You are on page 1of 5

26/03/2012

Condições de exposição

Organismo

Toxicante
Disciplina de Toxicologia

Ambiente

A intoxicação envolve os processos que começam no momento em que o toxicante entra em contato com o organismo até a manifestação de sinais e sintomas, e é dividida didaticamente em quatro fases. Exposição Toxicocinética Toxicodinâmica Clínica

A intensidade da exposição depende:

Exposição é a medida do contato entre o agente e a superfície corporal do organismo.

Freqüência Duração Via de exposição Concentração do toxicante no meio

1

26/03/2012 Exposições crônicas . animais considera – se acima de 90 dias. menores do que 10% do período vital.São as que duram entre 10% a 100% do período de vida do ser. •• Exposições sub agudas. Exposições agudas.. Em animais considera–se o período que compreende entre 3 semanas e 3 meses. intermitente ou contínua..São exposições de um dia ou menos e que geralmente ocorrem em um único evento. • Exposições subcrônicas – São aquelas de curta duração. As principais vias de contato do organismo com o Fase toxicocinética Nesta fase o agente tóxico se movimenta pelo xenobióticos são: Gastrintestinal – ingestão Pulmonar – inalação organismo atravessando membranas até atingir o sítio de ação e/ou ser eliminado ou armazenado em depósitos. Cutânea – contato Curva tempo x Concentração plasmática de um toxicante A toxicocinética pode ser dividida em: Absorção Distribuição Biotransformação Excreção 2 . por no máximo três semanas.São que ocorrem por mais que um dia no entanto. Para os seres humanos entre 7 e 70 anos em • A exposição pode ser pontual. • Nem sempre os efeitos se manifestam imediatamente após a exposição.

26/03/2012 Introdução Disposição Absorção é a passagem do xenobiótico do Biotransformação Eliminação Absorção Distribuição Excreção meio externo para o meio interno. através das membranas biológicas. No TGI a absorção pode ser influenciada por: Características físico–químicas do toxicante Plenitude gástrica Secreções gastrintestinais Motilidade gastrintestinal Efeito de primeira passagem Estado fisiopatológico A anatomia da pele exerce importante na absorção cutânea efeito 3 .

5 m. sublimação. 4 . fundição de metais oxidados a altas temperaturas. • Nem todas as partículas depositadas no trato respiratório são retidas nele. • A absorção pelo trato respiratório decorre da aspiração de aerodispersóides. • Poeiras – sólidos gerados por desagregação mecânica (talco. gases e vapores. asbesto ) • Fumos – aerodispersóides sólidos gerados pela combustão. • Fumaça – geradas de pela combustão orgânica e incompleta matéria diâmetro menor que 0.26/03/2012 Os agentes tóxicos podem ser absorvidos por via transepidérmica ou transfolicular.

Diâmetro da partícula ( m) Sítio de deposição Mecanismo de remoção Velocidade 30 –5 Nasofaringe Mucociliar e espirro Muito rápida 1– 5 Traqueobronquial Mucociliar e tosse Rápida <1 Alveolar Fagocitose e arraste Lenta • • • • • • Fog Smog Destruição da camada de ozônio Ilhas de calor Inversão térmica Chuva ácida 5 . obtidos por condensação de gases (ácido sulfúrico). Os agentes químicos podem ser retidos ou absorvidos pelas vias aéreas superiores. dependendo do tamanho das partículas.26/03/2012 • Névoas – partículas líquidas obtidas por processos mecânicos. com partículas de 0. • Neblina – aerodispersóides líquidos na árvore brônquica ou nos alvéolos.1 a 10 µm.