artigo técnico

Incidência de microrganismos em salas limpas
Catherine Simões de Abreu* Terezinha de Jesus Andreoli Pinto** Débora Cristina de Oliveira***
1. Introdução
A preo­ cu­ pa­ ção em se man­ ter ­ níveis míni­ mos de con­ ta­ mi­ na­ ção ambien­ tal, con­ for­ me Whyte e cola­ bo­ ra­ do­ res8, envol­ ve de for­ ma ­ mais inten­ sa os paren­ te­ rais de gran­ de volu­ me, ­ nos quais ­ ­ não se admi­ te o empre­ go de sis­ te­ mas con­ ser­ van­ tes. Embora ­ nos paren­ te­ rais de peque­ no volu­ me ­ estes sis­ te­ mas sejam empre­ ­ ga­ dos, ­ sua con­ cen­ tra­ ção ­ deve ­ ser míni­ ma no sen­ ti­ do de redu­ zir efei­ tos tóxi­ cos, ­ mas ain­ da efi­ caz em im­ pe­ dir a pro­ li­ fe­ ra­ ção micro­ bia­ na. A efi­ cá­ cia ­ está ­ por ­ sua ­ vez rela­ cio­ na­ da a carac­ te­ rís­ ti­ cas da ­ cepa micro­ bia­ na, o ­ que deno­ ta a impor­ tân­ cia do conhe­ ci­ men­ to quan­ ti­ ta­ ti­ vo e qua­ li­ ta­ ti­ vo do “bio­ bur­ den” (car­ ga micro­ bia­ na) ambien­ tal. Delineou-se por­ tan­ to ­ este tra­ ba­ lho, ­ cujo obje­ ti­ vo con­ sis­ tiu em iden­ ti­ fi­ car as ­ cepas encon­ tra­ das em ­ salas lim­ pas, pro­ ce­ der a um estu­ do de fre­ qüên­ cia ­ das mes­ mas, ­ assim ­ como in­ ter­­ pre­ tar ­ sua pre­ sen­ ça no con­ tex­ to da con­ di­ ção expe­ ri­ men­ tal. Quanto à meto­ do­ lo­ gia ado­ ta­ da, em ter­ mos ­ gerais, no pri­ mei­ ro momen­ to (Qualificação 1) tra­ ba­ lhou-se segun­ do o Federal Standard 209E 2, Nota, em ­ fase at ­ rest. No segun­ do momen­ to (Qualificação 2) ­ seguiu-se a reco­ men­ da­ ção do Institute of Environmental Sciences ­ and Technology – Contamination Control Division, ­ nas seguin­ tes situa­ ções: Sala lim­ pa as ­ built, ­ sala lim­ pa at ­ rest e ­ sala lim­ pa em ope­ ra­ ção ou dyna­ mic. Na ­ fase as ­ built, o pro­ gra­ ma de moni­ to­ ra­ men­ to ambien­ tal ini­ ciou-se ­ com ati­ vi­ da­ des de lim­ pe­ za pré­ via, a ­ fim de remo­ ver a sujei­ ra ­ mais pesa­ da, uti­ li­ zan­ do deter­ gen­ tes e aces­ só­ rios apro­ pria­ dos. Na ­ fase at ­ rest, o pro­ gra­ ma de moni­ to­ ra­ men­ to ambien­ tal envol­ veu um ­ maior núme­ ro de ati­ vi­ da­ des, ­ entre as quais a Qualificação da Área. Tal qua­ ­ li­ fi­ ca­ ção con­ sis­ tiu na gera­ ção de pro­ vas docu­ men­ tais de ­ que o sis­ te­ ma de ar con­ di­ cio­ na­ do tra­ ba­ lha de manei­ ra con­ sis­ ten­ te, em con­ jun­ to ­ com os pro­ ce­ di­ men­ tos de lim­ pe­ za, assep­ sia, ves­ ti­ men­ ta, ­ entre outros, ­ ­ para asse­ gu­ rar um ambien­ te apro­ pria­ do ­ para a fabri­ ca­ ção de pro­ du­ tos esté­ reis. A Qualificação da Área envol­ veu a deter­ mi­ na­ ção de ­ uma matriz de amos­ ­ tra­ gem (­ grid) seguin­ do-se nor­ mas inter­ na­ cio­ nais, par­ ti­ cu­ lar­ men­ te o Federal Standard 209E (Airborne Particulate Cleanliness Classes in Cleanrooms ­ and Clean Zones)2 e­ IEST (Institute of Environmental Sciences ­ and Technology)4. A deter­ mi­ na­ ção ­ foi fei­ ta levan­ do-se em con­ ta a ­ área da super­ fí­ cie de ­ cada ­ sala ou ­ região a ­ ser estu­ da­ da, ­ assim ­ como ­ sua clas­ si­ fi­ ca­ ção teó­ ri­ ca em ter­ mos de con­ cen­ tra­ ção de par­ tí­ cu­ las. A ­ área da super­ fí­ cie de ­ cada ­ sala ­ foi divi­ di­­ da de manei­ ra ima­ gi­ ná­ ria em qua­ dra­ dos de tama­ nhos ­ iguais (tabela II), o que cor­ ­ res­ pon­ de ao ­ grid. A amos­ tra­ gem ­ foi geral­ men­ te rea­ li­ za­ da no cen­ tro de ­ cada qua­ dra­ do, no en­ tan­ to ocor­ re­ ram casos em ­ ­ que ­ algum ­ fator limi­ tan­ te ou algu­ ma ­ razão téc­ ni­ cocien­ ti­ fi­ ca deter­ mi­ nou ­ que a amos­ tra­ gem fos­ se des­ lo­ ca­ da ­ para um ­ dos can­ tos do qua­ dra­ do ima­ gi­ ná­ rio. Desta manei­ ra ­ foi pos­ sí­ vel cole­ tar ­ uma amos­ tra de ­ cada qua­ dra­ do, a ­ fim de se ­ ter ­ uma ­ idéia do núme­ ro de par­ tí­ cu­ las viá­ veis (micror­ ga­ nis­ mos), clas­ si­ fi­ can­ do-a. O ­ meio de cul­ tu­ ra uti­ li­ za­ do nes­ te tra­ ba­ lho ­ foi o Agar Caseína Soja (Difco) acres­ ci­ do de 0,1% de Lecitina de Soja e 0,7% de Tween 80 ­ para a ina­ ti­ va­ ção de pos­ sí­ veis resí­ duos de

2. Material e método
O mate­ rial de estu­ do no pre­ sen­ te tra­ ba­ lho con­ sis­ tiu-se de par­ tí­ cu­ las viá­ veis detec­ ta­ das em ambien­ tes e super­ fí­ cies duran­ te Programa de Monitoramento Ambiental, e ­ foi ini­ cia­ do ime­ dia­ ta­ men­ te ­ após ­ ter ­ sido fina­ li­ za­ do o aca­ ba­ men­ to de eta­ pas de edi­ fi­ ca­ ção des­ ti­ na­ da a pro­ du­ ção de medi­ ca­ men­ tos cefa­ los­ po­ râ­ ni­ cos esté­ reis. * *Catherine Simões de Abreu – Eli Lilly do Brasil abreu_catherine_simões@lilly.com ** Terezinha de Jesus Andreoli Pinto –Prof. Titular do Departamento de Farmácia – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP - tjapinto@usp.br *** Débora Cristina de Oliveira – Mestre e Doutoranda em Fármaco e Medicamentos – Departamento de Farmácia – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP - olidec@usp.br Correspondência: Departamento de Farmácia – FCF – USP Av. Prof Lineu Prestes, 580 – Butantã 05508-900 – São Paulo – SP

sani­ ti­ zan­ tes. Todos os ingre­ dien­ tes (exce­ to a Penicilinase) ­ foram solu­ bi­ li­ za­ dos em 1 ­ litro de ­ água quen­ te (­ WFI – Water ­ for Injection) e fer­ vi­ dos ­ até a com­ ple­ ta dis­ so­ lu­ ção. e res­ fria­ men­ to. e 10 ml de Penicilinase ­ por ­ litro de ­ meio pre­ pa­ ra­ do ­ para a ina­ ti­ va­ ção de pos­ sí­ veis resí­ duos de anti­ bió­ ti­ cos cefa­ los­ po­ râ­ ni­ cos. pro­ ce­ deu-se a obten­ ção de ­ dados de par­ tí­ cu­ las viá­ veis pro­ ve­ nien­ tes do ar (ambien­ te) e super­ fí­ cies (Rodac®). os balões pre­ ­ pa­ ra­ dos ­ foram colo­ ca­ dos em auto­ cla­ ve pre­ via­ men­ te vali­ da­ da ­ para este­ ri­ li­ za­ ção. ­ cujas res­ pos­ tas bio­ quí­ mi­ cas per­ mi­ ti­ rão lei­ tu­ ras espe­ cí­ fi­ cas em varia­ ções colo­ ri­ mé­ tri­ cas e de tur­ bi­ dez. A clas­ si­ fi­ ca­ ção é rea­ li­ za­ da em fun­ ção do núme­ ro viá­ veis no ar e Rodac . Resultados e discussão A con­ ta­ mi­ na­ ção micro­ bia­ na ­ que ­ venha poten­ cial­ men­ te a ocor­ rer ­ num pro­ ces­ so assép­ ti­ co con­ ven­ cio­ nal é fun­ ção de mui­ tas variá­ veis envol­ vi­ das no pro­ ces­ so de enva­ se do pro­ du­ to: pla­ ne­ ja­ men­ to da ­ área de enchi­ men­ to. A iden­ ti­ fi­ ca­ ção ­ dos micror­ ga­ nis­ mos obti­ dos na amos­ tra­ gem de con­ ta­ mi­ nan­ tes de ar e de super­ fí­ cies ­ foi efe­ tua­ da empre­ gan­ do equi­ pa­ men­ to BioMeriéux Vitek®. As amos­ tra­ gens de par­ tí­ cu­ las viá­ veis ­ foram deter­ mi­ na­ das tan­ to em amos­ tra­ gens de ar ­ como de super­ fí­ cies repre­ sen­ ta­ ti­­ vas de equi­ pa­ men­ tos e ­ piso. Cada clas­ se ­ foi repre­ sen­ ta­ da ­ por dis­ tin­ tas ­ salas e ­ cada ­ sala ­ por dis­ tin­ tos pon­ tos de cole­ ta. trin­ ta minu­ tos a 121ºC e 15 ­ libras de pres­ são. Assim. A amos­ tra­ gem de par­ tí­ cu­ las viá­ veis de super­ fí­ cies ­ foi rea­ li­ za­ da empre­ gan­ do pla­ cas de con­ ta­ to (Rodac®) con­ ten­ do ­ meio de cul­ tu­ ra. tama­ nho de aber­ tu­ ra do fras­ co ­ para acon­ di­ cio­ na­ men­ to. por um perío­ ­ do de tem­ po de apro­ xi­ ma­ da­ men­ te 5 segun­ dos sob ­ ­ leve pres­ são. Os fato­ res de varia­ ção con­ si­ de­ ra­ dos no estu­ do ­ foram: • Classe: ­ locais ­ com dis­ tin­ tas exi­ gên­ cias de qua­ li­ da­ de ambien­ tal. tem­ po para que­ ­ da de pres­ são e dimi­ nui­ ção da tem­ pe­ ra­ tu­ ra. 1 g de leci­ ti­ na de ­ soja e 7 g de Tween 80 ­ num ­ balão de fun­ do cha­ to ­ com capa­ ci­ da­ de de 2­ litros. na iden­ ti­ fi­ ca­ ção ­ dos microrganismos con­ ta­ mi­ nan­ tes. este­ ri­ li­ za­ ção do pro­ du­ to. tem­ po neces­ sá­ rio ­ para a câma­ ra ­ toda atin­ gir 121ºC. con­ for­ me cri­ té­ rios do Federal Standard 209E2. as pla­ cas Rodac® ­ foram reti­ ra­ das e incu­ ba­ das. • Momento: ­ antes e ­ após sani­ ti­ za­ ção • Movimento no labo­ ra­ tó­ rio: dinâ­ mi­ co e em repou­ so.car­ tões Vitek : ­ GNI . tem­ po ­ que o fras­ co per­ ma­ ne­ ce expos­ to ao ambien­ te.6. O­ meio ­ foi pre­ pa­ ra­ do de acor­ do ­ com as ins­ tru­ ções do fabri­ can­ te. Foram pesa­ dos 40 g do pó. Esta ope­ ra­ ção ­ foi rea­­ li­ za­ da ­ pa­ ra ­ ca­ da pon­ to de amos­ tra­ gem na ­ fase “em ope­ ra­ ção” ou dyna­­ mic. se­ guin­­ do-se con­ ta­ gem ­ ­ das colô­ nias (­ UFC). . Entre as poten­ ciais fon­ tes de con­ ta­ mi­ na­ ção. Para as amos­ tra­ gens de ar ­ foi uti­ li­ za­ do amos­ tra­ dor de im­ pac­­ to mode­ lo ­ SAS Super 90 ­ PBI. C e D)5. pro­ ce­ di­ men­ to de sani­ ti­ za­ ção.iden­ ti­ fi­ ca­ ção de Gram nega­ ti­ vos GPI – iden­ ­ ti­ fi­ ca­ ção de Gram posi­ ti­ vos YBC – iden­ ­ ti­ fi­ ca­ ção de leve­ du­ ras Empregou-se ain­ da. velo­ ci­ da­ de do ar. A ope­­ ra­ ção con­ ­ sis­ tiu em inser­ ção de pla­ cas Rodac® indi­ vi­ dual­ men­­ te no equi­ pa­ men­ to e pos­ te­ rior suc­ ção de dis­ tin­ tos volu­ mes de ar de acor­ do ­ com a clas­ si­ fi­ ca­ ção ­ das ­ áreas lim­ pas con­ ten­ do os pon­ tos (o ar suc­ cio­ na­ do impac­ ta na super­ fí­ cie des­­ ta pla­­ ca con­ ten­ do ­ meio de cul­ tu­ ra Ágar Caseína Soja). O ­ ciclo de auto­ cla­ va­ ção con­ sis­ tiu de ­ três ­ fases: ­ pré aque­ ci­ men­ to. sem­ pre bus­ can­ do res­ pei­ tar o ­ melhor pos­ sí­ vel as loca­ li­ za­ ções geo­ grá­ fi­ cas. con­ tro­ les posi­ ti­ vos ­ que con­ sis­ ti­ ram de ­ cepas de bac­ té­ rias e fun­ gos. ­ que con­ sis­ te em um sis­ te­ ma auto­ ma­ ti­ za­ do empre­ ga­ do na iden­ ti­ fi­ ca­ ção de bac­ té­ rias e fun­ gos. Após o perío­ do de incu­ ba­ ção pro­ ce­ deu-se a con­ ta­ gem ­ das colô­ nias (­ UFC). Exposição ou Esterilização. . ­ com ­ ATCC (American Type Culture Collection) conhe­ ci­ do ­ para refe­ rên­ cia. núme­ ro de par­ tí­ cu­ las ­ não viá­ veis e viá­ veis. IEST4 e o United States Departament of Health ­ ­ and Human Sevices5. trei­ na­ men­ to do pes­ soal em téc­ ni­ cas assép­ ti­ cas 1. sele­ cio­ nou-se aque­ las decor­ ren­ tes do ambien­ te pro­ du­ ti­ vo. Em se­ gui­­ da. ­ para o con­ ta­ to ­ com a super­ fí­ cie a ­ ser amos­ tra­ da. Este equi­ pa­ men­ to pro­ mo­ ve suc­­ ção de dis­ tin­ tos volu­ mes de ar. As uni­ da­ des de lei­ tu­ ra ­ são conhe­ ci­ das como car­ ­ tões. este­ ri­ li­ za­ ção do equi­ pa­ men­ to. 3. Em segui­ da. ten­ do ­ sido esco­ lhi­ dos os volu­­ mes de 1000 ­ litros de ar ­ para amos­ tra­ gens ­ nas posi­ ções den­­ tro ­ dos flu­ xos lami­ na­ res (­ área A)5 e 500 ­ litros de ar ­ pa­ ra amos­ tra­ gens ­ nas posi­ ções res­ tan­ tes (­ áreas B.

41% 70 16. As por­ cen­ ta­ gens ­ das tabelas I e II ­ foram repre­ sen­ ta­ das ­ nas figuras 1 e 2. ­ deve-se con­ si­ de­ rar ­ que 49 (11.96% 3 0.72% Bacilo G- 415 100% TABELA II – Microrganismos presentes nos pontos estudados por classe e por ordem de importância Microrganismo Bacillus sp B 60% Staphylococcus sp 35% Corynebacterium sp 31% Staphylococcus hae­ moly­ ti­ cus 21% Staphylococcus xylo­ sus 4% Alcaligenes xilo­ so­ xi­ dans 1% Flavobacterium sp 8% Flavobacterium bre­ ve 5% Enterococcus cas­ se­ li­ fla­ vus 1% Pseudomonas stut­ ze­ ri 1% Staphylococcus auri­ cu­ la­ ris 1% Pseudomonas sp 4% Staphylococcus epi­ der­ mi­ dis 4% Micrococcus ­ luteus 0% Staphylococcus coh­ ni 0% Comamonas aci­ do­ vo­ rans 0% Stenotrophomonas mal­ to­ phi­ lia 1% C 43% 43% 71% 29% 0% 0% 0% 0% 0% 14% 0% 0% 0% 14% 0% 14% 0% D 52% 52% 32% 21% 11% 13% 3% 4% 6% 4% 4% 1% 0% 3% 3% 2% 0% 16 SBCC maio / junho 2003 . sen­ do que o pri­ ­ mei­ ro con­ sis­ tiu em ava­ liar os resul­ ta­ dos pro­ ve­ nien­ tes do momen­ to Rotina 1.69% 6 1. pro­ ce­ deu-se a ava­ lia­ ção ­ dos resul­ ta­ dos gera­ dos no momen­ to Qualificação 2. Quali­ fica­ ção 2 e Rotina 2. então a ava­­­ ­ lia­ ção ­ dos resul­ ta­ dos pro­ ve­ nien­ tes do momen­ to Rotina 2 e. álcool iso­­ ­ pro­ pí­ li­ co 70% e ­ LPH-SE‚ 0.37% 11 2. e tam­ bém pos­ te­ rior moni­ to­ ra­ men­ to de roti­ na. C e D). É impor­ tan­ te res­ sal­ ­ ar ­ t que um con­ sis­ ten­ te pro­ gra­ ma de con­ tro­ le ambien­ tal (­ áreas e pes­ soal).20% 4 0.4% (solu­ ção de áci­ dos fenó­ li­ cos). ­ assim ­ como a pos­ si­ bi­ li­ da­ de de ­ cepas resis­ ten­ tes aos mes­ ­ mos 3. Corynebacterium sp e Staphylococcus hae­ moly­ ti­ cus. Embora o tra­ ba­ lho ­ tenha con­ tem­ pla­ do qua­ tro momen­ tos.45% 5 1. 7 pon­ tos clas­ se C e 103 pon­ tos clas­ se D.96% 4 0. a ­ seguir.08% 15 3.61% 14 3. é impor­ tan­ te salien­ tar ­ que no pre­ sen­ te tra­ ba­ lho ­ foram detec­ ta­ dos con­ ta­ mi­ nan­ tes do gêne­ ro Staphylococcus e Pseudomonas. ­ por ­ fim um estu­ do ­ dos microrganismos pre­ sen­ tes ­ por clas­­­ se de ­ sala lim­ pa.artigo técnico • Datas: foram rea­ li­ za­ das cole­ tas em diver­ sas ­ datas Os resul­ ta­ dos obti­ dos nes­ te tra­ ba­ lho cor­ res­ pon­ dem ­ aos momen­ tos da qua­ li­ fi­ ca­ ção e cer­ ti­ fi­ ca­ ção ­ das ­ salas lim­ pas. Ao se ava­ liar as bac­ té­ rias obti­ das ­ nas amos­ tra­ gens efe­ tua­ das no pre­ sen­ te tra­ ba­ lho. Os resul­ ta­ dos de con­ ta­ mi­ na­ ção obti­ dos ­ após sani­ ti­ za­ ção devem ­ ­ ser ana­ li­ sa­ dos ten­ do em men­ te tan­ to o efei­ to ­ dos sa­ ni­­ ti­­ zan­ tes empre­ ga­ dos (peró­ xi­ do de hidro­ gê­ nio 4%.87% 46 11.72% 3 0. alia­ do a robus­ to pro­ gra­ ma de sani­ ti­ za­ ção das ­ ­ áreas ­ atuam dire­ ta­ men­ te na migra­ ção de micror­ ga­ nis­ TABELA I – Microrganismos presentes nos pontos estudados por tipo e ordem de importância Tipo Bacilo G+ Staphylococcus sp Coco G+ Corynebacterium sp Bacilo G+ Staphylococcus hae­ moly­ ti­ cus Coco G+ Staphylococcus xylo­ sus Coco G+ Alcaligenes xilo­ so­ xi­ dans Bacilo G- Flavobacterium sp Bacilo G- Flavobacterium bre­ ve Bacilo G- Enterococcus cas­ se­ li­ fla­ vus Coco G+ Pseudomonas stut­ ze­ ri Bacilo G- Pseudomonas sp Bacilo G- Staphylococcus auri­ cu­ la­ ris Coco G+ Micrococcus ­ luteus Coco G+ Staphylococcus epi­ der­ mi­ dis Coco G+ Comamonas aci­ do­ vo­ rans Bacilo G- Staphylococcus coh­ ni Coco G+ Stenotrophomonas mal­ to­ phi­ lia 1 0. No ­ total ­ estes qua­ tro micror­ ga­ nis­ mos esti­ ve­ ram pre­ sen­ tes em apro­ xi­ ma­ da­ men­ te 80% ­ das deter­ mi­ na­ ções.24% Total Microrganismo Bacillus sp n % 119 28. sen­­ do res­ pec­ ti­ va­ men­ te Qualificação 1.17% 7 1. Rotina 1. Os micror­ ga­ nis­ mos ­ mais ­ comuns ­ foram: Bacillus sp. Staphylococcus sp.65% 9 2. enquan­ to ­ que as por­ cen­ ta­ gens da tabela II ­ foram cal­ cu­ la­ das em fun­ ção do ­ total de pon­ tos ins­ pe­ cio­ na­ dos para ­ ­ cada clas­­ se. Tendo em vis­ ta a impor­ tân­ cia do conhe­ ci­ men­ to qua­ li­ ta­ ti­ vo do Bioburden ambien­ tal e pro­ je­ ções rela­ ti­ vas a con­ ser­ van­ tes empre­ ga­ dos na for­ mu­ la­ ção far­ ma­ ceu­ ti­ ca8. As por­ cen­ ta­ gens da tabela I ­ foram cal­ cu­ la­ das em fun­ ção do ­ total de pon­ tos em ­ que ­ foi obser­ va­ do ­ algum micror­ ga­ nis­ mo. em seg­ men­ tos dis­ tin­ tos. a aná­ li­ se esta­ tís­ ti­ ca ­ não abran­ geu os resul­ ta­ dos gera­ dos nes­ te momen­ to. em decor­ rên­ cia da ausên­ cia de ­ dados de par­­ tí­ cu­ las viá­ veis e de pou­ cos ­ dados de par­ tí­ cu­ las ­ não viá­ veis no momen­ to deno­ mi­ na­ do Qualificação 1. A ava­ lia­ ção esta­ tís­ ti­ ca ­ dos resul­ ta­ dos ­ foi efe­ tua­ da.20% 5 1. geral­ men­ te ­ todas sus­ cep­ tí­ veis à desi­ dra­ ta­ ção7. Pela tabela II e figura 2 obser­ va-se ­ que ­ todos os mi­ cror­­ ga­ nis­ mos encon­ tram-se apro­ xi­ ma­ da­ men­ te na mes­ ma pro­ ­ por­ ção em ­ todas as clas­ ses (B.67% 93 22. As deter­ mi­ na­ ções ­ das tabelas I e II ­ foram rea­ li­ za­ das em 103 pon­ tos clas­ se B. ­ para a ra­ cio­ na­ li­ za­ ção do tra­ ba­ lho. embo­ ra o últi­ mo ­ não se loca­ li­ ze ­ entre os ­ que ­ foram iso­ la­ dos ­ com ­ maior fre­ qüên­ cia.8%) ­ foram bac­ té­ rias Gram nega­ ti­ vas.

2–Observou-se cons­ tân­ cia na pre­ va­ lên­ cia de ­ cepas micro­ bia­ nas iden­ ti­ fi­ ca­ das ­ nas dife­ ren­ tes clas­ ses de ambien­ tes B. AGRA­ DE­ CI­ MEN­ TOS : Eli Lilly do Brasil ­ LTDA SBCC maio / junho 2003 17 . UNI­ TED STA­ TES Department of Health ­ and Human Services. Sci.40. n. Technol. v. Control of ­ the asep­ tic pro­ ces­ sing envi­ ron­ ment. 1992. FIGURA 2 – Frequência dos microrganismos encontrados distribuídos nas classes B. W. a ­ qual ­ foi can­ ce­ la­ da em novem­ bro de 2001. Pharm. Microbial ­ growth in small volu­ ­ me phar­ ma­ ceu­ ti­ cals. (­ PDA/­ USP Joint Conference on Sterile Products Manufacturing. p. Airborne bac­ te­ ria sam­ pling: ­ the effect of dehy­ ­ dra­ tion ­ and sam­ pling ­ time. n. Nota: Os ­ dados expe­ ri­ men­ tais ­ aqui apre­ sen­ ta­ dos ­ foram cole­ ta­ dos no 1º semes­ tre de 2001.mos de ­ áreas adja­ cen­ tes e de supor­ te ­ para ­ áreas crí­ ti­ cas de enva­ se assép­ ti­ co. ASEP­ TIC pro­ ces­ sing ­ and ter­ mi­ nal ste­ ri­ li­ za­ tion.5.. 2002. ­ 5.43. 4. Referências ­ Bibliográficas 1. Washington. 48p. ­ WHYTE. Philadelphia. INS­ TI­ TU­ TE of Environmental Sciences. p. v. Technol. IN: _____.254-258. N. C e D (tabela II. estan­ do por­ tan­ to em con­ for­ mi­ da­ de ­ com o perío­ do em ­ vigor da nor­ ma US Federal Standard 209E .45. 535-599. n. Rocksville: ­ the United Pharmacopeial Convention. 1989. Technol. 8. United States Pharmacopeial Convention.R. Rockville. Federal stan­ dard 209 E: air­ bor­ ne par­ ti­ cu­ la­ te clean­ li­ ness in clean­ rooms and ­ ­ clean ­ zones. ­ WHYTE. 1983. ­ BELL.. Conclusão 1– Em rela­ ção a iden­ ti­ fi­ ca­ ção micro­ bia­ na. v. Mount Prospect: ­ IES. 1992.. Parenter. FIGURA 1 – Freqüência dos microrganismos encontrados nas amostragens coletadas. L. 6. Mount Prospect: IES. p. FRIE­ BEN. p. J. Sci. 35p. 1986.. Parenter. <1116>. v. 1991. J. Center ­ for Drug Evaluation ­ and Research. Parenter.1928-1935.D. J. W.208-212. ­ NIVEN. May 2002). Guideline on Sterile Drug Products Produced by Asseptic Processing: Topic 3: Environmental Monitoring.5. Hosp. os micror­ ganismos ­ mais fre­ quen­ tes ­ foram Bacillus sp. Philadelphia.. 5.6. W. sen­ do subs­ ti­ tuí­ da ­ pelas nor­ mas da ISO (­ ­ ISO 14644 Part 1 e Part 2) – ­ vide publi­ ca­ ção da revis­ ta da ­ SBCC (­ nov/­ dez 2001). 2.182-187. J. p. Sci. 4. L. C e D. Am. Philadelphia. 2002. 3.40. Staphylococcus sp e Corynebacterium sp (tabela I). INS­ TI­ TU­ TE of Environmental Sciences ­ and Technology.. ­ NIVEN. 7.. Food ­ and Drug Administration. UNI­ TED STA­ TES PHAR­ MA­ CO­ PEIA. 25ed. Guidance ­ for Industry. IEST-­ ­ RPCC-0062: tes­ ting ­ clean ­ rooms. figura 2).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful