Papel são produzidos efluentes contaminados. 15 . com sólidos em suspensão e resíduos químicos causadores de DQO (Demanda Química de Oxigênio) e DBO (Demanda Biológica de Oxigênio).000 Hhs. 2.

2.4 OBJETIVOS O objetivo do projeto é tratar os efluentes líquidos da nova fábrica de papel. 16 . Também é parte do escopo a pré-operação e a partida da unidade. sistemas auxiliares. desde que a nova máquina de papel esteja em operação plena.2. além de subcontratação dos serviços de Construção Civil e Montagem. A confirmação dos parâmetros operacionais deverá ocorrer no período de 03 de Janeiro de 2012 à 23 de Janeiro de 2012. controle e segurança.5 ESCOPO O empreendimento compreende a elaboração da especificação. do projeto detalhados da nova estação de tratamento de efluentes. proporcionando a mesma uma garantia de desempenho superior as unidades similares existentes.3 META O grande desafio do projeto de implantação da estação de tratamento de efluentes é sua conclusão no prazo determinado. A nova máquina de papel deverá entrar na fase de testes operacionais no dia 25 de Outubro de 2010. disponibilizando assim efluentes para que os testes operacionais da Estação de Tratamento de Efluentes possam ser iniciados. 2. qualificando-os para descarte direto em rio local. atividades de suprimentos dos equipamentos principais. Também é objetivo do projeto a utilização de tecnologias avançadas de tratamento de efluentes e descarte de resíduos bem como aplicar os mais modernos sistemas autônomos de monitoramento. e sistemas de controle. de modo a não comprometer o início de operação da nova máquina de papel tipo Kraft Branqueado. a partir da qualificação e quantificação dos efluentes ali gerados.

Sua missão é o sucesso do projeto e trabalhará com equipe a ser constituída para assegurar o atendimento de todos os objetivos do projeto.9 CONSIDERAÇÕES DE CRONOGRAMA/PROJETOS RELACIONADOS Relaciona-se com este projeto o próprio projeto de implantação da nova planta de produção de papel Kraft branqueado em fase de início de obras. o projeto específico da estação tornou-se caminho crítico do programa estabelecido no planejamento estratégico da Ind. A finalização da implantação da estação de tratamento deve coincidir com a fase de testes da nova máquina de papel em implantação. Reunidas Presto S.6 EXCLUSÃO DO ESCOPO Não é parte do escopo do presente projeto a obtenção junto aos agentes ambientais governamentais os licenciamentos de construção e operação da nova estação de tratamento de efluentes. 2. para o período.7 DESIGNAÇÕES Por esse documento Aparício de Souza é designado gerente do projeto SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE.8 PREMISSAS Foi assumida uma composição a ser tratada com as mesmas características do efluente de instalação similar atualmente em operação.A. 2. O projeto irá considerar como especificação do efluente a ser descartado no rio as características de rio classe B. conforme legislação vigente nesta data. 17 . 2.2. Devido à extensão do tempo para a escolha da tecnologia a ser utilizada no tratamento dos efluentes.

Aprovações 10/10/2009 José Aparecido de Moura (Patrocinador do Projeto) Data

Maurício Benício (Diretor Responsável de Área)

10/10/2009 Data

Marcela Alves Lima (Diretor de Recursos Humanos)

10/10/2009

Roberto Cabotta (Vice-Presidente)

10/10/2009 Data

Luis Ernesto Gomes (Presidente)

10/10/2009 Data

18

3 DECLARAÇÃO DE ESCOPO

3.1 APRESENTAÇÃO

As Indústrias Reunidas PRESTO S.A. estão iniciando o projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes. O efluente será gerado por uma nova máquina de papel tipo Kraft Branqueado a ser instalada em na área industrial do município de São Paulo no estado de São Paulo, Brasil. A matéria prima a ser utilizada será madeira de Eucalipto proveniente de plantações próprias ou de terceiros localizados nos estados de São Paulo, Paraná e Goiás.

Tipo da máquina de papel: Fourdrinier com 2 caixas de entrada. Caixa primária de 2 camadas. Capacidade nominal: Velocidade de operação: Largura da folha: Matéria prima: 300.000 ton/ano de Papel Cartão de 170 a 410 g/m2 350 a 650 m/min 6.220 mm Celulose de fibra curta virgem de produção própria.

Baseado nesta especificação o fornecedor esta convidado a apresentar proposta de fornecimento completa para uma estação de tratamento de efluentes, sendo obrigado a apresentar todos os documentos descritos neste plano de engenharia, assim como seguir todas as diretrizes de projeto apresentadas.

19

3.2 OBJETIVO

Uma estação de tratamento de fluentes tem por objetivo a remoção dos principais poluentes presentes nas águas residuárias industriais, retornando-as ao rio sem alteração de sua qualidade. O objetivo geral do projeto é implementar uma estação de tratamento de efluentes nova para suprir as necessidades de uma nova máquina de papel a ser instalada pelas Indústrias reunidas PRESTO S.A. Os critérios de projeto a serem seguidos durante a fase de consolidação do conceito apresentado deverão estar baseados na legislação estadual, DECRETO Nº 8.468 – de 08 de Setembro de 1976, que aprova o Regulamento de Lei Nº 997 (*), de 31 de maio de 1976, que dispõe sobre a prevenção e o controle da poluição do meio-ambiente. Será permitido somente um ponto de lançamento de efluentes, ou seja, todas as águas residuais provenientes de etapas do processo deverão retornar ao inicio do processo de tratamento de efluentes através do tanque pulmão.

3.3 LIMITES DO ESCOPO DE FORNECIMENTO

A estação de tratamento de efluentes será fornecida em regime de chave na mão, ou seja, a empresa selecionada para o fornecimento será responsável pelo fornecimento dos seguintes itens: Terraplanagem e preparação do solo. Construção civil. Montagem mecânica de todos os equipamentos e bombas. Montagem de tubulações, válvulas e demais itens listados na documentação técnica. Montagem de bandejamento elétrico, cabos elétricos de sinais para instrumentos, painéis de alta, média e baixa tensão, instrumentos e demais itens listados no projeto e necessários para o bom funcionamento da estação. Transformadores de alta para baixa tensão. Montagem e calibração de todos os instrumentos e demais acessórios. Sistema de aterramento e para raios conforme norma vigente.
20

Sistema de combate a incêndio. Escadas e passadiços para acesso aos locais de operação. Monovias e pontes rolantes para movimentação de equipamentos e peças de reposição. Toda a documentação perante aos órgãos oficiais, federais, estaduais e municipais, necessária para viabilizar a montagem e operação da Estação de Tratamento de Efluentes. Treinamento de todos os operadores e equipe de manutenção. Operação assistida durante um período de 30 dias após aceite técnico da estação de Tratamento de Efluentes. O limite de fornecimento para a interface de tubulação com a fábrica será de 1 metro fora da área determinada para a construção da Estação de Tratamento de Efluentes. O limite de montagem para o sistema elétrico será no barramento de entrada do transformador, devendo ficar a cargo das Indústrias Reunidas Presto S.A. a interligação com o sistema de distribuição da concessionária de energia elétrica.

21

3. Figura 1 – Layout básico de instalação da Estação de Tratamento de Efluentes 22 . sendo a área com 125 metros de frente e 35 metros de lado.4 LOCAL DE MONTAGEM DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES A estação de tratamento de efluentes deverá ser instalada em uma área de 4375 metros quadrados contínuos.

3.5 CONCEITO DE PROCESSO (EQUIPAMENTOS) A Estação de tratamento de efluentes deverá apresentar o conceito básico abaixo descrito. A altura de descarregamento dos rejeitos deverá ser de no mínimo 2000 mm diretamente sobre uma caçamba móvel colocada no local. O canal será feito em concreto com uma largura livre interna de 750 mm e uma profundidade calculada de 2500 mm. A grade deverá ser auto-limpante e com possibilidade de manutenção fora do canal sem a necessidade de remover todo o equipamento (sistema de basculamento). Serão considerados dois equipamentos.5. 23 . As dimensões do canal deverão ser confirmadas e detalhadas durante a fase de detalhamento do projeto.1 Etapa primária de tratamento • Gradeamento e bombeamento. Caso sejam feitas alterações neste conceito deverão ser apresentadas justificativas e lista de referencias de instalações similares onde poderá ser agendada visita técnica para verificação do processo. Deverá ser previsto um sistema de gradeamento para proteção das bombas centrífugas de recalque do efluente para a estação de tratamento. sendo que em caso de manutenção de um dos equipamentos o outro deverá suprir todas as necessidades da estação de bombeamento.3. Deverão ser consideradas duas bombas tipo centrífugas de rotor aberto preparadas para trabalhar com sólidos dentro das características do efluente indicadas no item 1.5 desta especificação técnica. Os vãos de abertura desta grade deverão ser de no mínimo 3 mm e no máximo 6 mm.

Teto fechado para não permitir a entrada de luz solar e reduzir a emissão de odores além de conexão para sistema de ventilação forçada. Após o sistema. Os sólidos devem ter a forma e o tamanho adequados para que se obtenha uma eficiência ótima de separação. Uma pressão menor permite a dissolução de menos ar. Sob alta pressão. Também deverão ser previstas portas de inspeção e insertes para sensor de nível e conexões de tubulação de alimentação. o ar é dissolvido no Sistema Universal de Dissolução (UDS). O tanque e todas as partes em contato com o efluente deverão ser fornecidas em Aço Inoxidável AISI 304L A Flotação por Dissolvido é um processo químico/físico para separação de sólidos de um líquido através de flotação. A primeira etapa do tratamento do efluente será realizada com um flotador por ar dissolvido tipo DAF circular com capacidade de tratamento conforme as características do efluente informadas nesta especificação técnica. para apanharem as micro-bolhas para fins de flotação. Recursos que auxiliam a floculação (exemplo. Deverá ser considerado um tanque com capacidade mínima de 2 horas de retenção (3000 m³) para assimilar picos de processo e manter o fluxo o mais constante possível. coagulantes ou polímeros) são usados para criar flocos a partir de materiais menores. deverá ser considerado um sistema de agitação na base deste tanque para manter os sólidos presentes em suspensão e assim não permitir sua sedimentação e acúmulo no fundo do tanque. 24 .• Tanque de armazenamento. A supersaturação faz surgirem micro-bolhas muito pequenas que serão usadas na flotação. a pressão é liberada por uma válvula de expansão / turbina. pequenas bolhas de ar são fixadas a eles. Este tanque deverá ser construído em Concreto e considerado revestimento interno adequado para as características do efluente bruto. saída e transbordo do tanque. Para flotar os sólidos. • Flotação por Ar Dissolvido (DAF).

O lodo flotado é escumado e descarregado por meio de um pescador em espiral que gira em torno do tanque central coletor de lodo. (uma em operação e outra em manutenção/limpeza) Estas torres deverão ser fornecidas com tanque de coleta. Deverá ser previsto total automação das válvulas para troca da operação entre as torres. A água clarificada é descarregada usando-se vários coletores de água clarificada localizados na parte interna do tanque. O ar em excesso será extraído através da válvula de sangria na parte superior da unidade de saturação de ar. motores e ventiladores e demais itens necessários para operação destes equipamentos Deverá ser previsto um sistema de medição da temperatura do efluente na entrada e saída da torre de resfriamento e controle automatizado para o acionamento dos motores dos ventiladores. de modo a garantir que todo o ar em excesso seja descarregado. criando pequeninas bolhas ao passar através da válvula de alívio de pressão. Serão consideradas no projeto duas torres de resfriamento do tipo contato direto com enchimento para a redução da temperatura do efluente de 44ºC para 36ºC. Dependendo da pressão na unidade de saturação de ar mais ou menos ar pode ser dissolvido na água pressurizada. que é esvaziado a intervalos regulares. O pré-requisito básico para se obter bons resultados com o processo de flotação é uma unidade de saturação de ar de alta eficiência. enchimento. • Controle da Temperatura do efluente. 25 . Esta válvula é operada automaticamente. válvulas tipo borboleta com acionamento pneumático e sensores de posição deverão ser previstos. Um raspador de fundo retira qualquer sedimento de dentro do coletor de sedimentos.

Tratamento de Efluentes . Teto fechado para não permitir a entrada de luz solar e reduzir a emissão de odores além de conexão para sistema de ventilação forçada. Também deverão ser previstas portas de inspeção e insertes para sensor de nível e conexões de tubulação de alimentação.Etapa Primaria Floculante + Coagulante Grade Mecanizada Flotação .DAF Torre de resfriamento Efluente Máquina de Papel Tanque Pulmão Etapa Secundária Preacidificação Tanque Pre-acidificação Tanque Pulmão Figura 2 – Tratamento de Efluentes – Etapa Primária 26 . O tanque deverá ser do tipo circular feito em concreto e revestimento interno próprio para trabalhar com as características do efluente informadas neste documento.• Tanque de Pré-acidificação Deverá ser previsto um tanque de pré-acidificação com capacidade de armazenamento de no mínimo 2 horas (3000 m³). saída e transbordo do tanque.

Este tratamento será realizado em um tanque retangular em concreto com sistema de aeração através de membranas de bolhas finas conforma características do processo. Deverá ser considerado na etapa secundária microbiológica do tratamento de efluentes um reator anaeróbico tipo circular com fluxo ascendente e fundo cônico.5. dosagens de nutrientes e sistema de separação do gás metano. velocidades de ascensão do fluxo de efluentes. incluindo o dióxido de carbono e amônia e o metano.2 Etapa secundária de tratamento • Reator Anaeróbico No processo de digestão anaeróbia ocorre degradação de matéria orgânica através de microorganismos. sendo este último utilizado como fonte alternativa de energia. tendo como produtos o gás carbônico CO2 e água A fim de haver uma redução complementar no DBO e DQO do efluente deverá ser considerada uma etapa complementar no tratamento microbiológico com o uso de microorganismos aeróbicos. com sistema de recirculação externa para reduzir os picos de vazão de efluente bruto. 27 . Memorial de cálculo deverá ser apresentado para demonstrar as considerações feitas no desenvolvimento do projeto.3. conseguem rapidamente decompor os resíduos orgânicos. dimensões do tanque. que apenas sobrevivem na presença de oxigênio. O tanque deverá ser confeccionado em Aço Carbono e pintado conforma norma de pintura da Indústrias Reunidas PRESTO S.A. Os produtos finais do processo anaeróbio são compostos inorgânicos. na ausência de oxigênio. • Reator Aeróbico Digestão aeróbica é o processo de decomposição orgânica onde as bactérias aeróbicas. O sistema de coleta do gás metano deverá ser feito em duas etapas e no topo do equipamento deverá ser considerado um tanque feito em aço inoxidável AISI 316 L de separação de fases entre o lodo e o gás metano.

alem do sistema de aeração necessário para o reator aeróbico Tratamento de Efluentes .Memorial de cálculo deverá ser apresentado para demonstrar as considerações feitas no desenvolvimento do projeto.Etapa Secundária Biogas Dosagem de Nutrientes Dosagem de Nutrientes Etapa Primária Etapa Terciária Estágio Aeróbico Estágio Anaeróbico Figura 3 – Tratamento de Efluentes – Etapa Secundária 28 . dosagens de oxigênio e nutrientes. dimensões do tanque.

• Engrossador de Lodos Deverá ser previsto um tanque engrossador de lodos que irá receber os lodos flotados na etapa primária.3.3 Etapa terciária de tratamento • Decantador Para a retirada dos sólidos em suspensão após o tratamento aeróbico deverá ser previsto um decantador tipo circular com fundo cônico e raspadores de fundo para conduzir o lodo até a parte central e este será retirado do tanque por gravidade e alimentando um tanque engrossador de lodo. • Prensa desaguadora de lodo Será utilizada uma prensa tipo dupla tela para o desaguamento do lodo e seu engrossamento antes que seja retirado do site através de caminhões caçamba e enviados para aterro sanitário adequado a este material. Este tanque engrossador será do tipo circular com fundo cônico e raspadores de fundo que irão conduzir o lodo até um compartimento localizado no fundo do tanque permitindo que o lodo seja bombeado para o sistema de desaguamento de lodo. lodos pesados provenientes do reator anaeróbico e lodos provenientes do decantador terciário.5. 29 .

Etapa Terciária Decantador Engrossador M Rio Bom Jesus Etapa Secundária Prensa Desaguadora de Lodos Figura 4 – Tratamento de Efluentes – Etapa Terciária 30 .Tratamento de Efluentes .

3.5.4 Equipamentos complementares ao escopo de fornecimento

Elétrica e automação A Estação de Tratamento de Efluentes deverá ser toda operada a distância

através de uma central de comando remota. Instrumentações e controles deverão ser previstos para esta operação a distância. Toda a documentação de automação, instrumentação e de equipamentos dentro do escopo de fornecimento deverão estar claramente especificadas e atender as exigências do fornecedor. Todos os equipamentos deverão estar de acordo com os standards do projeto e da lista de fornecedores certificados para o projeto.

Escopo de Fornecimento: Fornecimento de painéis elétricos de Acionamentos, IHMs e CLP para todos os motores e equipamentos da estação de Tratamento de Efluentes Previmos um PLC da família S7-300, CPU S7-319-3 PN/DP, com portas (02) Profibus-DP e (01) Ethernet - para controle da MP #2. Para os acionamentos da Máquina (CCM Máquina), estamos prevendo uma rede Profibus-DP exclusiva. Previmos (01) IHM modelo KTP600 - 6” Touch Color em Púlpitos de Comando Previmos, opcionalmente, a instalação do TS Adapter IE para Teleservice no CLP da Máquina de Papel, visando facilitar a manutenção do sistema via assistência remota. Estão previstas duas estações de supervisório (Engenharia e Operação) com o SW WinCC v7.0sp1 2048 TAGs , sendo uma licença de Engenharia (RC-2k TAGs) e outra Runtime (RT-2k TAGs), em 2 Desktops Dell e 2 monitores tela plana TFT 22 ”. Transformadores de alta tensão a serem dimensionados pela engenharia e instalados de acordo com os estudos de layout de instalação dos equipamentos.

31

Códigos e regulamentações: O fornecimento deverá compreender os últimos códigos do Padrão Elétrico Brasileiro – ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e seu equivalente IEC nas normas européias (International Electrotechnical Commission) Em atendimento a ABNT/ IEC standards, deverá ser aceito em acordo entre o fornecedor e o comprador:
CENELEC EUROPEAN COMMITTEE OF ELECTROTECHNICAL STANDARDS NEMA - NATIONAL ELECTRICAL MANUFACTURERS ASSOCIATION ISA - INSTRUMENT SOCIETY AMERICA IEEE - INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONICS ENGINEERS

Materiais e serviços deverão estar de acordo com as normas internacionais vigentes, boas práticas de engenharia e regras de segurança no trabalho exigidas por “NORMAS REGULAMENTADORAS DO MINISTÉRIO DO TRABALHO”, especialmente, mas não limitadas a:
NR 10 “SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE “ NBR 5410 “ INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO NBR 14039 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ALTA TENSÃO“ NBR 7094 “MÁQUINAS ELÉTRICAS GIRANTES- MOTORES DE INDUÇÃO – ESPECIFICAÇÃO” NBR 6808 “CONJUNTO DE MANOBRA E CONTROLE DE BAIXA TENSÃO” NBR 6979 “ CONJUNTO DE MANOBRA E CONTROLE EM INVÓLUCRO METÁLICO PARA TENSÕES ACIMA DE 1 KV ATÉ 36,2 KV” NBR 6146 “INVÓLUCRO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS – PROTEÇÃOESPECIFICAÇÃO” NBR- 5413 “ILUMINAÇÃO DE INTERIORES“ NBR- 10898 “SISTEMA DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA NBR 5419, PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS” NBR 6808 “CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE DE BAIXA TENSÃO – ESPECIFICAÇÃO”
32

NBR 9884 “ MÁQUINAS ELÉTRICAS GIRANTES- GRAUS DE PROTEÇÃO PROPORCIONADOS PELOS INVÓLUCROS- ESPECIFICAÇÃO” NBR 6979 “CONJUNTO DE MANOBRA E CONTROLE EM INVÓLUCRO METÁLICO PARA TENSÕES ACIMA DE 1 ATÉ 36,2 KV “ NBR- 5336 “TRANSFORMADOR DE POTENCIA- ESPECIFICAÇÃO“ NBR-5380 “TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA - MÉTODO DE ENSAIO” NBR 10295 “TRANSFORMADORES DE POTENCIA SECOS” NBR- 8370 “EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ATMOSFERAS EXPLOSIVAS – TERMINOLOGIA“ NBR- 9518 “EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS PARA ATMOSFERAS EXPLOSIVAS”

Painéis de comando local devem ser evitados, exceção de ajustes de processo que devem ser feitos em campo. Deverá ser previsto o uso de botões de parada de emergência para todos os equipamentos e bombas.

Sistemas de preparo de químicos Deverá ser previsto um sistema de preparo e dosagem de coagulante e

floculante para as etapas primária de flotação (DAF) e terciária de decantação (decantador). Para o controle de pH deverão ser previstos tanques de armazenagem de Soda Caustica (NaOH) e ácido Sulfúrico (H2SO4), alem de equipamentos de preparo (diluição) e dosagem automática. Para as etapas secundárias Anaeróbica e Aeróbica deverá ser fornecido sistema de estocagem preparo e dosagem de Micronutrientes e Ácido Fosfórico para alimentação dos microorganismos.

Sistemas de queima de gases Um dos subprodutos do tratamento anaeróbico de efluentes é a produção de gás

metano, este gás tem um grande potencial poluidor e pode gerar explosões em locais confinados.
33

Em conjunto com o sistema de tratamento de efluentes deverá ser previsto um sistema de ventilação nos tanques Pulmão e de Pré-acidificação, alem de uma etapa para a queima dos gases produzidos através de dispositivo adequado ao local de instalação.

Bombas de processo Todas as bombas necessárias ao funcionamento da estação de tratamento de

efluentes deverão estar inclusas no escopo de fornecimento; os materiais em contato com o fluido deverão ser em aço inoxidável ou compatíveis quimicamente ao fluido a ser bombeado. Todas as bombas de processo deverão ser fornecidas por empresas listadas no Vendor List (lista de fornecedores certificados) e atender as características listadas neste documento. Todas as bombas deverão ser fornecidas com bases em aço carbono pintado e motores TFVE conforme normas técnicas do projeto. Todas as unidades de bombeamento deverão possuir reserva pronta para entrar em serviço caso a unidade principal venha a sofrer uma falha. As unidades de reserva deverão possuir as mesmas características de processo da unidade principal e sua instalação completa deverá ser considerada pelo fornecedor. A seguinte documentação técnica deverá ser entregue com cada bomba fornecida; • Certificados de materiais

Deverá indicar a composição química características dos materiais utilizados na fabricação dos componentes das bombas • Certificado de performance

Deverá indicar as condições de operação conforme a solicitação exigida na documentação técnica que acompanha o pedido de compra. • Teste hidrostático

Laudo descritivo do teste de funcionamento com água descrevendo as condições do teste e resultados finais confirmando as características da bomba. • Curva de vazão característica

34

memorial de cálculo especifico deverá ser fornecido com os compressores.Gráfico indicando a vazão (m³/h) contra a pressão (Bar g) de descarga da bomba. mas com comando centralizado no DCS geral da estação de tratamento de efluentes. Deverá ser fornecida lista de peças de reposição necessárias para 2 (dois) anos de operação. A seguinte documentação técnica deverá ser entregue com cada compressor fornecido. de acordo com as características deste documento. assim como todos os bocais de conexão de processo e elétrica. • Desenho dimensional (AutoCAD e Acrobat Destiler) Desenho certificado indicando as principais dimensões da bomba. A capacidade total dos sistemas de ar comprimido deve exceder a demanda calculada em projeto em 25%. assim descritos: Ar comprimido para Instrumentos Ar comprimido geral para válvulas e equipamentos de processo Ar comprimido para os aeradores de processo Todos os compressores e acessórios deverão ser fornecidos por empresas listadas no Vendor List (lista de fornecedores certificados) e atender as características listadas neste documento. • Compressores de ar comprimido Deverão ser previstos três sistemas de ar comprimido. totalmente independentes. Certificados de materiais Certificado de performance Curva de performance característica Desenho dimensional (AutoCAD e Acrobat Destiler) NR13 para os balões de acumulo de ar comprimido 35 .

Deverá ser previsto a utilização de compressor tipo parafuso de fornecedor de primeira linha e tanque pulmão com capacidade de 5000 litros em operação contínua. Todas as válvulas deverão ser fornecidos por empresas listadas no Vendor List (lista de fornecedores certificados) e atender as características listadas neste documento. de acordo com as características deste documento. • Válvulas Todas as válvulas necessárias ao funcionamento da estação de tratamento de efluentes deverão estar inclusas no escopo de fornecimento e atender as características químicas do fluido a ser tratado. Deverá ser fornecida lista de peças de reposição necessárias para 2 (dois) anos de operação. Deverão ser previstos filtros para limpeza de ar comprimido à ser utilizado em instrumentos e válvulas de controle afim de reter gotículas de óleo e outras impurezas. • Instrumentos Todas aos instrumentos necessários ao funcionamento da estação de tratamento de efluentes deverão estar inclusos no escopo de fornecimento e atender as características químicas do fluido a ser analisado. 36 . Para todas as válvulas deverá ser fornecido certificado de estanqueidade e de materiais utilizados na sua confecção. Todos os instrumentos deverão ser fornecidos com certificado de calibração e de matérias usados na sua confecção. Todos os instrumentos deverão ser fornecidos por empresas listadas no Vendor List (lista de fornecedores certificados) e atender as características listadas neste documento.

independente de diâmetro. Todas as juntas de vedação.• Tubulação Toda a tubulação. 37 . principal ou auxiliar. parafusos e demais itens de fixação deverão estar inclusos no escopo de fornecimento. que for necessária para o funcionamento da estação de tratamento de efluentes e/ou que esteja instalada dentro da área de instalação dos equipamentos da ETA deverão estar inclusas no escopo de fornecimento. comprimento ou material especificado.

Instrumentos e/ou equipamentos deverão estar inclusos no escopo de fornecimento. válvulas. passarelas e escadas de acesso Todos os suportes necessários para fixação de tubos. Todos os suportes serão confeccionados em aço carbono pintado conforme norma do projeto descrita neste documento. estadual de federal deverão ser integralmente cumpridas e um projeto especifico e separado de todas as outras áreas deverá ser preparado e apresentado para os órgãos competentes para aprovação antes do início da montagem.• Suportes. 38 . salvo necessidades especiais devidamente documentadas e aprovadas pelo gerente do projeto. • Sobressalentes. • Sistema de combate a incêndio. Deverá ser considerado no escopo de fornecimento de todos os equipamentos peças de reposição necessárias para 2 (dois) anos de operação da estação de Tratamento de Efluentes. Deverá ser previsto e detalhado todo o sistema de combate à incêndio para todas as áreas envolvidas na estação de Tratamento de Efluentes. As legislações municipal.

DAF Tanque Pulmão Torre de resfriamento Tanque Pre-acidificação Efluente Máquina de Papel Tanque Pulmão Pre-acidificação Biogas Engrossador Clarificador secundário (sedimentados) Estágio Aeróbico Aeradores de membranas Dosagem de Nutrientes M Estágio Anaeróbico Prensa de Lodos Rio Bom Jesus Figura 5 – Tratamento de Efluentes – Conceito Geral 39 .Tratamento de efluentes .Conceito Geral Floculante + Coagulante Grade Mecanizada Flotação .

400 36 4.976 3.800 5.000 1.614 1.5.5 8. Os fluxos de efluente de entrada na Estação de Tratamento de Efluentes serão provenientes de dois fluxos principais: • Efluentes provenientes do Cozimento de Cavacos e se caracteriza por uma grande quantidade de sólidos em suspensão.000 38 19.500 36. Este fluxo já foi tratado para recuperação de fibras e re-uso da água. • Efluentes provenientes do setor da máquina de papel.3.6 2.5 Características do Efluente Não Tratado O efluente industrial será proveniente do processo produtivo.250 60.0 9.510 1322 1257 8 1050 Máximo 1.600 5. sem que ocorram contaminações com esgotos sanitários ou de refeitórios.000 44 34.994 2158 3556 25 1800 Tabela 1 – Características do Efluente Não Tratado 40 . • As principais características do efluente não tratado deverão ser: Parâmetros do Efluente Vazão Temperatura de Efluente Temperatura Ambiente pH DQO DBO Sólidos Dissolvidos Sólidos Suspensos SO4 Ácidos Graxos TOC mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l Unid m³/h m³/dia ºC ºC Mínimo 600 14.4 7.0 5.1 3. matéria orgânica e demais resíduos. evitando assim a mistura de fluxos mesmo em casos de grandes chuvas. O circuito de águas pluviais é totalmente independente do sistema de coleta de efluentes.930 2. devendo possuir carga baixa de sólidos em suspensão e resíduos sólidos de químicos usados no processo de formação do papel.879 847 953 5 823 Médio 1.

01 2.0 0 41 .3.5 0.0 0.468 – de 08 de Setembro de 1976. ou seja.5 15 10 1.5. As características do efluente tratado estarão baseadas na legislação vigente.0 0.0 < 40 ºC 1. que aprova o Regulamento de Lei Nº 997 (*).2 5.0 0.2 l.02 5.0 .0 0.0 0.l 5.0 4. DECRETO Nº 8.2 0. Parâmetro pH Temperatura Sólidos sedimentáveis Solúveis em Hexano DBO5 Arsênico Bário Boro Cádmio Chumbo Cianeto Cobre Cromo hexavalente Cromo total Estanho Fenol Ferro solúvel (Fe2 + ) Fluoretos Manganês solúvel (Mn2 + ) Mercúrio Níquel Prata Selênio Zinco O&G Tabela 2 – Características do Efluente Tratado Unidade ºC ml/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l mg/l Artigo 18 (lançamento em rio) 5.0 100 60 0. de 31 de maio de 1976.9. que dispõe sobre a prevenção e o controle da poluição do meio-ambiente.02 0.0 5.6 Características do Efluente Tratado O efluente tratado será lançado no rio Bom Jesus através de um emissário tubular submergido em seu leito a 5 metros de sua margem.

As unidades deverão seguir o padrão internacional (SI). assim como instruções e padrões que deverão ser seguidos no projeto. Unidades de pressão ou sobre pressão deverão ser indicadas em Bares (Bar) Exceções deverão ser claramente indicadas em documento especifico de desvio de padrão e apresentadas junto com o documento original.7 CÓDIGOS E PADRÕES Os equipamentos e componentes deverão ser construídos com materiais de primeira classe e projetados conforme a última edição dos seguintes códigos e normas: Materiais Conexões/Flanges Roscas Soldas Estruturas Metálicas Instrumentação Elétrica Elementos de fixação Pintura Vibração Ruído Desenhos Tabela 3 – Códigos e Padrões ASTM/SAE/DIN/ASME ANSI UNC/ANSI AWS AISC ISA ABNT/IEC ABNT Norma PRESTO ISO 2372 e VDI 2056 ABNT (max. 85 dB a 01 metro) ABNT 42 . 3. alem de definir os mais relevantes equipamentos e materiais a serem utilizados.6 CRITÉRIOS DE PROJETO Esta especificação técnica descreve as condições da fábrica e as utilidades disponíveis para o projeto.3.

0ºC 4.máxima anual Direção predominante do vento Horas de sol Média mensal Média anual 710.2 mm/24 h 61.1 mm/ano 2.4ºC 24ºC 75.3.9 % 1.8 CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS E CLIMÁTICAS Altitude Local Temperaturas Média anual Média do verão Máxima do verão Média do inverno Mínima do inverno Mínima de relva Temperatura de Bulbo úmido Umidade relativa do ar Média anual Máxima anual Mínima anual Precipitação pluviométrica Média anual Máxima anual Máxima de 24 h Velocidade do vento . mensal e anual ) 183 h 2.9 km/h ( registrada ) Noroeste ( diária.6 % 89.5 mm/ano 118.3 % 61.0ºC 5.3 m 19.028.4ºC 22.2ºC 34.0ºC 17.473.208 h Tabela 4 – Condições Geográficas e Climáticas 43 .

2 Energia elétrica Os níveis de tensão e características do sistema elétrico são definidos como segue: 1.6 10 .1 Suprimento de água A fábrica é suprida com água captada do Rio Bom Jesus.9. Alimentação e distribuição em média tensão • • • Tensão: 6.15 <0.0 12.0 12.40 kA CCA 80 .0 4. 3.9 21.mínima Pressão ( ao nível do solo ) Turbidez ( como Si02 ) Dureza ( como CaCO3 Alcalinidade (como CaCO3) Conteúdo de Ferro ( íon Fe++) Tabela 5 – Suprimento de Água Água Tratada 6.0 2.000 6.9 3.05 Água Bruta 6.9.6 kV.C kg/cm2 man ppm Max ppm média ppm max ppm max ppm max o o 3.40 kA 44 .9 UTILIDADES DISPONÍVEIS.0 35.C o . CONDIÇÕES DE SUPRIMENTO pH Temperatura da água .0 2. decantada e filtrada antes de ser fornecida para utilização.1 2. 3 fases.3.0 34.3 8.máxima Temperatura da água .9 15 20.40 kA CCA 90 . a qual é floculada.0 UNIDADE . 60 Hz Neutro: Aterrado por impedância de baixo valor Nível de curto circuito trifásico simétrico: CCA 70 .6 21.média Temperatura da água .8 2.C .

sinalização. proteção e intertravamento: 110 Vcc • Painéis de V Circuitos de comando e sinalização: 110 Vca. Tensões auxiliares • Painéis de 6. Distribuição em baixa tensão • Força: Tensão Nominal: 440 V. 1 fase 440 Vca 45 . 1 fase • Tensão nas bobinas dos contatores de força: Motores até 100 CV Motores acima de 100 CV 110 Vca. 3 fases.2. Neutro: Solidamente aterrado Circuitos: 220 V. fase-fase 127 V.6 kV Circuitos de comando. 60 Hz Neutro: Solidamente aterrado Nível de curto circuito trifásico simétrico em 460 V: 41 kA • Iluminação Alimentação Geral: 220 V. 3 fases. fase-neutro Iluminação de Emergência: 110 Vcc 3.

• kVA. monofásico. 46 . 3 Acima de 300 CV • • • • Sistemas Eletrônicos: 110 Vca. Tensões de equipamentos • fases Motores de Corrente Alternada: Até 300 CV V 440 V. 3 fases Tomadas de Força para oficinas e prédios do processo: 440 V. 1 fase 6. • Utilizar transformador seco.4. 230 / 24V. 3 pólos Tomadas de 24: Utilizar tomadas de 24 Vca próximas as portas de visita de equipamentos e grandes tanques metálicos para iluminação de serviço de manutenção. de potência nominal de 5 Utilizar cabos de alimentação das tomadas em circuitos individuais de 4 mm2.6 kV.

Entregas serão programadas mensalmente em função do tipo de documento e cronograma da obra. 1:1000. 1:2000 Desenhos gerais de arranjo 1:50. 1:200 Tubulações de utilidade. 1:100. devendo ser utilizadas onde for relevante. como. como exemplo: Directive 98/37/EG (EU machine directive) Directive 2006/95/EG (Low voltage directive) Directive 97/23/EG (Directive regarding pressurized equipment) Directive 2004/108/EG (EMV directive) Harmonized European standards.10 DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA. bandejas de cabo. • • • • • • • Padrões Europeus. Os desenhos apresentados pelos fornecedores deverão seguir as seguintes escalas: • • • Desenhos de layout 1:500. Status final será emitido no final do processo.“ O número de documentos a serem entregues pelo fornecedor será de duas cópias cada. Deverá ser indicado pelo fornecedor uma pessoa que em conjunto com o cliente será responsável pela distribuição dos documentos relevantes ao projeto para os principais fornecedores e parceiros envolvidos. localização de instrumentos e diagramas de estrutura 1:50 47 . Toda a documentação deverá ser preparada em Português (opcionais em Inglês) Para a preparação dos documentos de engenharia as seguintes normas européias e especificações técnicas serão seguidas. por exemplo.3.: EN 1034 part 1 ff: ”Safety Requirements for the Design and Construction of Machines and Equipment for Paper Manufacture.

xls) para planilhas e balanços de massa Word (. MS Project (. 1:25 Os formatos disponíveis para envio de documentos em formato eletrônico serão: • • • • Auto CAD Versão 2004 para desenhos e fluxogramas Microsoft Excel (. 1:10. Outros formatos específicos estarão sujeitos a avaliação e acordos específicos antes da assinatura do contrato. Caso seja aprovada a transferência de documentos por internet e/ou email o cliente deverá providencia os pré-requisitos necessários para isto (caixa de email com capacidade de aproximadamente 100 MB) 48 .doc) para manuais.msp) para cronogramas O fornecedor deverá utilizar desenhos da séria A (SFS 4415 ISSO 5457) para desenhos e A4 para documentos. descritivos. Tamanhos A0 deverão ser evitados.• Detalhes 1:50. 1:20. relatórios e correspondências em geral.

11 ESTRUTURA ANALITICA – EAP – ATÉ NÍVEL 2 Figura 6 – Estrutura Analítica – EAP Nível 2 49 .3.

2.3.2 1.1 1.3.3.6 1.1.1.11 1.5 3.00% 50 .6 3.2 2.3.2 2.5 2.6.1.9 1.3 1.3.2 1.1 3.2.3.2 2.1 3.3 1.4 3.2 3.1.2 2.7 3.3.2 2.PROJETO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES WBS Code 0 1 1.3.1.1.2.2.12 ESTRUTURA ANALITICA – EAP – ATÉ NÍVEL 3 EAP .3.3 3.7.2.2.8 1.3.1 2.10 1.5.2 2.2 3.1.3 3.1 1.3 3.2 1.2.7 2.1 2.2.1 3.2.1 2.5 3.4 1.1 1.6 3.4 3.7 NÍVEL 0 NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 PROJETO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES Gerenciamento do Projeto Mobilização da Equipe de projeto Mobilização da Equipe de Gerenciamento.3 3.1 2.1 2.2 1.2.2.5.2.2 3.1 3.2.4.5 1.4 2. Engenharia e Suprimento Mobilização da Equipe de Construção e Montagem Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Plano de Gerenciamento de Escopo Plano de Gerenciamento de Tempo Plano de Gerenciamento de Custo Plano de Gerenciamento de Qualidade Plano de Gerenciamento de Comunicação Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos Plano de Gerenciamento de Riscos Plano de Gerenciamento de Aquisições Plano de Gestão Integrada Aprovação do Plano de Gerenciamento do Projeto Reunião de Kick Off Auditoria Auditoria na Contratação de Fornecedores de Equipamentos Auditoria na Construção e Montagem Encerramento Projeto Executivo Terraplanagem e Civil Especificações de Obras Civis Desenhos de Construção Processo Especificações de Processo Fluxogramas de Processo Mecânica Lista de Equipamentos Fluxogramas Mecânicos Tubulação Especificações de Materiais de Tubulação Arranjo Geral de Equipamentos Estrutura Metálica Especificações de Perfis Metálicos Diagramas Unifilares Elétrica Especificações Gerais Diagramas Elétricos Instrumentação e Automação Especificações Gerais Diagramas Lógicos e Segurança Suprimentos de Equipamentos e Materiais Equipamentos Mecânicos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Mecânicos Preparação de RFP para equipamentos Mecânicos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Análise das Propostas do Fornecedores de equipamentos Mecânicos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Mecânicos Entrega dos Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de RFP para Equipamentos e Materiais Elétricos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Contratação do Fornecedor de Equipamentos e Materiais Elétricos Entrega dos Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Preparação de RFP para Equipamentos e Materiais de Instrumentação Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Contratação do Fornecedor de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Entrega dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação 100.3 2.4 2 2.3.1.3.7.1 1.4 3.1 2.1 2.4.2 3 3.6 2.2.7 1.2.5 3.2 2.1.2.1 2.1.2 3.6.2.1.2.7 3.2.2.6 3.

1 3.1.2 5.4.2 7.4 3.5.2 4.4 3.4.5.2.4 5.4.3.4 3.3 4.1 4.5.2.6 4.4.6 3.5 4.3 3.3.4.3 4.5.4 EAP .1 4.WBS Code 3.2.PROJETO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES NÍVEL 0 NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 Materiais de Tubulações Preparação de Especificação Técnica dos Materiais de Tubulações Preparação de RFP para Materiais de Tubulações Envio de RFP a Fornecedores de Materiais de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Materiais de Tubulações Análise das Propostas dos Fornecedores de Materiais de Tubulações Contratação do Fornecedor de Materiais de Tubulações Entrega dos Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Gerais Envio de RFP a Fornecedores dos Equipamentos Gerais Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos Gerais Contratação do Fornecedor de Equipamentos Gerais Entrega dos Equipamentos Gerais Suprimento de Serviços Serviços de Construção Civil Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção Civil Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Construção Civil Contratação do Prestador de Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Mecânica Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem de Tubulações Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Contratação do Prestador de Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentaçãol Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Retorno das Propostas de Prestadores deServiços de Isolamento e Pintura Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Contratação do Prestador de Serviços de Isolamento e Pintura Construção e Montagem Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Montagem Mecânica Montagem de Tubulação Montagem Elétrica e Instrumentação Isolamento e Pintura Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Comissionamento e Testes de Equipamentos Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento de Elétrica e Instrumentação Testes Pré-Operacionais Treinamento de Operadores e Manutenção Pré-Operação e Partida Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de Instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional Tabela 6 – Estrutura Analítica – EAP Nível 3 51 .1.1 4.4 4.1 5.5.6 3.4.7 3.3.5.2 4.6 4.3 4.3 6.4.4 4.2 3.3 3.2 4.5 3.1.4.1.2.6 4.5.3.3 4.5.1 4.6 5.1 3.4.5 3.3 4.1 4.3 4.4.5.2 3.2 4.3 5.2 4.5 4.4 4.1.5 3.3.4.1 4.5 5.6 4.4.5 4.6 5 5.4.5.4 4.4 7 7.5 4.4 4.7 6 6.2 6.5 4.2.5.2.5.3 7.1.7 4 4.1 6.5.2 4.1 7.5 4.3.4 4.

desenvolvimento e gerenciamento da equipe de projeto Definem os processos de identificação. a execução.5 Plano de Gerenciamento de Comunicação 1.1 Equipe de Gerenciamento completa conforme Organograma e Histograma definido no Plano de Recursos Humanos Equipe de Construção e Montagem mobilizada de acordo com Histograma definido no Plano de Recursos Humanos 1. coleta. Montagem. disseminação.2 Plano de Gerenciamento de Tempo Plano de Gerenciamento de Tempo emitido Plano de Gerenciamento de Custo emitido 1. Engenharia e Suprimento Mobilização da Equipe de Construção e Montagem Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto 1.3. contratação ou mobilização.1 Plano de Gerenciamento de Escopo Plano de Gerenciamento de Escopo emitido 1.1. para a conclusão do projeto com sucesso. monitoramento.2. Aprovação do Plano de Gerenciamento Global do Projeto ESPECIFICAÇÃO CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO 1 Gerenciamento do Projeto 1.8 1.1.13 DICIONARIO DA EAP DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP 0 PACOTE DE TRABALHO PROJETO ESTAÇÃO DE EFLUENTES Processos necessários para a abertura.2.10 52 .6 Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos Plano de Gerenciamento de Riscos Plano de Gerenciamento de Aquisições Plano de Gestão Integrada Aprovação do Plano de Gerenciamento do Projeto Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos emitido Plano de Gerenciamento de Riscos emitido Plano de Gerenciamento de Aquisições emitido Plano de Gestão Integrada emitido revisão dos demais planos de acordo com os comentários e sua integração completa Plano de Gerenciamento do Projeto Aprovado 1.3 Plano de Gerenciamento de Custo 1.2. Comissionamento e Partida da planta Elaboração do Plano que define como serão executados os diversos processos relacionados ao Gerenciamento do Projeto O plano de gerenciamento do escopo do projeto se inicia pela análise das informações contidas na Declaração do Projeto. a iniciação. estimativa. a execução e o controle do Projeto nas áreas de Gerenciamento.2.2. controle e na garantia de que os projeto satisfará os requisitos de qualidade especificados. determinação do orçamento e controle de custos de modo que o projeto termine no orçamento aprovado Definem os processos de planejamento.1 Mobilização da Equipe de projeto Mobilização da Equipe de Gerenciamento. a execução e o controle da fase de Construção. e garante a execução de todo trabalho necessário. Engenharia e Suprimentos Obtenção e ajuntamento de recursos humanos necessários para desenvolver o planejamento. armazenamento e destinação final das informações do projeto de forma adequada Descreve os processos envolvidos no planejamento. serviços ou resultados para o projeto Definem os processos e as atividades que integram os diversos elementos do gerenciamento de projetos.2.2 1. Identifica os processos relativos à geração. o controle e monitoramento e o encerramento do Projeto de Implantação da Estação de Tratamento de Efluentes das Indústrias Reunidas Presto Obtenção e ajuntamento de recursos humanos necessários para desenvolver o planejamento. e somente o trabalho necessário.2. o planejamento.2. a execução e o controle do projeto Obtenção e ajuntamento de recursos humanos necessários para desenvolver o planejamento.7 1.9 1.2 1.2. análise e controle dos riscos do projeto Descrevem os processos envolvidos na compra ou aquisição de produtos.2. Esse plano concentra todos os processos necessários para garantir a conclusão do projeto no prazo estipulado Envolve os processos para planejamento.4 Plano de Gerenciamento de Qualidade Plano de Gerenciamento da Qualidade emitido Plano de Gerenciamento da Comunicação emitido 1.

4 Tubulação 2. Desenhos e Especificações Gerais de Mecânica conforme Lista de Documentos da Disciplina de Mecânica emitidos aprovados para execução Projeto detalhado das interligações de Todos os Documentos. das principais entregas e do cronograma.3 Mecânica 2.3.1 Lições Aprendidas do Projeto 1. Desenhos e estruturas metálicas de acesso aos Especificações de Estrutura Metálica equipamentos e instrumentos da planta para conforme Lista de Documentos da possibilitar operação e manutenção da Disciplina de Estrutura Metálica emitidos unidade aprovados para execução Identificação dos motores e cargas elétricas da Todos os Documentos. seus componentes mecânicos e sua disposição física em função do seqüenciamento operacional Relatório com os Registros de lições aprendidas durante o desenvolvimento do projeto emitido. possibilitando uma melhor compreensão dos seus objetivos. Compreende todas as atividades necessárias que permitam a aquisição de equipamentos e materiais bem como a contratação dos serviços de construção e montagem. Relatório final das atividades concluídas. desenhos e definições de Documentos da Disciplina de Elétrica de materiais para distribuição de energia emitidos aprovados para execução 53 .1 Auditoria na Contratação de Fornecedores de Equipamentos 1. Especificações de Tubulação conforme arranjos de tubulação e detalhamento de Lista de Documentos da Disciplina de isométricos para pré-fabricação e montagem Tubulação emitidos aprovados para execução Definição de desenhos dimensional das Todos os Documentos.4 Encerramento 1. Desenhos e unidade. Desenhos e Especificações Gerais de Construção conforme Lista de Documentos da Disciplina de Civil emitidos aprovados para execução Todos os Documentos. incluindo os indicadores de resultados.5 Estrutura Metálica 2. suas fundações e construção de suas instalações de concreto para o recebimento dos demais itens de fornecimento e montagem Atividades para definições das funções e finalidades da unidade de processo.1 Terraplanagem e Civil Todos os Documentos.4.2.3. Verificação do cumprimento dos requisitos mínimos exigidos em um processo desenvolvido para execução do projeto Verificação do cumprimento dos requisitos mínimos exigidos para possibilitar a contratação de fornecedores de equipamentos e materiais do ponto de vista legal e jurídico Verificação do cumprimento dos requisitos mínimos exigidos para possibilitar a contratação de serviços de Construção e Montagem do ponto de vista legal e jurídico Processo de finalização de todas as atividades do Projeto Registro da aprendizagem obtida no processo de implantação do Projeto. as análises e a documentação do trabalho do Projeto.2 Auditoria na Construção e Montagem Relatórios de Auditoria de Contratação de Serviços de Construção e Montagem emitidos 1. Desenhos e tubulação entre equipamentos e sistemas. para fornecer uma visão geral sobre o mesmo.11 Reunião de Kickoff 1.6 Elétrica Todos os Documentos.3 Auditoria 1.2 Relatório de Encerramento 2 Projeto Executivo 2. tecnologias utilizadas.2 Processo 2. e forneça as orientações para a instalação da unidade projetada Compreende todos os serviços previsto em desenhos e especificações para que haja preparação do terreno.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP PACOTE DE TRABALHO ESPECIFICAÇÃO Reunião com os principais interessados para apresentação do Plano de Gerenciamento do Projeto. dimensionamento de equipamentos Especificações de Elétrica conforme Lista elétricos de instalação. Desenhos e Especificações de Processo conforme Lista de Documentos da Disciplina de Processo emitidos aprovados para execução 2. diagramas operacionais e documentos que possibilitem o detalhamento da unidade Definição física da instalação. anexo ao Relatório de Encerramento Relatório de Encerramento emitido e aprovado pelo Patrocinador Relatórios de Auditoria de Contratação de Fornecedores emitidos CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Ata de Reunião assinada da realização do kickoff meeting 1.4.

Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.1. controle e segurança operacional da unidade operacional.1.2 3.1.6 3.2. cotações.2.5 54 .1 Equipamentos Mecânicos 3.4 3.4 3. negociação.7 Instrumentação e Automação 3 Suprimentos de Equipamentos e Materiais 3. inspeções.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP PACOTE DE TRABALHO ESPECIFICAÇÃO Projeto conceitual de controle. prazo e custo do equipamento Negociação e Contratação do fornecedor de Equipamentos Mecânicos Recebimento dos Equipamentos Mecânicos na Obra Compreende todos os equipamentos e materiais elétricos necessários na instalação da unidade Elaboração da Especificação Técnica dos Equipamentos e Materiais Elétricos para possibilitar cotação no mercado para obtenção de propostas técnicas e comerciais de equipamentos e materiais para a instalação de acordo com o projetado Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.1.1.3 3. determinação dos instrumentos para monitoramento.OC / Autorização de Fornecimento . avaliações comerciais e técnicas. Desenhos e Especificações de Instrumentação e Automação conforme Lista de Documentos da Disciplina de Instrumentação e Automação emitidos aprovados para execução 2.AF com todos os fornecedores dos Equipamentos Mecânicos Recebimento de 100% dos Equipamentos Mecânicos de acordo com Lista de Equipamentos Mecânicos 3. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.1.2.1 Emissão de todas as especificações detalhadas dos Equipamentos Elétricos e Listas de Materiais Elétricos aprovadas para compra Preparação de todas as RFP´s para envio ao mercado em conjunto com as ET´s dos Equipamentos Elétricos e Lista de Materiais Elétricos Envio de todas as RFP´s e ET´s de Equipamentos Elétricos e Lista de Materiais Elétricos ao mercado Recebimento de todas as Propostas Técnicas e Comerciais dos Equipamentos Elétricos e Materiais Elétricos Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção dos fornecedores de todos os Equipamentos e Materiais Elétricos encerrados 3.7 3.2. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade. contratação e acompanhamento de fabricação.3 3.2 3.2 3.1. liberação.2. projeto e desenhos de instalações e interligações de sistemas e instrumentos Compreende todos os processos envolvidos na compra ou aquisição e Equipamentos e Materiais para o projeto.5 3.1 Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Mecânicos Preparação de RFP para equipamentos Mecânicos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos Mecânicos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Mecânicos Entrega dos Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de RFP para Equipamentos e Materiais Elétricos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos e Materiais Elétricos Emissão de todas as especificações detalhadas dos Equipamentos Mecânicos aprovadas para compra Preparação de todas as RFP´s para envio ao mercado em conjunto com as ET´s dos Equipamentos Mecânicos Envio de todas as RFP´s e ET´s de Equipamentos Mecânicos ao mercado Recebimento de todas as Propostas Técnicas e Comerciais dos Equipamentos Mecânicos Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção dos fornecedores de todos os Equipamentos Mecânicos encerrados Assinatura de todas as Ordens de Compra . desde o processo de seleção de fornecedores. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes. prazo e custo do equipamento CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Todos os Documentos. transporte e recebimento Compreende todos os equipamentos mecânicos necessários na instalação da unidade Elaboração da Especificação Técnica dos Equipamentos Mecânicos para possibilitar cotação no mercado para obtenção de propostas técnicas e comerciais de equipamentos e materiais para instalação de acordo com o projetado Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.

3. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.3.AF com todos os fornecedores dos Equipamentos e Materiais Elétricos Recebimento de 100% dos Equipamentos e Materiais Elétricos de acordo com Lista de Equipamentos Elétricos e Lista de Materiais Elétricos 3.3 3.4.7 3.AF com todos os fornecedores dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Recebimento de 100% dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação de acordo com Lista de Equipamentos de Instrumentação (Instrumentos e Sistemas de Controle.3 3. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.4. Automação e Segurança) e Lista de Materiais de Instrumentação CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Assinatura de todas as Ordens de Compra .4 3.3. automação e sistemas de controle e segurança necessários na instalação da unidade Elaboração da Especificação Técnica dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação para possibilitar cotação no mercado para obtenção de propostas técnicas e comerciais de equipamentos e materiais para a instalação de acordo com o projetado Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.5 3.4 55 . Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Emissão de todas as especificações detalhadas e Listas de Materiais de Tubulação aprovadas para compra Preparação de todas as RFP´s para envio ao mercado em conjunto com as ET´s e Lista de Materiais de Tubulação Envio de todas as RFP´s e ET´s e Lista de Materiais de Tubulação ao mercado Recebimento de todas as Propostas Técnicas e Comerciais dos Materiais de Tubulação 3.6 PACOTE DE TRABALHO Contratação do Fornecedor de Equipamentos e Materiais Elétricos Entrega dos Equipamentos e Materiais Elétricos ESPECIFICAÇÃO Negociação e Contratação do fornecedor de Equipamentos e Materiais Elétricos Recebimento dos Equipamentos e Materiais Elétricos na Obra Compreende todos os equipamentos e materiais de instrumentação.2 Preparação de RFP para Equipamentos e Materiais de Instrumentação Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos e Materiais de Instrumentação Contratação do Fornecedor de Equipamentos e Materiais de Instrumentação 3.1 Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos e Materiais de Instrumentação 3. válvulas e itens especiais necessários na instalação da unidade Elaboração da Especificação Técnica dos Materiais de Tubulação para possibilitar cotação no mercado para obtenção de propostas técnicas e comerciais de materiais para a instalação de acordo com o projetado Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.4. prazo e custo do equipamento Emissão de todas as especificações detalhadas dos Equipamentos de Instrumentação e Listas de Materiais de Instrumentação aprovadas para compra Preparação de todas as RFP´s para envio ao mercado em conjunto com as ET´s dos Equipamentos de Instrumentação e Lista de Materiais de Instrumentação Envio de todas as RFP´s e ET´s de Equipamentos de Instrumentação e Lista de Materiais de Instrumentação ao mercado Recebimento de todas as Propostas Técnicas e Comerciais dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção dos fornecedores de todos os Equipamentos e Materiais de Instrumentação encerrados Assinatura de todas as Ordens de Compra .3.4 Materiais de Materiais de Tubulações Compreende todos os materiais de tubulação como tubos.2.7 Entrega dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Recebimento dos Equipamentos e Materiais de Instrumentação na Obra 3.OC / Autorização de Fornecimento .3.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP 3.3 Equipamentos e Materiais de Instrumentação 3.3.1 Preparação de Especificação Técnica dos Materiais de Tubulações 3.3.4.2 Preparação de RFP para Materiais de Tubulações Envio de RFP a Fornecedores de Materiais de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Materiais de Tubulações 3.6 Negociação e Contratação do fornecedor de Equipamentos e Materiais de Instrumentação 3. conexões.OC / Autorização de Fornecimento . Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.2.

6 3.2 Emissão de todas as especificações.5. cotações.6 3.5.1 Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais 3.3 3.4. desde o processo de seleção de empresas prestadoras de serviço. avaliações comerciais e técnicas.5 3.7 3.5.OC / Autorização de Fornecimento .7 Entrega dos Equipamentos Gerais 4 Suprimento de Serviços 4.4. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.5 3.4. negociação.1 Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil 4.5. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.1 Serviços de Construção Civil 4.5.1. desenhos e lista de quantitativos detalhadas e Memorial Descritivo (Pacote de Construção Civil) aprovados para cotação Preparação da carta convite para envio ao mercado com o pacote de construção civil 56 . prazo e custo dos materiais Negociação e Contratação do fornecedor de Materiais de Tubulações Recebimento dos Materiais de Tubulação na Obra Compreende todos os equipamentos Gerais necessários na instalação da unidade Elaboração da Especificação Técnica dos Equipamentos Gerais para possibilitar cotação no mercado para obtenção de propostas técnicas e comerciais de equipamentos em geral para instalação de acordo com o projetado Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica. Emissão de todas as especificações detalhadas dos Equipamentos Gerais (miscelâneas e itens especiais) aprovadas para compra CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção dos fornecedores de todos os Equipamentos e Materiais de Instrumentação encerrados Assinatura de todas as Ordens de Compra .AF com todos os fornecedores dos Materiais de Tubulação Recebimento de 100% dos Materiais de Tubulação de acordo com Lista de Materiais de Tubulação 3.5 3. avaliações.5. inspeções. prazo e custo do equipamento Negociação e Contratação do fornecedor de Equipamentos Gerais Recebimento dos Equipamentos Gerais na Obra Compreende todos os processos envolvidos na contratação de Serviços para o projeto. gestão dos contratos Compreende todos os processos necessários para obtenção de cotação e para contratação de empresa fornecedora de serviços de construção civil. incluindo materiais de consumo e maquinários e ferramentas necessárias Elaboração dos Requisitos Técnicos necessários para cotação e contratação dos serviços de construção civil de acordo com o projeto de detalhamento de civil Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.5.2 Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Envio de RFP a Fornecedores dos Equipamentos Gerais Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos Gerais Contratação do Fornecedor de Equipamentos Gerais Preparação de todas as RFP´s para envio ao mercado em conjunto com as ET´s dos Equipamentos Gerais Envio de todas as RFP´s e ET´s de Equipamentos Gerais ao mercado Recebimento de todas as Propostas Técnicas e Comerciais dos Equipamentos Gerais Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção dos fornecedores de todos os Equipamentos Gerais encerrados Assinatura de todas as Ordens de Compra .4 3.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP PACOTE DE TRABALHO Análise das Propostas dos Fornecedores de Materiais de Tubulações Contratação do Fornecedor de Materiais de Tubulações Entrega dos Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais ESPECIFICAÇÃO Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.1.AF com todos os fornecedores dos Equipamentos Gerais Recebimento de 100% dos Equipamentos Gerais (miscelâneas e itens especiais) de acordo com as Listas de Equipamentos Gerais 3.OC / Autorização de Fornecimento . contratação e acompanhamento das atividades de execução dos serviços na obra.

2.4 57 .DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP 4. prazo e custo da montagem mecânica Negociação e Contratação do prestador de serviços de montagem mecânica Compreende todos os processos necessários para obtenção de cotação e para contratação de empresa fornecedora de serviços de préfabricação e montagem de tubulações.2 Serviços de Montagem Mecânica 4.3 Serviços de Montagem de Tubulações 4.3. desenhos e lista de quantitativos detalhadas e Memorial Descritivo de Equipamentos e Estrutura Metálica (Pacote de Montagem Mecânica) aprovados para cotação Preparação da carta convite para envio ao mercado com o pacote de Montagem Mecânica Envio da RFP com o Pacote de Construção Montagem Mecânica Recebimento de todas as propostas técnicas e comerciais para os serviços de montagem mecânica Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção da empresa de Montagem Mecânica Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Envio da RFP com o Pacote de Construção Recebimento de todas as propostas técnicas e comerciais para os serviços de construção civil Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção da empresa de Construção Civil Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços de Construção Civil 4.5 4.1.2.2 4.3 PACOTE DE TRABALHO Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção Civil Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Construção Civil Contratação do Prestador de Serviços de Construção Civil ESPECIFICAÇÃO Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes. incluindo materiais de consumo e maquinários e ferramentas necessárias Elaboração dos Requisitos Técnicos necessários para cotação e contratação dos serviços de pré-fabricação e montagem de tubulações de acordo com o projeto de detalhamento de instalação de tubulação Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.1.4 4.2.3. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.1.1. Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica. incluindo materiais de consumo e maquinários e ferramentas necessárias Elaboração dos Requisitos Técnicos necessários para cotação e contratação dos serviços de montagem mecânica de acordo com o projeto de detalhamento de instalação mecânica.2.1 Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Mecânica Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Mecânica 4.3 4. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.3.2.2 Emissão de todas as especificações. prazo e custo da construção civil Negociação e Contratação do prestador de serviços de Construção Civil Compreende todos os processos necessários para obtenção de cotação e para contratação de empresa fornecedora de serviços de montagem mecânica.3 4.6 4. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Emissão de todas as especificações.4 4.1 Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem de Tubulações 4. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes. desenhos e lista de quantitativos detalhadas e Memorial Descritivo de Fabricação e Montagem de Tubulação aprovados para cotação Preparação da carta convite para envio ao mercado com o Pacote de Fabricação e Montagem de Tubulação Envio da RFP com o Pacote de Fabricação e Montagem de Tubulação Recebimento de todas as propostas técnicas e comerciais para os serviços de fabricação e montagem de tubulação.2.5 4. 4.3.6 4.

3 4.2 Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Isolamento e Pintura Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura 4. Tubulações e Estruturas Metálicas (Pacote de Isolamento e Pintura) aprovados para cotação Preparação da carta convite para envio ao mercado com o Pacote de Isolamento e Pintura Envio da RFP com o Pacote de Isolamento de Pintura Recebimento de todas as propostas técnicas e comerciais para os serviços de isolamento e pintura Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção da empresa de serviços de isolamento e pintura CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção da empresa de Fabricação e Montagem de Tubulação Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços de Fabricação e Montagem de Tubulação 4.6 4.5.3. desenhos e lista de quantitativos detalhadas e Memorial Descritivo de Montagem Elétrica aprovados para cotação Preparação da carta convite para envio ao mercado com o Pacote de Montagem Elétrica Envio da RFP com o Pacote de Montagem Elétrica Recebimento de todas as propostas técnicas e comerciais para os serviços de montagem elétrica Processo de Análise das tabulações e Pareceres Técnicos e Comerciais das Propostas apresentadas e seleção da empresa de Montagem Elétrica Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica 4.5 58 . prazo e custo da pré-fabricação e montagem de tubulações Negociação e Contratação do prestador de serviços de pré-fabricação e montagem de tubulações Compreende todos os processos necessários para obtenção de cotação e para contratação de empresa fornecedora de serviços de montagem elétrica e instrumentação.5 4. prazo e custo da montagem elétrica e instrumentação Negociação e Contratação do prestador de serviços de montagem elétrica e instrumentação Compreende todos os processos necessários para obtenção de cotação e para contratação de empresa fornecedora de serviços de isolamento e pintura de equipamentos e tubulações.1 Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Isolamento e Pintura 4.5.4.3 4.4 Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação 4. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.4.5.2 4. Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.4. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade. Encaminhamento da RFP e Especificação Técnica aos proponentes.4 4.1 Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Emissão de todas as especificações. incluindo materiais de consumo e maquinários e ferramentas necessárias Elaboração dos Requisitos Técnicos necessários para cotação e contratação dos serviços de montagem elétrica e instrumentação de acordo com o projeto de detalhamento de instalação elétrica e instrumentação Elaboração da solicitação de apresentação de proposta técnica e comercial conforme especificação técnica.4 4. Recebimento das Propostas Técnicas e Comerciais Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.5 Serviços de Isolamento e Pintura 4. prazo e custo dos serviços de isolamento e pintura de equipamentos e tubulações Emissão das especificações. desenhos e lista de itens a isolar e pintar com os quantitativos detalhados e Memorial Descritivo para Isolamento e Pintura de Equipamentos.4.3. incluindo materiais de consumo e maquinários e ferramentas necessárias Elaboração dos Requisitos Técnicos necessários para cotação e contratação dos serviços de isolamento e pintura de equipamentos e tubulações de acordo com o projeto de detalhamento de instalação mecânica.4.5.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP PACOTE DE TRABALHO Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Contratação do Prestador de Serviços de Montagem de Tubulações ESPECIFICAÇÃO Análise Técnica e Comercial das Propostas recebidas e seleção da proposta mais adequada aos requisitos de qualidade.6 4.5 4.5.4.

Tubulação itens estipulados no Memorial interconexões entre equipamentos e instalação Descritivo de Fabricação e Montagem de completa de acordo com o projeto de Tubulação e medições 100% dos serviços tubulações acompanhamento por PUNCH LIST (Lista de Pendências) até aceitação da montagem. Execução dos Serviços de Construção Civil. bem como de instrumentos e sistemas de automação e controle 6 Comissionamento e Testes de Equipamentos 6. elétrica e de instrumentação Montagem de todos os equipamentos mecânicos sobre as base.1 Comissionamento Mecânico e Lubrificação Relatórios por sistema mecânico evidenciando a preparação e testes a frio de todos os sistemas mecânicos da instalação Relatório por sistema elétrico e de instrumentação evidenciando a preparação e testes a frio de todos os sistemas elétricos da instalação 6. acompanhamento dos prestadores de serviços. verificação de óleos em transformadores.4 Montagem de Tubulação 5. inspeção da obra e aceite da obra.5.6 Isolamento e Pintura 5. Finalização dos Serviços de Isolamento e Pintura conforme itens estipulados no Memorial Descritivo de Isolamento e Pintura e medições 100% dos serviços acompanhamento por PUNCH LIST (Lista de Pendências) até aceitação da instalação Remoção de entulhos e desmobilização completa do pessoal da obra devidamente evidenciados 5.7 Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Desmobilização de Pessoal e retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Atividades de Lavagem.2 Construção Civil 5. sopragem e inertização onde necessário nas instalações bem como testes de equipamentos rotativos e preparação dos equipamentos para colocação em funcionamento como lubrificação. Preparação dos equipamento mecânicos para a posta em marcha e lubrificação de acordo com a especificação dos fornecedores dos sistemas e equipamentos. armações e estruturas de concreto e metálicas para recebimento dos itens de instalação mecânica.2 Comissionamento de Elétrica e Instrumentação 59 .6 PACOTE DE TRABALHO Contratação do Prestador de Serviços de Isolamento e Pintura ESPECIFICAÇÃO Negociação e Contratação do prestador de serviços de isolamento e pintura de equipamentos e tubulações Compreende todas as atividades necessárias que permitam a construção e montagem das instalações desde a implantação do canteiro de obra. testes de malhas. Montagem de todos os equipamentos elétricos Finalização dos Serviços de Montagem e sistemas de automação e controle sobre as base. sua fixação e instalação de instrumentos Elétrica conforme itens estipulados no e materiais elétricos e de instrumentação para Memorial Descritivo de Montagem Elétrica e medições 100% dos serviços interconexão dos sistema e acessórios de acompanhamento por PUNCH LIST (Lista acordo com o projeto elétrico e de de Pendências) até aceitação da montagem instrumentação Execução dos Serviços contratados para isolamento e pintura dos equipamentos e tubulações. referentes a movimentação de terra. sua fixação e instalação completa de acordo com o projeto mecânico CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura 5 Construção e Montagem 5. bem como execução dos escritórios e oficinas próximos ao local da obra. sua suportação. etc. formas.1 Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Finalização da contratação de pessoal e instalações para supervisão dos trabalhos de acordo com histograma 5.5 Montagem Elétrica e Instrumentação Finalização dos Serviços de Construção Civil conforme itens estipulados no Memorial Descritivo de Construção Civil e medições 100% dos serviços acompanhamento por PUNCH LIST (Lista de Pendências) até aceitação da obra Finalização dos Serviços de Montagem Mecânica conforme itens estipulados no Memorial Descritivo de Montagem Mecânica e medições 100% dos serviços acompanhamento por PUNCH LIST (Lista de Pendências) até aceitação da montagem Fabricação e montagem de todas as Finalização dos Serviços de Montagem de tubulações e acessórios. montagem eletromecânica e finalização e entrega da unidade em condições de iniciar comissionamento e partida Contratação e mobilização de pessoal para a supervisão.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP 4. obras civis.3 Montagem Mecânica 5. verificação dos isolamentos e proteções necessárias antes da colocação em operação Atividades de preparação dos equipamentos elétricos para a partida. isolamentos e proteções. concreto.

corrente elétrica em equipamentos rotativos.3 Confirmação dos Parâmetros de Garantia 7. antes do teste de desempenho Aferição e calibração de instrumentos. ajustes de instrumentos com aferição e ajuste laboratorial Teste de Desempenho para confirmar que os parâmetros de garantia definidos na especificação foram atingidos dentro de um período contínuo e estável de operação de no mínimo 72 horas Acompanhamento por 20 dias após início de operação para confirmar a confiabilidade da instalação em repetir o desempenho CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO 6.3 PACOTE DE TRABALHO Testes Pré-Operacionais ESPECIFICAÇÃO Testes de rotação. Atividades relacionadas a testes de desempenho de equipamentos.4 Acompanhamento Operacional Tabela 7 – Dicionário da EAP 60 . medições de tensões.2 Calibração de Instrumentos 7. ajustes de sistemas Atividades de acompanhamento do comissionamento por operadores e pessoal de manutenção para aprendizagem das instalações tanto no campo como em sala de aula para torná-los aptos a receber a unidade após a entrega da mesma. instrumentos e da instalação no atingimento dos parâmetros de projeto Execução de testes operacionais dos sistemas e equipamentos instalados para confirmar a capacidade individual dos mesmos. repetindo o resultado do teste de desempenho 7. conforme previsto nos planos de treinamento a serem desenvolvidos em fase posterior Registros de Testes pré-operacionais bem sucedidos Relatórios por Sistemas Operacionais completados. confirmado através da emissão do relatório do teste de desempenho Após 20 dias de operação normal e contínua da unidade. informando conteúdo e horas de treinamento. testados e aprovados de acordo com o estipulado em suas especificações e requisitos operacionais Relatórios por Sistemas de Medição e controle completados.DICIONÁRIO DA EAP CODIGO DA EAP 6. testados e aprovados de acordo com o estipulado em suas especificações e requisitos funcionais Atingimento dos parâmetros de garantia de acordo com o teste previsto em contrato.4 Treinamento de Operadores e Manutenção 7 Pré-Operação e Partida Registro dos Treinamentos com as devidas assinaturas dos treinandos.1 Testes de Capacidade dos Equipamentos 7. titulação de analisadores.

4. para que possa ser discutido em reunião de acompanhamento a ser realizada.1 DEFINIÇÃO DAS ATIVIDADES O Plano de Gerenciamento do Tempo descreve os processos que serão usados para gerenciar o cronograma do projeto e foi desenvolvido a partir das informações definidas na EAP disponibilizada nas Indústrias Reunidas Presto S.2 DETERMINAÇÃO DAS DURAÇÕES DAS ATIVIDADES A duração das atividades foi baseada na experiência dos profissionais envolvidos em cada atividade chave. o desempenho das atividades versus o tempo alocado. Diagrama de Redes (PDM) contendo o Caminho Crítico.A. estimativa de duração das atividades e do projeto (PERT). sob a coordenação do Gerente do Projeto. Este Plano inclui a monitoração das atividades em andamento..3 ATUALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO CRONOGRAMA As Indústrias Reunidas Presto S. lista de atividades. 4.4 PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO 4. que será realizada a medição quinzenal do avanço das atividades no cronograma. Informações históricas de outros projetos semelhantes também foram utilizadas como base de dados. em função da complexidade do projeto. marcos (milestones) do projeto.A. definiu. após distribuição dos relatórios 61 . e a avaliação do desempenho total do projeto. cronograma resumido (mapa de batalha) e o cronograma do Projeto (MS-Project). lista de recursos das atividades. responsabilidade pela atualização do cronograma do projeto. Todas as empresas que foram convidadas a participar na fase de orçamentação preliminar para o projeto foram consultadas sobre os prazos e necessidades necessários para as atividades. É apresentado também como será feito o controle a identificação de atrasos potenciais do projeto.

2 1.3.4 1.2.2 1.2.2.1 2.2 2.1 1.7 1.10 Aprovação do Plano de Gerenciamento do Projeto 1.3 1.3 2.2.11 Reunião de Kickoff 1.1 1.1.3 1.2. Essa lista é bastante abrangente e contempla todas as atividades do cronograma planejadas para serem realizadas no projeto.5 1.1 Auditoria Auditoria na Contratação de Fornecedores de Equipamentos Auditoria na Construção e Montagem Encerramento Lições Aprendidas do Projeto Relatório de Encerramento Projeto Executivo Terraplanagem e Civil Especificações de Obras Civis Desenhos de Construção Processos Especificações de Processo Fluxogramas de Processo Mecânica Lista de Equipamentos Fluxogramas Mecânicos Tubulações Especificações de Materiais de Tubulação 62 .1 2.2.1 2.9 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO DE EFLUENTES .4.2.2. Nessas reuniões sempre deverão estar presentes o Gerente do Projeto e os outros componentes da Equipe por ele convocados.INDÚSTRIAS REUNIDAS PRESTO S.2.2 2.4 2.4 LISTA DE ATIVIDADES DO PROJETO A tabela a seguir é lista de atividades do projeto.definidos no Plano de Comunicação.2 2.2 2 2.2. ID 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 EAP 0 1 1.1 1.8 1.6 1. Gerenciamento do Projeto Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Plano de Gerenciamento de Escopo Plano de Gerenciamento de Tempo Plano de Gerenciamento de Custo Plano de Gerenciamento de Qualidade Plano de Gerenciamento de Comunicação Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos Plano de Gerenciamento de Riscos Plano de Gerenciamento de Aquisições Plano de Gestão Integrada 1.2.4 1.2.1.4. seu item de EAP e código ID da atividade.3.2 2.A.2.3.2 1. 4.1 2.1 1.4.3.

5 3.1 3.4 2.4 3.3.3 3.1 2.5 3.1.4.4 3.2 3.7 3.1 3.7.4.7.6 3.2.1.5.5 2.2.6 2.3.1 3.6 3.1 2.6.3.1 3.2 2.4.2.2.4.2 3.3 3.1.4.7 2.3 3.5.3 3.4.2 3 3.3.6.1 2.1 3.7 3.5 3.3 3.1.6 3.4 3.2 3.4.4 3.7 3.3.2 3.2.6 3.ID 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 EAP 2.5.2 3.7 3.5 3.2.3 Arranjo Geral de Equipamentos Estruturas Metálicas Especificações de Perfis Metálicos Diagramas Unifilares Eletrica Especificações Gerais Diagramas Elétricos Instrumentação e Automação Especificações Gerais Diagramas de Lógicos e Segurança ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO Suprimentos de Equipamentos e Materiais Equipamentos Mecânicos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Análise das Propostas do Fornecedores de equipamentos Mecânicos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Mecânicos Entrega dos Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Elétricos Preparação de RFP para equipamentosElétricos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Elétricos Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos Elétricos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Elétricos Entrega dos Equipamentos Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos de Instrumentação Preparação de RFP para equipamentos de Instrumentação Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos de Instrumentação Contratação do Fornecedor de Equipamentos de Instrumentação Entrega dos Equipamentos de Instrumentação Materiais de Tubulações Preparação de Especificação Técnica das Tubulações Preparação de RFP para Tubulações Envio de RFP a Fornecedores de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Tubulações Análise das Propostas dos Fornecedores de Tubulações Contratação do Fornecedor de Tubulações Entrega das Tubulações Equipamentos Gerais Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Gerais Envio de RFP a Fornecedores dos Equipamentos Gerais 63 .3.5.5 3.4.1.4 3.2 2.5.3.2.

1.2.5.1 5.4 4.1 4.6 3.2.4 4.ID 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 EAP 3.4.3.3 4.5.6 4.2 4.4.5 4.5.4.5.5 4.2 4.2 4.1 5.5 4.1.4 3.4 4.4 4.4.1.4.4 4.5 4.6 4.2 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos Gerais Contratação do Fornecedor de Equipamentos Gerais Entrega dos Equipamentos Gerais Suprimento de Serviços Serviços de Construção Civil Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção Civil Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Construção Civil Contratação do Prestador de Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Mecânica Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem de Tubulações Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Contratação do Prestador de Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Retorno das Propostas de Prestadores deServiços de Isolamento e Pintura Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Contratação do Prestador de Serviços de Isolamento e Pintura Construção e Montagem Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Escavações das Bases Preparação das Armações 64 .1.5.2 4.5 4.7 4 4.3 4.1 4.6 4.2 4.6 4.3 4.2.3.2 4.3.1 4.2.4 4.5.2.5.3 4.1.1 4.5.5.2.1 4.1.3.3 4.5.5 3.3.6 5 5.3.2.2 5.5 4.2.3 4.1 4.4.

1 6.4.4 5.1 7.4 5.5.4.6.3.1 5.5.3.5.3 5.6 5.4.2 6.5 5.6.5 5.7.Polietileno de Alta Densidade Tubulação de Aço Carbono Galvanizado Tubulação de Aço Carbono Revestido com Borracha Montagem Elétrica e Instrumentação Equipamentos Elétricos e de Controle Aterramento em Geral Cabos de Força e Controle Eletrodutos e bandejamento Iluminação Geral Rede Aérea de 13.3.8 5.5.7 5.3.2 7.9 5.2 5.2 5.2 5.4 Montagem de Bases Construção da Casa de Controle Montagem Mecânica ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO Instalação de Equipamento de Flotação Instalação de Bombas Pressurizadas Instalação de Equipamentos de Ar Comprimido Instalação de Tanques de Rejeitos Montagem de Estruturas metálicas Tapamento e Cobertura Montagem de Tubulação Tubulação de Aço Inox Tubulação de Pead .ID 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 EAP 5.1 5.5.2 5.3 5.7 5.3 5.3 6 6.1 5.5 5.5.4.7.6 5.4 5.3 6.2.1 5.2 5.3 5.6.3.1 5.4 5.3 7.3 5.5.8kV Instrumentos Cablagem Eletrodutos e suportes Isolamento e Pintura Lixamento de Estruturas Metálicas Impermeabilização Pintura e Acabamento Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Limpeza Desmobilização de equipamentos Limpeza e retirada de escombros Entrega da área limpa Comissionamento e teste de Equipamentos Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento Elétrico e Instrumentação Testes Pre-operacionais Treinamento de Operadores & Manutenção Pré-Operação e Partida Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional Tabela 8 – Lista de Atividades 65 .4 7 7.5.3.3 5.7.2.6 5.5.4 5.

Dos equipamentos 7.6 88 d 1 Isolamento e Pintura 5. E Manut. Eletr e Instrum Instrumentação e Automação Equipamentos e Mat.3 121 d 4. 6.1 15 d Mobiliz.5 254 d Montagem Elétrica e Instrumentação 2 7.4 10 d Treinamentos de Oper.2 130 d Construção Civil 5.4.1 28 d Terraplanagem e Civil 3.2 79 d Serviço de Mont.5 15 d Estrutura Metálica 4. Mecânica 1 Processo 2.1 0d Mobilização da Equipe de Projeto 1. Elétrico e Instrumentação 2 Montagem Mecânica 5.5 79 d Serviços Isolamento e Pintura 2. permitindo a identificação de seu caminho crítico. e Montagem do Cant.3 10 d Testes Pré Operacionais 6.7 12 d 1.6 20 d Elétrica 3. 2.2 20 d 3.7 20 d Serviço de Mont.1 156 d Equipamentos Mecânicos 4.4 17 d 3.4 133 d Montagem de Tubulação 5.2 5d Calibração de Instrumentos 7.3 86 d Auditoria Tubulações Materiais de Tubulação Serviço de Mont. Projeto 1.3 150 d 6.1 116 d Serviço de Construção Civil Equipamentos Gerais 2. O diagrama com as macro-atividades do Projeto de Construção de Estação de Tratamento de Efluentes é apresentado abaixo.4 15 d Desmobilização Encerramento Legenda Caminho Crítico Figura 7 – Diagrama de Rede Nº Duração Nó de Atividade Macro-Atividade 66 .2 2d Confecção do Plano de Geren.3 1.1 10 d Testes de Capac. de Obras 5.2 10 d Comission.2 146 d Equipamentos e Mat.3 20 d 23 d Mecânica 2.4 146 d 4. De Tubulações 2. Mecânico e Lubrificação 6.4 15 d Acompanhamento Operacional 5.5 DIAGRAMA DE REDES (PDM) CONTENDO O CAMINHO CRÍTICO O Diagrama de Redes mostra o seqüenciamento das atividades do projeto.3 15 d Confirmação de Param. Instrumentação 5.5 106 d 4. Elétricos 3.1 10 d Comission.4 131 d 2. de Garantia 7.

4. 67 .6 LISTA DE RECURSOS DAS ATIVIDADES A tabela 9 abaixo apresenta a lista de atividades do projeto complementada com os recursos humanos e materiais/equipamentos necessários para realizar as diversas atividades do projeto.

TAREFA DESCRIÇÃO Gerenciamento do Projeto RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Gerente do Projeto Gerente de Projeto e Equipe de Gerenciamento de Projeto Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Mobilização da Equipe de projeto Criação do plano de Gerenciamento do Projeto Aprovação do Plano de Gerenciamento do Projeto Diretor Técnico Gerente de Construção. Gerente de Engenharia. Diretor Técnico Reunião de Kick Off Auditoria Auditoria na Contratação de Fornecedores de Equipamentos Auditoria na Construção e Montagem Encerramento do Projeto DESCRIÇÃO Auditor Sênior Auditor Sênior Gerente do Projeto RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Projetista Civil Projetista de Processos Projetista Mecânico Projetista de Tubulação Projetista Mecânico Projetista Elétrico Projetista de Instrumentação e Automação 68 Encerramento TAREFA Projeto Executivo Terraplanagem e civil Processos Mecânica Tubulações Estruturas Metálicas Eletrico Instrumentação e Automação Terraplanagem e civil Processos Mecânica Tubulações Estruturas Metálicas Eletrico Instrumentação e Automação . Gerente de Suprimentos. Gerente do Projeto.

TAREFA DESCRIÇÃO Suprimentos de Equipamentos Equipamentos Mecânicos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Mecânicos RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Mecânico. Gerente de Engenharia Engenheiro Eletricista Assistente Administrativo Departamento Engenharia Engenheiro Eletricista Gerente de Contratos de Engenharia Almoxarife 69 . Gerente de Engenharia Preparação de RFP para equipamentos Mecânicos Engenheiro Mecânico Envio de RFP aos Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos Mecânicos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Mecânicos Entrega dos Equipamentos Mecânicos Equipamentos Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Elétricos Preparação de RFP para equipamentos Elétricos Envio de RFP aos Fornecedores de Equipamentos Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Elétricos Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos Elétricos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Elétricos Entrega dos Equipamentos Elétricos Assistente Administrativo Departamento Engenharia Engenheiro Mecânico Gerente de Contratos de Engenharia Almoxarife Engenheiro Eletricista.

TAREFA

DESCRIÇÃO

Suprimentos de Equipamentos
Equipamentos de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos de Instrumentação Preparação de RFP para equipamentos de Instrumentação Envio de RFP aos Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos de Instrumentação Contratação do Fornecedor de Equipamentos de Instrumentação Entrega dos Equipamentos de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica das Tubulações Preparação de RFP para Tubulações Envio de RFP aos Fornecedores de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Tubulações Análise das Propostas dos Fornecedores de Tubulações Contratação do Fornecedor de Tubulações Entrega das Tubulações Equipamentos Gerais Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais

RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Eletricista; Gerente de Engenharia Engenheiro Eletricista Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Eletricista Gerente de Contratos de Engenharia Almoxarife Engenheiro mecânico; Gerente de Engenharia Engenheiro Mecânico Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Tubulações

Engenheiro Mecânico Gerente de Contratos de Engenharia Almoxarife Engenheiro Eletricista; Engenheiro mecânico;Gerente de Engenharia

70

TAREFA

DESCRIÇÃO

Suprimentos de Equipamentos
Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Envio de RFP aos Fornecedores dos Equipamentos Gerais Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos Gerais Contratação do Fornecedor de Equipamentos Gerais Entrega dos Equipamentos Gerais

RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Eletricista; Engenheiro Mecânico Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Eletricista; Engenheiro Mecânico Gerente de Contratos de Engenharia Almoxarife

TAREFA

DESCRIÇÃO

Suprimento de Serviços
Serviços de Construção Civil Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção Civil Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Engenheiro Civil Construção Civil

RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Civil; Gerente de Construção Engenheiro Civil Assistente Administrativo Departamento Engenharia

71

TAREFA

DESCRIÇÃO

Suprimento de Serviços
Contratação do Prestador de Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Mecânica Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Mecânica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem de Tubulações Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Contratação do Prestador de Serviços de Montagem de Tubulações

RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Gerente de Contratos de Engenharia

Engenheiro Mecânico; Gerente de Construção Engenheiro Mecânico Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Mecânico Gerente de Contratos de Engenharia

Serviços de Montagem de Tubulações

Engenheiro Mecânico; Gerente de Construção Engenheiro Mecânico Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Mecânico Gerente de Contratos de Engenharia

72

TAREFA

DESCRIÇÃO

Suprimento de Serviços

RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos

Serviços de Montagem Eletrica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços Engenheiro Mecânico; Gerente de Construção e Instrumentação de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços Engenheiro Mecânico de Montagem Elétrica e Instrumentação Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Engenheiro Mecânico Montagem Elétrica e Instrumentação Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Retorno das Propostas de Prestadores deServiços de Isolamento e Pintura Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Gerente de Contratos de Engenharia Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Mecânico; Gerente de Construção Engenheiro Mecânico Assistente Administrativo Departamento Engenharia

Engenheiro Mecânico

73

Montador[15]. Ajudantes[12].Técnico Mecânico Retro Escavadeira [1] Ferros 5” [70 barras de 3 metros] Concreto [24 m3] Tijolos [5 mil] Caminhão Munck [1].Montador[15]. Equipamentos Consumíveis Diversos Caminhão Munck [1].Montador[15].Encarregado de Construção Civil Engenheiro Mecânico.Técnico Mecânico Engenheiro Mecânico Ajudantes[12]. Equipamentos Consumíveis Diversos Caminhão Munck [1].Técnico Mecânico Engenheiro Mecânico. Equipamentos Consumíveis Diversos 74 Montagem Mecânica Instalação de Equipamento de Flotação Instalação de Bombas Pressurizadas Instalação de Equipamentos de Ar Comprimido Instalação de Tanques de Rejeitos . Ajudantes[10] Armador[3] Ajudantes[12].Encarregado de Escavação Ajudantes[7].Técnico Mecânico Engenheiro Mecânico. Equipamentos Consumíveis Diversos Caminhão Munck [1]. Ajudantes[12].Montador[15]. Ajudantes[12].TAREFA DESCRIÇÃO Suprimento de Serviços Contratação do Prestador de Serviços de Isolamento e Pintura TAREFA DESCRIÇÃO RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Gerente de Contratos de Engenharia Construção e Montagem Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Escavações das Bases Preparação das Armações Montagem de Bases Construção da Casa de Controle RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Gerente de Construção Encarregado de Escavação.

Técnico Mecânico. Mecânico[8] Técnico Mecânico. Mecânico[15] Técnico Mecânico. Técnico Eletrotécnico Técnico Eletrotécnico. Eletricistas[5] Técnico Eletrotécnico. Caminhão Munck [1].8kV Instrumentos Cablagem Eletrodutos e suportes Técnico Eletrotécnico. Mecânico[15] Caminhão Munck [1].Técnico Equipamentos Mecânico Consumíveis Diversos Engenheiro Mecânico Ajudantes[12]. Equipamentos Consumíveis Diversos Máquina de Solda [1] Máquina de Solda [1] Máquina de Solda [1] Máquina de Solda [1] Tapamento e Cobertura Montagem de Tubulação Tubulação de Aço Inox Tubulação de Pead – Polietileno de Alta Densidade Tubulação de Aço Carbono Galvanizado Tubulação de Aço Carbono Revestido com Borracha Montagem Elétrica e Instrumentação Equipamentos Elétricos e de Controle Aterramento em Geral Cabos de Força e Controle Eletrodutos e bandejamento Iluminação Geral Rede Aérea de 13. Eletricistas[5] Técnico Eletrotécnico. Eletricistas[5] Técnico Eletrotécnico.Técnico Mecânico Engenheiro Mecânico.Montador[15]. Eletricistas[5] Engenheiro Eletricista. Eletricistas[5] Técnico Eletrotécnico. Eletricistas[5] Técnico Eletrotécnico. Ajudantes[12]. Mecânico[8] Técnico Mecânico.Montador[15].TAREFA DESCRIÇÃO Construção e Montagem Montagem de Estruturas metálicas RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Mecânico. Eletricistas[5] Eletricistas[5] Painéis de proteção cabo 50 mm2 [200 m] cabo 10 mm2 [60 m] Bandeja 20 cm [100 m] Luminárias Vapor de Sódio 250 W [30 peças] Cabos e Acessórios Multímetro Digital [1] cabo 10 mm2 [60 m] Bandeja 20 cm [100 m] 75 .

Caminhão Caçamba [1] Engenheiro Mecânico Encarregado Civil Comissionamento e Teste de Equipamentos Comissionamento e teste de Equipamentos Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento Elétrico e Instrumentação Testes Pre-operacionais Treinamento de Operadores & Manutenção RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Mecânico. Pintor[7]. Eletricista. Pintor[7].TAREFA DESCRIÇÃO Construção e Montagem Isolamento e Pintura Lixamento de Estruturas Metálicas Impermeabilização Pintura e Acabamento Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Desmobilização de equipamentos Limpeza Limpeza e retirada de escombros Entrega da área limpa TAREFA DESCRIÇÃO RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Lixadeira à Ar Montador[9]. Gerente de Construção Engenheiro Elétrico. Mecânico 76 .Técnico Mecânico Impermeabilizante Óxido Montador[9]. Gerente de Construção Gerente de Construção Engenheiros Civil. Pintor[7].Técnico Mecânico Tinta Epoxi Caminhão Munck [1]. Caminhão Caçamba [1] Caminhão Munck [1].Técnico Mecânico Comprimido [1] Montador[9].

TAREFA DESCRIÇÃO Pré-Operação e Partida Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Engenheiro Mecânico Engenheiro Eletricista Engenheiro Eletricista e Mecânico Engenheiro Eletricista e Mecânico Acompanhamento Operacional Acompanhamento Operacional TAREFA DESCRIÇÃO Desmobilização Retirada de Equipamentos e materiais da Obra Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza RECURSOS DAS TAREFAS Máquinas/Materiais e Humanos Equipamentos Gerente de Construção Tabela 9 – Lista de Recursos das Atividades 77 .

8.7.2 1.4 1.2.2 2.2. indicando o seqüenciamento das mesmas e a duração utilizada para cada atividade.3.2.57.4. onde foram levadas em consideração as experiências vividas em projetos similares e mesmo escopo de trabalho.1 2.2 1.2.1 1.1 2.10.5.1 2.11.2 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO DE EFLUENTES INDÚSTRIAS REUNIDAS PRESTO S.2.6.2.2.3.2.1 1. Essa duração foi estimada através de reuniões realizadas. sob a coordenação do Gerente do Projeto.4.2 2.2 2 2.12 13 14 ID PREDECESSORAS 78 . e com a participação de todos os envolvidos no Projeto. ID 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 EAP 0 1 1.2.11 1. indicando suas atividades predecessoras.2 2.1 1.81 90. com prazos acordados com as várias empresas de montagem eletromecânica e fornecedores. bem como considerando o ambiente e mercado atuais.1 1.5 1.8 1.1. Também houve consultas para o mesmo tipo de obra.3 1.73.3.2.2.2 1.104 3.20TI-15d 49. mostra a lista de atividades.3 2.7 1.2.10 1. Gerenciamento do Projeto Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Plano de Gerenciamento de Escopo Plano de Gerenciamento de Tempo Plano de Gerenciamento de Custo Plano de Gerenciamento de Qualidade Plano de Gerenciamento de Comunicação Plano de Gerenciamento de Recursos Humanos Plano de Gerenciamento de Riscos Plano de Gerenciamento de Aquisições Plano de Gestão Integrada Aprovação do Plano de Gerenciamento do Projeto Reunião de Kick Off Auditoria Auditoria na Contratação de Fornecedores de Equipamentos Auditoria na Construção e Montagem Encerramento Lições Aprendidas do Projeto Relatório de Encerramento Projeto Executivo Terraplanagem e Civil Especificações de Obras Civis Desenhos de Construção Processos Especificações de Processo Fluxogramas de Processo Mecânica Lista de Equipamentos Fluxogramas Mecânicos DIAS 581 581 5 35 10 15 20 10 15 15 10 10 5 10 0 56 10 10 15 5 10 47 28 10 18 20 15 20 23 15 23 28 28 15 15 15 24 165TT 164.97.4 1.2.111. obtidos dos ativos dos processos organizacionais.1 2.9.9 1.118.3.7 ESTIMATIVA DE DURAÇÃO DAS ATIVIDADES E DO PROJETO (PERT) A tabela 10 a seguir.1.65.4.3 1.A.6 1.

7 3.5.7.1 2.4 3.1 2.7 3.5.3 3.4 3.3 3.4.2.1 3.5.2 2.1 2.2.3.3.5 3.1 3.1 3.5 3.4 3.3.6 3.3.3.1.3 3.2.2 3.2.5 3.4.4.4.1.ID 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 EAP 2.2 Tubulações ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO DIAS 17 8 12 15 10 15 20 15 20 20 15 20 196 156 1 30 30 5 90 146 30 5 1 30 30 5 45 121 20 5 1 30 30 5 30 146 15 5 1 30 30 5 60 106 10 5 ID PREDECESSORAS Especificações de Materiais de Tubulação Arranjo Geral de Equipamentos Estruturas Metálicas Especificações de Perfis Metálicos Diagramas Unifilares Eletrica Especificações Gerais Diagramas Elétricos Instrumentação e Automação Especificações Gerais Diagramas de Lógicos e Segurança Suprimentos de Equipamentos e Materiais Equipamentos Mecânicos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Análise das Propostas do Fornecedores de equipamentos Mecânicos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Mecânicos Entrega dos Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Elétricos Preparação de RFP para equipamentosElétricos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Elétricos Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos Elétricos Contratação do Fornecedor de Equipamentos Elétricos Entrega dos Equipamentos Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos de Instrumentação Preparação de RFP para equipamentos de Instrumentação Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Análise das Propostas dos Fornecedores de equipamentos de Instrumentação Contratação do Fornecedor de Equipamentos de Instrumentação Entrega dos Equipamentos de Instrumentação Materiais de Tubulações Preparação de Especificação Técnica das Tubulações Preparação de RFP paraTubulações Envio de RFP a Fornecedores de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Tubulações Análise das Propostas dos Fornecedores de Tubulações Contratação do Fornecedor de Tubulações Entrega das Tubulações Equipamentos Gerais Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Gerais 27 28 34 34 15 15 15 15 30 46 47 48 49 39 52 53 54 55 56 57 42 60 61 62 63 64 65 33 68 69 70 71 72 73 31 76 79 .1.4.2 2.7 2.4 3.2 3 3.7 3.7.4.6 3.3 3.4 3.3 3.6 3.6.4.3.1 2.2 3.1 3.2 3.2 3.5 3.7 3.1 3.4.6 3.1.2.4 2.5 3.1.5.4.5 2.6.4 2.3.2.6 2.2.

2.3.1 4.1 4.2.104 120 80 .4 3.7 4 4.1.1.5 4.1.2 4.2.3 4.2 5.1 4.5.4.1 4.4 4.5.97.1 4.4.3 4.5.1 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO Envio de RFP a Fornecedores dos Equipamentos Gerais Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais Análise das Propostas dos Fornecedores de Equipamentos Gerais Contratação do Fornecedor de Equipamentos Gerais Entrega dos Equipamentos Gerais Suprimento de Serviços Serviços de Construção Civil Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção Civil Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Construção Civil Contratação do Prestador de Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Mecânica Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Mecânica Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem de Tubulações Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem de Tubulações Contratação do Prestador de Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Contratação do Prestador de Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Retorno das Propostas de Prestadores deServiços de Isolamento e Pintura Análise das Propostas de Prestação de Serviços de Isolamento e Pintura Contratação do Prestador de Serviços de Isolamento e Pintura Construção e Montagem Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Escavações das Bases DIAS 1 30 30 5 25 212 116 30 5 1 45 30 5 79 30 3 1 20 20 5 86 30 5 1 25 20 5 131 45 5 1 45 30 5 79 30 3 1 20 20 5 281 15 130 5 ID PREDECESSORAS 77 78 79 80 81 24.5.5 4.5 3.5.1.5.5.4 4.2 4.2 4.25 85 86 87 88 89 31 92 93 94 95 96 33.6 4.3.6 4.ID 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 EAP 3.6 5 5.34 113 114 115 116 117 90.5.40 106 107 108 109 110 31.6 4.3.1.4.5.2 4.4 4.3 4.2.4.5.4 4.6 3.1 5.2.3.3 4.2.6 4.5.4 4.3 3.4.1.2 4.3.111.118.2 4.3 4.3 4.34 99 100 101 102 103 27.5 4.5 4.4 4.5 4.1 4.4.3.43.5 4.2.

2 5.5.3.6.5.4.3.5 5.5.3.2.5.3 5.4 7 7.2 5.5.4 5.5.4.2.3 6 6.9 5.3.8 5.7.7 5.3 5.2 5.3 5.2 7.6 5.3 6.4 5.2 5.6.4 5.2 5.6 5.4 5.4 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO Preparação das Armações Montagem de Bases Construção da Casa de Controle Montagem Mecânica Instalação de Equipamento de Flotação Instalação de Bombas Pressurizadas Instalação de Equipamentos de Ar Comprimido Instalação de Tanques de Rejeitos Montagem de Estruturas metálicas Tapamento e Cobertura Montagem de Tubulação Tubulação de Aço Inox Tubulação de Pead .1 5.137 157II 158 158 163 164 Tabela 10 – Duração e precedência das atividades 81 .1 5.1 5.7.3 7.2.1 5.3 5.5 5.4 5.1 6.1 7.7.3 5.5.8kV Instrumentos Cablagem Eletrodutos e suportes Isolamento e Pintura Lixamento de Estruturas Metálicas Impermeabilização Pintura e Acabamento Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Limpeza Desmobilização de equipamentos Limpeza e retirada de escombros Entrega da área limpa Comissionamento e teste de Equipamentos Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento Elétrico e Instrumentação Testes Pre-operacionais Treinamento de Operadores & Manutenção Pré-Operação e Partida Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional DIAS 30 69 26 150 10 15 15 45 50 15 133 9 56 38 30 254 4 10 51 45 31 40 23 40 10 88 13 30 45 12 5 5 2 43 10 10 10 10 35 10 5 15 15 ID PREDECESSORAS 122 123 124 120 127 128 129 130 131 120 134 135 136 120 139 140 141 142 143 144 145 146 137 149 150 147 153 154 147 147 151.4.5.3.3.5 5.Polietileno de Alta Densidade Tubulação de Aço Carbono Galvanizado Tubulação de Aço Carbono Revestido com Borracha Montagem Elétrica e Instrumentação Equipamentos Elétricos e de Controle Aterramento em Geral Cabos de Força e Controle Eletrodutos e bandejamento Iluminação Geral Rede Aérea de 13.6.132.5.4.2 6.2 5.3 5.ID 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 EAP 5.1 5.6 5.7 5.

e Instrum. Contratação dos Serviços de Construção Civil Término Montagem Mecânica Início dos Testes Operacionais Término Montagem Elétrica e Instrumentação Confirmação dos Parâmetros de Garantia Emissão do Relatório de Encerramento Tabela 11 – Marcos (Milestones) do Projeto DATA 08/01/2010 16/03/2010 31/05/2010 21/06/2010 29/06/2010 09/08/2010 30/11/2010 19/07/2011 27/10/2011 12/12/2011 23/01/2012 13/02/2012 4. conforme Figura 8.1 Marcos do Projeto (Milestones) Visando o acompanhamento do projeto pelo cliente e outros stakeholders foi criada a Tabela de Marcos apresentada a seguir: EVENTOS Kickoff Meeting Término Projeto Executivo Contratação Fornecimento Equipamentos Mecânicos Contratação Fornecimento Equipamentos Elétricos Contratação dos Serviços de Montagem Mecânica Contratação dos Serviços de Montagem Elétr.7.7. a seguir: 82 .2 Cronograma Resumido O cronograma resumido do projeto é apresentado em gráfico de barras (Gantt) do cronograma geral do projeto.4.

2 1.4 ATIVIDADE / TAREFA / EVENTO PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO DE EFLUENTES .7 3 3.1 7.3 5.4 4.4 2 2.5 5 5./Equip. PLAN 13/02/2012 13/02/2012 30/11/2009 08/01/2010 14/12/2010 13/02/2012 16/03/2010 17/02/2010 05/02/2010 10/03/2010 23/02/2010 16/03/2010 05/02/2010 05/02/2010 01/11/2010 04/10/2010 23/08/2010 19/07/2010 02/09/2010 01/11/2010 30/11/2010 30/11/2010 29/06/2010 23/06/2010 09/08/2010 29/06/2010 28/12/2011 21/12/2010 21/06/2011 19/07/2011 24/06/2011 12/12/2011 26/10/2011 28/12/2011 26/12/2011 26/12/2011 26/12/2011 09/11/2011 26/12/2011 13/02/2012 09/01/2012 02/01/2012 23/01/2012 13/02/2012 2009 2010 2011 2012 Figura 8.3 1.7 6 6. da Obra e Limpeza Comissionamento e teste de Equipamentos Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento Elétrico e Instrumentação Testes Pre-operacionais Treinamento de Operadores & Manutenção Pré-Operação e Partida Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional dias 581 d 581 d 5d 35 d 56 d 15 d 47 d 28 d 20 d 23 d 17 d 15 d 20 d 20 d 196 d 156 d 146 d 121 d 146 d 106 d 212 d 116 d 79 d 86 d 131 d 79 d 281 d 15 d 130 d 150 d 133 d 254 d 88 d 12 d 43 d 10 d 10 d 10 d 10 d 35 d 10 d 5d 15 d 15 d INÍC.5 2.2 2.4 3.4 2.5 4 4.1 6. Gerenciamento do Projeto Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Auditoria Encerramento Projeto Executivo Terraplanagem e Civil Processos Mecânica Tubulações Estruturas Metálicas Eletrica Instrumentação e Automação Suprimentos de Equipamentos e Materiais Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais Suprimento de Serviços Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Construção e Montagem Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Montagem Mecânica Montagem de Tubulação Montagem Elétrica e Instrumentação Isolamento e Pintura Desmobilização Mat.6 2.1 2. PLAN 23/11/2009 23/11/2009 24/11/2009 23/11/2009 28/09/2010 24/01/2012 11/01/2010 11/01/2010 11/01/2010 08/02/2010 01/02/2010 24/02/2010 11/01/2010 11/01/2010 01/02/2010 01/03/2010 01/02/2010 01/02/2010 11/02/2010 07/06/2010 08/02/2010 22/06/2010 11/03/2010 24/02/2010 08/02/2010 11/03/2010 01/12/2010 01/12/2010 22/12/2010 22/12/2010 22/12/2010 22/12/2010 27/06/2011 13/12/2011 27/10/2011 13/12/2011 13/12/2011 27/10/2011 13/12/2011 27/12/2011 27/12/2011 27/12/2011 03/01/2012 24/01/2012 TÉRM.6 5.4 5.4 7 7.1 1.1 5.A.2 6. Cronograma de Implantação – Gráfico de Gantt 83 .3 6.3 4.5 5.2 4.2 7.2 5.ID 1 2 3 4 16 19 22 23 26 29 32 35 38 41 44 45 51 59 67 75 83 84 91 98 105 112 119 120 121 126 133 138 148 152 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 EAP 0 1 1.1 4.3 3.3 2.1 3.INDÚSTRIAS REUNIDAS PRESTO S.3 7.2 3.

4.7.3 Cronograma do Projeto 84 .

85 .

Figura 9 – Cronograma do Projeto 86 .

O Gerente do Projeto também será o responsável pela análise de impactos da mudança proposta e pela comunicação formal a todos os stakeholders do Projeto.4 Atualizações do Cronograma A responsabilidade pela atualização do projeto será do Gerente do Projeto.4. 4.7.7.5 Revisão e Aprovação das Mudanças do Cronograma Sempre que necessário o Cronograma do Projeto poderá sofrer alterações. Para solicitações deverá ser utilizado o Formulário do Anexo 5. 87 . Também é possível que os membros da equipe do projeto atualizem a situação atual de suas atividades atribuídas e então o gerente do projeto aprovará as atualizações e baseado nessas atualizações fará uma análise do cronograma. sendo que estas somente serão efetivadas mediante aprovação do Gerente do Projeto e ele será o responsável por efetivar as alterações no cronograma.

7.6 Formulário de Solicitação de Alteração no Cronograma do Projeto Formulário de Solicitação de Alteração de Cronograma Prezado Gerente do Projeto: Requisição de Mudança de Cronograma Nº ___ Projeto: PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO DE EFLUENTES Data: ___/___/___ Motivos: Explicar em uma frase a mudança que deve ser feita Detalhamento: Detalhar por que a mudança deve ser feita Impactos no Prazo do Projeto: Explicar de forma objetiva os impactos no tempo de execução do Projeto Parecer do Gerente do Projeto: Após análise da solicitação.4. emitir parecer acatando ou não a solicitação 88 .

necessidade de publicidade. implicando em maior gasto para contingenciar os riscos. • Aquisições não planejadas. • Retrabalhos necessários identificados nos processos de controle e verificação de qualidade.1 OBJETIVO O Plano de Gerenciamento de Custo tem como objetivo definir a metodologia e procedimentos a serem adotados para assegurar que o projeto será concluído dentro do orçamento aprovado. acarretando em mais utilização da administração indireta. necessitando de transportes especiais e mais caros. • Aumento do prazo do projeto. com conseqüente aumento de custo. O seqüenciamento dos processos de gerenciamento de custo são: . licenças não obtidas. escopo. • Falha no Plano de Respostas a Riscos. recursos. como: • Necessidade de redução de prazo com acréscimo de recursos. com prazo exíguo para entrega.Determinar o Orçamento .5 PLANO DE GERENCIAMENTO DO CUSTO 5. audiências públicas. Os custos são muito sensíveis às variações em relação ao planejado de todas as outras áreas como prazo. • Aumento do prazo e conseqüente custo maior do projeto por: greve de pessoal. riscos. orçamentos e controles de custo. atendendo as necessidades do escopo e prazo do Projeto. e provavelmente acréscimo no custo. O Gerenciamento de Custo do Projeto inclui os processos envolvidos em estimativas de custos. porém não dissociados dos demais processos principalmente os de escopo e prazo.Estimar os Custos . com conseqüente aumento de custo.Controlar os custos 89 .

a fim de estabelecer uma base de referência dos custos do projeto.3 ESTIMATIVA DE CUSTO DAS ATIVIDADES Para a estimativa de custo de cada atividade devem-se definir quais os recursos físicos. informar os respectivos interessados a respeito das alterações autorizadas. Existem 3 níveis de estimativas: . ambas do item 4 do capítulo de Gerenciamento do Tempo. Através do quadro do item 4. 90 . material. além dos processos de gerenciamento de custo: Planejamento dos Recursos: é a definição dos recursos (pessoas. e do quadro do item 4. inadequadas ou não autorizadas sejam incluídas na base de referência dos custos.Orçamento (variação de -10% a +25%). será possível determinar o custo de cada atividade e por sua vez de cada pacote de trabalho. .5.6 Lista de Atividades e seus Recursos. e em que quantidade será necessária ao projeto. equipamento. impedir que mudanças incorretas. garantir que qualquer mudança seja adequadamente registrada na base de referência dos custos. Controle de Custos: engloba monitorar o desempenho dos custos para identificar variações em relação ao plano. tais como pessoal. Lista de Atividades com a duração de todas as atividades.2 DEFINIÇÕES Os processos necessários para assegurar o gerenciamento de custo iniciam-se com atividades importantes de planejamento pertencentes aos planos de integração.Definitiva (variação de -5% a + 10%). gerenciamento de escopo e de tempo.7. bem como através dos custos unitários de equipamentos e serviços. salários e encargos. Estimativas de Custos: são avaliações quantitativas dos prováveis custos dos recursos necessários para a execução das atividades. 5. Orçamento de Custos: distribuição da estimativa total de custos entre as atividades individuais ou pacotes de trabalho. .por Ordem de Magnitude (variação de -25% a +75%). materiais e equipamentos) e da quantidade necessária desses recursos para a execução das atividades de cada pacote de trabalho do projeto.

bem como o percentual relativo da atividade em relação ao valor total do investimento previsto através da estimativa preliminar que levou a aprovação do projeto (-10% a +25%). Para a composição dos custos de aquisições e serviços serão utilizadas as informações recentes disponíveis de utilizadas no orçamento na fase de aprovação do projeto. a fim de reduzir os custos ao nível do orçamento previsto para cada ano. Neste processo pode-se chegar a uma variação da precisão de -5% a +10%. como na apropriação e no controle de custo. Será utilizada a técnica de Estimativas de baixo para cima (Bottom up estimating) que calcula o custo de cada atividade. procurando-se equilibrar o nível de detalhamento das atividades com o tempo consumido para seu detalhamento.4 ORÇAMENTAÇÃO O orçamento fará uma agregação dos custos estimados para as atividades ao longo do tempo. 5. de baixo para cima (também chamada de estimativa detalhada) para compor os custos dos pacotes de trabalho. o Plano de Contas. O Projeto ETE-03 utilizará tanto na orçamentação.A. Para a estimativa será utilizada a técnica Bottom-up. exigindo um cronograma mais extenso. das Empresas Reunidas Presto S. sumarizando as estimativas parciais de cada item da EAP.Este projeto não se limitará aos recursos disponíveis no Calendário de Recursos das Indústrias Reunidas Presto. Em função da diretriz orçamentária da Empresa para os biênios correspondentes existiu restrição com limitação de fundos que requereram conciliação entre o total de recursos necessários para o ano e orçamento coorporativo. ou seja. conforme cronograma de projeto. Esse orçamento definirá a linha de base de custos do projeto. 91 . obtida somando-se os custos estimados por período e representados na curva S. Busca-se nesta estimativa de custos e orçamentação uma precisão de -5% à +10%. corrigidos de acordo com as informações mais detalhadas de projetos similares da empresa (informações históricas) já implementadas.. utilizará a mesma estrutura de codificação utilizada na operação normal da companhia. sendo previsto e autorizado a subcontratação de terceiros e de serviços para atender aos prazos estipulados. ou seja. até a obtenção do custo total.

120.6% 7 R$ 377.092.61 14.80 15.980.95 100.1 Custo Geral do Projeto PRESTO – Nível 1 A tabela a seguir indica o resumo dos custos estimados para cada item da EAP nível 1: RESUMO DA ESTIMATIVA DE CUSTOS Item EAP 1 Gerenciamento do Projeto 2 Projeto executivo Suprimentos de Equipamentos e Materiais Suprimento de serviços TOTAL R$ 3.7% 3 R$ 16.919.05 1.960.0% Tabela 12 – Resumo dos Custos Estimados 92 .042.780.31 % 9.926.64 51.87 6.628.5.343.5 ESTIMATIVA DE CUSTO DOS RECURSOS 5.7% 4 R$ 4.6% R$ 2.6% 6 R$ 177.5.7% 5 Construção e Montagem Comissionamento e teste de Equipamentos Pre-operação e Partida TOTAL R$ 4.825.061.68 0.2% R$ 31.728.434.

1 1.434.764.3% 5.4 1 ITEM EAP NÍVEL 2 Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Auditoria Encerramento Total do Item CUSTO TOTAL % nível 1 0.99 R$ 408.3 3.06 R$ 223.846.3% 0.2% 100.7% 6.042.8% 8.0% 4.5 Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais + Itens Div.7% 10.919.1 4.7% 20.2 2.536.27 R$ 224.219.1% 4.31 R$ 376.52 R$ 1.4% 93 .18 R$ 602.41 R$ 1.3% 11.6% % nível 2 7.2% 7.5% 4.43 R$ 784.9% 1.3% 17.7 2 Terraplanagem e Civil Processo Mecânica Tubulação Estrutura Metálica Elétrica Instrumentação e Automação Total do Item R$ 425.43 R$ 1.5.8% 2.45 4.5 3 4.24 R$ 92.758.4 4.81 R$ 419.49 R$ 3.2 Estimativa de Custo – Nível 2 Item EAP 1.0% R$ 220.962.271.3 1.4 2 Projeto executivo 2.000.0% 3 R$ 1.556.6% 100.329.506.1% 28.5% 17.955.633.099.627.3% 8.2 4 Suprimento de serviços 4. (Infra) Total do Item Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura R$ 9.4 3.4% 10.422.2 Suprimentos de Equipamentos e Materiais 3.27 R$ 2.4% 19.120.3 4.5% 3.2 1 Gerenciamento do Projeto 1.7% 1.3% 1.27 R$ 369.963.371.6% 12.631.1% 8.309.728.71 R$ 2.270.5% 1.87 R$ 2.8% 22.858.3 2.2% 10.0% 3.797.436.8% 51.061.1% 0.7% 1.802.31 2.1 2.9% 74.3% 28.1 3.3% 1.64 30.2% 0.2% 0.1% 7.7% 58.6% 17.7% 100.38 R$ 16.7% 9.00 R$ 235.825.5 2.271.55 R$ 334.6 2.5% 4.87 1.954.324.95 R$ 1.5.

9% 11.47 R$ 525.98 R$ 177.6% 7.859.2% 1.424.824.6% 32.7% 0.3% 2.4 6 Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento de Elétrica e Instrumentação Testes Pré-Operacionais Treinamento de Operadores e Manutenção Total do Item R$ 57.61 1.2% 0.270.1 6.1% 0.3 6.400.5% 35.1 7.7% % nível 2 100.45 R$ 1.0% 5.156.98 R$ 4.80 % nível 1 15.0% 18.4% 12.4 Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de Instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional Total do Item R$ 29.336.95 100.10 R$ 1.05 0.0% 6.8% 3.97 R$ 22.Item EAP 4 ITEM EAP NÍVEL 2 Total do Item Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Montagem Mecânica Montagem de Tubulação Montagem Elétrica e Instrumentação Isolamento e Pintura Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Total do Item CUSTO TOTAL R$ 4.50 R$ 568.6 5.98 R$ 99.343.0% Tabela 13 – Custo Geral do Projeto PRESTO 94 .919.1% 25.628.780.8% 100.68 0.2% 7.980.900.070.2 6.5% 0.0% 100.41 R$ 92.1% 0.52 R$ 377.7 5 R$ 340.770.1 5.50 R$ 171.3 7.06 R$ 63.092.4 5 Construção e Montagem 5.710.3% 0.929.69 R$ 874.1% 0.606.67 R$ 33.270.3 5.5 5.0% Comissionamento e teste 6 de Equipamentos 7.8% 1.342.6% 2.8% 18.3% 23.207.2% 0.2 5.4% 100.0% TOTAL 0 TOTAL GERAL R$ 31.960.5% 20.926.7% 26.04 R$ 76.541.4% 3.2 7 Pre-operação e Partida 7.4% 45.1% 1.3% 14.9% 12.0% 100.

31 R$ 0.434.061.00 R$ 2.3 Composição dos Custos Item EAP 1.27 R$ 220.035. Equipamentos Mecânicos Equipamentos E&I Acessórios * Equipamentos Diversos Serviços (terceiros) TOTAL R$ 220.00 R$ 85.24 R$ 92.00 R$ 525.270.945.603.00 R$ 2.919.254.49 R$ 776.556.00 R$ 1.27 R$ 369.3 3.2 2.949.262.7 2 3.5.120.2 1.87 R$ 0.1 3.000.271.128.728.557.00 R$ 0.00 R$ 1.536.300.764.500.52 R$ 243.012.071.93 R$ 243.60 R$ 3.376.110.00 R$ 15.3 1.852.945.061.5.1 Gerenciamento do Projeto 1.042.27 R$ 251.50 R$ 1.00 R$ 0.758.825.603.042.271.31 R$ 376.000.00 R$ 85.250.93 R$ 0.00 R$ 3.954.45 R$ 1.27 R$ 224.87 R$ 378.6 2.55 R$ 334.4 2 Projeto executivo 2.2 3 Suprimentos de Equipamentos e Materiais 3.546.31 R$ 3.500.5 3 Terraplanagem e Civil Processo Mecânica Tubulação Estrutura Metálica Elétrica Instrumentação e Automação Total do Item Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais + Itens Div.61 R$ 0.60 R$ 2.87 R$ 2.64 95 .128.285.110.99 R$ 408.825.379.4 1 ITEM EAP NÍVEL 2 Mobilização da Equipe de projeto Confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto Auditoria Encerramento Total do Item Humano (PRESTO) + 3os.5 2. (Infra) Total do Item R$ 340.00 R$ 2.120.042.254.006.00 R$ 0.377.93 R$ 9.43 R$ 259.31 1 2.00 R$ 16.557.325.00 R$ 9.845.4 3.06 R$ 223.00 R$ 0.50 R$ 1.00 R$ 0.000.71 R$ 2.3 2.1 2.329.

092.00 TOTAL R$ 16.000.41 R$ 67.800.309.95 R$ 242.000.400.230.00 R$ 4.00 5 Construção e Montagem R$ 25.98 R$ 4.18 R$ 252.00 R$ 0.070.61 96 .5 5.6 5.000.00 R$ 857.4 5.628.7 5 R$ 314.64 R$ 0.3 4 Suprimento de serviços 4.000.058.536.207.47 R$ 525.00 R$ 250.10 R$ 1.156.292.728.2 4.710.235.963.81 R$ 169.631.00 R$ 0.802.219.45 R$ 1.1 4.45 R$ 1.2 5.4 4.41 R$ 187.00 R$ 0.800.69 R$ 874.000.00 R$ 25.000.926.434.61 R$ 0.342.926.5 4 ITEM EAP NÍVEL 2 Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Total do Item Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Montagem Mecânica Montagem de Tubulação Montagem Elétrica e Instrumentação Isolamento e Pintura Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Total do Item Humano (PRESTO) + 3os.00 R$ 0.80 R$ 4.577.Item EAP 4.00 R$ 3.980.980.3 5.270.80 Equipamentos Mecânicos Equipamentos E&I Acessórios * Equipamentos Diversos Serviços (terceiros) R$ 1.824. R$ 206.00 R$ 0.00 R$ 4.00 R$ 350.00 R$ 50.00 R$ 0.1 5.926.80 5.00 R$ 1.50 R$ 568.000.922.

Item EAP

ITEM EAP NÍVEL 2

Humano (PRESTO) + 3os.

Equipamentos Mecânicos

Equipamentos E&I

Acessórios *

Equipamentos Diversos

Serviços (terceiros)

TOTAL R$ 16.434.728,64

6.1 Comissionamento e teste de Equipamentos 6.2 6.3 6.4

Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento de Elétrica e Instrumentação Testes Pré-Operacionais Treinamento de Operadores e Manutenção Total do Item

R$ 57.606,06 R$ 48.424,67 R$ 33.541,97 R$ 22.770,98 R$ 162.343,68 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 15.000,00 R$ 177.343,68 R$ 177.343,68 R$ 15.000,00

6

7.1 7.2 7 Pre-operação e Partida 7.3 7.4

Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de Instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional Total do Item

R$ 29.270,98 R$ 91.200,50 R$ 153.859,04 R$ 76.929,52 R$ 351.260,05 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00

R$ 8.700,00 R$ 18.000,00

R$ 26.700,00

R$ 377.960,05 R$ 377.960,05

TOTAL

0

TOTAL GERAL

R$ 10.338.043,92

R$ 9.254.945,60 R$ 3.071.262,50 R$ 1.128.110,00 R$ 1.603.557,93 R$ 6.385.000,00

R$ 31.780.919,95

Tabela 14 – Custo Detalhado do Projeto PRESTO

97

5.5.4 Custo da Equipe de Trabalho PRESTO
Inicio do projeto Término do projeto DIAS TOTAIS: SEMANAS: TOTAL SABÁDO E DOMINGO: DIAS ÚTEIS: 23/11/2009 13/02/2012
Mobiliz.

Projeto Suprimentos de Equipamentos e Materiais Contratação de Serviços Construção e Montagem Comiss.e Testes Pre-Operação e Partida

813 116 232 581

CUSTO COM MÃO DE OBRA INDIRETA
Projeto CATEGORIAS
Gerente de Projeto Diretor Técnico Gerente de suprimento de serviços Gerente Administrativo Financeiro Assistente Administrativo Gerente de Construção e Montagem Gerente de Suprimentos de equipamentos e materiais Coordenador de Comissionamento/Testes Equipamentos Gerente de Engenharia Projetista de instrumentação Projetista de processos Projetista mecânico Projetista de tubulação Projetista Civil Projetista elétrico Engenheiro elétrico Eletricista Engenheiro mecânico Mecânico Técnico mecânico Engenheiro civil Encarregado de construção civil Encarregado de escavação Almoxarife Engenheiro Químico Técnico em Química

2009 Dez 1 0,5 1 1

Jan 1 0,5 1 1 1

Fev 1 0,1 1 1 1 1

Mar 1 0,1 1 1 1 1

Abr 1 1 1 1 1

Mai 1 1 1 1 1

2010 Jun Jul 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

Ago 1 1 1 1 1 1

Set 1 1 1 1 1

Out 1 1 1 1 1

Nov 1 1 1 1 1 1

Dez 1 0,5 1 1 1 1

Jan 1 0,5 1 1 1

Fev 1 0,5 1 1 1

Mar 1 0,5 1 1 1

Abr 1 0,5 1 1 1

Mai 1 0,5 1 1

2011 Jun Jul 1 1 1 0,5 0,5 1 1 1 1 1

Ago 1 1 0,5 1 1 1

Set 1 0,5 1 1

Out 1 0,5 1 1

Nov 1 0,5 1 1

Dez 1 0,2 1 1 1

TOTAL 2012 Jan Fev 1 1 27 0,5 0,5 6,2 0,2 16,4 1 1 27 1 1 17 1 15 16 1 1 3

PREÇO UNITÁRIOS R$ 16.000,00 R$ 22.000,00 R$ 14.000,00 R$ 14.000,00 R$ 5.000,00 R$ 14.000,00 R$ 14.000,00 R$ 12.000,00 R$ 14.000,00 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00 R$ 10.000,00 R$ 8.000,00 R$ 10.000,00 R$ 5.000,00 R$ 3.500,00 R$ 10.000,00 R$ 5.000,00 R$ 5.000,00 R$ 3.500,00 R$ 10.000,00 R$ 5.000,00 R$ 9.106,15

PEÇO TOTAL COM IMPOSTOS R$ 432.000,00 R$ 136.400,00 R$ 229.600,00 R$ 378.000,00 R$ 85.000,00 R$ 210.000,00 R$ 224.000,00 R$ 36.000,00 R$ 378.000,00 R$ 232.000,00 R$ 232.000,00 R$ 232.000,00 R$ 232.000,00 R$ 200.000,00 R$ 232.000,00 R$ 290.000,00 R$ 216.000,00 R$ 270.000,00 R$ 140.000,00 R$ 52.500,00 R$ 220.000,00 R$ 120.000,00 R$ 20.000,00 R$ 154.000,00 R$ 270.000,00 R$ 20.000,00 R$ 5.241.500,00

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 2 2 2 2 2 2 2 1

1 2 2 2 2 2 2 2 1

1 2 2 2 2 2 2 2 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 23

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1 14,5

1 22,5

1 1 24,1

1 1 24,1

2 1 18

2 1 18

2 1 18

2 1 19

2 1 19

2 1 18

2 1 18

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 1 2 1 25,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 1 2 1 24,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 2 1 25,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 24,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 3 2 1 25,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 3 2 1 24,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 23,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 25,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 2 1 24,5

1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 2 1 22,5

1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 20,5

1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 1 21,5

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 19,2

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 20,7

1

1 1 1

1

TOTAL

1 1 11,5

27 29 29 29 29 25 29 29 27 27 28 15 22 24 4 44 27 4 576

Tabela 15 – Custo com Mão de Obra Indireta

98

Tabela 16 – Impostos sobre mão de obra
99

5.5.5 Custo com Equipamentos

Tabela 17 – Custo com Equipamentos Etapa Primaria

100

Tabela 18 – Custo com Equipamentos Etapa Secundária 101 .

Tabela 19 – Custo com Equipamentos Etapa Terciária 102 .

Tabela 20 – Custo com Equipamentos Complementares 103 .

Tabela 21 – Custo com Itens Diversos 104 .

00 4.000.000.000.000.701 jan/10 359. considerando ainda 2 (dois) períodos.787 nov/10 333.644 fev/11 4.1 Acompanhamento Mensal Acompanhamento Financeiro Mensal .960 Figura 10 – Acompanhamento Financeiro Mensal 2009/2010 Acompanhamento Financeiro Acumulado .000.000.414 mai/11 677.348 abr/10 280.000.787 out/10 280.00 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 Meses CUSTOS MENSAIS PREVISTOS jan/11 Real Total Prev Total 1.6.607 CUSTOS MENSAIS REALIZADOS jul/10 316.00 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 Meses CUSTOS MENSAIS PREVISTOS dez/09 Real Total Prev Total 241.000.701 set/10 280.348 mar/10 373.000.000.842 dez/10 2.00 0.5.787 mai/10 280.260.000.00 1.912 fev/12 211.000.000.500.500.000.00 1. de forma Mensal e Acumulada pelo Gerente do Projeto.000.888.000.00 5.6 FLUXO FINANCEIRO (CURVA “S” – ACOMPANHAMENTO PREVISTO X REALIZADO) Os desembolsos financeiros do projeto acontecem de Dezembro de 2009 à Fevereiro de 2012 e o acompanhamento será feito. Para esta finalidade serão utilizados os Gráficos (Curva S) apresentados à seguir: 5.124.000.787 ago/10 316.000.317 CUSTOS MENSAIS REALIZADOS ago/11 637.471 jun/11 3.00 2.787 jun/10 280.00 R$ 1.076.995 dez/11 300.644 set/11 323.000.00 0. 2009 à 2010 e 2010 à 2012.000.845.435 Figura 11 – Acompanhamento Financeiro Mensal 2011/2012 105 .059.793 jan/12 331.Projeto Construção de ETE 2009/2010 3.567 out/11 294.000.00 500.769.Projeto Construção de ETE 2011/2012 6.442 jul/11 2.026 mar/11 1.146 fev/10 373. ou seja.00 2.453 abr/11 1.00 R$ 3.00 2.183 nov/11 299.

384.718.381.000.628.000.236 mai/10 1.00 0.00 4.000.100.797 16.000.000.000.640.000.608.753 fev/10 974.00 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 R$ Meses CUSTOS ACUMULADOS PREVISTOS dez/09 Real Total Prev Total 241.000.00 2.000.Projeto Construção de ETE 2009/2010 7.904 12.00 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 Meses CUSTOS ACUMULADOS PREVISTOS CUSTOS ACUMULADOS REALIZADOS jan/11 Real Total Prev Total fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 7.409.000.587 Figura 12 – Acompanhamento Financeiro Acumulado 2009/2010 Acompanhamento Financeiro Acumulado .103.000.347.564.360.000.000.000.00 0.749 22.975.997 out/10 3.189.00 R$ 15.784 nov/10 3.000.449 23.626 dez/10 6.823.00 25.Projeto Construção de ETE 2011/2012 30.211 set/10 3.00 1.2 Acompanhamento Acumulado Acompanhamento Financeiro Acumulado .537 23.449 abr/10 1.510 jan/10 600.00 6.607 CUSTOS ACUMULADOS REALIZADOS jul/10 2.506.000.6.675.00 5.000.909.534.5.422.057.819.000.000.268 19.000.000.383 15.00 10.809 ago/10 2.276.355 22.000.000.00 3.884 Figura 13 – Acompanhamento Financeiro Acumulado 2011/2012 106 .420.566 22.000.000.00 20.710 21.930 13.744 23.00 5.000.022 jun/10 2.999 22.101 mar/10 1.

A programação de recursos será efetuada de forma a manter sempre fluxo de caixa positivo. 107 . O gerenciamento de custos do projeto será realizado com base no orçamento previsto para o projeto (subdividido por atividade e por recursos). bem como através do cronograma do projeto. Serão consideradas mudanças orçamentárias apenas as medidas corretivas. O orçamento do projeto deve ser atualizado e avaliado diariamente.7 CONTROLE DE CUSTOS O Controle de Custos visa atuar em fatores que provocam mudanças na Linha de Base de custos. a ser publicado no site do projeto. Tempo e Custo. sendo os resultados publicados no site do projeto e apresentados na reunião semanal de CCB (Change Control Board). o custo e o prazo do projeto são acompanhados em um único processo de controle – GIETC. prevista no plano de gerenciamento das comunicações. identificar e determinar mudanças na linha de base. A avaliação do desempenho do projeto será realizada através da análise da Curva S contendo curvas de Custo previsto e Custo Realizado e do Gerenciamento de Valor Agregado (Earned Value). Todas as mudanças no orçamento inicialmente não previstas para o projeto devem ser avaliadas e classificadas dentro do sistema de controle de mudanças de orçamento (Cost Change Control System). Inovações e novas características do produto/projeto não serão abordadas pelo gerenciamento de custos e serão ignoradas. A atualização do orçamento do projeto será efetuada através da utilização do software Microsoft Project e divulgada através do Relatório de Acompanhamento do Orçamento. gerenciar as mudanças à medida que ocorrem. O controle de custos também visa formalizar o processo de aprovação do controle integrado de mudanças. Gestão Integrada de Escopo.5. conforme descrito no plano de comunicações do projeto. onde o escopo. Todas as solicitações de verbas devem ser feitas por escrito ou através de e-mail.

e os resultados e saldo. Para avaliar o desempenho do projeto adequadamente é preciso monitorar os gastos considerando o valor agregado do correspondente trabalho realizado.IDP = Índice de Desempenho de Prazo IDP = VA/VP 108 . 5. apresentados na reunião semanal de CCB (Change Control Board).VPR = Variação de Prazo VPR = VA – VP VPR = ZERO VPR < ZERO VPR > ZERO FAROL AMARELO FAROL VERMELHO FAROL VERDE .8 GERENCIAMENTO DO VALOR AGREGADO Controlar custos envolve o monitoramento do progresso do projeto para atualização do seu orçamento através de registro dos custos reais até a data de medição.VC = VA – CR = Variação de Custo VC = VA – CR VC = ZERO VC < ZERO VC > ZERO FAROL AMARELO FAROL VERMELHO FAROL VERDE .As reservas devem ser avaliadas semanalmente. prevista no plano de gerenciamento das comunicações. ou seja. é a relação entre o consumo dos fundos do projeto e o trabalho físico realizado dom tais gastos. Os seguintes índices serão monitorados quinzenalmente: VP = Valor Planejado VA = Valor Agregado CR = Custo Real Variações e índices monitorados no GVA: .

9.Aprovação direta pelo Gerente de projetos 5% .IDP = 1 IDP < 1 IDP > 1 OK FAROL VERMELHO FAROL VERDE . mas que devemos guardar para emergências e imprevistos 5.Aprovação pelo Gerente de Projetos.Aprovação pelo Gerente de Projetos e pelo Diretor Técnico e a necessidade de no mínimo 3 (três) cotações comparativas de preços. 109 .1 Reservas de Gerenciamento Reservas de Gerenciamento são provisões para situações futuras imprevistas que possam retardar o andamento do projeto e/ou fazer com que se incorra em custos adicionais. conforme descrita abaixo: 3% . desde que documentada a necessidade 7% .IDC = Índice de Desempenho de Custo IDC = VA/CR IDC = 1 IDC < 1 IDC > 1 OK FAROL VERMELHO FAROL VERDE 5.Aprovação pelo Gerente de Projetos e pelo Diretor Técnico e comprovação da necessidade da alteração 10% .9 RESERVAS Reservas são recursos financeiros que não planejamos gastos. Para efeitos de reservas de gastos para cada grupo de controle orçamentário serão permitidas variações de até 10% do valor total do investimento.

onde se estima quantitativamente os riscos. item 9 – Gerenciamento de Risco.9.5.5 somado ao valor determinado pela matriz de risco. R$ 31. O valor determinado deste estudo será o valor da reserva de contingência a ser utilizada. a gestão do valor agregado não considerará a contingência de risco para efeito de análise de gerenciamento do projeto. ou seja.2 Reservas de Contingenciamento Reservas de Contingenciamento são provisões para situações futuras que serão previstas através da avaliação de Risco do Projeto. No entanto. através da atribuição de uma probabilidade que o mesmo ocorra e de um valor de impacto se o mesmo ocorresse. 110 .919.780.95 O valor orçamentário para efeito de obtenção de fundos será o valor da estimativa de custos obtida do item 5. acrescendo-a ao valor do orçamento obtido na tabela 12.

2 ETAPAS.4. Os critérios de qualidade deste plano foram apresentados pelo Gerente do Projeto. dentro dos padrões de qualidade estabelecidos neste projeto. bem como a Garantia (avaliação periódica do desempenho geral do projeto) e o Controle da Qualidade. conforme tabelas modelo do item 6.6 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE. Para tanto. A execução bem sucedida do Plano de Qualidade está diretamente ligada à satisfação do cliente. também serão definidos como devem ser atingidos. O objetivo deste plano de qualidade é assegurar a conclusão das entregas do projeto. No Plano de Qualidade. 6. bem como nomeados os responsáveis por cada etapa do controle de qualidade. em consulta e concordância com os stakeholders do projeto 111 . 6. 6.1 OBJETIVO. além de serem definidos os critérios de qualidade das entregas.3 PARTICIPANTES. serão executadas as seguintes etapas: identificação dos padrões de qualidade relevantes ao projeto (Planejamento da Qualidade).

6.4 PLANO DE QUALIDADE. GERENCIAMENTO DO PROJETO Item da WBS Mobilização da Equipe de Projeto Indicadores Contratação de toda a equipe de especialistas do projeto Definição Contratar e mobilizar até o local de trabalho a equipe de especialistas Apresentação a diretoria da Industrias reunidas PREST o plano de Gerenciamento da obra Contratar empresas de auditoria para acompanhar e verificar o andamento da obra Transferir a responsabilidade operacional da nova Estação de tratamento de efluentes para o pessoal operacional da fábrica Forma de Medição Contratos assinados e inicio dos trabalhos Meta Ter toda a equipe de trabalho mobilizada e envolvida no trabalho Aprovação do plano Plano de Gerenciamento Plano de Gerenciamento da Obra Finalização e aprovação do plano de Gerenciamento da obra Relatórios mensais de acompanhamento Auditorias Contrato com empresas de auditoria Manter a obra dentro do cronograma e dentro do valor estipulado para ser gasto Finalizar o projeto Encerramento Entrega para a equipe da fabrica a nova estação de tratamento de efluentes Termo de aceitação Tabela 22 – Plano de Qualidade – Gerenciamento do Projeto 112 .

memorial de cálculo e desenhos para fabricação Tempo total para execução da atividade Estruturas Metálicas Conclusão do projeto de estruturas metálicas Conclusão do projeto elétrico Verificar o quanto o projeto de estruturas metálicas foi trabalhado e suas interligações com outras áreas Verificar o quanto o projeto elétrico foi trabalhado e suas interligações com outras áreas Verificar o quanto o projeto de instrumentação e automação foram trabalhados e suas interligações com outras áreas Tempo total para execução da atividade Elétrico Tempo total para execução da atividade Instrumentação e automação Conclusão do Instrumentação e Automação Tempo total para execução da atividade Tabela 23 – Plano de Qualidade – Projeto Executivo 113 .PROJETO EXECUTIVO Item da WBS Terraplanagem e Civil Indicadores Conclusão do projeto de terraplanagem e de civil Definição Verificação do projeto terraplanagem e civil Forma de Medição Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Meta Tempo total para execução da atividade Processos Definição das etapas de processo a serem utilizadas Conclusão do projeto mecânico Verificar se todas as definições de processo necessárias para atingir a garantia final foram tomadas Verificar o quanto o projeto mecânico foi trabalhado e suas interligações com outras áreas Tempo total para execução da atividade Mecânica Tempo total para execução da atividade Tubulações Conclusão do projeto de tubulação Verificação do projeto de tubulação.

dentro das especificações técnicas necessárias. prazos de entrega e condições de pagamento Forma de Medição Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Meta Tempo total para execução da atividade Equipamentos e Materiais elétricos Compra de todos os equipamentos elétricos.SUPRIMENTOS DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS Item da WBS Equipamentos Mecânicos Indicadores Compra do todos os equipamentos mecânicos Definição Verificar se todos os equipamentos mecânicos já foram comprados e de acordo com as especificações técnicas. prazos de entrega e condições de pagamento Verificar se todos os itens necessários para a montagem da estação de Tratamento de efluentes foram comprados. prazos de entrega e condições de pagamento Verificar se todos os equipamentos elétricos já foram comprados e de acordo com as especificações técnicas. seus prazos de entrega e formas de pagamento. cabos e partes necessárias para montagem da elétrica Tempo total para execução da atividade Equipamentos Conclusão da e Materiais de compra de instrumentação todos os instrumentos Verificar se todos os instrumentos já foram comprados e de acordo com as especificações técnicas. prazos de entrega e condições de pagamento Verificar se todos os itens relacionados a tubulação foram comprados. Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Tempo total para execução da atividade Materiais de Tubulações Conclusão da compra de todos os itens relacionados a tubulação Tempo total para execução da atividade Equipamentos gerais Conclusão da compra de todos os demais equipamentos Tempo total para execução da atividade Tabela 24 – Plano de Qualidade – Suprimentos de Equipamentos e Materiais 114 .

terraplanagem e toda a montagem civil Definição Verificação do contrato com a empresa que ira efetuar o projeto de civil de acordo com as exigências do projeto e executar toda a terraplanagem e obras de civil necessárias Verificação do contrato com a empresa que ira efetuar o projeto elétrico de acordo com as exigências do projeto e executar toda a montagem em campo Verificação do contrato com a empresa que ira efetuar o projeto de tubulação de acordo com as exigências do projeto e executar toda a montagem em campo Verificação do contrato com a empresa que ira efetuar o projeto de isolamento térmico. Forma de Medição Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Meta Tempo total para execução da atividade Serviços de montagem de elétrica e instrumentaç ão Contratação da empresa responsável pelo projeto elétrico e montagem de todos os itens de acordo com as diretrizes do projeto Contratação da empresa responsável pelo projeto de tubulação e montagem de todos os itens de acordo com as diretrizes do projeto Contratação da empresa responsável pelo projeto de isolamento térmico. acústico e pintura. Verificação do projeto dos serviços de montagem mecânica. acústico e pintura de acordo com as exigências do projeto.SUPRIMENTO DE SERVICOS Item da WBS Serviços de Construção civil Indicadores Contratação da empresa responsável pelo projeto executivo. Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Tempo total para execução da atividade Tabela 25 – Plano de Qualidade – Suprimento de Serviços 115 . alem de montagem de todos os itens de acordo com as diretrizes do projeto Conclusão dos serviços de montagem mecânica Tempo total para execução da atividade Serviços de montagem de tubulações Tempo total para execução da atividade Serviços de isolamento e pintura Tempo total para execução da atividade Serviços de montagem mecânica.

CONSTRUÇÅO E MONTAGEM Item da WBS Mobilização e Canteiro de Obras Indicadores Preparação do local de montagem com a infraestrutura necessária e mobilização de equipamentos Conclusão da obra civil Definição Verificação da instalação e funcionamento do canteiro de obras Forma de Medição Meta Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Construção civil Verificação das instalações de civil. Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Montagem elétrica e instrumentação Conclusão da montagem elétrica e instrumentação Verificar o quanto do projeto de montagem elétrico foi trabalhado e suas interligações com outras áreas Verificação da montagem de tubulação Montagem de tubulação Conclusão da montagem de tubulação Isolamento e pintura Conclusão do isolamento térmico e acústico e pintura Conclusão da montagem mecânica Verificação das instalações de isolamento e pintura. Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa Percentual Tempo total realizado em função para execução das atividades da atividade necessárias e do prazo final da tarefa. Verificar a montagem mecânica e suas interligações com outras áreas Montagem mecânica Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Limpeza Acompanhamento da desmobilização de materiais e limpeza da obra Verificar o andamento da desmobilização Tabela 26 – Plano de Qualidade – Construção e Montagem 116 .

COMISSIONAMENTO E TESTES DE EQUIPAMENTOS Item da WBS Comissionamento Mecânico e Lubrificação Indicadores Comissionamento de todos os equipamentos e Lubrificação Definição Verificação status do comissionamento de todos os equipamentos Forma de Medição Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Percentual realizado em função das atividades necessárias e do prazo final da tarefa Meta Todos os equipamentos com permissão de funcionamento Comissionamento de Elétrica e Instrumentação Comissionamento de todos os equipamentos elétricos e de Instrumentação Verificação status do comissionamento de todos os equipamentos envolvidos Verificação dos testes com equipamentos Todos os equipamentos com permissão de funcionamento Testes Préoperacionais Inicio dos testes pré-operacionais dos equipamentos Todos os equipamentos com permissão de funcionamento Treinamento dos operadores e Manutenção Treinamento concluído para todos os operadores e equipes de manutenção Ministrar treinamento para todos os operadores e pessoal de manutenção Equipe Treinada e pronta para assumir a operação da Estação de Tratamento de Efluentes Tabela 27 – Plano de Qualidade – Comissionamento e testes de Qualidade 117 .

PRE OPERAÇAO E PARTIDA Item da WBS Testes de capacidade dos equipamentos Indicadores Execução dos testes de capacidade de todos os equipamentos envolvidos Definição Verificação da capacidade em operação de todos os equipamentos Forma de Medição Relatórios de atividade Meta Alinhar a operação de todos os equipamentos e acessórios necessários para o funcionamento da ETE Atingir os parâmetros operacionais descritos no projeto Atingir os parâmetros operacionais descritos no projeto Verificar o bom funcionamento dos equipamentos e habilidade da equipe operacional Calibração de Instrumentos Realização das calibrações de todos os instrumentos laboratoriais Relatórios de operação Calibração de Instrumentos Relatório de resultado de calibração Confirmação dos Parâmetros de Garantia Operação dentro dos parâmetros de projeto Resultados do efluente tratado Acompanhamento Operacional Dias trabalhados ininterruptamente Acompanhamento operacional Relatórios diários e livro de ocorrência Tabela 28 – Plano de Qualidade – Pré Operação e Partida 118 .

qualificado. indicado pelas Indústrias Reunidas Presto S.A.A.GARANTIA E CONTROLE DA QUALIDADE Atividades Análise laboratorial do efluente bruto de entrada Indicadores Associados Certificar que o efluente bruto de entrada na Estação de Tratamento de Efluentes esta de acordo com as características descritas no item 1.6 (Características do efluente tratado) do plano de engenharia Responsável Laboratório externo. Quando Amostra composta diária durante todos os dias do Teste de Performance Análise laboratorial do efluente tratado final Laboratório externo.5 (Características do efluente não tratado) do plano de engenharia Certificar que o efluente final tratado na Estação de Tratamento de Efluentes esta de acordo com as características descritas no item 1. qualificado. Amostra composta diária durante todos os dias do Teste de Performance Tabela 29 – Plano de Qualidade – Garantia e Controle de Qualidade 119 . indicado pelas Indústrias Reunidas Presto S.

que prejudiquem as condições operacionais da Estação de tratamento de Efluentes. • No caso de problemas ocorridos na Estação de Tratamento de Efluentes que venham a prejudicar sua performance. • 120 . devendo ser iniciado novamente assim que o problema for solucionado. o teste será cancelado. sendo mantido o período total de 15 dias para o teste. conforme descrito abaixo: 6.5 TESTE DE ACEITAÇÃO. o período deverá ser identificado e em comum acordo entre o cliente e o fornecedor excluído do período.6.2 Operação em condições de projeto por 15 dias corridos A estação de tratamento de efluentes poderá ser considerada transferida para o comprador somente depois de 15 dias (corridos) de operação dentro dos padrões de projeto apresentados neste plano de engenharia • Caso ocorram paradas na máquina de papel. A estação de tratamento de efluentes somente será aceita quando todos o itens deste documento forem comprovadamente realizados ou atingidos.5.1 Entrega Data Book de todos os equipamentos instalados contendo no mínimo: Certificados de qualidade de materiais Certificados de performance e/ou calibração Manual de operação Desenhos e instruções de montagem e manutenção Treinamento operacional e de manutenção para todos os itens instalados • • • • • 6.5.

não podendo exceder 30 dias após a confirmação de que a máquina de papel esta em produção continua.5.5. responsável pela produção do efluente a ser tratado estiver em operação normal e continua. onde serão feitas análises de todos os parâmetros listados no plano de projeto.6. Todas as análises do efluente tratado deverão estar abaixo do limite máximo exigido pelos órgãos competentes para lançamento em rio no estado de São Paulo. 121 . Deverá ser preparada por um laboratório externo a coleta de amostras compostas de 1 em 1 hora no período de 24 horas. • 6. durante 15 dias. • • 6.3 Período do teste O teste de aceitação somente poderá ocorrer quando a máquina de papel.5 Itens Gerais • Não deverão existir pendências com nenhuma das disciplinas envolvidas no projeto.4 Coleta de amostras.5.

FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES DA EQUIPE DO PROJETO A seguir está listada a relação de todos os cargos e respectivas funções e responsabilidades no projeto. estão dispostas as competências e habilidades esperadas para os ocupantes das respectivas funções. Além disso.1 OBJETIVO O documento a seguir se destina a tratar do plano de gerenciamento de recursos humanos. Elas devem ser consideradas no ato da contratação dos recursos.2 ORGANOGRAMA DO PROJETO Figura 14 – Organograma do Projeto 7.3 CARGOS.7 GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 7. Neste item estão descritas todas as necessidades de pessoal para que o projeto seja realizado com o melhor aproveitamento dos recursos humanos. 122 . 7.

Experiência mínima de 5 anos em obras industriais de grande porte Autoridade Possui plena autoridade sobre todos os aspectos do projeto. Gerenciar os contratos de compras e de serviços para o projeto. gerenciamento. Compra materiais de fornecedores devidamente qualificados. planejamento. Testes préoperacionais e partida 1 123 . 1 Gerente de Construção e montagem Planejamento de Montagem. Experiência mínima de 10 anos em planejamento e orçamentos de obras civis Liderança. além de relatórios de análise e andamento dos custos do projeto. planejamento. Quantidade estimada Gerente de Projeto Responsável pelo Projeto 1 Diretor Técnico Responsável pelo cumprimento de todas as especificações técnicas e de qualidade do projeto. comprometimento com as metas estabelecidas e cumprimento dos prazos. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. Pessoa de ligação entre a empresa e o gerente de projeto. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. comunicação. Responsável pelo teste de performance dos equipamentos. de acordo com os quesitos técnicos solicitados. cumprimento de prazos e custos definidos Assina aprovações de requisições de compra de materiais e serviços. Responsável pela execução das atividades do projeto dentro da política da empresa e da documentação técnica gerada pela engenharia Especial atenção para os prazos estabelecidos para o projeto Comunicação. de acordo com políticas da empresa e documentação técnica. gerenciamento de informações. gerenciamento e comunicação. Responde diretamente para 1 Coordenador de comissionamento e teste de equipamentos Responsável pelo comissionamento e testes com equipamentos adquiridos para o projeto. gerenciamento e comunicação. Aprova requerimentos do projeto e toma decisões para manter seu bom andamento.Cargos Funções/ Responsabilidades Principais Competências e Habilidades Esperadas Liderança. Experiência mínima de 10 anos em obras industriais de grande porte 1 Gerente de suprimento de serviços Responsável pelo fornecimento de suprimentos de serviços ao projeto. Toma decisões. Plena autoridade sobre os aspectos técnicos do projeto. Toma decisões para manter o bom andamento do projeto. Toma decisões para manter o bom andamento do projeto. Toma decisões para manter o bom andamento do projeto. planejamento. comprometimento com as metas estabelecidas e cumprimento dos prazos. Experiência mínima de 5 anos em planejamento e orçamentos de Aplica os recursos de mãode-obra do projeto da melhor maneira possível. aplica recursos e assina aprovações. Liderança. comunicação. para que o mesmo esteja conforme cronograma e custos esperados. gerenciamento. experiência em elaboração de planejamento.

gerenciamento e comunicação. fluxo financeiro. químico) Conhecimento em softwares de engenharia (AutoCAD). Funções. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. mecânico. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. alinhando as informações das diversas especialidades envolvidas no projeto Responsável por auditar os documentos do projeto e garantir a conformidade com o plano de qualidade Responsáveis pelo desenho técnico do projeto Responsáveis pelo atendimento às especificações técnicas do projeto Liderança. pagamentos e atendimento de legislação Assistente do gerente administrativo financeiro. gerenciamento de informações. Garante o cumprimento das especificações. experiência em elaboração de planejamento. Respondem diretamente para o Gerente de Construção e Montagem. atendimento aos prazos Mínimo de 3 anos de experiência em projetos civis Respondem diretamente para o Gerente do Projeto Executivo. Toma decisões para manter o bom andamento do projeto. comprometimento. 1 Assistente Administrativo Planejamento e experiência de 2 anos na atividade 1 Gerente de Engenharia Comunicação. 5 3 de cada especialid ade Tabela 30 – Cargos. Experiência mínima de 5 anos na atividade Assina aprovações relacionadas a RH e fluxo financeiro. Deve dar suporte necessário ao seu Gerente Responsável pelo andamento do projeto executivo.Cargos Funções/ Responsabilidades dos equipamentos. Responde diretamente para o Gerente do Projeto. planejamento. civil. Quantidade estimada Gerente Administrativo Financeiro Responsável pelo RH. Responde diretamente para o Gerente administrativo Financeiro Toma decisões para manter o bom andamento do projeto. liderança. Autoridade de qualidade do projeto. responsabilidades e autoridades 124 . Principais Competências e Habilidades Esperadas obras civis Autoridade o Gerente do Projeto. cumprimento de prazos e custos definidos 1 Auditor Sênior Experiência de 7 anos na área de auditoria 3 Projetistas Engenheiros (elétrico.

1 4.2 3. mecânico.1 3.2 1.7.1 5.6 2.4 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES Gerente de suprimento de serviços Atividade 1. civil e químico) C C A A A A A A A A A A A A A A A A A A A A Gerente de Construção e montagem Coordenador de comissionamento e teste de equipamentos Gerente de suprimentos de equipamentos e materiais Gerente Administrativo Financeiro Gerente de Engenharia Gerente de Engenharia Gerente do Projeto Diretor Técnico Auditor Sênior .3 3.3 Mobilização da equipe do projeto Plano de Gerenciamento Auditorias Encerramento Terraplanagem e Civil Processo Mecânica Tubulação Estrutura Metálica Elétrica Instrumentação e Automação Equipamentos Mecânicos Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos e Materiais de Instrumentação Materiais de Materiais de Tubulações Equipamentos Gerais Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Mecânica Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Isolamento e Pintura Mobilização e Montagem do Canteiro de Obras Construção Civil Montagem Mecânica R R A R A A A A A A A A A A A A A A A A A A A A C A C A C C C C C C C C A C A C A C A C A C A C A C A C A C A C A C A C C C C C C C C A C A R R R R R R R C Projetistas C C A A A A A A A Responsável R R R R R R R R R R R R R R C C C C C C C C C C C C C 125 Engenheiros (elétrico.5 2.4 2.2 5.5 5.4 2.2 2.3 1.1 2.4 3.5 4.1 1.2 4.3 2.7 3.4 4.3 4.

5 5.3 7.Gerente de suprimento de serviços Atividade 5. civil e químico) A A A A A A C C C C C C Gerente de Construção e montagem Coordenador de comissionamento e teste de equipamentos Gerente de suprimentos de equipamentos e materiais Gerente Administrativo Financeiro Gerente de Engenharia Gerente de Engenharia Gerente do Projeto Diretor Técnico Auditor Sênior .2 6.4 Montagem de Tubulação Montagem Elétrica e Instrumentação Isolamento e Pintura Retirada de Equipamentos e materiais da Obra e Limpeza Comissionamento Mecânico e Lubrificação Comissionamento de Elétrica e Instrumentação Testes Operacionais Treinamento de Operadores e Manutenção Testes de Capacidade dos Equipamentos Calibração de Instrumentos Confirmação dos Parâmetros de Garantia Acompanhamento Operacional A A A A A A A A A A A A R R R R R R R R R R R R C C C C C C C C C C C C Projetistas Responsável Tabela 31 – Matriz de responsabilidade A – aprova R – responsável principal C – colaborador 7.A: 126 Engenheiros (elétrico.3 6.7 6.2 7. mecânico.1 7.4 5.1 6.4 7.5 DEFINIÇÕES DAS NECESSIDADES DE PESSOAL Utilização dos Recursos Humanos recrutados pelas Indústrias Reunidas PRESTO S.6 5.

5 1 1 Nov 1 0.2 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 20.5 1 1 2011 Jun Jul 1 1 1 0.1 Histograma na forma de tabela Projeto CATEGORIAS Gerente de Projeto Diretor Técnico Gerente de suprimento de serviços Gerente Administrativo Financeiro Assistente Administrativo Gerente de Construção e Montagem Gerente de Suprimentos de equipamentos e materiais Coordenador de Comissionamento e Testes de Equipamentos Gerente de Engenharia Projetista de instrumentação Projetista de processos Projetista mecânico Projetista de tubulação Projetista Civil Projetista elétrico Engenheiro elétrico Eletricista Engenheiro mecânico Mecânico Técnico mecânico Engenheiro civil Encarregado de construção civil Encarregado de escavação Almoxarife Engenheiro Químico Técnico em Química 2009 Dez 1 0.4 1 1 27 1 1 17 1 15 16 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 2 2 1 1 2 2 2 2 2 2 2 1 1 2 2 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 23 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 1 2 1 25.1 1 1 1 Mar 1 0.5 1 1 24.5 1 1 1 1 1 Ago 1 1 0.6 Tabela 33 – Histograma em forma de Tabela 127 .5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 3 2 1 25.5 1 1 Jan 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 20.2 16.1 1 1 24.5 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 2 1 25.5 1 1 1 1 Jan 1 0.5 1 1 1 Set 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 3 2 1 24.5.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 2 1 24.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 2 1 22.5 1 1 Out 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 19.5 1 1 Fev 1 0.5 1 1 Dez 1 0.2 0.5 1 1 1 Mar 1 0.1 1 1 1 Abr 1 1 1 1 Mai 1 1 1 1 2010 Jun Jul 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Ago 1 1 1 1 1 Set 1 1 1 1 Out 1 1 1 1 Nov 1 1 1 1 1 Dez 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 23.7.5 1 1 1 Abr 1 0.2 1 1 2012 TOTAL Jan Fev 1 1 27 0.5 0.5 575.5 1 1 1 Fev 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 1 1 2 1 24.7 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 14.5 1 22.5 6.5 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 1 1 21.5 1 1 1 Mai 1 0.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 24.5 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 2 1 1 2 2 1 25.1 2 1 18 2 1 18 2 1 18 2 1 19 2 1 19 2 1 18 2 1 18 TOTAL 27 29 29 29 29 25 29 29 1 27 1 27 1 28 15 22 1 24 4 44 1 27 1 4 11.

2 Histograma de recursos na forma de gráfico de colunas empilhadas 30 25 20 Recuros Humanos 15 10 5 0 Dez 2009 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev 2010 2011 2012 Figura 15 – Histograma em forma de colunas 128 .5.7.

A. regras e padrões internos das Indústrias Reunidas PRESTO S. para que todas as providências cabíveis sejam tomadas. A substituição de pessoal. quanto a legislação trabalhista. 129 . dependendo do cargo ocupado pelo funcionário.6 CONFORMIDADES LEGAIS A contratação de profissionais deve seguir a forma de contratação já existente da Organização.7. deve ser devidamente comunicada ao setor de RH da empresa pelo Gerente de Projeto.2 Contratação de pessoal A contratação do pessoal necessário para o projeto será realizada através do setor de RH da empresa e de acordo com os perfis desejados para cada cargo. cesta básica.7. embora a responsabilidade do fornecimento continue a ser da empresa contratada diretamente pelas Indústrias Reunidas PRESTO S.7 ALOCAÇÃO E DEMANDA DE RH 7.7.1 Contratação através de empresa de terceirização A empresa terceirizada deve cumprir todas as exigências e obrigações de contrato. 7. baseada no registro dos colaboradores com base na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho – Decreto Lei 5.452 de 01/05/1943). 7.7. caso necessário.A. Há ainda benefícios extras como vale transporte. Cada funcionário contratado tem um formulário de descrição de cargo (vide template em anexo). 7. plano de saúde e odontológico.3 Remuneração A remuneração dos colaboradores envolvidos neste projeto varia de acordo com o cargo do funcionário e é competitiva em relação às demais companhias do setor.

7. baseado em seu escritório central. responsável pelo planejamento e centralizador dos custos com os treinamentos realizados. com o estabelecimento de necessidades de treinamento e controle de todas as informações pelo departamento de treinamento da empresa. Trabalhos que gerem horas extras deverão ser previamente autorizados pelo Gerente do Projeto. Sendo assim. de 02/01 a 30/11 de cada ano. TURNOS Administrativo 1º turno 2º turno Tabela 34 – Horários de Trabalho HORÁRIO 8:00 – 17:00 6:00 – 14:00 14:00 – 22:00 As Indústrias Reunidas PRESTO S.A já conta com uma política de avaliação de desempenho de seus profissionais. a questão do comprometimento de todos os funcionários envolvidos no projeto. realiza o acompanhamento do desenvolvimento de cada profissional. devido aos prazos para a entrega de propostas e necessidade de estudos mais profundos em alguns itens.A conta com um plano de treinamento para os seus empregados visando a maior especialização de todos. Há ainda a ser relacionado na questão de horários para a execução das atividades. Sendo assim.9 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E PREMIAÇÃO / RECONHECIMENTO As Indústrias Reunidas PRESTO S. através de informações fornecidas pelo seu superior 130 . estes custos com treinamentos a serem ministrados à equipe não foram contemplados no cronograma do projeto devido à existência de um departamento responsável por esta atividade. que totalizam 56 horas por ano. o horário de saída fica estendido até 17:15 hs.8 HORÁRIO. Também existirão compensações de feriados (pontes). Desta forma.7. LOCAL DE TRABALHO E CAPACITAÇÕES / TREINAMENTOS Existem diversos horários a serem controlados e considerados para este projeto e foram relacionados abaixo.

procura-se responder algumas perguntas como: Como podemos nos conhecer? O que deveremos fazer para conseguir perceber como somos ou como funcionamos? Quais são as formas de fazer isso de maneira mais precisa? 131 . com a apresentação da proposta final e avaliação do desempenho da equipe durante todo o projeto. baseado nas metas estabelecidas no orçamento anual. que é contabilizado e pago no início do próximo ano. Estas informações são centralizadas no departamento de RH.1 Gestão de Competências O desenvolvimento da equipe é algo que as Indústrias Reunidas PRESTO S. possui algumas maneiras de fazer seus funcionários e chefes se conhecerem melhor e poderem trabalhar mais à fundo em suas deficiências e pontos de melhoria. A periodicidade desta avaliação é realizada semestralmente.2 Sistemas de Gestão de si Mesmo Incentivar a Equipe na busca do autoconhecimento através de reuniões em datas a serem pré-definidas e de comum acordo. Por isso. 7.A tem grande preocupação. Com a ajuda do RH da empresa. sendo desta forma um meio de reconhecimento pelo trabalho executado por toda a equipe envolvida. Estas premiações não são válidas para terceiros. Há ainda um sistema de premiação definido pela Organização. A gestão de competências dos funcionários do projeto pode ser realizada de algumas maneiras: 7. há um método diferente de premiação. que realiza a compilação destes dados obtidos e encaminha a diretoria da empresa. havendo ainda uma avaliação final.9.9. que tem acesso a todas as informações.imediato e auto-avaliação feita pelo colaborador. com a destinação de uma porcentagem dos lucros obtidos a ser dividida pela equipe envolvida (Participação nos Lucros e Resultados – PLR). Para os colaboradores oriundos do escritório central da organização que se encontram alocados em obras em execução.

em conjunto com a Área de Qualidade.9.A tem sua gestão baseada nas normas administrativas que abrangem todos os setores envolvidos em seu processo produtivo. 7. elaborar medições das melhorias e também incentivar a participação e novas idéias. além de estabelecer de forma clara todas as diretrizes as quais devem ser seguidas por todos os seus colaboradores. ou seja. Novas idéias que contribuam para o sucesso do projeto serão premiadas. 7.11 NORMAS ADMINISTRATIVAS As Indústrias Reunidas PRESTO S. os procedimentos para organização do projeto. com o estabelecimento de regras para a execução das rotinas existentes dentro da organização. Estes procedimentos devem incluir: • • • Procedimento de Controle Procedimento de inspeção no desenvolvimento Plano de Documentação 7.4 Planos de trabalho Deve-se estabelecer.9.10 CRITÉRIOS DE LIBERAÇÃO DOS PRINCIPAIS RECURSOS HUMANOS Gerente do Projeto Demais funcionários O Gerente do Projeto será liberado após a conclusão do projeto O Gerente de Projeto e quem deve liberar ou não funcionário para outro contrato ou designar responsável para liberar ou não.3 Sistemas de Gestão de Processos O Sistema proposto quer buscar melhorias nos Sistemas de Qualidade e Documentação. tais como: • Assuntos gerais 132 .7. As normas administrativas abrangem itens.

Guia de utilização de EPIS e uniformes Responsabilidades básicas sobre segurança.LTP Segurança e proteção do meio ambiente Equipamento de proteção individual . onde serão evidenciados pelo técnico de segurança do trabalho..1 Segurança e medicina do trabalho Antes de exercer qualquer trabalho nas Indústrias Reunidas PRESTO S. Trabalho em altura. Trabalho à quente Especificação técnica para serviços de movimentação de cargas com guindastes • • Montagem e utilização de andaimes metálicos Manuseio interno e separação de resíduos sólidos gerados.A. Atendimento e primeiros socorros às vítimas de acidente Plano de atendimento à emergência Organização e limpeza.LTT Liberação de trabalhos perigosos .11. higiene e medicina do trabalho.• • • • • • • • Recursos humanos Finanças Contabilidade Administração Suprimentos Produção Materiais / equipamentos Penalidades 7. os seguintes aspectos: • • • • • • • • • • • • • Liberação de trabalhos de terceiros . 133 . Trabalho em espaço confinado. todos os colaboradores e terceiros devem passar pelo treinamento de segurança e medicina do trabalho. Cartão de segurança.

• Cópia da Carteira de trabalho. 7. O RH.2 Integração: Quando o prestador de serviço entrar pela primeira vez no local de trabalho. deve indicar aos seus funcionários todos os treinamentos que os mesmos devem participar. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. conforme NR 01. Atestado de Saúde Ocupacional atualizado. ele deve assistir a uma palestra realizada pelo SEESMT. de acordo com os critérios da NR7. Não é necessária a presença de todos os colaboradores em todos os treinamentos.11. • • Ficha de registro. de 08 de junho de 1978. a qual terá validade de 24 (vinte e quatro) meses.3 Liberação de acesso: A necessidade de liberação de acesso ocorre quando o prestador de serviço participou da Palestra de Integração. qualificação civil. 7.11. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. estando esta dentro do prazo de 24 (vinte e quatro) meses. • Cópia autenticada do *Controle da Entrega e Utilização do Equipamento de Proteção Individual. com a ajuda de cada superior. Pedido ou contrato. mas sim todos os que tratam do assunto específico. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. Documentos necessários: • • • Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades. contrato de trabalho com a respectiva empresa e atualizações tanto de cargo como salários.• Normas Regulamentadoras . Ordens de Serviço Sobre Segurança e Medicina do Trabalho. 134 . emitidas aos trabalhadores envolvidos na atividade contratada.Portaria 3. nos campos de identificação.214.

4 Renovação: A Prorrogação de acesso ocorre quando o período inicialmente proposto na integração ou liberação de acesso não foi suficiente para conclusão do serviço. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. Para a prorrogação de acesso é necessária a anuência do Gerente de Projeto e que as exigências das documentações estejam regularizadas. Documentos necessários: • • Documentos que substituem os documentos vencidos.Documentos necessários: • • • Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades. 7. Ficha de registro.11. nos campos de identificação.5 Alteração de funcionário de pedido: A Alteração de pedido ocorre quando a empresa possuir um pedido ou um contrato e necessitará migrar empregado entre pedidos. Pedido ou contrato com a nova data de prorrogação. qualificação civil. Pedido ou contrato. 7. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. A alteração de pedido poderá ocorrer também em situações de vencimento de documentos no período de vigência dos serviços. Pedido ou contrato com a nova data de prorrogação. contrato de trabalho com a respectiva empresa e atualizações tanto de cargo como salários. Ficha de registro. 135 . sendo necessária para esta situação a anuência do Gerente de Projeto. de todos os trabalhadores envolvidos na atividade contratada. • • • Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades. sendo necessário estender o prazo.11. Documentos necessários: • • Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades. Cópia da Carteira de trabalho.

além de realizado uma apresentação destes itens quando da contratação do colaborador. seguindo sempre os valores definidos como base para a execução das atividades. 136 . à clareza de posições e ao decoro. certificada junto aos órgãos certificadores. Por fim.Tratar as práticas de comportamento a serem observadas no exercício das atividades profissionais. quanto à integridade. demonstrando assim o comportamento esperado pela organização a ser realizado por cada colaborador. visando atingir os resultados planejados de forma correta. Para informar aos colaboradores é feita a distribuição de uma cartilha com o detalhamento dos itens a serem seguidos pela empresa na sua política de responsabilidade social.12 CÓDIGO DE ÉTICA As Indústrias Reunidas PRESTO S. e motivar o respeito e a confiança entre os colaboradores e o público em geral. o código de ética da organização pode ser resumido nos seguintes objetivos: . visando expor todos os valores pregados pela empresa.A conta com um código de ética disponibilizado a todos os funcionários quando da sua contratação.7.

com a definição dos principais meios para ser estabelecida a comunicação destes documentos e a forma de circulação a ser realizada. distribuição. foi estabelecido um plano de comunicação. Reunidas PRESTO S. Documento Declaração Preliminar do Escopo Plano de Projeto Orçamento Inicial do E E E Fo Fo Re. É aplicável a todas as partes interessadas.8 GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO 8. 8.A. recuperação e destinação final das informações sobre o projeto. Fo - - - P P P C - C C - Órgãos de Comunicação C - Órgãos Governamentais Mercado comprador de papel Sindicatos Patronais Stakeholders Órgãos Ambientais Funcionários do projeto / obra Ind. O Gerente do Projeto será o responsável por implementar e garantir que este plano seja seguido conforme seus itens abaixo. Visa estabelecer os principais documentos que irão formalizar toda a comunicação do projeto. Outro objetivo deste plano é evitar que os problemas na comunicação possam acarretar um produto final diferente do requerido.1 INTRODUÇÃO Este plano de comunicações do projeto tem como finalidade definir os processos necessários que garantam a geração. definindo as necessidades de comunicação de cada membro ou stakeholders. além gerenciar a transmissão das informações referente ao projeto.2 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO Analisando o conjunto de necessidades de informações dos envolvidos no projeto e o tratamento a ser dado a estas informações. Fornecedores ONG’S 137 . coleta. armazenamento.

Fornecedores ONG’S 138 . Em.A. Reunidas PRESTO S. Pr Fo Re.Ev C C M - Órgãos de Comunicação C M - Órgãos Governamentais Mercado comprador de papel Sindicatos Patronais Stakeholders Tabela 35 – Plano de Comunicação LEGENDA Períodos M – Mensal S – Semanal Ev – Eventual D – Diário Responsabilidades D – Destinatário E – Emissor P – Apóia V – Valida C – Conhecimento Meios Fo – Formulário Re – Relatório Em – E-mail Ru – Reunião Pd – Planilha de dados Pr – Projetos/ desenhos Ex – Executa Órgãos Ambientais Funcionários do projeto / obra Ind.Ev V M - C. Pd Fo. Re Re Fo. Pd. Re Fo Re Ru M - C C. Fo. D M - P P P P S - C.Documento Departamento EAP do Projeto Cronograma do Projeto Orçamento dos Serviços– Entrega da Proposta Indicadores Financeiros e de Desempenho Relatório de Evolução das Atividades Atas de Reunião da Equipe Semanais Procedimentos Específicos Ata de Reuniões Externas Solicitação de Alteração de Escopo do Projeto Relatório Final do Projeto Relatório especifico sobre o assunto Procedimentos (técnicos e de segurança) para a execução das atividades E E E E M S E M E E - Pd Re Re.

8. porém sempre com cópia e conhecimento do GP Figura 16 – Fluxo de Comunicação do Projeto 139 .3 FLUXO DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO Funcionários Gerente de Produção / Operação Gerente do Projeto Demais Gerentes Mercado Comprador de Papel Indústria de Papel e Celulose Acionistas Comunicação padrão Comunicação alternativa para agilização da comunicação.

4. Os meios considerados como válidos no projeto da Estação de Tratamento de Efluentes serão: • • • • • • • • Relatórios Formulários Memorandos Cartas Atas de reunião E-mails Autorizações Documentos e formulários disponibilizados pelos integrantes no local do projeto 8. a transferência de informações e lições aprendidas.1 O Gerenciamento do Processo de Distribuição de Informação Para o gerenciamento da distribuição de informações serão utilizadas três ferramentas: • Reuniões de trabalho. apresentações específicas ou outras técnicas de comunicação adequadas • • Sistema de coleta e distribuição de informações Processo de Lições aprendidas 140 .8.4 MEIOS E EVENTOS DE COMUNICAÇÃO DO PROJETO Os meios de comunicação devem ser formais visando a documentação.

2 Eventos de Comunicação a) Reuniões com ata registrada e acompanhamento As reuniões formais serão realizadas às sextas-feiras com o objetivo de acompanhar o progresso semanal das atividades e ajustar.4. se necessárias.8. as metas para a próxima semana. Solicitações de mudanças destas reuniões devem ser feitas por escrito com 24 horas de antecedência. Serão definidos os seguintes eventos de comunicação: 141 . Reuniões Extraordinárias podem ser solicitadas através de um pedido formal do gerente de projeto.

Os resultados de desempenho. Responsável pelo tempo do gerenciamento do custo e Responsáveis técnicos das atividades em andamento Profissional do departamento de recursos humanos e integrantes do time do projeto individualmente 2 horas Reunião de avaliação da equipe Avaliar o desempenho do time do Registro de avaliação do desempenho do time do projeto. Gerente do Projeto Uma após 3 meses do início do projeto e outra no final do mesmo. EAP. informar aos envolvidos o escopo. conforme previsto no projeto. incluindo plano de gerenciamento de gerente. sendo o processo principal de aprovação das solicitações de mudança apresentadas no sistema de controle integrado de mudanças Gerente do Projeto Semanal Gerente do projeto. de projetos. cronograma. Servirão para atualizar as A ata de reunião conterá a avaliação periódica ou final da bases de capacitação dos recursos humanos da equipe. Ata de reunião com lista de presença requerida Avaliação dos indicadores do projeto RESPON-SÁVEL Gerente do Projeto FREQUÊNCIA No início do projeto PARTICIPANTES Todos os envolvidos no time do projeto DURAÇÃO 3 horas Reunião do Comitê de Gestão de Mudanças1 Garantir o cumprimento do plano do projeto. inclusive do gerente empresa. Extraordinariamente será realizada uma reunião sempre que ocorra o desligamento de algum integrante do time 1 hora 142 . principais entregas. Responsável pelo plano de gerenciamento de tempo. custos em grandes números. será enviado ao departamento de recursos humanos.TIPO Reunião de início de projeto ou etapa OBJETIVO Iniciar o projeto PRODUTOS Relatar o objetivo do projeto. recursos humanos.

cumprimentos de linha de Planos do verificando se o que está base. sugestões do Projeto os problemas ocorridos de modo a de mudança.TIPO Reunião de Avaliação de Fornecedores OBJETIVO Avaliar antecipadamente potenciais problemas relativos a fornecedores entregas de suprimentos segundo plano de gerenciamento de suprimentos PRODUTOS Analise de desempenho de fornecedores Avaliação de pontos fortes e fracos para classificação futura em outras aquisições RESPON-SÁVEL Gerente de suprimentos FREQUÊNCIA Mensal PARTICIPANTES Gerente de suprimentos. melhoria de fornecer base para novos projetos processos e planos de capacitação Tabela 36 .Eventos de Comunicação Responsável pelo plano de gerenciamento das comunicações Mensal 1 hora Gerente do projeto Ao fim do projeto 4 horas 143 . Responsável pelo tempo de gerenciamento do tempo e comunicações. líderes de equipe e gerente do projeto Todos participantes do time do projeto e Gerente de projetos DURAÇÃO 1 hora Reunião de Avaliar a efetividade dos planos Avaliação dos Avaliação dos de gerenciamento do projeto. discutir os sucessos e conhecimento. responsável pelo plano de gerenciamento de custos e quando necessário fornecedor convidado a prestar esclarecimentos Responsável pelo plano de gerenciamento das comunicações. validação dos Projeto estabelecido como regra no plano processos de está sendo cumprido e se o plano gerenciamento necessita de atualização Reunião de Apresentar os resultados obtidos Atualização das bases de Encerramento no projeto.

b) Atas de Reunião Todas as reuniões descritas na tabela acima devem apresentar ata de reunião conforme template abaixo. REUNIDAS PRESTO S. Depois de terminada. Projeto: Local Reunião: Assunto: Participantes Empresa Visto Emitente: dia/mês/ano Folha: / Distribuição: Item Ação Prazo 144 . MODELO DE ATA DE REUNIÃO Data: ATA DE REUNIÃO IND. a ata deve ser enviada por email a todos os envolvidos na reunião. tendo estado eles presentes ou não.A.

> III. MODELO DE ATA RELATÓRIO DE DESEMPENHO Data: RELATÓRIO DE DESEMPENHO DO PROJETO IND. dentro de PROJETOS. Todos os itens que devem ser informados estão no relatório abaixo. Próximas atividades <Atividades que estarão em foco no próximo período de acompanhamento do projeto. Lista dos pontos de atenção e um breve parágrafo explicativo. bem como todas as atividades que foram realizadas e pendentes desde o último relatório. Mencionar sempre que houver uma atividade de replanejamento (não programada pelo Plano de Gerenciamento do Projeto). mencionar desde quando.> 145 . dia/mês/ano Versão: Data de aprovação: Identificação do Relatório Projeto: Elaborado por: Aprovado por: Data de emissão: Período de verificação: I. REUNIDAS PRESTO S.c) Desempenho do Projeto O andamento do projeto deve ser acompanhado de perto pelo Gerente do Projeto e por todos os envolvidos (direta e indiretamente). Nele deve ser informado o andamento do mesmo. Mensalmente. Atividades Pendentes <Atividades que deveriam ter sido concluídas e não foram.A. Se a atividade estiver atrasada. o Gerente do Projeto deverá expedir o Relatório de Desempenho do Projeto (vide anexo a seguir). Atividades realizadas desde o último relatório <Incluir nome da atividade como previsto pela EAP (disponível na rede da empresa na pasta PROJETOS EM EXECUÇÃO. Pontos de atenção <Questões que devem ter atenção no projeto.> IV. O acesso a essa pasta é restrito)> II.

Inserir nome e descrição do desvio.Data: RELATÓRIO DE DESEMPENHO DO PROJETO IND. Posicionamento em relação ao cronograma planejado <Inserir o Gráfico de Gantt do Plano do Projeto em MS Project com o avanço físico até o momento. dia/mês/ano V. Análise de Valor Agregado COTR = CRTR = COTA = IDP = COTR/COTA = IDC = COTR/CRTR = IX.> VI.A.> VII. Ações corretivas O quê Por quê Quem Quando Onde Como VIII. REUNIDAS PRESTO S. Comentários pertinentes <Inserir algum comentário que não tenha sido discriminado pelo relatório.> Assinatura do responsável: 146 . Razões dos desvios <Lançar motivação para desvios em relação ao programado e as ações corretivas que serão implementadas.

Ferramenta ou Técnica em Uso Qual a Ação Desenvolvida? Qual o Resultado? Qual Seria um Resultado mais adequado? O que Teria criado este Melhor Resultado? Qual Foi a Lição Aprendida? Como Alguém Pode identificar essa situação novamente no Futuro? Qual o comportamento Recomendado para o Futuro? Onde este Conhecimento pode ser Utilizado? Quem poderá ser Informado sobre esta Lição? ( )Executivos ( )Gerentes Projeto ( )Equipe ( )Outros:_____________ 147 . dia/mes/ano Projeto: Responsável pelo Relatório: Fase do Projeto: Nome da Lição: ( ) Iniciação ( ) Planejamento ( ) Execução ( ) Controle ( ) Encerramento Especifique o Processo de Gerenciamento de Projeto em Uso Especifique a Prática. REUNIDAS PRESTO S.d) Gerenciamento dos Processos de Lições Aprendidas Para este processo deverão ser preenchidos os formulários de lições aprendidas (vide anexo a seguir).A. Data: LIÇÕES APRENDIDAS IND. No fim de cada fase do projeto sessões de lições aprendidas deverão ser conduzidas.

3. dia/mes/ano Como Poderá esta Lição ser Disseminada? ( )Email ( )Intranet ( )Biblioteca ( )Outros:_____________ Cite os 3 itens que mais contribuíram para o sucesso do projeto na sua opinião 1. REUNIDAS PRESTO S.A.Data: LIÇÕES APRENDIDAS IND. 2. Cite os principais obstáculos encontrados durante o projeto 148 . Cite os 3 itens que mais contribuíram para o fracasso do projeto na sua opinião 1. 3. 2.

> REVISADO POR APROVADO POR DATA DE PUBLICAÇÃO DATA DE CONTRATAÇÃO Cargo Cargo 149 . Data: dia/mes/ano _____________________________ Divisão/Departamento Local Cargo Gerente: Cargo Nível/Graduação Tipo de emprego: Horário integral Meio-expediente Fornecedor Estagiário Horas________ / semana Isento Não isento Descrição Geral <Descrever sucintamente o cargo em questão.Formulário de Descrição de Cargo Descrição de Cargo para IND. apontando também responsabilidades da função.> Requisitos educacionais <Descrever necessidades específicas para realização da função.> Requisitos de experiência profissional <Descrever os pré-requisitos necessários para preenchimento do cargo em questão. REUNIDAS PRESTO S.A.

o correto e constante gerenciamento das partes interessadas: • aumenta a probabilidade de o projeto fracassar ou ter problemas devido a itens não resolvidos das partes interessadas. relatórios e qualquer outro tipo de informação gerada para a comunicação do projeto serão arquivados de duas formas distintas. Sendo assim. 8. Conforme problemas apareçam durante o projeto.4. indexados e arquivados em armários e outras estruturas de apoio convencionais. • • aumenta a capacidade das pessoas trabalharem sinergicamente.4. limita interrupções durante o projeto. manuais.4 Gerenciamento das Partes Interessadas De acordo com o Guia PMBOK®.3 Gerenciamento dos Registros do Projeto Todos os registros. quanto mais rápida for a comunicação entre as partes interessadas e os setores responsáveis por sanar a falha ou deficiência levantada menores serão os impactos negativos desta deficiência no projeto. o Gerente do Projeto deve abordar e resolver estes problemas juntamente com as partes interessadas aplicáveis. Os métodos de comunicação identificados para cada parte interessada e que devem ser utilizados durante o projeto estão descritos a seguir. Os manuais e documentos que não possam ser convertidos eletronicamente deverão ser registrados. “O gerenciamento das partes interessadas se refere a gerenciar as comunicações para satisfazer as necessidades das partes interessadas no projeto e resolver problemas com elas”. Portanto. Aqueles que por ventura possam ser arquivados de forma eletrônica deverão ser organizados em pastas em diretório compartilhado pela equipe do projeto.8. 150 . A administração e controle destes documentos ficarão a cargo de cada comissão.

Estas questões podem ter diversas naturezas: solicitações de mudança e ações corretivas aprovadas. Problemas não resolvidos podem vir a se tornar uma importante fonte de conflitos e atrasos no projeto. um problema é declarado e esclarecido para que possa ser resolvido da melhor maneira possível. Conforme os requisitos das partes interessadas forem identificados e resolvidos. emails e outras ferramentas eletrônicas são muito úteis para trocar informações e estabelecer contatos. atualizações de ativos de processos organizacionais e do plano de projeto. • Registros de problemas úteis na documentação e monitoramento da resolução de um problema. inclusive os membros da equipe”.• Reuniões presenciais são meios altamente eficazes de comunicação para a resolução de problemas com as partes interessadas. etc). O anexo a seguir deve ser preenchido. mas normalmente são abordados para manter bons relacionamentos construtivos de trabalho entre as várias partes interessadas. 151 . É designado um responsável pela resolução do mesmo e uma data alvo para seu cumprimento. “em geral os problemas não chegam a ter a importância de um projeto ou atividade. Quando as reuniões presenciais não podem ocorrer (projetos internacionais. o formulário de registro de problemas documentará as questões abordadas. Ou seja. De acordo com o Guia PMBOK®. foneconferências. telefonemas.

REUNIDAS PRESTO S. dia/mes/ano Registro de Problemas: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sumário ID Data do Problema Quem Levantou Status Descrição Descrição Prioridade Impacto Ação Responsável Resolução Resultado Esperado Data prevista da solução Implementado em 152 .Data: FORMULÁRIO DE REGISTRO DE PROBLEMA IND.A.

9 GERENCIAMENTO DE RISCOS 9. atualizar os existentes e fechá-los no registro de riscos. Somente o Gerente do Projeto pode incluir novos riscos. 153 . O Gerente de Projeto é o responsável pela inclusão destas informações no registro de riscos após a verificação para assegurar que riscos duplicados não sejam registrados. O registro de riscos é atualizado durante a execução do projeto e deve ficar arquivado no sistema de informações e arquivo da empresa. Mapeamento eficiente de todos os riscos. conforme Tabela 37. Todas estas informações básicas dos riscos estarão sendo registradas no formulário de controle de riscos. Preparação de plano de respostas aos riscos.1 Identificação dos riscos Neste processo será feita a análise dos problemas potenciais identificados.1 OBJETIVO O Plano de Gerenciamento de riscos tem como objetivos: • • • • Identificar e analisar os efeitos das incertezas do projeto.2. Qualificação dos riscos. 9. visando analisar a informação registrada.2 PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 9.

Engenharia Engenheiros capacitados para confecção das RFP´s Nenhum fornecedor de serviços homologados se interessar em fornecer equipamentos Mapear outros Iniciar as contratações dentro fornecedores deserviços Gerente do Projeto do cronograma para o projeto. confecção das RFP´s para os Projeto/Gerente de de forma prévia. Mostrar importância de cumprimento dos prazos na confecção das RFP´s para os Engenheiros Civis. mesmo que não sejam cadastrados Comprar pelos contratos atuais e negociar prazos menores Providenciar transporte próprio para entrega dos equipamentos Resguardar essa ocorrência em contrato com prazo de reposição definido Gerente do Projeto/Gerente de Suprimentos Gerente do Projeto/Gerente de Suprimentos Diretor Técnico/Gerente de Suiprimentos Diretor Técnico/Gerente de Suiprimentos Nenhum fornecedor homologado se interessar em fornecer equipamentos Atraso na aquisição de equipamentos Iniciar as compras dentro do cronograma Iniciar Negociação com fornecedores dentro do cronograma do porto para a fábrica será realizado por uma empresa especializada nesse tipo de transporte.A. Projeto/Gerente de de forma prévia. Engenheiros Civis.A. Eletricistas Engenharia Engenheiros capacitados e Mecânicos envolvidos para confecção das RFP´s Iniciar as compras dentro do cronograma Mapear outros fornecedores de equipamentos para o projeto. Eletricistas e Mecânicos envolvidos Atraso na Entrega de equipamentos Avaria do equipamento durante o transporte rodoviário Atraso na Preparação da RFP para compra fornecedores de serviços Identificar na equipe de Engenharia da Indústrias Gerente do Reunidas PRESTO S.FORMULÁRIO DE CONTROLE DE RISCOS Formulário de Controle de Riscos Descrição do Risco Plano de Mitigação Plano de Contingência Responsável Atraso na execução dos projetos Executivos Atraso na Preparação da RFP para compra de equipamentos Mapear todas as empresasa de Engenharia Gerente do Viabilizar recursos para que tem expertise para Projeto/Diretor contratação externa confecção de qualquer dos Técnico Projetos executivos previstos Identificar na equipe de Mostrar importância de Engenharia da Indústrias cumprimento dos prazos na Gerente do Reunidas PRESTO S. mesmo que não sejam cadastrados Iniciar as contratações dentro do cronograma Realizar reuniões com contratados para eliminar problemas na mobilização Motivar a participação/comprometimento contratar pelos contratos atuais e negociar prazos menores Atraso na contratação dos serviços Gerente do Projeto Atraso na Mobilização Substituição de Pessoal Mapear outras empresas aptas em fazerem as Obras Civis Gerente do Projeto Atraso na Construção Civil Gerente de Construção Tabela 37 – Formulário de Controle de Riscos 154 . . .

A. de planos Ambientais de Projetos estaduais e municipais Mapear profissionais ou Saida de membros da Equipe de Viabilizar recursos para empresas capazes de Gerente do Projeto Projeto contratação externa participarem do Projeto Tabela 37 – Formulário de Controle de Riscos 155 . visto que foi prevista em período de baixa chuva Contratar tendas para colocação no local de trabalho Gerente de Construção Atraso na Montagem mecânica Buscar outra opção de mão de obra externa Gerente de Construção Ocorrência de Chuvas Contratar Tendas para colocação no local de trabalho Gerente de Construção Atraso na Montagem das Tubulações Ocorrência de Chuvas Iniciar as montagens das Buscar outra opção de mão Tubulações conforme de obra externa cronograma Iniciar as obras de Montagem das Tubulações conforme Contratar Tendas para cronograma. fazer a Gerente do Projeto desmobilização e cobrar da e Gerente de Empresa Contratada Construção conforme contrato mapear outros Conscientizar profissionais da fornecedores e Atraso no Comissionamento e Testes Indústrias reunidas PRESTO Gerente do Projeto dos equipamentos S.A. sobre a importância dessa profissionais que possam Etapa para o projeto realizar este serviço Prepara Plano de aprovação de Contratar empresa Diretor Plano Ambiental da Obra nos Embargo ambiental da Obra especializada na realização Técnico/Gerente órgãos ambientais federais. visto que foi colocação no local de prevista em período de baixa trabalho chuva Iniciar Montagem Elétrica e Instrumentação conforme cronograma Buscar outra opção de mão de obra externa Gerente de Construção Gerente de Construção Atraso na Montagem Elétrica e Instrumentação Gerente de Construção Gerente de Construção Atraso no Isolamento e Pintura Iniciar trabalhos de isolamento Buscar outra opção de mão e Pintura conforme cronograma de obra externa Atraso na Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Limpeza Realizar reuniões para entender o problema Indústrias reunidas PRESTO S.Ocorrência de Chuvas Iniciar as obras Civis conforme cronograma. visto que foi prevista em período de baixa chuva Iniciar as montagens mecânicas conforme cronograma Iniciar as obras de Montagem Mecânica conforme cronograma.

Em seguida foi preparado o Risk Breakdown Structure (RBS) organizando de forma estruturada os riscos identificados do projeto. Técnicos e Legais. Todas as informações que foram consideradas necessárias para gerenciar e controlar os riscos identificados pelos participantes do grupo do projeto estão devidamente registradas no Formulário de Controle de Riscos. 156 . conduzidas pelo Gerente de Projeto e utilizando técnicas de Brainstorm. levando em conta os Riscos Internos. Externos. conforme Tabela 37.O mapeamento dos riscos foi feito em reuniões especificas para este fim.

INDÚSTRIAS REUNIDAS PRESTO S. Atraso Aquisições Saida de Pessoal Falta de recursos Atraso RFP´s Atrasos na Construção Tubulações Mecânica Elétrica Isolamento Pintura Comissionam. Desmobilizaç. Riscos EXTERNOS Riscos LEGAIS 1 Mercado Financeiros Licenças Ambientais Registro CREA Meio Ambiente Fornecedores Alvarás de Funcionamento Documentos de Segurança Fornecedores de Fornecedores de serviços PCMAT PPRA 1 Riscos TÉCNICOS Riscos INTERNOS Atraso Proj.Risk Breakdown Structure (RBS) PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO DE EFLUENTES . Figura 17 – Risk Breakdown Structure 157 .A.

bem como qualquer alteração ocorrida na WBS ou nos riscos anteriormente identificados deve disparar a revisão de todo este ciclo de planejamento novamente. com a respectiva atualização de todos os planos.A ocorrência de riscos não previstos inicialmente no projeto. conforme Fluxograma apresentado na Figura 18: INÍCIO ATUALIZAR A IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS ATUALIZAR A ANÁLISE DOS NOVOS RISCOS ATUALIZAR A ANÁLISE DOS RISCOS ANTERIORES ATUALIZAR A ESTRATÉGIAS DE RESPOSTAS AOS RISCOS REVER E ATUALIZAR PLANOS PERTINENTES FIM Figura 18 – Fluxograma de Ocorrência de Risco 158 .

2.1 Análise qualitativa: Serão realizadas no processo de gerenciamento de riscos análises qualitativas em todos os riscos para estimar a probabilidade de ocorrência de um evento de risco e o impacto potencial no projeto.25 0.10 a Tabela 38 – Referencial de Probabilidade Avaliação do impacto: Assumindo a ocorrência do risco.75 0.95 0.50 0. Os passos para as análises qualitativas são os seguintes: Estimativa da probabilidade: O Gerente do Projeto e a equipe de trabalho realizaram a estimativa das probabilidades da ocorrência do risco de acordo com a seguinte definição: REFERENCIAL Grande Chance de Ocorrer Provavelmente ocorrerá Igual Chance de Ocorrer ou Não Baixa Chance de Ocorrer Pouca Chance de Ocorrer PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA 0. o impacto de cada risco é então avaliado da seguinte forma: GRAU DE IMPACTO Muito Grande Grande Moderado Pequeno Muito pequeno PESO 5 4 3 2 1 Tabela 39 – Pesos para o Grau de Impacto 159 .2.9.2 Análise qualitativa e quantitativa 9.2.

8 3 2 1 0.3 3.5 5.2 Priorização dos Riscos: Os riscos são priorizados seguindo o critério a seguir: • BAIXO RISCO: • MÉDIO RISCO: • ALTO RISCO: 0.75 0.25 0.95 0.Matriz de Priorização : A priorização dos Riscos leva em conta os valores oriundos da Matriz Probabilidade x Impacto.0 2.1 1.0 1.2.0 Tabela 40 – Pontuação de Riscos 9.75 0.9 1.0 4.5 1 0. Definição da Pontuação para cada Risco Mapeado Probabilidade 0.85 2.5 0.2 2.25 1.2.4 4.0 Impactos 3.50 0.10 0.75 0.25 0.90 2. onde tiramos os valores a serem usados para definição da priorização dos Riscos mapeados.5 1.00 à 4.75 2.25 0.75 3.5 0.95 0.75 A Tabela a seguir apresenta os riscos já priorizados: 160 .75 0.5 0.10 à 0.95 á 1.

10 2 BAIXO RISCO Atraso na Construção Civil 0.25 2 BAIXO RISCO Atraso na Preparação da RFP para compra de equipamentos 0.10 1 BAIXO RISCO Nenhum fornecedor de serviços homologados se interessar em fornecer equipamentos 0.5 2 MÉDIO RISCO Atraso na aquisição de equipamentos 0.10 1 BAIXO RISCO Nenhum fornecedor homologado se interessar em fornecer equipamentos 0.75 3 ALTO RISCO Avaria do equipamento durante o transporte rodoviário 0.95 4 ALTO RISCO Atraso na Preparação da RFP para compra fornecedores de serviços 0.25 2 BAIXO RISCO Atraso na Entrega de equipamentos 0.25 2 BAIXO RISCO 161 .50 2 MÉDIO RISCO Atraso na contratação dos serviços 0.25 2 BAIXO RISCO Atraso na Mobilização 0.Priorização dos Riscos Descrição do Risco Probabilidade Impacto Priorização Atraso na execução dos projetos Executivos 0.

25 3 BAIXO RISCO Atraso na Montagem Elétrica e Instrumentação 0.75 3 ALTO RISCO Embargo ambiental da Obra 0.25 2 BAIXO RISCO Ocorrência de Chuvas 0.25 2 BAIXO RISCO Ocorrência de Chuvas 0.10 1 BAIXO RISCO Atraso no Comissionamento e Testes dos equipamentos 0.25 3 BAIXO RISCO Atraso na Montagem das Tubulações 0.25 3 BAIXO RISCO Atraso na Montagem mecânica 0.25 2 BAIXO RISCO Atraso no Isolamento e Pintura 0.Ocorrência de Chuvas 0.75 3 ALTO RISCO Saida de membros da Equipe de Projeto 0.25 2 BAIXO RISCO Atraso na Desmobilização de Materiais e Equipamentos da Obra e Limpeza 0.10 3 BAIXO RISCO Tabela 41 – Tabela de Priorização dos Riscos 162 .

os riscos devem ter ações que atuem visando reduzir as probabilidades e dos impactos dos riscos. A tática aplicada pelo responsável do risco vai depender das circunstâncias do risco e sua análise. o responsável pelo risco deve analisar e investigar potenciais riscos secundários que possam resultar desta estratégia. caso ações compromissadas venham a ser executadas.3 PLANEJAMENTO DE RESPOSTAS Para o gerenciamento de forma efetiva. 9. farão parte das atividades diárias do time do projeto. com possibilidade de correção. Monitorar o risco: O impacto previsto pode ser considerado aceitável considerando-se o custo de mitigação. Todos os riscos identificados serão analisados pelos responsáveis para estabelecimento de uma estratégia adequada. no decorrer do projeto. onde as conseqüências são consideradas aceitáveis e que podem vir a ser monitoradas. 163 . onde a estratégia de resposta aos riscos será incorporada ao plano do projeto como novas atividades ou revisando as atividades existentes. O objetivo é minimizar os efeitos do risco a um nível tal que o risco possa ser controlado e gerenciado para garantir que os objetivos do projeto sejam alcançados. Neste caso a estratégia será monitorar o risco e só tomar ação se o impacto previsto se tornar inaceitável. A estratégia de resposta deve também abordar a efetividade do custo das ações em relação ao impacto do risco. Proteção do risco: A adoção de medidas paralelas que irão reduzir o impacto na ocorrência do risco. ou empresas no caso. Porém a estratégia em geral é a seguinte: Redução de risco: Reduzir a probabilidade ou o impacto do risco a um nível considerado aceitável. Transferência do risco: Medidas que irão transferir o impacto do risco para outras áreas. Na preparação da estratégia.9.4 MONITORAMENTO E CONTROLE DOS RISCOS Estas atividades.

164 . Caso sejam realizadas mudanças nas ações dos riscos. levando em conta a evolução do projeto. que cada responsável do risco e responsável por ação tenha atualizado a situação das ações sob sua responsabilidade. O risco só será fechado se o grupo envolvido no projeto concordar com esta recomendação. o responsável pelo risco em conjunto com o gerente do projeto devem recomendar o fechamento do risco. as ações de resposta aos riscos e as circunstâncias do projeto.5 FECHAMENTO DE RISCOS Após a determinação da não consideração de uma ameaça em um risco. o gerente de projeto realizará a revisão no registro de riscos. 9. o gerente do projeto mudará o status no registro de riscos de aberto para fechado e registrará as razões do fechamento nos formulários de controle de riscos e ações de risco. estimativa de probabilidade e impacto.Após a aceitação da definição do risco. o gerente de projeto organizará sessões mensais de revisão dos riscos. O Gerente do Projeto deve assegurar que cada risco tenha sido reavaliado. Uma vez aceito o fechamento.

10 GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES 10.1 OBJETIVO O Plano de Aquisições tem como objetivo definir a metodologia e procedimentos a serem adotados para as atividades de aquisição de bens e serviços. focando nos seguintes pontos apresentados no Fluxo a seguir: Gerenciamento das aquisições do Projeto Planejar Compras e Aquisições Selecionar Respostas de Fornecedores Planejar Contratações Selecionar Fornecedores Solicitar Respostas de Fornecedores Administração de Contratos Encerramento do contrato Figura 19 – Fluxo de aquisições 165 . de forma a garantir as necessidades do escopo do Projeto.

condições de pagamento. preparação de especificações técnicas e RFP e controle do mapa de aquisições do Projeto. custo da estrutura que será usada no Projeto. Solicitação de Orçamento: Proposta Comercial.10.4 TIPO DE CONTRATO O contrato a ser feito com fornecedores (materiais/equipamentos e serviços) será aquele baseado em menor preço global.A. RFP – Request for Proposal: Solicitação de Proposta: Informações sobre o produto ou serviço (parte técnica). incluindo o tipo do contrato a ser usado. valores.3 PLANEJAR COMPRAS E AQUISIÇÕES Este item vai descrever como o processo de aquisição e compra será gerenciado. 10. a um custo definido e num prazo determinado. 10. participação do Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.2 DEFINIÇÕES RFI – Request of Information: Solicitação de Informação: Informações sobre o fornecedor e sua idoneidade. com remuneração pelo fornecimento completo em prazo determinado (Contrato com Preço Fixo).. sendo esse Departamento o responsável por todas as 166 . Contrato por Preço Fixo: A contratada é remunerada pelo fornecimento completo de um conjunto de bens e serviços.A. 10.5 PARTICIPAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE COMPRAS As atividades de Suprimento de materiais e equipamentos serão executadas conforme os procedimentos e práticas do Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.

Engenheiro Mecânico 167 . Gerente de Engenharia Equipamentos Mecânicos Preparação de RFP para equipamentos Engenheiro Mecânico Mecânicos Preparação de RFP para equipamentos Engenheiro Mecânico Mecânicos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos Elétricos Preparação de RFP para equipamentos Elétricos Preparação de Especificação Técnica de Equipamentos de Instrumentação Preparação de RFP para equipamentos de Instrumentação Preparação de Especificação Técnica das Tubulações Preparação de RFP para Tubulações Preparação de Especificação de Equipamentos Gerais Preparação de RFP para Equipamentos Gerais Engenheiro Eletricista.5. 10.compras de materiais e equipamentos para o projeto.1 Preparação de Especificações Técnicas e RFP A Responsabilidade pela preparação das Especificações Técnicas e RFP´s para envio a fornecedores está apresentada na Tabela 42: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E RFP RESPONSÁVEL MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Preparação de Especificação Técnica de Engenheiro Mecânico. Gerente de Engenharia Engenheiro Mecânico Engenheiro Eletricista. Gerente de Engenharia Engenheiro Eletricista. Engenheiro Mecânico. As atividades de Suprimento de serviços serão de responsabilidade do Gerente de Projetos. Gerente de Engenharia Engenheiro Eletricista Engenheiro Mecânico. Gerente de Engenharia Engenheiro Eletricista Engenheiro Eletricista.

Gerente de Construção Serviços de Isolamento e Pintura Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Isolamento e Pintura Engenheiro Mecânico Preparação da Especificação Técnica dos Engenheiro Mecânico. Gerente de Construção Serviços de Montagem de Tubulações Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem de Tubulações Engenheiro Mecânico Preparação da Especificação Técnica dos Engenheiro Mecânico. Gerente de Construção Serviços de Montagem Mecânica Preparação da RFP para Contratação dos Engenheiro Mecânico Serviços de Montagem Mecânica Tabela 42: Responsáveis por preparar Especificações Técnicas e RFP´s para materiais. equipamentos e Serviços 168 .ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E RFP SERVIÇOS Preparação da Especificação Técnica dos Serviços de Construção Civil Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Construção Civil RESPONSÁVEL Engenheiro Civil. Gerente de Construção Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Preparação da RFP para Contratação dos Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Engenheiro Eletricista Preparação da Especificação Técnica dos Engenheiro Mecânico. Gerente de Construção Engenheiro Civil Preparação da Especificação Técnica dos Engenheiro Eletricista.

DATA DE DURAÇÃO ASSINATURA DO TIPO DO DO CONTRATO CONTRATO CONTRATO (DIAS) ATIVIDADE DESCRIÇÃO Todo Equipamento mecânico será adquirido pelo Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.. O Departamento de Engenharia será o responsável pela elaboração da especificação técnica e da RFP..10. O Departamento de Engenharia será o responsável pela elaboração da especificação técnica e da RFP. Todo Equipamentos e Materiais Elétricos será adquirido pelo Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S. contendo a especificação de aquisição de equipamentos. Ambos os documentos deverão ser Aquisição de Equipamentos Mecânicos 15/7/2010 90 PREÇO FIXO Aquisição de Equipamentos e Materiais Elétricos 8/7/2010 45 PREÇO FIXO Aquisição de Equipamentos e Materiais de Instrumentação 1/7/2010 30 PREÇO FIXO 169 . O Departamento de Engenharia será o responsável pela elaboração da especificação técnica e da RFP.A.A. Ambos os documentos deverão ser encaminhados ao Departamento de Compras para envio aos possíveis fornecedores já cadastrados na Empresa.2 Mapa de Aquisições do Projeto A Tabela 43 apresenta o mapa de aquisição utilizado no Projeto. materiais e Serviços. Ambos os documentos deverão ser encaminhados ao Departamento de Compras para envio aos possíveis fornecedores já cadastrados na Empresa.5. Todo Equipamento e Materiais de Instrumentação será adquirido pelo Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S..A.

todas as especificações e RFP´s prontas para envio aos Fornecedores cadastrados na Empresa. O Departamento de Engenharia Aquisição de será o responsável pela Materiais de elaboração da especificação Tubulações técnica e da RFP. DATA DE DURAÇÃO ASSINATURA DO TIPO DO DO CONTRATO CONTRATO CONTRATO (DIAS) Todo Equipamento e Materiais de Tubulações será adquirido pelo Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S. conforme prazos acertados no cronograma do projeto. deverá entregar. Ambos os documentos deverão ser encaminhados ao Departamento de Compras para envio aos possíveis fornecedores já cadastrados na Empresa. Após a análise das propostas recebidas o gerente de projeto deverá apresentar ao Diretor Técnico para aprovação da Empresa Fornecedora que prestará o serviço.ATIVIDADE DESCRIÇÃO encaminhados ao Departamento de Compras para envio aos possíveis fornecedores já cadastrados na Empresa. 3/6/2010 60 PREÇO FIXO ATIVIDADE DESCRIÇÃO O Gerente de Projeto será o responsável pela contratação de todos os Fornecedores de Serviços de Construção Civil.A.A será responsável por elaborar o contrato para contratação.. O Departamento de Construções da Indústrias Reunidas PRESTO S.A. A Assessoria Jurídica da Indústrias Reunidas PRESTO S. DATA DE ASSINATURA DO CONTRATO DURAÇÃO DO CONTRATO (DIAS) TIPO DO CONTRATO Aquisição de Serviços de Construção Civil 24/11/2010 130 PREÇO FIXO 170 .

O Departamento de Construções da Indústrias Reunidas PRESTO S.ATIVIDADE DESCRIÇÃO DATA DE ASSINATURA DO CONTRATO DURAÇÃO DO CONTRATO (DIAS) TIPO DO CONTRATO O Gerente de Projeto será o responsável pela contratação de todos os Fornecedores de Serviços de Montagem Mecânica. O Departamento Montagem de Construções da Indústrias Elétrica e Reunidas PRESTO S. Após a análise das propostas recebidas o gerente de projeto deverá apresentar ao Diretor Técnico para aprovação da Empresa Fornecedora que prestará o serviço. O Gerente de Projeto será o responsável pela contratação de todos os Fornecedores de Serviços de Montagem de Tubulações. A Assessoria Jurídica da Indústrias Reunidas PRESTO S.A será responsável por elaborar o contrato para contratação. A Assessoria Jurídica da Indústrias Reunidas PRESTO S. deverá entregar. todas as especificações e 15/6/2010 150 PREÇO FIXO 3/6/2010 133 PREÇO FIXO 26/8/2010 254 PREÇO FIXO 171 .A. conforme prazos acertados no cronograma do Aquisição de projeto.A. todas as especificações e Serviços de RFP´s prontas para envio aos Montagem Fornecedores cadastrados na Mecânica Empresa. deverá Instrumentação entregar.A será responsável por elaborar o contrato para contratação. O Departamento de Construções da Indústrias Reunidas PRESTO S. deverá entregar.A. conforme prazos acertados no cronograma do Aquisição de projeto. O Gerente de Projeto será o responsável pela contratação de todos os Fornecedores de serviços Aquisição de de Montagem Elétrica e Serviços de Instrumentação. todas as especificações e RFP´s prontas para envio aos Serviços de Montagem de Fornecedores cadastrados na Tubulações Empresa. conforme prazos acertados no cronograma do projeto. Após a análise das propostas recebidas o gerente de projeto deverá apresentar ao Diretor Técnico para aprovação da Empresa Fornecedora que prestará o serviço.

duração do contrato e tipo de contrato. conforme prazos acertados no cronograma do Aquisição de projeto. deverá entregar. todas as especificações e RFP´s prontas para envio aos Serviços de 15/6/2010 88 PREÇO FIXO Isolamento e Fornecedores cadastrados na Empresa.A será responsável por elaborar o contrato para contratação. Após a análise das propostas recebidas o gerente de projeto deverá apresentar ao Diretor Técnico para aprovação da Empresa Fornecedora que prestará o serviço. data prevista para assinatura do contrato. Tabela 43: Mapa de Aquisições do Projeto contendo: atividade. O Departamento de Construções da Indústrias Reunidas PRESTO S. Após a análise das Pintura propostas recebidas o gerente de projeto deverá apresentar ao Diretor Técnico para aprovação da Empresa Fornecedora que prestará o serviço. O Gerente de Projeto será o responsável pela contratação de todos os Fornecedores de Serviços de Isolamento e Pintura.A.A será responsável por elaborar o contrato para contratação. A Assessoria Jurídica da Indústrias Reunidas PRESTO S. descrição da atividade. A Assessoria Jurídica da Indústrias Reunidas PRESTO S.ATIVIDADE DESCRIÇÃO DATA DE ASSINATURA DO CONTRATO DURAÇÃO DO CONTRATO (DIAS) TIPO DO CONTRATO RFP´s prontas para envio aos Fornecedores cadastrados na Empresa. 172 .

deverá solicitar propostas aos Fornecedores já cadastrados na empresa.7 SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS O Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.. quinzenalmente a Planilha Modelo a seguir: Item Fornecedor Cód.10. Material Valor Unitário Qtde. mediante envio da RFP. ao Gerente do Projeto. conforme datas apresentadas na Tabela 45 abaixo: 173 . Para controle das aquisições de materiais e equipamentos feitos. Como já definido.A.A. toda a contratação de materiais e equipamentos será feito pelo de Departamento de Compras das Indústrias Reunidas PRESTO S. Valor Total Data da Compra Data de Entrega Tabela 44 – Planilha de Controle de Aquisições 10. conforme datas apresentadas na Tabela 44 abaixo: Gerente de Projetos deverão solicitar propostas aos Fornecedores já cadastrados na empresa.6 PLANEJAR CONTRATAÇÕES OU ENTREGAS DO PROJETO O Planejamento das Contratações do Projeto é baseado nas informações do escopo e deve seguir ainda as datas constantes no Cronograma do Projeto. e a contratação de serviços será feita pelo Gerente de Projetos. o Departamento de Compras deverá enviar. mediante envio da RFP. através de seu Gerente.

Os fornecedores consultados devem apresentar separadamente as propostas comerciais e técnica. entrando em contato com o Departamento de Compras. equipamentos e Serviços Para materiais e equipamentos deverão ser consultados no mínimo 03 (três) e no máximo 05 (cinco) fornecedores.ENVIO DE RFP PARA FORNECEDORES MATERIAIS E EQUIPAMENTOS RFP Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos Elétricos Envio de RFP a Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Envio de RFP a Fornecedores de Tubulações Envio de RFP a Fornecedores dos Equipamentos Gerais 1 dia 1 dia 1 dia 1 dia 1 dia DATAS 21/4/2010 14/4/10 7/4/10 10/3/10 28/6/10 21/4/2010 14/4/10 7/4/10 10/3/10 28/6/10 SERVIÇOS Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Construção 1 dia 10/8/10 10/8/10 Civil Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem 1 dia 19/4/10 19/4/10 Mecânica Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem de 1 dia 31/3/10 31/3/10 Tubulações Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Montagem 1 dia 12/5/10 12/5/10 Elétrica e Instrumentação Envio da RFP para Empresas de Prestação de Serviços de Isolamento e 1 dia 19/4/10 19/4/10 Pintura Tabela 45: Datas de envio de RFP´s aos Fornecedores de materiais. 174 .A. deverá se cadastrar previamente na empresa. em 3 (três) vias de cada encaminhadas conforme instruções contidas na RFP Caso algum fornecedor de equipamentos e materiais deseje fornecer materiais e equipamentos para a Indústrias Reunidas PRESTO S.

A.10. Os fornecedores de serviços deverão enviar respostas em dois envelopes lacrados.A. e pelo Gerente do Projeto para que o prazo da concorrência seja respeitado. procedimento já de uso no Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S. sendo um com a proposta comercial e outro com a proposta técnica. e seguindo data de realização conforme Tabela 43. Todo esforço deve ser feito pelo comprador do Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S. salvo autorização específica do Gerente do Projeto ou do coordenador de suprimentos. O prazo concedido para resposta dos fornecedores será de acordo com a Tabela a seguir: DATAS DE RETORNO DE PROPOSTAS DE FORNECEDORES MATERIAIS E EQUIPAMENTOS ITEM Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Mecânicos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Elétricos Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos de Instrumentação Retorno das Propostas de Fornecedores de Tubulações Retorno das Propostas de Fornecedores de Equipamentos Gerais PRAZO DE RETORNO DA PROPOSTA 2/6/10 26/5/10 19/5/10 21/4/10 9/8/10 PRESTADORES DE SERVIÇOS ITEM Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços PRAZO DE RETORNO DA PROPOSTA 12/10/10 175 .8 RESPOSTAS DE FORNECEDORES A resposta dos fornecedores de materiais e equipamentos será feito via leilão eletrônico. Nenhuma prorrogação será concedida bem como não serão recebidas propostas após a data de encerramento.

PRESTADORES DE SERVIÇOS ITEM PRAZO DE RETORNO DA PROPOSTA Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de 17/5/10 Montagem Mecânica Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de 5/5/10 Montagem de Tubulações Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de 14/7/10 Montagem Elétrica e Instrumentação Retorno das Propostas de Prestadores de Serviços de 17/5/10 Isolamento e Pintura Tabela 46: datas de retorno de propostas de fornecedores de materiais. Em caso de necessidade os potenciais fornecedores poderão agendar com o Gerente de Projeto reunião individual de esclarecimentos de eventuais dúvidas e ainda visitas ao local da obra.9 SELEÇÃO DE FORNECEDORES A escolha da proposta mais vantajosa se dará após a aplicação dos critérios de avaliação obrigatórios e classificatórios apresentados no Item 10. ou quando todos os fornecedores consultados apresentarem propostas ou justificarem a declinação antes da data acima mencionada. 176 . A proposta comercial será analisada pelo Gerente de Projeto que fará sua abertura. equipamentos e serviços A concorrência é considerada terminada na data de encerramento informada na RFP. Uma via da proposta técnica irá para o Gerente Engenharia que providenciará a Analise Técnica. 10.14.

.000.000.00 Acima de R$ 150.00 Acima de R$ 150.00 Acima de R$ 150.000.11 ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO Os contratos de aquisição de materiais e equipamentos serão aqueles já em uso no Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.000. deverá emitir relatórios semanais com registro de andamento dos pedidos de compra de materiais e equipamentos.00 Acima de R$ 150.00 LIMITE DE APROVAÇÃO RESPONSÁVEL PELA APROVAÇÃO Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico LIMITE POSSÍVEL DE APROVAÇÃO Acima de R$ 150.10 NÍVEIS DE APROVAÇÃO A Tabela abaixo mostra os limites de aprovação de cada envolvido no processo de aquisição dentro do projeto: MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Equipamentos Mecânicos Equipamentos Elétricos Equipamentos de Instrumentação Tubulações Equipamentos Obras Civis Equipamentos Gerais Consumíveis na Obra RESPONSÁVEL PELA APROVAÇÃO Gerente de Engenharia Gerente de Engenharia Gerente de Engenharia Gerente de Engenharia Gerente de Construção Gerente de Engenharia Gerente do Projeto RESPONSÁVEL PELA APROVAÇÃO LIMITE POSSÍVEL DE APROVAÇÃO Até R$ 150.00 Acima de R$ 150.000.000. Todos os contratos para fornecimento de serviços serão obrigatoriamente avaliados pela área jurídica da empresa e pelo Gerente do Projeto.00 Tabela 47 – Níveis de Aprovação 10.000.00 Acima de R$ 150.00 Até R$ POSSÍVEL 50.00 Até R$ 150.000.00 Acima de R$ 150.000.00 Acima de R$ 150.000.000.000.00 Acima de R$ 150.00 Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Diretor Técnico Acima de R$ 150.00 SERVIÇOS Diretor Técnico de R$ 50. Esses relatórios deverão ser enviados ao Gerente do Projeto.000.000.00 Até R$ 150.A.000.00 Até R$ 150.00 LIMITE POSSÍVEL RESPONSÁVEL PELA Acima APROVAÇÃO DE APROVAÇÃO Serviços de Construção Civil Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentação Serviços de Montagem Elétrica e Instrumentaçãol Serviços de Montagem de Tubulações Serviços de Isolamento e Pintura Serviços de Montagem Mecânica Gerente de Contratos de Engenharia Gerente de Contratos de Engenharia Gerente de Contratos de Engenharia Gerente de Contratos de Engenharia Gerente de Contratos de Engenharia Gerente de Contratos de Engenharia Até R$ 150.00 Até R$ 150.00 Acima de R$ 150.00 Até R$ 150.000.000.000.00 Até R$ 150.000.000.000.00 Até R$ 150.000.10.00 Até R$ 150.000.A.00 Até R$ 150.000.00 Até R$ 150.000. 177 .000. O Departamento de Compras da Indústrias Reunidas PRESTO S.

com finalidade de facilitar auditorias ou revisões. onde os valores unitários dos produtos e o custo/hora dos serviços serão fixados em contrato. sob supervisão o Gerente do Projeto. principalmente no que diz respeito ao cumprimento de prazos de entrega e atendimento aos requisitos solicitados. A equipe do Projeto deve manter uma série de pastas. 10. como referência do contrato.12 FECHAMENTO DO CONTRATO A equipe do Projeto. ou um arquivo. A elaboração dos contratos é de responsabilidade da área jurídica da empresa. O índice mínimo para uma pasta do contrato é: • • • • • • • • • RFP Contrato Aditivos ao Contrato Ordens de trabalho Pedidos de Mudanças Entregas e aprovação das Entregas Correspondências do contrato Correspondências do Contratante Avaliações do contratado 178 . A pasta e o índice representam a atividade dos contratos com os fornecedores. Todos os contratos deste Projeto são do tipo Preço Fixo. verificará se as exigências do contrato foram cumpridas e documentará as lições aprendidas. coordenada pelo Gerente de Projeto.Todas as cláusulas contratuais pactuadas devem ser rigorosamente respeitadas.

13 SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES As mudanças necessárias quanto às aquisições. o nome de um contato. e o número de telefone. serão tratadas pelo Gerente de Projeto. As referências devem conter o nome das organizações de referência. baseada nas categorias descritas abaixo: • Entendimento dos serviços pedidos .100 pontos Demonstra uma compreensão clara e concisa dos serviços pedidos.1 Relatório de avaliação de propostas de fornecimento de serviços Pré-requisitos Cada proposta para fornecimento de serviços deve atender a todos os prérequisitos.14. • Capacidade Financeira: O fornecedor deve demonstrar capacidade financeira de acordo com o que se pretende contratar. • Formato e tamanho da proposta: O formato da proposta deve claramente indicar e dirigir-se aos prérequisitos e critérios pontuados. caso contrário será rejeitada: • Folha de capa assinada A proposta deve incluir uma folha de capa completa.14 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 10.10. quando pertinentes. 179 . Critérios de pontuação A pontuação deve ser. 10. pelo menos. • Referências corporativas A proposta deve incluir um mínimo de três referências por parte do fornecedor de trabalhos similares executados.

pessoal do fornecedor alocado a cada tarefa e suas disponibilidades e acessibilidades. Gerência e estrutura organizacional.50 pontos Demonstra potencialidade para terminar os serviços pedidos.100 Custos de produtos.• Apresentação da Proposta . incluindo algumas limitações. Atribuições e posições atuais ou projetadas dos membros chaves. A resposta deve incluir a programação proposta para a entrega das tarefas. X = $1000.50 pontos Demonstra a habilidade do fornecedor em definir claramente às ações a serem feitas e a habilidade em executar as tarefas identificadas no escopo do trabalho. 180 . então B = 50 pontos. serviços e encargos determinarão os custos totais da proposta. A resposta deve listar: Uma explicação que descreva como o fornecedor pode acomodar o nível do trabalho atribuído sob este contrato. • Qualificação/capacitação geral do fornecedor . L = $500.100 pontos Qualificação dos serviços de instalação propostos . Este custo total será usado na fórmula abaixo para determinar os pontos concedidos para o custo: A fórmula para determinar os pontos concedidos do custo é: A = Pontos totais possíveis . Os procedimentos e/ou as políticas internas relacionadas ao controle de custo.100 L = O custo mais baixo proposto X = O custo a ser pontuado B = Pontuação "L" divido por "X" multiplicado por "A" = "B" Exemplo: A = 100 pontos. • pontos Demonstra as qualificações e a experiência certificada dos funcionários propostos para implantação dos itens contratados no ato da entrega • Custo .

: Data: CGC/CNPJ: Função: Atende/Não atende Atende/Não atende Atende/Não atende Atende/Não atende Pontuação máxima 100 50 50 100 100 TOTAL 181 .RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS Dados da Empresa Razão Social: Nome Fantasia: Endereço: Telefone: E-mail: Contato: Pré-requisitos Folha de capa assinada Referências corporativas Capacidade Financeira Formato e tamanho da proposta Critérios de pontuação Critério avaliado Entendimento dos serviços pedidos Apresentação da Proposta Qualificação/capacitação geral do fornecedor Qualificação dos serviços de instalação propostos Custo Fax: Nº.

em Junho de 2009. estes realizaram a discussão da parte técnica mais a fundo.11 CONSIDERAÇÕES DO GRUPO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 11.1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL (ORGANOGRAMA E DEFINIÇÃO DE PAPÉIS) A estrutura organizacional montada durante o projeto foi realizada com base na experiência técnica e profissional de cada integrante do grupo. Figura 20 – Representação da Equipe PRESTO 182 . todos os membros do grupo participaram da compilação de todo o trabalho. A pessoa responsável por unificar todo o trabalho foi o João Copetti. Apesar dessa divisão das atividades. Dessa maneira. Os papéis e responsabilidades de cada integrante do grupo foram definidos logo na primeira reunião. Como o tema que foi abordado está relacionado a Engenharia e três membros do grupo são engenheiros. enquanto os demais participantes se responsabilizaram pela compilação das partes menos técnicas. ninguém foi sobrecarregado e todos tiveram a oportunidade de desenvolver um bom trabalho.

todos os demais integrantes opinaram e ajudaram na revisão de todas as partes do trabalho. Apesar de a matriz abaixo só conter os responsáveis. o trabalho foi dividido de forma a não sobrecarregar nenhum membro da equipe. Todas as atividades foram divididas de forma que todos os membros do grupo entregassem uma análise para avaliação da equipe de 15 em 15 dias. Os papéis e responsabilidades de cada integrante do grupo foram definidos logo na primeira reunião. Ou seja.2 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES Na matriz de responsabilidade abaixo encontram-se todas as atividades macro relacionadas ao desenvolvimento do TCC e seus respectivos responsáveis (R). de Recursos Humanos e de Aquisições Mariana Cardoso Allegretti 183 João Copetti . no máximo. conforme abaixo: Maria Célia Mitidiero R R R R R R R R R R R R R R R R R Júlio César Ragone Lopes INTEGRANTES ATIVIDADES Termo de abertura do projeto Declaração de escopo Estrutura Analítica do projeto Dicionário da EAP Lista de atividades Diagrama de redes – PDM Lista de recursos das atividades Estimativa de duração das atividades e do projeto – modelo PERT Cronograma do projeto Plano da qualidade Consolidação dos planos de Escopo e Tempo Estimativa de custos do projeto Orçamento detalhado do projeto Matriz de responsabilidades Plano de gerenciamento de pessoas Mapa de aquisições Consolidação dos planos de Custos.11.

Devido a isso. uma das participantes saiu do grupo no dia da entrega de uma das atividades sob sua responsabilidade. o grupo agiu como uma brilhante equipe e logo as atividades foram re-divididas. A tabela acima contempla a versão atual/real das atividades. infelizmente não conseguimos entregá-la ao professor na data requerida. Apesar desse contratempo e de todas as atividades do dia-a-dia. verificar a viabilidade de cada um na nova atividade para que todos os entregáveis fossem finalizados no prazo e com qualidade. procurando. Mariana Cardoso Allegretti 184 João Copetti .Maria Célia Mitidiero Júlio César Ragone Lopes INTEGRANTES ATIVIDADES Plano de gerenciamento de riscos Matriz de riscos Identificação e análise dos stakeholders do projeto Plano da comunicação Consolidação os planos de Riscos e de Comunicação Plano de gerenciamento da integração Coordenação do grupo Slides da apresentação Formatação do plano do projeto conforme o modelo para TCC Conclusões individuais Revisão do Plano do projeto Entrega do TCC para o professor Apresentação presencial do TCC Tabela 48 – Matriz de Responsabilidade R R R R R R R R R R R R R R R R R R R R R R Durante o andamento do TCC. claro.

Todas as datas foram alinhadas em reuniões periódicas realizadas pelo grupo por fone conferência.3 CRONOGRAMA DOS TRABALHOS Segue a seguir o cronograma das atividades realizadas pelo grupo.11. email ou chat no ambiente online da FGV. Tabela 49 – Cronograma de Trabalhos 185 .

4 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO DOS TRABALHOS O monitoramento e o controle do desenvolvimento dos trabalhos foram realizados durante cada reunião do projeto e em troca de emails. De Outubro em diante a freqüência foi quinzenal devido a proximidade das datas de entrega. Além das reuniões agendadas. 11.5 CALENDÁRIO DE REUNIÕES As reuniões ocorreram quinzenalmente no início do projeto. ANO MÊS DIAS DAS REUNIÕES Junho 06 20 Agosto 15 Outubro 03 24 Novembro 07 15 21 Dezembro 05 12 Janeiro 10 22 Fevereiro Março Tabela 50 – Calendário de Reuniões 186 2009 2010 . houve muitos encontros virtuais e troca de emails para o desenvolvimento de determinadas tarefas.11. Durante as reuniões periódicas discutíamos: • • Escopo a ser feito Data limite para entrega (considerando 1 semana para a revisão do grupo) • • Esclarecimento de dúvidas Próximos passos Esse formato permitia monitorar o desenvolvimento das atividades e realocar recursos. de Junho a Setembro elas foram esporádicas. A maior parte das atividades e discussões ocorreu por email. quando necessário. Porém. As reuniões também ocorreram em outros dias e/ou horários conforme necessidade. sempre aos sábados (dias destacados na tabela). às 10:00 horas.

6 FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO Por este ser um curso online. todos tinham acesso a todo o conteúdo discutido. Emails. o grupo não foi prejudicado. escolheu-se este meio de comunicação como o mais freqüente e eficiente. etc. infelizmente não foi possível realizar reuniões presenciais além das proporcionadas pela Fundação Getúlio Vargas durante os seminários presenciais do curso. os integrantes do grupo são de diversas cidades do Brasil. 11. Seguem abaixo os meios de comunicação utilizados: • • • • Chats no ambiente Moodle. pois utilizamos a experiência de integrantes do grupo na área estudada para realizarmos um trabalho possível de ser implementado. para otimizar a comunicação da equipe. Conferências via Skype®.7 AVALIAÇÃO DO GRUPO SOBRE A VIABILIDADE DE EXECUÇÃO DO PROJETO EM CONDIÇÕES REAIS O projeto de construção de uma indústria de tratamento de efluentes realizado é totalmente real e viável. É obvio que. Sendo assim.11. Cada parte finalizada era enviada aos demais participantes para que todos dessem suas opiniões e sugestões sobre o trabalho. Todas as estimativas apresentadas no Plano de Projeto foram estudadas e feitas de acordo com a experiência dos envolvidos na área. Fone conferências. Todos os arquivos e bibliografias pesquisados eram disponibilizados aos demais via email. Todas as reuniões tiveram a participação de todos os integrantes do grupo. Assim. para um grande projeto como este ser implementado com sucesso (assim como todo projeto). telefone. da FGV Online. pois utilizou muitas ferramentas de comunicação via internet. Porém. Como muitos membros do grupo viajam constantemente e o acesso mais fácil de todos era a sua caixa de emails. é preciso que o Gerente do Projeto e os demais gerentes e coordenadores sejam pessoas extremamente competentes e que as sugestões feitas no plano de 187 .

é possível implementar o projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes em uma indústria produtora de papel. conclui-se que. Dessa maneira diversos problemas enfrentados durante a execução de um projeto podem ser evitados. seguindo o plano de projeto elaborado pelo grupo.projeto sejam realizadas. 188 .. Sendo assim.

1.A. O alto grau de comprometimento do grupo também influenciou bastante para manter o cronograma de atividades. como emails e ferramentas de internet como o skype ajudaram para que os comentários e tomadas de decisão fossem feitas rapidamente. bastante importante no desenvolvimento de um plano de projeto. As atividades tiveram que ser redistribuídas para os outros participantes do grupo.1 Pontos Fortes e Fracos do Grupo Todos os participantes do grupo possuem um ponto em comum. a qual tinha responsabilidades e vinha apresentando um bom desempenho.1 JOÃO ARLINDO GIL COPETTI Este item tem por objetivo registrar as considerações e lições aprendidas pelo aluno João Arlindo Gil Copetti. alem de termos tempo para fazer uma critica interna sobre os pontos abordados antes da apresentação final.12 CONSIDERAÇÕES INDIVIDUAIS 12. O evento que causou o maior impacto negativo na equipe de trabalho e conseqüentemente no próprio trabalho foi à saída de uma participante. Este contato prévio com os temas abordados e os documentos necessários geraram uma facilidade de comunicação e certa independência entre os participantes do grupo de trabalho. A falta de disponibilidade de trabalhar em horários comuns para todos foi um ponto que teve de ser superado e com o auxílio de ferramentas de comunicação. todos trabalham em setores técnicos dentro de suas atividades profissionais e em posições de gerenciamento. participante da elaboração do plano de gerenciamento do projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. 12. 189 . tendo contato com os documentos necessários para a elaboração do trabalho. evitando correrias nas datas de entrega das etapas do trabalho.

A unificação de eventos do projeto e documentos que normalmente são gerados se tornou um desafio na hora de elaborar o trabalho.1. Trabalhar com uma equipe multidisciplinar.3 Dificuldades encontradas Acredito que a maior dificuldade encontrada foi manter sempre alinhados o escopo de trabalho. Todos os temas vistos durante o curso puderam ser aplicados. principalmente com relação ao ritmo de trabalho e disponibilidade de tempo para reuniões e discussões. A elaboração do escopo de fornecimento detalhado para o projeto foi essencial para o desenvolvimento de todas as outras atividades do plano de projeto. mas enriquecedor. 190 . Áreas diversas como custos. mesmo que toda técnica e a distância. as exclusões e os serviços a serem prestados. riscos. onde todas as atividades. O plano de gerenciamento de risco e o próprio levantamento dos riscos envolvidos no desenvolvimento do projeto foram muito importantes para uma visão geral do projeto e identificar pontos importantes que merecem uma atenção especial. entre outros foram completamente integrados durante o desenvolvimento deste trabalho. mantendo assim uma linha única de pensamento que foi definida na elaboração do escopo de fornecimento.12. Criar um documento agrupando informações pertinentes ao projeto foi trabalhoso. Documentos comuns para um setor têm formatos diferentes e/ou informações distintas. Esta etapa. quando bem definida irá criar as bases e limites de trabalho para todas as atividades necessárias ao projeto. gerenciamento do tempo.2 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto O trabalho como um todo foi desenvolvido em um caso real. 12.1. que não são empregadas em outro setor. pessoas e eventos ocorrem no dia a dia do desenvolvimento de um plano de trabalho e do próprio gerenciamento de um projeto como o proposto. escopo. geraram um aprendizado muito grande. indicando sua importância na formação do Gerente de Projetos.

gerando várias discussões e um aprendizado muito grande. Detalhes que muitas vezes são considerados pequenos e que não devem criar grandes impactos ao projeto podem gerar distorções nos setores de aquisição e reflexos diretos no cronograma de trabalho e nos custos com re-trabalho para adequações. Itens como uma possível greve de órgãos governamentais foram levantados e o impacto no projeto teve de ser considerado e se mostrou real e digno de atenção. necessário para criar a curva de gastos mensal para o projeto foi bastante trabalhoso devido ao tempo disponibilizado. 191 . sem dúvida. Listar os vários riscos ao projeto e suas conseqüências foi uma das grandes dificuldades encontradas. contribuindo para mantê-lo dentro do cronograma de trabalho e garantindo os custos iniciais do projeto.Apresentar um cronograma muito próximo da realidade de um projeto como o proposto foi um ponto que teve de ser trabalhado arduamente. O detalhamento dos custos ao longo do projeto. Este processo deveria ser feito com uma atenção desde o início das atividades e assim pode-se observar e remanejar despesas para que o processo seja mais constante. Em um caso real este processo exige uma pessoa com experiência e tempo para esta atividade.1. o mais detalhada possível cria uma facilidade de desenvolver todas as outras atividades do plano de gerenciamento. sendo necessário alto comprometimento e poder de gerenciamento. 12. Um dos maiores desafios foi. que requer um grande poder de concentração. manter o grupo focado e em constante contato com os temas que estavam sendo desenvolvidos. A identificação e monitoramento do status dos riscos irão evitar problemas inesperados ao projeto. A análise dos riscos do projeto deve ter uma atenção especial da equipe de trabalho e do gerente do projeto. não permite que simplesmente se tome 30 minutos de seu dia.4 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho A definição do escopo de fornecimento. assim como irá deixar muito claras as responsabilidades e abrangência do trabalho do gerente de projetos. Separar uma parte do dia a dia para um trabalho paralelo como o proposto.

listando com critério e fazendo análises continuas do status de cada um. Uma sugestão individual é a de termos uma etapa presencial no inicio da disciplina de Concorrência de Projetos para alinhar as idéias e objetivos do trabalho. 192 . Dar atenção por mais tempo. Este exige tempo para que seja processado e organizado. tornado este documento a base para acompanhar o status das diversas atividades. uma previsão de custos e de mão de obra necessárias.12. As reuniões feitas por telefone foram efetivamente necessárias para que opiniões fossem emitidas e decisões fossem tomadas. mantendo toda a equipe informada para que ações possam ser tomadas para mitigar o impacto no projeto.1. Trabalhar continuamente e com especial atenção para os riscos do projeto. ao longo de todo o processo de desenvolvimento da atividade ao tema CUSTO. ou seja.6 Conclusão individual A oportunidade de trabalhar com um tema real e necessário para qualquer empresa tornou o aprendizado efetivo. 12. A importância de um escopo bem definido.1.5 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho Montar e trabalhar continuamente no cronograma. A troca de emails e o uso de outras ferramentas da internet permitiram uma rápida comunicação agilizando a tomada de decisão. Todos os temas trabalhados ao longo do curso foram utilizados na elaboração deste trabalho. Manter toda a equipe envolvida com o cronograma para que possam acompanhar os pontos que devem ser atacados com especial atenção. Todos os documentos preparados durante o desenvolvimento dos temas foram bastante práticos e baseados em experiência dos participantes do grupo. A oportunidade de trabalhar com pessoas de diferentes formações e em distintos locais de trabalho desenvolveram muito a parte de comunicação. alem de experiência para a identificação de desvios da realidade. alem de uma análise de risco bastante abrangente foram temas bastante discutidos.

193 .O comprometimento do grupo de trabalho. que apesar das atividades profissionais do dia a dia. dedicaram varias horas na elaboração dos temas propostos tornaram a atividade prazerosa e de grande valia para o desenvolvimento profissional. João Arlindo Gil Copetti.

2 Pontos Fortes e Fracos do Grupo Pontos Fortes: A elaboração do Plano de Gerenciamento de Projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. 1. Na minha avaliação o Grupo teve dois pontos fortes que merecem destaque: 1. Alto sentido de equipe exercitado por cada um ao longo da elaboração do trabalho. Busca de conhecimento sobre o tema escolhido. que nem todos dominavam antes do início dos trabalhos.1 Introdução Este item tem por objetivo registrar as considerações e lições aprendidas pelo aluno Júlio César Ragone Lopes.A.12. cada um deu o máximo para que o resultado final fosse alcançado. A princípio fiquei preocupado com o fato da distância geográfica entre os membros da equipe contribuir negativamente para o desenvolvimento dos trabalhos. exigiu de cada participante da equipe uma grande disponibilização de tempo. Mesmo nesse cenário.. 2. 12. trocas de telefonemas e e-mail´s.2 JÚLIO CÉSAR RAGONE LOPES 12.A. alto volume de pesquisa e ainda muitas reuniões.2. mas no decorrer do mesmo 194 .2. Alto sentido de equipe exercitado por cada um ao longo da elaboração do trabalho. participante da elaboração do plano de gerenciamento do projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S.

Busca de conhecimento sobre o tema escolhido. Esse sentido de equipe trouxe reflexos positivos no desenvolvimento dos trabalhos. conseguimos criar um sentido de equipe.A. Foi um exercício de bastante pesquisa e leitura e que no final trouxe os frutos esperados com a conclusão do Plano de Gerenciamento de Projeto para construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. e-mail´s e telefone). O tema escolhido.ficou claro que essa era uma barreira que na verdade não existia. Pontos Fracos: Enxerguei 1 ponto fraco na elaboração desse trabalho: 1. fato que levou algum tempo para definição e continuidade da confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto. ou seja. também se apresentou bastante desafiador para todos os membros da Equipe. Usando as ferramentas disponíveis (Internet. 12.2. permitindo que o tema mestre do projeto. que nem todos dominavam antes do início dos trabalhos.3 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto Ressalto como Aspectos Positivos no Desenvolvimento do Trabalho: Atendimento aos temas colocados em cada projeto parcial. ao mesmo tempo que se apresentou com um alto grau de complexidade. onde cada um procurou se inteirar de suas responsabilidades e desenvolver suas atribuições de acordo com o que era acertado nos encontros virtuais. Desistência de um Membro da Equipe: Tivemos a desistência de participação no MBA de uma colega que fazia parte de nossa equipe e que tinha sob sua responsabilidade o desenvolvimento das seguintes etapas do Plano de Gerenciamento de Projeto: Custos Aquisições Com essa desistência tivemos que remanejar as responsabilidades dentro do grupo. 2. elaboração do plano de gerenciamento do projeto de 195 . Cada um teve que se esforçar para estudar e entender todos os envolvimentos ligados a construção de uma estação de tratamento de efluentes para que pudesse entender o contexto geral e desempenhar as atividades a cada um determinada.

a conclusão do Plano de Gerenciamento do Projeto. etc). apostilas.A. 12. Disponibilização de tempo para realização do trabalho. Sugestões sobre melhoria nos trabalhos parciais apresentados por cada membro da equipe.5 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho Minha experiência na participação desse trabalho me permite recomendar que qualquer trabalho desse tipo somente terá sucesso se como medida inicial for permitido a cada 196 . O tema foi dominado e assimilado por todos. o que permitiu um desenvolvimento bastante eficiente do trabalho. Pesquisa constante e permanente aos materiais usados em sala de aula (papers. fosse atingido. ele não foi uma fator de restrição para que os objetivos do grupo fossem alcançados. textos.. Participação de todos os membros da equipe com leitura. 12.2.construção de uma estação de tratamento de efluentes para as Indústrias Reunidas PRESTO S. Utilização da estrutura da FGV para realização das reuniões e discussões para elaboração do trabalho. ou seja.4 Dificuldades encontradas Todas as dificuldades encontradas pela equipe se concentram no fator tempo para reuniões e confecção dos trabalhos parciais.2. apesar de se mostrar uma dificuldade individual. Comprometimento de todos para o cumprimento de datas de entrega dos trabalhos parciais. análise e comentários aos trabalhos parciais feitos por cada membro da equipe. Quanto ao tempo. Disponibilização pelos componentes da equipe de Bibliografia de apoio. Empenho de cada componente da equipe para absorver conhecimentos relativos ao tema escolhido. Mostrando que o Grupo conseguiu suplantar as dificuldades encontradas.

apresentar argumentos para eliminação de outros temas e o principal. permitiu que cada um desenvolvesse as etapas sob sua responsabilidade com bastante clareza e domínio. aliado as atividades profissionais. realização de pesquisas e confecção do trabalho propriamente dito. e ainda sem incômodos de deslocamentos demorados.componente do Grupo dar sugestões de temas. pairava no ar. contratação de 197 .. Outro ponto importante foi a possibilidade de trabalhar com um tema atual e prático. Mas ao longo do trabalho ficou claro que o comprometimento. 12. no trabalho e em Lan Houses. A exemplo do que aconteceu no MBA à distância. reuniões online e trabalhos feitos durante o MBA.2. 12. cada componente tem que buscar definir um planejamento individual. Isso efetivamente é o que aconteceu nesse Grupo que participei. uma vez definido pelo grupo o tema a ser usado. para todo o desenvolvimento do trabalho. permitiu também uma consolidação do aprendizado recebido nas aulas. É certo que uma dúvida. pois permitia reuniões com membros do grupo localizados em casa. defender suas idéias para utilização do tema proposto. acabou sendo uma aliado. possibilitando a aplicação de todo o ensinamento obtido ao longo do Curso.6 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho Uma vez definido o tema para o trabalho de confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto. todos estarem unidos e buscarem dar o melhor de si para o sucesso do trabalho.2.A. O trabalho de confecção do Plano de Gerenciamento do Projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. Nesse caso tivemos que lidar com suprimento de equipamento e seu planejamento. principalmente relacionada à distância geográfica dos membros do grupo e ao tema que não era de total domínio de todos. capacidade e aprendizado obtido no Curso da FGV e experiências pessoais. ao contrário de ser uma problema. ficou claro que hoje temos tecnologias disponibilizadas suficientes para permitir que profissionais em locais diferentes se relacionassem de formas que a distância.7 Conclusão individual Minha conclusão final está pautada na satisfação que foi realizar esse trabalho juntamente com a equipe PRESTO. para participação nas reuniões marcadas.

Sem dúvida foi uma gama enorme de situações diferentes.serviços e seu gerenciamento. Júlio César Ragone Lopes 198 . dimensionamento de pessoal para realização de diversas tarefas. requerendo de cada um a competência para realizar o trabalho. confecção de cronograma que atendesse as necessidades de início e término da obra. consideração de condições climáticas adversas no planejamento de atividades em campo. nem sempre de domínio dos participantes do grupo. consideração de contingências para suprir as necessidades do projeto.

3.6 Conclusão individual Maria Célia Mitidiero 199 . participante da elaboração do plano de gerenciamento do projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. 12.3 Dificuldades encontradas 12.2 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto 12.4 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho 12.12.A.3.3.3.1 Pontos Fortes e Fracos do Grupo 12.3 MARIA CÉLIA MITIDIERO Este item tem por objetivo registrar as considerações e lições aprendidas pelo aluno Júlio César Ragone Lopes.5 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho 12.3.3.

• Preocupação com a qualidade do trabalho. Apesar de o tempo ser curto e diversas outras atividades não acadêmicas estarem presentes na vida dos integrantes do grupo.4 MARIANA CARDOSO ALLEGRETTI Este item tem por objetivo registrar as considerações e lições aprendidas pelo aluno Júlio César Ragone Lopes.A. claro.1 Pontos Fortes e Fracos do Grupo Dentre os pontos fortes do grupo estão: • A grande capacidade técnica e conhecimento do assunto. O grupo possui três engenheiros formados. trocas de emails. provocando discussões. definições e divisão de atividades. todos tiveram a mesma preocupação: de entregar um trabalho com qualidade e que fosse de fácil entendimento a todos que se interessassem pelo tema. o que facilitou bastante a montagem dos aspectos técnicos do Plano de Projeto. afetando. 200 . o que facilitou muito na troca de informações. e perda de tempo para a finalização da etapa não cumprida e de responsabilidade daquele que se ausentou. participante da elaboração do plano de gerenciamento do projeto de construção de uma estação de tratamento de efluentes para a Industrias Reunidas PRESTO S. a nota final do grupo e sua colocação na concorrência. • Bom entrosamento entre os integrantes do grupo. Já dentre os pontos fracos do grupo destacam-se: • Um imprevisto desagradável. 12. Este fato impossibilitou o cumprimento do cronograma de forma plena e atrasou a entrega do item “Custos” do plano de projeto.12. Este fato desestabilizou a equipe.4. relacionado a desistência de um dos membros da equipe momento antes da entrega de uma das partes do plano de projeto na disciplina de “Concorrência de Projetos”.

acadêmica e social de cada membro foi também muito positiva. Plano de gerenciamento da qualidade. proporcionou um bom desenvolvimento do trabalho. acabaram compartilhando suas experiências e promovendo a cada dia o progresso do projeto. conceitos já conhecidos. 12. paciência. um conhecimento sobre o tema abordado e também seja fonte de consulta para futuras pesquisas. Plano de gerenciamento do cronograma. cada qual com a sua especialidade acadêmica. sem dúvida. pois acrescentou conhecimentos diferentes e novos.4. foi através dela (além do telefone) que os membros do grupo. com suas várias etapas: Termo de abertura do projeto. Plano de gerenciamento de custos. pois através deste recurso houve uma maior facilidade para os debates. para as explicações de pontos específicos do projeto. mas que aplicados de uma maneira diferenciada proporcionou um efeito favorável. Plano de gerenciamento de pessoal. ou até mesmo. Um projeto amplo. até Outubro/09. a postura da equipe foi outra: dedicação. Plano de gerenciamento de riscos. para a discussão das dúvidas que foram surgindo durante o desenvolvimento do trabalho. exigiu de cada componente do grupo habilidade. Além disso. conseqüentemente. o grupo não avançou nas discussões e realizações necessárias para o desenvolvimento do TCC. A distância cultural. A internet. reuniões periódicas. Declaração de escopo do projeto. De julho/09. onde uma reunião inicial para a definição das atividades do trabalho foi realizada.• Houve um longo período (aproximadamente três meses). onde as atividades do grupo não foram contínuas. horas de estudo e pesquisa para o atendimento das expectativas. a execução das etapas do trabalho deu bons resultados. troca de informações e. Plano de gerenciamento do escopo do projeto. Após este período e com as datas de entrega se aproximando. 201 .2 Aspectos Positivos no Desenvolvimento do plano de projeto A estrutura do projeto foi elaborada a fim de proporcionar ao leitor ou aqueles que fizerem uso deste estudo. Plano de gerenciamento de aquisições. Plano de gerenciamento das comunicações.

fica difícil ter um resultado que agrade a todos. se não há um efetivo comprometimento e preocupação das pessoas. bem como o que foi definido em cada etapa do trabalho. 202 . pois a pessoa pode sanar muitas dúvidas que venham a aparecer durante o andamento do trabalho. Dessa forma.4. Tudo foi sempre discutido e documentado. Em um curso on-line. para mim foi um pouco difícil assimilar os conhecimentos obtidos durante a execução do Plano de Projeto. me aprofundei mais nas partes menos técnicas e mais comuns a projetos (independentemente de sua natureza): relacionadas a gestão de Recursos Humanos e Plano de Comunicações. Outro ponto importante é sempre utilizar de todas as ferramentas disponíveis para que haja uma efetiva e eficaz comunicação entre os integrantes do trabalho. montamos um histórico das discussões. não posso deixar de comentar que é muito importante realizar um Plano de Projeto sobre algo de conhecimento técnico de pelo menos um integrante do grupo. Durante a execução do TCC. É claro que facilita bastante nas discussões.4. Como eu não poderia auxiliar na construção da parte técnica do projeto. pois eu pude compartilhar com meus colegas outra visão sobre mesmos assuntos. Porém. Todos do grupo trabalharam desta maneira. dando sugestões e opiniões.4 Recomendações sobre os pontos positivos do trabalho Como recomendação. 12.3 Dificuldades encontradas Como era a única do grupo que não tinha formação em engenharia. fone conferências. além de aprender bastante outros modos de pensamento.O networking proporcionado por um curso on-line foi absurdamente grande e maravilhoso! Conheci pessoas de diversas partes do Brasil e do mundo que nunca teria a oportunidade de conhecer e compartilhar conhecimentos. como: telefone. O fato de ser farmacêutica e de ser da área de Biológicas também foi um fator enriquecedor. chats e emails. é claro que também me envolvi nos demais itens do projeto. 12. nosso grupo utilizou diversas ferramentas de comunicação disponíveis.

Não posso deixar de mencionar também o formato de apresentação deste estudo. Em relação a minha inexperiência técnica. algo muito diferente de um trabalho de conclusão de curso. Em relação a falta de comprometimento do grupo no início do trabalho. há uma justificativa: a crise mundial que se instalou no final de 2008 refletiu em todo ano de 2009. mitigamos a possibilidade de incoerências e ocorrência de erros. maior ainda teve que ser o tempo dedicado às atividades rotineiras. melhorando a qualidade do produto final. os meses de ausência com certeza fariam muita diferença. caso fosse um projeto real. sentimos este impacto negativo e.4. Entretanto é importante ressaltar que as expectativas do grupo em relação ao TCC foram plenamente alcançadas. TCC. a utilização da internet como a principal ferramenta de comunicação entre o corpo docente e os alunos. acredito que fomos assertivos na divisão das responsabilidades do trabalho. Esta é a palavra que simboliza este estudo e todo o desenvolvimento deste trabalho. Farmácia-Bioquímica. Como todos os integrantes do grupo trabalham em empresas que foram afetadas pela crise. foi uma novidade. Além de todos os aspectos técnicos e acadêmicos vivenciados durante este MBA. jamais ousaria trabalhar ou desenvolver algo parecido. Porém. pois na minha área de atuação. da graduação ou de uma monografia. O tema do trabalho também.12.6 Conclusão individual Novidade. isto é.5 Recomendações sobre os pontos negativos do trabalho A situação relacionada a desistência de um dos membros da equipe poderia ser evitada ou minimizada com uma divisão mais adequada do trabalho entre os membros da equipe ou a antecipação da execução das partes e prévias discussões.4. a oportunidade de trabalhar com pessoas com pensamentos e formações totalmente 203 . Novidade em muitos aspectos. começando pela metodologia aplicada pelo curso e no trabalho. pois deixando partes menos técnicas com pessoas que não são da área técnica. obviamente. 12. portanto. Atrasos geralmente significam gastos a mais e aborrecimentos.

diferentes da minha formação também foi um presente. depende de cada membro do time de projeto saber lidar com as adversidades e aproveitar as oportunidades que surgem destes momentos. Este não foi diferente. Porém. Temos sempre que aproveitar estes momentos muito especiais para poder tirar melhor proveito deles! É claro que todo projeto tem suas dificuldades e peculiaridades. Mariana Cardoso Allegretti 204 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful