Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof.

Ricardo Vale – Aula 05

AULA 05: LEGISLAÇÃO ADUANEIRA
SUMÁRIO 1-Palavras Iniciais 2- Entreposto Aduaneiro 3- RECOF 4- Exportação Temporária 5- Loja Franca 6-Depósito Especial 7- Depósito Afiançado 8-Depósito Alfandegado Certificado (DAC) 9- Depósito Franco 10- REPETRO 11- REPEX 12- REPORTO 13- RECOM 14- Regimes Aduaneiros Aplicados em Áreas Especiais 15- Questões Comentadas 16- Lista de Questões e Gabarito Olá, amigos do Estratégia, tudo bem? Na aula de hoje, daremos continuidade ao estudo dos regimes aduaneiros especiais e regimes aduaneiros aplicados em áreas especiais. Sem mais delongas, vamos em frente! Grande abraço a todos, Ricardo Vale ricardovale@estrategiaconcursos.com.br http://www.facebook.com/rvale01 “O segredo do sucesso é a constância no objetivo!” PÁGINA 1 2 – 11 11 - 17 17 – 23 23 - 30 31 - 34 33 – 38 38 – 40 40 – 41 42 – 44 44 - 45 45 - 47 47 – 50 50 - 62 63 – 96 97 - 121

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

1 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 1- Entreposto Aduaneiro: 1.1- Entreposto Aduaneiro na Importação: 1.1.1- Disposições Gerais: O entreposto aduaneiro na importação é um regime aduaneiro especial muito utilizado como forma de viabilizar importações em consignação. Vamos imaginar, por exemplo, que a empresa chinesa fabricante de automóveis JAC Motors (não estou fazendo propaganda!) queira manter no Brasil uma estrutura de reposição de peças para seus veículos. Uma opção que a empresa possui é ter no país um estoque dessas peças, que poderá ficar armazenado em um recinto alfandegado, aguardando ser efetivamente comprado. Durante o período em que as peças permanecerem armazenadas no recinto alfandegado, os tributos incidentes sobre a importação ficam suspensos. É o regime aduaneiro especial de entreposto aduaneiro na importação que viabiliza essa operação. Segundo o art. 404 do R/A, entreposto aduaneiro na importação é o regime aduaneiro especial que permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado com suspensão do pagamento dos impostos federais e do PIS/PASEP e COFINS incidentes na importação. O entreposto aduaneiro na importação será operado, como regra geral, em recintos alfandegados de uso público, tais como os localizados em portos e aeroportos alfandegados ou, ainda, em portos secos. Todavia, o entreposto aduaneiro também poderá ser operado em recintos alfandegados situados em instalação portuária de uso privativo misto e recintos de uso privativo. O regime de entreposto aduaneiro na importação operado em recinto de uso privativo será aplicável para a realização de exposição de mercadorias importadas em feiras, congressos, mostras ou evento semelhante. Nesse caso, o recinto de uso privativo será temporariamente alfandegado, pelo período em que for realizado o evento. O entreposto aduaneiro na importação também poderá ser operado em: i) plataformas destinadas à pesquisa e lavra de jazidas de petróleo e gás natural em construção ou conversão no País, contratadas por empresas sediadas no exterior e; ii) estaleiros navais ou em outras instalações industriais localizadas à beira-mar, destinadas à construção de estruturas marítimas, plataformas de petróleo e módulos para plataformas. Vejamos o que o art. 405 do R/A informa sobre os recintos nos quais poderá ser operado o entreposto aduaneiro na importação:

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

2 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05
Art. 405. O regime permite, ainda, a permanência de mercadoria estrangeira em: I - feira, congresso, mostra ou evento semelhante, realizado em recinto de uso privativo, previamente alfandegado para esse fim; II - instalações portuárias de uso privativo misto, previstas na alínea “b” do inciso II do § 2o do art. 4o da Lei no 8.630, de 1993; III - plataformas destinadas à pesquisa e lavra de jazidas de petróleo e gás natural em construção ou conversão no País, contratadas por empresas sediadas no exterior; e IV - estaleiros navais ou em outras instalações industriais localizadas à beira-mar, destinadas à construção de estruturas marítimas, plataformas de petróleo e módulos para plataformas; § 1º Na hipótese do inciso I do caput, o alfandegamento do recinto será declarado por período que alcance não mais que os trinta dias anteriores e os trinta dias posteriores aos fixados para início e término do evento, prazos estes que poderão, excepcionalmente, ser acrescidos de até sessenta dias, nos casos de congresso, mostra ou evento semelhante, mediante justificativa. § 2o Dentro do período a que se refere o § 1o, a mercadoria poderá ser admitida no regime de entreposto aduaneiro em recinto alfandegado de uso público, sem reinício da contagem do prazo. § 3o Na hipótese dos incisos II a IV, a operação no regime depende de autorização da Secretaria da Receita Federal do Brasil.

O art. 405, § 1º, foi objeto de alteração pelo Decreto nº 8.010/2013. Na redação antiga, o alfandegamento de recintos para os fins do inciso I somente poderia ser declarado entre os 30 dias anteriores e os 30 dias posteriores aos fixados para início e término do evento. Com a nova redação, esse prazo poderá, mediante justificativa, ser acrescido de até 60 dias nos casos de congresso, mostra ou evento semelhante. Observe que, no caso de feira, não é possível a extensão do prazo. Quem são os beneficiários do regime de entreposto aduaneiro na importação? A resposta está no art. 406 do R/A. No caso de feiras, congressos, mostras ou eventos semelhantes, o beneficiário será o promotor do evento. Já no caso das mercadorias armazenadas em recintos alfandegados e em instalação portuária de uso privativo misto, o beneficiário será o consignatário da mercadoria entrepostada. A mercadoria poderá permanecer no regime de entreposto aduaneiro na importação pelo prazo de até 1 (um) ano, prorrogável por período não superior, no total, a 2 (dois) anos contados do desembaraço

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

3 de 121

1.Legislação Aduaneira p/ RFB . O pagamento (transferência de divisas) somente irá ocorrer com a nacionalização (despacho para consumo). Excepcionalmente. Ricardo Vale – Aula 05 aduaneiro de admissão. O objetivo final é. nesse caso. o prazo poderá ser prorrogado uma segunda vez.transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. importadas sem cobertura cambial. em até quarenta e cinco dias do término do prazo de vigência do regime. nunca ultrapassando.br 4 de 121 . § 2o Nas hipóteses referidas nos incisos I e III. Vale lembrar que o adquirente de mercadoria entrepostada é contribuinte do imposto de importação. o entreposto aduaneiro na importação dá amparo à entrada de mercadorias no país que aqui ficarão em consignação. todavia. isto é. conforme prevê o art.2013 Teoria e Questões Prof. portanto.2. portanto. deverão ser nacionalizadas antes de efetuada a destinação. aduaneiro na importação é o despacho para consumo (prevista no inciso I). Isso quer dizer que o ingresso da mercadoria vinda do exterior no entreposto é realizado sem qualquer pagamento como contrapartida. o limite máximo de 3 (três) anos. A mercadoria deverá ter uma das seguintes destinações. § 3o A destinação prevista no inciso III não se aplica a mercadorias admitidas no regime para permanência em feira. 104 do R/A: Prof. Conforme já comentamos anteriormente.reexportação. congresso.estrategiaconcursos. é feito o recolhimento tributário integral dos tributos que estavam suspensos. II .Hipóteses de Extinção do regime: As hipóteses de extinção do regime de entreposto aduaneiro na importação estão previstas no art. 409 do R/A: Art. as mercadorias admitidas no regime. sob pena de ser considerada abandonada: I . mostra ou evento semelhante. 1. 409.com.despacho para consumo.exportação. que essas mercadorias sejam vendidas. a venda da mercadoria a comprador brasileiro. Ricardo Vale www. No momento da venda. ou IV . Concorda comigo? Logo. § 1o A destinação prevista no inciso I somente poderá ser efetuada pelo adquirente quando este adquirir as mercadorias entrepostadas diretamente do proprietário dos bens no exterior. III . a mercadoria é nacionalizada e. a forma de extinção mais comum do regime de entreposto. as mercadorias que estavam entrepostadas haviam sido admitidas no país em operação sem cobertura cambial. Destaque-se que.

Na hipótese relacionada no inciso II. existe o entreposto não-vinculado. isto é ser reexportada. As mercadorias que ingressarem com cobertura cambial não poderão ser reexportadas. O inciso III faz menção à exportação como forma de extinção do regime de entreposto aduaneiro. Nessa situação. permanecendo ali armazenada até que fosse vendida para um terceiro país. Por último. a mercadoria ingressa no entreposto aduaneiro. Já as mercadorias que entrarem no País sem cobertura cambial poderão ser despachadas para consumo. ser nacionalizada. em que uma mercadoria ingressada em entreposto aduaneiro é alugada para uma empresa brasileira.estrategiaconcursos. Trata-se do entreposto vinculado. do outro. de um lado. que é o que fica configurado nas demais situações. a mercadoria será declarada abandonada. No entreposto aduaneiro. É contribuinte do imposto [do imposto de importação]: I . e III . ao regime de admissão temporária. A mercadoria ingressou no entreposto com o objetivo final de ser vendida. Se a mercadoria não for vendida. Ricardo Vale www. temos o entreposto vinculado. Todas essas formas de extinção do regime devem ocorrer em até 45 dias após o término do prazo concedido pela autoridade aduaneira para permanência da mercadoria em entreposto aduaneiro. tendo início o processo administrativo para aplicação da pena de perdimento. Dizemos que ela será reexportada porque a mercadoria havia ingressado no país em caráter temporário (ainda não se sabia se ela seria comprada!). Se. mas tendo o exterior como destino.o importador.com. podendo chegar no máximo a 3 anos). Seria o caso. 104. ela deverá regressar ao exterior.2013 Teoria e Questões Prof. Prof.o adquirente de mercadoria entrepostada. Ricardo Vale – Aula 05 Art. Caso o prazo seja ultrapassado sem que tenha sido extinto o regime. elas podem apenas ser nacionalizadas (despachadas para consumo) ou exportadas. mas não foi vendida dentro do prazo de concessão do regime (1 ano. a partir daí. isto é.o destinatário de remessa postal internacional indicado pelo respectivo remetente. por exemplo. assim considerada qualquer pessoa que promova a entrada de mercadoria estrangeira no território aduaneiro. É o caso em que a mercadoria foi admitida no entreposto aduaneiro. O inciso II faz menção à reexportação. reexportadas ou exportadas.br 5 de 121 . submetendo-se. o inciso IV se refere à transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. permanecendo armazenada em recinto alfandegado. a mercadoria também é admitida no entreposto aduaneiro por meio de operação sem cobertura cambial. II . assim considerado aquele em que a mercadoria entra no país. as mercadorias poderão ser admitidas com cobertura cambial ou sem cobertura cambial.Legislação Aduaneira p/ RFB .

com. Ricardo Vale www. uma vez que não haverá nova transferência de divisas para o exterior. 1.2. o beneficiário do regime deve registrar. seja registrada a Declaração de Exportação (DE). Ricardo Vale – Aula 05 No caso de mercadorias admitidas no entreposto aduaneiro sem cobertura cambial. dentro do prazo de aplicação do regime. é operada por empresa comercial exportadora. estas deverão ser nacionalizadas (despachadas para consumo) antes da exportação.2-Entreposto Aduaneiro na Exportação: 1. em seguida. no caso de importação com cobertura cambial de mercadorias destinadas à exportação.1. para efetivar a exportação. A transferência de divisas já terá ocorrido por ocasião do registro da DI para fins cambiais.Disposições Gerais: Se uma empresa brasileira deseja exportar. as mercadorias ficam armazenadas em recintos alfandegados de uso público com suspensão do pagamento dos impostos federais.2013 Teoria e Questões Prof. basta que.estrategiaconcursos. A modalidade de regime extraordinário. ela deve desenvolver uma estratégia logística que lhe permita fazer isso com eficiência. No caso de nacionalização dessas mercadorias (admitidas em entreposto aduaneiro com cobertura cambial). a DI para consumo será sem cobertura cambial. Segundo o art. Na modalidade de regime comum. Para fins de nacionalização de mercadoria destinada à exportação. Existem duas modalidades de entreposto aduaneiro na exportação: o regime comum e o regime extraordinário. Por outro lado. Assim.br 6 de 121 . por sua vez. uma DI para efeitos cambiais. registrar uma DI para efeitos cambiais. 410 do R/A.Legislação Aduaneira p/ RFB . Nesse regime. é feito o despacho para consumo e. Assim. é o armazenamento de mercadorias em locais próximos a portos ou aeroportos alfandegados. na mesma data da declaração para admissão no regime. Uma boa estratégia. que tem a vantagem de economizar tempo. depois. Em outras palavras. a mercadoria é exportada. o regime especial de entreposto aduaneiro na exportação é o que permite a armazenagem de mercadoria destinada a exportação. uma empresa localizada no interior do país tem a possibilidade de atender mais rapidamente à demanda estrangeira por seus produtos. as mercadorias ficam armazenadas em recintos de uso privativo. O entreposto aduaneiro na exportação é um regime aduaneiro especial que tem como objetivo justamente facilitar a logística das exportações brasileiras. o beneficiário deverá. com direito à utilização dos Prof.

o Regulamento Aduaneiro dizia que. o que não ocorreu com as mercadorias armazenadas no regime de entreposto aduaneiro na exportação. Ricardo Vale www. a 2 (dois) anos . Excepcionalmente. Ora. Ao estabelecer os benefícios do regime de entreposto na modalidade de regime comum. 411. a pessoa jurídica que depositar. No caso do regime comum. retirou a menção à suspensão dessas contribuições. não fazia sentido falar em suspensão dessas contribuições. em recinto credenciado. A nova redação estabelece que “na modalidade de regime comum. com suspensão do pagamento dos impostos federais. prorrogável por período não superior. permite-se a armazenagem de mercadorias em recinto de uso público.Legislação Aduaneira p/ RFB . antes do seu efetivo embarque para o exterior. o Regulamento Aduaneiro. reconhecendo o erro. São beneficiários do regime de entreposto aduaneiro na exportação: i) na modalidade de regime comum. incorria em uma imprecisão.estrategiaconcursos.2013 Teoria e Questões Prof. a mercadoria poderá permanecer no regime de entreposto aduaneiro na exportação pelo prazo de até 180 dias. Prof. mercadoria destinada ao mercado externo. haveria suspensão dos impostos federais e das contribuições para o PIS/PASEPImportação e COFINS-Importação. o início do prazo de concessão do regime extraordinário começa a contar a partir da data da saída da mercadoria do estabelecimento produtor-vendedor. Assim. a empresa comercial exportadora. ii) na modalidade de regime extraordinária. no total. poderá ser concedida nova prorrogação.010/2013.” O prazo de permanência das mercadorias em entreposto aduaneiro na exportação varia conforme a modalidade utilizada. Ricardo Vale – Aula 05 benefícios fiscais previstos para incentivo à exportação.com. essas contribuições incidem sobre a importação de mercadorias. No caso do regime extraordinário. Em seu art. O início do prazo de concessão do regime comum começa a contar a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de armazenagem. em sua versão antiga. respeitado o limite de 3 (três) anos. o prazo de permanência das mercadorias é de 1 (um) ano. O Decreto nº 8. na modalidade de regime comum. Já no caso do regime extraordinário.br 7 de 121 . § 1o.

inciso I. No caso de regime extraordinário. ou III . Nesse caso. pagar os tributos suspensos e ressarcir os benefícios fiscais acaso fruídos em razão da admissão da mercadoria no regime.Legislação Aduaneira p/ RFB .estrategiaconcursos. No caso de regime comum. a extinção do regime ocorrerá com o pagamento dos tributos suspensos e ressarcimento dos benefícios fiscais acaso fruídos pela empresa comercial exportadora. Vejamos o referido dispositivo: Art. acrescido daquele a que se refere o inciso II do art. a extinção do regime ocorrerá com a reintegração da mercadoria ao estoque. uma vez que as mercadorias passaram à posse da empresa comercial exportadora. Serão esses os tributos a serem recolhidos para a extinção do regime. II . Dessa forma.2013 Teoria e Questões Prof.em qualquer outro caso. motivo pelo qual basta que esta seja reintegrada ao estoque. Ricardo Vale www. Perceba que. 415 do R/A.no caso de regime comum.2. E se não for possível dar início ao despacho de exportação dentro desse prazo? Pode ser que não se tenha encontrado um comprador no exterior. no momento em que a mercadoria saiu do estoque.iniciar o despacho de exportação. Não houve transferência da posse da mercadoria para uma terceira pessoa.com. o art. Essa venda à empresa comercial exportadora foi feita com suspensão de tributos..br 8 de 121 . Destaque-se que o despacho de importação deverá ter início até 45 dias após o prazo de concessão do regime de entreposto aduaneiro na exportação. Observado o prazo de permanência da mercadoria no regime. 415. a ideia é que a mercadoria fique armazenada com os tributos suspensos até ser exportada.2. do R/A reconhece que o regime será extinto no momento em que tiver início o despacho de exportação. Destaque-se que. Prof. Afinal. deverá o beneficiário adotar uma das seguintes providências: I . 642. A forma de extinção típica do entreposto aduaneiro na exportação é a exportação propriamente dita. mas ficaram suspensos em virtude da concessão do regime de entreposto aduaneiro na exportação. 415.Hipóteses de extinção do regime: A extinção do regime de entreposto aduaneiro na exportação ocorrerá nas hipóteses previstas no art. teremos que observar os incisos II e III. não cabe falar em reintegração ao estoque. reintegrá-la ao estoque do seu estabelecimento. nesse caso. Ricardo Vale – Aula 05 1. os tributos incidiram..

em entreposto aduaneiro: .Legislação Aduaneira p/ RFB . Prof.com. quais sejam: 1) A admissão de mercadorias nos dois regimes não necessita da constituição de Termo de Responsabilidade. mostra ou evento semelhante.etiquetagem comprador estrangeiro e. e marcação. recondicionamento transformação.2013 Teoria e Questões Prof. para atender a exigências do ou e.estrategiaconcursos. demonstração e teste de funcionamento. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime especial de entreposto aduaneiro na importação permite a permanência de mercadoria estrangeira em feira. 4) Não é autorizada a admissão.exposição. no caso de preparo de alimentos para consumo a bordo aeronaves e embarcações utilizadas no transporte comercial internacional destinados a exportação) . de ou . Ricardo Vale – Aula 05 1. montagem.br 9 de 121 . uma vez que elas já são mantidas sob controle aduaneiro. realizado em recinto de uso privativo. as mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro podem ser submetidas às seguintes operações: -operações de industrialização (acondicionamento reacondicionamento.Disposições comuns ao entreposto aduaneiro na importação e entreposto aduaneiro na exportação: O entreposto aduaneiro na importação e o entreposto aduaneiro na exportação possuem algumas semelhanças.3. Ricardo Vale www.manutenção ou reparo. 3) Segundo a IN SRF nº 241/2002.de mercadorias cuja importação ou exportação esteja proibida .de bens usados Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 1. 2) O depositário será responsável pelo pagamento dos tributos na ocorrência de avaria ou extravio de mercadoria submetida ao regime de entreposto aduaneiro. beneficiamento. . congresso.

Legislação Aduaneira p/ RFB .br 10 de 121 . mostras ou eventos semelhantes. (Questão Inédita) O regime de entreposto aduaneiro na modalidade extraordinário poderá ser operado por qualquer pessoa jurídica habilitada pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. Questão errada. as mercadorias ficam armazenadas em recinto alfandegado com suspensão dos tributos incidentes na importação. Ricardo Vale – Aula 05 Comentários: O entreposto aduaneiro na importação poderá ser operado em recinto alfandegado de uso público ou. Questão correta. como é o caso de feiras. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime de entreposto aduaneiro na importação permite a armazenagem de mercadoria em local alfandegado com suspensão do pagamento dos impostos incidentes. congressos. Comentários: Se a mercadoria tiver sido admitida no entreposto aduaneiro com cobertura cambial. por meio do qual é feita a nacionalização da mercadoria. a DI do despacho para consumo também será com cobertura cambial. Ricardo Vale www. 2.com. Questão errada. ainda em recinto alfandegado de uso privativo. a DI para consumo (nacionalização) será sem cobertura cambial. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Na hipótese de despacho para consumo de mercadoria admitida no entreposto aduaneiro na importação com registro de Declaração de Importação (DI) com cobertura cambial. é operado por empresa comercial exportadora. Questão correta. 5. Comentários: O regime de entreposto aduaneiro na exportação.2013 Teoria e Questões Prof. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Uma das hipóteses de extinção do regime especial de entreposto aduaneiro na importação é o despacho para consumo. Prof. na modalidade extraordinário. Comentários: No regime de entreposto aduaneiro. Comentários: Uma das formas de extinção do regime de entreposto aduaneiro na importação é o despacho para consumo. 4. Questão correta.estrategiaconcursos. 3.

Ora. Questão errada. a exportação ou a transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. 8. (Questão Inédita) Após o término do prazo de vigência do entreposto aduaneiro na importação. Em uma primeira leitura desse dispositivo. podemos ser levados a acreditar que a indústria nacional sai prejudicada com o RECOF. são admitidas mercadorias importadas com ou sem cobertura cambial. Prof.2013 Teoria e Questões Prof. 2-Regime de Entreposto Informatizado (RECOF): Industrial sob Controle Aduaneiro Segundo o art. somente admite mercadorias importadas sem cobertura cambial. Questão errada. Comentários: No entreposto aduaneiro. por se caracterizar pela suspensão dos tributos incidentes nas importações em consignação. reexportação ou destruição sob controle aduaneiro. a indústria nacional estaria sofrendo concorrência desleal. Comentários: Pegadinha! A destinação da mercadoria deverá ser feita 45 dias após o término do prazo de vigência do regime de entreposto aduaneiro.br 11 de 121 . Comentários: A destruição sob controle aduaneiro não é forma de extinção do regime de entreposto aduaneiro na importação.com. (Questão Inédita) O entreposto aduaneiro.estrategiaconcursos. Ricardo Vale – Aula 05 6. que pode ser o despacho para consumo. a reexportação. sob controle aduaneiro informatizado. o beneficiário do regime deverá dar uma destinação à mercadorias. sejam destinadas à exportação. mercadorias que. (Questão Inédita) O entreposto aduaneiro na importação poderá ser extinto pelo despacho para consumo. se os produtos importados tivessem a exigibilidade dos tributos suspensa e os produtos nacionais não. Questão errada. o regime de entreposto industrial sob controle aduaneiro informatizado (RECOF) é o que permite a empresa importar. 7. e com suspensão do pagamento de tributos. sob pena de a mercadoria ser considerada abandonada. Ricardo Vale www. 420 do R/A. com ou sem cobertura cambial. depois de submetidas à operação de industrialização.Legislação Aduaneira p/ RFB . Isso porque a literalidade do Regulamento Aduaneiro dispõe que só possuem direito à suspensão de tributos as mercadorias importadas.

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 Mas as coisas não são bem assim! As aquisições de mercadorias no mercado interno por empresas habilitadas ao RECOF também se beneficiam da suspensão de tributos. Para compreendermos exatamente o RECOF, precisamos dar uma lida na IN RFB nº 757/2007. O art. 2º dessa Instrução Normativa dispõe o seguinte:
“Art. 2º- O Recof permite à empresa beneficiária importar adquirir no mercado interno, com suspensão do pagamento tributos, mercadorias a serem submetidas a operações industrialização de produtos destinados à exportação ou mercado interno.” ou de de ao

Da análise do art. 2º da IN RFB nº 757/2007, acima transcrito, percebe-se que tanto as importações quanto as aquisições no mercado interno realizadas pelas empresas beneficiárias do RECOF são objeto de desoneração tributário. Ressalte-se que a desoneração abrange as mercadorias que serão submetidas a operações de industrialização, sendo que, o produto resultante não precisa ser necessariamente exportado. Ao contrário, ele também pode ser vendido no mercado interno, ou seja, parte da mercadoria admitida no regime pode ser despachada para consumo. No entanto, as mercadorias destinadas ao mercado interno deverão se sujeitar ao recolhimento dos tributos suspensos. O RECOF é administrado pela Receita Federal do Brasil. Nesse competido, compete à Receita Federal autorizar uma empresa a operar no regime e, além disso, definir em ato normativo os requisitos necessários para que uma empresa se habilite no RECOF. É o que dispõe o art. 422, do Regulamento Aduaneiro:
Art. 422. Poderão habilitar-se a operar no regime as empresas que atendam aos termos, limites e condições estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, em ato normativo, do qual constarão: I - as mercadorias que poderão ser admitidas no regime; II - as operações de industrialização autorizadas; III - o percentual de tolerância, para efeito de exclusão da responsabilidade tributária do beneficiário, no caso de perda inevitável no processo produtivo; IV - o percentual mínimo da produção destinada ao mercado externo; V - o percentual máximo de mercadorias importadas destinadas ao mercado interno no estado em que foram importadas; e VI - o valor mínimo de exportações anuais. Parágrafo único. A aplicação do regime poderá ser estendida a mercadorias a serem empregadas em desenvolvimento de produtos, em testes de funcionamento e resistência e em operações de renovação, recondicionamento, manutenção e reparo.

Como é possível verificar, o Regulamento Aduaneiro estabeleceu apenas algumas diretrizes para o estabelecimento de requisitos. A definição precisa desses requisitos está prevista na IN RFB nº 1.291/2012.
Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

12 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 O inciso I nos indica que nem todas as mercadorias podem ser admitidas no RECOF, mas apenas aquelas indicadas em ato normativo da RFB. Nesse sentido, cabe destacar que apenas as empresas de alguns setores podem ser habilitados no regime. Há, assim, o RECOF Aeronáutico, RECOF Semicondutores, RECOF Automotivo, RECOF de Informática e Telecomunicações. O inciso II, por sua vez, nos revela que pode haver limitação quanto às operações de industrialização autorizadas no regime. Atualmente, a IN RFB nº 1.291/2012 dispõe que as operações de industrialização se limitam à montagem de produtos; transformação, beneficiamento e montagem de partes e peças utilizadas na montagem de produtos e; acondicionamento e recondicionamento de partes e peças a serem comercializadas no mesmo estado em que foram importadas. O inciso III se refere a um percentual máximo de tolerância para efeito de exclusão da responsabilidade tributária do beneficiário, no caso de perda inevitável do processo produtivo. O objetivo disso é permitir que o beneficiário do regime não precise recolher os tributos em relação a mercadorias admitidas no regime, mas que apresentaram defeitos de fabricação ou se deterioraram, não podendo ser empregadas no processo produtivo do bem destinado à exportação. Hoje, o art. 43, da IN RFB nº 1.291/2012 dispõe que esse percentual é de até 1%, ou seja, esse é o percentual de perdas inevitáveis no processo produtivo. Os inciso IV e VI dizem respeito, respectivamente, a um “percentual mínimo da produção destinada ao mercado externo” e a um “valor mínimo de exportações anuais”. Veja só! No drawback, as importações e compras no mercado interno são desoneradas, mas isso está condicionado a um compromisso de exportação. No RECOF, também existe uma espécie de compromisso da empresa habilitada em termos de desempenho exportador. O art. 6º da IN RFB nº 1.291/2012 apresenta as obrigações da empresa beneficiária do RECOF para que seja mantida sua habilitação. São elas: a) exportar produtos industrializados resultantes dos processos mencionados no art. 2º (processos de industrialização aos quais o RECOF está limitado) no valor mínimo anual equivalente a 50% do valor total das mercadorias importadas ao amparo do regime, no mesmo período, e não inferior a US$ 10.000.000,00 : Suponha, por exemplo, que uma empresa habilitada no RECOF Semicondutores, importe, no ano de 2012, mercadorias com desoneração tributária no valor de US$ 30 milhões. Logo, ela terá que exportar, em 2012, no mínimo 50% desse valor (US$ 15 milhões).

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

13 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 b) aplicar, anualmente, na produção dos bens que industrializar, pelo menos 80% das mercadorias estrangeiras admitidas no regime. Por último, o inciso V, menciona a existência de um “percentual máximo de mercadorias importadas destinadas ao mercado interno no estado em que foram importadas”. Essa é uma característica interessante do RECOF: parte das mercadorias nele admitidas pode ser destinada ao mercado interno. A mercadoria admitida no RECOF poderá, ainda, ter uma das seguintes destinações: i) exportação; ii) reexportação ou; iii) destruição. Todas essas são formas de extinção desse regime aduaneiro especial. Destaque-se que, no RECOF, o prazo de suspensão dos tributos incidentes na importação será de até 1 ano, prorrogável por período não superior a 1 ano. Findo o prazo fixado para permanência da mercadoria no regime, serão exigidos, em relação ao estoque, os tributos suspensos , com os acréscimos legais cabíveis. Além da desoneração dos tributos nas importações e nas aquisições no mercado interno, as empresas beneficiárias do RECOF gozam de grande flexibilidade no despacho aduaneiro de importação. Todas as importações realizadas pelas empresas habilitadas no RECOF recebem o tratamento de Linha Azul. Em outras palavras, todas as importações dessas empresas são direcionadas para o canal verde1, ou seja, são desembaraçadas automaticamente. Não é qualquer empresa que pode ser habilitada no RECOF! É coisa pra gente grande! Só do João Antônio (EVP) pra cima!   Para habilitar-se ao RECOF, a empresa precisa: 1) Atuar em determinados segmentos industriais (RECOF Automotivo, RECOF Aeronáutico, RECOF Informática / Telecomunicações, RECOF Semicondutores). 2) Cumprir certos requisitos definidos no art. 5º da IN RFB nº 1.291/2012:

Uma Declaração de Importação pode ser direcionada para 4 (quatro) canais de importação: canal verde (desembaraço automático), canal amarelo (exame documental), canal vermelho (conferência documental e verificação física) e canal cinza (exame documental, verificação física e procedimento especial de controle aduaneiro)
1

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

14 de 121

desde que ela venha a ser utilizada no processo produtivo de um bem a ser exportado.Legislação Aduaneira p/ RFB . estoque e saída de mercadorias. principalmente em relação à lógica do mecanismo. parte das mercadorias nele admitidas poderá ser destinada ao consumo no mercado interno. 5º Para habilitar-se ao regime. A propósito. nos últimos três anos.000. quem concede o RECOF é a Receita Federal do Brasil. para o fornecimento de certidão conjunta. extintos ou com pagamento suspenso.br 15 de 121 . III . há obrigatoriedade de que ocorra a exportação.cumprir os requisitos de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional. há liberação para importação de qualquer espécie de mercadoria. No drawback. o DECEX concede o regime para cada ato concessório (plano de exportação apresentado pela interessada). de 27 de dezembro de 1996. Já no RECOF. seu desembaraço aduaneiro é automático. expedida pela autoridade aeronáutica competente. IV . No entanto. Ricardo Vale www. com informações da situação quanto aos tributos administrados pela RFB e quanto à Dívida Ativa da União (DAU). o RECOF é concedido a todas as importações da pessoa jurídica nele habilitada.com. V .000. Pelo contrário.não ter sido submetida ao regime especial de fiscalização de que trata o art. se for o caso. a empresa interessada deverá atender aos seguintes requisitos: I . negativa ou positiva com efeitos de negativa.possuir patrimônio líquido igual ou superior a R$ 25. não tem essa mamata toda não!  4) A concessão do regime aduaneiro especial do RECOF é bem restritiva com relação à natureza das mercadorias que poderão ser importadas. as quais passamos a listar em seguida: 1) No drawback.2013 Teoria e Questões Prof. que permita livre e permanente acesso da RFB. integrado aos sistemas corporativos da empresa no País.00 (vinte e cinco milhões de reais).430.dispor de sistema informatizado de controle de entrada. que é de incentivar as exportações. Ricardo Vale – Aula 05 Art. deverão ser recolhidos os tributos incidentes na importação. 33 da Lei nº 9. O drawback e o RECOF possuem. Já no drawback. 2) No drawback.estrategiaconcursos. ao passo que no RECOF não há necessidade disso. 3) A mercadoria amparada pelo regime aduaneiro especial do RECOF é automaticamente direcionada para o canal verde. e VI . Prof. II . ou seja. Quando isso ocorrer.possuir autorização para o exercício da atividade. administrada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). em conformidade com a regulamentação específica. existem algumas nítidas diferenças. conforme pudemos verificar. algumas semelhanças.estar habilitada ao Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul). de registro e apuração de créditos tributários devidos.

Legislação Aduaneira p/ RFB . para efeito de exclusão da responsabilidade tributária do beneficiário. Ricardo Vale www. Questão errada. 10. com suspensão do pagamento de tributos. limites e condições estabelecidos pela Receita Federal do Brasil. sem pagamento dos tributos suspensos em quaisquer dos dois casos. admite-se um pequeno percentual de tolerância. Findo o prazo fixado para a permanência da mercadoria no regime. Comentários: O prazo de suspensão dos tributos no RECOF é de até 1 ano.2013 Teoria e Questões Prof. 12. Comentários: É isso mesmo! A habilitação no RECOF depende do cumprimento de requisitos definidos em ato normativo da Receita Federal. serão exigidos. deverá ser efetuado o recolhimento dos tributos suspensos. Questão errada. (Questão Inédita) O RECOF somente será concedido a empresas que atendam a termos. em relação ao estoque. mercadorias a serem submetidas a operações de industrialização de produtos destinados à exportação ou ao mercado interno. 11. prorrogável por período não superior a 1 ano.estrategiaconcursos. Questão correta. o prazo de suspensão dos tributos incidentes na importação será de até 2 anos. prorrogável por igual período. (Questão Inédita) No RECOF. com os acréscimos legais cabíveis. Comentários: No caso de mercadorias destinadas ao mercado interno. (Questão Inédita) No RECOF.br 16 de 121 .com. Comentários: Prof. no caso de perda inevitável no processo produtivo. Ricardo Vale – Aula 05 Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 9. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF) permite a empresa beneficiária importar ou adquirir no mercado interno. os tributos suspensos.

Questão 3. Considerando que a exportação não teve o ânimo da definitividade.Legislação Aduaneira p/ RFB . faz-se mister conceituar reimportação. A reimportação ocorre justamente quando um bem é exportado ao exterior a título temporário e retorna ao país. de mercadoria nacional ou nacionalizada. Questão correta. considera-se que não ocorreu a desnacionalização. Enquanto na admissão temporária. É o caso. Para compreender exatamente o espírito dessa definição de exportação temporária. 13. a suspensão do pagamento do imposto de exportação não é algo que traga grandes vantagens ao exportador. no mesmo estado em que foi exportada. Devido à política brasileira de não onerar as exportações. por exemplo.estrategiaconcursos.Exportação Temporária: 3. a vantagem da exportação temporária reside no fato de que não haverá tributação na reimportação (retorno da mercadoria exportada temporariamente). a empresa não assume qualquer compromisso de exportação. (Questão Inédita) No RECOF. quando uma mercadoria exportada temporariamente retorna ao país. Assim. ao contrário do drawback. Segundo o art. na exportação temporária os bens permanecem no exterior durante um certo período e depois regressam ao país.com. 431 do R/A. Ou então. Ricardo Vale www.1. No RECOF.Conceito e Generalidades: A exportação temporária é exatamente o oposto do regime de admissão temporária. Comentários: errada.2013 Teoria e Questões Prof. os bens permaneciam no país por um tempo e depois retornavam ao exterior. a alíquota do imposto de exportação é zero para praticamente toda a pauta exportadora. do País. condicionada à reimportação em prazo determinado. de obras de arte enviadas ao exterior para a realização de uma exposição. no caso de perda inevitável no processo produtivo. existe um percentual de 1% de tolerância para efeito de exclusão da responsabilidade tributária do beneficiário. o de máquinas enviadas ao exterior para a execução de um serviço de construção civil. não ocorre o fato gerador do imposto de Prof. Assim. Ricardo Vale – Aula 05 De fato. com suspensão do pagamento do imposto de exportação. o regime de exportação temporária é o que permite a saída.br 17 de 121 . também há um compromisso de exportação.

portanto. regresse ao país. Calma.com. cobertura ou cuidados da medicina veterinária. Em sentido contrário. Os bens aos quais pode ser concedido o regime de exportação temporária estão previstos no art. esse retorno será considerado uma importação (e não reimportação).a assistência e salvamento em situações de calamidade ou de acidentes de que decorra dano ou ameaça de dano à coletividade ou ao meio ambiente.emprego militar e apoio logístico às tropas brasileiras designadas para integrar força de paz em território estrangeiro.feiras ou exposições comerciais ou industriais.Legislação Aduaneira p/ RFB . posteriormente. 2º da IN SRF nº 319/2003: Art. em cada caso. existem aqueles que estão sujeitos ao referido imposto (alíquota do I. de empréstimo ou de prestação de serviços. desde que reutilizáveis. exposições. trabalho. Quando se tratar de exportação temporária de mercadoria sujeita ao imposto de exportação. Parágrafo único. VI . O retorno de mercadoria é.br 18 de 121 .atividades temporárias de interesse da agropecuária. inclusive amostras sem destinação comercial e mostruários de representantes comerciais. inclusive animais para feiras ou exposições. O regime aplica-se.prestação de assistência técnica a produtos exportados. VIII . exposições e outros eventos artísticos ou culturais.acondicionamento ou manuseio de outros bens exportados. a obrigação tributária será constituída em termo de responsabilidade. pelo titular da unidade da Secretaria da Receita Federal (SRF) onde será realizado o respectivo despacho aduaneiro. autorizados. II . e XI . Ricardo Vale www.outros produtos manufaturados e acabados. caso o bem tenha sido exportado a título definitivo e. testes de funcionamento ou de resistência. encarado como reimportação. de aluguel. X .estrategiaconcursos. II . no exterior. VII .veículos para uso de seu proprietário ou possuidor. IV . V .2013 Teoria e Questões Prof. IX . não se exigindo garantia.bens a serem submetidos a ensaios.E diferente de zero). Prof.execução de contrato de arrendamento operacional. congressos ou outros eventos científicos ou técnicos. na exportação temporária de: I . em virtude de termos de garantia. Ricardo Vale – Aula 05 importação. meu amigo! Não é necessário decorar essa lista não! Só quero que você a leia percebendo que todos os bens nela relacionados se revestem de uma característica de temporariedade na exportação. pastoreio.espetáculos. III . Embora a maior parte dos produtos tenha alíquota zero para o imposto de exportação. ainda.feiras.promoção comercial. e III .competições ou exibições esportivas. 2º O regime aplica-se a bens destinados a: I .

do R/A. se a mercadoria objeto de exportação definitiva regressar ao país. 436.Legislação Aduaneira p/ RFB . caso a exportação temporária seja indeferida pela autoridade aduaneira. 2) Os bens admitidos no regime de exportação temporária saem do Brasil com ânimo de temporariedade. devendo ser comprovado o ingresso de recursos ou o retorno das mercadorias ao Brasil dentro do prazo de 720 dias. Ricardo Vale – Aula 05 A concessão do regime de exportação temporária compete ao Auditor da RFB responsável pelo despacho aduaneiro. Assim. que dispõe que “o exame do mérito de aplicação do regime exaure-se com a sua concessão. ser fundamentada. A exportação em consignação2 é um tratamento administrativo especial concedido pela SECEX. Ao ser concedido o regime de exportação temporária pela RFB.com. por período não superior. § 1º. Segundo o art. as mercadorias são enviadas ao exterior. ela será tratada como mercadoria estrangeira. Quando o regime for aplicado a mercadoria vinculada a contrato de prestação de serviços por prazo certo. Os bens exportados em 2 Conforme comentamos em aula anterior. se a autoridade aduaneira concedeu o regime de exportação temporária. o problema não vai ser na hora de sair. a juízo da autoridade aduaneira. o objetivo final é que eles regressem ao território nacional após o prazo fixado.estrategiaconcursos. isto é. Ricardo Vale www. O prazo de vigência do regime será de até 1 (um) ano. contados da data do desembaraço aduaneiro. Isso quer dizer que. prorrogável na mesma medida deste. que a autoridade aduaneira indefira o pedido de concessão do regime de exportação temporária. É possível. A decisão de indeferimento do pleito deverá. a 2 (dois) anos. o prazo de vigência do regime será o previsto no contrato. que também fixará o prazo para permanência dos bens no exterior. não caberá mais a discussão do mérito desse ato administrativo por ocasião da reimportação. prorrogável. na exportação em consignação.2013 Teoria e Questões Prof. Esse é o entendimento que se pode ter a partir da leitura do art. havendo a necessidade do recolhimento tributário integral.br 19 de 121 . Trata-se de modalidade de exportação especial concedida pela SECEX. No entanto. todavia. ela não poderá voltar atrás depois. entretanto. mas sim na hora de entrar de volta!  Muita gente faz confusão entre a exportação temporária e a exportação em consignação! Vamos então ver as diferenças entre elas! 1) A exportação temporária é um regime aduaneiro especial concedido pela RFB. o indeferimento do pedido não impede a saída da mercadoria do território aduaneiro . dela cabendo recurso hierárquico. Como você pode ver. não cabendo mais discuti-lo quando da reimportação da mercadoria”. 445 do R/A. no total. Prof. o exportador poderá fazer uma exportação definitiva.

ou II . renovação ou recondicionamento a importação de produto equivalente àquele submetido ao regime § 1o O disposto no caput aplica-se exclusivamente aos seguintes bens: I . peça ou componente enviado ao exterior para substituição em decorrência de garantia ou para reparo. remetidos ao exterior mediante exportação temporária.estrategiaconcursos. 3) O retorno ao país de bens exportados temporariamente é hipótese de não-ocorrência do fato gerador do imposto de importação. Ricardo Vale – Aula 05 consignação saem do Brasil com o objetivo final de serem vendidos no exterior. por exemplo.reimportação. revisão. que consiste no regresso ao país de um bem exportado temporariamente. comprando-o.Legislação Aduaneira p/ RFB . então. Prof.partes. O regime de exportação temporária restará. estes são tratados como mercadorias não-estrangeiras. Ricardo Vale www. por sua vez. inciso II do R/A. Passados os 5 meses.Hipóteses de extinção do regime: O art. para substituição de outro anteriormente exportado definitivamente. parte. Imagine. 136. faz menção à “exportação definitiva da mercadoria admitida no regime” como hipótese de extinção do regime. Art. ao amparo de um contrato de aluguel. que deva retornar ao País para reparo ou substituição. para extinção de sua aplicação: I .produtos nacionais. Nesse caso.com. peças e componentes de aeronave. 443. ou suas partes e peças. 74. 3. 443 e o art. 70. no entanto. em conformidade com o art. A forma mais natural de extinção do regime de exportação temporária é a reimportação (art.br 20 de 121 . No retorno ao país de bens exportados em consignação. objeto da isenção prevista na alínea “i” do inciso II do art. inciso I do R/A. o locatário decide ficar com um guindaste. que um guindaste brasileiro é exportado temporariamente para ser empregado durante 5 meses em uma obra de construção civil no exterior. Extingue ainda a aplicação do regime de exportação temporária de produto. O art. inciso II. a exportação temporária será transformada em exportação definitiva. 444. extinto. 443. inciso I do R/A). 444 do R/A elencam as hipóteses de extinção do regime de exportação temporária: Art. do R/A.exportação definitiva da mercadoria admitida no regime. deverá ser adotada uma das seguintes providências. Na vigência do regime.2. conforme o art.2013 Teoria e Questões Prof. manutenção. e II . em virtude de defeito técnico que exija sua devolução. 443.

Legislação Aduaneira p/ RFB .3. Entretanto. o art. Ricardo Vale www.estrategiaconcursos. O regime também se aplica na saída do País de mercadoria nacional ou nacionalizada para ser submetida a processo de conserto. do País. Cabe destacar que considera-se que. Para que essa operação seja viabilizada.Exportação temporária para aperfeiçoamento passivo: Também existe o regime de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. de mercadoria nacional ou nacionalizada. 3. por tempo determinado.com. no exterior. 449 do R/A. elaboração. o que extinguirá o regime. para ser submetida a operação de transformação. ocorre fato gerador do imposto de importação. Entretanto. no retorno ao país de bem submetido ao regime de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. Segundo o art. somente incidirão tributos sobre o valor agregado no exterior. que uma empresa mexicana venda a um hospital no Brasil um equipamento de ultrassonografia. em lá chegando a peça. Ricardo Vale – Aula 05 Por fim. os bens aos quais for concedido o regime de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo podem sofrer operações de transformação. é concedido o regime de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. Suponha. Suponha. o hospital brasileiro irá importar uma peça equivalente àquela exportada temporariamente. por exemplo. reparo ou restauração. o hospital brasileiro envia a peça ao México.2013 Teoria e Questões Prof. trata-se de regime aduaneiro especial que permite a saída. e a posterior reimportação. 444 do R/A se refere à “importação de produto equivalente àquele submetido ao regime” como hipótese de extinção da exportação temporária. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! Prof. por exemplo. uma peça desse equipamento apresenta defeito e necessita ser consertada. que um equipamento de raio-x seja enviado ao exterior a fim de que seja consertado. Todavia. com pagamento dos tributos sobre o valor agregado. por meio de exportação temporária. Os bens admitidos no regime de admissão temporária para aperfeiçoamento ativo não podem sofrer operações de transformação. sob a forma do produto resultante. a empresa mexicana verifica que não há conserto.br 21 de 121 . para que ela seja consertada. Será necessário enviar uma nova peça ao hospital brasileiro. Em virtude de um contrato de garantia. No retorno ao país. beneficiamento ou montagem. Assim.

a bagagem acompanhada reputa-se automaticamente submetida ao regime de exportação temporária. (Questão Inédita) O exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária não se exaure com a sua concessão. condicionada à reimportação em prazo determinado. (Questão Inédita) O regime de exportação temporária é o que permite a saída. Questão correta. Ricardo Vale – Aula 05 14. mercadorias nacionais ou nacionalizadas saem do País com suspensão tributária. Ricardo Vale www. 440. 15. do R/A.Legislação Aduaneira p/ RFB . Comentários: Prof. 16. do País. Comentários: Na exportação temporária. do R/A. Em outras palavras. Comentários: Uma vez tendo sido concedido o regime de exportação temporária. o exame do mérito se exaure com a concessão do regime. de mercadoria nacional ou nacionalizada.2013 Teoria e Questões Prof. 17. pela entrega dos bens à Fazenda Nacional. independentemente de qualquer procedimento administrativo. condicionada à posterior reimportação. conforme previsto no art. pela transformação em exportação definitiva da mercadoria admitida no regime ou. não cabe nova apreciação por ocasião da reimportação. (Questão Inédita) A exportação temporária poderá ser extinta pela reimportação. Comentários: Perfeita definição do regime de exportação temporária. Questão errada.estrategiaconcursos. Questão correta. 431. ainda.br 22 de 121 .com. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Exportação temporária é o regime que permite a saída temporária de mercadorias nacionais ou nacionalizadas com suspensão dos tributos. com suspensão do pagamento do imposto de exportação. De acordo com o art. A bagagem acompanhada reputa-se em exportação temporária. no mesmo estado em que foi exportada.

que nada mais são do que estabelecimentos autorizados a operar o regime aduaneiro especial de loja franca. como destruí-los ou entregá-los à Fazenda Nacional.com. Prof. não se exigindo garantia.Loja Franca: 4. 476 do R/A. Questão correta. loja franca é um regime aduaneiro especial que permite a estabelecimento instalado em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado vender mercadoria nacional ou estrangeira o passageiro em viagem internacional. não haverá impedimento à saída da mercadoria do território aduaneiro.br 23 de 121 . Os estabelecimentos que operam o regime aduaneiro especial de loja franca estão situados em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado. Comentários: Quando a mercadoria estiver sujeita ao imposto de exportação.1. Os bens exportados temporários estão fora do País. (Questão Inédita) O indeferimento do pleito de concessão do regime de exportação temporária não impede a saída da mercadoria do território aduaneiro.estrategiaconcursos. Segundo o art. 4. 18. será necessária a constituição de Termo de Responsabilidade. portanto. Questão correta. Ricardo Vale – Aula 05 A entrega dos bens à Fazenda Nacional não é hipótese de extinção do regime. (Questão Inédita) Quando se tratar de exportação temporária de mercadoria sujeita ao imposto de exportação. o “caminho natural” de passageiros em viagem internacional. Ricardo Vale www. a obrigação tributária será constituída em termo de responsabilidade. Comentários: Mesmo sendo indeferido o pleito de concessão do regime de exportação temporária. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. Zona primária é justamente por onde entram as pessoas e bens oriundos do exterior. não há.2013 Teoria e Questões Prof. Questão errada. ficando dispensada a garantia.Conceito e Generalidades: Todos aqueles que já viajaram ao exterior tiveram a oportunidade de conhecer os chamados “free shops”. 19.Legislação Aduaneira p/ RFB . isto é.

Ricardo. Isso é o que vale atualmente. Ricardo Vale www. nos termos das normas aplicáveis ao regime de loja franca.2013 Teoria e Questões Prof.010/2013.estrategiaconcursos. A admissão de mercadoria estrangeira nesse regime será feita mediante despacho aduaneiro de admissão. que a IN RFB nº 863/2008 exige que a seleção de empresa para operar o regime de loja franca seja realizada mediante concorrência pública (procedimento licitatório). pelo Regulamento Aduaneiro. Prof. Embora as mercadorias nacionais e estrangeiras sejam desoneradas de tributos nas vendas em lojas francas. Essa suspensão se converte em isenção no momento em que a mercadoria é vendida a passageiro em viagem internacional. Outro elemento importante da definição de loja franca é a origem das mercadorias que podem ser vendidas por estabelecimentos que operem o regime.br 24 de 121 . depreende-se que podem ser vendidas mercadorias nacionais ou mercadorias estrangeiras.Legislação Aduaneira p/ RFB . qualquer empresa que assim deseje poderá operar o regime aduaneiro especial de loja franca?” Não. é necessário diferenciar-se a natureza dos benefícios aplicáveis a umas e outras. as compras de produtos nacionais realizadas por estabelecimentos que operam o regime de loja franca são beneficiadas diretamente pela isenção. Há que se destacar. deixou de ser exigido. A legislação aduaneira dispõe que o pagamento das compras realizadas em loja franca poderá ser efetuado em moeda nacional ou estrangeira. quando se tratar de aquisição de produtos nacionais. processado com base em Declaração de Importação (DI) específica para esse fim. § 4o . A mercadoria estrangeira importada diretamente pelos concessionários das lojas francas fará jus à suspensão dos tributos incidentes na operação. Da leitura do art. Com a edição do Decreto nº 8. estes sairão do estabelecimento industrial ou equiparado com isenção de tributos. 476. Ricardo Vale – Aula 05 “Mas. através de um processo de pré-qualificação. Tais pagamentos poderão ocorrer mediante moeda em espécie. A admissão de mercadoria nacional no regime de loja franca será efetuada mediante emissão de nota fiscal. Por sua vez.476. até que a RFB edite ato normativo que disponha de maneira diversa. que as empresas beneficiárias do regime de loja franca fossem selecionadas mediante concorrência pública.com. entretanto. não é bem assim! Somente poderão explorar o regime de loja franca as pessoas ou firmas habilitadas pela Secretaria da Receita Federal. Segundo o art.

IV . Prof. II . portador de cartão de embarque ou de trânsito internacional.passageiro saindo do País.44 da IN SRFB nº 863/2008). As mercadorias admitidas no regime poderão ser vendidas a: I . Esse é o entendimento que se deve ter a partir da leitura do art. identificado por documentação hábil. no 1º (primeiro) aeroporto de desembarque no País e anteriormente à conferência de sua bagagem acompanhada. Nesse caso (venda de mercadorias importadas em loja franca). permitido o pagamento ao consignante no exterior somente após a efetiva comercialização das mercadorias no País. a empresa que estiver operando o regime de loja franca deverá registrar Declaração de Importação (DI) para fins cambiais.2. Quanto às restrições qualitativas. Ricardo Vale – Aula 05 cheque de viagem ou cartão de crédito (art.estrategiaconcursos. 4.tripulante de aeronave ou embarcação em viagem internacional de partida.Restrições às vendas em loja franca: As vendas realizadas em loja franca possuem restrições qualitativas (em razão da natureza do adquirente) e quantitativas (número máximo de produtos que podem ser vendidos).br 25 de 121 .passageiro a bordo de aeronave ou embarcação em viagem internacional. 15. 15 da IN SRF nº 863/2008: Art.passageiro chegando do exterior. Ricardo Vale www. III .Legislação Aduaneira p/ RFB . abrangendo também outras pessoas físicas e jurídicas. Com o objetivo de controlar os pagamentos feitos ao consignante. cabe dar ênfase ao fato de que o Regulamento Aduaneiro dispõe que as vendas em loja franca deverão ser feitas a passageiro em viagem internacional. Cabe destacar que a redação do Regulamento Aduaneiro anterior (Decreto nº 4543/2002) estabelecia que o pagamento das compras realizadas em loja franca deveria ser feito em cheque de viagem ou moeda estrangeira conversível.2013 Teoria e Questões Prof. As divisas estrangeiras obtidas por meio da venda de mercadorias em loja franca deverão ser recolhidas a estabelecimento bancário autorizado a operar em câmbio dentro do prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis contados da data da operação. Tal dispositivo não mais se aplica e os pagamentos podem ser feitos em moeda nacional ou estrangeira.com. Entretanto. não ocorrerá despacho para consumo. o conceito de passageiro em viagem internacional deve ser compreendido em sentido amplo. A importação de mercadorias para o regime de loja franca será realizada em consignação.

Legislação Aduaneira p/ RFB . III . máquinas. A IN RFB nº 1059/2010.3. Prof. Quanto às restrições quantitativas. desde que integrantes da bagagem acompanhada do viajante.br 26 de 121 . sabe que na volta terá que se “virar” com a Receita Federal. e VI . Segundo o art. deve-se observar o disposto no art. ele terá que pagar o imposto de importação.estrategiaconcursos. 15 fica sujeita aos seguintes limites quantitativos: I .20 (vinte) maços de cigarros. conforme previsto no inciso IV art.3 (três) unidades de relógios. brinquedos.missão diplomática. Ricardo Vale – Aula 05 V . de 18 de novembro de 1966. os seguintes produtos: i) livros. que trata dos procedimentos de controle aduaneiro e tratamento tributário aplicável aos bens de viajante.250 g (duzentos e cinqüenta gramas) de fumo preparado para cachimbo. II . 13 da referida Instrução normativa.00 (se o ingresso do viajante no País for por via aérea ou marítima) e de US$ 300. equipamentos. fluvial ou lacustre).empresa de navegação aérea ou marítima para consumo a bordo ou venda a passageiros. observado quantitativo máximo de 12 (doze) unidades por tipo de bebida. Em certos casos. A aquisição de mercadorias efetuada nos termos do inciso III do art. periódicos. até os limites de US$ 500. 15 do Decreto-Lei nº 37.18 da IN SRFB nº 863/2008 quanto aos limites máximos de produtos que podem ser vendidos em loja franca a passageiros chegando do exterior: Art. estabelece as hipóteses em que o viajante faz jus à isenção. 18. V . repartição consular e representação de organismo internacional de caráter permanente. folhetos. e a seus integrantes e assemelhados. IV . e VI .00 (se o ingresso for por via terrestre. Ricardo Vale www.com.24 (vinte e quatro) unidades de bebidas alcoólicas.10 (dez) unidades de artigos de toucador. ii) bens de uso ou consumo pessoal e. jogos ou instrumentos elétricos ou eletrônicos. 4. aparelhos.25 (vinte e cinco) unidades de charutos ou cigarrilhas.Bagagem Acompanhada x Loja Franca: Esse é um tópico que gera confusão em muita gente boa! Se você pega um vôo para Miami com o objetivo de fazer compras. não é mesmo? Existem bens que o viajante poderá trazer em sua bagagem acompanhada usufruindo de isenção tributária. iii) outros bens. isentas de tributos.2013 Teoria e Questões Prof. quando em águas ou espaço aéreo internacional. todavia. estão sujeitos a isenção de tributos na importação.

das bebidas alcoólicas. Logo. na condição de carga. Ricardo Vale www. isto é. sempre que. Considerando que o limite de isenção é de US$500. Dessa forma. o valor tributável. iii) bens integrantes de bagagem desacompanhada que não cumpram os requisitos do art. Em relação à primeira hipótese. por sua vez. Prof.com. por exemplo.059/2010 define limites quantidades para certos produtos. submetendo-se ao regime de tributação especial ou ao regime de tributação comum. a tributação será pelo regime de tributação comum.2013 Teoria e Questões Prof. puder destinar para seu uso ou consumo pessoal. O regime de tributação comum. 8º da IN RFB nº 1059/2010. a IN RFB nº 1.00. não foi? Esse será. sujeitas ao limite máximo de 12 litros.059/2010. será aplicado: i) aos bens trazidos por viajante que não se enquadrem dentro do conceito de bagagem.00. ii) aos bens trazidos por viajantes que excedam limites quantitativos relacionados na IN RFB nº 1. cabe destacar que se considera bagagem “os bens novos ou usados que um viajante.” Dessa forma. bem como para presentear. Esses requisitos são os seguintes: i) os bens devem chegar ao território aduaneiro. natureza ou variedade. em compatibilidade com as circunstâncias de sua viagem. não permitirem presumir importação ou exportação com fins comerciais ou industriais. fica nítido que não se trata de bagagem. Ricardo Vale – Aula 05 Os bens que extrapolem o campo de isenção serão objeto de tributação. É o caso. Quanto à segunda hipótese. pela sua quantidade. mas que não cumprem os requisitos da IN RFB nº 1. a tributação será pelo regime comum. então.estrategiaconcursos. ii) os bens devem provir do local ou de um dos locais de estada ou de procedência do viajante.00.br 27 de 121 . Imagine. se um viajante trouxer 20 laptops de Miami. Por último. a terceira hipótese diz respeito aos bens que entrem no país como se fossem bagagem desacompanhada. calculado pela aplicação da alíquota de 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor tributável dos bens. O regime de tributação especial é o que permite o despacho de bens integrantes de bagagem mediante a exigência tão-somente do imposto de importação. por exemplo. você extrapolou tal limite em US$ 400.Legislação Aduaneira p/ RFB . se um viajante trouxer como bagagem mais de 12 litros de bebida alcoólica. mas sim de importação para fins comerciais. que você traga de Miami.059/2010 e. sobre o qual incidirá uma alíquota de 50% do imposto de importação. em sua bagagem acompanhada 1(um) laptop cujo valor é US$ 900. a importação estará sujeita a todos os tributos e respectivas alíquotas que normalmente incidem sobre esse tipo de operação. dentro dos 3 meses anteriores ou até os 6 meses posteriores à chegada do viajante e.

no momento em que o passageiro retornar ao Brasil. Ricardo! Já sei tudo sobre a tributação incidente sobre a bagagem de viajantes! Mas qual a relação disso com o regime aduaneiro especial de loja franca?” Excelente pergunta. 21 da IN RFB nº 863/2008.estrategiaconcursos. Esse limite para as aquisições em loja franca não é cumulativo com o limite de isenções aplicável à bagagem . em relação à bagagem desacompanhada. ii) será aplicável o regime de tributação especial aos bens que excederem os limites previstos. Dessa forma.00? Sim.00 e. o passageiro tem direito subjetivo à isenção em relação: i) aos bens integrantes de sua bagagem. em loja franca.com. O passageiro poderá adquirir em loja franca de chegada bens cujo valor exceda US$ 500.00 (via terrestre. até o limite de US$ 500. os bens adquiridos na partida serão considerados para o cálculo do limite de isenção para bagagem. Ricardo Vale – Aula 05 Dessa forma. esses bens estarão sujeitos Prof.00 (relativo à bagagem). Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof. 2) Quando não forem cumpridos os requisitos do art. que não sejam de uso ou consumo pessoal. os bens adquiridos em lojas francas no exterior também receberão tratamento de bagagem acompanhada. Mas por que isso? Nos termos do art. a venda.00 (relativo à loja franca) + US$ 500. “Entendi. após o desembarque no Brasil. caros amigos. poderá. meu amigo! Há sim muita relação entre os dois! Segundo o art. No entanto. fluvial ou lacustre).00 (via aérea ou marítima) ou US$ 300.00. Da mesma forma. 8º da IN RFB nº 1059/2010: será aplicado o regime de tributação comum.00. a isenção será para US$ 500. temos duas situações diversas: 1) Quando forem cumpridos os requisitos do art. 8º da IN RFB nº 1059/2010: i) será aplicável a isenção aos bens de uso e consumo pessoal e aos outros bens até o limite de US$500. que o passageiro somente terá direito à isenção relativa aos bens adquiridos em loja franca após o desembarque no País. Em outras palavras.br 28 de 121 .00. Percebam. até o limite de US$ 500. será considerada exportação a venda de mercadoria em loja franca a um passageiro saindo do Brasil. ii) aos bens adquiridos em loja franca. Assim.Legislação Aduaneira p/ RFB . de mercadorias com isenção a passageiro chegando do exterior está sujeita ao limite de US$ 500. 20 da IN SRFB nº 863/2008. Mas será que o passageiro poderá adquirir bens em loja franca de chegada cujo valor global exceda o limite de US$ 500.

são reexportadas. para consumo a bordo ou venda a passageiros.destruição sob controle aduaneiro. III . mercadorias nacionais são admitidas em loja franca e vendidas ao exterior. As mercadorias importadas são admitidas em loja franca mediante consignação. isto é.4. repartições consulares e representações de organizações internacionais. e a empresas de navegação aérea ou marítima. por exemplo.Extinção do Regime: O regime aduaneiro especial de loja franca será extinto mediante a ocorrência de qualquer uma das hipóteses previstas no art. ou VII . sobre o montante que exceder o limite de US$ 500. A quinta forma de extinção é a transferência para outro regime aduaneiro especial. 15. a tripulante de avião ou navio em viagem internacional. Ricardo Vale – Aula 05 ao regime de tributação especial. retornam ao exterior. Seria o caso. 38. Art. Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof.Legislação Aduaneira p/ RFB . A terceira forma de extinção indicada é a exportação.transferência para outro depósito de loja franca da operadora ou depósito de loja franca de outra operadora.venda. II .reexportação para qualquer país de destino. no caso de mercadorias importadas.br 29 de 121 .estrategiaconcursos. IV . VI . a missões diplomáticas. 38 da IN SRFB nº 863/2008. A primeira forma de extinção será por meio da venda de mercadorias a passageiro em viagem internacional (entrando ou saindo do País). de mercadorias que estejam situadas em uma loja franca situada no aeroporto de Congonhas (SP) e que sejam transferidas para uma loja franca situada no aeroporto de Confins (MG).com.despacho para consumo.exportação. A segunda forma de extinção prevista é a reexportação. a uma alíquota de 50%. 4. A quarta forma de extinção é a transferência para outro depósito de loja franca. Cabe destacar que a transferência para outro regime aduaneiro especial depende do cumprimento dos requisitos de admissibilidade no novo regime.00. A extinção da aplicação do regime será realizada mediante uma das seguintes destinações: I . incidirá o Imposto de Importação. nas formas previstas no art. Prof. Nesse caso. no caso de mercadorias nacionais. isto é. Caso não sejam vendidos.transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. V .

Prof. A sétima forma de extinção do regime de loja franca é a destruição dos bens. Comentários: Para que uma empresa possa operar o regime de loja franca. por exemplo. Questão correta. a nacionalização. 22. isto é. da venda no mercado interno dos produtos que haviam sido admitidos em loja franca. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 20. ela deverá ser habilitada pela RFB. podendo ser operado somente em zona primária.2013 Teoria e Questões Prof. (Questão Inédita) Somente poderão explorar o regime de loja franca as pessoas ou firmas habilitadas pela Secretaria da Receita Federal. (Questão Inédita) O regime de loja franca será extinto com a venda de mercadoria a passageiro em viagem internacional. 21.com. Questão correta. Com a venda da mercadoria a passageiro em viagem internacional. a suspensão se converte em isenção.Legislação Aduaneira p/ RFB . é o de Loja Franca. Esse regime aduaneiro especial somente pode ser operado em zona primária de porto ou aeroporto alfandegado. através de um processo de pré-qualificação. Seria o caso.estrategiaconcursos. Comentários: A loja franca permite o armazenamento de mercadorias com suspensão tributária para serem vendidas a passageiro em viagem internacional. Ricardo Vale www. Ricardo Vale – Aula 05 A sexta forma de extinção é o despacho para consumo. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime que permite o armazenamento de mercadorias estrangeiras com suspensão dos tributos para serem vendidas a viajantes com destino ao exterior ou viajantes que chegam ao País.br 30 de 121 . 15 da IN SRFB nº 863/2008. que deverá ser sob controle aduaneiro. Nessa hipótese. os bens não são vendidos às pessoas relacionadas no art. Questão correta. Comentários: Uma das formas de extinção do regime aduaneiro especial de loja franca é por meio da venda de mercadoria a passageiro em viagem internacional.

Somente são admitidos em depósito especial: partes.2013 Teoria e Questões Prof. Apesar disso. estrangeiros. para operar um depósito especial. peças.br 31 de 121 . peças e componentes estrangeiros. componentes e materiais de reposição ou manutenção. e nacionais em que tenham sido empregados partes. nos casos definidos pelo Ministro de Estado da Fazenda. componentes e materiais de reposição ou manutenção. Prof. Assim. com suspensão do pagamento dos impostos federais. não podem entrar em depósito especial os equipamentos propriamente ditos. peças e componentes. Ricardo Vale – Aula 05 5. 480 do R/A. Esse regime tem características bem peculiares. as partes. Dessa forma. para veículos.estrategiaconcursos. mas tão somente suas partes. equipamentos. Ricardo Vale www. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINSImportação. Bem grande a definição de depósito especial. não é mesmo? Explicando cada elemento do conceito: a) Não se admite o ingresso em depósito especial de qualquer tipo de mercadoria.com. b) As partes.Legislação Aduaneira p/ RFB . ok? Mas vejamos como funciona o depósito especial! Segundo o art. peças e componentes admitidos em depósito especial não podem destinar-se a produtos exclusivamente fabricados no Brasil. máquinas. mas podemos afirmar que ele é dotado de maior flexibilidade que o entreposto aduaneiro porque ele admite que as mercadorias fiquem armazenadas em locais que não sejam alfandegados. aparelhos e instrumentos. peças. peças e componentes admitidos no regime de depósito especial destinam-se a bens estrangeiros (nacionalizados ou não) e a bens nacionais em que tenham sido empregados partes. nacionalizados ou não. permanecendo armazenadas em recintos alfandegados. nós verificamos que ele viabiliza as importações em consignação. é necessário que sejam cumpridos uma série de requisitos.Depósito Especial: Quando estudamos o regime aduaneiro especial de entreposto aduaneiro. o regime aduaneiro de depósito especial é o que permite a estocagem de partes. peças e componentes estrangeiros. As mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro ficam com a exigibilidade dos tributos suspensa. Mas aí eu te pergunto! Será que não existe um regime aduaneiro especial mais flexível? Será que se uma empresa deseja importar mercadorias em consignação estas somente poderão permanecer em recintos alfandegados? Existe um regime aduaneiro especial mais flexível que o entreposto aduaneiro: o depósito especial.

Não é necessário que você decore a lista acima! O objetivo de mencioná-la é apenas para que você tenha noção acerca da abrangência do regime. pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (SRFB). contados da data do desembaraço aduaneiro para admissão. importar em consignação partes. peças.2013 Teoria e Questões Prof.exercer uma das atividades relacionadas no art. extintos ou com exigibilidade suspensa. iii) construção e manutenção de rodovias. aeroportos. Para ser habilitada. 2º da IN SRF nº 386/2004 são as seguintes: i) transporte.Habilitação para operar no regime: A aplicação do regime depende de prévia habilitação da pessoa jurídica interessada. . permanência e saída de mercadorias. na qualidade de subsidiária ou representante do fabricante estrangeiro. cirurgia. viii) análise e pesquisa científica. terapia e pesquisa médicas. iv) pesquisa. Ricardo Vale – Aula 05 c) Os bens admitidos em depósito especial ficam com a exigibilidade dos tributos suspensa (impostos federais + PIS/PASEP + COFINS). realizadas por laboratórios. ii) apoio à produção agrícola.Legislação Aduaneira p/ RFB . integrado aos sistemas corporativos da empresa no País. transmissão e distribuição de energia elétrica. ferrovias. aparelhos e instrumentos.dispor de sistema informatizado de controle de entrada. v) geração e transmissão de som e imagem. empregados em tais atividades. ix) defesa nacional.br 32 de 121 . de registro e apuração de créditos tributários devidos. barragens e serviços afins.estrategiaconcursos. vii) geração. estrangeiros. prospecção e exploração de recursos minerais. O prazo de concessão do regime é de até 5 anos. Destaque-se que somente são admitidas no regime mercadorias importadas sem cobertura cambial. com livre e permanente acesso da RFB.1. portos. vi) diagnose. Prof. 5. 2º da IN SRF nº 386/2004 ou. nacionalizados ou não. realizadas por hospitais. equipamentos. As atividades relacionadas no art.regularidade fiscal . a pessoa jurídica precisa cumprir os seguintes requisitos: .com. clínicas de saúde e laboratórios. Ricardo Vale www. componentes e materiais de reposição ou manutenção para máquinas.

2.estrategiaconcursos. uma empresa poderá já ir utilizando o produto armazenado em depósito especial antes mesmo de ter sido realizado o despacho para consumo. verifica-se que a extinção do regime de depósito especial ocorre em situações bem semelhantes às de extinção do entreposto aduaneiro na importação. inclusive quando as mercadorias forem aplicadas em serviços de reparo ou manutenção de veículos. (Questão Inédita) O controle aduaneiro da entrada. 485 do R/A. Assim.2013 Teoria e Questões Prof. máquinas. aparelhos e equipamentos estrangeiros. ou V .transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. O objetivo é desburocratizar e tornar mais ágeis os procedimentos de importação. de passagem pelo País. O despacho para consumo de mercadoria admitida em depósito especial será efetuado pelo beneficiário até o dia 10 do mês seguinte ao da saída das mercadorias do estoque.Legislação Aduaneira p/ RFB . Comentários: Prof. Ao analisar o art. com observância das exigências legais e regulamentares.despacho para consumo. que só precisa ser efetuado no dia 10 do mês seguinte ao da saída do estoque.destruição. II . para extinção de sua aplicação: I . deverá ser adotada uma das seguintes providências. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 23.Extinção do regime: A extinção do regime de depósito especial ocorrerá nas hipóteses do art. inclusive as relativas ao controle administrativo das importações. mediante autorização do consignante. III . 485 do R/A: Art.com. às expensas do beneficiário do regime. que atenda ao estabelecido em ato normativo da Secretaria da Receita Federal do Brasil. Ricardo Vale – Aula 05 5. da permanência e da saída de mercadorias em depósito especial será efetuado mediante processo informatizado. 485. Na vigência do regime.br 33 de 121 . com base em software desenvolvido pelo beneficiário.exportação.reexportação. Ricardo Vale www. IV .

Comentários: Isso é o que dispõe o art. As mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro ficam com a exigibilidade dos tributos suspensa. permanecendo armazenadas em recintos alfandegados. do R/A. No entanto. Ricardo Vale www.Depósito Afiançado: 6. Questão errada. 24. (Questão Inédita) O despacho para consumo de mercadoria admitida no regime de depósito especial será efetuado pelo beneficiário até o dia dez do mês seguinte ao da saída das mercadorias do estoque.br 34 de 121 .1. 6. nós verificamos que ele viabiliza as importações em consignação. Mas aí eu te pergunto! Será que não existe um regime aduaneiro especial mais flexível? Será que se uma empresa deseja importar mercadorias em consignação estas somente poderão permanecer em recintos alfandegados? Sim. Comentários: De fato. 25.estrategiaconcursos. Questão correta. Um dos requisitos para a habilitação da empresa a operar o regime de depósito especial é que ela disponha de sistema informatizado de controle de entrada. permanência e saída de mercadorias.Legislação Aduaneira p/ RFB . inclusive as relativas ao controle administrativo das importações.2013 Teoria e Questões Prof.Conceito e Generalidades: Quando estudamos o regime aduaneiro especial de entreposto aduaneiro. do R/A. contados a partir da data do desembaraço para admissão no regime.com. Questão correta. contados a partir do desembaraço para admissão. que permitem que mercadorias em consignação fiquem armazenadas em recintos Prof. o prazo de permanência das mercadorias no regime de depósito especial é de 5 anos. com suspensão tributária pelo prazo de até 5 anos. (Questão Inédita) O depósito especial permite a armazenagem de mercadorias importadas com ou sem cobertura cambial. com observância das exigências legais e regulamentares. existem regimes aduaneiros especiais mais flexíveis. Mercadorias admitidas em depósito especial serão objeto de despacho para consumo até o dia 10 do mês seguinte ao da saída do estoque. Ricardo Vale – Aula 05 Isso é exatamente o que dispõe o art. somente são admitidas em depósito especial mercadorias importadas sem cobertura cambial. 487. 486.

Ricardo Vale www. e utilizadas nessa atividade. “Mas. portanto. Embora a previsão legal seja no sentido de que o DAF beneficie empresas que atuem no transporte comercial internacional por via aérea. como as empresas de transporte aéreo internacional podem se beneficiar do DAF?” Excelente pergunta. em razão da falta de regulamentação. de materiais importados sem cobertura cambial. depósitos afiançados operados por empresas de transporte aéreo internacional. De acordo com o art. a empresa necessita de cumprir basicamente dois requisitos: i) manter serviço de transporte aéreo internacional regular e. Caso isso ocorresse. meu amigo! É natural que as aeronaves se submetam. Seria totalmente contraproducente para a empresa de transporte aéreo fazer um pedido ao fornecedor estrangeiro apenas quando uma peça apresentasse defeito. ainda. O regime de depósito afiançado poderá. da contribuição para o PIS/PASEPImportação e da COFINS-Importação. o único dentre esses modais de transporte que foi contemplado com regulamentação pela Receita Federal do Brasil (RFB) foi o aéreo.br 35 de 121 .Legislação Aduaneira p/ RFB . atualmente. Assim. permanência e saída Prof.com. Um desses regimes é o depósito afiançado. seja por desgaste ou em razão de defeitos apresentados.Habilitação para operar no regime: A aplicação do regime de depósito afiançado depende de prévia habilitação da empresa interessada junto à Receita Federal do Brasil (RFB) . marítima e rodoviária. podem ser identificadas peças que necessitem de reposição. O ideal. o que ocasionaria graves prejuízos graves à empresa. Nessas situações. essas peças ficam armazenadas no depósito afiançado. as aeronaves ficariam paradas.estrategiaconcursos. Pois bem. com suspensão do pagamento dos impostos federais. destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional. somente existem no Brasil. 488 do R/A. Ricardo. ii) dispor de sistema informatizado de controle de entrada. é que exista um estoque de peças de reposição no País. Ricardo Vale – Aula 05 não-alfandegados.2. a operações de manutenção e inspeções de segurança. Para que possa se habilitar. 6. ser concedido a empresas estrangeiras que operem no transporte rodoviário. com certa regularidade. com os tributos suspensos durante o prazo em que nele permanecerem. o regime aduaneiro especial de depósito afiançado é o que permite a estocagem. que tem como beneficiários unicamente empresas que atuem no transporte comercial internacional.2013 Teoria e Questões Prof.

ou a que seja comprovada a existência de reciprocidade de tratamento. obrigatoriamente. pela autoridade aduaneira.com. Não precisa decorar. integrado aos sistemas corporativos da empresa no País. a autorização para empresa estrangeira operar no regime. partes componentes para serem incorporadas aos equipamentos terrestres. equipamentos de segurança. extintos ou com exigibilidade suspensa. documentos das empresas de transporte aéreo (bilhetes de passagem. suprimentos e peças de reposição das aeronaves. ser importados sem cobertura cambial. § 2o do R/A. Ricardo Vale www. analisando-se o art. Tais materiais deverão. os equipamentos de carregamento. Ricardo Vale – Aula 05 de mercadorias. sem que haja transferência de divisas ao exterior. 6. Ainda com relação à habilitação ao regime de depósito afiançado. equipamentos de reparo. 488.Aplicação do Regime: Somente podem ser admitidos no regime aduaneiro especial de depósito afiançado (DAF) materiais destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave que pertença à empresa que opere no transporte comercial internacional. é condicionada a previsão em ato internacional firmado pelo Brasil. formulários de conhecimento aéreo. com livre e permanente acesso da SRFB.estrategiaconcursos. equipamentos para passageiros. que dispõe sobre a aplicação do regime de depósito afiançado a empresas que operam o transporte aéreo internacional. Na IN SRF nº 409/2004. mas é bom ter uma noção da abrangência do regime. material publicitário a ser distribuído gratuitamente e material impresso com o símbolo da empresa aérea) o material de instrução e auxílio para treinamento do pessoal de terra e de vôo. manutenção e serviço. são eles: i) ii) iii) iv) v) vi) vii) viii) equipamentos.3. isto é. pode-se verificar que os depósitos afiançados de Prof. estão definidos os bens que se enquadram dentro do conceito de “materiais”. Um detalhe importante: o regime de depósito afiançado também poderá ser utilizado para provisões de bordo. Em linhas gerais. Todavia.Legislação Aduaneira p/ RFB . de registro e apuração de créditos tributários devidos.2013 Teoria e Questões Prof.br 36 de 121 .

da permanência e da saída de mercadorias será efetuado mediante processo informatizado. em ambos os regimes. Ricardo Vale – Aula 05 empresas de transporte rodoviário não poderão ser utilizados para provisões de bordo.br 37 de 121 . O prazo de permanência da mercadoria.Legislação Aduaneira p/ RFB . (Questão Inédita) A autorização para empresa estrangeira operar no regime de depósito afiançado é condicionada a previsão em ato internacional firmado pelo Brasil. Comentários: Para que uma empresa estrangeira possa operar o regime de depósito afiançado. A partir do desembaraço aduaneiro para admissão no regime. Questão correta.2013 Teoria e Questões Prof. O prazo de permanência dos materiais no regime será de até 5 (cinco) anos. avaria ou acréscimo de mercadorias admitidas no DAF. (Questão Inédita) O depósito afiançado somente poderá ser concedido a empresas estrangeiras que operem o transporte aéreo e marítimo Prof. afiançado 27. contados da data do desembaraço aduaneiro para admissão. Destaque-se que todo o controle aduaneiro da entrada. Questão errada. 28. é de até 5 anos. inclusive em relação a extravio. é necessário que exista um acordo internacional ou uma promessa de reciprocidade. contados do desembaraço para admissão. Comentários: Serão admitidas em depósito especial e depósito mercadorias importadas sem cobertura cambial.com. acréscimos e penalidades cabíveis. ou a que seja comprovada a existência de reciprocidade de tratamento. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 26.estrategiaconcursos. Ricardo Vale www. deverá ser registrada pelo interessado uma Declaração de Importação (DI) para admissão. o beneficiário responde pelos tributos. Para que um bem seja admitido em depósito afiançado. (Questão Inédita) Poderão ser admitidas em depósito especial e depósito afiançado mercadorias importadas com cobertura cambial.

o regime de depósito alfandegado certificado é o que permite considerar exportada. Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof.Legislação Aduaneira p/ RFB . elas poderão ser exportadas pela empresa alemã diretamente do DAC para os EUA. Para efeitos fiscais.br 38 de 121 . É o que é conhecido por exportação ficta. a mercadoria é considerada exportada sem que tenha saído do território nacional. Ao invés das mercadorias irem para a Alemanha e depois serem exportadas para os EUA. no Brasil. 7. permitindo-lhes maiores facilidades logísticas. Esse regime aduaneiro especial foi criado com a finalidade de incentivar as exportações. mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente.estrategiaconcursos. A exportação é contratada com cláusula de entrega da mercadoria em recinto autorizado. que. meu amigo. Perceba. Questão correta. São processados simultaneamente os despachos de exportação mercadoria e o de sua admissão no regime. 29. quando se usa o regime de depósito alfandegado certificado (DAC). a data da de da de Prof. removida do estabelecimento exportador para o recinto habilitado. (Questão Inédita) O controle aduaneiro da entrada. por sua vez. vendida a pessoa sediada no exterior. creditícios e cambiais. a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado. Comentários: Um dos requisitos para que a RFB conceda a habilitação para operar o regime de depósito afiançado é que a empresa disponha de sistema informatizado de controle aduaneiro da entrada. para depósito por conta e ordem do comprador.Depósito Alfandegado Certificado (DAC): Segundo o art. por exemplo. Questão errada. que. Suponha. da permanência e da saída de mercadorias no depósito afiançado será efetuado mediante processo informatizado. da permanência e da saída de mercadorias. creditícios e cambiais. que uma empresa brasileira venda mercadorias a uma empresa alemã. 493 do R/A. Ricardo Vale – Aula 05 Comentários: O depósito afiançado também pode ser concedido a empresas de transporte rodoviário. A emissão do Conhecimento Depósito Alfandegado (CDA) pelo depositário marca a admissão mercadoria no regime. A mercadoria é. então. irá revendê-las a uma empresa americana. para todos os efeitos fiscais.com.

O regime de depósito alfandegado certificado (DAC) será operado.com. em recinto alfandegado de uso público. Ricardo Vale – Aula 05 emissão do conhecimento de depósito equivale à data de embarque ou de transposição de fronteira da mercadoria. também. Ricardo Vale www. Comentários: Essa é a definição do regime aduaneiro especial de depósito alfandegado certificado (DAC). Logo após à admissão. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 30. inclusive para as atividades de pesquisa e exploração de petróleo e seus derivados (REPETRO). ou e) RECOF.a transferência para um dos seguintes regimes aduaneiros: a) drawback.2013 Teoria e Questões Prof. A extinção da aplicação do regime poderá ocorrer nas hipóteses elencadas no art.br 39 de 121 . a mercadoria é removida para área especial no recinto alfandegado. vendida a pessoa sediada no exterior. ou da transposição da fronteira.a comprovação do efetivo embarque.estrategiaconcursos.o despacho para consumo. Questão correta. O prazo de permanência da mercadoria no regime será aquele estabelecido no CDA.Legislação Aduaneira p/ RFB . a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado. mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente. Esse regime permite que a mercadoria nele admitida seja considerada exportada para todos os efeitos fiscais. atendidas as condições estabelecidas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. (Questão Inédita) O regime de depósito alfandegado certificado é o que permite considerar exportada. creditícios e cambiais. Prof. ou III . 497 do R/A: Art. A extinção da aplicação do regime será feita mediante: I . creditícios e cambiais. não podendo superar a um ano. para todos os efeitos fiscais. b) admissão temporária. d) entreposto aduaneiro. ser operado em instalação portuária de uso privativo misto. c) loja franca. Poderá. da mercadoria destinada ao exterior. mediante autorização da RFB. 497. II .

um depósito franco entre Brasil e Uruguai em um porto brasileiro. em recinto alfandegado. Questão errada. Uruguai. limítrofes ou não ao Brasil! Pode ser estabelecido.com.Legislação Aduaneira p/ RFB . 8. Alemanha. São países que fazem fronteira com o Brasil! E quem são os terceiros países? São Inglaterra. por exemplo.estrategiaconcursos. (Questão Inédita) O prazo de permanência da mercadoria no regime de depósito alfandegado certificado não poderá ser superior a um ano. Questão correta. no máximo 1 ano (12 meses) contados da data da emissão do CDA.br 40 de 121 . contado da emissão do conhecimento de depósito alfandegado. 499 do R/A. EUA..Depósito Franco: Nos termos do art.. (Questão Inédita) O regime de depósito alfandegado certificado somente será operado em recinto alfandegado de uso público. Comentários: De fato. não é mesmo? Acho que ela ficaria mais bem escrita da seguinte forma: “O regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite. Redação complicada essa do art. Paraguai. a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial que países limítrofes ao Brasil possuam com terceiros países. o regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite.. 499 do R/A. em recinto alfandegado. Comentários: O depósito alfandegado certificado também poderá ser operado em instalação portuária de uso privativo misto. Ricardo Vale – Aula 05 31. 32. As mercadorias importadas pelo Uruguai ficam armazenadas nesse depósito franco com os tributos suspensos . por exemplo..” Vou mandar essa sugestão lá pra Receita Federal!  Quem são os países limítrofes? São. São quaisquer outros países.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale www. a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. Argentina. sendo posteriormente a elas concedido o regime de trânsito aduaneiro na modalidade Prof. o prazo de permanência da mercadoria no DAC é de.

É necessário. (Questão Inédita) O regime de depósito franco somente será concedido quando autorizado por acordo internacional ou quando existente promessa de reciprocidade. De acordo com a IN SRF nº 38/2001. estarão obrigatoriamente sujeitas à verificação aduaneira as mercadorias cuja permanência em Depósito Franco ultrapasse o prazo de noventa dias de sua entrada naquele recinto e ainda os volumes em relação aos quais houver fundada suspeita de falsa declaração de conteúdo.2013 Teoria e Questões Prof. 34. Questão errada. no caso de depósito franco. para a promessa de reciprocidade. Ricardo Vale www. Comentários: Essa foi uma questão chata! O depósito franco tem como objetivo atender ao fluxo comercial que países limítrofes ao Brasil tenham com terceiros países. Ricardo Vale – Aula 05 de passagem (trânsito internacional) em seu deslocamento até o país importador.Legislação Aduaneira p/ RFB . O regime de depósito franco será concedido somente quando autorizado em acordo ou convênio internacional firmado pelo Brasil. Da mesma forma. Comentários: Não existe a previsão. (Questão Inédita) O depósito franco tem como objetivo atender ao fluxo comercial do Brasil com terceiros países. o depósito franco situado no porto brasileiro poderá servir como facilitador logístico para as exportações uruguaias.br 41 de 121 . para sua instalação.estrategiaconcursos. Prof.com. tudo isso com o objetivo de atender ao fluxo comercial que este país (Uruguai) tenha com terceiros. Questão errada. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 33. a autorização efetuada por meio de acordo internacional.

O REPETRO é um regime aduaneiro especial que somente poderá ser utilizado por pessoa jurídica habilitada pela Receita Federal. nos termos da Lei nº 12. As referidas leis estabeleceram que às atividades por ela reguladas seriam aplicados os regimes aduaneiros especiais e os incentivos fiscais aplicáveis à indústria do petróleo no Brasil.2013 Teoria e Questões Prof. Além disso. A redação antiga do Regulamento Aduaneiro. iii) pessoas jurídicas contratadas sob o regime de partilha de produção. Assim. previstas na Lei nº 9.276/2010 e a Lei nº 12.estrategiaconcursos.Regime Aduaneiro Especial de Exportação e de Importação de Bens Destinados às Atividades de Pesquisa e de Lavra de Jazidas de Petróleo e de Gás Natural (REPETRO): O REPETRO é um regime aduaneiro especial criado com o objetivo de incentivar a produção nacional de bens destinados às atividades de pesquisa e lavra de jazidas de petróleo e de gás natural.br 42 de 121 . dentre outros pontos.351/2010. foram editadas a Lei nº 12.com. o REPETRO também se aplica às atividades de pesquisa e lavra de que trata a Lei nº 12. ao tratar do REPETRO. ii) as pessoas jurídicas contratadas. avaliação.478/97. nos termos da Lei nº 12. foram descobertas pela PETROBRÁS reservas de petróleo e gás natural na camada pré-sal. recentemente. Somente poderão ser habilitadas ao REPETRO: i) as pessoas jurídicas detentoras de concessão ou autorização para exercer as atividades de pesquisa e lavra de jazidas de petróleo e de gás natural. fazia menção unicamente à sua aplicação às atividades previstas na Lei nº 9.276/2010.Legislação Aduaneira p/ RFB . o REPETRO passou a também aplicar-se às atividades reguladas por essas leis (atividades desenvolvidas para a exploração do pré-sal). Com isso. pelas pessoas jurídicas acima mencionadas.276/2010 e às atividades de exploração. em afretamento por tempo ou para a prestação de serviços Prof. o que demandou um novo marco normativo para a regulação da indústria do petróleo.478/97.351/2010. Ricardo Vale – Aula 05 9. Ricardo Vale www. ii) as pessoas jurídicas detentoras de cessão. desenvolvimento e produção de que trata a Lei nº 12. No entanto. criaram o regime de partilha de produção.351/2010 que.

conforme o caso. Prof. cessão. é o que permite. produtos semi-elaborados ou acabados e partes ou peças. 458. conforme o caso. sem que tenha ocorrido sua saída do território aduaneiro e posterior aplicação do regime de admissão temporária.estrategiaconcursos. o drawback envolve um compromisso de exportação. O objetivo é utilizar esses insumos no processo produtivo de bens destinados às atividades relacionadas à indústria do petróleo. a aplicação dos seguintes tratamentos aduaneiros: I .2013 Teoria e Questões Prof.com.exportação. da concessão ou A habilitação será outorgada pelo prazo de duração do contrato de concessão. na modalidade de suspensão. partilha de produção ou relacionado à prestação de serviços. e III . produtos semi-elaborados ou acabados e de partes ou peças. utilizados na fabricação dos bens referidos nos §§ 1o e 2o. Ricardo Vale – Aula 05 destinados à execução das atividades objeto autorização. 458 do Regulamento Aduaneiro! Art. uma empresa habilitada pela RFB realiza a importação. sob o regime de drawback. de partes e peças de reposição destinadas aos bens referidos nos §§ 1o e 2o. vendido a pessoa sediada no exterior. de matérias-primas. já admitidos no regime aduaneiro especial de admissão temporária. Ricardo Vale www. é dizer.478. bem como as suas subcontratadas. não é mesmo? Esse compromisso de exportação será honrado mediante a realização de uma exportação ficta. autorização. prorrogável na mesma medida do contrato.importação. no caso de bens a que se referem os §§ 1o e 2o. O regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural .REPETRO. II . de fabricação nacional. sem que tenha ocorrido sua saída do território aduaneiro. sob o regime de drawback suspensão. Mas como funciona o REPETRO? Para entender seu funcionamento. de matérias-primas. é importante lermos o art.Legislação Aduaneira p/ RFB . e posterior comprovação do adimplemento das obrigações decorrentes da aplicação desse regime mediante a exportação referida nos incisos I ou II. uma exportação sem que tenha ocorrido a saída da mercadoria do território aduaneiro. Como você está lembrado. previstas na Lei no 9.exportação.br 43 de 121 . Ao amparo do REPETRO. de 6 de agosto de 1997. E aí? Conseguiu entender? Acho que não! Confesso que eu também não entendi da primeira vez que li!  Precisamos de um exemplo para entender o funcionamento do REPETRO.

para todos os fins. Destaque-se que a RFB especificará os produtos que podem ser admitidos no REPEX. O REPEX somente será concedido a empresa previamente habilitada pela Receita Federal do Brasil e que possua autorização da ANP (Agência Nacional do Petróleo. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade e mediante cláusula de entrega. Nesse caso. com suspensão do pagamento dos impostos federais.Legislação Aduaneira p/ RFB . a aquisição deverá ser feita por pessoa sediada no exterior. houve recolhimento tributário e. o regime aduaneiro especial de importação de petróleo bruto e seus derivados (REPEX) é o que permite a importação desses produtos. está previsto que o pagamento será em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade. no território aduaneiro.010/2013. O REPETRO aplica-se a bens constantes em relação elaborada pela Receita Federal do Brasil. Gás Natural e Biocombustíveis) para exercer as atividades de importação e de exportação dos produtos a serem admitidos no regime. para posterior exportação. ainda por cima.010/2013. sob controle aduaneiro.br 44 de 121 . Em seguida à exportação ficta. o Regulamento Aduaneiro previa que o pagamento da exportação ficta deveria ser feito em moeda estrangeira de livre conversibilidade. que é o órgão responsável por sua administração. às ferramentas e aos aparelhos e a outras partes e peças destinados a garantir a operacionalidade dos bens constantes da relação elaborada pela RFB. Ricardo Vale – Aula 05 Destaque-se que. em momento algum. Antes da publicação do Decreto nº 8. 10. no mesmo estado em que foram importados. incentivou-se a produção dos bens no País.2013 Teoria e Questões Prof.Regime Aduaneiro Especial de Importação de Petróleo Bruto e seus Derivados (REPEX): Segundo o art. A partir do Decreto nº 8. é aplicado à mercadoria o regime aduaneiro especial de admissão temporária. embora a mercadoria não saia do território aduaneiro. Perceba que. O regime também poderá ser aplicado às máquinas e aos equipamentos sobressalentes.estrategiaconcursos. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINSImportação. 463 do R/A. ela será considerada. como exportada. Prof.com. Ricardo Vale www.

2013 Teoria e Questões Prof. em igual quantidade e idêntica classificação fiscal.Legislação Aduaneira p/ RFB . na importação de máquinas. desde que realize posteriormente uma exportação equivalente. com termo inicial a data do desembaraço aduaneiro de admissão de mercadorias. do IPI. a empresa exporta petróleo bruto ou derivados. a suspensão do pagamento do I. em troca. deverão ser adotadas as seguintes medidas com vistas a extingui-lo: i) exportação do produto importado ou. Segundo o art. que deverão se habilitar junto à Receita Federal: Prof. quando importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados ao seu ativo imobilizado para utilização exclusiva em portos na execução de serviços de carga. uma empresa poderá importar petróleo bruto e seus derivados com suspensão de tributos. A exportação dos produtos admitidos no regime será efetuada em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade. prorrogável uma única vez. uma vez que permite que uma empresa habilitada realize uma importação desonerada de tributos e. Dentro do prazo de vigência do regime. do R/A. peças de reposição e outros bens. o REPORTO é o regime tributário que permite. proceda à venda no mercado interno. O prazo de vigência do REPEX é de 90 dias. 471.I. e na execução de treinamento e formação de trabalhadores em Centros de Treinamento Profissional.REPORTO: Um dos fatores essenciais para o sucesso de um país no comércio internacional diz respeito à infraestrutura logística. assim como os acréscimos legais e penalidades cabíveis. os tributos suspensos serão exigíveis.com.estrategiaconcursos. Ricardo Vale www. Mas quem pode ser beneficiário do REPORTO? O art.br 45 de 121 . em substituição ao importado. movimentação de mercadorias e dragagem. No entanto. 11. Na hipótese de descumprimento do prazo de vigência do regime. em seguida. Pensando nisso é que o governo instituiu o REPORTO (Regime Tributário para Incentivo à modernização e à ampliação da Estrutura Portuária). 472 do R/A dispõe sobre os beneficiários do regime. descarga. equipamentos. Ricardo Vale – Aula 05 Por meio do REPEX. no mesmo estado em que foram importados. ii) exportação de produto nacional. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação. O objetivo do REPEX é garantir o fluxo de estoques de petróleo bruto e derivados. Destaque-se que o controle aduaneiro de entrada e saída do País de produto admitido no regime será efetuado mediante processo informatizado.

de propriedade dos bens importados ao amparo do REPORTO. definidas na Lei no 11. a qualquer título. I e ao IPI fica condicionada à comprovação. A aplicação dos benefícios fiscais relativos ao I. II . contados da data da ocorrência do respectivo fato gerador.com.I.Legislação Aduaneira p/ RFB .2013 Teoria e Questões Prof. A suspensão do II e do IPI se converterá em isenção após o decurso do prazo de 5 (cinco) anos contados da data da ocorrência do fato gerador. 475. 32 da Lei no 8. PIS/PASEP-Importação e COFINSImportação). Recordese que a apuração de inexistência de similar nacional compete à Secretaria de Comércio Exterior (SECEX). acrescidos de juros e de multa de mora. dentro do prazo de cinco anos.os concessionários de transporte ferroviário. É o que nos informa o art. Ricardo Vale – Aula 05 Art. A transferência a que se refere o caput para outro beneficiário do REPORTO será efetivada com dispensa da cobrança dos tributos com pagamento suspenso desde que o adquirente: Prof. da quitação de tributos e contribuições federais e à formalização de termo de responsabilidade em relação ao crédito tributário com pagamento suspenso. a suspensão do PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação se converterá em alíquota zero uma vez decorridos 5 (cinco) anos do fato gerador.as empresas de dragagem. 472. acrescido de juros e de multa de mora. Ricardo Vale www. A transferência. É importante destacar que a suspensão do imposto de importação somente irá beneficiar bens sem similar nacional. de 1993. conceituados no art. IPI.estrategiaconcursos. pelo beneficiário. de 12 de dezembro de 2007. mas depende de autorização da Receita Federal do Brasil e do recolhimento dos tributos com pagamento suspenso. o arrendatário de instalação portuária de uso público e a empresa autorizada a explorar instalação portuária de uso privativo misto.610. os permissionários ou concessionários de recintos alfandegados de zona secundária e os Centros de Treinamento Profissional.br 46 de 121 .o operador portuário. ele faz jus à suspensão dos tributos federais (I. São beneficiários do regime: I . Agora me responda: o que acontece se a pessoa jurídica que fez a importação de bens ao amparo do REPORTO quiser revendê-los a outrem? Ela poderá fazer isso? A transferência pode ser feita. do R/A: Art. e III . Parágrafo único. 475. deverá ser precedida de autorização da Secretaria da Receita Federal do Brasil e do recolhimento dos tributos com pagamento suspenso. Quando um bem é importado ao amparo do REPORTO.630. Por sua vez. o concessionário de porto organizado.

12. não é necessária autorização da RFB. será necessário que o adquirente formalize novo termo de Responsabilidade e assuma.br 47 de 121 . carroçarias. componentes e acessórios com suspensão do pagamento Prof.RECOM: O RECOM tem um nome difícil e bem grande!  É denominado “Regime Aduaneiro Especial de Importação de Insumos destinados à industrialização por encomenda de produtos classificados nas posições 8701 a 8705 da NCM”. Com efeito.estrategiaconcursos. Parágrafo único. com suspensão do pagamento do imposto sobre produtos industrializados. tampouco o recolhimento dos tributos suspensos. peças.formalize novo termo de responsabilidade em relação ao crédito tributário com pagamento suspenso. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINSImportação. 427. Vejamos o que nos informa o art. Se a transferência da propriedade dos bens importados com os benefícios do REPORTO ocorrer após 5 anos da admissão no regime.2013 Teoria e Questões Prof.assuma perante a Secretaria da Receita Federal do Brasil a responsabilidade. a responsabilidade pelos tributos e contribuições suspensos desde o momento da ocorrência do fato gerador. Para isso. Ricardo Vale – Aula 05 I . sem cobertura cambial.com. Dentro dos 5 (cinco) anos. a suspensão converterse-á em isenção. componentes e acessórios. serão importados chassis. O regime aduaneiro especial de importação de insumos destinados a industrialização por encomenda de produtos classificados nas posições 8701 a 8705 da Nomenclatura Comum do Mercosul RECOM é o que permite a importação. passados os 5 (cinco) anos. pelos tributos e contribuições com pagamento suspenso. O regime será aplicado exclusivamente a importações realizadas por conta e ordem de pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior. e II . partes. Vamos entender esse dispositivo por partes: 1) Ao amparo do RECOM. é possível que seja feita a transferência dos bens a terceiros sem que seja necessário o recolhimento dos tributos suspensos. 427 do R/A sobre o RECOM: Art. desde o momento de ocorrência dos respectivos fatos geradores. todavia. carroçarias. peças. de chassis. perante a RFB.Legislação Aduaneira p/ RFB . partes. Ricardo Vale www.

no mercado neles empregados. 429 do R/A. 4) O RECOM somente se aplica a importações realizadas por conta e ordem de pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior. A concessão do regime aduaneiro especial do RECOM depende de habilitação prévia perante a Receita Federal do Brasil.br 48 de 121 . 3) Os bens importados ao amparo do RECOM destinam-se à industrialização por encomenda dos produtos classificados nas posições 8701 a 8705 da NCM. pela pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior. resolve-se a suspensão do da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da incidentes na importação e na aquisição. vale a pena destacar que a IN SRF nº 017/2000 estabelece que o imposto de importação incidente sobre os insumos e recolhido quando do desembaraço aduaneiro poderá ser objeto de restituição. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 3 A título de complementação da literalidade do Regulamento Aduaneiro. os produtos resultantes da industrialização por encomenda poderão ter duas destinações possíveis: i) quando pagamento do IPI. direta ou indiretamente. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação. por conta e ordem desta. Nos termos do art.estrategiaconcursos. Ricardo Vale – Aula 05 do IPI e das Importação. Ricardo Vale www. 428 do R/A. 3 ii) quando destinados ao mercado interno. contribuições para o PIS/PASEP-Importação e COFINS- 2) Os bens importados ao amparo do RECOM entram no país sem cobertura cambial. serão remetidos obrigatoriamente a empresa comercial atacadista. Os produtos a que se faz referência são veículos automóveis (de diversos tipos) e tratores. Alguém aí deve estar se perguntando o que acontece com o imposto de importação! Segundo o art. dos insumos destinados ao exterior. o imposto de importação incidirá somente sobre os insumos importados empregados na industrialização dos veículos classificados nas posições 8701 a 8705.com.2013 Teoria e Questões Prof. não há uma contrapartida em divisas. Prof. com suspensão do pagamento do IPI. controlada.Legislação Aduaneira p/ RFB . COFINS-Importação interno. Em outras palavras.

ao amparo do drawback suspensão. na importação de máquinas. utilizados na fabricação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural. Primeiro. Ricardo Vale www. Comentários: Os bens importados ao amparo do REPORTO devem destinados ao ativo imobilizado do beneficiário do regime. 37. O compromisso de exportação do drawback é cumprido mediante exportação ficta (exportação sem saída do território aduaneiro). Questão correta. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação. 38. a suspensão do pagamento dos tributos federais. na modalidade suspensão. no mesmo estado em que foram importados. com suspensão do pagamento dos impostos federais. de matérias-primas. peças de reposição e outros bens.Legislação Aduaneira p/ RFB .com. 36. sob o regime de drawback. (Questão Inédita) O regime aduaneiro especial de importação de petróleo bruto e seus derivados . Questão correta. Comentários: Essa é a definição do REPEX: permite a importação de petróleo bruto e seus derivados com suspensão tributária. Trata-se de regime aduaneiro especial destinado a estimular a produção nacional de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural. Questão errada. produtos semielaborados ou acabados e de partes ou peças. equipamentos. (Questão Inédita) O RECOM será aplicado exclusivamente a importações realizadas por conta e ordem de pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior Comentários: Prof. desde que importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados à revenda. para posterior exportação.REPEX é o que permite a importação desses produtos. (Questão Inédita) O REPETRO permite a importação.2013 Teoria e Questões Prof. de matérias-primas e outros insumos utilizados na fabricação desses bens. para posterior exportação. mas que ilustra bem o REPETRO. Comentários: Enunciado gigante. (Questão Inédita) O REPORTO é o regime aduaneiro especial que permite. e posterior comprovação do adimplemento das obrigações decorrentes da aplicação desse regime mediante exportação sem saída do território aduaneiro.br 49 de 121 .estrategiaconcursos. é realizada a importação. Ricardo Vale – Aula 05 35.

o governo federal percebeu que seria necessário promover a integração da região amazônica ao território nacional. a partir da promulgação da Constituição. Parágrafo único. Ricardo Vale – Aula 05 De fato. É mantida a Zona Franca de Manaus. 40. este já estaria chegando ao fim.com.1.br 50 de 121 . pelo prazo de vinte e cinco anos. E dizem por aí que o fim do mundo será em 2012! Talvez o legislador constituinte quisesse garantir que a ZFM estivesse em vigor até o fim dos tempos!  Mas como o pessoal não acredita muito em superstição. em virtude de desvantagens locacionais (grande distância dos principais centros econômicos do país). Portanto. nos seguintes termos: Art. com suas características de área livre de comércio. no art. a EC nº 42/2003 estendeu esse prazo por mais 10 anos. comercial e agropecuário.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale www. o que temos hoje Prof. Somente por lei federal podem ser modificados os critérios que disciplinaram ou venham a disciplinar a aprovação dos projetos na Zona Franca de Manaus Ora. estimulando seu crescimento econômico. Com efeito. 40 dos ADCT (Atos das Disposições Constitucionais Transitórias).1. quando foi editado o Decreto-Lei nº 288/67. 13.Generalidades: A Zona Franca de Manaus é um regime aduaneiro aplicado em áreas especiais.Regimes Aduaneiros Aplicados em Áreas Especiais: 13. que estabeleceu incentivos fiscais com vistas a implantar na Amazônia um pólo industrial. criado com o objetivo de incentivar o desenvolvimento regional de uma área específica do País. Questão correta. aquela região possuía tendência a ficar economicamente estagnada. sendo 2013 a data limite.Legislação Aduaneira p/ RFB .Zona Franca de Manaus: 13. o RECOM somente será aplicado a importações realizadas por conta e ordem de pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior. de exportação e importação. Sua criação remonta ao ano de 1967. considerando que a CF/88 estabeleceu um prazo de 25 anos para a concessão de benefícios fiscais à ZFM.1.estrategiaconcursos. e de incentivos fiscais. À época. Um detalhe importante é que até mesmo a Constituição Federal de 1988 faz menção à Zona Franca de Manaus.

agropecuária. As mercadorias estrangeiras que ingressem na ZFM com benefício fiscal poderão ser.Legislação Aduaneira p/ RFB . Ricardo Vale www. em face dos fatores locais e da grande distância a que se encontram os centros consumidores de seus produtos.1. Segundo o art. Manaus? Mas quais são os benefícios fiscais aplicáveis à Zona Franca de São vários os benefícios fiscais concedidos à ZFM! Vamos por partes! 13. alguns produtos não fazem jus aos benefícios fiscais na importação. por outro lado. com a manutenção da isenção dos tributos incidentes na importação. será isenta dos impostos de importação (II) e sobre produtos industrializados (IPI). comercial e agropecuário. A Zona Franca de Manaus é uma área de livre comércio de importação e de exportação e de incentivos fiscais especiais. e preparados e preparações cosméticas. pesca. 505 do R/A. dotado de condições econômicas que permitam seu desenvolvimento. iii) bebidas alcoólicas. Os bens que ingressam na ZFM ao amparo de isenção tributária sofrerão despacho para admissão.Benefícios fiscais na importação: A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus. iv) automóveis de passageiros e.estrategiaconcursos. instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza.2013 Teoria e Questões Prof. salvo os classificados nas posições 3303 a 3307 da Nomenclatura Comum do Mercosul. bem como a estocagem para reexportação. estabelecida com a finalidade de criar no interior da Amazônia um centro industrial. a consumo interno na Zona Franca de Manaus ou quando produzidos com utilização de matérias-primas da fauna e da flora regionais. Destaque-se. que os produtos nacionais exportados para o exterior e. destinadas a seu consumo interno. destinadas à exportação.2. Vejamos o que diz o Regulamento Aduaneiro fala sobre a Zona Franca de Manaus: Art. posteriormente. 504. em conformidade com processo produtivo básico. Prof.com. Trata-se de uma área de livre comércio de importação. ii) fumo. industrialização em qualquer grau. Ricardo Vale – Aula 05 em vigor é que os benefícios da Zona Franca de Manaus serão válidos até 2023. exclusivamente. v) produtos de perfumaria ou de toucador. Os bens que ingressam na ZFM sem o amparo de isenção tributária sofrerão despacho para consumo.br 51 de 121 . se destinados. inclusive beneficiamento. São eles: i) armas e munições.

para efeitos fiscais.5.Legislação Aduaneira p/ RFB . 509. Excetuam-se do disposto no caput. as seguintes hipóteses.3. As mercadorias estrangeiras importadas para a Zona Franca de Manaus.2013 Teoria e Questões Prof. uma vez que a maior parte das exportações brasileiras é desonerada do imposto de exportação. Mas o que significa isso? Significa.1. importados pela ZFM.1.4. 511. relativamente ao pagamento dos impostos.Benefícios Fiscais nas vendas para a ZFM: A remessa de mercadorias de origem nacional para a Zona Franca de Manaus será equiparada. não gozarão dos benefícios fiscais aplicáveis à importação.Benefícios Fiscais na Internação: A saída de mercadorias estrangeiras da ZFM para o restante do território nacional. Ricardo Vale – Aula 05 posteriormente. as exportações de mercadorias da ZFM para o exterior são isentas do imposto de exportação. 13. a uma exportação brasileira. cabe ressaltar aqui a diferença entre isenção do imposto de exportação (aplicável às exportações da ZFM para o exterior) e alíquota zero (aplicável à maior parte da pauta exportadora brasileira). Ricardo Vale www. 13.br 52 de 121 . 13.Benefícios Fiscais na Exportação: Por tratar-se de área de livre comércio de exportação. Na prática. chamada de internação. implica no recolhimento dos tributos exigíveis na importação. que dispõe o seguinte: Art. quando desta saírem para outros pontos do território aduaneiro.com. ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior Parágrafo único. meus amigos.1. Entretanto. percebe-se que este benefício não tem grande efetividade. COFINS e IPI) e do ICMS. O recolhimento tributário não ocorrerá tendo em vista a imunidade tributária na exportação garantida pela Constituição Federal de 1988. 509. Esse é o entendimento que se tem a partir da leitura do art. 512 e 516: Prof. que a venda de mercadorias nacionais para a ZFM não gera recolhimento dos tributos federais (PIS/PASEP.estrategiaconcursos. observado o disposto nos arts.

00. implementos e insumos utilizados na agricultura.saída.Legislação Aduaneira p/ RFB . Ainda sobre benefícios fiscais na internação aplicáveis à bagagem. iii) para as mercadorias destinadas para as Áreas de Livre Comércio e algumas destinadas à Amazônia Ocidental.000. No que diz respeito ao IPI. Ricardo Vale – Aula 05 I .saída de mercadorias para as áreas de livre comércio localizadas na Amazônia Ocidental. na pecuária e nas atividades afins.estrategiaconcursos. para a Amazônia Ocidental. A condição para que se possa auferir tais benefícios fiscais na internação é o cumprimento do Processo Produtivo Básico (PPB). 516. máquinas. Se o valor total dessas mercadorias exceder US$ 2000. que há um tratamento mais favorável na internação para: i) a bagagem de viajantes.00 será aplicado o imposto de importação a uma alíquota de 50% sobre o excesso. e IV . não haverá tributação. no estabelecimento fabril. haverá isenção sobre o valor total do produto industrializado na ZFM. deve observar alguns limites quantitativos – pode comprar até 3 unidades se o bem valer US$200. b) Produtos Industrializados com insumos estrangeiros: Os produtos industrializados com insumos estrangeiros que sejam destinados a qualquer outra parte do território nacional estarão sujeitos a recolhimento integral do I. motores e acessórios para instalação industrial. o limite quantitativo de 2 (duas) unidades para cada mercadoria. havendo. produtos alimentares.800. máquinas. Caso o valor das mercadorias apresentadas como bagagem exceder US$ 4.com.br 53 de 121 .00 será aplicada a pena de perdimento sobre o excesso. que. segundo a legislação aduaneira.internação de produtos industrializados na Zona Franca de Manaus com insumos estrangeiros. com destino à Amazônia Ocidental. III . no entanto. c) Mercadorias destinadas às Áreas de Livre Comércio e à Amazônia Ocidental: ao sair da ZFM. quando se trate de mercadorias industrializadas com insumos estrangeiros que estiverem saindo da ZFM com destino ao restante do território nacional. materiais de construção. percebe-se. de produtos compreendidos na pauta a que se refere o art. 509 do R/A. a) Bagagem de Viajantes: É possível que o viajante compre e traga com isenção mercadorias estrangeiras até um limite de US$ 2.00 ou uma única unidade de bem acima desse valor. Entretanto. e medicamentos). que caracteriza a efetiva industrialização de determinado produto. no entanto. quando uma mercadoria sair da ZFM com Prof. Da leitura do art. não haverá recolhimento tributário relativamente aos produtos compreendidos na pauta do art.I na internação somente em relação à parcela correspondente aos insumos estrangeiros. Ricardo Vale www. ii) os produtos industrializados com insumos estrangeiros e. II . 516 do R/A (motores marítimos de centro e de popa.2013 Teoria e Questões Prof. máquinas para construção rodoviária. Da mesma forma.bagagem de viajante. é o conjunto mínimo de operações.

regressando em seguida. do ADCT. pelo prazo de vinte e cinco anos. Comentários: Prof. também pode ocorrer de uma mercadoria proveniente da ZFM sair apenas temporariamente. 40 do ADCT. É preenchido então o documento conhecido como Declaração de Saída Temporária.estrategiaconcursos.br 54 de 121 . (ATRFB – 2012) O art. Ricardo Vale – Aula 05 destino a uma Área de Livre Comércio situada na Amazônia Ocidental. de 19 de dezembro de 2003. não haverá recolhimento tributário. dispõe que é mantida a Zona Franca de Manaus. 40. Comentários: A EC nº 42/2003 acrescentou 10 anos ao prazo fixado no art. com suas características de área livre de comércio. Questão errada. incluído pela Emenda Constitucional n. Assim como é possível que uma mercadoria proveniente da ZFM sofra internação (seja destinada a outra parte do território nacional). 40 do ADCT. 40. qualquer que seja sua origem. acrescentou quinze anos ao prazo fixado no art. Ricardo Vale www. manteve a Zona Franca de Manaus. de exportação e importação. pelo prazo de vinte e cinco anos. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 39. Podemos comparar essa saída da ZFM a título temporário a uma exportação temporária. 41. está isenta do Imposto de Exportação. 92 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. os benefícios fiscais da ZFM serão válidos até 2023. Questão correta. 40 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).2013 Teoria e Questões Prof. Portanto. a partir da promulgação da Constituição Federal. Quando uma mercadoria sai a título temporário da ZFM não está ocorrendo a sua internação. 42. com suas características de área de livre comércio. (ATRFB – 2012) A exportação de mercadorias da Zona Franca de Manaus para o exterior. de exportação e importação. a partir da promulgação da Constituição. e de incentivos fiscais.com. (ATRFB – 2012) O art. Comentários: O art. e de incentivos fiscais.Legislação Aduaneira p/ RFB .

posteriormente. A penalidade. instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza. Prof. A entrada de bens estrangeiros na ZFM será feita com isenção do I. do R/A. para efeitos fiscais. punido com a aplicação da pena de perdimento. a remessa de mercadoria nacional para consumo ou industrialização na ZFM equipara-se a uma exportação.Legislação Aduaneira p/ RFB . bem como a estocagem para reexportação. 45. industrialização em qualquer grau. agropecuária. (Questão Inédita) A remessa de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na Zona Franca de Manaus. Questão correta. 42. será isenta dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. 506.E.2013 Teoria e Questões Prof. Questão correta. (Exame Despachante Aduaneiro) A saída de mercadoria da ZFM. 44. equivalente a uma exportação brasileira para o exterior.com.estrategiaconcursos. não gozarão de isenção do imposto de importação e do imposto sobre produtos industrializados. Comentários: Exatamente o que prevê o art.I e do IPI. destinadas a seu consumo interno. Comentários: Segundo o art. (Questão Inédita) A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus. não autorizada pela fiscalização aduaneira. pesca.br 55 de 121 . 505. Comentários: A saída de mercadoria da ZFM sem autorização pela fiscalização aduaneira é uma hipótese de contrabando por equiparação. 43. inclusive beneficiamento. Questão correta. Ricardo Vale www. será. Ricardo Vale – Aula 05 A exportação de mercadorias da ZFM para o exterior recebe isenção do I. será a aplicação da pena de perdimento. será considerada contrabando. (Questão Inédita) Os produtos nacionais exportados para o exterior e. Comentários: Os produtos nacionais exportados para o exterior e. do R/A. Questão correta. importados pela Zona Franca de Manaus. importados pela ZFM não farão jus aos benefícios fiscais típicos desse regime aduaneiro aplicado em área especial. posteriormente. Questão correta. ou posterior exportação. nesse caso.

br 56 de 121 . do imposto sobre produtos industrializados (IPI).508/2007 autorizou o Poder Executivo a criar Zonas de Processamento de Exportações (ZPE’s) com a finalidade de reduzir desequilíbrios regionais. 535 do R/A relaciona os benefícios fiscais a que fazem jus as empresas instaladas em uma ZPE. COFINS e IPI). da contribuição para o PIS/PASEPImportação e do adicional ao frete para renovação da marinha mercante (AFRMM). São eles a suspensão do pagamento do imposto de importação (I.Zona de Processamento de Exportações (ZPE’s): A Lei nº 11. observados os requisitos estabelecidos para o processo produtivo básico. fortalecer o Balanço de Pagamentos e promover a difusão tecnológica e o desenvolvimento econômico do país. (Questão Inédita) Estão isentas do imposto sobre produtos industrializados todas as mercadorias produzidas na Zona Franca de Manaus que se destinem ao seu consumo interno ou à comercialização em qualquer ponto do território aduaneiro. sendo consideradas. para efeito de controle aduaneiro. Mas quais são os benefícios fiscais concedidos às empresas instaladas em uma Zona de Processamento de Exportações (ZPE)? O art. Comentários: As mercadorias industrializadas na ZFM (mercadorias que cumpram o PPB!) estão isentas do IPI ao serem destinadas ao consumo interno ou comercialização em qualquer ponto do território aduaneiro.com. da COFINS-Importação. Ricardo Vale www. As ZPE’s consistem em áreas de áreas de livre comércio de importação e de exportação. também haverá suspensão de tributos (PIS/PASEP. destinadas à instalação de empresas voltadas para a produção de bens a serem comercializados no exterior. como zonas primárias.Legislação Aduaneira p/ RFB .I). 13.2013 Teoria e Questões Prof. Questão correta. Cabe destacar que.2. nas aquisições no mercado interno. Ricardo Vale – Aula 05 46. Mas não pense você que o governo vai oferecer benefícios fiscais e não vai exigir nada em troca! Não é bem assim! Prof.estrategiaconcursos.

por ano-calendário.de todos os impostos e contribuições normalmente incidentes na operação e. Somente poderá instalar-se em zona de processamento de exportação a pessoa jurídica que assuma o compromisso de auferir e manter. observados os termos. com acréscimo de juros e multa de mora. É plenamente possível que as empresas localizadas em ZPE’s também efetuem vendas para o mercado interno. Do exame dos dispositivos supratranscritos. produtos intermediários e materiais de embalagem de procedência estrangeira neles empregados.do Imposto de Importação e do AFRMM relativos a matérias-primas.estrategiaconcursos. da contribuição para o PIS/PASEPImportação e do adicional ao frete para renovação da marinha mercante. Segundo o art. os produtos industrializados em ZPE’S. oitenta por cento de sua receita bruta total de venda de bens e serviços. Art.br 57 de 121 . é possível perceber que nem todas as mercadorias produzidas em ZPE’s devem ser exportadas. Também poderá haver um entreposto aduaneiro no interior de uma ZPE. somente pode se instalar em Zona de Processamento de Exportações – ZPE – a pessoa jurídica que assuma o compromisso de auferir e manter. § 4º.. . do R/A. da COFINS-Importação. por anocalendário. 535. receita bruta decorrente de exportação para o exterior de.com. do imposto sobre produtos industrializados. é permitida a aplicação de regimes aduaneiros suspensivos em zonas de processamento de exportação. quando vendidos para o mercado interno.2013 Teoria e Questões Prof. 536. 536. Vejamos o que diz o Regulamento Aduaneiro quanto a esta exigência: Art. Assim. é plenamente possível que uma mercadoria ingresse em ZPE ao amparo de uma admissão temporária.Legislação Aduaneira p/ RFB . Prof. receita bruta decorrente de exportações de bens e serviços de no mínimo 80% de sua receita bruta total. no mínimo. . Ricardo Vale – Aula 05 Como contrapartida da fruição de benefícios fiscais. estarão sujeitos ao pagamento de: . limites e condições do regime. As importações efetuadas por empresa autorizada a operar em zonas de processamento de exportação serão efetuadas com suspensão do pagamento do imposto de importação. Ricardo Vale www. na forma da lei. No entanto..

Comentários: As empresas instaladas em ZPE’s não precisam exportar a totalidade de seus produtos. caracterizadas como áreas de livre comércio com o exterior. 537. as empresas instaladas em Zonas de Processamento de Exportação (ZPE). Ricardo Vale www. (ATRFB – 2012) Não é permitida a aplicação de regimes aduaneiros suspensivos em Zonas de Processamento de Exportação. Ricardo Vale – Aula 05 O início do funcionamento de Zona de Processamento de Exportação dependerá do prévio alfandegamento da respectiva área.estrategiaconcursos. não podem vender produtos para o mercado interno. Parte dos seus produtos podem ser vendidos no mercado interno. (AFRFB – 2012) De acordo com a legislação em vigor. (Questão Inédita) O ato que autorizar a instalação de empresa em zona de processamento de exportação relacionará os produtos a serem fabricados de acordo com a sua classificação na Nomenclatura Comum do Mercosul e assegurará o tratamento relativo a zonas de processamento de exportação pelo prazo de até vinte anos. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 47. limites e condições do regime. A contrapartida para instalação de empresa em ZPE é que 80% da sua receita bruta total seja decorrente da exportação de bens e serviços. Questão errada. Questão correta.2013 Teoria e Questões Prof. Prof. § 4o. Comentários: De acordo com o art.br 58 de 121 . Comentários: É exatamente o que dispõe o art. observados os termos.Legislação Aduaneira p/ RFB .com. do R/A. O ato que autorizar a instalação de empresa em ZPE relacionará os produtos a serem fabricados de acordo com a sua classificação na NCM e assegurará o tratamento relativo a zonas de processamento de exportação pelo prazo de até vinte anos. Questão errada. 48. 49. do R/A. é permitida a aplicação de regimes aduaneiros suspensivos em zonas de processamento de exportação. 536.

Macapá e Santana (AP) e Brasiléia. em isenção. A entrada de produtos em Área de Livre Comércio é feita com suspensão do imposto de importação e do imposto sobre produtos industrializados.consumo e venda internos.instalação e operação de atividades de turismo e serviços de qualquer natureza.br 59 de 121 . com extensão para o município de Epitaciolândia. Prof. de pescado.beneficiamento. VIII . III . IX . que será convertida em isenção quando os produtos forem destinados a: I . II . Santana.estocagem para comercialização no mercado externo.3. Guajará-Mirim (RO). em seu território.Áreas de Livre Comércio: As áreas de livre comércio de importação e exportação são regimes aduaneiros aplicados em áreas especiais que funcionam em certos lugares da Região Norte do País.Legislação Aduaneira p/ RFB . Boa Vista e Bonfim (RR). restrito à área de Tabatinga. Brasiléia e Cruzeiro do Sul. A suspensão se converte. Comentários: O funcionamento de ZPE depende de prévio alfandegamento.agropecuária.beneficiamento de pecuária. Trata-se de regiões que funcionam sob regime fiscal especial. salvo em relação à área de Guajará-Mirim. IV . 13. (Questão Inédita) O início do funcionamento de zona de processamento de exportação dependerá do prévio alfandegamento da respectiva área. Ricardo Vale – Aula 05 50. Macapá. o que está condicionado à ocorrência de uma das situações previstas no art. V . 525. segundo a política de integração latino-americana. restrito às áreas de Boa Vista. recursos minerais e matérias-primas de origem agrícola ou florestal. restrito à área de Guajará-Mirim.estrategiaconcursos.piscicultura. 525 do R/A: Art. a posteriori. VI . Bonfim.com. VII . estabelecido como a finalidade de promover o desenvolvimento de áreas fronteiriças específicas e de incrementar as relações bilaterais com os países vizinhos.agricultura.estocagem para comercialização ou emprego em outros pontos do País. A entrada de produtos estrangeiros nas áreas de livre comércio será feita com suspensão do pagamento dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. Questão correta. e Cruzeiro do Sul (AC). Ricardo Vale www. As áreas de livre comércio são administradas pela SUFRAMA (Superintendência da Zona Franca de Manaus) e envolvem os perímetros urbanos dos seguintes municípios: Tabatinga (AM).2013 Teoria e Questões Prof.

Trata-se da internação.máquinas para construção rodoviária. Ricardo Vale – Aula 05 X . implementos e insumos utilizados na agricultura. 13.2013 Teoria e Questões Prof. que dá ensejo ao recolhimento integral dos tributos que haviam ficado com a exigibilidade suspensa. e Prof. VI . III . Brasiléia e Cruzeiro do Sul. do Acre.Legislação Aduaneira p/ RFB .atividades de construção e reparos navais. Destaque-se que as operações que transfiram mercadorias das ALC para a ZFM. de Rondônia e de Roraima. 516. de 1967.estrategiaconcursos. As vendas para essas duas ALC’s são equiparadas à exportação. II .máquinas. O art. motores e acessórios para instalação industrial. estas ficarão sujeitas ao tratamento fiscal e administrativo dado às importações do exterior. estendem-se às áreas pioneiras.máquinas. XI . para Amazônia Ocidental (observada uma pauta específica de produtos) e para outras ALC não darão ensejo ao recolhimento tributário integral.br 60 de 121 . Ricardo Vale www. restritas às áreas de Guajará-Mirim e Tabatinga. trata dos benefícios fiscais aplicáveis à Amazônia Ocidental: Art. seus acessórios e pertences. quanto aos seguintes produtos de origem estrangeira. Os benefícios fiscais concedidos pelo Decreto-Lei no 288. Se as mercadorias estrangeiras importadas para as áreas de livre comércio forem destinadas a outros pontos do território aduaneiro. Em regra. restritas às áreas de Tabatinga.materiais de construção. segundo pauta fixada pelos Ministros de Estado da Fazenda e do Desenvolvimento.4. observado o mesmo tratamento previsto na legislação aplicável à Zona Franca de Manaus.motores marítimos de centro e de popa. Tal regra não se aplica às vendas de mercadorias nacionais ou nacionalizadas para empresas situadas nas áreas de livre comércio de Boa Vista e Bonfim. do Regulamento Aduaneiro.internação como bagagem acompanhada.Amazônia Ocidental: A Amazônia Ocidental também pode ser considerada um regime aduaneiro aplicado em áreas especiais. zonas de fronteira e outras localidades da Amazônia Ocidental.produtos alimentares. sendo constituída pelos Estados do Amazonas. na pecuária e nas atividades afins. bem como outros utensílios empregados na atividade pesqueira. IV . e XII .industrialização de produtos em seus territórios. V . 516. exceto explosivos e produtos utilizados em sua fabricação.com. a venda de mercadorias nacionais ou nacionalizadas para as Áreas de Livre Comércio não é equiparada à exportação (ao contrário do que ocorre com as vendas para a ZFM). Indústria e Comércio Exterior: I .

Comentários: Segundo o art. que criou o regime tributário da Amazônia Ocidental.com.256. 53. do R/A.estrategiaconcursos. Questão correta. Questão correta. Essa não é a interpretação correta. § 1º. (ATRFB – 2012) As áreas de livre comércio serão administradas pela Superintendência da Zona Franca de Manaus. do Acre. Comentários: Segundo o art. de 28 de fevereiro de 1967. do Acre. 8. a Amazônia Ocidental é constituída pelos Estados do Amazonas. de Rondônia e de Roraima. Ricardo Vale www. fica equiparada à exportação. 52. A partir dessa interpretação conjunta. do R/A. 291. 516 precisa ser interpretado em conjunto com o Decreto-Lei nº 356/1968. O art.2013 Teoria e Questões Prof. (ATRFB – 2012) De acordo com o Decreto-Lei n. Ricardo Vale – Aula 05 VII . a Amazônia Ocidental é constituída pelos Estados do Amazonas.Legislação Aduaneira p/ RFB . de que trata a Lei n. temos a impressão de que as mercadorias relacionadas nos incisos I a VII. efetuada por empresas estabelecidas fora das Áreas de Livre Comércio de Boa Vista – ALCBV e de Bonfim – ALCB.br 61 de 121 . de 25 de novembro de 1991. de Rondônia e de Roraima. (ATRFB – 2012) A venda de mercadorias nacionais ou nacionalizadas. Comentários: Prof. a administração das ALC compete à SUFRAMA. é possível concluir que o benefício aplicável àquela região se limita ao fato de que não haverá recolhimento tributário quando algum dos produtos relacionados nos incisos I a VII sair da ZFM ou de alguma ALC em direção à Amazônia Ocidental. 516. para empresas ali estabelecidas. 530. À primeira vista. Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova! 51.medicamentos. recebem isenção tributária. ao ingressarem na Amazônia Ocidental.

Há três exceções: i) mercadorias que saem das ALC’s para a ZFM. Comentários: O ingresso de produtos estrangeiros nas Áreas de Livre Comércio será feito com suspensão tributária. Ao sair das ALC’s com direção ao restante do território nacional (internação). Comentários: As mercadorias estrangeiras importadas para as áreas de livre comércio ingressam no País com suspensão tributária. Ricardo Vale www.Legislação Aduaneira p/ RFB . ficarão sujeitas ao tratamento fiscal e administrativo aplicável às importações. O ingresso na Zona Franca de Manaus é que será feito com isenção tributária. 54.estrategiaconcursos. quando destas saírem para outros pontos do território aduaneiro. Questão errada. do R/A: a venda de mercadorias nacionais ou nacionalizadas para as ALC de Boa Vista e Bonfim é equiparada à exportação.2013 Teoria e Questões Prof. 516). 527. Prof. ii) mercadorias que saem de uma ALC para outra ALC. Ricardo Vale – Aula 05 É o que prevê o art. iii) mercadorias que saem das ALC’s para a Amazônia Ocidental (observada a pauta do art. (Questão Inédita) A entrada de produtos estrangeiros nas áreas de livre comércio será feita com isenção do pagamento dos impostos de importação e sobre produtos industrializados.com. ficam sujeitas ao tratamento fiscal e administrativo dado às importações do exterior. Questão correta. Questão correta.br 62 de 121 . 55. (Questão Inédita) As mercadorias estrangeiras importadas para as áreas de livre comércio.

com. (Petrobrás – 2007 . realizado em recinto privado e previamente alfandegado para esse fim. congresso. em local determinado. "o regime especial de entreposto aduaneiro na importação é o que permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público. (AFRF-2002.br 63 de 121 . 2. denomina-se: a) Trânsito aduaneiro. d) Drawback.2013 Teoria e Questões Prof. Essas mercadorias podem ser tanto destinadas à importação (entreposto aduaneiro na importação) quanto à exportação (entreposto aduaneiro na exportação).adaptada). (ACE-2012) O regime aduaneiro que permite o armazenamento de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público com suspensão do pagamento dos impostos incidentes na importação ou a permanência da mesma em feira. Comentários: Segundo o art. e) Entreposto Aduaneiro na Importação. com suspensão do pagamento dos tributos.Legislação Aduaneira p/ RFB . Ricardo Vale www. Questão errada. b) Admissão temporária. Ricardo Vale – Aula 05 QUESTÕES COMENTADAS 1. sendo vedadas Prof.estrategiaconcursos. c) Entreposto Industrial sob Controle Informatizado. com suspensão do pagamento dos impostos federais. Comentários: O entreposto aduaneiro permite a armazenagem de mercadorias em recinto alfandegado com suspensão dos tributos incidentes. de mercadorias destinadas exclusivamente à exportação. mostra ou evento semelhante. da contribuição para o PIS/PASEPImportação e da COFINS-Importação incidentes na importação". 404 do R/A.2-adaptada) No regime aduaneiro entreposto aduaneiro operado em recinto alfandegado especial de a) a nacionalização e o despacho para consumo das mercadorias entrepostadas somente poderão ser feitos pelo consignatário. 3.Entreposto aduaneiro é um regime aduaneiro especial que permite o depósito. A resposta é a letra E.

no caso de alimentos para consumo de bordo de aeronaves e embarcações ou destinados à exportação. relativamente a mercadorias que armazene e. Além disso. recondicionamento de partes e peças e materiais de reposição. 3) No entreposto aduaneiro. e transformação. beneficiamento. acondicionamento. permitidas apenas as operações de recondicionamento de equipamento para a produção industrial e beneficiamento. sim. d) as mercadorias importadas em consignação. são autorizadas diversas operações de industrialização. e) o permissionário ou concessionário de recinto alfandegado de uso público poderá ser beneficiário do regime de entreposto aduaneiro apenas na importação. são permitidas apenas as operações de embalagem. etiquetagem e marcação dos volumes. neste caso. O despacho para consumo poderá ser feito pelo adquirente ou pelo consignatário. só admissíveis no regime de entreposto industrial e no RECOF. permitidas. manutenção e reparo de aeronaves e embarcações. e entrepostadas poderão ser objeto de exportação. em seu nome. despachada para consumo ou exportada. diversos tipos de operações de industrialização. reacondicionamento. Ricardo Vale – Aula 05 operações de industrialização. As mercadoria admitidas no regime aduaneiro especial de entreposto aduaneiro poderão. Comentários: Letra A: errada. Ricardo Vale www. e. mediante credenciamento do recinto. Várias informações importantes nessa assertiva: 1) A nacionalização da mercadoria entrepostada poderá ser feita pelo consignatário (beneficiário do regime) ou pelo adquirente.com.Legislação Aduaneira p/ RFB . em regime de entreposto aduaneiro. Letra C: correta.estrategiaconcursos. sendo permitidos apenas os serviços conexos e a unitização e desunitização de volumes. não sendo considerado contribuinte do IPI relativamente às operações de industrialização efetuadas. Prof. reembalagem. c) a mercadoria poderá ser nacionalizada pelo adquirente ou pelo consignatário. ser objeto de operações de industrialização.2013 Teoria e Questões Prof. b) a nacionalização da mercadoria deverá ser feita pelo consignatário e o despacho para consumo pelo adquirente da mercadoria entrepostada. as operações de montagem.br 64 de 121 . Letra B: errada. 2) São formas de extinção do entreposto aduaneiro na importação o despacho para consumo e a exportação. são autorizadas. sem cobertura cambial.

b) tendo sido produzida no país A. Ricardo Vale – Aula 05 Letra D: errada. c) tendo sido produzida no país A. d) tendo sido importada pelo país A. em seguida. foi exportada ao país B. nele sofreu transformação e foi. sem ter sofrido qualquer transformação. após o que retorna ao país de origem. após o que retornou ao país de origem. (AFRF-2002.Legislação Aduaneira p/ RFB . já que sua situação no outro país seria somente temporária. Prof. em seguida. e) tendo sido produzida no país A.estrategiaconcursos. foi exportada para o país B onde sofreu transformação. A letra E descreve perfeitamente uma reimportação. 5. São autorizadas diferentes operações de industrialização em um entreposto aduaneiro. A mercadoria. sendo exportada para outro com a finalidade de sofrer uma transformação. em momento algum. “Entrada de mercadorias e serviços estrangeiros em um país”. tendo. sido importada deste por um terceiro país. Letra E: errada. 4. posteriormente. se desnacionalizou. “Retorno a um país de mercadorias de sua produção. (AFRF-2000-adaptada) Leia com atenção as frases abaixo: “Vendas no estrangeiro de bens e serviços produzidos em um país”. Comentários: O termo reimportação se refere à situação em que uma mercadoria é exportada a título temporário e. retorna ao país de origem. Ricardo Vale www. O regime aduaneiro especial aplicável a essa situação é o de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. Ela só estava ali para sofrer uma transformação.com. já que a mercadoria é fabricada em um país. anteriormente remetidas a um segundo país. após maior ou menor grau de transformação realizada por este último”.2013 Teoria e Questões Prof. foi exportada ao país B. As mercadorias objeto de exportação serão aquelas admitidas em entreposto aduaneiro com cobertura cambial. exportada para um segundo país. onde sofreu transformação.1) Sobre uma mercadoria que foi reimportada é correto afirmar que: a) tendo sido importada pelo país A. foi exportada para um outro país. que não o de origem da mercadoria.br 65 de 121 . O beneficiário do regime de entreposto aduaneiro é o consignatário.

br 66 de 121 .2013 Teoria e Questões Prof. Prof. (TRF-2000) temporariamente: A reimportação de mercadoria exportada a) constitui fato gerador do imposto de importação. exportação interna e exportação. quando no exterior sofreu beneficiamento ou transformação. após maior ou menor grau de transformação realizada por este último é uma reimportação. 4) O retorno ao exterior de um bem admitido temporariamente para ser submetido a reparo é uma reexportação.” Os conceitos acima mencionados referem-se respectivamente a: a) reexportação. resultando em espécie diversa daquela prevista no processo de exportação temporária. reexportação. importação.estrategiaconcursos. exportação interna. reimportação. d) Importação. Ricardo Vale – Aula 05 “Retorno ao exterior de um bem admitido temporariamente para ser submetido a reparo”. reimportação.Legislação Aduaneira p/ RFB . exportação interna. Esse conceito não mais se aplica nos dias atuais. a sua entrada no território nacional. 2) A entrada de mercadorias e serviços estrangeiros em um país é uma importação.com. importação. reexportação. 3) O retorno a um país de mercadorias de sua produção. e) exportação interna. b) exportação. 6. importação. exportação. 5) A remessa de bens de uma região para outra dentro do mesmo país é o que a ESAF chamou de “exportação interna”. reimportação. exportação interna. anteriormente remetidas a um segundo país. exportação. Logo. Comentários: 1) A venda no estrangeiro de bens e serviços produzidos em um país é uma exportação. exportação e importação. reimportação. reexportação. Ricardo Vale www. “Remessa de bens de uma região para outra dentro do mesmo país. reexportação. c) reimportação. a resposta é a letra B.

Ricardo Vale – Aula 05 b) faz incidir o imposto de importação no caso de ultrapassagem do prazo para o seu retorno ao País. a questão foi anulada. não faz incidir o IPI vinculado à importação. mas tão somente por motivos de legalidade. o retorno de mercadoria submetida ao regime de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo é fato gerador do imposto de importação. não cabendo mais discuti-lo por ocasião da reimportação. o retorno das mercadorias a ele submetidas não é fato gerador do imposto de importação. porque a mercadoria passa a ser considerada estrangeira. Em outras palavras. especificamente. Ricardo Vale www. A reimportação não é fato gerador do imposto de importação. O imposto de importação e o IPI irão incidir sobre o valor agregado no exterior no caso de exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. d) permite que. A razão para a anulação foi o fato de que a letra A não mencionou.com. ou seja. Letra C: errada.estrategiaconcursos. Comentários: Letra A: correta. tendo em vista que tais operações de industrialização foram executadas no exterior. uma vez concedido o regime. quando o consignatário no exterior não procedeu a sua venda nos prazos autorizados no regime de exportação temporária. o imposto de importação incidirá apenas sobre o valor agregado no exterior. Nesse caso. A concessão do regime de exportação temporária exaure o exame de mérito. nessa ocasião. o mérito da aplicação do regime seja reexaminado pela autoridade concedente. a exportação temporária para aperfeiçoamento passivo. logo não haverá recolhimento tributário. beneficiamento ou transformação. Ainda que descumprido o regime. A reimportação de mercadoria submetida ao regime de exportação temporária não configura fato gerador do imposto de importação. Letra B: errada.br 67 de 121 . c) obriga o pagamento do imposto de importação e do IPI vinculado. Entretanto. e) para restauração. Prof. Letra E: errada.2013 Teoria e Questões Prof.Legislação Aduaneira p/ RFB . Após os recursos. por ocasião do despacho aduaneiro de importação. Letra D: errada. a autoridade aduaneira não poderá rever sua decisão por conveniência ou oportunidade. mesmo ultrapassando o prazo de concessão da exportação temporária. tendo em vista a interpretação da legislação específica aplicável.

ele será contribuinte do imposto de importação. (TRF-2000) O preenchimento cumulativo das condições de suspensão do pagamento dos tributos. Ricardo Vale – Aula 05 7. assim. não cobertura cambial na operação de importação. controle aduaneiro das mercadorias. 8. promovendo o despacho para consumo. acondicionamento e reacondicionamento em local alfandegado delimitado e específico na zona secundária. a resposta é a letra B. caracteriza o regime aduaneiro especial de: a) entreposto aduaneiro b) drawback c) entreposto industrial Prof.br 68 de 121 . Ele funciona. Quando o consignatário nacionaliza a mercadoria entrepostada.Legislação Aduaneira p/ RFB . como uma verdadeira plataforma para as exportações brasileiras.estrategiaconcursos. permanecendo armazenada em recinto alfandegado.com. autorização para operações industriais de montagem. Ricardo Vale www. a mercadoria é nacionalizada pelo próprio consignatário ou por um adquirente. Na modalidade não-vinculada. Comentários: O entreposto aduaneiro vinculado é aquele em que a mercadoria entra no país. (TRF-2000) O consignatário de mercadoria submetida ao regime de entreposto aduaneiro na importação. na modalidade “não vinculado”: a) é contribuinte do imposto de importação porque reveste a qualidade de importador ao promover a entrada da mercadoria estrangeira no território aduaneiro b) é contribuinte do imposto de importação ao nacionalizar a mercadoria e promover o despacho aduaneiro para consumo em seu nome c) é contribuinte do imposto de importação porque tem relação pessoal e direta com o procedimento de admissão de mercadoria no regime d) é contribuinte do IPI no momento do desembaraço aduaneiro para admissão no regime e) é responsável pelo pagamento do imposto de importação apenas nas hipóteses de extravio ou falta de mercadoria admitida no regime e declarada abandonada pela ultrapassagem do prazo de entrepostamento. mas tendo o exterior como destino. Portanto.2013 Teoria e Questões Prof.

estrategiaconcursos. podem ser submetidas a Por tudo o que comentamos. industrial ou prestadora de serviços de transporte internacional. b) comum. (TTN-1998) O regime de entreposto aduaneiro na exportação subsiste na modalidade de regime: a) comum. Trata-se de um incentivo às exportações concedido pelo governo brasileiro. 2) As mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro são mantidas sob controle aduaneiro. 9. Comentários: Três pontos importantes nessa questão: 1) Normalmente. 3) As mercadorias entrepostadas operações de industrialização. d) extraordinário. na modalidade comum. Em razão disso.br 69 de 121 . a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de entreposto. a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de entreposto. a resposta é a letra A. é aquele operado em recinto alfandegado de uso Prof. e) extraordinário.Legislação Aduaneira p/ RFB . a partir da data da saída da mercadoria do estabelecimento do vendedor. são admitidas em entreposto aduaneiro mercadorias importadas sem cobertura cambial. as mercadorias entram no país e permanecem armazenadas em um recinto alfandegado com os tributos suspensos. c) comum.2013 Teoria e Questões Prof. mas o objetivo é que sejam exportadas para um terceiro país. não há necessidade de que seja firmado Termo de Responsabilidade pelo beneficiário do regime. Ricardo Vale – Aula 05 d) admissão temporária para aperfeiçoamento ativo e) entreposto industrial sob controle informatizado. O entreposto aduaneiro na exportação. Ricardo Vale www.com. Nesse caso. No entanto. a partir da data da entrada da mercadoria adquirida no mercado interno por qualquer empresa comercial. também é possível a admissão em entreposto aduaneiro de mercadorias importadas com cobertura cambial. a partir da data do registro da chegada do veículo transportador à sede da empresa permissionária do regime. Comentários: Letra A e C: erradas.

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 público. O início do prazo de concessão do regime comum começa a contar a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de armazenagem. Letra D e E: erradas. O entreposto aduaneiro na exportação, na modalidade extraordinário, é aquele operado por empresa comercial exportadora. O início do prazo de concessão do regime extraordinário começa a contar a partir da data da saída da mercadoria do estabelecimento produtor-vendedor. Resta-nos a letra B, que descreve perfeitamente o momento em que se inicia a contagem do prazo de concessão do regime de entreposto aduaneiro na exportação, na modalidade comum. 10. (TTN-1998) Determinada empresa requereu a concessão e aplicação do regime de exportação temporária a uma mercadoria sujeita à alíquota do Imposto de Exportação de 0.75% ad valorem, garantido por termo de responsabilidade, tendo-lhe sido deferido o pedido, pela autoridade aduaneira jurisdicionante do porto de saída, após o exame da operação em todos os seus aspectos (fiscal, físico, legal, etc). Por ocasião da reimportação da mercadoria, dentro do prazo, o funcionário fiscal, reexaminando o processo, descaracterizou o regime sob o argumento de que para aquela mercadoria não era passível de ser aplicado o regime. O procedimento do funcionário a) justificava-se porque era sua obrigação rever a legalidade do ato concessivo do regime em todos os seus aspectos e tomar as providências fiscais cabíveis, dentro do período prescricional de 5 (cinco) anos. b) procedia porque, no caso, a mercadoria era sujeita a Imposto de Exportação e lhe competia efetuar o lançamento e cobrança do imposto, uma vez que, no seu entendimento, o regime não deveria ter sido concedido. c) não se justificava porque o Imposto de Exportação estava garantido por termo de responsabilidade a ser baixado, tendo em vista a reimportação dentro do prazo, além do que o exame do mérito da aplicação do regime exauriu- se com a sua concessão, não cabendo mais discuti-lo quando da reimportação da mercadoria. d) justificava-se porque, nos termos do art. 149 do Código Tributário Nacional, o lançamento é efetuado e revisto de ofício, quando se comprove omissão ou inexatidão, por parte da pessoa legalmente obrigada, no exercício da atividade administrativa, além do que, sua atividade é vinculada e obrigatória sob pena de responsabilidade funcional. e) não se justificava porque a entrada, dentro do prazo, no território aduaneiro de mercadoria à qual tenha sido aplicado o regime de exportação temporária não constitui fato gerador do Imposto de Importação, competindo-lhe tão-

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

70 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 somente cobrar o Imposto sobre Produtos Industrializados e a multa por descumprimento das obrigações acessórias. Comentários: Segundo o art. 445, do R/A, o exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária exaure-se com a sua concessão, não cabendo mais discuti-lo quando da reimportação da mercadoria. Assim, não pode a autoridade aduaneira, por ocasião da reimportação, descaracterizar o regime com a alegação de que a exportação temporária não poderia ter sido concedida. Destaque-se que o Imposto de Exportação estava suspenso e consubstanciado em Termo de Responsabilidade. A resposta é a letra C. 11. (AFTN-1994)- A exploração de entreposto aduaneiro de uso privativo será permitida: a) apenas na importação e exclusivamente para estocagem de partes, peças e materiais de reposição ou manutenção para veículos ou equipamentos estrangeiros, em uso no país e empregados na prestação de serviços. b) apenas na exportação e exclusivamente pelas empresas de armazéns gerais. c) na exportação, para depósito de produtos da empresa permissionária e na importação, para depósito de bens de produção, excetuados os de consumo. d) na exportação pelas empresas comerciais exportadoras (trading companies) e na importação em recintos destinados à exposição em feiras e semelhantes. e) na exportação e importação exclusivamente para depósito de produtos de relevante interesse para a economia nacional, após análise pela administração aduaneira das razões de interesse público, caso a caso. Comentários: Letra A e B: erradas. O entreposto aduaneiro de uso privativo será permitido na importação e na exportação. Letra C e E: erradas. Na exportação, o entreposto aduaneiro de uso privativo será aquele operado por empresa comercial exportadora. Por sua vez, na importação, o entreposto aduaneiro de uso privativo será aquele operado nos recintos elencados pelo art. 405, do R/A (feiras, eventos, congressos, mostras, etc). Resta-nos a letra D, que é a resposta correta.

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

71 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 12. (AFRFB-2009)- O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes, peças e materiais de reposição ou manutenção, com suspensão do pagamento dos impostos federais, da contribuição para o PIS/PASEP - Importação e da COFINS importação, para veículos, máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos estrangeiros, nacionalizados ou não, e nacionais em que tenham sido empregadas partes, peças e componentes estrangeiros, nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda, é conhecido como: a) depósito alfandegado. b) trânsito aduaneiro. c) depósito especial. d) loja franca. e) depósito alfandegado certificado. Comentários: A definição apresentada pela questão é a de depósito especial, exatamente em conformidade com o que prevê o art. 480 do R/A. A resposta é a letra C. Letra A: errada. Não existe mais um regime aduaneiro especial denominado depósito alfandegado. Recorde-se que o depósito especial é operado em recinto não-alfandegado. Letra B: errada. O trânsito aduaneiro é o regime aduaneiro especial que permite o transporte de mercadorias de um ponto a outro do território nacional, com suspensão do pagamento dos tributos incidentes. Letra D: errada. A loja franca é o regime aduaneiro especial que permite a estabelecimento instalado em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado vender mercadoria nacional ou estrangeira o passageiro em viagem internacional, contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. Letra E: errada. Depósito alfandegado certificado (DAC) é aquele que permite considerar exportada, para todos os efeitos fiscais, creditícios e cambiais, a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado, vendida a pessoa sediada no exterior, mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente.

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

72 de 121

contados de seu registro no MANTRA ou na Folha de Controle de Carga(FCC). ( ) O prazo de permanência dos materiais no DAF é de 5 anos.2013 Teoria e Questões Prof. A terceira assertiva está errada. podendo ser utilizado por elas inclusive para provisões de bordo.2). máquinas. Somente as empresas de transporte marítimo ou aéreo poderão utilizá-lo para esse tipo de provisões. V. Atribua a letra V para as verdadeiras e F para as falsas.Legislação Aduaneira p/ RFB . V b) F. A segunda assertiva está errada.1-adaptada) Por Regime Aduaneiro Especial que: Depósito Franco entende-se o a) permite a estocagem de partes. Ricardo Vale – Aula 05 13. (TRF-2002. aparelhos e Prof. 14.com. peças e materiais de reposição ou manutenção para veículos. localizando-se os depósitos na zona primária ou na zona secundária.br 73 de 121 .Avalie a correção das afirmações abaixo. Em seguida. aéreo e rodoviário. (TRF-2002. equipamentos. ( ) O depósito afiançado é autorizado para empresas de transporte marítimo. V. Ricardo Vale www. V.estrategiaconcursos. F e) V. F c) F. havendo a possibilidade de que estes sejam instalados tanto em zona primária quanto em zona secundária. F. Não há qualquer disposição sobre localização de depósitos afiançados. F. marque a opção que contenha a seqüência correta. O prazo de permanência das mercadorias em depósito afiançado é de 5 anos contados a partir do desembaraço aduaneiro para admissão. V Comentários: A primeira assertiva está errada. a) V. As empresas de transporte rodoviário não poderão utilizar o depósito afiançado para provisões de bordo. V d) F. estrangeiras. ( ) Os depósitos afiançados das empresas de transporte rodoviário podem localizar-se na zona primária ou na zona secundária e os das empresas de navegação marítima ou aérea devem localizar-se na zona primária.

contra pagamento em cheque de viagem ou moeda estrangeira conversível. b) permite a guarda de materiais de manutenção e preparo de embarcações e aeronaves utilizadas no transporte comercial internacional.br 74 de 121 . do R/A. assim como de seus componentes. A assertiva descreve a loja franca. Letra E: correta. autorizado à guarda de materiais de manutenção e reparo de embarcações e aeronaves utilizadas no transporte comercial internacional. c) permite o funcionamento. d) permite a determinado estabelecimento de uma indústria importar. Letra B: errada. e que visa atender o fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. Letra D: errada. nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda. depois de submetidas à industrialização. de empresas nacionais ou estrangeiras autorizadas a operar nesse serviço denomina-se: a) depósito afiançado b) depósito especial alfandegado c) depósito alfandegado de zona primária d) depósito franco Prof. A assertiva descreve o depósito afiançado. de lojas para venda de mercadoria nacional ou estrangeira a passageiros em viagens internacionais. Segundo o art.estrategiaconcursos. Letra C: errada. deverão destinar-se ao mercado externo. de acordo com o Decreto nº 6759/2009. Ricardo Vale www. e) consiste em recinto alfandegado.2013 Teoria e Questões Prof. (TTN-1997-adaptada) O local na zona primária. 499. 15. de empresas autorizadas a operar esse serviço. mercadorias que.com. nacionalizados ou não. o regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite.Legislação Aduaneira p/ RFB . estrangeiros. instalado em porto brasileiro. A assertiva se refere a uma operação de drawback. Ricardo Vale – Aula 05 instrumentos. A assertiva descreve o depósito especial. a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. Ressalte-se que. Comentários: Letra A: errada. em recinto alfandegado. o pagamento poderá ser em moeda nacional ou estrangeira. em portos ou aeroportos. com suspensão de tributos. A expressão “moeda conversível” caiu em desuso.

portanto. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. d) estrangeira somente a passageiros de viagem internacional chegando ao País. c) estrangeira ou nacional somente a passageiro de viagem internacional saindo do País. Logo.Legislação Aduaneira p/ RFB .” A resposta é. contra pagamento em moeda estrangeira conversível. b) nacional ou estrangeira somente a passageiro de viagem internacional em trânsito pelo País. 488. Ricardo Vale – Aula 05 e) depósito alfandegado privativo Comentários: Segundo o art. destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional. com suspensão do pagamento dos impostos federais. a letra A. contra pagamento em moeda estrangeira conversível ou cheque de viagem. do R/A. a resposta é a letra A.2013 Teoria e Questões Prof. e utilizadas nessa atividade. e) estrangeira ou nacional importada por firmas permissionárias de entrepostos aduaneiros. Comentários: Segundo o art.com. 16. o regime aduaneiro especial de loja franca é o que permite a estabelecimento instalado em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado vender mercadoria nacional ou estrangeira a passageiro em viagem internacional.estrategiaconcursos. contra pagamento em cheque de viagem ou moeda estrangeira conversível. Ricardo Vale www. do R/A. (TTN-1997-adaptada) As lojas francas instaladas na Zona Primária de porto e aeroporto destinam-se a venda de mercadoria a) nacional ou estrangeira a passageiros de viagens internacionais.br 75 de 121 . Prof. de materiais importados sem cobertura cambial. da contribuição para o PIS/PASEPImportação e da COFINS-Importação. “o regime aduaneiro especial de depósito afiançado é o que permite a estocagem. 476. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. a passageiros e tripulantes de veículos em viagem internacional contra pagamento exclusivamente em moeda estrangeira conversível.

O conceito de passageiro em viagem internacional deve ser compreendido em um sentido mais amplo. Letra E: errada. terrestre. e) somente poderão ser vendidas mercadorias nacionais ou estrangeiras a passageiros de viagens internacionais. a passageiros de viagens internacionais. Letra B: errada. Comentários: Letra A: correta. c) poderá também ser autorizado o seu funcionamento em depósitos alfandegados de empresas de transporte rodoviário localizados em área contígua à de porto ou aeroporto alfandegado d) será autorizado seu funcionamento em recintos alfandegados de zona secundária próxima a porto ou aeroporto para venda de mercadoria nacional exclusivamente a passageiros com destino ao exterior. de bandeira estrangeira. aportadas no país. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira.Legislação Aduaneira p/ RFB . contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. Letra D: errada. É autorizada a venda de produtos a empresas de navegação aérea e marítima. Ricardo Vale www. A loja franca permite que estabelecimento situado em zona primária de porto ou aeroporto alfandegado venda mercadoria nacional ou estrangeira a passageiro em viagem internacional.2013 Teoria e Questões Prof.com. b) somente poderá ser autorizado o seu funcionamento em zona primária de ponto de fronteira alfandegado para venda de mercadoria estrangeira a passageiros chegando de viagem internacional por via aérea.estrategiaconcursos.br 76 de 121 . Prof. Não é autorizado o funcionamento de loja franca em zona secundária. sendo vedado nesse regime o fornecimento de produtos destinados ao uso ou consumo de bordo de embarcações ou aeronaves. fluvial ou lacustre. para consumo de bordo ou venda a passageiros. Letra C: errada. Somente será autorizado a operar o regime de loja franca o estabelecimento situado em zona primária de porto ou aeroporto alfandegado. Não é autorizada loja franca em ponto de fronteira alfandegado. para venda de mercadoria nacional ou estrangeira. Ricardo Vale – Aula 05 17. (TTN-1998-adaptada) No regime aduaneiro especial de loja franca: a) poderá ser autorizado o seu funcionamento na zona primária de porto ou aeroporto. nos termos e condições fixados pelo Ministro da Fazenda.

As lojas francas estão autorizadas a efetuar venda de mercadorias nacionais ou estrangeiras em portos e aeroportos alfandegados. 19. com suspensão do pagamento de tributos. Comentários: O pagamento em loja franca deverá sem feito em moeda nacional ou estrangeira (e não em moeda conversível!). sendo requisito obrigatório também o(a): a) pagamento em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade.com.br 77 de 121 . sob controle aduaneiro. a norma regulamentar do REPETRO exige que os bens devam ser produzidos no País e adquiridos por pessoa sediada no exterior. (Petrobras . Questão correta. Prof.adaptada). sob autorização da autoridade aduaneira. cujo pagamento deve ser efetuado em moeda estrangeira conversível. Para a adoção desse tratamento aduaneiro. mediante cláusula de entrega. Ricardo Vale www. (Petrobrás – 2007 . 20. à guarda de materiais de manutenção de embarcações utilizadas no transporte comercial internacional sob a responsabilidade de empresas autorizadas a atuar nesse setor.Legislação Aduaneira p/ RFB . ferramentas e outras partes e peças destinados a garantir a operacionalidade dos referidos bens. cheque de viagem ou cartão de crédito.Advogado – 2008-adaptada) O regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (REPETRO) permite a aplicação do tratamento aduaneiro de exportação.adaptada). a passageiros em viagem internacional. Questão errada. no caso de bem de fabricação nacional vendido a pessoa sediada no exterior.2013 Teoria e Questões Prof. de materiais importados sem cobertura cambial. Comentários: O regime aduaneiro especial de depósito afiançado permite a estocagem. no território aduaneiro. e utilizadas nessa atividade.estrategiaconcursos. Ricardo Vale – Aula 05 18. com saída ficta do território aduaneiro e posterior aplicação do regime de admissão temporária. destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional. em espécie. (TRF-2003 .O depósito afiançado (DAF) destina-se. b) renúncia do fabricante nacional a eventuais benefícios fiscais concedidos para incentivo às exportações c) inaplicabilidade do mesmo regime aduaneiro a equipamentos sobressalentes.

O REPETRO pode ser aplicado às máquinas destinadas a atividades de pesquisa de jazidas de petróleo. Questão errada. O REPETRO envolve. Letra B: errada. Quem adquire os bens produzidos no país é empresa sediada no exterior. de matériasprimas. 21. equipamentos. peças de reposição e outros bens. receberá os benefícios fiscais à exportação. Letra E: errada. após a exportação ficta. O fabricante nacional. ao realizar a exportação ficta. Letra D: errada. no território aduaneiro. produtos semi-elaborados ou acabados e de partes ou peças. de comerciante atacadista com domicílio no Brasil ou de empresas comerciais exportadoras nacionais ou estrangeiras.estrategiaconcursos. do imposto sobre produtos industrializados. quando importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados ao seu ativo imobilizado. utilizados na fabricação dos bens nacionais. a isenção do pagamento do imposto de importação. Comentários: O REPETRO também se aplica a partes e peças e equipamentos sobressalentes. Comentários: Letra A: correta.br 78 de 121 .2013 Teoria e Questões Prof. 22. na importação de máquinas. sob controle aduaneiro. mas não se aplica a suas peças e equipamentos sobressalentes. O REPETRO também se aplica a partes e peças e equipamentos sobressalentes. A exportação ficta será feita mediante venda a pessoa sediada no exterior.Legislação Aduaneira p/ RFB . Ricardo Vale – Aula 05 d) importação direta. (Questão Inédita) Assinale a alternativa correta acerca dos regimes aduaneiros especiais: a) O REPORTO é o regime aduaneiro especial que permite. (Petrobrás-2007). Prof. com pagamento em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade e mediante cláusula de entrega. com o pagamento integral dos impostos. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINSImportação. Letra C: errada.com. Ricardo Vale www. a aplicação do regime de admissão temporária. e) aquisição dos bens realizada diretamente do respectivo fabricante.

br 79 de 121 .A Zona Franca de Manaus é uma área de livre comércio de importação e de exportação e de incentivos fiscais especiais.1º. O REPEX pode se extinguir de duas formas diferentes: i) pela exportação do produto importado ou. o RECOM permite a importação. a suspensão do pagamento do imposto de importação está condicionada à inexistência de similar nacional. Ricardo Vale – Aula 05 b) No REPORTO. ii) pela exportação de produto nacional. Gás Natural e Biocombustíveis para exercer as atividades de comercialização dos produtos a serem admitidos. Ricardo Vale www. em substituição ao importado.estrategiaconcursos.Regulamento Aduaneiro) Em face do enunciado. O RECOM não ampara a admissão temporária dos produtos relacionados nas posições 8701 a 8705 da NCM. Letra A: errada. no REPORTO.030/85 . em igual quantidade e idêntica classificação fiscal. em substituição ao importado. O REPORTO garante suspensão dos tributos Letra B: correta. O REPEX será concedido à empresa habilitada pela RFB e que possua autorização da ANP para exercer as atividades de exportação e importação dos produtos a serem admitidos. c) O REPEX será concedido somente a empresa previamente habilitada pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. comercial e agropecuário dotado de condições econômicas que permitam seu desenvolvimento. e) O RECOM é o regime aduaneiro especial que permite a admissão temporária de produtos relacionados nas posições 8071 a 8705 da NCM. PIS/PASEPImportação e COFINS-Importação). Letra D: errada. art. (AFRF-2002. A reexportação não é forma de extinção do REPEX.com.1). Letra C: errada.2013 Teoria e Questões Prof. De fato. de insumos destinados à industrialização por encomenda dos produtos relacionados nas posições 8701 a 8705 da NCM. e que possua autorização da Agência Nacional do Petróleo. Letra E: errada.Lei 288/67. Na verdade. 23. artigo 389 do Dec. d) O REPEX se extingue pela reexportação do produto nacional.Legislação Aduaneira p/ RFB . (Dec. em face dos fatores locais e da grande distância a que se encontram os centros consumidores de seus produtos. assinale a opção correta. estabelecida com a finalidade de criar no interior da Amazônia um centro industrial. a suspensão do pagamento do imposto de importação somente beneficiará bens sem similar nacional. Comentários: federais.91. Prof. com suspensão tributária (IPI.

portanto. regime aduaneiro especial típico. sendo definida como área de livre comércio. criado para obter o desenvolvimento industrial. portanto.br 80 de 121 . comercial e agropecuário da Amazônia.estrategiaconcursos. sendo definida como área de livre comércio. Por ser área de livre comércio não lhe corresponde qualquer regime aduaneiro especial. c) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. portanto. Ricardo Vale – Aula 05 a) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. comercial e agropecuário da Amazônia. sendo definida como área de livre comércio. É. É. das Áreas de Livre Comércio e da Amazônia Ocidental e sua readmissão serão feitas com base em: a) Declaração de Saída Temporária (DST) b) Declaração Simplificada de Internação (DSI) c) Demonstrativo do Coeficiente de Redução (DCR) d) Declaração para Controle de Internação (DCI) e) Declaração de Internação Temporária (DIT) Comentários: Prof. em área de livre comércio de importação e exportação. Ricardo Vale www. É. um regime aduaneiro comum. comercial e agropecuário da Amazônia. portanto. b) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. A resposta é a letra B. Comentários: A Zona Franca de Manaus é um regime aduaneiro aplicado em áreas especiais.com. sendo definida como área de livre comércio. comercial e agropecuário da Amazônia. sendo definida como área de livre comércio. e) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. regime aduaneiro especial típico unicamente no que se refere ao trânsito de bens ingressados na Zona Franca e destinados a qualquer outro ponto do território aduaneiro. portanto. comercial e agropecuário da Amazônia. configurando-se. recebe vários benefícios fiscais. 24.Legislação Aduaneira p/ RFB . regime aduaneiro aplicado em áreas especiais. comercial e agropecuário da Amazônia. Para isso. (AFRF-2003) A saída temporária de mercadorias da Zona Franca de Manaus.2013 Teoria e Questões Prof. típico ou atípico. É. d) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial.

A Prof. portanto. não era o cerne da questão. como categoria de regime aduaneiro atípico. são objetivos expressos do regime aduaneiro aplicado em área especial denominado: a) Zona Franca de Manaus. a resposta é a letra A. Quando se utiliza a expressão “área de livre comércio”.Legislação Aduaneira p/ RFB . Hoje em dia. especiais e aplicados em áreas especiais. Esse. são estabelecidas com a finalidade de promover o desenvolvimento de áreas fronteiriças específicas da Região Norte do País e de incrementar as relações bilaterais com os países vizinhos. 26. (ACE-2012) A promoção do desenvolvimento em áreas fronteiriças da Região Norte do País e o incremento das relações bilaterais com os países vizinhos naquela mesma região. é importante dizermos que não existe mais o termo regime aduaneiro atípico. a letra B. Ricardo Vale – Aula 05 A saída temporária de mercadoria da Zona Franca de Manaus. (ACE-2008)-Implantadas com o objetivo de promover o desenvolvimento conjunto mediante a integração econômica de países. entretanto. e) Loja Franca. c) Zona de Processamento de Exportação.com. Comentários: Segundo o art. consistem de espaços transfronteiriços em que é permitida a livre circulação de bens e de serviços. conforme a legislação brasileira. Comentários: Em primeiro lugar. 524 do R/A. Ricardo Vale www. d) Entreposto Industrial. podem ser: comum. 25. que na verdade foi uma grande puxada de tapete no concurseiro. mediante a remoção de obstáculos tarifários e não-tarifários.2013 Teoria e Questões Prof. sob regime fiscal especial. b) Área de Livre Comércio.” A resposta é. das Áreas de Livre Comércio ou da Amazônia Ocidental é feita com base em Declaração de Saída Temporária.estrategiaconcursos. as áreas de livre comércio. em consonância com a política de integração latino-americana. Portanto. “constituem áreas de livre comércio de importação e de exportação as que. os regimes aduaneiros.br 81 de 121 . podemos entendê-la sob duas óticas diferentes. segundo a política de integração latinoamericana.

aí sim a questão estaria correta! Entendido isso? 27. b) entreposto industrial da Zona Franca de Manaus. d) zona de processamento de exportações. mas sim em imunidade tributária. (ACE-2002) São exemplos de regimes aduaneiros criados para atender a situações econômicas peculiares de pólos regionais ou de setores específicos: a) depósito especial. Comentários: Prof. Ela diz que enquanto regime aduaneiro atípico (vamos entender isso como regime aduaneiro aplicado em áreas especiais) as áreas de livre comércio promovem o desenvolvimento conjunto mediante a integração econômica entre países. são isentos do imposto de importação e. as áreas de livre comércio promovem o desenvolvimento conjunto mediante a integração econômica entre países. devemos considerar as vendas para a ZFM como equiparadas às exportações. depósito franco e área de livre comércio.Legislação Aduaneira p/ RFB . Isso decorre do fato de que. Ricardo Vale – Aula 05 primeira delas diz respeito a áreas de livre comércio enquanto forma de integração regional e a segunda se refere a áreas de livre comércio enquanto regime aduaneiro aplicado em áreas especiais. entreposto aduaneiro e depósito afiançado. 28. depósito alfandegado certificado e drawback. são isentos do ICMS. Ricardo Vale www. quando procedentes do exterior.com. Questão errada. (ACE-2008) A Zona Franca de Manaus usufrui de tratamento tributário diferenciado. E a CF/88 garante imunidade de ICMS nas exportações. os quais. loja franca e entreposto aduaneiro. A questão faz uma grande confusão com relação a essas duas acepções da expressão.br 82 de 121 .estrategiaconcursos. e) zona de processamento de exportação. quando provenientes do mercado interno. Isso está errado! Se o examinador dissesse que enquanto forma de integração regional. Comentários: Não há que se falar em isenção de ICMS para as vendas de produtos de qualquer parte do território nacional para a ZFM. particularmente no tocante à importação de insumos destinados à industrialização. a Zona Franca de Manaus e entreposto industrial. c) lojas francas. para efeitos fiscais.2013 Teoria e Questões Prof.

Todas as importações realizadas por empresas instaladas em ZPE’s fazem jus à suspensão tributária. e sem sofrerem qualquer carga fiscal. Da forma como está escrito. Assim. (AFTN-1996) Uma zona de processamento de exportação (ZPE) corresponde a uma área onde: a) As exportações de terceiros países ingressam em caráter temporário. elas não serão. Ricardo Vale www. para transitarem rumo aos seus mercados de destino. necessariamente. Pergunta-se: o depósito franco serve para atender a uma situação econômica de um pólo regional? Podemos considerar que sim.com. usadas na produção de bens a serem exportados.2013 Teoria e Questões Prof. pois se trata de regime aduaneiro especial que busca promover a cooperação internacional com países vizinhos que não têm saída para o mar (o que é uma situação econômica bem peculiar!). O depósito franco facilita o fluxo comercial dos países limítrofes ao Brasil com terceiros países.estrategiaconcursos. Letra B: errada. e) Há um regime de livre comércio com o exterior e que é destinado à instalação de empresas industriais voltadas para a exportação. A resposta apontada pela ESAF foi a letra E. Comentários: Letra A: errada.Legislação Aduaneira p/ RFB .br 83 de 121 . as Áreas de Livre Comércio e as Zonas de Processamento de Exportações. ficou parecendo que as ZPE’s funcionariam apenas como uma “escala” para exportações de terce iros países. b) As exportações não estão sujeitas a restrições independentemente de sua origem e destino. d) Há medidas restritivas às importações e incentivos creditícios e fiscais à exportação. Prof. Letra C: errada. que mencionou também o depósito franco. c) As importações usufruem de favorecimento fiscal sempre que forem empregadas na produção de bens a serem exportados. A vantagem tributária às empresas instaladas em ZPE’s diz respeito à suspensão dos tributos na importação. Ricardo Vale – Aula 05 Os regimes aduaneiros criados para atender a situações econômicas peculiares de pólos regionais são os regimes aduaneiros aplicados em áreas especiais. São eles a Zona Franca de Manaus. 29.

quando desta saírem para outros pontos do Território Nacional sem sofrerem quaisquer processos de industrialização. quando sairão com isenção do referido imposto. no mínimo 80% de sua receita bruta total de venda de bens e serviços. por ano-calendário.com. haverá recolhimento tributário integral em relação aos tributos que receberam isenção por ocasião do ingresso no regime. exceção feita à bagagem de passageiros e as destinadas a Amazônia Ocidental: a) não estão sujeitas a tributação tendo em vista que sua situação fiscal já foi regularizada quando de seu ingresso na referida Zona Franca. Ao contrário. 30. receita bruta decorrente de exportação para o exterior de. Prof. não há medidas restritivas às importações. Letra E: correta. as importações são efetuadas com suspensão tributária. b) estão sujeitas apenas ao pagamento do Imposto sobre Produtos Industrializados .IPI e ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS. salvo quando se destinarem à Amazônia Ocidental. As empresas instaladas em ZPE’s farão jus à suspensão dos tributos incidentes na importação (regime de livre comércio). c) ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior.br 84 de 121 .estrategiaconcursos. ficam vinculadas a um compromisso anual de exportação. (TTN-1997) As mercadorias estrangeiras importadas para a Zona Franca de Manaus. d) ficam sujeitas apenas ao pagamento do Imposto de Importação. Letra B: errada. Essas empresas deverão auferir e manter.2013 Teoria e Questões Prof. Na internação de produtos não-industrializados na ZFM.Legislação Aduaneira p/ RFB . também haverá recolhimento tributário relativo ao imposto de importação. Nas ZPE’s. em contrapartida. Comentários: A pergunta que a questão nos faz sobre a ZFM é a seguinte: qual o tratamento tributário na internação? Letra A: errada. Ricardo Vale – Aula 05 Letra D: errada. Na internação de produtos não-industrializados na ZFM. e) não estão sujeitas ao controle administrativo das importações (licenciamento) sujeitando-se porém ao regime fiscal aplicável aos regimes aduaneiros especiais (suspensão dos tributos). mas. Ricardo Vale www.

Destaque-se que. Caso a internação seja de produto industrializado na ZFM. e) regime fiscal especial. Na internação.estrategiaconcursos. são criadas para operar exclusivamente na importação e com finalidade de promover o desenvolvimento das regiões carentes para incrementar o comércio exterior brasileiro. localizam-se em qualquer região do País. têm por finalidade a integração latino-americana b) regime fiscal atípico.com. Na internação de produtos não-industrializados na ZFM. haverá recolhimento tributário relativo a todos os tributos que receberam isenção por ocasião do ingresso no regime. Letra E: errada. haverá recolhimento dos tributos exigíveis sobre as importações do exterior. haverá isenção de IPI e recolhimento do I. assemelhado ao da Zona Franca de Manaus. operam na importação e exportação. segundo a política de integração latino-americana. Comentários: Letra A: errada. operando exclusivamente na importação. Ricardo Vale www. são criadas com a finalidade precípua de promover o desenvolvimento das regiões fronteiriças e com o objetivo de incrementar as relações bilaterais com países vizinhos. Prof. os produtos não-industrializados na ZFM irão se submeter ao tratamento administrativo e tributário aplicável às importações. criadas exclusivamente para promover a integração das regiões isoladas com o restante do território nacional. As Áreas de Livre Comércio são destinadas a promover o desenvolvimento de áreas específicas fronteiriças da região Norte do país.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 Letra C: correta. haverá recolhimento tributário (e não suspensão!) relativo aos tributos que receberam isenção por ocasião da admissão no regime.br 85 de 121 . Letra D: errada. (TTN-1998) As Áreas de Livre Comércio criadas no Brasil têm cumulativamente as seguintes características: a) regime fiscal especial. Na internação de produtos não-industrializados na ZFM. atuam exclusivamente na exportação e têm por finalidade desenvolver a política de integração com os países do MERCOSUL.I apenas em relação aos insumos estrangeiros. 31. localizam-se de preferência em regiões adversas. c) regime fiscal especial. dentro da política de integração nacional. na internação.Legislação Aduaneira p/ RFB . d) regime aduaneiro especial.

mas com os países latinoamericanos em geral. Questão correta. sim.estrategiaconcursos. (Analista dos Correios – 2011). sob regime fiscal especial. Questão errada. são estabelecidas com a finalidade de promover o desenvolvimento de áreas fronteiriças específicas da Região Norte do País e de incrementar as relações bilaterais com os países vizinhos. O objetivo das ALC é incrementar as relações bilaterais com países vizinhos. 524. Letra E: correta. não há constituição de Termo de Responsabilidade e prestação de garantia para os tributos suspensos. 33. (Analista dos Correios – 2011). (Questão Inédita) Levando-se em consideração as disposições constantes do Decreto no 6759/2009 sobre o entreposto aduaneiro.2013 Teoria e Questões Prof. ser submetida a operação de industrialização. Comentários: O regime de entreposto aduaneiro pode ser utilizado tanto na importação quanto na exportação. O objetivo dessas áreas não é apenas a integração com países do MERCOSUL. analise os itens a seguir e atribua a letra (V) para as assertivas verdadeiras e a letra (F) para as falsas.br 86 de 121 . Letra C e D erradas. ( ) No regime de entreposto aduaneiro. segundo a política de integração latinoamericana. são áreas de livre comércio de importação e de exportação as que.Legislação Aduaneira p/ RFB . com suspensão do pagamento dos impostos federais. 32.Mercadoria importada depositada em regime de entreposto aduaneiro pode ser submetida a operação de industrialização.O regime aduaneiro não pode ser utilizado na exportação. Ricardo Vale www. marque a opção que contenha a seqüência correta: ( ) O regime especial de entreposto aduaneiro na importação é o que permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público.com. Comentários: A mercadoria importada armazenada em entreposto aduaneiro pode. de entreposto Prof. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes na importação. Em seguida. 34. segundo a política de integração latinoamericana. São concedidos benefícios fiscais nas importações de produtos para as Áreas de Livre Comércio. Ricardo Vale – Aula 05 Letra B: errada. Segundo o art. do R/A.

previamente alfandegado para esse fim. Ricardo Vale www.Acerca do entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF). Em virtude de as mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro já estarem sob controle da RFB.br 87 de 121 .Legislação Aduaneira p/ RFB . ( ) O entreposto aduaneiro de importação é o que permite o armazenamento de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público. a) VVVV b) VFVF c) FVVV d) VVFV e) FVVF Comentários: A primeira assertiva está correta. congresso. (Questão Inédita). o drawback não poderá. mostra ou evento semelhante. ao passo que não há essa restrição para o RECOF. os tributos incidentes sobre a importação ficam suspensos durante o prazo de permanência das mercadorias no recinto alfandegado.estrategiaconcursos. é necessário que esses locais sejam previamente alfandegados pela autoridade aduaneira. Entretanto. realizado em recinto de uso privativo. No entreposto aduaneiro. em qualquer situação. Ricardo Vale – Aula 05 ( ) O regime de entreposto aduaneiro permite a permanência de mercadoria estrangeira em feira. também conhecido como entreposto industrial sob controle informatizado.2013 Teoria e Questões Prof. O regime aduaneiro especial de entreposto aduaneiro também pode ser operado em locais onde se realizem feiras. o Termo de Responsabilidade é dispensado.com. que exige Prof. A terceira assertiva está correta. com suspensão dos tributos incidentes na importação. 35. A segunda assertiva está correta. b) O RECOF. ser concedido para operações sem cobertura cambial. mostras ou outro evento semelhante. é regime aduaneiro especial concedido pela RFB. A quarta assertiva está correta. assinale a alternativa correta: a) O regime de drawback é concedido pela SECEX e apresenta aspectos semelhantes ao RECOF. As mercadorias submetidas ao regime de entreposto aduaneiro permanecem armazenadas em recinto alfandegado com suspensão dos tributos incidentes. congressos. Todavia.

Letra C: correta. devendo ser comprovado o ingresso de recursos ou o retorno das Prof. seja no estado em que foi importada ou após processo de industrialização.estrategiaconcursos. O drawback. O prazo de suspensão do pagamento dos tributos incidentes na importação será de até 1 (um) ano. c) Há possibilidade de que parte da mercadoria admitida no regime de entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF). mas apenas para aquelas de determinados setores. Ricardo Vale – Aula 05 como contrapartida a destinação de parte das mercadorias ao exterior. Ricardo Vale www.br 88 de 121 .A exportação em consignação é uma modalidade especial de exportação em que mercadorias são enviadas ao exterior para fins de promoção comercial. Há uma modalidade de drawback que permite operações sem cobertura cambial (sem expectativa de pagamento). Entretanto. e) No RECOF. O RECOF permite a importação de mercadorias com ou sem cobertura cambial. Comentários: Letra A: errada. o prazo de suspensão dos tributos é de até 2 (dois) anos. desde que devidamente habilitada pela RFB. 36. possa ser despachada para consumo. Comentários: Na exportação em consignação. Existe a possibilidade de que parte da mercadoria admitida no RECOF seja despachada para consumo.2013 Teoria e Questões Prof. em regra. prorrogável por período não superior a 1 (um) ano.com.Legislação Aduaneira p/ RFB . Letra E: errada. existe a modalidade especial de drawback sem expectativa de pagamento (sem cobertura cambial). (ACE-2008) . no caso de não terem sofrido modificação ou de não ter ocorrido sua venda. diferindo do drawback pelo fato de que neste não são submetidas mercadorias importadas sem cobertura cambial. Letra B: errada. prorrogável por igual período. d) Qualquer empresa poderá se habilitar no RECOF. admite unicamente mercadorias importadas com cobertura cambial. A habilitação no RECOF não é possível para qualquer empresa. no estado em que foi importada ou depois de submetida a processo de industrialização. as mercadorias são enviadas ao exterior. Letra D: errada. sem qualquer incidência tributária. devendo ser efetuado seu retorno no prazo de 180 dias.

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 mercadorias ao Brasil dentro do prazo de 720 dias (Questão errada). Importante ressaltar que a exportação em consignação não é um regime aduaneiro especial, mas sim uma modalidade especial de exportação autorizada pela SECEX. 37. (Questão Inédita)exportação temporária: Assinale a alternativa correta sobre a

a) É permitida a exportação temporária de mercadoria cuja exportação definitiva seja proibida. b) O exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária não se exaure com a sua concessão. c) A reimportação, quando fora do prazo, não extingue o regime de exportação temporária d) Extingue o regime de exportação temporária a importação de produto equivalente àquele submetido ao regime. e) Quando se tratar de exportação temporária de mercadoria sujeita ao imposto de exportação, a obrigação tributária será constituída em termo de responsabilidade, sendo exigida garantia. Comentários: Letra A: errada. Nos termos do art. 433, do R/A, não será permitida a exportação temporária de mercadorias cuja exportação definitiva esteja proibida, exceto nos casos em que haja autorização do órgão competente. Letra B: errada. O exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária se exaure com a sua concessão. Letra C: errada. Mesmo que realizada fora do prazo, a reimportação extingue o regime de admissão temporária. Letra D: correta. Essa é uma hipótese de extinção do regime, prevista no art. 444, do R/A. Letra E: errada. De fato, quando a mercadoria exportada temporariamente estiver sujeita ao imposto de exportação, a obrigação tributária será constituída em Termo de Responsabilidade. No entanto, não será exigida a prestação de garantia. 38. (Questão Inédita)- Assinale a alternativa correta sobre o regime aduaneiro especial de loja franca:

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

89 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 a) A importação para admissão no regime de loja franca, inclusive da mercadoria que se encontra em depósito alfandegado certificado, será feita em consignação, permitido o pagamento ao consignante no exterior somente após a efetiva venda da mercadoria na loja franca. b) As lojas francas poderão ser instaladas em qualquer lugar de zona primária. c) Somente passageiros em viagem internacional podem adquirir mercadorias em lojas francas. d) A mercadoria estrangeira importada diretamente pelos concessionários das lojas francas permanecerá com isenção do pagamento de tributos até a sua venda a passageiro em viagem internacional. e) A exploração do regime de loja franca independe de qualquer procedimento licitatório e de habilitação pela RFB. Comentários: Letra A: correta. De fato, a importação para admissão no regime de loja franca será feita em consignação. O pagamento ao consignante no exterior somente será realizado após a efetiva venda da mercadoria na loja franca. Letra B: errada. As lojas francas poderão ser instaladas em zona primária de porto ou aeroporto alfandegado. Não é possível a instalação de loja franca em ponto de fronteira alfandegado. Letra C: errada. Não são apenas os passageiros em viagens internacionais que podem adquirir mercadorias em lojas francas. O art. 478 do R/A relaciona as pessoas autorizadas a fazer compras em lojas francas. Letra D: errada. A mercadoria estrangeira importada diretamente pelos concessionários de lojas francas permanecem com suspensão de tributos até a venda a passageiro em viagem internacional. Letra E: errada. Somente poderão explorar o regime de loja franca as pessoas ou firmas habilitadas pela Secretaria da Receita Federal, através de um processo de pré-qualificação. 39. (Questão Inédita)- Assinale a alternativa correta:

a) A mercadoria estrangeira importada diretamente pelo beneficiário do regime aduaneiro especial de loja franca é isenta de tributos. b) O depósito especial é um regime aduaneiro especial que somente permite que as mercadorias fiquem armazenadas em um recinto alfandegado de uso privativo com suspensão de tributos incidentes sobre a operação.

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

90 de 121

Legislação Aduaneira p/ RFB - 2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 c) O regime aduaneiro especial de depósito afiançado é o que permite, em recinto alfandegado, a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. d) A transferência para o regime aduaneiro especial de drawback é causa de extinção do regime aduaneiro especial de depósito alfandegado certificado. e) O regime aduaneiro especial de depósito especial será concedido somente às empresas autorizadas a operar no transporte comercial internacional. Comentários: Letra A: errada. A mercadoria estrangeira importada diretamente pelo beneficiário do regime aduaneiro especial de zona franca tem os tributos suspensos e não isentos, como afirma a assertiva. Essa suspensão se converte em isenção quando a mercadoria é vendida a passageiro em viagem internacional. Letra B: errada. No regime de depósito especial, as mercadorias ficam armazenadas em recinto não-alfandegado de uso privativo, que pode ser o próprio estabelecimento da empresa. Letra C: errada. A assertiva descreve o regime aduaneiro especial de depósito franco. Letra D: correta. De fato, a transferência da mercadoria submetida ao regime de depósito alfandegado certificado para o regime aduaneiro especial de drawback é causa de extinção do regime. Letra E: errada. O regime aduaneiro especial de depósito afiançado (e não o de depósito especial!) é que somente será concedido às empresas autorizadas a operar no transporte comercial internacional. 40. (ACE-2008) - As zonas de processamento de exportação (ZPE’s), como instrumentos de desenvolvimento regional e forma de regime aduaneiro atípico, diferenciam-se das áreas de livre comércio pelo fato de que há a exigência de que os bens produzidos naquelas sejam necessariamente destinados à exportação. Comentários: Não há a exigência de que os produtos produzidos em uma ZPE sejam necessariamente destinados à exportação. Entretanto, podemos dizer que boa parte dos produtos produzidos em uma ZPE serão destinados ao exterior, já que somente poderá se instalar nesse tipo de região, empresa que assumir o compromisso de auferir e manter, por ano , receita bruta decorrente

Prof. Ricardo Vale

www.estrategiaconcursos.com.br

91 de 121

aparelhos e instrumentos. com suspensão do pagamento de tributos para veículos. para todos os efeitos fiscais. com suspensão do pagamento dos tributos incidentes na importação. máquinas. e) permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público. Prof. A assertiva descreve o entreposto aduaneiro na importação. (Questão Inédita)-O depósito franco é o regime aduaneiro especial que: a) permite considerar exportada. Letra D: errada. A assertiva descreve o depósito especial. 41. a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado.com. equipamentos. Letra C: errada. componentes e materiais de reposição ou manutenção. de materiais importados sem cobertura cambial. nacionalizados ou não. no mínimo. conforme previsto no art. do R/A. peças e componentes estrangeiros. A assertiva descreve o depósito afiançado.br 92 de 121 . vendida a pessoa sediada no exterior. com suspensão do pagamento dos tributos. Letra B: correta.2013 Teoria e Questões Prof. (Questão Inédita). 80% de sua receita bruta total decorrente de venda de bens e serviços. creditícios e cambiais. Ricardo Vale – Aula 05 de exportação para o exterior de. b) permite. c) permite a estocagem. 499. em recinto alfandegado. mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente. e nacionais em que tenham sido empregados partes. Ricardo Vale www. Essa é a exata definição do depósito franco. A assertiva descreve o Depósito Alfandegado Certificado (DAC). Questão errada. estrangeiros.Legislação Aduaneira p/ RFB . Letra E: errada. Comentários: Letra A: errada. destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional.estrategiaconcursos. 42. d) permite a estocagem de partes.Sobre assinale a alternativa correta: o regime de trânsito aduaneiro. a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. peças.

constitua o ponto inicial do itinerário de trânsito. A interrupção do trânsito também se aplica no caso do trânsito aduaneiro na modalidade de passagem. Local de destino do trânsito. O local de origem do trânsito aduaneiro é aquele que. por sua vez. b) O operador de transporte multimodal e o agente credenciado a efetuar operações de unitização ou desunitização da carga em recinto alfandegado podem ser beneficiários do regime de trânsito aduaneiro. 43. independente de controle aduaneiro. com a baixa responsabilidade.2013 Teoria e Questões Prof. A conclusão do trânsito aduaneiro compete à unidade de destino. Ricardo Vale – Aula 05 a) O local de origem do trânsito aduaneiro é aquele que. (Questão Inédita). A unidade de origem apenas concede o regime de trânsito aduaneiro. Prof. c) A verificação para trânsito dispensa a presença do beneficiário do regime. Letra E: errada. Ricardo Vale www. d) Não é autorizada a interrupção do trânsito.Legislação Aduaneira p/ RFB . no caso de trânsito aduaneiro de passagem. O OTM e os agentes de unitização e desunitização podem ser beneficiários do regime de trânsito aduaneiro. e) A conclusão do trânsito aduaneiro.br 93 de 121 . A verificação para trânsito será realizada na presença do beneficiário do regime e do transportador. será o ponto final do itinerário de trânsito. Letra B: correta.com.Assinale a regimes aduaneiros especiais: alternativa correta sobre os do termo de a) Somente serão admitidas no regime de depósito especial mercadorias importadas sem cobertura cambial. pela autoridade aduaneira. constitua o ponto inicial do itinerário de trânsito. exigindo-se tão-somente a presença do transportador. sob controle aduaneiro. Comentários: Letra A: errada. b) O prazo de permanência da mercadoria no regime de depósito especial é de até cinco anos contados da data do registro da declaração para admissão no regime.estrategiaconcursos. Letra D: errada. Letra C: errada. compete à unidade de origem do trânsito.

Letra D: errada. com direito a utilização dos benefícios fiscais previstos para incentivo à exportação. Na modalidade de regime extraordinário. de exportação Letra E: errada. Prof. Ricardo Vale www. em qualquer caso. Letra B: errada.Assinale a alternativa correta sobre o regime de entreposto aduaneiro: a) Somente é permitida a admissão no regime de entreposto aduaneiro de mercadoria importada sem cobertura cambial. d) O regime de depósito alfandegado certificado poderá ser extinto pela reimportação. a armazenagem de mercadoria nacional ou nacionalizada para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale – Aula 05 c) A autorização para que empresa estrangeira opere no regime de depósito especial está condicionada a previsão em ato internacional firmado pelo Brasil. permite-se a armazenagem de mercadorias em recinto de uso privativo. será o depositário. e) O regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite. as mercadorias admitidas em depósito especial deverão ter sido importadas sem cobertura cambial. (Questão Inédita). O beneficiário do regime. O depósito afiançado operado por empresa estrangeira é que depende de tratado internacional ou de promessa de reciprocidade.estrategiaconcursos. em recinto alfandegado. O prazo de permanência em depósito especial é de até 5 anos contados da data do desembaraço aduaneiro.Legislação Aduaneira p/ RFB .br 94 de 121 . Letra C: errada. c) O consignatário de mercadoria entrepostada não poderá ser beneficiário do regime de entreposto aduaneiro na importação. A reimportação é o retorno temporária e não consiste em hipótese de extinção do DAC. b) O entreposto aduaneiro na exportação compreende as modalidades de regime comum e extraordinário. 44. O depósito franco permite a armazenagem de mercadoria estrangeira. antes do seu efetivo embarque para o exterior. De fato. Comentários: Letra A: correta.com. ou a que seja comprovada a existência de reciprocidade de tratamento.

(Questão Inédita). e) Se houver extravio ou avaria de mercadoria entrepostada. será isenta dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. a pena de perdimento. A venda para empresa comercial exportadora é equiparada à exportação. agropecuária. para efeitos fiscais. Ricardo Vale www. responderá pelo pagamento dos tributos suspensos o consignatário da mercadoria. Ricardo Vale – Aula 05 d) Após 45 dias do término do prazo de vigência do regime de entreposto aduaneiro. Assim. inclusive beneficiamento. a pena de perdimento não pode ser aplicada de imediato. destinadas a seu consumo interno. Logo. de imediato. aplicando-se. 45. ou posterior exportação.2013 Teoria e Questões Prof. Com isso. Prof. em recinto alfandegado de uso privativo. pesca. o pagamento dos tributos suspensos caberá ao depositário. a mercadoria será considerada abandonada. será. Após 45 dias do término do prazo de vigência do regime de entreposto aduaneiro. O regime extraordinário é aquele operado por empresa comercial exportadora. antes do efetivo embarque da mercadoria para o exterior. instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza.Legislação Aduaneira p/ RFB . Letra C: errada. b) A remessa de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na Zona Franca de Manaus. O consignatário de mercadoria entrepostada é beneficiário do regime de entreposto aduaneiro. os benefícios fiscais às exportações são aplicáveis já nessa venda. bem como a estocagem para reexportação. industrialização em qualquer grau.com.estrategiaconcursos. ou seja. equivalente a uma exportação brasileira para o exterior. a mercadoria será considerada abandonada. O entreposto aduaneiro na exportação compreende duas modalidades: regime comum e regime extraordinário. Letra E: errada.br 95 de 121 . Letra B: correta. As mercadorias admitidas em entreposto aduaneiro podem ser importadas com ou sem cobertura cambial. Letra D: errada. Havendo extravio ou avaria de mercadoria entrepostada.Assinale a alternativa incorreta sobre a Zona Franca de Manaus: a) A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus. Comentários: Letra A: errada. c) A saída de mercadorias da Zona Franca de Manaus para as áreas de livre comércio localizadas na Amazônia Ocidental estão sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior. tem início o processo para aplicação da pena de perdimento.

Na internação de produtos industrializados na ZFM. há isenção de I.Legislação Aduaneira p/ RFB . Letra E: correta. Ricardo Vale – Aula 05 d) Os produtos industrializados na ZFM estão isentos do IPI quando destinados ao seu consumo interno ou à comercialização em qualquer ponto do território aduaneiro. ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior Comentários: Letra A: correta. haverá isenção de IPI e pagamento do I. Letra B: correta. Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof.estrategiaconcursos. haverá recolhimento dos impostos exigíveis sobre importações do exterior. Na saída de mercadorias da ZFM para as áreas de livre comércio. e) As mercadorias estrangeiras importadas para a Zona Franca de Manaus. Na internação de mercadorias não-industrializadas na ZFM. não será necessário pagamento dos impostos exigíveis sobre importações do exterior.I e IPI. Destaque-se que é considerado industrializado na ZFM o produto que satisfaça os requisitos previstos no PPB (Processo Produtivo Básico). Prof. quando desta saírem para outros pontos do território aduaneiro. A venda de mercadoria para a ZFM é equiparada a uma exportação brasileira. Na entrada de mercadorias estrangeiras na ZFM.com.br 96 de 121 .I apenas em relação aos insumos importados (coeficiente de redução). Letra D: correta. Letra C: errada.

mostra ou evento semelhante. com suspensão do pagamento de tributos. (Questão Inédita) Após o término do prazo de vigência do entreposto aduaneiro na importação. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF) permite a empresa beneficiária importar ou adquirir no mercado interno.estrategiaconcursos.com. Ricardo Vale www. que pode ser o despacho para consumo. realizado em recinto de uso privativo. 9.br 97 de 121 . (Questão Inédita) O RECOF somente será concedido a empresas que atendam a termos. (Questão Inédita) O regime de entreposto aduaneiro na modalidade extraordinário poderá ser operado por qualquer pessoa jurídica habilitada pela Secretaria da Receita Federal do Brasil. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Uma das hipóteses de extinção do regime especial de entreposto aduaneiro na importação é o despacho para consumo. 3. 4. 2. mercadorias a serem submetidas a operações de industrialização de produtos destinados à exportação ou ao mercado interno. a reexportação. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime especial de entreposto aduaneiro na importação permite a permanência de mercadoria estrangeira em feira. 5. 7. Prof.Legislação Aduaneira p/ RFB . 10. Ricardo Vale – Aula 05 LISTA DE QUESTÕES Nº 01 1. a exportação ou a transferência para outro regime aduaneiro especial ou aplicado em áreas especiais. (Questão Inédita) O entreposto aduaneiro na importação poderá ser extinto pelo despacho para consumo. limites e condições estabelecidos pela Receita Federal do Brasil. 6. congresso. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Na hipótese de despacho para consumo de mercadoria admitida no entreposto aduaneiro na importação com registro de Declaração de Importação (DI) com cobertura cambial. (Questão Inédita) O entreposto aduaneiro. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime de entreposto aduaneiro na importação permite a armazenagem de mercadoria em local alfandegado com suspensão do pagamento dos impostos incidentes. somente admite mercadorias importadas sem cobertura cambial. o beneficiário do regime deverá dar uma destinação à mercadorias. por se caracterizar pela suspensão dos tributos incidentes nas importações em consignação. 8. a DI do despacho para consumo também será com cobertura cambial. reexportação ou destruição sob controle aduaneiro.2013 Teoria e Questões Prof. sem pagamento dos tributos suspensos em quaisquer dos dois casos.

(Exame Despachante Aduaneiro – 2012) O regime que permite o armazenamento de mercadorias estrangeiras com suspensão dos tributos para serem vendidas a viajantes com destino ao exterior ou viajantes que chegam ao País. o prazo de suspensão dos tributos incidentes na importação será de até 2 anos. 20. no mesmo estado em que foi exportada. independentemente de qualquer procedimento administrativo. (Questão Inédita) No RECOF.estrategiaconcursos. 21. (Questão Inédita) Quando se tratar de exportação temporária de mercadoria sujeita ao imposto de exportação. (Questão Inédita) O indeferimento do pleito de concessão do regime de exportação temporária não impede a saída da mercadoria do território aduaneiro. para efeito de exclusão da responsabilidade tributária do beneficiário. Findo o prazo fixado para a permanência da mercadoria no regime. podendo ser operado somente em zona primária. (Questão Inédita) No RECOF.Legislação Aduaneira p/ RFB . serão exigidos. é o de Loja Franca. não se exigindo garantia. 16. 13. Prof. de mercadoria nacional ou nacionalizada. 15. a obrigação tributária será constituída em termo de responsabilidade. no caso de perda inevitável no processo produtivo. admite-se um pequeno percentual de tolerância. 18. através de um processo de pré-qualificação. do País. 17. ainda. em relação ao estoque. a empresa não assume qualquer compromisso de exportação. pela entrega dos bens à Fazenda Nacional. (Exame Despachante Aduaneiro – 2012) Exportação temporária é o regime que permite a saída temporária de mercadorias nacionais ou nacionalizadas com suspensão dos tributos. (Questão Inédita) O regime de exportação temporária é o que permite a saída. (Questão Inédita) Somente poderão explorar o regime de loja franca as pessoas ou firmas habilitadas pela Secretaria da Receita Federal. prorrogável por igual período. A bagagem acompanhada reputa-se em exportação temporária. pela transformação em exportação definitiva da mercadoria admitida no regime ou. (Questão Inédita) No RECOF. 14. com os acréscimos legais cabíveis. com suspensão do pagamento do imposto de exportação. condicionada à reimportação em prazo determinado.2013 Teoria e Questões Prof.com. 12.br 98 de 121 . 19. ao contrário do drawback. (Questão Inédita) A exportação temporária poderá ser extinta pela reimportação. Ricardo Vale www. os tributos suspensos. Ricardo Vale – Aula 05 11. (Questão Inédita) O exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária não se exaure com a sua concessão.

com base em software desenvolvido pelo beneficiário.Legislação Aduaneira p/ RFB . (Questão Inédita) O despacho para consumo de mercadoria admitida no regime de depósito especial será efetuado pelo beneficiário até o dia dez do mês seguinte ao da saída das mercadorias do estoque.com. contados do desembaraço para admissão. (Questão Inédita) A autorização para empresa estrangeira operar no regime de depósito afiançado é condicionada a previsão em ato internacional firmado pelo Brasil. mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente. (Questão Inédita) Poderão ser admitidas em depósito especial e depósito afiançado mercadorias importadas com cobertura cambial.2013 Teoria e Questões Prof. creditícios e cambiais. contados a partir da data do desembaraço para admissão no regime. 26. vendida a pessoa sediada no exterior. com observância das exigências legais e regulamentares. com suspensão tributária pelo prazo de até 5 anos. Ricardo Vale – Aula 05 22. ou a que seja comprovada a existência de reciprocidade de tratamento. 28. (Questão Inédita) O controle aduaneiro da entrada. Prof. 25. (Questão Inédita) O regime de loja franca será extinto com a venda de mercadoria a passageiro em viagem internacional. 32. 30. 24. para todos os efeitos fiscais. inclusive as relativas ao controle administrativo das importações. contado da emissão do conhecimento de depósito alfandegado. (Questão Inédita) O depósito afiançado somente poderá ser concedido a empresas estrangeiras que operem o transporte aéreo e marítimo 29. (Questão Inédita) O regime de depósito alfandegado certificado somente será operado em recinto alfandegado de uso público. Ricardo Vale www. que atenda ao estabelecido em ato normativo da Secretaria da Receita Federal do Brasil. a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado. (Questão Inédita) O controle aduaneiro da entrada. 27. em ambos os regimes.br 99 de 121 . da permanência e da saída de mercadorias em depósito especial será efetuado mediante processo informatizado. (Questão Inédita) O prazo de permanência da mercadoria no regime de depósito alfandegado certificado não poderá ser superior a um ano. é de até 5 anos. da permanência e da saída de mercadorias no depósito afiançado será efetuado mediante processo informatizado. 31. 23.estrategiaconcursos. (Questão Inédita) O depósito especial permite a armazenagem de mercadorias importadas com ou sem cobertura cambial. (Questão Inédita) O regime de depósito alfandegado certificado é o que permite considerar exportada. O prazo de permanência da mercadoria.

produtos semielaborados ou acabados e de partes ou peças. de exportação e importação. incluído pela Emenda Constitucional n.estrategiaconcursos. 40 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). (ATRFB – 2012) O art. (Questão Inédita) O regime aduaneiro especial de importação de petróleo bruto e seus derivados . 40 do ADCT. (Questão Inédita) O RECOM será aplicado exclusivamente a importações realizadas por conta e ordem de pessoa jurídica encomendante domiciliada no exterior 39. Ricardo Vale www. acrescentou quinze anos ao prazo fixado no art. na importação de máquinas. Ricardo Vale – Aula 05 33.br 100 de 121 . qualquer que seja sua origem.REPEX é o que permite a importação desses produtos. será considerada contrabando. peças de reposição e outros bens.Legislação Aduaneira p/ RFB . e posterior comprovação do adimplemento das obrigações decorrentes da aplicação desse regime mediante exportação sem saída do território aduaneiro. (Questão Inédita) O REPORTO é o regime aduaneiro especial que permite. pelo prazo de vinte e cinco anos. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação. utilizados na fabricação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural. 36. (Questão Inédita) O regime de depósito franco somente será concedido quando autorizado por acordo internacional ou quando existente promessa de reciprocidade. (ATRFB – 2012) A exportação de mercadorias da Zona Franca de Manaus para o exterior. 34.com. de matérias-primas.2013 Teoria e Questões Prof. (Exame Despachante Aduaneiro) A saída de mercadoria da ZFM. com suspensão do pagamento dos impostos federais. e de incentivos fiscais. com suas características de área de livre comércio. (ATRFB – 2012) O art. 41. punido com a aplicação da pena de perdimento. 40. no mesmo estado em que foram importados. desde que importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados à revenda. (Questão Inédita) O depósito franco tem como objetivo atender ao fluxo comercial do Brasil com terceiros países. não autorizada pela fiscalização aduaneira. manteve a Zona Franca de Manaus. a partir da promulgação da Constituição Federal. 38. para posterior exportação. na modalidade suspensão. 42. sob o regime de drawback. Prof. está isenta do Imposto de Exportação. 37. 42. equipamentos. de 19 de dezembro de 2003. (Questão Inédita) O REPETRO permite a importação. 92 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. 35. a suspensão do pagamento dos tributos federais.

de 28 de fevereiro de 1967. Ricardo Vale www. (ATRFB – 2012) Não é permitida a aplicação de regimes aduaneiros suspensivos em Zonas de Processamento de Exportação.com. (Questão Inédita) A remessa de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na Zona Franca de Manaus. Prof. destinadas a seu consumo interno. Ricardo Vale – Aula 05 43. pesca. 45.br 101 de 121 . (Questão Inédita) O ato que autorizar a instalação de empresa em zona de processamento de exportação relacionará os produtos a serem fabricados de acordo com a sua classificação na Nomenclatura Comum do Mercosul e assegurará o tratamento relativo a zonas de processamento de exportação pelo prazo de até vinte anos. 49. importados pela Zona Franca de Manaus.Legislação Aduaneira p/ RFB . para efeitos fiscais. (Questão Inédita) A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus. 291. ou posterior exportação. agropecuária. 50.estrategiaconcursos. será. equivalente a uma exportação brasileira para o exterior. não podem vender produtos para o mercado interno. (AFRFB – 2012) De acordo com a legislação em vigor. as empresas instaladas em Zonas de Processamento de Exportação (ZPE). bem como a estocagem para reexportação. 44. do Acre. (ATRFB – 2012) De acordo com o Decreto-Lei n. 52. 48. inclusive beneficiamento. industrialização em qualquer grau. de Rondônia e de Roraima. observados os requisitos estabelecidos para o processo produtivo básico.2013 Teoria e Questões Prof. (Questão Inédita) Os produtos nacionais exportados para o exterior e. instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza. será isenta dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. 47. 46. (ATRFB – 2012) As áreas de livre comércio serão administradas pela Superintendência da Zona Franca de Manaus. (Questão Inédita) O início do funcionamento de zona de processamento de exportação dependerá do prévio alfandegamento da respectiva área. caracterizadas como áreas de livre comércio com o exterior. (Questão Inédita) Estão isentas do imposto sobre produtos industrializados todas as mercadorias produzidas na Zona Franca de Manaus que se destinem ao seu consumo interno ou à comercialização em qualquer ponto do território aduaneiro. a Amazônia Ocidental é constituída pelos Estados do Amazonas. posteriormente. não gozarão de isenção do imposto de importação e do imposto sobre produtos industrializados. 51.

fica equiparada à exportação. 8.br 102 de 121 . 55. quando destas saírem para outros pontos do território aduaneiro. (ATRFB – 2012) A venda de mercadorias nacionais ou nacionalizadas. Ricardo Vale www. para empresas ali estabelecidas.2013 Teoria e Questões Prof.com.256. de 25 de novembro de 1991. Ricardo Vale – Aula 05 53. 54. (Questão Inédita) A entrada de produtos estrangeiros nas áreas de livre comércio será feita com isenção do pagamento dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. efetuada por empresas estabelecidas fora das Áreas de Livre Comércio de Boa Vista – ALCBV e de Bonfim – ALCB. ficam sujeitas ao tratamento fiscal e administrativo dado às importações do exterior.Legislação Aduaneira p/ RFB . (Questão Inédita) As mercadorias estrangeiras importadas para as áreas de livre comércio. Prof.estrategiaconcursos. de que trata a Lei n.

Ricardo Vale www.2-adaptada) No regime aduaneiro entreposto aduaneiro operado em recinto alfandegado especial de a) a nacionalização e o despacho para consumo das mercadorias entrepostadas somente poderão ser feitos pelo consignatário.estrategiaconcursos. d) Drawback. sendo vedadas operações de industrialização. (Petrobrás – 2007 . (AFRF-2002. e transformação. beneficiamento. e) Entreposto Aduaneiro na Importação. c) a mercadoria poderá ser nacionalizada pelo adquirente ou pelo consignatário. recondicionamento de partes e peças e materiais de reposição. congresso. Prof. permitidas. com suspensão do pagamento dos tributos.br 103 de 121 .2013 Teoria e Questões Prof.Entreposto aduaneiro é um regime aduaneiro especial que permite o depósito. Ricardo Vale – Aula 05 LISTA DE QUESTÕES Nº 02 1. de mercadorias destinadas exclusivamente à exportação. manutenção e reparo de aeronaves e embarcações.com. só admissíveis no regime de entreposto industrial e no RECOF. no caso de alimentos para consumo de bordo de aeronaves e embarcações ou destinados à exportação. as operações de montagem. em local determinado. em seu nome. denomina-se: a) Trânsito aduaneiro. b) a nacionalização da mercadoria deverá ser feita pelo consignatário e o despacho para consumo pelo adquirente da mercadoria entrepostada.Legislação Aduaneira p/ RFB . 3. despachada para consumo ou exportada. c) Entreposto Industrial sob Controle Informatizado.adaptada). e. mediante credenciamento do recinto. reacondicionamento. permitidas apenas as operações de recondicionamento de equipamento para a produção industrial e beneficiamento. realizado em recinto privado e previamente alfandegado para esse fim. 2. b) Admissão temporária. acondicionamento. (ACE-2012) O regime aduaneiro que permite o armazenamento de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público com suspensão do pagamento dos impostos incidentes na importação ou a permanência da mesma em feira. mostra ou evento semelhante.

anteriormente remetidas a um segundo país. tendo. foi exportada ao país B. em seguida. que não o de origem da mercadoria. sido importada deste por um terceiro país. c) tendo sido produzida no país A. reimportação. exportação. e entrepostadas poderão ser objeto de exportação. 5. são permitidas apenas as operações de embalagem.br 104 de 121 . foi exportada ao país B. “Retorno a um país de mercadorias de sua produção.2013 Teoria e Questões Prof. exportação interna. foi exportada para o país B onde sofreu transformação. neste caso. (AFRF-2000-adaptada) Leia com atenção as frases abaixo: “Vendas no estrangeiro de bens e serviços produzidos em um país”. importação.com.1) Sobre uma mercadoria que foi reimportada é correto afirmar que: a) tendo sido importada pelo país A. (AFRF-2002. “Remessa de bens de uma região para outra dentro do mesmo país. após maior ou menor grau de transformação realizada por este último”. relativamente a mercadorias que armazene e. foi exportada para um outro país.Legislação Aduaneira p/ RFB . e) tendo sido produzida no país A.estrategiaconcursos. Prof. d) tendo sido importada pelo país A. b) tendo sido produzida no país A. Ricardo Vale www. não sendo considerado contribuinte do IPI relativamente às operações de industrialização efetuadas. onde sofreu transformação. exportada para um segundo país. sendo permitidos apenas os serviços conexos e a unitização e desunitização de volumes. etiquetagem e marcação dos volumes. “Entrada de mercadorias e serviços estrangeiros em um país”. sem ter sofrido qualquer transformação. sem cobertura cambial. em seguida. nele sofreu transformação e foi. “Retorno ao exterior de um bem admitido temporariamente para ser submetido a reparo”. 4.” Os conceitos acima mencionados referem-se respectivamente a: a) reexportação. e) o permissionário ou concessionário de recinto alfandegado de uso público poderá ser beneficiário do regime de entreposto aduaneiro apenas na importação. após o que retornou ao país de origem. Ricardo Vale – Aula 05 d) as mercadorias importadas em consignação. reembalagem.

na modalidade “nãovinculado”: a) é contribuinte do imposto de importação porque reveste a qualidade de importador ao promover a entrada da mercadoria estrangeira no território aduaneiro b) é contribuinte do imposto de importação ao nacionalizar a mercadoria e promover o despacho aduaneiro para consumo em seu nome c) é contribuinte do imposto de importação porque tem relação pessoal e direta com o procedimento de admissão de mercadoria no regime Prof. importação.com. resultando em espécie diversa daquela prevista no processo de exportação temporária. d) Importação. c) reimportação. reimportação. exportação interna e exportação. importação.Legislação Aduaneira p/ RFB . reexportação. a sua entrada no território nacional. porque a mercadoria passa a ser considerada estrangeira. reexportação. por ocasião do despacho aduaneiro de importação. e) exportação interna. reimportação. 7.estrategiaconcursos. Ricardo Vale www. exportação interna. quando o consignatário no exterior não procedeu a sua venda nos prazos autorizados no regime de exportação temporária. exportação e importação. tendo em vista que tais operações de industrialização foram executadas no exterior.br 105 de 121 . quando no exterior sofreu beneficiamento ou transformação. reexportação. tendo em vista a interpretação da legislação específica aplicável. Ricardo Vale – Aula 05 b) exportação. o mérito da aplicação do regime seja reexaminado pela autoridade concedente. não faz incidir o IPI vinculado à importação. d) permite que. c) obriga o pagamento do imposto de importação e do IPI vinculado.2013 Teoria e Questões Prof. exportação interna. nessa ocasião. e) para restauração. 6. (TRF-2000) O consignatário de mercadoria submetida ao regime de entreposto aduaneiro na importação. b) faz incidir o imposto de importação no caso de ultrapassagem do prazo para o seu retorno ao País. beneficiamento ou transformação. exportação. (TRF-2000) temporariamente: A reimportação de mercadoria exportada a) constitui fato gerador do imposto de importação. reimportação. reexportação.

caracteriza o regime aduaneiro especial de: a) entreposto aduaneiro b) drawback c) entreposto industrial d) admissão temporária para aperfeiçoamento ativo e) entreposto industrial sob controle informatizado. a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de entreposto. b) comum. controle aduaneiro das mercadorias. a partir da data da entrada da mercadoria adquirida no mercado interno por qualquer empresa comercial. industrial ou prestadora de serviços de transporte internacional. a partir da data da entrada da mercadoria na unidade de entreposto. 8. 10. autorização para operações industriais de montagem.estrategiaconcursos. (TTN-1998) O regime de entreposto aduaneiro na exportação subsiste na modalidade de regime: a) comum. não cobertura cambial na operação de importação. Prof. Ricardo Vale www. 9. e) extraordinário. Ricardo Vale – Aula 05 d) é contribuinte do IPI no momento do desembaraço aduaneiro para admissão no regime e) é responsável pelo pagamento do imposto de importação apenas nas hipóteses de extravio ou falta de mercadoria admitida no regime e declarada abandonada pela ultrapassagem do prazo de entrepostamento.br 106 de 121 .2013 Teoria e Questões Prof. acondicionamento e reacondicionamento em local alfandegado delimitado e específico na zona secundária. d) extraordinário.Legislação Aduaneira p/ RFB . c) comum.com. (TRF-2000) O preenchimento cumulativo das condições de suspensão do pagamento dos tributos. a partir da data do registro da chegada do veículo transportador à sede da empresa permissionária do regime. (TTN-1998) Determinada empresa requereu a concessão e aplicação do regime de exportação temporária a uma mercadoria sujeita à alíquota do Imposto de Exportação de 0. a partir da data da saída da mercadoria do estabelecimento do vendedor.75% ad valorem.

tendo-lhe sido deferido o pedido. dentro do período prescricional de 5 (cinco) anos. no exercício da atividade administrativa. nos termos do art.se com a sua concessão. competindo-lhe tãosomente cobrar o Imposto sobre Produtos Industrializados e a multa por descumprimento das obrigações acessórias. além do que o exame do mérito da aplicação do regime exauriu. para depósito de produtos da empresa permissionária e na importação. tendo em vista a reimportação dentro do prazo.A exploração de entreposto aduaneiro de uso privativo será permitida: a) apenas na importação e exclusivamente para estocagem de partes. Por ocasião da reimportação da mercadoria. reexaminando o processo. a mercadoria era sujeita a Imposto de Exportação e lhe competia efetuar o lançamento e cobrança do imposto. dentro do prazo. etc). após o exame da operação em todos os seus aspectos (fiscal. c) não se justificava porque o Imposto de Exportação estava garantido por termo de responsabilidade a ser baixado. além do que. peças e materiais de reposição ou manutenção para veículos ou equipamentos estrangeiros. b) procedia porque. o regime não deveria ter sido concedido. sua atividade é vinculada e obrigatória sob pena de responsabilidade funcional. d) justificava-se porque. O procedimento do funcionário a) justificava-se porque era sua obrigação rever a legalidade do ato concessivo do regime em todos os seus aspectos e tomar as providências fiscais cabíveis. c) na exportação. excetuados os de consumo.Legislação Aduaneira p/ RFB . descaracterizou o regime sob o argumento de que para aquela mercadoria não era passível de ser aplicado o regime. uma vez que. no território aduaneiro de mercadoria à qual tenha sido aplicado o regime de exportação temporária não constitui fato gerador do Imposto de Importação. (AFTN-1994). para depósito de bens de produção. b) apenas na exportação e exclusivamente pelas empresas de armazéns gerais. não cabendo mais discuti-lo quando da reimportação da mercadoria. em uso no país e empregados na prestação de serviços. Ricardo Vale www. 149 do Código Tributário Nacional. dentro do prazo. 11. o funcionário fiscal. pela autoridade aduaneira jurisdicionante do porto de saída.estrategiaconcursos. o lançamento é efetuado e revisto de ofício. no caso.br 107 de 121 . Prof. quando se comprove omissão ou inexatidão. e) não se justificava porque a entrada.2013 Teoria e Questões Prof. físico. no seu entendimento. por parte da pessoa legalmente obrigada. Ricardo Vale – Aula 05 garantido por termo de responsabilidade. legal.com.

marque a opção que contenha a seqüência correta. com suspensão do pagamento dos impostos federais. da contribuição para o PIS/PASEP .estrategiaconcursos. ( ) O prazo de permanência dos materiais no DAF é de 5 anos. ( ) Os depósitos afiançados das empresas de transporte rodoviário podem localizar-se na zona primária ou na zona secundária e os das empresas de navegação marítima ou aérea devem localizar-se na zona primária. equipamentos.2). 12.2013 Teoria e Questões Prof. podendo ser utilizado por elas inclusive para provisões de bordo. e) depósito alfandegado certificado. nacionalizados ou não. localizando-se os depósitos na zona primária ou na zona secundária. F c) F. ( ) O depósito afiançado é autorizado para empresas de transporte marítimo. 13. Atribua a letra V para as verdadeiras e F para as falsas. estrangeiras.br 108 de 121 . (TRF-2002. V b) F. após análise pela administração aduaneira das razões de interesse público.Importação e da COFINS importação. a) V. peças e materiais de reposição ou manutenção. Em seguida. d) loja franca. é conhecido como: a) depósito alfandegado.O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes. V. nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda. V Prof. aéreo e rodoviário. para veículos. V. V.com. b) trânsito aduaneiro.Legislação Aduaneira p/ RFB . aparelhos e instrumentos estrangeiros. máquinas. (AFRFB-2009). Ricardo Vale www. caso a caso. c) depósito especial. e nacionais em que tenham sido empregadas partes. contados de seu registro no MANTRA ou na Folha de Controle de Carga(FCC). Ricardo Vale – Aula 05 d) na exportação pelas empresas comerciais exportadoras (trading companies) e na importação em recintos destinados à exposição em feiras e semelhantes. peças e componentes estrangeiros.Avalie a correção das afirmações abaixo. e) na exportação e importação exclusivamente para depósito de produtos de relevante interesse para a economia nacional.

com. com suspensão de tributos. mercadorias que. d) permite a determinado estabelecimento de uma indústria importar. e) consiste em recinto alfandegado.br 109 de 121 . contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. autorizado à guarda de materiais de manutenção e reparo de embarcações e aeronaves utilizadas no transporte comercial internacional.1-adaptada) Por Regime Aduaneiro Especial que: Depósito Franco entende-se o a) permite a estocagem de partes. contra pagamento em cheque de viagem ou moeda estrangeira conversível. V 14. equipamentos. aparelhos e instrumentos. c) permite o funcionamento. F.Legislação Aduaneira p/ RFB . depois de submetidas à industrialização. de lojas para venda de mercadoria nacional ou estrangeira a passageiros em viagens internacionais. (TTN-1997-adaptada) As lojas francas instaladas na Zona Primária de porto e aeroporto destinam-se a venda de mercadoria a) nacional ou estrangeira a passageiros de viagens internacionais. b) permite a guarda de materiais de manutenção e preparo de embarcações e aeronaves utilizadas no transporte comercial internacional. de empresas autorizadas a operar esse serviço. estrangeiros. e que visa atender o fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. nacionalizados ou não. peças e materiais de reposição ou manutenção para veículos. (TRF-2002. F e) V.estrategiaconcursos.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale www. deverão destinar-se ao mercado externo. Prof. assim como de seus componentes. de empresas nacionais ou estrangeiras autorizadas a operar nesse serviço denomina-se: a) depósito afiançado b) depósito especial alfandegado c) depósito alfandegado de zona primária d) depósito franco e) depósito alfandegado privativo 16. (TTN-1997-adaptada) O local na zona primária. máquinas. em portos ou aeroportos. nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda. F. 15. Ricardo Vale – Aula 05 d) F. instalado em porto brasileiro.

br 110 de 121 . à guarda de materiais de manutenção de embarcações utilizadas no transporte comercial internacional sob a responsabilidade de empresas autorizadas a atuar nesse setor. terrestre. contra pagamento em moeda estrangeira conversível. a passageiros e tripulantes de veículos em viagem internacional contra pagamento exclusivamente em moeda estrangeira conversível. Prof. 18.Legislação Aduaneira p/ RFB .estrategiaconcursos. sendo vedado nesse regime o fornecimento de produtos destinados ao uso ou consumo de bordo de embarcações ou aeronaves. e) somente poderão ser vendidas mercadorias nacionais ou estrangeiras a passageiros de viagens internacionais. e) estrangeira ou nacional importada por firmas permissionárias de entrepostos aduaneiros. contra pagamento em moeda nacional ou estrangeira. aportadas no país. (TTN-1998-adaptada) No regime aduaneiro especial de loja franca: a) poderá ser autorizado o seu funcionamento na zona primária de porto ou aeroporto. c) estrangeira ou nacional somente a passageiro de viagem internacional saindo do País. Ricardo Vale www. Ricardo Vale – Aula 05 b) nacional ou estrangeira somente a passageiro de viagem internacional em trânsito pelo País. nos termos e condições fixados pelo Ministro da Fazenda. para venda de mercadoria nacional ou estrangeira. 17.O depósito afiançado (DAF) destina-se.adaptada). de bandeira estrangeira.com. d) estrangeira somente a passageiros de viagem internacional chegando ao País. b) somente poderá ser autorizado o seu funcionamento em zona primária de ponto de fronteira alfandegado para venda de mercadoria estrangeira a passageiros chegando de viagem internacional por via aérea. contra pagamento em moeda estrangeira conversível ou cheque de viagem.2013 Teoria e Questões Prof. a passageiros de viagens internacionais. sob autorização da autoridade aduaneira. contra pagamento em cheque de viagem ou moeda estrangeira conversível. (Petrobrás – 2007 . c) poderá também ser autorizado o seu funcionamento em depósitos alfandegados de empresas de transporte rodoviário localizados em área contígua à de porto ou aeroporto alfandegado d) será autorizado seu funcionamento em recintos alfandegados de zona secundária próxima a porto ou aeroporto para venda de mercadoria nacional exclusivamente a passageiros com destino ao exterior. fluvial ou lacustre.

e) aquisição dos bens realizada diretamente do respectivo fabricante. Para a adoção desse tratamento aduaneiro. mas não se aplica a suas peças e equipamentos sobressalentes. 21. sob controle aduaneiro.2013 Teoria e Questões Prof. (Petrobrás-2007).estrategiaconcursos. (Questão Inédita) Assinale a alternativa correta acerca dos regimes aduaneiros especiais: a) O REPORTO é o regime aduaneiro especial que permite. produtos semi-elaborados ou acabados e de partes ou peças.Legislação Aduaneira p/ RFB . cujo pagamento deve ser efetuado em moeda estrangeira conversível. b) renúncia do fabricante nacional a eventuais benefícios fiscais concedidos para incentivo às exportações c) inaplicabilidade do mesmo regime aduaneiro a equipamentos sobressalentes. ferramentas e outras partes e peças destinados a garantir a operacionalidade dos referidos bens.adaptada). sendo requisito obrigatório também o(a): a) pagamento em moeda nacional ou estrangeira de livre conversibilidade. a norma regulamentar do REPETRO exige que os bens devam ser produzidos no País e adquiridos por pessoa sediada no exterior. peças de reposição e outros bens. d) importação direta. de matériasprimas.br 111 de 121 . (Petrobras . no território aduaneiro. do imposto sobre produtos industrializados. em espécie. 22. com o pagamento integral dos impostos. mediante cláusula de entrega. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS- Prof. cheque de viagem ou cartão de crédito. (TRF-2003 . Ricardo Vale www.O REPETRO pode ser aplicado às máquinas destinadas a atividades de pesquisa de jazidas de petróleo. na importação de máquinas.com. com saída ficta do território aduaneiro e posterior aplicação do regime de admissão temporária. Ricardo Vale – Aula 05 19. a passageiros em viagem internacional.As lojas francas estão autorizadas a efetuar venda de mercadorias nacionais ou estrangeiras em portos e aeroportos alfandegados.Advogado – 2008-adaptada) O regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (REPETRO) permite a aplicação do tratamento aduaneiro de exportação. de comerciante atacadista com domicílio no Brasil ou de empresas comerciais exportadoras nacionais ou estrangeiras. a isenção do pagamento do imposto de importação. utilizados na fabricação dos bens nacionais. 20. no caso de bem de fabricação nacional vendido a pessoa sediada no exterior. equipamentos.

(AFRF-2002. comercial e agropecuário da Amazônia. comercial e agropecuário da Amazônia. a) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. típico ou atípico. portanto.Regulamento Aduaneiro) Em face do enunciado. regime aduaneiro especial típico. 23. Ricardo Vale – Aula 05 Importação. portanto. comercial e agropecuário dotado de condições econômicas que permitam seu desenvolvimento. c) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial.Legislação Aduaneira p/ RFB .estrategiaconcursos. regime aduaneiro especial típico unicamente no que se refere ao Prof.1). b) No REPORTO. c) O REPEX será concedido somente a empresa previamente habilitada pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.91. estabelecida com a finalidade de criar no interior da Amazônia um centro industrial. quando importados diretamente pelos beneficiários do regime e destinados ao seu ativo imobilizado. Gás Natural e Biocombustíveis para exercer as atividades de comercialização dos produtos a serem admitidos. sendo definida como área de livre comércio. comercial e agropecuário da Amazônia.Lei 288/67.A Zona Franca de Manaus é uma área de livre comércio de importação e de exportação e de incentivos fiscais especiais. sendo definida como área de livre comércio.br 112 de 121 . É. assinale a opção correta. portanto. sendo definida como área de livre comércio. d) O REPEX se extingue pela reexportação do produto nacional. Por ser área de livre comércio não lhe corresponde qualquer regime aduaneiro especial. em igual quantidade e idêntica classificação fiscal. sendo definida como área de livre comércio. e que possua autorização da Agência Nacional do Petróleo. comercial e agropecuário da Amazônia. É. e) O RECOM é o regime aduaneiro especial que permite a admissão temporária de produtos relacionados nas posições 8071 a 8705 da NCM. em substituição ao importado. (Dec.1º. em face dos fatores locais e da grande distância a que se encontram os centros consumidores de seus produtos. um regime aduaneiro comum.2013 Teoria e Questões Prof. portanto.030/85 . art. a suspensão do pagamento do imposto de importação somente beneficiará bens sem similar nacional. e) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. É. b) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. regime aduaneiro aplicado em áreas especiais. d) A Zona Franca de Manaus visa ao desenvolvimento industrial. artigo 389 do Dec. Ricardo Vale www. sendo definida como área de livre comércio. É. comercial e agropecuário da Amazônia.com.

são isentos do imposto de importação e. particularmente no tocante à importação de insumos destinados à industrialização. são objetivos expressos do regime aduaneiro aplicado em área especial denominado: a) Zona Franca de Manaus. quando procedentes do exterior.br 113 de 121 .2013 Teoria e Questões Prof. são isentos do ICMS. quando provenientes do mercado interno. (ACE-2012) A promoção do desenvolvimento em áreas fronteiriças da Região Norte do País e o incremento das relações bilaterais com os países vizinhos naquela mesma região. os quais. Prof. d) Entreposto Industrial.com. e) Loja Franca. mediante a remoção de obstáculos tarifários e não-tarifários. 27. (ACE-2008)-Implantadas com o objetivo de promover o desenvolvimento conjunto mediante a integração econômica de países. como categoria de regime aduaneiro atípico. as áreas de livre comércio. (AFRF-2003) A saída temporária de mercadorias da Zona Franca de Manaus. das Áreas de Livre Comércio e da Amazônia Ocidental e sua readmissão serão feitas com base em: a) Declaração de Saída Temporária (DST) b) Declaração Simplificada de Internação (DSI) c) Demonstrativo do Coeficiente de Redução (DCR) d) Declaração para Controle de Internação (DCI) e) Declaração de Internação Temporária (DIT) 25. 26. c) Zona de Processamento de Exportação. b) Área de Livre Comércio. Ricardo Vale – Aula 05 trânsito de bens ingressados na Zona Franca e destinados a qualquer outro ponto do território aduaneiro.Legislação Aduaneira p/ RFB . em consonância com a política de integração latino-americana. Ricardo Vale www. (ACE-2008) A Zona Franca de Manaus usufrui de tratamento tributário diferenciado.estrategiaconcursos. consistem de espaços transfronteiriços em que é permitida a livre circulação de bens e de serviços. 24.

d) Há medidas restritivas às importações e incentivos creditícios e fiscais à exportação. c) As importações usufruem de favorecimento fiscal sempre que forem empregadas na produção de bens a serem exportados. 30.com. d) zona de processamento de exportações. depósito franco e área de livre comércio. depósito alfandegado certificado e drawback. entreposto aduaneiro e depósito afiançado.Legislação Aduaneira p/ RFB . (AFTN-1996) Uma zona de processamento de exportação (ZPE) corresponde a uma área onde: a) As exportações de terceiros países ingressam em caráter temporário. e sem sofrerem qualquer carga fiscal. (ACE-2002) São exemplos de regimes aduaneiros criados para atender a situações econômicas peculiares de pólos regionais ou de setores específicos: a) depósito especial. 29. Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof. loja franca e entreposto aduaneiro. b) As exportações não estão sujeitas a restrições independentemente de sua origem e destino. Ricardo Vale – Aula 05 28. quando desta saírem para outros pontos do Território Nacional sem sofrerem quaisquer processos de industrialização. c) lojas francas. b) entreposto industrial da Zona Franca de Manaus. e) zona de processamento de exportação. para transitarem rumo aos seus mercados de destino. exceção feita à bagagem de passageiros e as destinadas a Amazônia Ocidental: a) não estão sujeitas a tributação tendo em vista que sua situação fiscal já foi regularizada quando de seu ingresso na referida Zona Franca. e) Há um regime de livre comércio com o exterior e que é destinado à instalação de empresas industriais voltadas para a exportação. Prof.br 114 de 121 .estrategiaconcursos. a Zona Franca de Manaus e entreposto industrial. (TTN-1997) As mercadorias estrangeiras importadas para a Zona Franca de Manaus.

34. operam na importação e exportação. segundo a política de integração latino-americana. (Analista dos Correios – 2011). de entreposto 33. operando exclusivamente na importação.estrategiaconcursos.Legislação Aduaneira p/ RFB . têm por finalidade a integração latino-americana b) regime fiscal atípico.O regime aduaneiro não pode ser utilizado na exportação.2013 Teoria e Questões Prof. localizam-se em qualquer região do País. c) regime fiscal especial.com. 31. dentro da política de integração nacional.Mercadoria importada depositada em regime de entreposto aduaneiro pode ser submetida a operação de industrialização. d) regime aduaneiro especial. localizam-se de preferência em regiões adversas. são criadas com a finalidade precípua de promover o desenvolvimento das regiões fronteiriças e com o objetivo de incrementar as relações bilaterais com países vizinhos. são criadas para operar exclusivamente na importação e com finalidade de promover o desenvolvimento das regiões carentes para incrementar o comércio exterior brasileiro. atuam exclusivamente na exportação e têm por finalidade desenvolver a política de integração com os países do MERCOSUL. quando sairão com isenção do referido imposto. Ricardo Vale www. d) ficam sujeitas apenas ao pagamento do Imposto de Importação. (Questão Inédita) Levando-se em consideração as disposições constantes do Decreto no 6759/2009 sobre o entreposto aduaneiro. e) não estão sujeitas ao controle administrativo das importações (licenciamento) sujeitando-se porém ao regime fiscal aplicável aos regimes aduaneiros especiais (suspensão dos tributos).br 115 de 121 .IPI e ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS. c) ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior. 32. (Analista dos Correios – 2011). salvo quando se destinarem à Amazônia Ocidental. e) regime fiscal especial. (TTN-1998) As Áreas de Livre Comércio criadas no Brasil têm cumulativamente as seguintes características : a) regime fiscal especial. Prof. Ricardo Vale – Aula 05 b) estão sujeitas apenas ao pagamento do Imposto sobre Produtos Industrializados . assemelhado ao da Zona Franca de Manaus. criadas exclusivamente para promover a integração das regiões isoladas com o restante do território nacional.

c) Há possibilidade de que parte da mercadoria admitida no regime de entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF). Entretanto. b) O RECOF. ser concedido para operações sem cobertura cambial.Legislação Aduaneira p/ RFB . (Questão Inédita). com suspensão do pagamento dos impostos federais. realizado em recinto de uso privativo. a) VVVV b) VFVF c) FVVV d) VVFV e) FVVF 35. marque a opção que contenha a seqüência correta: ( ) O regime especial de entreposto aduaneiro na importação é o que permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público. que exige como contrapartida a destinação de parte das mercadorias ao exterior. também conhecido como entreposto industrial sob controle informatizado. Ricardo Vale – Aula 05 analise os itens a seguir e atribua a letra (V) para as assertivas verdadeiras e a letra (F) para as falsas.Acerca do entreposto industrial sob controle informatizado (RECOF). Ricardo Vale www.com. o drawback não poderá.estrategiaconcursos. da contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes na importação. no estado em que foi Prof. Em seguida. ( ) No regime de entreposto aduaneiro. mostra ou evento semelhante. com suspensão dos tributos incidentes na importação. é regime aduaneiro especial concedido pela RFB. assinale a alternativa correta: a) O regime de drawback é concedido pela SECEX e apresenta aspectos semelhantes ao RECOF. previamente alfandegado para esse fim. ( ) O entreposto aduaneiro de importação é o que permite o armazenamento de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público. ao passo que não há essa restrição para o RECOF.2013 Teoria e Questões Prof. congresso. em qualquer situação. ( ) O regime de entreposto aduaneiro permite a permanência de mercadoria estrangeira em feira.br 116 de 121 . não há constituição de Termo de Responsabilidade e prestação de garantia para os tributos suspensos. diferindo do drawback pelo fato de que neste não são submetidas mercadorias importadas sem cobertura cambial.

devendo ser efetuado seu retorno no prazo de 180 dias. 38. 36. b) O exame do mérito de aplicação do regime de exportação temporária não se exaure com a sua concessão. quando fora do prazo. no caso de não terem sofrido modificação ou de não ter ocorrido sua venda. (ACE-2008) . c) A reimportação. Ricardo Vale – Aula 05 importada ou depois de submetida a processo de industrialização. e) No RECOF. inclusive da mercadoria que se encontra em depósito alfandegado certificado. não extingue o regime de exportação temporária d) Extingue o regime de exportação temporária a importação de produto equivalente àquele submetido ao regime. (Questão Inédita)exportação temporária: Assinale a alternativa correta sobre a a) É permitida a exportação temporária de mercadoria cuja exportação definitiva seja proibida. permitido o pagamento ao consignante no exterior somente após a efetiva venda da mercadoria na loja franca. desde que devidamente habilitada pela RFB.br 117 de 121 .com. Ricardo Vale www. prorrogável por igual período. a obrigação tributária será constituída em termo de responsabilidade. d) Qualquer empresa poderá se habilitar no RECOF.A exportação em consignação é uma modalidade especial de exportação em que mercadorias são enviadas ao exterior para fins de promoção comercial. c) Somente passageiros em viagem internacional podem adquirir mercadorias em lojas francas. sendo exigida garantia. e) Quando se tratar de exportação temporária de mercadoria sujeita ao imposto de exportação.estrategiaconcursos. (Questão Inédita).Legislação Aduaneira p/ RFB . b) As lojas francas poderão ser instaladas em qualquer lugar de zona primária. o prazo de suspensão dos tributos é de até 2 (dois) anos.Assinale a alternativa correta sobre o regime aduaneiro especial de loja franca: a) A importação para admissão no regime de loja franca. sem qualquer incidência tributária. Prof. possa ser despachada para consumo.2013 Teoria e Questões Prof. 37. será feita em consignação.

estrategiaconcursos. d) A transferência para o regime aduaneiro especial de drawback é causa de extinção do regime aduaneiro especial de depósito alfandegado certificado. b) permite. vendida a pessoa sediada no exterior. e) A exploração do regime de loja franca independe de qualquer procedimento licitatório e de habilitação pela RFB. 40. de materiais importados sem cobertura cambial. em recinto alfandegado.Legislação Aduaneira p/ RFB . Prof. com suspensão do pagamento dos tributos. (Questão Inédita)-O depósito franco é o regime aduaneiro especial que: a) permite considerar exportada. b) O depósito especial é um regime aduaneiro especial que somente permite que as mercadorias fiquem armazenadas em um recinto alfandegado de uso privativo com suspensão de tributos incidentes sobre a operação. 39. 41. destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional.Assinale a alternativa correta: a) A mercadoria estrangeira importada diretamente pelo beneficiário do regime aduaneiro especial de loja franca é isenta de tributos. para todos os efeitos fiscais. a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. creditícios e cambiais.br 118 de 121 . e) O regime aduaneiro especial de depósito especial será concedido somente às empresas autorizadas a operar no transporte comercial internacional. a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado. mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente. (Questão Inédita).com.As zonas de processamento de exportação (ZPE’s). a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. como instrumentos de desenvolvimento regional e forma de regime aduaneiro atípico.2013 Teoria e Questões Prof. Ricardo Vale www. diferenciam-se das áreas de livre comércio pelo fato de que há a exigência de que os bens produzidos naquelas sejam necessariamente destinados à exportação. (ACE-2008) . c) permite a estocagem. em recinto alfandegado. Ricardo Vale – Aula 05 d) A mercadoria estrangeira importada diretamente pelos concessionários das lojas francas permanecerá com isenção do pagamento de tributos até a sua venda a passageiro em viagem internacional. c) O regime aduaneiro especial de depósito afiançado é o que permite.

b) O operador de transporte multimodal e o agente credenciado a efetuar operações de unitização ou desunitização da carga em recinto alfandegado podem ser beneficiários do regime de trânsito aduaneiro. c) A autorização para que empresa estrangeira opere no regime de depósito especial está condicionada a previsão em ato internacional firmado pelo Brasil.com. equipamentos. a) O local de origem do trânsito aduaneiro é aquele que. aparelhos e instrumentos. 42. e nacionais em que tenham sido empregados partes. exigindo-se tão-somente a presença do transportador.Sobre assinale a alternativa correta: o regime de trânsito aduaneiro.Legislação Aduaneira p/ RFB . com suspensão do pagamento dos tributos incidentes na importação. d) Não é autorizada a interrupção do trânsito.Assinale a regimes aduaneiros especiais: do termo de alternativa correta sobre os a) Somente serão admitidas no regime de depósito especial mercadorias importadas sem cobertura cambial. peças. Prof. Ricardo Vale www.2013 Teoria e Questões Prof. (Questão Inédita). 43. compete à unidade de origem do trânsito. c) A verificação para trânsito dispensa a presença do beneficiário do regime. máquinas. independente de controle aduaneiro. com a baixa responsabilidade. constitua o ponto inicial do itinerário de trânsito.estrategiaconcursos. ou a que seja comprovada a existência de reciprocidade de tratamento. com suspensão do pagamento de tributos para veículos.br 119 de 121 . no caso de trânsito aduaneiro de passagem. por sua vez. será o ponto final do itinerário de trânsito. d) O regime de depósito alfandegado certificado poderá ser extinto pela reimportação. Ricardo Vale – Aula 05 d) permite a estocagem de partes. pela autoridade aduaneira. e) A conclusão do trânsito aduaneiro. b) O prazo de permanência da mercadoria no regime de depósito especial é de até cinco anos contados da data do registro da declaração para admissão no regime. estrangeiros. nacionalizados ou não. peças e componentes estrangeiros. Local de destino do trânsito. componentes e materiais de reposição ou manutenção. (Questão Inédita). e) permite a armazenagem de mercadoria estrangeira em recinto alfandegado de uso público.

para efeitos fiscais. será.Assinale a alternativa correta sobre o regime de entreposto aduaneiro: a) Somente é permitida a admissão no regime de entreposto aduaneiro de mercadoria importada sem cobertura cambial. instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza. equivalente a uma exportação brasileira para o exterior. 44. em recinto alfandegado.2013 Teoria e Questões Prof. de imediato. c) A saída de mercadorias da Zona Franca de Manaus para as áreas de livre comércio localizadas na Amazônia Ocidental estão sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior. Ricardo Vale – Aula 05 e) O regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite. antes do seu efetivo embarque para o exterior. agropecuária. e) Se houver extravio ou avaria de mercadoria entrepostada. (Questão Inédita). permite-se a armazenagem de mercadorias em recinto de uso privativo. c) O consignatário de mercadoria entrepostada não poderá ser beneficiário do regime de entreposto aduaneiro na importação. 45. responderá pelo pagamento dos tributos suspensos o consignatário da mercadoria. a armazenagem de mercadoria nacional ou nacionalizada para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. d) Após 45 dias do término do prazo de vigência do regime de entreposto aduaneiro. aplicando-se. a pena de perdimento. inclusive beneficiamento. Prof. com direito a utilização dos benefícios fiscais previstos para incentivo à exportação. b) O entreposto aduaneiro na exportação compreende as modalidades de regime comum e extraordinário. ou posterior exportação. O beneficiário do regime. Na modalidade de regime extraordinário.br 120 de 121 .com.estrategiaconcursos. b) A remessa de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na Zona Franca de Manaus. (Questão Inédita). em qualquer caso. d) Os produtos industrializados na ZFM estão isentos do IPI quando destinados ao seu consumo interno ou à comercialização em qualquer ponto do território aduaneiro.Assinale a alternativa incorreta sobre a Zona Franca de Manaus: a) A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus. a mercadoria será considerada abandonada. pesca. bem como a estocagem para reexportação. industrialização em qualquer grau. será isenta dos impostos de importação e sobre produtos industrializados. Ricardo Vale www. será o depositário. destinadas a seu consumo interno.Legislação Aduaneira p/ RFB .

34. 23. 39.br 121 de 121 . 22.Legislação Aduaneira p/ RFB . Letra E Errado Letra C Letra E Letra B Letra A * Letra B Letra A Letra B Letra C 11. 36. 53. 14. 41. 8. 17. 6.com. 44. 30. 44. 18. 10. 22. 33. Letra Letra Letra Letra Letra B B A B C * Após os recursos. 27. 9. Letra D Letra C Letra D Letra E Letra A Letra A Letra A Certo Errado Letra A 21. 27. 24. Ricardo Vale www. 3. 28. 29.2013 Teoria e Questões Prof. 12. 47. 5. 16. 32. 42. 2. C C C C C C E GABARITO – LISTA DE QUESTÕES Nº 02 1. 13. 18. 12. Prof. 10. 5. 20. 39. Letra E Errado Certo Letra A Letra C Errado Letra D Letra A Letra D Errado 41. 19. 48. 7. 15. 4. 8. 40. 24. 55. 4. 43. 17. 54. 11. 40. 16. 32. 9. 23. 45. 43. 14. 15. 37. Ricardo Vale – Aula 05 e) As mercadorias estrangeiras importadas para a Zona Franca de Manaus. 34. 29. 31. 28. 50. 30. 2. 3. ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos exigíveis sobre importações do exterior GABARITO – LISTA DE QUESTÕES Nº 01 1. 26. C E C E C C E C E E C C 37. 45. 42. 46. C C E C E E E E E C E C 13. 7. 19. 26. Errado Letra B Letra B Letra A Letra B Errado Errado Letra E Letra E Letra C 31. 6.estrategiaconcursos. 33. 38. quando desta saírem para outros pontos do território aduaneiro. 35. 52. 38. 21. 25. 35. a questão foi anulada. 51. 20. E C C E C C C C C C E E 49. 36. E C C E E C C C C C C E 25.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful