You are on page 1of 9

MARTINS FILHO, Amilcar V.; CABRAL, Cleber Araújo (Org.).

1929 Leite Criôlo Bello Horizonte: edição fac-símile. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins, 2012. 152 p .
Thiago Lenine Tolentino*
* thiago_lenine@yahoo.com.br Doutorando em História pela Universidade Federal de Minas Gerais.

A publicação em livro dos volumes de leite criôlo é algo que parece vir em atraso e, por isso, molda-se perfeitamente ao dito popular “antes tarde do que nunca”. Por sua mera existência histórica, mereceria já ter ganhado a forma livro, tornando seu conteúdo mais acessível a pesquisadores, estudantes, interessados pelo tema, curiosos, enfim, disponível ao público. Digo “mera existência histórica” porque uma das formas e meios mais profícuos no estudo da história da cultura brasileira é a análise de produções intelectuais, especialmente aquelas feitas em conjunto, como expressões de movimentos artísticos-literários, que procuram, de alguma maneira, realizar sínteses acerca da realidade nacional.

Sínteses intelectuais caracterizadas pela reflexão histórica, poética, literária, sociológica, antropológica, memorialística etc. – acionando vários marcos que orientam a cultura intelectual brasileira desde o século XIX. Publicações como leite criôlo objetivavam tal realização, almejavam, mais que tudo, esta síntese que esteve mais clara no horizonte quanto menos as fronteiras disciplinares se delineavam e, por isso, não impediam, justamente, tentativas de voos largos em direção... a si mesmo, ao caráter nacional, à brasilidade, à identidade brasileira e a todas noções afins. A cultura intelectual brasileira, grosso modo, desde a “cor local” romântica aos ensaios clássicos sobre o caráter nacional,

poética e literária Em  Tese belo horizonte v. buscou a síntese moderna da nacionalidade. no século XIX. O debate que. é um exemplo significativo acerca desta condição da relação com o passado. 2003). um caminho unívoco. em parte. De acordo com que vínhamos afirmando. Não há neste processo. SCHWARCZ. portanto. O que há são descontinuidades. de mais um problema. 19 n. constelações de intérpretes do enigma chamado Brasil. não há dúvida. Arnoni Prado falou em falsa vanguarda (PRADO. Sobre esta questão. Pelo contrário.. 2009). porém. Talvez. visto a variedade de propostas estéticas e políticas quer marcaram o movimento. Esses debates ocorrem porque a memória e a história são terrenos em disputa e o movimento modernista. de mais uma série de questões. como bem apontam os apresentadores desta edição fac-símile. 1987: 30). Seu contexto e razão de ser. Falar em modernismo é incorrer em terreno meio espinhoso. escrita e exposição da historiografia e os fundamentos da produção ficcional. Dessa forma. o “objeto” lembrado aparece em uma forma determinada e associado a certas características. neste sentido. 1 jan. 1983). naquele chavão “a cada geração a vida intelectual no Brasil parece recomeçar do zero” (SCHWARZ. conforme o título de uma recente publicação (BOTELHO. explorou as relações entre a composição. Fernando Correia Dias e Miguel de Ávila Duarte. em 13 de maio de 1929. dependendo de quem lembra. trata-se. 2013 tolentino. deve-se falar em modernismos. 2006). de mais um ingrediente para o complexo cultural que é a história intelectual brasileira. ser resguardada por uma comunidade científica que tenta lhe afiançar uma objetividade intersubjetivamente condicionada (KUHN.335 e mesmo os estudos econômicos sobre a teoria da dependência. a fim de separar o joio do trigo e. A historiografia compartilha desta condição procurando. Atualmente. história e criação. Permanência da descontinuidade incessante. aparece o tabloide leite criôlo.-abr.] [resenha] p. negações de negações. Vivemos em uma época de constante reflexão sobre as relações entre história e ficção. década de modernismos. é o Modernismo dos anos 1920. constituem um momento incontornável daquela reflexão e questionamento acerca do caráter nacional e da identidade brasileira no interior da história da cultura intelectual do país. uma linha evolutiva. grosso modo. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. conflitos. de forma contundente. os anos 1920. travou-se em torno da epistemologia das ciências. de como se lembra e do que se lembra. Quando. 334-342 Resenhas . seja pela profusão bibliográfica existente. 1999). determinadas hierarquizações construídas por tradições modernistas (FARIA. distinguindo-as.. história e invenção. Daniel Faria problematizou. porém. entre naturais/ explicativas e espirituais (humanas)/compreensivas (REIS. sejam pelas disputas em torno do que é ou deva ser considerado modernismo. na segunda metade do século XX. mais recentemente. a única permanência resida.

mais que substituir uma valoração por outra. Verde. 2006). que sempre escapa às sínteses da história e da memória.. ou a que é mais generalizante. o movimento modernista. A própria série de alguns nomes.. Fatos centrais. debates. que mesmo a tradição dos estudos acerca do modernismo torna-se fonte para a investigação do fenômeno que se revela tanto em sua irrupção temporal. mas não determinam mais os caminhos seguidos pela análise preocupada em dialogar com a história cultural. assim. THALASSA. questões e preocupações que.tendem a ser retrabalhadas.] [resenha] p. Oswald de Andrade. do que uma origem clarividente. O que nos interessa aqui é ressaltar esta reflexão sobre a historicidade da historiografia a fim de podermos.por demais rígidas. Observe-se. Neste caso. quanto em seu recorrente processo de reconstrução histórica e memorialística. se contrapostas as biografias e obras de cada um. SEVCENKO. reinserem entre o presente e o passado a dinâmica investigativa. 2012. como a que se centraliza em noções como a de “pré-modernismo”. temas. portanto. O processo de transdisciplinarização tende a gerar novas perspectivas que. Paulo Prado. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. o quanto este evento é antes um problema de construção. como a Semana de Arte Moderna (1922). tanto lá quanto cá. 1970) . a crítica literária e a história social. além de problematizarem teses consolidadas. 2006). Alguns trabalhos têm preferido. 2013 tolentino. 1992. não raro. que compõe a Semana (Graça Aranha. 19 n. que enxerga o modernismo como processo que dura dos anos 1920 à década 1950 (MARTINS. passam a ser notados em sua relação com a experiência da modernidade na cultura intelectual brasileira. Festa. Do mesmo modo. para ficar só nos escritores. notar as questões distintas que cada presente se coloca em sua relação com o passado. Terra Roxa. 1 jan. 2008. temporalização canônica e nomes recorrentes passam a compor o horizonte do percurso interpretativo. Dessa forma. algumas periodizações canônicas .-abr. visar aos percalços da Semana mais do que sua posição de índice vanguardista originário (GONÇALVES.336 (LIMA. a publicação de leite criôlo permite-nos ter contato com a riqueza e complexidade destas produções em sua integridade. mas não como instituinte determinante desta. comprometeriam algumas apreciações canônicas sobre Em  Tese belo horizonte v. BOAVENTURA. não é um ponto pacífico entre os próprios romancistas (BUENO. 2007). como modernista. Mesmo a clássica consideração do romance de 1930. a teoria da literatura. O mesmo pode ser dito sobre os periódicos modernistas: Klaxon. Algumas tendências correntes na abordagem dos modernismos e da produção intelectual dos anos 1920 procuram deslocar um pouco os eixos de possiblidades interpretativas do período. Todos abrigam uma série de nomes. Ronald Carvalho. Antropofagia e outros. Eventos centrais. 334-342 Resenhas . Mário de Andrade) já revelaria. Estética. Menotti del Picchia.

Assim. nota-se que se o nacionalismo reivindicado pelos modernistas como chave de compreensão e produção artística vestia as formas e concepções ligadas às vanguardas europeias.. leite criôlo surge como um tabloide distribuído gratuitamente ao público. o modernismo surge como uma espécie de nó. uma tremenda crise de autoridade (. como as peças de teatro (1915) escritas em francês por Oswald de Andrade e Guilherme de Almeida e dedicadas ao então prefeito de São Paulo. em nosso horizonte social.. Observado no interior desta história. 1 jan. que reclamava. Explorar a complexidade.] [resenha] p. nítida e perturbadora. quando pensado politicamente. 2003). as contradições. 2001) e paulista (FOLLIS. é forçoso lançar ainda uma afirmação. podem ser observados na própria trajetória intelectual de seus membros. as mudanças. Desde as experiências cosmopolitas que marcavam a vida na Belle Époque carioca (BROCA. 1982: 340). na data comemorativa dos 41 anos da abolição da escravidão. experimentada nos movimentos modernistas. em relação aos processos que vinham marcando a intelectualidade nacional. que “na ordem interna. Nascidos na República. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. Washington Luís. Os principais nomes que Em  Tese belo horizonte v. de um espírito dominador” (ALMEIDA. no segundo editorial. especialmente após a Primeira Guerra Mundial. mas de que sua história envolve uma relação mais rica e interessante com a cultural intelectual brasileira à época. leite criôlo torna-se suplemento semanal no jornal Estado de Minas entre 02/06/1929 e 29/09/1929. assistimos ao espetáculo quotidiano e pungente das desordens intestinas. Enfim. de ruptura. não raro. não se trata de uma negação do caráter moderno. mas também de atualização. dos editoriais da belo-horizontina A Revista. Margens interpretativas que surgem. Traços desta relação tensa e profícua entre a tradição e a modernidade. Posteriormente. que comandou o país durante quase todo seu mandato (1922-1926) sobestado de sítio.. 19 n. 334-342 Resenhas . nota-se que o modernismo está conectado diretamente à cultura intelectual brasileira coetânea. ao longo das quais se desenha. os processos de legitimação e repúdio é uma chave para investigação da história da cultura intelectual brasileira deste período. 1999). 2013 tolentino. notadamente evidenciada nas páginas da Revista do Brasil (LUCA. afinal. ainda que seja para refutá-la. ninguém quer obedecer” (ANDRADE. Em 13 de maio de 1929.. em pleno governo do mineiro Arthur Bernardes.).337 o caráter unívoco destas publicações. fascistas. de uma questão nacional (OLIVEIRA. CAVALCANTI. Vários começaram em franco diálogo com as tradições mais conservadoras possíveis. este mesmo nacionalismo parecia sempre disposto a dialogar com tendências autoritárias e. 1982: 337). 1975. inovador e iconoclasta do modernismo. 1990). E. “sentimos a necessidade do governo ser a função de uma vontade forte. até a emergência.-abr. No Brasil. vanguardista.

contou com dezenas de colaboradores. não obstante. Nota-se ainda o registro que leite criôlo fizera de outras publicações modernistas. ao mesmo tempo em que. seja no que diz respeito à recepção que leite criôlo vivera à época. espaçadamente. racista. como lembra Achilles Vivacqua. João Alphonsus. seja em torno da fortuna crítica que a publicação tivera no interior das histórias do modernismo. Abgar Renaut.-abr. em formato. dirigida por Carlos Chiacchio. Mário de Andrade. 2013 tolentino. Repercussões positivas são possíveis de serem encontradas em Folha da Noite. apenas. Posição. quanto os que de lhe depreciaram a razão de ser. porém. poemas de Mário Vilhena. Luís da Câmara Cascudo. desconcertante. 1 jan. e da mensal Samba. Já no seio da literatura especializada sobre o movimento modernista. como afirmamos acima sobre a complexidade modernista. 19 n. como Arco e Flecha.. abriga um discurso notadamente racialista e. nós iremos desenvolvendo naquilo que fizermos” (CÉSAR. nomes das mais distintas orientações intelectuais: Carlos Drummond de Andrade. como aponta Miguel de Ávila Duarte. porém. sugerindo que a folha saísse apenas em datas comemorativas. Oswald de Andrade. Também contribuíram com leite criôlo nomes da revista Verde de Cataguases. A publicação. Esta questão é criticamente desenvolvida por Miguel de Ávila Duarte. “aqui de Passa-Quatro do Sul de Minas”. que se encontrava em fase final. organizada como Mensário Modernista de Letras. João Alphonsus e outros. Vários nomes de diferentes regiões do país apareceram em leite criôlo. da Bahia. uma vez que a publicação é reconhecida como a primeira a explicitamente destacar a matriz negra e africana da nacionalidade brasileira. aliás. houve tanto aqueles que celebraram o aparecimento de leite criôlo.] [resenha] p. que leite criôlo. Diário de Minas. visto que a revista de Oswald de Andrade era um suplemento do jornal Diário de São Paulo. ironizara leite criôlo. porém. Achilles Vivacqua e Guilhermino César. leite criôlo ocuparia uma posição apagada. como bem apontam Dias e Duarte. Em 1929. nos dias 21 de abril. 13 de maio. 334-342 Resenhas . Por outro lado. 15 de novembro. conforme afirma Guilhermino César: “O programa que vocês querem. Guilhermino César. como as bandas de música do interior.338 fundaram e dirigiram leite criôlo foram João Dornas Filho. Notemos... não raro. em suas páginas. 1929: 84). muito similar ao de leite criôlo. Tasso da Silveira. E. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. parece ter aberto mão de um programa explícito. João Dornas Filho. os artigos de Achilles Vivacqua em leite criôlo e a entrevista concedida por João Dorna Filho à Revista de Em  Tese belo horizonte v. O Globo e Estado de Minas. etc. também da Bahia. no Diário de Minas. que estava em sua segunda dentição. inclusive nomes presentes em outras produções congêneres como a Revista de Antropofagia. Artes e Pensamento e que publicara. Os estudos introdutórios de Fernando Correia Dias e Miguel de Ávila Duarte são bastante esclarecedores.

A condensação esbate os traços que não coincidem para reforçar o dado comum (a ideia do excesso no caso) (BUENO apud DIAS. 1 jan. por sua vez. embora seja imatura.. seria justamente nosso maior defeito. ao menos em um primeiro momento.. Como dissemos acima... aliás. Ao brasileiro ele deu mais que isso.-abr. Como afirma Vivacqua. É a mesma de todos os modernistas nacionalizadores. 19 n. (. Este. E é justamente esse mais do que isso que nós não queremos dele.) Arranjemos um processo de desnatar. na entrevista citada. como sentencia Jorge Schwarz: “Leite criôlo é hoje considerada uma revista pioneira no contexto do modernismo. ao tratar de forma exclusiva a temática negra. João Dornas define alguns traços de leite criôlo na Revista de Antropofagia no mesmo dia. A manteiga gostosa é a fala deles que nós queremos bem. não se podem apagar suas relações com as manifestações canônicas e consagradas do modernismo. O nosso excesso. para não dizer racista. Mas. 2012: 11). o criolismo oscila entre duas significações: o próprio nome do movimento representado pelo leite criôlo e a denominação de excessos a ser expurgados do “caráter nacional”. convocara os mineiros a se decidirem sobre os rumos da literatura e Dornas Filho. Queremos bem como se fosse o presente meio forçado do seu trabalho. 2013 tolentino. criolismo pode ser lido como uma condensação que representa por si só várias cadeias associativas em cuja intersecção se encontra. 334-342 Resenhas . 2012: 56) A ambiguidade fundamental seria esta: o criolismo é o que deve ser superado. apesar de estar no “rodapé” da memória. porque estamos bussolados de muita vontade de acertar” (DORNAS FILHO apud DUARTE. 2012: 49). leite criôlo ficou no rodapé do modernismo. Mas nem todo desptismo [sic] de presente se bota na sala para gozo das visitas. Visto em seus textos mais programáticos. Aquilo que mais nos caracteriza. sendo que nessa segunda acepção. De uma feita um sujeito chamado [Charles] Richet gritou na França que o negro só presta pra duas coisas no mundo: “fabricar” ureia e gás carbono. / Bem querer a todos tem sido a enorme falta nossa (VIVACQUA apud DUARTE. Alguns vão pro fundo da mala. a maneira como discute tal questão” (SCHWARZ apud DUARTE.339 Antropofagia formaram um conjunto de definições que possibilitaram a explicação sobre o que seria o “criolismo” de leite criôlo. fez sua opção: “A finalidade do criolismo é mais ou menos a mesma da antropofagia. Em  Tese belo horizonte v. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. seguindo estas definições. em que o periódico publicara carta de Carlos Drummond de Andrade na qual este se negava a filiar-se ao movimento de Oswald de Andrade. que absolutamente não nos desviarão do fim desejado. 2012: 42). Em síntese.] [resenha] p. Talvez o caminho é que tenha pequenas variantes. Seguindo Antônio Sérgio Bueno.

Trata-se. um disparate: o resgaste da antropofagia de Oswald a partir dos anos 1960 se deu. Todos textos podem ser facilmente encontrados no índice final que acompanha o volume. 1982. Em muitos sentidos o projeto de leite criôlo é o de um antropofagismo racialista. em parte. “dança de Salomé mulambo”. Em  Tese belo horizonte v. Diderot Coelho Júnior. são objetos de disputa no interior da cultura intelectual brasileira durante os anos 1920 e 1930. e especialmente com a obra Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira (1928). Ao mesmo tempo. eu sou leite criôlo”.. A Revista e leite criôlo revelam que os contatos entre os movimentos eram muito maiores que a impermeabilidade que a história canônica do modernismo parece querer assegurar. “movimento criôlo”. pela vinculação entre vanguarda estética e vanguarda política. Assim. Petrópolis: Vozes. “misced pickles brasileiros”. é recorrente nas concepções de leite criôlo. pode-se dizer que o são até hoje. ANDRADE. racismo. “A propósito de uma aparição”. Albano de Moraes. autoritarismo e identidade nacional. por si mesma. 2013 tolentino. Para os espíritos criadores. 1982. Verde. de Mário de Andrade. estas contribuições vão se tornando rarefeitas. Vanguarda Europeia e Modernismo Brasileiro. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [. uma vez que temas como racialismo. expressão que parece hoje ser. Sendo muito mais restritas aos artigos de Achilles Vivacqua. Achilles Vivacqua. Edison Magalhães. “13 de maio” e “mais uma adesão”. após os primeiros números do suplemento. Martins de.] é a impossibilidade de incluir no cânone do modernismo momentos nos quais são veiculados valores que não são mais os nossos. as definições eugênicas e racialistas do criolismo não repercutem de um modo hegemônico. “O poeta obscuro ou o poema do amor desiludido’. de se observar de modo menos estigmatizado leite criôlo. Oswaldo Abrita. cultural.. Na verdade. unívoco e coerente na revista. Martins Filho. gostaria de citar os trabalhos de Francisco L. Carlos Drummond de. Guilhermino César. facilitando muito a consulta rápida. ética.-abr. José Guimarães Alves. Os trânsitos recorrentes entre membros de Antropofagia. (DUARTE. neste simples arrolamento. longe de serem pontos pacíficos. “mexerica se conhece pelo cheiro”. In: TELLES. REFERÊNCIAS ALMEIDA.340 Também a relação com Paulo Prado. “Samba”. Vanguarda Europeia e Modernismo Brasileiro. 2012: 42). Para os céticos.. “se isto é leite criôlo. Petrópolis: Vozes.] [resenha] p. Gilberto Mendonça. In: TELLES. 1 jan. Conforme nota Duarte: O que se percebe aí [na tentativa de isolamento de leite criôlo] [. 19 n. sexual etc. Odorico Costa. como contraponto. assim como temas do clássico Macunaíma (1928). 334-342 Resenhas . Gilberto Mendonça. gostaria de lembrar que..

2001. Rio de Janeiro: Aeroplano. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [.). OLIVEIRA. KUHN. Campinas: Editora Unicamp. FARIA. 2006. 1922: a semana que não terminou. 22 por 22: A Semana de Arte Moderna vista pelos seus contemporâneos. Nova Cultural 1999. A Revista do Brasil: Um diagnóstico para a (N)ação. Londrina/PR: Eduel. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins. LIMA. 1999. In: MARTINS FILHO. História. 1922 – itinerário de uma falsa vanguarda – o dissidentes.1929 Leite Criôlo Bello Horizonte: edição fac-símile. Rio de Janeiro: Editorial Sul Americana. 2003. Cleber Araújo (Org. Rio de Janeiro: José Olympio. 2013 tolentino. Sçao Paulo: EdUSP . Prefácio. Cleber Araújo (Org.] [resenha] p. São Paulo: Cia das Letras. André. Estudo crítico. CABRAL. Antônio Arnoni. São Paulo: Cia das Letras. Marcos Augusto. José Carlos. CAVALCANTI. 1970. 19 n. REIS. A Questão Nacional na Primeira República. Literatura. GONÇALVES. 2012. São Paulo. PRADO. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte: edição fac-símile. 1990. São Paulo: Brasiliense. Brito. Amilcar V. LUCA. Artes plásticas no Rio de Janeiro 1905-1960. 2012. Miguel de Ávila.. A estrutura das revoluções científicas. 2009. 2006.) . 334-342 Resenhas . A literatura no Brasil. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins. Tania Regina de.) . São Paulo: Editora Unesp. BROCA.. a Semana e o Integralismo. DIAS. 2006. SCHWARZ. Ficção. Luís. Amilcar V. V. 2012. 29 intérpretes e um país. 1987. CABRAL. Thomas S. O mito modernista. Lilia Moritz. CABRAL. MARTINS. Em  Tese belo horizonte v. Fransérgio. São Paulo: EdUSP. SCHWARZ. Lúcia Lippi. Amilcar V. 2012. Wilhelm Dilthey e a autonomia das ciências histórico-sociais.. São Paulo: Cia das Letras.-abr. A Vida literária no brasil – 1900. 2008. Quando o Brasil era moderno. Daniel. mexerica se conhece pelo cheiro. Uma História do Romance de 30. Modernização urbana na Belle Époque paulista. DUARTE.. 2004. In: MARTINS FILHO. Fernando Correia.341 BOAVENTURA. FOLLIS. v.. Guilhermino. A crítica modernista. 1975. Que horas são? São Paulo: Cia das Letras. Um enigma chamado Brasil. CÉSAR. Cleber Araújo (Org. São Paulo: Unesp. Roberto. In: COUTINHO. BUENO. 1983. Lauro (org). Nacional por subtração. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins. In: MARTINS FILHO.1929 Leite Criôlo Bello Horizonte: edição fac-símile. Uberlândia: EDUFU. BOTELHO. Maria Eugênia (org). 1 jan. Wilson. São Paulo: Brasiliense. Afrânio. Luiz Costa.

Em  Tese belo horizonte v. Faculdade de Comunicação. Pontifícia Universidade de São Paulo. O primeiro diário de São Paulo e a cobertura da Semana de Arte Moderna.] [resenha] p. 1992. 1929 Leite Criôlo Bello Horizonte [.. 334-342 Resenhas .-abr.342 SEVCENKO. Dissertação de Mestrado.. 1 jan.. 19 n.. THALASSA. Nicolau. 2007. 2013 tolentino. São Paulo: Cia das Letras. Orfeu extático na metrópole. Ângela.