You are on page 1of 4

PUC – Rio - Departamento de Teologia Programa de Pós-Graduação: Doutorado Profa.

: Maria Clara Bingemer/Eliana Yunes Disciplina: A literatura como exercício teológico – fronteiras interdisciplinares da palavra poética !posição: Alex illas Boas C!E"#$ Marie%Domeni&ue' (a (ittérature comme lieu de la t)éologie' Re"ue des #ciences P$ilosop$i%ues et T$eologi%ues' "' *+$ ,-.-$ pp' /0%10' & 'iteratura como (lugar) da Teologia *. &firmação fundamental primeira: A teologia clássica não reconhece a Literattura em seu estatuto epistemológico' 2egundo o autor o título proposto assusta mais aos 3)omens das letras4 5romancistas$ dramaturgos$ críticos6 &ue aos teólogos$ sem deixar de assutar a esses tam7ém' A teologia$ &ue n8o recon)ece a literatura$ a fa9 no sentido de possuir uma esfera de poder &ue n8o recon)ece a outra inst:ncia$ para uma 3confiss8o verdadeira4 ; avouer vraiment<' Esse fato esta na rai9 da recep=8o da o7ra de Duplo>é ;La religion de Péguy< por parte dos literatos$ e ignorado por parte dos teólogos' ?ara C)enu$ Duplo>é @A antecipava em rela=8o ao Concílio aticano BB a 3rela=8o congCnita da cultura e da palavra de Deus4 ;le rapport congénital de la culture et de la Parole di Dieu $ p' /0<' C)enu alerta para a necessidade do especialista$ numa época &ue sofre o enclausuramento de todas as disciplinas impedindo a procura de coerCncia nos fenDmenos de civili9a=8o$ &ue segundo Eusdorf$ n8o sem risco$ seria o camin)o para escrever a )istória da consciCncia &ue o ser )umano tem de si mesmo$ integrando a multiplicidade das pes&uisas' "esse contexto$ a (iteratura deveria deixar de ser vista como pólo oposto da fé ; incroyance de l’historien, p' /,<' Am7as deveriam voltar a se 3contaminar e se fecundar4 mutuamente como 3poder de inven=8o4 e 3fonte de desco7ertas4$ uma ve9 &ue o 7elo$ pelas artes plAsticas é uma express8o da verdade$ divina e )umana$ material ;C)enu ressalta a express8o 3carnal4 de ?egu>< e espiritual$ geométrica e inspirada numa interpenetra=8o entre artistas e o imaginArio dos teólogos$ &ue perdura por toda Bdade Média$ amparando%se ?anofsF> e Du7> e as rela=Ges entre 3o7ras de arte4 e 3inteligCncia teológica4 no pensamento medieval &ue estes dois esta7elecem' Assim C)enu pergunta &ual a situa=8o epistemológica da literatura na teologia$ a sa7erH Ratio humaniorum litterarum theologica ;ra98o teológica das letras )umanas$ p' /,<' +. ,ortunio e infortunio da Teologia &firmação fundamental: teóricos e críticos de interpreta=8o literAria s8o t8o distituídos de discernimento teológico como os teólogos de referCncia literAria C)enu fa9endo men=8o ainda a o7ra de Duplo>é &ue aponta o processo )istórico e suas causas doutrinais deste distanciamento a vincula=8o da teologia aos moldes do gCnero literArio 3escolAstico4$ o &ue supGe uma certa doutrina$ moral e filosofia$ em &ue a Ieologia oferece o protótipo$ nas Sumas$ &ue vai perdurar como escolAstica 37arroca4 ;séculos J BBB%JBJ< e neo% escolAstica ;século JJ< aca7a por impor um modo de 3discernimento4 5teológico6 &ue iria excluir as outras formas de literatura$ n8o somente de 3fato4$ mas tam7ém por 3princípio4 ;p' /K<' Contudo$ etimologicamente e )istoricamente$ theo logia é palavra so!re Deus em dependCncia da Palavra de Deus ;parole sur Dieu en depéndance de la Parole de Dieu <' 2e Deus

1

fala aos )omens$ falarA a língua dos )omens$ n8o somente sua gramAtica$ mas suas imagens$ suas categorias$ seus procedimentos$ seus gCneros literArios$ seus raciocínios' Assim é &ue todos os registro da 3vida no espírito4 se deram$ por um 3falar )umanamente a ?alavra de Deus4 ;p' /K<' L por essa exigCncia cultura da ?alavra de Deus$ &ue a teologia c)egou a sua forma 3escolAstica4$ em dialogo com a a cultura profana de seu tempo$ de uma filosofia conceitualista e racionalista$ so7retudo depois de Descartes em &ue se impGe um ideal de extrema concetiuali9a=8o$ &ue pretende explicar o mundo e o ser das coisas por meio do conceito ;ontologia conceitual$ p' /K< contrapondo o valor dos instintos e da intui=8o' "esse movimento do pensamento )umano$ a verdade é redu9ida aos princípios primeiros da ra98o$ em &ue todas as disciplinas ser8o condu9idas por essa logica a7strata$ c)egando M estética da arte sacra$ suprimindo o tempo na representa=8o dos mistério evangélicos' Ioda a interpreta=8o Bí7lica sofrerA essa modelagem 3escolAstica4 de fa9C%la um 3corpo unico4$ com7inando autoridade e ra98o$ organi9ando%se assim numa 3ciCncia de conclusGes4 ; science des conclusions$ p' /+< por meio da especula=8o e a7stra=Ges racionais$ para atingir uma sistemati9a=8o o mais a7rangente possível' Deste modo$ tudo o &ue resiste a essa sistemati9a=8o$ é descartado$ incluindo%se aí toda a poesia'(ogo$ teologia e literatura s8o vistos como 3dois universos &ue n8o tem nen)uma fronteira em comum4 ;deu" univers #ui n’ont m$me pas de %ronti&re commune $ p' /N< -. . campo (liter/rio) da Teologia &firmação fundamental: Com o Concílio aticano BB$ o campo da 'doctrine sacrée( e sua intellectus %idei é ampliado em uma gama de recursos metodológicos desde uma 'hermen$utica da Palavra de Deus( M 'teologia como ci$ncia( 5positiva6 ;p' /N<' Em se tratando de )ermenCutica$ a 3Oevela=8o 5manifesta=8o6 de Deus4 n8o se resume a uma série de proposi=Ges$ inscritas em textoH ela se reali9a em meio a fé em eventos e palavras$ em &ue os eventos se desenvolvem em uma 3economia4 e as palavras esclarecem o significado dos eventos' Esta articula=8o é comandada por um Evento unicoH Deus veio um dia na )istória$ reali9ar uma promessa$ em perspectiva de uma era messi:nica' "esse dia$ n8o somente Deus falou$ como fi9era por seus profetas$ mas ele mesmo$ em seu 3 er7o e ?alavra4 5 er7e et ?arole6 ,$ se fe9 carne$ &ue por essa )umani9a=8o de Dus$ opera uma divini9a=8o do )umano' "essa fé )A um vínculo com uma ?essoa$ n8o a um sistema de pensamento e moral' "8o é somente um evento passado$ em &ue se fa9 memória$ por uma imita=8o moral em &ue se o7ten)a méritos$ mas sim uma realidade permanente$ &ue se desenvolve no tempo$ em vista de uma segunda vinda de Cristo$ &ue recapitulara como 2er !umano #niversal$ todos os valores e todas gra=as ;termo da )istória )umana$ ponto no &ual converge todo dese@o da )istória e da civili9a=8o$ centro do gCnero )umano$ alegria de todos os cora=Ges$ plenitude de suas aspira=Ges' "essa perspectiva$ o ?ovo de Deus é visto em permanente inven=8o$ nova cria=8o$ em &ue o Deus encarnado$ incorpora n8o um EeDmetra$ mas um condutor ;meneur$ p' /*< da )umanidade' Deste modo$ recupera%se a vis8o da Bí7lia como uma )istória 5e n8o uma 2uma adaptada em &ue se
1

Alguns dicionários franceses apresentam parole como sendo possível a tradução também para promessa, de dar a palavra, palavra falada ao passo que Verbe diz respeito a ação da palavra ou a palavra em ação.

2

procura uma perfei=8o formal6$ e como )istória é inesgotAvel$ um livro a7erto ; livre ouvert$ p' /*<$ em &ue )A uma certa 3imperfei=8o formal4 ;imper%ection %ormelle$ p' /*<$ no sentido em &ue )A algo de inaca7ado$ a se fa9er$ como sinal da vida' Deus é um artista' "8o um engen)eiro ; Dieu est un artiste) *e n’est pas un ingénieur $ p' /*<' A Bí7lia en&uanto )istória$ tem uma 3inteligi7ilidade de tipo literArio e n8o teológico4 5no sentido escolAstico6 ; inteligi!ilité de type littéraire et non theologi#ue $ p' /.<' Deus se revela n8o por um sistema de idéias$ ou menos ainda de uma especula=8o so7re as coisas físicas$ metafísicas ou morais$ mas por 3uma )istória e de )istórias4' Esse gCnero literArio da Oevela=8o divina funda a 3teologia da linguagem crist84; théologie du langage chétien$ p' /.<$ &ue se dA a con)ecer como uma 3mensagem4 e n8o recita=8o de fórmulas$ &ue pede uma 3)ermenCutica da reintrerpreta=8o da linguagem permanente4$ em meio a crise da linguagem' "8o mais somente 3tradu9ir4$ mas 3inventar4 ; inventer$ p' /.<' Pue cesse o exílio dos poetasQ ;+ue cesse l’e"il des po&tes$ p' /.<' A ,enose de Deus é considerada como manifesta=8o ultima da condescendCncia de Deus e é tida como uma exalta=8o da linguagem )umana' A Bíl7ia passa a ser considerada como livro 3formalmente poético4 ;%ormellement poéti#ue$ p' /.<$ recon)ecida sua &ualidade formal de literatura e seu 3grande reservatório da poesia no mundo4 ; grands reservoirs de la póesia dans le monde $ p' /.< ao lado de !omero$ por exemplo$ e como grande literatura$ é portadora de uma 37em comum da )umanidade4' Di9%se da Bí7lia$ ser um universo de imagens &ue emana dos eventos )umanos% divinos$ um 3mito verdadeiro4 ;mythe vrai$ p' //<$a prova mesmo da convivCncia entre teologia e cultura$ de sua epistemologia primeira de ser 3sim7ólica4' Puando n8o$ perde um de seus recursos imanentes de viver em sim7iose com toda cultura )umana$ tal &ual fe9 com a cultura antiga$ &ue foi seu primeiro terreno' Mistério e sím7olo representam%se mutuamente e se funda em verdade teológica e teologal no valor irredutível do sím7olo$ n8o somente na pedagogia crist8$ mas em toda cultura ;p' //<' Oecorda o autor &ue o sím7olo$ apesar da amea=a de certa distor=8o$ foi acol)ido na alegoria como forma de intelectualisa=8o do dinamismo do sím7olo na teologia patrística$ em &ue resultou em sua forma espont:nea de teologia e sua paix8o' !ouve$ contudo$ uma certa rea=8o a esta teologia patrística por parte da 3teologia monAstica4 &ue se desnvolve no interior do mosteiro$ recluso da sensi7ilidade cultural' 0. Ci1ncia ou poesia2 &firmação fundamental: A )istória da teologia deverA ser a )istória do Evangel)o no ?ovo de Deus ;p' 10<' Ioda cultura carrega mythos e logos$ poesia e ci$ncia' Dentro da epistemologia própria da scientia &ue 28o Iomas assume o diAlogo com a #niversidade de ?aris$ a poesia é vista aristotelicamente como de%ectus veritatis ou in%imae inter omnes doctrinas para o rigor das opera=Ges racionais' Contudo$ )A um valor na poesia por sua capacidade de representar%se por 'sensi!iles %iguras( ;p' /-<' Estas duas esferas n8o se invalidam$ pois uma é capa9 de oferecer ao )omem$ con)ecimento da 3corporalidade4 da existCncia na scientia ;física$ 7iológica$ psicológica$ tecnológica$ econDmia'''<$ e a outra a imagem de si em sua 3temporalidade4$ ou se@a$ de como o ser )umano vive

em cada tempo$ entre Apolo ;imagem eterna da imo7ilidade< e Dionisio ;imagem da capacidade de se renovar<' A sistemati9a=8o da pes&uisa se fa9 necessAria$ en&uanto teologia como ciCncia$ mas n8o pode atingir a &uintessCncia das coisas )umanas como na sim7ólica poética' Coment/rio: "o contexto da exclus8o da (iteratura do la7or teológico$ parece ser radicado na idéia da Ieologia como 3rain)a das ciCncias4$ &ue ao gan)ar o status de scientia no 7o@o de uma teologia monastica$ apartada da cultura em sua %uga mundi iria procurar a verdade das coisas na a7stra=8o dos silogismos lógicos%racionais' Race a essa )omogeneidade teológica escolAstica$ recordando ?égu> ;,1/+%,-,N<$ Duplo>é @A antecipava em rela=8o ao Concílio aticano BB e recuperava em rela=8o a teologia patrística$ a 3rela=8o congCnita da cultura e da palavra de Deus4'Express8o &ue a&ui acreditamos ser particularmente feli9$ pois expressa a rela=8o íntima$ profundamente 7í7lica entre cultura em &ue o ser )umano avan=a em sua capacidade cognitiva da vida e consciCncia de uma a=8o salvífica &ue as Escrituras testemun)am' A gera=8o da fé$ passa por essa 3rela=8o congCnita4 da ?alavra &ue fecunda a cultura poéticamente para um sentido divino$ como sentido profundamente )umano' Amparando%se em ErSin ?anofsF> ;,1-K%,-.1<$ crítico de arte e a rela=8o &ue este fa9 entre a Ar&uitetura gótica e o pensamento escolAstico$ 7em como Eeorges Du7> ;,-,-% ,--.<$ medievalista com sua pes&uisa entre o &ue é material e o &ue pertence a categoria do espírito$ registrado na Arte e nas Bdéias$ 7em como recuperando a teolgia sim7ólica patrística$ o autor vai recuperando essa rela=8o com a Cultura$ como pilar fundante da Ieologia$ inerente ao er7o encarnado &ue inaugura a Oevela=8o como con)ecimento de Deus e neste o con)ecimento do )umano$ &ue portanto$ se fa9 con)ecer na Cultura )umana$ ra98o mesma pela &ual surge uma teologia scholástica$ em virtude da intera=8o de um momento cultural' (an=ando novas lu9es so7re a temporalidade na 3economia da salva=8o4$ fa9%se necessArio repemsar a teologia como )ermenCutica permanente para a inven=8o de si mesmo$ ou mel)or$ para o constante re%inventar do Evangel)o na )istória do povo$ para se@a sempre mensagem n8o somente 3Boa4$ mas tam7ém 3"ova4' "8o é necessArio contrapor Bernardo e A7elardo$ mythos e logos$ se entendermos &ue ciCncia e poesia tem papeis distintos$ lógicas próprias e apropriadas$ e &ue negar o falor poético da Bí7lia é negar a forma primeira de Oevela=8o de Deus$ e medida de toda teologia$ por salvaguardar sua intrinseca rela=8o com o mistério no sím7olo' "esta perspectiva$ dir%se%M &ue a literatura é um lugar teológico$ por&ue a teologia é um lugar literArio$ e )A$ portanto$ n8o uma exclus8o$ mas sim$ uma afinidade por princípio'

!