Relatório da Administração 1º Semestre 2013

Senhoras e Senhores Acionistas, Apresentamos o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis do Banco da Amazônia, relativos ao 1º semestre de 2013, elaborados em conformidade com a legislação societária e demais normativos legais, os quais resumem o desempenho da Instituição no referido semestre. O Relatório deve ser lido em conjunto com as Demonstrações Financeiras Auditadas, Notas Explicativas e Pareceres.

Mensagem aos acionistas
A atuação do Banco abrange toda a Amazônia Legal, que representa 60% do território nacional. Em sua área de atuação, realiza todas as atividades bancárias tradicionais, inclusive câmbio e crédito pessoal, de curto e de longo prazos, tanto a pessoas físicas quanto jurídicas. Na região amazônica, destaca-se a posição do Banco como principal agente do Governo Federal para a implementação das políticas de crédito de fomento voltadas para o desenvolvimento de atividades produtivas sustentáveis. No mês de julho, o Banco da Amazônia completa mais um ano de existência. São 71 anos de uma história diferenciada em prol do desenvolvimento sustentável da Região, que já iniciou de forma grandiosa, com a importante missão de suprir a demanda dos países aliados pela borracha durante a Segunda Guerra Mundial. Por analogia, pode-se dizer que nenhum produto sintético substitui a borracha, assim como nenhuma outra Instituição substitui nosso Banco para a sua região, a Amazônia. A força vem da sua própria história, de suas realizações e comprometimento que contribuem para mudar a realidade da Amazônia. Já a flexibilidade vem da capacidade de se moldar aos novos tempos, respondendo com presteza aos anseios do povo amazônico e do País. Neste contexto, pode-se afirmar que o Banco se diferencia das demais instituições financeiras, pois além de se propor a ser o agente indutor do desenvolvimento sustentável da região, atua efetivamente como agente catalisador do desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal. A experiência acumulada e o efetivo envolvimento em todas as iniciativas de desenvolvimento regional fazem com que o Banco da Amazônia seja hoje um dos maiores símbolos de indução construídos na região. Por isso, lidera o ranking, das instituições bancárias que financiam o crédito de longo prazo na Região Norte e ocupa posição de destaque no mercado regional, conquistando cada vez mais a confiança, a credibilidade e o reconhecimento da sociedade. Para manter essa posição de destaque, o Banco reafirma seu compromisso de acompanhar o processo contínuo de mudanças por meio da customização de suas linhas de crédito, introduzindo um novo padrão de financiamento na Região, objetivando, cada vez mais, o redirecionamento da economia regional para a construção de modelo de desenvolvimento sustentável para a Amazônia.

Cenário Econômico
No contexto de sua missão de desenvolver a região Amazônica, o Banco da Amazônia atuou, no primeiro semestre de 2013, em cenário de moderada atividade econômica, muito impactada pela crise da dívida de alguns países europeus, pela redução do crescimento da economia chinesa, bem como pela provável diminuição dos estímulos monetários na economia americana, que geraram incertezas no cenário econômico mundial. Nesse período, a autoridade monetária iniciou um ciclo de aperto monetário com o objetivo de diminuir a taxa de inflação medida pelo IPCA, que acumulou alta de 3,30% no semestre. A taxa
1

Selic que iniciou o ano em 7,25% a.a foi elevada para 8,00% no final de maio, a despeito da perspectiva de crescimento da atividade econômica em apenas 2,7% para o ano de 2013 (segundo Relatório Focus). Mesmo diante do cenário econômico vigente, o Banco revisou seu planejamento estratégico, resultando em conjunto de desafios, operações e ações, que lhe permitirá direcionar melhor as estratégias para cumprir a sua nova visão, que é “ser reconhecido como uma instituição de sólidos resultados, referência em responsabilidade socioambiental e parceiro essencial de organizações voltadas para o desenvolvimento da Amazônia”. Com o propósito de reforçar seu papel de parceiro fundamental para o desenvolvimento da Amazônia, de manter-se na liderança do crédito de fomento e ampliar seu marketshare no crédito total, a partir de melhor posicionamento na carteira comercial, o Banco priorizou como grandes temas estratégicos em seu planejamento: Sustentabilidade Econômico-Financeira da Empresa; Liderança Mercadológica e Referência em Desenvolvimento Sustentável na Região, Adequado Portfólio de Negócios (Fomento e Comercial).

Ações e Desafios
Com o propósito de atingir os objetivos estratégicos estabelecidos para o exercício de 2013 e em complemento ao Planejamento Estratégico, o Banco traçou estratégia de atuação de curto prazo, denominada PROGRAMA SUPERA MAIS. O programa é composto por três subprogramas: 9 Mais Crédito: voltado para garantir o atendimento das metas traçadas para o crédito de fomento, com recursos do FNO e outras fontes, e para o crédito comercial; 9 Mais Recuperação: visa garantir a superação da meta de recuperação de créditos e redução da inadimplência, dando continuidade à excelente performance do ano de 2012; 9 Mais Resultados: propõe a elevação das receitas e redução efetiva das despesas administrativas gerenciáveis; o cumprimento das metas de conformidade; a dinamização dos programas Amazônia Otimiza e Amazônia Recicla; e a garantia da rentabilidade das operações de tesouraria. Portanto, o Banco demonstra que tem estratégias definidas que convergem não só para a rentabilidade da Instituição, mas para o cumprimento de sua missão de contribuir para o desenvolvimento sustentável da Região, por meio da diversificação do crédito e do atendimento de todos os segmentos da sociedade amazônica. O Banco trabalha alinhado às políticas públicas federais, visando ao desenvolvimento sustentável e uma Amazônia mais próspera, justa e igualitária. Diante dessa característica especial, o Banco iniciou diálogo a fim de construir parcerias estratégicas com os governos, prefeituras, entidades representativas, federações, sindicatos e com a classe empresarial. Foram iniciadas, ainda, negociações, através das superintendências regionais, com os governos dos estados da Amazônia Legal, para firmar protocolo de intenções entre o Banco e os respectivos governos estaduais. A intenção é de promover ações coordenadas, integradas, cooperadas e com corresponsabilidade para impulsionar o desenvolvimento local nos estados, alinhados aos resultados prospectados no Plano de Aplicação de Recursos do FNO e Plano de Aplicação dos Estados para 2013. Os estados do Mato Grosso, Rondônia, Roraima e Tocantins já firmaram essa parceria. Assim, o Banco procura alinhar sua forma de atuação de maneira a direcionar o crédito respeitando as particularidades e necessidades de cada Estado. O Banco da Amazônia firmou, também, parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP),agência de fomento do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), para operacionalizar os projetos, através do Programa INOVACRED, o qual tem o foco em linha de financiamentos de inovação.
2

Além disso, o Banco tem buscado intensificar a aplicação de recursos em municípios definidos como prioritários, de acordo com a tipologia estipulada pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). O propósito dessa política é reduzir as desigualdades regionais e ativar os potenciais de desenvolvimento da Amazônia. Entre outras ações desenvolvidas pela Instituição em apoio ao segmento, destacam-se a participação do Banco no Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, o qual é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Nesse fórum, o Banco contribui ativamente com os debates, alinhando com as suas ações para o apoio creditício a esse segmento com as demais instituições. Um dos últimos esforços conjuntos tem sido a maior desburocratização do acesso a créditos com adoção de diversas medidas.

O Banco e suas ações focadas para o desenvolvimento
Na busca de otimizar os programas traçados pela política do governo federal, destacam-se: ƒ Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) De 2007 até o 1º semestre de 2013, foi aprovada a contratação de 39 projetos infraestruturantes no âmbito do PAC, investindo R$6.803,5 milhões, com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA), do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). São projetos ligados à produção/geração/transmissão de energia elétrica, saneamento básico, construção de terminal portuário e telecomunicações, gerando emprego, renda e contribuindo para melhorar a infraestrutura do País. ƒ Operação Cidadania Rio Xingu (OCX) Uma iniciativa do Governo Federal, sob a coordenação da Casa Civil da Presidência da República e dos ministérios do Planejamento e do Meio Ambiente (MMA), a OCX objetiva garantir a presença efetiva do poder público nos territórios impactados pela Usina Hidroelétrica Belo Monte com políticas e ações que promovam o desenvolvimento sustentável da região com foco na melhoria da qualidade de vida dos diversos segmentos sociais. O desempenho do Banco na aplicação de crédito de fomento nos onze municípios abrangidos pela OCX, em 2013, totalizou R$31,1 milhões (R$33,5 milhões no mesmo período em 2012), sendo R$10,0 milhões no FNO Amazônia Sustentável; (R$6,0 milhões no mesmo período em 2012);R$0,1 milhão no FNO Biodiversidade (R$0,6 milhões no mesmo período em 2012); e R$17,6 milhões no PRONAF (R$16,7 milhões no mesmo período em 2012). ƒ Operação Arco Verde Terra Legal (OAV) Atuando nos 29 municípios de sua jurisdição abrangidos pela OAV, o Banco seguiu empreendendo ações como assinatura de contratos; abertura de contas; entrega de equipamentos e implementos financiados pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). No período de janeiro a junho de 2013, nos 29 municípios prioritários abrangidos pela OAV em que atua, o Banco da Amazônia contratou crédito no valor de R$236,2 milhões (R$489,4 milhões no mesmo período em 2012). Desse total, destaque para as contratações do FNO Amazônia Sustentável de R$136,2 milhões (R$353,8 milhões no mesmo período em 2012), e do PRONAF, que totalizou R$65,3 milhões (R$85,2 milhões no mesmo período em 2012). ƒ Agricultura Familiar O Banco da Amazônia, através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), vem apoiando de forma significativa o desenvolvimento desse segmento no cenário regional, financiando projetos que atendam aos padrões de responsabilidade política, social, cultural e ambiental. No primeiro semestre de 2013, fechamento do Plano Safra 2012/2013, foram aplicados R$336,7 milhões, sendo atendidos 21.654 agricultores familiares.
3

Belém-Reduto-PA. Obteve. Marabá-PA. índices técnicos. Os resultados alcançados pelo PRONAF estão ancorados no processo contínuo de aperfeiçoamento da operacionalização do programa. o Banco vem aperfeiçoando seus mecanismos de controle. custos. em função de eventos climáticos adversos conforme resoluções publicadas para esse fim até 31/05/2013. Belém-Pedreira-PA. logística. 9 Assinatura dos termos de compromisso realizado pelas superintendências.Nas linhas emergenciais. 9 Alinhamento ao Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel com apoio à produção da palma de dendê através da Linha PRONAF ECO. no primeiro semestre de 2013. orientando quanto ao seu uso produtivo. focando no monitoramento da qualidade dos projetos internalizados nas agências. treinamento e administração dos assessores de negócios. para o segundo semestre de 2013. na vistoria prévia à análise dos projetos com risco do Banco. Alem das ações acima. Ananindeua Cidade Nova-PA. No primeiro semestre de 2013. Nesse contexto.278 clientes). Além das ações descritas anteriormente. profissionais responsáveis pelo diálogo estreito com os empreendedores populares e agricultores familiares no local onde desenvolvem suas atividades.033 operações totalizando R$209. ƒ Programa Microcrédito Produtivo Orientado – AMAZÔNIA FLORESCER O Amazônia Florescer atua nas áreas urbana e rural por meio de termo de parceria entre o Banco da Amazônia e a Associação de Apoio a Economia Popular da Amazônia (Amazoncred). de forma segura e responsável. na exigência de garantias reais para operações ao abrigo do PRONAF em valores acima de 18 mil reais.5 milhões para auxiliar os agricultores que de alguma forma tiveram perdas em função das cheias na região Norte. para atender os empreendedores populares dessas cidades. o Programa inaugurou duas unidades de microfinanças urbanas em Porto Velho(RO) e Rio Branco(AC). OSCIP que funciona como braço operacional do programa com vista ao recrutamento. estimulando a cultura empreendedora. o Amazônia Florescer proporcionou oportunidades de ascensão econômica a 16.813 clientes e com investimento de R$29. o Banco. Manaus-AM e Santarém-PA).5 milhões. foram contratadas no âmbito da agricultura familiar 27. são atender 22. merecem destaque: 9 Videoconferência com as superintendências para acompanhar o desempenho de aplicação de recursos no PRONAF. evolução de 98% em relação ao primeiro semestre de 2012 (R$12. por meio do Curso de Elaboração e Análise de Projetos de Crédito Rural do PRONAF. 9 Alinhamento ao Governo Federal. através da Gerência de Microfinanças e Agricultura Familiar (GEMAF) e das superintendências. governos estaduais e empresas de assistências técnicas com o propósito de ampliar o número de agricultores familiares atendidos pelo PRONAF. reformulação da Declaração de Posse Mansa e Pacífica. 4 . instituição da Declaração de Vizinhança e na redução da inadimplência. Em abril de 2013. promove a capacitação de seus técnicos e dos órgãos oficiais de assistência técnica nos estados da Amazônia Legal. e evitando o superendividamento do cliente. operacionalizando as linhas emergenciais para atendimento aos agricultores familiares que tiveram perda. Castanhal-PA. As perspectivas do Programa. apresentando crescimento de 76% em relação ao primeiro semestre de 2012 (9. estabelecendo metas e firmando parcerias.9 milhões). com oito Unidades de microfinanças urbanas (Abaetetuba-PA.358 pequenos empreendedores. avaliando a utilidade e adequação do crédito. socializando o conhecimento acerca da regularização fundiária e ambiental. sistemas de produção. com vistas a aumentar o número de famílias atendidas.0 milhões. o montante de aplicação na ordem de R$25.

quando o programa atendeu 2. em bases sustentáveis. no primeiro semestre de 2013. há disponibilidade de recursos no total de R$280.00 Clientes Atendidos 57% 21% 11% 10% 1% Escolaridade Superior Completo Superior Incompleto Médio Completo Médio Incompleto Fundamental Completo Fundamental Incompleto Analfabeto Clientes Atendidos 1% 2% 32% 16% 14% 34% 1% Faixa Etária Acima de 65 anos 56 – 65 anos 46 – 55 anos 36 – 45 anos 26 – 35 anos 18 – 25 anos Clientes Atendidos 2% 8% 19% 26% 28% 17% O Amazônia Florescer Rural.00 R$1. no primeiro semestre de 2013.00 R$1. expansão e modernização em atividades turísticas.4 milhões no 1º semestre de 2012).00 a R$5. Busca atingir as esferas produtivas. Manaus-AM.500. Macapá-AP. necessários à formação ou manutenção do estoque do beneficiário.0 milhões. crescimento de 89% em relação ao primeiro semestre de 2012 (aplicação de R$4. com sete unidades de microfinanças (Capanema-PA. 159) e como principal agente do Governo Federal para implantação de políticas públicas na Amazônia. o Banco tem injetado recursos financeiros na Região. o Banco da Amazônia contratou recursos no total de R$1. ƒ Micro e pequenas empresas (MPE) A linha de crédito do FNO GIRO-MPE. proporcionou oportunidades de crédito a 3.00 R$601. ƒ FNO itinerante 5 . a aplicação atingiu R$53. o Amazônia Florescer já realizou 64.001.939 atendimentos e desembolsou R$81.0 milhões. destina-se a financiamento de capital de giro isolado.6 milhões).007. através do fomento. Santarém-PA e Tailandia-PA).9 milhões.0 milhões. com destaque para os programas: ƒ FNO. em 819 operações (R$66. para aquisição de matéria-prima.00 Acima de R$5. especifica para o segmento de micro e pequenas empresas.1 milhões. Aplicou. montante de R$8. em dezembro de 2007.00 a R$1. foram aplicados nesse setor R$99. o Banco tem incentivado projetos de apoio à cadeia do turismo regional. fundo criado pela Constituição Federal de 1988 (art.Amazônia Sustentável O Programa Amazônia Sustentável atende os empreendimentos rurais e não rurais. No período de janeiro a junho de 2013. insumos. Para o ano de 2013.   ƒ Turismo em bases sustentáveis Com a publicação do plano de incentivo ao turismo na Amazônia.026 agricultores.000. CastanhalPA.Desde o início de suas atividades. para o desempenho de sua atividade. Pedreira-PA. especialmente a empreendimentos de implantação. No primeiro semestre de 2013. bens ou produtos. utilizando-se de programas específicos para cada segmento.050 agricultores familiares pronafianos B e aplicação de R$8.501. através do financiamento a todas as atividades produtivas da Região Amazônica.000.9 milhões. Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) Como administrador do FNO. A tabela abaixo demonstra como o Programa atua: Gênero Feminino Masculino Clientes Atendidos 58% 42% Nível de Renda Familiar Até R$600.559 agricultores familiares.00 a R$1.000. A perspectiva do Programa para o segundo semestre de 2013 é o atendimento de 4. crescimento de 76% em relação ao primeiro semestre de 2012.7 milhões. No período de janeiro a junho de 2013.

Cartreira de TVM R$ milhões 5.5% quando comparado ao primeiro semestre de 2012 (R$5.109. de forma significativa. Ações como “FNO-Itinerante” e “Banco da Amazônia e SEBRAE mais perto das micro e pequenas empresas” alavancaram as contratações e estão permitindo aplicação plena dos recursos previstos para o exercício de 2013.6 milhões que.As diversas ações dos governos federal e estaduais propiciam o crescimento de oportunidades de investimentos na Região.390.9% (R$10.6 2012 2013 ƒ Títulos e valores mobiliários (TVM) A Carteira de Títulos e Valores Mobiliários permanece como o item de maior participação nos ativos totais. comparado com igual período de 2012.Financeiro Ativos O Banco da Amazônia S. essa carteira registrou o montante de R$5.A. Ao final do 1º semestre de 2013.796. ATIVO R$ milhões 10.4 milhões).5 milhões.109.4 11. encerrou o 1º semestre de 2013 com ativos totais de R$11.796.524. Atento a esses movimentos.4 5.524.5 2012 2013 ƒ Carteira de operações de crédito 6 . para o desenvolvimento da Amazônia. o Banco induziu a efetivação de projetos que contribuíram. Desempenho Econômico .390.4 milhões). crescimento de 2. registra crescimento de 2.

272.A carteira de operações de crédito encerrou o 1º semestre de 2013 com o saldo de R$2.9 milhões (R$2.4 1. Carteira de Crédito R$ milhões  2.2 375. Carteira de crédito ‐classificação Risco R$ milhões 122.272.368.2 milhões em junho de 2012).368.2 465.4 153.6 2012 AA A B ‐ C 2013 D ‐ H 7 .3%. apresentando evolução de 4.1 1.0 136.2 671.614.5% do total da carteira.9 2012 2013 O saldo das operações classificadas nos níveis de risco de AA a C representam 93.103.2 2.

Passivos ƒ Recursos de Terceiros O total de captações.3 milhões no 1º semestre de 2012).2 522.1% aos outros depósitos (0.9% no 1º semestre de 2012).8% aos depósitos a prazo (60.5 milhões (R$2. ƒ Patrimônio Líquido (PL) 8 . ƒ Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) Os recursos do FNO repassados pela União ao Banco e ainda não aplicados em operações de crédito são registrados em Outras Obrigações – Fundos Financeiros e de Desenvolvimento e representam 32.834.3 1. Aplicações interfinanceiras de Liquidez. Relações interfinanceiras.7 475.874.9 516.1% no 1º semestre de 2012.5 Depósitos à Vista Depósitos de Poupança 2012 Depósitos a Prazo 2013 Depósitos Interfinanceiros ƒ Recursos de repasses No primeiro semestre de 2013. composta pelos depósitos do público.7 milhões no 1º semestre de 2012).3 2. 18.6 milhões (R$627.3 680.1% para o total de ativos (31. encerrou o primeiro semestre de 2013.0 1.9% do Passivo Total (31. o Índice de Qualidade da Carteira (IQC) fechou em 8.3% no 1º semestre de 2012). Orçamento Geral da União (OGU) encerraram com saldo de R$532.2% em 2012). 17. compostas por recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES). contribuindo com 30.4% em 2012).908. ƒ Demais ativos Os demais ativos estão representados pelas rubricas de Disponibilidades. Outros valores e Bens e o grupo do Permanente.9% aos depósitos de poupança (16. Outros Créditos. Desse total.2% correspondem aos depósitos à vista (23.7% (8.1% em 2012). 63. com saldo de R$2.750.No 1º semestre de 2013. as obrigações por empréstimos e repasses.3% em 2012) e 0. Captações no  Mercado R$  milhões 1.

no final do 1º semestre de 2013.6 milhões no 1º semestre de 2012).2 2012 2013 Gestão de riscos 9 . apresentando rentabilidade de 4.O patrimônio líquido do Banco foi fortemente impactado com a adoção inicial da Deliberação CVM nº 695/2012 e da obrigação assumida referente à implantação dos planos previdenciários saldados.541.2 milhões (R$111. Lucro Líquido 111. foi de 11. não o desenquadrando das exigências de capital mínimo conforme estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional.6 R$ milhões 46. uma vez que o Índice da Basileia. O resultado do 1º semestre de 2013 alcançou R$46.6% (16. porém. Patrimônio Líquido R$ milhões 2.008. haja vista que a Administração decidiu pela continuidade dos ajustes das provisões referentes aos planos previdenciários liquidados pela PREVIC.8 2012 2013 ƒ Resultado O resultado do 1º semestre de 2013 também foi impactado pelas regras da Del. quanto à obrigação do Banco como seu patrocinador.0 1. CVM nº 695.0% no 1º semestre de 2012).6% (11.6% em igual período de 2012) sobre o PL de 2012.

o Banco da Amazônia mantém alocação de 70. sejam eles de natureza orçamentária ou não. à prevenção e redução da inadimplência. Tal política estabelece os limites para os índices de disponibilidade. aumento da agilidade no processo de análise e decisão creditícia.11% do valor de mercado do total da carteira.403. sistemas e procedimentos direcionados à mensuração e mitigação da exposição ao risco de crédito. processos e sistemas da Instituição. bem como a manutenção da boa qualidade do crédito em todas as operações em que o Banco atua como uma das contrapartes. serviços. mensurar e ponderar a exposição do Banco em suas operações de crédito. O Banco também manteve maior volume em operações compromissadas. permitindo o estabelecimento de rating para o tomador e respectivas operações creditícias. O baixo valor em risco é também evidenciado por um VaR de R$ 6. ƒ Risco Operacional O Banco da Amazônia mantém política corporativa de gestão de risco operacional.909. com probabilidades positivas de retorno dos créditos concedidos.51 em 28/06/2013. aderente às melhores práticas recomendadas pelo Comitê de Basileia e Banco Central do Brasil. sendo o monitoramento e a aferição dos descasamentos entre pagamentos e recebimentos do fluxo de caixa realizados pela Gerência de Riscos. a gestão de risco de crédito permite a ampliação do volume de operações de crédito do Banco. aumento da capacidade operacional da Instituição. Objetivando aplicar os recursos próprios e os recursos administrados em nome de terceiros de maneira eficiente. com posição doadora de recursos. aprovada por sua Diretoria e seu Conselho de Administração. assegurando ou atuando de forma coadjuvante para que haja melhoria da qualidade de crédito da Instituição.354/2007. A gestão do risco de mercado no Banco da Amazônia é regida pela Política de Risco de Mercado. e se constitui de um conjunto de diretrizes que tem por objetivo proporcionar adequado gerenciamento à natureza e complexidade dos produtos. No segundo trimestre de 2013. atividades. O maior volume de recursos permanece alocado em papéis públicos dos quais as LFTs detêm maior participação por serem indexadas à SELIC e por possuírem baixíssimo risco e altíssima liquidez no mercado. cuja finalidade é identificar. conforme os termos da Circular BACEN nº 3. aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração. ratificando a posição conservadora quanto à aplicação dos recursos disponíveis e a manutenção da alta liquidez da Instituição. maior transparência do processo creditício. e crescimento da margem de segurança de retorno do crédito concedido. além dos critérios utilizados na classificação da carteira de negociação (trading). o perfil de liquidez do Banco da Amazônia manteve-se estável.65% do valor de mercado (MtM) da sua carteira indexada à SELIC e CDI. rotinas. e passou a adotar a metodologia de Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada 10 . o que representa um percentual de 0. ƒ Risco de Crédito A gestão do risco de crédito no Banco da Amazônia está balizada na Política de Risco de Crédito aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração e tem o propósito de estabelecer estratégias. mantendo o perfil histórico da Instituição. No modelo interno de avaliação de risco de crédito. com definição de melhores spread e qualidade das garantias. estão inseridas as diretrizes de gestão desse tipo de risco. o Banco da Amazônia alterou a sua forma de alocar capital para o cálculo da parcela do Patrimônio de Referência Exigido (PRE) referente ao risco operacional (POPR). otimização das aplicações de recursos. minimização do nível de exposição do capital do Banco. A partir do 1º semestre de 2013. Em função da sua posição conservadora em termos de exposição. a qual estabelece os limites máximos de exposição por fator de risco.ƒ Risco de Liquidez A gestão do risco de liquidez no Banco da Amazônia é regida pela Política de Risco de Liquidez. tipo de papel e limite de VaR.

inserido como componente da gestão de risco operacional. está sendo mantida a sistemática de reajuste da provisão correspondente a 50% do déficit apresentado. como patrocinador. Tecnologia da informação (TI) 11 . com o objetivo de dotar seu corpo funcional de capacidade técnica para o desenvolvimento dos trabalhos com qualidade. para isso.173 colaboradores e 563 estagiários (3. Essa gestão. ainda não é possível quantificar o total das responsabilidades do Banco. com base nas regras de Deliberação CVM nº 695/2012. Com a implantação dos planos saldados. parte desse objetivo foi alcançado. a Análise de Impacto de Negócios (BIA) foi revisada. pois. Diante do quadro de liquidação. estão sendo adotadas medidas para o fortalecimento do patrimônio líquido do Banco. Outro ponto considerado importante é a Gestão de Continuidade de Negócios (GCN).2013. Gestão de pessoas ƒ Composição do quadro O Banco da Amazônia encerrou o 1º semestre de 2013 contando com um quadro de 3. através de captação de dívida subordinada. o Banco assumiu uma obrigação de R$646 milhões. decretasse a liquidação dos planos de benefício definido e misto. Em 08 de fevereiro de 2013. Conforme vinha sendo amplamente divulgado. Em paralelo.4 milhões no 1º semestre de 2012) em treinamento. Programa de PósGraduação (PPG). especialmente a eliminação do déficit apresentado.03. Por esse motivo. Programa de Língua Estrangeira(PLE) e Programa de Educação a Distância (EAD). que se encontravam sob intervenção da PREVIC desde outubro de 2011. diversas medidas possíveis de serem executadas foram utilizadas pela Administração do Banco com o objetivo de solucionar os problemas existentes com os planos previdenciários ofertados.(ASA 2). inclusive de Basileia III. No período. coloca a Instituição em um patamar condizente com as empresas que aplicam as boas práticas de GCN. como Programa de Desenvolvimento de Pessoas (PDP). com vistas a manter a continuidade de suas operações. Programas Educacionais. através das Portarias nºs 108 e 110. inclusive com campanhas para a não adesão aos planos saldados ofertados e abertura de diversas ações judiciais. Por outro lado. contribuiu para que a PREVIC. que tem por objetivo resguardar a Instituição de ameaças potenciais e alinhar as medidas mitigadoras que as contraponham. desde 2005. foram realizados 247 eventos. era um dos principais objetivos do Banco da Amazônia. além dos processos mapeados anteriormente. para o qual o Banco possui política específica. contemplando. nesses planos. Caixa de Previdência Complementar do Banco da Amazônia (CAPAF) Solucionar os déficits dos planos previdenciários privados administrados pela CAPAF. datadas de 07. ƒ Treinamento e capacitação Durante o 1º semestre de 2013. 52% dos participantes estão com suas reservas matemáticas garantidas. que serão quitados no prazo médio de 15 anos.2 milhões (R$1. houve forte resistência por parte dos participantes.179 colaboradores e 564 estagiários no 1º semestre de 2012). além de assentar-se com as diretrizes e recomendações da norma ABNT NBR 1599. Em razão da exaustão dos recursos financeiros para o pagamento mensal aos beneficiários do plano de benefício definido. por se constituir em metodologia que considera a classificação das receitas e despesas em linhas de negócio. Programa de Educação Continuada/Formação Superior (PEC/PFS). outros considerados como importantes do ponto de vista da continuidade de negócios. Neste semestre. quando foram assinados os contratos de implantação dos planos saldados aprovados pela PREVIC. o Banco da Amazônia investiu R$3. conforme permitido pela legislação.

que foram beneficiários dos cursos de educação financeira oferecidos pelo projeto. com vistas a atualizar o BIA. Por ocasião do evento. Site Backup. os índios Tembé financiaram. Esse sistema incrementou agilidade. iniciou o projeto de avaliação e certificação da solução implantada em conjunto com a consultoria. continuando. Participações e Patrocínios ƒ Educação financeira para comunidades indígenas urbanas Possibilitar inclusão financeira. com a participação da diretora executiva da Planet Finance Brasil e dos índios da etnia Tembé. criar os planos de recuperação em caso de desastres e de retorno. e pela Amazoncred da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP). 9 Implantado novo sistema de Conta Garantida melhorando o processo de operacionalização dessa linha de crédito. para a apresentação dos resultados. viabilizando ao Banco ampliar daqui para frente sua atuação nesse segmento especifico. O evento de encerramento. acesso ao crédito e o desenvolvimento socioeconômico de comunidades excluídas que habitam as áreas urbanas foi o principal objetivo do “Projeto Inclusão Sócio Econômica da população indígena – Belém-PA”. No período. bem como os mecanismos de antecipação de recebíveis que foram aprimorados. Essas ações vão ser base para a realização dos testes de contingência. Com isso. provendo ao Banco modernidade. Foi provida a automatização de etapas que eram manuais. agilidade e segurança nas publicações internas e consequentemente melhorias nas comunicações corporativas. o Banco da Amazônia. que inclui aporte na área de segurança de TI. tendo inicialmente um modelo de dados voltados para a Contabilidade. está sendo reduzido o nível de exposição no quesito dependência de terceiros. aconteceu em 20 de junho de 2013. agilidade e flexibilidade na geração de relatórios da área de controladoria. 12 . Iniciado em 2011 e concluído em maio de 2013. promovido pelo Banco com financiamento da União Europeia. A segurança advinda desse novo sistema possibilita ao Banco avançar nesse segmento com solidez. eliminando atravessadores e possibilitando mercadorias de valores mais competitivos. o projeto foi idealizado pela Planet Finance. além de mitigar o risco de informações críticas de infraestrutura sob o conhecimento de prestadores de serviços terceirizados. e contou. os quais passarão a ser realizados em intervalos regulares de até seis meses. tais como consulta a restritivos. 9 Implantada nova Intranet do Banco da Amazônia baseada em software livre e com desenvolvimento interno. assim. destacando-se: 9 Implantadas melhorias na operacionalização da linha de crédito do FNO GIROMPE. várias ações de melhorias nos sistemas foram realizadas para dar suporte aos negócios. a partir da entrada em produção do novo sistema para gestão das operações do FNO. uma organização não governamental especializada em microfinanças. 9 Implantada ferramenta de Business Intelligence (BI) para a Gerência de Controladoria (GECOR). entre outros. Com a disponibilização da infraestrutura de contingência. Essa ferramenta provê ao usuário final independência.O Banco da Amazônia intensificou investimentos na área de tecnologia e infraestrutura de equipamentos. política de crédito parametrizada e com estabelecimento de limites. consistência e segurança para essas contratações. um caminhão para incrementar a produção. a política de expansão e modernização de seu parque tecnológico. através do programa Amazônia Florescer. para coibir ações de agentes fraudadores do mercado financeiro.

em reconhecimento aos relevantes trabalhos realizados no fomento à economia alinhada ao desenvolvimento sustentável na Amazônia. foi lançado como item obrigatório a todos os empregados o curso “Prevenção à Lavagem de Dinheiro” com vistas à capacitação interna frente ao risco de lavagem de dinheiro. como unidade de apoio ao Conselho de Administração. com comemoração em 5 de junho. coordenado pela Humanitare Foundation. através de cursos. do presidente em exercício da FIEPA.0 milhões. Desse total. sendo contratada a KPMG Auditores Independentes. A Instituição será a primeira no mundo a usar o selo de Utilidade Pública – Humanitare. organização que tem a missão de aproximar a sociedade da ONU. que representam 6. vencedora do processo licitatório Edital nº 2012/006. O Banco tem investido na difusão da cultura de prevenção à lavagem de dinheiro.1 milhões que atenderá aos 148 projetos vencedores do Edital de Patrocínio. Gualter Leitão. e de diversas autoridades da região. Essa programação integra a 1ª Agenda do Programa Pacto das Águas 2013 a 2023. Nesse semestre. visitou a região Amazônica e participou de eventos alusivos à Semana do Dia Mundial do Meio Ambiente. ƒ Comitê de auditoria O Banco conta com um Comitê de Auditoria. Sidney Rosa. o Banco foi homenageado com a entrega do Troféu Honoris Causa. além do secretário-geral adjunto da ONU. Marianne Feldmanno. da presidente da Humanitare Foundation. análise. inclusive criando linha de crédito específica (FNO Amazônia Mais Cultura). ƒ Auditoria independente Conforme Comunicado ao mercado de 18 de junho de 2013. Auditora Independente do Banco. o presidente do Banco da Amazônia. no montante de R$341. Sheila Pimentel. com atribuições e encargos estabelecidos na legislação vigentes e no Estatuto Social do Banco.613/1998.068/2001 – BACEN O Banco da Amazônia declara ter capacidade financeira e intenção de manter até o vencimento os títulos classificados na Circular 3. Valmir Rossi. monitoração e comunicação de indícios de crimes de lavagem ou ocultação de bens.2% do total de sua carteira de títulos. está previsto o investimento de R$3. está sendo alocado R$1. do secretário especial de Desenvolvimento Econômico do governo de Estado do Pará. Thomas Stelzer. 13 . o secretário-geral adjunto da Organização das Nações Unidas (ONU). direitos e valores de movimentações financeiras destinados a evitar a utilização da Instituição na prática dos crimes de que trata a Lei nº 9. Em termos de patrocínio. Participaram do “encontro-almoço”. destinada ao desenvolvimento da economia cultural da Região Norte. Governança ƒ Prevenção à lavagem de dinheiro O Banco da Amazônia mantém política corporativa de prevenção à lavagem de dinheiro que normatiza os conceitos. oficinas e palestras.0 milhão para as modalidades social e ambiental.ƒ Patrocínio Apoiar a cultura tem sido um dos objetivos do Banco da Amazônia.068/2001. Na ocasião. da Embaixadora da Aústria. o Banco da Amazônia encerrou o contrato existente com a empresa Ernst & Young Terco. diretrizes e procedimentos sobre a detecção. ƒ Circular nº 3. Reconhecimentos No período de 03 a 07 de junho de 2013.

que pode ser acessado diretamente do sítio do Banco (www. Através do Serviço de Informação ao Cidadão (SIC). favorece o acesso às informações. zelar pela boa imagem do Banco e aperfeiçoar seu modelo de gestão. As manifestações podem ser recebidas através do telefone (0800 722 21 71) ou do endereço eletrônico ouvidoria@bancoamazonia.br. para o endereço: Av. assim como atende e orienta os cidadãos sobre a referida lei. Agradecemos o apoio recebido de parte do Governo Federal. propiciando a geração de emprego e renda.com.ƒ Ouvidoria A Ouvidoria do Banco executa serviço especializado de atendimento a clientes.br).527/2011 (Lei de Acesso à Informação). Agradecimentos O Banco da Amazônia trabalha com foco na redução das desigualdades regionais. CEP: 66017-000. parceiros e de toda a sociedade amazônida ao longo do semestre findo. para receber demandas referentes à Lei nº 12. via correios.bancoamazonia. Podem também ser agendados atendimentos presenciais ou encaminhadas mensagens. ratificando mais uma vez o nosso compromisso de movimentar a Amazônia e a vida do povo que vive nesta Região. introduzido em sua estrutura funcional. de nossos acionistas. com o objetivo de identificar as necessidades do público externo através das demandas registradas.com. buscando sempre a adoção de práticas sustentáveis para o desenvolvimento da Amazônia. clientes. 14 . Presidente Vargas nº 800 – Campina – Belém-PA.

448 1.2013 5.062.835 477.399.667 3.439.248.007.633 3.409 153.937 33.735 1.667.583 12.265 325.397.654.988 217.179) 11.002 1.789 (40.167) 10.143.112.108 551.569 682.Pará .933 12.534) 112.600 12.802 161.681 (163) 1.981 (55.329 46.743) 3.Sistema Financeiro da Habitação Operações de Crédito Operações de Crédito: Setor Público Setor Privado (Provisão para Operações de Crédito) Outros Créditos Diversos (Provisão para Outros Créditos de Liquidação Duvidosa) Permanente Investimentos Outros Investimentos (Provisões para Perdas) Imobilizado de Uso Imóveis de Uso Reavaliações de Imóveis de Uso Outras Imobilizações de Uso (Depreciações Acumuladas) Diferido Gastos de Organização e Expansão (Amortização Acumulada) Intangível Outros Ativos Intangíveis (Amortização Acumulada) TOTAL DO ATIVO 30.110 1. 800 .968 289.796.369/00001 .259 41.109.459 267 1.669.415 (2) 217.247 1.641 1.532 1.449) 1.043 2.420.06.807 (57.474 267 1.576 (41.192 176.525 277.134.309 1.601 718.625 (1.092 39.183 (16.999 626.363.105 48.569 12.198 12.181 1.804 585.938) 924.Carta Patente: 3.553 30.484 5.232 33 1.925) 41.625 (1.Belém .707.124.594 589.569 12.073 (40.283 46.785 1.790.061 14 200 200 1.636) 221.193 154.679) 365.720.013 1.046) 106.204 (113.Companhia Aberta .203.700 12.421 25.897 1.467) 1.619 (18) 222.424 15 .2012 5.223.358) 110.318 325.039.598.569 12.354 (163) 341 5.979/0001-44 BALANÇO PATRIMONIAL Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) AT I VO Circulante Disponibilidades Aplicações Interfinanceiras de Liquidez Aplicações no Mercado Aberto Aplicações em Depósitos Interfinanceiros (Provisões para Perdas) Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos Carteira Própria Vinculados à Prestação de Garantias Relações Interfinanceiras Pagamentos e Recebimentos a Liquidar Créditos Vinculados: Depósitos no Banco Central SFH .927 3.864 699.075 277.267) 2.652 (4.569 12.413) 539 41.203.288 75.902.065 48.515 (36.270 124.06.390 47.729 12.101.Sistema Financeiro da Habitação Relações Interdependências Transferências Internas de Recursos Operações de Crédito Operações de Crédito: Setor Público Setor Privado (Provisão para Operações de Crédito) Outros Créditos Carteira de Câmbio Rendas a Receber Diversos (Provisão para Outros Créditos de Liquidação Duvidosa) Outros Valores e Bens Outros Valores e Bens (Provisões para Desvalorizações) Despesas Antecipadas Realizável a Longo Prazo Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos Carteira Própria Vinculados a Prestação de Garantias Relações Interfinanceiras Créditos Vinculados: SFH .CNPJ: 04.297 (104.031 (22.311 (44.378 1.692 337.Avenida Presidente Vargas.046 129.294 (28.046 (41.569 1.806 3.413 924.913) 718.781 170.609 2.777 110.358) 109.

701 260.084 125.361 102.404 16.424 16 .394 24.369/00001 .410 2.746 14.156 242.706 2.558 128.963 1.Avenida Presidente Vargas.553 30.062 50.291 765.013 4.410 21.902.993 99.847 1.136 1.860 1.062 1.853 2.382 2 3.903 2.714 20.665 15.2012 7.851.683 516.669 1.240 178.545 161 33.525 1.040 159.415 3.219.140.621.284.253 30.779.440) (3.06.219.877 2.06.2013 7.Belém .552 747 73.789 32.047 21.103 1.637 1.Pará .590 514.054 26.655.653.082.466 2.770.348 1.445 72.934 120.541.780 (441.760 29 20.109.226 12.796.219.535 522.659.665 11.259) 11.361 33.668 1 2.007.316 159.Carta Patente: 3.669 1.422 10.837 2.Companhia Aberta .448.979/0001-44 BALANÇO PATRIMONIAL Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) P A S S I V O Circulante Depósitos Depósitos à Vista Depósitos de Poupança Depósitos Interfinanceiros Depósitos a Prazo Relações Interfinanceiras Recebimentos e Pagamentos a Liquidar Relações Interdependências Recursos em Trânsito de Terceiros Transferências Internas de Recursos Obrigações por Empréstimo Empréstimos no Exterior Obrigações por Repasses do País-Instituições Oficiais TESOURO NACIONAL BNDES CEF FINAME Outras Obrigações Cobrança e Arrecadação de Tributos e Assemelhados Carteira de Câmbio Sociais e Estatutárias Fiscais e Previdenciárias Negociação e Intermediação de Valores Fundos Financeiros e de Desenvolvimento Diversas Exigível a Longo Prazo Depósitos Depósitos a Prazo Obrigações por Repasses do País-Instituições Oficiais TESOURO NACIONAL BNDES FINAME Outras Obrigações Fiscais e Previdenciárias Fundos Financeiros e de Desenvolvimento Diversas Patrimônio Líquido Capital De Domiciliados no País De Domiciliados no Exterior Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reservas de Lucros Lucros ou Prejuízos Acumulados Ajuste de Avaliação Patrimonial TOTAL DO PASSIVO As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras 30.727 942 2.CNPJ: 04.040 92.816 47.893 78.155.084 1.539 30.392 4.752 465.341 761.921 1.524 2.128.695.540 (2.400) 10.997 24.887 375.981 178.887 128. 800 .735 680.190 475.056.274 1.887) (33.427.404 24.981 396.280 1.253 29.218.

Companhia Aberta .245 12.587 0.891 (59.466 (308.153 320.685) 198.875) (33.035 213.976) (119.687 (37.01558 17 .CNPJ: 04.189 267.423) (33.839) 81.451 (172.155 (101.490) (54.875 223. Presidente Vargas.03764 399.417 39.533 2.154 83.063) (186.358) 218.982) 198.928 168.876) 211.682) (897) (40.369/00001 .Av.047) (69.938 132. 800 .324) (42.683) (88.902.Belém (Pa) .993 45.466) (32.823 (74) (259.568) (69.Carta Patente: 3.645) 50.Em Reais As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras 1º Semestre/2012 506.011 (204.695) 10.120 2.451 111.781 (202.453) 237.309 18.197 0.786) 140.638) (33.819) (112.979/0001-44 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) 1º Semestre/2013 Receitas da Intermediação Financeira Operações de Crédito Resultado de Operações com Títulos e Valores Mobiliários Resultado de Operações de Câmbio Resultado das Aplicações Compulsórias Despesas da Intermediação Financeira Operações de Captação no Mercado Operações de Empréstimos e Repasses Resultado de Operações de Câmbio Provisão para Operações de Crédito e Outros Créditos Resultado Bruto da Intermediação Financeira Outras Receitas / Despesas Operacionais Receitas de Prestação de Serviços Rendas de Tarifas Bancárias Despesas de Pessoal Outras Despesas Administrativas Despesas Tributárias Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais Resultado Operacional Resultado Não Operacional Resultado Antes da Tributação sobre o Lucro e Participações Imposto de Renda e Contribuição Social Provisão para Imposto de Renda Provisão para Contribuição Social Ativo Fiscal Diferido Lucro Líquido do Semestre Lucro por Ação .578 46.853 (130.682) (147.

219.927 2.582 83.598 15.517 46.809 1.851 83.510) 15.809 (468) (780) (780) 312 312 30.517 (33.007.285 75.660 (25.022) (10.754) (10.219.847 (441.Companhia Aberta .862) (13.2012 ajustado com a CVM 695 SALDO AJUSTADO EM 31.979/0001-44 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) CAPITAL EVENTOS REALIZADO SALDOS EM 31.987) (2.06.395) (83.285 5.987) 2.847 77.198 682.253 2.987) (25. s/ Realização de Reserva de Reavaliação Realização da Reserva 5.2011 ajustado pela CVM 695 1.248) (24.117) Ajuste aval.CNPJ: 04.590) (22.809 30.06.598 (5.253 2.982.022) (10.408) (25.962 77.Pará .488) 111.759 (468) (779) (779) 311 311 29. AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL CVM 695 3.2012 ajustado com CVM 695 MUTAÇÕES DO PERÍODO SEGUNDO SEMESTRE 2012 RESERVAS DE CAPITAL OUTRAS 2.259) 495 468 779 779 (311) (311) 46.409) 1.12.902.887) (441.982.759 29. LUCRO LÍQUIDO DO SEMESTRE SALDO EM 30.100) - 1. AJUSTE DE PERÍODOS ANTERIORES -Ajustes de planos de benefícios pós emprego 2.369/00001 .669 1.697 (743) (743) 468 780 780 (312) (312) 111.389 682.964 (487. DESTINAÇÕES .669 1.198 - AJUSTE DA AVALIAÇÃO PATRIMONIAL LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS TOTAL 1.197 1.219.2011 Ajuste aval. patrimonial líq.100) (5.291 (468) RESERVAS DE LUCROS LEGAL 75.352 (16. AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL 4.912.598 (5.2013 MUTAÇÕES DO PERÍODO (487. LUCRO LÍQUIDO DO SEMESTRE ajustado CVM 695 5.106) (33.582 83. s/ Realização de Reserva de Reavaliação Realização da Reserva 4.400) (6.341 (582) 29.809) (487.927 2.253 2.12.964 1. OUTROS EVENTOS -Movimentação da Reserva de Reavaliação Realização da Reserva -Imposto e Contrib. AJUSTE VLR DE MERCADO TVM DERIVATIVOS -Títulos Disponíveis para Venda 3.660 (5.253 2.144) As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras 18 .219.963 (109.Belém .582 - ESTATUTÁRIA 602.198 682.253 2.440) - (2.587 108.962 680.488) (3.253 - 15.215 (21. de impostos-CVM 695 segundo semestre SALDOS EM 31.12.669 1.541.219.934.754) (33.669 - 3.Reservas -Dividendos SALDO em 30. OUTROS EVENTOS -Movimentação da Reserva de Reavaliação Realização da Reserva -Imposto e Contrib.962) 1.253 - RESERVA DE REAVALIAÇÃO DE ATIVOS PRÓPRIOS 30. AJUSTE VLR DE MERCADO TVM DERIVATIVOS -Títulos Disponíveis para Venda 2.Avenida Presidente Vargas.446 5.731 2.446 80.2012 1.022) 10.598 15.809) - (441.669 1. de impostos-CVM 695 Saldo em 31.219.197 1. patrimonial líq.809) (487.Carta Patente: 3. LUCRO LÍQUIDO DO SEMESTRE Ajuste adoção CVM 695 6. 800 .669 1.847 602.022) 10.809) (10.587 108.12.

139 223 (684) 95 (8.197 (488.360) 44.001 936.450 46 (257.211) 22.554 (190.083.927 2. Presidente Vargas.024 687.987) 16.189.048) 90.776 (3.077 (378) (214) 400 (11) (318.450) 14.Pará .754) (15.632 362 (1.268 13.CNPJ: 04.600 56.579) (14.793 (171.415) (20.572) (5.369/00001 .001 1º Semestre/2012 108.979/0001-44 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) Lucro Líquido do Semestre Ajuste adoção CVM 695 Ajuste de exercícios anteriores Ajustes de avaliação patrimonial Depreciações e amortizações Provisão para operações de crédito e outros créditos Rendas de títulos e valores mobiliários disponíveis para venda Rendas de títulos e valores mobiliários mantidos até o vencimento Despesas com Títulos e Valores Mobiliários Disponíveis para venda Ganhos capital Reversão de Provisões de TVM Despesas de provisões para passivos contingentes Despesas de provisões para riscos do FNO Reversão de provisões para operações de crédito e outros créditos Reversão de outras provisões operacionais Reversão de outras Provisões Operacionais-Aplic Dep Interfinanceiro Dividendos provisionados Prejuízo (Lucro) ajustado Redução em títulos e valores mobiliários para negociação Redução em outros valores e bens (Aumento) em aplicações interfinanceiras de liquidez Redução/(aumento) em relações interfinanceiras e interdependências (Aumento)/redução em operações de crédito (Aumento) em outros créditos Aumento em depósitos (Redução)/aumento em obrigações por empréstimos e repasses (Redução) em captações no mercado aberto Aumento em outras obrigações Caixa líquido gerado das atividades operacionais Redução/(aumento) em títulos disponíveis para venda Redução em títulos e valores mobiliários mantidos até o vencimento Adição de Bens não de uso Alienação de Bens não de uso Inversões em imobilizados de uso Alienação do imobilizado de uso Aplicação do intangível Caixa líquido gerado/(utilizado) das atividades de investimento Aumento de caixa e equivalentes de caixa Demonstração da variação do caixa e equivalentes de caixa No início do semestre No fim do semestre Aumento de caixa e equivalentes de caixa As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras 1º Semestre/2013 46.141 7.711 18.071 (86.298) (25.545) (472) 69.497) 570.069) 47.660) 358. 800 .494) 622.165) 497.376 1.590 (38.050 19 .140 113.764) (23.182) (400.237) (168.Av.582 524.Companhia Aberta .486) 385.901 (7) (180) (4.267 (89.377 147.902.121 385.363 37.050 804.623 (434.Carta Patente :3.972 57.830 147.071 1.883 40.551) (35.660 (27.743) 824 (317) (605) 101.540) 73.Belém .395 (362.939) 13.

982) 200.702 506.1.2 Benefícios 8.261) (303.3.910) (74.883) 327. taxas e contribuições 8. RECEITAS 1.839) 341.197 9. 800 .2.261 144. VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO P/ENTIDADE (4-5) 7.902. VALOR ADICIONADO A DISTRIBUIR (6+7) 8.868 (33.624 (14.101) (81.3.442 27.717 159.262 (13.112 136.323 8.701) (224.3 FGTS 8. DESPESAS DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 3.051 4. Outras 4. VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2-3) 5.261 423.2 Impostos. Serviços de terceiros 3.2.228 104.928 262.628) (202.2.786) 239.1.Av.808 101.2.1 Remuneração direta 8.389 5.379 171.979/0001-44 DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Semestres findos em 30 de junho de 2013 e 2012 (Em milhares de Reais) 1º Semestre/2013 1º Semestre/2012 1.197 936.587 111.603 111.1.938 264.262 46.587 20 .3.4 Remuneração de Capitais Próprios 8.568) (19.4.935 (218.379 327.369/00001 .2.591) (130.261 423.603 4. Materiais.377) (18.004 (40. Intermediação Financeira 1.589 162.Carta Patente: 3.CNPJ:04. Prestações de Serviços 1.354 108.1 Federais 8.3 Municipais 8.4.1. INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS 3. Presidente Vargas.876) 437.687 25. DEPRECIAÇÃO. energia e outros 3.197 46.379 327. Outras 2.091 399.888 (274. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 8.Belém (Pa) .410 9 3.2 Estaduais 8.1 Pessoal 8.262 5.1 Aluguéis 8.3 Remuneração de capitais de terceiros 8. Provisão para Devedores Duvidosos 1.Companhia Aberta . AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO 6.1.1 Lucros Retidos do Semestre As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras 863.657 9 3.363) 423.

Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) Nota 20 .Processo de Gerenciamento de Riscos e Capital Regulatório Nota 27 .Permanente Nota 10 .Obrigações por Empréstimos Nota 12 .Caixa e Equivalentes de Caixa Nota 5 .Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) Nota 19 .Fundos de Investimento Financeiro Nota 23 .Demonstração do Resultado Abrangente Nota 29 .Obrigações por Repasses Nota 13 .Desdobramento das Contas de Resultado Nota 17 .Fundo da Marinha Mercante (FMM) Nota 22 .Remuneração Paga aos Empregados Nota 26 .Contexto Operacional Nota 2 .Análise de Sensibilidade Nota 28 .Benefícios a Empregados Nota 25 .Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) Nota 21 .Apresentação das Demonstrações Financeiras Nota 3 .Carteira de Crédito Nota 8 .Títulos e Valores Mobiliários Nota 7 .Informações Complementares 21 .Partes Relacionadas Nota 24 .Imposto de Renda e Contribuição Social Nota 16 .NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) ÍNDICE Nota 1 .Fundo de Investimentos da Amazônia (FINAM) Nota 18 .Aplicações Interfinanceiras de Liquidez Nota 6 .Patrimônio Líquido Nota 15 .Principais Práticas Contábeis Nota 4 .Outras Obrigações Nota 14 .Outros Créditos – Diversos Nota 9 .Depósitos e Captações no Mercado Aberto Nota 11 .

Mudança Estimativa e Retificação Erro (CPC 23).144/2012 – Pronunciamento Conceitual Básico (CPC 00).2012 Reapresentado 718.350) (2.041. denominado Internacional Financial Reporting Standard (IFRS).Patrimonial Lucros/Prejuízos Acumulados Patrimônio Líquido Total do Passivo Original 702. Resolução nº 3. 2. organizado sob a forma de sociedade anônima de capital aberto e de economia mista e sua matriz está localizada à Avenida Presidente Vargas nº 800.790) 16.753 10.2012 Ajuste 16.963 10. que tornam sua aplicação obrigatória. especialmente as voltadas para o desenvolvimento econômico e social da Região Amazônica. Resolução nº 4. Brasil.007/2011 – Políticas Contábeis.527 16.638/2007 e pela Lei n°11.06.400) (2. também.897 1.619 10. Resolução nº 3.566/2008 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos (CPC 01).FINAM (nota n°17) e é o agente operador do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia – FDA (nota n°18).424 1. Resolução nº 4. Tem por objeto a prestação de serviços bancários e a realização de todas as operações inerentes a esta atividade.082.A.007.092 10.440) 2. Demonstramos a seguir os saldos reapresentados: BALANÇO PATRIMONIAL Outros Crédito/Diversos Total do Ativo Outras obrigações/Diversas Ajustes de Aval.796. Contexto Operacional O Banco da Amazônia S.779.973/2011 – Evento Subsequente (CPC 24). é uma instituição financeira.524 (3.950 2. Visando à uniformização aos padrões contábeis internacionais. que alterou a forma de contabilização do ganho/perda atuarial para o Patrimônio Líquido.989/2011 – Pagamento Baseado em Ações (CPC 10). abrangendo câmbio e crédito pessoal. Estão observados nas Demonstrações Financeiras do Banco os seguintes pronunciamentos: Resolução nº 3.604/2008 – Demonstração do Fluxo de Caixa (CPC 03).NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) 1. Como um dos instrumentos do Governo Federal para promover e executar as políticas creditícias e financeiras.424 22 . opera e administra o Fundo Constitucional de Financiamento do Norte FNO (nota n°19).527 41. sendo adotadas as alterações introduzidas pela Lei n°11. Belém.779. e. Pará. Resolução nº 3.440) (24. em razão do pronunciamento Técnico CPC 33 (R1) aprovado pela Deliberação CVM nº 695/2012.796.897 30. administra o Fundo de Investimentos da Amazônia . Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as diretrizes contábeis definidas pela Lei das Sociedades por Ações. em observância às normas e instruções do Conselho Monetário Nacional (CMN).527 30.823/2009 – Provisões. Resolução nº 3.750/2009 – Divulgação sobre Partes Relacionadas (CPC 05).207 18.317 (22. Informações para efeito de comparabilidade – Deliberação CVM nº 695/2012 As informações financeiras estão sendo apresentadas de forma retrospectiva conforme Pronunciamento Técnico CPC 23 – Políticas Contábeis. Passivos Contingentes e Ativos Contingentes (CPC 25). (Banco). que são adotados a partir da aprovação pelos órgãos reguladores das companhias abertas e instituições financeiras.06. o Banco acompanha a emissão de pronunciamentos técnicos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Mudança de Estimativas e Retificação de Erro.032. Banco Central do Brasil (BACEN) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM).941/2009. Resolução nº 3.

377 130.828) Reapresentado (2.06.773 1. 3.324) (42.215 Reapresentado (5.2012 Ajuste (4.Ativo Fiscal Diferido Lucro Líquido do Semestre Original (135.927 108.163 Ajuste em 31.862) (21.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) DEMONSTRAÇÃO RESULTADO DO SEMESTRE Outras Despesas Operacionais .962) (2.2012 Ajuste em Ajuste 31.Despesas pós-emprego assistidos .660 30.451 111. Os ativos e passivos indexados ao dólar são convertidos pelas taxas correntes e o resultado dessas operações pelas taxas do dólar de fechamento das operações.440) (3.309) (6. Contrib.657 159.876 159.964 DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Insumos Adquiridos de Terceiros -Outras Impostos.660 (16.982.2012 Ajuste 2.12.660 Reapresentado 224.753 30.106) (22.Lucros retidos do semestre Original 228.100) (13.450) 16.488) (21.2012 Ajuste em 30.037) (101.12.06.100) (16.12.963 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PL Lucros/Prejuízos Acumulados Ajustes de Avaliação Patrimonial Patrimônio Líquido Original 12.970) 455.660 2.828) 31.433) 1. Taxas e Contribuições -Federais Remuneração de Capitais Próprios .409) Reapresentado (743) (33.032.754) 1.497) 497.862) (21.Imposto de renda .024 687.450) (24. Social .100) 2.433 4.660 (5.884 157.876) (2.884 108.A.CVM 695 Ajustes de Avaliação Patrimonial Lucro Líquido Ajustado Outros Créditos Outras obrigações Caixa Líquido das atividades operacionais Original 40. a) Principais Práticas Contábeis Moeda Funcional As demonstrações financeiras estão apresentadas em reais.697 (24.927 30.433) (4.352 1.790 31.2012 2.Despesas pós-emprego auxílio saúde Imposto de Renda e Contrib.510) 1.660 (27.2011 (5.Prov.657 111.2011 (5.519) (7.06.12.934.773) (1.141 (86.326) (99.912.Prov.2013.795) (69.100) (16.773) 2.317 24.395 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PL Lucros/Prejuízos Acumulados Ajustes de Avaliação Patrimonial Patrimônio Líquido Original 3.06.695) 12.527) 41.587 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA Ajuste adoção Del.790) (16.605 Reapresentado 2.862) (5.309 157.007. 23 .568) (69.695) 10. Os ativos não monetários permanecem registrados ao custo histórico.144 289 (1.962) Reapresentado (130.931 (69.927 Ajuste 4.587 111.663) (7.702 2.488) (2.962) Ajuste 1.400) 2.224 108.810 135. moeda funcional do Banco da Amazônia S.030.660 (27.587 As demonstrações contábeis foram aprovadas pelo Conselho de Administração em 30.2011 Ajuste (5.324) (42. Social .707 662.773 2.950 2.253 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PL Lucros/Prejuízos Acumulados Ajustes de Avaliação Patrimonial Patrimônio Líquido Original 18.08.

São avaliados pelo custo de aquisição. Títulos mantidos até o vencimento: são os títulos para os quais há a intenção e capacidade financeira de mantê-los em carteira até o vencimento. segundo o período de aquisição. e estão distribuídos em três categorias (Nota n° 6): Títulos para Negociação: são os títulos adquiridos com a finalidade ativa e frequente de negociação. com prazo de vencimento igual ou inferior a 90 dias e apresentam risco insignificante de mudança de valor e limites (Nota n° 4). Os encargos com férias. c) Caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda nacional. os contratados com encargos prefixados são registrados a valor futuro retificados por contas de “rendas a apropriar” ou “despesas a apropriar”. em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido. porém não são adquiridos com a finalidade ativa e frequente de negociação. A metodologia de ajuste a valor de mercado dos títulos e valores mobiliários foi estabelecida com observância a critérios consistentes e verificáveis. Títulos Disponíveis para Venda: são os títulos que poderão ser negociados a qualquer tempo. As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas a moedas estrangeiras são atualizadas até a data do balanço.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) b) Critérios de Reconhecimento dos Resultados As receitas e despesas são apropriadas pelo regime de competência. As operações com taxas prefixadas são registradas pelo valor de resgate e as receitas e despesas correspondentes ao período futuro são apresentadas em contas redutoras dos respectivos ativos e passivos. f) Títulos e Valores Mobiliários Os títulos e valores mobiliários. Para fins da demonstração dos fluxos de caixa. São avaliados pelo valor de mercado. 24 . São classificados em função da intenção de permanência na carteira. moeda estrangeira e aplicações no mercado aberto. todas devidamente aderentes aos preços praticados. de acordo com a variação dos respectivos indexadores e registrados a valor presente. licenças-prêmio e 13º salários são reconhecidos por competência mensal. acrescidas dos rendimentos auferidos até a data do balanço. BM&FBovespa ou o valor líquido provável de realização obtido por meio de modelos de precificação. líquidos dos efeitos tributários. do BACEN. Os direitos e as obrigações em moedas estrangeiras são ajustados às taxas cambiais ou índices oficiais da data do encerramento do balanço. e) Aplicações Interfinanceiras de Liquidez As aplicações interfinanceiras de liquidez são registradas a custo de aquisição. taxas de câmbio. o valor de ajuste diário das operações de mercado futuro divulgados pela Anbima. na forma definida pelas Circulares n°s 3. que levam em consideração o preço médio de negociação na data da apuração ou. são registrados pelo valor efetivamente pago na aquisição. inclusive corretagens e emolumentos quando existentes. na falta desse. pertencentes à carteira própria do Banco.068/2001 e 3. acrescidos dos rendimentos auferidos em contrapartida ao resultado do período. As receitas e despesas de natureza financeira são contabilizadas pelo critério pro rata dia e calculadas com base no método exponencial. o valor de caixa e equivalente de caixa é composto por disponibilidades. quando aplicável (Nota n° 5). índice de preços e moedas.082/2002. utilizando curvas de valores futuros de taxas de juros. ajustados pelo valor de mercado em contrapartida ao resultado do período. d) Ativo e Passivo (Circulante e Longo Prazo) Os direitos e as obrigações pactuados com encargos financeiros pós-fixados são calculados pro rata die. inclusive os encargos aplicáveis. deduzidas de provisão para desvalorização.

cinco anos. então são baixadas contra a provisão existente e controladas em conta de compensação por. a experiência passada. Adiantamentos sobre contrato de Câmbio e Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa As operações de crédito. e os eventuais ganhos provenientes da renegociação somente são reconhecidos como receita quando efetivamente recebidos. e 20% para veículos. A depreciação e a amortização são computadas pelo método linear com base nas seguintes taxas anuais: para edificações. aos devedores e aos garantidores. equipamentos de processamento de dados. independente de suas datas de vencimento. O Diferido é composto por gastos com a aquisição e desenvolvimento de sistemas e métodos e adaptação de dependências. As operações renegociadas são mantidas. A Reserva de Reavaliação é realizada proporcionalmente à depreciação ou baixa dos bens 25 . os Investimentos e os Outros Imobilizados de Uso foram avaliados pelo custo de aquisição. associadas a avaliações procedidas pela Administração. independente de seu nível de risco.068/2001. sendo os riscos das operações avaliados com base em critérios consistentes e verificáveis. As rendas a apropriar de créditos vencidos há mais de sessenta dias. no mínimo. 10% para móveis e utensílios. avaliado ao custo incorrido. não possuía operações com instrumentos financeiros derivativos.682/1999. no mínimo. i) Despesas Antecipadas As Despesas Antecipadas se referem às aplicações de recursos em pagamentos antecipados. quando. no ativo circulante. No Intangível. os títulos e valores mobiliários classificados como títulos para negociação são apresentados no balanço patrimonial. considerando a conjuntura econômica. g) Instrumentos Financeiros Derivativos Em 30 de junho de 2013 e 2012. os Imóveis de Uso próprio são apresentados pelo valor de avaliação. definidos conforme os testes realizados pelas áreas técnicas e/ou gestoras (Nota n° 9. A provisão para crédito de liquidação duvidosa é apurada em valor suficiente para cobrir prováveis perdas conforme as normas e instruções do Bacen. instalação e sistemas de comunicação e segurança. no mesmo nível em que estavam classificadas. gastos diferidos e intangíveis. no mínimo. adiantamentos sobre contratos de câmbio e outros créditos com características de concessão de crédito são classificados. As despesas antecipadas são registradas ao custo e amortizadas à medida em que forem sendo realizadas. de acordo com os parâmetros da Resolução n° 2. do CMN. As renegociações de operações de crédito que haviam sido baixadas contra a provisão e que estavam em contas de compensação são classificadas como nível “H”. para efeito de provisão para operações de crédito.d). As operações em atraso classificados como nível “H” permanecem nessa classificação por seis meses. O intangível tem seus valores recuperáveis testados. o Banco da Amazônia S. semestralmente. h) Operações de Crédito. j) Ativo Permanente No Permanente. são aplicadas taxas variáveis de acordo com a vida útil prevista nos laudos de avaliação. na determinação dos riscos de crédito. foram contabilizados direitos de uso de sistemas implantados ou em fase de implantação e que fazem parte do projeto de excelência tecnológica do Banco. ou quando há indicação de perda de valor. cujos benefícios ou prestação de serviço ao Banco ocorrerão durante os exercícios seguintes. serão reconhecidas como receita quando efetivamente recebidas (Nota n° 7). a capacidade de pagamento e liquidez do tomador do crédito e os riscos inerentes à operação.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Conforme determina o parágrafo único do artigo 7º da Circular BACEN nº 3.A.

as orientações emanadas do CMN. em conformidade com o CPC 23 – Políticas Contábeis. composto por 42% do público. Adoção Inicial da Deliberação CMV nº 695/2012 – CPC 33 (R1) A CVM. iii) a despesa/receita financeira do plano passa a ser reconhecida pelo valor líquido com base na taxa de desconto. ii) os ganhos e perdas atuariais passam a ser reconhecidos integralmente como ativo ou passivo atuarial. em média. Eventuais perdas. atendendo.12. sendo determinada pela PREVIC a liquidação dos planos existentes em 31. esta é reconhecida no resultado do período quando o valor contábil do ativo exceder o seu valor recuperável apurado pelo (i) potencial valor de venda. Os títulos e valores mobiliários classificados nas categorias de títulos mantidos até o vencimento e ativos não financeiros. Esse critério será mantido. não existindo. Mudança de Estimativa e Retificação de 26 l) . exigindo o registro de um passivo no Banco correspondente a 50% do déficit do plano de benefício definido. através da Resolução n° 3.12. segundo alíquotas vigentes. nenhum cálculo atuarial para mensuração da obrigação ou da despesa. iv) inclusão de novos requisitos de divulgação nas demonstrações contábeis. reconhecidos em base pro rata dia. são revistos. são reconhecidas no resultado. cujo risco atuarial e dos investidores são dos participantes. cujas principais alterações foram: i) exclusão da possibilidade de utilização do método do corredor. ocorreu a implantação dos planos saldados. através da Deliberação nº 695/2012. assim.2010. A partir do exercício de 2008. tendo como contrapartida o patrimônio líquido (Ajustes de Avaliação Patrimonial). no mínimo. ou valor de realização deduzido das respectivas despesas ou (ii) valor em uso calculado pela unidade geradora de caixa. onde o montante das obrigações atuariais ultrapassava o valor dos ativos deles.2012. também ganho ou perda atuarial. bens e créditos tributários. para determinar se há alguma indicação de perda por redução ao valor recuperável (impairment).08. exceto outros valores. creditada na conta de Lucros ou Prejuízos Acumulados. constituído na forma de contribuição definida. Caso seja detectada uma perda. anualmente. formados. tendo como resultado um déficit atuarial. quando identificadas. dos dois. Depósitos e Captações no Mercado Aberto Os depósitos e captações no mercado aberto são demonstrados pelos valores das exigibilidades e consideram os encargos exigíveis até a data do balanço. cabendo ao Banco registro dos custos somente pela contribuição referente ao período. As remensurações do valor líquido de ativo ou passivo atuarial reconhecidas contra ajustes de avaliação patrimonial não devem ser reclassificadas para o resultado no período subsequente. esse procedimento passou a ser realizado anualmente.565/2008. por 52% dos participantes. o maior. foi implantado o PrevAmazônia. Os planos de benefícios que eram ofertados pelo Banco até 31. m) Benefícios a Empregados Os benefícios pós-emprego concedidos pelo Banco correspondem à complementação de aposentadoria e auxílio saúde e são avaliadas trimestralmente de acordo com os critérios estabelecidos na Deliberação n° 695/2012 da CVM (nota n° 24). No primeiro semestre de 2013.2012 (Benefício Definido – BD e Misto) eram avaliados na forma da legislação vigente. e v) o pronunciamento deve ser aplicado de forma retrospectiva. k) Avaliação do Valor Recuperável Uma perda é reconhecida caso existam evidências claras de que os ativos estão avaliados por valor não recuperado. não demandando portanto. Em 05. recepcionou o pronunciamento técnico CPC 33 (R1).NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) reavaliados e seu registro retificado por provisão para imposto de renda e contribuição social diferidos.

433 4.355/2006 e CMN n. Os valores das contingências são quantificados utilizando-se modelos e critérios que permitam a sua mensuração de forma adequada.120) 7.683 (2. e estão suportados por estudo de capacidade de realização.169 (7.655/2008. são avaliadas por assessores legais.495) 10.Passivos contingentes decorrem.727) . exceto quando a Administração possui evidências de que há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis.897) Assistidos (19. alterados pelas Resoluções CMN n.211) 3. ocasionou os seguintes efeitos nas demonstrações contábeis: 30. inerentes ao curso normal dos negócios. consideraram as bases de cálculo previstas na legislação vigente para cada tributo (Nota n° 15): Imposto de Renda 15% Adicional de Imposto de Renda 10% Contribuição Social sobre o Lucro 15% PIS/PASEP 0.673) (7. A mensuração e a divulgação das provisões.º 3.823/2009.599) Auxílio Saúde 332 (133) (8. aplicável ao exercício iniciado a partir de 01.2012 Ajuste de avaliação patrimonial .65% COFINS 4% Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISSQN Até 5% Os ativos fiscais diferidos (créditos tributários) e os passivos fiscais diferidos são constituídos pela aplicação das alíquotas vigentes dos tributos sobre suas respectivas bases. em ações cíveis.897 (7.144 (1. Para constituição.2013.659) (4.462) Assistidos (11. contingências ativas e contingências passivas são efetuadas de acordo com os critérios definidos pela Deliberação CVM n. .º 3. manutenção e baixa dos ativos fiscais diferidos são observados os critérios estabelecidos pela Resolução CMN n. trabalhistas.426 (32.Efeitos fiscais LPA – resultados anteriores .565) 21.Efeitos fiscais Ajustes patrimoniais líquido 30. Contribuição Social. basicamente.922) 3. de processos judiciais e administrativos.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Erro. constituídas às alíquotas a seguir discriminadas.Efeitos fiscais LPA – resultados anteriores .648 6.086) 4.059/2002. coerentes com práticas conservadoras adotadas. PIS/PASEP e COFINS.06.06.166) Auxílio Saúde (4. A adoção do pronunciamento.598 (15. que determinam: . e levam em consideração a probabilidade de que recursos financeiros sejam exigidos para liquidar obrigações.º 3. e que o montante das obrigações possa ser estimado com suficiente segurança. ex-funcionários e órgãos públicos.º 594/2009 e Resolução CMN n. movidos por terceiros.139) BD (26. Sempre 27 BD (53.Efeitos fiscais Efeitos no Patrimônio Líquido n) Tributos As provisões para o Imposto de Renda. de natureza fiscal e outros riscos.º 3.2013 Ajuste de avaliação patrimonial . Essas contingências. o) Ativos e Passivos Contingentes e Obrigações Legais Ativos e passivos contingentes referem-se ao reconhecimento de direitos e obrigações potenciais decorrentes de eventos passados e cuja ocorrência depende de eventos futuros. sobre as quais não cabem mais recursos. apesar da incerteza inerente ao prazo e valor.284 (4.Ativos contingentes não são reconhecidos nas demonstrações financeiras.743) 1.01.

377 2012 46.997 120. ao CPC nº 25. os que são indicadores de condições que surgiram subsequentemente ao período contábil a que se referem as demonstrações financeiras. principalmente. Ativos e passivos significativos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem. 2.007.143. atendendo assim. o valor de mercado dos títulos e valores mobiliários. devido a imprecisões inerentes ao processo de sua determinação.267) 2012 1. os que evidenciam condições que já existiam na data final do período a que se referem as demonstrações financeiras. Aplicações Interfinanceiras de Liquidez Aplicações no mercado aberto Posição Bancada Letras Financeiras do Tesouro Letras do Tesouro Nacional Notas do Tesouro Nacional Aplicações em depósitos interfinanceiros Certificados de Depósitos Interfinanceiros Provisão para perdas aplicações dep.229 1.999 13. Não houve qualquer evento subsequente relevante para as demonstrações contábeis consolidadas encerradas em 30 de junho de 2013. A administração do Banco revisa periodicamente essas estimativas e premissas.143. quando aplicável.108 112.995 1.007.189. Dois tipos de eventos podem ser identificados: 1. que independentemente da avaliação acerca da probabilidade de sucesso.114 511. integralmente nas demonstrações financeiras.108 1. requer que a Administração use de julgamento na determinação e registro de estimativas contábeis.149 35. Caixa e Equivalentes de Caixa Disponibilidades Disponibilidade em moeda nacional Disponibilidade em moeda estrangeira Aplicações interfinanceiras de liquidez (*) Aplicações no mercado aberto TOTAL (*) Referem-se a aplicações com características mencionadas na nota 3 c). Interfinanceiros 2013 1.007. . aprovado pela Deliberação CVM nº 594/2009. favorável ou desfavorável. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados. Os depósitos judiciais em garantia são atualizados de acordo com a regulamentação vigente.Obrigações legais. cujo objeto de contestação é sua legalidade ou constitucionalidade.001 874.999 1.009. quando for o caso.999 1.515 (36. 4.311 1.248 626. 2013 75. fiscais e previdenciárias – decorrem de processos judiciais relacionados às obrigações tributárias.143. aplicáveis às instituições financeiras.121 5.449) 28 . provisão para contingências e provisão para benefícios pós-emprego. a qual é calculada através da utilização de metodologia estatística de estimativa. que ocorre entre a data final do período e a data na qual é autorizada a emissão dessas demonstrações. provisão para devedores duvidosos.013 36.789 (40.007.108 1. p) Evento subsequente Evento subsequente ao período a que se referem as demonstrações financeiras é aquele evento. é constituída provisão. têm os seus montantes reconhecidos.999 1. com a expectativa de saída de recursos.378 40.999 20.702 9.001 590.108 1.083.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) que a perda é avaliada como provável. q) Uso de Estimativas A elaboração de demonstrações de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.143.340 551.

490 365.926 596.586.231 321.510.138.124.625 15.720 14.720.630 1.369 4.922 47.228 1.221.131.621 666.110 868.280 274.525 em 2012).054 TOTAL 596. Títulos e Valores Mobiliários A carteira de títulos e valores mobiliários está distribuída da seguinte forma: Carteira própria – livres Títulos Públicos Letras Financeiras do Tesouro Letras do Tesouro Nacional Notas do Tesouro Nacional Certificados Financeiros do Tesouro Títulos da Dívida Agrária Títulos Privados Certificados de Depósito Bancário Debêntures Cotas de Fundos de Investimento Letras Financeiras Notas Promissórias Vinculados a prestação de garantias Títulos Públicos Letras Financeiras do Tesouro Letras do Tesouro Nacional TOTAL Saldo de curto prazo Saldo de longo prazo 2013 5.616 260 1.182.524.559.368 1.384 222. No período.390.826 - 29 .267 (40.045.449 em 2012) corresponde ao total aplicado junto ao extinto Banco Santos.167 14. A mais significativa elevação ocorreu em aplicações nos títulos do tipo Debêntures de grandes empresas.131.448 A Provisão para perdas em aplicações em depósitos interfinanceiros no valor de R$36.223 161.625 12. As receitas com aplicações interfinanceiras de liquidez totalizaram no semestre R$52.598.465.507.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) TOTAL (no curto prazo) 1.054 458.609 3.743 4.374.654.926 596.128 13.271 15.243. ocorreu recuperação da massa falida no montante de R$4.100 2013 3 a 5 anos 596.143 169.356 712.292 359. A provisão foi constituída pelo valor integral em face à intervenção e liquidação.692 5.933 2.621 5 a 15 anos 467. Classificação dos títulos e valores mobiliários a) Quanto ao vencimento Até 3 meses 1-Títulos para negociação Títulos Públicos Letras Financeiras do Tesouro 2-Títulos Disponíveis para venda Títulos Públicos Letras Financeiras do Tesouro (1) 3 a 12 meses 1.536 2.250 3.926 596.167 5.016 530.633 A composição da Carteira de TVM é resultante da política financeira adotada pelo Banco através de seu Comitê de Ativos e Passivos.926 4.167 14.620 3.729 328.926 1.665 458.949 (R$73.926 596.115.554.160 763.669.119 10.399.791 666.247 1.661 2.134.609 1a3 anos 1.735 3. 6.971.169 478.574 3.285 346 1.927 2012 5.

819 30 .163 (475) - Do total aplicado em Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC).611 9. os títulos mantidos até o vencimento estão registrados à curva.640 253 253 253 1.598 165.908 831 1. b) Quanto aos ajustes 30.06.586. os títulos denominados para negociação são apresentados apenas no ativo circulante.844 443 1.2013 TOTAL 30.400 9.926 596.742) 2.211 68.530 30.229.616 260 596.160 5.779 - 1.280 530.427 1. o montante de R$308.970 440. há o montante de R$1. os títulos do tipo NTN’s são inegociáveis e destinados ao pagamento das alienações das participações societárias.476 159.013 (10.06.06.160 10.208 7.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Notas do Tesouro Nacional Títulos Privados Debêntures Cotas de Fundos de Invest.360 em 2012).280 58.779) - 950 950 3.826 307.345 foi recebido pelo Banco no Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais instituído pela Medida Provisória n° 2.848 321.06.642 8.611 321.468 174 1.954 10.752 2.470 4.697 (R$19.976 595.280 530.280 530.727.642 8.688 234.399.583. Valor Líquido de provisão.926 4. Caso estivessem marcadas a mercado apresentariam uma desvalorização de R$31.620 2.060 93.830 8.223 92.247 87 1 86 10. – FIDC(2) Cotas de Fundos de Invest.021 420.513 1.386 em 2012).277 763.736 68.446 762.848 232 321.2013 CUSTO MERCADO 31.223 92.754 75.TDA 595.390 aplicado no fundo administrado pelo Banco BVA (R$5. para o qual foi constituída uma provisão para eventual perda que possa ocorrer devido a intervenção do Banco Central no administrador do Fundo.569.384 160. de 05 de novembro de 1993.959 763.616 260 10.890 160.976 4.256 352.990 330.616 260 (85) (85) 21. que contemplou a permuta por títulos dos créditos existentes junto à União dos financiamentos celebrados ao amparo da Lei n° 8.12. de 27 de junho de 2001.035 1.990 8.641 38.2012 (1) (2) 222.227 8.971.522 68. – FI REF Outros Títulos–Letras Financeiras/NP 3-Títulos Mantidos até o vencimento Títulos Públicos Notas do Tesouro Nacional Certificados Financeiros do Tesouro Outros títulos públicos .068/2001.160 1.368 Para fins de publicação.TDA Títulos Privados Certificado de Depósito Bancário TOTAL 30.954 10.656 20.196.720 340.785 2.990 8.160 321.969.239 222.2012 AJUSTES DO SEMESTRE 30.536 5.720 340.616 789. apesar de não existirem atrasos nos vencimentos dos juros.160 10.524.390.717 449.193 2. Para fins contábeis. conforme § único do art.454.681) (918) (1. Pela característica de emissão.254 10.712.475 804.736 68.886 238. Do total das CFT’s. teriam um ajuste negativo de R$33. Caso fossem marcados a mercado.160 321.2013 Para negociação Letras Financeiras do Tesouro Disponíveis para venda Letras Financeiras do Tesouro Notas do Tesouro Nacional Debêntures Cotas de Fundos de Investimentos – FIDC Cotas de Fundos de Investimentos – FI REF Outros Títulos Privados Mantidos até o vencimento Notas do Tesouro Nacional Certificado de Depósito Bancário Certificados Financeiros do Tesouro Outros títulos públicos . 7° da Circular n° 3.720 340.891 156.169 (105) 11.377) (6.170 418.954 321.826 93.437.035 (17.277 1.

204 413.472 11. Carteira de Crédito As operações de crédito e outros créditos.013 145.457 6.412 6.853 Normal 1.634 246.738 297.867 1.911 2013 Vencidas 48.428 126.311.925 9.190 (74.104.234.071 Total 1.797 340 51 105 4 679 61.696 133.309 em 2012).618 3.390 41.153 (57.765 6.011 2.368.014 290.942 Total 1.681 832.033 4.156 6.090 854.442 294.469) 37.240.144 6.623 88. 7.591 607.896 (67.557 35.285) (62.561 1.254 100.473 61 – 90 7.037 (16.022 34 1.256 3.243.293 18.557 6.141 25.357) (18.100. O resultado com TVM totalizou no semestre R$267.254 27.268.629 3. não houve reclassificações entre categorias nos títulos e valores mobiliários.010 11.190.672 2.192.177 2. classificadas de acordo com a Resolução n° 2.032 77.385 1.592) (55) (4. estão compostas da seguinte forma: Normal Operações de crédito Empréstimos Títulos descontados Financiamentos Financiamentos rurais Subtotal Outros créditos Diversos Subtotal Adiantamento sobre contrato de câmbio TOTAL DA CARTEIRA (Provisões) (Operações de crédito) (Outros créditos) (Câmbio) TOTAL DAS PROVISÕES TOTAL LÍQUIDO 1.108 181 – 360 acima de 360 307.411 (36.295 2.079 em 2012).885 54.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) (R$18.114 2.113 133.120.027 23.485 (31.629 2.823 (R$320.682/1999.676 1.602 40.110 3.634 2.000.485 2.717) (16) (3.401) (18) (2.353 104 104 126.248 6.019 3.970 68.728 24.044 21.777 824.272. Os TDA’s são títulos recebidos como resultado de negociação com a Secretaria do Tesouro Nacional.837 Estes créditos apresentam o perfil especificado a seguir e são classificados com base no critério de vencimento de parcelas: Operações vincendas 0 – 30 AA A B C D E F G H TOTAL 2013 TOTAL 2012 31 – 60 10.875) (39) (1.082) 72.440) (96. não possuindo cotações no mercado secundário.037 50.496 1.233 27 153 842 567.618 2.478 2.139.889 1.857 415.602 36.320 total da carteira 465.157 29.291 119 6.558 572 425 50 9 205 783 46.155) (33.994.959 64 2.406 4.349) (61.484 269.403 Operações vencidas 31 .120.556 138.766 2012 Vencidas 90.757 2.290.269 73.614.481 2.487 61.574) 2.043) 2.114 102.275 2. do CMN.353) 2.805 303.703 6.127.706) (79.144 2.397 71.574) (29) (28.146 11 11 71.173) (11) (26.268.314.996 1.139.272.034 601.139.152.490 115.791 13.248 2.098 22.701 91 – 180 11.054 904 8.354 349 134 740 1. No 1º semestre de 2013.271) 2.834 206 2.247 17 676 169.

728 11.442 1.757 4.896 2012 327.133 28.934 5.306 1.914 2.816 657.935 1.306 23.0 (2.703 (14.368.888 1.164 10 19.959 10 2.450 47 223 9.308) 3.041 33.865.775 128.437) C 19.959 214.565 10.223 181 – 360 62 221 358 642 45.0 (1.714 289.742 (832) Níveis D E 68.992 339.624 100.851 (1.121 169.053 2.107 259.992 339.financeiros Setor público TOTAL DA CARTEIRA Percentual requerido Provisão constituída 2012 TOTAL DA CARTEIRA Provisão requerida e constituída AA 465. nos nove níveis de risco e a provisão para operações de crédito.717 2.374 179.944.272.803 214.429 205.368.914 1.982 304.710 37 53 58 607 16.415 298.214 (5.550 186.0 (598) 27.071) 1.060 19.0 (11.209 726 189 1.514 12.793) 26.303 1.577 1.114 0.304 2.340 A classificação da carteira de operações de crédito e outros créditos.296 8.153 12.274) 5.447) 9.181 6.411 133.522 465.731 5.197 32.0 (6.914 110.625 394 493 1.916 2.396 13.102 100.653 345.865.190 (79.943 5.102) 42.306) H 60.697) 10.870 61 – 90 141 816 3.353) Quanto aos Setores de Atividade Econômica.228 32 .986 7 2.830) 59.536 60.643 19.561 160.603 (42.599) (37.163) 643.280 6.402 348.743 3.831 20 358 11.797 1.043) 2.554) 33.251 764.104 3.131 731 2.649 2012 (78.809 1.396 3.285 5.178 53.297 188 1.101 acima de 360 202 105 98 108 15 3.294 (2. estão a seguir demonstradas: 2013 Setor privado Rural Indústria Comércio Serviços Pessoas físicas Interm.561 375.299 9.896 (96.103.188 A 1.816 657.599 42.909 2. a carteira está assim apresentada: Setor Público Administração Direta Administração Indireta Atividades Empresariais Setor Privado Rural Indústria Comércio Pessoas Físicas Outros Serviços Intermediários Financeiros TOTAL DA CARTEIRA 2013 502.457) G 3.982 304.102 8.5 (8.755) F 11.200 102.844 6.542 53.297 70.738 217.395 543 8.111.089 847 363 810 3.395 50.611 11.272.0 (5.190 A provisão para operações de crédito e outros créditos apresentou a seguinte movimentação: Saldos no início do período Provisões constituídas Valores baixados para prejuízo 2013 (81.482 7.972 331.758 47.568 2.408 68.447 7.299 10.144 356.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) 0 – 30 B C D E F G H TOTAL 2013 TOTAL 2012 31 – 60 1.0 (60.452 total da carteira 14.337 2.888 30.463 12.914 (5.333 199.906) (40.516) B 116.402 10 502.681 (6.614.271 61.215 3.167 91 – 180 148 372 672 2.163 432 2.803 348.603) Total 1.934 3.718 5.782 116.182 20.982 2.655 502.

Diversos Os Outros Créditos estão substancialmente formados pelos valores demonstrados abaixo: Crédito tributário (nota n° 15.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Reversões Saldos no fim do período 7 (96.540 151.769 em 2012).697 530 84 6.585 200.353) O saldo acumulado de operações de crédito baixado.572 (79.4 22.790 Recuperação de créditos baixados como prejuízo 9.441 542.078 Financiamentos rurais e agroindustriais 10. Outros Créditos .254 2.190 2012 % CARTEIRA 53.879 TOTAL 132.546 em 2012).166 11.153 8.879 (R$23.2 5.339.990 18.613 7.031 38.2 100.881 1. corresponde a R$761.311 6.404 7.166 2.846 504.032 13.043) 3.084 (R$729.3 5.905 42. controlado em conta de compensação.556 Financiamentos 34.189 Concentração dos principais devedores: 2013 VALOR 10 maiores devedores 50 maiores devedores seguintes 100 maiores devedores seguintes Demais devedores seguintes TOTAL 1.272.690 409 31. foram recuperados créditos baixados como prejuízo no montante de R$9.947 191.629 40.419 84 3.0 2012 88.334 17.d) Recursos Fiscais Recursos Trabalhistas Recursos Cíveis Devedores para apuração de responsabilidades Impostos e contribuições a compensar Pagamentos a ressarcir Remissão de Dívidas – Lei 12.705 27.711 7.336 415.677 127.321 5.578 11.b) Títulos e créditos a receber CAPAF Tecnologia Outros Câmbio (nota n° 7) Remuneração OGU Diversos Devedores por compra de valores e bens (nota n° 7) Devedores por depósitos em garantia (nota n° 29.865 2.546 168.5 15.218.248 38.934 13.746 146.386 359.166 21.249/2010 Outros Diversos 2013 809.6 18.703 8.321 3.143 133.9 100.174 33 .669 25.578 10.601 409 29.9 22.368. No 1º semestre de 2013. Abaixo as Receitas de Operações classificadas por modalidade de Crédito: 2013 Empréstimos 74.614 8.392 2.0 VALOR 1.282 23.886 Títulos descontados 2.896 % CARTEIRA 56.189 14.460 2012 609.

460) 109.393 66.294 924.415 895.354 69.705 (R$38.274 2.271 176.067 366 (56.652 718.670 13.618 1.435 35.531 3. conforme a Lei 12.748 64.031 em 2012).249/2010.321 (R$13.259 34 . celebrado em 22 de dezembro de 2005. O saldo de Devedores para Apuração de Responsabilidades corresponde ao registro de valores provenientes de fraudes internas e externas.619 De acordo com o termo aditivo de instrumento particular.311 (26.455 2.031 (24.920) 10.490 1.935 (30.400 34. móveis e equipamentos de uso Móveis e equipamentos de uso (-) Depreciação acumulada Outras imobilizações Sistema de comunicação Sistema de processamento de dados Sistema de segurança Sistema de transporte (-) Depreciação acumulada TOTAL 98 126 43 267 2012 98 126 43 267 1. O Banco possui registrado na conta Pagamentos a ressarcir o valor de R$13.660 366 (52. que serão utilizados no equacionamento do déficit atuarial originado pelo Plano de Benefício Definido.223 38. no valor de R$21.866 38. Permanente 2013 a) Investimentos Incentivos fiscais Títulos patrimoniais Outros TOTAL b) Imobilizado de uso Móveis e equipamentos em estoque Imobilizações em curso Imóveis de uso Terrenos Reavaliações de terrenos Edificações Reavaliações de edificações (-) Depreciação acumulada Instalações. conforme contrato “Termo de acordo.709 170.884 13. falhas humanas e de sistemas operacionais.047 (27. contratadas até 31 de dezembro de 2004.836) 11. o Banco possui registrado na rubrica “outros créditos diversos” o montante de R$151. decorrente de aportes efetuados a maior para o Plano de Benefício Misto e ações judiciais que o Banco vem honrando.321 em 2012) referente à remissão de operações de crédito rural do Pronaf B.111 44. composição e ajuste”.664 13.166 (R$146.998 35. O valor registrado na conta Títulos e Créditos a receber – Tecnologia.445) 18. com recursos do OGU. 9.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) TOTAL Saldo de curto prazo Saldo de longo prazo 1.481 61.643) 110.474 4.404 em 2012) corresponde ao compromisso assumido por empresa prestadora de serviços de TI.033) 19.094.390 835 16.

A movimentação do Ativo Permanente está demonstrada Abaixo: Descrição Investimentos Imob.Interf. enquadrados nas definições da Lei nº 11.474 e) Índice de Imobilização A Resolução CMN n° 2.6% Limite para Imobilização (-) Situação Margem Índice de imobilização 10.638/2007.923 (134.12.900 144.542 685 8.280 1.043) (13. O índice de imobilização em relação ao PR é de 8.7%.977 2.2012 Adição (Inversões) Baixa (Alienação) Depreciação/ Amortização 30.946 5.525 795.343 6.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) c) Diferido Gastos em imóveis de terceiros SFH – descontos concedidos Gastos com projetos logiciais Instalação e adaptação de dependências Reestruturação e modernização sistema operacional (-) Amortização acumulada TOTAL d) Intangível (1) Licenças de uso de software Software desenvolvido e em desenvolvimento (-) Amortização Acumulada TOTAL (1) 5.362 15.210 8.659 44 14.838) (2) (7.669/1999 estabeleceu o limite de 50% do PR ajustado.534) 539 17.683 859.2013 30. para o índice de imobilização.362 15.895 (95) (95) (6.390 106.735 .946 5.259 539 112.638 2 105. de uso Diferido Intangível TOTAL 31.035 (40.151 137. Depósitos e Captações no Mercado Aberto a) Os depósitos estão distribuídos conforme a seguir: 2013 À Vista A Prazo Poupança Dep.686 44 14. 2012 Outros Total Total Curto Prazo 522.7% 2012 994.642/2008.695.167) 112.137 8.635 222. bem como novas aquisições e desenvolvimentos de outros softwares.2012 267 116. conforme demonstrado a seguir: 2013 770.139 (110.802 217.06.786) 636.409 Estão registrados nesse grupamento licenças de uso e software desenvolvido e em desenvolvimento que são parte do Projeto Excelência Tecnológica (PET) do Banco.802 16.179) 106.070 516. A administração entende que não há evidências de que esses bens estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível de ser recuperado por uso ou por venda.081 (55.06.535 35 2.409 222. e da Resolução do CMN nº 3.883) 267 110.779.035 (41.796) 883.459 267 109.425 (41.046) - 5. a partir de dezembro/2002.

083 267 210 103. Especiais Remunerados – SUDAM TOTAL 31.a.097 178.698 1.516 2.038.640 14.908. (3.435 38.361 (R$159. serão feitos nas datas de pagamento do imposto. e cartas de crédito de importação que são registradas à taxa do dia e reajustadas pela variação cambial no final do mês.126 Depósitos Especiais Remunerados – SUDAM é um benefício fiscal instituído pelo Governo Federal que permite às empresas beneficiárias depositarem no Banco da Amazônia o valor da parcela correspondente a 30% do IR devido.606 20.662 966.017.721 816.330 516.525 1.846 69.371 4. do art. com vencimento no curto prazo. c) Despesas de captações no mercado: 2013 Despesas de Captações com Depósitos A prazo Poupança Especiais Interfinanceiros Demais captações Despesas de Captações no Mercado Aberto Carteira própria TOTAL 11. 36 2012 84.475 622.682 .7% a.683 522.007.579 617. basicamente.836 25.019 1. Os depósitos do incentivo.280 516.260 1.126 em 2012) e estão distribuídos da seguinte forma: 2013 FAT (nota n° 20) FRAP FIDER FINAM Dep.811 88. cujo montante no semestre é de R$33.811 3.322 1.280 1.835 816.252 28. com vencimento em até 12 meses.618 (R$1.835 392. referem-se.223 681. sobre os quais incidem encargos fixos à taxa média de 1.0% a. à captação de recursos para financiamento à exportação.104 151 190 9. Obrigações por Empréstimos Os empréstimos tomados no exterior. 115 da IN RFB nº 267 de 23/12/2002.063 67.887 2.034.007.505 3.981 2.040 em 2012). relativa 50% dos 30% do IRPJ devido.846 1.874.683 241.080 26.491 158. inclusive recursos próprios.525 791.343 221.963 1. classificados como depósito a prazo.571 101 2.557 128.522 13.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Sem Vencimento Até 90 dias De 91 a 360 Longo Prazo TOTAL 522.165. em 2012) e variação cambial da moeda a que estão vinculados (dólares norteamericanos).618 2012 31. totalizaram R$816.a. nos prazos indicados de acordo com o parágrafo 1º. calculado sobre o lucro da exploração.622 b) Os depósitos especiais com remuneração.846 66 2. acrescido de outra parcela de Recursos Próprios.

1 7. 2012 PRAZO (ano) VALORES BNDES FINEM BNDES Industrial BNDES Rural BNDES Comércio BNDES Serviços BNDES Gov Munic CEF FINAME Industrial FINAME Rural FINAME Comércio FINAME Serviços STN OGU STN – RECOOP TOTAL Curto Prazo Longo Prazo (*) 6.a.438 13.5 8.0 7.352 3.3 4.211 6.033 675 97 16 77 141 156 91 a 180 dias 1.5 4 6.758 782 2.6 11.8 11.151 13.877 6.8 6 1 8. PRAZO (ano) VALORES TAXA %(*) a.317 9.789 4.206 9. fianças e outras.0 9.0 7.794 120.299 3.223 92.043 13.204 236 29 5.6 3.8 2 5 - 16.276 919 142 5.9 6.3 3.6 4.898 42. Obrigações por Repasses Estão representadas por financiamentos e repasses oriundos de órgãos governamentais.854 129.422 Já acrescidas da variação da TJLP ou TR ou Cesta de Moedas. com prazo de liquidação e encargos financeiros médios assim especificados: 2013 TAXA %(*) a. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).8 7.997 375. Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e outros.951 26.165 68.8 1.1 6.653 549 Total 33.807 3a5 anos 9.0 7.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) 12.5 4 7.226 - 102.3 7. tais como: Agência Especial de Financiamento Industrial (FINAME).228 1.a. As operações com recursos de repasses apresentam a seguinte classificação por prazo de vencimento e recursos: Até 30 dias 31 a 90 dias 1.5 5.4 3.489 431 63 239 156 470 1a3 anos 15.7 7.276 919 142 5.334 36.606 15.7 9.040 2.8 2 4 33.732 321 2.5 9.521 258.0 2.936 37 468.8 1.658 41.8 7. dependendo da natureza das operações.332 79 529 5 a 15 anos 725 111.5 12. quando exigidos.3 3.8 - 4. Caixa Econômica Federal (CEF).7 2. As garantias contratuais podem ser reais.8 - 4.521 258.794 BNDES FINEM BNDES Industrial BNDES Rural BNDES Comércio BNDES Serviços BNDES Gov Munic FINAME Industrial FINAME Rural FINAME Comércio 744 647 130 304 50 8 68 54 70 37 .510 2.511 2.097 250.487 338 47 1.1 7.7 7.789 396.606 15.151 13.0 12.789 4.732 31 499.961 598 823 311 3 8 47 629 213 181 a 365 dias 3.5 2.352 3.5 8.3 6.7 3.908 1.405 640 1. avais.

712 55.738 10.414.193 34.444. No semestre.417 26.731.500 10.898 42.677 2 145.138/1995 Provisão para plano BD Saldado Provisão para plano Misto Saldado Outras provisões operacionais Outros Obrigações por aquisição de bens e direitos Provisão para pagamentos a efetuar Obrigações por convênios oficiais 2013 2. pela taxa média Selic e são recolhidos ao Tesouro Nacional no último dia útil de cada decêndio.475 2012 1.249 1 16.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) FINAME Serviços STN OGU STN – RECOOP TOTAL 2013 TOTAL 2012 1.599 11.920 150. 13.571 475.968 4.c) Contingência previdenciária .458 (R$7.648.674 3 92.590 78.143. Outras Obrigações a) Fundos Financeiros e de Desenvolvimento Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) (1) Marinha Mercante (FMM) Outros TOTAL Saldo de curto prazo Saldo de longo prazo (1) 2013 3.694 135.400 1.647 462.456 33.269 9.292 8.673 3.659 36.234 62. enquanto disponíveis.637 27.CAPAF (nota n° 24) Contingência para Planos Liquidados Outras Contingências Previdenciárias Aposentados responsabilidade do Banco (nota n° 24) Auxílio-saúde a aposentados (nota n° 24) Provisão – FNO (nota n° 19) Provisão para fundos de investimentos (nota n° 29.086 27.086 25.653.997 18 157.468 9.227 20.537 45.578 102.604 2 10.999 115.013 88.556 1 23.674 3.524 em 2012).842 120.221 15.375 3.289 41.732 31 499. o Banco possui registrado do Orçamento Geral da União (OGU).459 1.936 em 2012). sendo a base de cálculo os saldos diários dos depósitos existentes no decêndio imediatamente anterior. foi recolhido ao Tesouro Nacional o montante de R$49 (R$69 em 2012) e registrado como taxa de administração dos recursos do OGU o valor de R$904 (R$843 em 2012).646 4 53.211 468.772 63.887 61.595 19.234 15.084 2012 3.198 298.263 32. o montante de R$42.562 18.716 558.725 27.732 (R$36.488 78 3.385 37.c) Cessão de crédito – lei n° 9.752 72.223 Como agente financeiro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF).909 176.921 Os saldos diários das disponibilidades do FNO são remunerados com base na taxa extra-mercado divulgada pelo BACEN (Nota n°19).972 16.448.970 78 3.626 82.048 29.606 71. São remunerados.521. b) Os saldos de “Diversos” estão apresentados abaixo: Provisão para passivos contingentes Ações trabalhistas (nota n° 29.035 9.361 607.254 630.c) Ações cíveis (nota n° 29.177 146. O total repassado pelo Tesouro no semestre foi da ordem de R$4.107 77.883 38 . não apresentando vencimento.

853 1. assim como a implantação das regras do CPC nº 33 (RI).946 2.481 2. do grupamento de compensação.665 (488.481 468 103.762 2012 2.219.596. O reconhecimento da responsabilidade do Banco no saldamento dos planos de previdência complementar administrados pela CAPAF.964.596.713 514. o resultado do semestre no valor de R$46. perfazendo um total líquido inclusive de impostos de (R$488.681 4. Essa co-responsabilidade encontra-se registrada na conta Coobrigações em Cessões de Crédito.962. Assim.197 foi utilizado na amortização do prejuízo acumulado.962 - 46.547.081 2. assim como o Estatuto Social do Banco em seu art.627 465.770.762 2012 111. subscrito e integralizado.596.592.587 5.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Demais TOTAL Saldo de curto prazo Saldo de longo prazo 30.197 46.022 em 2012). 189 da Lei nº 6.949 25.082.290. Patrimônio Líquido a) Capital social Em 30 de junho de 2013. no valor de R$1. CVM nº 695/2012.887) . De domiciliados no país De domiciliados no exterior TOTAL b) Destinação do lucro líquido O art.964. o capital social.552).964. escriturais e sem valor nominal.446 103. definem que havendo prejuízos acumulados o resultado do período será utilizado para amortização. sendo a participação da União de 96.669 é representado por 2.197 468 46. referendado pela Del. cuja coresponsabilidade é do Banco.404/1976.860 31.762 de ações ordinárias nominativas.083 (R$90. 14. Em 30 de junho de 2013 o montante era de R$97.306.103 1.964.552) (441.285. A destinação do lucro está demonstrada a seguir: 2013 Lucro líquido do semestre Reserva Legal Saldo após a Reserva Legal Realização da Reserva de Reavaliação Base de cálculo para distribuição Dividendos/JCP Reserva Estatutária Prejuízo Acumulado Total c) Ajustes de exercícios anteriores 39 2013 2.524 Cessão de Crédito – lei n° 9.987 77.833 1. levaram ao registro em Lucros/Prejuízos Acumulados.138/1995 corresponde ao provisionamento do saldo das operações que também contemplam parcelas vencidas dos mutuários. 64.9% das ações.281 2.

estão assim resumidas: 2013 Imposto de Renda Lucro antes da tributação e participações Participações Estatutárias Juros sobre Capital Próprio Lucro antes do IRPJ e CSLL Adições líquidas de caráter permanente Adições líquidas de caráter temporário Lucro tributável antes das compensações Alíquotas Valores devidos pela alíquota normal Adicional de Imposto de Renda (10%) Incentivos Valores devidos Realização Res.683 (2.774 223.12.553 22.01.695 (3.462 233 42.753) 31.645 (18.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) A Del.239) 496 (743) 15.922) 3. CVM 600/2009 estabeleceu nova política contábil referente a benefício pós-emprego.776 18. no período.553 92 33.169 (4.611) 22.082 15% 42.678 17.822) 68.225 138.687 1.687 83.1 2012 Contribuição Social 208. tendo sido efetuada a correspondente provisão.324 (6.954 283.659) 54. Com sua vigência a partir de 01.250 173 54.936 388 69. o Banco apurou lucro tributável e base positiva de contribuição social.673) 4.722 2.406 71.462 28.532) 62.082 15% 42.686 15% 33.010 Auxílio Saúde (7.296 (1.2013.919) 38.812 27.774 223.967) 14.2012 (1.687 1.462 42. Imposto de Renda e Contribuição Social a) Provisões constituídas Neste semestre. CVM nº 695/2012 que revogou a Del.6 b) Origem dos créditos tributários de imposto de renda e contribuição social diferidos 40 .792 30. tendo sido apurados ganhos e perdas que foram registrados em Lucros ou Prejuízos Acumulados conforme demonstrado a seguir: Especificação Ganho/Perda atuarial Efeito Fiscal Valor Líquido Assistidos 6.3 Contribuição Social 83.406 71. foram recalculados os valores das obrigações atuariais retrospectivamente a 2012. de Reavaliação e Diferido s/ MTM Valores registrados em resultado antes da ativação Crédito Tributário sobre diferenças temporárias Valores efetivamente registrados no resultado % da despesa efetiva em relação ao Lucro antes do IRPJ e CSLL 83. A conciliação dos encargos e a demonstração das alíquotas efetivas para o cálculo do Imposto de Renda e Contribuição Social.686 15% 33.722 2.687 83.423 (31.5 Imposto de Renda 208.954 283.553 33.225 138.356 (1.

Esses créditos serão realizados quando da utilização e/ou reversão das respectivas provisões sobre as quais foram constituídos.520.666 172. pós-emprego – Del 695/2012 Planos Saldados Outras Provisões Base de Cálculo Imposto Renda Diferido (25%) Contribuição Social Provisão para Risco de Crédito Auxílio pós-emprego Aux.516 996.026.105 48. A ativação foi efetuada até o limite da perspectiva de realização em 10 anos do período base e será baixada pelos pagamentos dos planos na forma definida nos contratos firmados entre o Banco e a CAPAF.719 174.291 182.06. da Lei n° 9. c) Movimentação dos créditos tributários de imposto de renda e contribuição social diferidos As provisões que serviram de base e os respectivos créditos tributários.138 456.06.037 1.2013 Imposto de renda e contribuição social diferidos ativos . Neste semestre.479.317 166. pós-emprego – Del 695/2012 Planos Saldados Outras Provisões Base de Cálculo 883.453 78. provenientes das despesas de provisões não dedutíveis. conforme art.06. o Banco mantém a Ativação de seus créditos tributários com probabilidade de realização no prazo máximo de 10 (dez) anos.06.862 158. assim os efeitos fiscais.516 39.666 179.700 27.673 17. apresentaram a seguinte movimentação durante o semestre findo em 30 de junho de 2013: 31. cuja obrigação assumida pelo Banco foi registrada no Patrimônio Líquido.365 143.2013 30. Na forma definida no estudo técnico.905 698.209 345.639 48.814 38.473 883. Houve. inciso I. inclusive do Banco Central do Brasil.009 479.398 371.601 506.814 38. ativação de Crédito Tributário sobre a perda atuarial relativa aos ajustes determinados pela Deliberação CVM nº 695/2012.291 189.105 48. na forma da regulamentação.353/2006.585 30.789 61. ainda.171/2002 e Deliberação CVM nº 273/1998.528 22.629 996.789 61.270 323.650 942.568 942.138 456.972 1.059/2002 e 3. são adotados os critérios estabelecidos pelas Resoluções CMN nºs 3.348 41.2012 Reclassificado 41 .527.2012 609. pela Circular BACEN nº 3.868 369.599 143. com reflexo no resultado e no Patrimônio Líquido.673 17.862 158.total 809.947 O Banco registra como Ativo Fiscal Diferido Imposto de Renda e Contribuição Social.868 369.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) 30.209 345. o Banco registrou também Crédito Tributário sobre a implantação do saldamento dos Planos de Benefício pós-emprego. Para avaliação e utilização dos referidos créditos.12.700 27.680 30. eliminando.905 698.528 22. 13.876 Constituição Realização 30.719 30.639 48.270 323.666 479.505 381.113 2.009 78.2012 Reclassificado Imposto de Renda Provisão para Risco de Crédito Auxílio pós-emprego Aux.940 1.019.317 173.249/1995.070 1.080 2.486.453 78. exclusivamente sobre diferenças temporárias.348 41.

808 279.814 2012 216.422 30.848 438.782 17. quanto ao incremento.185 69. o Banco apresenta crédito tributário não ativado sobre o registro do saldamento dos Planos BD e Misto no total de R$99. Em 30 de junho de 2013.504 30.564 De 2018 a 2022 274.838 163.071 609. tendo como parâmetro a apuração de lucro tributável para fins de imposto de renda e contribuição social.943 29. Desdobramento das Contas de Resultado a) Receitas de prestação de serviços 2013 Rendas administração de fundos e programas 210. em montante que comporte os valores registrados.366 78.342.7% 5.406 - 302.905 593.585 52. d) Expectativa de realização dos créditos tributários de imposto de renda e contribuição social sobre o lucro A perspectiva de realização do imposto de renda e da contribuição social diferidos.488 - 23.869 47.585 - Para determinação do valor presente da expectativa de realização futura dos créditos tributários.8 52. 16.275 8.9 44.309 7.396 42 .686 294.7 59. à reversão ou manutenção.650 302. foi adotada a taxa média de captação ao ano.5% 7.6% 104.651 7.641 26.3% 228. Social TOTAL DOS CRÉDITOS Taxa média de captação ao ano (%) VLR PRESENTE DESTES ATIVOS 2013 29.4 59.819 2016 51.7 72. para os próximos 5 anos. apresenta-se da seguinte forma: CRÉDITOS DE IMPOSTO DE RENDA Crédito Tributário de Imp. conforme demonstrado no estudo técnico. na forma que estabelecem a CVM e o CMN. Esses créditos não foram ativados em razão da expectativa de realização ultrapassar os 10 (dez) anos definidos no Estudo Técnico como critério para ativação.853 82.460 TOTAL 506.024 34.533 2015 58. o Banco não apresentava estoque de prejuízo fiscal e base negativa de contribuição social.162 2014 43. de Renda Crédito Tributário de Contrib.935 809.777 63.935 809.838 8.898 (R$99.533 2017 48.6% Os ativos fiscais diferidos são analisados periodicamente. e) Créditos tributários não ativados O Banco possui créditos tributários não ativados de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre diferenças temporárias no total de R$133.2% 5.947 30.814 92.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Contribuição Social Diferida (15%) TOTAL CRÉDITO TRIBUTÁRIO Participação dos créditos tributários no Patrimônio de Referência Participação dos créditos tributários no Ativo Total 221. Neste semestre.826 8. em 30 de junho de 2013.990 em 2012). prevista pelo Banco.

543 4.741 23.241 4.167 264.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) FNO (nota n° 19) FINAM (nota n° 17) FDA Demais rendas Rendas de outros serviços Demais rendas Subtotal 204.179 218.451 12.205 7.021 223.856 5.115 17.260 4.602 26.953 2.004 39.999 1.993 194.638 204.922 153 1.067 11.967 43 2012 1.294 7.942 101.405 2.675 .344 262.065 1.840 44. energia e gás Aluguéis Processamento de dados Despesas de comunicações Manutenção e conservação de bens Despesas de material Serviços de terceiros Vigilância e segurança Despesas de serviços do sistema financeiro Despesas de promoções e relações públicas Despesas de propaganda e publicidade 3.107 27.262 25.540 3.164 15.011 14.875 22.103 3.178 8.954 678 6.417 Rendas de tarifas bancárias Pessoa física Pessoa jurídica TOTAL b) Despesas de pessoal 45.435 41.868 2013 Honorários Benefícios Encargos sociais Proventos Treinamento Remuneração de estagiários TOTAL c) Outras despesas administrativas 2013 Água.205 2.647 1.179 8.976 2012 4.716 5.844 30.021 7.604 15.747 2.449 129.524 2.561 4.094 7.415 172.463 563 7.819 1.

576 119.469 2.466 2013 ISS COFINS PIS/PASEP Demais tributos TOTAL e) Outras receitas e despesas operacionais Outras receitas operacionais Del credere – FNO (nota n° 19) Demais rendas operacionais Recuperações de operações do FNO Receita de variação de taxas do FMM Receita de variação de taxa de câmbio Recuperação de encargos e despesas Rendas sobre depósito compulsório Reversão provisões operacionais Demais receitas TOTAL Outras despesas operacionais Despesas de provisão – FNO (nota n° 19) Atualização de benefícios pós-emprego Apuração de responsabilidade Despesas de fundos de investimento (nota n° 29.453 2012 142.422 112.178 25.559 1.426 6.138 8.041 667 2.677 4.040 25.838 7.408 4.108 32.853 2012 56.311 4.865 3.131 3.901 3.593 2.612 381 829 4.881 .897 2.466 7.c) Despesas de variação de taxa de câmbio 2013 162.447 52.172 1.776 32.045 2.981 20.073 44 2012 2.837 198.781 2013 113.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Despesas de publicações oficiais Despesas de serviços técnicos especializados Despesa de transporte Despesas de viagens Despesas de depreciação Despesas de amortização Demais despesas administrativas TOTAL d) Despesas tributárias 1.823 6.443 6.440 9.875 940 2.233 3.141 12.574 237.685 2.349 4.872 55.333 75.129 1.555 10.904 11.426 33.297 3.

c) Cessão de crédito . No semestre.309 2. na área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM). No semestre. a título de provisão para fazer face ao risco de 2.716) (56. Fundo de Investimentos da Amazônia (FINAM) 15. O Banco da Amazônia S/A. em Passivos Contingentes.901) 2012 194. o FDA.727 4.950 (119. criado pelo Decreto Lei nº 1.340 7. através do Departamento Financeiro e de Recuperação de Projetos (DFRP). é incidente sobre o Patrimônio Líquido do Fundo.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Passivos judiciais e legais (nota n° 29.376/1974.876 O FINAM.540 142. o Banco registra as seguintes receitas e despesas: 2013 Taxa de administração Del-credere Recuperação de operações Remuneração do disponível Despesa de provisão (risco compartilhado) 204. recebendo a título de remuneração 3% a.561 162.378 42. o montante de R$389 (R$736 em 2012).lei n° 9.776) A Taxa de administração de 0.778 5.037 4. foi apropriado e recebido. de investimentos em infraestrutura e serviços públicos e em empreendimentos produtivos com grande capacidade germinativa de negócios e de atividades produtivas. como Receita de Prestação de Serviço.839 6.372 em 2012).m. encontrando-se atualmente na área de atuação do Ministério da Integração Nacional. Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) Criado pela Medida Provisória n° 2.157-5/2001.471 (138.234 202. 18.967 (R$882.5%. é responsável pela operacionalização do FINAM. 19. é um benefício fiscal concedido pelo Governo Federal.133 5. foi liberado o montante de R$4. Em 30 de junho de 2013. o Banco tem registrado.519 7. alterado pela Lei Complementar n° 124/2007..922 (R$3.138/1995 Despesas pós-emprego – assistidos(nota n° 24) Despesas pós-emprego – auxílio saúde(nota n° 24) Despesas com agravamento de operações Despesas com TVM Despesa com atualização de Planos Saldados Demais despesas operacionais TOTAL 17.828 3.25% a.444 2. 45 .333 52. como instituição financeira regional.115 em 2012).959) (113. o valor de R$4.a.872 20. Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) Como administrador e operador do FNO. incidente sobre 70% do Patrimônio Líquido do respectivo Fundo. Tem por objetivo contribuir para o desenvolvimento econômico da Região Amazônica. tem por finalidade assegurar recursos para a realização.647 em 2012). tendo o Banco recebido de taxa de administração R$153 (R$17.359 130.311 10. conforme legislação vigente.

292 1. sendo que no Banco esses recursos estão registrados em “Depósitos Especiais com Remuneração”. pela TJLP.924. 46 .168 1.354 118. No semestre. durante o período de vigência dos financiamentos.552 213. do grupamento de “Depósitos a Prazo”.177/2001). o Banco não aufere del-credere. Do montante de receitas de operações de crédito já honradas pelo Banco ao FNO.919 11.2013 FINANCIAMENTOS PROVISÃO 30.897 5.007. pela taxa média SELIC e.042 1.911 83.193 (R$53. A composição dos saldos das operações de crédito com recursos do FNO – risco compartilhado e das provisões está apresentada abaixo: NÍVEL DE RISCO AA A B C D E F G H TOTAL 30. cujo saldo acumulado é R$630. cujas parcelas estavam vencidas há mais de 360 dias.654 19. O Del-credere corresponde a 3% a. O valor registrado no Disponível é remunerado à taxa extra-mercado e esse encargo é registrado na rubrica “Despesas de Obrigações por Fundos Financeiros e de Desenvolvimento”. A Despesa de provisão (risco compartilhado) é calculada de acordo com os critérios da Resolução n° 2.2012 FINANCIAMENTOS PROVISÃO 1.089 41.187 407.018 1.992 7.292 (R$607.359 19.06.113 10.851 502. Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) Instituído pela lei nº 7.736 6.793 630.339 9. sobre as operações contratadas após 30 de novembro de 1998 (Lei n° 10.352/1991.470 607. calculados na forma da legislação vigente.406.895.690 520.081 129.336.325 em 2012) são referentes às operações baixadas com base na Portaria Interministerial MF/MI n° 11/2005. quando aplicados.536 1. enquanto disponíveis.966 6.864 79.193.678 (R$20.435. A remuneração dos recursos disponíveis é exigida mensalmente.441 15.040 11.06.a.062 76.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) apurado para cada mês de referência e remuneração do agente financeiro das operações contratadas com beneficiários do PRONAF. Sobre operações contratadas até 30 de novembro de 1998. R$28.014 1.840 5.323 12.395.861 em 2012) de operações de crédito do FNO com risco compartilhado. por estar isento de risco.964 23.197. conforme estabelece a Portaria Interministerial n° 11/2005.856 68.556 124.998/1990. o FAT é um fundo gerido por um Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (CODEFAT) vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e tem como foco a geração de emprego e renda.234 em 2012). Os recursos do FAT são alocados por meio dos depósitos especiais conforme dispõe a Lei 8. o Banco procedeu à baixa de R$60.478 511.682/1999 e registrada na conta “Provisão para Passivos Contingentes”.987 20.025.912 26. remunerados.234 20.

104 A vencer Até 30 dias De 31 a 90 dias De 91 a 180 dias De 181 a 360 dias Mais de 1 ano TOTAL % 15.4 3.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Em atendimento às Resoluções do CODEFAT. conforme abaixo demonstrado: Programa Resolução /TADE 2013 2012 47 .1 100.276 PROGER urbano 3. o montante das operações de crédito realizadas com recursos do FAT importa em R$30.823 em 2012).790 31.135 1. geração de emprego e melhoria de renda. n°s 439/2005 e 489/2006.721 31. conforme demonstrado a seguir: 2013 2012 Taxa Reembolsos Saldos Reembolsos Saldos TJLP Aplicado 667 27.099 2.491 75 29.6 5.785 3.280 31. mediante fornecimento de crédito e assistência aos agricultores familiares.099 3.083 2012 Valores 2.com finalidade de propiciar condições para o aumento da capacidade produtiva.880 21. tendo como base o programa para a geração de emprego e renda (PROGER).141 20.569 (R$29. no semestre.785 158 1.5 3.911 31.538 PROGER urbano 145 149 PRONAF 9 Principal 3.298 846 29.104 024/2005 003/2007 - 3. nas modalidades: a. PRONAF .0 No ativo do Banco.1 4.465 3. foram efetuados reembolsos.298 1.7 10.7 100.790 966 1. b.083 4.566 PROGER urbano 667 835 PRONAF 11 TMS Disponível 145 3. no montante de R$3.538 29.298 27.083 Disponível TMS(1) Aplicado TJLP Total 30.785 27.5 70.566 PRONAF TOTAL (1) Recursos remunerados pela taxa média SELIC. das cooperativas e associações de produção e dos recém-formados.911 (R$4.316 222 1.642 3.1 66.0 % 8.807 297 31.280 em 2012). dos empreendedores do setor informal da economia. PROGER.104 Os recursos do FAT são aplicados em financiamentos.979 PRONAF 297 TOTAL 3.3 12.urbano – que se destina ao atendimento da demanda de crédito das pequenas e microempresas.657 1. Programa Resolução /TADE Disponível TMS(1) PROGER urbano 2013 Aplicado TJLP 2012 Total 31. As obrigações com o FAT apresentam a seguinte classificação por prazo de vencimento: 2013 Valores 4.083 31.

opera os recursos do FMM. ainda permanecem os fundos de investimentos financeiros. em parceira com o Banco do Brasil.823 TOTAL - 21. Os saldos dos Patrimônios Líquidos desses Fundos estão assim representados: 2013 FIC Amazônia Renda Fixa Longo Prazo FIC Amazônia Personalizado Renda Fixa Longo Prazo Fundo BASA de Investimento Financeiro Curto Prazo “2” Fundo BASA de Investimento Financeiro Seleto “2” Fundo Amazônia Mix “2” Fundo Amazônia Credit 90 34.849 89 54 33 6 2012 619 28. aos administradores do Banco são compostos conforme segue (em R$ mil): 2013 48 2012 .294 91 50 34 6 Neste semestre. tendo como custodiante o Bradesco. no semestre. Fundos de Investimento Financeiro O Banco opera os Fundos de Investimento: Cotas de Fundos de Investimento Amazônia Renda Fixa Longo Prazo e Cotas de Fundos de Investimento Amazônia Personalizado Renda Fixa Longo Prazo. Além desses Fundos. antes custodiados pelo extinto Banco Santos: Fundos de Investimento Financeiro (FIF’s).569 29. o patrimônio líquido desses Fundos foi impactado pela necessidade de constituição de provisão. Considerando a liquidação e posterior decretação de falência do Banco Santos. administrados e geridos pela BNY Mellon Serviços Financeiros. e os Fundos de Aplicação em Cotas (FAC’s). O recurso é atualizado monetariamente com base na variação do dólar (PTAX). Partes relacionadas Os honorários atribuídos. Fundo da Marinha Mercante (FMM) O Banco. pertencente á área de atuação do Ministério dos Transportes. dada a indisponibilidade dos recursos. cujo montante no semestre é de R$82.1% a.569 30.488 em 2012). referente às cotas adquiridas pelo Banco dos cotistas que já receberam por via judicial. mais juros simples de 0. 22.432 em 2012) correspondente aos fundos FIF’s e FAC’s cindidos. foi transferido para o Banco o montante de R$678 (R$2.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) PROGER PRONAF TADE 024 TADE 003 30. Os recursos repassados estão registrados na rubrica “Obrigações por Fundos Financeiros e de Desenvolvimento”.a. e custodiados pelo Bradesco. 23.065 758 29. sendo destinados a financiamentos de instalações físicas de estaleiros brasileiros e embarcações não voltadas para pesca.970 (R$77. que são administrados e geridos pela Caixa Econômica Federal. sendo a responsabilidade da gestão e custódia dos ativos indisponíveis do Banco da Amazônia.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais)

Diretoria Honorários Ajuda de Custo Participação no Lucro Conselho de Administração Conselho Fiscal Comitê de Auditoria TOTAL

1.444 914 225 305 95 69 133 1.741

1.593 1.223 370 94 62 125 1.874

A remuneração média mensal paga pelo Banco aos seus administradores está abaixo demonstrada: Diretoria Conselho de Administração Conselho Fiscal
2013 38.043,47 3.163,49 2.882,16 2012 27.768,10 2.611,53 2.611,53

O Banco não oferece benefícios pós-emprego ao Pessoal Chave da Administração, com exceção daqueles que fazem parte do quadro funcional do Banco, participantes do Plano de Previdência dos Funcionários (Capaf). O Banco não concede empréstimos ao Pessoal Chave da Administração, em conformidade com a proibição a toda instituição financeira estabelecida pelo Banco Central do Brasil. As operações com entidades sob o controle do Governo Federal, acionista majoritário do Banco, estão descritas nas notas explicativas números: 12 (Obrigações por Repasses), 13 (Outras Obrigações), 17 (Fundo de Investimentos da Amazônia – FINAM), 18 (Fundo de Desenvolvimento da Amazônia – FDA), 19 (Fundo Constitucional de Financiamento do Norte – FNO), 20 (Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT) e 21 (Fundo da Marinha Mercante – FMM). As operações com entidades sobre as quais o Banco tem influência significativa na administração estão descritas na nota n° 24 (Benefícios a Empregados). Os títulos e créditos a receber, depósitos a prazo e demais transações entre partes relacionadas, são efetuadas em condições e taxas normais de mercado, tomando como parâmetro as taxas médias praticadas com terceiros e levando em conta a presumível ausência de risco. O valor das principais receitas e despesas com partes relacionadas no semestre está demonstrado a seguir: Receitas de taxa de administração (nota n° 16.a) Despesa de provisão FNO - risco compartilhado (nota n° 19) Despesas de contribuição patronal – CAPAF (nota n° 24) Atualização de ajuste pós-emprego – CAPAF (nota n° 24) 2013 210.814 (113.901) (595) (52.301) 2012 216.396 (56.776) (4.889) (46.601)

Um sumário dos principais saldos na data do balanço é apresentado a seguir: Especificação Passivos Depósito à Vista – OGU Depósito a Prazo – FAT (nota n° 20) 3.033 3.785 2.293 1.538
49

30.06.2013

30.06.2012

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais)

Obrigações por Repasse do País (nota n° 12) Tesouro Nacional BNDES Finame CEF Outras Obrigações Fundo constitucional do Norte – FNO (nota n° 19) Fundo da Marinha Mercante – FMM (nota n° 21) TOTAL 24. Benefícios a empregados

499.211 42.763 310.798 145.650 3.731.596 3.648.626 82.970 4.237.625

468.223 36.973 290.694 140.527 29 3.521.595 3.444.107 77.488 3.993.649

Até 31.12.2012, o Banco da Amazônia era patrocinador de dois planos administrados pela CAPAF – Caixa de Previdência Complementar do Banco da Amazônia (Benefício Definido – BD e Misto). Referidos planos asseguravam aos seus participantes e dependentes benefícios complementares por ocasião do desligamento do empregado e desde que se enquadrasse nas regras definidas nos respectivos regulamentos. Conforme consignado em notas explicativas (trimestrais, semestrais e anuais) o plano BD, vinha registrando déficit atuarial relevante e crescente, levando ao descumprimento da legislação vigente (Lei Complementar 108 e 109/2001). O plano misto passou a apresentar déficit a partir do 4º trimestre de 2010. As diversas propostas (desde 2001) apresentadas pelo Banco sempre foram bloqueadas em razão da forte resistência por parte das entidades representativas dos participantes, principalmente dos assistidos e pensionistas. A última proposta foi a implantação de novos planos (Planos Saldados), cujos regulamentos foram aprovados pela PREVIC, por intermédio das Portarias nºs 254, 255 e 256, todas de 25.05.2011, publicadas no Diário Oficial da União de 27.05.2011. Novamente o processo de eliminação dos déficits foi prejudicado haja vista que, após as prorrogações concedidas pela PREVIC, somente 61,20% do público alvo se manifestou favorável, não possibilitando, a principio, a implantação dos novos planos. Exauridos todos os recursos líquidos do Plano BD, decisão do Juízo da 8ª Vara do Trabalho de Belém determinou ao Banco proceder ao pagamento da insuficiência de recursos para da folha de benefícios dos assistidos (aposentados e pensionistas) de responsabilidade da CAPAF. Diante do agravamento da situação, a PREVIC decretou a intervenção na CAPAF, conforme portaria nº 573, publicada no Diário Oficial de União de 04.10.2011. Mesmo com a intervenção, a PREVIC concedeu nova prorrogação para o início de funcionamento dos Planos de Benefícios Previdenciários (PrevAmazônia, Misto de Benefício Saldado e Benefício Definido Saldado). Além da prorrogação para implantação dos planos e sempre objetivando a solução para os planos existentes, o Interventor da CAPAF apresentou outra alternativa, a qual foi analisada e acatada, inclusive pela Secretaria do Tesouro Nacional e pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST). Basicamente, a única inovação trazida na proposta do Interventor da CAPAF, consistia na solução do passivo judicial (acordo judicial nos autos) daqueles que pleiteiam os benefícios da Portaria nº 375/1969, contemplando, como no projeto original, a implantação dos planos saldados juntamente com a implementação do PrevAmazônia.
50

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais)

Todos os órgãos consultados concluíram pela adoção da estratégia sugerida pelo Interventor da CAPAF, considerando que não houve alteração na proposta de saldamento aprovada anteriormente. Alcançando o número de adesões que viabilizou a implantação dos Planos Saldados, em 08.02.2013, o Banco assinou, juntamente com a CAPAF, 04 contratos de compromisso financeiro para saldamento, assumindo uma obrigação de R$646.934, para quitá-la em um prazo médio de 15 anos. A obrigação é atualizada pela variação do INPC-IBGE e pela taxa máxima real de juros admitidas nas projeções atuariais do plano de benefícios fixada pelo Conselho Nacional de Previdência Complementar ou outra autoridade competente. De acordo com os contratos, o Banco ficou obrigado a ajustar a sua responsabilidade anualmente, nos termos da avaliação atuarial efetuada sempre no mês de março sabendo que o valor estipulado poderá aumentar ou diminuir e poderá ser exigido referente a modificação da situação dos participantes, ainda que retroativamente. O calculo atuarial realizado para implantação dos Planos Saldados foi feito com a utilização de dados cadastrais de 30.11.2012, porquanto que foi adotada como data efetiva do plano (data de início da vigência do plano) 01.01.2013 e como data do saldamento (data base para cálculos dos benefícios saldados) 31.12.2012. Com a nova Avaliação Atuarial, utilizando os dados cadastrais de 31.12.2012, constatou-se a elevação de R$38.393 na responsabilidade do Patrocinador, aumentando para R$685.327 o compromisso total. Por meio das Portarias nº 108 e 110, de 07.03.2013, publicadas no Diário Oficial da União de 08.03.2013, a PREVIC decretou a liquidação extrajudicial do Plano BD e Plano Misto. A atualização da obrigação do Banco, tomando por base a variação do INPC-IBGE e a taxa real de 5,75% a.a., conforme definido na IN-PREVIC nº 09, de 29.11.2012, foi de R$42.133. Os impactos decorrentes dos fatos ocorridos apresentaram os seguintes reflexos no Banco: Como Obrigação: Valor da Obrigação em 31.12.2012 Atualização (-) Valores Pagos Saldo em 30.06.2013 No Patrimônio Líquido: Valor Contratual (-) Provisão existente em 31.12.2012 referente ao saldamento Valor Líquido Base para os Impactos tributários (cfe. Res. CMN nº 3.059/2002) Total de crédito tributário ativado Imposto de renda Contribuição Social Efeito Líquido no PL CONTINGÊNCIA PLANOS LIQUIDADOS
51

685.327 42.133 (22.815) 704.645

685.327 25.004 660.323 456.291 (182.517) (114.073) (68.444) 477.806

878) (21.747 (33.764) (33.720 3.747 Status do Plano Valor presente obrigação atuarial (-) Efeito da restrição sobre a obrigação atuarial Valor presente da obrigação atuarial líquida (649.775) (246.280) 25.599) (45) (8. demonstramos abaixo os efeitos da mudança de práticas em razão da adoção inicial da Deliberação CVM 695/2012: CAPAF Plano BD CAPAF Plano Misto 30. tomando por base os critérios de cálculo definidos pela Del. Considerando que os planos BD e Misto vinham sendo calculados na forma da Deliberação CVM 600/2009. Considerando que o Banco tem uma obrigação presente.747) (246.950 (201.282 (130. de 07. com uma provável saída de recursos para liquidá-la.909) 9.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Com a decretação do processo de liquidação extrajudicial dos planos de benefício definido (BD) e Misto. foi adotada uma estimativa confiável dessa obrigação.209) (12.121) (11.950) (163.725) (152.549) (2. no entanto.175) (447.029) 96.725) 447. gerando. ambos administrados pela CAPAF.06. pela PREVIC.311) 33.282) 52 Valor justo dos ativos do plano no final do semestre Valor Líquido Passivo/(ativo) de benefício definido .527) (920) 14.228 (25. através das Portarias nºs 108 e 110.363 (163.748 6.175) 95.478 164 (9. CVM nº 695/2012 aplicados sobre os participantes dos planos liquidados.363) 96. cessa a responsabilidade do Banco perante esses planos.311) Conciliação dos saldos do valor justo dos ativos Valor justo dos Ativos Plano no início semestre Retorno esperado dos ativos Ganhos / (Perdas) Atuariais Contribuições (empregador/participantes) Benefícios Pagos pelo Plano Valor justo dos Ativos Plano no final semestre (221.2013.2012 Conciliação dos saldos do valor presente da obrigação atuarial Valor presente obrigação atuarial início semestre Custo do serviço corrente Custo de juros Ganhos / (Perdas) atuariais Benefícios pagos pelo plano Valor presente obrigação no final do semestre (617. uma contingência provável face a obrigação como patrocinador.03.746 (649.

282) (723) (4.950) (33. face os riscos trabalhistas.100) (447.2013 Saldo inicial Eliminação do corredor Saldo líquido Pagamentos efetuados no semestre Transferência Contingência Previdenciária Outros ajustes Saldo no final do semestre (438.06. de 05.565) (492.615) (53.2010.584) (12. que poderá provocar o aumento da responsabilidade do Banco no encerramento do processo de liquidação desses planos. em razão do que estabelecem as Leis Complementares nºs.584) (447.909.425) 82 (723) (4.01.471 para o Misto Liquidado. no montante de R$298. 53 .2012 Valor líquido de passivo / (ativo) de benefício definido Movimentação do Valor Líquido de Passivo (Ativo) de Benefício: (Passivo) / Ativo reconhecido no início do semestre Pagamentos para o plano líquido de administração (447. corresponde a 50% do déficit.289 (74) (298. além de aprovar o regulamento dos planos saldados.113 (24. a provisão para o Plano BD apresentou a seguinte movimentação: 01. cíveis e fiscais.479) 8.01.113 (24.216) Receita/(Despesa) reconhecida na Demonstração do Resultado do Semestre Montante reconhecido em Outros Resultados Abrangentes (Passivo) / ATIVO reconhecido no final do semestre (Receita)/Despesa como ajuste na Demonstração Resultado Semestre Ajuste reconhecido como Outros Resultados Abrangentes No semestre.100) (28.056 176. PREVAMAZÔNIA A Portaria PREVIC nº 585.282) (419.216) (33.2012 (404.950) O valor da provisão. 108 e 109.438 para o BD Liquidado e R$9.950) (24.289.984) (26.180) 17.379) 8.909) 01. ambas de 2001. OUTRAS CONTINGÊNCIAS Além das provisões existentes.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Plano BD Plano Misto 30. em virtude de frequentes ações judiciais que geram elevação significativa do déficit atuarial dos planos liquidados administrados pela CAPAF.08. o Banco registrou provisão adicional de R$176.584) (12. sendo R$289.495) (431.

Assistidos pelo Banco Auxílio Saúde 2013 N/A AT-83M AT-83M II – Demográficas Taxa de rotatividade Tábua de mortalidade/sobrevivência de ativos Tábua mortalidade/sobrevivência aposentados 2013 Nula AT-83M AT-83M 2012 Nula AT-83M AT-83M 2012 N/A AT-83M AT-83M 54 .004. De acordo com o regulamento desse benefício.5% N/A 5. em razão da situação deficitária dos planos existentes na CAPAF (BD e Misto) não estava sendo permitido o ingresso desses empregados. nos limites estabelecidos conforme a disponibilidade orçamentária existente para cada ano. A contribuição do Banco para o PrevAmazônia no semestre foi de R$761. apesar de constar no edital do concurso esse tipo de benefício. também. ASSISTIDOS E AUXÍLIO SAÚDE O Banco mantém sob sua responsabilidade o pagamento da complementação de aposentadoria dos empregados aposentados até 1981.8% 2.0% 0. Além dos empregados admitidos a partir de 1997. oferecido aos empregados admitidos a partir de 1997.8% 2. assim como a publicação da Resolução nº 09/2012. São concedidos. que definiu a redução gradativa da taxa máxima real de juros admitida nas projeções atuariais dos planos de benefícios. Parte desses beneficiários aderiram ao plano saldado. aos aposentados e pensionistas meios indispensáveis ao custeio dos tratamentos necessários à manutenção e à prevenção da saúde.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) aprovou também a implantação do PrevAmazônia.1% (*) A taxa foi adotada em razão da indefinição quanto à continuidade dos planos administrados pela CAPAF.s) Taxa de juros de desconto atuarial Projeção de aumentos salariais médios Projeção de aumentos reais dos benefícios Taxa de inflação média Expectativa de retorno dos ativos do plano Projeção de aumento real dos custos de saúde 5. o montante de R$25.5% N/A 2. que. cujo valor presente da obrigação do Banco é calculado atuarialmente. face o processo de intervenção decretado pela PREVIC naquela Caixa de Previdência.2% 2. no que se refere ao registro da obrigação.2% 2. a participação do Banco dar-se-á pelo repasse mensal de verba aos beneficiários do programa. Assistidos pelo Banco 2013 2012 Auxílio Saúde 2013 2012 I – Financeiras (a. o PrevAmazônia permite também o ingresso dos empregados da ativa admitidos anteriormente. a título de reembolso dos valores pagos ao Plano de Saúde.9% 0.1% 5.5% N/A 1. com base em expectativas de mercado durante o período de desenvolvimento de cada avaliação atuarial e das respectivas projeções. passando a compor o quadro de Benefício Saldado.2% 5. denominado auxílio-saúde. plano de contribuição definida.5% 5. do Conselho Nacional de Previdência Complementar. Premissas atuariais adotadas As premissas foram definidas de forma imparcial e mutuamente compatíveis. Em razão da migração para o saldamento foi amortizado no patrimônio líquido.5% N/A 1.

556 (69.340) 8.973 (115.915 (1.556 25.828) 8. Montantes Incluídos no Valor Justo dos Ativos 55 .000) (6.973 (113.240) (7.210 (110.462 (3.210 (115.724) (4.724) (4.999) 2012 (70.041) 7.041) 7.989) 8.520) Auxílio Saúde 2013 Valor líquido de passivo / (ativo) de benefício definido Movimentação do Valor Líquido de Passivo (Ativo) de Benefício: (Passivo)/Ativo reconhecido no início do semestre Pagamentos para plano líquido de administração Custo do serviço corrente Custo de juros Montante reconhecido em outros resultados abrangentes (Passivo) / ATIVO reconhecido no final do semestre (Receita)/Despesa como ajuste na Demonstração Resultado Exercício Ajuste reconhecido como Outros Resultados Abrangentes (119.004 (41.476) 3.520) (3.077 (1.609 (2.240) Categorias dos Ativos Não se aplica para os Planos: Assistidos pelo Banco e Auxílio-Saúde.324) 2.828) 3.257) (41.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Tábua de mortalidade/sobrevivência de inválidos Tábua de entrada em invalidez Tábua de morbidez EX-IAPC TASA 27 N/A EX-IAPC TASA 27 EX-IAPC TASA 27 EX-IAPC TASA 27 N/A N/A N/A Conciliação do valor líquido de passivo / (ativo) de benefício Definido Assistidos pelo Banco 2013 Valor líquido de passivo / (ativo) de benefício definido Movimentação do Valor Líquido de Passivo (Ativo) de Benefício: (Passivo)/Ativo reconhecido no início do semestre Pagamentos para plano líquido de administração Custo de juros Montante reconhecido em outros resultados abrangentes Saldamento (Passivo) / ATIVO reconhecido no final do semestre (Receita)/Despesa como ajuste na Demonstração Resultado Exercício Ajuste reconhecido como Outros Resultados Abrangentes (76.340) 8.254) (7.839) (5.999) (2.257) (70.254) 2012 (110.001) 6.

304 107.1% 25.36 Menor 1.70 - 2012 Menor 1.49 349.47 3.00 958.537 12. Remuneração Paga aos Empregados a) Remuneração dos empregados (em R$ unitários) A remuneração média mensal paga pelo Banco aos seus empregados é de R$4.99 236.8%) 6.7% 11. adicional de função Acordo de trabalho Maior 17.60 324.484 2. Processo de Gerenciamento de Riscos e Capital Regulatório A Gestão de Riscos.52 em 2012).7%) (6.34 Maior 16.063 2012 3.002 124.41 26.20 1.501.32 2.108.441.891.649.030.633 1.83 741.076 2012 5. A maior e menor remuneração mensal dos seus empregados correspondem a: 2013 Empregados Vencimento básico Adicional por tempo de serviço Adicional de função comissionada Gratificação especial mensal Complem.348. no âmbito do Banco da Amazônia S.0%) (27.54 3. contribuindo para que os objetivos sejam alcançados.224.Normais Auxílio-Saúde 2013 3. E quanto aos Assistidos.A.72 797. de modo a maximizar as oportunidades e minimizar os efeitos negativos.37 269. desta forma a taxa de retorno dos ativos não é aplicável para esta obrigação. as causas geradoras de danos sejam eliminadas. são custeados diretamente pelo Banco.16 3. Montantes de pagamentos esperados no Semestre seguinte Assistidos pelo Banco 2013 Montante Pagtos.434.599. pessoal temp.0% 8.520.78 7. 56 . Retorno anual dos Ativos Não se aplica para os Planos: Assistidos pelo Banco e Auxílio-Saúde. Descrição da Base utilizada para determinar a Taxa Esperada de Retorno dos Ativos O Auxílio Saúde não mantém ativos justos para cobertura do Plano.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Não se aplica para os Planos: Assistidos pelo Banco e Auxílio-Saúde.447.45 2.62 2.10 (R$4.327. esperados Semestre Seguinte .543 2.483 Efeito decorrente de aumento e redução um ponto percentual nos custos do Auxílio-Saúde Auxílio-Saúde Redução em 1 Ponto percentual % valores fim do semestre Aumento em 1 Ponto percentual % valores fim do semestre Valor total do custo de juros Valor total custo do serviço corrente Valor presente da obrigação atuarial 5.840.915. tem como objetivo permear os riscos existentes em todas as atividades do Banco.429 (3.23 6. ou os efeitos sejam mitigados de modo a não prejudicar ou fragilizar o regular andamento dos processos.

pontos de corte e limites de exposição ao risco de crédito. mantendo o perfil histórico da Instituição. tem o propósito de estabelecer estratégias. estando em fase de atualização da versão. em conformidade com a política institucional de gestão do risco de crédito e à vista das diretrizes de Basiléia II e da Resolução nº 3. A solução já foi lançada em produção. 2. permitindo o estabelecimento de rating para o tomador e respectivas operações creditícias.682/1999 e 3. No modelo interno de avaliação de risco de crédito estão inseridas as diretrizes de gestão desse tipo de risco.2013). A conclusão do projeto está prevista para 31 de agosto de 2013. Contratação de empresa especializada em gestão de risco de crédito para desenvolver solução de gestão de risco de crédito para o Banco da Amazônia. à prevenção e redução da inadimplência e manutenção da boa qualidade do crédito em todas as operações em que o Banco atua como uma das contrapartes. sendo o monitoramento e avaliação do fluxo de caixa (aferição dos descasamentos entre pagamentos e recebimentos) da Instituição realizado pela Gerência de Riscos. III) redefinir fronteiras de decisão.682/1999. Foram adotadas as seguintes ações para qualificar a concessão do crédito. A classificação dos créditos do Banco. pessoa física ou jurídica. focada nos mercados de Varejo e de Atacado.721/2009 e demais regulamentações associadas. Os trabalhos realizados pela consultoria e a aquisição de uma nova ferramenta de controle tornarão ainda mais eficiente a gestão do risco de crédito institucional e fortalecerá a respectiva 57 . distribui-se em diferentes níveis de risco (rating). dos quais as LFT’s detém maior participação por serem indexados a SELIC. com carga histórica de 07 anos. Contratação de empresa especializada em Modelagem e Validação de Risco de Crédito com os seguintes objetivos: I) revisar os modelos de avaliação de risco de crédito (remodelagem) que o Banco utiliza para mensuração e gerenciamento de exposições ao risco de crédito e para efeito de atendimento aos termos da Resolução CMN nsº 2. A consultoria entregou diagnóstico correspondente à primeira etapa do projeto. atualmente. sistemas e procedimentos direcionados à mensuração e mitigação da exposição ao risco de crédito. O maior volume de recursos está alocado em papéis públicos. aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração. dentre os níveis de risco de crédito previstos pela Resolução CMN nº 2. a se iniciar após a automatização da carga de dados (19. b) Gestão do Risco de Crédito A Política de Risco de Crédito do Banco.721/2009: 1. A Política estabelece os limites para os Índices de Disponibilidade. e as operações compromissadas com posição doadora de recursos. A política adotada pela Instituição baseia-se em somente realizar operações de crédito com pleiteantes. II) elaborar modelagens adicionais de avaliação de risco de crédito. alinhar-se às melhores práticas do mercado bancário e voltar-se com segurança e modernidade à gestão do risco de crédito. qualificando o risco mínimo em nível "AA" e o risco máximo em "H". levando-se em conta as características e o perfil do tomador de crédito e da operação.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) A gestão de risco está distribuída em: a) Risco de Liquidez A gestão do Risco de Liquidez no Banco da Amazônia é regida pela Política de Risco de Liquidez. cujo nível de risco esteja situado entre os ratings AA e C.08. mensurar e ponderar a exposição do Banco em suas operações de crédito. aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração. cuja finalidade é identificar. compatíveis com as necessidades da nova realidade organizacional e de mercado e o novo modelo de negócios do Banco com a segmentação de clientes. inclusive. rotinas.

198 (33. Os demais sistemas legados estão em fase de desenvolvimento de regras de integração. com ganho de conhecimento técnico às equipes internas responsáveis pela modelagem e remodelagem periódicas. além dos critérios utilizados na classificação da carteira de negociação (trading). para cálculo do Índice da Basiléia. O Banco possui políticas. o que representa um percentual de 0.721/2009.669 2.669 2.253 83. o Banco implantou uma estrutura de gestão de capital inicialmente formada por um projeto corporativo.809 (3. inclusive aqueles não abrangidos pelo patrimônio de referência exigido (PRE). d) Gestão de Capital No sentido de aprimorar sua gestão de capital e alinhado as determinações do Conselho Monetário Nacional (Res.703. que tem como responsável perante o Banco Central o Diretor de Controle e Risco. CMN nº 9.988/2011). estratégias e ferramentas para identificação e avaliação dos riscos a que está exposto. sendo uma única base corporativa de informações da Instituição.444/2007 e 3.6% do valor de mercado (MtM) da sua carteira indexada à SELIC e CDI.731 680.219. O projeto encontra-se em desenvolvimento. 3.259) 2012 1.479 em 2012). contribuindo para reduzir o risco operacional.11% do valor de mercado do total da carteira.219. O projeto envolve diversas áreas do Banco e para isso foi formado um Comitê composto por representantes das áreas com maior participação no contexto de Basiléia III. conforme os termos da Circular/BACEN nº 3. a qual estabelece os limites máximos de exposição por fator de risco.909 em 2013 (R$3.490/2007.750 1.253 80.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) aderência às políticas institucionais e às exigências do acordo de Basiléia II e da Resolução nº 3.499.582 682.354/2007. o Banco da Amazônia mantém alocação de 70. estando em fase de parametrização e ajustes finais para adequação às peculiaridades dos sistemas de crédito. A previsão para entrada em produção do sistema. Contratação de empresa especializada para implantação de solução de controle de garantias. bem como instrumento de mitigação de risco de crédito.400) 58 . c) Gestão de Risco de Mercado O processo de gerenciamento e controle deste risco de mercado no Banco da Amazônia é regido pela Política de Risco de Mercado. Índice da Basileia (limite operacional) Em atendimento às Resoluções CMN n°s 3. Em função da sua posição conservadora em termos de exposição. aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração. foram apurados conforme segue: 2013 PR Nível I Capital Social Reservas de Capital Reserva Legal Reservas Estatutárias Ajuste de avaliação patrimonial 1.913 1. O baixo valor em risco é também evidenciado por um VaR de R$6. objetivando consolidar a base de garantias do Banco e oferecer ferramentas automatizadas para o seu gerenciamento. controlando a insuficiência ou disponibilidade de garantias. integrado com o AMAZONCRED e AMAZONCAD é março de 2014. tipo de papel e limite de VaR. o Patrimônio de Referência (PR) e o Patrimônio de Referência Exigido (PRE).

058) (2.880 11.487 43.291 12.205 3.277 1.121) 3 (1.686) (254.988.455) 59 .541.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Ativos Diferidos Ajustes da marcação a mercado Lucros ou prejuízos acumulados PR Nível II Reservas de Reavaliação Ajustes da marcação a mercado (12.972 1.570 62 146.11) 27.440) 284.0% O Banco da Amazônia mantém um processo permanente de monitoramento de todas as posições expostas ao risco de mercado.187) (2. Análise de Sensibilidade 73.847 1.341 254.227) (2.528 30.305 (41) (1.369.996 22.798 1.222.PRE Parcela de risco de mercado (Rban) 1.864 3 63.995 6.573 Patrimônio de Referência Exigido .934 29.643 (19.107 90 85. através de medidas aderentes às melhores práticas do mercado financeiro nacional e internacional.647 3.6% 615.PR Parcela de risco de crédito (Pepr) Parcela de risco de mercado (Pcam/Pjur) Parcela de risco operacional (Popr) 1.187 Patrimônio de Referência . O quadro a seguir demonstra a análise de sensibilidade dos ativos classificados para negociação e disponíveis para venda na carteira de tesouraria: Exposições Financeiras Fatores de Risco Prefixado Índice de preços Cupom cambial Outros Definição Exposições sujeitas à variação de taxas de juros prefixadas em reais Exposições sujeitas à variação da taxa dos cupons de índice de preços Exposições sujeitas à variação da taxa dos cupons de moeda estrangeira Exposições que não se enquadram nas definições anteriores Junho/2013 – R$ mil Cenários 1 2 32. e condizente com Basiléia II.643) (441.460.375.577 Excesso/Insuficiência de PR (PR – PRE – Rban) Índice da Basileia: (PRx100)/(PRE/0.887) 41.496 16.

65%a. apresentaram baixa variação no valor em risco das exposições detidas pela instituição. Bacen.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Total 3.252) (11.158) 4. etc) em 30 de junho de 2013: Cenário 1: A base deste cenário são as condições de mercado para os fatores de risco.399) (312) 14.197 (488. Os resultados projetados foram a cotação Reais/Dólar a R$2.552) (75.454 (19..660 108. resultando.CVM nº 695/2012 negativa Realização da Reserva de Reavaliação IR e CSLL sobre Outros Lucros Abrangentes Sobre a marcação a mercado Sobre a realização da reserva Sobre ajustes da Deliberação CVM nº 695/2012 Resultado Abrangente líquido de IR e CSLL Resultado Abrangente 2013 46.100) (10.444 (38. com as oscilações dos demais fatores de risco representando choque paralelo de 25% nas respectivas curvas ou preços. o nível de 11.189 (10. que mesmo com choques paralelos de 25% e 50% sobre todo o cenário de referência.230 (64. Os resultados apresentados confirmam o perfil conservador do Banco da Amazônia.72%a.58% a. CVM nº 695/2012 Ajuste de Adoção Del. e a taxa DI de 1 ano no nível de 9.850) 2012 111. Cenário 2: Foi aplicado estresse de 25% sobre os dados acima (cenário 1).447) 332 (37.32 e para a taxa DI de 1 ano.a.603) (76. Os resultados apresentados no quadro de análise de sensibilidade refletem os impactos para cada cenário numa posição estática da carteira para o dia 30 de junho de 2013.495) (487.603) 2.204 60 . Demonstração do resultado abrangente Lucro líquido Ajustado Del. Utilizou-se a cotação Reais/Dólar a R$2. 28.900 (6. para a cotação Reais/Dólar. com as oscilações dos demais fatores de risco representando choque paralelo de 50% nas respectivas curvas ou preços.066 102.197 46.a. Anbima..824) (76.581) 780 4.CVM nº 695/2012 positiva Ajustes Delib.927 (5.129) 779 30.252) 64.959 (45.77.958 53.472) (11. Cenário 3: Foi utilizado estresse de 50% sobre os dados do cenário 1.681 (311) 23.22 e a taxa DI de 1 ano no nível de 7.a.587 2.283) 100.376 A análise de sensibilidade foi efetuada a partir dos seguintes cenários. considerando informações de mercado (BM&FBovespa. tais como a curva de taxa de juros futuros DI e o câmbio do dia. CVM nº 695/2012 Lucro líquido na Demonstração de Resultado Ajuste de exercícios anteriores Outros Lucros Abrangentes Ajustes de Avaliação Patrimonial Próprios Marcação a mercado positiva Marcação a mercado negativa Ajustes Delib.329 6. o valor de R$3.

152) . Até 30 de junho de 2013.456 33.606 (R$15.b): Saldo em 31.803 8. 29. foram interpostas contra o Banco 898 ações.778 3.2012. inclusive risco de crédito do FNO Coobrigação em cessão de créditos – alongamento crédito rural TOTAL b) Seguros O Banco mantém seguros contra incêndio e outros riscos para itens do imobilizado. foram cumpridas 38 ações no valor de R$4.152 (R$3. Ações trabalhistas – São agrupadas em função do tipo e objeto e atribuídas perdas médias esperadas e fatores de ponderação de perdas.889 90. ora incluída para fins de comparabilidade.128 (R$1.NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) Em 30. aprovado pela Deliberação CVM nº 594/2009. A provisão é constituída em 100% dos valores executados.400 2012 5.022 5.571 8. não foi apresentada a DRA. determinada em função dos valores e riscos envolvidos. Sempre que a perda é avaliada como provável.575 (R$142. na maioria.865 Utilização (20. a questões sobre ISSQN e IPTU. em função da liquidação daquela Instituição.681 em 2012). Em 30 de junho de 2013 o saldo desta provisão é de R$1. bem como baseado nas ações encerradas nos últimos 05 anos. A movimentação da provisão no período está abaixo especificada (nota n° 13.887 em 2012).893 Saldo em 30. Ações de natureza fiscal – São ações decorrentes de autuações fiscais pelo poder público no âmbito da União. O saldo da provisão para cobrir futuras perdas estimadas é de R$8.080 em 2012).911 Garantias prestadas.869.317 97. atendendo assim. No semestre. ao CPC nº 25.606 61 Descrição Trabalhista Cível/Fiscal Fdos Invest. fiscais e trabalhistas em trâmite nas esferas judiciais e administrativas. o Banco da Amazônia possui demandas cíveis. é constituída provisão. Outros – referem-se a ações judiciais ingressadas por cotistas dos fundos de investimentos geridos e custodiados pelo Banco Santos.2012 24. cuja cobertura é de R$142.772. estados e municípios.038 15. para liberação de recursos aplicados.2013 27.12.083 5.010) (4. Adição 23. a qual é calculada através da utilização de metodologia estatística de estimativa. em diversas fases processuais.06.157 em 2012) e está relacionada.097.06. c) Contingências Em função das atividades que desenvolve. com a expectativa de saída de recursos.762 30.344) (13. Informações complementares a) Avais e fianças prestados Os avais e fianças prestados pelo Banco apresentam a seguinte composição: 2013 5.007.

não ensejando..331 cotas.574.537. 2013 31.578 38.690 2012 29. provisionamento dos valores envolvidos.A.578 40. Investigações indicam que a possível irregularidade abrange 81.543 (R$20. em relação a possíveis irregularidades no processo de transferência de titularidade de cotas.703 409 8.601 62 . portanto.614 409 8.727 em 2012).NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais) d) Depósitos em Garantia de Recursos Os saldos dos depósitos em garantia constituídos para as contingências estão abaixo demonstrados: Descrição Demandas Trabalhistas Demandas Fiscais Demandas Cíveis Total FINAM O Banco da Amazônia S. na figura de operador do Fundo de Investimentos da Amazônia – FINAM. os assessores jurídicos do Banco classificaram a perda como possível. totalizando R$38. No atual estágio dos processos. com base no valor patrimonial da cota em 30 de junho de 2013. vem sendo questionado administrativamente e judicialmente por alguns cotistas do Fundo.

após analisar o Parecer dos Auditores Independentes.1976.2013. de 30. aprovou o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Banco e do FNO referentes ao primeiro semestre de 2013.404. da Lei nº 6. de 15.06.08.CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARECER CA N° 2013/003 De acordo com o disposto no artigo 142. Belém (PA).2013. 30 de agosto de 2013 JOÃO PINTO RABELO JUNIOR Presidente VALMIR PEDRO ROSSI Conselheiro JOSÉ HELDER SILVEIRA DE ALMEIDA Conselheiro ELIOMAR WESLEY AYRES DA FONSECA RIOS Conselheiro ANTONIO XIMENES BARROS Conselheiro 63 . inciso V.A. em reunião ordinária realizada nesta data.. o Conselho de Administração do Banco da Amazônia S.12. exceto quanto aos possíveis efeitos que poderão advir das ressalvas e limitações apontadas no Parecer dos Auditores Independentes. e por considerar que os documentos representam adequadamente em todos os aspectos relevantes a posição patrimonial e financeira da Instituição em 30.

essencialmente. e após os exames efetuados sobre as demonstrações financeiras do primeiro semestre de 2013. Brasília (DF). examinou as Demonstrações Financeiras e as Notas Explicativas da Instituição relativas ao primeiro semestre de 2013. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO 1º SEMESTRE DE 2013.A. de 30 de agosto de 2013.. Os exames das demonstrações citadas no parágrafo anterior foram complementados. substancialmente. pela Administração da Instituição. no decorrer do semestre. o Conselho Fiscal é de opinião que os referidos documentos representam adequadamente em todos os aspectos relevantes. O Conselho Fiscal do Banco da Amazônia S. no uso de suas atribuições legais e estatutárias. pela Contadoria. 30 de agosto de 2013. a posição patrimonial e financeira da instituição em 30 de junho de 2013. ainda.CONSELHO FISCAL PARECER CF N° 2013/003 Ref. Depois de analisar o Parecer da auditoria Independente KPMG Auditores Independentes. sobre a CAPAF. por análise de documentos e. MARCELO SARAIVA CAVALCANTI Presidente FERNANDO NASCIMENTO BARBOSA Conselheiro JOÃO BATISTA DE FIGUEIREDO Conselheiro 64 . por informações e esclarecimentos prestados aos membros do Conselho Fiscal. exceto quanto aos possíveis efeitos que poderão advir das limitações e ressalvas constantes do mencionado parecer.

que refletem a situação atual do Banco da Amazônia. e outros temas (Caixa de Previdência dos Funcionários. o atendimento às demandas de órgãos externos. o Relatório da Administração e o Parecer do Auditor Independente estão de acordo com os normativos que regulam a atividade bancária e com as práticas contábeis vigentes no País. as notas explicativas. mitigarão riscos e aprimorarão ainda mais o sistema. estando documentados em relatórios e pareceres. relacionadas à mudança de metodologia de trabalho e aprimoramento de sistemas. a avaliação e o gerenciamento de riscos. a informação e a comunicação. análise e avaliação das políticas. práticas e procedimentos de gestão. 30 de agosto de 2013. O Banco vem atendendo às demandas dos órgãos de fiscalização e controle externos.COMITÊ DE AUDITORIA Resumo do Relatório Semestral – 1º semestre de 2013 De acordo com o disposto no inciso XIII do artigo 9. Entre os demais temas acompanhados pelo Comitê de Auditoria no período. monitoramento. O Comitê de Auditoria do Banco da Amazônia desempenhou suas funções regulamentares e institucionais. As demonstrações financeiras com data-base 30/06/2013. Assim.º de seu Regimento Interno. Belém (PA). ambos em fase de finalização. Na avaliação da efetividade do sistema de controles internos. e a qualidade das demonstrações contábeis. Projeto de Excelência Tecnológica. Fundo de Investimentos da Amazônia. O documento sintetiza o relatório analítico. sobretudo na área de TI. destacam-se o Projeto de Excelência Tecnológica (PET) e o processo de equacionamento da Caixa de Previdência Complementar do Banco da Amazônia (CAPAF). por refletirem a situação financeira e patrimonial do Banco da Amazônia (consideradas as ressalvas constantes no parecer da Auditoria Independente. A implantação de projetos e a implementação de planos de ação em andamento. 65 . Providências em andamento. Realizou reuniões com os gestores das unidades corporativas e emitiu avaliações periódicas. a efetividade da auditoria interna. Constatou que os trabalhos da Auditoria Externa foram conduzidos com independência e de acordo com as normas técnicas aplicáveis. a efetividade do sistema de controles internos. avaliando as atividades desenvolvidas. as atividades de controle. bem como o monitoramento. analisou o ambiente de controle. a efetividade da auditoria independente. reduzindo em especial a intervenção manual nos processos. relacionadas às notas explicativas 13 e 24) este Comitê recomenda ao Conselho de Administração sua aprovação. Relatou ao Conselho de Administração as matérias resultantes de sua supervisão.º/01/2013 a 30/06/2013. permitirão que atue com maior intensidade na avaliação dos riscos de processos de abrangência corporativa. este Comitê de Auditoria apresenta o relatório-resumo referente ao período de 1. Verificou também que a Auditoria Interna atuou com igual independência e efetividade. Fundo Constitucional de Financiamento do Norte e Ouvidoria).

bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva.br Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Acionistas. (“Banco”).kpmg.Lote 03 .A. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante.Brasil Central Tel Fax Internet 55 (61) 2104-2400 55 (61) 2104-2406 www. o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras do Banco para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias. assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.Brasil Caixa Postal 8723 70312-970 . mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos do Banco. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor. assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante. independentemente se causada por fraude ou erro.Brasília. independentemente se causada por fraude ou erro. também. 02 .Bl. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações financeiras A Administração do Banco é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. 66 . Uma auditoria inclui. das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo naquela data. Q .com. a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração.Brasília.A. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria.PA Examinamos as demonstrações financeiras do Banco da Amazônia S. DF . Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria.Qd. DF . incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras. Belém .Salas 708 a 711 Edifício João Carlos Saad 70070-120 . Conselheiros e Diretores do Banco da Amazônia S. que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado.KPMG Auditores Independentes SBS . Nessa avaliação de riscos.

por meio da qual será organizado o quadro geral de credores e os ativos serão realizados contra os passivos.327 mil em 01 de janeiro de 2013. cujo valor atualizado em 30 de junho de 2013 é de R$ R$ 704. conforme requerido pela Resolução CMN nº 3. sobre a movimentação ocorrida no semestre e os respectivos reflexos desse tema sobre as demonstrações financeiras do Banco em 30 de junho de 2013. assumindo que os participantes e assistidos teriam capacidade e condições para arcar com 50% do valor do déficit atuarial). não nos foi possível concluir se os montantes provisionados são suficientes para suportar as saídas de caixas provocadas pelos desfechos dos processos judiciais dos planos liquidados. ¾ Conforme mencionado nas notas explicativas nº 13 (b) e nº 24. Com relação à parte remanescente e não saldada dos dois planos. considerando a ausência de critérios de mensuração dos valores provisionados. o Banco assumiu junto à CAPAF. A CAPAF e o Banco. Como consequência. o Banco é patrocinador da Caixa de Previdência Complementar do Banco da Amazônia (CAPAF). referentes aos participantes e assistidos que aderiram aos processos de saldamento. com a manutenção dos benefícios proporcionais aos participantes e assistidos (saldamentos). a PREVIC decretou a liquidação extrajudicial de ambos os planos de benefícios. a saber: Limitação de escopo relacionada às provisões para contingências previdenciárias dos planos liquidados. sem estudos individualizados por processos judiciais.289 mil o Banco não dispõe de critérios e estudos formais de mensuração. reconhecimento e divulgação. uma obrigação de R$685. conforme determina o artigo 50 da Lei Complementar nº 109/2001. que julga necessário para cobrir as prováveis saídas de recursos decorrentes das diversas demandas judiciais contra a CAPAF e o Banco. em 30 de junho de 2013 o montante de R$475. 67 . dos quais R$176. administrados pela CAPAF. o Banco possui registrado.909 mil foram mensurados com base nos critérios definidos pela Deliberação CVM nº 695/12. propuseram aos participantes a interrupção da arrecadação de contribuições dos planos. impetradas pelos participantes e assistidos dos planos de benefícios. Considerando que a mencionada proposta atingiu aproximadamente 52% de adesão dos participantes e assistidos ao saldamento.645 mil. Consequentemente.Base para opinião com ressalva Conforme mencionado na nota explicativa nº 24. houve consenso entre Patrocinador e CAPAF quanto à viabilidade do saldamento dos dois planos com efetiva vigência a partir de 01 de janeiro de 2013. bem como a ausência de estudos individualizados e o provisionamento parcial (paridade contributiva de 50%).198 mil. nossos procedimentos de auditoria revelaram as seguintes limitações de escopo em relação às provisões atuariais e provisões contingenciais. porém considerando a paridade contributiva de 50% (ou seja. por meio de contratos de compromissos financeiros. sob orientação de consultoria técnica atuarial contratada para assessorar a reestruturação do “Plano de Benefícios Previdenciais (Plano BD)” e do “Plano Misto de Benefícios (Plano MB)”. Nesse contexto. bem como identificou a necessidade de ajuste em relação a determinados ativos relacionados à CAPAF. que se encontra sob intervenção extrajudicial desde outubro de 2011.823/09 e R$298.

efetuado em 01 de janeiro de 2013. os saldos das provisões atuariais do semestre findo em 30 de junho de 2012.168 mil. sem que nos fosse apresentado um estudo quanto aos possíveis efeitos retrospectivos decorrentes da aplicação da Resolução CMN nº 4.517 mil e R$10. embora os Planos BD e MB tenham sido saldados e liquidados. o Banco aplicou a referida Deliberação. 68 . ¾ Em dezembro de 2012. foram apurados com taxa de desconto em desacordo com os requerimentos da Deliberação CVM nº 695.327 mil. no montante de R$685.Limitações de escopo relacionadas às inconsistências nos saldos de abertura do semestre findo em 30 de junho de 2013 ¾ O registro contábil do compromisso financeiro junto à CAPAF decorrente do saldamento.166 mil. a Deliberação CVM nº 695/12 tornou obrigatória a aplicação do Pronunciamento Técnico CPC 33(R1) para as companhias abertas. para os saldos de abertura em 1º de janeiro de 2013. estão apresentados a maior em R$ 151. Como os saldos iniciais são computados na determinação da mutação do patrimônio líquido e do resultado do período subsequente. Ressalva em relação a realização de determinados ativos relacionados à CAPAF ¾ Em 30 de junho de 2013. não nos foi praticável obter evidência de auditoria apropriada e suficiente em razão dos possíveis impactos desse tema na rubrica “outros ajustes de avaliação patrimonial” no patrimônio líquido e na despesa com benefícios pós-emprego registradas no semestre findo em 30 de junho de 2013. em discordância ao requerido pela Deliberação CVM nº 695. foi consignado diretamente em contrapartida do Patrimônio Líquido. com base em instrumentos jurídicos. respectivamente. Ademais. Entretanto. O Banco. entendemos que não está adequado o registro deste montante integralmente no Patrimônio Líquido em 01 de janeiro de 2013 e não nos foi praticável concluir quanto ao possível impacto na reapresentação dos saldos comparativos ao semestre findo em 30 de junho de 2013.166 mil. apresentados para fins de comparação. entendemos que o ativo não circulante e o patrimônio líquido. o Banco efetuou provisão para obrigações atuariais parcialmente com base na paridade contributiva de 50%. correspondente aos aportes efetuados a maior e pagamentos de sucumbências judiciais da CAPAF. Dessa forma. tinha como expectativa a utilização desse montante no equacionamento do déficit atuarial que existia no plano de benefício definido e/ou restituição dos valores. Consequentemente. de forma retrospectiva. Todavia. Durante o semestre findo em 30 de junho de 2013. com efeito a partir do exercício iniciado em 1º de janeiro de 2013. nos montantes de R$10. em 30 de junho de 2013. restando evidente que uma provisão para não realização deste valor já deveria ter sido constituída.007/11 e pronunciamento técnico CPC 23. o valor de R$ 151. o Banco possui registrado na rubrica “Títulos e Créditos a Receber”. com base na taxa real de juros das Notas do Tesouro Nacional (NTN-Bs) de longo prazo. a Administração não dispõe de estudo ou plano que demonstre a forma de liquidação financeira do referido ativo. pelo fato de não ter sido determinada.

a posição patrimonial e financeira do Banco da Amazônia S. para o semestre findo em 30 de junho de 2013. Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e. que evidencia que o Banco possui registrado. 69 . exceto pelos possíveis efeitos das limitações de escopo e exceto pelos efeitos da ressalva relacionadas à CAPAF descritas no parágrafo “base para opinião com ressalva” está adequadamente apresentada. em todos os seus aspectos relevantes. em 30 de junho de 2013. pelo fato de existir previsão contratual de reavaliações atuariais anuais. exceto pelos possíveis efeitos das limitações de escopo e exceto pelos efeitos da ressalva relacionadas à CAPAF descritas no parágrafo “base para opinião com ressalva”.645 mil decorrente do reconhecimento do saldamento dos planos de benefícios previdenciários. cuja apresentação é requerida pela legislação societária brasileira para companhias abertas. em 30 de junho de 2013. de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. chamamos a atenção para a nota explicativa 24. o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data. visando à manutenção do equilíbrio financeiro dos pagamentos dos benefícios aos assistidos e participantes. em nossa opinião. como outras obrigações no passivo circulante e não circulante o montante de R$ 704. em todos os aspectos relevantes. As liquidações financeiras da referida obrigação poderão ocorrer por valores diferentes daqueles consignados nas demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013. Outros assuntos Demonstração do valor adicionado Examinamos também a demonstração do valor adicionado (DVA).A. elaborada sob a responsabilidade da Administração do Banco.Opinião Em nossa opinião. Ênfase Sem modificar nossa opinião. em relação às demonstrações financeiras tomadas em conjunto. as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente.

564 mil. ora reapresentados em decorrência dos assuntos descritos na nota explicativa nº 2. vii) ênfase sobre a impossibilidade de mensurar o valor da contingência referente à parcela dos participantes que não aderiu ao saldamento e os efeitos sobre esse tema nas demonstrações financeiras e patrimônio de referência. v) ressalva referente à adequação das obrigações atuariais pela adoção parcial de 50%. o Banco reconheceu sua dívida junto ao referido plano por meio de contrato de compromisso financeiro. iv) ressalva em relação à valorização de determinados ativos mantidos até o vencimento no valor de R$ 18. 30 de agosto de 2013 KPMG Auditores Independentes CRC SP-014428/O-6 F-DF Marcelo Faria Pereira Contador CRC RJ-077911/O-2 70 . ii) limitação de escopo referente à taxa de desconto utilizada não apurada de acordo com os requerimentos da Deliberação CVM 695/12. no valor de R$ 146. todavia para o semestre findo em 30 de junho de 2013. Brasília. reconhecidos de forma prospectiva em 01 de janeiro de 2013. todavia para o semestre findo em 30 de junho de 2013. e emitiram relatório datado em 30 de agosto de 2013.079 mil. com abstenção de opinião. não identificamos inconsistências relevantes nos critérios de avaliação dos referidos ativos. em função dos assuntos relacionados aos benefícios pós-emprego do Banco e outros. a saber: i) limitação de escopo referente aos compromissos financeiros assumidos entre o Banco e a CAPAF advindos dos saldamentos dos planos. apresentados para fins de comparação.Auditoria dos valores correspondentes ao semestre anterior reapresentados Outros auditores independentes foram contratados com o objetivo de examinar os valores correspondentes ao semestre findo em 30 de junho de 2012. entretanto para o semestre findo em 30 de junho de 2013. a taxa de desconto utilizada demonstrou aderência em relação a taxa real de juros das Notas do Tesouro Nacional (NTN-Bs) de longo prazo. também mencionada por nós no parágrafo “limitação de escopo relacionada às provisões para contingências previdenciárias dos planos liquidados”. iii) ressalva do déficit atuarial do plano misto não registrado no montante de R$ 66.031 mil. também mencionada por nós no parágrafo “ressalva em relação a realização de determinados ativos relacionados à CAPAF”. vi) limitação de escopo referente a realização de títulos e créditos a receber. também mencionada por nós no parágrafo “limitação de escopo relacionada às provisões para contingências previdenciárias dos planos liquidados“.

Conselho de Administração Conselho Fiscal Diretoria Executiva Comitê de Auditoria Contador João Pinto Rabelo Júnior Presidente Marcelo Saraiva Cavalcanti Conselheiro Valmir Pedro Rossi Presidente Hélio Graça Presidente Maria de Belém Silva Cotta CRC-PA-007217/0 Valmir Pedro Rossi Conselheiro Fernando Nascimento Barbosa Conselheiro Antonio Carlos de Lima Borges Diretor de Infraestrutura do Negócio (DINEG) Carlito Silvério Ludwig Membro Antonio Ximenes Barros Conselheiro João Batista de Figueiredo Conselheiro Carlos Pedrosa Júnior Diretor de Controle e Risco (DICOR) José Helder Silveira de Almeida Conselheiro Nilvo Reinoldo Fries Diretor de Análise e Reestruturação (DIARE) Eliomar Wesley Ayres da Fonseca Rios Conselheiro José Roberto de Lima Diretor Comercial e de Distribuição (DICOM) Wilson Evaristo Diretor de Gestão de Recursos (DIREC) 71 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful