You are on page 1of 12

:: melhores praticas

A LOGÍSTICA REVERSA
O CASO DA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES Este trabalho foca na logística reversa pós-consumo de produtos eletroeletrônicos, especialmente de produtos da indústria de computadores no Brasil. O artigo introduz inicialmente uma base conceitual da logística reversa pós-consumo, questões relacionadas à preservação do meio ambiente e, em seguida, apresenta uma análise geral sobre a situação da logística reversa da indústria de computadores no País. Identificamos que a cadeia reversa de computadores no Brasil forma uma rede extremamente complexa, caótica, com empresas com diferentes portes e motivações de negócios se relacionando em várias direções e com uma ausência de uma legislação eficaz e de uma política de educação e orientação para o consumidor. Para elaboração deste artigo foram realizadas pesquisas bibliográficas incluindo trabalhos de doutorado e de mestrado, obras literárias, artigos disponíveis em periódicos nacionais e internacionais e uma extensiva pesquisa em sites de empresas e matérias da internet. Constatamos que existem poucos trabalhos acadêmicos publicados sobre o assunto no País.

E O MEIO AMBIENTE

João Eugenio Cavallazzi Engenheiro Civil pela UFSC, 1979. Mestre em Engenharia de Produção/Pesquisa Operacional, pela COPPE/ UFRJ, 1984. Atualmente doutorando pela UFSC em Engenharia de Produção. Cursos de extensão em Business Consultancy pela INSEAD (UK) e de Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação pela Universidade da Pensilvânia (EUA). Administração de Empresas, FGV/SP, 1996. MBA em Gestão do Conhecimento e Inteligência Organizacional pela COPPE, 2005. Consultor de Empresas. Carlos Taboada Engenheiro Industrial, pela Universidade de Havana, Cuba, 1970. Doutor Ökonomikae, pela Techsnische Universität Dresden, Alemanha, 1985. Pos Doktorat in Logistic, pela Technische Universität Berlin, Alemanha, 1990. Pós-doutorado em Logística, pela Universidad Politécnica de Madrid, Espanha, 1994. Professor na área de Logística do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina, acumulando 28 anos de experiência no Ensino Superior, em várias universidades, principalmente na área de Logística Empresarial. Consultor em Logística Empresarial e instrutor de treinamento em capacitação de gerentes e executivos em logística.

18 www.revistamundologistica.com.br

desenvolvimento de novos produtos e redução de custos de matéria-prima. e estados da federação têm começado a se mobilizar na criação de legislação própria. focaremos na logística reversa da indústria de computadores. Na verdade. Assim um ciclo vicioso se formou: mais pessoas compram. não existe ainda uma legislação abrangente. Com isto. a globalização e o consequente aumento da competitividade trouxeram grandes avanços. Os produtos. hoje passou a ser ampliado. já por muitos anos é considerado nas empresas. desde sua fabricação até a sua disposição final ou a dos componentes que o constituem. Terry (1869. temos como objetivo apresentar os conceitos básicos que fundamentam a Logística Reversa (LR) de bens de pós-consumo e suas principais motivações. a gestão do lixo nas cidades torna-se mais complexa e os aterros sanitários ficam saturados. envolvendo diferentes aspectos do ciclo de vida do produto. A Logística Reversa Conceitos O fluxo “inverso” do produto não é tão recente. como. por exemplo. n° 257/1999. Na área privada. descrevendo a cadeia de suprimentos típica deste segmento da indústria e a situação atual de sua LR. tem recentemente focado sua atenção a um setor localizado deste problema: os produtos eletroeletrônicos. o descarte adequado de resíduos de materiais não utilizados. por consequência. Na segunda parte do artigo. as indústrias de lubrificantes. Como a produtividade aumentou na indústria. Conclui-se o artigo com algumas reflexões a respeito da problemática da LR de computadores no Brasil. (2008). O problema é que a medida se aplica apenas às pilhas e baterias e nada fala sobre equipamentos eletroeletrônicos que contêm também altos índices de materiais tóxicos.Introdução Empresas em todo o mundo começam a despertar para a importância do equilíbrio ecológico e o impacto que seus produtos podem causar na natureza. embalagens e produtos com componentes químicos estão provocando um grande desafio às organizações. então. particularmente no Brasil. a mobilização da sociedade para este assunto nos últimos anos forçando a elaboração de uma legislação ambiental. pois a grande maioria dos produtos disponíveis no mercado não é totalmente consumida. apud Tibben-Lembke. Este artigo está estruturado em duas partes. eletroeletrônicos. para citar algumas delas. em seu livro Manual do Varejo. O foco antes dedicado exclusivamente à obtenção de vantagem competitiva em embalagem. Em nível nacional. A sociedade. algumas indústrias já oferecem aos clientes a possibilidade de retorno dos produtos no final de sua vida útil através de atividades de logística reversa. mas também acarretaram problemas. não-governamentais e das empresas envolvidas na atividade. Na primeira. Já no século XIX. Com o aumento do descarte. aborda o tema de 19 . atribui às empresas a responsabilidade sobre material tóxico de produtos que produzem. assim como monitores e televisores têm sido motivo de preocupação na medida em que tais equipamentos trazem em seus componentes e materiais constituintes substâncias altamente nocivas à saúde. em vigor desde 2002. muitas cidades têm colocado em prática programas de reciclagem. telefones celulares. o que contribui para um aumento no consumo. o avanço tecnológico. 2002). porém. entretanto. As informações foram coletadas tendo como base a literatura disponível. Para manter a sua participação no mercado. No Brasil. O descarte de computadores pessoais e seus periféricos. mais a indústria quer participação no mercado e. Segundo Marcotte et al. organizadores pessoais. as empresas encorajam consumidores a comprar novos e melhores produtos. pesquisa na Web e sites de entidades gover namentais. o que aumenta a expectativa de consumo. e seu impacto sobre a sociedade e meio ambiente fazem do tema um caso de extrema relevância. farmacêutica e de bebidas. a resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama. É notória. equipamentos MP3. oferece mais produtos. produtos mais baratos têm sido ofertados. têm seus ciclos de vida encurtados provocando um aumento de produtos descartados com o fim de sua vida útil. Na área pública. gerando o chamado lixo eletrônico. são gerados dois grandes problemas ambientais: a poluição e a tendência à exaustão de recursos naturais.

No caso de logística reversa de pós-venda. No caso de pós-consumo. o fabricante. MP3 players). as duas grandes áreas da logística reversa. por razões comerciais. reúso ou disposição final em aterros sanitários ou ainda incinerados. pois são diferenciadas pelo estágio ou fase do ciclo de vida útil do produto retornado. é devolvido a um elo da cadeia de distribuição direta.como tratar a questão de clientes com a necessidade de devolver seus produtos e como se responsabilizar sobre eles. Segundo Leite (2003). ou seja. como consequência. monitores. indústrias e órgãos de pesquisa e desenvolvimento de todo o mundo estão cada vez mais engajados em várias iniciativas no sentido de contribuir com soluções para o problema . reforma ou remanufatura. ou há excesso de oferta no mercado. Nos casos em que a reciclagem é antieconômica. equipamentos pessoais (palmtops. porém. se não tratados apropriadamente.br Motivos da Logística Reversa de Equipamentos Eletroeletrônicos mento. remanufatura. sem uso ou com pouco uso. como os computadores. Segundo Leite (2003). Os números do lixo eletrônico serão cada vez maiores e já existe em vários setores da sociedade uma consciência ecológica em acelerada formação que objetiva deter tais números através de ações globais e locais. implementação e controle de forma eficiente e eficaz do fluxo de matérias-primas. Exemplos clássicos de bens com ciclos de vida aceleradamente decrescente são os equipamentos eletroeletrônicos (EEE). ou seja. ao varejista. na logística tradicional. segundo Rogers e TibbenLembke (1999). entre outros. é necessário garantir o descarte de forma segura para a população e o meio ambiente. Entende-se como reciclagem a transformação de componentes e materiais usados para serem reincorporados na fabricação de novos produtos. mercúrio e cádmio. Segundo a organização não-governamental StEP. televisores. celulares. seja através do seu recondiciona20 www. focalizaremos especificamente a logística reversa de pós-consumo já que esta atividade está diretamente relacionada à problemática do lixo eletrônico. Governos. como chumbo. a um mesmo fabricante. Segundo Leite (2003). Sob o ponto de vista acadêmico. o produto tem como ponto de partida os inúmeros consumidores e como destino. os produtos. a redução de seus ciclos de vida. erros no processamento dos pedidos. em geral. após sua vida útil. lixo eletrônico é o termo usado para os resíduos de equipamentos eletroeletrônicos que são descartados (StEP Relatório Anual. após serem consumidos. equipamentos de rede de computadores e de telecomunicações. trazem sérios danos à população ao redor do mundo. 2008). acrônomo em inglês para Solving the E-waste Problem.revistamundologistica. em sua maioria. tratadas de forma independente pela literatura. Na logística reversa de pós-consumo o caminho é inverso. Lambert e Towle (1980) e Stock (1992) que estudaram a logística reversa de reciclagem e Murphy (1986) que estudou a logística reversa de produtos que tiveram “recalls” de seus distribuidores. pode-se verificar uma característica importante do processo: o desafio de reunir produtos disseminados entre milhares de clientes para retornarem. disposição final segura é o desembaraço de bens usando-se um meio controlado que não prejudique o meio ambiente e que não atinja direta ou indiretamente a sociedade. acarretando assim uma acentuada tendência à descartabilidade dos bens. ao distribuidor ou ao fabricante. em geral. a disposição não segura implica o descarte de bens ou materiais de forma não controlada. uma das razões para este pouco interesse pelo estudo dos canais de distribuição reversos reside no fato de que estes são considerados de pouco valor econômico comparado aos canais de distribuição diretos. são as áreas de bens de pós-consumo e de bens de pós-venda. como os de Guiltnan e Nwokoye (1975). podem ter a destinação de reciclagem industrial. De forma simplificada. Por outro lado. produtos acabados e informações correspondentes do ponto de consumo para o ponto de origem com o propósito de recapturar o valor ou destinar a apropriada disposição. partese de um fabricante e define-se o caminho até o consumidor final. estoques em processo. entre outros motivos. em locais impróprios ou aterros inadequados. Em Tibben-Lembke (2002). As substâncias tóxicas no lixo eletrônico podem incluir metais pesados. a Logística Reversa pode ser definida como sendo o processo de planejamento. Assim sendo. Neste contexto. entidades não-governamentais. Neste trabalho. a chamada “Logística Reversa” é considerada ainda uma área muita nova e com poucos trabalhos organizados no assunto. Característica marcante deste tipo de produto é que tem. temos o descarte ou disposição final que ocorre quando não há a possibilidade de reaproveitamento do todo ou de parte do produto. defeitos.com. o acelerado ritmo de inovações no mercado cria uma alta taxa de obsolescência dos produtos provocando. Consideraremos como reprocessamento todas as atividades que aumentam a vida útil do produto. componentes tóxicos e cancerígenos que. Finalmente. O lixo eletrônico Segundo Tibeen-Lembke (2002). o produto. são citados alguns trabalhos pioneiros.

Um modelo hierárquico presentes nos domicílios braadaptado para a Logística Remilhões de celulares são retirados de sileiros. 2009). que O impacto ecológico dos equipamentos após o esforço de redução de cria oportunidades para as é enorme quando não são tratados recursos ser exaurido.org. O número de telefones celulares nativas de uso dos recursos. deve-se objetivar a redução de computadores no Brasil é estimada em 33 recursos. deve-se empresas comercializarem adequadamente após o seu ciclo de praticar o reúso do produto. seus produtos “verdes” e vida útil. é riais existentes em um típico trazendo economias de custo estimado como sendo em torno de 500 computador e um monitor. fato que potencialmente traria impactos indesejáveis em suas Os computadores. pode-se afirmar que o consumidor moderno está cada vez mais atento e preocupado com as ameaças do lixo eletrônico ao meio ambiente e à saúde da população. apud Peters. (b) a preocupação abinee. São mais de 150 milhões Reversa são basicamente: de ações de acordo com uma de celulares em uso no País. ma ou remanufatura é o próxium diferencial em um merca21 . por exemplo. 2008) concluiu que para fabricar um único para preservar o meio ambiente e diminuir o consumo computador são gastos 240 quilos de combustível. A base instalada de à armazenagem. (2005). volvimento sustentável. os números não são menos 2005). A recuperação de equipamentos ou de seus Pesquisa realizada pela Universidade das Nações Unicomponentes tem sido visto como a melhor solução das (Johnson. Segunvernamental com respeito dados divulgados pela Anatel em janeiro de do o autor. sugere uma sequência vidades inerentes à Logística contundentes. do altamente competitivo. manuseio. eficiente do produto do ponto de vista ambiental. A indústria de computadores é uma das que cresce mais rápido e. design de produtos. Como estender o ciclo de vida útil de milhões de toneladas de lixo eletrônico ilustração. ta a composição de mateobsoletos no mundo. o lixo eletrônico e a logística reversa receitas. objetivando basicamente reduzir os efeitos negativos do lixo eletrônico no ambiente e na saúde pública. comparado a 2006. quilos de produtos químicos A Logística Reversa pode Estima-se que existem no mundo 40 e 1. Apenas nos Estados Unidos 128 te. assim como é imensa a perda estendendo a sua a vida útil ao práticas politicamente coreconômica pela não recuperação de seus máximo. devido à alta taxa de obsolescência. a minimização transporte e disposição de milhões e são substituídos a cada 4 ou 5 de materiais usados no produresíduos industriais. 2007). proposto originalmente a atuar cada vez mais nas atipor Stock (1992. treinamento e conscientização do problema para a sociedade. 22 de recursos naturais (StEP. um através de um desenho mais da sociedade com o desencrescimento de 43%. acessado em 22/09/09). assim como. garantir que sua imagem não seja manchada perante um consumidor cada vez mais consciente ecologicamente. os custos crescentes de direcionar materiais para aterros sanitários que motivam as empresas a buscar outras formas alternativas economicamente viáveis (Johnson. (c) e. 2009). Para esta indústria. muitas empresas estão se mobilizando juntamente com a indústria de reciclagem para estabelecer práticas formais de gestão da logística reversa de produtos descartados. reduzindo o lixo potencial cer sistemas formais de disem 2008 foi de 12 milhões (http://www. a reforretas de manufatura como componentes. em particular as empresas de computadores. reciclagem. ou seja. Empresas globais que manufaturam e comercializam produtos de alta tecnologia. em primeiro lugar 2009 (IDEC. é uma das indústrias com mais alta taxa de lixo eletrônico (Peters. Diante desse cenário. reúso. 1998). versa da indústria de compuuso a cada ano. Após o reúso.do lixo eletrônico. segundo (a) a regulamentação goprioridade estabelecida.500 litros de água.br/. e benefícios ao meio ambienequipamentos cada vez mais milhões. que forçam as empresas a estabeleanos. segundo a Agência de Os principais motivos tadores sugerido por Peters Proteção Ambiental dos Estados Unidos que fazem hoje as empresas (Environmental Protection Agency. Em seguida. Os computadores têm um ciclo de vida extremamente curto quando comparado a outros bens duráveis. A venda de computadores no Brasil to. têm se antecipado às legislações ambientais locais adotando iniciativas que minimizem o impacto ambiental de seus produtos. incluindo estudos nas áreas de legislação. 2005). a logística reversa passa a ser uma questão extremamente relevante e ao mesmo tempo complexa como veremos nas sessões seguintes deste artigo. No Brasil. e a energia a ser consumida posição. a figura 1 apresenum produto e promover alterestocados. finalmente. Complementando este cenário.

havendo. a última opção deve ser a disposição final em aterros sanitários. Finalmente. novos softwares são instalados. disponibilidade e qualidade do produto. a Logística Reversa de computadores no Brasil. Para o propósito deste artigo acrescentamos. à análise dos autores citados anteriormente. Esta fase distingue-se do reúso. nem todos integrados eletronicamente para permitir plena visibilidade de toda a cadeia de suprimentos.revistamundologistica. o produto e a demanda. implicando em dificuldades em se obter economias de escala. o produto tem que ser desmanchado. Por estes motivos é de suma importância estabelecer um modelo de Logística Reversa de pós-consumo para a indústria de eletroeletrônicos integrada com o seu fluxo logístico direto. Este baixo valor pode im- 2% ZINCO 14% ALUMÍNIO 6% CHUMBO 7% COBRE 20% METAL FERROSO VIDRO 25% PLÁSTICO 23% METAL PRECIOSO 3% Figura 1. tais como. Analisando este último elemento em particular. a estratégia da indústria é a introdução frequente de novos produtos. Este passo refere-se ao reprocessamento dos equipamentos. como também a motivação ambiental. existe uma grande variabilidade de mercado. 2004). O fornecimento da indústria envolve uma base relativamente grande de canais.com. quando não houver mais a possibilidade de reforma. trazendo como consequência maior vantagem competitiva sobre a concorrência (Daher et al. As quantidades disponíveis em cada origem tendem também a ser bem menores do que normalmente ocorre na logística direta. Halle. Uma melhor gestão destes três primeiros elementos pode refletir em melhores condições de gerenciar a logística reversa. aumentando a complexidade da gestão de seus ciclos de vida e a quantidade de materiais utilizados. utilizamos a mesma perspectiva de Parra e Pires (2003): os fornecedores. Quanto ao fornecimento: a logística reversa de pósconsumo apresenta uma estrutura convergente. Montreuil. a demanda e o abastecimento. As origens são dispersas geograficamente e. A figura 2 ilustra estes elementos. com muitas origens e com poucos destinos. muitas vezes não intercambiáveis entre os produtos. Fonte: adaptado de Marcotte. metal. outro elemento importante de análise da cadeia: a logística reversa. Parra e Pires (2003) identificam três importantes elementos na gestão da cadeia de suprimentos de computadores: o produto. plástico e vidro. Isto cria. induzindo a algumas ineficiências e acarretando perdas de flexibilidade no atendimento a clientes.br . Embora não sendo características exclusivas da indústria de computadores. em muitos casos. um nível de obsolescência alto ao longo de toda a cadeia. heterogêneas em termos de volume. Quanto ao produto. No lado da demanda. adaptamos algumas das especificidades relatadas em Pires (2007) para a Logística Reversa de pós-consumo a estes três elementos de nossa análise. o que provavelmente é um dos fatores mais relevantes. A Cadeia de Suprimentos e a Logística Reversa da Indústria de Computadores Este artigo aborda a partir desta seção. 2003). produto e demanda. reparado e. Em seguida. 2008 22 www. em geral. o subdividimos novamente em três subelementos: fornecedores. ocorrendo a reciclagem. pois o equipamento é testado. portanto. Para análise do elemento Logística Reversa. onde as partes envolvidas tenham como foco não apenas a motivação econômica. Basicamente na reciclagem recuperam-se seus materiais componentes. Quanto ao produto: provenientes de canais reversos de pós-consumo os computadores apresentam um valor agregado bem inferior. Materiais componentes de um típico computador doméstico.mo objetivo. consequentemente. pois uma gestão inadequada e ineficiente da logística reversa pode inviabilizar economicamente suas atividades. alto índice de incerteza e grande customização no atendimento (Parra e Pires. certa quebra do canal de informação entre os parceiros. com grande número de produtos. mas por se aplicar também a este segmento.

atraindo a atenção e preferência não só de clientes.3% do volume de PCs comercializados no mercado latino-americano em 2007 (http://www. As empresas produtoras e montadoras de PC no Brasil começam a se mobilizar no sentido de oferecer aos consumidores serviços de retorno dos equipamentos ao final de sua vida útil. que existe um grande número de empresas participantes da logística reversa com objetivos de negócio diferentes. Na perspectiva do acionista. Logo abaixo do Brasil. acessado em 23/08/2009).br. a logística reversa de pós-consumo possui uma estrutura própria de canal formada por empresas especializadas em suas diversas etapas do fluxo reverso. esse é um dos benefícios proporcionados pela logística reversa. Positivo Informática e Itautec. tais como o plástico ou metal. a indústria de logística reversa é. é altamente incerta. os produtos precisam ser cuidadosamente classificados e as atividades bem planejadas de forma a evitar custos desnecessários. integrada horizontalmente. ou seja. não é geralmente forte já que o produto está em final de vida. segundo a mesma fonte. em 2008. O mercado brasileiro representou 47. além dos fatores complicadores descritos acima. acessado em 22/08/09). et al. O resultado mostra que a indústria de computadores ainda deixa muito a desejar em relação a uma política de Logística Reversa. O Brasil. 2008). Segundo a pesquisa do IDEC. realizou em 2009 uma pesquisa por meio de um questionário formal sobre a política de reciclagem com 20 empresas do segmento de eletroeletrônicos. Portanto. as 10 empresas que responderam ao questionário estão em um pata23 FORNECIMENTO • muitos canais de abastecimento DEMANDA • alta incerteza na demanda • grande variedade de produtos • grande costumização no atendimento PRODUTOS • ciclos de vida curtos • grande variedade de produtos LOGÍSTICA REVERSA • demanda imprevisível • estruturas divergentes e convergentes • origens dispersas • volume e valor baixos • coordenação de múltiplas partes Figura 2. 2009). com vendas de quase 12 milhões de computadores.9% relativo a 2007 (www. Especificidades da cadeia de suprimentos da indústria de computadores. Fonte: adaptado de Parra e Pires (2003). de forma que as atividades precisam ser estruturadas com igualmente baixos custos. a coordenação integrada e com objetivos comuns de todas as partes envolvidas é um fator crucial na logística reversa da indústria de computadores. Citamos como exemplo uma empresa do canal de reciclagem especializada na reutilização de apenas um tipo de material. manteve a quinta posição no ranking mundial. como mencionado acima. segundo a consultoria Gartner.com. Observamos. O gerenciamento do retorno dos bens e materiais dentro da cadeia é fator decisivo para maximizar o ganho financeiro sobre esses produtos. de forma acentuada. Entretanto. Há de se considerar também os ganhos à imagem institucional da companhia por adotar uma postura ecologicamente correta. Passamos a seguir a descrever estes diferentes agentes da cadeia de valor reverso da indústria de computadores. 2006). através de nossa pesquisa. que formam a Cadeia de Suprimentos Reversa. assim como a oferta. É muito difícil prever o volume e o tempo que os computadores são retornados (Marcotte.plicar em preços muito baixos de comercialização. Por outro lado. Dell. trazendo ainda mais complexidade à sua cadeia de valor. mas dos consumidores finais. a Alemanha.2 milhões de computadores no mundo. dado que. para assegurar a máxima eficiência. Os Atores Da Logística Reversa Da Indústria De Computadores No Brasil Segundo Leite (2003). Japão e Reino Unido. dez empresas responderam ao questionário (IDEC. . a demanda de computadores no final de seu ciclo de vida. Esses diferentes tipos de especializações são determinados pela atividade desempenhada e da natureza do material ou produto de pós-consumo.e-thesis. foram comer­ cializados 302. Quanto à demanda e oferta: na logística reversa. 50% das empresas. China. pela própria natureza da operação.inf. ganhos financeiros e logísticos são apenas um dos benefícios que a logística reversa é capaz de proporcionar para a empresa que a adota.Investinfo. atrás apenas dos Estados Unidos. A indústria de computadores no Brasil Em 2008. A demanda. conscientes ecologicamente (Bezerra e Oliveira. O IDEC. Entre as empresas que responderam estão quatro grandes empresas do segmento de produção de computadores: HP. um aumento de 10. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

de uma forma geral. Dell ou a chinesa Lenovo. 2008). recondicionamento. O mercado de bens usados caído e hoje só chega a 32% do mercado Freitas. Como constatado através de acessos samento e reciclagem de computadores é o mercado aos sites e consulta via e-mails aos principais fabricantes.computadorparatodos. convênio com entidades nãotadores. que atuam Computador para Todos pelo governo Gama. cionamento de computadores fator essencial para acelerar e bem a frente das gigantes multinacionais. O acesso aos sites oficiais de algumas dessas empreporte muito inferior quando comparado às empresas da sas deixa claro que existe pouco compromisso com o cadeia direta. Com a introdução do pacote záveis. estas empresas aprena gestão de resíduos eletrônicos. Apesar disto. privadas e estatais. salvo exceção para algumas unidades de A indústria de reprocessamento e reciclagem de negócios.com. total ou parcialmente deprePor outro lado. prolongando empresa fabricante de chips. A empresa do Governo Federal. declarou que oficinas são adaptadas para a a sua vida útil. Os links relativos sucata ou desmanche. mercado na produção de PCs. consequentemente. em locais dos sites de Uma das principais fontes das empresas de reprocesdifícil visualização. que dicionamento de Computadores (CRC). computadores a mais de 20 mil empresas triagem. A Logística não-lucrativos e lucrativos (Marcotte et al. sentam alta dispersão geográfica e. a estes serviços estão. acessado em de componentes não-reutilivalor reversa estão as empresas 31/07/09).com.mar apenas satisfatório em termos de responsabilidade sa nos dias de hoje. Os beneficita uma parcela importante no acessado em 22/08/09). Já existem seis centros que constituem a indústria de de redução de impostos através da “Lei no País. estados da federação e suas longo de seu uso. localizados em reprocessamento e reciclagem do Bem’ e o lançamento do programa Porto Alegre. por vezes. Rio de Janeinos mercados de bens de sefederal. Estes centros de PCs.br . entrega e desreprocessamento e reciclagem no Brasil exterior que importam seus componentes carte ambientalmente correto No outro lado da cadeia de (www. soletos tecnologicamente. como a de servidores e de discos de alta cacomputadores composta por entidades com fins nãopacidade de armazenamento. sob a forma de leilões. concorrências..industriabrasileira. como de fins tendência da Europa e dos Estados Unidos. entre 24 www. na Bahia.com. Belo Horizonte e em Lauro gunda mão e de reciclados. As empresas de brasileiras. seguindo uma samento e reciclagem. Distrito Federal/ de computadores. corporativo. Reversa pós-consumo do fabricante de computador ainda não é um componente relevante de seu modeEmpresas sem fins lucrativos lo de negócio.revistamundologistica. constatamos que os motivos principais diretas ou simplesmente por doações para que tenham para tais iniciativas são a preocupação da imagem como uma destinação ambientalmente correta. A Positivo Informática lidera há quatro anos implantando paulatinamente adoção de uma modularização a produção de computadores detendo. lucrativos está sendo impulOs equipamentos precisam ser As indústrias brasileiras de computadores sionada pelo Projeto Comjá detêm 77% da participação de originalmente projetados de putadores para Inclusão (CI). no qual grandes empresas disponibilizam estes começam a se mobilizar com iniciativas estrutupara terceiros os seus equipamentos considerados obradas relacionadas à Logística Reversa pós-consumo. vende seus chips para a montagem de recepção de equipamentos. instalados ou em fase de instalação. sem contar com empresas no armazenagem. através dos Centros de Recontornar viável economicamente como a HP. 15% de participação do mercado. Isto facilitaria também O mercado de computadores no Brasil governamentais nos diversos a troca de componentes ao é particularmente pulverizado. São Paulo. Encerrado o ciclo de reutilização. valor total de economia reverários são principalmente. empresa responsável ambientalmente perante os seus Para fins de posicionamento na cadeia de valor. que está forma a facilitar o seu retorno ao final de seu ciclo de vida. em uma rede nacional de recondimais intensa do produto é um 2009. baseado em todo o material coletado ciados. vendas nesta pesquisa. O projeto firma a Logística Reversa de compuadquiriu a divisão de PCs da IBM. o chamado mercado cinza tem ro. poconsumidores e a preparação da empresa para uma ledemos classificar as empresas da indústria de reprocesgislação ambiental mais rigorosa no País. A Intel. quando antes dominava este ou reprocessados represenrecebem doações de empresas mercado (www. o equicliente no que diz respeito à divulgação de suas políticas pamento é coletado e destinado ao processamento de de Logística Reversas de pós-consumo.

destaca-se a Universidade de São Paulo (USP) que está implantando o primeiro centro público de reciclagem de lixo eletrônico como computadores. Um terceiro fator que destacaríamos é o distanciamento geográfico. Portanto. escolas. bibliotecas e telecentros comunitários. com. alumínio. são várias as fontes de fornecimento. Os equipamentos são provenientes de diferentes grupos de usuários. que seguem as Normas ISO para gestão ambiental ou acatam a Norma ABNT-NBR 10004. varia muito.inclusaodigital. Equipamentos ou componentes não-reaproveitadas são enviados a grandes centros para serem reciclados. Em alguns casos. acessado em 10-09-09). são em geral destinadas a empresas no exterior. SucataInfo e a Restec. como corporações. cobram por tonelada de lixo eletrônico recolhida nos clientes. onde as fontes de abastecimento ficam distantes dos centros de reprocessamento ou de estabelecimentos que reparam e comercializam os computadores usados. Como mencionado acima. O centro fará a separação de todos os componentes e destinará o material para empresas que são especializadas em cada um deles. como o ouro. É extremamente complexo de se prever com a precisão adequada o volume de computadores e o momento em que estes chegam às plantas de reprocessamento. desmanche e separação dos itens por tipo de material. São poucas empresas no mundo que estão preparados para reciclar traços de elementos químicos presentes nestas placas. O projeto foi desenvolvido em parceria com pesquisadores do Instituo de Tecnologia de Massachusetts. Suas fontes de abastecimento são diversas.silvaporto. que cuidaram de seus equipamentos de formas diferentes. porém. por exemplo. por exemplo. em geral. Ocorre que a taxa de obsolescência desses equipa25 . O processamento de materiais é feito de acordo com a sua especialização.br. Algumas empresas. de empresas de grande a pequeno porte e consumidores individuais. são próprios ou através de portais na Internet. classificar. As fontes têm diferentes procedimentos. a TCG Recycling.gov. Empresas com fins lucrativos No setor privado existem poucas empresas legalmente habilitadas para a reciclagem de equipamentos eletrônicos. tal como o é na cadeia logística direta. Existe um grande número de empresas com fins lucrativos que atuam no mercado de reprocessamento ou recondicionamento de computadores e componentes. como exemplos. como ferro. acessado em 03-09-09). fornecendo matérias-primas para outras indústrias ou destinando componentes para empresas de reciclagem fina onde o processo de reciclagem é complementado (www. monitores e outros equipamentos de rede. Na área de reciclagem e ainda no âmbito de entidades sem fins lucrativos. o mercado secundário local e indivíduos.br. por exemplo. Um segundo fator de extrema complexidade na Logística Reversa de computadores é a dificuldade para avaliar a qualidade e o valor do produto. De uma maneira geral. acessado em 03/09/2009).ism.org. através de depoimentos em artigos e matérias coletadas foi possível constatar os fatores principais que contribuem para a alta complexidade da Logística Reversa de computadores. Suzaquim. inclusive entre produtos de mesma geração. entre outros (www. implicando em níveis de qualidade e valores residuais distintos. prata. MIT (www. entre outros. localizadas em São Paulo ou a Sucata Digital localizada em Manaus. plástico. A complexidade da LR da indústria de computadores Este trabalho não contemplou visitas às plantas de reprocessamento de computadores ou entrevistas diretas com os empresários da área.com.idgnow.outros. através de projetos selecionados pelo Governo Federal (www. Outras até pagam pelo material recolhido.br. As placas eletrônicas separadas neste processo. estas empresas mantêm armazéns para estocar. Podemos citar. Neste processo são retirados os resíduos de metais preciosos. Os indivíduos e empresas de pequeno porte localizados mais distantes tendem a empilhar computadores até que seja economicamente viável transportálos. retêm os computadores usados em uma área e os descartam em um momento posterior. A demanda também é difícil de prever. Apesar disso. Materiais poluentes como pilhas e baterias são retirados. processos tecnológicos de reciclagem e portes distintos. inerente a um país continental como o Brasil. em geral. acessado em 27-08-09). quando o volume justificar economicamente. o custo para reparo desses computadores. São empresas geralmente de pequeno e médio porte e têm atuação local ou regional. estas empresas coletam equipamentos e oferecem o reaproveitamento ambientalmente correto do lixo eletrônico. Algumas empresas. Seus canais de vendas.br. selecionar e recondicionar equipamentos ou componentes. Um desses fatores é a incerteza da oferta e da demanda. Outras empresas descartam seus computadores logo após a chegada de uma nova geração de equipamentos. Funcionam como elos da cadeia de reciclagem realizando a coleta. O processo de separação é feita a altas temperaturas e a emissão de gases resultantes deve ser controlada. são empresas com modelos de negócio.

a recuperação de grande parte de sua matéria-prima através de processos menos complexos comparado aos que são hoje necessários. O relacionamento de diversas entidades envolvidas na cadeia de valor reversa Em Marcotte et al. em um movimento circular. reparam e comercializam os equipamentos e componentes. com diferentes especializações. Deve também ser projetado de forma a facilitar a reciclagem. Na figura 3. Por um lado. plantas de reprocessamento de equipamentos e de componentes com distintas motivações. empresas de reciclagem de materiais e empresas de reciclagem fina das placas eletrônicas. consequentemente. o fluxo de relacionamento entre os principais atores da cadeia reversa de computadores no Brasil. com diferentes níveis tecnológicos de processamento e de gestão. É fato reconhecido que equipamentos eletrônicos em geral ainda são destinados irresponsavelmente a aterros sanitários através de vários canais. Destacamos o relacionamento entre três grandes blocos de entidades envolvidas na cadeia reversa da indústria de computadores. ou seja. os fabricantes deverão ser motivados a prevenir a poluição e reduzir recursos e energia ao longo de todo o ciclo de vida do produto através de mudanças no desenvolvimento do projeto do produto e em sua tecnologia. Pelo lado do fornecimento estão basicamente os fabricantes. da produção à sua disposição final. através de outro canal de distribuição. como sugerimos a seguir. (2008) são apresentados os múltiplos relacionamentos entre as entidades envolvidas na cadeia de valor da logística reversa de computadores observados no Canadá. basicamente. descartados e voltar para o mesmo ponto.revistamundologistica. 2005). facilitar reprocessamento e reúso. melhorando a eficácia de toda a cadeia reversa. com coordenação e sistema de informação centralizados. consequentemente. exercem todos estes papéis. de maneira similar. Os computadores e equipamentos podem. a exemplo do que está ocorrendo em outros países desenvolvidos (Goyal e Bakre. A nossa visão foi formada a partir de informações de artigos. de portes distintos. escolas. inclusive. possibilitar upgrades. a taxa de obsolescência desses produtos reduziria. matérias e sites de empresas na internet. Os equipamentos são então destinados a uma categoria de entidades que chamamos de processadores. com empresas agrupadas por regiões geográficas e regulamentadas pelo governo sob o ponto de vista de preservação ambiental. Nem todos. as entidades não-governamentais de inclusão digital. na busca da recuperação de valor.br envolvidos da cadeia de valor reversa. resultando em um preço do produto mais atrativo. que compram. telecentros comunitários. a velocidade de recolocação no mercado de produtos usados e/ou reprocessados aumentaria e. os processadores são entidades responsáveis pela coleta. seleção. os portais de comércio eletrônico que exercem papel relevante como canal de distribuição dos equipamentos usados. Os aterros sanitários estão representados na figura 3 sem fluxo de relacionamento de forma intencional. não exaustivamente. O produto deve ser projetado para ter uma maior longevidade. Entendemos que a responsabilidade de toda a gestão do ciclo de vida do produto. recondicionamento. haveria uma maior integração entre os atores deste mercado. As empresas envolvidas no reprocessamento e reciclagem poderiam operar com mecanismos de coleta mais organizados. após recondicionamento. São. eventualmente comercializando-os diretamente. suportados e subsidiados pelos fabricantes.mentos é muito alta e logo esses computadores perdem um valor significativo e os preços para recolocá-los no mercado logo são bem menos atrativos. deixamos de representar no modelo alguns atores e relacionamentos não relevantes para este estudo. Os custos inerentes à operação seriam reduzidos. desmanche e reciclagem de materiais. aumentando a sua demanda e. Eles formam uma rede de relacionamentos múltiplos para agregar o máximo de valor ao produto. constatamos a complexidade e o nível caótico dos relacionamentos entre os atores 26 www. as incertezas quanto ao volume de fornecimento seriam menores. Modelos similares a arranjos produtivos poderiam ser criados. conforme seu estágio no ciclo de vida. Analisando este fluxo. Os equipamentos movimentam-se através desta rede. empresas que comercializam os materiais reciclados e mercados de sucata. No lado da demanda estão também os distribuidores e revendedores. Por outro lado. públicas e os consumidores domésticos. problemas ambientais resultante de disposição final inadequada de equipamentos por parte dessas empresas ou por consumidores seriam minimizados. Políticas de educação e orientação ao consumidor individual e corporativo quanto à adequada destinação de . São entidades com diferentes motivações de negócio. De uma forma geral. apresentamos. porém. Para fins didáticos. Existem oportunidades claras de melhoria de desempenho desta cadeia de valor. os distribuidores que adquirem lotes de equipamentos junto às organizações. serem consumidos em um ponto da cadeia. as empresas privadas. Desta forma.com. consumidores individuais. deve ser estendida ao produtor por uma legislação específica. abastecendo a cadeia reversa com equipamentos que terão sua vida útil prolongada. ou seja.

sob o ponto usuários originais consumidores domésticos plantas de recondicionamento de programas do governo. governos e a sociedade em geral a buscar soluções para um problema atual: o lixo eletrônico. Apesar do crescente consumo de computadores e outros eletroeletrônicos. Fonte: os autores 27 . bem como as atividades de avaliação da qualidade. Na primeira parte do trabalho procuramos introduzir os conceitos básicos da logística reversa de pós-consumo e os motivos que levam as empresas. não há no Brasil ainda uma legislação eficaz para a destinação correta do lixo eletrônico. pesquisas constatam que apenas poucas empresas estão em um patamar satisfatório em termos de responsabilidade na gestão de resíduos eletrônicos. telecentros comunitários. ado- tando iniciativas que minimizem impactos ambientais. contribuindo para que a operação reversa se torne viável economicamente. Representação da cadeia de relacionamentos do fluxo reverso computadores no Brasil.equipamentos usados deveriam ser intensificadas por programas de governo. Sob o aspecto ambiental. Existem oportunidades para que as empresas fabricantes lancem desenhos de produtos mais modularizados. empresas que comercializam produtos de alta tecnologia começam a se mobilizar. Algumas constatações deste estudo merecem destaque nesta seção. A Logística Reversa ainda não é um componente relevante do modelo de negócio das empresas fabricantes de computadores no País. com foco na indústria de computadores do Brasil. Considerações Finais e Sugestões para Pesquisas Futuras Este artigo mostrou o estágio atual da Logística Reversa de pós-consumo de produtos eletroeletrônicos e os seus atuais desafios para a preservação do meio ambiente. após uma breve análise sobre a sua cadeia direta de suprimentos. fabricantes e outros processadores empresas de reciclagem de materiais exterior fabricantes de computadores empresas privadas plantas de reciclagem fina (traços de metais preciosos) empresas públicas reparadores e/ou distribuidores de recondicionados e componentes aterro sanitário ong’s. Identificamos vários atores envolvidos na cadeia reversa de computadores no País. Em seguida focamos nossa análise na Logística Reversa da indústria de computadores no Brasil. de forma a facilitar o retorno. revendedores e usuários Figura 3. de valor do produto e de reprocessamento. Existe também pouco compromisso com o cliente no que diz respeito à divulgação de suas políticas de logística reversa. escolas. Os principais motivos que movem as empresas nessa direção são basicamente a preocupação em associar sua imagem como responsável ambientalmente perante seus consumidores e a preparação para uma legislação mais rigorosa como já aplicada em países da Europa e nos EUA. agrupados. etc. Apesar disso. varejos de equipamentos e componentes recondicionados portais de e-commerce mercado de materiais reciclados consumidores individuais mercado de sucata distribuidores.

B. Resource Conservation Challenge (RCC) Workshop Background Materials. por sua vez. [3]Daher. [5] Environmental Protection A ncy. E. Pode também incentivar a criação de mais postos de coleta associados ou não ao seu programa de inclusão digital.revistamundologistica. além de fomentar uma legislação mais rigorosa no aspecto ambiental. n. tal como em um arranjo produtivo local.. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. acessado em 13/08/09. 363-377. de la Sota Silva. C.3. [7] Goyal A. as escolas. 2002. pp. Peters. como.com.pdf.com. P. Existem poucos trabalhos acadêmicos publicadas sobre Logística Reversa da indústria de computadores e de eletroeletrônicos no Brasil. empresas privadas e públicas. [8] Hsu. pp. 1998. onde também possa haver uma centralização das informações por áreas geográficas. Outra oportunidade para a continuidade desta pesquisa é avaliar em que estágios estão as empresas de reprocessamento de computadores.sciencedirect. Understanding the reverse logistics operations of a retailer: a pilot study.6. Infosys. no lado do consumo estão os distribuidores. In: http://www. Complying with Waste of Electrical Eletronic Equipments and Restrictions on use of Hazardous Substance directives: the way forward. São Paulo: Atlas. In: http://www. Carvalho M. Logística Reversa Meio Ambiente e Competitividade. [4] Dhanda..P. H. 58-73.com. Logística Reversa. v. Alexander.J. Oliveira.3.de vista de uma cadeia de suprimentos.br focar nos principais desafios declarados pela ótica desses executivos e compará-los com os desafios da logística direta da mesma indústria.infosys. Closs. Managing Value in Reverse Logistics Systems. C. J. Observamos que o relacionamento dos atores envolvidos na cadeia logística reversa de computadores é bastante caótico devido a vários motivos. celulares ou televisores. O grupo dos processadores é formado por entidades que recondicionam. mas principalmente pela falta de uma coordenação central. v. 2007. F. [12] Laurindo. 515-531. revendedores. Reverse ogistics in the Computer Industry. p. Este fator implica em um custo maior de coleta e a tendência de menor valor de mercado do equipamento pela demora de recolocação no mercado. v. O governo. Zhu. incluindo os consumidores domésticos.A.N. K. acessado em 03/09/2009. O grupo de consumidores são o que chamamos de usuários originais. 2001. S.109. telecentros comunitários e clientes do mercado secundário em geral. In: http://www. 2006.F. A pesquisa constatou diversos fatores que tornam complexa a gestão da cadeia Logística Reversa. 2003. E.A.M. acessado em 20/08/09. 2005. É um mercado extremamente pulverizado por natureza e carece de uma figura central para coordenar e integrar os diversos papéis e obter sinergia entre as partes.com.. 2007. Uma das sugestões para trabalhos futuros é a realização de uma pesquisa descritiva. A. Gestão e Produção.S. acessado em 12/08/09. O estudo poderia 28 www. . D.com/IT-services/packaged-application-services/white-papers/WEEE-restrictions. Bakre.57-67. no que diz respeito à organização de seus processos de produção e do uso de ferramentas de gestão. [6] Figueiredo. através de levantamentos in-loco.. a ser publicado. [13] Leite.bbronline. Sheu. Brazilian Business Review. pp. remanufaturam ou reciclam os equipamentos ou componentes. pp. Mayerle.br/upld/ trabalhos/pdf/32_pt. esta pesquisa pode ser estendida para outros produtos eletroeletrônicos. acessado em 27/07/09. Designing minimum-cost recycling collection networks with required throuput. Industrial Management & Data System.. abrangendo uma maior região. tais como a dificuldade das empresas processadoras em prever o volume e quantidade de equipamentos ofertados pelo mercado. São Paulo: Prentice Hall. 2006.4. n. A. em fornecedores. Donald J. por exemplo. 10.F. objetivando a recomendação de um modelo de negócio específico para este setor da Logística Reversa. A.. as ONGs. Systems and Signals.E. com a elaboração de um questionário para representantes de cada um dos atores da cadeia reversa de computadores citados neste trabalho. Outro aspecto relevante identificado é o distanciamento geográfico das fontes de abastecimento e os grandes centros onde se encontram normalmente as unidades de recondicionamento.2.administradores. 3. 2009.epa. buscando a identificação de recomendações para este segmento da cadeia reversa. BIBLIOGRAFIA [1] Bezerra. In: http://www. David J. P. dezembro de 2003.R. [11] Krumwiede. Pode também fomentar a criação de bases de informações regionais que possibilitem reduzir níveis de incerteza a cerca da oferta e da demanda de equipamentos usados. Outsourcing e Geração de Valor na Indústria de Computadores Pessoais (PCs): Estudo de Múltiplos Casos. processadores e consumidores. segmentos que têm apresentado significativas taxas de obsolescência.W. 34.pdf. n. os portais eletrônicos. v. International Journal of Computers. In: http://www. Logística Empresarial.A..1. tem como oportunidade intensificar a educação e orientação da população para o descarte de equipamentos eletroeletrônicos usados..gov/osw/rcc/resources/meetings/rcc-2007/ preparation. Finalmente. [2]Bowersox. Por fim. n. Universidade Federal de Santa Catarina. assim como a demanda desses produtos ao serem recolocados no mercado. v. Logistics and Transportation Review. n. 217-227.pdf.K. [10] Johnson.br/artigos/logistica_reversa/12055/.B. C. reformam. USA. outubro de 2005. Logística Reversa: Oportunidade para Redução de Custos Através do Gerenciamento da Cadeia Integrada de Valor. A model for reverse logistics entry by third-party providers. Z..A.

[22]StEP. In: http://www.33. 32. R. [23] Tan.Yu. v. 35. R. CIRRELT-2008-41. Canadá. outubro. [19]Ramos Filho.W.step-initiative. Logística Reversa de Pós-Consumo do Setor de Lâmpadas Fluorescentes. Análise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores. n.V Congresso Nacional de Engenharia Mecânica. In: http://www. n. abril. E-Waste: A Global Challenge?. UFSC. [25]United Nations University e StEP. Carlos Taboada. Rio de Janeiro. 3.. Modelo para a Logística Reversa dos Bens de Pós-Consumo em um Ambiente de Cadeia de Suprimentos. 223244.N. S.. 2004. Rio de Janeiro: Elsevier.org. Pires. Karen M. [21] Sanches. [17]Parra P. 1999. v. [16] Novaes. .S. 2008. University of Nevada. A. IN: http://www.. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. conem2008. Orientador Prof.S. Going Backwards: Reverse Logistics Trends and Practices. G. Florianópolis. pp. Os Impactos Ambientais Causados pelo Lixo Eletrônico e o Uso da Logística Reversa para Minimizar os Efeitos Causados pelo Meio Ambiente. A Logística Reversa de Pneus Inservíveis: O Problema da Localização dos Pontos de Coleta. Computer Hardware Reverse Logistics: A Field Study of Canadian Facilities. acessado em 20/08/09.K.br/. K. p. Annual Report 2008. p. 337361. n. v. 10. . Tese de Doutorado. 1. [18]Pires. 2008. Departamento de Engenharia de produção e Sistemas. v. Arun. Improving the Performance of a Computer Company in Supporting its Reverse Logisitcs Operations in the Asia-Pacific region. [26]Walther G.W. D. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. A. acessado em 20/06/2009.W. S.[14]Marcotee. . acessado em 13/06/2009.R.N. 2003.H. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas.Tese de Dissertação de Mestrado. J. 2007.S. 2003. B.. Centre Interuniversitaire de Recherche sur les réseaux d´entreprise.S. Universidade Federal de Santa Catarina. Spengler T. Mattos Katty M. la logistique et le transport.step-initiative.. S. [20]Rogers. Salvador. Universidade Federal de Santa Catarina. 2005. . [24]Tibben-Lembke. Perales.Tibben-Lembke. Dr.com.C. 2ª. Impact of WEEE-directive on reverse logistics in Germany.C. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia. L. Life after death: reverse logistics and the product life cycle..S. 1-15. Hallé M. 2005. Center for Logistics Management. Ed.S. 5.I. 1. p. Reno. [15] Mattos. Montreuil. 59-74.. n. Gestão & Produção.. org. E.S. 2002. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. 2008. PPGEP. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. operação e avaliação. 2007.