P PO OD DE ER RJ JU UD DI IC CI IÁ ÁR RI IO O T TR RI IB BU UN NA AL LR RE EG GI IO ON NA AL LF FE ED DE ER RA AL LD DA A4 4ª ªR RE EG GI IÃ ÃO O

Boletim Jurídico
Nº 39
L LE EG GI IS SL LA AÇ ÇÃ ÃO O

D De po ec os cr siit re et tiiv to on vo os nº sd º4 do 4..7 o 72 29 9/ /2 20 00 03 3-A Allt te er ra ad diis sp R nc ciia aS So oc ciia all Re eg gu ulla am me en nt to od da aP Pr re ev viid dê ên

D Diir sc re ca eiit all,, to oP Pr re ev viid de en nc ciiá ár riio o,, E Ex xe ec cu uç çã ão oF Fiis D es ss su ua all P Diir Pe re en eiit na all to oP Pe en na all e eD Diir re eiit to oP Pr ro oc ce

J JU UR RI IS SP PR RU UD DÊ ÊN NC CI IA A

A 3 03 00 20 -2 oho nh un Ju /J o/ aiio Ma /M riill / br Ab o ã ç e l e S o l e p s a d a c i l b u p s a t n e m e e d Seleção de ementas publicadas pelo S TJ ST F,, S TF ST o ão giiã eg Re ªR 4ª a4 da Fd RF TR eT Je

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

Apresentação

Nesta edição, estamos divulgando o Decreto 4.729/03 que modifica tanto formas de contribuição quanto de concessão de benefício. Entre outras, institui o pagamento de contribuição pelas sociedades civis de prestação de serviços profissionais, trata da

substituição da contribuição individual do cooperado pela cooperativa de trabalho e de produção e da conversão de tempo de serviço especial. Na trilha do elenco legislativo que busca

equacionar as questões previdenciárias, o presente decreto deve adicionar mais elementos ao controvertido debate, o que justifica o destaque que aqui lhe atribuímos.

Dúvidas, comentários e/ou sugestões: revista@trf4.gov.br

2

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

ÍNDICE LEGISLAÇÃO Decreto nº 4.729, de 9 de junho de 2003............................................................................................15 JURISPRUDÊNCIA ABRIL SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Direito Penal e Direito Processual Penal 01 - Entorpecente. Posse. Princípio da insignificância. Inaplicabilidade...........................................26

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 - Mandado de segurança. Decadência. Ato. Autoridade administrativa. Suspensão de benefício. Motivo. Suspeita. Fraude. Efeito. Caráter permanente.......................................................................26 02 - Revisão de benefício. Ação civil pública. Descabimento. Beneficiário. Equiparação. Consumidor. Impossibilidade. Ministério Público Federal. Legitimidade ativa................................26 03 - Tempo de serviço. Trabalho rural. Regime de economia familiar. Menor de catorze anos. Reconhecimento.................................................................................................................................27 Execução Fiscal 01 - Refis. Embargos. Necessidade. Desistência da ação. Condenação. Honorários. Advogado. Descabimento.....................................................................................................................................27 02 - Embargos do devedor. Citação pessoal. Devedor. Interrupção. Prescrição................................28 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 - Competência jurisdicional. Justiça Estadual. Agente do crime. Vítima. Índio...........................28 02 - Competência jurisdicional. Justiça Estadual. Crime contra o sistema financeiro. Descaracterização. Apropriação indébita. Cobrança. Exigência de juros em desacordo com a legislação............................................................................................................................................28 03 - Competência jurisdicional. Justiça Estadual. Crime contra o sistema financeiro. Descaracterização. Digitador. Operador de computação. Instituição financeira. Transferência. Valor. Conta bancária. Terceiro.....................................................................................................................28 04 - Competência jurisdicional. Justiça Estadual. Invasão de estabelecimento agrícola. Sem-terra. Bem particular. Família. Presidente da República. Inexistência. Interesse. União Federal...............29 05 - Competência jurisdicional. Justiça Estadual. Médico. Credenciamento. SUS (Sistema Único de Saúde). Cobrança. Interesse. União Federal. Inexistência................................................................29 06 - Competência jurisdicional. Justiça Federal. Crime contra a fauna. Rio. Diversidade. Estado. Interesse. União Federal.....................................................................................................................29

3

....................... Inocorrência..............Maio ... Impossibilidade........ Permanência....................Competência jurisdicional............... Regime Geral de Previdência Social (RGPS)..............32 08 ..............................Aposentadoria... Tutela antecipada.............. Imposto de Renda (IR).. Contagem recíproca............................Competência jurisdicional.......... Reajuste.......... Menor impúbere. Ex-combatente.... Incapacidade laborativa........................ Vínculo empregatício.........31 04 ......Acumulação de benefício.30 08 .......... Abuso de poder....... Ibama................................................................... Atividade profissional.. Salário in natura............. Doença degenerativa................ Prova testemunhal.... Servidor público................. Salário mínimo.. Prova pericial......... Regime de economia familiar. Critério. Benefício assistencial......... Atividade insalubre....... Justiça Federal................ Revisão.........34 10 .... Requisito.............. Reajuste........ Limite legal.......Benefício assistencial......... Pagamento.... Área. Omissão... Caracterização..................................34 11 ................. Abolitio criminis.... Reclamação trabalhista....... Trabalhador rural......Aposentadoria por idade......... Vedação.................... Responsabilidade.............................31 03 .. Preservação do valor real................................................30 02 . Renda familiar.... Lei mais benigna.................................2003 07 . Tempo.....Aposentadoria por tempo de serviço..... Justiça Federal............ Atividade especial.Auxílio-acidente.. Possibilidade....... Atividade rural.................. Comprovação...Benefício assistencial..... Benefício previdenciário........... Superioridade.............36 16 .... Aprendiz............................... Inclusão............. Exposição... Princípio da razoabilidade............................ Pensão especial.... Desconhecimento... Complementação....... Lei mais benigna... Limite legal..... Lei nova............ Descaracterização.. Observância.... Pobreza.................. INSS. Tempo de serviço.. Inquérito policial.. Crime contra a fauna.. Impossibilidade...... Cativeiro.... Decisão extra petita.............................. Cabimento...Benefício previdenciário......................... Salário de contribuição....30 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Direito Previdenciário 01 ........... Honorários................32 07 ....... Divergência...... Isenção tributária.........35 14 ........... Correção monetária....Auxílio-doença............................ Aplicação............ Regime estatutário..... Remuneração.......Aposentadoria por invalidez.................. Risco profissional....... Trabalhador rural.31 06 ..............................37 18 .... Prova.... Necessidade............... Natureza alimentar...................... Enquadramento............Aposentadoria por tempo de serviço.............. Trabalhador rural........31 05 ........................ Comprovação................... Reconhecimento............................. Renda...............Aposentadoria por tempo de serviço.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .....30 09 ....36 17 ....................................37 19 ..... Advogado..... Superioridade......... Empregado.............. Espécie em extinção................................... Aplicação da lei..........Contribuição previdenciária.........................32 09 .. União Federal.......... Atividade rural.... Loteamento irregular...... Parcialidade.......................... Interpretação extensiva........... Prova documental...............35 13 ................................................................................................ Previdência Social.................. Sentença............ Regime de economia familiar.......... Desconto............................................... Descabimento...... Decisão citra petita... Adicional de periculosidade........................ Atividade perigosa... Reajuste..Benefício previdenciário.. Propriedade rural... Restabelecimento... Restabelecimento de benefício.. Reajuste...Aposentadoria por idade.... Irrelevância.......... Lei... Conversão.... Recolhimento.................................................... Tutela antecipada.........................................Benefício previdenciário. Ato administrativo..Benefício previdenciário............. Usufrutuário............. Interesse............................Aposentadoria por tempo de serviço..38 4 ................35 12 ........... Desconto..........................Auxílio-reclusão.......Aposentadoria por idade.............. Preservação do valor real...................... Acumulação.........Junho ...............35 15 ... Limite legal......

......... Justiça Federal.........................................................Intimação pessoal........40 29 ................................. Atividade rural............... Decorrência.. Previsão legal..... Correção monetária................. Correção monetária...........Embargos...............42 34 . Prorrogação de prazo.......... Previsão legal..... Execução................... Anterioridade..........Precatório.......Pensão por morte...............44 08 .............. Superioridade................ Ato da disposições constitucionais transitórias (ADCT)........ Necessidade.....................................Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ......................... Saldo devedor...................... Pagamento parcial............. Prova documental............. Honorários................ Impossibilidade..... Extinção......... Aplicação imediata.......Levantamento de depósito.........................Pensão por morte....... Greve..... Superioridade........................ Advogado.Pensão por morte... Juízo a quo...Pecúlio... Divisão............40 28 ... Presidente............ Pagamento....... Citação postal.................. Segurado. Alienação fiduciária..Precatório complementar...........Prova.... Concessão.Tutela antecipada......... Constituição Federal.... Preclusão.. Aposentadoria... Prova............................... Direito previdenciário...... Processo administrativo-fiscal........ Decretação de falência..... Inexistência.44 09 .Penhora...... Renda familiar...... Aplicabilidade. Descabimento.........Competência delegada.............. Dispensa...................Tempo de serviço. Dependência econômica.............................................. Saldo remanescente.....43 05 ........................................ Crédito de natureza alimentícia......... Embargos à execução..Maio ......................... Diversidade..... Bem imóvel. Indeferimento.. Plano de benefícios...................................................2003 20 .. Segurado especial...Execução.......43 02 .......Embargos infringentes....... Bem penhorável...... Direito do trabalho........ Comprovação..................... Previdência Social........ Juizados especiais..40 27 .............. Dispositivo legal. Requisição....... Requisito....44 5 . Benefício assistencial........... Caráter pessoal... Revisão de benefício........................................... Limite legal...... Tribunal de Justiça.................. Separação de fato............. Termo inicial...38 22 ......... Concessão.................. Pagamento.... Renúncia...... Limite legal........ Preservação do valor real.. Cumprimento de ordem judicial.Penhora............. Advogado..... Autorização... Honorários...................41 33 ............. Inexigibilidade................................... Dependência econômica....... Desconhecimento.... Idade........ Residência......... Anterioridade....... Cálculo... Cláusula de inalienabilidade......... Declaração.......... Juros de mora......... Direito..................Quebra de sigilo fiscal.. Lei... Localização de devedor........... Regimento interno............... Suspensão....... Impossibilidade.... Cidade..Precatório...................................... Lei nova............Refis.. Necessidade............. Descabimento................ Honorários...........................39 26 .......... Juizado especial cível....................Revisão de benefício...................Pensão por morte................................. Aposentadoria...........42 35 ... Massa falida............................... Servidor público.. Desistência da ação..39 24 ..... Existência.. Representante judicial..... Saldo remanescente.............. Advogado.................Extinção do processo de execução.........43 04 .....44 07 ......... Ocorrência........................ Observância.. Previdência Social.. Garantia..... Execução fiscal...............Refis........................ Possibilidade...... Direito adquirido...... Contrato.... Causa de pequeno valor. Contribuinte.............. Irrelevância......... Prazo.................................... Execução......... Contagem....... Precatório............. Necessidade...... Atividade rural.........41 32 ...........41 30 ...42 Execução Fiscal 01 .............. Embargos à execução............. Possibilidade........................ Alvará................Junho ..... Benefício................ Domicílio... Justiça Federal............................39 23 ..............Lei...... Irrelevância. Inexistência........ Desnecessidade............... Menor de catorze anos...42 36 . Expedição.... Juros de mora. Extinção do processo de execução....... Requerimento........... Juros de mora.43 06 . Débito...Multa...41 31 ................................. Impossibilidade. Inaplicabilidade......... Data.... Pensão previdenciária.................................................... Liquidação.44 10 ...........Bem penhorável..... Ocultação de bens.. Inaplicabilidade............... Notificação...... Anterioridade. Revisão de benefício.................. Distinção..... Justiça Estadual. Remessa ex officio............... Filho..... Necessidade....... Fazenda pública...................... Descabimento.... Revogação...39 25 ................. Lei.............................................43 03 .38 21 ...

... Inocorrência............ Autorização....... Arbitramento........................... Possibilidade............. Ação direta de inconstitucionalidade (ADIN).. Ação judicial................... Crime continuado................. Ex officio..................... Revogação... Mercadoria estrangeira... Princípio da insignificância......................... Necessidade......................... Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).... Consórcio.. Cabimento...................................... Assistência ambulatorial....... Efeito suspensivo........................... Aposentadoria....Competência jurisdicional.............Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ......... Crime contra o sistema financeiro..................... Inocorrência............ Descaminho.................................... Justiça Estadual........ Comprovação...45 13 ............ Salário-maternidade....... Curador especial............... Réu primário.............................. Pena de multa.........Maio ......................................... Omissão.......... Valor..... Comprovação....................45 12 .... Executado....47 05 ..... SUS... Parcelamento. Sonegação fiscal... Impossibilidade..Refis.................. Lei especial.. Finalidade. Inocorrência..........46 02 ........................... Limite legal......Competência jurisdicional... Autoria do crime.... ICMS (Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços)................ Improcedência....... Citação. Honorários... Desclassificação do crime...... Prejuízo.............. Desclassificação do crime................... Guia de recolhimento............. Materialidade.. Corrupção ativa.................... Pensão por morte.....Suspensão do processo de execução.....48 06 ................. Viúvo.... Médico........ Falsidade documental.... Recolhimento......... Emenda Constitucional................................ Pena mínima....Suspensão do processo de execução. Execução provisória.... Constituição Federal........ Justiça Federal.............................. Decretação............49 10 .47 04 ................... Regularidade....................... Bons antecedentes..50 02 ............... Pena restritiva de direitos........Competência jurisdicional................ Inexistência.....Licença à gestante..........................45 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ......Junho .....................Tráfico de entorpecente...................47 03 ...... Exclusão.......... Pendência........... SUS (Sistema Único de Saúde)......................... Sanção..................Título executivo.. Prescrição intercorrente................ Administrador.Pena de multa...50 MAIO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Direito Previdenciário 01 .........2003 11 ........................ Contribuição previdenciária.... Despachante aduaneiro...... Jornada de trabalho.... Justiça Federal.. Salário............ Inexistência.......50 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 .. Extorsão....... Aplicabilidade........ Trancamento de ação penal...............................49 09 ........... Justiça Federal.... Advogado.......... Concessão... Agravo de instrumento......................... Improcedência........... Possibilidade....................... Recurso especial..............Competência jurisdicional. Superioridade........ Autoria do crime..51 6 ............ Concussão.Competência jurisdicional........... Justiça Federal.........Benefício previdenciário............ Substituição.................................... Prescrição intercorrente... Observância..Competência jurisdicional...... Tráfico de entorpecente...... Nomeação..49 08 ..... Possibilidade.....Prestação de serviços à comunidade....................Fiança....... Justiça Federal................. Comunidade indígena... Limite legal..........48 07 ................... Impropriedade............ Falsificação....... Desclassificação do crime....

Extinção........ Insuficiência.............. Penhora.... Intimação........Acordo.......... Vara Federal.... Início............ Justiça Federal.........52 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 ....... Município..................... Tutela antecipada...Tráfico de entorpecentes... Justiça Estadual....... Necessidade... Honorários............................. Condenação................... Habeas corpus............ Propriedade particular... Criança....... Sistema eletrônico....................54 03 ... Descabimento................. Bis in idem. Dinheiro............. Inclusão..... Faturamento................ Interesse............ Executado........... Domicílio..53 03 .. Devedor................ Prova material........ Reforço de penhora..... Ajuizamento... Inexistência............................................. Sentença homologatória....52 02 ....53 06 . Posse... Prova....Execução provisória.........Embargos à execução........Competência jurisdicional.................. Benefício previdenciário......................55 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Direito Previdenciário 01 ................. Inocorrência..56 03 ...Acumulação de benefício...................... Incidência............. Fundamentação.. Decretação.......Execução fiscal. Responsabilidade tributária.. Motivo.......2003 02 .........................Refis........... INSS...... Estrangeiro...... Impossibilidade....56 04 .. Direito adquirido....... Acusado.............Competência jurisdicional............... Advogado....55 04 ... Inexistência. Limite legal..... Exploração mineral.....Aposentadoria por idade.....55 02 ....... Dosimetria da pena.............. Prova ilícita............. Nulidade processual.... Justiça Estadual......... Conselho de fiscalização profissional.......................... Escuta telefônica... Fazenda Pública......... Trabalhador rural.......Ação judicial.... Ação judicial.... Droga..... Trabalhador rural............................. Cabimento........... Prova testemunhal.... Posterioridade............ Caixa Econômica Federal.... Aposentadoria por tempo de serviço...... Execução. Crime contra o meio ambiente. Dano irreparável... Autorização prévia.57 7 ........Competência jurisdicional.................................. Inexistência........... Concessão..........Competência jurisdicional................54 02 ....... Execução fiscal....... Auxílio-acidente......... Opção......................... Comunidade indígena...............................................................Contribuição previdenciária..... Ex officio.Competência jurisdicional.... Furto.. Tomador de serviço....... Regime de economia familiar...........52 Execução Fiscal 01 .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .......Junho ............ Uso próprio.. Desistência da ação................ Domicílio.. Capital de estado......53 05 ............. Autorização prévia........53 04 ............................Aposentadoria por idade.... Possibilidade............ Inocorrência................Maio ................... Rapto............... Decretação de falência........... Conta bancária......Foro.................................... Idade............. Índio.... Cabimento........... Inadmissibilidade. Trânsito em julgado...... Direito Previdenciário............... Necessidade................... Início.............. Multa moratória. Juízo estadual..... Preenchimento de requisito.......54 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ................ Inexistência..... Necessidade......... Sentença................................... Bem particular........................................................ Valor superior.56 05 ............................ Justiça Estadual.. Produção...................... Empresa..................

.58 09 ..... Incapacidade laborativa. Índice oficial. Época.... Previsão legal....... Inexistência.. Valor da causa. Aplicação.... Prestação de serviço.... Pedido.Benefício previdenciário........... Cálculo...... Nomeação. Reversão..Aposentadoria por tempo de serviço.. Decreto..59 11 ... Preservação do valor real... Imposto de Renda.... Inexistência..... Benefício previdenciário.......... Extinção do processo sem julgamento do mérito..... Liminar...... Admissibilidade.................... Renda mensal.................... Preenchimento de requisito................Benefício previdenciário.. Desconto...63 21 .... Responsabilidade...Pensão por morte. Concessão............ Termo inicial.. Custas. Legitimidade.... Multa moratória............. Continuidade. Insuficiência de provas..Aposentadoria por tempo de serviço.....Benefício assistencial.......... Interesse de agir... Maior de catorze anos. Regime Geral de Previdência Social (RGPS).......... Dependência econômica.Pensão por morte........63 22 ........ Segurado.......... Regime de economia familiar... Impossibilidade.65 26 .................................... Descabimento.. Assistência Judiciária Gratuita. Legislação.... Início.......... Possibilidade. Índice oficial.... Concessão...............60 12 .......Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Aplicabilidade............. Honorários......... Pais naturais.... Correção monetária........ Cabimento........... Possibilidade.......Aposentadoria por idade.....Benefício previdenciário............Pensão por morte..Junho ...........57 08 ....... Antecipação de tutela..Auxílio-acidente.... Tempo de serviço........ Cota.... Vigência.......... Dependência econômica. Tempo de serviço.. Renúncia. Concessão......... Lei... Benefício previdenciário.Contribuição previdenciária................... Descabimento............. Época..........................................Aposentadoria por invalidez.... Homem. Desemprego......... Atraso no pagamento......Benefício previdenciário...... Fato novo............... Mútua dependência........ Manutenção... Concessão...... Fixação........ Descabimento............. Caução. Recolhimento.... Filho.. Condição.. Aposentadoria por idade. Agricultor...62 18 ........64 23 . Companheiro... Fixação....... Guia de recolhimento.Pensão por morte..... Segurado..... Eficácia............... Reajuste.....60 14 . Esposa....... Renovação..Competência jurisdicional. Atividade rural......... Constituição Federal.59 10 ..........64 25 ..... Descabimento................. Auto-aplicabilidade................... Honorário.. Segurado.. Cabimento. Ação civil pública... Valor superior............ Obrigação de fazer......... Honorários.............. Trabalhador autônomo.... Independência........ Via administrativa.......64 24 . Abono previdenciário.... Pagamento.................. Limite legal.. Beneficiário.. Atividade insalubre. Eficácia..... Impossibilidade. Óbito..... Multa......... Descumprimento............ Advogado. Salário de contribuição...Competência jurisdicional.. Prova material.............66 8 .......... Previdência Social...... Tutela antecipada.. Aplicabilidade...... Comprovação.......... Ônus da prova... Trabalhador rural... Advogado.......... Limite legal.... Inadmissibilidade.... Inocorrência.....60 13 . INSS.. Período...................Aposentadoria por tempo de serviço... Possibilidade...............60 15 ...... Redução permanente da capacidade laborativa.................. Empregador....... Cabimento. Documento...................................... Índice oficial...... Segurado obrigatório..... Ação declaratória............ Fazenda Pública.. Complementação...65 28 . Data......... Lei nova....... Época.Auxílio-doença.. Imposto de Renda....................... Renda mensal vitalícia......................... Índice....... Juizado Especial Cível...... Requerimento............... Prazo. Época........................... Ação civil pública.................... Justiça Federal...63 20 .....2003 06 ......57 07 ............. Termo inicial....65 27 . Prestação de serviço................ Correção monetária.. Implantação..... Previdência Social.......... Segurado.............................. Invalidez.Benefício previdenciário.. Atraso no pagamento.... Direito adquirido........ Profissão.. Ilegalidade. Termo inicial... Prejuízo.. Possibilidade.Maio ....62 17 ... Requerimento.Pensão por morte..... Execução... Título executivo judicial.. Óbito.. Reconhecimento.... Ação civil pública...Auxílio-acidente.................. Indeferimento......... Juros de mora................62 19 .... Inaplicabilidade. Reajuste................. Prova testemunhal........... Revogação....... Valor superior...............66 29 ................. Atraso....Pensão por morte.... Correção monetária........... Lei mais benigna.Benefício previdenciário. Desnecessidade....... Conversão........... Tutor.......... Documento público. Inexistência... Acumulação..... Pessoa designada..................... Requerimento......... Prova...61 16 . Óbito....... Magistrado... Liminar.... Descabimento.. Contribuição previdenciária.... União estável... Acidente..... Juizado Especial Cível.... Fixação.... Benefício previdenciário............. Preenchimento de requisito.. Advogado.. Trabalhador rural............. Retenção.

......67 Execução Fiscal 01 ... Curso. Pensão militar....... Intimação pessoal................. INSS.Revisão de benefício.....Tempo de serviço....... Alteração........... Justiça Estadual......Embargos à execução. Interesse processual............69 08 . Contagem em dobro................. Entidade pública.......................... Inexistência... Princípio da insignificância......... Alegação............. Impenhorabilidade...70 02 .. Interpretação controvertida............... Regime estatutário..................................... Previdência privada...73 JUNHO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 9 ................. Execução da pena...... Atividade insalubre..... Perda do objeto.... Inaplicabilidade.............. Recolhimento.................. Acumulação.......... Justiça Federal. Contagem recíproca....Junho .... Exclusão................Pensão previdenciária............ Ativo.............. Guarda... Prescrição.............................. Litisconsórcio passivo... Desnecessidade..67 33 ...... Possibilidade. Inaplicabilidade............Penhora...................... Desclassificação do crime........ Impossibilidade...........67 34 ........................ Prova pericial.....Competência jurisdicional........ Desnecessidade................Competência absoluta..Concurso de preferência............................ Recursos financeiros........... Despacho......Tráfico internacional..... Lança-perfume...... Descabimento.... Credor.....68 03 .................... Autoria do crime..... Perdimento de bens..........................71 04 .........70 03 . Materialidade............... Entorpecente.......68 02 ....... Dosimetria da pena.... Administração Pública Estadual......................Embargos à execução..... Inocorrência.......... Sujeição.................. Proibição... Comprovação... Cálculo...67 31 . Fazenda Pública........... Conversão...................Tempo de serviço.. Expedição. Complementação......................69 09 ........... Entorpecente..............Competência jurisdicional..... Bem gravado.............Moeda falsa....... Justiça Federal......... Exceção peremptória.. Dosimetria da pena. Comprovação.... técnico............68 05 ........................ INSS........... URV...... Insuficiência..... Regime celetista............. Tráfico de entorpecente...............Competência jurisdicional............... Ex-combatente........ União Federal........................... Aluno..... Inexistência.. Inexistência... Levantamento........ Ação civil pública....... Prorrogação de prazo.................................. PIS........ Juiz.... Autarquia... Constitucionalidade.............. País estrangeiro....Competência jurisdicional....67 32 ..... Crédito trabalhista.... Justiça Federal............70 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ....... Justiça Estadual.. FGTS..... Mandado de segurança... Serviço público....... Execução fiscal. Inalienabilidade........... Lança-perfume...... Prescrição... Elaboração........ Internet.69 10 ................ Dano. Interesse............Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .. Dosimetria da pena.............. Combustível...................... Aprendiz.Fixação de honorários. Crime contra a ordem econômica..................Competência jurisdicional....Competência jurisdicional.......... Tráfico internacional....... Possibilidade.Tempo de serviço... Reconhecimento...... Cédula...........72 06 .... Proventos....... Inocorrência....Descaminho................. Justa causa........... Liquidação de bens...... Estelionato............69 06 .... Certidão......... Parte processual.. Uso de documento falso.......................... Condenação........................... Estabelecimento penal......69 07 ..... Justiça Federal...71 05 ........... Materialidade.... Ônus real....Refis...... Pena de multa....Falência.. Valor nominal.68 04 ........ Impossibilidade....... Substituição da pena... Justiça Federal.......73 07 . Direito Previdenciário.........Maio ......2003 30 ... Período....... Privilégio....... Perito......... Freqüência. Justiça do Trabalho. Fazenda Pública... Cientificação... Justiça Estadual..............

Prova de miserabilidade............... Autorização....... Salário de contribuição.......... Bem particular.. Limite mínimo.. Justiça Federal............ Transação penal....... Auxílio-acidente............ Interesse público..........Competência jurisdicional........... Dois anos........ Estado.........................77 03 .................. Medida cautelar...2003 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ....Prisão.... Justiça Estadual............Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ... Entorpecente.......................... Revisão..... Tráfico internacional.... Falsificação.. Regime integralmente fechado.Competência jurisdicional. Interesse coletivo...... Termo inicial....... Justiça Federal.....77 02 ..76 06 .Competência jurisdicional............79 09 ..Benefício previdenciário... Possibilidade..............74 02 ....................... Falsificação grosseira........................ Bens.. Justiça Estadual... União Federal...........................76 Execução Fiscal 01 . Empresa de Correios e Telégrafos (ECT)............ Inexistência.... Crime contra a fauna................... Furto qualificado.. Organização criminosa........................ Tráfico de entorpecente........ Qualidade..........Maio ..................... Via administrativa..................... Inexistência.............. Crime hediondo...........78 07 ......... Processo de execução........ Alienação fraudulenta de coisa própria........................ Comarca...... Interesse...........Competência jurisdicional......Competência jurisdicional........ Vigência.................. Incidência......... Carteira de identidade......78 06 ......... União Federal. Inexistência.79 08 . Ilegitimidade ativa.........Fraude à execução.. URV........... Renda familiar..............75 05 . Atividade pesqueira.......... Reajuste......... Garantia.................. Direito..... Interesse público... Requerimento............ Inexistência.......... Citação.74 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 .............Tempo de serviço................................. Tráfico internacional. Assistência social..... Interceptação telefônica.............Junho ... Débito...................................... Estelionato.... Inexistência.......... Aposentadoria................Benefício de prestação continuada. Descabimento.............. Lugar do crime........Auxílio-acidente........ Justiça Federal.................. Linha divisória....... Direito disponível...................... Interesse público.. Interesse público.... Administração Pública Estadual............. União Federal....75 03 .. Interesse. Ministério Público Federal.78 05 ............Competência jurisdicional............... Atividade pesqueira... Repasse de valor.............. União Federal..Acumulação de benefício...........77 04 .............. Fazenda Pública................ Ordem pública........ Época.. Fraude........ Sede. Atividade insalubre.......Competência jurisdicional............ Limite da pena.............................. Crime contra o meio ambiente.. Evasão de divisas...79 10 ............... Aplicação da lei..... União Federal.......... Laudo pericial............. Possibilidade....Competência jurisdicional....... Atividade insalubre. INSS. Cumprimento da pena....................... Inocorrência........ Justiça Estadual..........75 04 .......... Apelação em liberdade.......76 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ............ Crime contra a fauna....................................... Aplicação da lei... Ação civil pública................... Apresentação.Competência jurisdicional........Aposentadoria por tempo de serviço.... Princípio da isonomia.... Conversão............................ Inocorrência...... Devedor.. Moeda falsa....... Juizado Especial Criminal.... IRSM............... Justiça Estadual...... Emissão.. Conversão... Inexistência.. Conversão.. Juízo..... União Federal... Inexistência...... Justiça Estadual.......... Equiparação.................. Direito adquirido. Justiça Federal....

............ Mulher.... Contagem de prazo...... Tempo de serviço. Contribuição previdenciária...Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ...... Benefício previdenciário. Tempo de serviço.......... Pagamento.. Recolhimento...... Anterioridade............. Anterioridade..87 11 .... Omissão..Estelionato.. Vínculo empregatício........................... Irrelevância.. Princípio da isonomia.....Aposentadoria por tempo de serviço.... Débito........Maio .................. Permanência................ Aprendiz.......... Inocorrência. Cessação...........85 14 ..Aposentadoria por tempo de serviço... Mandado de segurança. Recebimento indevido.................... Concessão...................... Caminhão..Aposentadoria por invalidez..........82 04 .... Descabimento... Carteira de Trabalho e Previdência Social...Aposentadoria por tempo de serviço....... Enquadramento....................86 15 ......... Recolhimento....... Efeito erga omnes.............. Pessoa jurídica.... Conversão........ Acumulação.. Ato administrativo.Aposentadoria por idade..83 10 .. Autônomo..... Impossibilidade.. Categoria profissional...... INSS......... Atividade insalubre..... Inscrição.......... Homem. Território nacional............... Limite legal.82 07 .........Ação civil pública............ Denúncia.... Doença incurável...83 08 .Junho ..... Impossibilidade........ Omissão. Anistia.... Incapacidade laborativa... Cancelamento de benefício... Prova. Mandado de segurança........ Tempo de serviço.... Vínculo empregatício..... Pagamento em atraso.. Produto nocivo............... Revisão................ Imposto de Renda retido na fonte..... Inexistência.. Recebimento.81 03 .. Prova pré-constituída...........Auxílio-doença............. Possibilidade.. Atividade insalubre.........84 12 ............. Perícia médica....... Cinco anos.......... Averbação........... Prova.... Exposição.. Segurado especial................. Vereador.... Prova pericial.............80 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Direito Previdenciário 01 .............2003 10 .... Habitualidade........... Possibilidade.. Mudança....... Abrangência. Tempo de serviço............ Serviço público....Aposentadoria por tempo de serviço.................. Comprovação..... Fraude........ Prazo.......Aposentadoria especial.... Benefício previdenciário............................... Prescrição....... Descabimento.... Impossibilidade.... Trabalho.......... Necessidade............ Salário indireto........ Decisão judicial.... Reconhecimento... Inocorrência......................Aposentadoria por idade.82 06 .. Greve....... Insuficiência........ Recolhimento....... Posterioridade..... Condição.......80 11 ........................Aposentadoria por idade.............. Sócio...80 12 ........... Advogado.. Extinção da punibilidade.............. Empregado doméstico........ Prova.. Inocorrência..... Trabalhador rural.............. Empresa..................................84 13 . Anotação............................. Cabimento.86 17 ....... Preenchimento de requisito......... Telefonista. Acumulação.Contribuição previdenciária...84 11 .... INSS. Motorista....... Capacidade laborativa.. Crime permanente............................................ Manutenção........... Enquadramento. Possibilidade..................... Comprovação...Contribuição previdenciária....... Legislação....86 16 ................. Admissibilidade................. Alíquota............................ Prova... Termo inicial.. Irrelevância......Aposentadoria por tempo de serviço...................... Tempo de serviço.. Princípio da insignificância.. Descabimento................ Valoração............ Fraude............. Interpretação da lei..81 02 .............. Inaplicabilidade.... Conversão.............Auxílio-doença....... Irregularidade. Acréscimo........ Violação.......... Necessidade............. Trabalhador rural.Aposentadoria por invalidez..................... Atividade penosa..... Data. Aplicabilidade... Descabimento. Tutela antecipada....... Compatibilidade........... Aids.. Função pública.. Impossibilidade...................... Cancelamento de benefício... Pai....Aposentadoria por tempo de serviço......... Tempo de serviço... Restabelecimento de benefício.. Valor superior.. Decadência......... Inexistência...... Diversidade............ Descabimento.... Previdência Social..82 05 ...83 09 ................. Irrelevância..... Atestado médico.. INSS.. Trabalhador rural. Atividade privada..... Indenização..Aposentadoria por tempo de serviço................. Necessidade........ Má-fé... Acumulação.................... Contribuição previdenciária.................. Honorários................... Cabimento............ Irrelevância.. Sócio-gerente..... Comprovação.... Exame médico.. Comprovação..... Termo inicial.......... Servidor público.Auxílio-doença.....

...... Conveniência............ Honorários... Competência jurisdicional...... Inscrição.89 25 ...................... Expedição......Auxílio-reclusão...... Concessão..Pensão por morte.. Impossibilidade.. Habitação............ Óbito... Assistência judiciária gratuita............Junho ............. Comprovação...92 34 ................ Ação civil pública................................... Responsabilidade solidária. Impossibilidade............. Complementação........................... Trabalhador rural. Conflito negativo de competência....... Filho..... Óbito......Pensão por morte........ INSS..................Maio .............. Segurado..Pensão por morte...... Restabelecimento de benefício...Pensão por morte.. Irrelevância.......Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .....88 22 ....... Cabimento....... INSS...... Índice...... Direito personalíssimo.... Inclusão.......... Impossibilidade............... Desconto............. Custas.............. Salário de contribuição........ Efeito retroativo.....2003 18 .. Concessão.......91 29 ....... Prova testemunhal............. Termo inicial....Pensão estatutária.... Fixação....Pensão por morte.94 12 ....... Aposentadoria por idade....Pensão por morte....... Inocorrência..................................... União....... Tribunal de Justiça........ Esposa.......... Economia pública. Proteção....................... Juros de mora.88 21 ................ Participação..........92 32 ..Pensão por morte..... Recolhimento............. Comprovação.. Inexigibilidade.......89 24 ....93 38 ......... Subsistência................ Segurado facultativo........... Desconto. Justiça Federal....... Critério.......... Cessão de mão-de-obra................... Índio........... Óbito........ Empresa tomadora de serviço........Pensão por morte.Pensão por morte..... Listisconsório necessário....... Concessão.. Concessão...................... Condição............ Óbito. Necessidade... Reconhecimento ex officio.. Aplicabilidade.. Segurado............ Recolhimento........... Lei nova.......... Impossibilidade................ Prazo limite..........93 36 ................... Renda familiar... Irrelevância...... Trabalhador rural. Possibilidade... Manutenção..... Inexistência. Alimentos......... Limite máximo..... União estável........ Convenção coletiva de trabalho........... Segurado....93 39 .. Sucumbência...... Salário mínimo.... Tutela antecipada...................Pensão por morte....................................... Inexistência.. Prova............................................... Prescrição.... Prejuízo.. Contribuição previdenciária........... Advogado. Filha...... Equiparação.. Inocorrência.87 19 ........ Necessidade..... Exigência... Inocorrência.................. Prova............ Inexistência.................. Regime de economia familiar... Correção monetária...88 23 ............... Mãe.......................... Via administrativa.... União estável.............. Data..................................... Dependente.................Pecúlio.. Requisito............................92 33 ......... Impossibilidade.90 26 ...................................Cancelamento de benefício.. Prescrição qüinqüenal...... Autônomo............ Independência....... Honorários...................... Companheiro......... Fraude...................................... Cumprimento... Correção monetária.............. Valor... Benefício previdenciário.... Revisão de benefício............ Carência........ Dispositivo constitucional.... Advogado......87 20 ....90 28 . Pagamento indevido.......................... Inexistência........ Regime de economia familiar........ Empresário................ Companheira........................93 37 .............. Prova.. Advogado....... Imóvel........... Doença preexistente............ Ajuda de custo...........................Benefício previdenciário............ Comprovação............ Trabalhador rural......................... Período. Honorários............. Condição..........Pensão por morte..... Justiça Federal.............................. Precatório... Impossibilidade......... Regime de economia familiar....... Renda familiar..........91 30 ... Inexistência...... Incidência........ Registro...........92 35 . Contribuição previdenciária..... Descaracterização........ Exercício.............. Nascimento.......... Possibilidade................. Pagamento indevido......... Renda familiar............. Renda mensal....... Óbito...Benefício assistencial........................ Manutenção..... Possibilidade.............................. Concessão... Atividade urbana.... Réu foragido........ Liminar.. Exceção declinatória de foro...... Pai...Benefício assistencial.... Prova.............................................. Contribuição previdenciária. Posterioridade...... Tutela antecipada....... Prova material. Atualização monetária....... Concessão........................ Recolhimento... Segurado especial. Ex-cônjuge... Execução provisória.............Pensão por morte........ Competência jurisdicional. Impossibilidade..Pensão por morte........ Cessação... Impossibilidade....Execução de sentença........ Termo inicial. Prescrição... Benefício previdenciário...... Prova...... Revisão de benefício........... Anterioridade.............Contribuição previdenciária...91 31 .................. Concessão......... Seis meses.... Arrendamento rural... Pescador artesanal.... Habitualidade...............94 40 ...Pensão por morte.............90 27 ....... Contribuição previdenciária.

. Independência........... Descabimento....... Correção monetária...2003 41 ...................... Motorista............. Regime de economia familiar... Simultaneidade.....Pensão previdenciária......... Reconhecimento............. Processo trabalhista. Certidão... Menor de catorze anos............ Direito.....Salário-maternidade......................... Possibilidade...Salário-família........................................................ Gozo.............Maio ......... Contribuição previdenciária.. Trabalhador rural.......... Manutenção. Termo inicial............ Pedido......... Independência...... Desemprego....... Possibilidade.Tempo de serviço... Possibilidade....... Cumulação de pedidos..Salário-maternidade....... Multa......Tempo de serviço.. Sentença................ Recolhimento............ Pai.... Atividade rural....... Inscrição. Doze meses............................. Benefício previdenciário........ Multa moratória........................... Compensação............................98 54 ... Regime de economia familiar..... Cobrança judicial.. Atividade insalubre................ Irrelevância........... Menor. Prova testemunhal..... Independência.. Cabimento.......................... Benefício previdenciário...100 03 ............ Período....................Tempo de serviço............... Sentença ultra petita..... Objetivo.... Valor.......... Atividade agrícola................. Cobrança........ Fixação.... Inocorrência.................99 57 ..........Crédito tributário........... Segurado obrigatório......... Índice.. Decisão definitiva....... Anterioridade............................. Reconhecimento. Inferioridade............................................... Pagamento indevido.... Custas.................... Possibilidade............ Período.... Aposentadoria por tempo de serviço... Embargos..... Multa.... Regime estatutário..... Prova material.Salário-maternidade......... Concessão.... Possibilidade. Terceiro.. Benefício previdenciário..... Conversão... Massa falida... Recolhimento............................ Impossibilidade.................................................... Execução de sentença..... Contribuição previdenciária...... Cabimento...... Exercício...... Conversão..... Averbação........97 52 ..... Condição........................ Inexistência.Revisão de benefício................. Débito........ Desnecessidade............Precatório.... Trator....... Utilização.............. Aplicabilidade........ Segurado.................. Concessão.. Cartório. Valor.... Correção monetária........ Inexistência.... Possibilidade........... Possibilidade.......... Alteração. Processo trabalhista..................... Possibilidade... Empregador...... Óbito.......... Nome..... Segurado...........Junho .... Limite legal. Prova material........................................ Motorista.. Cabimento.. Trabalho.96 46 ........Conselho Regional de Administração e Economia... Honorários.. Condição econômica................. Benefício previdenciário...... Segurado.. Regime de economia familiar..................95 45 ........ Reexame necessário........... Esposa................... Independência. Atividade rural... Lide.......... Possibilidade....... Tutela antecipada.. Medida Provisória...... Reconhecimento............ Objetivo...100 Execução fiscal 01 ....................................... Contribuição previdenciária.... Termo inicial..99 55 ....... Necessidade........ Prova testemunhal. Prova.......Revisão de benefício.....Revisão de benefício................................... Descabimento.. Exercício profissional..Tempo de serviço.. Atividade pesqueira.... Cabimento..... Impossibilidade. Atividade rural.94 42 ........ Anuidade... Contribuição previdenciária................ Prova material.. Tempo de serviço........ Regime celetista...... Prova..95 44 ... Lei mais benigna. Anterioridade...96 50 ........98 53 .................... Recolhimento.......... Dispensa....... Crédito tributário.. Inocorrência..99 56 ....Tempo de serviço....Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .. Sucumbência...............97 51 ...... Complementação.......... Honorários... Ação declaratória.............................. Conversão.. Advogado. Via administrativa........ Previdência Social................... Irrelevância......Embargos à execução fiscal..... Nulidade......... Embargos...95 43 ............... Reconhecimento...........Pensão por morte. Possibilidade............ Cabimento........... Menor de catorze anos...... Quitação................. Contribuição previdenciária. Correção monetária...... Tutela antecipada.................... Segurado especial. Cancelamento.................................Tempo de serviço.............. Compensação............. Atividade insalubre......96 49 ... Conversão... Documento... Auxílio-doença...............100 02 ....... Apresentação..... Empregado. Filho.. Recolhimento............ Advogado....... Averbação......96 47 ..... Prova....... Desempregado.......96 48 .......................... Objetivo................101 13 .Tempo de serviço....... Regime de economia familiar.

. Alienação fiduciária.. Data...... Equiparação........106 07 ... Pagamento. INSS..................103 12 .. Prestação de serviços à comunidade....Tráfico internacional. Mandado de segurança... Fazenda Pública Federal.................. Ação judicial. Validade........................ Inaplicabilidade... Impossibilidade....Suspensão condicional do processo................ Previdência Social............Maio .......... Legitimidade passiva.... Sócio..................... Repetição do indébito....... Cobrança.... Suspensão....................................... Nulidade..........103 14 . Previdência Social................................ Entorpecente..... Inocorrência.. Ex-prefeito.............. Inexistência...........Refis........106 08 .......... Prova.......... Imóvel..... Multa.. Cabimento...................... Correção monetária.. Prova............107 14 ....................................... Descabimento....... Desnecessidade.Embargos à execução... Mandado de segurança..................... Ajuizamento.............Fiança....... Foro................... Finalidade........... Exclusão..101 06 ... Progressão de regime........ Empresa..... Cabimento............ Opção............. Embargos à execução..........Refis. Exclusividade......... Crime continuado.... Lança-perfume......... Tráfico de entorpecente....... Lançamento por homologação..... Dolo...... Cabimento................................. Ação anulatória.............. Descabimento.................. Execução fiscal...... Arquivamento.........................Prisão preventiva.... Fiança..................... Falecido... Inocorrência.............. Execução fiscal.. Inexistência.......... Admissibilidade....... Substituição da pena..... Imposto de Renda....... Inexistência.. Contagem de prazo.. Regime aberto............................... Obra pública........ Crime hediondo................... Ganho de capital... Ministério Público....................Competência jurisdicional........ Conversão............ Saque..................................Embargos à execução............................102 10 ........... Execução provisória..105 04 ........ Delegado Regional.................107 10 ........ Diversidade.. Competência...... Sócio-gerente...............104 02 ........ Inexistência.. Diário Oficial da União...... Impossibilidade..Embargos à execução............ Necessidade................ Extinção do processo sem julgamento do mérito.. Cabimento................ Conexão........... Decadência....Refis.. Natureza jurídica... Convenção internacional............. Incidência.. Requisitos. Objetivo. Lei de Execução Fiscal...... Pena de multa........................ Culpa. Prova..Crime contra o meio ambiente........102 09 .... Legitimidade ativa.. Sede.. Autoria................................ Autoria......... Prisão......... Conversão............................. Direito.........................................................2003 04 .........Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ................... Inquérito.. Exclusão..............Penhora......................... Procedência............Estelionato.......... Redirecionamento................................... Advogado........... Advogado..........................106 06 . Integralização do capital social.. Administração........... País estrangeiro................. Renúncia........................ Honorários......... Termo inicial........ Extinção do processo sem julgamento do mérito............. Publicação.... Lei nova...... Juros de mora.....Junho .......... Autorização.... Justiça Estadual..............Penhora...........................102 11 ......... Sentença................. Prova testemunhal..... Dissolução.... Violação...............106 09 ............. Coisa julgada. Absolvição........ Operação financeira........... Policial militar............ Exclusão.. Analogia..... Honorários... Receita Federal........... Declaração expressa..... Internet..... Descumprimento.............106 05 ......Refis......... Benefício previdenciário... Descriminalização.... Pena privativa de liberdade. Princípio da ampla defesa......102 08 ............. Inexistência............ Empresa. Secretaria da Receita Federal................... Honorários......... Utilização.....Falência......................... Cabimento.............103 13 .. Delegado Regional.. Conduta........104 16 ... Descumprimento.101 07 .........................Estelionato.. Ilegitimidade passiva.........Pena restritiva de direitos................................. Dilação probatória... Objetivo....Refis... Saque...Execução da pena...........103 15 .............. Irregularidade...........Redirecionamento........ Segurado... Embargante......... Descabimento...............104 03 ........................................ Aposentadoria. Compensação de crédito tributário.... Comprovação. Ajuizamento............. Impossibilidade... Empresa. Advogado..... Intimação pessoal. Exploração mineral......... Necessidade..101 05 ...104 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 ............ Bem...... Princípio do contraditório... Irregularidade...... Inexistência...... Fato gerador....... Ato de gestão........Execução fiscal....

.... V .. nomeado na forma do inciso II do art.............. aprovado pelo Decreto no 3.. .... auxílio-reclusão e pensão por morte... que......................... com ou sem intermediação da organização carcerária ou entidade afim. nesta condição...................... urbana ou rural......... 120 da Constituição Federal...... ...............o médico residente de que trata a Lei nº 6............................................................... O magistrado da Justiça Eleitoral..........048. passa a vigorar com as seguintes alterações: "Art... ........ § 11........... 9o ........................................ mantém o mesmo enquadramento no Regime Geral de Previdência Social de antes da investidura no cargo....................2003 LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 4.... no uso da atribuição que lhe confere o art............... ou que exerce atividade artesanal por conta própria........... ressalvados o disposto no § 10.Maio ....... ...............................048................ . 15 .. DE 9 DE JUNHO DE 2003..... ............" (NR) "Art.................. no mínimo...... de 6 de maio de 1999......... o número de contribuições mensais exigido para efeito de carência na data do requerimento do benefício................ ..................Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . e dá outras providências......... I .. ...... O PRESIDENTE DA REPÚBLICA..932....... § 6º Aplica-se o disposto no § 5º à aposentadoria por idade.............................. h) o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho e o administrador não empregado na sociedade por cotas de responsabilidade limitada.......... cujo valor seja inferior ou igual ao menor benefício de prestação continuada........729......... § 15..... aprovado pelo Decreto nº 3....... preste serviço................ 26... § 5º A perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão das aposentadorias por tempo de contribuição e especial...... ................. 84......................... X ........Junho ................... de 6 de maio de 1999.. de 7 de julho de 1981.................. desde que o segurado conte com......... inciso IV.. 13...... 119 ou III do § 1º do art.............. . ...................... DECRETA: Art 1º O Regulamento da Previdência Social......... § 8o ................o membro do grupo familiar que possui outra fonte de rendimento......... a pensão por morte deixada por segurado especial e os auxílio-acidente........ o) o segurado recolhido à prisão sob regime fechado ou semi-aberto.. dentro ou fora da unidade penal. ............ Altera dispositivos do Regulamento da Previdência Social.... a uma ou mais empresas....... ....................... qualquer que seja a sua natureza. da Constituição................" (NR) "Art...........................

................. § 1º Os valores dos benefícios em manutenção serão reajustados. § 1º As anotações em Carteira Profissional e/ou Carteira de Trabalho e Previdência Social relativas a férias. no âmbito dos acordos internacionais.................... de acordo com suas respectivas datas de início.... .. II .......... multiplicado pelo fator previdenciário. 188-A....... da data do efetivo recolhimento da primeira contribuição sem atraso.......... para os demais.... observado........ será apurado: I ...............Junho .. 216.... 16 ........... § 18...... no § 14 deste artigo........... relativamente ao contribuinte individual.. no Brasil.... do trabalhador avulso e.. do segurado com contribuição para a previdência social brasileira........... mediante declaração...... sob pena de ser considerado em débito no período sem contribuição." (NR) "Art.. 11.. 26... alterações de salários e outras que demonstrem a seqüência do exercício da atividade podem suprir possível falha de registro de admissão ou dispensa.. 188-A e. 28........ em número inferior ao indicado no inciso I.. II . as contribuições dele descontadas pela empresa na forma do art........................... contribuinte individual.... o tempo de contribuição a ser considerado na aplicação da fórmula do fator previdenciário é o somatório do tempo de contribuição para a previdência social brasileira e o tempo de contribuição para a previdência social do país acordante...... quando for o caso..." (NR) "Art..................." (NR) "Art............. com base em percentual definido em decreto do Poder Executivo para essa finalidade... considera-se presumido o recolhimento das contribuições do segurado empregado. secretaria federal... ambos deste artigo... ou outra forma admitida pelo INSS.......... § 1º Cabe ao contribuinte individual comprovar a interrupção ou o encerramento da atividade pela qual vinha contribuindo.......para o segurado empregado doméstico.. § 4º Para os benefícios majorados devido à elevação do salário mínimo.... .. 62......... o disposto nos §§ 3º e 4º do art... 59............ no Brasil. quanto ao segurado facultativo...... no caso dos segurados enquadrados nas alíneas "j" e "l" do inciso V do art....... distrital ou municipal ou por outros órgãos oficiais.." (NR) "Art........... alteração contratual ou documento equivalente emitido por junta comercial. O salário-de-benefício. e facultativo...... 40. com base em distrato social.sem contribuição...... observados o § 2º do art.... desde a data de concessão do benefício ou do seu último reajustamento. ainda que extemporânea.......................... . não sendo consideradas para esse fim as contribuições recolhidas com atraso referentes a competências anteriores... Para a hipótese de que trata o § 18.................. § 2º A comprovação da interrupção ou encerramento da atividade do contribuinte individual será feita......... a partir da competência abril de 2003. .... observado o disposto no § 4º do art...... multiplicado pelo fator previdenciário... 9º............. em número igual ou superior a sessenta por cento do número de meses decorridos desde a competência julho de 1994..Maio .quando houver contribuído... . com base no valor da média aritmética simples de todos os salários-de-contribuição correspondentes a todo o período contributivo contado desde julho de 1994... e III .......... especial.......... o § 14... com base na média aritmética simples de todo o período contributivo.... .... este enquanto contribuinte individual na forma do disposto no § 2º do art.. ... no Brasil...2003 § 4º Para efeito de carência.. observados o disposto no § 2º do art....... 188-A e seus §§ 1º e 2º...... o referido aumento deverá ser descontado quando da aplicação do reajuste de que trata o § 1º.. a partir da competência julho de 1994....quando houver contribuído. quando for o caso......... para fins de cálculo da prestação teórica dos benefícios por totalização.. mediante a aplicação do disposto no art......... .. e............ .. ...." (NR) "Art.... estadual.... § 19.. 200.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ......... o § 19 e.. 32...

a caderneta de inscrição pessoal visada pela Capitania dos Portos. § 10.. 17 . § 6º A empresa deverá elaborar e manter atualizado perfil profissiográfico previdenciário.... 69..Maio ......... II .. uma vez cumprida a carência exigida.....contrato social e respectivo distrato. 283.... a prova exigida pode ser complementada por outros documentos que levem à convicção do fato a comprovar.. conforme o caso..... quando da rescisão do contrato de trabalho ou do desligamento do cooperado. será devida ao segurado empregado.. sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física...... A aposentadoria especial.. VII ........ § 6º A prova material somente terá validade para a pessoa referida no documento.comprovante de cadastro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária..... . IV .............................." (NR) "Art.bloco de notas do produtor rural.... quando o serviço for prestado em estabelecimento da contratante.... 64...o contrato individual de trabalho...... inclusive mediante justificação administrativa.... trabalhador avulso e contribuinte individual. a caderneta de matrícula e a caderneta de contribuições dos extintos institutos de aposentadoria e pensões.contrato de arrendamento." (NR) "Art...... . Aplica-se o disposto no § 9º à empresa contratada para prestar serviços mediante cessão ou empreitada de mão-de-obra. certificado ou certidão de entidade oficial dos quais constem os dados previstos no caput deste artigo...... pela Superintendência do Desenvolvimento da Pesca. abrangendo as atividades desenvolvidas pelo trabalhador e fornecer a este............. vinte ou vinte e cinco anos. ata de assembléia geral e registro de firma individual.. V ... pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas e declarações da Receita Federal. sob pena da multa prevista no art.... desde que homologada pelo Instituto Nacional do Seguro Social.... não sendo permitida sua utilização por outras pessoas.2003 § 2º Servem para a prova prevista neste artigo os documentos seguintes: I .. por seu intermédio. de cooperados para a prestação de serviços que os sujeitem a condições ambientais de trabalho que prejudiquem a saúde ou a integridade física. na forma do Capítulo VI deste Título...... VI .. desde que extraídos de registros efetivamente existentes e acessíveis à fiscalização do Instituto Nacional do Seguro Social.......... ." (NR) "Art..... ... § 9º A cooperativa de trabalho atenderá ao disposto nos §§ 2º e 6º com base nos laudos técnicos de condições ambientais de trabalho emitido pela empresa contratante......... parceria ou comodato rural.. § 3º Na falta de documento contemporâneo podem ser aceitos declaração do empregador ou seu preposto..........declaração de sindicato de trabalhadores rurais ou colônia de pescadores. a carteira de férias.. cópia autêntica deste documento.Junho . atestado de empresa ainda existente. ..... ou VIII . a carteira sanitária........... 68.. no caso de produtores em regime de economia familiar. § 4º Se o documento apresentado pelo segurado não atender ao estabelecido neste artigo..........certidão de inscrição em órgão de fiscalização profissional........... § 5º A comprovação realizada mediante justificação administrativa ou judicial só produz efeito perante a previdência social quando baseada em início de prova material...Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ... quando for o caso... a Carteira Profissional e/ou a Carteira de Trabalho e Previdência Social........................ III . acompanhada do documento que prove o exercício da atividade.. que tenha trabalhado durante quinze.... este somente quando cooperado filiado a cooperativa de trabalho ou de produção.......certificado de sindicato ou órgão gestor de mão-de-obra que agrupa trabalhadores avulsos....

se o retorno à atividade tiver ocorrido antes de quinze dias do afastamento.... que implique: I ........... § 2º O salário-maternidade não é devido quando o termo de guarda não contiver a observação de que é para fins de adoção ou só contiver o nome do cônjuge ou companheiro.. 93-A. bem como........ § 3º Para a concessão do salário-maternidade é indispensável que conste da nova certidão de nascimento da criança.. ........... durante o período em que o segurado estiver recolhido à prisão sob regime fechado ou semi-aberto.redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exerciam........ Parágrafo único.. 100 ou 101.. observado.......... 98. nessa condição. exceto o doméstico.... como indenização....... se requerido até trinta dias depois desta..... de acordo com a forma de contribuição da segurada à Previdência Social................................... exercia atividade remunerada será obtido mediante a realização de cálculo com base no novo tempo de contribuição e salários-de-contribuição correspondentes.. o valor do auxílio-doença poderá ser inferior ao salário mínimo desde que somado às demais remunerações recebidas resultar valor superior a este.até um ano completo. .. § 5º A renda mensal do salário-maternidade é calculada na forma do disposto nos arts. observado o disposto no art.... ou do termo de guarda........... O auxílio-acidente será concedido... 106... deste último. no que couber.......... ou categoria de segurado... . o disposto no inciso I do art..Maio .. apenas...Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .... conforme as situações discriminadas no anexo III....... 116.............. 18 . § 4º Ocorrendo a hipótese do § 1º. por cento e vinte dias....... ou III .........." (NR) "Art.. 105. 73... após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza.. ....... ou nele permanecer....." (NR) "Art........ § 8º Para fins do disposto no caput considerar-se-á a atividade exercida na data do acidente..." (NR)< p> "Art....... 39.......... 94. resultar seqüela definitiva..... facultada a opção pela pensão com valor correspondente ao do auxílio-reclusão. ..... § 1º O salário-maternidade é devido à segurada independentemente de a mãe biológica ter recebido o mesmo benefício quando do nascimento da criança... 104..... na mesma ou em outra empresa........ o nome da segurada adotante ou guardiã......2003 Parágrafo único........... § 4º A data de início do benefício será fixada na data do efetivo recolhimento do segurado à prisão................" (NR) "Art... se posterior........... o segurado fará jus ao auxílio-doença a partir do dia seguinte ao que completar aquele período. ao segurado empregado....... § 5º Na hipótese do § 4º.. ... O valor da pensão por morte devida aos dependentes do segurado recluso que.. ou na data do requerimento.. O salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança com idade: I . qualquer que seja a forma de prestação do serviço.. neles incluídas as contribuições recolhidas enquanto recluso... tratar-se de guarda para fins de adoção.......... por trinta dias....a partir de um ano até quatro anos completos............ § 4º Quando houver adoção ou guarda judicial para adoção de mais de uma criança.....a partir de quatro anos até completar oito anos............... ......" (NR) "Art..... 75.... por sessenta dias.................... 48 ao segurado que retornar ao exercício de atividade ou operações que o sujeitem aos agentes nocivos constantes do Anexo IV... § 5º O auxílio-reclusão é devido....... Aplica-se o disposto no art.... a partir da data do retorno à atividade... .. II ...." (NR) "Art...... é devido um único salário-maternidade relativo à criança de menor idade. ao trabalhador avulso e ao segurado especial quando. na forma do disposto no § 3º do art..Junho ...

....... 66 e 70......... do auxílio-reclusão...... ainda que contribua na forma do § 6º do art.. observado quanto a esta o disposto no parágrafo único do art.. Os benefícios poderão ser pagos mediante depósito em conta corrente bancária em nome do beneficiário....... bem como a contagem de qualquer tempo de serviço fictício.............................. os valores dos benefícios remanescentes serão estornados e creditados à Conta Única do Tesouro Nacional.................... § 4º O segurado recluso......Junho ... 116. o retorno do aposentado à atividade não prejudica o recebimento de sua aposentadoria.......... 9º ou do inciso IX do § 1º do art." (NR) "Art......" (NR) "Art.... § 2º Verificada...Maio .." (NR) "Art. 137...... ...... § 3º É permitida a emissão de certidão de tempo de contribuição para períodos de contribuição posteriores à data da aposentadoria no Regime Geral de Previdência Social...... para a concessão de aposentadoria por invalidez decorrente de doença mental............................. em tempo de contribuição comum. . pelo benefício mais vantajoso.. 11 não acarreta perda do direito ao recebimento do auxílio-reclusão pelos seus dependentes... nos termos dos arts... 666 do Código Civil.......... com vistas ao reingresso no mercado de trabalho........ ............. ........... .." (NR) "Art....... III ... ...... ...os incapazes para os atos da vida civil...." (NR) "Art................Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .......... . pelos dependentes.... 162............. administrativamente........ Salvo nos casos de aposentadoria por invalidez ou especial.......... II . § 3º Na hipótese da falta de movimentação relativo a saque em conta corrente cujos depósitos sejam decorrentes exclusivamente de pagamento de benefícios........... inclusive mediante a celebração de convênio para reabilitação física restrita a segurados que cumpriram os pressupostos de elegibilidade ao programa de reabilitação profissional.. ............ 19 ..... 179....... desde que manifestada.... § 1º Para os fins deste artigo...... é vedada a conversão de tempo de serviço exercido em atividade sujeita a condições especiais......... a recuperação da capacidade para o trabalho do curatelado de que trata o § 1º. também........................................... ressalvado o disposto no art..2003 § 6º O exercício de atividade remunerada pelo segurado recluso em cumprimento de pena em regime fechado ou semi-aberto que contribuir na condição de segurado de que trata a alínea "o" do inciso V do art........ § 2º Admite-se a aplicação da contagem recíproca de tempo de contribuição no âmbito dos acordos internacionais de previdência social somente quando neles prevista....... 166............... ................. 129....... pelos dependentes................articulação com a comunidade. ... e ... com a identificação de sua origem............ ainda que provisória...... § 1º É obrigatória a apresentação do termo de curatela.... O segurado em gozo de auxílio-acidente....... 167........................................................... 168..........." (NR) "Art..........................." (NR) "Art...... que será mantida no seu valor integral.." (NR) "Art............... não faz jus aos benefícios de auxílio-doença e de aposentadoria durante a percepção............ ......... 125......... permitida a opção." (NR) "Art... a aposentadoria será encerrada.. 160......... por prazo superior a sessenta dias.... 69......... auxílio-suplementar ou abono de permanência em serviço terá o benefício encerrado na data da emissão da certidão de tempo de contribuição........

...... 154... ou até trinta dias da data do processamento do benefício.... § 3º Decorrido o prazo concedido pela notificação postal.. o disposto no art.. 180.. dando-se conhecimento da decisão ao beneficiário..... § 3º O segurado que. provas ou documentos de que dispuser..... a previdência social notificará o beneficiário para apresentar defesa..." (NR) "Art... no mínimo..... com tempo de efetivo exercício de atividade de magistério....... a perda da qualidade de segurado importa em caducidade dos direitos inerentes a essa qualidade...... será suspenso o benefício... 56..... exclusivamente...... ou caso seja considerada pela previdência social como insuficiente ou improcedente a defesa apresentada......... o pagamento da dívida.. e vinte e cinco anos.. não comparecendo o beneficiário nem apresentando defesa.. se mulher.... se homem.. e de vinte por cento." (NR) 20 ...... 181-B. tenha cumprido os requisitos para obter a aposentadoria proporcional somente fará jus ao acréscimo de cinco por cento a que se refere o § 2º se cumprir o requisito previsto no inciso I..... Na hipótese de o inventariante não tomar a iniciativa do pagamento das contribuições devidas pelo segurado falecido o Instituto Nacional do Seguro Social deverá requerer..... acrescido de cinco por cento por ano de contribuição que supere a soma a que se refere o inciso II até o limite de cem por cento.. § 2º O valor da renda mensal da aposentadoria proporcional será equivalente a setenta por cento do valor da aposentadoria a que se referem as alíneas "a" e "b" do inciso IV do art.... com notificação ao beneficiário." NR) "Art..< p> . 39." (NR) "Art.. 13.. . O segurado filiado ao Regime Geral de Previdência Social até 16 de dezembro de 1998......... e que opte por se aposentar na forma do disposto nas alíneas "a" e "b" do inciso IV do art. até 16 de dezembro de 1998.... 39....... com valores proporcionais ao tempo de contribuição...... em qualquer nível. terá o tempo de serviço exercido até aquela data contado com o acréscimo de dezessete por cento. quando...2003 § 1º Havendo indício de irregularidade na concessão ou na manutenção de benefício....... cada qual em proporção da parte que na herança lhe coube... inciso I. II ... se mulher....... Parágrafo único... terá direito a aposentadoria..... Parágrafo único. 188............" (NR) "Art..... no inventário ou arrolamento de bens por ele deixado.. se homem.. em relação aos herdeiros dependentes. quarenta por cento do tempo que... 181-C.. cumulativamente:< /font> ... em 16 de dezembro de 1998.... e b) um período adicional de contribuição equivalente a.. sem prejuízo do direito à aposentadoria na forma do § 1º do art... a) trinta anos....... aplicando-se.......Maio ...... observado o disposto no art.... o benefício será cancelado.. Ressalvado o disposto nos §§ 5º e 6º do art.... 56 a 63. no prazo de dez dias..... 187 ou a opção por aposentar-se na forma dos arts.. respondem os herdeiros.. Na hipótese de ter sido feita a partilha da herança sem a liquidação das contribuições devidas pelo segurado falecido..... § 2º A notificação a que se refere o § 1º far-se-á por via postal com aviso de recebimento e... cumprida a carência exigida.Junho .. sem que tenha havido resposta... § 4º O professor que. combinado com o § 3º do mesmo artigo...... tenha exercido atividade de magistério.. ou de sacar o respectivo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ou Programa de Integração Social. desde que se aposente.... prevalecendo o que ocorrer primeiro. até 16 de dezembro de 1988. O segurado pode desistir do seu pedido de aposentadoria desde que manifeste essa intenção e requeira o arquivamento definitivo do pedido antes do recebimento do primeiro pagamento do benefício.. ................. faltava para atingir o limite de tempo constante da alínea "a".........Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .....

.. ........ por iniciativa própria.......... quando não houver discriminação entre a remuneração decorrente do trabalho e a proveniente do capital social ou tratar-se de adiantamento de resultado ainda não apurado por meio de demonstração de resultado do exercício............ ou quando tratar-se de brasileiro civil que trabalha no exterior para organismo oficial internacional do qual o Brasil seja membro efetivo....... prorrogando-se o vencimento para o dia útil subseqüente quando não houver expediente bancário no dia quinze.... ...... na redação dada pela Lei nº 10.... na hipótese do § 28......... respectivamente. destinadas à seguridade social.................932. .... I ........ a cargo da cooperativa de produção.................. 4º da Lei nº 6. Para os fins do § 11................ As contribuições a cargo da empresa.......os segurados contribuinte individual.... Será devida contribuição adicional de nove.. § 10. vinte ou vinte e cinco anos de contribuição............ provenientes do faturamento e do lucro. quando inexistirem salários-decontribuição a partir de julho de 1994... § 11.............. ou ainda......... missão diplomática ou repartição consular de carreira estrangeiras. c) recolher as contribuições de que trata o art..... incidente sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. quando exercer atividade econômica por conta própria ou prestar serviço a pessoa física ou a outro contribuinte individual..........................405....... a) arrecadar a contribuição do segurado empregado.......... II .............. a bolsa de estudos paga ou creditada ao médico-residente participante do programa de residência médica de que trata o art.......... do trabalhador avulso e do contribuinte individual a seu serviço..... 202...." (NR) "Art............... descontando-a da respectiva remuneração.. vinte ou vinte e cinco anos de contribuição.. sete ou cinco pontos percentuais................ de 9 de janeiro de 2002...... produtor rural pessoa física........ . ....... respectivamente. 204..Junho ...Maio ......... serão concedidas no valor mínimo do salário-de-benefício.. 21 ...." (NR) "Art.. . O cálculo das aposentadorias concedidas mediante a utilização do critério estabelecido nos §§ 5º e 6º do art.. incidente sobre a remuneração paga. e o facultativo estão obrigados a recolher sua contribuição.... na forma e prazos definidos pela legislação tributária federal........ 204..... . Será devida contribuição adicional de doze..." (NR) "Art....... fiscalizadas e cobradas pela Secretaria da Receita Federal... será emitida nota fiscal ou fatura de prestação de serviços específica para a atividade exercida pelo cooperado que permita a concessão de aposentadoria especial. normatizadas....... 13 obedecerá ao disposto no art....... 188-A e....... § 5º ................... de 7 de julho de 1981.......... § 12.............. 216........Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .... facultada a opção prevista no § 15..... § 2º Integra a remuneração para os fins do disposto nos incisos II e III do caput.... conforme a atividade exercida pelo cooperado permita a concessão de aposentadoria especial após quinze................." (NR) "Art.......2003 "Art.... 188-E.. nove ou seis pontos percentuais................... a cargo da empresa tomadora de serviços de cooperado filiado a cooperativa de trabalho. devida ou creditada ao cooperado filiado.............. .... até o dia quinze do mês seguinte àquele a que as contribuições se referirem............. ainda que a título de antecipação de lucro da pessoa jurídica....... II ............ 201................. são arrecadadas.... ....os valores totais pagos ou creditados aos sócios................... na hipótese de exercício de atividade que autorize a concessão de aposentadoria especial após quinze.

...... Na hipótese de o contribuinte individual prestar serviço a outro contribuinte individual equiparado a empresa ou a produtor rural pessoa física ou a missão diplomática e repartição consular de carreira estrangeiras.Maio ..... efetivamente recolhida ou declarada... é de onze por cento no caso das empresas em geral e de vinte por cento quando se tratar de entidade beneficente de assistência social isenta das contribuições sociais patronais..... no mesmo mês..... 214.. .. no respectivo mês. § 26..... for inferior ao limite mínimo do salário-de-contribuição.. 22 . observado o disposto no § 26.. o número da inscrição do segurado no Instituto Nacional do Seguro Social..... além dos valores da remuneração e do desconto feito...... da sua contribuição mensal.. deixar de receber remuneração ou receber remuneração inferior às indicadas para o desconto.. e dispensar as demais dessa providência....< p> § 30.. Na hipótese do § 28... no que couber e observado o § 31....... cuja remuneração recebida ou creditada no mês.. cuja soma das remunerações seja igual ou superior ao limite mensal do salário-de-contribuição. § 27... por serviços prestados a ela. de forma a se observar o limite máximo do salário-de-contribuição.... regularmente.2003 .... § 23.... § 1º O desconto da contribuição do segurado incidente sobre o valor bruto da gratificação natalina décimo terceiro salário .. observado o § 7º do art.... devendo complementar as contribuições com os acréscimos legais devidos......... § 29..... é obrigado a complementar sua contribuição mensal.... limitada a nove por cento do respectivo salário-de-contribuição..Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ...... § 28. A alíquota de contribuição a ser descontada pela empresa da remuneração paga. diretamente.. Cabe ao próprio contribuinte individual que prestar serviços.. poderá deduzir.... na hipótese de........................ mediante a aplicação da alíquota estabelecida no art..... comprovar às que sucederem à primeira o valor ou valores sobre os quais já tenha incidido o desconto da contribuição. à cooperativa de trabalho em relação à contribuição devida pelo seu cooperado... .... . a mais de uma empresa........é devido quando do pagamento ou crédito da última parcela e deverá ser calculado em separado. 201 na forma deste artigo..... . observado o limite máximo do salário-decontribuição.... indicar qual ou quais empresas e sobre qual valor deverá proceder o desconto da contribuição..a empresa que remunera contribuinte individual é obrigada a fornecer a este comprovante do pagamento do serviço prestado consignando..a entidade sindical que remunera dirigente que mantém a qualidade de segurado contribuinte individual é obrigada a recolher a contribuição prevista no inciso II do caput do art.......Junho . até o dia vinte do mês de dezembro.......... o Instituto Nacional do Seguro Social poderá facultar ao contribuinte individual que prestar.... por qualquer razão.... devida ou creditada ao contribuinte individual a seu serviço.. e recolhida................... Aplica-se o disposto neste artigo.. cuja soma das remunerações superar o limite mensal do salário-de-contribuição..... O contribuinte individual contratado por pessoa jurídica obrigada a proceder à arrecadação e ao recolhimento da contribuição por ele devida. 199 sobre o valor resultante da subtração do valor das remunerações recebidas das pessoas jurídicas do valor mínimo do salário-de-contribuição mensal.. juntamente com a contribuição a cargo da empresa...... incidente sobre a remuneração que este lhe tenha pago ou creditado..... quarenta e cinco por cento da contribuição patronal do contratante. bem como atribuir ao próprio contribuinte individual a responsabilidade de complementar a respectiva contribuição até o limite máximo..... XI ........ § 20.. de forma a respeitar o limite máximo............ serviços a uma ou mais empresas. O contribuinte individual que não comprovar a regularidade da dedução de que tratam os §§ 20 e 21 terá glosado o valor indevidamente deduzido. XII ......... antecipando-se o vencimento para o dia útil imediatamente anterior se não houver expediente bancário no dia vinte.........

...... A empresa contratante de serviços executados mediante cessão ou empreitada de mão-deobra. § 2o ..... ..... respectivamente.......... de conformidade com o disposto no § 28 do art.......... inclusive como integrante de grupo-tarefa........ após quinze................... . 216. como contribuinte individual..................... e proceder ao desconto e recolhimento da respectiva contribuição.. no caso.. indireta e fundações públicas da União......... escrituração de livros ou produção de documentos de natureza contábil. respeitando.. os documentos comprobatórios do cumprimento das obrigações referidas neste artigo.. 216... .......... a empresas e vinte por cento em relação aos serviços prestados a pessoas físicas e recolher o produto dessa arrecadação no dia quinze do mês seguinte ao da competência a que se referir...... inclusive nos casos de concessão ou sub-concessão." (NR) "Art....... vinte ou vinte e cinco anos de contribuição............. trabalhista e previdenciária é obrigada a arquivar e conservar............ XIX . inclusive em regime de trabalho temporário............ A empresa que utiliza sistema de processamento eletrônico de dados para o registro de negócios e atividades econômicas.................. § 2º O contratado que já estiver contribuindo para o Regime Geral de Previdência Social na condição de empregado ou trabalhador avulso sobre o limite máximo do salário-de-contribuição deverá comprovar esse fato e..............................2003 § 31. durante dez anos..... devidamente 23 ... fiscal... relativamente aos serviços prestados pelos segurados empregado..operação de transporte de passageiros......... 219.... ...... Os órgãos da administração pública direta.. § 22...... ... três ou dois pontos percentuais........ bem como as demais entidades integrantes do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal ao contratarem pessoa física para prestação de serviços eventuais........ procedendo-se........... o saldo remanescente poderá ser compensado nas competências subseqüentes.Maio . 216....... no conjunto..... prorrogando-se o vencimento para o dia útil subseqüente quando não houver expediente bancário no dia quinze....... deverá reter onze por cento do valor bruto da nota fiscal... fatura ou recibo de prestação de serviços e recolher a importância retida em nome da empresa contratada....... 247........ a repartição consular e o contribuinte individual........ ... São excluídos da obrigação de arrecadar a contribuição do contribuinte individual que lhe preste serviço o produtor rural pessoa física.. 216-A.... não sujeitas ao disposto no § 3º do art... ou ser objeto de restituição. 225.......... § 9º Na impossibilidade de haver compensação integral na própria competência.... ..... cuja atividade permita a concessão de aposentadoria especial............ deverão obter dela a respectiva inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social...... ...... sem vínculo empregatício............ O percentual previsto no caput será acrescido de quatro....... na forma do art.... § 12...Junho ....... observados o disposto no § 22 e as normas estabelecidas pelos órgãos competentes... a missão diplomática...." (NR) "Art........... ......... por seu intermédio...... a contribuição como contribuinte individual deverá ser complementar..................... observado o disposto no § 5º do art.." (NR) "Art............ § 32................... A cooperativa de trabalho é obrigada a descontar onze por cento do valor da quota distribuída ao cooperado por serviços por ele prestados...Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .. aquele limite...... ou providenciá-la em nome dela.. § 5º A empresa deverá manter à disposição da fiscalização....... se a sua contribuição nessa condição for inferior ao limite máximo........ caso não seja inscrita.......... inclusive na relativa à gratificação natalina.....

. limitada aos valores previstos no inciso I.. ..............< p> ................ os respectivos sistemas e arquivos............................... seja em relação às bases de cálculo............................... 200 e as importâncias retidas na forma do art.. cujo prazo de validade é de noventa dias...... poderão ser cedidos para terem exercício no Conselho de Recursos da 24 .... mediante ato do Ministro de Estado da Previdência Social......... durante dez anos.............. As instituições financeiras mencionadas no inciso V do caput do art..........................Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .. quando se tratar de infração cometida por pessoa jurídica de direito privado beneficente de assistência social em gozo de isenção das contribuições previdenciárias ou por empresa cujas contribuições incidentes sobre os respectivos fatos geradores tenham sido substituídas por outras..... em meio digital ou assemelhado....... § 5o ...... seja em relação às informações que alterem o valor das contribuições.. § 1º Não poderão ser objeto de parcelamento as contribuições descontadas dos segurados empregado.................................. à disposição da fiscalização........ § 7º O documento comprobatório de inexistência de débito do Instituto Nacional do Seguro Social é a Certidão Negativa de Débito......." (NR) "Art....... 257 ficam obrigadas a verificar.............. 244........... e ...... trabalhador avulso e contribuinte individual............... a autenticidade da Certidão Negativa de Débito ...... 303........... § 1o ...............Maio .. inclusive o doméstico.. contado da data de sua emissão... respectivamente........Junho ............................ A cooperativa de trabalho e a pessoa jurídica são obrigadas a efetuar a inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social dos seus cooperados e contratados....... se ainda não inscritos.... podendo ter outras definidas no Regimento Interno do Conselho de Recursos da Previdência Social.... ............. ............2003 certificados............... e manterão a condição de segurados do Regime Geral de Previdência Social.........." (NR) "Art........... ...... as decorrentes da sub-rogação de que tratam os incisos I e II do § 7º do art..os representantes classistas. II ............ em lista tríplice.................... e ...........................Conselho Pleno......................CND apresentadas pelas empresas com as quais tenham efetuado operações de crédito com recursos ali referidos................ . § 7º Os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social..cem por cento do valor devido relativo à contribuição não declarada.... por meio da internet... ................... que deverão ter escolaridade de nível superior.... ...... exceto representantes dos trabalhadores rurais................... como contribuintes individuais............ que deverão ter nível médio......................... pela apresentação da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social com dados não correspondentes aos fatos geradores....... 219........ .................." (NR) "Art....................... IV ......" (NR) "Art......... .. 227........... 257.... 284. pelas entidades de classe ou sindicais das respectivas jurisdições.. ou do valor que seria devido se não houvesse isenção ou substituição.... II .... § 23............. conforme especificação técnica a ser definida pelo Instituto Nacional do Seguro Social.................... ... são escolhidos dentre os indicados.. com a competência para uniformizar a jurisprudência previdenciária através de enunciados.........." (NR) "Art.........

.. os §§ 1º a 3º do art. de 11 de dezembro de 1990...... de 6 de maio de 1999.. podendo ser instruída com cópias dos documentos que demonstrem sua ocorrência..2003 Previdência Social........" (NR)< p> "Art..Junho ............ 278-A e 378 do Decreto no 3..... ... toda e qualquer ação para haver prestações vencidas ou quaisquer restituições ou diferenças devidas pela previdência social.... Tratando-se de recursos em processos fiscais.. inclusive os previstos no art.. 338........." (NR) "Art............. 309..... o disposto no § 2º... para a aplicação e cobrança da multa devida...... salvo o direito dos menores.......... . na forma do Código Civil.048... quando for o caso. .. Brasília........... sem prejuízo dos direitos e das vantagens do respectivo cargo de origem... § 3º Não terá seqüência eventual pedido de revisão de decisão indeferitória definitiva de benefício confirmada pela última instância do Conselho de Recursos da Previdência Social. 151 do Código Tributário Nacional......... aplicando-se.. 216.. sempre que constatarem o descumprimento do disposto neste artigo. o § 1º do art......." (NR) "Art...... incapazes e ausentes. 347.... 61 da Lei no 8.. 182º da Independência e 115º da República............Maio ........... 166.." (NR) "Art. 188...... .......... respectivamente....... 216-A e os arts.......... § 2º A Procuradoria Geral Federal Especializada/INSS deverá pronunciar-se em todos os casos previstos neste artigo..... o que vier acompanhado de outros documentos além dos já existentes no processo.... 204.. § 3º Os médicos peritos da previdência social deverão......... o § 22 do art.................." (NR) Art 2o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.. 188-C e 188-D...................... LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Ricardo José Ribeiro Berzoini 25 ...........Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ..... aplica-se o que dispõe o art...... 308... Parágrafo único.. além dos já existentes no processo. comunicar formalmente aos demais órgãos interessados na providência e.. § 2º Não é considerado pedido de revisão de decisão indeferitória definitiva... mas de novo pedido de benefício...... o § 2º do art.............. no caso de apresentação de outros documentos.. ao setor de fiscalização... 305." (NR) "Art............. os arts........... § 1o A controvérsia na aplicação de lei ou ato normativo será relatada in abstracto e encaminhada com manifestações fundamentadas dos órgãos interessados...112... .. § 1º É de trinta dias o prazo para interposição de recursos e para o oferecimento de contra-razões. § 1º Prescreve em cinco anos............ Art 3º Revogam-se os §§ 1º e 2º do art. .. contados da ciência da decisão e da interposição do recurso.... o § 3º do art......... a contar da data em que deveriam ter sido pagas......... 9 de junho de 2003.. 96......

(HC Nº 81641-0 (910). a bens e direitos de valor artístico.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . especialmente pelo Código de Defesa do Consumidor. p.2003. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal não abona a tese sustentada na impetração (princípio da insignificância ou crime de bagatela). há decadência. tratando-se de interesses individuais. SUSPENSÃO DE BENEFÍCIO.03. MANDADO DE SEGURANÇA DECADÊNCIA.2003. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. 6ª T.04.A ação civil pública nasceu como instrumento processual adequado para coibir danos ao meio ambiente. p. cujos titulares não podem ser enquadrados na definição de consumidores. cada um de per si./STF. DJ1 nº 65. unânime.O ato de Superintendente do INSS que suspende benefício previdenciário. histórico. julg. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. é único. por suspeita de fraude. 1 . estético. ao consumidor. 1. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA OU CRIME DE BAGATELA.Recurso especial conhecido e provido. turístico e paisagístico.Maio . razão pela qual. AUSÊNCIA DE RELAÇÃO DE CONSUMO. DJ1 nº 66. (RESP Nº 470. ATO ÚNICO DE EFEITOS PERMANENTES. 2. unânime. turístico e paisagístico. bem como os individuais homogêneos.368/76): PEQUENA QUANTIDADE. 07. 12 DA LEI Nº 6. O campo de aplicação da ação civil pública foi alargado por legislações posteriores.DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL. histórico.RJ (2002/0127205-4).04. SYDNEY SANCHES. Min. I.C.PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. atendendo. 51) SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 . FERNANDO GONÇALVES.2003 Jurisprudência ABRIL SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . tampouco sua relação com o instituto previdenciário considerada relação de consumo./ST J. o "H. de efeitos permanentes.216 . ILEGITIMIDADE. AÇÃO REVISIONAL DE BENEFÍCIOS." é indeferido. Sr. 20. "HABEAS CORPUS". assim. em 04. POSSE ILEGAL DE SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE (ART. Des.2003.PREVIDENCIÁRIO. Precedentes. para abranger quaisquer interesses coletivos e difusos. ALEGAÇÃO DE FALTA DE JUSTA CAUSA PARA A AÇÃO PENAL (ATIPICIDADE MATERIAL DA CONDUTA). Min. o Exmo.2003. 1ªT. Não evidenciada a falta de justa causa para a ação penal. é inviável a defesa de tais direitos por intermédio da ação civil pública. Precedentes.02. aos interesses coletivos da sociedade. Sr. não havendo falar em prestação de trato sucessivo. o Exmo. DISTINÇÃO ENTRE DIREITO DISPONÍVEL E INDISPONÍVEL. Rel. 358) 02 .Junho . do consumidor. estético. 26 . dos bens e direitos de valor artístico. II. 2 . estes últimos na proteção do meio ambiente. Rel.Não obstante. impetrado mandado de segurança depois de transcorridos os 120 dias. 04. Procedência: Rio Grande do Sul.

EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL . DJ1 nº 75. Entretanto. § 3º. contrapondo-se ao direito indisponível. guarda profunda correlação com o Direito Tributário. DJ1 nº 79. PREVIDENCIÁRIO. Sob este enfoque.2003. 5ª T. em débito com a Fazenda Nacional. sacramentou raciocínio no sentido do Ministério Público não possuir legitimidade para propor ação civil pública objetivando a redução ou restituição de tributo. p. não há que se aplicar a hipótese do artigo 81. unânime. Precedentes. § 3º. sob o entendimento que a limitação etária para atividade laborativa é imposta em benefício do infante. (AgRgRESP Nº 476. unânime. em 03. Min. V. que é insuscetível de disposição ou transação por parte do seu detentor.2003. o Pretório Excelso. com outras relações inerentes e típicas de consumo.356 .REFIS ADESÃO . Rel. GILSON DIPP. (AGRGRESP Nº 318. Rel. 25. Sr.DESCABIMENTO. 07/04/2003.Ademais. o Exmo. (RESP Nº 369./ STJ. o Exmo. TEMPO DE SERVIÇO.Maio . José Arnaldo da Fonseca." Agravo desprovido. Desta forma. 5º.PROCESSO CIVIL . o Exmo. na forma da legislação aplicável (art. 26 do CPC). possa aderir ao programa de recuperação fiscal denominado "REFIS". em recente julgado.2003. RECURSO ESPECIAL. 28/04/2003. Refere-se à espécie de direito subjetivo. LUIZ FUX. "Se o processo terminar por desistência ou reconhecimento do pedido. Sr. Rel. é de se computar esse tempo de serviço para fins previdenciários. abrangida pela Previdência Social.HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS ." (Art. REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR.189/201 e art. tendo em vista que estes são inseridos automaticamente no parcelamento sob o regime do REFIS./STJ. 248 ) 27 . Min. RURAL.º 9. pode ser abdicado pelo respectivo titular. pois o mesmo trata dos direitos individuais homogêneos. vale acrescer que o ramo do Direito Previdenciário.964/2000). p.03. unânime. III do Código de Proteção e Defesa do Consumidor.AGRAVO REGIMENTAL. ou seja.Recurso conhecido e provido. A desistência da ação é condição exigida pela Lei n. Os beneficiários não se equiparam a consumidores.134 . porque a relação jurídica tributária não retrata relação de consumo./STJ.Em conclusão.RS (2002/0148843-3). Min.822 . as despesas e os honorários serão pagos pela parte que desistiu ou reconheceu. 2. 254) 03 . 13.PR (2001/0154871-6). sendo que a presente situação retrata direitos individuais não homogêneos.DESISTÊNCIA . pois a natureza e particularidades de uma não se confundem com a da outra. Sr. julg. já afirmou que comprovado o exercício da atividade empregatícia rural. 5ª T. cuja característica essencial é o aspecto contributivo. da Lei 10. p. 3.O benefício previdenciário traduz direito disponível.RS (2001/0044397-4). IV. em18. "Esta Corte. 1ª T. VI. MENOR DE 14 ANOS. 1. não há que se confundir ou transmutar o vínculo jurídico existente entre a Autarquia Previdenciária e os seus beneficiários.Junho .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 231) Execução Fiscal 01 . VII. descabe a condenação em honorários advocatícios no percentual de 1% sobre o valor do débito. DJ1 nº 66.03. julg.O vínculo jurídico entre a instituição previdenciária e os beneficiários do regime de Previdência Social não induz relações de consumo. 4. Agravo Regimental a que se nega provimento.04.2003 III. da Lei 9. 22/04/2003.964/2000 para que uma empresa. por menor de 14 anos. Des.

inciso I. na condição de digitadores e operadores de processamento de dados do extinto Banco Nacional. EXECUÇÃO FISCAL. Hipótese em que resta caracterizado. se utilizado da conta bancária de correntista para a transferência de recursos monetários do próprio Banco para a conta de três outras pessoas. DJ1 nº 79.parágrafo único. 1ª T. bens ou interesses da União ou Entidades Federais. Min. não se caracterizam como crime contra o Sistema Financeiro Nacional. julg. assim considerados os diretores.SC (2002/0100231-6). nº 140 desta Corte. julg. o Suscitado. Compete à Justiça Estadual o processo e julgamento de delito no qual figuram índios. NÃOCARACTERIZAÇÃO DE CRIME CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Nº 140/STJ. ante a inexistência de lesão à União ou a Entidades Federais. bens ou interesses da União ou Entidades Federais. CITAÇÃO PESSOAL DO DEVEDOR. na forma da Lei nº 7.Junho . GILSON DIPP. 6. como autor e vítimas. possível apropriação indébita e cobrança de juros extorsivos.492/86. O art. 3ª S.CRIMINAL.2003. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da 1ª Vara Criminal de Blumenau-SC. FRANCISCO FALCÃO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL.CRIMINAL.249 . CONFLITO DE COMPETÊNCIA. se não restar evidenciado o envolvimento de interesses gerais dos indígenas. unânime. (CC Nº 37. ATOS PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTRA PATRIMÔNIO DE PARTICULAR. 2. Somente podem ser considerados agentes de crimes contra o sistema financeiro nacional o controlador e administradores de instituição financeira. os interventores. Min. (AgRgAG Nº 469. p. o Exmo. o Suscitado. 8º. AGRAVO DE INSTRUMENTO. 28/04/2003. Sr.02. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. o Exmo. não se caracterizando como crime contra o Sistema Financeiro Nacional.492/86. COBRANÇA DE JUROS EXTORSIVOS. o Exmo. SÚM.CRIMINAL./STJ. mas. 1. Rel. 07/04/2003. unânime.830/1980 não tem prevalência sobre o art. ATOS PRATICADOS CONTRA PATRIMÔNIO DE PARTICULAR. Não ocorrendo lesão a serviços. 179) 02 . os liquidantes ou os síndicos das referidas instituições. 3ªS. APROPRIAÇÃO INDÉBITA. Rel.03. p. 171) 03 . 28 . a particulares.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . INTERRUPÇÃO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. unânime.665 . ainda não suficientemente esclarecidos. (CC Nº 36. EMBARGOS DO DEVEDOR. em tese.Precedentes da Corte. GILSON DIPP. 174. Somente a citação do devedor interrompe a prescrição (art. NÃO-CARACTERIZAÇÃO DE CRIME CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL.2003.02. Hipótese em que os réus. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. DJ1 nº 71. AGRAVO REGIMENTAL. se os efeitos dos atos praticados por funcionários de instituição financeira se restringem à própria instituição. Incidência da Súm.364 . TRIBUTÁRIO./STJ. em 12 . em 06. teriam. 246) Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . em princípio. Min. p.MS (2002/0107794-9). Não se evidencia lesão a serviços. em 12. PRESCRIÇÃO.2003 02 . 14/04/2003.TO (2002/0162776-2). DELITO PRATICADO POR INDÍGENA CONTRA INDÍGENAS. os gerentes.PROCESSUAL CIVIL. Agravo regimental improvido. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. § 2º da Lei n.2003. Sr. Sr. julg. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da Vara de Itacajá/TO. DJ1 nº 66. os atos praticados. tãosomente. 174 do CTN./STJ. na forma da Lei nº 7. Rel.Maio . do CTN) .

22/04/2003. em 25. Sr. o Exmo. serviços ou interesses da União. não incide contra o patrimônio público.036 . o Exmo. recebe por ele e. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. o Suscitado. PESCA PREDATÓRIA EM RIO INTERESTADUAL.MST. POSSÍVEL CRIME AMBIENTAL.2003 Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da 3ª Vara Criminal da Londrina-PR. Ordem concedida.SP (2003/0004631-6). Sr. Inocorrência. DJ1 nº 79. Fernando Henrique Cardoso .DF (2002/0095728-7).2003./STJ.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . GILSON DIPP. Rel. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM ESTADUAL. unânime. (CC Nº 36. MÉDICO CONVENIADO DO SUS. PRESIDENTE DA REPÚBLICA. SERVIÇOS OU INTERESSES DA UNIÃO. ORDEM CONCEDIDA. pois a retribuição deste ocorreu conforme a realização do ato profissional. o Suscitado. por fora.03. o Suscitado.253 . Sr. p./STJ. julg. 171) 04 . De regra.sobressai a competência da Justiça Estadual para o processo e julgamento do feito. compete à Justiça Estadual o processo e julgamento de feitos que visam à apuração de crimes ambientais. 5ª T. II.RS (2002/0048230-2). 22/04/2003.PR (2002/0091185-9). Rel. Rel. 241) 06 . 3ª S. A competência da Justiça Federal é restrita ao crimes ambientais perpetrados em detrimento de bens. Tratando-se de possível pesca predatória em rio interestadual. Sr.03. Min. de lesão ou ameaça de lesão a bens. Min. unânime. julg. serviços ou interesses da União. FALTA DE COMPROVAÇÃO DE INTERESSE DA UNIÃO. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. o Exmo. SERVIÇOS OU INTERESSES DA UNIÃO EVIDENCIADA. III Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito de Buritis/MG. 195) 29 . conveniado do Sistema Único de Saúde.2003. INVASÃO DE FAZENDA PERTENCENTE À FAMÍLIA DO EXMO. Min. (CC Nº 36. Evidenciado que os fatos tidos como delituosos. DJ1 nº 75.CRIMINAL. a conduta do médico que. julg. (HC Nº 21. LESÃO RESTRITA A PATRIMÔNIO PESSOAL. 28/04/2003. ou de suas autarquias ou empresas públicas. 195) 05 . julg.ainda que de propriedade da família do Sr. 22/04/2003.617 . I. em parte. seja a esta remetidos os autos. INCORRÊNCIA DE LESÃO A BENS. GILSON DIPP. Rel. SERVIÇO PRESTADO PELO PROFISSIONAL. MINISTRO JOSÉ ARNALDO DA FONSECA.HABEAS CORPUS. o Exmo. em 26.10.02. em 23. (CC Nº 38. p. que banha mais de um Estado da federação. evidencia-se situação indicativa da existência de eventual lesão a bens. Presidente da República. a ensejar a competência da Justiça Federal. em 26. cobra do particular. realiza o serviço conveniado. serviços ou interesses da União. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo Federal da 1ª Vara de Jales-SP. de suas Autarquias ou Empresas Públicas. GILSON DIPP. De acordo com os precedentes desta Casa. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. DJ1 nº 75. LESÃO A BENS. PERPETRADA POR MEMBROS DO “MOVIMENTO DOS SEM-TERRA” . SR. em uma fazenda particular . unânime.Maio . p.CRIMINAL. ocorreram no Estado de Minas Gerais. em tese perpetrados por membros do “MST”. 3ª S/STJ.787 . unânime. 3ªS/STJ. uma vez competente a Justiça Estadual. para que a ação penal em curso no Juízo Federal. p.2002.2003. DJ1 nº 75.Junho . em princípio.

I. CONTAGEM RECÍPROCA. A omissão de recolhimento de contribuições ou de impostos é fato típico penal e não constitui dívida civil. em 12.775 .Conflito conhecido. Rel. OMISSÃO NO RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. Min. COMPETÊNCIA. LOTEAMENTO IRREGULAR. Precedentes. PACTO DE SAN JOSÉ DA COSTA RICA. EMPREGADO E SERVIDOR PÚBLICO. julg.03.03. INOCORRÊNCIA. o Exmo.MG (2002/0149207-5). RECURSO ESPECIAL. POSSIBILIDADE. 178) 09 . 14/04/2003. p. FELIX FISCHER. ART. prevista no art.SC (2001/0051451-8).Maio . INQUÉRITO POLICIAL. 54 da Lei 9. (CC Nº 37. autorizar a captura de exemplares de espécies ameaçadas de extinção destinada a programas de criação em cativeiro ou formação de coleções científicas. O Pacto de San José da Costa Rica é de índole eminentemente civil. . IV. em 18./STJ. 28/04/2003.Compete à Justiça Federal.CONSTITUCIONAL.983/2000 apenas transmudou a base legal de imputação para o Código Penal. II . ACUMULAÇÃO DOS BENEFÍCIOS./STJ.03. 95 DA LEI N. DJ1 nº 71.2003. II. 3ª S. a descrição da conduta anteriormente incriminada. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo Federal da 3ª Vara Federal de Uberlândia (MG). unânime. EXERCÍCIO CONCOMITANTE DE ATIVIDADES VINCULADAS AO RGPS E AO REGIME PRÓPRIO. MANUTENÇÃO EM CATIVEIRO DE ESPÉCIES EM EXTINÇÃO. ABOLITIO CRIMINIS.212/95.137 . INAPLICABILIDADE. cabe ao IBAMA. 3º da Lei 9. Rel. Sr. 242) TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Direito Previdenciário 01 . em 26. Precedentes. o processamento e julgamento de ação penal cujo objeto é a suposta prática de crime ambiental que envolve animais em perigo de extinção. p. Min. continuando sua natureza especial em relação à apropriação indébita simples.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . . PRECEDENTES. Sr. Recurso conhecido e desprovido.DF (2002/0171246-8).830 . 30 . DESCRIMINALIZAÇÃO PELA NORMA DO ART. 3º DA LEI 9. tem-se como presente a ocorrência de esbulho sobre bem imóvel desta entidade pública.2003. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.985/2000. INTERESSE DE AUTARQUIA FEDERAL. unânime.983/2000.Junho . FRACIONAMENTO DO PERÍODO VINCULADO AO RGPS. autarquia federal. (CC Nº 37. JUSTIÇA FEDERAL. Sr. contudo. não modificando.2003 07 . 168 do CP. 14/04/2003. p. IBAMA.A teor do disposto no art. atraindo a competência da Justiça Federal. unânime. DJ1 nº 71. DJ1 nº 79. 5ª T. não sendo aplicado nos casos de omissão no recolhimento de contribuições previdenciárias.Em sede de investigação criminal em que se apura a prática de loteamento irregular instaurado em terras de propriedade da União. julg. I . 179) 08 . VICENTE LEAL. CONFLITO DE COMPETÊNCIA.º 8.CRIMINAL. CRIME CONTRA A FAUNA.PREVIDENCIÁRIO. O art. o Exmo. Min. o Exmo. dado o manifesto interesse do IBAMA.2003.CRIMINAL. 3ª S. GILSON DIPP. (RESP Nº 433. julg./STJ. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. Rel. III. Competência do Justiça Federal. ÍNDOLE CIVIL. TERRAS DA UNIÃO.

REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR. DJ2 nº 81. Precedentes do STJ. julg. em 20. julg. RESTABELECIMENTO.01. (AC Nº 2002.04. o Exmo. DJ2 nº 76.03. Sr. EQUIPARAÇÃO AOS TRABALHADORES DA ATIVA. (AC nº 2002.00. RESTABELECIMENTO DE APOSENTADORIA POR IDADE RURAL.Junho . O exercício simultâneo de atividades vinculadas a regime próprio e ao regime geral. Sr.2003. DJ2 nº 68.04. Implementadas as condições para aposentadoria do ex-combatente sob a égide da Lei nº 1. Sr. Federal NÉFI CORDEIRO. julg.2003 1.2003. o Exmo. o Exmo. Sr. devendo incidir desde o vencimento de cada parcela. 605) 03 . DJ2 nº 68. 5ª T.29763. em 27.04. APOSENTADORIA POR IDADE. TRABALHADOR RURAL.756/52 e Lei nº 4. EX-COMBATENTE. Maioria. Des. REQUISITOS. o Exmo. Des. O período contributivo não considerado para fins de contagem recíproca pode ser utilizado para postulação de benefício no próprio RGPS. Rel.711/98. classe. Federal TADAAQUI HIROSE. Unânime. 612) 05 . 09/04/2003./TRF4. em 02./TRF4. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. mediante início de prova material corroborado por prova testemunhal idônea. havendo a respectiva contribuição. 31 . 6ª T.2003. 841) 02 .73937-0/SC. Unânime. p. APOSENTADORIA POR IDADE RURAL. o requisito idade e o exercício da atividade laborativa rural. Unânime. CUSTAS PROCESSUAIS. os reajustes da aposentadoria e pensão decorrente. 4. A correção monetária deve ser calculada pelo IGP-DI à luz da Lei nº 9. O regime de economia familiar fica descaracterizado quando o segurado desempenha atividade remunerada ou é aposentado por outro regime. 2. A Lei nº 5. CORREÇÃO MONETÁRIA.04. 3. (EDAC nº 97. DESCARACTERIZAÇÃO QUANDO O SEGURADO EXERCE ATIVIDADE REMUNERADA OU É APOSENTADO POR OUTRO REGIME.008003-8/SC. de idêntico cargo. Des. não obstaculiza o direito ao recebimento simultâneo de benefícios em ambos os regimes. Rel./TRF4. 5ª T. p. 370) 04 .04.02.PREVIDENCIÁRIO. 09/04/2003. assim consideradas as parcelas devidas até a prolação da sentença. desde a data do cancelamento na via administrativa. Rel. Rel.008064-5/RS. devem ser realizados conforme a variação dos salários atuais e futuros. é de ser restabelecida a aposentadoria por idade rural. os honorários advocatícios devem ser fixados no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. USUFRUTUÁRIO.PREVIDENCIÁRIO. (AMS Nº 2000. Remessa oficial e apelação do INSS improvidas. Restando comprovado nos autos. p. em 08.PREVIDENCIÁRIO. 3. 23/04/2003.698/71 expressamente assegurou os direitos já adquiridos antes de sua vigência. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO.72./TRF4. INÍCIO DE PROVA MATERIAL.009280-5/RS.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Nas ações previdenciárias. 2.01. julg. no período de carência. A prova do exercício laboral rural pode ser feita por início razoável de prova material complementado por depoimento testemunhal idôneo.2003.PREVIDENCIÁRIO. 1. 2. Custas por metade (Súmula 02 do TARGS). 1.Maio . função ou categoria da atividade a que pertencia o segurado falecido. 30/04/2003. 5ª T. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. já que não há vedação da acumulação de benefícios em regimes previdenciários diversos. p.

APLICAÇÃO NA VIGÊNCIA DO DL 4073/42 E LEI 5552/59.70.01. INSTRUÇÃO NORMATIVA 78/2002. pois presente a verossimilhança do direito.03. 475 do CPC. 29 da Lei 8. 6ª T. Rel. Nesse caso. 1. 2. reconhecida constitucional pelo STF. IDADE MÍNIMA. O conceito de aluno-aprendiz é expresso no art.Maio . A proibição de antecipação de tutela prevista na Lei nº 9. implementadas as condições então vigentes. 30/04/2003. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. p. DJ2 nº 68. 5ª T. in natura.PREVIDENCIÁRIO. O período básico de cálculo conterá os trinta e seis salários de contribuições anteriores a 12/98. 2. AGENTE FÍSICO. o Exmo. (AC Nº 2001. para a configuração da relação de trabalho.03. 5ª T. computandose à parte autora o tempo de serviço até a data de 15/12/1998. TUTELA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. Des. a remuneração do labor pode ser prestada em pecúnia ou de forma indireta. ART. julg. Maioria. Rel.213/91. ENQUADRAMENTO POR PROFISSÃO. a DIB do benefício coincidirá com a data de entrada do requerimento. DJ2 nº 81. 3º). 1º do Decreto 31. Comprovado por meio de prova pericial que o agravado está totalmente incapacitado para exercer qualquer atividade. é cabível a antecipação de tutela.003357-0/PR. Unânime.04. DJ2 nº 63. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS. A antecipação da tutela no corpo da sentença não caracteriza violação ao art.05. o Exmo./TRF4. em respeito ao direito adquirido (art. TUTELA ANTECIPADA. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. a aposentação se dará pelo regime anterior.073/42. uma vez que a posse e o uso da terra são suficientes para o exercício da atividade rural. ALUNOAPRENDIZ. 57 DA LEI 8. 3. É de se reconhecer as atividades prestadas na condição de aluno-aprendiz. 843) 08 .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 739) 06 . INÍCIO DE PROVA MATERIAL. que disciplina o instituto./ TRF4. em 06.2003. A regra de transição prevista no art. em 25. Sr. 32 .053797-9/SC. tanto na vigência do Decreto-Lei 4. DOCUMENTOS EM NOME DOS PAIS.494/97. na forma do art. 273 do CPC. REVOGAÇÃO DO §5º DO ART. Des. 674) 07 .03. Federal NÉFI CORDEIRO. corrigida monetariamente pelo IGP-DI a RMI daí decorrente. 09/04/2003. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.2003. Sr. para fins previdenciários.Junho . até a data da entrada do requerimento administrativo. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. p. PERCENTUAL MÍNIMO. 1. AGRAVO DE INSTRUMENTO. quanto da Lei 5. CONVERSÃO. Rel. 2.04. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ESPECIAIS. devendo ser caracterizado como tempo de serviço.PREVIDENCIÁRIO.PREVIDENCIÁRIO. pela relação empregatícia subjacente. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98. não se aplica aos benefícios previdenciários.2003. Sr. em face da relação empregatícia latente. INCAPACIDADE.552/59. julg. (AC nº 2000. Nesse diapasão. VÍNCULO EMPREGATÍCIO CARACTERIZADO POR RETRIBUIÇÃO PECUNIÁRIA INDIRETA. p. 02/04/2003. 4. VIGILANTE. 9º da EC 20/98 deve ser aplicada para os segurados que preencherem os requisitos nela elencados.546/52. (AG nº 2002. Precedentes do STJ e da Terceira Seção do TRF da 4ª Região.213/91. PROVA PERICIAL. Não possuindo tais requisitos. já que inexiste qualquer limitação nesse sentido no art. julg. em 24. VEROSSIMILHANÇA. 475 DO CPC.2003 A condição de usufrutuário de parte da propriedade rural não é óbice para a caracterização do regime de economia familiar. Unânime. QUALIFICAÇÃO COMO “AGRICULTOR” EM REGISTROS PÚBLICOS. Des. o Exmo./ TRF 4.075981-9/PR. RUÍDO.01.

10. nos termos da redação original do art. Precedente da Terceira Seção do TRF da 4ª Região. contanto que confortada por início de prova material. nem tácita. para que o tempo possa ser computado como especial. não é necessário que os documentos apresentados comprovem. e não da sujeição do segurado ao agente agressivo.032/95. 629) 33 . até a edição do Decreto 2. haver-se-á de prestigiar aquele cuja redação seja a mais clara e consentânea com o sistema jurídico em que inserido. É possível a comprovação da atividade rural por meio de prova testemunhal.213/91. nos termos da redação original do art./TRF4. mesmo depois de 28. ano a ano.523. O tempo de serviço rural em regime de economia familiar pode ser contado a partir dos 12 anos. 28 da Lei nº 9.Junho . O enquadramento da atividade considerada especial faz-se de acordo com a legislação contemporânea à prestação do serviço. A atividade especial. 3.213/91 bastam. Unânime.INSS. 4.711/98. constante do Decreto 53. que alterou o seu regime jurídico. Rel. em pleno vigor. 09/04/2003. por equiparação à função de guarda. Sr. 57. 14. cujo exercício presumia a sujeição a condições agressivas à saúde ou perigosas. porquanto a condição extraordinária decorre da presunção legal. filho. não é taxativa. exige-se que a exposição permanente ao agente ruído seja acima de 90 dB.831/64. eleva-se o limite de exposição para 90 dB. Possível a conversão de tempo de serviço especial em comum. dispondo de forma a alargar indevidamente conteúdo da lei regulamentada (Lei nº 9. Des. para comprovar a atividade rural. marido. é possível o reconhecimento de tempo de serviço pela atividade ou grupo profissional do trabalhador. 106 da Lei nº 8. 5. É possível. entretanto.2003 1. Interpretação de normas internas da própria Autarquia.5. seja porque é inerente à informalidade do trabalho campesino a escassez documental. Nos termos do art. Os documentos arrolados no art. nada obstante a redação do art. segundo o disposto na Ordem de Serviço nº 600. (AC nº 2000. 8. esposa) são hábeis à comprovação do trabalho rural desenvolvido pelos outros membros do grupo que labora em regime de economia familiar. mediante a apresentação de laudo. nem expressamente. seja porque se deve presumir a continuidade nos períodos imediatamente próximos. Precedentes do STJ. 12. § 5º.172/97. A categoria profissional de vigilante se enquadra no Código nº 2. Para que fique caracterizado o início de prova material. o exercício da atividade rural.04. 11.05. 7.213/91.831/64.96.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . como norma impeditiva da conversão de tempo de serviço especial.98. 181 da Instrução Normativa 78/2002 . O INSS. prejudica também a exigência de percentual mínimo para dita conversão. Até o advento da MP 1. em 13. 15.Maio . DJ2 nº 68. 28 da Lei nº 9. em 20. a conversão de tempo de serviço especial em comum. considera-se especial a atividade onde o segurado esteja exposto a ruído superior a 80 dB.117858-9/pr. julg. o Exmo.01.032/95).172/97 (05/03/97). dispensa a necessidade de comprovação da exposição habitual e permanente ao agente nocivo. A desvalia do art. da Lei nº 8. p.711/98. enquadrada por grupo profissional. 6. da Lei nº 8.03. A relação. de modo que outros documentos ali não relacionados poderão também servir para a comprovação do labor rurícola. § 5º. 16. exorbitou do poder regulamentar. 57. A Lei nº 9. Na colidência entre preceptivos legais. por si só. A partir do Decreto nº 2. 13.7 do Decreto nº 53. 10.2003. ao vedar a conversão de tempo de serviço especial. e a partir de então. 5ª T. Documentos públicos onde conste a qualificação do segurado como “agricultor” constituem início de prova material do exercício de atividades rurais para fins previdenciários. não opera efeitos retroativos. 2. É firme o entendimento jurisprudencial de que os documentos apresentados em nome de terceiros (pai. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. que não o revogou. 9.

em 24.INPC INADMISSIBILIDADE.PREVIDENCIÁRIO. AUSÊNCIA DE LAUDO PERICIAL APÓS A MP 1. Sr. (AC Nº 1999.Tratando-se de verba remuneratória. que não o revogou. 2./ TRF4. 733) 10 . p.831/64. 3 .Não pode o segurado pretender um determinado índice só na competência em que lhe foi mais favorável. julg.muito embora sem o tempo exato de exposição.EFICÁCIA PROBATÓRIA . nos termos da redação original do art.523/96. nada obstante a redação do art. 57 DA LEI 8. Des.2003.009892-2/RS. 1. a teor do art. 4. Se o formulário e o laudo pericial atestam a habitualidade e a permanência da atividade insalubre .212/91. hoje DSS 8030. que alterou o seu regime jurídico. 57. 30/04/2003. I.A decisão proferida em processo trabalhista plenamente contencioso produz efeitos externos. 28 da lei nº 9. em processo simulado. ao vedar a conversão de tempo de serviço especial.10. LAUDO TÉCNICO.711/98. 57.Junho . DJ2 nº 81. ELETRICIDADE. DJ2 nº 63. O agente físico eletricidade configura a atividade especial (perigosa). 02/04/2003.REVISÃO SENTENÇA PROLATADA EM RECLAMATÓRIA TRABALHISTA . HABITUALIDADE E PERMANÊNCIA. da Lei nº 8./ TRF4. conforme código 1. 5ª T.8 do Decreto 53.831/64. 7. o Exmo.213/91. A Lei nº 9. 3.PREVIDENCIÁRIO . 1 . para a comprovação das atividades profissionais previstas nos Decretos nº 83.032/95. REVOGAÇÃO DO §5º DO ART. Possível a conversão de tempo de serviço especial em comum.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . (AC Nº 2000.Maio . INTERMITÊNCIA.REAJUSTE DO BENEFÍCIO . CONVERSÃO.MAIO DE 1996 . mas exercida diuturnamente .2003 09 . Maioria. 8.03. nem tácita. É possível. da Lei nº 8. dispondo de forma a alargar indevidamente conteúdo da lei regulamentada (Lei nº 9.080/79 e nº 53. não opera efeitos retroativos.00. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ESPECIAIS.006151-5/RS.213/91. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. p.523/96.71. haver-se-á de prestigiar aquele cuja redação seja a mais clara e consentânea com o sistema jurídico em que inserido. § 5º.711/98. nem expressamente. Sr. o adicional de periculosidade integra o salário-decontribuição.ADICIONAL DE PERICULOSIDADE .INTEGRAÇÃO NOS SALÁRIOS-DECONTRIBUIÇÃO . o Exmo. O enquadramento da atividade considerada especial faz-se de acordo com a legislação contemporânea à prestação do serviço. julg.é de ser reconhecida a especialidade do labor do segurado. 28. § 5º. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. quanto ao período de exercício anterior à vigência da MP 1. Na colidência entre preceptivos legais.02. Unânime.032/95). 6. exorbitou do poder regulamentar. em 20. mesmo depois de 28/05/98.71.APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO . da Lei nº 8. 803) 34 . prejudica também a exigência de percentual mínimo para dita conversão. 5.1. segundo o disposto na Ordem de Serviço nº 600.2003. Rel.213/91. PERCENTUAL MÍNIMO. 2 . como norma impeditiva da conversão de tempo de serviço especial. 28 da Lei nº 9. Des. A desvalia do art. Tais efeitos só não se produzem naquelas hipóteses em que a reclamatória caracteriza mero artifício para forjar tempo de serviço fictício. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. O INSS. Rel. 5ª T. nos termos da redação original do art. AGENTE FÍSICO. em pleno vigor. a conversão de tempo de serviço especial em comum. É suficiente a apresentação dos formulários SB-40.

475 DO CPC. §§ 5º E 6º DO CPC. naqueles ordenamentos.2003 11 . 20. 460 E 294 DO CPC. (AG nº 2002. anterior. Maioria. EMENDA CONSTITUCIONL Nº 20/98.01. Sr. 6ª T. AGRAVO DE INSTRUMENTO E REGIMENTAL. AUSÊNCIA DE REFLEXOS EM POSTERIOR ANTECIPAÇÃO.2003. 02/04/2003. ART. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça.494/97.2002. CF/88. p. considerados como espécie dos direitos coletivos. ARTS. (AC Nº 2002. SUSPENSÃO CAUTELAR DE ANTERIOR ANTECIPAÇÃO DA TUTELA. DJ2 nº 63. mas a todos os segurados.Junho .e para a Lei nº 8. do programa federal de garantia de renda mínima . 294 do mesmo ordenamento se o pedido inicial.742/93. onde necessitado (miserável) somente será aquele que detiver renda mensal per capita inferior a ¼ do salário mínimo. O auxílio-reclusão não será concedido aos dependentes de segurado que. 2. INTERPRETAÇÃO NO CONJUNTO DE LEIS QUE TRATAM DA ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS NECESSITADOS E CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 460 do CPC dispor que é proibido ao magistrado conceder mais do que for pedido. quando recolhido à prisão. Federal. poderão ser defendidos pelo Ministério Público por ação coletiva.219/2001 (que tratam. recebia renda bruta mensal superior ao valor máximo definido em lei. julg.028635-1/SC.048021-0/SC.04. em 02. na medida em que se revestirem de relevância social.04. INEXISTÊNCIA DE OFENSA. No caso dos autos a prova documental precisa ser complementada pela prova oral. AUXÍLIO-RECLUSÃO. 16/04/2003. DIREITOS INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS. não haverá ofensa ao art. PROCESSO CIVIL.PETI e da “Bolsa Escola”) . 196) 14 . 762) 13 . porquanto proferida para dar efeito suspensivo a recurso especial interposto da decisão de outro agravo.026633-9/PR.onde se presume miserável aquele que tiver renda mensal per capita inferior a ½ do salário mínimo .2003. o Exmo. em 18. esse mesmo critério pode e deve ser aplicado aos aspirantes ao benefício 35 .742/93 deve ser interpretado no conjunto de leis que tratam da assistência social aos necessitados e sob o pálio da Constituição Federal.533/97 e 10. IV. 843) 12 . independentemente da lei vigente na data do sinistro. LEI Nº 9.PREVIDENCIÁRIO .742/93. NECESSIDADE DE PROVA TESTEMUNHAL.APLICAÇÃO DA LEI MAIS BENÉFICA. LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO. inalterado. É cabível estender a incidência da lei nova mais vantajosa não só aos benefícios pendentes.AUXÍLIO-ACIDENTE . respectivamente. (AC Nº 2002. ARTIGO 201.01. a existência de decisão monocrática caçando outra antecipação. Sr. julg. 5ª T. SEGURADO.03. A atual posição do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que os direitos individuais homogêneos. tempo de trabalho e eventual existência de outras fontes de renda do agravante. Unânime. as condições em que prestado. DA LEI Nº 8. É de ser mantida a orientação de que o § 3º do art. JULGAMENTO ULTRA PETITA. PREVIDENCIÁRIO. unânime. ART. Des. PAULO AFONSO BRUM VAZ./TRF4. 5ª T. 4. a fim de ser confirmado o labor rural.Maio .04. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. anteriormente deferida. DJ2 nº 81. o Exmo. AUXÍLIODOENÇA. na presente hipótese de antecipação dos efeitos da tutela. BAIXA RENDA. p. Rel. tendo eficácia apenas dentro daqueles limites.PREVIDENCIÁRIO. Sr. DJ2 nº 73. Federal NÉFI CORDEIRO. § 3º. p. o Exmo. Des. 30/04/2003. Rel. 20 da Lei nº 8.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . em 28. MULTA./TRF4.AGRAVO REGIMENTAL.PREVIDENCIÁRIO. ART. Des. Se.04. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. pois não haveria razão para tratamento diferenciado entre o que se considera “miserável” para os fins das Leis nºs 9. julg. Rel. 3. for provido apenas em parte. se considera miserável quem tem renda inferior a meio salário mínimo. Em que pese o fato de o art.01./TRF4. Desimporta.11. 1. 461.

p. Sr. não incide a vedação prevista na Lei nº 9. DA LEI Nº 8.2003. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. importa mesmo saber quem é miserável.742/93. aliada ao estado de miserabilidade indispensável à obtenção da renda mensal assistencial.Junho . § 3º.001473-8/PR. Comprovada a deficiência incapacitante. considerando-se o amplo universo de deficientes que ficam ao desabrigo de qualquer assistência. 30/04/2003. Rel. Os §§ 5º e 6º do art./ TRF4. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. 9. 386. 5ª T. alterar o valor da multa cominada. Se a hipótese não trata de concessão de aumento ou vantagem a servidor público.2003 assistencial de que trata a Lei nº 8. em 02. na realidade. 475. MENOR IMPÚBERE PORTADOR DE “DEGENERAÇÃO DE RETINA BILATERAL”. II. RENDA FAMILIAR PER CAPITA.10. Tratando-se de benefício de assistência social cujo retardo é. sendo cabível sua aplicação contra a Fazenda Pública. DJ2 nº 81. EXCEDIMENTO AO LIMITE LEGAL. é evidente a ocorrência de periculum in mora. não é óbice à antecipação da tutela. desencorajando possível atitude da autarquia. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE. quando concedido a menor deficiente.742/93. meramente econômica.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .02. Hipótese em que se prestigia o princípio da razoabilidade. Des. Não há como se admitir parâmetros diversos para situações idênticas. 841) 16 .469/97. em virtude do questionado enfoque administrativo./ TRF4. Rel. 203 DA CF/88 E ART. (AGA nº 2002. do CPC. em matéria previdenciária ou assistencial. à saúde. Unânime. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. da IN/INSS/DC nº 57/2001 “em cumprimento à decisão da Tutela Antecipada. estendida às autarquias pela Lei 9. comprometidos com a necessária atenção ao menor deficiente.PREVIDENCIÁRIO. 20. o INSS 36 . Agravo regimental da União Federal desprovido e agravo regimental do INSS não conhecido. de complementação da renda familiar destinada a possibilitar meios de sobrevivência mínima a quem não dispõe de condições financeiras e ainda precisa conviver com problema de saúde de um dos membros da família. DESCONTO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE. 5. por si só.EMBARGOS INFRINGENTES. III. 09/04/2003. senão que ao conjunto familiar em que inserido. O benefício assistencial. por intempestivo. à previdência ou à assistência social não puder ser realizada sem a providência antecipatória. que necessite de cuidados especiais.70.046195-1/PR. não é óbice à antecipação da tutela. p. Des. A multa diária tem natureza processual e punitiva e sua finalidade é coagir o demandado a cumprir o comando da decisão judicial. Hipótese em que a multa foi fixada em montante compatível com a repercussão social da demanda. em 13. de pagar a multa e não cumprir a determinação judicial. b. sempre que a efetiva proteção dos direitos à vida. ao Estado e aos Municípios. ISENÇÃO. O excedimento mínimo ao limite fixado no art. 10.Maio . ainda mais porque esse risco se multiplica. em verdade não está sendo concedido única e exclusivamente a este menor e a seu interesse. ART. nos termos da lei. Cuida-se. Sr. julg. causador de danos irrecuperáveis. de acordo com a necessidade do caso. da Lei nº 8. 461 do CPC permitem ao julgador. 8. responsável pela sua manutenção. 6. DJ2 nº 68. isto sim.01. o Exmo. decorrente de Ação Cívil Pública movida pelo Ministério Público Federal. deve ser concedido o benefício assistencial. Compensa os demais familiares pela impossibilidade de se dedicarem com exclusividade aos seus trabalhos. o Exmo. 5ª T.04. Unânime. para mais ou para menos.04.494/97. que institui a remessa oficial das sentenças contrárias à União. § 3º. A norma do art. 20. Nos termos do art. julg. inclusive de ofício.2003. 608) 15 . inclusive para a vida independente. (AC Nº 2001. se. 7.742/93 (1/4 do salário mínimo) não desautoriza o deferimento do benefício assistencial ao requerente inválido. A irreversibilidade do provimento.

o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes. em 13. 02/04/2003. 515. DJ2 nº 63.PREVIDENCIÁRIO.04. PROCESSO CIVIL. não se pode ter por vulnerado o princípio da preservação do valor real se. p. no período. da variação do IRSM de fevereiro de 1994 causou prejuízos aos titulares de benefícios deferidos a partir de 1º. Rel./TRF4. REAJUSTES DOS BENEFÍCIOS NO PERÍODO DE JUNHO DE 1997 A JUNHO DE 2001 PELA VARIAÇÃO DO IGP-DI. DJ2 nº 63.72. (AC Nº 2003.1994 e que possuem no PBC pelo menos um salário-de-contribuição convertido em URV. cujas rendas mensais originárias sejam inferiores ao limite de isenção do tributo. p. IMPOSSIBILIDADE. 601) 17 . PRESERVAÇÃO DO VALOR REAL DOS BENEFÍCIOS. EXPURGO DO IRSM EM FEVEREIRO DE 1994 NOS SALÁRIOS-DE-CONTRIBUIÇÃO INSERIDOS NO PBC E CONVERTIDOS EM URV.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Não configura inconstitucionalidade o fato de o legislador ordinário ter cometido ao Executivo a tarefa de reajustar. Embora o legislador não tenha indicado expressamente qual o indexador utilizado para reajustamento dos benefícios em junho de 1997. Sr. por responsabilidade da Previdência Social. Rel. os índices adotados pela Previdência superaram a variação do INPC. ficaria caracterizada a inconstitucionalidade do procedimento. 388. junho de 2000 e junho de 2001. junho de 1999. julg.03./TRF4. § 3º.022-18.Junho . no montante de 39.004034-2/RS. PRESERVAÇÃO DO VALOR REAL DOS BENEFÍCIOS É possível uma interpretação extensiva do parágrafo 3º do art. 604) 18 . em 24. reativação ou revisão de benefícios previdenciários e assistenciais. junho de 1998. sendo reconhecido por rubrica própria. CPC.”. o Exmo. Sr.01. III. Sr. em caráter permanente. os beneficiários do INSS. 09/04/2003.03. 3ª S. indexador que melhor reflete a variação inflacionária de preços de produtos.03. 732) 37 . pelo INSS. universo que abrange. de modo a que a expressão extinção do processo sem julgamento do mérito abranja também as hipóteses em que o juiz a quo profere sentença infra petita ou extra petita. Unânime. Maioria. Des. PREVIDENCIÁRIO.67%. de 21 de junho de 2000). ART./ TRF4.03. APLICABILIDADE IMEDIATA. b.Maio .078304-3/RS. 5ª T. Rel. (EIAC Nº 1998. poderá ser facilmente controlável pela via judicial. acrescentado pela Lei nº 10. no caso de pagamentos acumulados ou atrasados. Vedação mantida pela IN/INSS/DC nº 78/2002.352.PREVIDENCIÁRIOS. bens e serviços utilizados por famílias cuja renda mensal situa-se entre 1 e 8 salários mínimos. p. o Exmo. ELASTECIMENTO DA REGRA PARA OS CASOS DE SENTENÇA EXTRA PETITA OU CITRA PETITA. 515 do CPC.04. A não-aplicação. a partir de junho de 2001. de 26 de dezembro de 2001. (AC nº 2002. 02/04/2003.2003. julg. DJ2 nº 68. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. 201. por seu art. pretendeu somente afastar manipulações nos índices econômicos ou a supressão definitiva de parte destes.07. em seu art. uma vez que os critérios fixados para os reajustamentos atendem ao princípio constitucional da preservação do valor real. o valor real.2003. § 4º. julg. Nestas hipóteses. os benefícios previdenciários (Medida Provisória nº 2.000001-6/SC. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA (CONVOCADO). em sua grande maioria. 5ª T.01.2003. pelos parâmetros melhor definidos. Maioria/Unânime. oriundos de concessão. Des. em 12. mais ainda do que no sistema vigente ao tempo em que a providência era atribuição do Poder Legislativo.2003 deverá deixar de proceder o desconto do IRRF. o Exmo. cujo eventual descumprimento. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. Quando a Carta Constitucional de 1988 assegurou.

Nos termos do artigo 11.01. 201.PREVIDENCIÁRIO. julg. Pela ordem constitucional anterior. RECURSO “EX OFFICIO”. 1.Junho .03. 425) 38 . Rel. BENEFÍCIO PAGO NO VALOR DE UM SALÁRIO MÍNIMO. a importância objeto da execução de pequeno valor. DECLARAÇÃO. LEI Nº 10.043069-3/PR.2003 19 . EMBARGOS INFRINGENTES. REGIMENTO INTERNO. Des.00.sessenta salários mínimos. p. OBRIGATORIEDADE DE REQUISIÇÃO AO PRESIDENTE DO TRIBUNAL EM RESPEITO ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS.01. PENSÃO E RENDA MENSAL VITALÍCIA. não há de ser feita confusão entre o Direito do Trabalho e o Direito Previdenciário porque regem liames jurídicos distintos.259/01. 5. por se tratar de verba alimentar. e das Resoluções nº 258 e 270 do Conselho da Justiça Federal. 4. 6ª T.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . vigente ao tempo do respectivo pagamento. julg. da perpetuação dos descontos efetuados sobre um benefício estabelecido em um salário mínimo mensal. (AG nº 2002. do meeiro e do arrendatário rural.02. o Exmo. ART. CUMULAÇÃO INDEVIDA DE BENEFÍCIOS. deve ser requisitada ao Presidente do Tribunal. em observância ao art. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. 764) 21 . em 12. ATIVIDADE RURAL. Des. PAR-5º DA CF/88. (EIREO nº 2000. 4. 02/04/2003./TRF4. Unânime. a aplicação das normas expressas na Lei nº 10.PREVIDENCIÁRIO. pois. deve ser considerado para o pagamento de obrigações de pequeno valor decorrentes das ações previdenciárias processadas fora do âmbito daqueles Juizados. REEMBOLSO. com a exceção do valor que delimita sua competência. p.259/2001 fora dos Juizados Especiais Federais. mas o percentual de honorários fixado em 10% (dez por cento) de honorários deve incidir até a decisão judicial concessória da devolução das diferenças que o INSS tenha recobrado.71. Sr. Des. Nos termos das Leis de Diretrizes Orçamentárias de 2001 e 2002. Descabida. Maioria. da Constituição Federal. IDADE MÍNIMA.213/91. Merece conhecimento os Embargos Infringentes em Remessa “Ex Officio” se há previsão expressa no Regimento Interno do Tribunal. o Exmo.03. é segurado especial o filho maior de 14 anos. nos casos de competência delegada.2003. in casu. Unânime. 6ª T. CÁLCULO DE CUSTAS. 3. DISPENSA DO PRECATÓRIO. DJ2 nº 68. 3ª S. Não pode haver compensação da verba honorária quando uma parte é beneficiária da Assistência Judiciária Gratuita. DJ2 nº 63. Há impossibilidade. julg. o qual a liberará por depósito à conta do Juízo da Execução. APLICABILIDADE. para fins previdenciários. Rel. Sr.PROCESSO CIVIL. Rel.2003. 2.04. COMPETÊNCIA DELEGADA. do produtor. § 5º.021823-3/RS. O mesmo valor que delimita a competência dos Juizados Especiais Federais ./TRF4.2003. Para fins de declaração de exercício de atividade rural. 09/04/2003. (AC nº 2000. CONHECIMENTO.259/01. PREVIDENCIÁRIO. 2. PAGAMENTO DE OBRIGAÇÕES DE PEQUENO VALOR. A tramitação do feito perante a Justiça Estadual.Maio . Sr. 02/04/2003. 2.611/2002. 747) 20 . não afasta a aplicabilidade da Lei nº 10. p. 1. 1. Federal NÉFI CORDEIRO. em 11. do parceiro.04. o Exmo./TRF4. o serviço após os doze anos de idade é respeitante ao trabalho com vínculo empregatício. 3. 201.003189-0/RS. Não há proibição a que seja incluído na conta de liquidação o valor das custas atualizadas nos termos da Lei nº 13. da Lei nº 8. Federal NÉFI CORDEIRO. DJ2 nº 63. em 18.

04. em parte.2003. Des.032/95. Des.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . SETEMBRO DE 94. referente ao aumento do salário mínimo de setembro/94.213/91 com a redação conferida pela Lei nº 10.Junho . Rel. ante a revogação expressa do § 2o do art. não terá direito a prestação alguma.542/92. CONVERSÃO DO VALOR DOS BENEFÍCIOS PARA URV.” (AG Nº 2002. 1. o Exmo. 6ª T. Os arts./ TRF4. permite a prorrogação dos prazos fixados para cumprimento de ordem judicial. PRORROGAÇÃO.4.213/91 pela Lei 8. 39 . (AG nº 2002. inciso I. o Exmo.259/01. 41 da Lei 8. O art. EXECUÇÃO DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS EM SEPARADO.04. p.213/91. § 2º. DIREITO ADQUIRIDO. DESCUMPRIMENTO DE ORDEM JUDICIAL. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.382-SC). Sr. em 22. 2. da Lei nº 8.PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. 20 da Lei nº 10. e 18.01. ser quitadas no prazo de até sessenta dias após a intimação do trânsito em julgado da decisão. 81. 20.01. em 25. 30/04/2003. mesmo contribuindo. o Exmo. Segundo entendimento do Plenário do Supremo Tribunal Federal.3. DIFERENÇAS DEVIDAS ATÉ A DATA DA REVOGAÇÃO DO ART. (AG nº 2002.04. da Lei nº 8. Precedentes.11.2003. preencheu todos os requisitos necessários para a obtenção do pecúlio. 6ª T. Inexiste amparo legal à aplicação do índice de 8.880/94. p. prevê expressa proibição quanto a sua aplicabilidade no âmbito do juízo estadual. na forma estabelecida no caput e. OFENSA AO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA PRESERVAÇÃO DO VALOR REAL DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS.035719-9/RS. DJ2 nº 68. exceto salário-família e reabilitação. Unânime. tem direito adquirido ao recebimento das parcelas vertidas até a edição da Lei nº 9. JUIZADO ESPECIAL FEDERAL INAPLICABILIDADE NO JUÍZO ESTADUAL. Des. Unânime. sendo motivo de força maior. a utilização de valores nominais na fórmula de conversão prevista no art. Entretanto.880/94 não ofendeu o princípio constitucional da preservação do valor real dos benefícios previdenciários (RE nº 313. Rel. FORÇA MAIOR.Maio . GREVE DOS SERVIDORES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. p. 595) 25 . IMPOSSIBILIDADE. aos benefícios previdenciários com valor superior a um salário mínimo.032/95. O segurado que.213/91 PELA LEI Nº 9. Sr. PECÚLIO. REAJUSTES DOS BENEFÍCIOS NO PERÍODO DE JUNHO DE 1997 A JUNHO DE 2000 PELA VARIAÇÃO DO IGP-DI. 09/04/2003. INCISO I. da Lei nº 8.02.PREVIDENCIÁRIO. antes da revogação do art. 5ª T.04. PRESERVAÇÃO DO VALOR REAL DOS BENEFÍCIOS.003213-4/RS. DJ2 nº 81. 02/04/2003. INEXISTÊNCIA. Rel. sem necessidade da expedição de precatório. Sr.099/2000 possibilita a execução. Federal TADAAQUI HIROSE. que o extinguiu./TRF4. repartição ou quebra do valor da execução.01. mediante expedição do precatório. O art. 128 da Lei nº 8. INCONSTITUCIONALIDADE DA EXPRESSÃO “NOMINAL”. julg.2003 22 .2003. PRAZO. A greve. 896) 23 . julg.PREVIDENCIÁRIO. ART. 766) 24 . II. MAIO DE 96.AGRAVO DE INSTRUMENTO.051944-8/SC. não sendo cabível multa no período de duração do movimento paredista. por opção de cada um dos exeqüentes. 2. DJ2 nº 63. Federal VICTOR LUIZ DOS SANTOS LAUS. DA LEI Nº 8. em parte. o § 1º veda o fracionamento.213/91 estabelecem que o aposentado pelo RGPS que retorna à atividade é segurado obrigatório e. que instituiu os juizados especiais federais. § 3º. quando empregado.04%. 81 DA LEI Nº 8. 20./TRF4. de modo que o pagamento se faça. Unânime. PRECEDENTE DO STF.

528/97. 1 . junho de 1999.213/91./TRF4.As leis nº 8. Unânime.036081-9/RS.213/91 e 9. 729) 28 .70.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Sr.00./ TRF4. 5ª T. mas sua aplicação imediata.70. da Lei 8. junho de 1998. Reconhecido que a execução resume-se à observação do disposto no art.PENSÃO POR MORTE . Unânime. em 13. indexador que melhor reflete a variação inflacionária de preços de produtos. DJ2 nº 63.2003. O critério do art. Des.01.035/95 devem incidir imediatamente sobre todos os benefícios de pensão. DIFERENÇAS. II. DJ2 nº 63. dependência esta que não precisa ser exclusiva.PREVIDENCIÁRIO . caso em que a comprovação pode ser feita exclusivamente por prova testemunhal idônea. Precedentes do STJ.PREVIDENCIÁRIO. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.04. 144 DA LEI 8.03. p. A orientação segundo a qual a prova do tempo de serviço deve ser feita por início de prova material. p. Rel. respectivamente. Des. ART. Des. 734) 27 . PENSÃO POR MORTE. DJ2 nº 63. universo que abrange.213/91.03. majorando o benefício de 80% para 100%. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.024853-5/RS.002374-3/PR. Maioria.03. Des. consoante entendimento jurisprudencial reiterado. o Exmo. 5ª T.880/94. não se pode ter por vulnerado o princípio da preservação do valor real se. julg.Não se trata de aplicação retroativa da lei nova. que deverá ser reforçada por depoimento de testemunhas. não se aplica às hipóteses em que se pretende comprovar dependência econômica para fins de obtenção de benefício pensão por morte.Junho . EXECUÇÃO RESUMIDA AO ART. em sua grande maioria. (AC Nº 2000. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. cuja data-base é maio.03. Unânime. julg. BENEFÍCIO DE PENSÃO POR MORTE INICIADO ANTES DO ADVENTO DA CF/88. nos termos da Lei nº 8.2003 Não há previsão legal de reajuste aos demais benefícios. os índices adotados pela Previdência superaram a variação do INPC. 842) 40 . 58 do ADCT somente se aplica aos benefícios iniciados antes do advento da CF. 5ª T. em 24. 5ª T. independentemente da lei vigente à época em que foram concedidos. julg. bens e serviços utilizados por famílias cuja renda mensal situa-se entre 1 e 8 salários mínimos. não vinculados ao salário mínimo. PROVA DOCUMENTAL. o Exmo. o Exmo. DJ2 nº 81. nos termos do artigo 74. p. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA. p. 02/04/2003.213/91. COMPROVAÇÃO. Sr./TRF4. se requerido após trinta dias da data do óbito.71. (AC Nº 2001. junho de 2000 e junho de 2001. 30/04/2003.ELEVAÇÃO DO SEU COEFICIENTE . o Exmo. (AC Nº 2001. Rel.2003. com a redação dada pela Lei 9. em 13. É devido o benefício de pensão por morte se o pai e/ou a mãe comprovam nos autos a dependência econômica em relação ao filho. os beneficiários do INSS.02. Embora o legislador não tenha indicado expressamente qual o indexador utilizado para reajustamento dos benefícios em junho de 1997.INCIDÊNCIA IMEDIATA.000128-7/PR. 730) 26 . Rel. 2 . O benefício da pensão por morte é devido desde a data da entrada do requerimento administrativo./ TRF4. Sr. (AC Nº 2000.LEI NOVA . em 13.Maio . Rel. Sr. 58 DO ADCT.PREVIDENCIÁRIO. EMBARGOS.2003. 144 da Lei nº 8. julg. 02/04/2003. limitam-se os cálculos à apuração de diferenças entre as competências junho/92 até a data da efetiva revisão administrativa.07. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. INEXIGÊNCIA. no período.2003. 02/04/2003.

2003. no juízo de origem. Federal TADAAQUI HIROSE. 09/04/2003. Des. julg. 6ª T. O art.PREVIDENCIÁRIO. 4. 377) 31 . em 01. APOSENTADORIA RURAL POR IDADE.2003. CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE.04. 128 da Lei nº 8. REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR.04. Unânime.213/91. DATA EFETIVO PAGAMENTO. atualmente.01. 1.2001. o Exmo. A prova do exercício laboral rural pode ser feita por início razoável de prova material complementado por depoimento testemunhal idôneo. RENÚNCIA AO VALOR EXCEDENTE AO LIMITE. sem expedição de precatório.70. 2. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA NÃO DEMONSTRADA. VALOR CONTROVERTIDO INFERIOR A SESSENTA SALÁRIOS MÍNIMOS. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. dada a habitualidade do trabalho. A regra inscrita no § 2º do art. DJ2 nº 63. COM A REDAÇÃO DA LEI 10./TRF4. Unânime. (AC nº 2001. o Exmo. DJ2 nº 68. ART. RESIDÊNCIA NA CIDADE. Federal TADAAQUI HIROSE. não se lhe aplicando o princípio segundo o qual a lei do recurso é a lei vigente ao tempo da decisão impugnada. Des. com a redação dada pela Lei nº 10. Não é óbice para a consecução da atividade rurícola o fato de o segurado residir na cidade. DJ2 nº 76. SEPARAÇÃO DE FATO.04.12.213/91. (AG Nº 2002.056421-1/RS.Junho . Rel. JUROS DE MORA.099/2000 veda que parte da execução.099/2000. após o prazo constitucionalmente fixado. SALDO REMANESCENTE. não se deve conhecer da remessa oficial.352. NÃO-CABIMENTO. a dívida não for paga. Sr. em 13. 6ª T. Os juros de mora não incidem entre a data da expedição e a do efetivo pagamento do precatório.005632-4/PR.PREVIDENCIÁRIO. é liberado o alvará. AGRAVO DE INSTRUMENTO. PRECATÓRIO. 670) 32 . Rel. AGRAVO DE INSTRUMENTO.03. Federal NÉFI CORDEIRO. Precedente do Pleno do STF (RE nº 298616/SP). Rel.01. AÇÃO CONDENATÓRIA. INEXISTÊNCIA. em 01. julg. 128 DA LEI 8.04.PREVIDENCIÁRIO. (AG nº 2002. 23/04/2003.078755-4/RS.04. A data do efetivo pagamento a ser considerada para o cálculo do valor complementar é a data em que. iniciada sob a sua vigência. Rel. Sr./TRF4. é de sessenta salários mínimos. ATIVIDADES DOMÉSTICAS. sendo os mesmos cabíveis somente se. 730) 41 . Unânime. p. p. DJ2 nº 68. julg. Sendo o valor da condenação inferior a 60 (sessenta salários mínimos). Unânime./TRF4.099/2000. 475 do CPC . p.Maio .tem aplicabilidade imediata aos processos em curso.04. p. o Exmo. 5ª T.352.2001 ./TRF4. o Exmo.01. Tendo havido alteração do limite legal antes de efetuado o pagamento a renúncia deve ser entendida como renúncia do excedente ao novo valor. Sr. FRACIONAMENTO.acrescentada pela Lei nº 10. DE 26.12.2003. de valores cuja execução não sejam superiores ao limite ali referido. APLICABILIDADE IMEDIATA. bem como a realização concomitante de tarefas domésticas. Des.03. REMESSA OFICIAL. Des.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .PREVIDENCIÁRIO. (AC Nº 2001. inexistindo nos autos prova capaz de demonstrar a dependência econômica da autora separada de fato em relação ao de cujus. de 26. 3. 02/04/2003. não há como conceder o benefício de pensão por morte. não se tratando de fracionamento quando o primeiro pagamento antecedeu a entrada em vigor da lei nova. permite o pagamento direto. 6ª T. 660) 30 . Mesmo que incontroversa a condição de segurado do falecido. § 2º DO ART. A Lei nº 10. em 01. Sr. 475 DO CPC ACRESCENTADO PELA LEI Nº 10. julg.2003.042608-2/RS. 09/04/2003. se dê por precatório e parte pela forma direta.2003 29 . e que.

A parte autora somente faz jus à concessão de aposentadoria por tempo de serviço quando preenchidos os requisitos dos artigos 52 e seguintes da Lei Previdenciária. independentemente da lei vigente à época em que foram concedidos.04.2003 33 .2003. 2.004477-0/SC.04. 1. 642) 36 . o Exmo. 273 DO CPC. Sr. em 10. NÃO INCIDÊNCIA.01. 30/04/2003.2002.026841-5/RS. Restando comprovado nos autos a atividade rurícola em regime de economia familiar. julg.04. PREVIDENCIÁRIO. 6ª T. em 22. 843) 35 . O Supremo Tribunal Federal decidiu.092545-4).04. 760) 34 . O débito judicial previdenciário tem nitidamente caráter alimentar. Des. Federal TADAAQUI HIROSE. Juiz Federal CELSO KIPPER (convocado).Maio .11. o Exmo. CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO DE RURÍCOLA A PARTIR DOS 12 ANOS DE IDADE PARA FINS PREVIDENCIÁRIOS.032/95 devem incidir imediatamente sobre todos os benefícios de pensão. julg. (AG Nº 2001. em 21. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. DJ2 nº 81. DJ2 nº 81. em virtude do princípio genérico da irretroatividade das leis.04.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Sr. principalmente considerando-se as exigências de tratamento e cuidados com a Agravada. 5ª T. 892) 42 . Rel.10. Precedentes (AG Nº 2001. ao julgar o Recurso Extraordinário nº 298616. Des. 2. Precedentes da Terceira Seção do TRF/4ªR. Os juros somente incidirão se houver inadimplência. o Exmo. (AC nº 2002. julg. 3. p. Ainda que o grupo familiar da Recorrida seja composto por duas pessoas e perceba renda mensal per capita superior a ¼ do salário mínimo. Unânime.72. PENSÃO CONCEDIDA ANTERIORMENTE À CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Des. em 31. merecendo ser quitado com plenitude de correção monetária./TRF4. Maioria. Possibilidade do credor exigir do devedor o integral pagamento do seu crédito através da expedição de precatório complementar./TRF4. Rel. Atendidos os pressupostos da antecipação da tutela quais sejam. Rel. por maioria. 30/04/2003. 3. p.Junho . Entretanto. 02/04/2003. é possível a contagem do tempo de serviço para fins previdenciários a partir dos 12 anos de idade. Federal TADAAQUI HIROSE. Unânime. JUROS DE MORA.REVISÃO DE BENEFÍCIO.2003.03.04. PRECATÓRIO COMPLEMENTAR. REQUISITOS.2003. majorando o benefício para 80% e 100%. p.EMBARGOS INFRINGENTES. respectivamente. a verossimilhança do direito alegado e o fundado receio de dano irreparável. 1. julg. CRÉDITO ALIMENTAR./TRF4. Federal TADAAQUI HIROSE. o Exmo.EXECUÇÃO DE SENTENÇA.01.04. Rel. (AC Nº 2002. ART.01.04.213/91 e 9.025210-5. esta não se revela suficiente para a manutenção da família. As Leis nºs 8. p.061705-0/PR. 2. Sr.AGRAVO DE INSTRUMENTO PROCESSUAL CIVIL.062600-5/PR. 6ª T. CORREÇÃO MONETÁRIA. 3ªS. Sr. (EIAC Nº 2001. se após o prazo constitucionalmente fixado não houver pagamento da dívida. em 25./TRF4.01.2002. 1. AC Nº 2000. é de ser mantida a decisão que outorgou o provimento antecipatório.01.01.002269-4/RS. MAJORAÇÃO DA COTA FAMILIAR. 4. que não incidem juros de mora entre a data da expedição do precatório e a do efetivo pagamento. CONCESSÃO DE APOSENTADORIA. Unânime. estes aumentos de percentuais não devem retroagir à época anterior à vigência das leis mencionadas. DJ2 nº 81. ou seja. AG Nº 2000.05. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. DJ2 nº 63. 30/04/2003.

/TRF4. o pagamento do principal da dívida executada. MASSA FALIDA. Juiz Federal ALCIDES VETTORAZZI. comprovada a existência de saldo devedor. Rel.2003. em 25. Unânime.06. devendo ser mantido o encargo legal do Decreto-Lei nº1025/69.71. o Exmo. “É incabível a extinção do processo de execução fiscal pela falta de localização do devedor ou inexistência de bens penhoráveis (art. ENCARGO LEGAL. 23. 4ª T.001938-4/RS. Apelação desprovida. 173) 02 .03.04. DJ2 nº 68. DJ2 nº 68. sucede na execução fiscal. Rel.235/72. Des. o Exmo. 23/04/2003.2002. EXECUÇÃO FISCAL. à pessoa com capacidade pessoal para recebê-la. A massa falida nas execuções fiscais não está isenta do pagamento de honorários. LEVANTAMENTO DE VALORES DEPOSITADOS A TÍTULO DE REMISSÃO DE BENS ARREMATADOS. INCABIMENTO. o Exmo. EXECUÇÃO FISCAL. p.Junho . PAGAMENTO PARCIAL. Des. 09/04/2003. A destinação de saldo de conta de depósito judicial à liquidação de outra execução. julg.2003. (AC Nº 2002. p. o Exmo.01. em 25.04.01. Des. CITAÇÃO MEDIANTE PUBLICAÇÃO NA IMPRENSA OFICIAL. EXTINÇÃO. Sr. (AC nº 2003. art. não se compatibiliza com o princípio da autonomia do processo.050298-9/RS. 2ª T. p. Não há necessidade que a notificação postal no processo administrativo-fiscal seja feita pessoalmente ao contribuinte. na forma da Súmula 46 do TRF/4ªR. diferente daquela a que se vincula o referido depósito. relativo aos juros de mora anteriores à decretação da falência. Da mesma forma. Sr. Unânime. 1º do DL 858/69. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CORREÇÃO MONETÁRIA. (AC nº 2000. qualquer intimação ao representante judicial da Fazenda Pública será feita pessoalmente. EXTINÇÃO. NOTIFICAÇÃO NO PROCESSO ADMINISTRATIVO. NÃO LOCALIZAÇÃO DO DEVEDOR OU DE BENS PENHORÁVEIS. DJ2 nº 76. DJ2 nº 68. p. 43 .TRIBUTÁRIO. uma vez que não houve liquidação integral do débito no prazo de 30 (trinta) dias após a suspensão prevista no art. 09/04/2003./TRF4.FISCAL E NA EXECUÇÃO FISCAL.ADMINISTRATIVO. EXECUÇÃO FISCAL. 587) 05 . via mandado ou com a entrega dos autos. julg./TRF4. 09/04/2003. SALDO REMANESCENTE.2003 Execução Fiscal 01 . da Lei nº 6830/80)”. de modo direto.ADMINISTRATIVO. I e II). art. JUROS DE MORA. 40.EXECUÇÃO FISCAL.00. EMBARGOS. Unânime. EXECUÇÃO FISCAL. não sendo exigível na citação postal que o ofício seja entregue em mãos do executado (LEF. Unânime. julg.04. 8º. II). Federal JOÃO SURREAUX CHAGAS.02. Não enseja a extinção do processo de execução. 482) 04 . em 02. (AC nº 2002. Sr. Federal JOÃO SURREAUX CHAGAS. Federal VILSON DARÓS. a correção monetária e o encargo legal. INDEFERIMENTO. Na execução fiscal. Rel.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . sendo o bastante que tenha sido entregue no domicílio do destinatário (Decreto nº 70.054767-5/SC. Rel. Os juros moratórios anteriores à quebra são devidos pela massa e os posteriores serão pagos se o ativo da massa falida comportar. julg./TRF da 4.04. em 25. 2ª T.01. 531) 03 . 2ª T.TRIBUTÁRIO. Sr.008822-3/PR.2003. A correção monetária é devida integralmente.Maio .

4ª T. 4ª T. EXTINÇÃO DO PROCESSO. ARTIGO 267. DJ2 nº 73. Sr. (AC Nº 2001. Rel.03. 30/04/2003. (AG Nº 2002. 23/04/2003. o Exmo.043620-8/PR.040530-3/RS. Rel. 16/04/2003.EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL.049783-7/RS./TRF4. PENHORA./TRF4. p. em qualquer fase do processo judicial. 776) 07 . 649) nem por ato dispositivo como a doação ou indicação à penhora.069101-0/RS. 09/04/2003. Rel. PRECLUSÃO CONSUMATIVA. julg.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . na presença de indícios de ilicitude e de fraude objetivando a ocultação de bens. julg.CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. como no regime anterior à Lei nº 9. Sr.676 E 1.PROCESSO CIVIL. em relação ao qual o julgador. porque subsiste como garantia de patrimônio da geração para a qual instituída (CC. julg. 23/04/2003. 1. EXECUÇÃO. (AG Nº 2001. ART. de modo que a simples ausência de patrimônio penhorável não é suficiente para ensejar a quebra do sigilo fiscal.139/95. em 02. atendendo às disposições do artigo 20 do Código de Processo Civil.AGRAVO DE INSTRUMENTO. CÓDIGO CIVIL.10. Juiz Federal ALCIDES VETTORAZZI. EXECUÇÃO FISCAL. restando-lhe impedido suscitar questões outras sem a indicação de serem novas ou antes inalcançáveis.676 e CPC. nos termos do artigo 462 do CPC. 1ªT.Maio .723. 443) 09 . em 31. que somente deve ser outorgada em situação excepcionalíssima.2003.020756-6/SC. 144) 10 . EXECUÇÃO. 1.DIREITOS.04.2003. p. p. p.01. não pode se furtar de examinar. Des.04. ARTIGO 20 E 26 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. SIGILO FISCAL. Des. REFIS. Merecem ser prestigiadas as salvaguardas constitucionais. Maioria . CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA . Unânime. 1.EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. 178) 06 . CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. ainda. DJ2 nº 68. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 1. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. a circunstância de que a adesão ao parcelamento do 44 . em 02.04. A adesão ao REFIS. Des. 649./TRF4. 4ª T. 1ªT. a causa petendi e o objeto da ação diferenciam-se de modo a obstar que os atos praticados em um dos processos percutam no outro. Rel.01.01. IMÓVEL COM CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE. ADESÃO AO REFIS DESISTÊNCIA. julg. em 02. Unânime. Sr. Rel. o Exmo. art.2003. DJ2 nº 76. Incide a preclusão consumativa se a parte agravada apresenta sua resposta. julg. 2.2003 Mesmo que as partes sejam as mesmas. dentre elas os honorários advocatícios no valor de 10% do débito discutido. ou seja. 1. o Exmo. tanto mais porque já não se admite a conversão do agravo de instrumento em diligência. em 02 de abril de 2003. GARANTIA DE PATRIMÔNIO À GERAÇÃO PARA A QUAL INSTITUÍDA. ENCARGO DE 20% DO DECRETO 1. Sr. art.04. HONORÁRIOS. Unânime.01. o Exmo.04. Acrescente-se. A cláusula de inalienabilidade sobre imóvel não se desfaz nem por decisão judicial (CC. DJ2 nº 81.04. Unânime. (AG nº 2002.025/69. PENHORA. Des. Federal AMAURY CHAVES DE ATHAYDE.01.723). o Exmo./TRF4. p.Junho . VIII DO CPC. DJ2 nº 76.2002. São penhoráveis os direitos que o executado detém em função de contrato de financiamento para aquisição de bem determinado mediante garantia de alienação fiduciária. configura fato novo superveniente ao ajuizamento da ação.04. ARTS. Cabe àquele que desiste da ação arcar com as verbas de sucumbência. EXPEDIÇÃO DE OFÍCIO À RECEITA FEDERAL. art. (AG nº 2002. Federal AMAURY CHAVES DE ATHAYDE. Sr. Federal LUIZ CARLOS DE CASTRO LUGON./TRF. 304) 08 .

Após decorrido o prazo prescricional. Federal AMAURY CHAVES DE ATHAYDE. torna-se despicienda a apreciação dos apelos. 02/04/2003. 119) 11 .MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2. 1ªT. com fulcro no 267.164-40/01.04.EXECUÇÃO FISCAL. e à condição resolutiva perante a convolação desse ato em Lei.03. p. EXECUÇÃO DE TÍTULO JUDICIAL (FGTS). 174 do CTN. ART. 2. DECRETAÇÃO “EX OFFICIO”.2003.Maio . §§ 3º e 4º). HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS . p. DJ2 nº 76. em 02. 630) 13 . p. p. 4ª T.Junho . e a suspensão do executivo fiscal. 2.01. O encargo de 20% do Decreto-Lei nº 1.164-41.2003. em ação versando sobre o FGTS impõe-se o arbitramento de honorários advocatícios. 40 DA LEF. na forma do disposto no artigo 9º. (AC Nº 2002. a ocorrência da prescrição intercorrente apresenta-se como medida razoável. 781) 45 . CURADOR ESPECIAL. embargada ou não. julg. ante a desistência expressa da embargante. ex officio.sequer citado . POSSIBILIDADE. DJ2 nº 63. Sr.830/80 deve ser interpretado em consonância com o art. o dimensionamento da nominada verba deve acurar à disciplina processual pátria (CPC. 619) 12 .2003 REFIS acarreta a perda do objeto dos embargos. É cabível a nomeação de curador especial. nos embargos.04. Sr. 2. O art.04. razão pela qual. 1) São devidos honorários advocatícios em execução de título judicial. SUSPENSÃO DO FEITO. Rel. 1. o Exmo. o Exmo. Des. 1. ART. a fim de evitar o tumulto causado pela pendência do processo por tempo indeterminado. SUSPENSÃO DO FEITO. quando frustada a citação do executado. não resta ao credor qualquer interesse em promover o andamento do feito. julg. deve o processo ser extinto sem julgamento do mérito. em 02. outrossim. o Exmo. Des. Sr. 20./TRF4. a condenação do devedor em honorários. Unânime. 2) Não sendo dado ao Judiciário omitir jurisdição em momento oportuno e descabendo.036393-6/RS.01. Entretanto. Des. inciso II do CPC./TRF4.04. 40 da Lei 6.04. 40 DA LEF.2003. Sr. a autorização ao juiz para que declare. ditar disposição definitiva com base em preceito legal precário. 1ª T.iniciativa no sentido de pleitear o reconhecimento da prescrição. Maioria.EXECUÇÃO FISCAL. (AG Nº 2003. (AC Nº 2002. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. haja vista que essa quadra afigura-se distinta daquela de conhecimento.057503-8/RS. DJ2 nº 63.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .025. A suspensão da execução fiscal não afasta a possibilidade de ocorrência da prescrição intercorrente. ARBITRAMENTO E EXIGIBILIDADE DA VERBA. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. por tratar-se de situação excepcional.2003. Unânime.001167-6/SC. 02/04/2003. por falta de interesse de agir. outrossim.PROCESSUAL CIVIL. 23/04/2003. Em que pese o fato de que a prescrição constitui matéria de defesa do réu.01. VIII do Código de Processo Civil./TRF4. Da mesma forma. 174 do CTN. em 20. o Exmo. 1ªT.017457-3/PR. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. Des.04. Rel.03. Rel. enquanto perdurar a eficácia da Medida Provisória nº 2. A suspensão da execução fiscal não afasta a possibilidade de ocorrência da prescrição intercorrente. 30/04/2003. de 1969. julg. em 06. 3. (AC Nº 2001. submetida a verba à condição suspensiva. Assim. não pode ser decretada sem provocação do interessado. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA.01. é sempre devido nas execuções fiscais da União e substitui. Unânime. uma vez que a situação fática ali decidida não irá se alterar tendo em vista que o ingresso no REFIS exige a extinção dos embargos. a situação em tela requer tratamento especial. 40 da Lei 6. na execução fiscal.830/80 deve ser interpretado em consonância com o art./TRF4. DJ2 nº 81. Rel. O art. julg. art. não se pode esperar do devedor .

a sua punibilidade. 4. como no presente caso.010187-5/RS. Não é essencial a individualização de cada sócio-administrador na denúncia. 1.01. SUJEITO ATIVO PRÓPRIO DO ARTIGO 5º DA LEI 7492/86. 7. tinham domínio dos fatos que lhes são imputados. dirigentes da administradora de consórcios. a 7ª Turma consolidou o entendimento de que os delitos praticados por dirigentes de administradoras de consórcios previstos na Lei n º 7492/86 devem ser processados e julgados pela Justiça Federal. conforme decisão proferida pela 7ª Turma. 2. por isso. sujeitos ativos do crime diferenciados. bem como seus prepostos. inviabilizando a desclassificação pretendida.04. que os sócios de fato e de direito. beneficiando-se do envolvimento de concessionária de veículos que emitia notas fiscais de veículos aos demais co-réus.PRESCRIÇÃO DO DELITO DO ARTIGO 288 DO CP. que aposta desastradamente na ocorrência de situações favoráveis e.492/86. 1653 e 1643. GESTÃO TEMERÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. DIMINUIÇÃO DAS PENAS. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. PRECEDENTE. nos autos da ACR nº 1999.PENAL.2003 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . o que se observou foi uma prática eminentemente fraudulenta. CONSÓRCIOS. Bayard e Romeu à pena de 2(dois) anos de reclusão nas fls. CRIME CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. conforme se pode verificar na exordial acusatória transcrita no relatório. APELAÇÕES PARCIALMENTE PROVIDAS. ao longo de suas gestões. temerário. sem constar que os mesmos estavam alienados fiduciariamente. 5. publicada no DJU de 13. CONCURSO APARENTE DE NORMAS PENAIS ENTRE OS DELITOS DO ARTIGO 4º E 5º DA LEI 7492/86 RESOLVIDO PELO PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE. basta que se veja. uma vez que se trata de circunstância elementar do tipo do artigo 5º da Lei nº 7.115593-7/RS. ainda que exercendo atividades diferenciadas. 1648. 8. resolvido pelo princípio da especialidade em favor do delito de apropriação e desvio de recursos. nem mesmo no processamento da ação penal e na condenação. UNIFICAÇÃO DOS PROCESSOS. INÉPCIA DA DENÚNCIA. Ainda que se vislumbre continuidade delitiva. Diante da condenação dos réus Ana. AUTORIA E MATERIALIDADE COMPROVADAS. p. que melhor atenção receberá por ocasião da execução das penas. COMUNICABILIDADE AO CO-AUTOR. A inviabilidade da desclassificação para o delito de gestão temerária se deve ao fato de que a conduta da apelante não foi marcada por um comportamento empresarial impetuoso. 1195/1196. Verifica-se na espécie delitiva um concurso aparente de normas penais entre os tipos dos artigos 4º e 5º da Lei nº 7. DELITO INOCORRÊNCIA. 1158/1160.Junho . Ao contrário.492/86.Maio . que se comunica ao co-autor.04. MANIPULAÇÃO DAS COTAS DE CONSORCIADOS. a sua conduta viabilizou a consecução dos crimes levados a efeito pelos administradores da empresa em detrimento da integridade do sistema financeiro nacional e dos consorciados. que avalizam plenamente a cisão de ações penais.02. modalidades fraudulentas variadas.01. respectivamente.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .02. INOCORRÊNCIA. ensejando. Autoria e materialidade comprovadas. o que ensejou a diminuição da pena dos réus. PRECEDENTE. Embora o réu que era dono da concessionária de veículos envolvida nos delitos apurados nos autos efetivamente não integrasse o quadro societário da administradora de consórcios. 6. e do réu Marco Antonio à pena de 1(um) ano e 8(oito) meses 46 . assim. verifica-se nos inúmeros processos que abordam a criminalidade ocorrida na empresa Planauto elementos específicos. que não podem ser unificadas também pelo fato de que estão em momentos processuais distintos.04. disseminada por toda a diretoria da empresa e que ocasionou sérias lesões aos milhares de consorciados. publicada no DJ 24. 3. POSSIBILIDADE.11. demonstrando organização dos réus em se apropriar e desviar recursos dos consorciados através de manipulação das cotas dos consorciados. pp. Nos autos da ACR nº 2001.

em 02. 288 do CP pela prescrição. 1. 8ª T. Des. o Exmo.050790-2/RS. Sr. 109. pois tal redução não está amparada no reconhecimento de uma situação pessoal do mesmo. 107.01. firmando a competência da 2ª Vara Federal de Santo Ângelo para processar e julgar o feito. PROCESSO PENAL. LESÃO A INTERESSE DA UNIÃO. I e IV. buscando os recorridos tomar-lhes o numerário que auferiam a título de aposentadoria e auxílio-maternidade. 9.PENAL. 400) 04 . Sr. mas sim em nova exegese dos dispositivos penais da Lei nº 7. APELAÇÃO CRIMINAL. como estatui o art.04.96 . Des. 7ª T.09. DJ2 nº 76. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. EXISTÊNCIA DE INTERESSE DA UNIÃO. DJ2 nº 63. em 11. (ACR nº 2002. 109. julg. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. FALSIFICAÇÃO DE DOCUMENTO.01 . já atrai a competência federal. 02/04/2003.2003. EXTORSÃO (ART. Efetivo. ART.04.Junho . Compete à Justiça Federal processar e julgar crime praticado por despachante aduaneiro que apresenta à Receita Federal guias falsas de recolhimento de ICMS relativas a mercadorias importadas.03.fl. p.2003 de reclusão na fl. A Súmula nº 140 do STJ não esgota plenamente as hipóteses de crimes em que figure indígena como vítima ou autor. O crime de falsidade não implica. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. o que conclama a fixação da Justiça Federal para processar e julgar o feito. cuja proteção é de interesse da União .PROCESSO PENAL.PENAL. Rel. CP) PRATICADA CONTRA COMUNIDADE INDÍGENA.em especial. Sr. Federal ÉLCIO PINHEIRO DE CASTRO. inciso I. Restando caracterizada. Se não bastasse. Federal FÁBIO ROSA. da FUNAI . SÚMULA Nº 140 DO STJ. RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO. conforme previsão expressa do artigo 109.02.007239-9/RS. pondo em risco a cultura e a estrutura de uma comunidade inteira. é a afronta à fiel prestação dos serviços de saúde. porém. Rel.492/86.02. julg.06. Des. uma vez que transcorreu mais de quatro anos entre os fatos (1989 a 16. fazendo incidir o inciso XI do dispositivo constitucional supracitado. Diminuída a pena do réu Romeu Michaelsen. prejuízo financeiro para a União./TRF4. prática delituosa dirigida ao povo aborígene. 4. 02/04/2003. por si só. nos termos dos arts. Federal VLADIMIR FREITAS.Maio . devendo ser relativizada quando o delito assume a proporção da transindividualidade.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .04. é de ser extinta a punibilidade pela prática do crime previsto no art.000304-8/RS. em 11. V. 47 . IV. Unânime./TRF4. a extorsão foi praticada em desfavor de uma considerável parcela da população indígena (idosos e mulheres grávidas). da CF/88. 3. DJ2 nº 63. 1603). IV./TRF4. EMISSÃO DE FICHAS DE ATENDIMENTO AMBULATORIAL (FAA´S) EM DUPLICIDADE.2003.71. 158. 785) 03 .01. o Exmo.fl. o que atinge o agrupamento silvícola residente na reserva do Guarita como um todo. 117. in casu. Apelações parcialmente providas. todos do Código Penal. 2. 7ª T. (RSE nº 2001. INAPLICABILIDADE. 1. IV E XI. Unânime. (RSE Nº 2002. FALSIDADE.92) e o recebimento da denúncia (29. Rel. 23/04/2003.01. 227) e deste marco com a publicação da sentença condenatória (27. julg. 10. 299 DO CP. necessariamente. ARTIGO 109. Recurso provido. 785) 02 . porque tal ação atenta contra serviços e interesses da União. Unânime. CF/88. p. 1658. p. o Exmo. PREJUÍZO AO SUS.isto. da Constituição Federal.2003.

PENAL. APLICABILIDADE. de forma espontânea. Des. 16 da Lei de Tóxicos.HABEAS CORPUS. ainda que tivesse ocorrido a desclassificação para tráfico interno. porque o fato de o réu trabalhar em Caruaru-PE como vendedor ambulante torna razoável afirmar que os frascos apreendidos poderiam ser destinados inclusive à comercialização. contra a qual guardo reserva. 8.00. julg. Rel. 18. na fase policial. porque para haver tráfico não é preciso que se demonstre a destinação comercial do produto. consumando-se o tipo.2003. A dois. atualmente. 1. AUSÊNCIA DE TRÂNSITO EM JULGADO. 2. 16 DA LEI 6368/76. MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS. da Lei 6368/76). 10. DESCLASSIFICAÇÃO PARA O DELITO PREVISTO NO ART. 6.02. o Exmo. INTERNACIONALIDADE CARACTERIZADA. de 12/05/98. DJ2 nº 63. que utilizaria o entorpecente com seus amigos. Apelações improvidas. 7.2003. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA.Maio . em 25. (ACR Nº 1999. Federal FÁBIO ROSA. IMPROCEDÊNCIA. IMPOSSIBLIDADE. Desse modo. Sr. 9.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . o valor do imposto devido é absolutamente inexpressivo para o Fisco Federal. DESCAMINHO. em 01. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. CONTINUIDADE DELITIVA. 7ª T. no rol da Portaria nº 344 da Secretaria de Vigilância Sanitária (Ministério da Saúde).04. Rel. republicada no Diário Oficial em 19/05/1998. 48 . 299 do CP o agente que determina a emissão das fichas de atendimento hospitalar em duplicidade./TRF4.176-79. resta caracterizada a internacionalidade do tráfico (art. julg. 3. a fim de ludibriar o SUS.Junho .02. com base na Medida Provisória nº 2. o Exmo. determinou para que assim fosse feito. 912) 06 .2003 2.500.70. De acordo com a orientação da 4ª Seção deste Tribunal.71. de 23 de agosto de 2001. PRESTAÇÃO DE FIANÇA. Maioria. OMISSÃO NO RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIAS. I. pois ela é fixada no momento do oferecimento da denúncia. SUBSTÂNCIA TÓXICA. Sr. não restam dúvidas acerca do seu enquadramento legal como substância tóxica. nos crimes de descaminho. o patamar para a aplicação do princípio da insignificância. 02/04/2003. 4. Comprovado que a droga veio do Paraguai./TRF4. 30/04/2003. 784) 05 . p. para que os honorários do hospital sejam pagos também em duplicidade. DJ2 nº 81. INÍCIO DA EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA. p. No presente caso. sempre esteve arrolado como objeto de incidência da Lei de Tóxicos. Unânime. Competência da Justiça Federal para julgar o tráfico internacional de entorpecentes.003276-4/PR. A um. constando. 5. Federal VLADIMIR FREITAS. INEXISTÊNCIA DE ÓBICE. porque a quantidade da substância apreendida não poderia ser consumida somente pelo acusado nas festas de fim de ano. Des. Incumbe ao dominus litis o ônus de comprovar o fato de ter sido o réu anteriormente processado pela prática do mesmo crime ou beneficiado pela aplicação da teoria da bagatela. Incide nas penas do crime do art. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. excetuado o período compreendido entre 31/05/84 a 13/03/85. O cloreto de etila. Embora a agente não tenha realizado de próprio punho a inserção de dados. porque o próprio réu admitiu. A três.04. A condição de usuário ou de viciado do agente não afasta. ‘LANÇA-PERFUME’. (ACR nº 1999. por si só. Materialidade e autoria do delito de tráfico de entorpecentes devidamente comprovadas.005284-9/RS. 3. Improcedência da tese defensiva de desclassificação do tráfico para o delito previsto no art. a possibilidade de condenação por tráfico de drogas (Precedente do STF). A quatro. é de R$ 2. 7ª T.

estando a representação fiscal “aguardando exclusão”. p. 4./TRF4. Ordem concedida.2003.Maio .2003. (HC Nº 2003. § 1º.007619-1/SC. 1. (AGEPN Nº 2002. 912) 49 .04. Rel. Rel. Rel. DJ2 nº 68.2003 A concessão de fiança é impossibilitada em razão da continuidade delitiva que. ainda não se efetivou. O parcelamento da multa não pode ser multiplicado ao ponto de esvaziar o caráter sancionatório da pena. Unânime. do Código Penal.Junho .01. Des. em 15. O ordenamento jurídico assegura ao contribuinte o benefício da suspensão da pretensão punitiva até o momento em que o mesmo estiver incluído no REFIS (art. 3. Unânime. 30/04/2003. Federal VOLKMER DE CASTILHO. A exclusão. como parte da expiação. Sr. atenderá. PARCELAMENTO. Trancada a ação penal. ao princípio da ressocialização do condenado. (AGEPN nº 2002. Cabe ao apenado prover os meios para saldá-la.01. resta inviabilizada a concessão de fiança. inobstante a alegada precariedade das condições financeiras do condenado.04. da lei de regência. AGRAVO. nenhum óbice existe à execução provisória das penas restritivas de direito imposta ao réu. a reprimenda prevista no art. o Exmo.003635-1/SC.03. Rel. SUBSTITUIÇÃO POR PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA.2003. CABIMENTO. Precedente da 8ª Turma deste TRF. para estes efeitos.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 8ª T. A prestação de serviços à comunidade consubstancia apenamento inadequado com o desempenho da jornada de trabalho regular do recorrente. O paciente responde à ação penal por sonegação fiscal apesar de sua empresa não ter sido formalmente excluída do REFIS. 8ª T. deve ser considerada no cálculo da pena mínima in abstrato.01. 30/04/2003.2003. Des. DJ2 nº 81. em 24. desatendendo à prescrição do art. (HC nº 2003. 09/04/2003. Federal FÁBIO ROSA. Unânime.04. 788) 09 . 46. mostra-se razoável substituí-la por sanção pecuniária. SUSPENSO O PRAZO PRESCRICIONAL.71. 7ª T.PENAL. 45. em 09. EXECUÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE. Se a soma da pena mínima cominada for superior a 2 anos. p. 02/04/2003. por ser esta menos prejudicial ao réu e mais conveniente a sua atividade laborativa.04. Sr. de forma satisfatória. uma vez inexistente efeito suspensivo aos recursos criminais endereçados aos Tribunais Superiores. MULTA. DJ2 nº 81. TRANCADA A AÇÃO PENAL. HABEAS CORPUS. 3./TRF4. 2. Ademais. Assim. Federal VOLKMER DE CASTILHO. DJ2 nº 63. REFIS.03. Des.04. do CP. Esgotadas as instâncias ordinárias e pendente apenas agravo de instrumento interposto contra decisão que inadmitiu recurso especial. § 3º.PENAL.019373-2/RS. nos termos do artigo 5º. julg. julg. o Exmo. como na hipótese do autos. Sr. INSTAURADA AÇÃO PENAL SEM A EXISTÊNCIA DE ATO FORMAL DE EXCLUSÃO DO COMITÊ GESTOR.EXECUÇÃO PENAL./TRF4. julg. Des.04. 2. em 24. EMPRESA AGUARDANDO EXCLUSÃO. Sr. p. INCOMPATIBILIDADE COM O EXERCÍCIO PROFISSIONAL. caput. 8ª T. Unânime. Federal ÉLCIO PINHEIRO DE CASTRO. 701) 07 . ainda que iminente. julg. Recurso improvido. pois o paciente faz jus a suspensão da pretensão punitiva estatal enquanto a empresa permanecer incluída no REFIS. p. ORDEM CONCEDIDA. 15 da Lei 9.049402-6/RS. o Exmo. 917) 08 . 1. o Exmo./TRF4.964/2000).

vem tratando o problema da proteção à gestante. EXTENSÃO AO VIÚVO. 3.03. que. E 60. Des. DJ2 nº 81. 105) 02 . o Exmo.Apelação parcialmente provida. condenação anterior transitada em julgado. I.002358-1/SC. 59 do CP. a partir de 1932 e mais claramente desde 1974. Rel. e 201.2003. não provou o apelante ter ocorrido flagrante preparado ou que os policiais teriam interesse na causa. 7. exige lei específica. Ademais. julg. na sessão de 30. ou seja. 30/04/2003. São conceitos distintos.PENAL. PRECEDENTES. IV. DE 15. devendo ser reputados válidos. 1ªT. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. Essa orientação foi mantida mesmo após a Constituição de 05/10/1988.Os depoimentos prestados pelos policiais. DJ1 nº 92. quanto em juízo. como beneficiários de pensão. PENSÃO. a Exma. PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. (AGRREX Nr. em 18.05. Sra. V da Constituição Federal.1998. LICENÇAGESTANTE.04.Maio . Federal FÁBIO ROSA. na data do crime.05.PREVIDENCIÁRIO. pois as provas produzidas vão de encontro a ela. (ACR Nº 2001.193 e 204.2001. Réu com bons antecedentes é quem nunca se envolveu em ocorrências reprováveis que tenham ensejado persecução penal por parte do Estado. 7º. 1. dentre outros. LIMITAÇÃO. Min. PRIMARIEDADE E ANTECEDENTES.Junho .06. Unânime. 911) MAIO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Direito Previdenciário 01 .O fato de o réu ser primário não induz. DEPOIMENTOS DE POLICIAIS. sem prejuízo do empregado e do salário. 2. Diante desse quadro histórico. p. com a duração de cento e vinte dias".735. PENA-BASE. necessariamente. 1. Insiste o agravante em argumentos já rejeitados pelo Plenário desta Corte. 7°. 2. cada vez menos como um encargo trabalhista (do empregador) e cada vez mais como de natureza previdenciária. 4. XVIII: "licença à gestante.12. PORTE ILEGAL DE ARMA. Réu primário é o que não possuía. 16 DA LEI 6368/76. DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. cujo art.2003 10 . não é de se presumir que o legislador constituinte 50 . tendo em vista as disposições inscritas nos artigos 195. 6. em 22. 16 da Lei de Tóxicos. 7ª T. julg./STF. VALIDADE. ônus que lhe cabia. DESCLASSIFICAÇÃO PARA O DELITO DO ART. O legislador brasileiro. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Unânime. pois o primeiro não é um meio ou um fim do segundo.2003. tanto na polícia./TRF4. 14 DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20. Rel.Redução das penas-base para adequarem-se às circunstâncias do art. foram harmônicos. a que ele tenha bons antecedentes.Descabida a tese de desclassificação do tráfico para o delito previsto no art. AUTORIA COMPROVADA. Agravo regimental improvido. IV. p. 6° determina: a proteção à maternidade deve ser realizada "na forma desta Constituição". fixou o entendimento de que a inclusão dos maridos de seguradas da previdência social. 5. Sr. § 4º. DESCABIMENTO. RS. 16.72. nos termos previstos em seu art. NECESSIDADE DE LEI ESPECÍFICA.DIREITO CONSTITUCIONAL.Autoria do tráfico de entorpecentes devidamente comprovada. 5º. REDUÇÃO. caput e seu § 5o. 369936-9 (2336).2003. SALÁRIO.Sem fundamento a alegação de que o crime de porte ilegal de arma deveria ser absorvido pelo crime de tráfico. ao julgar os RREE 204.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . ELLEN GRACIE. XVIII. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO AO DISPOSTO NOS ARTIGOS 3º.

Ambas as Turmas desta Corte. a que se refere o art. 7º. 7º.912. 3. já firmaram o entendimento de que. . ambos com citação de precedentes.C. salário nunca superior a R$1. Não é crível que o constituinte derivado. a competência para o processo e julgamento é da Justiça Comum estadual e não da Justiça Federal (assim.F. (AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE Nr. reforçada substancialmente no parecer da Procuradoria Geral da República.00 (hum mil e duzentos reais) por mês. 5º da Constituição Federal. julg. quaisquer que sejam suas aptidões. p. a Ação Direta de Inconstitucionalidade é julgada procedente.200.2003. SYDNEY SANCHES. então.No caso.05. XXX. 31) 51 . excluindo-se sua aplicação ao salário da licença gestante. de modo a torná-la insubsistente. em 25.04.Junho . à falta de norma constitucional derivada. Rel. nº 20/98 conteria referência expressa a respeito. ainda que implícita. por motivo de sexo (art. MOREIRA ALVES. nesses casos. desatento a tais conseqüências. Decisão unânime. A convicção firmada. por ocasião do deferimento da Medida Cautelar. ainda. em substância. inclusive alguns prolatados antes da Constituição de 1988). Crime de concussão desclassificado para crime de corrupção ativa. propiciada a discriminação que a Constituição buscou combater. ficou agora.1998./STF. E. DJ1 nº 92. mais precisamente em seu art. de 1998. Estará. Se esse tivesse sido o objetivo da norma constitucional derivada. conclamado o empregador a oferecer à mulher trabalhadora. sozinho. RE Nº 348714-1 (626). ao ensejo deste julgamento de mérito. em parte. 20/98. XVIII. porquanto não só a cobrança em causa foi suportada pelo particular. Na verdade. Sr.2003. na Emenda 20/98. da Constituição Federal.05. suas autarquias ou empresas públicas -. Ao menos não é de se presumir que o tenha feito. então proferidos. de 15. ao art. haja pretendido a revogação. Rel. do art. com relação a situações análogas à presente . 7º. implicará um retrocesso histórico. doravante. . nos HCs 77. para se dar. Unânime. e nessa manifestação do Ministério Público federal. facilitada e estimulada a opção deste pelo trabalhador masculino. Min.02. 16. XVIII. 1946-5 (2106). Plenário. 6. Reiteradas as considerações feitas nos votos. sem qualquer prejuízo patrimonial para a União. 14 da Emenda Constitucional nº 20. que. é um desdobramento do princípio da igualdade de direitos.717 e 81.2003. a pura e simples aplicação do art. revogadora do art. serviços ou interesse da União ou de suas autarquias e empresas públicas. 14 da E. 7º. inciso XVIII. em 03. e não o meramente genérico. em matéria social-previdenciária.00. p. 4.Maio . previsto no inciso I do art. Recurso extraordinário conhecido e provido para declarar que é a Justiça Comum estadual a competente para o processo e julgamento da ação penal. na chamada Reforma da Previdência Social.C. com adesão de todos os demais Ministros. o Exmo. entre homens e mulheres. e que o empregador responderá. se se entender que a Previdência Social. ficará sobremaneira. inc. de exercício de funções e de critérios de admissão. que não se pode presumir desejado. Unânime. da Constituição Federal originária. SUS. o Exmo. 14. assumindo a grave responsabilidade. sem o dizer expressamente.12. Sr. responderá apenas por R$1. da C. 1ªT. RS. 90) Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . Estará.2003. por certo a E. ao invés da mulher trabalhadora. é de salientar-se. Min.médico acusado do crime de concussão contra paciente atendido mediante convênio com o Sistema Único de Saúde . pelo restante. 30. Plenário do STF. DF. julg. tenha chegado a esse ponto.200. mas também não se pode pretender tenha ocorrido ofensa aos serviços desta ou haja sido ferido seu interesse específico e direto. interpretação conforme à Constituição./88). 5. que é o exigido. proibição. para não ter de responder pela diferença.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . durante a licença da gestante.2003 derivado. DJ1 nº 102.SUS quando não ocorrente prejuízo para a União. não se vislumbra crime praticado em detrimento de bens.Recurso extraordinário. quando proibiu diferença de salários. Competência para o processo e julgamento.

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

02 - HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. PROVA ILÍCITA: ESCUTA TELEFÔNICA. CORRUPÇÃO ATIVA. FALTA DE FUNDAMENTAÇÃO NA DOSAGEM DA PENA: IMPROCEDÊNCIA. 1. A prova ilícita, caracterizada pela escuta telefônica, não sendo a única produzida no procedimento investigatório, não enseja desprezarem-se as demais que, por ela não contaminadas e dela não decorrentes, formam o conjunto probatório da autoria e materialidade do delito. 2. Não se compatibiliza com o rito especial e sumário do habeas corpus o reexame aprofundado da prova da autoria do delito. 3. Sem que possa colher-se dos elementos do processo a resultante conseqüência de que toda a prova tenha provindo da escuta telefônica, não há falar-se em nulidade do procedimento penal. 4. Não enseja nulidade processual a sentença que, apesar de falha quanto à fundamentação na dosimetria da pena, permitiu fosse corrigida em sede de apelação. (HC Nr. 75497-0 (1336), Rel. o Exmo. Sr. Min. MAURÍCIO CORRÊA, SP, 2ª T./STF, Maioria, julg. em 14.10.1997, DJ1 nº 87, 09.05.2003, p. 68)

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 - AGRAVO REGIMENTAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. ART. 11 DA LEI 8212/91. RETENÇÃO DE 11% SOBRE FATURAMENTO. EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇO. 1. A lei 9.711/98, que alterou o art. 31, da lei 8.212/91 não instituiu nova contribuição, apenas atribuiu ao sujeito passivo da relação jurídica tributária (o contratante de serviços mediante cessão de mão-de-obra), a responsabilidade pelo recolhimento de parte da exação. 2. Precedentes da 1ª Seção. 3. Agravo regimental provido. (AgRg no RESP Nº 432.368 - SP (2002/0051349-3), Rel. o Exmo. Sr. Min. LUIZ FUX, 1ªT./STJ, Unânime, julg. em 08.04.2003, DJ1 nº 93, 19/05/2003, p. 130) Execução Fiscal 01 - CONFLITO DE COMPETÊNCIA - CONSELHO DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL SÚMULA N. 66/STJ - ADIN N. 1.717-DF, REL. MIN. SIDNEY SANCHES, JULG. EM 07.11.2002 - POR FORÇA DO EXAME DO MÉRITO DA ADIN OS CONSELHOS PERMANECEM EQUIPARADOS ÀS AUTARQUIAS - OS CONSELHOS EXERCEM ATIVIDADE TÍPICA DO ESTADO, COMO O PODER DE POLÍCIA, O DE TRIBUTAR E, TAMBÉM, O DE PUNIR O EXERCÍCIO INDEVIDO DAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS COMPETÊNCIA DELEGADA EM VIRTUDE DE NÃO EXISTIR VARA FEDERAL NO DOMICÍLIO DO EXECUTADO - COMPETÊNCIA DO JUÍZO ESTADUAL - INTELIGÊNCIA DO ART. 109, § 3º, PARTE FINAL, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E ART. 15 DA LEI N. 5.010/66. - O artigo 58 da Lei 9.649/98 teve sua eficácia suspensa em razão do deferimento de medida cautelar na ADIn n. 1.717-DF, o que garantia aos Conselhos a manutenção do status quo ante, ou seja, permaneceriam equiparados às autarquias. - A Suprema Corte, em 07 de novembro último, analisou o mérito da sobredita ação e julgou procedente o pedido para declarar a inconstitucionalidade dos dispositivos da Lei n. 9.649/98, questionados na demanda. Prevalência do entendimento insculpido na Súmula n. 66/STJ. - A par da regra de caráter geral, não há perder de vista que ajuizada execução fiscal pelo Conselho de Fiscalização Profissional no domicílio do executado e constatado que na localidade não funciona

52

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

Vara Federal, a Justiça Estadual, nessa hipótese, será competente para processar e julgar a ação executiva. - Conflito de competência conhecido para declarar competente o MM. Juízo Estadual. (CC Nº 35.865 - BA (2002/0076478-1), Rel. o Exmo. Sr. Min. FRANCIULLI NETTO, 1ª S./STJ, Unânime, julg. em 09.04.2003, DJ1 nº 93, 19/05/2003, p. 117) 02 - TRIBUTÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. INSUFICIÊNCIA DA PENHORA. ADMISSIBILIDADE DOS EMBARGOS. 1. A insuficiência da penhora ou sua insubsistência não é causa suficiente para determinar a extinção dos embargos do devedor. 2. Revelar-se-á ilógico impedir a defesa do executado nessas circunstâncias, quando se vem admitindo a denominada exceção de pré-executividade, interinamente e sem garantia. 3. Cabe ao Juiz, antes da extinção dos embargos, intimar o devedor a proceder ao reforço da penhora, à luz da sua capacidade econômica e da garantia pétrea do acesso à justiça. 4. Agravo Regimental improvido. (AgRg no RESP Nº 477.452 - MT (2002.0134032-0), Rel. o Exmo. Sr. Min. LUIZ FUX, 1ªT./STJ, Unânime, julg. em 06.05.2003, DJ1 nº 93, 19/05/2003, p. 143) 03 - PROCESSO CIVIL - EXECUÇÃO FISCAL - MULTA MORATÓRIA - EMPRESA CONCORDATÁRIA QUE, NO CURSO DA EXECUÇÃO, TEM DECRETADA A FALÊNCIA. 1. A dispensa da multa moratória para as empresas em processo falimentar (art. 23 do DL 7.661/45), não se aplica às execuções fiscais regidas por lei própria: Lei 6.830/80 (Precedentes do STF e desta Corte). 2. Multa incluída na CDA porque, quando iniciada a execução, não havia a falência. 3. Recurso especial improvido. (RESP Nº 279.496 - SC (2000/0097791-8), Rel. a Exma. Sra. Min. ELIANA CALMON, 2ª T./STJ, Unânime, julg. em 19.03.2002, DJ1 nº 93, 19/05/2003, p. 161) 04 - PROCESSO CIVIL - EXECUÇÃO DE SENTENÇA - FAZENDA PÚBLICA - ARTS. 730 E 731 DO CPC - ART. 100 § 1º DA CF/88 COM A REDAÇÃO DADA PELA EC 30/00. 1. A EC 30/00, ao inserir no § 1º do art. 100 da CF/88 a obrigação de só ser inserido no orçamento o pagamento de débitos oriundos de sentenças transitadas em julgado, extinguiu a possibilidade de execução provisória. 2. Releitura dos arts. 730 e 731 do CPC, para não se admitir, contra a Fazenda Pública, execução provisória. 3. Recurso especial conhecido e provido. (RESP Nº 447.406 - SP (2002/0079743-6), Rel. a Exma. Sra. Min. ELIANA CALMON, Órgão: 2ª T./STJ, Unânime, julg. em 20.02.2003, DJ1 nº 88, 12/05/2003, p. 286) 05 - PROCESSO CIVIL - AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - FORO COMPETENTE: ART. 100 DO CPC. 1. A facultatividade dada pela CF/88 aos beneficiários da previdência social para ajuizarem as suas ações contra o INSS no foro dos seus domicílios ou na sede da autarquia (art. 109, § 3º), criou uma série de divergências na jurisprudência, já pacificadas sob a égide da interpretação constitucional dada pelo STF. 2. Pacificado, no âmbito desta Corte, que o segurado pode ajuizar a ação no foro do seu domicílio ou no Distrito Federal (EREsp 194.720/DF). 3. Foro do domicílio que abre para o beneficiário a opção da Justiça Estadual ou Federal (se houver) do município do seu domicílio ou o foro da capital do Estado domiciliar (precedentes do STF).

53

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

4. Recurso improvido. (RESP Nº 371.449 - RS (2001/0136227-5), Rel. a Exma. Sra. Min. ELIANA CALMON, 2ª T./STJ, Unânime, julg. em 08.04.2003, DJ1 nº 88, 12/05/2003, p. 263) 06 - PROCESSO CIVIL. RECURSO ESPECIAL. ADESÃO AO REFIS. DESISTÊNCIA DA AÇÃO. CABIMENTO DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. ART. 26 DO CPC, 2º, 3º, I, E 13, § 3º, DA LEI N. 9.964/2000. DECRETO-LEI N. 1.025/69. ENCARGO LEGAL. VERBA HONORÁRIA. IMPOSSIBILIDADE DE DUPLICIDADE DE CONDENAÇÃO. A adesão ao Programa de Recuperação Fiscal - REFIS não é imposta pelo Fisco, mas sim uma faculdade dada à pessoa jurídica que, ao optar pelo Programa, sujeita-se à confissão do débito e à desistência dos embargos à execução. In casu, portanto, a embargante, que optou pelo parcelamento do débito através da adesão ao REFIS, com a conseqüente desistência da ação, deve submeter-se ao pagamento de honorários advocatícios (artigos 26 do CPC, 2º, 3º, I, e 13, § 3º, da Lei n. 9.964/2000). Uma vez que o encargo de 20% previsto no art. 1º do D.L. 1.025/69, além de atender a despesas com a cobrança de tributos não recolhidos, substitui os honorários advocatícios, "é inadmissível a condenação em duplicidade da referida verba, caracterizando inegável "bis in idem" e afrontando o princípio de que a execução deve realizar-se da forma menos onerosa para o devedor" (REsp n. 181.747/RN, Rel. Min. Peçanha Martins, DJ de 10.04.2000). Recurso especial não conhecido. (RESP Nº 436.311 - RS (2002/0062705-9), Rel. o Exmo. Sr. Min. FRANCIULLI NETTO, 2ª T./STJ, Unânime, julg. em 15.10.2002, DJ1 nº 88, 12/05/2003, p. 283) Direito Penal e Direito Processual Penal 01 - CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. JUÍZO FEDERAL E JUÍZO ESTADUAL. USO DE DROGA. FLAGRANTE. ESTRANGEIRO. CIRCUNSTÂNCIA IRRELEVANTE. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. 1. O simples fato de ser o denunciado estrangeiro não atrai a competência da Justiça Federal, já que a conduta delituosa descrita (art. 16 da Lei n.º 6.368/76) não se amolda a nenhuma das hipóteses elencadas no art. 109 da Constituição Federal, porquanto não traduz a ocorrência de crime em detrimento de bens, serviços ou interesse da União, de suas autarquias ou empresas públicas. 2. "A condição de estrangeiro, no processo penal, só tem relevância quando se trata de crime de ingresso ou permanência irregular no país (arts. 109, X, CF/88 e 338, CP)." (CC 19.046/SP, 3ª Seção, rel. Min. Fernando Gonçalves, DJ de 09/12/1997). 3. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo Comum Estadual, ora suscitado. (CC Nº 33.624 - PE (2001/0154927-0), Rel. a Exma. Sra. Min. LAURITA VAZ, 3ª S./STJ, unânime, julg. em 23.04. 2003, DJ1 nº 83, 05/05/2003, p. 217) 02 - CRIMINAL. AGRAVO REGIMENTAL. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. EXTRAÇÃO DE AREIA EM PROPRIEDADE PARTICULAR. INEXISTÊNCIA DE INTERESSE JURÍDICO E DE LESÃO A BENS, SERVIÇOS DA UNIÃO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. 1. Consoante interativa jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça compete à Justiça Estadual o processo e julgamento de feito que objetive à apuração de possível crime ambiental, consistente na extração de areia sem a devida autorização do órgão competente, quando perpetrado em propriedade particular. 2. In casu, não restou demonstrado a existência de eventual lesão a bens, serviços ou interesses da União, a ensejar a atração da competência da Justiça Federal.

54

/STJ. Sra. É fundamental que. "Aos juízes federais compete processar e julgar os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens. (AgRg. reservando-se para a Justiça Federal os casos em que envolver interesse direto da coletividade indígena. DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. o fato criminoso em questão melhor se ajusta a furto contra a Caixa Econômica Federal. CRIME PRATICADO EM DETRIMENTO DA EMPRESA PÚBLICA FEDERAL. 2. 1.SP (2000/0130688-0). LAURITA VAZ. subtraíram de seus caixas automáticos o numerário. suscitante. unânime./STJ. Sr. ARTIGO 109. a Exma. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo Estadual. por isso que os agentes do delito. DJ1 nº 83. Min. da Constituição da República). 217) 04 . ainda na posse do ente federal. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo Federal da 1ª Vara de Campos dos Goytacazes .04. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. Na esteira da jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça. 2.CONFLITO DE COMPETÊNCIA.) " (artigo 109. 05/05/2003. em 09. unânime. p. o julgamento antecipado da lide caracteriza cerceamento de defesa.PA (2002/0014423-5).O juiz pode determinar. mediante fraude. em 11. Rel. julg.(. Sra.2003. Incidência do verbete Sumular n. o Exmo. 217) 03 . antes de prolatar a sentença.PREVIDENCIÁRIO . Rel. HAMILTON CARVALHIDO.RJ (2002/0037465-7). p. (CC Nº 34. Min. de ofício. PENAL. INCISO IV. elimine qualquer dúvida. ACUSADO SILVÍCOLA.12. excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral. p.CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA.PROCESSUAL .Maio .. 05/05/2003.Junho . (CC Nº 34. julg. RAPTO DE CRIANÇA MENOR DE 7 ANOS. é certo. LAURITA VAZ. Agravo desprovido.. 3.759 . no CC Nº 30. DJ1 nº 83. 55 . pois está investido de poderes instrutórios.04. unânime.2002.932 .O julgamento antecipado da lide somente é recomendável nas hipóteses em que a instrução do processo se mostre suficiente para o deslinde da controvérsia.SUA PRODUÇÃO. litteris: "compete à Justiça Comum Estadual processar e julgar crime em que indígena figure como autor ou vítima. a produção de provas dos fatos importantes para o deslinde da demanda./STJ. Min.º 140 do STJ.518 . julg.SJ/RJ. em 23. eles mesmos. 2 . 3ª S. 1 . inciso IV. A despeito do dinheiro haver sido sacado da conta de particulares. DJ1 nº 83.º 140 DO STJ. FURTO EM CAIXAS AUTOMÁTICOS. 3ª S. 05/05/2003." 3.AÇÃO DE CUNHO PREVIDENCIÁRIO . o suscitado. INEXISTÊNCIA DE INTERESSE DA COLETIVIDADE INDÍGENA A ATRAIR A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. Rel. o crime perpetrado por silvícola deve ser processado e julgado pela Justiça Estadual.PROVAS . a Exma.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .2003.2003 3. 1. Sem antes oportunizar à parte a complementação da prova pericial. serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas. JUSTIÇA FEDERAL E JUSTIÇA ESTADUAL. 217) TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO Direito Previdenciário 01 . CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. INCIDÊNCIA DA SÚMULA N. 3ª S.

Sr. Sr.005656-5/RS.04. o Exmo. Transitada em julgado sentença homologatória. 1 . se necessário. o acordo ou a transação.022262-8/RS. Hipótese em que concedida aposentadoria rural por idade. Unânime. para tanto. Prejudicados os apelos interpostos pelo INSS e pelo autor. de ofício. Des. 475. Cabe-lhe fazer uso efetivo do poder que lhe é atribuído pelo art. aplicando-se.FATO SUPERVENIENTE . p. sob pena de nulidade.2003. Des. 14/05/2003.APOSENTADORIA POR IDADE . 14/05/2003. DIREITO ADQUIRIDO ANTERIORMENTE À VIGÊNCIA DA LEI Nº 9.Agravo retido provido para anular a sentença. 721) 04 . as provas indispensáveis à instrução do processo. da fundação ou da empresa pública.004223-1/RS. Federal TADAAQUI HIROSE.08. (AG Nº 2002.71. 86. Benefício já se encontra implantado não há prejuízos para o Agravado.RURÍCOLA . §3º da referida Lei. podendo o impetrante acumular o benefício de auxílio-acidente e aposentadoria por tempo de serviço. Rel. em conseqüência. suspender os pagamentos dos valores atrasados até que seja ratificado o acordo. DJ2 nº 85. RESTABELECIMENTO DE AUXÍLIO-ACIDENTE. SENTENÇA HOMOLOGATÓRIA DE ACORDO. em 06. § 2º. 1.PREVIDENCIÁRIO. não pode o julgador adotar a mesma postura que lhe é própria nas lides de natureza meramente privatística. redação da Lei nº 10352/2001).04. 2. ainda que tenha. o disposto na Lei nº 8. Direito adquirido anteriormente à vigência da Lei nº 9. dependerá de prévia e expressa autorização do Ministro da Presidência da República a cuja área de competência estiver afeto o assunto. Aplicação do art.A ação declaratória é via adequada para obter o reconhecimento de tempo de serviço para fins previdenciários (Súmula 242 do STJ). o Exmo.ART. em 23. vigente à época do implemento das condições.00). 56 . julg./ TRF4. 1084) 03 . Sr.Maio . DJ2 nº 90. 4 .Junho . abandonando as rédeas do processo ao impulso das partes. 07/05/2003.EXERCÍCIO DAS ATIVIDADES RURAIS COMPROVAÇÃO.AGRAVO DE INSTRUMENTO. NECESSIDADE DE AUTORIZAÇÃO.2003.01. (AC Nº 2001. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. 3. Preenchidos os requisitos necessários. 1035) 02 . no caso da União. Unânime.04.71. o Exmo.Incabível a remessa oficial quando a condenação é inferior ao limite de 60 salários-mínimos (art. julg. do CPC.2003 3 . Objetivo do agravante é submeter a ratificação o acordo celebrado à Presidência do INSS e.PREVIDENCIÁRIO . (REOMS Nº 1999. 4. 1º DA Lei nº 9. ou da autoridade máxima da autarquia. POSSIBILIDADE.469/97). 3. 1. em 02. 462 DO CPC . p. que pode ser exercido a qualquer tempo. Impõe-se que vele pela prestação jurisdicional efetiva e útil. portanto.05. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. Rel. DJ2 nº 90.528/97.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . “Quando a causa envolver valores superiores ao limite fixado no caput (R$ 50. 130 do CPC. MANDADO DE SEGURANÇA.Em face da natureza previdenciária da lide.213/91.000. indispensável para a sobrevivência do segurado./TRF4./TRF4.00.2003. 2 . julg. 6ª T.528/97. estando vencidas apenas doze parcelas na data da sentença. no valor mensal de um salário-mínimo. RECEBIMENTO CONCOMITANTE COM APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO.”(§ 1º DO ART. Unânime. 5ª T. 2. Rel. 5ª T. que intervir ativamente no processo. p. Remessa oficial improvida. tem o segurado direito adquirido ao benefício. determinando.

por falta de provas: sempre será possível.04. em 07. julg. De manter-se a medida antecipatória que determinou a implantação do benefício de aposentadoria em favor do agravado. o Exmo. 462 do CPC). Des. RELATIVIZAÇÃO. BÓIA-FRIA. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.006550-8/PR. Unânime. APOSENTADORIA RURAL POR IDADE. que a autora exercia atividade agrícola.054696-8/PR. 02/05/2003. Rel.AGRAVO DE INSTRUMENTO. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA.Junho . 781) 07 . p.04. ainda mais quando não foi alegado na contestação. em tema de Direito Previdenciário. tenha sido julgada improcedente. (AC Nº 2001. DJ2 nº 100.Embora a autora não tivesse a idade mínima para a aposentadoria.04. nos casos em que o segurado não prova as alegações.2003 3 . que permite ao Juiz fixar multa diária por retardamento no cumprimento de obrigação de fazer. rel.01. na qual o réu invocou motivos outros para negar o benefício postulado. adotando-se. Sr. julg. Tratando-se de execução provisória de crédito de natureza alimentar. COISA JULGADA.01. julg. sua concessão” (AC nº 2001. 142 e 143 da Lei nº 8. APOSENTADORIA RURAL POR IDADE. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. p. IMPOSSIBILIDADE. (AG Nº 2003.04./TRF4./TRF4.213/91). tendo completado 55 anos no curso da lide.01. em face do caráter alimentar dos proventos.049492-0/SC.2003. 1. em 09. 5ª T. a coisa julgada secundum eventum probationis. 450) 05 . do mesmo Código.05.PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. quando ajuizou a ação. renovadas estas. Unânime.01. o Exmo. Des. Des. 433) 57 . 4 .PREVIDENCIÁRIO. 21/05/2003. “O direito previdenciário não admite preclusão do direito ao benefício. DJ2 nº 95. Federal Albino Ramos de Oliveira).2003.002343-0/PR. §4º. Tem-se admitido a propositura de nova demanda ainda que uma outra. Maioria. desse modo. porquanto tal exigência seria inviabilizada dada a condição de hipossuficiente do segurado. por razoável elenco documental. Rel. Unânime. Federal NÉFI CORDEIRO.01. (AC Nº 2002. 461. 802) 06 . Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. julg. complementado pelo depoimento de testemunhas./TRF4./TRF4.Maio . a 5ª Turma vem entendendo que. porquanto presente a verossimilhança das alegações vestibulares no sentido da existência de incapacidade laboral. DJ2 nº 82. Sr. CONCESSÃO DE APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. 6ª T. em 02.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 644 do CPC. anteriormente proposta. Sr. Des. p. a regra geral do art. no período correspondente à carência do benefício (arts. AUSÊNCIA DE DANO IRREPARÁVEL. TUTELA ANTECIPADA.Comprovado.04. Aplicável à Fazenda Pública.075054-3. p. em regime de economia familiar. 2. Ausente o requisito do perigo de dano irreparável ou de difícil reparação é impossível a concessão da tutela antecipada.2003. em 29. PREVIDENCIÁRIO. tem ela direito à sua concessão. o Exmo.04. 3.04. à falta de proibição legal específica. Com base nesse entendimento. DJ2 nº 95. 588 do CPC em seu parágrafo 2º. Sr. (AG Nº 2002. 21/05/2003.2003. deve o feito ser extinto sem julgamento de mérito. Rel. 28/05/2003. bem como o risco de dano de difícil reparação. e o art. Rel.70. 5ª T. 5ª T. o Exmo. cabe ao juiz levar em consideração esse fato superveniente ao sentenciar (art. descabida a prestação de caução prevista no “caput” do art.

O denominado “Resumo para Cálculo de Tempo de Serviço”. que alterou o seu regime jurídico. para a comprovação das atividades profissionais previstas nos Decretos nº 83. código nº 1. nem expressamente. 57. em 23. A regra de transição prevista no art. CONVERSÃO. 7. O período básico de cálculo conterá os trinta e seis salários de contribuições anteriores a 12/98. 6.2003. 1. 2. Rel. RESUMO PARA CÁLCULO DE TEMPO DE SERVIÇO. 5ª T. Interpretação de normas internas da própria autarquia. nem tácita. 12. 4. em respeito ao direito adquirido (art. 1027) 58 .213/91. INSTRUÇÃO NORMATIVA 78/2002.005154-6/RS. § 5º.831/64. considera-se especial a atividade onde o segurado esteja exposto a ruído superior a 80 db./TRF4. Nesse caso.10.032/95. exige-se que a exposição permanente ao agente ruído seja acima de 90 dB. 28 da lei nº 9. expedido pelo INSS. § 5º. O enquadramento da atividade considerada especial faz-se de acordo com a legislação contemporânea à prestação do serviço. 5. Possível a conversão de tempo de serviço especial em comum. a DIB do benefício coincidirá com a data de entrada do requerimento. gera direito à aposentadoria aos 25 anos de tempo de serviço. eleva-se o limite de exposição para 90 db.71.523/96. mediante a apresentação de laudo. AGENTE QUÍMICO. AGENTE FÍSICO.032/95). 57.04. não opera efeitos retroativos. É possível. PERCENTUAL MÍNIMO. corrigida monetariamente pelo IGP-DI a RMI daí decorrente. e hábil à comprovação das atividades laborais nele arroladas. na forma do art. Na colidência entre preceptivos legais. o Exmo. 3º). O INSS.Maio .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . a conversão de tempo de serviço especial em comum. dispondo de forma a alargar indevidamente conteúdo da lei regulamentada (Lei nº 9. p.08.711/98. RUÍDO. É suficiente a apresentação dos formulários SB-40.172/97. A desvalia do art. 10. da Lei nº 8. 13. tal como prevista no Decreto nº 83. Para que seja considerada a redução do agente nocivo aos limites de tolerância pela utilização de equipamentos de proteção. e a partir de então. 14/05/2003.711/98. mesmo depois de 28/05/98. Nos termos do art. HIDROCARBONETOS. hoje DSS 8030. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO.INSS. DJ2 nº 90. exorbitou do poder regulamentar.080/79 e nº 53. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ESPECIAIS. julg. nos termos da redação original do art.213/91. implementadas as condições então vigentes. 3. segundo o disposto na Ordem de Serviço nº 600.2. 9º da EC 20/98 deve ser aplicada para os segurados que preencherem os requisitos nela elencados. nada obstante a redação do art. REVOGAÇÃO DO §5º DO ART. 29 da Lei 8. é necessário que o laudo técnico comprove a eliminação ou neutralização do agente nocivo. computandose ao segurado o tempo de serviço até a data de 15/12/1998.Junho . até a data da entrada do requerimento administrativo. Não possuindo tais requisitos.2003 08 . da Lei nº 8.PREVIDENCIÁRIO. nos termos da redação original do art. a aposentação se dará pelo regime anterior. Unânime. é documento revestido de fé pública. até a edição do decreto 2. A Lei nº 9. A atividade com exposição a hidrocarbonetos aromáticos. ao vedar a conversão de tempo de serviço especial. em pleno vigor. 28 da Lei nº 9. haver-se-á de prestigiar aquele cuja redação seja a mais clara e consentânea com o sistema jurídico em que inserido. Des.172/97 (05/03/97). (AC Nº 1999.080/79. EPI. para que o tempo possa ser computado como especial. A partir do Decreto nº 2. 9. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.213/91. 11. Sr. EXIGÊNCIA DE LAUDO PERICIAL.213/91. 181 da Instrução Normativa 78/2002 . 57 DA LEI 8. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98. que não o revogou. prejudica também a exigência de percentual mínimo para dita conversão. quanto ao período de exercício anterior à vigência da MP 1. 8. como norma impeditiva da conversão de tempo de serviço especial.

devendo apresentar os cálculos conforme o disposto no art. impugna a veracidade de que estão investidos. Des. CPC. computandose à parte autora o tempo de serviço até a data de 15/12/1998. É possível a comprovação da atividade rural por meio de prova testemunhal. 7. seja porque se deve presumir a continuidade nos períodos imediatamente próximos. O denominado “Resumo para Cálculo de Tempo de Serviço”.2003. fundamentadamente. expedido pelo INSS./ TRF4. em 23. Sr. 604 do CPC. Unânime. Os documentos arrolados no art. 6. INADMISSIBILIDADE. o Exmo. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. para comprovar a atividade rural.04. o exercício da atividade rural. até a data da entrada do requerimento administrativo. DJ2 nº 85. ano a ano.04. Não possuindo tais requisitos. Des.2003 09 . DOCUMENTOS EM NOME DOS PAIS. 5ª T. É firme o entendimento jurisprudencial de que os documentos apresentados em nome de terceiros (pai. 28/05/2003. RESUMO DE TEMPO DE SERVIÇO EXPEDIDO PELO INSS. QUALIFICAÇÃO COMO “AGRICULTOR” EM REGISTROS PÚBLICOS. Não se admite antecipação do julgamento do mérito de eventuais embargos à execução. 07/05/2003.01. PROCESSO CIVIL. INÍCIO DE PROVA MATERIAL. AUTENTICAÇÃO DE DOCUMENTOS. DECISÃO QUE ANTECIPA JULGAMENTO DE MÉRITO E OBSTA A EXECUÇÃO. não é taxativa. p. 29 da Lei 8. O período básico de cálculo conterá os trinta e seis salários de contribuições anteriores a 12/98. Sr. esposa) são hábeis à comprovação do trabalho rural desenvolvido pelos outros membros do grupo que labora em regime de economia familiar. não é necessário que os documentos apresentados comprovem. Rel. encontra-se autorizado a propor a execução. 1. 2.Maio . filho.04. Precedentes do STJ. Unânime.213/91 bastam. Inteligência do art. Para que fique caracterizado o início de prova material. julg. é documento revestido de fé pública. 3.033312-9/RS. marido. 106 da Lei nº 8. 1. A ausência de autenticação dos documentos juntados pela parte autora só é relevante se a parte ré. Nesse caso.Junho . (AG Nº 2003. (AC Nº 2001. 2.PREVIDENCIÁRIO.04. por si só. A regra de transição prevista no art. Rel. 5ª T.01. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS.003912-1/PR.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 9. corrigida monetariamente pelo IGP-DI a RMI daí decorrente. p.2003. em respeito ao direito adquirido (art. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.213/91. 8. 756) 10 . 9º da EC 20/98 deve ser aplicada para os segurados que preencherem os requisitos nela elencados. Possuindo o segurado título executivo judicial. A relação./TRF4. 390. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. entretanto. o benefício não foi deferido na época própria pelo INSS. a DIB do benefício coincidirá com a data de entrada do requerimento. a aposentação se dará pelo regime anterior. seja porque é inerente à informalidade do trabalho campesino a escassez documental. 5. 3. 4. implementadas as condições então vigentes. contanto que confortada por início de prova material. em 09. o Exmo. 482) 59 . EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98. AGRAVO DE INSTRUMENTO.PREVIDENCIÁRIO. DJ2 nº 100. julg. e hábil à comprovação das atividades laborais nele arroladas. Precedente do Egrégio STJ. 3º). na forma do art. O segurado não pode ser prejudicado por fato novo (aposentadoria por invalidez) decorrente da continuidade da prestação laboral se. de modo que outros documentos ali não relacionados poderão também servir para a comprovação do labor rurícola. tendo preenchido todos os requisitos para a concessão de aposentadoria por tempo de serviço. Documentos públicos onde conste a qualificação do segurado como “agricultor” constituem início de prova material do exercício de atividades rurais para fins previdenciários. fato que o obrigou a buscar judicialmente seu direito. EXECUÇÃO DE SENTENÇA.

5. 3. Federal NÉFI CORDEIRO. INOCORRÊNCIA. (AC Nº 2001. IRREVERSIBILIDADE.05. Des. Sr. o Exmo. que disciplina este instituto. REQUISITO DA INCAPACIDADE PARA A VIDA INDEPENDENTE. em 06. AÇÃO CIVIL PÚBLICA.PROCESSO CIVIL. 60 . é cabível a antecipação da tutela para concessão de auxílio-doença.494/97.70. 2 . CONSIDERAÇÃO DE DESPESAS CONTÍNUAS (LUZ. TUTELA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. 5ª T. os filhos de agricultores maiores de 14 (catorze) anos são considerados segurados especiais obrigatórios do Regime Geral da Previdência Social. Nos termos do art. CONCESSÃO DE AUXÍLIO-ACIDENTE. o Exmo. que precisa de verba para a sua sobrevivência. Des. MEDICAMENTOS).04.05. julg. Des.01. Inexiste qualquer limitação nesse sentido no art. LEI Nº 8213/91.ainda maior ao particular. CONCESSÃO DE AUXÍLIO-DOENÇA. 562) 14 . mas a todos os segurados.05. 21/05/2003. Sr.PREVIDENCIÁRIO . 6ª T. TUTELA ANTECIPADA. DANO IRREPARÁVEL. p. O auxílio-acidente é concedido à pessoa que mantém sua qualidade de segurado e que. se o segurado está abrangido pelo período de graça de que trata o art. PREVIDENCIÁRIO. QUALIDADE DE SEGURADO. AFERIÇÃO DO CRITÉRIO ECONÔMICO (RENDA PER CAPITA INFERIOR A ¼ DO SALÁRIO MÍNIMO). (AG Nº 2003. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. p. Rel. ALIMENTAÇÃO. o Exmo. É pacífica a orientação da 3ª Seção deste Tribunal no sentido da possibilidade de antecipação da tutela. caracteriza hipótese não-submetida ao regime do precatório. ART. deve prevalecer sobre a genérica alegação de dano ao erário público mesmo ante eventual risco de irreversibilidade . julg. REDUÇÃO DA CAPACIDADE LABORATIVA. 86 da Lei nº 8.PREVIDENCIÁRIO. 15 da Lei nº 8.003358-1/PR. DJ2 nº 100. 4. (AC Nº 2000.008379-1/RS. 28/05/2003. ÁGUA.04. Rel.2003 11 . p.2003.03. 11. PRECATÓRIO. em 14.213/91).2003. 505) 13 . 273 do CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO. da Lei nº 8213/91. 11. na proteção da subsistência e da vida. ALUGUEL. Unânime. POSSIBILIDADE.Junho . Unânime. 5ª T. CONDIÇÃO DE SEGURADO ESPECIAL. A proibição de antecipação de tutela prevista na Lei nº 9. FILHO DE AGRICULTOR.2003.AUXÍLIO-ACIDENTE . 765) 12 . DJ2 nº 95. OFENSA AO ARTIGO 475 DO CPC. O benefício alimentar. Maioria. 2. julg. VII.O Superior Tribunal de Justiça tem decidido que é cabível estender a incidência da lei nova mais vantajosa não só aos benefícios pendentes. Sr.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Rel.213/91. 1.Exegese mais consentânea com os fins sociais a que os dispositivos legais que regem a matéria se dirigem. após consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza.PREVIDENCIÁRIO. USURPAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO STF. 28/05/2003. DJ2 nº 100. Existindo risco de dano irreparável. O desemprego não constitui óbice a concessão de benefício previdenciário. ACIDENTE COM FOGOS DE ARTÍFICIO. tiver sua capacidade laboral reduzida para o trabalho que exercia habitualmente (art. não se aplica aos benefícios previdenciários. sem o pagamento de parcelas vencidas.004547-9/SC.Maio . 6. A decisão antecipatória que determina a implantação do benefício.MAJORAÇÃO DO COEFICIENTE DE CÁLCULO./TRF4. independentemente da lei vigente na data do sinistro. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. VII. reconhecida constitucional pelo STF. e presentes os demais requisitos./TRF4. 1 . em 20. sem que isso seja considerado violação ao artigo 475 do Código de Processo Civil. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.72./TRF4.

Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.01.494/97. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. na investigação do estado de miserabilidade social. mantendo-se a coerência do sistema normativo. 513) 15 . Suspensão de Liminar nº 2002.04.742/93 (renda per capita inferior a ¼ do salário mínimo). o Exmo. envolvendo interesses ou direitos individuais homogêneos.A norma da Medida Provisória nº 2.Por força do art. II . indispensável à resolução do litígio principal (RCL 1. se. Sr. 93 e 103 da Lei nº 8.068468-6. ART. p. têm eficácia erga omnes e em todo o território nacional. Tais virtualidades são reservadas.01.Maio . 28/05/2003. Precedentes do STF.054943-0/RS. Des. MP Nº 2. deve o INSS se abster de reter na fonte o imposto de renda sobre pagamentos de benefícios acumulados ou atrasados. a controvérsia constitucional. Sr. não se tira que o deficiente. muito menos. e a ação civil coletiva. as decisões proferidas em ação civil pública pela Justiça Federal. apenas às sentenças proferidas nos estritos limites das ações de controle concentrado de constitucionalidade (Agr. rel. deferida em Ação Civil Pública.01.180-35. “despesas contínuas”./TRF4. longe de identificar-se como objeto único da demanda.029027-5/PR. decorrente de tutela antecipada. 386 da INS nº 57/2001. § 2º. mesmo quando contestados em face da Constituição da República.RETENÇÃO NA FONTE DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE PAGAMENTOS ACUMULADOS. nesse processo coletivo. instrumento processual típico de defesa de direitos transindividuais e indivisíveis. 5ª Turma.01. não embargadas. tais como gastos com água. Des. da Lei nº 8. o Exmo. apropriada para a tutela de direitos individuais homogêneos.494/97.2003. 5ª T. Nenhuma delas se presta a obter sentença de caráter normativo e.2003. 28/05/2003.03. III .EFICÁCIA TERRITORIAL DE LIMINAR CONCEDIDA EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA.078/90.EXECUÇÃO NÃO EMBARGADA. pela Constituição. 1º-D DA LEI Nº 9. 20.347/85 pela Lei nº 9. de quaisquer leis ou atos do Poder Público. Indevido o desconto. III . não obstante a redação dada ao art. de 24/08/01.054307-4SC. Rel. relator Ministro Celso de Mello). em 24. levasse a autoridade administrativa em conta. DJ2 nº 100. I ./TRF4. luz.I . que deve ser interpretada em harmonia com os arts.733-SP. em 23.180-35. têm como característica essencial a que permeia todo o sistema processual ordinário: serve para estabelecer juízo de certeza sobre situações concretas. 20 da Lei nº 8. 5ª T. para efeito de concessão do benefício assistencial. Federal Teori Albino Zavascki).2003 O Supremo Tribunal Federal tem reconhecido a legitimidade da utilização da ação civil pública como instrumento idôneo de fiscalização de constitucionalidade.04. DJ2 nº 100.Junho . pagos na época oportuna. (AG Nº 2002. Corte Especial do TRF da 4a Região. 16 da Lei nº 7. deve a autarquia depositar o respectivo valor. 476) 61 . para obter decisão sobre a validade ou a interpretação de norma abstratamente considerada.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Rel.742/93 dispôs que. a crédito do segurado. desde que. deva ser dependente de outrem para todos os atos de sua vida (AI nº 2001. Unânime. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. ultrapassado o limite imposto pelo § 3º do art. aptar a gerar efeitos sobre suportes fáticos futuros. para fazer jus ao benefício assistencial.04. (AG Nº 2002. O art.04. a pessoa portadora de deficiência é aquela incapacitada para a vida independente e para o trabalho. II . relator Des. p. julg. não estivessem sujeitos a tal desconto. Desembargador Albino Ramos de Oliveira). qualifica-se como simples questão prejudicial. Hipótese em que a decisão atacada determinou que. Dessa formulação legal. não se aplica às execuções propostas antes de sua vigência. Unânime. A ação civil pública. que excluíu a fixação de honorários advocatícios em execuções contra a Fazenda Pública. pela via difusa. remédios etc.04.Salvo quando relativas a danos de âmbito local ou regional. julg.

a competência será do foro de qualquer das capitais ou do Distrito Federal. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. RMI. o Exmo. LIMINAR EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA.2003. aqueles previstos no art. DJ2 nº 82. EFICÁCIA. Des. ou for de âmbito nacional. 2. Sr.04. junho de 1999.213/91). II do Dec 357/91.00. restrito aos limites de uma comarca ou circunscrição judiciária. mantém a vedação. julg. dispõe que o INSS. junho de 1998. 21/05/2003. 4. IMPOSSIBILIDADE.213/91 na correção dos saláriosde-contribuição integrantes do PCB. junho de 2000 e 62 . 9° da Lei n° 8. 6ª T. razoavelmente fixados e assim cumprindo a regulação constitucional de manutenção do valor dos benefícios previdenciários. Unânime. DJ2 nº 95. assim considerado o que se estende por mais de um município.. 93 do Código de Defesa do Consumidor.178/91. Rel. no caso de pagamentos acumulados ou atrasados./TRF4. dentro do mesmo Estado ou não. p. art. ficando claro que se referem aos benefícios previdenciários (e não aos salários de contribuição) e com pagamento já iniciado quando da lei nova. mas.2003 16 . Unânime. repetem os limites desse art. Não é devida a incorporação do abono previsto no artigo 146 da Lei nº 8. 02/05/2003. passou não serem mais devidos honorários advocatícios pela Fazenda Pública nas execuções não embargadas. a sentença não produzirá efeitos além dos próprios limites territoriais da comarca ou circunscrição. sim. 134 da Lei nº 8. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.078/90. ABRANGÊNCIA NACIONAL. de 16/07/2002. não são aqueles fixados na regra de organização judiciária. (AG Nº 2002. 611/92. 386 da Instrução Normativa nº 57.213/91 (referente à alínea b do § 6° do art. Sr. julg. INAPLICÁVEL AOS SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO. a partir de maio de 1991. em 09. INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 78/2001. “nas mesmas épocas e com os mesmos índices utilizados para o reajustamento dos benefícios” (art.PREVIDENCIÁRIO. o Exmo. REAJUSTAMENTOS NOS LIMITES DA LEI. oriundos de concessão.”.051738-5/RS.71. (AC Nº 1999. 784) 17 . 146 da Lei nº 8. PRESERVAÇÃO DO VALOR REAL DOS BENEFÍCIOS. Des.347/85 deve ser interpretada em sintonia com os preceitos contidos na Lei nº 8. p. IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE. Com a edição da Medida Provisória nº 2. cujas rendas mensais originárias sejam inferiores ao limite de isenção do tributo. A IN INSS/DC 078.AGRAVO DE INSTRUMENTO. 16 da Lei nº 7. que alterou a redação da Lei nº 9494/97.178/91) expressamente é definido para os benefícios já antes concedidos. em cumprimento à tutela antecipada decorrente de ACP movida pelo Ministério Público “deverá deixar de proceder o desconto do IRRF.180-35.494/97. 426) 18 . b) quando o dano for de âmbito regional. não indica equiparação dos salários de contribuição ao salário de beneficio. LEIS NºS 7. e a sentença produzirá os seus efeitos sobre toda a área prejudicada. Federal NÉFI CORDEIRO. O abono previsto pelo art. em 15. de que fala o referido dispositivo. Embora o legislador não tenha indicado expressamente qual o indexador utilizado para reajustamento dos benefícios em junho de 1997. de 10/10/2001. A regra do art. 146.PREVIDENCIÁRIO. 5ª T. 3. REAJUSTES DOS BENEFÍCIOS NO PERÍODO DE JUNHO DE 1997 A JUNHO DE 2001 PELA VARIAÇÃO DO IGP-DI. VEDAÇÃO DE RETENÇÃO.020119-4/RS./ TRF4. ABONO DA LEI Nº 8. ou seja: a) quando o dano for de âmbito local. O art. Rel.Junho . Também a determinação de converter os valores expressos em cruzeiros.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril ..04. entendendo-se que os ‘limites da competência territorial do órgão prolator’.Maio . estendendo-se por expressiva parcela do território brasileiro. por responsabilidade da Previdência Social.2003. de 24 de agosto de 2001. 1º-D. reativação ou revisão de benefícios previdenciários e assistenciais. Os salários de contribuição são atualizados pelos índices legais. bem como os arts. isto é.347/85 E 9. Os arts. 288 e 38 do Dec.04.01. 1. 291 e 38.

00. criando exigência não prevista na lei. em 15. 177 DO DECRETO 3. 3.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .2003. p. Unânime. Sr. é ilegal a norma regulamentar que estabelece prazo exíguo para eventual complementação. universo que abrange.71./TRF4. p. Rel. FALTA DE INTERESSE DE AGIR. em sua grande maioria.04. Rel. Unânime. 2.2003. o Exmo. julg. p.ADMISSIBILIDADE.000121-5/SC. 2. Federal NÉFI CORDEIRO.CONFLITO DE COMPETÊNCIA . (AG Nº 2002. Des./TRF4./TRF4. 1 . Des. 5ª T.04. Apelação e remessa oficial improvidas. (CC Nº 2003. Sr. a competência para processar e julgar a causa é do Juizado Especial Federal.JUIZADO ESPECIAL FEDERAL E JUÍZO FEDERAL COMUM . Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. A falta de prévio requerimento administrativo de concessão de benefício previdenciário afasta o necessário interesse de agir. não se pode ter por vulnerado o princípio da preservação do valor real se. de 21 de junho de 2000). 790) 21 . 07/05/2003. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. salvo configuração da lide pela contestação de mérito em juízo.2003 junho de 2001. DJ2 nº 95. o Exmo.048/99.Maio .04. Sr. Sr. em 23. Des.RENÚNCIA DO SEGURADO . COMPLEMENTAÇÃO DA PROVA DE VÍNCULOS EMPREGATÍCIOS.04. em 10. É descabido exigir do segurado a comprovação do recolhimento das contribuições devidas pelo seu empregador. julg. PRAZO DO ART. o Exmo.07. 6ª T. Como a apresentação de documentação incompleta não constitui motivo para recusa do requerimento do benefício. mais ainda do que no sistema vigente ao tempo em que a providência era atribuição do Poder Legislativo. p.VALOR DA CAUSA . julg. 07/05/2003. os índices adotados pela Previdência superaram a variação do INPC. PEDIDO INDEVIDO. ILEGALIDADE. 408) 63 . Rel. 2 . o Exmo. Maioria/Unânime. Unânime. COMPROVAÇÃO DO RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES PELO EMPREGADOR.022-18. uma vez que os critérios fixados para os reajustamentos atendem ao princípio constitucional da preservação do valor real. AUSÊNCIA DE PRÉVIO REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO.72.009902-1/RS.Junho . a partir de junho de 2001. NÃO-CONFIGURADA.04. cujo eventual descumprimento. 21/05/2003. os benefícios previdenciários (Medida Provisória nº 2. 07/05/2003.03.2003. 1. 1. indexador que melhor reflete a variação inflacionária de preços de produtos. os beneficiários do INSS.Para se beneficiar de processo mais expedito. o segurado tem direito de renunciar ao valor excedente a 60 salários-mínimos.2003.AGRAVO DE INSTRUMENTO. PRETENSÃO RESISTIDA.Manifestada essa renúncia. (MAS Nº 2000.01. pelos parâmetros melhor definidos. 3ª S. bens e serviços utilizados por famílias cuja renda mensal situa-se entre 1 e 8 salários mínimos. 765) 19 . 5ª T. 721) 20 . MANDADO DE SEGURANÇA. DJ2 nº 85. agindo como revisor de seus atos.007286-7/PR. (AC Nº 2002. Rel. BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO./TRF4.009958-0/SC. em 24. poderá ser facilmente controlável pela via judicial.01.PREVIDENCIÁRIO. Pacificado nesta Turma o entendimento de que não serve o Judiciário como substitutivo da administração previdenciária. julg. no período. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. DJ2 nº 85. Não configura inconstitucionalidade o fato de o legislador ordinário ter cometido ao Executivo a tarefa de reajustar. PROCESSO CIVIL. DJ2 nº 85.

007737-2/RS. com fundamento na Decisão nº 1062/2001 do Plenário do Tribunal de Contas da União (DOU de 03.009959-2/RS. DA CF. SEGURADO AUTÔNOMO. ‘REFORMATIO IN PEJUS’. julg.VALOR DA CAUSA.2003. por aplicação do parágrafo 2° do art. o ulterior pedido de aposentadoria na atividade urbana mediante junção do tempo de serviço rural. AUTOAPLICABILIDADE DO ART. DJ2 nº 95. 1.71. 3. RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES EM ATRASO.CONFLITO DE COMPETÊNCIA .PREVIDENCIÁRIO. autônomo ou equiparado. Rel.JUIZADO ESPECIAL FEDERAL E JUÍZO FEDERAL COMUM . o valor da causa deve equivaler ao proveito econômico pretendido na demanda. O óbito da esposa filiada à Previdência Social. quando requerido por magistrados. 5ª T.71. porquanto obrigação acessória à principal. Sr. Rel. o Exmo. 3 . julg. Sr. Federal TADAAQUI HIROSE. ocorrido antes do advento da Lei 8.Junho . 2 . o valor da causa deve corresponder à soma de 12 dos valores discutidos. em última análise. que corresponde à relação jurídica cuja existência ou inexistência pretende-se ver declarada. ÓBITO OCORRIDO APÓS A CF-88 E ANTES DA LEI-8213/91. 408) 23 . a finalidade da ação declaratória é. DJ2 nº 100. 3ª S./TRF4.04. dispositivo cuja regra se encontra implícita no art. em regime de economia familiar. 1 . (AC Nº 2001. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. independentemente do recolhimento das contribuições previdenciárias. 201. V. o segurado. VEDAÇÃO. porquanto exercendo.05. DJ2 nº 95.2002).213/91 e após a CF/88.04. em 10. 28/05/2003. PENSÃO POR MORTE DA ESPOSA. inexigível a cobrança de juros de mora.01. em 07. Des. 201. 21/05/2003. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. 533) 24 . Des.Se o autor pretende o reconhecimento do exercício das atividades rurais. Des.04.2003. o Exmo.Na ação declaratória. 21/05/2003. em 13.00. (REOAC Nº 2000. do segurado empresário.04. Unânime./TRF4./TRF4. 2. da CF/88. e a respectiva averbação para fins de aposentadoria. Sr. o Exmo. conforme precedente da 3ª Seção desta Corte.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . É auto aplicável o art. não há se falar em cumprimento de obrigação com atraso e. Rel. Unânime. Precedentes do STJ. Esta egrégia Corte também tem decidido.Se o proveito econômico pretendido será auferido no futuro e tratando-se de prestações continuadas. em decorrência. o período em que laboraram como solicitadores (estagiários) acadêmicos ou como advogados autônomos. que é devido contar como tempo de serviço para fins de aposentadoria. DECISÃ0 1062/2001 DO TCU. o recolhimento de contribuições previdenciárias em atraso somente quando requer administrativamente a contagem do tempo de serviço. A sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição deve ser mantida. desde que devidamente comprovado o efetivo exercício das funções típicas da advocacia mediante certidão expedida pela Ordem dos Advogados do Brasil. 766) 64 . julg. faculdade que a ordem jurídica lhe confere. Sendo exigível.2003. (CC Nº 2003. p.000414-9/RS.Maio . 6ª T.2003 22 . quando sua adequação ao entendimento desta Corte implicar reformatio in pejus.AÇÃO DECLARATÓRIA .PREVIDENCIÁRIO.259/01. NÃO INCIDÊNCIA DE JUROS DE MORA E MULTA. 260 do CPC. bem como não incide multa sobre a referida indenização. V. p. que tem seu vencimento fixado pelo segurado. p. Unânime. gera o direito à pensão por morte de seu cônjuge.05. 3° da Lei 10.

O termo inicial da fluência de juros. A correção monetária em ações de natureza previdenciária. sem prejuízo da utilização dos índices expurgados referidos nas Súmulas 32 e 37 desta Corte e daqueles que a jurisprudência vier a reconhecer como tais. suprimindo a “pessoa designada” como classe de dependentes do segurado. p. 16 da Lei nº 8. 2.05. DEMORA NA NOMEAÇÃO DE TUTOR. Na vigência do art. (AC Nº 1999. 16 DA LEI 8. 74 da Lei 8. consoante a súmula 3 deste Tribunal. A base de cálculo da verba honorária.Junho .71. o termo inicial da pensão deve ser fixado na data do óbito. quais sejam: ORTN (10/64 a 02/86).2003. p. 448) 27 . com a conseqüente concessão do benefício de pensão por morte àquele.08. IV DO ART. 28/05/2003. a teor dos precedentes desta Casa e do Egrégio STJ. são as parcelas vencidas até a prolação da sentença.Maio . MENOR IMPÚBERE.528/97. PESSOA DESIGNADA. sendo aplicáveis os índices oficiais. bem como a dependência econômica do companheiro sobrevivente em relação ao falecido./TRF4. Rel. 28/05/2003.PREVIDENCIÁRIO. providência esta indispensável para que pudesse ele requerer administrativamente o pensionamento.000085-1/SC. 5. deve remontar à data da citação./TRF4.2003 25 . em 07.72. ÓBITO OCORRIDO APÓS A REVOGAÇÃO DO INC.213/91. devendo o termo inicial da pensão ser fixado à data do óbito. com a redação dada pela Lei 9. TERMO INICIAL.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . quando requerida até trinta dias depois deste. não há mais litígio no ponto. DJ2 nº 100. (REOAC Nº 2000. IPC-r (07/94 a 06/95). os juros moratórios devem ser fixados em 1% ao mês. 1. julg.PREVIDENCIÁRIO.032/95 revogou expressamente o inciso IV do art.213/91. ou na data do requerimento administrativo. face ao caráter alimentar dos proventos. Os honorários advocatícios. devendo-se observar os períodos das incidências respectivas. “In casu”. 65 . 3. BENEFÍCIO DA AJG SUSPENDE TAMBÉM A CONDENAÇÃO EM HONORÁRIOS. URV (03 a 06/94). UNIÃO ESTÁVEL ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO.528/97. Sr. PENSÃO POR MORTE. com a redação dada pela Lei 9. em 07. 5ª T. Sr. quando requerida após aquele prazo. o Exmo. “In casu”. Uma vez reconhecida administrativamente a existência de união estável entre companheiros do mesmo sexo. INPC (07/95 a 04/96) e IGP-DI (a partir de 05/96). 4. o termo inicial da pensão deve ser fixado na data do requerimento administrativo quando este ocorreu após trinta dias da data do óbito. no caso concreto. 1. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA (CONVOCADO). devem ser fixados em 10% sobre o valor da condenação. a ultrapassagem do referido prazo deu-se em virtude da demora do Poder Judiciário em nomear tutor legal ao autor. 5ª T. deve retroagir à data em que devidos. RECONHECIMENTO ADMINISTRATIVO DO PEDIDO.213/91. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA (CONVOCADO). PENSÃO. Rel. BTN (02/89 a 02/91). Precedentes jurisprudenciais. ÓBITO EM 1998. e jurisprudencialmente aceitos. não havendo qualquer indício nos autos acerca da data em que ocorreu o requerimento administrativo. IRSM (01/93 a 02/94). Unânime. INPC (03/91 a 12/92). 472) 26 .213/91. quando a demora ao requerer o benefício é ocasionada por fatores alheios à vontade do autor. PENSÃO POR MORTE DOS PAIS.008588-1/RS. TERMO INICIAL. o termo inicial do pensionamento deve remontar à data do ajuizamento da ação. Na vigência do art.2003. OTN (03/86 a 01/89). não pode ele ser penalizado. Consoante jurisprudência consolidada do Egrégio STJ. o Exmo.PREVIDENCIÁRIO. 74 da Lei 8. cingindo-se a controvérsia ao estabelecimento do termo inicial do benefício. 6. 7.02. julg. A Lei nº 9. Unânime.00. DJ2 nº 100. menor impúbere. para ações de cunho previdenciário. para ações de cunho previdenciário. Entretanto.

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

2. Assim, se o óbito da segurada ocorreu após a edição da lei revogadora, a pessoa por ela anteriormente designada como dependente não faz jus à pensão por morte. 3. Não existe no caso direito adquirido, mas mera expectativa. 4. A concessão do benefício da Assistência Judiciária Gratuita, nos termos da Lei 1.060/50, inclui a suspensão da condenação em honorários advocatícios, muito embora não haja menção expressa no art. 12 da referida Lei, que deve ser interpretada de forma sistemática, visando verificar a intenção do legislador (art. 4º). 5. Apelos improvidos. (AC Nº 2000.04.01.124662-5/SC, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI, 6ª T./TRF4, Unânime, julg. em 29.04.2003, DJ2 nº 85, 07/05/2003, p. 779)

28 - PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO POR MORTE. RENDA MENSAL VITALÍCIA. CONVERSÃO. IMPOSSIBILIDADE. SEGURADO. INVÁLIDO. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA. BENEFÍCIO. TERMO INICIAL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. CUSTAS. 1. A renda mensal vitalícia, a que se refere o ART-139 da LEI-8213/91, não enseja a instituição de pensão por morte do respectivo titular. 2. Possuindo o instituidor os requisitos à obtenção de aposentadoria por idade, não há óbice à concessão da pensão por morte. 3. Comprovada a existência de doença mental, bem como a dependência econômica, tem o autor direito à pensão por morte. 4. Inexistindo requerimento na via administrativa, e falecido o instituidor após a vigência da Lei n. 9.528/97, a citação é o termo inicial do benefício. 5. Os honorários advocatícios são devidos em 10% sobre as parcelas vencidas, até a sentença. 6. As custas são devidas à metade, baseado no art. 33 do Regimento de Custas do Estado de Santa Catarina. (AC Nº 2001.04.01.073562-1/SC, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI, 6ª T./TRF4, Maioria, julg. em 29.04.2003, DJ2 nº 100, 28/05/2003, p. 565)

29 - PREVIDENCIÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. PENSÃO POR MORTE. CESSAÇÃO DO PAGAMENTO DE COTA INDIVIDUAL. REVERSÃO. IMPOSSIBILIDADE. ÍNDICES DE REAJUSTE DO BENEFÍCIO E DA CORREÇÃO MONETÁRIA. 1. Inexistindo previsão de reversão do pagamento da cota individual cessada por implementação de idade (dezoito anos, se homem, e vinte e um anos, se mulher), reduz-se o valor da pensão, concedida na vigência do Decreto-Lei nº 77.077/96, a 60% da renda mensal inicial. Tendo os dependentes (3 filhos) atingido a idade limite anteriormente ao termo “a quo” para apuração das diferenças inalcançadas pela prescrição, tal circunstância deve ser observada pelos cálculos, ou seja, considera-se o valor da pensão no equivalente a 60% da RMI. 2. Aplica-se os índices oficiais para reajustar o valor do benefício e encontrar as diferenças devidas, as quais, por sua vez, devem ser reajustadas mediante aplicação dos indexadores próprios para corrigir monetariamente as diferenças encontradas, com os índices apropriados a cada competência. 3. Apelação parcialmente provida. (AC Nº 2000.04.01.111663-8/RS, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI, 6ª T./TRF4, Unânime, julg. em 13.05.2003, DJ2 nº 100, 28/05/2003, p. 531)

66

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

30 - PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO DERIVADA DE APOSENTADORIA DE EXCOMBATENTE. CUMULATIVIDADE COM PENSÃO MILITAR. POSSIBILIDADE. INTELIGÊNCIA DO ART. 53, II, DO ADCT-CF/88. 1. Faz jus a impetrante, viúva pensionista de ex-combatente da 2ª Guerra Mundial, ao recebimento concomitante daquele benefício, pago pela Previdência Social, e de pensão militar. Exceção expressamente prevista no art. 53, II, do ADCT-CF/88. 2. Apelo e remessa oficial improvidos. (AMS Nº 2000.70.00.016287-7/PR, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI, 6ª T./TRF4, Unânime, julg. em 29.04.2003, DJ2 nº 85, 07/05/2003, p. 780) 31 - PREVIDENCIÁRIO - REVISÃO - COMPLEMENTAÇÃO DE BENEFÍCIO PELA PREVI INTERESSE DE AGIR - URV - CONVERSÃO DOS BENEFÍCIOS - ART. 20, I, DA LEI N.º 8.880/94 - VOCÁBULO NOMINAL - CONSTITUCIONALIDADE 1 - Os titulares de benefícios previdenciários complementados pela PREVI - Banco do Brasil têm interesse na discussão em torno da conversão dos proventos em URV, uma vez que o fato de disporem de um plano paralelo de complementação de aposentadoria não exime o INSS da obrigação de pagar corretamente os benefícios. 2 - O Plenário do Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário n.º 313.382, realizado em 26/9/2002, relator o Ministro Maurício Correa, declarou constitucional a palavra “nominal” constante do inciso I, do artigo 20 da Lei n.º 8.880/94. (AC Nº 2001.70.00.021816-4/PR, Rel. o Exmo. Sr. Des. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA, 5ª T./TRF4, Unânime, julg. em 27.02.2003, DJ2 nº 90, 14/05/2003, p. 1011) 32 - PREVIDENCIÁRIO. TEMPO DE SERVIÇO. ALUNO-APRENDIZ. 1. Apresentada a documentação devida - Carteira de Trabalho e Previdência Social e certidão da Escola Técnica - reconhecida a atividade exercida na condição de aluno-aprendiz tão-somente no período em que freqüentado o curso técnico pois o curso ginasial faz parte da educação normal de qualquer aluno, inexistindo enquadramento legal como tempo de atividade amoldado ao Regime Geral da Previdência Social. 2. Voto vencido em parte que, reconheceu como devido todo tempo de serviço escolar. (AC Nº 1999.71.00.032991-5/RS, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal ALVARO EDUARDO JUNQUEIRA, 6ª T./TRF4, Maioria, julg. em 10.12.2002, DJ2 nº 90, 14/05/2003, p. 1072) 33 - PREVIDENCIÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA. CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL. CONTAGEM RECÍPROCA. SERVIDOR ESTATUTÁRIO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO NECESSÁRIO DA ENTIDADE A QUE PERTENCE. No caso de ação que vise compelir o INSS à expedição de certidão de tempo de serviço em condições especiais, para fins de contagem recíproca, é necessária a intervenção da entidade à qual está vinculado o servidor público, em face de seu interesse na solução da lide. Hipótese de litisconsórcio passivo necessário. (AMS Nº 2002.70.01.000369-0/PR, Rel. o Exmo. Sr. Des. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ, 5ª T./TRF4, Maioria, julg. em 14.05.2003, DJ2 nº 100, 28/05/2003, p. 490) 34 - PREVIDENCIÁRIO. CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO. ATIVIDADE CELETISTA ESPECIAL. APROVEITAMENTO NESSA CONDIÇÃO. SERVIDOR PÚBLICO. REGIME ESTATUTÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Inexiste fundamento legal para a admissão de tempo de serviço celetista majorado por condição especial no regime estatutário.

67

Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril - Maio - Junho - 2003

2. Incabível, pois, a pretensão de obter certidão de tempo de serviço com o acréscimo de atividade especial para claros fins de contagem no serviço público. (MAS Nº 2001.70.01.001302-2/PR, Rel. o Exmo. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI, 6ª T./TRF4, Unânime, julg. em 29.04.2003, DJ2 nº 85, 07/05/2003, p. 784) Execução Fiscal 01 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - MANDADO DE SEGURANÇA - AUTORIDADE FEDERAL - JUIZ ESTADUAL - INCOMPETÊNCIA - OMISSÃO. 1 - A Constituição Federal delegou competência ao juiz estadual para processar e julgar as causas em que for parte instituição de previdência social, no foro do domicílio dos segurados ou beneficiário sempre que a comarca não seja sede de vara do juízo federal (art. 109, § 3º). Essa delegação de competência, entretanto, não alcança o mandado de segurança contra ato de autoridade federal, cujo julgamento cabe exclusivamente aos juízes federais (art. 109, VIII), ainda que, conforme numerosos precedentes, trate de matéria previdenciária. Trata-se de competência absoluta, matéria de ordem pública, que deve ser apreciada de ofício pelo Tribunal, pois diz respeito aos pressupostos de constitutição e desenvolvimento válido do processo. 2 - Embargos de declaração acolhidos, com efeitos infringentes, para anular a sentença e determinar a remessa dos autos ao Juízo Federal competente. (EDAMS Nº 1999.04.01.027933-3/RS, Rel. o Exmo. Sr. Des. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA , 5ª T./TRF4, Unânime, julg. em 13.03.2003, DJ2 nº 95, 21/05/2003, p. 774) 02 - PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONVERSÃO EM RETIDO. AUTARQUIA. INTERVENÇÃO NA LIDE. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. 1. Não possui relevância, para a fixação da competência da Justiça Federal para processar e julgar ação civil pública, o fato de autarquia federal figurar na lide como assistente simples ou como interessada, na forma do art. 5º, parágrafo único, da Lei n° 9.469/97. 2. Ausência de prejuízo para o agravante com a conversão do agravo de instrumento em agravo retido. 3. Agravo improvido. (AGVAG Nº 2002.04.01.042269-6/RS, Rel. a Exma. Sra. Desa. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER, 3ª T./TRF4, Unânime, julg. em 08.04.2003, DJ2 nº 95, 21/05/2003, p. 558) 03 - PROCESSUAL CIVIL. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. LEVANTAMENTO DE VALORES REFERENTES AO PIS E AO FGTS. 1. Compete à Justiça Federal processar e julgar requerimento de expedição de alvará para levantamento de valores relativos ao FGTS e ao PIS, especialmente quando se tratar de lide com caráter contencioso, de acordo com o entendimento do e. STJ. 2. Agravo de instrumento provido. (AG Nº 2002.04.01.033587-8/SC, Rel. a Exma. Sra. Desa. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER, 3ª T./TRF4, Unânime, julg. em 13.05.2003, DJ2 nº 100, 28/05/2003, p. 368) 04 - PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. SUSTAÇÃO DE LEILÃO, PRIVILÉGIO DO CRÉDITO TRABALHISTA. Havendo penhora sobre um mesmo bem tanto na Justiça obreira como no Juízo onde tramite execução fiscal, o concurso de preferências entre o credor trabalhista e a Fazenda Pública instaurase sobre o produto da alienação, sendo competente para decidir a respeito o juízo que primeiro realizar leilão positivo, independente da ordem da penhora.

68

julg. 5ª T. p. 28/05/2003. DJ2 nº 100. DESNECESSIDADE. embora ainda subsistam as dívidas. 21/05/2003. ELABORAÇÃO DE CÁLCULOS. não comportando qualquer prorrogação.289/96. inclusive os gravados com ônus real ou cláusula de inalienabilidade ou impenhorabilidade. os bens e rendas que a lei declara absolutamente impenhoráveis. 225) 08 . A alegação de impossibilidade de elaboração de cálculos em virtude da crise energética não configura justa causa apta a autorizar a prática do ato a destempo. em 07. Sr.2003. Unânime. PERDA DO OBJETO. p. será indeferido o requerimento de prova pericial. Sra. julg. 30. 444) 07 .030712-4/PR. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. CRISE ENERGÉTICA. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. Todos os bens e rendas de qualquer origem e natureza do sujeito passivo. salvo hipóteses excepcionais.008150-2/RS.2003.2003.04. DA LEI DE EXECUÇÃO FISCAL (LEI 6. seja qual for a data da constituição do ônus ou da cláusula.001377-6/RS.Junho . PROVA PERICIAL. Desa. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. Desa. FIXAÇÃO POR DESPACHO. em 06.289/96. DJ2 nº 95. Rel.2003. 28/05/2003. 2.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . com débitos remanescentes. mas somente em relação à qualificação jurídica destes. MASSA FALIDA. Sra. São absolutamente impenhoráveis aqueles mencionados no art. ENCERRAMENTO DA FALÊNCIA. Rel.04.830/80). estão sujeitos à penhora por parte da Fazenda Nacional. INOCORRÊNCIA. Nos termos do art./TRF da 4ª Região. PENHORABILIDADE PELA FAZENDA PÚBLICA. p. a remuneração do perito será fixada pelo juiz em despacho fundamentado. a Exma. 1ªT. ouvidas as partes e à vista da proposta de honorários apresentada. LEI Nº 9. 1ªT. p. (AC Nº 2002. AGRAVO DE INSTRUMENTO. Unânime. Desa. 312) 06 . Des. a Exma. excetuados. Rel.TRIBUTÁRIO.2003 (AG Nº 2001.05.05. (AG Nº 2003. Unânime. BEM GRAVADO POR ÔNUS REAL.000276-9/SC. 21/05/2003.01.PRAZO. (AC Nº 2001. (AG Nº 2003. POSSIBILIDADE. 10 da Lei 9. 1. DJ2 nº 100.01.01. Não há qualquer irregularidade no fato de o magistrado ter fixado os honorários periciais por despacho. o Exmo.EXECUÇÃO FISCAL.EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. 782) 09 .04. julg. INAPLICABILIDADE DO DECRETO-LEI 413/69 1. em 14. O prazo para interposição dos embargos à execução é peremptório. tornando-se inútil a manutenção de suspensão do processo executivo fiscal. não há de ser deferida produção de prova pericial. Des./TRF4. Do mesmo modo. JUSTA CAUSA./TRF4.04. Sr./TRF4.70. 21/05/2003. DJ2 nº 95. 649 do Código de Processo Civil e não aqueles a que a norma não empregou a expressão absolutamente. a Exma./TRF4. Federal DIRCEU DE ALMEIDA SOARES. não há mais ativo para quitá-las. Ressalta-se que nada impede eventual execução contra o falido ou co-responsável com base na sua própria obrigação em relação ao débito e com base na extinção da falência.01. HONORÁRIOS PERICIAIS. 1ªT. julg. p.04. ante à insubsistência de seu objeto. o Exmo. Rel. Se os bens foram liquidados.2003. Sra. Unânime.051962-0/RS. DJ2 nº 95. em 23.00.04.Maio . em 23.05. 2ª T. Improvimento da apelação do UNIBANCO e parcial provimento do apelo do INSS. 422) 05 . 69 . unicamente. inexistindo controvérsia quanto a fatos. julg. Quando a prova do fato não depender do conhecimento especial de técnico. 2. Unânime. Rel. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. INTELIGÊNCIA DO ART.PREVIDENCIÁRIO.

1. julg.01. Des. o Exmo.421/2000 e Resoluções do Comitê Gestor do Programa)./TRF4.964/2000. 65 DA LEP. LEI 9. 2.028600-4/SC. PROCESSO PENAL. julg.030299-0/RS. CRIME CONTRA A ORDEM ECONÔMICA. 814) 02 . Rel. o Exmo. Des. Unânime.2003 (AC Nº 2002.AGRAVO DE INSTRUMENTO. INEXIGIBILIDADE. EXECUÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS. 07/05/2003. Não obstante as atribuições legais da Agência Nacional do Petróleo no âmbito administrativo visando ao controle da distribuição de combustíveis em todo o país. em 08. 808) 70 .964/2000. a Lei nº 8. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. AUSÊNCIA DE LESÃO A INTERESSES DA UNIÃO.2003./TRF4. Federal LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO. ART. DJ2 nº 85. são pertinentes ao processo administrativo-fiscal. 7ª T. 3. RESOLUÇÃO Nº 09/2001 DO CÔMITE GESTOR DO REFIS. julg. falar-se em competência da justiça federal.2003.012245-3/RS. que se encontre recolhido em estabelecimento penitenciário administrado pelo estado. Assim sendo.04.964/2000. p./TRF4.Maio . 2003. não se configurando nenhuma ilegalidade nesse procedimento.029771-5/PR. portanto. da Constituição Federal. Des.04. inciso VI. Recurso improvido. Decreto 3. o Exmo. (AGEPN Nº 2002. O fato de haver um delito cuja responsabilidade pela prevenção é da autarquia não a torna vítima (sujeito passivo da conduta típica) da sua prática. LEI 8176/91. Precedentes do STJ e do TRF da 1ª Região. prevê a ciência dos contribuintes excluídos do programa por meio de divulgação pela Internet. é de se observar que a jurisprudência se consolidou no sentido de que os crimes contra a ordem econômica não são da competência da Justiça Federal. em 11. Sr. (AG Nº 2002. usando da competência que lhe foi atribuída pela Lei nº 9.00. Rel. As disposições contidas na Lei nº 9. Unânime. CIÊNCIA VIA INTERNET.PENAL. 07/05/2003. Agravo de instrumento provido. julg. NOTIFICAÇÃO PESSOAL. o Exmo. Tratando-se de condenado pela Justiça Federal. 1. RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO. p. Rel.235/72. Unânime. que se constitui em favor legal e é regido por legislação própria (Lei 9. contrariamente ao disposto no art. 2ª T.03. Federal FÁBIO ROSA. 109. Sr.04. DJ2 nº 95. DJ2 nº 85.01. a execução da pena compete ao juízo estadual de execução criminal (Súmula 192 do STJ). Não há. mormente quando. 8ª T. SÚMULA 192 DO STJ.01. 2003. p.70. 21/05/2003.Junho . (RSE Nº 2002.05.784/99 e no Decreto nº 70. 614) Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . RECURSO IMPROVIDO. EXCLUSÃO DO REFIS PELO COMITÊ GESTOR. não há ofensa a bens. não se aplicando ao Refis.176/91 nada menciona em relação ao juízo competente./TRF4. Sr. Federal CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ. 3ª T.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 2.PENAL. serviços ou interesses da União ou de suas entidades autárquicas. p. Agravo em execução não provido.04. Des. Rel. 21/05/2003. Sr. em 29. DJ2 nº 95.71. em 07. do Comitê Gestor do Refis. Federal JOÃO SURREAUX CHAGAS. Unânime. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. A Resolução nº 09/2001. que determinam a intimação pessoal do contribuinte. 543) 10 .

incontinente. e considerando que não há nos autos prova de que tenha havido a obtenção de vantagem patrimonial ilícita por parte dos réus. 2. 12 DA LEI Nº 6. DJ2 nº 95. DO CP. impondo-se a remessa dos autos à Justiça Estadual. CLORETO DE ETILA. NULIDADE POR AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO NA APLICAÇÃO DAS SANÇÕES. FALSIDADE IDEOLÓGICA A QUE FORAM COMINADAS AS PENAS DA FALSIFICAÇÃO DE DOCUMENTO PÚBLICO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. TRATADOS OU CONVENÇÕES. 6. julg. evidente o interesse da autarquia federal a sustentar a competência da Justiça Federal no presente caso. Não há que se falar em nulidade da sentença por exacerbação e falta de fundamentação na aplicação das sanções. 297. Sr. CLASSIFICAÇÃO DA CONDUTA. DA CF.2003. nos termos prescritos pelo art. ARTIGO 109. os motivos para a fixação da pena de reclusão e da pena de multa./TRF4.007427-9/PR. apreendido tais documentos. EXIBIÇÃO POR EXIGÊNCIA DE AUTORIDADE. Rel. da Constituição da República.70. tanto é que propiciou a emissão de Certidão Negativa de Débitos. É imprescindível.983/00. PRELIMINAR DE INCOMPETÊNCIA. ainda que não tenha causado prejuízo econômico. V. p.368/76. Conforme se depreende da leitura da inicial acusatória.PENAL E PROCESSUAL. não é suficiente para atrair a competência da Justiça Federal apenas a tipificação da conduta no Direito interno. Não há vínculo desta natureza firmado entre o Brasil e o Paraguai.02. DESNECESSIDADE. não desconfigura o crime de uso de documento falso. INOCORRÊNCIA.PENAL. CULPABILIDADE. descreveu expressamente que os denunciados se utilizaram de documentos com autenticações falsificadas como forma de comprovação do pagamento de contribuições previdenciárias e como forma de obtenção de Certidão Negativa de Débitos.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . REMESSA À JUSTIÇA ESTADUAL. eis que os acusados eram absolutamente capazes de entender o caráter ilícito da sua conduta e de comportar-se de acordo com esse entendimento. Culpabilidade configurada. 3. 8ª T. Materialidade e autoria plenamente comprovadas. COM REDAÇÃO DADA PELA LEI Nº 9. 5. (RSE Nº 2002. atingiu interesse do INSS. ART. Portanto. uma vez que maculou a integridade e a fidedignidade de seus bancos de dados no que diz respeito à arrecadação.Maio . a existência de atos normativos estabelecidos entre os países signatários do acordo. uma vez que o juiz apontou. 109. afastando. a Jurisdição Federal. 814) 04 . Federal ÉLCIO PINHEIRO DE CASTRO. No entanto. 71 . 4. V. 12 da Lei de Tóxicos. DOSIMETRIA DAS PENAS.2003 03 . Precedentes. Unânime. 3. por conseqüência. O ingresso de 48 (quarenta e oito) frascos de lança-perfume em território nacional pela Ponte Internacional da Amizade Brasil/Paraguai configura. INEXISTÊNCIA. 21/05/2003. TRÁFICO INTERNO. 1. Sendo assim. Des. ART. Hipótese representativa de tráfico interno. SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE. embora ela tenha capitulado o fato no artigo 171 do Código Penal. o Exmo. infração ao disposto no caput do art.Junho . 2. 5. 1. A falsificação da autenticação mecânica nas GRPSs. RECURSO PREJUDICADO. PREVISÃO. 4. de forma clara. MATERIALIDADE E AUTORIA. em 30. USO DE DOCUMENTO FALSO PERANTE O INSS. O fato de o fiscal de Contribuições Previdenciárias ter exigido a apresentação das guias de recolhimento e. § 3º. IRRETROATIVIDADE. LANÇA-PERFUME. em tese. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PELA PRESCRIÇÃO.04. de modo a qualificar o psicotrópico também para a repressão da traficância internacional. DANO. autorizado estava o magistrado a quo a classificar o fato como entendesse mais adequado.

14. Federal FÁBIO ROSA. em 25.2003 7.368/76) está consubstanciada no Auto de Prisão em Flagrante. não exigindo resultado para sua consumação. MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS. Apelação parcialmente provida. 1. contra a qual guardo reserva. pela prescrição. 7ª T.00. tanto a pena privativa quanto à de multa cumulativamente aplicadas estão prescritas (art. I. SUBSTITUIÇÃO. por força dos princípios da anterioridade e da irretroatividade da lei penal mais gravosa (art. por revelar interesse particular na investigação penal. restam as penas definitivas fixadas em 1 ano e 3 meses de reclusão para o réu George.que as suas declarações não encontram suporte e nem se harmonizam com outros elementos probatórios idôneos (Precedente do STF). Unânime. Rel. A inserção do delito ora tratado no art.tal como ocorre com as demais testemunhas . Sendo assim. ante a ausência de recurso da acusação./TRF4. LANÇA-PERFUME.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . nos crimes de descaminho.Junho . Auto de Exibição e Apreensão. 13. em relação ao crime previsto no art. O delito previsto no art. é de R$ 2. Tendo em vista que.PENAL. incriminando condutas de falsidade ideológica em documentos relacionados com a Previdência Social e cominando a esses tipos especiais as penas do crime de falsificação de documento público. 1º e 2º do CP). com base na Medida Provisória nº 2. A materialidade dos delitos de descaminho (art. 10. Mantida a substituição das penas privativas de liberdade por restritivas de direitos. ou quando se demonstrar . Des. 2.2003. 8. 4. O art. as sanções aplicadas em primeiro grau tornaram-se imodificáveis in pejus. p. 304 do CP é crime formal. 297 do Código Penal. 118 do CP. resta mantida a pena de 30 dias-multa. Os valores deverão ser corrigidos monetariamente quando do efetivo pagamento. A prova testemunhal produzida é apta a demonstrar a autoria delitiva por parte do acusado. DJ2 nº 90. na forma estabelecida pelo julgador a quo. 114. O depoimento testemunhal do agente policial somente não terá valor quando se evidenciar que esse servidor do Estado. Basta o uso efetivo da documentação. 5º. à razão de 1/2 do salário mínimo vigente ao tempo do fato para o réu George. Com base nas sanções cominadas pelo art. DESCAMINHO E TRÁFICO DE ENTORPECENTES.01. julg. tendo em vista haver transcorrido prazo superior a 4 anos entre a data do fato e o recebimento da denúncia. DOSIMETRIA DA PENA.Maio . 334 do CP) e tráfico de entorpecentes (art. 297 não poderiam ter sido aplicadas ao caso em tela. 12. segundo a qual “as penas mais leves prescrevem com as mais graves”. Materialidade e autoria delitivas comprovadas. 5. e 1 ano e 6 meses de reclusão para o réu Enir. do CP). PRESCRIÇÃO.03. IV. Sr. e os fatos imputados aos recorrentes se deram em 1994.714/98. no valor unitário de 1/10 do salário mínimo vigente à época dos fatos para o réu Enir. de ofício. (ACR Nº 2002.017717-3/PR. as penas previstas no art. Decretada.500. XXXIX e XL da CF e arts. 299 do CP. 109. age facciosamente.04. LEI Nº 9. 3. 1102) 05 . Incidência dos arts.983/00 inseriu o § 3º no art. 297 do CP ocorreu somente em 17/07/2000. 2º da Lei nº 9. a extinção da punibilidade pela incidência da prescrição retroativa. 107. JUÍZO CONDENATÓRIO. Auto de Exame de Constatação Provisória. 72 . e 50 dias multa. Tendo em vista a disposição do art. de 23 de agosto de 2001. 11. II. Laudo de Exame Merceológico e Laudo Toxicológico. o patamar para a aplicação do princípio da insignificância. INAPLICABILIDADE.176-79. 14/05/2003. tendo sido extinta a punibilidade dos réus. todos do Código Penal. 9. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. 304 do CP. 12 da Lei nº 6. De acordo com a orientação da 4ª Seção deste Tribunal. o Exmo. independentemente de o agente auferir proveito ou causar dano a outrem. V e 117.

à razão de 1/30 do salário mínimo vigente ao tempo do último fato./TRF4. O crime previsto no art. Rel. 5.368/76. FALSIDADE DAS NOTAS. PERDIMENTOS DE BENS./TRF4. em 03 anos de reclusão. 11.2003. de maneira expressa. 7ª T. Des. a Lei n. 59 do CP todas favoráveis ao réu. comissivo. IV e 109. (ACR Nº 2002.04. Pena de multa fixada em 50 dias-multa. CRIME DE MOEDA FALSA.022134-4/PR. do Código Penal. de ofício. Federal FÁBIO ROSA. PENA FIXADA. 07/05/2003. alternativamente previstas. formal.368/76. Dessa forma não há falar em tentativa. e em 01 ano de reclusão pelo delito de descaminho (art. tendo em vista que os valores referentes a impostos e multa incidentes sobre os cigarros apreendidos ultrapassam o limite de R$ 2. Assim. 12 da Lei 6. a extinção da punibilidade do réu com relação ao crime de descaminho pela ocorrência da prescrição.024124-0/RS.00. Assim. Apelações desprovidas.500. 563 do CPC e a Súmula n. MATERIALIDADE DO DELITO COMPROVADA. Como a conduta amolda-se ao previsto no art. 334.º 523 do STF. 18. Ressalta-se que os atos processuais como o recebimento da denúncia e o seu aditamento foram realizados antes da vigência da lei citada. GERMANO DA SILVA. 3. em 01.PENAL. ou seja. esta Corte tem entendido cabível a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direitos em decorrência da aplicação dos princípios constitucionais da razoabilidade e da proporcionalidade na individualização da pena. da Lei nº 6. Apelação provida.2003. deve ser demonstrado o prejuízo que dela teria decorrido. julg. julg. Tendo o laudo pericial constante nos autos concluído.490/2002. No Processo Penal. no caso. mínimo cominado ao tipo previsto no art. CIÊNCIA DOS AGENTES. Unânime. p.368/76). Des. 9. resta configurada a materialidade do delito.01. o Exmo. 107. REGIME FECHADO. Sr. do CP).Junho . Federal JOSÉ LUIZ B. 10. 289. plurissubsistente e de ação múltipla. 18. Alegação de desconhecimento da falsidade das cédulas rejeitada ante os elementos probatórios constantes nos autos. devidamente atualizado quando do efetivo pagamento. INTERNACIONALIDADE DO ART. § 1º. 7ª T. para que seja decretada qualquer nulidade. sendo suficientemente boa a falsificação não merece guarida a pretensão de desclassificação do delito para o crime de estelionato. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA. TENTATIVA. Inaplicável ao presente caso o princípio da insignificância. tendo em vista o transcurso de prazo superior a 4 anos entre a data do recebimento da denúncia (11/09/98) e a presente data. pela falsidade das cédulas apreendidas. 7. a teor do que dispõe claramente o art. pelo delito de tráfico de entorpecentes (art. Rel. DA LEI 6.Maio .2003 6. Sr. caput. da Lei 6. 807) 06 . 4. 73 . § 1º.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . tendo em vista que a simples guarda da cédula falsa já consuma o crime. 289.PENAL. 2. o Exmo. a pena-base deve ser fixada no mínimo legal. Declarada. 07/05/2003. já que a apelante não logrou comprovar a existência de qualquer prejuízo que teria sofrido com isso. DJ2 nº 85. (ACR Nº 2002. DJ2 nº 85. é comum. com base nos arts. em 25. 2.04. Havendo associação entre os agentes traficantes. 12. Unânime. 1. 1. V. I. 8. entendida esta como uma convergência de vontades deve ser reconhecida a incidência da majorante do art. caput. sem dependência de outras conseqüências. não pode gerar nulidade. Precedentes.º 10. Nos casos de tráfico de lança-perfume. 807) 07 . TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES.368/76. a consumação se dá com a efetiva prática de uma das ações. III. a não aplicação do rito previsto na nova Lei de Tóxicos. ESTELIONATO. Sendo as circunstâncias judiciais do art.03.04. de perigo. p.01.

002963-4/RS. 7ª T. além de exercer. Sr. Federal JOSÉ LUIZ B.º 6. Min.2003. conforme disposto no aludido artigo 243 da Magna Carta. Colabora com essa prova o testemunho das testemunhas de acusação. Rel. 1. 74 ./TRF4. Des. 4. 2ª T.71. julg. 7. 13./STF.2003. A pena foi bem dosada. BIS IN IDEM. na esteira do entendimento jurisprudencial dominante. DIREITO DE APELAR EM LIBERDADE. o Exmo.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . na maioria das vezes. GERMANO DA SILVA. A autoria delitiva dos réus está devidamente comprovada nos autos. para o Paraguai. 19) SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Direito Previdenciário 01 . REQUISITOS.04. O AUXÍLIO-ACIDENTE PODE SER CUMULADO COM A APOSENTADORIA. verifica-se a ocorrência de concurso material dos crimes dos artigos 12 e 14 da Lei n. p. em 15. 2. em favor da União é uma medida que atende aos anseios da própria sociedade brasileira. e por depoimentos.HABEAS-CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO.368/76 de pena. DJ2 nº 85. DJ1 nº 112. 6.2003. 810) JUNHO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Direito Penal e Direito Processual Penal 01 .04. Sr.º 6. Regime integralmente fechado em relação ao delito previsto no artigo 12 da Lei n. cujo destinatário era. 5.821-3 (232). 07/05/2003.Maio . não garantem o direito de apelar em liberdade. em 25. Rel.71. havendo fundado receio de que se permanecesse solto continuaria na prática delitiva. por si sós.03. prejudiciais aos esclarecimentos. Unânime. A perda dos bens utilizados para a narcotraficância.Junho . nessa qualidade. AUSÊNCIA. Prisão cautelar para garantia da aplicação da lei penal e com o fim de salvaguardar a ordem pública. pelas prisões em flagrante. A primariedade e os bons antecedentes. o Exmo. ou seja. com a devida aplicação do método trifásico. Unânime.2003 3. Comprovada a associação para a prática do tráfico de entorpecentes e realizadas os seus propósitos. Paulo Seco. tanto pelas transcrições das ligações.368/76.RECURSO ESPECIAL.04. MAS NÃO DEVE INTEGRAR O SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO PARA FINS DE CÁLCULO DESSA MESMA APOSENTADORIA. julg. p. com base em conteúdo de interceptação telefônica que revela ser o réu um dos líderes de uma organização criminosa cujo objetivo é fraudar o INSS. A internacionalidade da conduta restou comprovada pela análise das ligações realizadas do aparelho telefônico encontrado na residência do réu Antônio Nunes da Silva. influência sobre funcionários da própria autarquia e do órgão da polícia federal incumbido de investigar os crimes previdenciários.000701-8/RS e 2002. A atenuante da confissão não deve ser reconhecida. Ordem denegada. PRISÃO CAUTELAR. se repleta de alegações que não refletem a verdade. (ACRs Nos 2002. PREVIDENCIÁRIO. RJ. 8. MAURÍCIO CORRÊA.06. (HC Nº 82.

julg. eventual alteração no regime ocorrida posteriormente. ASSISTÊNCIA SOCIAL. um quantum objetivamente considerado insuficiente à subsistência do portador de deficiência e do idoso.2003. e não a citação da autarquia previdenciária no processo. 337) 04 . LEI 8.RECURSO ESPECIAL. § 3º.460 . 302) 03 . Recurso conhecido e provido.Junho . II . ART. 20. LAUDO PERICIAL. Recurso conhecido.742/93 não é o único critério válido para comprovar a condição de miserabilidade preceituada no artigo 203./STJ. O termo inicial do benefício acidentário. DJ1 nº 122. faz jus ao cômputo do tempo nos moldes previstos à época em que realizada a atividade. 5ª T. é o da apresentação do laudo pericial em juízo.PREVIDENCIÁRIO. o Exmo.PREVIDENCIÁRIO. DJ1 nº 108. JOSÉ ARNALDO DA FONSECA. 5ª T.833/RN). (RESP Nº 500. Unânime. o que não impede que o julgador faça uso de outros fatores que tenham o condão de comprovar a condição de miserabilidade da família do autor. Min. DA LEI Nº 8. Unânime. (RESP Nº 500. nos termos da legislação então vigente. em 13. Unânime. AUXÍLIO-ACIDENTE. Min. ele pode ser cumulado com a aposentadoria./STJ. julg. e que teria direito por isso à aposentadoria especial.Maio . Sr. Recurso não conhecido. o Exmo. §§ 3º E 5º.PR (2003/0027221-7). 302) 02 . Isso se verifica à medida em que se trabalha. 2003. Assim. Min. mesmo que não mais reconheça aquela atividade como especial. "o auxílio-acidente poderia ser cumulado com o benefício da aposentadoria". Segundo precedentes "o segurado que presta serviço em condições especiais. POSSIBILIDADE. FELIX FISCHER. 5ª T. 09/06/2003. FELIX FISCHER.870 . I . 20. (RESP Nº 489. § 3º. Recurso provido. julg. DJ1 nº 103. A renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário-mínimo deve ser considerada como um limite mínimo. V. DJ1 nº 108./STJ. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. Rel. da Constituição Federal. da Lei nº 8./STJ. (Precedente: Resp 392. Min. pessoas incapazes de sobreviver sem a ação da Previdência.754 . em 20.05. BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA. porque já inserida em seu patrimônio jurídico’’. PREVIDENCIÁRIO. Rel. 09/06/2003. CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL. servindo de base para aposentadoria posterior. p. (RESP Nº 503. não retira do trabalhador o direito à contagem do tempo de serviço na forma anterior. ou seja. mas desprovido.05.742/93. Rel.547 .05. p. 57. 5ª T. 309) 75 .A assistência social foi criada com o intuito de beneficiar os miseráveis.2003 Segundo legislação vigente à época. p. em 13. ART. mas não deve ser somado ao salário de contribuição para o cálculo dessa mesma aposentadoria. BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO. o Exmo. Sr. por essa razão não deve o mesmo ser adicionado ao salário de contribuição.213/91.SP (2002/0159761-7). Unânime. JOSÉ ARNALDO DA FONSECA. 30/06/2003. Sr.2003.2003.O preceito contido no art.PB (2003/0018387-2). Sr. p.SP (2003/0024168-3). Rel. se não houve requerimento na via administrativa. 203. pois tal inclusão e posterior pagamento cumulativo acarretaria bis in idem.04. em 22. o Exmo. DA CF. julg. REQUISITOS LEGAIS.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . ART. 02/06/2003. TERMO INICIAL. Precedentes.

(RESP Nº 463. a alienação de bens.2003 05 . 2. JORGE SCARTEZZINI. COMPROVAÇÃO.Maio . Recurso especial improvido.868 . a Exma. Unânime. bem mais drástico.O direito pleiteado. Rel. p.Trata-se de Ação Civil Pública objetivando a revisão do valor dos benefícios previdenciários dos segurados domiciliados no âmbito da circunscrição judiciária de Maringá/PR.REVISÃO DE VALORES DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E SUA CONVERSÃO PARA URV . independentemente da produção de laudo pericial comprovando a efetiva exposição a agentes nocivos. .831/64 e 83.PR (2002/0112948-8). antes da edição da Lei n. ELIANA CALMON. As Turmas que compõem a Egrégia Terceira Seção firmaram sua jurisprudência no sentido de que é garantida a conversão.PROCESSO CIVIL . Recurso não conhecido.05. Sra.DIREITOS INDIVIDUAIS PRIVADOS E DISPONÍVEIS .975 . em fase de execução. 02/06/2003. Min. Em se tratando de direito individual disponível evidencia-se a ilegitimidade ativa "ad causam" do Ministério Público Federal. Unânime.os 53.880/94. concedidos antes da publicação da Lei nº 8.SC (2002/0013545-1). é feita com os formulários SB-40 e DSS-8030. estabelece no art. Rel.ILEGITIMIDADE ATIVA AD CAUSAM.PREVIDENCIÁRIO. com a apresentação de laudo técnico.172/97 (05/03/1997). Unânime. .Recurso conhecido e provido.º 9. 3. 3. TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL.RECURSO ESPECIAL .º 2. 2.2003.032/95 (29/04/1995) e a expedição do Decreto n. 244) 76 . sendo que a comprovação. julg.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . e deste até o dia 28/05/1998. o Exmo.CPC E CTN. julg.684 ./STJ. como especial. PERÍODO ANTERIOR À LEI N. no segundo. 332) 06 . se há dívida ativa inscrita. 1.080/79). 593). CONVERSÃO.SC (2002/0134660-8). No CPC três situações podem levar à fraude à execução (art. 09/06/2003. EXPOSIÇÃO A AGENTES NOCIVOS. em 13. Min. DJ1 nº 108. em 20. LAURITA VAZ. DJ1 nº 113. RECURSO NÃO CONHECIDO. Jurisprudência mais recente da Corte. Sra. DJ1 nº 103. há necessidade de que a atividade tenha sido exercida com efetiva exposição a agentes nocivos. 5ª T. p. insalubre ou penosa em rol expedido pelo Poder Executivo (Decretos n.032/95. em 06.MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL .2003. presume-se fraudulenta./ STJ.FRAUDE À EXECUÇÃO . p. Quanto ao lapso temporal compreendido entre a publicação da Lei n. .PREVIDENCIÁRIO . tomando o valor das parcelas consideradas para o cálculo da média aritmética acrescidas do reajuste integral do IRSM. 1.º 9. (RESP Nº 409. Min. (RESP Nº 475. LAUDO PERICIAL.05. procedendo a conversão dos mesmos para URV.2003. 373) Execução Fiscal 01 . julg. Presume-se fraudulenta a alienação de bens de sujeito passivo em débito para com a Fazenda Pública após a citação do devedor no processo de execução. não sendo suficiente a inscrição regular do crédito tributário.05. Rel. 185 que. a Exma. no primeiro período. se onerosa. 5ª T. e.032/95. 2ª T.º 9. não atinge a coletividade como um todo. 16/06/2003. Sr. O CTN. apesar de seu aspecto de interesse social. do tempo de serviço prestado em atividade profissional elencada como perigosa.Junho . DESNECESSIDADE. muito embora invocado por um grupo de pessoas./STJ.

COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL.893 . e não./STJ. da Carta Magna. HAMILTON CARVALHO. mas de interesse da população brasileira coletivamente considerada. TRÁFICO INTERNACIONAL DE ENTORPECENTES. Sr. de toda incompatível com a angusta via do remédio heróico. 237) 02 . Competência do Juízo Federal da 7ª Vara Criminal da Seção Judiciária do Estado de São Paulo. Rel. INCISO I. o Exmo. PRECLUSÃO. onde. em 19/09/2002. firmou-se no sentido de que é relativa a competência definida no artigo 26 da Lei de Tóxicos. como ocorre no caso. ART. LUGAR DO CRIME. JUSTIÇA ESTADUAL.2003 Direito Penal e Direito Processual Penal 01 . o do lugar em que foi praticado o último ato de execução. tem que ser direto e específico.072/90. Unânime. Em demandando profunda análise do conjunto fático-probatório. EVASÃO DE DIVISAS.HABEAS CORPUS. PARÁGRAFO ÚNICO. competente é a Justiça Estadual. consubstanciado no envio de valores com depósito efetuado na cidade de São Paulo para conta do "laranja" na cidade de Foz do Iguaçu/PR. para processar e julgar o feito relativo a tráfico internacional de drogas. no RE nº 300. Em não sendo a Comarca sede de Juízo Federal.268 . . DA LEI 7. 447/448) 03 . (HC Nº 22. AFLUENTE DE RIO FEDERAL E PERTENCENTE AO SIATEMA ICTIOLÓGICO DO PANTANAL MATOGROSSENSE. prevista no artigo 109. por reiteradas vezes. para justificar a competência da Justiça Federal.Junho . RIO MUNICIPAL. INEXISTÊNCIA DE INTERESSE DIRETO DA UNIÃO. 23/06/2003. julg. A jurisprudência dos tribunais superiores. . 2. o Exmo.368/76. p.PR (2001/0197329-2).492/86. (CC Nº 34.Maio . afirmou a constitucionalidade do parágrafo 1º do artigo 2º da Lei 8. 5. ex vi do artigo 27 da Lei 6.Tratando-se de delito de evasão de divisas. 77 . interesse genérico da coletividade. 70 DO CPP. induvidosamente se inclui o tráfico ilícito de entorpecentes. O Supremo Tribunal Federal. PENAL. ASSOCIAÇÃO PERMANENTE. argüição oportuna. COMPETÊNCIA. A teor do julgado pelo Supremo Tribunal Federal.244/SC. incluidamente do Pretório Excelso. CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO. Sr.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . DJ1 nº 117. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. na hipótese de tentativa. 225. não se conhece das alegações que visam a rediscutir a procedência das drogas apreendidas. 23/06/2003. do art. que impõe o regime fechado para o integral cumprimento da pena reclusiva aos condenados por crimes hediondos ou a eles equiparados. em 11. PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL. 3.RS (2002/0069685-9). INCOMPETÊNCIA RELATIVA.2002.09. O interesse da União. que determina a competência do Juízo do lugar em que se consumou o delito ou. CRIME CONTRA A FAUNA.PROCESSUAL PENAL E CONSTITUCIONAL. sob pena de preclusão. DJ1 nº 117. 1. julg. 4. Unânime. PESCA PREDATÓRIA COM UTILIZAÇÃO DE PETRECHO NÃO PERMITIDO. PRECEDENTES DO STF./STJ. 1. por certo. inc. AFASTAMENTO DO ARTIGO 18.CONSTITUCIONAL. 2. aplica-se a regra prevista no artigo 70 do CPP. ART.Conflito conhecido. NECESSIDADE DE EXAME APROFUNDADO DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO. Habeas corpus parcialmente conhecido e denegado. Min. VICENTE LEAL. os sistemas ecológicos elencados no § 4º. 22. 3ª S. Min. p. INCABIMENTO NA VIA ANGUSTA DO WRIT. IMPOSSIBILIDADE. Rel. 6ª T. da Constituição da República. reclamando. IV. não são bens da União.

LEI DOS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS. Sra. 3ªS. ESTELIONATO. Ademais. INCIDÊNCIA RESTRITA AOS FEITOS QUE APURAM A PRÁTICA DE DELITOS AFETOS À JUSTIÇA FEDERAL. p. de areia de pequeno rio denominado "Ribeirão dos Paiva". Unânime. Rel.206 . diversas carteiras de trabalho.05. JUÍZO ESTADUAL X JUÍZO FEDERAL. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. 237) 06 . Não se configura qualquer lesão a bens.CRIMINAL. 20. EVENTUAL TRÁFICO INTERNACIONAL NÃO EVIDENCIADO./STJ. Não atenta contra bens. (CC Nº 36. porquanto a perpetração de crime ambiental afeta diretamente apenas aquela comunidade local.MS (2001/0074288-8). 23/06/2003.Junho . NÃO. UTILIZAÇÃO DE DOCUMENTOS AUTÊNTICOS EMITIDOS POR ÓRGÃOS FEDERAIS. quando são autênticos os documentos utilizados para a perpetração das ações criminosas estelionatárias. Sr. julg. 16/06/2003. compete à Justiça Estadual processar e julgar ação onde se discute provável falsificação grosseira de carteira de identidade civil. FALSIFICAÇÃO GROSSEIRA DE CÉDULA DE IDENTIDADE CIVIL EMITIDA POR ÓRGÃO ESTADUAL. 4. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE PENA MÁXIMA. Não há como estender a natureza de um rio municipal à categoria de bem da União Federal.divisor de fronteiras. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. EQUÍVOCO DO MAGISTRADO. Rel./STJ. não serve de limite com outro país e não se estende a estado estrangeiro. PRINCÍPIO DA ISONOMIA. em 11/06/2003. A simples criação dos Juizados Especiais Federais não tem o condão de atrair toda a gama de delitos de menor potencial ofensivo. julg. CRIME AMBIENTAL.RJ (2000/0126891-0). SERVIÇOS OU INTERESSES DA UNIÃO. 3ª S. Unânime. JUÍZO FEDERAL X JUÍZO ESTADUAL. O prejuízo porventura causado afeta tão-somente a esfera particular. ENTORPECENTES. 258) 05 . 128) 04 . Sr. EXTRAÇÃO DE AREIA EM PEQUENO RIO A CÉU ABERTO.CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. vale dizer. p. Unânime . DJ1 nº 117.310 . 61 DA LEI 9. AUSÊNCIA DE QUALQUER LESÃO A BENS. títulos eleitorais. julg. pelo simples fato dele ser afluente de um outro rio federal . tão-somente. os ilícitos da competência da Justiça Federal. (CC Nº 32. (CC Nº 30. DA JUSTIÇA COMPETENTE. o que afasta a competência da Justiça Federal. O citado ribeirão não está entre os bens da União. USO. o Exmo. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM ESTADUAL. 3ª S. 78 . inciso III. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo de Direito da Comarca de Belo Vale/MG.2003 3. mas.MG (2002/0083682-2). localizado em propriedade particular. Rel. PROPRIEDADE PARTICULAR. o Exmo.2003. DJ1 nº 113. sem autorização do órgão competente. PAULO MEDINA. haja vista que o mesmo não está situado em seu terreno de domínio. 30/06/2003. p. PAULO MEDINA. emitida por órgão estadual. Conflito conhecido para declarar a competência da Justiça Estadual. Min. em 14. carteiras de identidade civil e CICs. a Exma. serviços ou interesses da União.05. não banha mais de um Estado. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo de Direito da 26ª Vara Criminal do Rio de Janeiro/RJ. INEXISTÊNCIA DE INTERESSE DA UNIÃO. a extração. Min. DJ1 nº 122. em 14.CONFLITO DE COMPETÊNCIA./STJ. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM.Maio .842 . LAURITA VAZ. MODIFICAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DADA AO ART. serviços ou interesses da União Federal. conforme dispõe o art.099/95 E.2003.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . da CF/88. Min.

PROCESSUAL PENAL.CRIMINAL.MG (2002/0175285-9). p. 30/06/2003. encontravam-se bens da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.2003.259/01 . 109. Sra. Tratando-se de possível ilícito de uso de “cannabis sativa” e não havendo qualquer notícia sobre a configuração de eventual tráfico internacional de entorpecentes. DJ1 nº 122.SJ/SP.819 ./STJ. ora suscitante. 61 da Lei nº 9. Sra. Rel. BENS DA EXATORIA ESTADUAL E DA EBCT. INC. verifica-se a prática de crime de furto qualificado ao prédio da Exatoria Estadual. 3ª S. foi alterado para 02 anos. 2.ª Vara de Jales . sobressai a competência da Justiça Estadual. Rel. hábil a atrair a competência da Justiça Federal. LAURITA VAZ. CRIMES CONTRA A FAUNA.º 73 do STJ.2003. 2. podem induzir o homem de compreensão média a erro. Presente. Tal constatação não altera a competência da Justiça Estadual para o julgamento do delito em tela. o Exmo. p. ou de qualquer fato capaz de atingir bem. PRECEDENTES. julg. razão pela qual não se aplica o teor da Súmula n.que instituiu os juizados especiais cíveis e criminais no âmbito da Justiça Federal. serviço ou interesse da União. da Constituição da República./STJ. Conflito conhecido e para declarar competente o Juiz Federal da 1. ora suscitado.MG. pois o que restou modificada foi a interpretação que deve ser dada ao art. para o processo e julgamento do feito. previsto para a incidência do instituto da transação penal. III. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. (CC Nº 37. Unânime. a Exma. EXISTÊNCIA DE INTERESSE DA UNIÃO. 170) 07 .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 20. EMPRESA PÚBLICA FEDERAL. Nos termos do art. ÁGUAS DIVISORAS DE ESTADOS-MEMBROS. 2. CÉDULA FALSA. PROCESSUAL PENAL. p. 09/06/2003.Maio . IV. serviços ou interesses da União ou de suas entidades ou de suas empresas públicas. julg. Unânime. a teor do art. INAPLICABILIDADE DA SÚMULA N. 79 . sendo que. FALSIFICAÇÃO IDÔNEA. o Suscitado. 20. são divisoras de Estados-membros da Federação. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo Federal da 1ª Vara da Subseção Judiciária de Araçatuba-SP.04. 3ª S. da Constituição Federal.SP (2002/0117691-1). porquanto as águas em que foi perpetrada. julg. 1. GILSON DIPP. com a Lei nº 10. a prática delitiva. inc. 238) 08 . inc.2003 Em função do Princípio Constitucional da Isonomia. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL./STJ. ora suscitado. FURTO QUALIFICADO. em 11/06/2003.404 . 23/06/2003. na hipótese. 1. em 09. quando as infrações penais são praticadas em detrimento de bens.05. o Juízo Federal é competente para processar e julgar o feito. dependendo das circunstâncias. Rel. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da 2ª Vara Criminal de Uberlândia . CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA.RS (2001/0198982-1). a Exma.º 73 DO STJ. não há que se falar em falsificação grosseira. o limite de pena máxima.099/95.PENAL. 3ª S. em tese. 1. Min. DJ1 nº 108. JUÍZO FEDERAL E JUÍZO ESTADUAL. (CC Nº 34. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. DA CF/88. PESCA PREDATÓRIA COM UTILIZAÇÃO DE PETRECHO NÃO PERMITIDO. (CC Nº 37. Tendo o laudo pericial atestado que as cédulas falsificadas são de regular qualidade e que. Sr.304 .CRIMINAL. Ocorrência de equívoco na interpretação da lei por parte do Juízo Estadual. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.Junho . o interesse da União na lide. ART. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo Federal. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. In casu. Unânime. em 28. III. dentre os objetos furtados. 3. LAURITA VAZ. Min. DJ1 nº 117. 128) 09 . Min.

Hipótese em que deve ser restabelecida a sentença de primeiro grau de jurisdição. Sr. Recurso conhecido e provido. em 28. de criar anistia para os casos de pagamento parcelado do tributo. p. IMPORTÂNCIA SUPERIOR AO PATAMAR ESTABELECIDO NO DISPOSITIVO QUE DETERMINA EXTINÇÃO DOS CRÉDITOS. do art. nos termos do voto do relator. II . e extrapolando o limite anistiado.º 1. da Lei n. a Exma. III . à época da denúncia. Sr. CRIME PERMANENTE. ou mesmo integral após o início da persecutio criminis .70.CRIMINAL.212/91. Rel. 95.caso dos autos. OMISSÃO NO RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. Sra. nos termos do voto do relator. ESTELIONATO CONTRA O INSS. 16/06/2003. V . Min. PRESCRIÇÃO NÃO DECRETADA EM 2º GRAU. 5ª T.05. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. Hipótese em que o valor das contribuições previdenciárias não recolhidas ao INSS supera em muito o limite legal. DJ1 nº 108. (HC Nº 26. o Exmo.As sexta e sétima reedições da MP n.2003. 3ª S.RS (2003/0007542-2).Junho . das contribuições previdenciárias descontadas dos empregados .2003 (CC Nº 37. em hipóteses de pagamento integral do débito antes do oferecimento da denúncia. RECURSO ESPECIAL. I. I .919 . PAGAMENTO DO DÉBITO APÓS O RECEBIMENTO DA DENÚNCIA. NÃO APLICAÇÃO. ORDEM DENEGADA. não. FALTA DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS.390 .05. CESSAÇÃO DO RECEBIMENTO DAS PRESTAÇÕES INDEVIDAS. julg. Rel.04. como quer o impetrante. Decisão recorrida que não merece reforma. Unânime. 376) 12 .147. DJ1 nº 113. COM BASE NAS 6ª e 7ª REEDIÇÕES. 80 . em 22. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE. nos termos do voto do Relator. Min.2003. DJ1 nº 117. 238) 10 .A extinção da punibilidade do réu . em 13. ACERTO DA DECISÃO RECORRIDA.condenado pela falta de recolhimento aos cofres públicos. 5ª T. DA MP N. LAURITA VAZ.RS (2002/0051874-8). GILSON DIPP. 09/06/2003. não.CRIMINAL. III. 23/06/2003.Recurso provido. Unânime. Ordem denegada.571 limitaram-se a determinar a suspensão do disposto na alínea d. que exige sua regulamentação através de Lei em sentido estrito. por se encontrar em consonância com o entendimento desta Corte. Prazo prescricional não implementado. p. resultando em R$ 2.º 1. IV . IMPOSSIBILIDADE. p. e./STJ. o Exmo. Min. RECURSO PROVIDO.º 8. GILSON DIPP.2003.A Medida Provisória não é o instrumento normativo apropriado para dispor sobre Direito Penal. Conta-se o prazo prescricional da cessação do recebimento do benefício indevido e. II. do recebimento da primeira parcela da prestação previdenciária.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . O estelionato praticado contra a Previdência Social é crime permanente. Rel.CRIMINAL. Constatando-se que a importância que deixou de ser recolhida aos cofres do INSS é superior ao patamar estabelecido no dispositivo legal que determinou a extinção dos créditos oriundos de contribuições sociais.571./STJ. como conseqüência do princípio da legalidade./STJ. julg. julg. Unânime.com base em texto de Medida Provisória. 284) 11 . RECURSO ESPECIAL.Maio . TERMO INICIAL PARA A CONTAGEM DO LAPSO PRESCRICIONAL.SP (2002/0175307-3). deve ser afastada a aplicação do Princípio da Insignificância. (RESP Nº 433. HC.601 . PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. se mostra equivocada.

1 do Decreto nº 83. deferida em Ação Civil Pública.180-35. 1º-D DA LEI Nº 9. (AG Nº 2003. se. 5ª T. a crédito do segurado. p. o Exmo.1. FRAUDE E MÁ-FÉ. julg. 3. Unânime.RETENÇÃO NA FONTE DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE PAGAMENTOS ACUMULADOS.2003 (RESP Nº 319. DJ2 nº 119. 386 da INS nº57/2001.494/97./STJ.Salvo quando relativas a danos de âmbito local ou regional. RECONHECIMENTO TEMPO ESPECIAL. INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. INEXISTÊNCIA. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. 93 e 103 da Lei nº 8.180-35. se aplica apenas às execuções propostas a partir de sua vigência./TRF4./TRF4. pois acha-se elencado no código 1. 1. Precedentes desta corte. AGENTE FÍSICO.078/90. Se o laudo pericial atestam a habitualidade e a permanência da atividade insalubre . atenta contra o princípio da segurança das relações jurídicas e contra a coisa julgada administrativa. 04/06/2003. 786) 81 .A norma da Medida Provisória nº 2. Rel. mas exercida diuturnamente . que excluiu a fixação de honorários advocatícios em execuções contra a Fazenda Pública.211 . 09/06/2003. em 22. julg. julg. 5ª T. não lhe é devida a indenização a esse título.2003. MP Nº 2. 4.01. decorrente de tutela antecipada. Sr. não embargadas.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .é de ser reconhecida a especialidade do labor do segurado.muito embora sem o tempo exato de exposição.1 do Decreto nº 53. Min. 5. que deve ser interpretada em harmonia com os arts.I . 25/06/2003. é indevida a suspensão de aposentadoria por tempo de serviço operada pela Autarquia.04. salvo comprovada fraude e má-fé. O cancelamento de benefício previdenciário fundado tão-somente em nova valoração da prova e/ou mudança de critério interpretativo da norma. Se o conjunto probatório não demonstra a causa motivadora do cancelamento do benefício (ausência de comprovação do labor rural). Sr. Des.04. em 04. o Exmo.007957-0/RS. não obstante a redação dada ao art.Por força do art.347/85 pela Lei nº 9.2003.080/79 e no código 1. DJ1 nº 108. NOVA VALORAÇÃO DA PROVA.EFICÁCIA TERRITORIAL DE LIMINAR CONCEDIDA EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA.494/97.EXECUÇÃO NÃO EMBARGADA. p. Rel.RS (2001/0046611-7). Des. Indevido o desconto. p. III . INTERMITÊNCIA. I . Unânime. O agente nocivo calor detém o caráter de insalubre. CALOR. com previsão de aposentadoria aos 25 anos de serviço.01.831/64. 16 da Lei nº 7.PREVIDENCIÁRIO. (AC Nº 2003. pagos na época oportuna. ART. o Exmo. 2. II . II . HABITUALIDADE E PERMANÊNCIA. GILSON DIPP. não estivessem sujeitos a tal desconto. APOSENTADORIA ESPECIAL. DJ2 nº 105. em 30/04/2003. 285) TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO 01 . de 24/08/01.04. mantendo-se a coerência do sistema normativo. Rel. têm eficácia erga omnes e em todo o território nacional. Sr. deve o INSS se abster de reter na fonte o imposto de renda sobre pagamentos de benefícios acumulados ou atrasados.Junho . Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. Se o segurado não comprova a perda moral ou a ofensa decorrente do indeferimento administrativo. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. deve a autarquia depositar o respectivo valor.06.016376-2/PR.Maio . Unânime. 693) 02 .1. 5ª T. envolvendo interesses ou direitos individuais homogêneos. III . as decisões proferidas em ação civil pública pela Justiça Federal.

a concessão do benefício se justifica.ROTINA DE TRABALHO RURAL INALTERADA.004163-4/RS. esse fato não constitui óbice à concessão do benefício. Rel. Sr.02. 775) 82 . 1. Rel.É incabível o reconhecimento da atividade rural com base em prova exclusivamente testemunhal (Súmula nº 149 do Superior Tribunal de Justiça). Unânime. se retardada. 682) 06 . o Exmo. Se a segurada contribuiu como autônoma em período anterior ao prazo necessário para a obtenção do benefício de aposentadoria rural. ou por ser obrigado a trabalhar sem ter condições de saúde para tanto. 2 . e não sendo esta atividade computada para fins da concessão da aposentadoria estatutária. 5ª T. Unânime. Sr.O agricultor que. CONTRIBUIÇÕES COMO AUTÔNOMA. Sr.ADMISSIBILIDADE. Des. FEDERAL A A RAMOS DE OLIVEIRA. tendo a autora exercido simultaneamente atividade privada compatível com o serviço público. mesmo que com base em atestados médicos. (AC Nº 2000. Há que ser comprovada essa atividade. 25/06/2003. em 30.Maio . ou por se ver privado de sua fonte de sustento.081153-2/RS. A comprovação do exercício de atividades agrícolas pode ser feita por início de prova material complementado por depoimentos testemunhais idôneos.PREVIDENCIÁRIO . Unânime. no período correspondente à carência do benefício (arts./TRF4.71.UTILIZAÇÃO DE ATESTADOS MÉDICOS APRESENTADOS PELO SEGURADO . (AMS Nº 2001.2003. desde a data do requerimento administrativo.028955-0/RS. Des.PREVIDENCIÁRIO. Des.01.04. julg. para a obtenção da aposentadoria por idade.RURÍCOLA . 142 e 143 da Lei 8. INÍCIO DE PROVA MATERIAL. 25/06/2003. como o auxílio-doença.06. DJ2 nº 110.2003 03 .MANDADO DE SEGURANÇA . 1 . 5ª T.VEREADOR . em 10.213/91). ele tem direito ao benefício de aposentadoria rural por idade. Rel. II. DUPLA APOSENTADORIA.TEMPO DE SERVIÇO RURAL . da Lei nº 8. 807) 05 . POSSIBILIDADE. continua trabalhando em sua propriedade e comparece às sessões da Câmara Municipal apenas duas vezes por mês. DJ2 nº 119. PREENCHIMENTO DAS CONDIÇÕES. 2. TRABALHADOR RURAL.71. 49. julg.71. 25/06/2003.IMPOSSIBILIDADE DA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA . o Exmo. durante o exercício do mandato de vereador./TRF4. Federal NÉFI CORDEIRO. em 21. 6ª T. p. 3 .PREVIDENCIÁRIO . nos termos do art. 11/06/2003.Reconhecido o exercício das atividades agrícolas pelo segurado.PROVA . corroborada por prova testemunhal.04. APOSENTADORIA POR IDADE. Des. p. Preenchidos os requisitos de idade mínima e carência. 839) 04 .PREVIDENCIÁRIO. Não há vedação a concessão da dupla aposentadoria.Junho .2003. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. (AC Nº 2000. em 28./TRF4. APOSENTADORIA POR IDADE.O segurado não pode ficar desamparado em virtude de obstáculos de ordem interna do INSS e o mandado de segurança é o instrumento viável para evitar que lesão aos seus direitos se efetive.04. p.GREVE DOS FUNCIONÁRIOS DO INSS . Unânime. p.APOSENTADORIA POR INVALIDEZ .05. julg. julg. Sr./TRF4. 2 .213/91. 5ª T. não perde a qualidade de segurado especial.APOSENTADORIA POR IDADE . por início de prova material.2003. 1. 2. como meio de tornar efetiva a prestação jurisdicional que. o Exmo. DJ2 nº 119. o Exmo.Em questões que envolvem benefícios de natureza urgente.2003. 1 . (AC Nº 2001.05.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Federal DES.00.002835-4/RS. DJ2 nº 119. no turno da noite. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. Rel. causaria ao segurado um dano irreparável.

REMUNERAÇÃO INDIRETA. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. Des.PREVIDENCIÁRIO. INSALUBRIDADE RECONHECIDA. Apelação do INSS não conhecida.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . uma vez prestado o serviço sob a égide de legislação que o ampara. VIA COMPATÍVEL.Maio .523/96.01./TRF4. MOTORISTA DE CAMINHÃO. DJ2 nº 115.2003. APELAÇÃO DA PARTE-AUTORA CONHECIDA EM PARTE.831/64 e 83. bem como à comprovação das condições de trabalho na forma então exigida. 5. 1. enseja nova valoração de prova. 3ª S. Unânime. Sr. AVERBAÇÃO. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça e deste Tribunal.04. moradia e material de ensino (Súmula 96 do TCU com a redação vigente a partir de outubro/95). circunstância que. Rel. ALUNO APRENDIZ. 1.101851-3/RS. o segurado adquire o direito à contagem como tal. p. 657) 09 . CONCESSÃO DE BENEFÍCIO. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. Embargos infringentes desprovidos.2003. o que não se mostra possível após o transcurso daquele prazo. é devida a averbação do tempo de serviço reconhecido . O recurso de apelação não merece ser conhecido quando inova o pedido inicial. Rel. o que se dá inclusive mediante remuneração indireta .atividade penosa. até 13-10-96.EMBARGOS INFRINGENTES. CONVERSÃO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ.011500-2/SC. em 29. não se verificando. o Exmo. ATIVIDADE ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. é possível o reconhecimento da especialidade do labor no período pretendido (1990 a 1995) e a sua conversão para tempo de serviço comum.04. A autarquia previdenciária tem o prazo de 5 anos para a revisão dos seus atos. CANCELAMENTO DO BENEFÍCIO APÓS 20 ANOS./TRF4. para fins previdenciários. 83 . 2. 2. nesse limite. 11/06/2003. Insuficiente o tempo de serviço para a concessão da aposentadoria proporcional. 464) 08 . Relativamente ao enquadramento de atividade como especial. PROVA PRÉ-CONSTITUÍDA. 5ª T.aprendiz e especial. 7. porquanto existente prova pré-constituída. o Exmo.527/68.05. 18/06/2003. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. data imediatamente anterior à vigência da Medida Provisória nº 1. p.080/79. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. Provado exercício da atividade de motorista de caminhão . com exceção das hipóteses de fraude. Unânime. APELAÇÃO DO INSS NÃO CONHECIDA. Sr. ATIVIDADE ESPECIAL. Apelação da parte-autora conhecida em parte e.01.2003 07 . Não havendo necessidade de dilação probatória. quando comprovado vínculo empregatício durante o processo de aprendizagem.Junho .como alimentação. INEXISTÊNCIA DE FRAUDE. MANUTENÇÃO DO VOTO CONDUTOR. TELEFONISTA. 6. ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS PARA HOMENS E MULHERES. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL. MANDADO DE SEGURANÇA. julg.06. que revogou expressamente a Lei nº 5. em 04. julg. 3.PREVIDENCIÁRIO. afigura-se a via compatível do mandado de segurança. 1. DJ2 nº 110. O aluno-aprendiz tem direito a computar o período em que freqüentou cursos profissionalizantes. ENQUADRAMENTO POR CATEGORIA PROFISSIONAL. (AC Nº 2000. TEMPO DE SERVIÇO INSUFICIENTE. 4. parcialmente provida. quando trata de matéria estranha à lide e quando aborda matéria em que a parte recorrente não detém interesse recursal. Remessa oficial improvida. (EIAC Nº 1999. A categoria profissional de motorista de veículos de carga é presumidamente especial por enquadramento nos Decretos nºs 53.

Nos casos de aposentadoria especial. julg. (AC Nº 2001. 1 .Indevido o recolhimento das contribuições previdenciárias. A parte autora jus à concessão de aposentadoria por tempo de serviço quando preenchidos os requisitos dos artigos 52 e seguintes da Lei Previdenciária. 5ª T. 1. (REOAC Nº 1999.PREVIDENCIÁRIO . pois a partir de 14-10-96 seria exigível que houvesse laudo que trouxesse específica prova da penosidade ou insalubridade. condicionado ao recolhimento das respectivas contribuições previdenciárias.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 2 . 801) 12 . Federal NÉFI CORDEIRO.00.009195-4/SC. Comprovando o formulário emitido pela Empresa.APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO . estando o reconhecimento desse interregno como tempo de serviço. é devida a aposentadoria por tempo de serviço.72. julg.Junho .AUSÊNCIA . mormente se a prova produzida nos autos demonstra que isso era uma praxe da empresa. DJ2 nº 115. Unânime.213/91. o enquadramento das atividades por agentes nocivos deve ser feito conforme a legislação vigente à época da prestação laboral. a comprovação de tempo de serviço só produzirá efeito quando baseada em início de prova material.2003.CARIMBO DA EMPRESA . O reconhecimento da penosidade apenas pelo enquadramento em atividade especial somente é possível até 13-10-96. o desenvolvimento da atividade sob os efeitos de agente insalubre.71. 1 . 2 . HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS.2003.05. O período trabalhado como sócio-gerente exige filiação à Previdência Social. 3. julg.Maio .70. o Exmo.831/64 e 83. Rel. DJ2 nº 119. 3 . a ser complementado por prova testemunhal. Unânime. Sr. em conformidade com o disposto nos Decretos 53. p. Rel. DJ2 nº 119. 5ª T. Inexiste ofensa ao princípio da isonomia com a diferenciação das alíquotas de acréscimo ao tempo de serviço especial para homens e mulheres.CTPS . é possível o reconhecimento da especialidade do trabalho prestado. 6ª T. 25/06/2003. em 27. 6.A teor do artigo 55. 5. p.Hipótese em que o fato da empregadora efetuar o registro da CTPS sem aposição de carimbo não prejudica a demandante. § 3º da Lei 8. em 07.Se o conjunto probatório harmônico e coerente conduz à convicção da veracidade dos fatos alegados na inicial.05. Presentes os requisitos de tempo de serviço e carência./TRF4. o segurado tem direito ao benefício de aposentadoria por tempo de serviço. Des. é de se reconhecer o tempo de serviço postulado pela segurada e determinar o seu cômputo para fins de aposentadoria. em 09. uma vez que a igualdade deve ser observada em relação as situações iguais. Sr. Rel.04. 2.2003 2. e sua prova depende da regra incidente em cada período. Unânime. o Exmo. p.TEMPO DE SERVIÇO . 25/06/2003.2003. Des. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. de acordo com orientação do Conselho de Recursos da Previdência Social. Des./TRF4. o Exmo. SÓCIO-GERENTE. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.00.IRRELEVÂNCIA. 694) 10 . CONCESSÃO DE APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO.PREVIDENCIÁRIO .004580-7/RS.SÓCIO DE PESSOA JURÍDICA COMPROVAÇÃO.PREVIDENCIÁRIO. NECESSIDADE DE FILIAÇÃO À PREVIDENCIA SOCIAL E DO RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES. 818) 11 . Sr. 4.014455-7/PR.Presentes os requisitos legais./TRF4. 18/06/2003.080/79. (AMS Nº 2000. 84 .08.

entretanto. 9. e a partir de então. não opera efeitos retroativos. para comprovar a atividade rural. POEIRA. A partir do Decreto nº 2. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ESPECIAIS. 11. É firme o entendimento jurisprudencial de que os documentos apresentados em nome de terceiros (pai. AGENTE FÍSICO.2003 3. com previsão de aposentadoria aos 25 anos de tempo de serviço.2. marido. código 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 78/2002. Documentos públicos onde conste a qualificação do segurado como “agricultor” constituem início de prova material do exercício de atividades rurais para fins previdenciários. seja porque é inerente à informalidade do trabalho campesino a escassez documental. 5. Precedentes do STJ. o Exmo.172/97. autônomo ou equiparado. FUMO METÁLICO. do segurado empresário.10.Maio . APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. como especial. O enquadramento da atividade considerada especial faz-se de acordo com a legislação contemporânea à prestação do serviço. mediante a apresentação de laudo. o exercício da atividade rural. 25/06/2003. DJ2 nº 119. Os documentos arrolados no art. Nos termos do art. 106 da Lei nº 8. (AC Nº 1999.080/79. CONVERSÃO. seja porque se deve presumir a continuidade nos períodos imediatamente próximos. 2. até a edição do Decreto nº 2. Sr. 4.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .2.9 e no Anexo I do Decreto nº 83. julg. QUALIFICAÇÃO COMO “AGRICULTOR” EM REGISTROS PÚBLICOS. não há se falar em decadência. não é taxativa. A relação. os honorários advocatícios devem ser fixados no percentual de 10 % (dez por cento) sobre o valor da condenação. exige-se que a exposição permanente ao agente ruído seja acima de 90 dB. se não foi carreada aos autos prova técnico-pericial tendente a comprovar a exposição habitual e permanente do autor ao agente 85 .213/91 bastam. em 27. 6. Interpretação de normas internas da própria Autarquia.INSS. 181 da Instrução Normativa 78/2002 . eleva-se o limite de exposição para 90 dB. Federal TADAAQUI HIROSE.213/91. que alterou o seu regime jurídico. de modo que outros documentos ali não relacionados poderão também servir para a comprovação do labor rurícola. por si só. contanto que confortada por início de prova material. DOCUMENTOS EM NOME DOS PAIS. p. o recolhimento de contribuições previdenciárias em atraso somente quando requer administrativamente a contagem do tempo de serviço. esposa) são hábeis à comprovação do trabalho rural desenvolvido pelos outros membros do grupo que labora em regime de economia familiar.172/97 (05/03/97). Para que fique caracterizado o início de prova material. 834) 13 . Des.Junho . Sendo exigível.PREVIDENCIÁRIO.831/64.2003. código 1. O trabalho no qual o segurado tenha contato com fumos metálicos é considerado insalubre.032/95. 10. OPERADOR DE GUINDASTE. assim consideradas as parcelas devidas até a prolação da sentença.05. estando o referido agente arrolado no Decreto nº 53. 57 DA LEI 8. Nas ações previdenciárias. para que o tempo possa ser computado como especial. ano a ano.2. com previsão de aposentadoria aos 25 anos de tempo de serviço. O agente nocivo poeira detém o caráter de insalubre. 8.00./TRF4. Rel. PERCENTUAL MÍNIMO. ASSOCIAÇÃO DE AGENTES. eis que arrolado no Decreto nº 53. A Lei nº 9. RUÍDO. não é necessário que os documentos apresentados comprovem. 3. Unânime. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS. considera-se especial a atividade onde o segurado esteja exposto a ruído superior a 80 dB. 7.024638-4/RS. 4. 1.831/64. INÍCIO DE PROVA MATERIAL. É possível a comprovação da atividade rural por meio de prova testemunhal.11. 6ª T. código 1.71. REVOGAÇÃO DO §5º DO ART. filho. AGENTE QUÍMICO. Não é possível o enquadramento da atividade.

5ª T./TRF4. o fato de tratar-se de vínculo de trabalho entre pai e filho não impede o reconhecimento do respectivo tempo de serviço. AUXÍLIO-DOENÇA. § 5º. A desvalia do art. o Exmo. EMPREGADA DOMÉSTICA.PREVIDENCIÁRIO.05. p. Des. 5ª T. A possibilidade de que a medida concedida se torne irreversível não pode ser óbice intransponível para a antecipação de tutela. ao final. 801) 15 .A teor do § 3° do art. a conversão de tempo de serviço especial em comum.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .70.213/91. 55 da Lei n° 8. Unânime. CONCESSÃO DE BENEFÍCIO. 14. nos termos da redação original do art. mesmo depois de 28/05/98. 663) 16 . IRREVERSIBILIDADE DA MEDIDA. em 21. (AC Nº 2001. 5ª T. Na hipótese. como norma impeditiva da conversão de tempo de serviço especial. o Exmo. 3 .71. AUXÍLIO-DOENÇA. Rel.05. ainda que com a possibilidade. 28 da Lei nº 9. nem expressamente. Condicionar a tutela antecipada à prestação de caução seria o mesmo que inviabilizar o instituto em matéria previdenciária. nem tácita. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA. Des. RESTABELECIMENTO DE BENEFÍCIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. 57. submeter um doente de AIDS à volta forçada ao trabalho seria cometer contra ele uma violência injustificável. 86 . a comprovação do tempo de serviço para fins previdenciários só produzirá efeitos quando baseada em início razoável de prova material. ao vedar a conversão de tempo de serviço especial. (AC Nº 2001. E.2003. Sr.711/98. DJ2 nº 119. 2 . nem do agente nocivo nem da categoria profissional. 1 .002214-4/PR. haver-se-á de prestigiar aquele cuja redação seja a mais clara e consentânea com o sistema jurídico em que inserido. 13. o segurado tem direito ao benefício de aposentadoria por tempo de serviço. Rel. Unânime. de que a medida antecipatória venha.005038-6/RS. É possível. o Exmo. exorbitou do poder regulamentar.2003. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. 57. que não o revogou. Sr.APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO . 25/06/2003. Hipótese em que se impõe o sacrifício do direito que aos olhos do juiz pareça o “menos provável”. p. em 21/05/2003.006965-3/PR.04. Rel. segundo o disposto na Ordem de Serviço nº 600.Maio .Comprovada a prestação laboral.PREVIDENCIÁRIO . dispondo de forma a alargar indevidamente conteúdo da lei regulamentada (Lei nº 9. 04/06/2003. em tese. faz jus a parte autora ao benefício de auxílio-doença.032/95). TUTELA ANTECIPADA.70.Presentes os requisitos legais. DJ2 nº 115. PORTADORA DE HIV. julg.213/91. julg.Junho .711/98. 18/06/2003. Idêntica ilação se aplica quando não há enquadramento. julg./TRF4. da Lei nº 8. 636) 14 . tornar-se irreversível. Sr. Na colidência entre preceptivos legais. REQUISITOS PREENCHIDOS.2003 nocivo. Maioria. em pleno vigor.TRABALHO PRESTADO NA EMPRESA DO PAI . nos decretos regulamentadores. DOENÇA AFETIVA DO TIPO “TRANSTORNO BIPOLAR”.03. da Lei nº 8. A atividade profissional de operador de guindaste não se equipara à de motorista de caminhão por serem diversas as condições de trabalho. (AC Nº 2000. Embora a perícia médica judicial tenha atestado a capacidade laborativa do segurado. nos termos da redação original do art./TRF4. 12. DJ2 nº 105. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. LAUDO JUDICIAL. não se pode afastar a idéia de que a AIDS traz consigo a marca tenebrosa da “doença incurável”. prejudica também a exigência de percentual mínimo para dita conversão.COMPROVAÇÃO.213/91. 15. 16. Possível a conversão de tempo de serviço especial em comum.03. 28 da Lei nº 9. § 5º. em 30. O INSS.PREVIDENCIÁRIO. p. nada obstante a redação do art.

de forma parcelada. Em nosso regime processual de tutela coletiva. Com a volta do segurado à prisão. EMBARGOS À EXECUÇÃO. portadora de “doença afetiva do tipo ‘transtorno bipolar’ . SITUAÇÕES CONCRETAS. PRECEDENTE DO TRF/4ª. PROCESSO CIVIL.742/93.013898-6/RS. (AG Nº 2003.Maio . Unânime. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. 20. apenas às sentenças proferidas nos estritos limites das ações de controle concentrado de constitucionalidade. 5ª T.232-1. 87 . cada um perante o respectivo órgão competente./TRF4.04. Tais virtualidades são reservadas. impossibilitada de continuar exercendo normalmente a sua atividade habitual e necessitando de tratamento adequado.04. salvo caso de má-fé. DJ2 nº 110. § 3º. Rel. II. POSSIBILIDADE. apta a gerar efeitos sobre suportes fáticos futuros. no pedido de inconstitucionalidade dessa norma (ADIN nº 1. o INSS está autorizado a descontar dos benefícios os pagamentos além do devido. Se o laudo pericial não está datado o termo inicial do benefício a ser considerado é a data dos exames que evidenciaram a incapacidade. Sr. 4. do Decreto nº 3. 1. muito menos.05. 4. poderá ser pago com desconto no valor de. PREVISÃO LEGAL.213/91. 18/06/2003. 637) 18 . 11/06/2003. 5ª T.038739-8/SC. Unânime. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. pela Constituição. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.2003 Tratando-se de pessoa incapaz.01. 2. Relativamente ao § 3º do artigo 20 da Lei nº 8. Rel. A ação civil pública e a ação civil coletiva servem para estabelecer juízo de certeza sobre situações concretas. LEI Nº 8. conforme disposto no art. julg. julg. TERMO INICIAL.2003./TRF4. por medida antecipatória. DJ2 nº 105. Nos termos do art. INOCORRÊNCIA. o Exmo. impossibilitando a correta análise acerca dos descontos efetuados. Sendo o débito originário de erro da Previdência Social. PARCELAS DEVIDAS. decisão sobre a validade ou a interpretação de norma abstratamente considerada. (AG Nº 2003. AUXÍLIORECLUSÃO.04.Junho .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 671) 17 . 669) 19 . DJ2 nº 115. 154. OFENSA À ECONOMIA PÚBLICA.003941-8/PR. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. SUSPENSÃO E AGRAVO DE INSTRUMENTO. ART.01.episódio atual hipomaníaco”. Sr. o Exmo.232-1). p. II. a legitimação extraordinária restringe-se à obtenção de sentenças condenatórias genéricas.04. o Exmo. 28. julgou-o constitucional. 30% do benefício em manutenção. no máximo. é de se considerar aperfeiçoados os requisitos para o restabelecimento. Des. do auxílio-doença. p. p.742/93. mas apenas refere-se à possibilidade de ajuizamento concomitante de ambos. Des. AUXÍLIO-DOENÇA. as providências jurisdicionais necessárias ao ajuste da sua situação concreta. Rel.048/99.AGRAVO DE INSTRUMENTO. 04/06/2003. o Supremo Tribunal Federal. ADIN Nº 1. SIMULTANEIDADE DE PEDIDOS NA MESMA PEÇA. LEGITIMAÇÃO EXTRAORDINÁRIA. 3. reservando-se ao interessado promover./TRF4. 2. Unânime. o agravo de instrumento foi precariamente instruído. 5ª T. PREVIDENCIÁRIO. da Lei nº 8. em 30. 1.2003. Des. Hipótese em que. SENTENÇA CONDENATÓRIA GENÉRICA. é devido o restabelecimento do benefíxio de auxílio-reclusão. Sr. §§ 2º E 3º. CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE. ele próprio.AGRAVO. 3. 115. (AC Nº 2002.PREVIDENCIÁRIO. SUSPENSÃO DOS EFEITOS DE LIMINAR PARCIALMENTE DEFERIDA EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA.01. Nenhuma delas se presta a obter sentença de caráter normativo e. além de haver a previsão legal de desconto. A inicial não contempla simultaneamente pedido de suspensão e agravo de instrumento. em 21/05/2003. DESCONTO DO VALOR DO BENEFÍCIO RECEBIDO DURANTE O PERÍODO DE FUGA.

PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. 6./TRF4. 04/06/2003. A obrigação de fazer.01. Federal NÉFI CORDEIRO. durante o período de carência.ainda que imaginasse o magistrado estar dentro da competência federal delegada. não está vinculada ao trânsito em julgado da sentença. 2. Afastando-se o regime de economia familiar. É equívoco reduzir a execução de sentença a apenas uma de suas etapas. 6ª T. CANCELAMENTO ADMINISTRATIVO. julg. resta ausente o requisito de ser a atividade rural indispensável ao sustento familiar. o Exmo. DJ2 nº 105. julg. que contempla outras providências. (AG Nº 2002.2003 5. Sr. Restando comprovada atividade urbana como principal.Maio . AUSÊNCIA DE CITAÇÃO DA UNIÃO. o Exmo. Unânime. improvido. Por força do que dispõe a Súmula nº 61 desta Corte a “União e o INSS são litisconsortes passivos necessários nas ações em que seja postulado o benefício assistencial previsto no art. correto foi o cancelamento administrativo do benefício de aposentadoria rural. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. Des.04. não o é para a anulação de decisões de Juiz Estadual . p.PREVIDENCIÁRIO. A economia pública se vê ameaçada.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Des. POSSIBILIDADE. não se confunde com execução provisória. CUSTAS PROCESSUAIS. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA SENTENÇA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. O fato de o art. Rel. (AGS DE EXECUÇÃO DE LIMINAR Nº 2002. não sendo caso de delegação de jurisdição federal”. 88 . 20 da Lei nº 8. p. 5ª T. dispense a propositura de uma execução “ex intervallo” .2003. tendo em vista a situação econômica dos beneficiados. Rel. Embora.047337-0/RS. Rel. em 21/05/2003.052240-0/SC.01. julg. Des. A expedição do precatório. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. (AC Nº 2002.054307-4.213/91. em razão de estar conjugada com a obrigação de pagar. como a citação do executado para opor embargos e a decisão destes. Sr. 1. nessa parte. Maioria.70. FRAUDE. portanto. Embora seja o foro federal competente com exclusividade para o exame do interesse federal. Precedente da Corte Especial na SEL nº 2002.01. 1. Independe da expedição de precatório e. por ausência de trânsito em julgado da sentença. O fato de não se poder expedir o precatório ou requisitar-se o pagamento direto. e 2.pode. DESCARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR. assim como o art. Maioria. p. APOSENTADORIA RURAL POR IDADE. DJ2 nº 119. em 03. não representa o fim da execução provisória contra a Fazenda Pública.PREVIDENCIÁRIO. DJ2 nº 105. consubstanciada na implantação da nova renda mensal do benefício: 1. 854) 21 .06. em 22/05/2003.742/93. sem qualquer óbice.09. 2. Agravo parcialmente conhecido e. o Exmo.04. 25/06/2003.004500-1/PR. 04/06/2003.04. em regra. Sr. 128 da Lei nº 8. ATIVIDADE URBANA PRINCIPAL. ser objeto de execução provisória. DJU de 07-05-03. 100 da Constituição Federal dispor que os precatórios e as RPVs somente poderão ser formados à base de decisões definitivas (“sentenças transitadas em julgado”). se opostos. 7. Federal NYLSON PAIM DE ABREU. 638) 22 . RESTABELECIMENTO DE BENEFÍCIO. na medida em que o desembolso para cumprimento da liminar envolve quantias de remota e improvável reparação.Junho .pela natureza executiva contida na própria ação . 2./ TRF4. instituto mais amplo. que constitui a fase final e talvez a mais importante da execução. 402) 20 . OBRIGAÇÃO DE FAZER NÃO SUJEITA A PRECATÓRIO. 1. Corte Especial/TRF4. não impede que se promova a execução provisória.

O instituto da responsabilidade solidária não comporta benefício de ordem. o IGP-DI. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO IDÔNEA DE PAGAMENTO. Nos termos das Súmulas 43 e 148 do STJ. 128 da Lei nº 8. DJ2 nº 119. CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA. RESSALVA DE DESCONTO DE VALORES. p.2003.04.2003 3. 585) 24 .PREVIDENCIÁRIO. Rel.053/95) e. INPC (julho/95 a abril/96 . o INSS pode executar qualquer dos devedores. 4.MP 1. em 10. PRESUNÇÃO DE NÃO-OCORRÊNCIA. com a redação vigente na data do seu ajuizamento. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. Inexistindo no Cartório de Registro Civil registro de óbito do segurado.663-11/98 que foi convertida na Lei nº 9. posto que cada um deles responde in totum pela obrigação. até a Lei 9.Lei nº 8880/94). DJ2 nº 119. p. A ajuda de custo. 31 da Lei n. 89 . julg. Sra. AFASTAMENTO. até a MP 1. PERCENTUAL. 4.º 8. 1ªT. Unânime. EXPURGOS. SÚMULAS 43 E 148 DO STJ. 836) 23 . Rel. a Exma.00 (trezentos reais). A empresa tomadora de serviços deve lastrear-se das informações relativas à fiscalização do pagamento das exações devidas pelas empresas que lhe prestavam serviços. DIES A QUO./TRF4. 1.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . No entanto. LEI Nº 6.01. deve a parte-autora arcar com os honorários advocatícios no valor de R$ 300. 6ª T. Cessado administrativamente o benefício anteriormente à edição da Portaria 714/93. SÚMULA O2 DO TARGS. 3. 5. em 11.04. 5. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. AFASTAMENTO DAS SÚMULAS 32 E 37. JUROS DE MORA. não afasta a incidência da lei previdenciária. a correção monetária incide a partir da data do incorreto pagamento de cada parcela. com amparo na MP n° 1415/96 e sucessivas reedições. e alterações posteriores. 3.213/91.Junho ./TRF4.Lei 8.06.Maio .880/94). CORREÇÃO MONETÁRIA. CUSTAS. 25/06/2003. a empresa tomadora de serviços é igualmente responsável pelas contribuições previdenciárias incidentes sobre a remuneração dos empregados das prestadoras dos serviços. Improcedente o pedido. quando paga com habitualidade desnatura-se como tal e eqüivale a um verdadeiro salário.711/98. 2. excluindo da base de cálculo das contribuições. quando da quitação da nota fiscal ou fatura. PAGAMENTO ADMINISTRATIVO. Desa. Demanda isenta de custas processuais na forma do art. o Exmo. Unânime. desde que existente idônea comprovação. integrando o salário-decontribuição para fins de incidência de contribuição previdenciária 2. INDEXADORES. INEXISTÊNCIA DE REGISTRO DE ÓBITO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL. julg.034486-7/RS. cuja exigibilidade fica suspensa por ser beneficiária da Justiça Gratuita.EMBARGOS. (AC Nº 2002. O fato da Convenção Coletiva de Trabalho dispor sobre a natureza jurídica de tais verbas. Apelação e remessa oficial providas. 25/06/2003. exigindo. devidamente atualizado.2003. a partir de maio/96. Movendo-se contra a tomadora de serviços mediante lavratura de NFLD. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. Apuradas diferenças a menor no recolhimento da contribuição previdenciária. AJUDA DE CUSTO. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. pelos seguintes índices: URV de março a junho/ 94 . Conforme a redação original do art. a presunção é de que não tenha ocorrido o evento morte do segurado.01.212/91. cópia autenticada da guia de recolhimento quitada e respectiva folha de pagamento.06. Sr. 1. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO. IPC-r (julho/94 a junho/95 . resta apenas o direito regressivo da apelante contra as empresas por ela contratadas. CABIMENTO.899/91. não se pode falar que ocorreu o pagamento administrativo.137388-0/RS.711/98. MORTE DO SEGURADO. INEXISTÊNCIA DE EMBARGOS. (AC Nº 2000. assegura-se o desconto de valores eventualmente satisfeitos.

Rel. 1. I. Unânime. 6ª T.870/94. 695) 25 .Maio . 90 . alínea c. Restituição deve ser efetuada.04.870/94. DJ2 nº 115. PECÚLIO. nos termos do art. REVISÃO DE PENSÃO POR MORTE ESTATUTÁRIA.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . julg. COMPANHEIRA. sendo os valores das contribuições atualizadas pelos índices aplicados à poupança na época até a data do requerimento administrativo. 6. Des. Após. É direito ao recebimento pecúlio relativo às contribuições pagas período 20/jun/91 a 15/abr/94. pelos termos da Constituição recém promulgada. ainda que a executada seja a Fazenda Pública. (QOAC Nº 97. No caso. p. data vigência Lei 8. 3. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.PREVIDENCIÁRIO. em 27. O entendimento desta Turma é de que são cabíveis honorários advocatícios nas execuções por título judicial .22798-1/SC. VALOR A RESTITUIR.041581-0/RS. Apelação e reexame necessário improvidos.807/60./TRF4.01. Havendo manifestação do Tribunal de Justiça.04.de ex-servidor do Ministério da Educação -. da Constituição Federal. 2. Sr.04.Junho .embargadas ou não. 2. LEI 8. p. (INPC até abr/96 e de maio/96 em diante pelo IGP-DI). As disposições que protegem os companheiros. que não estendia o direito ao pensionamento aos companheiros. 105. D. (AC Nº 2001. 693) 27 . Os juros de mora incidem sobre cada diferença decorrente da aplicação da correção monetária. ATUALIZAÇÃO. julg. o efeito futuro é a inclusão de uma nova classe como dependente. CF/88.2003. DJ2 nº 115.ainda que imaginasse o magistrado estar dentro da competência federal delegada. desde o seu início.QUESTÃO DE ORDEM. constata-se o conflito negativo entre Tribunais que.06. Rel. 3. p. 1. deverá ser decidido pelo Superior Tribunal de Justiça. Federal NÉFI CORDEIRO. PRINCÍPIO DA RETROATIVIDADE MÍNIMA. DJ2 nº 115. 18/06/2003. 18/06/2003. em 10.2003 4. aplicam-se com efeito retroativo. RECUSA DO INSS AO PAGAMENTO DAS PARCELAS PERÍODO 20/JUN/91 A 15/ABR/94. (AC Nº 2000. DECLINATÓRIA PELO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. ART. alcançando os efeitos futuros de fatos passados. e até o pronto pagamento a atualização será feita pelos índices oficiais. PENSÃO POR MORTE. não se pode pretender a incidência das mesmas na conta executada. 1. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI.2003. em 29. Tratando-se de demanda que visa à revisão de pensão estatutária . que fazia jus ao benefício. 6ª T. reconhecendo a incompetência da Justiça Estadual. No caso da pensão há a incidência da chamada retroatividade mínima . a competência absoluta para a causa é da Justiça Federal. 18/06/2003.2003. CONFLITO NEGATIVO PARA O STJ. julg. não o é para a anulação de decisões de Juiz Estadual .PREVIDENCIÁRIO.que em síntese define que certos dispositivos constitucionais têm vigência imediata. 2. 5. são devidos honorários advocatícios de 10% ( dez por cento ) sobre o montante das parcelas vencidas até a data da sentença. Sr. Quando sucumbente o INSS. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. 105. Rel. CRITÉRIOS. Embora seja o foro federal competente com exclusividade para o exame do interesse federal. 6ª T. o Exmo. Encontrando-se as diferenças apuradas fora do lapso temporal abrangido pelas Súmulas 32 e 37 desta Corte. Unânime.01.04. Maioria. o Exmo. o Exmo. APLICAÇÃO RETROATIVA DA DISPOSIÇÃO CONSTITUCIONAL QUE PROTEGE A UNIÃO ESTÁVEL.05. elevadas ao patamar constitucional após tortuoso caminho. 3. I./TRF4. inclusive sobre pensão por morte iniciada sob a regência da Lei 3. Sr. 722) 26 .057040-8/PR./TRF4.

PREVIDENCIÁRIO. Sr. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI.04. 1. (AC Nº 2000. 2. incidindo a partir da data em que deveria ter sido paga cada parcela.Lei Complementar 156/97. PERÍODOS INTERCALADOS.143113-1/SC. Rel. ambas do Estado de Santa Catarina.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .2003. Rel. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA. Rel. o benefício da pensão por morte só pode ser deferido para a mãe. SUCUMBÊNCIA. são devidos no percentual de 10% sobre o valor das parcelas vencidas até a data da prolação deste julgado. Segurado empresário que trabalha em períodos intercalados deve contribuir para a Previdência Social sobre os meses em que recebeu remuneração. Embora assegurados os direitos do nascituro. e não mero auxílio nas lides agrícolas.04. o Exmo. Os juros moratórios são devidos à razão de 1% ao mês.05. Sr. PENSÃO POR MORTE DO PAI. ÓBITO ANTERIOR AO NASCIMENTO DA FILHA. 5ª T. surgindo apenas com seu nascimento. DJ2 nº 105. DJ2 nº 110. 04/06/2003.528/97 (art. Não se aplica aos beneficiários absolutamente incapazes o termo inicial da Lei nº 9. 74.PREVIDENCIÁRIO./TRF4. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. Sr. 5ª T. Unânime./TRF4. excluídas as parcelas vincendas. PRESCRIÇÃO. FILHO. 4. p. (AC Nº 2000. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. Rel. Os honorários advocatícios. julg.14. com a nova redação dada pela LC 161/97. 3. Persistindo a qualidade de segurado defere-se a pensão à sua cônjuge na condição de dependente. 18/06/2003. 11/06/2003.073016-3/RS. 5. TERMO INICIAL. SEGURADO INDIVIDUAL OBRIGATÓRIO. 664) 29 . julg. Mesmo que não se exija prova da dependência econômica exclusiva./TRF4. Quando sucumbente.Maio . em 28. p. 688) 28 .2003. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. (AC Nº 2000. julg. o INSS é responsável pelo pagamento da metade das custas quando demandado na Justiça Estadual de Santa Catarina .PREVIDENCIÁRIO. Unânime. o Exmo. (AC Nº 2001. pelos índices oficiais. p. TRABALHADOR RURAL. 1. PENSÃO POR MORTE. em 28/05/2003. já que travestida forma de prescrição pela inércia do titular do direito.899/81. Apelação provida. a cargo do INSS. na forma das Súmulas 204 do STJ e 03 do TRF da 4ª Região e precedentes do Superior Tribunal de Justiça.2003 4.01. a teor da Súmula 111 do STJ e conforme entendimento pacificado na Seção Previdenciária deste TRF. p. em 13. nos termos das Súmulas 43 e 148 do STJ. Não efetuado o pagamento possibilita-se os valores das contribuições e acréscimos serem compensados com o benefício. 5. DJ2 nº 105.Junho . INEXIGIBILIDADE DE CARÊNCIA. Unânime. AUSÊNCIA DE PROVAS. se comprovado que o filho falecido. a contar da citação.2003.01. A correção monetária deve ser calculada na forma prevista na Lei n° 6. Maioria. fixado na data do requerimento administrativo. trabalhador rural. 7.05.101358-8/RS. o Exmo. EMPRESÁRIO. 701) 30 ./TRF4.71. RECOLHIMENTOS NÃO EFETUADOS. julg. Apelação do INSS improvida. 04/06/2003. 6. II). o direito a alimentos é personalíssimo. 734) 91 . CONCESSÃO DEFERIDA. aplica-se o comando da Súmula 02 do TARGS c/c Súmula 20 do TRF da 4ª Região. 6ª T. em 27.001031-0/RS. 8.01.04. 6ª T. Remessa oficial parcialmente provida. PENSÃO POR MORTE. Sr. prestava um efetivo auxílio econômico para a família.05. devendo as custas processuais a cargo do INSS serem pagas por metade. Às ações previdenciárias tramitadas na Justiça Estadual do Rio Grande do Sul. DJ2 nº 115. o Exmo. 2.

UNIÃO ESTÁVEL NÃO CONFIGURADA. Rel. DJ2 nº 115. PENSÃO POR MORTE. Se a antecipação dos efeitos da tutela é deferida com apoio na documentação acostada à exordial. em 03. 226.067298-2/RS. não há que se falar em convivência more uxório.2003. deve arcar com os ônus sucumbenciais. Apelação e remessa oficial providas. 729) 33 . 732) 32 . Honorários advocatícios fixados em R$ 250. 18/06/2003. 1º da Lei nº 9. INCLUSÃO DE DEPENDENTE. sendo condenado também nos honorários advocatícios. RECONHECIMENTO DO PEDIDO. Tendo robusta prova testemunhal no sentido de que habitavam a mesma moradia apenas por conveniência. desde que comprovada a união estável entre eles quando do infortúnio. em 10. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 2.06. p. CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE DE EX-CÔNJUGE. Rel. CASO CONCRETO. p. in casu. Complementados os documentos e realizada administrativamente a revisão. A verificação muito posterior da deficiência de comprovantes salariais não possibilita direta e sumária redução do valor do benefício pago. PENSÃO POR MORTE. DA CF/88 E ART. 1. Des. §3º./TRF4. INDÍGENA. p.04. 3. Unânime. o Exmo. PROVA NO SENTIDO DA HABITAÇÃO EM COMUM POR CONVENIÊNCIA.PREVIDENCIÁRIO. Sr.06. NÃO CARACTERIZAÇÃO DE REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR.PREVIDENCIÁRIO. 226. Apelação improvida. 3./TRF4. julg. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. 6ª T.01.278/96. da CF/88 e art. 1. restando suspensa sua exigibilidade em face da gratuidade de Justiça. Unânime. 1. às vezes.076083-4/RS. Hipótese em que a perda do chefe da 92 . pois não preenchidos os requisitos do art. Sr. o Exmo. 6ª T. (AC Nº 2001. PENSÃO POR MORTE.278/96.71. cabível o provimento antecipatório. 2. DJ2 nº 115. 18/06/2003. à época do óbito. em 10.2003.01.003995-0/RS.04. PROCESSO CIVIL. 18/06/2003. por ter dado causa à demanda. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. Demais requisitos prejudicados. (AC Nº 1999. insuficiente até mesmo para a sua própria subsistência. Não caracterizado o regime de economia familiar. Sr.PREVIDENCIÁRIO. 2.1º DA LEI Nº 9. PREVIDENCIÁRIO. ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA. INTELIGÊNCIA DO ART. 3. o Exmo. §3º. O INSS. 6ª T. para concessão da pensão por morte. pela parte-autora.2003. Rel./TRF4. MANUTENÇÃO.06. (AC Nº 2001. não é cabível rever decisão referente a matéria de fato sem o exame da íntegra desse conjunto probatório.00. torna-se necessário a comprovação do recolhimento das contribuições na condição de equiparado a autônomo.04. resta configurado o reconhecimento do pedido quanto ao valor do benefício. separados judicialmente a autora e o de cujus.AGRAVO DE INSTRUMENTO.Junho . sendo.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . O fato de estarem. RECÁLCULO DO VALOR.2003 31 . não impede o reconhecimento do direito ao benefício de pensão. Federal NÉFI CORDEIRO. o que não ocorreu. julg. 2. 1. DJ2 nº 115. Presentes os pressupostos necessários à concessão do benefício. A agricultura dos indígenas é de natureza precária e notória miserabilidade. Unânime. NÃO COMPROVAÇÃO DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÃO NA CONDIÇÃO DE EQUIPARADO A AUTÔNOMO.Maio . 3. devendo ser indeferido o pedido. com base na qual o juiz forma sua convicção. 721) 34 . julg.

LEI NOVA . que para a falecida era de 6 meses. 5ª T. julg. 4. à saúde. não é óbice à antecipação da tutela. na forma do art. p. 11/06/2003.72.2003.01. Des.2003. DJ2 nº 119. sem o auxílio de empregados ou prepostos. Quando sucumbente o INSS. são devidos honorários advocatícios de 10% ( dez por cento ) sobre o montante das parcelas vencidas até a data da sentença. em 30. 6ª T. em 10. FACULTATIVO. Ausente ao início da ação a verossimilhança dos requisitos necessários ao benefício. 35 DA LEI 8. ser complementada por prova oral que bem demonstre os demais requisitos da condição de segurado especial. 670) 35 . (AG Nº 2003.04. em 28. Apelações e remessa oficial improvidas. 3. 3ª S. Sr.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . 5. VALORAÇÃO DA PROVA. p. MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO. Rel. 11/06/2003. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. é irrelevante que a filiação à Previdência Social ocorra depois de iniciada a incapacidade do segurado falecido. PENSÃO POR MORTE. Sr. 4. DJ2 nº 110. Rel./TRF4. 3. em matéria previdenciária ou assistencial./TRF4.01. CONCESSÃO.2003.000961-3/SC./TRF4. 93 .Maio . 1. NÃO COMPROVAÇÃO. um braço a mais para o labor.Junho . 1.05. o autor faz jus ao benefício desde a época do óbito. 18/06/2003. Se o óbito ocorreu dentro do período de graça.PENSÃO POR MORTE . Unânime. A irreversibilidade do provimento. (AC Nº 2000. em pequena embarcação. Rel. o Exmo. Unânime. em 27. AGRAVO DE INSTRUMENTO. DOENÇA PREEXISTENTE. Federal NÉFI CORDEIRO.04. como segurado especial. dificulta a manutenção da sua companheira. 5ª T.PREVIDENCIÁRIO. 735) 38 . AUSÊNCIA DE PROVA TESTEMUNHAL. o Exmo. 666) 37 . A Lei nº 9. meramente econômica.2003. 554) 36 . Des. 4. FIXAÇÃO DE ACORDO COM O ART. que necessita do benefício de pensão por morte para sobreviver. Unânime. p. julg. (AG Nº 2002. PENSÃO POR MORTE. 2. exige demonstração de seu desenvolvimento como fonte de subsistência. CASO CONCRETO.035/95 deve incidir imediatamente sobre todos os benefícios de pensão. Des. Agravo provido.05. p.74.PREVIDENCIÁRIO. sempre que a efetiva proteção dos direitos à vida. PERÍODO DE GRAÇA. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. DJ2 nº 115. IMPOSSIBILIDADE. HONORÁRIOS. Precisa a prova documental de que se tratava de pescador profissional.INCIDÊNCIA. julg.04.006998-8/RS.PREVIDENCIÁRIO . o Exmo. inciso VI da Lei 8.04.04./TRF4. A comprovação de recolhimento de contribuições durante mais de dois anos comprova a vinculação da de cujus ao RGPS 2. pois. PENSÃO POR MORTE. nos termos originais do art. Para efeitos de pensão.213/91. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. da referida Lei. Maioria. o Exmo. PROVA SUFICIENTE. INSCRIÇÃO.PREVIDENCIÁRIO. independentemente da lei vigente à época em que foram concedidos. resta como indevida a antecipação de tutela. 25/06/2003.05. ATIVIDADE DE PESCA ARTESANAL. majorando os respectivos coeficientes para 100% do salário de benefício. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. DJ2 nº 110.002031-4/PR. Sr. Sr.065725-7/PR. AUSÊNCIA DE PROVA DOS SALÁRIOS-DE-CONTRIBUIÇÃO.15. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. julg. A atividade de pesca artesanal.01. (EIAC Nº 2001. Rel.213/91. à previdência ou à assistência social não puder ser realizada sem a providência antecipatória. I.2003 família.

Federal NÉFI CORDEIRO. 4. por si só. SENTENÇA PROLATADA EM RECLAMATÓRIA TRABALHISTA. 749) 40 . (AC Nº 2001. 693) 41 . DJ2 nº 105.AGRAVO DE INSTRUMENTO. ficando suspensa. é lícito concluir que a renda obtida com o cultivo agrícola. Unânime. da Lei 8. Para a concessão da pensão por morte. 5. A prescrição não pode ser reconhecida de ofício. 04/06/2003.060976-7/SC.2003. encontram-se prescritas as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação.01. PREVIDENCIÁRIO.213/91. 841) 39 . em 1966. DJ2 nº 105. CUSTAS PROCESSUAIS. Des. 4. pois refoge ao seu poder. prestava-se a mera complementação de renda.2003. PENSÃO POR MORTE. ARRENDAMENTO DE PARTE DO IMÓVEL. 3. em 29.PREVIDENCIÁRIO. ônus que não pode ser imputado à parte autora. 103. julg. Presentes os pressupostos necessários à concessão do benefício. TRABALHADORA RURAL. uma vez que deve haver demonstração de que o fruto dessa atividade era indispensável à manutenção da família. PRESCRIÇÃO. 1. 2. 1.01. Rel.01. Início de prova material fartamente corroborada pela testemunhal. p.2003 1.Maio . 2. Sr. p.213/91. o Exmo. Unânime. Apelação provida. 25/06/2003. não é suficiente para caracterizar o regime de economia familiar.06. NÃO COMPROVAÇÃO DA CONDIÇÃO DE SEGURADA ESPECIAL. deve o julgador estar atento às peculiaridades do caso concreto./TRF4. Nos termos do art. Ante a ausência de possibilidade de comprovação dos salários-de-contribuição referentemente ao período compreendido entre 1946 até 1951. em 10. Sr./TRF4. em regime de economia familiar. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL.04. Apelação do INSS e remessa oficial providas. COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO LABORAL DO DE CUJUS (EX-SEGURADO). parágrafo único. p. DJ2 nº 119. EFICÁCIA PROBATÓRIA.213/91.04. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. 5ª T. o que inviabiliza o reconhecimento da condição de segurada especial à segurada falecida. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. Unânime. 94 . incide o art. (AC Nº 2001. 35 da Lei 8. julg.04. devendo ser concedido o benefício de pensão. em 28. 6ª T. juntou-se aos demais Institutos e formou o INPS.PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO POR MORTE. 1. PENSÃO POR MORTE. O simples fato do casal trabalhar nas lides agrícolas. que. os quais perfazem lapso aproximado de 20 anos.528/97. o termo inicial do benefício é a data do óbito. mesmo quando em favor da autarquia previdenciária. IMPOSSIBILIDADE.Junho . RECONHECIMENTO DE OFÍCIO. o Exmo. 6ª T. Por se tratar de óbito na longínqua data de 1951./TRF4. Rel. devendo a prova ter sido extraviada. 3. 5. Inteligência do artigo 74 da Lei nº 8. cabe-lhe o pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios. 2. Não faz o autor jus a pensão postulada. Sr. sendo irrelevante o momento do pedido administrativo. porém. fixando-se o benefício em um salário-mínimo mensal. Sucumbente a parte-autora. bem assim porque o de cujus fazia parte do extinto IAPC. 04/06/2003. Rel.021256-2/RS. o Exmo. julg. Juiz Federal CARLOS CERVI. cabível o provimento antecipatório.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . quando o óbito se deu anteriormente à Lei 9.04.001179-5/PR. Provindo grande parte da renda familiar de sucessivos contratos de arrendamentos. (AC Nº 2002.2003. a exigibilidade do pagamento por ser beneficiária da Justiça Gratuita. estes no percentual de 10% sobre o valor atualizado da causa.05. TERMO INICIAL.

que regulou o § 3º do art. Des. ser determinada qualquer compensação. 25/06/2003. o Exmo. o Exmo. REVISÃO DE BENEFÍCIO. PAGAMENTO ADMINISTRATIVO INDEVIDO. p. 841) 43 . 6ª T. não se cogita de reexame necessário.2003 2. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. PENSÃO.2003. julg. Des. 128 da Lei nº 8.213/91. em 20/03/2003. Sr. cabendo ao órgão pagador tomar as medidas adequadas administrativamente. 3. A lei nº 10.Junho . nos termos do art. Em verdade as disposições sentenciais relativas a honorários e custas versam sobre simples consectários que não têm necessária ligação com a matéria de fundo. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. bem como no caso de improcedência dos embargos do devedor opostos em execução fundada em título judicial.057524-1/RS. MATÉRIA ESTRANHA.PREVIDENCIÁRIO. 100 da CF/88. nos salários de contribuição componentes do PBC. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. PROCESSO CIVIL. Se a questão da compensação de pagamento administrativo efetuado indevidamente já foi afastada no processo de conhecimento. DJ2 nº 105. não há mais falar em saldo remanescente. 3. em processo simulado. 11/06/2003. Conforme precedentes desta Corte. EMBARGOS./TRF4.039895-5/PR. 648 42 . DJ2 nº 119. Unânime. 1. PERCENTUAL. em 23. IMPOSSIBILIDADE DE COMPENSAÇÃO. que pode ser pago independentemente de expedição de precatório e que implica quitação total do débito. 2. Uma vez feita a opção pelo pagamento direto do crédito. PREVIDENCIÁRIO.AGRAVO DE INSTRUMENTO.04. agora. Maioria.05./TRF4. Unânime. 128 da Lei nº 8. ART. 04/06/2003. p.04./TRF4. ART. Deve ser aplicada. em 13. 5ª T.04. menores de idade. Tais efeitos só não se produzem naquelas hipóteses em que a reclamatória caracteriza mero artifício para forjar tempo de serviço fictício. 2. o Exmo. INVIABILIDADE. 4. 128 DA LEI Nº 8. 5ª T. (AG Nº 2002. 1. julg. LEI Nº 10. resulta daí a conclusão de que não cabe reexame quanto a tais rubricas do ato sentencial.01.PREVIDENCIÁRIO.01. APRECIAÇÃO EM SEDE DE REEXAME NECESSÁRIO. Rel. Sr.213/91. 2. 685) 44 . 21 e § 1º). DJ2 nº 110. § 3º. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. 3. QUITAÇÃO DO DÉBITO. uma vez feita a opção por essa forma de pagamento. não poderia. a teor dos precedentes desta Casa e do Egrégio STJ. nos embargos. A base de cálculo da verba honorária são as parcelas vencidas até a prolação da sentença. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS E CUSTAS. 100. Hipótese em que o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação restou configurado pela dificuldade econômica enfrentada pelas autoras. p. A autora tem direito ao recebimento da prestação jurisdicional com a execução completa do julgado. a correção monetária integral.2003. julg. (AG Nº 2002.213/91. VERBA HONORÁRIA. art. INTEMPESTIVIDADE INEXISTENTE.259/2001. A jurisprudência consolidou o entendimento de que no caso de extinção do processo sem apreciação do mérito. apenas ampliou para 60 (sessenta) salários mínimos aquele valor previsto no art. (AC Nº 2001. A juntada da carta precatória marca o dies a quo para o prazo dos embargos. Como em muitos destes casos há condenação da Fazenda Pública ao pagamento de honorários e custas (ou quando menos ao reembolso destas).Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Sr.04. para o recebimento do pagamento indevido.Maio . A decisão proferida em processo trabalhista plenamente contencioso produz efeitos externos.259/2001. 1. porque ligados estão 95 .056405-3/RS. PAGAMENTO SEM EXPEDIÇÃO DE PRECATÓRIO. incluindo-se o IRSM de fevereiro de 1994 (Lei nº 8. Rel. a verba honorária é devida no percentual de 10% do valor da causa.01.880/94. Rel. DA CF/88.

julg./TRF4. É constitucional o índice de 7. 5ª T.PREVIDENCIÁRIO. não há impedimento à complementação de contribuições inicialmente recolhidas na classe 05.72. REVISÃO DE BENEFÍCIO. 04/06/2003. Rel. DJ2 nº 115. apreciar questões ligadas a honorários advocatícios as custas. desde que comprove o 96 . e veio a ser aposentado por invalidez.213/91. REVISÃO DE BENEFÍCIO. 682) 47 . (AC Nº 2002.000663-6/RS. Sr.014616-8/RS. Recolhimento complementar anterior à data de início do benefício. Federal NÉFI CORDEIRO. p. 772) 45 . Unânime. (AC Nº 2002. 5ª T./TRF4. Unânime. em 11.05. Sendo possível a progressão na escala de salários-base.66%).04. Assim. em sede de reexame.Maio .Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Rel. DJ2 nº 110. 715) 46 .2003.PREVIDENCIÁRIO . DJ2 nº 119. p. Rel. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. p. 6ª T. ÍNDICES LEGITIMAMENTE ESTABELECIDOS. devendo os salários-de-contribuição ser integralmente considerados no cálculo do salário-de-benefício. para a segurada especial é garantida a concessão do salário-maternidade no valor de 1 (um) salário mínimo. Sr.SALÁRIO-MATERNIDADE ./TRF4.07.02.06. REAJUSTAMENTOS EM JUNHO/97.112363-1/SC.PREVIDENCIÁRIO . p. Unânime. 25/06/2003. julg. Sra.824/99 e 2. 5ª T. de modo a implicar automática alteração da repartição dos ônus sucumbenciais. e junho/2001 (7. o Exmo. 2. Juíza Federal ELIANA PAGGIARIN MARINHO. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.DIREITO AO BENEFÍCIO . junho/2000 (5. Rel.01. julg. JUNHO/99.000543-2/SC.71. em 21. o Exmo. o Exmo.2003. 39 da Lei 8.O trabalhador que esteve momentaneamente desempregado. 774) 48 . DJ2 nº 105. Unânime. (AC Nº 2001. julg. (AC Nº 2003. DJ2 nº 119.SALÁRIO-FAMÍLIA .2003.213/91. 1) Esposa de segurado que mantém a qualidade de dependente.RURÍCOLA. 2 . salvo se houver modificação da sentença.2003. REAJUSTE ADMINISTRATIVO. Des. 5ª T. 11/06/2003.A expressão “segurado empregado” contida no caput do artigo 65 da Lei nº 8. Sr. Juiz Federal RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA. Des.06. em 14/05/2003. orientação a ser seguida também em relação aos reajustes de junho/99 (4.81%).EXEGESE DO ART.A teor do parágrafo único do art. JUNHO/01. Rel. DEPENDENTE DE SEGURADO NÃO TEM DIREITO AO SALÁRIOMATERNIDADE. e pelo Decreto nº 3. 1 . JUNHO/00. em razão de doença.Junho . 697) 49 . 2) Apelação improvida. Unânime./TRF4. 18/06/2003.76% previsto pela Medida Provisória 1572-1/97 para o reajuste dos benefícios previdenciários em junho de 1997.04. para que atinjam a classe 06 da escala de salários-base.826.01. Sr.61%). (AC Nº 2000.05. em 04. 65 DA LEI Nº 8. efetuados mediante a utilização de índices legitimamente estabelecidos pelas MP’s 1. de 31/05/2001. COMPLEMENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES. em 27. quanto ao direito material. Apelação e Remessa oficial improvidas.008798-2/RS. julg. 1. a Exma. por força do reexame. tem direito ao benefício de salário-família. 25/06/2003. ou em gozo de auxílio-doença.213/91 diz respeito a uma das categorias de segurados obrigatórios da Previdência Social.PREVIDENCIÁRIO.04. p.01. o Exmo.DESEMPREGADO .PREVIDENCIÁRIO. não tem direito ao saláriomaternidade.022/00. resta vedado ao Tribunal. 1 .2003 ao destino do processo e não ao da lide de direito material./TRF4.

21 do CPC 6. ainda que de forma descontínua. julg. emitidos em nome do pai e do próprio autor são documentos suficientes para caracterizar a prova material exigida pela legislação previdenciária para comprovação da atividade de pescador. Apelação improvida. A atividade pesqueira. 2. 1. A lei vigente por ocasião do exercício da atividade é que deve ser observada para efeitos de conversão do tempo de serviço especial para comum. em 21. MANUTENÇÃO. 3. ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA. nos termos do art. independentemente do recolhimento das contribuições previdenciárias. Há que ser comprovada essa atividade.É incabível o reconhecimento da atividade rural com base em prova exclusivamente testemunhal (Súmula n. p. 692) 51 . DJ2 nº 105. mesmo que ainda não exista o direito adquirido à aposentadoria. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. 2 . em 04.01.007754-7/RS. PREVIDENCIÁRIO.2003. (AC Nº 2000.138901-1/SC.07. cabível o provimento antecipatório. por início de prova material. O inciso VI do art.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril .Maio . o salário-maternidade depende da comprovação de carência.213/91. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA. Des.04. IDADE MÍNIMA. 3. apenas está diferenciando a situação dessas seguradas em relação a das seguradas especiais e avulsas. nos 12 meses imediatamente anteriores ao do início do benefício. 672) 50 . Rel. (AG Nº 2003.PREVIDENCIÁRIO.Comprovado o exercício das atividades rurais pela segurada nos doze meses anteriores à data do nascimento de seu filho./TRF4.213/91. ela que faz jus à percepção dos proventos correspondentes ao benefício de salário-maternidade. p. 04/06/2003. Se a autora. corroborada por prova testemunhal. trabalhadora avulsa e empregada doméstica independentemente de carência. Presentes os pressupostos necessários à concessão do benefício. não obstante esteja desempregada. é considerada especial a atividade cujo nível de ruído é superior a 80dB. A apresentação de cadastro escolar e declaração de Colônia de Pescadores. Unânime. Unânime. Unânime. 2. REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR. Rel. Sr. Des. ainda mantiver a condição de segurada obrigatória. 71 E 26. 25. 18/06/2003.70.06. Sendo o caso de sucumbência recíproca. 657) 97 . ao dispor que o benefício de salário-maternidade é devido às seguradas empregada./TRF4. Rel. DA LEI Nº 8. 71 da Lei nº 8.º 149 do Superior Tribunal de Justiça). Remessa oficial parcialmente provida. Sr. CONVERSÃO DA ATIVIDADE ESPECIAL. 4. em 30/04/2003. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. o Exmo.002307-6/PR. RUÍDO. 5. DJ2 nº 115. data do Decreto 2172./TRF4. fará jus ao benefício de que trata o art. 3 . quando do nascimento da criança. 1. 5ª T. admite-se a compensação dos honorários na forma do art. Até 05 de março de 1997.05. julg. PROCESSO CIVIL.Junho .213/91. p. o Exmo.2003 exercício de atividade rural. VI. para as quais. SALÁRIOMATERNIDADE. Sr. DJ2 nº 115.01. (AC Nº 2000.2003. o Exmo. 26 da Lei nº 8. ARTS. 18/06/2003. PESCADOR. julg. 5ª T.04. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 5ª T. pode ser computada a partir dos 12 anos de idade.AGRAVO DE INSTRUMENTO. III.

O reconhecimento da atividade rural. 656) 53 . integrando o rol de atividades especiais por categoria profissional. Sr. A anotação em CTPS de que a função exercida era a de servente não descaracteriza a especialidade da função. Rel. Unânime. 8. 2. 5ª T. Rel. A qualificação profissional como agricultor em registros civis serve como início de prova material. em regime de economia familiar. ambas daquele Estado. Não existe limite de idade para utilizar prova documental em nome dos pais.Junho .4.2003.01.080/79 e no código 2. independentemente do recolhimento das contribuições previdenciárias. 7. no período anterior à Lei 8213/91. CORREÇÃO MONETÁRIA. 11 inc. A atividade rural. Havendo prova material e testemunhal. (AC Nº 2000. 5. O reconhecimento da atividade rural. de cunho condenatório. 18/06/2003. julg. quando demandado na Justiça Estadual de Santa Catarina (LC 156/97 e LC 161/97. Sr. 18/06/2003. HONORÁRIOS. 2.2003 52 . em regime de economia familiar. no período anterior à Lei 8213/91. VII) considera os filhos maiores de quatorze anos. FUNÇÃO DE SERVENTE ANOTADA EM CTPS. CUSTAS PROCESSUAIS. cuja função enquadra-se no código 2. 1.4.095141-6/PR. pois realizada muitos anos antes do requerimento do benefício e contemporânea aos fatos. independe do recolhimento das contribuições previdenciárias. se o labor executado era efetivamente o de tratorista.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . DJ2 nº 115. LIMITE DE IDADE. 1. p. A falta de provas é matéria que ultrapassa as condições de ação porque está relacionada ao mérito do pedido. 657) 98 . em 04. A contagem do tempo de atividade rural. em regime de economia familiar.213/91 ( art. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI.04. A Lei 8. não podendo o regulamento impor restrições à prova que não estejam previstas em lei. Apelação e remessa oficial improvidas. deve ser reconhecida a atividade rural em regime de economia familiar. “ Cabe ação declaratória para reconhecimento de tempo de serviço para fins previdenciários” ( Súmula 242 do STJ ).831/64. salvo para contagem do tempo de serviço em outro regime previdenciário. DOCUMENTO EM NOME PRÓPRIO. 8. 3. CONVERSÃO.115536-0/SC. 3.A correção monetária deve obedecer à variação do IGP-DI ( a partir de maio de 1996). AÇÃO DECLARATÓRIA. 6. 5. o Exmo. 4. p. TEMPO DE SERVIÇO RURAL. 7. TRATORISTA. ATIVIDADE ESPECIAL. o Exmo.04. (AC Nº 2000.Maio .06. não como dependentes. 5ª T. Na ação previdenciária estão presentes pedidos de naturezas diversas: o de reconhecimento de tempo rural. pode ser computada a partir dos 12 anos de idade. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI./TRF4. IDADE MÍNIMA.4 do Decreto 53. não sendo este o caso dos autos. Apelação do INSS e remessa oficial parcialmente providas. julg. deve ser extraída do conjunto probatório. 4. salvo para contagem do tempo de serviço em outro regime previdenciário. Unânime.PREVIDENCIÁRIO. O INSS é responsável pelo pagamento de metade das custas.01.2003. CONTRIBUIÇÕES. em 04. PROVA MATERIAL.2 do Decreto 83./TRF 4. mesmo sendo manifestação unilateral. de caráter declaratório e o pedido de concessão de aposentadoria. independe do recolhimento das contribuições previdenciárias.06. O reconhecimento na esfera administrativa de períodos parciais de atividade rural levam à dedução de que nos períodos próximos continuou o segurado no mesmo tipo de labor 6. ATIVIDADE RURAL. desde o vencimento de cada parcela. mas como segurados.PREVIDENCIÁRIO. DJ2 nº 115.

composto de início de prova material. TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL. informando que nos cadastros escolares consta que seus pais eram agricultores. salvo para contagem do tempo de serviço em outro regime previdenciário. DOCUMENTO EM NOME PRÓPRIO.TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO EM CARTÓRIO JUDICIAL RECONHECIMENTO. permite a averbação do período de trabalho em regime de economia familiar. 1.PREVIDENCIÁRIO. a restrição à sua produção somente pode dar-se por disposição legal ou pela natureza do fato. em 07. julg.Se o conjunto probatório coligido aos autos. 3º da EC nº 20/98. DJ2 nº 110. julg. independe do recolhimento das contribuições previdenciárias. p. Sr.Maio . 9./TRF4. POEIRA. CÔMPUTO. ao beneficiário que.01.080/79 item 2. 5ª T. em 04. 1 . 5ª T. não havendo óbice à expedição da certidão de tempo de serviço ao segurado. Sr. SUCUMBÊNCIA.2003. Unânime. Rel.01. de celetista para estatutário. (AC Nº 2001.2 do Anexo II). CONVERSÃO. 11/06/2003. (AC Nº 2000. CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO.Junho . 8./TRF4. são devidos honorários advocatícios de 10% (dez por cento) sobre o montante das parcelas vencidas até a data da sentença. A lei vigente por ocasião do exercício da atividade é que deve ser observada para efeitos de conversão do tempo de serviço especial para comum. É possível o enquadramento do ajudante de motorista como trabalhador sujeito à aposentadoria especial e à respectiva conversão do tempo laborado para comum (Decreto 83. MOTORISTA. tenha preenchido os requisitos à obtenção deste benefício.05. MUDANÇA DE REGIME. É devida a aposentadoria por tempo de serviço proporcional.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . quando comprovado o exercício típico daquele cargo. ATIVIDADE ESPECIAL. mesmo diante da mudança de regime. corroborado por prova testemunhal idônea. Em matéria de prova. CIMENTO. em 15 de dezembro de 1998. AÇÃO DECLARATÓRIA. mesmo que ainda não exista o direito adquirido à aposentadoria. O tempo trabalhado em atividade especial é definitivamente incorporado ao patrimônio do trabalhador com a finalidade de diminuir o impacto da agressão física ou psicológica que o empregado sofre por meio da conseqüente conversão do tempo de serviço. 801) 56 . A apresentação de Certidão da Prefeitura Municipal de Santa Tereza. Sucumbindo na Justiça Estadual. Des. 5. CONVERSÃO.04. 695) 55 . MP. LAUDO TÉCNICO. 6. 1. ATIVIDADE RURAL. p. CELETISTA ESTATUTÁRIO. Unânime. 4. Provida a apelação do autor e improvidas a apelação do INSS e a remessa oficial. o Exmo. Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI. sendo possível a apresentação de documentos em nome de terceiros. INDENIZAÇÃO. a Certidão do INCRA e fichas de transação comercial envolvendo produtos agrícolas e alimentícios com a Cooperativa Agrícola Santa Tereza. 7.04.06.2003 54 .2003. 1523. no período anterior à Lei 8213/91. O reconhecimento da atividade rural. em regime de economia familiar.072997-9/RS.PREVIDENCIÁRIO . nos termos do art.4. demonstra o tempo de serviço prestado pelo segurado em cartório judicial. Federal A A RAMOS DE OLIVEIRA.115209-6/RS. o INSS deverá pagar metade das custas a que foi condenado. 25/06/2003. Rel. a partir dos 12 anos.Apelação desprovida e remessa oficial provida em parte. 2. 99 . 3. é de se reconhecer o seu direito de averbar esse tempo para fins previdenciários. 2 .PREVIDENCIÁRIO. Quando sucumbente o INSS. DJ2 nº 119. o Exmo.

nem expressamente. § 5º.70. Unânime.72. julg. Des. em 20. ANUIDADE. em pleno vigor. o Exmo./TRF4. A desvalia do art.EXECUÇÃO FISCAL.213/91. A atividade com exposição a poeira de cimento.00. nos termos da redação original do art.003439-4/PR.PREVIDENCIÁRIO.073235-6/PR.Maio . Precedentes. NÃO CONFIGURAÇÃO. RETROATIVIDADE DA LEI MAIS BENIGNA.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Se o apelado não exerceu as funções fiscalizadas pelo Conselho durante o período abrangido pelo débito executado. MULTA. dispondo de forma a alargar indevidamente conteúdo da lei regulamentada (Lei nº 9. DJ2 nº 105. p. Não configurada a nulidade da sentença por “ultra petita”. para a comprovação das atividades profissionais previstas nos Decretos nº 83. 6. haver-se-á de prestigiar aquele cuja redação seja a mais clara e consentânea com o sistema jurídico em que inserido. Inexistindo decisão definitiva sobre o montante exato do crédito tributário. sobrevindo no curso da execução fiscal lei reduzindo a multa. Rel.523/96. nos termos da redação original do art. MANDADO DE SEGURANÇA. DJ2 nº 115. Maioria. nem tácita. nada obstante a redação do art.2003 2. Unânime.000917-0/SC. NÃO-EXERCÍCIO DA ATIVIDADE FISCALIZADA. 57. 545) 02 . CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO. que não o revogou. e.032/95. julg.2003. 5ª T.08. É possível. da Lei nº 8. II. não opera efeitos retroativos.080/79 e nº 53. 18/06/2003.2003. hoje DSS 8030. 1ªT. DJ2 nº 115.711/98. 648) Execução Fiscal 01 . mesmo que o apelado não tenha requerido o cancelamento da inscrição. Des./TRF4. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ. 28 da Lei nº 9.11./TRF4.711/98. utilizada exclusivamente para assegurar direitos perante o INSS. O tempo de serviço reconhecido em ação trabalhista é oponível à Previdência Social sempre que as circunstâncias indiquem que o processo visava dirimir controvérsia entre empregador e empregado.04.213/91. como norma impeditiva da conversão de tempo de serviço especial. 8. Rel. indevidas as anuidades e as multas. INSCRIÇÃO. que alterou o seu regime jurídico. “C” DO CTN. 4. 3.12. Rel. 5ª T.03. SENTENÇA “ULTRA PETITA”. gera direito à aposentadoria aos 25 anos de tempo de serviço. visto que adequada aos limites do pedido. da Lei nº 8. código nº 1. ao vedar a conversão de tempo de serviço especial. Sr. 04/06/2003. 28 da Lei nº 9. para essa finalidade. 2. exorbitou do poder regulamentar. a reclamatória trabalhista atípica. 7.2. Sr. (AC Nº 2001. segundo o disposto na Ordem de Serviço nº 600. O INSS. tal como prevista no Decreto nº 83.TRIBUTÁRIO. É suficiente a apresentação dos formulários SB-40. § 5º. Na colidência entre preceptivos legais. o Exmo. Sr.080/79. (AC Nº 2002.70.831/64. Federal LUIZ CARLOS DE CASTRO LUGON. A Lei nº 9. prejudica também a exigência de percentual mínimo para dita conversão. (AMS Nº 2002. Só não se admite. 1. O enquadramento da atividade considerada especial faz-se de acordo com a legislação contemporânea à prestação do serviço. p. a conversão de tempo de serviço especial em comum. a pena menos severa da lei posterior substitui a mais 100 . 57.Junho . quanto ao período de exercício anterior à vigência da MP 1. EXECUÇÃO FISCAL. o Exmo. 21/05/2003. p.032/95). Possível a conversão de tempo de serviço especial em comum. mesmo depois de 28/05/98. 5. Des. 664) 57 . EMBARGOS. em 30. 106. 18/06/2003. TEMPO DE SERVIÇO RECONHECIDO EM SENTENÇA TRABALHISTA. ART. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ.

do IPCA-E. AÇÃO ANULATÓRIA.2003.008177-0/RS. a Fazenda Nacional somente poderia lançar o crédito cujo fato gerador ocorreu em 101 . Rel. Não se incluindo a multa moratória ou punitiva no crédito habilitado em falência (Súmulas 192 e 565 do STF). § 4º. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA.2003. p. DJ2 nº 115. o Exmo. Nos tributos sujeitos ao denominado “lançamento por homologação”. 1ªT. A execução fundada em título judicial deve obedecer aos ditames estabelecidos na sentença de mérito transitada em julgado. Contudo. divulgado pelo IBGE. LEGALIDADE. 509) 04 . Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. EMBARGOS. a partir do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado. LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. 2. MASSA FALIDA . julg. 2. (AC Nº 2001.05. Dilação probatória é característica inerente do processo de conhecimento que não se coaduna com o processo de execução no qual traz consigo a prova pré-constituída. 489) 05 . EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. 24 da Lei 7.04. 2ª T. IPCA-E. SELIC./TRF4. CORREÇÃO DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. IMPOSTO DE RENDA SOBRE GANHO DE CAPITAL NA INCORPORAÇÃO DE BENS PARA INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL. 1.2003. No caso. nos termos do art. p. Unânime. 150. 1. julg.05. não há o que homologar.71. em 28.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Desa. pois resulta mais benéfica. 1. as ações condenatórias em geral devem adotar o IPCA-E. DJ2 nº 115. isto é. INCIDÊNCIA. 2. considera-se como dia inicial da decadência o da ocorrência do fato gerador. em inexistindo pagamento. COISA JULGADA. IMPOSSIBILIDADE.EXECUÇÃO FISCAL.04.2003. Unânime. DJ2 nº 105.05. JUROS DE MORA EM PRECATÓRIO. 18/06/2003.Maio . ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. da mesma forma. AUSÊNCIA DE EMBARGOS À EXECUÇÃO./TRF4. Sra. NÃO CONFIGURAÇÃO. p. julg.713/88. 3. 106.01. a Exma. ART.Junho . EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. é ela indevida na cobrança judicial do crédito tributário. em 09. I. p. é inadimissível a conexão tendo em vista a natureza diversa entre as ações. Des. Na atualização dos honorários advocatícios. Havendo ação anulatória concomitante com execução fiscal sem que tenha sido interposto embargos. Sr./TRF4.002538-7/RS.04. em 06. após sua extinção.04. em observância ao comando legal inscrito no art. Federal LUIZ CARLOS DE CASTRO LUGON. Sra. do CTN. Rel. MULTA. 18/06/2003.EXECUÇÃO FISCAL. DJ2 nº 115. que não está sujeito à habilitação em falência. DECADÊNCIA. § 4º.TRIBUTÁRIO. Des.2003 grave da lei anterior. II. (AG Nº 2001. 1ªT. Aplicação da UFIR e. CONEXÃO. 18/06/2003. 1. fixados em valor certo. a Exma. Federal DIRCEU DE ALMEIDA SOARES. E 173 DO CTN. Sr. do CTN. contando-se o prazo para a decadência na forma da regra geral do art. (AC Nº 2003./TRF4. em 28. Unânime. Unânime. “c” do CTN. como critério de correção monetária. MULTA MORATÓRIA. 529) 06 . 150.08.072763-6/RS. (AC Nº 2001. Desa. OPÇÃO ENTRE COMPENSAÇÃO E REPETIÇÃO. Rel. 04/06/2003. nos termos do art. sendo uma opção do contribuinte a declaração mensal ou anual. 173. nos termos do artigo 187 do CTN. 523) 03 .004140-9/RS.TRIBUTÁRIO. o Exmo. a doutrina distingue duas hipóteses possíveis para a contagem do prazo decadencial: em havendo o pagamento. 1ªT.71. não deve incidir a taxa SELIC.01. julg. Nos termos da Resolução nº 242 do Conselho da Justiça Federal. 2. Rel. Os juros de mora não são devidos no período compreendido entre a data da apresentação dos precatórios judiciários e o último dia do exercício seguinte. devendo prevalecer para efeito de pagamento. ainda que insuficiente.

529) 08 . 1ªT. HONORÁRIOS. Unânime.Junho . 6. DJ2 nº 115./TRF4. 1ªT. de 23-8-2001. em 28. Rel. aplicando-se apenas aos executivos da União. DJ2 nº 115. Des./TRF4. SENTENÇA DECLARATÓRA DE FALÊNCIA. na hipótese.01.066364-6/PR. após 30 de abril de 1990. Unânime.72. julg.1991.2003. aplicável a taxa SELIC aos créditos da Fazenda Pública. 1. aos honorários sucumbenciais do INSS. isto é. 4. 40 da LEF.EXECUÇÃO FISCAL.001423-9/RS. Des. frente ao disposto no art. (AC Nº 2000.2003.01. julg. 161. p. em 11.2003. deve ficar provada a ação dolosa ou culposa do condução da empresa executada. o Exmo. proceder-se à nova penhora. em 09. 639) 07 . nada impedindo que o exeqüente diretamente ajuíze ação contra os sócios do falido. DJ2 nº 115.Maio . Tendo a penhora recaído sobre bem alienado fiduciariamente. 1ªT. 13 da Lei 9. IMPOSSIBILIDADE. 500) 09 . oportunamente.05. julg. a Exma. § 1º. p.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . p. 1. EXTINÇÃO DO FEITO EXECUTIVO.04. A suspensão da presente execução fiscal. nos termos do art. 5. PENHORA SOBRE BEM ALIENADO FIDUCIARIAMENTE. p. DJ2 nº 119./TRF4. A penhora sobre o imóvel em que se localiza a empresa é demais prejudicial ao devedor. Sr. Rel. visto que o auto de infração foi entregue ao Devedor em março de 1995. O prazo decadencial começou a contar a partir de 1º.2003. EXTINÇÃO. A multa aplicada reveste-se de absoluta legalidade. Desa.04. Sra. em 10. 1ªT.05. Rel.2003 dezembro de 1989 após decorrido o prazo de entrega da declaração pelo devedor. em face da manifesta impropriedade. Federal WELLINGTON M DE ALMEIDA. não se consumando. RESPONSABILIDADE SUBJETIVA DOS SÓCIOS. como no caso presente. julg. Impõe-se a extinção do feito sem julgamento do mérito. do CTN e art. deve ser interpretada restritivamente. com base na sua eventual obrigação em relação ao débito em execução e com base na extinção da falência sem a satisfação do débito ora executado. 18/06/2003. DJ2 nº 119. Unânime. julg. (AC Nº 2002.01. (AC Nº 2003. Desa. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. e não. 576) 10 . sendo passível de comprometer o regular desenvolvimento das suas atividades.03. devendo. Sr.06. em nada aproveita às partes que ora a compõem./TRF4. 18/06/2003.EXECUÇÃO FISCAL CONTRA MASSA FALIDA. Sra.2003.01./TRF4. pois decorrente de infração à legislação tributária. p. 2ª T. Sendo exceção.05.72. o Exmo. Rel.000205-1/SC. Sr. IMÓVEL SEDE DA EMPRESA. A partir de abril de 1995. É legítima a incidência de imposto de renda sobre ganhos de capital decorrente da diferença entre valor de aquisição atualizado e de incorporação de imóveis da pessoa física para integralização de capital de pessoa jurídica da qual é sócio. a regra constante na MP nº 2. Federal DIRCEU DE ALMEIDA SOARES.EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA.005839-9/SC. 25/06/2003. 3.04. (AG Nº 2001. Unânime. Para o redirecionamento do feito executivo contra os sócios da sociedade falida. Unânime. não restou evidenciado. 2.06.04. 18/06/2003. 508) 102 . Des. (AG Nº 2001. o que. a Exma. 25/06/2003. Federal LUIZ CARLOS DE CASTRO LUGON.PENHORA.176-79. Rel. em 28.065/95. o Exmo.083085-0/PR. cabível o reconhecimento da nulidade da constrição.

1.2003. visto que não haverá mais resistência à pretensão deduzida pelo autor em juízo. quando houver. nos embargos. não podendo este ser compelido à renúncia ao direito. 1ªT. julg. de 1969. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DO CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA AFASTADA. 103 . Rel. Rel. Unânime. julg. EXECUÇÃO FISCAL. Juiz Federal ALCIDES VETTORAZZI. Sr. p. AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO PESSOAL E DE PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO.06. A extinção do feito. tem efeitos somente na via administrativa. PROVA. EXCLUSÃO DO REFIS. o Exmo.03. Rel. 2. Sr. nos termos do artigo 269. § 4º da Resolução CG/REFIS nº 9. do CPC.TRIBUTÁRIO. Não há mais a necessidade de notificar a pessoa jurídica para. não implicam a renúncia do direito em que se funda a ação.Junho . alterada pela Resolução nº 10). ILEGITIMIDADE PASSIVA DO DELEGADO DA RECEITA FEDERAL. 25/06/2003. “O encargo de 20% (vinte por cento) do DecretoLei 1. antes da apreciação da representação. EXCLUSÃO.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Sra. 1ªT.REFIS. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. nos autos. em 11./TRF4. o Exmo./TRF4.01.04.025. o Delegado da Receita Federal não é parte legítima para figurar no polo passivo da relação processual. DJ2 nº 119. porque influi no julgamento da lide. 04/06/2003. Se o débito estiver sendo discutido judicialmente em sede de embargos à execução e for incluído no parcelamento do REFIS. Sendo que a exclusão do REFIS se dá por ato do Comitê Gestor. à medida que tal ato é personalíssimo. a situação fática não seria alterada. Se fosse mantida ou reformada a sentença.05. por falta de interesse processual. REDIRECIONAMENTO PROCESSUAL. a Exma.71. p. A execução fiscal contra empresa pode ser redirecionada ao sócio-gerente. 1ª S. o processo deverá ser extinto sem julgamento do mérito.2003 11 . Os efeitos deste ato de vontade. 477) 12 .2003. Maioria. Des. DJ2 nº 105. A teor do disposto na Súmula nº 168 do TFR. I.Maio . EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO. da Lei nº 9. 3. ENCERRAMENTO IRREGULAR DAS ATIVIDADES DA EMPRESA. é sempre devido nas execuções fiscais da União e substitui. contando-se. (AMS Nº 2002. todavia. Desa. pois a pretensão jurisdicional em nada se assemelha ao ato administrativo ocorrido perante o Comitê Gestor do REFIS. como requisito imprescindível para o ingresso no Programa./TRF4. PROCESSUAL CIVIL. (EIAC Nº 2002.001852-6/RS. FALTA DE INTERESSE PROCESSUAL. Federal WELLINGTON M DE ALMEIDA. o prazo para a manifestação quanto aos motivos que ensejaram a sua exclusão. SÚMULA Nº 168 DO TFR. EMBARGOS À EXECUÇÃO.2003. em 07.06.EMBARGOS INFRINGENTES. 4º. pressupõe a manifestação expressa do embargante. A intimação da empresa é feita através de publicação no Diário Oficial da União. não trazendo o julgamento do recurso qualquer resultado útil ao embargante ou ao embargado.964/2000. p. a partir de então.002795-3/RS.” (AC Nº 2001. o qual é presidido pela Secretaria da Receita Federal. COMITÊ GESTOR. manifestar-se quanto às irregularidades apontadas (art.000630-5/SC.72. 4. DJ2 nº 115. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA. PUBLICAÇÃO VIA INTERNET. prova de dissolução irregular. O ingresso do embargante no REFIS constitui fato superveniente à sentença que não pode ser ignorado. a condenação do devedor em honorários advocatícios.14. exigida pelo artigo 3º. em 05. A confissão irrevogável e irretratável da dívida. ADESÃO AO PROGRAMA REFIS SUPERVENIENTE À SENTENÇA. V. 453) 14 . Maioria. 594) 13 . 1. 18/06/2003. julg. 5.MANDADO DE SEGURANÇA.

PREFEITO. Sr. Federal MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA.00. 12 da Lei 6368/76. (AG Nº 2002. A CONDUTA DECORRENTE DA DEVASTAÇÃO ESTÁ INSERIDA NO ÂMBITO DA NORMA PENAL DESCRIMINALIZADA. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DEVIDOS. EXCLUSÃO.003419-8/RS. a competência para processar e julgar o tráfico de cloreto de etila.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . Questão de ordem resolvida para anular o processo por incompetência da Justiça Federal./TRF4./TRF4. não é da Justiça Federal. Rel.2003 2. Sr.70. de tráfico de entorpecente. 18/06/2003.605/98. p. (AMS Nº 2002. em 28.028782-0/PR. e a não inclusão de tal crédito tributário no REFIS. julg. local de livre comercialização. Unânime. REMESSA À JUSTIÇA ESTADUAL INCABÍVEL. O artigo 26 da Lei de execuções Fiscais não tem aplicação nos casos em que a demandada teve que contratar advogado para defender-se de ação mal proposta. Federal JOÃO SURREAUX CHAGAS. 11/06/2003. 1. 2. 55 DA LEI Nº 9.05. 1. 2ª T./TRF4. 11/06/2003. mesmo provinda da Argentina. TRÁFICO DE COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. 756) 02 . em 28. DJ2 nº 110. Unânime.04. Rel. No entanto. p. 582) 16 .04. o Exmo. SUBSTÂNCIA ENTORPECENTE. (QOACR Nº 2003. em 20. AÇÃO MAL PROPOSTA. vulgarmente conhecido por lança-perfume.PENAL. pois a substância. em 15. a Exma.1999. 541) 15 . 1ªT.04. em tese. ART. Desa. o mandado de segurança pode ser ajuizado na sede de qualquer uma delas. Des.04. Federal DIRCEU DE ALMEIDA SOARES. DE 27. ADESÃO AO REFIS ANTERIORMENTE AO AJUIZAMENTO. DJ2 nº 105. p.010683-0/RS. aceitando a veiculação dos nomes das empresas excluídas do REFIS pela internet. O Delegado da Receita Federal tem legitimidade para responder o mandado de segurança na medida em que é dele a competência para cobrar a multa não abarcada pelo REFIS.Maio . Em observância aos parâmetros desta Turma. 8ª T. O mandado de segurança ataca dois atos distintos praticados por duas autoridades coatoras: a cobrança de multa pela Delegacia da Receita Federal. LEGITIMIDADE PASSIVA.2003. Rel.827. 2ª T. DÍVIDA NÃO CONSOLIDADA NO PROGRAMA. Des. CRIME AMBIENTAL. DJ2 nº 115.003263-1/RS. Maioria.Junho .2003. Rel. O cloreto de etila.CLORETO DE ETILA PROVENIENTE DA ARGENTINA. 04/06/2003.05. DJ2 nº 110. sendo que a sua posse pode caracterizar a prática. A jurisprudência desta Turma refuta o argumento segundo o qual seria necessária a intimação pessoal da empresa excluída do REFIS.01. julg. INQUÉRITO ARQUIVADO. (AC Nº 2000.REFIS. Unânime.05. nos termos do art. o Exmo. no caso dos autos. apesar de origem forânea.2003. p. 104 . Sr. Sra. tal pedido foi acertadamente direcionado ao Presidente do Comitê Gestor do REFIS. Des.01.71. é considerado substância entorpecente. Entretanto. sequer consta na relação de Convenção Internacional ou firmada entre este país e o Brasil. 502) Direito Penal e Direito Processual Penal 01 .08.EXECUÇÃO FISCAL. Havendo mais de uma autoridade coatora. julg. Federal VOLKMER DE CASTILHO. EXTRAÇÃO DE SAIBRO PARA PAVIMENTAÇÃO.2003. o Exmo. julg. CONDUTA DESCRIMINALIZADA PELA LEI Nº 9./TRF4. 2. É certo que o Delegado da Receita Federal não tem poderes para incluir multa não consolidada no Programa de Recuperação Fiscal. devem ser fixados os honorários advocatícios em 10% sobre o valor atualizado da causa.

concessão ou licença. 55 da Lei dos Crimes Ambientais.605/98. é de ser entendido que se trata de desdobramento do mesmo fato que igualmente está a ensejar o arquivamento inicialmente proposto. no único depoimento de bancário da agência que fazia pagamentos do INSS na localidade do crime existente nos autos à fl. incisos II e IV. que constituem os elementos objetivos do tipo penal vigente tanto na Lei dos Crimes Ambientais. Assim. uma vez que a lei que descriminalizou o delito do art. em absoluta conformidade com a Lei nº 9.01.Maio . Rel. Des.71. Sr. pela prática de estelionato contra o INSS por ter sacado aposentadoria de beneficiário falecido. p. Maioria. 4. da permissão. 3. 867) 105 . o senhor Antônio Carlos Zimmermann. no meio da vegetação sem causarlhe qualquer agressão. 3./TRF4. 55 da Lei nº 9. Trata-se de inquérito objetivando apurar a prática./TRF4. 5.Junho . representa uma descriminalização do delito do art. Rel. 7ª T. do delito do art. p. em 16. Unânime. responsáveis pela empresa de terraplanagem que extraía saibro sem autorização do órgão ambiental competente. 1. Desse modo. O recorrente foi condenado às penas de 1 (um) ano e 6 (seis) meses de reclusão e 20 (vinte) diasmulta. ESTELIONATO. o Exmo.007910-0/RS.04. de 3 de fevereiro de 2000. Apelação provida. Des. SAQUE DE APOSENTADORIA DE BENEFICIÁRIO FALECIDO. utilizando escavadeiras e outras máquinas. pois. o Exmo. julg. Federal FÁBIO ROSA.04. 25/06/2003. objeto de descriminalização perpetrada pelo legislador. concessão ou licença. A devastação da vegetação no local da extração de saibro se apresenta como meio necessário à ocorrência do delito do art. não obstante o entendimento do MPF.827. Tal “ato preparatório” evidentemente está subsumido na conduta principal. que. não dependendo. juntamente com os demais indiciados. quanto na lei penal ambiental que vigorava à época do crime.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . (INQ Nº 2003.PENAL. Federal FÁBIO ROSA. ao acrescentar um parágrafo único ao artigo 2º do DecretoLei nº 227/67. a qual foi descriminalizada. 2.08. à razão unitária de ½ (meio) salário mínimo. 4. do CPP. 6. 12 está demonstrado que não havia até então controle de quem efetivamente recebia tais benefícios e tampouco a testemunha sabia afirmar se o ora apelante alguma vez havia recebido aposentadoria do beneficiário falecido. Os autos igualmente não permitem imputar a autoria do estelionato narrado na denúncia ao ora apelante. Não há como extrair o saibro. teria ocorrido no mês de julho de 1998. AUSÊNCIA DE PROVAS DA AUTORIA. 2. Além disso.2003. de 27. ABSOLVIÇÃO. 55 sequer condicionou a extração de minerais à recuperação da vegetação. Inquérito arquivado. 55 da Lei nº 9.020176-3/SC.605/98 que teria sido cometido pelo ex-Prefeito de Guaramirim/SC. DJ2 nº 119. A inexistência do atestado de óbito. do Ministério de Minas e Energia. 4ª S.06. 386. 25/06/2003. conforme noticia o ofício do INSS acostado na fl. julg. Sr. INCERTEZA DA DATA DO ÓBITO. DJ2 nº 119.06. APELAÇÃO PROVIDA. O advento da Lei nº 9. Efetivamente houve saque do benefício previdenciário até a competência 11/98. excluiu elementos integrantes do tipo objetivo: permissão. porque os testemunhos adotados pela sentença condenatória não visualizaram o apelante realizando o saque do benefício previdenciário. torna o fato delituoso incerto. 24. 5. em 10. em tese. na medida em que.2003. que dispõe sobre o Código de Mineração. Reformada a sentença para absolver o apelante nos termos do art.1999.2003 1. (ACR Nº 2000.827/99 e a Portaria nº 23. 556) 03 . segundo as testemunhas da acusação. Não há dúvida que a extração mineral de saibro se destinava à execução de obras públicas (pavimentação de estradas do município de Guaramirim/SC). sendo atípica a conduta do crime-fim não há que se punir pelo crime-meio.

Des.015638-1/RS. julg. inexistem os pressupostos autorizadores da prisão preventiva. 753) 06 . REVOGAÇÃO DO BENEFÍCIO. Incongruência com o Princípio da Proporcionalidade. 8ª T. DESCABIMENTO. Federal VLADIMIR FREITAS. MATERIALIDADE E AUTORIA.01.Maio . recolhendo-se o apenado ao presídio no período noturno e nos dias de folga. CAPUT E § 3º DO CÓDIGO PENAL. DJ2 nº 119./TRF4.HABEAS CORPUS. 866) 07 . Des. correta é a decisão judicial que a revogou ordenando que a execução se faça através de prisão em regime aberto. Federal VLADIMIR FREITAS.71. Materialidade e autoria do crime do art. p. 11/06/2003. independentemente da prestação de fiança. em 10./TRF4. 25/06/2003. CUMPRIMENTO NO EXTERIOR. DJ2 nº 115. CPP. p. 18/06/2003. comete crime menos grave se. o Exmo. § ÚNICO. trata-se de crime continuado e não de crime permanente. No caso. julg. Cuidando-se de Estelionato contra a Previdência por meio do uso de cartão magnético para saque dos benefícios. aqueles que cometem crimes mais graves podem ficar em liberdade provisória. submete-se à restrição imposta pela Lei nº 9.268/96. PENA PECUNIÁRIA E PENA DE MULTA.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . têm naturezas jurídicas diversas. espécie de pena restritiva de direitos. EXECUÇÃO DA PENA. FIANÇA.2003. DJ2 nº 110. CRIME CONTINUADO. 106 . Manutenção da decisão combatida. Sr.04. Unânime. PENAS ALTERNATIVAS. através de inspeção judicial.2003 04 .06.001725-0/RS. 18/06/2003. o Exmo. em 20. em 04./TRF4. Sr. IMPOSSIBILIDADE. 44. O instituto da fiança visa garantir a manutenção da liberdade do acusado que se encontra em vias de ser recolhido ao cárcere não se prestando. 171. USO DE CARTÃO MAGNÉTICO. CRIME QUE. (AGEPN Nº 2003. Sr. Deve sempre ser possibilitada a ampla defesa ao condenado antes de ser convertida a pena restritiva de direitos em privativa de liberdade. ART.DIREITO PENAL. em 13. 181. Maioria. CONVERSÃO DA PENA RESTRITIVA DE DIREITOS.210/84. AMPLA DEFESA. 7ª T. em princípio. 2. LEI 7. APLICAÇÃO ART.07. 7ª T. para suspender a execução provisória de sentença penal que ainda não transitou em julgado.LIBERDADE PROVISÓRIA SEM FIANÇA. é desarrazoado exigir prestação de fiança daquele que. Rel. ART. julg. Rel. p. portanto. Rel. A pena de multa e a prestação pecuniária. dado a sua natureza de dívida de valor./TRF4. Federal VLADIMIR FREITAS.03. o Exmo.72. § 1º. julg. Federal LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO. A conversão da pena pecuniária de multa tem expressa autorização legal para ocorrer. EM TESE. Sr.2003. 171 do CP devidamente comprovadas nos autos. § 4º. AGRAVO A EXECUÇÃO PENAL. ESTELIONATO CONTRA A PREVIDÊNCIA SOCIAL. com a repetição da conduta fraudulenta. de outra banda.01. Des. ao passo que a pena de multa. injustificadamente. Des. (ACR Nº 2000.001191-2/SC.04. o Exmo. SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA SENTENÇA.PENAL. PROCESSUAL PENAL. 758) 08 . DJ2 nº 115. que o condenado não está cumprindo a pena alternativa de prestação de serviços na forma ordenada no julgado. CÓDIGO PENAL. Constatando o Juiz Federal da Execução e o Procurador da República.2003. ‘A’. 7ª T. ART.PENAL. p. ADMITE FIANÇA. Rel. Se inexistem motivos para segregação provisória. 752) 05 . sempre que. 1.05. o réu deixar de cumpri-la. 310. Unânime. (HC Nº 2003. 1.2003.06. (HC Nº 2003. É inviável o cumprimento de penas alternativas fora do território nacional por absoluta falta de previsão legal.Junho .05. 2.012278-4/RS. Unânime. PENA ALTERNATIVA.

respaldada com os demais elementos probatórios colhidos nos autos.05. em 21. prestado em juízo. como é o caso do tráfico de drogas.06. INTERNACIONAL. Des.Boletim Jurídico – Escola da Magistratura TRF4ª Região Abril . com o que consuma-se o delito com o simples ato de transportar e trazer consigo o objeto material. p. (AC Nº 2001. (MS Nº 2003.001397-3/PR. sem a oitiva do Ministério Público./TRF4. acompanhado de outras provas e indícios. na linha do entendimento jurisprudencial e doutrinário prevalente. Doutrina e jurisprudência afirmam que somente o Ministério Público tem legitimidade para formular a proposta de suspensão condicional do processo (art. propondo ou aparentemente propondo. sem a oitiva do titular da ação penal.70. 4. Recurso provido. independentemente do local em que se dá a apreensão. o Exmo. julg.MANDADO DE SEGURANÇA. PROGRESSÃO DO REGIME. Sr. o Exmo. sendo que a outra deverá ser sopesada como circunstância judicial do art.Junho .003190-0/PR.099/95). Se o Juízo a quo determina a realização de audiência para suspensão condicional do processo e/ou interrogatório e. por policial. bem como a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos. 04/06/2003. AUTORIA COMPROVADA. é vedada para os crimes hediondos e os a eles equiparados por lei. A retratação feita em juízo não se sobrepõe às declarações que por primeiro foram prestadas. Rel.2003. p. Des./TRF4. 1.04. Unânime.Maio . 3. Unânime. embasar condenação. mais do que isso. julg.2003 Recurso improvido. 765) 107 .2003. Unânime. é atacável por mandado de segurança. ainda que apreendida a droga na pista de entrada no país. SEGURANÇA CONCEDIDA. Federal VOLKMER DE CASTILHO. já estabelece que não cumpridas certas determinações não será proposto o referido benefício. 8ª T. 767) 09 . DJ2 nº 105. DJ2 nº 105. o Exmo. (RSE Nº 2002. o que enseja a concessão da segurança por este pleiteada. PROPOSTA DO BENEFÍCIO. 2. Rel. porque se está frente a um tipo penal misto alternativo. está em realidade usurpando prerrogativa do Ministério Público. 8ª T.02. ilegalmente.05.007565-0/PR. O delito de tráfico internacional de droga é consumado. Rel. Sr. 04/06/2003. sob o crivo do contraditório. 7ª T. DJ2 nº 115. LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO E APENAS DESTE. 18/06/2003. Federal JOSÉ LUIZ B. 59 do CP. p. 3. julg.70. A progressão de regime. GERMANO DA SILVA. 2. 5. Des. O testemunho. 89 da Lei 9. segundo entendimento firmado pelo Pretório Excelso e pelo STJ. será considerada somente uma delas. A decisão que determina realização de audiência.TRÁFICO DE ENTORPECENTES.02. são suficientes a ensejar um decreto condenatório. A delação do co-réu no momento da prisão em flagrante. Presentes duas majorantes. no qual está previsto o verbo nuclear transportar e trazer consigo./TRF4. em 21.01.2003. 755) 10 . 1. a suspensão condicional do processo. nos termos da jurisprudência do STJ. Federal VOLKMER DE CASTILHO. é válido e pode. em 03. Sr. 6. Precedentes desta Turma. DECISÃO QUE DESIGNA AUDIÊNCIA PARA SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO. de antemão.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful