You are on page 1of 22

As Funções Administrativas

Administrar exige planejamento e execução. A administração é uma ciência social aplicada. Para que a administração cumpra suas finalidades é preciso inicialmente organizar e depois dirigir. Organizar significa estruturar e sistematizar processos e projetos. A direção envolve uma série de operações como orientar-se, coordenar, controlar, manter, avaliar. Enfim, a moderna ciência administrativa está contida na fórmula da sigla POSCORB: Planning, Organizing, Staffing, Coordinating, Reporting, Budgeting. As principais características da Teoria Neoclássica de Administração: Ênfase na prática da administração; Reafirmação dos postulados clássicos; Ênfase nos princípios gerais de administração; Ênfase nos objetivos e resultados; Ecletismo nos conceitos; Ênfase na departamentalização. Para os neoclássicos, a Administração consiste em orientar, dirigir e controlar esforços de um grupo de pessoas para um objetivo comum. O administrador é aquele que possibilita ao grupo alcançar seus objetivos com o mínimo dispêndio de recursos e de esforço e com menos atritos com outras atividades da empresa. Administrar é um esforço racional e essencial em todo esforço humano coletivo: empresa comercial ou industrial, hospitais e universidades, igrejas ou entidades do terceiro setor. O ser humano precisa cooperar com outras pessoas para atingir seus objetivos. Administrar é uma técnica social de saber lidar com pessoas, sobretudo influenciando-as para conquistar determinados objetivos e resultados. A administração utiliza parâmetros de eficiência e eficácia para avaliar seus resultados. Eficácia é a medida do alcance desses resultados, enquanto eficiência é a medida da utilização dos recursos neste processo. A eficácia da empresa se refere a sua capacidade de satisfazer uma necessidade da sociedade por meio de suprimento de bens e serviços, enquanto a eficiência é uma relação técnica de rendimento entre entradas e saídas em um processo ou sistema. Os princípios fundamentais da organização formal são: Divisão do trabalho - decomposição de uma série de tarefas de um processo; Especialização - funções e tarefas específicas a partir da divisão do trabalho; Hierarquia - diversificação funcional na empresa em uma escala vertical; Amplitude administrativa - amplitude de comando ou de controle é o número de subordinados dirigidos por um administrador. As funções do administrador, segundo Henry Fayol, correspondem aos elementos: prever, organizar, comandar, coordenar, controlar. Atualmente, o processo administrativo é composto por quatro elementos: planejar, organizar, dirigir e controlar, que formam uma interação dinâmica entre eles. Vejamos cada um deles: Planejamento - é a função administrativa que define quais são os objetivos a atingir, e como se deve fazer para alcançá-los. Sua função é definir quais são os melhores caminhos para se chegar a tais objetivos.

Organização - pode ser uma entidade social com finalidade lucrativa ou não. Pode ser uma organização formal ou informal. Organização também pode ser uma função administrativa com o objetivo de organizar, estruturar e integrar recursos de uma empresa. Direção - é responsável por fazer as coisas acontecerem após o planejamento e a organização. Sua missão é fazer funcionar a empresa com as pessoas e recursos disponíveis. A motivação das pessoas é essencial na direção, assim como a definição das metas e resultados esperados. Controle - pode ser função restritiva, coercitiva, regulação em uma organização. Pode ser aplicado para evitar comportamento indesejáveis na empresa, ou um desvio nas atividades da empresa. Dentro do parâmetro definido como normal, o controle tem a função administrativa de manter as operações da empresa dentro da normalidade. A função administrativa apresenta alguns pontos fracos como a falta de foco na Gestão do Conhecimento, na Inteligência Competitiva, na Gestão do capital Intelectual da organização. Seu objetivo está na operação eficiente e eficaz dos recursos existentes de uma organização.

Breve história das Teorias da Administração
O estudo da administração é um desdobramento da história das transformações econômicas, sociais e políticas de várias culturas, necessidades que o homem tem em sua natureza que precisam ser satisfeitas através de esforços organizados. Historicamente, o fenômeno da industrialização é relativamente recente, pois data do Século 19. Antes da industrialização as organizações humanas era fundamentalmente a família, a tribo, a igreja, o exército e o Estado. Desde os primórdios o homem sentiu necessidade de organizar-se para as campanhas militares, para os problemas familiares, para a administração governamental e para a operação de sua religião, decorrendo daí as primeiras noções de organização. Examinando-se a administração pré-industrial, dois temas aparecem constantemente: a) a noção relativamente limitada das funções administrativas, b) pouca consideração pela atividade comercial. Vários indícios na história antiga mostram-nos que devem ter existido planos formais, organizações de trabalho, liderança e sistemas de avaliação, ou seja, as grandes construções épicas, como as pirâmides, por exemplo, indicam uma prática eficiente das funções administrativas. Quando lemos a Bíblia sob a ótica da administração, encontramos citações, como as referentes ao êxodo, que explicam a forma piramidal dos organogramas organizacionais.

ou seja. coordenação. Produzia cerãmica para o mercado e posteriormente uma indústria têxtil exportadora. Roma desenvolveu um sistema semi-industrial de manufatura armamentista para sua legião de soldados.C. Seu objetivo era melhorar a qualidade do trabalho e reduzir custos de produção. organização. A partir dos estudos de Taylor. Seu sistema de estradas foi construído para distribuir melhor seus bens. controle. podemos situar acontecimentos que permitiram a evolução das antigas organizações com base em princípios administrativos que são até hoje defendidos e utilizados por grandes teóricos da administração. a Pesquisa Operacional. Max Weber criou uma teoria de estrutura de poder e autoridade. A Administração Científica surge em 1911 com os trabalhos de Frederick Winslow Taylor. do mais alto escalão ao menor serviçal. Na era antiga temos os exemplos do Egito. A China também tem lições de administração. os agiotas e associações comerciais. que denominou escola burocrática. os problemas decorriam da falta de padrões de desempenho e eficiência e da necessidade de orientação para tomada de decisões mais conscientes e dirigidas para problemas específicos. comando. O estado romano regulava todos os aspectos da vida econômica e as organizações de grande porte eram proibidas caso não fossem serviços públicos. Durante o Império Romano. além de duas abordagens: a sistêmica e a contingencial. diferindo apenas na magnitude. Com a fusão entre os gregos e romanos tiveram mais espaço os mercantilistas. principalmente com os gregos. Para cada função era designada uma tarefa com deveres e responsabilidades. Dos trabalhos em grupos de artesãos evoluiu-se para as fábricas. ativos e passivos. por volta de 500 a. no século XVI. que geravam baixos níveis de interação entre o operário e o sistema produtivo. como a contabilidade com Luca Pacioli em 1494 com seu estudo da partida dobrada de dinheiro. A constituição Chow no século 12 a. A era clássica tem sua base no Mar Mediterrâneo.. Na obra A Arte da Guerra. Babilônia e dos hebreus. O Direito Romano é um legado para as atuais civilizações. Fayol e Weber surgiram novas teorias de administração. O pensador Sócrates observou que a habilidade gerencial era algo transferível entre a esfera pública e privada. Segundo Taylor. Sun Tzu apresenta os itens mais importantes para a estratégia do estado.C. como a Escola das Relações Humanas.Orientando-se pela evolução da história antiga. Surgem métodos de controle comercial. Seu foco era a produtividade. A Grécia criou métodos de trabalho que atualmente são estudados em Organização de Métodos e Tempos. bem como para transportar tropas. criava a relação do quadro de pessoal do Imperador. surgiu a partir dos desdobramentos da navegação e das invenções. A Revolução Industrial. . Henry Fayol introduziu a idéia do processo administrativo: planejamento.

especialmente na língua portuguesa. discrição e uma linguagem no nível de quem . COORDENAR É motivar os recursos humanos a agir de forma harmoniosa na utilização dos recursos materiais e financeiros. responsabilidade social. a eficiência.php? option=com_content&task=view&id=466&Itemid=83 FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS por Carlos Eduardo M.genitrix. ORGANIZAR É fundamentalmente arrumar o que se faz no dia-a-dia. gestão do tempo. onde nem sempre o que se pretende comunicar é o que acaba sendo escrito. É quantificar e qualificar os recursos que serão utilizados e fixar as metas antes do objetivo. COMUNICAÇÃO Comunicação entre os seres humanos é uma das coisas mais críticas que existe. acompanhar operação da empresa. de Oliveira Administração de uma empresa é baseada no pré suposto de que aquele que a administra está apto à desenvolver uma série de ações que à levem a atingir um objetivo.br/index. avaliando este desempenho em relação aos padrões. DIRIGIR É determinar o que deve ser feito em cada ação para que seja atingido os objetivos. dirigir e controlar. A organização deve começar pela própria pessoa. em benefício comum dos objetivos da empresa. coordenar. pois uma pessoa desarrumada com suas coisas pessoais jamais conseguirá organizar o que quer que seja. coletando dados relativo ao desempenho de cada setor. Uma boa comunicação exige clareza. organizar. materiais e financeiros numa ação ordenada das chamadas funções administrativas: planejar.com. estas escolas de administração estão interessadas em aumentar a produtividade. www. Para atingir o objetivo estabelecido para empresa devemos utilizar os recursos humanos. PLANEJAR É ordenar os idéias. e transmitirá para a empresa o seu modo pessoal de organização.Enfim. razão de ser do empreendimento. CONTROLAR É estabelecer padrões de avaliação. estabelecendo o objetivo da empresa e fixando o tempo que levará para atingi-lo. O objetivo primordial de uma empresa é a satisfação do cliente. mas enfocando de modos diversos questões como ética. fixando correções no desempenho operacional dessa empresa.

monitorar e acompanhar o sucesso ou fracasso de suas atividades. informação. O comportamento de um líder. métodos e que esteja em um contínuo relacionamento com ambiente externo à organização para que se obtenha um feedback dos resultados alcançados e então se preparar para começar novamente todo o processo. Existe uma diferença entre liderança encarada como um atributo pessoa.htm Uma Análise das Funções Administrativas na Realidade Empresarial: Um Estudo de Caso na Sacoplast << Anterior 1 2 3 4 Próxima >> institucional. Quem recebe uma comunicação e não consegue interpretá-la. . utilizando os meios de comunicação que levem as outras pessoas a se envolverem e participar do processo operacional de uma empresa. LIDERANÇA A liderança pode ser definida como a habilidade que uma pessoa tem de exercer influência interpessoal. Enquanto o primeiro estabelece o que fazer e como fazer. onde o indivíduo influencia as pessoas por ter qualidades pessoais reconhecidas por todos. percebe-se que o planejamento e o controle estão intimamente ligados. para que o planejamento obtenha êxito é necessário que seja bem definido em suas metas. Por esta definição. voltado para o planejamento. Saber ouvir é importante.2 A função administrativa de controle Função administrativa na qual a organização avalia suas realizações contidas no planejamento com o objetivo de mensurar.recebe a comunicação. orçamentos e até mesmo outros planos (subplanos) as atividades individuais realizadas.br/administracao/mat_02. além do estímulo e recompensa deve auxiliar o grupo a atingir seus objetivos. 2. focado na eficiência.adm. Portanto. • Planejamento operacional: coordena por meio de cronogramas. e na eficácia dos resultados. Ainda conforme Maximiano. melhor alocação dos recursos disponíveis. não pode dizer que sabe se comunicar. avaliação de controlo. decisões. empregando toda a sua criatividade para atingir um determinado objetivo. www.empreenderparatodos. objetivos. o segundo cria os meios pelo qual será feita a avaliação de como estão sendo feitas as atividades para a realização dos objetivos e metas organizacionais. o planejamento é uma dimensão de competências. É um planejamento focado no curto prazo e na rotina assegurando que todos executem as tarefas e operações de acordo com os procedimentos estabelecidos pela organização. e a liderança derivada de uma função na empresa decorrente da atribuição de autoridade de uma cadeia de comando. informações e decisões. técnicas.

Mensurar o desempenho envolve medidas quantitativas e qualitativas. É direcionado a curto prazo e cada operação em separado. • Definição de responsabilidades: obrigações ou deveres das pessoas na realização de . a melhor maneira de se fazer as atividades de modo a alcançar o que está contido no planejamento atendendo o esperado por seus organizadores. A forma de como será medido é crucial para se obterem as informações necessárias. Nas palavras de Montana e Charnov (2000): “se não soubermos para onde estamos indo. a nível intermediário ou departamental. O processo de organização passa por cinco fases apresentadas a seguir: • Análise de objetivos: definir qual o principal objetivo da organização. • Mensuração do desempenho: controle é avaliar e mensurar como a organização realiza suas atividades. não só matérias como também recursos humanos. 2. • Divisão do trabalho: processo por meio do qual uma tarefa é fracionada em partes ou unidades. Esse controle tem duas finalidades: acompanhar e avaliar o desempenho da organização na realização de sua missão e acompanhar os fatores externos que influenciam suas tomadas de decisão. Chiavenato (2004) e Maximiano (2005) dividem o processo de controle organizacional em três níveis. o que se pretender fazer. É menos genérico e mais detalhado do que o controle estratégico. Apesar de ser elaborado e aplicado em todos os níveis administrativos.Assim como o planejamento. nos departamentos. Sendo assim. assim. cada uma delas atribuída a uma pessoa ou grupo de pessoas. realizado da seguinte forma: • Estabelecimento dos padrões de desempenho: é a busca pela referência do melhor padrão de desempenho. ou seja. ou seja. É aplicado. • Controle administrativo ou tático: focado nas áreas funcionais da organização. necessários ao alcance dos objetivos e metas da organização de acordo com o plano estratégico. não saberemos como nos organizar para chegar lá”. qual a sua missão em termos organizacionais. • Avaliação (feedback): fase na qual o desempenho é medido e comparado com o padrão. No segundo caso aplica-se a ação corretiva necessária. a função administrativa de organizar está relacionada ao ato de planejar. Daí resultará dois resultados: o desempenho satisfará os padrões ou não. Para Maximiano. • Controle operacional: voltado às atividades em qualquer área funcional e aos recursos utilizados em sua realização. Desse modo. o controle estratégico define a missão e o desempenho desejado com base na análise interna do ambiente (a própria organização) e na análise externa (o meio que a circunda). O uso eficiente da função controle é uma ferramenta poderosa para assegurar que o que foi planejado será alcançado. Montana e Charnov (2000) mostram que processo de controle é cíclico e praticamente o mesmo em todos os níveis.3 A função administrativa de organizar A organização como função administrativa consiste em desenvolver métodos apropriados de melhor dispor recursos. possibilitando a tomada de decisão e um melhor acompanhamento e avaliação em cada um dos setores. o controle também pode ser distribuído a níveis organizacionais ou hierárquicos. a saber: • Controle estratégico: implementado a nível institucional abordando a organização como um todo.

2000). nem mecanismos de coordenação geral.4 A função administrativa de direção Para que as funções administrativas de planejar. compreendendo os técnicos especializados e gerentes. como indivíduos e como integrantes de grupos. • Política: as organizações políticas não têm parte mais importante. das condições ambientais externas à organização. Gareth Morgan. • Definição dos níveis de autoridade: depois de dividir o trabalho. Uma organização na abordagem de Mintzberg pode assumir mais de uma das características citadas. A parte mais importante é a pesquisa e desenvolvimento. propõe em seu estudo sete tipos de modelos ou configurações de organizações.tarefas ou atividades. 2. controlar e organizar se efetuem. é necessário que outra função lhes dê o suporte para sua realização. citados por Maximiano (2005). • Máquina: a parte mais importante é a tecnoestrutura. as organizações se estruturam e se organizam conforme suas necessidades. Autores como Henry Mintzberg. realizaram estudos sobre as características dos modelos de estrutura organizacional existentes. Assim surge o papel da direção como função que guia as atividades dos membros da organização . O importante é que não só a estrutura organizacional. • Profissional: o núcleo operacional que compreende as pessoas envolvidas diretamente no fornecimento de produtos e serviços é a parte mais importante. mas também. Charles Handy. e são caracterizadas pelo conflito. mas a ideologia. O desenho da estrutura organizacional mostra a autoridade e as responsabilidades das pessoas. Um conjunto organizado seguindo algum tipo de critério possui uma estrutura. por exemplo. • Inovadora: ênfase na busca de conhecimentos para lidar com o ambiente dinâmico. • Desenho da estrutura organizacional: todas as decisões sobre divisão do trabalho. • Missionária: controle de pessoas por meio de crenças e símbolos tendo como parte mais importante não uma unidade de pessoas. A estrutura organizacional é representada por um gráfico denominado organograma. cada tipo caracterizado pela parte da organização que é mais importante para suas operações: • Empresarial: a cúpula estratégica é a mais importante onde são centralizadas as decisões. responsabilidades e autoridade resumem-se na estrutura organizacional. Mintzberg. seguindo a hierarquia e amplitude de controle. A melhor estrutura organizacional não depende tão somente dos objetivos organizacionais. em certo grau. não existindo a melhor forma de se estruturar. Cada qual a sua maneira. Alguns estudiosos sugerem que até a tecnologia em si determina a estrutura (MONTANA E CHARNOV. mas a forma como os recursos materiais e humanos sejam organizados no sentido de buscar a adequação de todos os múltiplos fatores que envolvem uma organização ou unidade organizacional. é preciso atribuir a autoridade a pessoas ou a unidades funcionais. Chris Argyris e Senge. • Diversificada: a parte importante constitui-se na linha média da organização composta dos gerentes que se situam entre a cúpula estratégica e o núcleo operacional.

São as pessoas que reúnem.php? canal=8&canallocal=29&canalsub2=94&id=641&pagina=2 OS 8 PONTOS MAIS IMPORTANTES SOBRE FINANÇAS PARA PEQUENAS EMPRESAS Freqüentemente. empreendedora. • Gerência: aplicada a nível intermediário. A ênfase nos estudos de direção voltados para o lado humano da empresa. 2004). administração participativa. Não é de objetivo deste artigo se prolongar em pormenores todos os detalhes inerentes às funções administrativas da empresa em estudo. virtual e reengenharia dentre outras. que é a medida da .nos rumos adequados para o alcance dos objetivos organizacionais e pessoais de seus membros (CHIAVENATO. não apenas comportamentos individuais dos membros da organização. grupos e equipes. direcionada a curto prazo e aborda cada operação em separado. mas nada disso.br/novo/artigos_ler. genérica.com. na realidade. tecnologia. Mas o importante é enfatizar que a direção é predominantemente exercida sobre pessoas. A direção nos três níveis organizacionais ou hierárquicos é dotada de grande complexidade. mas mostrar ao leitor aspectos fundamentais que demonstrem como tais funções se encontram presentes na realidade empresarial. É detalhada e analítica. como diz McGregor. prédios.ogerente. • Supervisão: aplicada a nível operacional. desenvolvendo métodos que contribuíssem para uma direção eficaz. A direção não é uma função exclusivamente centralizada no topo da hierarquia. pois está muito relacionada aos recursos humanos que precisam ser aplicados em cargos e funções. operam e proporcionam resultados manipulando os recursos físicos e financeiros. A empresa pode ter máquinas. menos genérica do que o anterior abordando cada unidade organizacional em separado. foram desenvolvidas para melhor gerir as organizações aplicando-as em suas funções de direção. Teorias modernas de gestão como benchmarking. Estudiosos como McGregor (1999) voltaram suas pesquisas na tentativa de estudar as variáveis humanas comportamentais que influenciam o papel de direção. www. direcionada a longo prazo e aborda a organização como um todo. por exemplo. possui uma justificativa lógica: O que faz uma empresa funcionar. Assim como as demais funções esta também se distribui nos três níveis organizacionais cada qual com suas competências recebendo nomes específicos: • Direção: aplicada a nível institucional. 3 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DO ESTUDO DE CASO Neste capítulo serão apresentados os resultados obtidos por meio do instrumento de coleta de dados. A melhor forma de direção é aquela que melhor consegue reunir recursos materiais e humanos para o alcance do que se é pretendido pela organização. são as pessoas. sem o fator humano. consegue ser suficiente para atingir os objetivos de uma empresa. contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente ao fluxo de caixa.

mas do ponto de vista do fluxo de caixa. Desconfie dos grandes contratos “Pequenos empresários aceitam grandes pedidos que acabam colocando a empresa em situações difíceis”. Vários ajustes então são feitos nesse número. Freqüentemente. “Eles querem ganhar o grande contrato.quantidade de dinheiro que realmente existe na empresa. que é a medida da quantidade de dinheiro que realmente existe na empresa. e não com dinheiro que já está depositado no banco”. incluindo a depreciação regressiva. “É a demonstração de fluxo de caixa que diz ‘olhem.. o que basicamente significa que você está lidando com promessas em papel de pagamentos futuros. considera a demonstração de fluxo de caixa “provavelmente a ferramenta mais importante para indicar se a empresa está no caminho certo”. Podem até exibir lucro em termos de provisão contábil. pode prosseguir . não estavam cuidando corretamente dos demonstrativos de fluxo de caixa. sei o que dizem os números maravilhosos das perdas e lucros. Uma demonstração de fluxo de caixa começa com a parte final da demonstração de perdas e lucros — a linha que mostra sua receita líquida. sustenta Dacey. considerando as contas que sua empresa ainda não pagou e vários outros ajustes. Não vou entrar em detalhes sobre a demonstração do fluxo de caixa — um bom programa de contabilidade que calcula perdas e lucros e balanços patrimoniais também pode fazer essa demonstração. nem têm reservas de caixa para pagar os trabalhadores e outras contas enquanto esperam pelo pagamento do cliente. “Eles contratavam pessoas. por exemplo. recorda Dacey. gastavam dinheiro nas campanhas dos membros e faziam tudo isso usando o dinheiro que pensavam ter com base nos demonstrativos de lucros e perdas”. Ela descreve como os membros do conselho de administração de uma organização sem fins lucrativos.. chefe do departamento de administração de empresas de uma universidade. mas não recebem antecipadamente dinheiro suficiente.” Judith Dacey. inclusive reduzindo a receita com faturas registradas como receita e que ainda não foram pagas. Foi necessário demitir empregados e apertar o cinto para valer. “Não percebiam que o demonstrativo de lucros e perdas era uma provisão contábil. mas este aqui é o dinheiro que entrou de verdade na conta e que está disponível para vocês’”. De olho nos 8 fatores mais importantes Se você já estabeleceu uma forma de acompanhar o fluxo de caixa. alerta Ronald Lowy. isso não se repete. O conselho notou a dificuldade somente quando a organização teve um cheque devolvido por falta de fundos. contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente ao fluxo de caixa. contadora pública certificada. “Aquilo poderia ter sido evitado se eles tivessem observado os demonstrativos de fluxo de caixa”.

Impostos sobre a folha de pagamento são um tipo de obrigação que você pode adiar mensal ou trimestralmente. mas não se assuste: assim como você fez com os demonstrativos de lucros e perdas. 1. A lista é longa. Empréstimos são uma obrigação clara. isso pode ser um sinal de que o pessoal que está comprando de você está começando a tropeçar. dependendo do tamanho da empresa. 2. 5. também será necessário acompanhar as oscilações do valor desses bens. essa é uma tarefa relativamente fácil. dependendo do tamanho da empresa. Valorize a capacidade de controlálo: se as contas a receber estiverem aumentando. mas ao pagá-los é uma boa idéia controlar o quanto foi gasto no principal e nos juros. mas ao pagá-los é uma boa idéia controlar o quanto foi gasto no principal e nos juros. como indicar que você está dando um passo maior que a perna. Um aumento nessa relação pode ser um mau sinal — ele tanto pode ocorrer devido a uma grande expansão. estiverem aumentando. Qual é o custo de produção daquilo que você vende? Se você estiver comprando um item pronto para revenda. como mão-de-obra. (Será que todos temos esse problema?) Da mesma forma. também será uma boa prática verificar o declínio no valor (depreciação) de bens como computadores e móveis de escritório. imóveis e outras posses deve ser tarefa fácil. mobília. . como porcentual do total de vendas. Controlar a quantidade de equipamento. que integram a fabricação de um produto. Como anda a relação entre dívidas e ativos? Essa relação pode permitir que você conheça a quantidade de itens que existem na empresa e que pertencem à outra pessoa — seu financiador. Quais são suas obrigações? Mais uma vez. Mas suas dívidas nem sempre são óbvias como um boleto bancário. 2. Impostos sobre a folha de pagamento são um tipo de obrigação que você pode adiar mensal ou trimestralmente. é uma tarefa aparentemente fácil — obrigação é que você deve. Fica mais complicado quando é preciso calcular todos os fatores. é uma tarefa aparentemente fácil — obrigação é que você deve. E isso é especialmente verdadeiro se as contas a receber.Qual é o valor das contas a receber? Esse é o montante que outras pessoas devem a você. Quais são seus ativos? Sim. Não é incomum vermos pequenas empresas localizadas em imóveis que valem mais que o próprio negócio. Mas suas dívidas nem sempre são óbvias como um boleto bancário. Empréstimos são uma obrigação clara. sabemos que ativos são tudo aquilo que a empresa possui. 4. Quais são suas obrigações? Mais uma vez. 3. Mas para ter uma idéia real do valor da empresa. é possível aproveitar as vantagens de programas que automatizam o controle destas tarefas.organizando e controlando os 8 fatores financeiros da sua empresa.

não tenha medo de procurar ajuda junto a profissionais e fornecedores de serviços.MOVIMENTAÇÃO ADEQUADA DE RECURSOS A segunda função pode ser subdividida em ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.Qual é o tempo médio de cobrança das contas a receber? Provavelmente.DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS 2 . O controle desses dez importantes fatores e o acompanhamento do fluxo de caixa são essenciais para a saúde da empresa. de forma eficaz.Qual é o valor das contas a pagar? O outro lado das contas a receber. 7. pode-se dizer que dentro de uma empresa formada segundo os princípios básicos de administração encontramos normalmente duas grandes funções administrativas: 1 . 8. AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Basicamente. A capacidade de controlar o estoque e de saber quanto tempo ele demora para ser vendido ou transformado permite identificar se o negócio está crescendo ou minguando. até mesmo no mundo do negócio just-in-time. Essa capacidade também indica o valor que poderia ser usado em outros pagamentos e investimentos e que está atrelado a esses bens improdutivos. Para calculá-lo. ou um número maior de compras. por isso. você precisará conhecer a média diária de vendas e dividi-la pelo número de contas a receber. pode fazer sentido investir algum dinheiro no estoque. os recursos humanos e materiais necessários para atingilos.O que está acontecendo com o estoque? Algumas vezes. em termos bastante genéricos. Eu mesmo gostaria de ter estocado um tanque cheio de óleo para aquecedor na última primavera. Mas um aumento não planejado ou gerenciado pode ser um aviso interno de que a estrutura financeira da empresa está enfraquecendo. . Assim. quando o preço estava em torno de US$1 por galão. administrar resume-se em conceber e definir objetivos e movimentar. é uma boa idéia montar um estoque robusto. Se os preços dos itens que você vende ou usa na produção estiverem relativamente baixos. esta é uma das informações mais importantes para empresas em contenção de despesas. Um aumento nas contas a pagar pode simplesmente refletir uma política de alongamento do prazo de pagamento de contas. porque ela indica o tempo durante o qual você atuará como ‘banqueiro’ para seus devedores.6.

.A tarefa de organizar começa quando estão estabelecidos os objetivos e um plano ou curso de ação destinados a possibilitar a realização daqueles objetivos. conclui-se que o estudo detalhado dos custos é simplesmente essencial para a empresa moderna.Fixar a meta de lucro da empresa. ORGANIZAÇÃO . É óbvio.Estabelecer os objetivos departamentais que orientam as atividades para atingir a meta final. O planejamento é o alicerce sobre o qual operam as demais funções administrativas. alterações nas linhas de produtos. com freqüência.A tarefa de definir os objetivos. além de serem submetidas a um rígido sistema de controle governamental de preços.Medir e controlar o progresso com a ajuda de Orçamento. Departamentos e Seções dentro da empresa. produzem dezenas de artigos diferentes. que.Analisar e decidir sobre mudanças de preços. . O planejamento inclui a determinação do caminho a ser tomado para alcançar o objetivo. eliminação de produtos de baixa lucratividade etc.Controlar é o processo ou procedimento pelo qual a Administração assegura o desempenho operativo que corresponda aos planos. como o objetivo de dividir as tarefas e conseqüentemente as responsabilidades. hoje em dia. A função de controle é de máxima importância na execução dos objetivos da empresa. a falta de um profundo conhecimento do comportamento dos custos poderá acarretar uma diminuição gradual da margem de lucros da empresa e até perda de capital gerada por preços de venda situados abaixo do custo dos produtos vendidos. é preparar-se para o futuro. Como exemplo: estabelecer Divisões. Planejar é tarefa de olhar adiante. é parte da função de organização. para o eficiente exercício das suas funções.. . este último uma meta. a equipe administrativa precisa de registros e relatórios de custo e lucro analíticos.. com custos acumulados por produtos e programas ou por áreas de responsabilidade. CONTROLE . sendo. maior lucratividade e participação no desenvolvimento do mercado. que a administração poderá conscientemente: . Será com base nesses registros e informações. ou seja. pode ser considerada como a mais importante função desempenhada pelo administrador. elaborados de forma sistemática e comparativa. unanimente admitido que. A importância de tal estudo torna-se ainda mais evidente quando se considera a crescente complexidade das empresas de hoje que. operam em economias globalizadas e em mercados altamente competitivos. Sem o planejamento não há base para a organização e controle. O ESTUDO ANALÍTICO DOS CUSTOS COMO INSTRUMENTO DA ADMINISTRAÇÃO É. também chamada de planejamento. um resultado final que deverá ser procurado com grande empenho. Dada a importância desses itens. sob tais condições. Organizar é essencialmente o estabelecimento da estrutura dentro da qual as atividades exigidas devem ser desempenhadas. .

E de que forma estes dados são apropriados? Por meio da contabilidade de custos. na medida em que o contador da época que só se preocupava em verificar o montante pago pela compra do . as empresas devem adotar um sistema de custo. ASPECTOS HISTÓRICOS Em termos de historia vamos encontrar a Contabilidade de Custos nascendo junto com a Revolução Industrial (Século XVIII).. manipula-los e finalmente emitir relatórios eficientes. Princípios de Contabilidade Geralmente aceitos 4. que acumula e estuda os custos dos produtos. papeis de rotinas. tendo por finalidade absorver dados de diversas áreas. Imposições Legais 2. administração. fluxos. Lucro 3. Nem sempre convencionais acompanha Contabilidade de Custo Não se necessariamente vincula Podemos dizer que a contabilidade de custos é um detalhamento do sistema contábil geral. Nem sempre utiliza custo Demonstração de Resultado. O que é um sistema de custo? É um esforço realizado pela administração da empresa. Informações Contabilidade Geral Vincula-se Da empresa Do produto.. de serviço Acompanha necessariamente Não necessariamente Utiliza custo histórico Convencionais: Balanço. fornece informações para o controle e emite relatórios para o planejamento e decisão. além da avaliação de estoque. historio etc. traduzido em normas. avalia os estoques. serviços.CONTABILIDADE DE CUSTOS Definição Devido às necessidades de informações para controle e decisão. Custo 5. A contabilidade de custos não deve ser confundida com a Contabilidade Geral pelos seguintes motivos: Itens de diferenciação 1. informa sobre a formação do preço.

na obtenção de dados comparativos em termos de critérios com os de outras empresas.O imposto de renda que também necessita de critérios homogêneos para o calculo do lucro no qual incide a tributação. considerado como despesa do período: despesas financeiras. tem sido utilizado ao longo dos anos desde sua primeira aplicação pelos seguintes motivos: 1 . O moderno controle de custos fornece informações a respeito de custos de estoques. a contabilidade geral não atendia de forma satisfatória às necessidades de informação da administração. Estas informações são ou podem ser apresentadas em detalhes para cada um dos lotes ou pedidos relativos ao produto fabricado pela empresa. eram aplicados ä então recém-iniciada Contabilidade Industrial. Daí. então. Os princípios do cálculo do custo na Contabilidade Mercantil para a apuração do custo. interessada no controle efetivo dos custos de suas operações. custos de fabricação e distribuição. preços de vendas e lucros para cada umas das linhas de produtos fabricados. vigor esse que requisitou o auxílio de computadores para gerar as informações aos Administradores e possibilitar decisões rápidas e seguras. nenhum outro encargo.A complexidade do sistema bancário distanciando o banqueiro da pessoa do administrador necessitando de crédito. o desenvolvimento de novos estilos e recursos contábeis. para que os diversos demonstrativos fossem homogeneizados em termos de critérios. passou a se preocupar com outros elementos de custos que não somente o preço de aquisição. de vendas e administrativas. o custo da compra. exigiu a presença da Auditoria independente que elaborou os princípios básicos da Contabilidade. 3 . No estoque que só figurava. Esse critério de “apropriação”. ou seja. estoques iniciais mais compras menos estoques finais. O valor dos fatores de produção só foi considerado como custos dos produtos mais tarde. À medida que as empresas foram se desenvolvendo.O interesse por parte dos acionistas das grandes empresas. ou seja. separando o que é esforço fabril para agregá-lo ao produto. O tratamento dispensado aos outros itens comuns à atividade comercial continuou a ser o mesmo. . 2 . exigindo assim documentos contábeis corretos para serem analisadas as possibilidades de empréstimos. tais como salários diretos e fretes eram apropriados. O DESENVOLVIMENTO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Primordialmente orientada no sentido dos aspectos fiscais da empresa. um maior vigor de controle de custos foi necessário. geralmente agrupados sob a denominação genérica de contabilidade de custos e que vêm evoluindo significativamente ao longo dos últimos 50 anos com a criação de novas técnicas de análise e interpretação das informações quantitativas. ou seja.produto para avaliar seu estoque.

a administração poderá melhorar de forma acentuada o nível de correção e de segurança das suas decisões.São reduções do valor patrimonial para as quais não foi recebido nenhum valor compensante. Essas informações fornecidas pelo controle de custos são úteis por mostrarem o que se fez. Produto Custo Não diminui É necessário Não é eventual Agrega valor Despesa Diminui É necessário Não é eventual Não agrega valor Diminui Não é necessário É eventual Não agrega valor Perda Custo . portanto do lucro e do patrimônio liquido que é a despesa. Perdas .Representam aquela parcela do preço de aquisição de produtos.Assim. qual o custo incorrido. Não se trata de uma definição do ponto de vista da economia e sim do lançamento contábil. por quanto se vendeu e qual o lucro resultante. Despesa . Necessidade 3. Tendo essa informação.São gastos que foram aplicados contra a renda de um determinado período. Em outras palavras o contador distingue três tipos de lançamentos: aqueles normais à atividade da empresa. Receita 2. aqueles normais à atividade da empresa. bens de serviços. com um sistema de controle de custos. que ainda não foi utilizada para a realização de rendas. DEFINIÇÃO DOS CUSTOS Antes de identificarmos os vários elementos de custos precisamos definir aquilo que chamamos de custo. A primeira indagação seria em como podemos diferenciar o custo de uma despesa ou mesmo de uma perda. que são as perdas. DIFERENCIAÇÕES BÁSICAS Itens 1. Eventualidade 4. ou seja. é possível conhecer o custo de operação de um departamento ou da realização de qualquer outra atividade do negócio. . e aqueles anormais à atividade da empresa que significam uma redução patrimonial imediata. como se fez. mas que significam uma redução imediata da receita. que foi diferida. mas que significam tão-somente uma transferencia de valor ou acréscimo que é o custo.

DEFINIÇÕES: CUSTOS PRIMÁRIOS . cujo cunho prático pretende reduzir a um mínimo estritamente necessário às especulações de natureza predominantemente teórica.definição. sujeita a revisões e aperfeiçoamentos. a linha nos estofados. satisfaz aos propósitos de nossos objetivos.Composto pelo Material Direto e pela mão-de-obra Direta. ELEMENTOS DE CUSTO Em função da forma pela qual cada um deles se identifica com o produto fabricado. etc.É composta por todo o trabalho aplicado diretamente na execução do produto ou suas partes componentes. nem todo o material que pode ser identificado como direto deve ser assim classificado. as etiquetas para as roupas. MATERIAL DIRETO .É a soma da matéria prima direta mais a mão-de-obra direta. a celulose para o papel. Ex. madeira para o móvel. Esses materiais são usualmente classificados entre os gastos gerais de fabricação. Basicamente podemos definir os custos como sendo a soma. mão-deobra Indireta e Outros Custos Indiretos. Apesar de tratar-se de uma definição simples. Entretanto.GASTOS GERAIS DE FABRICAÇÃO .: A cola para os móveis. dos valores de bens e serviços consumidos na produção de um novo bem ou serviço. daquelas ligadas à operacionalidade que são chamadas de “perdas técnicas” (perdas necessárias) Provavelmente nenhuma outra palavra no vocabulário técnico-contabil é usada com tanta variedade de sentidos como o termo “custos”.. como por exemplo. Entretanto. sem grandes rigores técnicos ou filosóficos . portanto.. incêndios e roubos.Com relação às perdas devemos diferenciá-las: aquelas eminentemente eventuais. Isto porque existem materiais cuja apropriação ao produto é difícil e trabalhosa além dos seus valores.CUSTOS PRIMÁRIOS . em termos monetários. serem pequenos ou insignificantes. seja esse trabalho especializado ou .É todo aquele material que é parte integrante e essencial do produto. um essencial pré-requisito para subsequentes discussões a respeito de custos é o conhecimento do seu significado e dos seus diversos usos. .: A borracha para o pneu.Composto pelo Material Indireto. Ex. em relação ao dos outros materiais diretos empregados. MÃO-DE-OBRA DIRETA . os elementos de custo de produção podem ser definidos como segue: .

para aumentar a sua utilidade. portanto.não.É o material empregado nas atividades auxiliares da produção. mão-de-obra é o segundo elemento do custo porque sem a mão-de-obra não é possível modificar a forma. a composição ou a natureza do material. Por exemplo. Ex. seguros das edificações ou de acidentes do trabalho. depreciações etc.org. ainda. MÃO-DE-OBRA INDIRETA . MATERIAL INDIRETO . programadores. Esse item pode. Ex.. É essencial.: O trabalho do tecelão para a fabricação do tecido. o conhecimento de cada elemento que entra no custo do produto terminado na empresa industrial: o material é o primeiro elemento do custo. controladores etc. etc.: Encarregados. OUTROS CUSTOS INDIRETOS ..sinpro-rs. ou cuja pertinência ao produto inexiste ou é praticamente nula. etc. dizer que a mão-de-obra indireta engloba. para propósitos de avaliação e controle gerencial. http://www. sem os gastos gerais que constituem o terceiro elemento. ser definido como compreendendo os trabalhos auxiliares ou de assessoramento de uma certa produção. o material não poderá ser trabalhado pela mão-de-obra. principalmente. à sua manutenção e conservação. São os aluguéis dos edifícios industriais.doc . materiais de embalagens. abrasivos etc.. Pode-se. o trabalho das costureiras na confecção dos vestuários.É todo o trabalho realizado no setor da fabricação não pertinente especificamente a nenhum produto ou partes componentes.Em regra geral são os gastos que dizem respeito à existência do setor fabril. porque sem ele nada se poderá fabricar. os materiais utilizados pela manutenção da fabrica.São formados pela mão-de-obra Indireta.%5Carquivos %5CProf_503%5CPoligrafo%20n%C2%BA%201%20%20Contabilidade%20e%20Analise%20de%20Custos. Mestres.br/paginasPessoais/layout3/. GASTOS GERAIS DE FABRICAÇÃO . trabalhos relacionados com o controle e o planejamento da produção tais como aqueles desenvolvidos por apontadores. Materiais Indiretos e Outros Custos Indiretos ocorridos na fabricação e que não se identificam com nenhum produto em particular.

agindo sempre com ética. ajudando os funcionários para que eles possam crescer junto com a empresa. [editar] Teorias da administração de empresas As teorias da administração podem ser divididas em várias correntes ou abordagens. cumpridor das promessas.) • Abordagem sistêmica da administração o Principios e Conceitos Sistêmicos .[editar] Atitudes do Administrador Ser proativo. Cada abordagem representa uma maneira específica de encarar a tarefa e as características do trabalho de administração. bom exemplo. ousado. acumulando conhecimento científico suficiente para gerir com responsabilidade e profissionalismo. • Abordagem clássica da administração o Administração científica o Teoria clássica da administração • Abordagem humanística da administração o Teoria das relações humanas • Abordagem neoclássica da administração o Teoria neoclássica da administração o Administração por objetivos (APO) • Abordagem estruturalista da administração o Modelo burocrático da administração o Teoria estruturalista da administração • Abordagem Comportamental da Administração o Teoria comportamental da administração o Teoria do desenvolvimento organizacional (D. saber utilizar seus princípios. ser cooperativo e um bom líder. criativo.O.

suas ênfases e seus principais enfoques Ênfase Teorias administrativas Principais enfoques .o o o o Cibernética e administração Teoria matemática da administração Teoria geral de sistemas O Homem Funcional • Abordagem contingencial da administração o Teoria da contingência o Mapeamento Ambiental o Desenho Organizacional o Adhocracia o O Homem Complexo • Técnicas Modernas de Gestão o Administração participativa o Administração Japonesa o Administração Holística o Benchmarking o Downsizing o Gerenciamento com foco na Qualidade o Learning Organization o Modelo de Excelência em Gestão o Reengenharia o ReAdministração o Terceirização o Cronologia das teorias da administração • • • • • • • • • • • • 1903 Administração científica 1909 Teoria da burocracia 1916 Teoria clássica da administração 1932 Teoria das relações humanas 1947 Teoria estruturalista 1951 Teoria dos sistemas 1954 Teoria neoclássica da administração 1957 Teoria comportamental 1962 Desenvolvimento organizacional 1972 Teoria da contingência 1990 Novas abordagens [editar] Teorias Administrativas.

marcando um gradativo passo no desenvolvimento da TGA. Estrutura Teoria da burocracia Teoria estruturalista Teoria das relações humanas Pessoas Teoria comportamental Teoria do desenvolvimento organizacional Teoria estruturalista Teoria neo-estruturalista Teoria da contingência Ambiente Tecnologia Teoria dos sistemas As principais Teorias Administrativas e seus principais enfoques A teoria geral da administração começou com a ênfase nas tarefas. estrutura. Múltipla abordagem: Organização formal e informal. omitindo ou relegando a um plano secundário todas as demais. A ênfase no ambiente surgiu com a Teoria dos Sistemas. Motivação. posteriormente. liderança. Estilos de Administração. Abordagem de sistema aberto. sendo completada pela teoria da contingência. Princípios gerais da Administração. Abordagem de sistema aberto. desenvolveu a ênfase na tecnologia.Tarefas Administração científica Teoria clássica Teoria neoclássica Racionalização do trabalho no nível operacional Organização Formal. FUNÇOES ADMINISTRATIVAS . com a administração científica de Taylor. a preocupação básica passou para a ênfase na estrutura com a teoria clássica de Fayol e com a teoria burocrática de Max Weber. Abordagem de sistema aberto. Análise intra-organizacional e análise interorganizacional. Administração da tecnologia (imperativo tecnológico). por meio da teoria comportamental e pela teoria do desenvolvimento organizacional.provocou a seu tempo uma diferente teoria administrativa. Funções do Administrador Organização Formal Burocrática. comunicações e dinâmica de grupo. pessoas. Organização informal. A reação humanística surgiu com a ênfase nas pessoas. Racionalidade Organizacional. seguindo-se mais tarde a teoria estruturalista. Mudança organizacional planejada. Teoria das decisões. Esta. Integração dos objetivos organizacionais e individuais. Cada teoria administrativa procurou privilegiar ou enfatizar uma dessas cinco variáveis. Análise intra-organizacional e análise ambiental. Cada uma dessas cinco variáveis . A seguir.tarefas. ambiente e tecnologia . Análise ambiental (imperativo ambiental).

Um objetivo estabelecido na alta direção deve-se desdobrar até . e se desenvolve em um nível organizacional inferior. 3. Materiais.Planejamento Operacional .Planejamento Estratégico .PLANEJAMENTO Existem 3 tipos de Planejamento: 1.É um processo Gerencial que examina as principais questões da empresa. financeiros). como as principais divisões.Seu horizonte de tempo é mais curto que o do tático.Planejamento Tático . levando em consideração o tempo e os recursos disponíveis (Humanos. A principal função de um bom planejamento é formular objetivos e os meios para alcançá-los. considerando as variáveis Internas e Externas. determinando um rumo amplo para a organização. podendo ser mensal. Possui um Horizonte de tempo longo e sua elaboração é de responsabilidade dos níveis mais altos da empresa (Alta Direção) 2. etc. semanal ou ate mesmo diário. funções empresariais.Pressupõe um período de tempo mais curto que o estratégico e seu objetivo é examinar mais especificamente determinada área de resultado. Quando estabelecemos objetivos temos que entender o impacto em toda a organização.