UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA E SOLOS – DEAS GRADUAÇÃO: ENGENHARIA FLORESTAL DISCIPLINA: QUÍMICA

DO SOLO

MACRO E MICRONUTRIENTES E SUA IMPORTÂNCIA NA NUTRIÇÃO DA PLANTA

DOCENTE: CARLOS HENRIQUE FARIAS AMORIM DISCENTE: LEÍNNE FERNANDA NACIMENTO AGUIAR

VITÓRIA DA CONQUISTA 2013

Os micronutrientes se encontram em menor quantidade. cloro (Cl). segundo a autora. classificados como macronutrientes e micronutrientes. como aminoácidos. que se trata de zonas escuras. Segundo Costa (1974). conforme Pinto (2003). molibdênio (Mo). É necessário à síntese proteica. cálcio (Ca). já que na ausência de qualquer um dos nutrientes essenciais. constam algumas informações sobre cada nutriente: Pinto (2003) citou em seu trabalho as principais funções destes nutrientes na planta. A seguir. o cloro ativa elementos fotossintéticos e é importante na regulação do balanço hídrico. a separação entre macro e micronutrientes baseia-se apenas na concentração em que o elemento encontra-se na matéria seca das plantas. o boro é cofator na síntese da clorofila. oxigênio (O). Pode ser tóxico para as plantas. ou ser necessários para a ação de um sistema enzimático. Já na classe dos micronutrientes. estes são considerados essenciais pelo fato de que na ausência de tais elementos. O ferro é componente dos citocromos. o carbono e o hidrogênio são componentes dos compostos orgânicos. É essencial para a atividade meristemática. E ainda. em concentrações elevadas. o manganês ativa algumas enzimas da síntese de aminoácidos. O magnésio é componente da clorofila. o nitrogênio é um dos componentes mais importantes para a célula viva. fosfolipídios. também é osmorregulador e mantenedor da eletroneutralidade das células. pode limitar o crescimento e a produção das plantas. magnésio (Mg) e enxofre (S). o potássio é responsável pelas mudanças de turgor nas células-guarda durante o movimento estomático. pois participa das funções mais centrais das plantas. Também está presente nos grupos prostéticos para proteínas. a planta não completa o seu ciclo de vida. ocorre muitas vezes no limbo das folhas a presença de cloroses. potássio (K). Os macronutrientes são exigidos em quantidades maiores.MACRO E MICRONUTRIENTES E SUA IMPORTÂNCIA NA NUTRIÇÃO VEGETAL As plantas são autotróficas. O enxofre é componente de proteínas e coenzimas. que são zonas claras. o zinco é ativador de algumas enzimas da síntese de clorofila. São eles: boro (B). fósforo (P). Ainda. e parece estar envolvido na síntese dos ácidos nucleicos e no transporte de glúcidos. nitrogênio (N). como glúcidos e proteínas. e ativador de enzimas. ao metabolismo de açúcares. as quais são completamente dependentes ou estimuladas por K+. sendo eles: carbono (C). manganês (Mn). como a ATPase. os elementos não podem ser substituídos por nenhum outro. e clorofila. ferro (Fe). O oxigênio. cobre (Cu) e zinco (Zn). e necessitam de elementos essenciais para conseguirem completar seu ciclo. hidrogênio (H). foi determinado que a planta necessita de dezesseis elementos minerais essenciais. o cobre é componente do . o potássio é cofator de mais de 40 enzimas. e também ao alongamento celular. Tais nutrientes são absorvidos a partir da solução do solo. o fósforo compõe os ácidos nucleicos. onde a maioria é utilizada para sintetizar proteínas. ou necroses. não significa que um é mais importante que o outro. Segundo Arnon e Stout (1939). nucleotídeos. estabilizando o pH do citoplasma e diminuindo o potencial osmótico dos vacúolos. ATP e muitas coenzimas. ativador de bombas de próton (ATPases) nas membranas. e importante na ativação de determinadas enzimas (formação da clorofila). as quais executam a maior parte das funções metabólicas da célula. Segundo Mercier. Sendo assim. e devem estar diretamente envolvidos no metabolismo da planta como constituintes de um composto essencial.

A partir dos experimentos dos cientistas Joseph Priestley e Antoine Lavoisier. por Berzelius e Pontin. por Henning Brand em 1669. que era um elemento e lhe deu o nome. O manganês foi reconhecido como elemento pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele. teve sua descoberta em 1789 por Lavoisier (Peixoto. e preparado de forma utilizável pelo químico francês Antoine Bussy em 1831. A intensificação do uso ocorreu a partir do início do século XVIII. através da redução do ácido bórico (H3BO3) com potássio. ao acaso. Em relação ao cobre. e o níquel. inflamava de forma espontânea. 1997).sistema fotossintético e de enzimas. pelo químico inglês Henry Cavendish em 1766. o molibdênio é essencial para a fixação do nitrogênio. do amálgama de cálcio através da eletrólise da cal em mercúrio. o que contribuiu diretamente para o desmatamento na Europa. Inglaterra. Segundo Peixoto (1997). O magnésio foi reconhecido como elemento pelo físico e químico escocês Joseph Black em 1755. por vezes. através da evaporação do mercúrio de um amálgama de magnésio obtido pela eletrólise de uma mistura de magnésia e óxido de mercúrio. Joseph Louis Gay-Lussac (físico e químico francês) e Louis Jacques Thénard (químico francês). . químico francês. O potássio foi o primeiro metal isolado por eletrólise. Brand iniciou uma ampla investigação sobre as propriedades da urina. obteve-se o nome do oxigênio. o nitrogênio teve seu nome dado por Claude Chaptal em 1790. O carbono. A partir dessas conclusões. Brand concluiu que só havia uma substância onde poderia ser encontrada a pedra filosofal: a urina. Isto ocorreu em 1807. quando se percebeu que este é um componente do ácido nítrico e dos nitratos. Muito antes de o zinco ser reconhecido como elemento distinto. resultando na descoberta de uma substância pegajosa e transparente que. O cloro foi descoberto em 1774 pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele que. Já o boro foi isolado em 1808 por Humphry Davy (químico inglês). cofator de algumas enzimas. quando foi observado que a adição ao aço aumentava a dureza sem elevar a fragilidade. Mas a identificação como novo elemento coube ao químico sueco Jöns Jakob Berzelius em 1824. por volta de 1777. O uso do coque (obtido do carvão mineral) foi a alternativa viável para a produção em larga escala a partir do século XVIII. A partir de teorias que afirmavam que o elemento ouro poderia ser encontrado nos resíduos do corpo humano. Já o hidrogênio. acredita-se quesu a mineração começou há cerca de 5000 anos. desprendendo densos vapores brancos. O ferro é conhecido e usado desde a pré-história. foi descoberto em Londres. por Humphry Davy (químico e físico inglês). O molibdênio foi separado de forma impura pela primeira vez por Hjelm em 1782. é um elemento de origem desconhecida. uma vez removida da água. Isolado em 1774 pelo químico sueco Johan Gottlieb Gahn. equivocadamente. em um momento de transição entre a alquimia e a chamada “ciência química”. que o fósforo foi descoberto. A constatação de que o enxofre era um elemento distinto é geralmente atribuída a Antoine Lavoisier. embora os romanos tenham preparado cal desde o século I. supôs ser um composto com oxigênio. isolado pelo físico e químico inglês Humphry Davy em 1808. em 1778. Honório e Moura (2007) afirmam em seu trabalho. a partir do hidróxido de potássio (KOH). por exemplo. Cada um desses nutrientes foi descoberto em uma data e por um autor específico. Humphry Davy (químico e físico inglês) afirmou. A produção primitiva usava carvão vegetal como meio de aquecimento e de redução. brilhava no escuro e. através da redução com dióxido de carbono. Foi isolado por Humphry Davy (químico e físico inglês) após conhecimento do preparo. em 1810. O cálcio só foi descoberto em 1808. Quanto ao zinco.

Zinco metálico foi produzido na Índia. Estes cátions que estão retidos nos colóides são trocados o tempo todo com a solução do solo. não precisam apenas estar no solo. os cátions têm carga elétrica positiva e estão retidos nos colóides do solo. Na Europa. pela redução da calamina com materiais orgânicos. Segundo Obermaier (2009). essa disponibilidade depende do pH do solo.embrapa. Segundo Barak. independente da espécie da planta. Quanto maior essa capacidade de troca. O sintoma de deficiência mais comum é a redução do crescimento.br/FontesHTML/Soja/SojaCentralBrasil2003/fertilidade. que consegue armazenar mais nutrientes e disponibilizá-los quando a planta precisar. Para os nutrientes serem absorvidos pela planta. eles têm que estar disponíveis. Daí vem a informação que a maioria dos elementos estão disponíveis na faixa de pH entre 6 e 7.htm Ainda conforme diz o autor. no século 13.seus minérios eram usados para produzir latão. Uma liga contendo zinco foi achada em ruínas pré-históricas na Transilvânia. as deficiências de nutrientes das plantas têm vários sintomas observáveis que geralmente se assemelham. foi supostamente redescoberto em 1746 pelo químico alemão Andreas Sigismund Marggraf. que são as argilas e a matéria-orgânica. Ainda segundo o autor. também é necessário compreender que elementos químicos são partículas com cargas (íons). Estas cargas podem ser positivas e negativas. que é o mais difícil de detectar e diagnosticar à primeira vista. maior a fertilidade do solo.cnptia. que possuem carga elétrica predominantemente negativa. Outros sintomas observáveis envolvem . que o isolou através da redução da calamina com carvão vegetal. como pode-se observar na figura abaixo: Figura 1: http://sistemasdeproducao.

Elemento Químico – Nitrogênio. em: em: Magnésio – Mg. desempenham funções essenciais ao crescimento e à vida humana. Em muitos casos as distâncias entre os nós também diminuem. a função construtora ou plástica.br/online/qnesc06/elemento. em que as proteínas. . Os nutrientes. a função energética.mudanças de coloração que seguem padrões específicos.mspc.adaptasertao. Muitos sintomas de deficiência de nutrientes são ambíguos se a deficiência ainda não estiver bem desenvolvida. Disponível em: <http://www.eng. o cálcio para ossos e dentes). Potássio – K. onde alguns nutrientes servem para “construir” as estruturas do nosso corpo. as fibras. M. ativadora e protetora. Disponível em: <http://www. Acesso em 16 de set de 2013.sbq.asp> Acesso em 16 de set de 2013. hidratos de carbono (glícidos). o ferro presente na carne) regulam e ativam as reações que ocorrem no organismo (por exemplo. desempenhando basicamente três grandes funções.mspc.pdf. respirar). a atividade intestinal) e permitem que outros nutrientes sejam aproveitados e o protejam de diversas agressões e doenças.br/quim1/quim1_012. minerais e oligoelementos.br/quim1/quim1_019. fibras e água. Por sua vez. andar) e reações do organismo (por exemplo. Na verdade. indicando a mobilidade do nutriente deficiente através do floema e a habilidade da planta em translocar estoques existentes deste nutriente. como. as proteínas (por exemplo. Disponível <http://www. Disponível <http://www.org. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Molibdênio Metal de Transição Externa.pdf> Acesso em 17 de set de 2013.mspc. os hidratos de carbono e as gorduras fornecem a energia necessária a todos os processos (por exemplo.asp> Acesso em 16 de set de 2013. e as funções reguladora. por exemplo. como da ponta da folha passando pela nervura central até a base. muitos tipos de injúrias por causas ambientais ou por manejo podem dar uma aparência semelhante a dos sintomas de deficiências nutricionais observáveis.net/uploads/conteudo/002%20-%20Solos%20%20Apostila%20t%C3%A9cnica_corrigida. Nestas. tais nutrientes agrupam-se em proteínas. Acesso em 16 de set de 2013.asp>. Disponível em: <http://qnesc. as vitaminas e os minerais e oligoelementos (por exemplo.eng. gorduras (lípidos). assim como nas plantas. para os músculos) e alguns minerais (por exemplo.eng.br/quim1/quim1_042. vitaminas. e o diagnóstico deve ser tratado apenas como uma hipótese plausível até que amostras de tecido sejam recolhidas e sejam feitas análises químicas para uma comparação com a composição dos elementos de um tecido de uma folha saudável. ou entre as nervuras. ou da margem para a nervura central. OBERMAIER. a água. Nutrientes e Solo. Tais sintomas podem aparecer nas folhas novas ou nas folhas mais velhas.

usp.Nutrição de plantas. Calcio – Ca. M.vivabem. Disponível em: <http://www.pdf Cobre – Cu.br/disciplinas/FisiologiaVegetal/nutricaoMineral. M. M.org.eng.br/quim1/quim1_029.pt/nm_quemsomos.br/quim1/quim1_020. HONÓRIO.asp> Acesso em 22 de set de 2013. Elemento Químico – Carbono.bio. N.eng.br/index.htm> Acesso em 14 de set de 2013. E.ib. Elementos Essenciais ao Crescimento das Plantas. C. Disponível em: <http://www. A Descoberta do Fósforo e sua Importância para o Ensino de Ciências. Disponível em: <http://www. Dicas .usp.htm> Acesso em 23 de set de 2013. A.shtml> MERCIER.sbq.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoT rabalho=932&numeroEdicao=15> PEIXOTO. H. COSTA. Nutrição Mineral – Macro e Micronutrientes.microquimica.pdf> Acesso em 22 de set de 2013.com. Disponível em: <http://qnesc.labboshop. . Disponível em: https://uspdigital.asp> Acesso em 16 de set de 2013. A. Função dos Nutrientes. Disponível em: <http://www. Descoberta do Oxigênio.eng.Adubação . C.mspc.com/site/nutricaoplantas> Acesso em 16 de set de 2013.mspc. MOURA. K. Disponível em: <http://www.brasilescola. Manganês – Mn.mspc.br/quim1/quim1_025.com/quimica/descoberta-oxigenio. http://mcarmo.br/online/qnesc05/elemento.php?id=123> Acesso em 13 de set de 2013.php?eid=70&acao=ex_see&id=121> Acesso em 23 de set de 2013. Disponível em: <http://www.Macro e Micro Nutrientes e Suas Funções.br/bib131/texto2/calcium. Disponível em: <http://www. Disponível em: <http://felix. BONSAI.