You are on page 1of 8

MPI—Movimento Pró-Informação para a Cidadania e Ambiente Ano 5, N.

º 15

BOLETIM Março de 2009

ANIVERSÁRIO MPI INFORMATIVO


1º CICLO DE CINEMA

ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E
TRANSGÉNICOS

Domingo 5 de Abril de 2009

Sede da Associação para o desenvolvimento de


Olho Polido

Programa:
Tome nota:
14:30 – Início do ciclo de cinema com apresentação das actividades.
15:00 – Animação - A (meia) hora dos mais novos (30 min.): “The Meatrix,“A Guerra
Comemore o Dia
da Mercearia”, “A Revolução das Bocas” Mundial da Floresta,
15:45 – Documentário: „A carne é fraca‰ (53 min.) semeando e/ou plan-
17:00 – Documentário: „TranXgénia: a história do verme e o milho‰ (37 min.) tando árvores e
17:45 – Documentário: „Transgénicos – A manipulação dos campos‰ (23 min.) arbustos naturais da
nossa região.
CONVOCATÓRIA (ver pág. 3)

De acordo com os estatutos do MPI · Movimento Pró- Ao adquirir um tele-


Informação para a Cidadania e Ambiente, convoco a Assembleia Geral móvel escolha um
Ordinária desta Associação, que se realizará na sede da Associação para o com menor SAR
desenvolvimento do Olho Polido, dia 5 de Abril, domingo, pelas 18.30 (ver pág. 5)
horas , com a seguinte ordem de trabalhos:

1– Votação do Relatório e Contas do ano 2008


2– Discussão e votação do Plano de Actividades e Orçamento para
Nesta edição:
2009.
ASAE e OGM 2
3– Ponto da situação em relação ao processo de fusão Resioeste/
Valorsul Efemérides relaciona- 3
4– Outros assuntos das com o Ambiente

Entrevista à Nobel da 4
Não havendo número legal de associados para a Assembleia fun- Paz de 2004
cionar, fica desde já marcada uma segunda convocação para meia hora
Uso do Telemóvel 5
depois, funcionando com qualquer número de associados.
Floresta Autóctone 6
Vilar, 28 de Fevereiro de 2009
Breves 7
O Presidente da Assembleia Geral
Anúncios 8
Nuno Pereira Azevedo
Página 2 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 15 - Março de 2009

AGRICULTURA É O PRÓXIMO ALVO DA AUTORIDADE

A.S.A.E. DE BRAÇO DADO COM A INDÚSTRIA DOS TRANSGÉNICOS


Este foi o título do comunicado emitido em 09/12/2008 pela Plataforma Transgénicos Fora. A situação é de
facto grave, conforme se pode ler no comunicado:
Ficou-se a saber através do „Despacho 30186-A/2008 publicado no Diário da República de 21 de Novem-
bro*1, da nomeação dos presidentes das Comissões Técnicas Especializadas que dão apoio ao Conselho Cientí-
fico da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE),‰ sendo a Doutora Margarida Oliveira, da Uni-
versidade Nova de Lisboa, nomeada para a comissão de avaliação de risco dos organismos geneticamente modi-
ficados (transgénicos), facto que „não podemos deixar de ficar perplexos‰!
Pois „...é sobejamente conhecido que a Doutora Margarida Oliveira tem mantido, ao longo da última década,
uma intensa e visível campanha pública a favor da introdução dos alimentos transgénicos em Portugal, tendo
sido convidada para defender uma posição favorável à utilização desta tecnologia em vários debates sobre o
tema. No entanto, segundo o Despacho em causa, espera-se dos nomeados "apoio independente" (vide preâm-
bulo), isto numa Autoridade que se rege "pelos princípios da independência científica, da precaução, da credibi-
lidade."*2
Para além disso, a Doutora Margarida Oliveira „...já foi presidente do Centro de Informação de Biotecnologia,
uma estrutura financiada pela indústria*3‰; „...afirma publicamente sobre os transgénicos "são as plantas mais
seguras que o consumidor pode consumir",*4, „...entende que a legislação portuguesa "exagera" *5 nas regras
para o cultivo de transgénicos‰ e quando „...confrontada com uma longa lista de artigos científicos sobre o
impacto dos transgénicos publicados por diversos grupos de investigação de todo o mundo, se limita a responder,
publicamente e sem qualquer justificação científica, que nada daquilo é verdade?‰
Com esta nomeação, assim como a nomeação da restante Comissão Técnica cuja maioria dos elementos tam-
bém participam em debates ou defendem posições públicas de cariz político a favor da introdução dos transgéni-
cos em Portugal, ficam muitas reservas quanto ao verdadeiro papel e imparcialidade desta comissão.
„A ASAE, se pretende ser credível nesta matéria, tem de cumprir o que está previsto no próprio regulamento
interno*6 das comissões técnicas especializadas que, no seu artigo 3À, estabelece explicitamente que os seus
membros não podem ter "interesses pessoais que possam ser considerados conflituantes com a independência
necessária ao exercício das suas funções." Se alguma vez houve exemplo de tal conflito de interesses, ele está
patente neste caso de forma explícita e, considerarão alguns, insultuosa para o interesse público.
Se a ASAE o não fizer, cabe ao Sr. Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Dr.
Fernando Serrasqueiro, fazer cumprir a letra e espírito da lei que rege a Autoridade e convidar a Doutora Marga-
rida Oliveira a sair.‰
(Para consultar referências vide: http://stopogm.net:80/)

Para além do comunicado a PTF lançou em 12/12/2008 uma


campanha para envio de e.mails para o Ministro da Economia,
Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consu-
midor, Secretário de Estado do Ambiente, Secretário de Estado
do Desenvolvimento Rural e das Florestas, Director-Geral da
Saúde, Inspector-geral e Director Científico da ASAE, Consultor
da Assessoria para os Assuntos Económicos e Empresariais da
Presidência da República, Presidente da Comissão de Assuntos
Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional da Assem-
bleia da República, e Deputados da Subcomissão de Agricultura,
Florestas, Desenvolvimento Rural e Pescas da Assembleia da
República, como forma de protesto.
Foi ainda solicitada uma reunião com a ASAE o que veio a
acontecer no dia 22 de Dezembro, que contou a presença do Ins-
pector-Geral, Dr António Nunes, e do Director Científico, Eng
Manuel Dias e 4 elementos da Plataforma, entre os quais a Dr…
Margarida Silva e Gualter Baptista. O balanço da reunião foi bas-
tante positivo, tendo a ASAE demonstrado uma grande abertura e
vontade de diálogo com a Plataforma.
n.º 15 - Março de 2009 BOLETIM INFORMATIVO MPI Página 3

EFEMÉRIDES RELACIONADAS COM O AMBIENTE—DIA MUNDIAL DA FLORESTA

Iniciamos neste boletim uma alusão a datas comemorati- Fevereiro


vas relacionadas com o ambiente, em que destacaremos algu- 2 – Dia Mundial das Zonas Húmidas
mas. Na caixa estão indicadas as datas referentes ao primeiro
quadrimestre de cada ano.
Nesta edição iremos destacar o Dia Mundial da Flores- Março
13 - Dia Internacional da Energia
ta.
21 – Dia Mundial da Floresta
22 – Dia Mundial da ˘gua
A 9 de Março de 1913, Portugal comemora pela primeira
vez A Festa da ˘rvore, tendo por origem a ideia de um
lenhador Norte-americano chamado John Stirling Morton, Abril
em 1872, o qual resolveu incentivar a população a instituir 1- Dia Internacional das Aves
um dia no ano à plantação de árvores para evitar a escassez 22 – Dia Mundial (ou Internacional?) da Terra
de material lenhoso, tendo esta ideia acabado por se implan-

tar em vários países do mundo.


Em 1971 e na sequência de uma proposta da Confederação Europeia de
Agricultores, foi então estabelecido o dia Mundial da Floresta, com o
objectivo de sensibilizar as populações para a importância da floresta no
equilíbrio dos nossos ecossistemas. É em 21 de Março de 1972 que, em
vários países incluindo Portugal, se comemora então pela primeira vez o
Dia Mundial da Floresta.
Muito há a fazer pela nossa floresta, mas sem dúvida que o papel do
cidadão
continua a ser primordial, pois cerca de 90% da área florestal é privada.
Prevenir os incêndios, cujas principais causas são de origem humana
(criminosa, acidental e por negligência), bem como da área ardida, e
valorizar a floresta autóctone são atitudes urgentes.
Um caso de algum sucesso no aproveitamento de um recurso florestal
autóctone em Portugal é o montado de sobreiro, no entanto está a sofrer
várias ameaças como a sua destruição para plantação de olival intensivo,
e projectos turístico-imobiliários, a substituição das tradicionais rolhas de
cortiça por outro tipo de vedantes, nomeadamente as tampas de plástico.

Cortiça – os números

O sector da cortiça garante neste momento 13 mil postos de traba-


lho,
mais seis mil sazonais ligados ao descortiçamento. (http://
jornal.publico.clix.pt/main.asp?dt=20080329&id=)

Portugal gera 54 por cento e processa cerca de 74 por cento de toda a


cortiça produzida no mundo de toda a cortiça produzida no mundo. A
cortiça é o único produto natural renovável em que Portugal é líder
mundial. É um negócio que, por si só, representa três
por cento do PIB, sem contabilizar o contributo industrial da madeira e
o da bolota para a alimentação animal. (http://jornal.publico.clix.pt/
main.asp?dt=20080329&id=)
Página 4 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 15 - Março de 2009

O AMBIENTE É O MAIOR DESAFIO


ENTREVISTA À PRÉMIO NOBEL DA PAZ DE 2004 - WANGARI MAATHA

Não queríamos deixar de reproduzir uma entrevista que a vencedora do Prémio Nobel da Paz de 2004, Wan-
gari Maatha, concedeu à revista Time Magazine, uma vez que ela foi uma assérrima defensora da plantação de
árvores, tema em destaque nesta edição do nosso boletim.
Em 2004, Wangari Maathai, então com 64 anos e vice-ministra do Ambiente do Quénia, foi primeira activista
ambiental e a primeira africana a conquistar o Nobel da Paz.
A estes títulos somam-se o de ter sido a primeira negra a obter um doutoramento, a ser nomeada reitora da
Universidade de Nairobi e a primeira professora de anatomia veterinária do continente africano.

TIME MAGAZINE: KOFI ANNAN, NELSON MANDELA, MADRE TERESA E, AGORA, A SENHORA.
QUAL É A SENSAÇ‹O?
Wangari Maathai: É algo que tem de ser digerido lentamente. Por enquanto, parece um sonho. Quando estamos
envolvidos, não temos tempo para avaliar o impacte do nosso trabalho.

TM: O QUE T¯M AS SUAS ACTIVIDADES A VER COM A PAZ?


WM: Muitas das guerras que se travam têm a ver com recursos: petróleo e água, no Médio Oriente. Aqui, em
˘frica, temos minerais, temos terra, temos madeira. Penso que aquilo que o Comité Nobel está a fazer é ir para
além da guerra e ver o que a humanidade pode fazer para evitar. A gestão sustentável dos nossos recursos natu-
rais promoverá a paz.

TM: O MOVIMENTO CINTURA VERDE PLANTOU MAIS DE 35 MILH›ES DE ˘RVORES. PORQU¯


˘RVORES?
WM: A ideia era fornecer lenha às mulheres. Pensei que a madeira mais simples era ensiná-las a plantar árvores.
Estamos apenas a sair de uma cultura em que as árvores nasciam sozinhas.

TM: COMO VAI GASTAR O DINHEIRO?


WM: Quero usar algum para apoiar este trabalho. Também quero promover a cultura. Há uma ligação muito for-
te entre a cultura e a conservação. Se o nosso povo respeitasse as montanhas tal como fizeram os nossos antepas-
sados, aquela montanha não estaria a ser devastada. Olhamos para ela como um mero recurso a explorar, em vez
de uma coisa que deve ser apreciada porque dá água e madeira.

TM: DISSE QUE A SIDA É UMA ARMA BIOLŁGICA FABRICADA PELO MUNDO DESENVOLVIDO
PARA EXTINGUIR A RAÇA NEGRA. AINDA ACREDITA NISSO?
WM: Não faço ideia de quem criou a sida e se é um agente biológicoou não. Mas sei que coisas dessas não vêm
da Lua. Sempre achei que era importante dizer a verdade às pessoas, mas presumo que há algumas verdades
que não devem ser divulgadas.

TM: EST˘ A REFERIR-SE A QU¯?


WM: Refiro-me à sida. Tenho a certeza de que algumas pessoas conhecem a sua origem. E tenho a certeza de
que não veio dos macacos.

TM: QUAL É O MAIOR DESAFIO DO PLANETA?


WM: O ambiente. Estamos a partilhar os nossos recursos de maneira muito desigual. Temos partes do mundo
muito deprimidas e outras partes muito ricas. E essa é, em parte, a razão pela qual temos conflitos.

TM: O QUE VEM A SEGUIR?


WM: Mais árvores. Vou plantar mais árvores. A governação democrática ainda é um grande tema, em ˘frica, pelo
que quero continuar nesta área

Traduzido por: Orlando Fernandes


n.º 15 - Março de 2009 BOLETIM INFORMATIVO MPI Página 5

USAR O TELEMÓVEL, MAS COM MODERAÇÃO!

Os telemóveis entraram definitivamente no nosso quotidiano, mas serão totalmente seguros para a saúde? De
facto nada nos indica que o são, e, pelo contrário, começam a surgir alguns estudos que atestam alguns riscos,
principalmente em crianças, como risco aumentado de tumores do cérebro e do ouvido, embora sejam necessá-
rios mais estudos para se confirmarem resultados.
Por isso há que estar alerta e tomar algumas providências para salvaguardarmos a nossa saúde e a de quem
está próximo. Assim, o Instituto de Cancro da Universidade de Pittsburgh, com base nas conclusões de um pai-
nel de especialistas internacionais, vem emitiu um conjunto de 10 medidas de precaução.

1. Evite que as crianças (com menos de 12 anos) usem telemóveis.

2. Ao usar o telemóvel afaste-o o mais possível do seu corpo (a amplitude do campo electromagnético é quatro
vezes menor a uma distância de 10 cm e cinquenta vezes menos a um metro). Sempre que possível utilize o
modo altifalante ou o equipamento de bluetooth.

3. Evite expor outras pessoas à radiação do seu telemóvel. Tal como no caso do tabaco, a exposição passiva
também ocorre com a radiação de telemóveis. Sempre que possível afaste-se de pessoas que estejam a falar ao
telemóvel.

4. Evite a proximidade ao seu telemóvel (principalmente se estiver grávida), quer no seu transporte quer
quando o deixa em determinado local.

5. Se usar o telemóvel junto ao seu corpo, deixe o teclado virado para si.

6. Quanto maior o tempo de exposição maiores são os riscos: tente comunicar através de chamadas breves. Se
a chamada for longa, use o telefone fixo (de fio).

7. Tente repartir o uso do telemóvel pelos dois lados da cabeça e não o aproxime enquanto o interlocutor não
atender.

8. Evite o uso quando o sinal estiver fraco ou quando estiver a andar a grande velocidade: nestes casos, o tele-
móvel usa a potência máxima tentar comunicar com as estação-base.

9. Tente substituir as chamadas de voz por mensagem em texto.

10. Ao adquirir um telemóvel escolha um com menor SAR (Taxa


de Absorção Específica) possível. Procure mais informação sobre o
desempenho dos diversos fabricantes na Internet.

É nosso dever respeitar estas recomendações e é dever dos fabri-


cantes e operadoras disponibilizarem aparelhos que tenham o
menor risco possível de causar danos na saúde.

Bibliografia:
a) The Case for Precaution in the Use of Cell Phones - Advice from University of Pittsburgh Cancer Institute
b) An appeal from 20 international experts assembled around Dr. David Servan-Schreiber in relation to the
use of mobile phones
Página 6 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 15 - Março de 2009

AMBIENTE E CIDADANIA - CONHECER E PROTEGER A FLORESTA AUTÓCTONE


A floresta natural e nativa, ou as várias espécies porque há resta, a 21 de Março, criado ini-
autóctone, de Portugal é com- muitos híbridos entre si. cialmente para os países do
posta por uma grande variedade Infelizmente, a área ocupada Norte da Europa, a 23 de
de árvores, arbustos e muitas pela floresta natural no nosso Novembro o Dia da Floresta
outras plantas. As árvores mais país tem vindo a diminuir de Autóctone, por ser um dia mais
frequentes são por exemplo o forma constante e, desde há 500 adaptado às nossas condições
medronheiro, o zambujeiro (ou anos, de forma drástica, devido climatéricas.
oliveira brava), os carvalhos à ocupação de terrenos para a Para proteger a nossa floresta
incluindo a azinheira e o sobrei- agricultura, a pastorícia e mono- podemos indicar alguns exem-
ro. ˘rvores já muito raras são o cultura de árvores, como o plos:
azevinho e o teixo. Como pinheiro e o eucalipto, devido 1- Poupar e reciclar papel.
exemplos de árvores junto aos ao fogo, etc. O grande declínio Se o mundo reciclasse metade
cursos de água, ou ripícolas, das nossas florestas acentuou-se do papel que consome 40 mil
temos o amieiro, o freixo, os na época dos Descobrimentos quilómetros de terras seriam
choupos, o salgueiro e o ulmei- devido à construção naval, épo- libertos do cultivo de árvores
ro. Arbustos típicos são por ca em que foi iniciada uma polí- de crescimento rápido que
exemplo o pilriteiro (ou espi- tica de arborização composta abastecem a indústria do papel.
nheiro) e a aroeira. essencialmente por pinheiro- Reciclar uma tonelada de papel
Pela sua importância vale a bravo, espécie bem adaptada e permite poupar cerca de 15 a
pena destacar as 8 espécies de de rápido crescimento, que cul- 20 árvores.
carvalhos que ocorrem natural- minou com a criação dos Servi-
2- Prevenir os incêndios (não
mente em Portugal. Os de folha ços Florestais e a política flores-
fazer fogueiras na época de ris-
caduca, que dominam no norte, tal do Estado Novo transfor-
co de incêndio, não deitar bea-
onde o clima é mais húmido e mando as nossas serras em
tas de cigarro acesas para o
frio: o carvalho-roble ou alvari- imensos pinhais. A partir de
chão, etc.) e colaborar na vigi-
nho e o carvalho-negral ou par- 1975 aumentam vertiginosa-
lância, alertando de imediato os
do da Beira, mais frequente no mente os fogos florestais e na
bombeiros em caso de incên-
nordeste; os de folha persisten- sequência desta devastação tem
dio.
te que predominam a sul do -se assistido à ocupação siste-
Tejo, com clima quente e seco: mática por eucaliptos e acácias. 3- Comemorar todos os anos
o sobreiro, a azinheira e o car- Apesar das inúmeras agres- o Dia da Floresta Autóctone,
rasco, este último bastante vul- sões cerca de 37% da área flo- semeando e/ou plantando árvo-
gar no centro e sul do país devi- restal (que corresponde a 38% res e arbustos naturais da nossa
do aos fogos, pois rebenta de da área total do país) é compos- região.
toiça; os de folha marcescente ta por montados de sobreiros e
(folha tardiamente caduca e de azinheiras, que estão protegidos Nada será demais para tentar
formação precoce, estando por pelo Decreto-lei n.À 169/2001, recuperar a rica e bela floresta
isso pouco tempo sem folhas), de 25 de Março, mas paradoxal- que outrora cobria praticamen-
que predominam na região mente os carvalhais apenas ocu- te todo o território nacional!
Centro: a carvalhiça ou carvalho pam 4% da área florestal e não
-anão, o carvalho-cerquinho ou têm qualquer protecção legal!
carvalho-português e o peda- Para promover a importância
Bibliografia:
marro, variedade do carvalho da conservação e económica das
cerquinho que ocorre apenas florestas naturais foi instituído „50 coisas simples que você pode fazer para
salvar a Terra‰, The Earth Works Group, Cír-
nas Beiras e Trás-os-Montes. na península ibérica, em alter- culo de Leitores, 1993.
Nem sempre é fácil distinguir nativa ao Dia Mundial da Flo- „Os carvalhos portugueses – A Quercus e os
Quercus‰, ABC Ambiente, Abril 2000, p.22-23
n.º 15 - Março de 2009 BOLETIM INFORMATIVO MPI Página 7

BREVES
MPI participou num debate sobre fusão Resioeste/Valorsul

A convite da ADAL – Associação de Defesa do Ambiente de Loures, participámos num debate, em 28 de


Novembro, no auditório do museu da Cerâmica, em Sacavém, que contou também com a presença da Quercus,
os grandes ausentes foram a Câmara Municipal de Loures e a Valorsul, que à última da hora anunciaram que não
estariam presentes apesar de o convite lhes ter sido formulado há mais de um mês, facto que deixou a todos
indignados.
Aterros sanitários: «Cenário de pré- Suspeita de contaminação de água devido a
catástrofe ambiental» aterro sanitário em Alverca preocupa
moradores e autarcas
Nos aterros sanitários de Abrantes, Arripiado
(Chamusca) e Raposa (Almeirim) „...registam-se Apesar de a Comissão Europeia já ter libertado o
níveis de contaminação extremamente preocupan- cultivo de transgénicos na União Europeia (UE) no
tes e assistimos a um cenário de pré-catástrofe final de 2004, as perspectivas não são as mais riso-
ambiental‰, disse a deputada do Bloco de Esquerda nhas para a indústria geneticamente modificada.
Alda Macedo numa conferência de imprensa em Com efeito, considerando a área cultivada com trans-
Novembro. Os resultados das análises (à qualidade génicos em todos os 27 países que compõem actual-
da água) realizadas pela Inspecção-Geral do mente a UE, verifica-se que a área total cultivada
Ambiente aos três aterros „apresentam valores mui- comercialmente com transgénicos tem vindo a dimi-
to superiores ao permitido por lei‰, apesar de esta- nuir desde 2005. Os números do gráfico acima foram
rem datados de Abril de 2006 (Abrantes), Janeiro de obtidos de fontes oficiais ou, na ausência destas, da
2007 (Raposa) e Abril e Junho de 2007 (Arripiado), própria indústria (que, como é por demais sabido,
apenas foram disponibilizados nesse mês e nem sempre é demasiado rigorosa). Podem, portanto,
ÿcontrariam claramente as respostas do ministro do pecar por excesso. Na prática, ao longo destes anos,
Ambiente, que respondeu ao Bloco que estava tudo só tem havido cultivos numa fracção dos 27 países:
bemŸ. Alemanha, Eslováquia, Espanha, França, Polónia,
(Fonte: http://diario.iol.pt/ambiente/iol-bloco- Portugal, República Checa e Roménia. Em 2008 o
ambiente- ultimas-noticias-bloco-esquerda- cultivo de transgénicos encontra-se oficialmente
aterro/1015591-4070.html) proibido na ˘ustria, França, Grécia, Hungria, Itália e
Polónia. (http://stopogm.net)

Suspeita de contaminação de água devido a


aterro sanitário em Alverca preocupa mora-
dores e autarcas

Várias famílias deixaram de utilizar água de furos e


de poços há meses, que habitam precisamente num dos
pontos mais altos de Arcena (Alverca - Vila Franca de
Xira), situado próximo do aterro sanitário da Valorsul,
queixando-se do cheiro e do aspecto pestilento da água.
A Valorsul, empresa responsável pelo aterro do Mato da
Cruz refuta quaisquer responsabilidades pelo proble-
ma. Nuno Libório, vereador da CDU, reclamou "o rápi-
do, urgente e inadiável esclarecimento da situação".
Maria da Luz Rosinha, presidente da câmara vila- MPI promove sessões de sensibilização
franquense, garantiu que os Serviços Municipalizados sobre alimentação e transgénicos
de ˘guas e Saneamento vão mandar analisar a água
captada naquela área e apurar se há algum problema de Em colaboração com a CNA – Confederação Nacio-
contaminação. nal de Agricultura realizou várias acções de sensibili-
(Fonte: http://jornal.publico.clix.pt/main.asp? zação na EB 2,3 do Cadaval a turmas de 6À, 7À e 9À
dt=20080623&id=) ano, em Dezembro.
MPI - Movimento Pró-Informação para a Cidadania e
Ambiente
Edifício da Junta de Freguesia do Vilar,
Largo 16 de Dezembro, n.º 2, 2550-069 VILAR
tel./fax: 262 771 060
e-mail: mpicambiente@gmail.com

DENÚNCIAS - AMBIENTE
Sempre que testemunhe uma agressão ambiental deve
denunciá-la de um dos seguintes modos:
 Telefonar para a linha SOS Ambiente:
808 200 520
A linha funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana e encaminha as Papel 100%Reciclado
denuncias para a IGA (Inspecção Geral do Ambiente) e para o SEPNA
(Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente) da GNR.
 Aceder ao site:
www.gnr.pt/portal/internet/sepna

AVISO
PEDE-SE A TODAS AS PESSOAS COM QUEIXAS SOBRE O MAU FUNCIONAMENTO DO ATERRO
SANITÁRIO DO OESTE A FAZÊ-LAS POR ESCRITO, ENTREGANDO-NOS UMA CÓPIA, COMO FORMA DE

CONSEGUIRMOS PROVA DESTA QUEIXA, UMA VEZ QUE A INSPECÇÃO GERAL DO AMBIENTE RECUSA-SE A FORNE-

CER UM RELATÓRIO COM TODAS AS QUEIXAS RECEBIDAS. ATRAVÉS DE UMA DAS SEGUINTES FORMAS:
- POR FAX N.º 213 432 777
NOTA: QUEM NÃO POSSUIR APARELHO DE FAX, PODE DIRIGIR-SE À JUNTA DE FREGUESIA DO VILAR
PARA O SEU ENVIO.

- POR CARTA PARA A MORADA:


RUA DE O SÉCULO, N.º 63
1249-033 LISBOA

Atenção!

Pede-se a todos os que possuam endereço electrónico e pretendam receber informação por essa
via nos enviem uma mensagem para o endereço electrónico do MPI: mpicambiente@gmail.com
comunicando-nos essa pretensão, em alternativa poderão fazer a inscrição de automática recorren-
do ao nosso site em www.mpica.info onde do lado esquerdo encontram a secção “Receba divulga-
ção MPI”, é só preencher o campo com o seu endereço electrónico e aguardar uma mensagem de
confirmação.
Este nosso endereço electrónico serve também como meio privilegiado para entrarem em contac-
to connosco, caso tenham alguma sugestão, dúvida ou comentário para nos fazer chegar.
Obrigado.