Estatuto da cidade

Revisão da legislação urbanística brasileira
Estatuto da cidade

O QUE É ESTATUTO DA CIDADE?
É a lei onde são estabelecidos as normas de ordem pública e interesse social que regulam o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental.

Estatuto da cidade

257.Estatuto da cidade LEI Nº 10. 182 e 183 da Constituição Federal. DE 10 DE JULHO DE 2001 Regulamenta os arts. estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências Estatuto da cidade .

Estatuto da cidade LEI Nº 10.257. conforme diretrizes gerais fixadas em lei. tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. Esse mesmo artigo. Estatuto da cidade . A política de desenvolvimento urbano. em seu parágrafo 4º. dispõe instrumentos para concretização da função social da propriedade: parcelamento e edificação compulsórios. DE 10 DE JULHO DE 2001 Art. executada pelo Poder Público municipal. imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo e desapropriação sanção. assuntos que serão apresentados em tópicos específicos neste trabalho. 182.

Estatuto da cidade .Estatuto da cidade LEI Nº 10. 183. por cinco anos.257. Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados. utilizando-a para sua moradia ou de sua família. ininterruptamente e sem oposição. adquirir-lhe-á o domínio. desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. DE 10 DE JULHO DE 2001 Art.

– Marcos temporais: • Constituição de 1988 • Aprovação do PL complementar em 2001 • 2001+5 prazo de elaboração dos planos diretores municipais. Estatuto da cidade .COMO NASCEU O ESTATUTO? De uma reivindicação dos movimentos populares pela instauração da função social da cidade e da propriedade.

E COMO A LEI É APLICADA? Através de diversos Instrumentos da Política Urbana que podem ser aplicados em nível federal. estadual e municipal. Estatuto da cidade .

f ) gestão orçamentária participativa. e) diretrizes orçamentárias e orçamento anual.Instrumentos do planejamento municipal a) plano diretor. c) zoneamento ambiental. g) planos. programas e projetos setoriais. d) plano plurianual. Estatuto da cidade . do uso e da ocupação do solo. h) planos de desenvolvimento econômico e social. b) disciplina do parcelamento.

Parcelamento.Estudo de Impacto de Vizinhança Estatuto da cidade . Outorga Onerosa do Direito de Construir 8. Desapropriação com Pagamento em Títulos 4.Instrumentos jurídicos e políticos definidos pelo Estatuto das Cidades 1. Direito de Superfície 6. Transferência do Direito de Construir 10. Edificação ou Utilização Compulsórios 2. Operações Urbanas Consorciadas 9. Direito de Preempção 7. Usucapião Especial de Imóvel Urbano 5. IPTU Progressivo no Tempo 3.

ATENÇÃO 1º Seminário de Planejamento Urbano Estatuto da cidade .

• Como será apresentado • Apresentação oral acompanhada por slides • Para próxima semana! Estatuto da cidade . mapas e fotos.Cada grupo será responsável por um instrumentos expostos no slide anterior • O que se pede: 1. Definições gerais acerca do instrumento : o que é? como deve ser aplicado? 2. Exemplos reais de aplicação do instrumento. de preferência explicados com as leis que os definem.1º Seminário de Planejamento Urbano • Divisão da turma em duplas .

Proposta de metodologia para o cadastro territorial para fins de regularização fundiária em áreas de interesse social Estatuto da cidade .O que são os Instrumentos? Podem ser divididos em 3 campos de atuação: • Regularização (ZEIS – usucapião) – Reconhecimento da ilegalidade como estrutural e não excepcional.

Estatuto da cidade .O que são os Instrumentos? • Indução planejamento urbano includente (IPTU progressivo – solo criado – operação consorciada) – Buscam reverter o processo de produção da ilegalidade: coibir retenção especulativa de terrenos e consagram a separação entre direito de propriedade e direito de construir.

O que são os Instrumentos? • Democratização da gestão (conselhos – EIV – Orçam. Participativo) – Participação direta nos processos decisórios em momentos de intervenção sobre o território. Estatuto da cidade .

Deve ser revista a cada 10 anos (no mínimo) Estatuto da cidade . É parte integrante do processo de planejamento municipal Deve englobar o território do município como um todo.PLANO DIRETOR É o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana.

II – integrantes de regiões metropolitanas e aglomerações urbanas. V – inseridas na área de influência de empreendimentos ou atividades com significativo impacto ambiental de âmbito regional ou nacional. III – onde o Poder Público municipal pretenda utilizar os instrumentos previstos no § 4o do art. Estatuto da cidade . 182 da Constituição Federal. IV – integrantes de áreas de especial interesse turístico.Plano Diretor Obrigatório para cidades: I – com mais de vinte mil habitantes.

Plano Diretor O que não pode faltar na lei: I – a delimitação das áreas urbanas onde poderá ser aplicado o parcelamento. considerando a existência de infraestrutura e de demanda para utilização II – disposições requeridas pelos: •Direito de Preempção •Outorga Onerosa do Direito de Construir •Operações Urbanas Consorciadas •Transferência do Direito de Construir III – sistema de acompanhamento e controle. Estatuto da cidade . edificação ou utilização compulsórios.

Isso deve ser feito por meio de debates.COMO É (OU COMO DEVERIA SER) ELABORADO O PLANO DIRETOR O Plano Diretor dever ser parte integrante de uma Gestão Democrática da Cidade. audiências e consultas públicas com a participação dos órgãos públicos e iniciativa popular Estatuto da cidade .

Só se tornarão riquezas efetivas se houver condições (econômicas. Estatuto da cidade . Mas um aspecto decisivo para viabilizar a implantação desses instrumentos diz respeito à pressão popular e capacidade de a sociedade civil monitorar e fiscalizar o cumprimento das leis.Razões para a participação popular Instrumentos e Planos são apenas recursos. políticas. culturais) de implementação eficaz.

Estatuto da cidade . a probabilidade de corrupção ou de erros de avaliação é bem maior.Porque é importante participar? A ideia de que especialistas devem decidir em nome da maioria é uma falácia. e a maioria não tem chances de monitorar ou controlar adequadamente esses poucos. na verdade. se poucos decidem. • E onde há corrupção e erros de avaliação há desperdício de tempo e recursos e mais ainda: comprometimento de credibilidade das instituições.

Instrumentos de participação popular • Estudos de impacto de vizinhança • Orçamento participativo • Conselhos Estatuto da cidade .

Mas quais as consequências disso pra minha cidade? Estatuto da cidade .

Ordem urbanística Excludente e Predatória • O planejamento tradicional como agente de reprodução da desigualdade social. Estatuto da cidade . – ou ocupar áreas ambientalmente frágeis. à população de baixa renda restam duas opções de acesso à terra urbana: – ocupar terras periféricas. sem infraestrutura.

Estatuto da cidade . – Esse modelo de crescimento e expansão tem sido erroneamente identificado como FALTA DE PLANEJAMENTO. em contraposição à concentração das oportunidades urbanas em áreas centrais.Ordem urbanística Excludente e Predatória – Expansão horizontal ilimitada do tecido urbano.

Estatuto da cidade . – Sobra para os mais pobres o espaço da política habitacional e da gestão da ilegalidade. Resultado: assentamentos precários em espaços que sobram da cidade regulada. gerando uma enorme escassez para os mercados de baixa renda. em contraste com grande quantidade de vazios. Existe assim uma oferta potencial de espaço construídos para essas camadas.A construção da desordem urbana: – O planejamento (através dos zoneamentos) estabelece uma cidade virtual que não se relaciona com as condições reais de produção da cidade pelo mercado. – Define padrões de ocupação do solo baseado nas lógicas dos mercados de alta e media renda.

– Porque isso acontece? Alta rentabilidade política!!! – O Estatuto responde de forma propositiva a este desafio de RECONSTRUÇÂO DA ORDEM URBANÌSTICA. Estatuto da cidade .

Disponível em: <http://www. São Paulo: Ministério das Cidades. Acesso em 20 de jan. Estatuto da Cidade. CARVALHO. Estatuto da Cidade: guia para implementação pelos municípios e cidadãos.pdf >.conselhos.gov. Lei no 10. Ana Maria F. de 10 de julho de 2001. SAMPAIO.257. 2013. 2010.br/professor/Clarissa%20Sampaio/Banco%20de%20dados%20para%20Si te/Dados/PU%20Clarissa%20-/aula%2001%20-%20tema%2002%20Estatuto%20da%20Cidade.polis.htm >. Clarissa. O Estatuto da Cidade comentado. Disponível em:< http://www. Aliança das Cidades. Notas de Aula. Acesso em 20 de jan. Acesso em 20 de jan. Brasília: Caixa Econômica.. MONTANDON. 2013 BRASIL.gov.br/uploads/24/06.br/publicacoes_interno. BRASIL. Introdução ao Estatuto da Cidade.asp?codigo=160>. Acesso em 20 de jan. B. PP 38 a 61.. 2002. 2013.Referências BARROS. Disponível em: <http://www. Disponível em: <http://www.org.ufc. Celso S. Estatuto da cidade . 2013. Fonte Guia para implementação pelos municípios e cidadãos.planalto.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257. Daniel T.mg.arquitetura.pdf>.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful