You are on page 1of 8

1- Resumo O objetivo deste trabalho é abordar o uso de ácidos orgânicos como aditivo conservante de alimentos e promotor de crescimento na alimentação

de suínos, tanto na fase de desmama quanto na fase adulta, sendo que serão citados alguns exemplos dos mais utilizados incluindo seus benefícios para o animal, tanto do ponto de vista nutricional quanto do bem estar animal. Este trabalho servirá de complemento para a cadeira de nutrição animal 1 (um) ministrada no 1º e 2º semestre de 2012.

2- Introdução Os ácidos orgânicos foram utilizados primeiramente como efetivos conservantes, visto que antigamente eram muito utilizados os antibióticos promotores do crescimento, os chamados APC. O APC tem sido utilizado desde a década de 50, sendo uma das principais ferramentas para aumentar a eficiência e produtividade dos animais. Possui um efeito antimicrobiano no animal, podendo atuar tanto como bactericida ou bacteriostático, porém vem sendo menos utilizado e restringido em diversos países (incluindo o Brasil), principalmente por causa do mercado externo. Logo alternativas foram pesquisadas, e as de maior destaque são sem dúvida, as moléculas naturais com conhecido poder antimicrobiano, como é o caso dos ácidos orgânicos. Os ácidos orgânicos são caracterizados como ácidos fracos e de cadeia curta, sendo vastamente distribuídos na natureza como constituintes naturais de plantas ou tecidos animais. Alguns deles podem ser formados por meio da fermentação de carboidratos predominantemente no intestino grosso de suínos e outros no metabolismo intermediário. Alguns são encontrados na forma de sais, apresentando menor odor indesejável e maior facilidade de manuseio na fabricação das rações por serem sólidos menos voláteis e principalmente menos corrosivos.

3-Desenvolvimento 3.1- Utilização

3. Quando o pH do lúmen é menor que o pKa dos ácidos. podendo inclusive ser utilizados como ácidos livres na ração. é sempre mais vantajoso utilizar uma combinação de ácidos orgânicos que um único ácido na água e/ou ração. sendo que alguns são encontrados na natureza na forma líquida como. por exemplo. o ácido enfim poderá dissociar-se em cátions e prótons. Por esse motivo. porém já se encontram na forma pó como. Além da forma física. Os ácidos podem diferir quanto ao poder antimicrobiano e/ou fungicida. ácidos orgânicos não dissociados são absorvidos pelo . potencial de ação sobre determinado microrganismo. causando a morte da célula pela desnaturação da proteína e do DNA. local de ação tendo maior ou menor pH.Existem diversos ácidos orgânicos disponíveis no mercado atualmente. O efeito antimicrobiano dos ácidos também pode ser resultado do acúmulo de ânions polares na célula. A eficiência do ácido na inibição de microrganismos é dependente de seu valor de pKa que é o pH no qual 50% do ácido está dissociado. Diversos estudos comprovam que a associação de ácidos orgânicos apresentam melhores resultados que o uso de ácidos isolados. os ácidos fórmico. Outros. Em virtude de o pH intestinal ser normalmente superior ao pKa desses ácidos. os ácidos fumárico e benzóico. onde o pH é mantido ao redor de 7. No trato digestório. além de comprometerem outros processos vitais. A absorção do ácido depende do seu pKa e do pH do lúmen. acético e propiônico. porém há a necessidade de se ligarem a sais para serem adicionados na ração o que irá prejudicar sua eficiência antimicrobiana.0. palatabilidade. Ácidos orgânicos com valores elevados de pKa são conservantes mais efetivos e sua atividade antimicrobiana é geralmente melhorada com o aumento do comprimento da cadeia carbônica e com o nível de insaturação.2 Formas de ação e absorção Sua ação bacteriostática primária (inibição ou retardamento do crescimento de cepas selecionadas) ocorre pela redução do pH da dieta e pela capacidade de se dissociarem. reduzindo o pH citoplasmático. os ácidos orgânicos possuem diferentes características e modo de ação no animal. como o transporte de substrato e o desacoplamento da fosforilação oxidativa com o sistema de transporte de elétrons. eles permanecem predominantemente na forma dissociada que é pouco absorvida. em função do pH do meio e do pKa do ácido. poder acidificante entre vários outros fatores. eles são rapidamente absorvidos. por exemplo. Quando o ácido está na forma não dissociada ele pode difundir-se através da membrana semipermeável do microrganismo para o seu citoplasma celular. Uma vez dentro da célula.

da concentração e do ácido utilizado. HMTBa - Também conhecido como ácido 2-hidróxi-4-metil-tio-butanóico. também é fonte de metionina. pois. sendo comercializado mundialmente há mais de 20 anos como fonte suplementar de metionina para alimentação animal. da composição da dieta basal e da idade do animal. além de permitir maior tempo de ação do ácido contra bactérias patogênicas. coli e Salmonella.O ácido propiônico irá atuar principalmente em fungos e leveduras.epitélio intestinal. 3. . Devido à menor taxa de esvaziamento gástrico.5. Esse ácido atua no metabolismo microbiano intermediário e sua ação ocorre por dois processos: redução do pH do meio e ação bactericida dos íons formato. por difusão passiva. Ácido propiônico . Quando ingerido pelo animal. Ácido fórmico . através do gradiente eletroquímico favorável entre o lúmen e as células epiteliais. havendo um efeito benéfico sobre a digestão. Seu poder sobre a E. E. absorção e retenção dos aminoácidos.5. Basicamente o sucesso do uso de ácidos orgânicos em dietas de suínos requer um entendimento principalmente de seu modo de ação. grande parte do ácido entra no metabolismo sendo uma pequena parte excretada através da urina. Porém a eficiência dos ácidos orgânicos sobre bactérias patogênicas irá depender de vários fatores.9). muitas moléculas de proteínas podem ser mais bem hidrolisadas. entre eles de seu tempo de exposição.O ácido fórmico atua principalmente em leveduras e bactérias como a Bacillus spec. Considera-se então.3 Principais ácidos orgânicos utilizados na alimentação de suínos. que os ácidos orgânicos e seus sais diminuam o pH gástrico (essencial para limitar a sobrevivência de patógenos no estômago) evitando. sendo pouco efetivo contra Lactobacillus e fungos em geral.coli é equivalente ao ácido fórmico. o que o torna particularmente efetivo em faixas de pH que variam de 5. assim. a 6. além de ser um ácido orgânico de alto poder antimicrobiano. podendo manter seu poder protetor em pH superior. Essa redução do pH gástrico resulta em menor trânsito intestinal (maior retenção gástrica) e em aumento da atividade de enzimas proteolíticas. apresenta um diferencial em relação aos demais. seu acesso ao intestino. porém também apresenta ação contra algumas bactérias e é muito utilizado para preservação de alimentos por apresentar um elevado pKa (aprox 4.

porém pode ser metabolizado por alguns fungos. Ácido cítrico . Deve se utilizar combinações de ácidos orgânicos. muitas vezes associado com antibióticos. os ácidos orgânicos serão neutralizados e não terão o efeito esperado no animal. a fim de melhorar performance e controlar patógenos intestinais.O ácido benzóico tem sido utilizado como conservante antibacteriano ou antifúngico de alimentos e sua adição em dietas pode provocar a queda do poder tampão destas e consequentemente provocar a acidificação da urina. Para leitões recém-desmamados. Como conservante esse ácido inibe o crescimento de muitas espécies de bactérias e. . a importância do pH da água é mais evidente porque os animais nessa fase ainda não produzem ácido clorídrico suficiente para realizar a digestão eficiente de proteínas (ativação da pepsina) e formar uma barreira contra microrganismos. Porém o ácido cítrico tem menor ação e precisa de maiores dosagens para ter efeito benéfico.5. Em relação a dureza da água deve ser levada em consideração a dureza da água na recomendação. enquanto que na segunda categoria tem sido utilizado para controle de infecções urinárias.A utilização de ácido fumárico em dietas para leitões tem efeito no desempenho dos animais. Os ácidos orgânicos têm sido cada vez mais utilizados na água de bebida dos animais por apresentarem diversos benefícios além da melhoria da qualidade e redução do pH da água. 3.O ácido acético vem sendo utilizado como promotor de crescimento desde a década de 1960.É produto da fermentação microbiana no trato gastrointestinal dos animais e pode ser rapidamente absorvido no intestino delgado ou no intestino grosso por difusão passiva. O ideal é que o pH final da água com a adição dos ácidos orgânicos fique em torno de 3. sendo que nos primeiros melhora a taxa de crescimento e eficiência alimentar. melhorando a taxa de crescimento e eficiência alimentar. Ácido benzoico . Ácido fumárico .4 Utilizações de ácidos orgânicos na água.O ácido cítrico tem sido utilizado em dietas de leitões e de porcas. pois são mais eficientes que o uso de um único ácido por apresentarem efeito sinérgico no animal. porém é pobremente metabolizado. Ácido lático .Ácido acético . Esse ácido possui ação antimicrobiana primária em bactérias. pois se a água apresentar alta concentração de carbonatos e a concentração de ácidos for baixa. em menor extensão fungos e leveduras.

6 Vantagens de sua utilização para suínos Dietas com ácidos orgânicos e seus sais. melhorando assim o desempenho dos leitões. além de abaixarem o pH gástrico e estimularem a secreção pancreática. que se agravam cada vez mais com o fornecimento de ração pré-inicial.5 Utilizações de ácidos orgânicos em leitões recém-desmamados A insuficiência de enzimas digestivas nessa fase de desenvolvimento dos leitões resulta em baixa digestão dos nutrientes. causando também queda no PH do lúmen intestinal. sendo bastante efetivo na prevenção de doenças. e suplementa-los com ácidos orgânicos. além de prevenir também a doença do edema pós-desmame. visto que cada ácido possui características particulares em relação a palatabilidade.coli. aumentando assim a osmolaridade do conteúdo do trato digestivo. causando assim diarreia osmótica. quanto no trato gastrintestinal dos animais. poder antimicrobiano ou fungicida. que consequentemente irá ocasionar diarreia infecciosa. Porém. por ser de caderia curta e por ser fraco. tem reduzido a ocorrência de diarreia. a fim de obter um melhor resultado. para atender suas exigências nutricionais. pois estes têm maior atividade antimicrobiana no estômago. Um dos ácidos orgânicos mais utilizados nesse caso é o ácido lático. tendo em conta que deve se misturar os ácidos. que irão promover benefícios ao organismo do animal.3. 3. entre outros. Outros ácidos podem ser utilizados. reduzem a capacidade tamponante da dieta. que possui alto teor de proteína. local de ação. inibindo a proliferação e/ou colonização de microrganismos indesejáveis tanto nas matérias primas e rações. A resposta dos animais pode ser melhorada com a suplementação com ácidos orgânicos. e controlado o desenvolvimento da E. favorecendo seu surgimento. Outro problema bastante comum é a produção insuficiente de ácido clorídrico e enzimas digestivas. O recomendado para leitões neste período é utilizar uma dieta à base de milho e farelo de soja. além da modificação da flora intestinal. coli. Os nutrientes que não são absorvidos são substratos para bactérias do gênero E. as dietas podem ser resistentes a variações no pH por apresentarem altos níveis de proteína e . porém é recomendado utilizar os ácidos fracos. visto que sua implementação na dieta. pois desenvolve um meio favorável para bactérias lácticas.

Possui bom índice de inibição da proliferação de enterobactérias ocorre tanto pelo efeito do ácido na capacidade de reduzir o pH do meio quanto pelo seu poder de dissociação e efeito bactericida dos íons formados. e mais fáceis de manejar no processo de fabricação da ração. além de servirem como substrato no metabolismo secundário. que o nível de fibra da dieta influencia a digestibilidade ileal aparente dos aminoácidos. Porém. A digestibilidade ileal aparente de aminoácidos essenciais e não essenciais pode ser melhorada quando dietas para leitões recém-desmamados e para suínos em crescimento são suplementadas com ácidos orgânicos. influenciar na fisiologia da mucosa intestinal. também.minerais. como por exemplo. Em geral. mas significativo efeito na digestibilidade aparente em todo o trato digestório e na retenção de proteína e energia. devido que seu efeito declina em suínos nas fases de crescimento e terminação. Os ácidos orgânicos têm também grande vantagem sobre os ácidos puros. são as principais razões pela vasta utilização dos aditivos de rações . Os ácidos orgânicos devem ser mais utilizados como suplementação durante as primeiras duas a quatro semanas após o desmame (onde segundo estudos é mais efetivo). 4.Conclusão O bem estar. por serem geralmente inodoros. o desempenho animal e a utilização de nutrientes. quando a capacidade tamponante da dieta é alta. a eficiência dos ácidos orgânicos em melhorar a digestibilidade dos aminoácidos é reduzida necessitando de níveis elevados para expressarem seu efeito. produzindo proteína de elevada qualidade. É importante ressaltar. na efetividade dos acidificantes em reduzir a capacidade tamponante da dieta. refletindo em parte. onde o animal apresenta os sistemas digestório e imunológico imaturos. Alguns estudos têm comprovado melhora na digestibilidade e retenção de nutrientes em animais recebendo ácidos orgânicos em suas dietas. consequentemente. Outra hipótese é que a melhor resposta no desempenho possa ser obtida em condições mais desfavoráveis para o crescimento de leitões. em ambientes de alto desafio e em dietas menos complexas. mascarando o efeito do ácido e. mantendo sua integridade e altura. Os ácidos orgânicos podem. os ácidos exercem pequeno. diminuindo seu efeito sobre a digestibilidade. atuando sobre as vilosidades. promovendo o aumento no número de células e evitando seu achatamento. também.

Acesso em 07 nov. Disponível em <http://www. Disponível em <http://pt.pdf>. ocasionando uma maior produtividade.webng. Liliana e FRANCO. BATISTA COSTA. o uso de ácidos orgânicos na dieta significa um investimento de custo relativamente baixo. 2011.2012. para o produtor.com. 2004. Valdomiro. OETTING. Porém é importante salientar que nem todos os ácidos orgânicos possuem o mesmo efeito. respeitando assim suas particularidades químicas de cada ácido envolvido.nov. tendo como objetivo ter o máximo da ação do ácido como antimicrobiano e assim melhorando o desempenho do animal. devendo-se utilizar os sais entendendo como ocorrem suas reações de neutralização. melhorando assim sua integridade e saúde geral do animal. utilizados como substitutos dos antibióticos das rações.porkworld.Referências BELLAVER. Acesso em 06. Julian. Os ácidos orgânicos são. 2009. Jorge. proporcionando efeitos benéficos ao animal através da redução dos patógenos no trato gastrintestinal. Disponível em:<http://genam.br/artigos/post/acidos-organicos-na-nutricao-de-suinos>. Leandro e SHIGUERU MIYADA. Assim percebese a importância de misturar os ácidos orgânicos. devido que cada ácido terá seu espectro de ação em faixas de pH distintos.com/MA- . tendo cada um suas particularidades.animais. pois possuem características antimicrobianas. BOROSKY. cada vez mais.com/palestras/alimentos%20alternativos%20suinos.porkworld. 5. O uso de ácidos orgânicos e suas particularidades na produção animal. digestibilidade. apresentando assim um ótimo retorno econômico ao produtor. Ácidos orgânicos ajudam a reduzir o uso de antibióticos promotores do crescimento.engormix. se comparado com os seus benefícios.com. como diferenças entre as concentrações de ácido no produto final. nível de inclusão na ração. Considerações sobre os alimentos alternativos para dietas de suínos. Além disso. Disponível em <http://www. Ácidos orgânicos na nutrição de suínos.2012.2012.Aces so em 06 nov. Luciana. palatabilidade.br/artigos/post/acidos-organicos-ajudam-a-reduzir-o-usode-antibioticos-promotores-do-crescimento-_15103>. 2011. entre outros. Claudio e LUDKE.

Ary. Ácidos orgânicos na alimentação de leitões desmamados. Fonseca.avicultura/nutricao/artigos/acidos-organicos-t370/141-p0.scielo. 2006. Disponível em <http://www. Avaliação de ácidos orgânicos em dietas para leitões de 21 a 49 dias de idade. J.html>. Disponível em <http://www. 2003. R. Letícia. Jailton. Darci. FERREIRA DE FREITAS. M. Acesso em 06 nov. Disponível em <http://www.suinosecia.S. SILVA DE FREITAS.uco.pdf> . Acesso em 07 OETTING. 2008. CORASSA.br/26/htmls/nutricao. J. Anderson. FEREGUETI COSTA. Acesso em 06 nov. Soares. Leidimara. Água: nutriente essencial para suínos.htm>.2012.N.es/organiza/servicios/publica/az/php/img/web/19_14_02_32NotaAcid osChiquieri. LOPES.L. nov.R.com. Acesso em 07 nov.2012.pdf>.B. Liliana e FRANCO. V. Luciana.2012. CARNEIRO.br/pdf/rbz/v35n4s0/a19v354s. CHIQUIERI.T. Sérgio. . PENA.2012. Lyra. Hurtado Nery.