FONEMA A palavra fonologia é formada pelos elementos gregos fono ( "som, voz") e log, logia ( "estudo", "conhecimento") .

Significa literalmente " estudo dos sons" ou "estudo dos sons da voz". O homem, ao falar, emite sons. Cada indivíduo tem uma maneira própria de realizar esses sons no ato da fala. Essas particularidades na pronúncia de cada falante são estudadas pela Fonética. Dá-se o nome de fonema ao menor elemento sonoro capaz de estabelecer uma distinção de significado entre as palavras. Observe, nos exemplos a seguir, os fonemas que marcam a distinção entre os pares de palavras: amor - ator morro - corro vento - cento Cada segmento sonoro se refere a um dado da língua portuguesa que está em sua memória: a imagem acústica que você, como falante de português, guarda de cada um deles. É essa imagem acústica, esse referencial de padrão sonoro, que constitui o fonema. Os fonemas formam os significantes dos signos linguísticos. Geralmente, aparecem representados entre barras. Assim: /m/, /b/, /a/, /v/, etc. Fonema e Letra 1) O fonema não deve ser confundido com a letra. Na língua escrita, representamos os fonemas por meio de sinais chamados letras. Portanto, letra é a representação gráfica do fonema. Na palavra sapo, por exemplo, a letra s representa o fonema /s/ (lê-se sê); já na palavra brasa, a letra s representa o fonema /z/ (lê-se zê). 2) Às vezes, o mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra do alfabeto. É o caso do fonema /z/, que pode ser representado pelas letras z, s, x: Exemplos: zebra casamento exílio 3) Em alguns casos, a mesma letra pode representar mais de um fonema. A letra x, por exemplo, pode representar: - o fonema sê: texto - o fonema zê: exibir - o fonema chê: enxame - o grupo de sons ks: táxi 4) O número de letras nem sempre coincide com o número de fonemas. Exemplos: tóxico fonemas: /t/ó/k/s/i/c/o/ letras: t ó x i c o 1234567 123456

galho

fonemas: /g/a/lh/o/ 12 3 4

letras: g a l h o 12345

5) As letras m e n, em determinadas palavras, não representam fonemas. Observe os exemplos: compra conta Nessas palavras, m e n indicam a nasalização das vogais que as antecedem. Veja ainda: nave: o /n/ é um fonema; dança: o n não é um fonema; o fonema é /ã/, representado na escrita pelas letras a e n. 6) A letra h, ao iniciar uma palavra, não representa fonema. Exemplos: hoje fonemas: ho / j / e / letras: h o j e 1 2 3 1234

Classificação dos Fonemas Os fonemas da língua portuguesa são classificados em: 1) Vogais As vogais são os fonemas sonoros produzidos por uma corrente de ar que passa livremente pela boca. Em nossa língua, desempenham o papel de núcleo das sílabas. Assim, isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal. Na produção de vogais, a boca fica aberta ou entreaberta. As vogais podem ser: a) Orais: quando o ar sai apenas pela boca. Por Exemplo: /a/, /e/, /i/, /o/, /u/. b) Nasais: quando o ar sai pela boca e pelas fossas nasais. Por Exemplo: /ã/: fã, canto, tampa / /: dente, tempero / /: lindo, mim /õ/ bonde, tombo / / nunca, algum c) Átonas: pronunciadas com menor intensidade.

Por Exemplo: até, bola d)Tônicas: pronunciadas com maior intensidade. Por Exemplo: até, bola Quanto ao timbre, as vogais podem ser: Abertas Exemplos: pé, lata, pó Fechadas Exemplos: mês, luta, amor Reduzidas - Aparecem quase sempre no final das palavras. Exemplos: dedo, ave, gente Quanto à zona de articulação: Anteriores ou Palatais - A língua eleva-se em direção ao palato duro (céu da boca). Exemplos: é, ê, i Posteriores ou Velares - A língua eleva-se em direção ao palato mole (véu palatino). Exemplos: ó, ô, u Médias - A língua fica baixa, quase em repouso. Por Exemplo: a 2) Semivogais

Pode ser: a) Crescente: quando a semivogal vem antes da vogal. /v/. cujo assunto são os encontros vocálicos. Seu nome provém justamente desse fato. O outro fonema vocálico i não é tão forte quanto ele. encontros consonantais e dígrafos. história. Exemplos: /b/. o fonema vocálico que se destaca é o a. e = vogal) mão / mãu/ cem /c i/ . não são vogais. /m/.: os fonemas /i/ e /u/ podem aparecer representados na escrita por" e". Observe a palavra papai. Na última sílaba. formando com ela uma só emissão de voz (uma sílaba). /l/. Outros exemplos: saudade.Os fonemas /i/ e /u/. Por Exemplo: sé-rie (i = semivogal. sempre consoam ("soam com") as vogais. Nesse caso. etc. "o" ou "m". pois. Existem três tipos de encontros: o ditongo. /d/. Ele é a vogal. Aparecem apoiados em uma vogal. Ela é formada de duas sílabas: pa-pai. o tritongo e o hiato. Encontros Vocálicos Os encontros vocálicos são agrupamentos de vogais e semivogais. a corrente de ar expirada pelos pulmões encontra obstáculos ao passar pela cavidade bucal. É a semivogal. 1) Ditongo É o encontro de uma vogal e uma semivogal (ou vice-versa) numa mesma sílaba. série. É importante reconhecê-los para dividir corretamente os vocábulos em sílabas. incapazes de atuar como núcleos silábicos. /t/. em português. algumas vezes. sem consoantes intermediárias. Veja: pães / pãis 3) Consoantes Para a produção das consoantes. esses fonemas são chamados de semivogais. Isso faz com que as consoantes sejam verdadeiros "ruídos". A diferença fundamental entre vogais e semivogais está no fato de que estas últimas não desempenham o papel de núcleo silábico. Obs. Não deixe de conferir também nossa aula interativa em Flash.

uma vogal e uma semivogal. sem vogal intermediária. ioiô. como em: pe-dra.Tritongo nasal 3) Hiato É a sequência de duas vogais numa mesma palavra que pertencem a sílabas diferentes.Tritongo oral quão . sempre nessa ordem. pla-no.os que resultam do contato consoante + l ou r e ocorrem numa mesma sílaba. Exemplos: Paraguai . i = semivogal) c) Oral: quando o ar sai apenas pela boca. Encontros Consonantais O agrupamento de duas ou mais consoantes. cujo assunto são os encontros vocálicos. . como em ge-lei-a. Exemplos: pai. cri-se. falaram ocorrem ditongos nasais decrescentes. a-tle-ta. encontros consonantais e dígrafos. Por Exemplo: saída (sa-í-da) poesia (po-e-si-a) Saiba que: .b) Decrescente: quando a vogal vem antes da semivogal. uma vez que nunca há mais de uma vogal numa sílaba.. Por Exemplo: mãe 2) Tritongo É a sequência formada por uma semivogal. Pode ser oral ou nasal. porém e na terminação am em palavras como amaram. Não deixe de conferir também nossa aula interativa em Flash. numa só sílaba. Existem basicamente dois tipos: . recebe o nome de encontro consonantal. também.É tradicional considerar hiato o encontro entre uma semivogal e uma vogal ou entre uma vogal e uma semivogal que pertencem a sílabas diferentes. série d) Nasal: quando o ar sai pela boca e pelas fossas nasais.Na terminação -em em palavras como ninguém. Por Exemplo: pai (a = vogal. ..

Possui quatro fonemas e quatro letras. inseparáveis: pneu. Por Exemplo: bicho ... gno-mo. Assim. Por Exemplo: lixo . Dígrafos Consonantais Letras lh nh ch rr ss qu gu sc sç xc Fonemas lhe nhe xe Re (no interior da palavra) se (no interior da palavra) que (seguido de e e i) gue (seguido de e e i) se se se Exemplos telhado marinheiro chave carro passo queijo. Há ainda grupos consonantais que surgem no início dos vocábulos. Há. por apenas uma letra. Podemos agrupá-los em dois tipos: consonantais e vocálicos. há um número razoável de dígrafos que convém conhecer. na escrita. no entanto. fonemas que são representados. guia crescer desço exceção Dígrafos Vocálicos: registram-se na representação das vogais nasais. Fonemas ã Letras am an Exemplos tampa canto .Possui quatro fonemas e cinco letras. psi-có-lo-go. cada fonema é representado. rit-mo. Em nossa língua. lis-ta. quiabo guerra. na escrita..os que resultam do contato de duas consoantes pertencentes a sílabas diferentes: por-ta. por duas letras.. Na palavra acima. para representar o fonema | xe| foram utilizadas duas letras: o c e o h. por isso. são. Dígrafos De maneira geral.. o dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema (di = dois + grafo = letra).

. como Quéli. no entanto.. não é mesmo? Para os substantivos próprios realmente o território é livre para criações. W e Y. as letras K. a letra "u" não corresponde a nenhum fonema. Sheila e Washington. como Kelly. E. Uóxinton e Cheila. mas existentes) e palavras que passaram por uma reforma em 1943 Acredito que a dificuldade maior em aprender . o "u" representa um fonema semivogal ou vogal (aguentar. aos comuns? O que muitos não sabem é que há várias adaptações já consagradas (outras ainda não consagradas. E quanto ao restante. "gu" e "qu" não são dígrafos. portanto. aquífero. grafia = escrita) É a parte da gramática que trata da escrita correta das palavras. Nesses casos. seguidos de "e" ou "i". Também não há dígrafos quando são seguidos de "a" ou "o" (quase. linguiça. deve-se saber que o nosso alfabeto oficial é formado por cinco vogais e dezoito consoantes. não é uma das partes mais fáceis de nossa Língua Portuguesa. Colocar nome em filhos. Um dos obstáculos na aprendizagem é a interferência do excesso de estrangeirismo. aquilo.) Nesse caso. Estão descartadas. com certeza. é uma prática constante.em en im in õ om on um un Observação: templo lenda limpo lindo tombo tonto chumbo corcunda "Gu" e "qu" são dígrafos somente quando. 3 – ORTOGRAFIA OFICIAL (orto = correto. averiguo). é difícil de se imaginar esses nomes adaptados à nossa ortografia oficial. por outro lado. Mas. Para começar. representam os fonemas /g/ e /k/: guitarra. Em algumas palavras. Brasileiro adora modismos e isso não é segredo para ninguém.

b) As formas dos verbos que têm o infinitivo em -JAR: despejar: despejei. Então como obter um estudo eficiente? Eu sugiro que você comece a ter o hábito da leitura em sua vida. Durante a leitura de um texto responsavelmente bem escrito aparecerão palavras com X. carregado de erros. despeje. Faça isto. catequese (catequizar). Distinção Entre J e G 1. J. heim?!?! Como eu já disse. Seguem mais alguns exemplos. ou ver o que é certo estudando algumas horas por dia para uma prova? O maior incômodo para o estudante de ortografia é que há regras e regras. lê placas de ruas. que eles viajem. volte ao texto e releia o trecho com o significado achado. africana ou indígena: canjica. gorja (gorjear. Exceção: Sergipe. etc. Outra maneira é verificar como é o substantivo primitivo da palavra a ser escrita. assim os seus substantivos derivados terão a mesma letra: rijo (enrijecer). etc. cheio (enchente). Por esta você não esperava. SC. batismo (batizar). canjerê. que passa 24 horas pela sua frente. escreva a palavra umas cinco vezes num caderno reservado para esta finalidade. arranjar: arranjei. vai ao banco. mas há um caminhão de exceções. Z. vai a um restaurante e está tudo errado! O que você será capaz de memorizar? O errado. jirau. gorjeta). Ç. jerimum etc. mas logo após ele decobre que há uma série de exceções. etc. arranje. etc. pega um ônibus. pajé. Outras palavras grafadas com J (as ditas . Veja: anjo (angelical). Mas também é muito perigoso fazer disto uma regra fixa. Escrevem-se com J: a) As palavras de origem árabe. G. Você vai ao mercado.ortografia é a influência do cotidiano. Pegue-as e procure os seus significados no dicionário. viajar: eu viajei. É uma conhecida técnica de memorização por repetição. Moji. pelo menos umas três vezes por semana. há regras sim.

causa. montês. maisena. jegue. Escrevem-se com S: a) O sufixo: -OSO: cremoso (creme + oso). jerico. etc. c) Os verbos em -GER e -GIR: fugir. Exceções: pajem. -ÍGIO. etc. cansar.repreeNSão. etc. Jerônimo. ansiedade. etc. lambujem. jérsei. burguês – burguesa. trombose. berinjela. sujeira. -ÓGIO e ÚGIO: estágio. cansado. profissão ou título honorífico: português – portuguesa.NS: escaNDir . farsa. jiu-jitsu. pegajento. majestoso. vaidoso. princesa. propensão. preteNDer preteNSão. Escrevem-se com G: a) O final dos substantivos -GEM: a coragem. análise. sebo. Jeremias. ansiar. na grande maioria se o vocábulo for erudito ou de aplicação científica. a ferrugem. descansar. cafajeste. avisar (aviso). em palavras que indiquem origem. pretensioso. Neusa.exceções): alfanje. . Grafam-se com S: alisamento. descanso. excursão. etc. refúgio.escaNSão. b) O sufixo -ÊS e as formas femininas terminadas em –ESA ou –ISA. d) Os finais -ASE. hortênsia. f) O sufixo -ISAR dos verbos referentes a substantivos cujo radical termina em S: pesquisar (pesquisa). analisar (análise). prodígio. lasanha. relógio. utensílio. privilégio. b) Os finais: -ÁGIO. manjedoura. mugir. etc. leitoso. Distinção Entre S e Z 1. pedrês. ânsia. sacerdote – sacerdotisa. e) As palavras nas quais o S aparece depois de ditongos: coisa. cerejeira. exegese. -ESE. etc. diversão. varejista. intrujice. remorso. ganso. ansioso. rijeza. pretensão. a vertigem. a viagem. g) Quando for possível a correlação ND . majestade. repreeNDer . análise. ojeriza. fingir. não haverá dúvida: hipótese. alforje. sabujice. lajem. jeca. siso. 2. etc. marquês – marquesa. ultraje. pesquisa. -ÉGIO. etc. camponês – camponesa. tenso. traje. -ISE e E -OSE. manjericão.

etc. oxalá. . expiar (remir. almaço. etc. enxotar. etc. mexerico. realizar. chapeuzinho. excelso. charrua. enxame. tachada. vazão. SS. cimento. coaxar. chuchu. -ZINHO e -ZITO: cafezal. organizar. recauchutagem. aprazível. vizinho. charque. rixa. inexcedível. xaxim. amizade. c) Os derivados em -ZAL. texto. vazar. b) Os sufixos -EZ e -EZA formadores de substantivos abstratos derivados de adjetivos: limpidez (limpo). etc. mecha. México. feixe. graxa. faxina. mochila. nos verbos e nas palavras que têm o mesmo radical: civilizar. pobreza (pobre). etc. Ç e C Grafam-se com C ou Ç: acetinado. excitar. censura. Escrevem-se com X: a) Os vocábulos em que o X é o precedido de ditongo: faixa. 2. chávena. mexerica. civilização. cochilar. Não serão consideradas exceções as palavras que tiverem CH na sua origem: cheio – encher. prezado. realização. baliza. azeite. Exceção: caucho. azedo. mexer. êxtase. etc. vazamento. chumaço – enchumaçado. realizado. xadrez. experiente. Grafam-se com X: exceção. etc. xingar. Exceção: enchovas. ficha. enchente. extrair. Distinção Entre X e CH 1. Escrevem-se em Z: a) O sufixo -IZAR. cicatriz. xale. etc. Grafam-se com CH: bucha. vexame. c) Palavras iniciadas po EN: enxada. buzina. xadrez. xarope. Distinção Entre S. cochilo. chafariz. cinzeiro. contorção. fênix. puxar. proeza. excessivo. excelente. salsicha. mexilhão. pechincha. pagar). excêntrico. azáfama. chimarrão. rigidez (rijo). praxe. mexer. lixa. organização. expoente. organizado. b) Palavras iniciadas por ME: mexerico. de origem grega. xampu. expectativa. lixo. anoitecer. cãozito. têxtil. expirar (morrer). Exceção: mecha (de cabelo). açafrão. extasiado. lagartixa. dança. caixote. bruxa. -ZEIRO. charco. civilizado. xícara. exceder. prazer.2. Grafam-se com Z: azar. bazar. flecha. ojeriza. bexiga.

sucessivo. miçanga. lajiano. disciplina. pêssego. Cabriúva. pança. cadeeiro. acessório. moleque. Ifigênia. seiscentos. obsessão. crioulo. ascensão. orquídea. descer. carrossel. víscera. procissão. mexerico. banto. fascinar. maçaroca. desperdiçar. moela. cumeeira. maço. displicência. desça. massagista. essencial. massa. cimento. discussão. burburinho. ocorrência. etc. muçarela. Casimiro. suscetibilidade. encarnar. bolacha. magoar. empecilho. lampião. néscio. criador. camoniano. Grafam-se com O: abolir. etc. seriema. óbolo. lacrimogêneo. buliçoso. pinça. rebotalho. consciência. etc. senão. maciço. artimanha. quase. asseio. frontispício. artifício. discernir. Turiaçu. mágoa. quepe. feminino. incinerar. acessível. erisipela. imprescindível. expressão. inclinar. submissão. Grafam-se com U: bulício. vicissitude. cassino. engolir. requisito. fracasso. escassez. romeno. silvícola.endereço. escasso. chefiar. indígena. muçulmano. muçurana. cresço. boletim. piscina. Grafam-se com I: aborígine. fascinante. cobiça. criação. penicilina. mimeógrafo. Grafam-se com E: arrepiar. impressão. sossegar. maçarico. profissional. suscitar. digladiar. nódoa. concorrência. Iguaçu. ressurreição. açoriano. etc. Romênia. bulir. crescer. chover. pátio. criar. camundongo. seringa. cumbuca. mocambo. etc. paçoca. irrequieto. ressuscitar. cadeado. etc. cresça. boate. umedecer. tribo. cobiçar. encarnação. Suíça. invólucro. sequer. disenteria. consciente. assar. inclinação. fogaça. goela. suscetível. necessário. destilar. florescer. bússola. inigualável. profissão. névoa. escárnio. desperdício. . cemitério. chuvisco. Grafam-se com SS: acesso. mosquito. privilégio. confete. chuviscar. concessão. costume. oscilar. creolina. adolescente. discípulo. crânio. botequim. assinar. opressão. sessenta. Grafam-se com SC ou SÇ: acréscimo. displicente. missão.

futebol. xampu. Não quero que você perca tempo tentando se lembrar de teorias confusas. Paiçandu. . mutuca. rímel. cutucar. mas sim usando macetes práticos. estresse. Tabuão da Serra. Conforme eu mencionei anteriormente. Guaianases. trégua. jabuticaba. tábua. Piaçagüera. estêncil.Usa-se POR QUE sempre que puder ser trocado por ―pelo qual‖. Daí eu pergunto ao meu caro estudante: o que cai em uma prova? A ortografia oficial. aquela que está nos livros de gramática. laicra. Manuel. terei como fonte de referência o que o gramático e professor pela Universidade de São Paulo (USP). entupir. páginas 41 e 256). surfe. Você estará fazendo uma correlação visual: este POR QUE é constituído por duas palavras separadas e sem acento. edição. a que está na boca do povo e muitas vezes veiculada pela mídia? É ou não é para ser muito cauteloso na hora de sua prova? Uso dos PORQUÊS Este é um assunto que costumo não tratar teoricamente. Piraçununga. etc. uísque. frízer. Cutia. curtume. turfe. Infelizmente algumas delas ainda sofrem certa resistência por parte de pessoas que insistem em continuar falando e escrevendo errado. picape. mas que resolva a questão da prova de maneira rápida e eficiente. Luiz Antonio Sacconi. bêicon. ringue. citando algumas: muçarela. Pirajuçara. iate. robife. lóbulo. retrata em seu livro Não Erre Mais (13ª. rebuliço. jabuti. tabuada. Susano. Para mostrar e provar ao leitor que nada do que virá é invenção minha. língua. 1 . entre tantas outras. ou a oficiosa. pufe. Veja as frases: Vá pelo caminho POR QUE te ensinei. já existem alguns aportuguesamentos de palavras estrangeiras. nocaute. urtiga. então será trocado por outras duas palavras separadas e sem acento. tíquete.cúpula. xortes. Juá.

4 .POR QUÊ (separado e com acento) é empregado em um ÚNICO caso: em final de frase ou quando a expressão estiver isolada: Você não veio ontem. Escolheu um mau momento. POR QUÊ? ONDE x AONDE Emprega-se AONDE com os verbos que dão idéia de movimento. pois ambas têm valor de substantivo. é usado como resposta ao POR QUE. Quero que você me dê um PORQUÊ de seu atraso.Vá pelo caminho PELO QUAL te ensinei. Onde estão os livros? (Em que lugar estão os livros?) Não sei onde te encontrar (Não sei em que lugar te encontrar. 2 – Usa-se PORQUE em substituição a POIS. Você estará substituindo uma única palavra toda junta e sem acento por outra palavra toda junta e sem acento. Ela não veio POIS não quis. Quero que você me dê uma RAZÃO de seu atraso. Há uma variável para este macete.). Veja: Ela não veio PORQUE não quis. Aonde você vai? (Para que lugar você vai?) Aonde nos leva com tal rapidez? (Para que lugar nos leva com tanta rapidez?) Com os verbos que não dão idéia de movimento emprega-se ONDE e equivale a EM QUE LUGAR. que é acrescentar a palavra MOTIVO logo após POR QUAL: POR QUE ela não veio? POR QUAL MOTIVO ela não veio? Quero saber POR QUE ela não veio. 3 – Usa-se PORQUÊ (junto e com acento) sempre quando puder ser substituído pela palavra RAZÃO (palavra toda junta e com acento). MAU x MAL MAU (antônimo de bom). Era um mau aluno. Venha POIS precisamos de você. MAL (antônimo de bem) . Quero saber POR QUAL MOTIVO ela não veio. Venha PORQUE precisamos de você. Equivale sempre a PARA QUE LUGAR.

Estou passando mal. Mal chegou e foi dando as ordens. SESSÃO x SEÇÃO x CESSÃO SESSÃO é o intervalo de tempo que dura uma reunião. Assistimos a uma sessão de cinema. Reuniram-se em sessão extraordinária. SEÇÃO significa parte de um todo, subdivisão. Lemos a noticia na seção (ou secção) de esportes. Compramos os presentes na seção (ou secção) de brinquedos. CESSÃO significa o ato de ceder. Ele fez a cessão dos seus direitos autorais. A cessão do terreno para a construção do estádio agradou a todos os torcedores. HÁ x A Na indicação de tempo passado emprega-se HÁ (equivale a FAZ). Há dois meses que ele não aparece. Ele chegou da Europa há um ano. A para indicar tempo futuro. Daqui a dois meses ele aparecerá. Ela voltará daqui a um ano. À TOA x À-TOA Á TOA é advérbio de modo: Ontem eu fiquei à toa em casa. À-TOA é adjetivo: Deixa de ser um à-toa e vai trabalhar. AFIM DE x A FIM DE AFIM DE significa ter afinidade: Sogra é afim do genro. A FIM DE significa ter uma finalidade, um objetivo: Eu estudo a fim de que possa ser aprovado. FORMAS VARIANTES Existem palavras com duas grafias. Nesse caso, qualquer uma delas é considerada correta. Eis alguns exemplos: aluguel ou aluguer, hem ou hein? , aritmética ou arimética , geringonça ou gerigonça, alpartaca, alpercata ou alpargata ,imundície ou imundícia, amídala ou amígdala, infarto ou enfarte, assobiar ou assoviar, laje ou lajem, espuma ou escuma, leste ou este, assobio ou assovio, lantejoula ou lentejoula, azaléa ou azaléia, nenê ou nenen, bêbado ou bêbedo, nhambu, inhambu ou nambu, bílis ou bile, quatorze ou catorze, cãibra ou câimbra, surripiar ou surrupiar, carroçaria ou carroceria, taramela ou tramela, chimpanzé ou chipanzé, relampejar, relampear, relampaguear ou relampar, rasto ou rastro, degelar ou desgelar, debulhar ou desbulhar, porcentagem ou percentagem, fleugma ou fleuma, entonação

ou entoação, toicinho ou toucinho, cotizar ou quotizar, líquido ou líqüido, xérox ou xérox, cociente ou quociente, cota ou quota, cotidiano ou quotidiano, maquiagem ou maquilagem, samambaia ou sambambaia, impigem ou impingem, imundice ou imundície, rastro ou rasto. 4 - ACENTUAÇÃO GRÁFICA Regras gerais 1) Acentuam-se as oxítonas terminadas em A, E, O, EM, ENS. Ex.: cajá, você, vovô, alguém, vinténs. 2) Acentuam-se as paroxítonas terminadas em L, N, R, X, I, U, UM, UNS, PS, Ã, OM, ONS, DITONGOS (todos os tipos). Ex.: hífen, clímax, álbum, órfã, rádom, colégio. 3) Acentuam-se todas as proparoxítonas. Ex.: lâmpada. 4) Acentuam-se os monossílabos tônicos terminados em A, E, O. Ex.: pá, pé, pó. Obs.: Nas formas verbais com pronome enclítico ou mesoclítico, não se leva em conta o pronome átono, considerando-se o tema e as terminações como palavras autônomas. Ex.:vendê-lo (vendê é oxítono). pô-lo (pô é monossílabo tônico). parti-la (parti é oxítono, mas termina em i). escrevê-la-ás (a terminação ás é um monossílabo tônico). Obs.: A letra S, unida a uma vogal, não altera a acentuação da palavra. Ex.: você - vocês; bônus (é a letra U que pede acento). Casos especiais 1) Acentuam-se os ditongos abertos ÉI, ÉU, ÓI. Ex.: idéia, troféu, herói, tetéias, chapéus, constróis. 2) Acentua-se a primeira vogal do grupo 00, quando tônica. Ex.: vôo, perdôo. 3) Acentua-se a primeira vogal do grupo EE, quando tônica, dos verbos VER, LER, CRER e DAR, bem como de seus derivados. Ex.: crêem, vêem, Lêem, dêem, relêem, descrêem. 4) Acentuam-se as letras I e U, tônicas, quando são a segunda vogal de um hiato, estando sozinhas ou formando sílaba com S. Ex.: saída, faísca, graúdo, balaústre.

Mas: cairmos, Raul, ainda, juiz. Observações. a) Mesmo sozinha na sílaba, a letra I não será acentuada quando seguida de NH. Ex.: moinho. b) Se for vogal repetida (II ou UU), não haverá acento. Ex.: vadiice. 5) Leva acento circunflexo a terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR e seus derivados. O singular segue as regras gerais. Ex.: eles têm, eles vêm, eles detêm, eles convém. Mas: ele vem, ele convém, ele tem, ele detém. 6) Usa-se o trema (¨) na letra U dos grupos GUE, GUI, QUE e QUI, quando é pronunciada e átona. Ex.: agüentar, pingüim, seqüência, tranqüilo. Obs.: Usar-se-á acento agudo quando a letra U for pronunciada e tônica, também apenas antes de E e I. Ex.: Averigúe, apazigúe, obliqúe, argúi. 7) Levam acento diferencial de intensidade (para diferençá-las das preposições, que são átonas) as seguintes palavras: pêlo, pêlos(s,); pélo, pélas, péla(verbo); péla, pélas(s.); pôr(verbo); pára(verbo); pêra(s.); péra(s.); pólo, pólos(s.); côa, côas(verbo e s.) pôlo, pôlos(s.). Obs.: A única palavra em português que possui acento diferencial de timbre é PÔDE, pretérito perfeito de PODER. Prosódia É a parte da gramática que estuda a correta pronúncia dos vocábulos, levando em conta sua sílaba tônica. Ex.: ínterim, e não interim Há palavras de pronúncia duvidosa, muitas vezes por se tratar de vocábulos pouco usados. Você precisa aprender a lista seguinte. São oxítonas: ureter novel Nobel recém refém ruim condor hangar mister obus São paroxítonas: avaro aziago algaravia arcediago azimute barbaria batavo caracteres látex índex

boêmia. ambrósia etc.: Alguns autores incluem nessa lista palavras paroxítonas terminadas em ditongo crescente (barbárie. verbos. paronímia. não se usa a . estratégia. podemos afirmar que: 1) Na ordem direta (sujeito.dúplex ônix decano erudito estalido filantropo misantropo fluido (s. homonímia. complementos ou adjuntos).PONTUAÇÃO E mprego da vírgula A vírgula corresponde a uma breve pausa.).) fortuito gratuito ibero celtibero maquinaria necropsia nenúfar Normandia Lombardia opimo pegada pudico quiromancia rubrica São proparoxítonas: aeródromo aerólito ágape álcali alcíone álibi amálgama anátema éolo crisântemo cáfila bólido bímano quadrúmano bávaro azêmola azáfama arquétipo protótipo aríete ômega monólito lêvedo ínterim ímprobo zénite réquiem plêiade périplo páramo álacre biótipo Obs. Palavras com dupla prosódia: acrobata ou acróbata Oceania ou Oceânia alopata ou alópata ortoepia ou ortoépia anidrido ou anídrido projétil ou projetil autópsia ou autopsia réptil ou reptil hieroglifo ou hieróglifo sóror ou soror nefelibata ou nefelíbata zangão ou zângão xérox ou Xerox. De um modo geral. sinonímia. 8 .

3) Na ordem direta. aluno da primeira série. Ex. sincera. Ex.deslocado) 6) Para separar termos de mesmo valor usados numa coordenação. subiu numa árvore. haverá vírgulas quando uma expressão de valor explicativo ou adverbial ficar intercalada. 2) Na ordem inversa. aluna exemplar. e Paulo escreveu a carta. exceto as começadas por E. mas não ficou satisfeito.: Ela era alta. fez a redação no colégio. crianças. normalmente se usa vírgula.: Vindo depois da principal. Ex. 7) Para separar orações começadas por E. porque se machucou. Chorou muito porque se machucou.: No colégio. fomos ao cinema (adj. 3) Para separar as orações coordenadas. Ex. Ex. 8) Para intercalar qualquer termo. está dispensado. normalmente de valor explicativo ou adverbial. Ex. haveria erro. Ex.: Aqui está.: Aquela menina fez a redação no colégio. Assim. Ex. a vírgula torna-se facultativa.adv. Ex. Ex.: Pintou a casa de branco. 2) Para separar o vocativo. 4) Para separar as orações subordinadas adverbiais deslocadas. Principais situações de uso da vírgula 1) Para separar um aposto. aquela menina fez a redação. separando o sujeito do verbo ou este de seus complementos.: Antônio leu o livro. 5) Para separar termos deslocados no período e que se pronunciam com pausa. o que prometi. com apenas uma vírgula.: Teu irmão.vírgula. Mas: Antônio leu o livro e escreveu a carta. Ex. bonita. quando têm sujeito diferente da primeira. .: Para que o notassem. simpática.: Depois do almoço. Obs. Note bem: A expressão fica entre vírgulas.: Chorou muito.: Aquela menina. não se separa o verbo de seu sujeito ou de seus complementos por meio de vírgula.

estava. (errado) Essa menina é bastante levada. 28 de junho de 1986. Espero que. saiu cedo. 12) Para separar orações subordinadas adjetivas explicativas. disseram eles. Ex. cansado. 10) Para indicar supressão de verbo. Ex. (certo) 4) As orações substantivas de sua principal.: Mário trabalha muito. falará hoje. 2) Para separar os itens de uma enumeração. eu. Ex. (errado) Pedro saiu cedo.: Havia muitas pessoas à minha espera. Ex. contudo preferi ficar no escritório. Ex. b) trazer identidade. refrigerantes. refrescos. (irá) 11) Para separar conjunções adversativas e conclusivas deslocadas. 3) Para separar as orações adversativas ou conclusivas. (errado) Tinha medo de tudo.: Tinha medo.: Estudou a tarde toda. precisamos sair. pastéis. sanduíches.: Falou pouco. (certo) Emprego do ponto-e-vírgula 1) Para separar dois grupos distintos de coordenação. pratos e copos. (errado) Ele sabia que ia conseguir. (certo) 3) O verbo de seu predicativo. preparado. Ex. estava.: Ele sabia. 4) Para separar orações coordenadas quando a conjunção está deslocada. (certo) 2) O nome de seu complemento ou adjunto. não façam bobagens. quando se quer alongar a pausa. Ex. 5) Para separar os considerandos de uma .Ex. que ia conseguir. Carla. demais.: O candidato precisa fazer três coisas: a) chegar com antecedência de uma hora. Ex. Observação Não se usa vírgula para separar: 1) O verbo de seu sujeito ou objeto. Ex. c) trazer o material adequado para a prova. ao teatro.: Pedro. ou melhor.: Paulo. Ex. Ex. enquanto estejam ali. que estuda ali.: Essa menina é. Agora. bastante levada. Ex. 9) Nas datações.: Ele trouxe coxinhas.: Rio de Janeiro. de tudo. portanto.: Lúcia irá ao cinema. porém.

3) Para introduzir um aposto ou oração apositiva..: Nesse caso. distância. apart. estrangeirismo.: Usa-se o ponto nas abreviaturas.: Algum sábio já afirmou: ―Agir na paixão é embarcar durante a tempestade..‖ Emprego de reticências Normalmente.: Estava pensando. porém. peso etc.. 4) Antes de um exemplo. Considerando que. Ex. O professor disse que o aluno cometera um ―lingüicídio. . min (minuto ou minutos). Emprego de dois-pontos 1) Antes de uma citação.Bem. Ex. h (hora ou horas). Emprego de aspas 1) No começo e no fim de uma citação ou transcrição.. Ex.: Vamos a ―Petrópolis‖. naquelas que são símbolos técnicos de tempo. Decreta que. estarei lá..: Aqui nós encontramos: material de escritório.: Encontramos belas flores na cesta.. Ex.: Sr.lei ou decreto. g (grama ou gramas).: Só queria algo: seu afeto.: Ex.: Nota: Obs.‖ 2) Antes de uma enumeração.. Ex. Mas: m (metro ou metros). observação. Emprego do ponto Serve para marcar o fim de um período. nota. neologismo.. Desejava uma coisa: que o compreendessem. Ex. . Ex.‖ 3) Para reproduzir um erro gramatical.: 5) Antes de um esclarecimento. não importa. nunca.. Obs. Ex. Ex. Ex..: Considerando que.. Ex.‖ 2) Para indicar gíria. usam-se reticências para indicar a interrupção de uma idéia. pág. rádios etc..: Disse o filósofo: ―Só sei que nada sei. o uso de dois-pontos não é obrigatório. Obs.: ―Não foi a razão que motivou esta ternura: foi a amizade. Ex. dr. roupas.: Se ―pintar‖ uma oportunidade. Estavam no ―hall‖ do hotel.

Niterói. ESTRUTURA DAS PALAVRAS Estudar a estrutura é conhecer os elementos formadores das palavras. Ex. Vamos analisar a palavra "cachorrinhas": . a que damos o nome de elementos mórficos ou morfemas. Ex. nas interrogações diretas. meu filho! Puxa! Como você é irônico! Emprego do ponto de interrogação Serve para marcar as frases interrogativas.: Não faça isso. serve para marcar frases exclamativas.: Quem disse isso? (interrogação direta) Mas: Ignoro quem disse isso.: Perdeu os documentos na ponte Rio . 3) Para ligar palavras que formam uma cadeia na frase. Ex. servem para acrescentar frases. intercalados no período. Ex. expressões de valor acessório. 2) Para destacar nos diálogos mudança de interlocutor. compreendemos melhor o significado de cada uma delas. Ex. Assim.: ―Uma palavra — liberdade — te converte em escravo. Emprego de parênteses Via de regra. pois. Ex. orações.Pelo que se observa. (interrogação indireta) Emprego do travessão 1) Para destacar uma palavra ou frase. Observe os exemplos abaixo: art-ista brinc-a-mos cha-l-eira cachorr-inh-a-s A análise destes exemplos mostra-nos que as palavras podem ser divididas em unidades menores. sem ponto e sem o S do plural.: — Posso falar-te agora? — Aguarde só um momento. ficam. tais símbolos são escritos sempre com letras minúsculas.: Chegaram-se a nós algumas pessoas (será que podemos chamá-las assim?) que nos deixaram bastante confusos. Emprego do ponto de exclamação De um modo geral.

etc. ou seja. São eles: cachorr . Observe o exemplo: Raiz noc [Latim nocere = prejudicar] tem a significação geral de causar dano. Veja o exemplo: at-o at-or at-ivo aç-ão ac-ionar Radical Observe o seguinte grupo de palavras: livro . desinência. tema: elementos básicos e significativos 2) Afixos (prefixos. inh . comum às palavras da mesma família etimológica. Raiz É o elemento originário e irredutível em que se concentra a significação das palavras.: existem palavras que não comportam divisão em unidades menores. etc.este é o elemento base da palavra.indica que a palavra é feminina s .Nessa palavra observamos facilmente a existência de quatro elementos. inocente. pela origem comum. as palavras nocivo. aquele que contém o significado. inócuo. nocividade. consoante de ligação: elementos de ligação ou eufônicos. tais como: mar.: uma raiz pode sofrer alterações. consideradas do ângulo histórico. vogal temática: elementos modificadores da significação dos primeiros 3) Vogal de ligação. sol. lua. São elementos mórficos: 1) Raiz.indica que a palavra se encontra no plural Morfemas: unidades mínimas de caráter significativo. Obs. É a raiz que encerra o sentido geral.indica que a palavra é um diminutivo a . sufixos). Obs. e a ela se prendem. inocentar. radical.

como acontece com "a-". Radical: elemento básico e significativo das palavras. os afixos são chamados de sufixos. surgem depois do radical. Sabemos que o acréscimo do morfema "-mente". consideradas sob o aspecto gramatical e prático.e -ar são morfemas capazes de operar mudança de classe gramatical na palavra a que são anexados. É encontrado através do despojo dos elementos secundários (quando houver) da palavra. o acréscimo dos morfemas "a-" e "-ar" à forma "cert-" cria o verbo acertar. Por Exemplo: cert-o cert-eza in-cert-eza Afixos Afixos são elementos secundários (geralmente sem vida autônoma) que se agregam a um radical ou tema para formar palavras derivadas. os afixos recebem o nome de prefixos. Observe que a.livrlivrlivr- inho eiro eco Você reparou que há um elemento comum nesse grupo? Você reparou que o elemento livr serve de base para o significado? Esse elemento é chamado de radical (ou semantema). De maneira semelhante. Quando são colocados antes do radical. Quando. Veja os exemplos: Prefixo in em inter Radical at pobr nacion Sufixo ivo ecer al Desinências Desinências são os elementos terminais indicativos das flexões das palavras. advérbio de modo. Existem dois tipos: Desinências Nominais: indicam as flexões de gênero (masculino e feminino) e de número (singular e plural) dos nomes. como "-ar". cria uma nova palavra a partir de "certo": certamente. Exemplos: alun-o aluno-s alun-a aluna-s . por exemplo.

na 1ª conjugação. preparando-o para receber as desinências. Exemplos: compr-o compra-va compra-s compra-va-s compra-mos compra-is compra-m A desinência "-o". não temos desinência nominal de gênero. pois indica que o verbo está na primeira pessoa do singular. I Caracteriza os verbos da 3ª conjugação. é uma desinência número-pessoal. Exemplos: romper. como nos exemplos acima. é desinência modo-temporal: caracteriza uma forma verbal do pretérito imperfeito do indicativo. rompemos.Observação: só podemos falar em desinências nominais de gêneros e de números em palavras que admitem tais flexões. etc. "-va". Exemplos: proibir. tribo. ônibus não temos desinência nominal de número. Nos verbos citados acima. E Caracteriza os verbos da 2ª conjugação. Desinências Verbais: indicam as flexões de número e pessoa e de modo e tempo dos verbos. os temas são: . proibirá. lápis. Em palavras como mesa. presente em "am-o". Vogal Temática Vogal Temática é a vogal que se junta ao radical. Exemplos: buscar. distinguem-se três vogais temáticas: A Caracteriza os verbos da 1ª conjugação. Tema Tema é o grupo formado pelo radical mais vogal temática. Nos verbos. etc. telefonema. buscavas. de "ama-va". etc. Já em pires. por exemplo.

marujo enterrar.reler capaz. pau-l-ada. para facilitar ou mesmo possibilitar a pronúncia de uma determinada palavra. Derivação Derivação é o processo pelo qual se obtém uma palavra nova. que tem o seu significado alterado. a partir de outra já existente. Formação das Palavras Existem dois processos básicos pelos quais se formam as palavras: a derivação e a composição. rompe-. no processo de derivação. proibiVogais e Consoantes de Ligação As vogais e consoantes de ligação são morfemas que surgem por motivos eufônicos. pobr-e-tão.busca-. chamada primitiva. Logo.incapaz Derivação Sufixal ou Sufixação . Observe o quadro abaixo: Primitiva mar terra Derivada marítimo. derivadas. mas.descrer ler. mar e terra são palavras primitivas. Tipos de Derivação Derivação Prefixal ou Prefixação Resulta do acréscimo de prefixo à palavra primitiva. vogal de ligação=i) Outros exemplos: gas-ô-metro. cafe-t-eira. e as demais. ao contrário. pe-z-inho. tecn-o-cracia. Veja os exemplos: crer. enquanto no processo de composição sempre haverá mais de um radical. inseti-cida. possibilitam a formação de outras. partimos sempre de um único radical. Exemplo: parisiense (paris= radical. ense=sufixo. terreiro. alv-i-negro. por meio do acréscimo de um sufixo ou prefixo. etc. aterrar Observamos que "mar" e "terra" não se formam de nenhuma outra palavra. chamada derivada. ou seja. cha-l-eira. A diferença entre ambos consiste basicamente em que. marinheiro.

Por Exemplo: feliz . Do radical "trist-" formamos o verbo entristecer através da junção simultânea do prefixo "en-" e do sufixo "-ecer". já é derivado do substantivo alfabeto pelo acréscimo do sufixo izar. Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e adjetivos) e verbos. A presença de apenas um desses afixos não é suficiente para formar uma nova palavra. Exemplos: Palavra Prefixo Radical Sufixo Inicial mudo alma e des mud alm ecer Palavra Formada emudecer ado desalmado . formando verbos.felizmente Derivação Parassintética ou Parassíntese Ocorre quando a palavra derivada resulta do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva. formando advérbios de modo.atualizar c) Adverbial. Este. Por Exemplo: atual . que pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe gramatical. Por Exemplo: alfabetização No exemplo acima. Por Exemplo: papel .papelaria riso . pois em nossa língua não existem as palavras "entriste". Considere o adjetivo " triste". nem "tristecer". formando substantivos e adjetivos.Resulta de acréscimo de sufixo à palavra primitiva. o sufixo -ção transforma em substantivo o verbo alfabetizar. A derivação sufixal pode ser: a) Nominal. por sua vez.risonho b) Verbal.

Nessas palavras. pelo acréscimo concomitante de prefixo e sufixo. pois tais palavras não existem.Atenção! Não devemos confundir derivação parassintética. Neste caso. porém. recebem o nome de substantivos deverbais.Se o nome denota algum objeto ou substância. Por isso. mas por redução. Logo. são palavras derivadas. em que o acréscimo de sufixo e de prefixo é obrigatoriamente simultâneo. será palavra derivada. Derivação Regressiva Ocorre derivação regressiva quando uma palavra é formada não por acréscimo. podemos seguir a seguinte orientação: . verifica-se o contrário. formam-se basicamente substantivos a partir de verbos.Se o substantivo denota ação. que é um objeto. Note que na linguagem popular. Exemplos: comprar (verbo) compra (substantivo) Saiba que: Para descobrirmos se um substantivo deriva de um verbo ou se ocorre o contrário. O mesmo não ocorre. . com a palavra âncora. e o verbo palavra primitiva. É impossível fazer o mesmo com palavras formadas por parassíntese: não se pode dizer que expropriar provém de "propriar" ou de "expróprio". um substantivo primitivo que dá origem ao verbo ancorar. Veja: beijar (verbo) beijo (substantivo) . são frequentes os exemplos de palavras formadas por derivação regressiva. com casos como os das palavras desvalorização e desigualdade. Vamos observar os exemplos acima: compra e beijo indicam ações. Por derivação regressiva. que por sua vez provém de valor. que provém de valorizar. expropriar provém diretamente de próprio. os afixos são acoplados em sequência: desvalorização provém de desvalorizar. logo.

: o processo normal é criar um verbo a partir de um substantivo. 2) Os particípios passam a substantivos ou adjetivos Por Exemplo: Aquele garoto alcançou um feito passando no concurso. sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma. O menino prodígio resolveu o problema. Derivação Imprópria A derivação imprópria ocorre quando determinada palavra. muda de classe gramatical. 6) Palavras invariáveis passam a substantivos Por Exemplo: . 3) Os infinitivos passam a substantivos Por Exemplo: O andar de Roberta era fascinante. 5) Os adjetivos passam a advérbios Por Exemplo: Falei baixo para que ninguém escutasse. a língua procede em sentido inverso: forma o substantivo a partir do verbo. Neste processo: 1) Os adjetivos passam a substantivos Por Exemplo: Os bons serão contemplados. 4) Os substantivos passam a adjetivos Por Exemplo: O funcionário fantasma foi despedido. Na derivação regressiva. O badalar dos sinos soou na cidadezinha.o portuga (de português) o boteco (de botequim) o comuna (de comunista) Ou ainda: agito (de agitar) amasso (de amassar) chego (de chegar) Obs.

quinta-feira.: ao aglutinarem-se. o do último componente. entendemos o motivo pelo qual é denominada "imprópria". Por essa razão. uma forma reduzida. o que acaba caracterizando um processo semântico. Observe: . Exemplos: embora (em boa hora) fidalgo (filho de algo . ocorre supressão de um ou mais de seus elementos fonéticos. a derivação imprópria lida basicamente com seu significado. ao lado de sua forma plena.Não entendo o porquê disso tudo. 7) Substantivos próprios tornam-se comuns. couve-flor Obs. No entanto. a partir da junção de dois ou mais radicais. Redução Algumas palavras apresentam. Composição por Aglutinação Ao unirmos dois ou mais vocábulos ou radicais. não ocorre alteração fonética. os componentes subordinam-se a um só acento tônico. Por Exemplo: Aquele coordenador é um caxias! (chefe severo e exigente) Observação: os processos de derivação vistos anteriormente fazem parte da Morfologia porque implicam alterações na forma das palavras. girassol.referindo-se à família nobre) hidrelétrico (hidro + elétrico) planalto (plano alto) Obs. Existem dois tipos: Composição por Justaposição Ao juntarmos duas ou mais palavras ou radicais.: em "girassol" houve uma alteração na grafia (acréscimo de um "s") justamente para manter inalterada a sonoridade da palavra. Composição Composição é o processo que forma palavras compostas. Exemplos: passatempo.

auto - por automóvel cine - por cinema micro - por microcomputador Zé - por José Como exemplo de redução ou simplificação de palavras, podem ser citadas também as siglas, muito frequentes na comunicação atual. (Se desejar, veja mais sobre siglas na seção "Extras" -> Abreviaturas e Siglas) Hibridismo Ocorre hibridismo na palavra em cuja formação entram elementos de línguas diferentes. Por Exemplo: auto (grego) + móvel (latim) Onomatopeia Numerosas palavras devem sua origem a uma tendência constante da fala humana para imitar as vozes e os ruídos da natureza. As onomatopeias são vocábulos que reproduzem aproximadamente os sons e as vozes dos seres. Exemplos: miau, zum-zum, piar, tinir, urrar, chocalhar, cocoricar, etc. Prefixos Os prefixos são morfemas que se colocam antes dos radicais basicamente a fim de modificar-lhes o sentido; raramente esses morfemas produzem mudança de classe gramatical. Os prefixos ocorrentes em palavras portuguesas se originam do latim e do grego, línguas em que funcionavam como preposições ou advérbios, logo, como vocábulos autônomos. Alguns prefixos foram pouco ou nada produtivos em português. Outros, por sua vez, tiveram grande utilidade na formação de novas palavras. Veja os exemplos: a- , contra- , des- , em- (ou en-) , es- , entre- re- , sub- , super- , antiPrefixos de Origem Grega a-, an-: Afastamento, privação, negação, insuficiência, carência. Exemplos: anônimo, amoral, ateu, afônico ana- : Inversão, mudança, repetição. Exemplos: analogia, análise, anagrama, anacrônico

anfi- : Em redor, em torno, de um e outro lado, duplicidade. Exemplos: anfiteatro, anfíbio, anfibologia anti- : Oposição, ação contrária. Exemplos: antídoto, antipatia, antagonista, antítese apo- : Afastamento, separação. Exemplos: apoteose, apóstolo, apocalipse, apologia arqui-, arce- : Superioridade hierárquica, primazia, excesso. Exemplos: arquiduque,arquétipo, arcebispo, arquimilionário cata- : Movimento de cima para baixo. Exemplos: cataplasma, catálogo, catarata di-: Duplicidade. Exemplos: dissílabo, ditongo, dilema dia- : Movimento através de, afastamento. Exemplos: diálogo, diagonal, diafragma, diagrama dis- : Dificuldade, privação. Exemplos : dispneia, disenteria, dispepsia, disfasia ec-, ex-, exo-, ecto- : Movimento para fora. Exemplos: eclipse, êxodo, ectoderma, exorcismo en-, em-, e-: Posição interior, movimento para dentro. Exemplos: encéfalo, embrião, elipse, entusiasmo endo- : Movimento para dentro. Exemplos: endovenoso, endocarpo, endosmose epi- : Posição superior, movimento para. Exemplos: epiderme, epílogo, epidemia, epitáfio eu- : Excelência, perfeição, bondade. Exemplos:

eufemismo, euforia, eucaristia, eufonia hemi- : Metade, meio. Exemplos: hemisfério, hemistíquio, hemiplégico hiper- : Posição superior, excesso. Exemplos: hipertensão, hipérbole, hipertrofia hipo- : Posição inferior, escassez. Exemplos: hipocrisia, hipótese, hipodérmico meta- : Mudança, sucessão. Exemplos: metamorfose, metáfora, metacarpo para- : Proximidade, semelhança, intensidade. Exemplos: paralelo, parasita, paradoxo, paradigma peri- : Movimento ou posição em torno de. Exemplos: periferia, peripécia, período, periscópio pro- : Posição em frente, anterioridade. Exemplos: prólogo, prognóstico, profeta, programa pros- : Adjunção, em adição a. Exemplos: prosélito, prosódia proto- : Início, começo, anterioridade. Exemplos: proto-história, protótipo, protomártir poli- : Multiplicidade. Exemplos: polissílabo, polissíndeto, politeísmo sin-, sim- : Simultaneidade, companhia. Exemplos: síntese, sinfonia, simpatia, sinopse tele- : Distância, afastamento. Exemplos: televisão, telepatia, telégrafo Prefixos de Origem Latina

negação. ad. antever ambi.: Movimento para fora.: Posição aquém. Exemplos: cisalpino. discórdia. contrapor.: Oposição. ambiguidade. abuso. discussão e-. cooperativa. Exemplos: excêntrico. separação. di(s). procedência. anteontem. excelência de fato ou ação. ex. cisandino co-.: Movimento em torno. bem.: Negação. ab-. expelir . Exemplos: desventura. antessala. Exemplos: antebraço. abstinência.: Aproximação. contradizer de.advogado. Exemplos: benefício. circulação cis. condutor contra. ação contrária. Exemplos: contrapeso. Exemplos: circunferência. Exemplos: ambidestro. ambivalente ben(e)-.: Companhia. Exemplos: aversão. bi-: Repetição. exportação. com.: Movimento de cima para baixo. Exemplos: decapitar. Exemplos: bisneto.: Bem. abstração a-. separação.: Afastamento. biscoito circu(m) . separação. movimento para junto. Exemplos: colégio. bisavô. ambiente. cisplatino. evasão. Exemplos: adjunto. con-. bimestral. duas vezes. decair.: Anterioridade. bendito bis-.: Duplicidade. circunscrito.a-. aposto ante. advir. abs. concomitância. es-. depor de(s)-.

in. Exemplos: justapor. Exemplos: progresso. Exemplos: imergir. entre.: Posterioridade.: Movimento para dentro. preliminar pro. ocupar. Exemplos: introduzir.en-. Exemplos: ilegal. improdutivo inter-.: Posição ao lado. justalinear ob-.: Sentido contrário. im.: Movimento para dentro. impossível. revestimento. Exemplos: prefácio. posterior.: Posição intermediária.: Anterioridade . perfurar. prosseguir. introspectivo justa.intramuscular. perplexo. importar extra. projeção . Exemplos: obstruir. extraviar i-. prefixo. oposição. Exemplos: extradição. Exemplos: internacional.: Movimento através. privação. ofuscar. Exemplos: pospor.: Posição interior. pós-graduado pre. intraverbal intro.: Movimento para frente. obstáculo per. extraordinário. passagem para um estado ou forma. promover. in-. perverter pos. injetar. em-. interplanetário intra. intravenoso. enterrar. negação. Exemplos: percorrer.: Posição em frente.: Posição exterior. o. excesso. introvertido. prever. Exemplos: . embeber.

em torno afastamento. sobre. bicampeão diálogo. inativo antibiótico. tres-. ultravioleta vice-. Exemplos: supercílio. in contra ambi ab bi(s) trans i(n)(m)(r) SIGNIFICADO privação. Exemplos: transatlântico. Exemplos: soterrar. Exemplos: vice-presidente. irromper . meta e(n)(m) PREFIXOS LATINOS des.re. contraditório anfiteatro. tra. reciprocidade.: Posição além do limite. supérfluo soto-. reduzir. ultraleve.: Movimento para além. separação duplicidade movimento através movimento para dentro EXEMPLOS anarquia. sob-. tresnoitar. Exemplos: retrospectiva. transmitir encéfalo. Exemplos: ultrapassar. excesso. sota. rebater. su. sobpor. retrocesso. vice-almirante Quadro de Correspondência entre Prefixos Gregos e Latinos PREFIXOS GREGOS a.: Movimento de baixo para cima. ultrarromantismo. retroagir. desigual. an anti anfi apo di dia. tras-. de um e outro lado. soto-pôr trans-.: Movimento para trás. sub-. tradição ultra. vis.: Posição superior. sota-voga. movimento através. ultrassom. ingerir. supra-. subestimar super-. Exemplos: rever. reatar retro.: Posição inferior. visconde. Exemplos: soto-mestre. inferioridade. ambivalente apogeu.: Em lugar de. abstrair dissílabo. retrógrado so-. negação oposição. ação contrária duplicidade. excesso.: Repetição.

formatura Sufixos que formam nomes de agente -ário(a) .feirante -ista .caminhada -ança . excesso epílogo.solidão -ença . cúmplice Sufixos Sufixos são elementos (isoladamente insignificativos) que.manobrista Além dos sufixos acima. Existem dois grupos de sufixos formadores de substantivos extremamente importantes para o funcionamento da língua. Sua principal característica é a mudança de classe gramatical que geralmente opera.presença -ez(a) . por exemplo. benéfico hemisfério. acrescentados a um radical. silogeu. adjacência periferia. podemos utilizar o significado de um verbo num contexto em que se deve usar um substantivo. circunferência catavento. posição interior endovenoso. hiper eu hemi hipo para peri cata si(n)(m) intra e(s)(x) supra bene semi sub ad circum de cum movimento para dentro. derrubar sinfonia.compreensão -tude . São os que formam nomes de ação e os que formam nomes de agente. tem-se: .casamento -são . supervisão. bondade divisão em duas partes posição inferior proximidade.lutador -eiro(a) .emoção -dão .sensatez. Sufixos que formam nomes de ação -ada . hipérbole. excêntrico. a ele são incorporadas as desinências que indicam as flexões das palavras variáveis. Dessa forma.abundância -ção . super.ferreiro -nte . supradito excelência. intramuscular êxodo. movimento para fora. formam nova palavra. companhia eufemismo.amplitude -ura . estender mudança de estado posição superior.mudança -ância . beleza -ismo .civismo -mento . perfeição. Como o sufixo é colocado depois do radical. submarino paralelo.secretário -or . semicírculo hipodérmico.endo e(c)(x) epi. adjunção em torno de movimento para baixo simultaneidade.

dormitório Sufixos que formam nomes indicadores de abundância.agreste -al .casario.negrume Sufixos que formam nomes técnicos usados na ciência -ite -oma -ato.prosaico -este . depositório -aria . coleção >-aço .maníaco -ento .barbado -eo .gentame -ario(a) . epitelioma. ito -ina -ol -ite -ito -ema -io . codeína (alcaloides.corredor -tério .churrascaria -ário . selênio (corpos simples) Sufixo que forma nomes de religião. doutrinas filosóficas. aglomeração. potássio.róseo -áceo(a) . hepatite (inflamação) mioma.folhagem -al .mulherio -ume . álcalis artificiais) fenol. eto.Sufixos que formam nomes de lugar.pitoresco -aico .covil -or .correria -io .açucareiro -il .ricaço -ada . semantema (ciência linguística) -ismo SUFIXOS FORMADORES DE ADJETIVOS a) de substantivos -aco . naftol (derivado de hidrocarboneto) amotite (fósseis) granito (pedra) morfema. sulfito (sais) cafeína.cemitério -tório . fonema.papelada -agem .sódio. liláceas -esco . carcinoma (tumores) sulfato.terrestre . sistemas políticos budismo kantismo comunismo bronquite. semema.arvoredo -eria .cruento -ado .herbanário -eiro .capinzal -ame .herbáceo. cloreto.anual -estre . infantaria -edo .

qualidade.-ar .febril -ino . fraca-mente. modo de ser possibilidade de praticar ou sofrer uma ação.ferrenho -eno .escolar -ário .bondoso SENTIDO ação. derivado do substantivo feminino latino mens. nervosa-mente. para indicar circunstâncias. piamente Já os advérbios que se derivam de adjetivos terminados em –ês (burgues-mente. quebradiço. doente. pertinência EXEMPLIFICAÇÃO semelhante.mulherengo -enho . estado possibilidade de praticar ou sofrer uma ação ação referência. brava-mente. seguinte louvável. ordinário -ático . afirmativo. factício casadouro. especialmente a de modo. ao radical de substantivos e adjetivos para formar novos verbos. Exemplos: altiva-mente. SUFIXOS VERBAIS Os sufixos verbais agregam-se.barrigudo b) de verbos SUFIXO -(a)(e)(i)nte -(á)(í)vel -io. mentis que pode significar "a mente. pois esses adjetivos eram outrora uniformes.diário. (t)ício -(d)ouro. .cristalino -ivo .mordaz -engo . preparatório SUFIXOS ADVERBIAIS Na Língua Portuguesa.) não seguem esta regra. referência ação. etc.geométrico -il .Este sufixo juntou-se a adjetivos.alimentício -ico .lucrativo -onho . perecível. existe apenas um único sufixo adverbial: É o sufixo "-mente". Em geral. via de regra.tristonho -oso .terreno -udo . bondosa-mente. o intento". punível tardio. pensativo movediço. o espírito.problemático -az . Exemplos: cabrito montês / cabrita montês.(t)ório -ício . portugues-mente. os verbos novos da língua formam-se pelo acréscimo da terminação-ar. na forma feminina. -(t)ivo -(d)iço.

durativo cabecear. dignificar -icar frequentativo-diminutivo bebericar. radiograf-ar. utilizar Observações: Verbo Frequentativo: é aquele que traduz ação repetida. limpar -ear: guerrear. (a)doç-ar. fervilhar -inhar frequentativo-diminutivo-pejorativo escrevinhar. Verbo Factitivo: é aquele que envolve ideia de fazer ou causar. velejar -entar factitivo aformosentar. amamentar -ficar: dignificar. a segunda agrupa aqueles que costumam surgir na parte final. saltitar -izar factitivo civilizar. Apresentamos a seguir duas relações de radicais gregos. Os verbos exprimem. entre outras ideias. depenicar -ilhar frequentativo-diminutivo dedilhar. nivel-ar. (a)fin-ar. Radicais que atuam como primeiro elemento Forma AérosÁnthroposAutósSentido ar homem de si mesmo Exemplos Aeronave Antropófago Autobiografia . telefon-ar. (a)portugues-ar. analisar. Radicais Gregos O conhecimento dos radicais gregos é de indiscutível importância para a exata compreensão e fácil memorização de inúmeras palavras. liquidificar -izar: finalizar. organizar Observe este quadro de sufixos verbais: SUFIXOS SENTIDO EXEMPLOS -ear frequentativo. Veja: -ar: cruzar. folhear -ejar frequentativo. cuspinhar -iscar frequentativo-diminutivo chuviscar.Exemplos: esqui-ar. golear -entar: afugentar. a prática de ação. amolentar -(i)ficar factitivo clarificar. lambiscar -itar frequentativo-diminutivo dormitar. A primeira agrupa os elementos formadores que normalmente são colocados no início dos compostos. Verbo Diminutivo: é aquele que exprime ação pouco intensa. durativo gotejar.

BíblionBíosChrómaChrónosDáktyilosDékaDémosEléktronEthnosGéoHéterosHexaHípposIchthýsÍsosLíthosMakrósMégasMikrósMónosNekrósNéosOdóntosOphthalmósÓnomaOrthósPanPáthosPentaPolýsPótamosPséudosPsichéRizaTechnéThermósTetraTýposTóposZóon- livro vida cor tempo dedo dez povo (âmbar) raça terra outro seis cavalo peixe igual pedra grande. raiz arte quente quatro figura. justo todos. marca lugar Animal Biblioteca Biologia Cromático Cronômetro Dactilografia Decassílabo Democracia eletricidade Eletroímã Etnia Geografia Heterogêneo Hexágono Hipopótamo Ictiografia Isósceles Aerólito Macróbio Megalomaníaco Micróbio Monocultura Necrotério Neolatino Odontologia Oftalmologia Onomatopeia Ortografia Pan-americano Patologia Pentágono Poliglota Hipopótamo Pseudônimo espírito Psicologia Rizotônico Tecnografia Térmico Tetraedro Tipografia Topografia Zoologia Radicais que atuam como segundo elemento: Forma Sentido Exemplos . longo grande pequeno um só morto novo dente olho nome reto. tudo doença cinco muito rio falso alma.

peso Poder Palavra. glossário Pentágono Ortografia Calígrafo Telegrama. óleo Exemplo Agricultura Ambidestro Arborícola Bípede.-agogós álgos -arché -dóxa -drómos -gámos -glótta. bisavô Calorífero Crucifixo Curvilíneo Equilátero. ferrovia Locomotiva Mortífero Multiforme Oleígeno. oleoSentido Campo Ambos Árvore Duas vezes Calor cruz curvo igual ferro lugar morte muito Azeite. equidistante Ferrífero. glóssa -gonía -grápho -grafo -grámma -krátos -lógos -mancia -métron -morphé -nómos -pólis. governo Que opina Lugar para correr Casamento Língua Ângulo Escrita Que escreve Escrito. quilograma Democracia Diálogo Cartomancia Quilômetro Morfologia Autônomo Petrópolis Helicóptero Microscópio Filosofia Biblioteca Radicais Latinos Radicais que atuam como primeiro elemento: Forma Agri Ambi ArboriBis-. biCaloriCruciCurviEquiFerri-. -pterón -skopéo -sophós -théke Que conduz Dor Comando. estudo Adivinhação Que mede Que tem a forma Que regula Cidade Asa Instrumento para ver Sabedoria Lugar onde se guarda Pedagogo Analgésico Monarquia Ortodoxo Hipódromo Poligamia Poliglota. ferroLocoMortiMultiOlei-. oleoduto .

homicida Arborícola. palmípede Uníssono. . ou produz Que tem forma de Que foge. cuneiforme Centrífugo. silvícola Piscicultura. febrífugo Belígero. ou faz fugir Que contém. vários quatro reto metade Três Onipotente Pedilúvio Piscicultor Pluriforme Quadrúpede Retilíneo Semimorto Tricolor Radicais que atuam como segundo elemento: Forma -cida -cola -cultura -fero -fico -forme -fugo -gero -paro -pede -sono -vomo -voro Sentido Que mata Que cultiva. ou habita Ato de cultivar Que contém. armígero Ovíparo. quadruRetiSemiTri- todo pé peixe Muitos. ou produz Que faz. carbonífero Benefício. multíparo Velocípede. apicultura Aurífero. fumívomo Carnívoro. MÓRFICO -> MORFO = FORMA -> MORFEMAS Existem dois tipos de morfemas: lexicais e gramaticais. herbívoro Elementos Mórficos Assine a newsletter do InfoEscola! Por Roberta Laisa Dantas de Sousa Uma palavra é formada por elementos mórficos. ou morfemas.OniPediPisciPluriQuadri-. horríssono Ignívomo. ou produz Que produz Pé Que soa Que expele Que come Exemplos Suicida. frigorífico Uniforme. vinícola.

Peru – não tem vogal temática Desinências .Radical . Os morfemas gramaticais podem ser definidos como de fato a gramática da língua. Observação: existem palavras que são atemáticas. Os elementos mórficos de uma palavra dividem-se em: . não tem vogal temática.Caderno Vogal temática É um morfema gramatical.Tema .Falar . .Partir . -o.Vogais ou consoantes de ligação Passemos a conhecer minuciosamente cada um dos elementos citados. ou seja. Radical É nesta parte da palavra que guarda o significado básico. .Andar Tema É o radical + vogal temática.Menino . consegue acoplar os outros elementos para formar novas palavras ou dar significados diferenciados. -e) . de fato a parte interna da palavra. do mundo exterior á língua. sua função principal é preparar o radical para receber as desinências. .Garoto . É considerado morfema lexical.Vogal temática .Afixo . o radical recebeu a vogal temática.Presidente Vogal temática nos verbos (ar. ir) .Os morfemas lexicais podem ser definidos como um ser ou fato da realidade.Menino .Desinência .Comer .Vogal temática nos nomes (-a. er.

Autor » autor – a » autora – s . a pessoa e o número em relação aos verbos.Dignidade Vogais ou consoantes de ligação São morfemas colocados nas palavras para facilitar a pronúncia. Anda (vogal temática) Afixo Tem a função de gerar novas palavras. . . Existem classes gramaticais de palavras variáveis e classes gramaticais de palavras invariáveis.Aparecem no final das palavras e estão diretamente relacionadas às flexões.Desleal .cultura = cafeicultura Classes Gramaticais: .t . o modo. á (desinência modotemporal) va mos (desinência númeropessoal) .Lealmente . As palavras da língua portuguesa agrupam-se em dez classes gramaticais. Prefixo É o morfema colocado antes do radical. . Café + eira = cafe .i .Gato » gat – a » gato – s Desinência verbal Apresenta o tempo. Palavra Variável: é a palavra que altera sua forma para indicar um acidente gramatical. São morfemas gramaticais flexionais.Indigno Sufixo É o morfema colocado depois do radical. Desinência nominal Apresenta o gênero e o número dos nomes.eira = cafeteira Café + cultura = cafe .

ódio. .Concretos: Nomeiam seres de existência real ou que a imaginação dá como tal. Exemplos: Brasil. porta. . Exemplos: marujo. . Exemplos: viagem. livro.Numeral 5 .Adjetivo 4 . quadro.Comuns: Aplica-se a todos os seres de uma espécie. Exemplos: caneta. . menino. Classificação dos Substantivos: . . 7 .Compostos: São formados de mais de um radical. gratidão. amor. mesa. cinza. terra. Exemplos: mesa. árvore. Exemplos: tempo. Roberto.Verbo .Interjeição . flora ( conjunto de plantas .Simples: São formados de um só radical. sentimentos.Preposição 9 .Conjução 10 . É a classe gramatical de palavras variáveis. . . Exemplos.Primitivos: Não tem origem em outra palavra portuguesa: Exemplos: mar.Artigo Palavras Variáveis 3 .Palavra Invariável: é a palavra de forma fixa. ações. Exemplos: girassol. sol.Coletivos: Nomeiam agrupamentos de seres da mesma espécie.Derivados: Possuí origem em outra palavra portuguesa. Marcos. visita. .Advérbio Palavras Invariáveis: 8 . Maria.Abstratos: Nomeiam estados. cinzeiro. terreno.Pronome 6 . 1 .Substantivo 2 . as quais denominam os seres. terreiro. fidalgo. fada. qualidades. selos). Exemplos: álbum (conjunto de fotografia. Substantivo: .Próprios: Aplica-se a um único ser de toda uma espécie.

Epicenos: Tem um só gênero e nomeiam bichos.poetiza. . . variam em seu significado. o poema. sendo uma para o masculino e outra para o feminino.casas. . a cobra fêmea.Biformes: Tem duas formas. o artista . . o fonema.madre. Exemplos: o cabeça (chefe). variando de gênero. poeta . Exemplos: padre . animal . Exemplos: homem . Exemplos: o teorema. Existem alguns substantivos que. classificando-se em: . casa .Uniformes: Tem um gênero apenas para o masculino e feminino. É classificado em: . os substantivos classificam-se em: .animais. Flexões do Substantivo: masculino feminino singular plural aumentativo diminutivo Gênero Número Grau Gêneros dos Substantivos: Quanto ao gênero.a colega. Exemplos: o jacaré macho. cáfila (conjunto de camelos).a artista. Exemplos: o personagem ou a personagem. a cabeça (parte do corpo humano) Número dos Substantivos: O número dos substantivos refere-se ao plural das palavras.Sobrecomuns: Tem um só gênero e nomeia pessoas.homens. fuzil . Grau dos Substantivos: Grau Aumentativo: Indica o aumento do tamanho do ser. Exemplos: o colega . "oma": São masculinos. a testemunha. Exemplos: a criança.fuzis.Comuns de dois gêneros: Indicam se a pessoa é do sexo masculino ou feminino através do artigo.de uma região).Substantivo de gênero duvidoso.Substantivos de origem grega terminados em "ema". .

. . . Exemplo: flor(zinha) Artigo: . Exemplos: Vi o rapaz. planície imensa. Classificação dos Artigos: .Explicativo: Exprime qualidade própria do ser. | Ofereci-lhe um carro. determinando-os. Exemplos: mau. . Exemplos: bom. as. . uns. umas. Exemplo: flor pequena. Pode ser: .Analítico: Substantivo acompanhado de um adjetivo que indica pequenez. defeito. É a classe gramatical de palavras que acompanham os substativos. Determinam os substativos de maneira vaga. . Exemplos: barc(aça). Exemplo: franco-brasileiro.Definidos: o. Exemplos: mar salgado. Adjetivo: .Derivado: Tem origem em outra palavra portuguesa. | Comprei a motocicleta.Sintético: É acrescido ao substantivo um sufixo indicador de aumento.Restritivo: Exprime qualidade que não é própria do ser. origem.Analítico: O substantivo é acompanhado de um adjetivo que indica grandeza. Classificação dos Adjetivos: . uma. brasileiro.Indefinidos: um. homem sensato. estado do ser. ruim. .Primitivo: Não vem de outra palavra portuguesa. Grau Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho do ser. É a classe gramatical de palavras que exprimem qualidade. os. Determinam os substantivos de maneira precisa. . Exemplos: casa grande.Sintético: É acrescido ao substantivo um sufixo indicador de diminuição.Simples: Formado de um só radical.Composto: Formado de mais de um radical. Exemplos: Comprei um livro. a. Exemplos: fruta madura. bela. vag(alhão).. . neve fria. bondoso. Exemplos: carinhoso.

Classificação dos Numerais: . o mais bom de . Número dos Adjetivos: Refere-se ao plural dos adjetivos. . quarto. terço. . Exemplos: primeiro.Grau Superlativo Relativo de Superioridade: Ex. belenense (nascido em Belém . dois. Numeral: . . terceiro. feliz .maus. muito bom . classificam-se em: . três.Adjetivo Pátrio: Indica a naturalidade ou nacionalidade. sendo uma para o masculino e outra para o feminino. tão (tanto) .Grau Comparativo de Superioridade: Ex.Grau Comparativo de Igualdade: Ex.felizes.má.Uniformes: Tem uma só forma tanto para o masculino como para o feminino.Grau Superlativo Relativo de Inferioridade: Ex.Grau Comparativo de Inferioridade: Ex. mais bom que (do que) . Grau dos Adjetivos: O adjetivo flexiona-se em grau para indicar a intensidade da qualidade do ser. bandeira da Irlanda (irlandesa). Gênero dos Adjetivos: Os adjetivos. quatro. menos bom que (do que) . Exemplos: mau .. o menos bom de . Exemplos: homens com aptidão (aptos). judeu .Cardinais: Indicam contagem.Fracionários: Indicam a divisão dos seres.Grau Superlativo Absoluto: Ex...Biformes: Tem duas formas.Pará). equivalente a um adjetivo. quanto ao gênero.desavença político-social. Exemplos: um. medida. Exemplos: mau . Exemplos: meio. Exemplo: conflito político-social .judia. quarto. Divide-se em: . . Exemplos: guatemalteco (nascido na Guatemala).Ordinais: Indicam a ordem do ser numa série dada.. segundo. Locução Adjetiva: É toda expressão formada de uma preposição mais um substantivo.

Classificação dos Pronomes: Pronomes Pessoais: Retos: Exercem a função de sujeito... Exemplos: Ele não o viu ontem. . sua(s) nosso(s).. | Aquilo me deixou alegre. teu(s).726 = Um milhão duzentos e três mil setecentos e vinte e seis. Exemplos: 894 = Oitocentos e noventa e quatro 1. Pronomes Possessivos: . . Oblíquos: Exercem a função de complementos. Número Pessoas 1a Singular 2a 3a Plural 1a Pronomes meu(s). triplo. tua(s).Multiplicativos: Indicam a multiplicação dos seres. dispondo-se a palavra "e" entre as centenas e as dezenas e entre as dezenas e unidades.. juntando-lhe uma característica. Pronome Adjetivo: É o pronome que acompanha o nome. seu(s).. É a classe de palavras que substituem o nome ou a ele se referem.. quádruplo. Exemplos: Aquele rapaz não viu sua prima. Leitura dos Numerais Cardinais: Faz-se a leitura do numeral cardinal. Pronome: ..quinto.203. nossa(s). Exemplos: dobro. Pronomes Substantivos: É o pronome que substituí o nome. . minha(s). De tratamento: São expressões usadas no tratamento cerimonioso ou de respeito. | Alguma coisa aconteceu..

esse(s). tal. cuja. que indicam ação (correr). aquela(s) . sua(s) Pronomes Demonstrativos: . o qual. Exemplos: Alguma criança trará os livros. próprio(s). outrem. este(s). todo(s).. .(s) alguém. quaisquer. Exemplos: Visitei a cidade onde nasci. os. Verbo: . vossa(s). Pronomes Relativos: que. quanta(s). É a classe de palavras variáveis em pessoa. qualquer. a qual. uma(s). Exemplos: Que dia é hoje? | Quem fez o almoço? . cujos. | Foi encenada a peça a cujos ensaios assisti. seu(s). isso. outro(s).. uns.. um. Pronomes Indefinidos: algum. quanto(s). quem. ninguém. os quais. esta(s). nenhum. essa(s) isso. própria(s).. isto. Nem pensei em tal coisa. modo e voz. cujas. toda(s). fenômeno (chover). o. nenhuns. algo. Pronomes Interrogativos: São formas de pronomes indefinidos empregadas nas interrogações diretas ou indiretas. cada. tudo. número.2a 3a vosso(s). tais. semelhante(s). aquela(s) aquilo. Exemplos: Nunca vi semelhante coisa. tempo. nada. estado (ficar). as quais. aquele(s). aquele(s). mesmo(s). alguns. alguma. outra(s). as = aquilo. mesma(s). | Ninguém o viu chegar. onde. cujo. a. isto. muito(s) muita(s). fato (nascer).

Exemplo: Papai deseja que eu estude. Pretérito: Indica que a ação aconteceu antes de se falar. um pedido. um desejo. Formas Nominais: Infinitivo: Passa a substantivo: andar = o andar correr correr = o Gerúndio: Passa a substantivo: formando = o formando Particípio: Passa a substantivo ou adjetivo: feito .Flexões Verbais: Pessoa: Varia a forma verbal pra indicar a pessoa gramatical a que se refere. uma súplica. Modo Subjuntivo: Indica uma dúvida. Existem três vozes: Voz Ativa: O sujeito pratica a ação. . Tempo: Presente: Indica que a ação acontece durante o momento em que se fala. Número: Varia a forma verbal para indicar o número de sujeitos a que se refere. . Eu estudo. Voz: Indica se o sujeito pratica ou recebe a ação. Plural: Refere-se a mais de um sujeito. um conselho. Modo Imperativo: Indica uma ordem. . Exemplo: Eu estudarei. . Modos Verbais: Modo Indicativo: Indica uma realidade. Voz Passiva: O sujeito sofre a ação. Exemplo: Os meninos falam. 1a Pessoa: Orador (que fala) 2a Pessoa: Interlocutor (com quem se fala) 3a Pessoa: Assunto (de que se fala) . Exemplo: Estuda.o feito . Exemplo: Eu estudei. Voz Reflexiva: O sujeito pratica e recebe a ação. Exemplo: O menino fala. Exemplo: Talvez eu estude. uma possibilidade. Futuro: Indica que a ação vai acontecer depois de se falar. menino. Singular: Refere-se a um único sujeito.

De modo: bem. depois. intensamente. porventura. jamais. .De tempo: ainda. aonde. Verbos Impessoais: São os verbos que não tem sujeito. nem. Advérbio: . aqui. fazer-se. É a classe de palavras invariáveis que indicam circunstâncias diversas. mal. arrependerse. acolá. ser. assim.De lugar: onde. ali. agora. certamente. . pouco. Exemplos: queixar-se. estar e fazer. . aí. Indicam movimento ou estado e o SE é chamado de partícula integrante do verbo. O advérbio. Advérbios Interrogativos: São os advérbios que estabelecem uma interrogação. . dependendo da circunstância que indica classifica-se em: . grandemente. Verbos Pronominais: Essenciais: são sistematicamente acompanhados do SE quando enunciados. hora. sempre. longe. enormemente. nunca. Os principais verbos impessoais são: haver. quando enunciados.De afirmação: sim. antes. às vezes acompanhados do SE. . extremamente. Haver (no sentido de existir ou fazer Ser (indicando data. quiçá.De lugar: perto..De intensidade: muito.De dúvida: talvez. lá.De negação: não. distância) Estar e Fazer (indicando tempo ou fenômeno meteorológico) . Exemplos: dar-se. são classificados em: . . . calmamente e quase todas as palavras terminadas em mente. Acidentais: São. donde. . . .

após. como. por aqui. afora. contra. desde. Exemplos: a respeito de a propósito de .De tempo: quando . Locução Prepositiva: É expressão equivalente a uma preposição formada também por um grupo de palavras. trás. durante. desde que formada de mais de uma palavra. Tanto a locução adverbial como o advérbio modificam o verbo. perante. . As preposições classificam-se em: . . sem. ante. para. o adjetivo e outro advérbio. Adjetivo: Joana é muito bela. às claras. Exemplos: de repente. não vivemos bem. de. por.Essenciais: a. . sob. até. É a classe de paalvras invariáveis que ligam duas palavras. Advérbio: Chegou muito cedo. mediante. sobre. entre. segundo. em.Acidentais: conforme.De causa: por que .De intensidade: quanto Locução Adverbial: É toda expressão que corresponde a um advérbio. subordinando a segunda à primeira. per. consoante. à noite. Preposição: . com. com certeza.. Exemplos: Verbo: Aqui.De modo: como .

quer. pois (depois do verbo). Exemplos: a + o = ao a + os = aos. ou.perto de para com Combinação: É a união da preposição "a" com os artigos "o.Aditivas: e. Exemplos: em + a = na de + aquela = daquela a+a=à de + onde = donde per + o = pelo em + aquela = naquela . mas também.Conclusivas: logo. nem . os". .. porém. ... por conseguinte. havendo alteração de forma.ora. ora .Explicativas: que. . Contração: É a união da preposição com outra palavra. Classificação das Principais Conjunções e Locuções Conjuntivas: Coordenativas: . sem que haja alteração de forma..Alternativas: ou .Adversativas: mas. . Conjunção: . É a classe de palavras invariáveis que ligam duas palavras ou orações entre si. senão também. porque. talvez . porquanto. como também. quer . Locução Conjuntiva é a expressão equivalente a uma conjunção.. entretanto. nem.. talvez. nem.. pois (antes do verbo)... bem como. portanto. . contudo. já . senão. mas ainda.. já. por isso. no entanto... todavia.

se bem que. conforme. que nem. do que. desde que.Causais: porque.Concessivas: embora. pois. a fim de que. alívio. pena. apesar de que. de jeito que. logo que.Comparativas: como. É a classe gramatical de palavras invariáveis que exprimem um estado emotivo. As interjeições são classificadas dependendo de algum estado emotivo: espanto. imitação de um som ou ruído. dado que. ainda que. indignação. segundo. por menos que. posto que. . de forma que. porque (=para que). O estado emotivo expresso pela interjeição é determinado pela entonação com que é pronunciada. sem que (=senão). apenas. etc. consoante. desejo. Essa entonação especial é indicada pelo ponto de exclamação. desaprovação.Finais: para que. assim que. Lástima ou perda . . alegria. . estudem mais. conquanto. Exemplos: Ih ! O doce Estragou. caso. sempre que. por mais que. porquanto. Advertência Locução Interjetiva: . como (=porque). por muito que. Interjeição: . salvo se. a não ser que.Temporais: quando. mal. Eh! Rapazes. quanto. tal e qual.Condicionais: se. . à proporção que. . aplauso. desde que. que (=porque).Conformativas: como. . que. antes que. mesmo que. uma vez que. . depois que. qual. a menos que. que (=para que). .Subordinativas: . . visto como. desculpa. apelo. visto que. afugentamento. quanto mais. já que. quanto menos. enquanto. sem que. desde que. agora que. saudação. por pouco que. até que. lástima. sem que (=embora não).Consecutivas: que. contanto que.Proporcionais: À medida que. dor. advertência.

pela sua capacidade de. Observação: a frase que não possui verbo denomina-se Frase Nominal. 1. do olhar. a frase é caracterizada pela entoação. ou seja. num intercâmbio linguístico. que indica nitidamente seu início e seu fim. os quais procuram sugerir a melodia frasal. Na língua falada. podendo ter verbos ou não. ORAÇÃO E PERÍODO Frase Frase é todo enunciado de sentido completo. Esses fatos contribuem para que frequentemente surjam frases muito simples.É toda expressão que corresponde a uma interjeição. Essa maior complexidade linguística leva a . Exemplos: Ora bolas! Valha-me Deus! Ai de mim! . o contexto é fornecido pelo próprio texto. a entoação é representada pelos sinais de pontuação. A frase exprime. Espantoso! Não vá embora. além de ser complementada pela situação em que o falante se encontra. o que acaba tornando necessário que as frases escritas sejam linguisticamente mais completas. transmitir um conteúdo satisfatório para a situação em que é utilizada. Exemplos: O Brasil possui um grande potencial turístico. A entoação pode vir acompanhada por gestos. Silêncio! O telefone está tocando.FRASE. Na língua escrita. dotadas de entoação própria. e acompanhadas de gestos peculiares. através da fala ou da escrita: ideias emoções ordens apelos A frase se define pelo seu propósito comunicativo. Observe: Rua! Ai! Essas palavras. são suficientes para satisfazer suas necessidades expressivas. Desaparecendo a situação viva. expressões do rosto. podendo ser formada por uma só palavra ou por várias. formadas por apenas uma palavra.

Veja: Existem alguns tipos de frases cuja entoação é mais ou menos previsível. por exemplo. de acordo com o sentido que transmitem. usada quando se vê alguém invadindo. . Na língua escrita. Portanto. com seu carro. decepção. uma frase simples como "É ela. indignação. não é considerada uma frase da língua portuguesa. os sinais de pontuação podem agir como definidores do sentido das frases. Por isso é que: As meninas estavam alegres. Nesse caso. etc. a faixa de pedestres. Podem ser afirmativas ou negativas. Pense.frase a obedecer as regras gerais da língua. São empregadas quando se deseja obter alguma informação. das situações em que se explora a ironia. São elas: a) Frases Interrogativas: ocorrem quando uma pergunta é feita pelo emissor da mensagem. Dependendo de como é dita. dúvida. a organização e a ordenação dos elementos formadores da frase devem seguir os padrões da língua. ela expressa exatamente o contrário do que aparentemente diz. pois nos dá uma ampla possibilidade de expressão." pode indicar constatação. A entoação é um elemento muito importante da frase falada. enquanto: Alegres meninas estavam as. Tipos de Frases Muitas vezes. um conselho ou faz um pedido. na frase "Que educação!". utilizando o verbo no modo imperativo. surpresa. por exemplo. (Interrogação indireta) b) Frases Imperativas: ocorrem quando o emissor da mensagem dá uma ordem. as frases assumem sentidos que só podem ser integralmente captados se atentarmos para o contexto em que são empregadas. A interrogação pode ser direta ou indireta. Você aceita um copo de suco? (Interrogação direta) Desejo saber se você aceita um copo de suco. É o caso. constitui uma frase.

Na frase "Saímos". Frase Verbal: é a frase construída com verbo. (Afirmativa) Ela não está em casa. no mínimo. Por Exemplo: Que prova difícil! É uma delícia esse bolo! d) Frases Declarativas: ocorrem quando o emissor constata um fato. (Negativa) Dê-me uma ajudinha com isso! (Afirmativa) c) Frases Exclamativas: nesse tipo de frase o emissor exterioriza um estado afetivo. Exemplos: Fogo! Cuidado! Belo serviço o seu! Trabalho digno desse feirante. no entanto. que tais frases devam ser formadas. há um sujeito implícito na terminação do verbo: nós. Podem ser afirmativas ou negativas. . Os casais saíram para jantar. Obrigaram o rapaz a sair. Apresentam entoação ligeiramente prolongada. Esse tipo de frase informa ou declara alguma coisa. (Negativa) e) Frases Optativas: são usadas para exprimir um desejo. Por Exemplo: Deus te acompanhe! Bons ventos o levem! De acordo com a construção. Por Exemplo: O sol ilumina a cidade e aquece os dias. A bola rolou escada abaixo. por dois vocábulos. por exemplo.Faça-o entrar no carro! (Afirmativa) Não faça isso. as frases classificam-se em: Frase Nominal: é a frase construída sem verbos. Isso não significa. Estrutura da Frase As frases que possuem verbo são geralmente estruturadas a partir de dois elementos essenciais: sujeito e predicado.

A declaração referente a "o amor".O sujeito é o termo da frase que concorda com o verbo em número e pessoa. Observe: O amor é eterno. como partes de um conjunto harmônico: elas são os termos ou as unidades sintáticas da oração. teremos um predicado nominal (ocorre nas frases nominais que possuem verbo de ligação). é "é eterno".que o enunciado tenha verbo (ou locução verbal). cada termo da oração desempenha uma função sintática. o ser de quem se declara algo. ele se refere ao sujeito.que o enunciado tenha sentido completo. O sujeito é "Os rapazes". cujo núcleo significativo é o verbo "jogam". ou seja. Para isso é necessário: . Por Exemplo: Camila terminou a leitura do livro. O predicado é a parte da frase que contém "a informação nova para o ouvinte". constituindo a declaração do que se atribui ao sujeito. assim. Atenção: Nem toda frase é oração. O tema. Temos. o predicado. se o núcleo da declaração estiver em algum nome. teremos um predicado verbal (ocorre nas frases verbais). É um predicado nominal. Obs. É normalmente o "ser de quem se declara algo". Oração Uma frase verbal pode ser também uma oração. o sujeito. Assim. O predicado é "jogam futebol". É sempre muito importante analisar qual é o núcleo significativo da declaração: se o núcleo da declaração estiver no verbo. . Normalmente. que identificamos por ser o termo que concorda em número e pessoa com o verbo "jogam". um predicado verbal. pois seu núcleo significativo é o nome "eterno". "o tema do que se vai comunicar". .: Na oração as palavras estão relacionadas entre si. Já na frase: Os rapazes jogam futebol. é "O amor".

(três orações) Período Período é a frase constituída de uma ou mais orações. formando um todo. com sentido completo. não possuem estrutura sintática. venci. vi. As plantas necessitam de cuidados especiais. Quero aquelas flores para presentear minha mãe. (duas orações) Cheguei. a maneira prática de saber quantas orações existem num período é contar os verbos ou locuções verbais. pois tem sentido. (uma oração) Entrei na casa e sentei-me. frases como: Socorro! . Período Simples: é aquele constituído por apenas uma oração. O período pode ser simples ou composto. portanto não são orações. Esse enunciado não é oração. Cheguei. Assim. jantei e fui dormir.Por Exemplo: Que dia lindo! Esse enunciado é frase. Exemplos: O amor é eterno. Objetivos da Análise Sintática .Que rapaz ignorante! A frase pode conter uma ou mais orações. que recebe o nome de oração absoluta.Com Licença! . Saiba que: Como toda oração está centrada num verbo ou numa locução verbal. Período Composto: é aquele constituído por duas ou mais orações. Vou gritar para todos ouvirem que estou sabendo o que acontece ao anoitecer. Exemplos: Quando você partiu minha vida ficou sem alegrias. O tempo é o melhor remédio. Quero aquelas rosas. Veja: Brinquei no parque. pois não possui verbo.

2.: O vocativo. adjunto adverbial. existem seis palavras. são representados por: complemento verbal . complemento nominal. é possível identificar duas orações: Conhecemos mais pessoas e quando estamos viajando. são representados pelo sujeito e predicado nas orações. Em análise sintática. Segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira.TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO Sujeito e Predicado .objeto direto e indireto.A análise sintática tem como objetivo examinar a estrutura de um período e das orações que compõem um período. cada palavra da oração é chamada de termo da oração. 2) Integrantes Completam o sentido dos verbos e dos nomes. 3) Acessórios Desempenham função secundária (especificam o substantivo ou expressam circunstância). Cada uma delas exerce uma determinada função nas orações. Ao analisarmos a estrutura do período acima. Termos da Oração No período "Conhecemos mais pessoas quando estamos viajando". Obs. é um termo à parte: não pertence à estrutura da oração. agente da passiva. aposto. São representados por: adjunto adnominal. em análise sintática. Estrutura de um Período Observe: Conhecemos mais pessoas quando estamos viajando. os termos da oração podem ser: 1) Essenciais Também conhecidos como termos "fundamentais". Termo é a palavra considerada de acordo com a função sintática que exerce na oração.

Predicado Sujeito Predicado Classificação do Sujeito O sujeito das orações da língua portuguesa pode ser determinado ou indeterminado. A oração possui dois termos essenciais. Sujeito: termo sobre o qual o restante da oração diz algo. Por Exemplo: As praias estão cada vez mais poluídas. . Sujeito Predicado: termo que contém o verbo e informa algo sobre o sujeito. Por Exemplo: As crianças brincavam despreocupadas. a oração pode estar: Na Ordem Direta: o sujeito aparece antes do predicado. Predicado Sujeito Sujeito no Meio do Predicado: Despreocupadas. Sujeito Predicado Na Ordem Inversa: o sujeito aparece depois do predicado. Predicado Posição do Sujeito na Oração Dependendo da posição de seus termos. Brincavam despreocupadas as crianças.Para que a oração tenha significado. Por Exemplo: As praias estão cada vez mais poluídas. as crianças brincavam. Existem ainda as orações sem sujeito. o sujeito e o predicado. são necessários alguns termos básicos: os termos essenciais.

não se pode determinar nem pelo contexto. b) Composto Apresenta dois ou mais núcleos ligados diretamente ao verbo. Todos cantaram durante o passeio. um numeral ou uma oração subjetiva. Por Exemplo: A rua estava deserta. 2 . sem que se refira a nenhum termo identificado anteriormente (nem em outra oração): Por Exemplo: . há três maneiras diferentes de indeterminar o sujeito de uma oração: a) Com verbo na 3ª pessoa do plural: O verbo é colocado na terceira pessoa do plural. Diz-se que o sujeito é simples quando o verbo da oração se refere a apenas um elemento. Observação: não se deve confundir sujeito simples com a noção de singular. c) Implícito Ocorre quando o sujeito não está explicitamente representado na oração.Sujeito Determinado: é aquele que se pode identificar com precisão a partir da concordância verbal.Sujeito Indeterminado: é aquele que. seja ele um substantivo (singular ou plural). Por Exemplo: Os meninos estão gripados.1 . o sujeito é implícito e determinado. Por Exemplo: Dispensamos todos os funcionários. pois está indicado pela desinência verbal -mos. mas pode ser identificado. Nessa oração. Pode ser: a) Simples Apresenta apenas um núcleo ligado diretamente ao verbo. um pronome. embora existindo. Na língua portuguesa. Tênis e natação são ótimos exercícios físicos. nem pela terminação do verbo.

O verbo obrigatoriamente fica na terceira pessoa do singular. Exemplos: Vive-se melhor no campo. Nessas construções. Essa construção ocorre com verbos que não apresentam complemento direto (verbos intransitivos. Observe a transformação das frases para a voz passiva analítica: O novo candidato foi aprovado. sempre se fica nervoso. o se é uma partícula apassivadora e o verbo está na voz passiva sintética. Estão pedindo seu documento na entrada da festa. se é índice de indeterminação do sujeito e o verbo está na voz ativa. b) Com verbo ativo na 3ª pessoa do singular. (Sujeito Indeterminado) No caso a. que atua como índice de indeterminação do sujeito. Sujeito Os novos candidatos foram aprovados. (Verbo Intransitivo) Precisa-se de técnicos em informática. (Sujeito Indeterminado) Precisa-se de professores.Procuraram você por todos os lugares. Sujeito b) Precisa-se de professor. seguido do pronome se: O verbo vem acompanhado do pronome se. (Verbo Transitivo Indireto) No casamento. . transitivos indiretos e de ligação). Sujeito No caso b. concordando com o sujeito. o sujeito é indeterminado e o verbo fica sempre na 3ª pessoa do singular. Sujeito Aprovaram-se os novos candidatos. (Verbo de Ligação) Entendendo a Partícula Se As construções em que ocorre a partícula se podem apresentar algumas dificuldades quanto à classificação do sujeito. Veja: a) Aprovou-se o novo candidato.

Observe a estrutura destas orações: Sujeito Predicado Havia formigas na casa. O conteúdo verbal não é atribuído a nenhum ser. gear. o sujeito é determinado. fazendo referência a elementos explícitos em orações anteriores ou posteriores. (crianças=sujeito) Já amanheci cansado. através do predicado. Compraram muitas verduras. o sujeito de compraram é eles (Felipe e Marcos). Os casos mais comuns de orações sem sujeito da língua portuguesa ocorrem com: a) Verbos que exprimem fenômenos da natureza: Nevar. anoitecer. Observação: quando usados na forma figurada. Por Exemplo: Choveu muito no inverno passado. fazer e haver. ventar. esses verbos podem ter sujeito determinado. Amanheceu antes do horário previsto. amanhecer. É possível constatar que essas orações não têm sujeito. Nevou muito este ano em Nova Iorque. Nesse caso. É triste assistir a estas cenas tão trágicas. Ocorre sujeito oculto. Por Exemplo: Felipe e Marcos foram à feira. a mensagem centra-se no processo verbal. chover. Constituem a enunciação pura e absoluta de um fato. relampejar.: quando o verbo está na 3ª pessoa do plural. estar.c) Com o verbo no infinitivo impessoal: Por Exemplo: Era penoso estudar todo aquele conteúdo.Oração Sem Sujeito: é formada apenas pelo predicado e articula-se a partir de um verbo impessoal. Por Exemplo: Choviam crianças na distribuição de brindes. Obs. trovejar. quando usados para indicar uma ideia de tempo ou fenômenos meteorológicos: . (eu=sujeito) b) Verbos ser. 3 . etc.

: ao indicar data. (Tempo decorrido) Havia muitos alunos naquela aula.: ao indicar tempo. (Verbo Haver significando existir) Atenção: Com exceção do verbo ser. Predicado . (Período do dia) Eram duas horas da manhã. Estar: Está tarde. Pode ter havido muitas pessoas interessadas na reunião. (Tempo) Está muito quente. Havia muitas pessoas interessadas na reunião.(Temperatura) Fazer: Faz dois anos que não vejo meu pai. Deve fazer dias quentes na Bahia. ou então irá para o plural. Deve ter havido muitas pessoas interessadas na reunião. subentendendo-se a palavra dia. os verbos impessoais devem ser usados SEMPRE NA TERCEIRA PESSOA DO SINGULAR. (É uma hora/ São nove horas) Hoje é (ou são) 15 de março. (Temperatura) Haver: Não a vejo há anos. o verbo ser poderá ficar no singular.Ser: É noite. Houve muitas pessoas interessadas na reunião. (Tempo decorrido) Fez 39° C ontem. (Data) Obs. Devemos ter cuidado com os verbos fazer e haver usados impessoalmente: não é possível usá-los no plural. (Hora) Obs. Haverá muitas pessoas interessadas na reunião. Veja outros exemplos: Há muitas pessoas interessadas na reunião. concordando com o número de dias. Por Exemplo: Faz muitos anos que nos conhecemos. o verbo ser varia de acordo com a expressão numérica que o acompanha.

indicam ação. Fazem parte desse grupo. Em termos. Os verbos nocionais são os que exprimem processos.Predicado é aquilo que se declara a respeito do sujeito. mas não atuam como núcleos. muitos alunos desistem do curso. fenômeno natural. Os verbos não nocionais exprimem estado. tudo o que difere do sujeito (e do vocativo. Predicado Predicado A natureza é bela.acabar – tornar-se – passar (a) Os verbos não nocionais sempre fazem parte do predicado. Predicado OS VERBOS NO PREDICADO Em todo predicado existe necessariamente um verbo ou uma locução verbal. quando ocorrer) numa oração é o seu predicado. em outras palavras. Veja alguns exemplos: As mulheres compraram roupas novas Predicado Durante o ano. atuando como um verbo nocional. desejo. Nele é obrigatória a presença de um verbo ou locução verbal. O verbo andar exprime uma ação. é necessário considerar o contexto em que é usado. Quando se identifica o sujeito de uma oração. na oração: Ela anda muito rápido. acontecimento. Para perceber se um verbo é nocional ou não nocional. são mais conhecidos como verbos de ligação. atividade mental: Acontecer – considerar – desejar – julgar – pensar – querer – suceder – chover – correr fazer – nascer – pretender – raciocinar Esses verbos são sempre núcleos dos predicados em que aparecem. Já na oração: Ela anda triste. entre outros: Ser – estar – permanecer – continuar – andar – persistir – virar – ficar – achar-se . identifica-se também o predicado. devemos considerar dois grupos distintos: os verbos nocionais e os não nocionais. Assim. Para analisar a importância do verbo no predicado. .

segue adiante. modo: O avião caiu lentamente. tempo: O avião caiu no mês passado.O verbo exprime um estado. quem revela. Por Exemplo: O avião caiu. transitivos ou de ligação. Se desejar. O sentido desse verbo transita. revela algo a alguém. Sua ação não transita. isto é. como: local: O avião caiu sobre as casas da periferia. mas não são necessárias para que se compreenda a informação básica. portanto. 1) Verbo Intransitivo É aquele que traz em si a ideia completa da ação. pois encerra um significado completo. integrando-se aos complementos. Simples As crianças Predicado de carinho. sem necessitar. para adquirir sentido completo. Predicação Verbal Chama-se predicação verbal o resultado da ligação que se estabelece entre o sujeito e o verbo e entre os verbos e os complementos. atuando como verbo não nocional. sem preposição obrigatória. . Essas informações ampliam o significado do verbo. Quanto à predicação. O verbo cair é intransitivo. sente algo. Veja: S. de um outro termo para completar o seu sentido. o falante pode acrescentar outras informações. os verbos podem ser intransitivos. 2) Verbo Transitivo É o verbo que vem acompanhado por complemento: quem sente. precisam 1 2 1= Verbo Transitivo 2= Complemento Verbal (Objeto) O verbo transitivo pode ser: a) Transitivo Direto: é quando o complemento vem ligado ao verbo diretamente.

Por Exemplo: Sandra é alegre. b) estado transitório: estar. achar-se.Por Exemplo: Nós escutamos nossa música favorita. Por Exemplo: Eu gosto de sorvete. O verbo e ligação pode expressar: a) estado permanente: ser. encontrar-se Por Exemplo: . com preposição obrigatória. liga características ao sujeito. 2 2 = Verbo Transitivo Indireto de= preposição c) Transitivo Direto e Indireto: é quando a ação contida no verbo transita para o complemento direta e indiretamente. ao mesmo tempo. estabelecendo entre eles (sujeito e características) certos tipos de relações. expressando estado. Sandra vive alegre. Por Exemplo: Ela contou tudo ao namorado. 1 1= Verbo Transitivo Direto b) Transitivo Indireto: é quando o complemento vem ligado ao verbo indiretamente. 3 3= Verbo Transitivo Direto e Indireto a= preposição 3) Verbo de Ligação É aquele que. viver. andar.

anda= verbo de ligação. ora como de ligação. é necessário verificar se seu núcleo significativo está num nome ou num verbo. c) estado mutatório: ficar.O jovem anda devagar. Observação: a classificação do verbo quanto à predicação deve ser feita de acordo com o contexto e não isoladamente. devemos considerar se as palavras que formam o predicado referem-se apenas ao verbo ou também ao sujeito da oração. Renato permanece mal. expressa uma ação. As demais palavras ligam-se direta ou indiretamente ao . virar. apresenta apenas uma que se refere ao sujeito: necessitam. e) estado aparente: parecer Por Exemplo: Marta parece melhor. apesar de ser formado por muitas palavras. anda = verbo intransitivo. tornar-se. Veja: 1 . Júlia fez-se brava. Um mesmo verbo pode aparecer ora como intransitivo. 2 . fazer-se Por Exemplo: Júlia ficou brava. Mamãe encontra-se bem.Mamãe está bem. permanecer Por Exemplo: Renato continua mal. expressa um estado. Classificação do Predicado Para o estudo do predicado. d) continuidade de estado: continuar. Veja o exemplo abaixo: Os animais necessitam de cuidados especiais Sujeito Predicado O predicado.O jovem anda preocupado. Além disso.

Veja o próximo exemplo: O dia amanheceu ensolarado Sujeito Predicado Percebemos que as duas palavras que formam o predicado estão diretamente relacionadas ao sujeito: amanheceu (verbo significativo) e ensolarado (nome que se refere ao sujeito). Predicado Verbal Apresenta as seguintes características: a) Tem um verbo como núcleo. Tomando por base o núcleo do que está sendo declarado. o nome bela se refere. Já em: A natureza é bela Sujeito Predicado No exemplo acima. Veja os exemplos abaixo: O dia clareou. (núcleo do predicado verbal = Ocorreu) A antiga casa foi demolida. assim. portanto. de algo). ao sujeito da oração. é necessário que o verbo seja significativo. c) Indica ação. que traga uma ideia de ação. O verbo agora atua como elemento de ligação entre sujeito e a palvra a ele relacionada. por intermédio do verbo. dois núcleos: amanheceu e ensolarado. o papel de núcleo significativo do predicado. que assume. (núcleo do predicado verbal = clareou) Chove muito nos estados do sul do país.verbo (necessitar é. (núcleo do predicado verbal = demolida) . Por exemplo: Eles revelaram toda a verdade para a filha. (núcleo do predicado verbal = Chove) Ocorreu um acidente naquela rua. O núcleo do predicado é bela. no caso. Predicado Verbal Para ser núcleo do predicado verbal. b) Não possui predicativo do sujeito. O predicado apresenta. isto é. nominal e verbo-nominal. podemos reconhecer três tipos de predicado: verbal.

(triste = predicativo do sujeito. Pode ser representado por: a) Adjetivo ou locução adjetiva: Por Exemplo: . (derrotado = predicativo do sujeito. é = verbo de ligação) O homem parecia nervoso. (diretora = predicativo do sujeito. o núcleo é sempre um nome. virou = verbo de ligação) Predicativo do Sujeito É o termo que atribui características ao sujeito por meio de um verbo. b) É formado por um verbo de ligação mais o predicativo do sujeito.: no último exemplo há uma locução verbal de voz passiva. Todo predicado construído com verbo de ligação necessita de predicativo do sujeito. c) Indica estado ou qualidade. que desempenha a função de predicativo do sujeito. o que não impede o verbo demolir de ser o núcleo do predicado. tendo como intermediário um verbo de ligação. Por Exemplo: Leonardo é competente.Veja: Ele está triste. Predicado Nominal No predicado nominal. (bela = predicativo do sujeito.Obs. Os exemplos abaixo mostram como esses verbos exprimem diferentes circunstâncias relativas ao estado do sujeito. (nervoso = predicativo do sujeito. está = verbo de ligação) A natureza é bela. parecia = verbo de ligação) Nosso herói acabou derrotado. ao mesmo tempo que o ligam ao predicativo. acabou = verbo de ligação) Uma simples funcionária virou diretora da empresa. O predicativo do sujeito é um termo que caracteriza o sujeito. Predicado Nominal Apresenta as seguintes características: a) Possui um nome (substantivo ou adjetivo) como núcleo.

que indica uma ação praticada pelo sujeito. (dez = numeral) Predicado Verbo-Nominal Apresenta as seguintes características: a) Possui dois núcleos: um verbo e um nome. É importante observar que o predicado dessa oração poderia ser desdobrado em dois outros. Por Exemplo: Os alunos saíram da aula alegres. Predicado Verbo-Nominal O predicado é verbo-nominal porque seus núcleos são um verbo (saíram . (especial = adjetivo) Este bolo está sem sabor. (sem sabor = locução adjetiva) b) Substantivo ou palavra substantivada: Por Exemplo: Esta figura parece um peixe. que indica o estado do sujeito no momento em que se desenvolve o processo verbal. um verbal e um nominal.O seu telefonema foi especial. (recomeçar = verbo substantivado) c) Pronome Substantivo: Por Exemplo: Meu boletim não é esse. e um predicativo do sujeito (alegres). Estrutura do Predicado Verbo-Nominal . b) Possui predicativo do sujeito ou do objeto. Veja: Os alunos saíram da aula. (esse = pronome substantivo) d) Numeral: Por Exemplo: Nós somos dez ao todo. Eles estavam alegres. c) Indica ação ou atividade do sujeito e uma qualidade. (peixe = substantivo) Amar é um eterno recomeçar.verbo intransitivo).

Sujeito Verbo Transitivo Objeto Direto Predicativo do Objeto 3 .Verbo Transitivo + Objeto + Predicativo do Sujeito Por Exemplo: Os alunos cantaram emocionados aquela canção. Sujeito Verbo Intransitivo Predicativo do Sujeito 2 .Verbo Intransitivo + Predicativo do Sujeito Por Exemplo: Joana partiu contente. Assim. julgam os homens insensíveis. Veja: Voz Ativa: As mulheres Sujeito Voz Passiva: Os homens são julgados insensíveis pelas mulheres. vem precedido de preposição. Sujeito Verbo Transitivo Predicativo do Sujeito Objeto Direto Saiba que: Para perceber como os verbos participam da relação entre o objeto direto e seu predicativo. .O predicado verbo-nominal pode ser formado de: 1 . Observação: o predicativo do objeto normalmente se refere ao objeto direto. Verbo Significativo Objeto Direto Predicativo do Objeto Verbo Significativo Predicativo do Objeto O verbo julgar relaciona o complemento (os homens) com o predicativo (insensíveis). Essa relação se evidencia quando passamos a oração para a voz passiva. Ocorre predicativo do objeto indireto com o verbo chamar.Verbo Transitivo + Objeto + Predicativo do Objeto Por Exemplo: A despedida deixou a mãe aflita. basta passar a oração para voz passiva.

agente da passiva.) 3 . Chamou-lhe ingrato.Por Exemplo: Todos o chamam de irresponsável. a. chamados integrantes. (Chamou a ele ingrato. Exemplos: O agricultor cultiva a terra. nos. / Ela me ama. Complementos Verbais Completam o sentido de verbos transitivos diretos e transitivos indiretos. vos. c) Por qualquer pronome substantivo./ Unimos o útil ao agradável. se. os. b) Pelos pronomes oblíquos o.TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si mesmos. São eles: complementos verbais (objeto direto e objeto indireto). Objeto Direto O objeto direto pode ser constituído: a) Por um substantivo ou expressão substantivada. complemento nominal. Por Exemplo: . Por Exemplo: Abri os braços ao vê-lo. as. me. Sua significação só se completa com a presença de outros termos. ligando-se a ele sem o auxílio necessário da preposição. Exemplos: Espero-o na minha festa. te. São eles: 1) Objeto Direto É o termo que completa o sentido do verbo transitivo direto.

Obs.O menino que conheci está la fora. Por Exemplo: A criança chorou lágrimas doídas pela perda da mãe. o objeto direto pode vir acompanhado de preposição facultativa. se.quando o objeto é representado por um pronome substantivo indefinido: O diretor elogiou a todos. podem aparecer como verbos transitivos diretos. Objeto Indireto Preciso de ajuda.quando o objeto é representado por um pronome pessoal oblíquo tônico: Ofenderam a mim. Saiba que: Frequentemente. Exemplos: Não desobedeço a meus pais. vos. pois não poderíamos apontar com precisão o sujeito (o nosso colega). (Preposição clara "de") Objeto Indireto Enviei-lhe um recado. Atenção: Em alguns casos. lhes. Vem sempre regido de preposição clara ou subentendida. o sentido da oração ficaria ambíguo. . verbos intransitivos. nos. Objeto Direto 2) Objeto Indireto É o termo que completa o sentido de um verbo transitivo indireto. . me te. não a ele. .para evitar ambiguidade: Venceu ao inimigo o nosso colega.a preposição a está subentendida) Objeto Indireto . Atuam como objeto indireto os pronomes: lhe. (Enviei a ele .quando o objeto é um substantivo próprio: Adoremos a Deus. Isso pode ocorrer: .: caso o objeto direto não viesse preposicionado.

adjetivos ou advérbios. por exemplo)." Veja que a preposição não foi usada. sempre por meio de preposição. àquele. eu as vi na cozinha. nos. lhes são sempre objeto indireto. nos. los. Portanto. nas) são sempre objeto direto. 3) Complemento Nominal É o termo que completa o sentido de uma palavra que não seja verbo. àquilo).(OI) Substituindo-se "me" por um substantivo qualquer (amigo. tem-se: "João telefonou ao amigo". (OD) Vou avisá-lo. por exemplo).(OD) Substituindo-se "me" por um substantivo qualquer (amigo. Os pronomes lhe. Assim. podemos substituir esses pronomes por um substantivo: se o uso da preposição for obrigatório. caso contrário. as (e as variantes lo.Obs. que consiste na retomada do objeto por um pronome pessoal. la. então se trata de um objeto indireto. tem-se: "Roberto viu o amigo na escola. Exemplos: Eu a encontrei no quarto. Isso ocorre quando o verbo exige a preposição "a". a. te.(OI) c) Os pronomes oblíquos me. (Objeto Direto) A todas vocês. geralmente com a intenção de colocá-lo em destaque. Para determinar sua função sintática. "me" é objeto indireto. Por Exemplo: Entregaram à mãe o presente. "me" é objeto direto. Observe o próximo exemplo: João me telefonou. Por Exemplo: As mulheres. na. no. vos podem ser objeto direto ou indireto. de objeto direto.: muitas vezes o objeto indireto inicia-se com crase (à. (Objeto Indireto) b) Os pronomes oblíquos o. os. pode referir-se a substantivos. eu já lhes forneci o pagamento mensal. (à = "a" preposição + "a" artigo definido) Observações Gerais: a) Pode ocorrer ainda o (objeto direto ou indireto) pleonástico. àquela. Por Exemplo: Roberto me viu na escola. . A preposição foi usada.(OD) Eu lhe pagarei um sorvete. se. Portanto. que acaba se contraindo com a palavra seguinte. las.

complemento nominal de tudo. 4) Agente da Passiva É o termo da frase que pratica a ação expressa pelo verbo quando este se apresenta na voz passiva. complementa nomes (substantivos. o agente da passiva recebe o nome de sujeito. É regido pelas mesmas preposições do objeto indireto. em vez de complementar verbos. Difere deste apenas porque. Agente da Passiva Ao passar a frase da voz passiva para a voz ativa. Por Exemplo: A vencedora Sujeito Paciente foi escolhida Verbo Voz Passiva pelos jurados. . Objeto Direto Essa situação já era conhecida de todos. complemento nominal aos alunos. o paciente. o alvo da declaração expressa por um nome. complemento nominal Ricardo estava consciente adjetivo A professora agiu favoravelmente advérbio Saiba que: O complemento nominal representa o recebedor. adjetivos) e alguns advérbios em -mente.Exemplos: Cecília tem orgulho substantivo da filha. Agente da Passiva a vencedora. Vem regido comumente da preposição "por" e eventualmente da preposição "de". Veja: Os jurados Sujeito escolheram Verbo Voz Ativa Outros exemplos: Joana Sujeito Paciente é amada de muitos.

. No exemplo acima. ampliar a gama de informações contidas nessa frase: Por Exemplo: Suavemente anoiteceu na cidade. Vamos observar o exemplo: Anoiteceu. Por Exemplo: O solo foi umedecido pela chuva. (pelos anfitriões) 4 .Sujeito Paciente Agente da Passiva Observações: a) O agente da passiva pode ser expresso por substantivos ou pronomes. o adjunto adnominal e o aposto. apesar de dispensáveis na estrutura básica da oração. Ao acrescentar informações novas. . São termos acessórios da oração: o adjunto adverbial. (substantivo) Este livro foi escrito por mim. Poderíamos. Por Exemplo: O público não foi bem recebido.caracterizam o ser. O verbo anoiteceu é suficiente para transmitir a mensagem enunciada.determinam os substantivos.TERMOS ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO Sobre os Termos Acessórios Existem termos que. pode muitas vezes ser omitido. no entanto. (pronome) b) Embora o agente da passiva seja considerado um termo integrante. temos uma oração de predicado verbal formado por um verbo impessoal. esses termos: .exprimem circunstância. são importantes para a compreensão do enunciado. Trata-se de uma oração sem sujeito. .

que enfatiza esse núcleo: o criador de poetas. Veja: Fernando Pessoa. muito intensifica o advérbio mal. O adjunto adverbial é o termo que modifica o sentido de um verbo. Adjunto Adverbial É o termo da oração que indica uma circunstância (dando ideia de tempo. era português. Esse termo é chamado de aposto.). de uma oração com predicado nominal. Nessas três orações. etc. determinando-lhe o sentido. circunstanciais. muito é adjunto adverbial de intensidade. A esses termos acessórios que indicam circunstâncias relativas ao processo verbal damos o nome de adjuntos adverbiais. Seu projeto é muito interessante. pois. causa. intensifica a forma verbal respeitam. lugar. Na terceira oração. analise a frase abaixo: Fernando Pessoa era português. No segundo. Por último. Há ainda um predicativo do sujeito (português) relacionado ao sujeito pelo verbo de ligação (era). Veja o exemplo abaixo: . o criador de poetas. No primeiro caso. Surgiram termos que ser referem ao substantivo cidade. Observe as frases abaixo: Eles se respeitam muito. intensifica o adjetivo interessante. São chamados adjuntos adnominais. Nessa oração. Agora.A ideia central continua contida no verbo da oração. que é núcleo do predicado verbal. Trata-se de termos acessórios que se ligam a um nome. de um adjetivo ou de um advérbio. além do núcleo do sujeito (Fernando Pessoa) há um termo que explica. que é o núcleo do adjunto adverbial de modo. delimitandolhe o sentido. no entanto. Temos. modo. de enriquecer mais um pouco o conteúdo informativo. caracterizando-o. O time jogou muito mal. ligadas ao processo verbal: o modo como anoiteceu (suavemente) e o lugar onde anoiteceu (na cidade). Trata-se. observe o que ocorre ao expandirmos um pouco mais a oração acima: Por Exemplo: Suavemente anoiteceu na deserta cidade do planalto. finalidade. agora. o sujeito é determinado e simples: Fernando Pessoa. que é o núcleo do predicativo do sujeito. Nada nos impede. duas noções acessórias. Agora. Note que a frase é capaz de comunicar eficientemente uma informação.

Em alguns casos. Acréscimo Por Exemplo: Além da tristeza. as diferentes possibilidades de interpretação dão origem a orações sugestivas. Na verdade. Por Exemplo: Entreguei-me calorosamente àquela causa. sentia profundo cansaço. respectivamente em: adjunto adverbial de tempo. Por isso. é fundamental levar em conta o contexto em que surgem os adjuntos adverbiais. Os termos em destaque estão indicando as seguintes circunstâncias: amanhã indica tempo. O adjunto adverbial pode ser expresso por: 1) Advérbio: O balão caiu longe. Sabendo que a classificação do adjunto adverbial se relaciona com a circunstância por ele expressa. 3) Oração: Se o balão pegar fogo. adjunto adverbial de meio e adjunto adverbial de lugar.Amanhã voltarei de bicicleta àquela velha praça. os termos acima podem ser classificados. avisem-me. Afirmação Por Exemplo: . Não deixe de observar os exemplos. É difícil precisar se calorosamente é um adjunto adverbial de modo ou de intensidade. parece ser uma fórmula de expressar ao mesmo tempo as duas circunstâncias. de bicicleta indica meio. àquela velha praça indica lugar. Classificação do Adjunto Adverbial Listamos abaixo algumas circunstâncias que o adjunto adverbial pode exprimir. Observação: nem sempre é possível apontar com precisão a circunstância expressa por um adjunto adverbial. 2) Locução Adverbial: O balão caiu no mar.

encontrariam a solução da crise? Quiçá acertemos desta vez. realmente irei partir. Porventura. o jogo foi ótimo. Companhia Por Exemplo: Fui ao cinema com sua prima. Condição Por Exemplo: Sem minha autorização. (ou segundo o combinado) Dúvida Por Exemplo: Talvez seja melhor irmos mais tarde. Não comentamos nada por discrição.Sim. Conformidade Por Exemplo: Fez tudo conforme o combinado. (ou de futebol. você não irá. não há acertos. Assunto Por Exemplo: Falávamos sobre futebol. o poço secou. . Sem erros. Ele irá com certeza. Concessão Por Exemplo: Apesar do estado precário do gramado. Causa Por Exemplo: Com o calor. O menor trabalha por necessidade. ou a respeito de futebol). Com quem você saiu? Sempre contigo irei estar.

Intensidade Por Exemplo: A atleta corria bastante." (Álvaro de Campos) Matéria Por Exemplo: . Viajei a negócio. Frequência Por Exemplo: Sempre aparecia por lá. Instrumento Por Exemplo: Rodrigo fez o corte com a faca. um altar a um Deus diferente. Havia reuniões todos os dias. Limite Por Exemplo: A menina andava correndo do quarto à sala. O artista criava seus desenhos a lápis. Viajou para o litoral. "Há. Vive nas montanhas. Lugar Por Exemplo: Nasci em Porto Alegre. Daniel estudou para o exame. Estou em casa. Trabalho para o meu sustento.Fim. finalidade Por Exemplo: Ela vive para o amor. em cada canto de minh’alma. O remédio é muito caro.

. Negação Por Exemplo: Não há erros em seu trabalho. Fiquem à vontade. Tempo Por Exemplo: O escritório permanece aberto das 8h às 18h. Substituição ou troca Por Exemplo: Abandonou suas convicções por privilégios econômicos. Ontem à tarde encontrou um velho amigo.Compunha-se de substâncias estranhas. Viajei de trem. Enriqueceram mediante fraude. Preço Por Exemplo: As casas estão sendo vendidas a preços muito altos. O adjunto adnominal possui função adjetiva na oração. Esperava tranquilamente o momento decisivo. Era feito de aço. especifica ou explica um substantivo. Não aceitarei a proposta em hipótese alguma. Beto e Mara se casarão em junho. Meio Por Exemplo: Fui de avião. a qual pode ser desempenhada por adjetivos. Modo Por Exemplo: Foram recrutados a dedo. Adjunto Adnominal É o termo que determina.

respectivamente. trabalhos e amigo são núcleos. As palavras "o". Observe como os adjuntos adnominais se prendem diretamente ao substantivo a que se referem. Observe: Sua atitude deixou os amigos perplexos. notável e português tiveram de acompanhar o substantivo poeta. Ao substituirmos poeta pelo pronome ele. o artigo" o" (em ao). Isso é facilmente notável quando substituímos um substantivo por um pronome: todos os adjuntos adnominais que estão ao redor do substantivo têm de acompanhá-lo nessa substituição. sem qualquer participação do verbo. Por Exemplo: O notável poeta português deixou uma obra originalíssima. pois é um termo que se refere ao objeto. Ao redor de cada um desses substantivos agrupam-se os adjuntos adnominais: o artigo" o" e o adjetivo inovador referem-se a poeta. Objeto Indireto Na oração acima. Veja o exemplo a seguir: O poeta inovador Sujeito enviou Núcleo do Predicado Verbal dois longos trabalhos Objeto Direto ao seu amigo de infância. por se tratar de adjuntos adnominais. o predicativo permanecerá na oração.locuções adjetivas. Portanto. do objeto direto e do objeto indireto. se substituirmos o núcleo do objeto por um pronome. . mas não faz parte dele. os substantivos poeta. Veja: O notável poeta português deixou-a. do sujeito determinado simples. Saiba que: A percepção de que o adjunto adnominal é sempre parte de um outro termo sintático que tem como núcleo um substantivo é importante para diferenciá-lo do predicativo do objeto. pronomes adjetivos e numerais adjetivos. O predicativo do objeto é um termo que se liga ao objeto por intermédio de um verbo. obteremos: Ele deixou uma obra originalíssima. O mesmo aconteceria se substituíssemos o substantivo obra pelo pronome a. artigos. o numeral dois e o adjetivo longos referem-se ao substantivo trabalhos. o pronome adjetivo seu e a locução adjetiva de infância são adjuntos adnominais de amigo.

Assim. A expressão "à mãe" classifica-se como complemento nominal. passei o dia com dor de cabeça. já os complementos nominais podem ligar-se a substantivos. pratica a ação de amar. considere o seguinte: a) Somente os substantivos podem ser acompanhados de adjuntos adnominais. A expressão "de mãe" classifica-se como adjunto adnominal. O adjunto adnominal tem sempre valor ativo. dois-pontos ou travessão. seu valor é passivo. ou seja. Dizemos que o aposto é sintaticamente equivalente ao termo a que se relaciona porque poderia substituí-lo. só se relaciona a substantivos cujos significados transitam. Portanto. b) O complemento nominal equivale a um complemento verbal. perplexos é predicativo do objeto direto (seus amigos). Observe os exemplos: Exemplo 1 : Camila tem muito amor à mãe. Exemplo 2 : Vera é um amor de mãe. será um adjunto adnominal. Por Exemplo: Ontem. Note que perplexos se refere ao objeto. obteríamos: Sua atitude deixou-os perplexos. recebe a ação de amar. adjetivos e advérbios. pois mãe é paciente de amar. Quando não houver preposição ligando os termos.Nessa oração. fica claro que o termo ligado por preposição a um adjetivo ou a um advérbio só pode ser complemento nominal. Vem separado dos demais termos da oração por vírgula. Se substituíssemos esse objeto direto por um pronome pessoal. mas não faz parte dele. Veja: . pois mãe é agente de amar. Distinção entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal É comum confundir o adjunto adnominal na forma de locução adjetiva com complemento nominal. Aposto Aposto é um termo que se junta a outro de valor substantivo ou pronominal para explicá-lo ou especificá-lo melhor. é sobre ele que recai a ação. Para evitar que isso ocorra. Segunda-feira é aposto do adjunto adverbial de tempo ontem. Segunda-feira.

cidadania plena. etc. seu aposto passa a exercer essa função: Aprecio MPB. temos: pai de Marina = aposto do objeto direto patrão. Por Exemplo: Dona Aida servia o patrão. c) Resumidor ou Recapitulativo: Vida digna. samba. igualdade de oportunidades. chorinho. o substantivo Segunda-feira assume a função de adjunto adverbial de tempo. rock. tudo isso está na base de um país melhor.: após a eliminação de ontem. adquiriu grande destaque no mundo atual. samba. Classificação do Aposto De acordo com a relação que estabelece com o termo a que se refere. trabalho. pai de Marina. ciência que investiga as relações dos seres vivos entre si e com o meio em que vivem. b) Enumerativo: A vida humana se compõe de muitas coisas: amor. Veja outro exemplo: Aprecio todos os tipos de música: MPB. Objeto Direto Aposto do Objeto Direto Se retirarmos o objeto da oração. Objeto Direto Obs. rock. chorinho. ação.Segunda-feira passei o dia com dor de cabeça. etc. menina levada = aposto de Marina.: o termo a que o aposto se refere pode desempenhar qualquer função sintática (inclusive a de aposto). menina levada. blues. Obs. Analisando a oração. blues. . o aposto pode ser classificado em: a) Explicativo: A Ecologia.

dois pontos ou travessões. fixaram-se por muito tempo na baía anoitecida. Além desses. há o aposto especificativo. um adjunto adnominal. por exemplo. por vírgulas. Não havendo pausa. observe a seguinte frase: A obra de Camões é símbolo da cultura portuguesa. Nessa oração. indagadores holofotes. A rua Augusta está muito longe do rio São Francisco. Por Exemplo: Acabo de ler o romance A moreninha. isto é. detacam-se por pausas. o aposto pode vir precedido de expressões explicativas do tipo: a saber. aquele na poesia e este na prosa. O aposto especificativo individualiza um substantivo de sentido genérico. f) Aposto de Oração: Ela correu durante uma hora. não haverá vírgulas. portanto. em geral. prendendo-se a ele diretamente ou por meio de uma preposição. o termo em destaque tem a função de adjetivo: a obra camoniana. Observações: 1) Os apostos. que difere dos demais por não ser marcado por sinais de pontuação (vírgula ou dois-pontos). etc. indicadas na escrita. Atenção: Para não confundir o aposto de especificação com adjunto adnominal. e) Distributivo: Drummond e Guimarães Rosa são dois grandes escritores. 2) Às vezes. sem que haja pausa na entonação da frase: Por Exemplo: O poeta Manuel Bandeira criou obra de expressão simples e temática profunda. sinal de preparo físico. É.d) Comparativo: Seus olhos. Por Exemplo: .

minha amada. Marcos. Vocativo Vocativo é um termo que não possui relação sintática com outro termo da oração. tais como ó. nem ao sujeito nem ao predicado.: o vocativo pode vir antecedido por interjeições de apelo. com as felicitações.O vocativo não mantém relação sintática com outro termo da oração. 3) O aposto pode aparecer antes do termo a que se refere. complemento nominal ou adjunto adverbial pode aparecer precedido de preposição.Alguns alunos. Não pertence. a senhora está muito elegante hoje! Eh! Gente. é feita de escolhas. Veja os exemplos: Não fale tão alto. Rita! Vocativo Senhor presidente. É o termo que serve para chamar. iluminai-me em minhas decisões. Por Exemplo: Código universal. olá. invocar ou interpelar um ouvinte real ou hipotético. Rafael e Bianca não entraram na sala de aula após o recreio. 4) O aposto que se refere ao objeto indireto. temos que estudar mais. Distinção entre Vocativo e Aposto . a música não tem fronteiras. com o ingresso na universidade. etc. Por Exemplo: Estava deslumbrada com tudo: com a aprovação. eh!. Vocativo Nessas orações. os termos destacados são vocativos: indicam e nomeiam o interlocutor a que se está dirigindo a palavra. Por seu caráter. portanto. a saber. queremos nossos direitos! Vocativo A vida. Por Exemplo: Ó Cristo. Olá professora. Obs. . geralmente se relaciona à segunda pessoa do discurso.

Plural 3ª p. No primeiro exemplo.SINTAXE DE CONCORDÂNCIA Concordância Verbal e Nominal Observe: As crianças estão animadas. com ele concordará o verbo em número e pessoa. as flexões de pessoa. foi filmada. Sujeito Aposto 7 . Vocativo .O aposto mantém relação sintática com outro termo da oração. vamos entrar. o verbo estar se encontra na terceira pessoa do plural. Plural . Singular 3ª p. grande profeta. podendo ser verbal ou nominal. número e gênero se correspondem. a) Sujeito Simples Regra Geral O sujeito sendo simples. Crianças animadas. 3ª p. Veja os exemplos: A orquestra tocou uma valsa longa. o adjetivo animadas está concordando em gênero (feminino) e número (plural) com o substantivo a que se refere: crianças.Por Exemplo: Crianças. 3ª p. Por Exemplo: A vida de Moisés. Nesses dois exemplos. No segundo exemplo. Concordância é a correspondência de flexão entre dois termos. Singular Os pares que rodeavam a nós dançavam bem. concordando com o seu sujeito. CONCORDÂNCIA VERBAL Ocorre quando o verbo se flexiona para concordar com seu sujeito. as crianças.

Casos Particulares Há muitos casos em que o sujeito simples é constituído de formas que fazem o falante hesitar no momento de estabelecer a concordância com o verbo. Quando há artigo no plural. mais de. perto de.: quando a expressão "mais de um" se associar a verbos que exprimem reciprocidade. o verbo deve ficar o plural. o uso do verbo no singular enfatiza a unidade do conjunto. Obs.) seguida de numeral e substantivo. 2) Quando o sujeito é formado por expressão que indica quantidade aproximada (cerca de. (ofenderam um ao outro) 3) Quando se trata de nomes que só existem no plural. Esse mesmo procedimento pode se aplicar aos casos dos coletivos. Metade dos candidatos não apresentou / apresentaram nenhuma proposta interessante. Por isso. Sem artigo. o verbo deve ficar no singular. quando especificados: Por Exemplo: Um bando de vândalos destruiu / destruíram o monumento. grande parte de.. Observe: Cerca de mil pessoas participaram da manifestação. Perto de quinhentos alunos compareceram à solenidade.. Obs. já a forma plural confere destaque aos elementos que formam esse conjunto. uma porção de. 1) Quando o sujeito é formado por uma expressão partitiva (parte de..) seguida de um substantivo ou pronome no plural. a concordância deve ser feita levando-se em conta a ausência ou presença de artigo. o verbo concorda com o substantivo. Por Exemplo: A maioria dos jornalistas aprovou / aprovaram a ideia. a concordância puramente gramatical é contaminada pelo significado de expressões que nos transmitem noção de plural. convém analisar com cuidado os casos a seguir. apesar de terem forma de singular ou vice-versa..: nesses casos. a maioria de. menos de. Às vezes. a maior parte de. Exemplos: . o plural é obrigatório: Por Exemplo: Mais de um colega se ofenderam na tumultuada discussão de ontem. o verbo pode ficar no singular ou no plural. o grosso de. metade de. Mais de um atleta estabeleceu novo recorde nas últimas Olímpíadas.

Veja: Quais de nós são / somos capazes? Alguns de vós sabiam / sabíeis do caso? Vários de nós propuseram / propusemos sugestões inovadoras. Nos casos em que o interrogativo ou indefinido estiver no singular. As Minas Gerais são inesquecíveis. o verbo ficará no singular. muitos. quantos. a concordância em número e pessoa é feita com o antecedente do pronome. 6) Quando o sujeito é o pronome relativo "que". Alagoas impressiona pela beleza das praias e pela pobreza da população. 4) Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais. Isso não ocorre quando alguém diz ou escreve "Alguns de nós sabiam de tudo e nada fizeram. 5) Quando o sujeito é formado por uma expressão que indica porcentagem seguida de substantivo.: veja que a opção por uma ou outra forma indica a inclusão ou a exclusão do emissor. Exemplos: 25% do orçamento do país deve destinar-se à Educação. Minas Gerais produz queijo e poesia de primeira. alguns. 1% do eleitorado aceita a mudança. Veja: 25% querem a mudança. 1% dos alunos faltaram à prova. o verbo deve concordar com o substantivo. esta pessoa está se incluindo no grupo dos omissos. Obs. o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal. Os Sertões imortalizaram Euclides da Cunha. vários) seguido por "de nós" ou "de vós".". Por Exemplo: Qual de nós é capaz? Algum de vós fez isso. 85% dos entrevistados não aprovam a administração do prefeito. Exemplos: . o verbo deve concordar com o número. Quando a expressão que indica porcentagem não é seguida de substantivo. poucos. 1% conhece o assunto. quaisquer. Quando alguém diz ou escreve "Alguns de nós sabíamos de tudo e nada fizemos".Os Estados Unidos determinam o fluxo da atividade econômica do mundo. frase que soa como uma denúncia.

certamente lerá seu novo romance. 8) Quando o sujeito é o pronome relativo "quem". És tu que me fazes ver o sentido da vida. é a concordância no singular. / Fomos nós quem pintamos o muro. ela é uma. O que se ouve efetivamente.Fui eu que paguei a conta. 9) Quando o sujeito é um pronome de tratamento. Assim. são construções como: "Ele foi um dos deputados que mais lutou para a aprovação da emenda". dar e soar se dá de acordo com o numeral. ele é um". o verbo fica na 3ª pessoa do singular ou plural. o verbo deve assumir a forma plural. as formas aceitáveis são: " Das alunas mais brilhantes da sala. Fomos nós que pintamos o muro. Por Exemplo: Ademir da Guia foi um dos jogadores que mais encantaram os poetas. Ainda existem mulheres que ficam vermelhas na presença de um homem. Fomos nós quem pintou o muro. Por Exemplo: Vossa Excelência é diabético? Vossas Excelências vão renunciar? 10) A concordância dos verbos bater. na linguagem corrente." " Dos deputados que mais lutaram pela aprovação da emenda. . Atenção: A tendência. Se você é um dos que admiram o escritor. Ao compararmos com um caso em que se use um adjetivo. 7) Com a expressão "um dos que". pode-se utilizar o verbo na terceira pessoa do singular ou em concordância com o antecedente do pronome. Exemplos: Fui eu quem pagou a conta." A análise da construção acima torna evidente que a forma no singular é inadequada. / Fui eu quem paguei a conta. temos: "Ela é uma das alunas mais brilhante da sala.

11) Verbos Impessoais: por não se referirem a nenhum sujeito. Chovia ontem à tarde. a concordância ocorre da seguinte maneira: a primeira pessoa do plural prevalece sobre a segunda pessoa. Terceira Pessoa do Plural (Eles) . tu e eu tomaremos a decisão. Exemplos: Havia muitas garotas na festa.Por Exemplo: Deu uma hora no relógio da sala. são usados sempre na 3ª pessoa do singular.. torre. Sujeito 2) Nos sujeitos compostos formados por pessoas gramaticais diferentes. Por Exemplo: O tradicional relógio da praça matriz dá nove horas. Obs. Deram cinco horas no relógio da sala. Aqueles que indicam fenômenos da natureza. São verbos impessoais: Haver no sentido de existir. prevalece sobre a terceira. que por sua vez. Primeira Pessoa do Plural (Nós) Tu e teus irmãos tomareis a decisão. sino.: caso o sujeito da oração seja a palavra relógio. o verbo concordará com esse sujeito. a concordância se faz no plural: Exemplos: Pai e filho Sujeito conversavam longamente. b) Sujeito Composto 1) Quando o sujeito é composto e anteposto ao verbo. Segunda Pessoa do Plural (Vós) Pais e filhos precisam respeitar-se. etc. Pais e filhos devem conversar com frequência. Veja: Teus irmãos. Faz dois meses que não vejo meu pai. Fazer indicando tempo.

Convém insistir que isso é uma opção. um segundo me satisfazem / satisfaz. No primeiro caso. o verbo deverá ficar no plural se a declaração contida no predicado puder ser atribuída a todos os núcleos. o verbo pode ficar no plural ou no singular. passa a existir uma nova possibilidade de concordância: em vez de concordar no plural com a totalidade do sujeito. Casos Particulares 1) Quando o sujeito composto é formado por núcleos sinônimos ou quase sinônimos. uma hora.Obs. Por Exemplo: Faltaram coragem e competência. Por Exemplo: Com você. meu amor. Faltou coragem e competência. e não uma obrigação. Por Exemplo: Descaso e desprezo marcam / marca seu comportamento. No segundo caso. no entanto. formado por um elemento da segunda pessoa e um da terceira. Aceita-se. o verbo no singular enfatiza o último elemento da série gradativa. a concordância é feita obrigatoriamente no plural." 3) No caso do sujeito composto posposto ao verbo. Nem o professor nem o aluno acertaram a resposta. é possível empregar o verbo na terceira pessoa do plural. um minuto. a frase: "Tu e teus irmãos tomarão a decisão. 3) Quando os núcleos do sujeito composto são unidos por "ou" ou "nem".: quando o sujeito é composto. pois. 2) Quando o sujeito composto é formado por núcleos dispostos em gradação. o verbo no plural enfatiza a unidade de sentido que há na combinação. 4) Quando ocorre ideia de reciprocidade. o verbo pode ficar no plural ou concordar com o último núcleo do sujeito. o verbo pode estabelecer concordância com o núcleo do sujeito mais próximo. Observe: Abraçaram-se vencedor e vencido. Por Exemplo: Drummond ou Bandeira representam a essência da poesia brasileira. Ofenderam-se o jogador e o árbitro. .

Por Exemplo: . Por Exemplo: Um e outro compareceu / compareceram à festa. Não só a seca.. ou seja..mas ainda". Você ou ele será escolhido. Veja: "O pai montou o brinquedo com o filho.. Veja: O pai com o filho montaram o brinquedo. o verbo pode ficar no singular. Tanto a mãe quanto o filho ficaram surpresos com a notícia.mas também".. embora o plural também seja praticado. Por Exemplo: Roma ou Buenos Aires será a sede da próxima Olimpíada. se a ideia é enfatizar o primeiro elemento. é como se houvesse uma inversão da ordem. Na verdade. Nesse caso. Nem um nem outro saiu / saíram do colégio. 5) Quando os núcleos do sujeito são unidos por "com". o verbo pode ficar no plural.. o verbo concorda de preferência no plural. não se pode falar em sujeito composto. O sujeito é simples." "O governador traçou os planos para o próximo semestre com o secretariado.quanto".. os núcleos recebem um mesmo grau de importância e a palavra "com" tem sentido muito próximo ao de "e". se os núcleos forem excludentes. "não somente". "não apenas. O pai com o filho montou o brinquedo. mas também o pouco caso castigam o Nordeste. "tanto... a concordância é feita com esse termo resumidor.: com o verbo no singular. a concordância costuma ser feita no singular. O governador com o secretariado traçou os planos para o próximo semestre. O governador com o secretariado traçaram os planos para o próximo semestre.. (Só será escolhido um) 4) Com as expressões "um ou outro" e "nem um nem outro". Obs.Quando a declaração contida no predicado só puder ser atribuída a um dos núcleos do sujeito. Nesse mesmo caso." 6) Quando os núcleos do sujeito são unidos por expressões correlativas como: "não só. 7) Quando os elementos de um sujeito composto são resumidos por um aposto recapitulativo. uma vez que as expressões "com o filho" e "com o secretariado" são adjuntos adverbiais de companhia. o verbo deverá ficar no singular.

isto. o . tudo. Nesse caso. Era-se mais feliz no passado. Quando pronome apassivador. o "se" acompanha os verbos intransitivos. No caso do verbo ser. há duas de particular interesse para a concordância verbal: a) quando é índice de indeterminação do sujeito. . Outros Casos 1) O Verbo e a Palavra "SE" Dentre as diversas funções exercidas pelo "se". novelas. o "se" acompanha verbos transitivos diretos e indiretos na formação da voz passiva sintética. descanso. aquilo. tudo é muito importante na vida das pessoas. Construíram-se novos postos de saúde. 2) O Verbo "Ser" A concordância verbal se dá sempre entre o verbo e o sujeito da oração. b) quando é partícula apassivadora. boas conversas.Filmes. isso. Exemplos: Isso são lembranças inesquecíveis. Confia-se em teses absurdas. transitivos indiretos e de ligação. Não se devem poupar esforços para despoluir o rio. nada o tirava da apatia. Exemplos: Construiu-se um posto de saúde. diversão. Não se pouparam esforços para despoluir o rio. o verbo deve concordar com o sujeito da oração. O verbo ser concordará com o predicativo do sujeito: a) Quando o sujeito for representado pelos pronomes . essa concordância pode ocorrer também entre o verbo e o predicativo do sujeito. Aquilo eram problemas gravíssimos. que obrigatoriamente são conjugados na terceira pessoa do singular.e o predicativo estiver no plural. Trabalho. Exemplos: Precisa-se de governantes interessados em civilizar o país. O que eu admiro em você são os seus cabelos compridos. Quando índice de indeterminação do sujeito.

Saiba que: Na indicação de dia. Predicativo do Sujeito eram só alegrias. Obs.: admite-se a concordância no singular quando se deseja fazer prevalecer um elemento sobre o outro. o verbo ser concorda com o numeral. c) Quando o sujeito for pronome interrogativo que ou quem. Por Exemplo: Que são esses papéis? Quem são aquelas crianças? d) Como impessoal na indicação de horas. dias e distâncias. Exemplos: Nosso piquenique foram Sujeito Sua rotina Sujeito só guloseimas. Por Exemplo: A vida é ilusões. São três da manhã. Exemplos: É uma hora.b) Quando o sujeito estiver no singular e se referir a coisas. Eram 25 de julho quando partimos. o verbo concorda com esse sujeito. Minhas alegrias é esta criança. Por Exemplo: Gustavo era só decepções. Predicativo do Sujeito Se o sujeito indicar pessoa. o verbo ser admite as seguintes concordâncias: 1) No singular: Concorda com a palavra explícita dia. Por Exemplo: Hoje é dia quatro de março. e o predicativo for um substantivo no plural. . Daqui até a padaria são dois quarteirões.

mais de. Aqui os adultos somos nós. Exemplos: Cinco quilos de açúcar é mais do que preciso. f) Quando um dos elementos (sujeito ou predicativo) for pronome pessoal do caso reto. Por Exemplo: A grande maioria no protesto eram jovens. g) Quando o sujeito for uma expressão de sentido partitivo ou coletivo e o predicativo estiver no plural. e) Quando o sujeito indicar peso. medida. 3) No singular: Concorda com a ideia implícita de dia. 3) O Verbo "Parecer" O verbo parecer. eu sou a única mulher. admite duas concordâncias: a) Ocorre variação do verbo parecer e não se flexiona o infinitivo.: sendo ambos os termos (sujeito e predicativo) representados por pronomes pessoais. quando seguido de infinitivo. Obs. muito. Por Exemplo: No meu setor. Por Exemplo: Hoje é quatro de março. Duas semanas de férias é muito para mim. o verbo concorda com o pronome sujeito. Por Exemplo: . etc. quantidade e for seguido de palavras ou expressões como pouco.2) No plural: Concorda com o numeral. menos de. Três metros de tecido é pouco para fazer seu vestido. o verbo ser fica no singular. Por Exemplo: Hoje são quatro de março. com este concordará o verbo. o verbo ser concordará com o predicativo. Ela não é eu.. O resto foram atitudes imaturas. sem a palavra explícita dia. Por Exemplo: Eu não sou ela.

b) A variação do verbo parecer não ocorre. . literária. ( = vejam-se) CONCORDÂNCIA NOMINAL A concordância nominal se baseia na relação entre um substantivo (ou pronome. ocupase da relação entre nomes. o infinitivo sofre flexão.) 4) A Expressão "Haja Vista" A expressão haja vista admite as seguintes construções: a) A expressão fica invariável (seguida ou não de preposição). Basicamente. enquanto a segunda. como adjunto adnominal.Alguns colegas pareciam chorar naquele momento. adjetivos. Por Exemplo: Alguns colegas parecia chorarem naquele momento. (Parece que as paredes têm ouvidos. Por Exemplo: As paredes parece que têm ouvidos. Obs. considerando-se o termo seguinte como sujeito. Atenção: Com orações desenvolvidas. o verbo parecer fica no singular. Lembre-se: normalmente. numerais adjetivos e particípios). ( = atente-se) b) O verbo haver pode variar (desde que não seguido de preposição). ou numeral substantivo) e as palavras que a ele se ligam para caracterizá-lo (artigos. ( = por exemplo) Haja vista aos fatos explicados por esta teoria.: a primeira construção é considerada corrente. o substantivo funciona como núcleo de um termo da oração. Por Exemplo: Haja vista as lições dadas por ele. Por Exemplo: Hajam vista os exemplos de sua dedicação. e o adjetivo. pronomes adjetivos.

Exemplos: . 2) Quando o adjetivo se refere a vários substantivos. Obs. o adjetivo foi flexionado no plural masculino. Encontrei os divertidos primos e primas na festa. Nesses casos. Por Exemplo: Encontramos caídas as roupas e os prendedores.Caso os substantivos sejam nomes próprios ou de parentesco. A indústria oferece atendimento e localização perfeitos.: os dois últimos exemplos apresentam maior clareza. Encontramos caído o prendedor e a roupa. Encontramos caída a roupa e os prendedores. A indústria oferece atendimento e localização perfeita. . b) Adjetivo posposto aos substantivos: . o adjetivo deve sempre concordar no plural. Podemos sistematizar essa flexão nos seguintes casos: a) Adjetivo anteposto aos substantivos: . Por Exemplo: As adoráveis Fernanda e Cláudia vieram me visitar. a concordância pode variar. pois indicam que o adjetivo efetivamente se refere aos dois substantivos.O adjetivo concorda com o substantivo mais próximo ou com todos eles (assumindo forma masculino plural se houver substantivo feminino e masculino). o adjetivo fica no singular ou plural.Se os substantivos possuírem o mesmo gênero. Por Exemplo: As mãos trêmulas denunciavam o que sentia. A indústria oferece localização e atendimento perfeitos. Exemplos: A indústria oferece localização e atendimento perfeito. .A concordância do adjetivo ocorre de acordo com as seguintes regras gerais: 1) O adjetivo concorda em gênero e número quando se refere a um único substantivo.O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo mais próximo. que é o gênero predominante quando há substantivos de gêneros diferentes.

tem função adjetiva e concorda normalmente com o nome a que se refere. tem função adverbial. 3) Expressões formadas pelo verbo SER + adjetivo: a) O adjetivo fica no masculino singular. ficando. O carro e o iate novo(s). etc.) + preposição DE + adjetivo. Cristina e Débora saíram sós. invariável. muito.A beleza e a inteligência feminina(s). portanto. Por Exemplo: Os jovens tinham algo de misterioso. se o substantivo não for acompanhado de nenhum modificador. quando equivale a "sozinho". b) O adjetivo concorda com o substantivo. Por Exemplo: Juliana as viu ontem muito felizes. se este for modificado por um artigo ou qualquer outro determinativo. 7) Quando um único substantivo é modificado por dois ou mais adjetivos no singular. 6) A palavra "só". Por Exemplo: Água é bom para saúde. algo. 4) O adjetivo concorda em gênero e número com os pronomes pessoais a que se refere. Por Exemplo: Esta água é boa para saúde. Por Exemplo: Eles só desejam ganhar presentes. tanto. este último geralmente é usado no masculino singular.: quando a palavra "só" equivale a "somente" ou "apenas". 5) Nas expressões formadas por pronome indefinido neutro (nada. podem ser usadas as construções: . Obs. Por Exemplo: Cristina saiu só.

Próprio . É preciso cidadania. Esta salada é ótima. ficam invariáveis se o substantivo a que se referem possuir sentido genérico (não vier precedido de artigo). São precisas várias medidas na educação. Casos Particulares É proibido . Observe: .É bom .É preciso . é necessário atenção. Note que ela provoca incerteza: trata-se de duas culturas distintas ou de uma única. No verão. Exemplos: É proibida a entrada de crianças. Em certos momentos. Exemplos: É proibido entrada de crianças. Não é permitido saída pelas portas laterais. tanto o verbo como o adjetivo concordam com ele.Quite Essas palavras adjetivas concordam em gênero e número com o substantivo ou pronome a que se referem. espano-portuguesa? Procure evitar construções desse tipo. b) O substantivo vai para o plural e omite-se o artigo antes do adjetivo. Obs.Mesmo . A educação é necessária.É permitido a) Essas expressões.a) O substantivo permanece no singular e coloca-se o artigo antes do último adjetivo. Por Exemplo: Admiro a cultura espanhola e a portuguesa. Por Exemplo: Admiro as culturas espanhola e portuguesa.Incluso . melancia é bom. formadas por um verbo mais um adjetivo.: veja esta construção: Estudo a cultura espanhola e portuguesa. Anexo .É necessário . pronomes ou adjetivos. b) Quando o sujeito dessas expressões estiver determinado por artigos.Obrigado .

(advérbio) Há bastantes pessoas insatisfeitas com o trabalho.Longe Essas palavras são invariáveis quando funcionam como advérbios. (adjetivo) Achei barato este casaco. Alerta . A menina agradeceu: . Carolina tem menos bonecas que sua amiga. cavalos de vento!" (Cecília Meireles). pronomes adjetivos.Seguem anexas as documentações requeridas. permanecem sempre invariáveis. 8 .Menos Essas palavras são advérbios.SINTAXE DE REGÊNCIA . (adjetivo) "Vais ficando longe de mim como o sono. quando empregada como adjetivo. Seguem inclusos os papéis solicitados. nas alvoradas. Por Exemplo: Os escoteiros estão sempre alerta. nós mesmas faremos isso." (Cecília Meireles) (advérbio) "Levai-me a esses longes verdes. concorda normalmente com o nome a que se refere. Exemplos: As jogadoras estavam bastante cansadas.Muito obrigada.Meia a) A palavra "meio". (advérbio) As casas estão caras. disseram as senhoras. Já lhe paguei o que estava devendo: estamos quites. Por Exemplo: Pedi meia cerveja e meia porção de polentas. (adjetivo) Meio .Caro . Por Exemplo: A noiva está meio nervosa. b) Quando empregada como advérbio (modificando um adjetivo) permanece invariável. (pronome adjetivo) Nunca pensei que o estudo fosse tão caro.Barato . Muito obrigadas.(advérbio) Hoje as frutas estão baratas. Bastante . Concordam com o nome a que se referem quando funcionam como adjetivos. ou numerais. portanto.

-> agradar significa acariciar. satisfazer. Cheguei no metrô. é o meio de transporte por mim utilizado. -> agradar significa "causar agrado ou prazer". Aliás. O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa capacidade expressiva. é muito comum existirem divergências entre a regência coloquial. e a regência culta. cotidiana de alguns verbos. Ocupa-se em estabelecer relações entre as palavras. Veja os exemplos: Cheguei ao metrô. no entanto. A oração "Cheguei no metrô". .Regência Verbal e Nominal Definição: Dá-se o nome de regência à relação de subordinação que ocorre entre um verbo (ou um nome) e seus complementos. sentido diferente. No primeiro caso. que sejam corretas e claras. REGÊNCIA VERBAL Termo Regente: VERBO A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais). A mãe agrada ao filho. porém. contentar. A transitividade. criando frases não ambíguas. no segundo caso. Logo. Verbos Intransitivos Os verbos intransitivos não possuem complemento. destacar alguns detalhes relativos aos adjuntos adverbiais que costumam acompanhá-los. no padrão culto da língua. popularmente usada a fim de indicar o lugar a que se vai. As preposições são capazes de modificar completamente o sentido do que se está sendo dito. agruparemos os verbos de acordo com sua transitividade. É importante. pois oferece oportunidade de conhecermos as diversas significações que um verbo pode assumir com a simples mudança ou retirada de uma preposição. Observe: A mãe agrada o filho. Para estudar a regência verbal. conclui-se que "agradar alguém" é diferente de "agradar a alguém". Saiba que: O conhecimento do uso adequado das preposições é um dos aspectos fundamentais do estudo da regência verbal (e também nominal). que expressem efetivamente o sentido desejado. o metrô é o lugar a que vou. não é um fato absoluto: um mesmo verbo pode atuar de diferentes formas em frases distintas. possui.

ameaçar. alegrar. acusar. la. enquanto lhe e lhes são. acompanhar. as preposições usadas para indicar destino ou direção são: a. nas (após formas verbais terminadas em sons nasais). proteger. conservar. respeitar. amparar. Na língua culta. visitar. para. os. adorar. namorar. Importante: reserva-se o uso de "em" para indicação de tempo ou meio. suportar. auxiliar. Na língua culta.: "Ir para algum lugar" enfatiza a direção. -s ou -z) ou no. São verbos transitivos diretos. aborrecer. condenar. prejudicar. devemos lembrar que os pronomes oblíquos o. esses verbos funcionam exatamente como o verbo amar: . Adjunto Adverbial de Meio b) Comparecer O adjunto adverbial de lugar pode ser introduzido por em ou a.a) Chegar. abençoar. dentre outros: abandonar. na. Verbos Transitivos Diretos Os verbos transitivos diretos são complementados por objetos diretos. a partida. castigar. admirar. Ir Normalmente vêm acompanhados de adjuntos adverbiais de lugar." Ir a algum lugar" sugere também o retorno. defender. Adjunto Adverbial de Lugar Ricardo foi para a Espanha. amolar. estimar. Ao empregar esses verbos. conhecer. humilhar. Adjunto Adverbial de Tempo Chegamos no trem das dez. objetos indiretos. Por Exemplo: Comparecemos ao estádio (ou no estádio) para ver o último jogo. Veja: Cheguei a Roma em outubro. quando complementos verbais. socorrer. abraçar. las (após formas verbais terminadas em -r. Esses pronomes podem assumir as formas lo.convidar. Adjunto Adverbial de Lugar Obs. ouvir. prezar. a. Isso significa que não exigem preposição para o estabelecimento da relação de regência. eleger. nos. ver. as atuam como objetos diretos. los. Exemplos: Fui ao teatro.

/ Amo-o. Eles desobedeceram às leis do trânsito. lhes. Por Exemplo: Devemos obedecer aos nossos princípios e ideais.Amo aquele rapaz. c) Responder Tem complemento introduzido pela preposição "a". os. lhes só acompanham esses verbos para indicar posse (caso em que atuam como adjuntos adnominais). Por Exemplo: A modernidade verdadeira consiste em direitos iguais para todos. as como complementos de verbos transitivos indiretos. / Ele deve amá-la. Exemplos: Quero beijar-lhe o rosto. Os verbos transitivos indiretos são os seguintes: a) Consistir Tem complemento introduzido pela preposição "em". Amam aquele rapaz. usam-se pronomes oblíquos tônicos de terceira pessoa (ele. Obs. b) Obedecer e Desobedecer: Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "a". para substituir pessoas. Por Exemplo: . Os pronomes pessoais do caso oblíquo de terceira pessoa que podem atuar como objetos indiretos são o "lhe".: os pronomes lhe. Amo aquela moça. Isso significa que esses verbos exigem uma preposição para o estabelecimento da relação de regência. / Amo-a. a. ela) em lugar dos pronomes átonos lhe. / Amam-no. Com os objetos indiretos que não representam pessoas. (= beijar seu rosto) Prejudicaram-lhe a carreira. Não se utilizam os pronomes o. (= prejudicaram sua carreira) Conheço-lhe o mau humor! (= conheço seu mau humor) Verbos Transitivos Indiretos Os verbos transitivos indiretos são complementados por objetos indiretos. o "lhes". Esse verbo pede objeto indireto para indicar "a quem" ou "ao que" se responde. Ele deve amar aquela mulher.

Simpatizo com os que condenam os políticos que governam para uma minoria privilegiada. sem que isso implique modificações de sentido. Respondemos às perguntas.Respondi ao meu patrão. Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente. outra indireta. / Atendeu aos meus pedidos. Respondeu-lhe à altura. / Almejamos pela paz entre as nações. d) Simpatizar e Antipatizar Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "com". Ansiar Anseia respostas objetivas. apesar de transitivo indireto quando exprime aquilo a que se responde. Dentre os principais. / Sua partida antecedeu a uma série de fatos estranhos. . uma transitiva direta. Por Exemplo: Antipatizo com aquela apresentadora. Verbos Transitivos Diretos ou Indiretos Há verbos que admitem duas construções. Atender Atendeu os meus pedidos. / Abdicou das vantagens do cargo. temos: Abdicar Abdicou as vantagens do cargo. Veja: O questionário foi respondido corretamente. admite voz passiva analítica. Anteceder Sua partida antecedeu uma série de fatos estranhos. Almejar Almejamos a paz entre as nações. Acreditar Não acreditava a própria força.: o verbo responder. Obs. / Anseia por respostas objetivas. / Não acreditava na própria força.

/ Atente para esta forma de digitar. / Sua palestra versou sobre o estilo dos modernistas. Necessitar Necessitamos algumas horas para preparar a apresentação. / Deparamos com uma bela paisagem em nossa trilha. Consentir Os deputados consentiram a adoção de novas medidas econômicas. Satisfazer Era difícil conseguir satisfazê-la. Renunciar Não renuncie o motivo de sua luta. / Cogitávamos de uma nova estratégia. Presidir Ninguém presidia o encontro. / Não renuncie ao motivo de sua luta. / Necessitamos de algumas horas para preparar a apresentação.Atentar Atente esta forma de digitar. / Ninguém presidia ao encontro. Gozar Gozava boa saúde. / Era difícil conseguir satisfazer-lhe. / Os deputados consentiram na adoção de novas medidas econômicas. / Gozava de boa saúde. / Cogitávamos em uma nova estratégia./ Intensas manifestações precederam à mudança de regime. Deparar Deparamos uma bela paisagem em nossa trilha. Versar Sua palestra versou o estilo dos modernistas. Cogitar Cogitávamos uma nova estratégia. . / Atente nesta forma de digitar. Preceder Intensas manifestações precederam a mudança de regime.

Paguei aos meus credores. / Paguei-lhes. Objeto Direto Objeto Indireto Paguei o débito ao cobrador. Informar Apresenta objeto direto ao se referir a coisas e objeto indireto ao se referir a pessoas. / Agradeci-o. Informe os clientes dos novos preços. / Perdoei-lhe. / Paguei-as. Objeto Indireto Objeto Direto Cristo ensina que é preciso perdoar o pecado ao pecador. (ou sobre eles) . (ou sobre os novos preços) Na utilização de pronomes como complementos. / Perdoei-a. Merecem destaque. / Agradeço-lhe. Agradeço aos eleitores que confiaram em mim. Paguei minhas contas. Perdoar e Pagar São verbos que apresentam objeto direto relacionado a coisas e objeto indireto relacionado a pessoas. mesmo que na frase não haja objeto direto. / Informei-lhes os novos preços. Perdoei ao agressor. Observe: Agradeci o presente. Objeto Direto Objeto Indireto O uso dos pronomes oblíquos átonos deve ser feito com particular cuidado. Perdoei a ofensa. Saiba que: Com os verbos agradecer. ou vice-versa. Já perdoei aos que me acusaram. Veja os exemplos: A empresa não paga aos funcionários desde setembro. Por Exemplo: Informe os novos preços aos clientes.Verbos Transitivos Diretos e Indiretos Os verbos transitivos diretos e indiretos são acompanhados de um objeto direto e um indireto. Veja os exemplos: Agradeço aos ouvintes a audiência. Agradeço a você. veja as construções: Informei-os aos clientes. nesse grupo: Agradecer. / Informe-os deles. perdoar e pagar a pessoa deve sempre aparecer como objeto indireto. Informe-os dos novos preços.

muito comum na linguagem cotidiana. notificar. Preferir Na língua culta. Objeto Indireto Objeto Direto Pedi-lhe Objeto Indireto Saiba que: 1) A construção "pedir para". certificar. Por Exemplo: Peço (licença) para ir entregar-lhe os catálogos em casa. a preposição "para" introduz uma oração subordinada adverbial final reduzida de infinitivo (para ir entregar-lhe os catálogos em casa). deve ter emprego muito limitado na língua culta. nesse caso. cientificar. Por Exemplo: Pedi-lhe favores. prevenir. Por Exemplo: Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma criança. esse verbo admite as preposições "a" ou "com" para introduzir o complemento indireto. é igualmente considerada incorreta.: a mesma regência do verbo informar é usada para os seguintes: avisar. Comparar Quando seguido de dois objetos.Obs. também muito usada popularmente. Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta . é considerada correta quando a palavra licença estiver subentendida. No entanto. Por Exemplo: que mantivesse em silêncio. Observe que. Pedir Esse verbo pede objeto direto de coisa (geralmente na forma de oração subordinada substantiva) e indireto de pessoa. 2) A construção "dizer para". esse verbo deve apresentar objeto indireto introduzido pela preposição "a".

ASPIRAR 1) Aspirar é transitivo direto no sentido de sorver. Por Exemplo: Sempre agrada o filho quando o revê. pois além de permitir a correta interpretação de passagens escritas. Por Exemplo: Aspirava o suave aroma. Cláudia não perde oportunidade de agradar o gato. Por Exemplo: O cantor não agradou aos presentes. 2) Agradar é transitivo indireto no sentido de causar agrado a.Prefiro qualquer coisa a abrir mão de meus ideais. satisfazer. estão: AGRADAR 1) Agradar é transitivo direto no sentido de fazer carinhos. oferece possibilidades expressivas a quem fala ou escreve. O cantor não lhes agradou. não se usam as formas pronominais átonas "lhe" e "lhes" e sim as formas tônicas "a ele (s)". Dentre os principais. / Sempre o agrada quando o revê. Prefiro trem a ônibus. inspirar (o ar). Veja o exemplo: . (Aspirava-o) 2) Aspirar é transitivo indireto no sentido de desejar. Obs. antes. mais. " a ela (s)". tais como: muito. um milhão de vezes. (Aspirávamos a elas) Obs. inalar. Mudança de Transitividade versus Mudança de Significado Há verbos que. / Cláudia não perde oportunidade de agradá-lo. A ênfase já é dada pelo prefixo existente no próprio verbo (pre). O conhecimento das diferentes regências desses verbos é um recurso linguístico muito importante. ter como ambição. Rege complemento introduzido pela preposição "a". mas coisa. mil vezes. de acordo com a mudança de transitividade. Por Exemplo: Aspirávamos a melhores condições de vida.: na língua culta. acariciar. o verbo "preferir" deve ser usado sem termos intensificadores.: como o objeto direto do verbo "aspirar" não é pessoa. apresentam mudança de significado. ser agradável a.

pertencer. A torcida chamou ao jogador mercenário. caber. Por exemplo: Por gentileza. ao qual se refere predicativo preposicionado ou não. auxiliar. Não assisti às últimas sessões. Por Exemplo: Assistimos numa conturbada cidade. residir. 2) Chamar no sentido de denominar. sendo acompanhado de adjunto adverbial de lugar introduzido pela preposição "em". CUSTAR . prestar assistência a. vá chamar sua prima. Por Exemplo: As empresas de saúde negam-se a assistir os idosos. estar presente. / Por favor. As empresas de saúde negam-se a assisti-los. vá chamá-la. (= Aspiravam a ela) ASSISTIR 1) Assistir é transitivo direto no sentido de ajudar. A torcida chamou o jogador de mercenário. Exemplos: A torcida chamou o jogador mercenário. solicitar a atenção ou a presença de. Exemplos: Assistimos ao documentário. apelidar pode apresentar objeto direto e indireto. 2) Assistir é transitivo indireto no sentido de ver. A torcida chamou ao jogador de mercenário. Obs. Essa lei assiste ao inquilino. o verbo "assistir" é intransitivo. / Chamei-o várias vezes. presenciar.Aspiravam a uma existência melhor. CHAMAR 1) Chamar é transitivo direto no sentido de convocar. Chamei você várias vezes.: no sentido de morar.

b) Ter como consequência.: a Gramática Normativa condena as construções que atribuem ao verbo "custar" um sujeito representado por pessoa. esse verbo tem dois sentidos: a) dar a entender.1) Custar é intransitivo no sentido de ter determinado valor ou preço. Obs. pressupor Por exemplo: Suas atitudes implicavam um firme propósito. ter implicância. 2) Como transitivo direto e indireto. Por exemplo: Frutas e verduras não deveriam custar muito. IMPLICAR 1) Como transitivo direto. Forma correta: Custou-me entender o problema. acarretar. Por exemplo: Muito custa viver tão longe da família. Observe o exemplo abaixo: Custei para entender o problema. 2) No sentido de ser difícil. envolver Por exemplo: Implicaram aquele jornalista em questões econômicas. fazer supor. sendo acompanhado de adjunto adverbial. provocar Por exemplo: Liberdade de escolha implica amadurecimento político de um povo. trazer como consequência. penoso pode ser intransitivo ou transitivo indireto. significa comprometer.: no sentido de antipatizar. . é transitivo indireto e rege com preposição "com". Verbo Oração Subordinada Substantiva Subjetiva Intransitivo Reduzida de Infinitivo Custa-me (a mim) crer que tomou realmente aquela atitude. Objeto Oração Subordinada Substantiva Subjetiva Indireto Reduzida de Infinitivo Obs.

Por Exemplo: Implicava com quem não trabalhasse arduamente. PROCEDER 1) Proceder é intransitivo no sentido de ser decisivo, ter cabimento, ter fundamento ou portar-se, comportar-se, agir. Nessa segunda acepção, vem sempre acompanhado de adjunto adverbial de modo. Exemplos: As afirmações da testemunha procediam, não havia como refutá-las. Você procede muito mal. 2) Nos sentidos de ter origem, derivar-se (rege a preposição" de") e fazer, executar (rege complemento introduzido pela preposição "a") é transitivo indireto. Exemplos: O avião procede de Maceió. Procedeu-se aos exames. O delegado procederá ao inquérito. QUERER 1) Querer é transitivo direto no sentido de desejar, ter vontade de, cobiçar. Querem melhor atendimento. Queremos um país melhor. 2) Querer é transitivo indireto no sentido de ter afeição, estimar, amar. Exemplos: Quero muito aos meus amigos. Ele quer bem à linda menina. Despede-se o filho que muito lhe quer. VISAR 1) Como transititvo direto, apresenta os sentidos de mirar, fazer pontaria e de pôr visto, rubricar. Por Exemplo: O homem visou o alvo. O gerente não quis visar o cheque. 2) No sentido de ter em vista, ter como meta, ter como objetivo, é transitivo indireto e rege a preposição "a".

Exemplos: O ensino deve sempre visar ao progresso social. Prometeram tomar medidas que visassem ao bem-estar público. REGÊNCIA NOMINAL Regência Nominal é o nome da relação existente entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e os termos regidos por esse nome. Essa relação é sempre intermediada por uma preposição. No estudo da regência nominal, é preciso levar em conta que vários nomes apresentam exatamente o mesmo regime dos verbos de que derivam. Conhecer o regime de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos nomes cognatos. Observe o exemplo: Verbo obedecer e os nomes correspondentes: todos regem complementos introduzidos pela preposição "a". Veja: Obedecer a algo/ a alguém. Obediente a algo/ a alguém. Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da preposição ou preposições que os regem. Observe-os atentamente e procure, sempre que possível, associar esses nomes entre si ou a algum verbo cuja regência você conhece. Substantivos Admiração a, por Aversão a, para, por Atentado a, contra Bacharel em Capacidade de, para Devoção a, para, com, por Doutor em Dúvida acerca de, em, sobre Horror a Impaciência com Medo a, de Obediência a Ojeriza a, por Proeminência sobre Respeito a, com, para com, por

Adjetivos Acessível a Acostumado a, com Afável com, para com Agradável a Alheio a, de Análogo a Ansioso de, para, por Apto a, para Diferente de Entendido em Equivalente a Escasso de Essencial a, para Fácil de Fanático por Favorável a Necessário a Nocivo a Paralelo a Parco em, de Passível de Preferível a Prejudicial a Prestes a

Ávido de Benéfico a Capaz de, para Compatível com Contemporâneo a, de Contíguo a Contrário a Curioso de, por Descontente com Desejoso de Advérbios

Generoso com Grato a, por Hábil em Habituado a Idêntico a Impróprio para Indeciso em Insensível a Liberal com Natural de

Propício a Próximo a Relacionado com Relativo a Satisfeito com, de, em, por Semelhante a Sensível a Sito em Suspeito de Vazio de

Longe de Perto de Obs.: os advérbios terminados em -mente tendem a seguir o regime dos adjetivos de que são formados: paralela a; paralelamente a; relativa a; relativamente a. SINTAXE DE COLOCAÇÃO Colocação dos Pronomes Oblíquos Átonos Fernanda, quem te contou isso? Fernanda, contaram-te isso? Nos exemplos acima, observe que o pronome "te" foi expresso em lugares distintos: antes e depois do verbo. Isso ocorre porque os pronomes átonos (me, te, se, lhe, o, a, nos, vos, lhes, os, as) podem assumir três posições diferentes numa oração: antes do verbo, depois do verbo e no interior do verbo. Essas três colocações chamam-se, respectivamente: próclise, ênclise e mesóclise. 1) Próclise Na próclise, o pronome surge antes do verbo. Costuma ser empregada: a) Nas orações que contenham uma palavra ou expressão de valor negativo. Exemplos: Ninguém o apoia. Nunca se esqueça de mim. Não me fale sobre este assunto. b) Nas orações em que haja advérbios e pronomes indefinidos, sem que exista pausa.

pensa-se em férias. Ou se diverte. . Comprarei o relógio se me for útil. Por Exemplo: Aqui.: caso haja pausa depois do advérbio. Exemplos: Como te admiro! (oração exclamativa) Deus o ilumine! (oração optativa) e) Nas conjunções subordinativas: Exemplos: Ela não quis a blusa. c) Nas orações iniciadas por pronomes e advérbios interrogativos. emprega-se ênclise. embora lhe servisse. você precisa falar com o gerente. Exemplos: Só se lembram de estudar na véspera das provas. ou fica em casa. Exemplos: Em se tratando de negócios. Exemplos: Quem te convidou para sair? (pronome interrogativo) Por que a maltrataram? (advérbio interrogativo) d) Nas orações iniciadas por palavras exclamativas e nas optativas (que exprimem desejo).Exemplos: Aqui se vive. (pronome indefinido) Obs. f) Com gerúndio precedido de preposição "em". h) Nas orações introduzidas por pronomes relativos. "somente") e com as conjunções coordenativas alternativas. É necessário que o traga de volta. Em se pensando em descanso. g) Com a palavra "só" (no sentido de "apenas". vive-se. (advérbio) Tudo me incomoda nesse lugar.

Exemplos: Diga-me apenas a verdade. o pronome surge depois do verbo. Exemplos: . pois obedece à sequência verbo-complemento. Há pessoas que nos tratam com carinho. (Falarei + lhe) Procurar-me-iam caso precisassem de ajuda. pois confio em seus cuidados. Importava-se com o sucesso do projeto. c) A mesóclise é colocação exclusiva da língua culta e da modalidade literária. desde que não se justifique a próclise. (O pronome "tudo" exige o uso de próclise. 2) Mesóclise Emprega-se a mesóclise quando o verbo estiver no futuro do presente ou no futuro do pretérito do indicativo. b) Nas orações reduzidas de infinitivo. Assim. Exemplos: Falar-lhe-ei a teu respeito. pois. O pronome fica intercalado ao verbo. não se abre frase com pronome oblíquo.) b) Com esses tempos verbais (futuro do presente e futuro do pretérito) jamais ocorre a ênclise. Emprega-se geralmente: a) Nos períodos iniciados por verbos (desde que não estejam no tempo futuro). 3) Ênclise A ênclise pode ser considerada a colocação básica do pronome. desfaz-se a mesóclise. (Procurariam + me) Observações: a) Havendo um dos casos que justifique a próclise. Por Exemplo: Tudo lhe emprestarei. Aqui é o lugar onde te conheci.Exemplos: Foi aquele colega quem me ensinou a matéria. na língua culta.

assustando-se com o ruído que ouvira. d) Nas orações imperativas afirmativas. Exemplos: Eu me machuquei no jogo. As crianças esforçam-se para acordar cedo. 1) Verbo Principal no Infinitivo ou Gerúndio a) Sem palavra que exija a próclise: Geralmente. Espero contar-lhe isto hoje à noite. é possível usar tanto a próclise como a ênclise. Por Exemplo: Linguagem Informal: Me alcança a caneta. no gerúndio ou no particípio.) Exemplos: A mãe adotiva ajudou a criança. As crianças se esforçam para acordar cedo. O menino gritou. dando-lhe carinho e proteção. Exemplos: Fale com seu irmão e avise-o do compromisso. Para que ocorra a próclise ou a mesóclise é necessário haver justificativas. 3) Se o verbo não estiver no início da frase. nem conjugado nos tempos Futuro do Presente ou Futuro do Pretérito. emprega-se o pronome após a locução. Eu machuquei-me no jogo.Convém confiar-lhe esta responsabilidade. ajude-me neste exercício! Observações: 1) A posição normal do pronome é a ênclise. Professor. . c) Nas orações reduzidas de gerúndio (desde que não venham precedidas de preposição "em". 2) A tendência para a próclise na língua falada atual é predominante. Linguagem Formal: Alcança-me a caneta. Colocação dos Pronomes Oblíquos Átonos nas Locuções Verbais As locuções verbais podem ter o verbo principal no infinitivo. mas iniciar frases com pronomes átonos não é lícito numa conversação formal.

Exemplos: Nunca me viram cantar.Por Exemplo: Quero ajudar-lhe ao máximo. o pronome ficará antes da locução. 2) Com a preposição "a" e o pronome oblíquo "o" (e variações) o pronome deverá ser colocado depois do infinitivo. (antes) Não pretendo falar-lhe sobre negócios. b) Se houver fator que justifique a próclise. o pronome oblíquo átono não poderá vir depois dele. a) Se não houver fator que justifique a próclise. Por Exemplo: As crianças tinham-se perdido no passeio escolar. (depois) Observações: 1) Quando houver preposição entre o verbo auxiliar e o infinitivo. Por Exemplo: . b) Com palavra que exija próclise: O pronome pode ser colocado antes ou depois da locução. Nosso filho há de se encontrar na escolha profissional. a colocação do pronome será facultativa. o pronome ficará depois do verbo auxiliar. 2) Verbo Principal no Particípio Estando o verbo principal no particípio. Por Exemplo: Seu rendimento escolar tem-me surpreendido. Por Exemplo: Nosso filho há de encontrar-se na escolha profissional. Por Exemplo: Voltei a cumprimentá-los pela vitória na partida.

. é comum o uso da próclise em relação ao particípio. Veja: Por Exemplo: Haviam me convencido com aquela história.Não me haviam avisado da prova que teremos amanhã. Não haviam me mostrado todos os cômodos da casa.: na língua falada. Obs.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful