You are on page 1of 4

Seminário – Contribuições Definir o conceito de “contribuição”. A destinação do produto da arrecadação tributária é relevante para a classificação ur!

dica dos tributos e conse"uente definição das contribuições# Considerar na resposta o art. $%&' inciso ()' da C*+,, e o art. -. do C/0.

12 3ara conceituar “contribuição”' temos "ue' primeiramente' definir se este instituto possui ou não nature4a de tributo. A Constituição *ederal estabelece' em seu arti5o $-6' "ue as pessoas ur!dicas de direito p7blico t8m compet8ncia para instituir tr8s tipos de tributos2

Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: I i!postos" II ta#as, e! ra$ão do e#ercício do poder de polícia ou pela utili$a%ão, e&eti'a ou potencial, de ser'i%os p(blicos especí&icos e di'isí'eis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposi%ão" III contribui%ão de !el)oria, decorrente de obras p(blicas.

9ntretanto' mais adiante' abre:se a possibilidade de cobrança de empréstimos' e contribuições2

Art. 14*. A União, !ediante lei co!ple!entar, poder+ instituir e!pr,sti!os co!puls-rios: Art. 14.. /o!pete e#clusi'a!ente 0 União instituir contribui%1es sociais, de inter'en%ão no do!ínio econ2!ico e de interesse das categorias pro&issionais ou econ2!icas, co!o instru!ento de sua atua%ão nas respecti'as +reas, obser'ado o disposto nos arts. 143, III, e 154, I e III, e se! pre5uí$o do pre'isto no art. 1.5, 6 37, relati'a!ente 0s contribui%1es a 8ue alude o dispositi'o.

0ão ;á' portanto' por parte da C*' clare4a ao determinar as espécies de tributos e<istentes no ordenamento pátrio' de forma "ue e<istem diversas correntes doutrinárias com entendimentos diversos sobre o assunto.=á' basicamente' tr8s correntes2 a bipartida' a tripartida e a ">in">ipartida. A corrente bipartida entende "ue ;á apenas dois tipos de tributos' impostos e ta<as' sendo "ue todas as demais modalidades de prestações pecuniárias compuls?rias previstas na Constituição *ederal se

. 0esse sentido2 PROCESSUAL CIVIL. LIV E LV. AI Ag> 35*5?3@><. SÚMULA 6 6. ALEGADA VIOLAÇÃO AO ART. AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO EXTRAORDIN!RIO INTERPOSTO COM "ASE NA AL#NEA C DO ART. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. /al classificação refere:se ao fato de "ue os tributos tidos como vinculados são a"ueles "ue decorrem de uma atividade estatal' o "ue não ocorre com os impostos.o. II. .. III. I9 /ontribui%1es pre'idenci+rias possue! nature$a tribut+ria. MAT(RIA INFRACONSTITUCIONAL. OFENSA INDIRETA. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. r . *inalmente' a corrente ">in">ipartida' "ue coloca "ue são cinco os tipos de tributos2 impostos' ta<as' contribuições de mel.oria. /al corrente é defendida por autores como Alberto @avier ' 3ontes de Airanda ' Alfredo Au5usto BecCer e 9duardo Aarcial *erreira Dardim. CONSTITUCIONAL. 5º.. 5º. TRI"UTO.. . II...en"uadrariam nos critérios materiais dos impostos e das ta<as. . As demais são consideradas' ou como ta<as' ou como impostos' dependendo de seus critérios materiais. SÚMULA 282. DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 1D =ur!a. CONTRI"UIÇ&ES PREVIDENCI!RIAS. NATURE'A. M a corrente predominante na urisprud8ncia' e sustentada por doutrinadores como (ves Nandra da Silva Aartins' Cláudio Santos e Dosé 9duardo Soares de Aelo.. SÚMULA 282 DO STF. AGRAVO IMPROVIDO. 9 Esta /orte entende 8ue as contribui%1es pre'idenci+rias t:! nature$a tribut+ria.oria' contribuições e empréstimos compuls?rios. . >elator Ministro >icardo AeBandoBsCi.o I' Aires Barreto' 1o"ue Antonio Carra4a' Américo Jacombe e Sac.. PROCESSUAL CIVIL.a Calmon 0avarro Coel. K professor Sacha Calmon Navarro Coelho esclarece tal ponto' "uando afirma "ue2 LKs tricotomistas apenas acrescentam "ue os serviços de poder de pol!cia e de utilidade p7blica são remunerados por ta#as' e as obras p7blicas' por contribuições de mel. IMPOSSI"ILIDADE.<=F. DA CONSTITUIÇÃO. ALEGADA VIOLAÇÃO AO ART. XXXV. Eulga!ento e! F?@11@F44?G CONSTITUCIONAL. OFENSA REFLEXA.. AGRAVO IMPROVIDO. /al corrente é ma oritária na doutrina' sendo apreciada por autores como 3aulo de Barros Carval. A corrente tripartida é fundada no critério tricotEmico' e<istindo' assim' tr8s tipos de tributos' "uais se am' impostos' ta<as e contribuições' "ue devem se5uir F classificação de vinculados Gta<as e contribuiçõesH e não:vinculados GimpostosH. $%2.oria. As contribuições parafiscais e os empréstimos compuls?rios' di4em eles' são impostos ou são ta<asL. DA CF. 0ote:se "ue contribuições' a"ui' se refere e<clusivamente Fs de mel.

H55@><. %.ip?tese de incid8ncia consiste na descrição de uma atuação estatal Gou conse">8ncia destaH. 1. $O6H' as "uais podem inclu!das no rol das contribuições especiais. (sto é' a lei põe' como aspecto material da . COFINS.! . $U$ . a 5urisprud:ncia da /orte ta!b.. LIVROS. p.i.' um fato "ual"uer não consistente em atividade estatal”$. consiste na descrição de um fato "ual"uer "ue não se a atuação estatal.<=F.9ntem nesse sentido pois o C?di5o /ributário 0acional' em seu arti5o -.sti!o co!puls-rio não . >elator Ministro >icardo AeBandoBsCi.' adotou como critério apenas a vinculação ou não do tributo a uma atividade estatal' desconsiderando' então' a afetação dos recursos arrecadados.**G. AI Ag> 3?.<=F. 1D =ur!a.. Eulga!ento e! F4@4H@F44?G Mo 8ue se re&ere 0 nature$a tribut+ria aut2no!a dos e!pr. 8ue 'ersa'a 8ue Io e!pr. A <(!ula n7 41* do <upre!o. Neraldo Ataliba e<plica "ue “são tributos vinculados a"ueles cu a . IMUNIDADE. perdeu sua e&ic+cia co! o >ecurso E#traordin+rio n7 111.'ia autori$a%ão or%a!ent+riaI. Krecedentes. tributo.i.. F. ed. São 3aulo2 Aal. >elator Ministro Eros Lrau. 3ara determinar a relevQncia destinação do produto da arrecadação tributária para a classificação ur!dica dos tributos e conse"uente definição das contribuições' é necessário tecer al5umas considerações.. A i!unidade tribut+ria pre'ista na alínea IdI do inciso 9I do artigo 154 da /onstitui%ão do Jrasil não alcan%a as contribui%1es para a seguridade social.a Calmon 0avarro Coel. 0este caso' a lei põe uma atuação estatal no aspecto material da . 'e$ 8ue i!unidade di$ respeito apenas a i!postos. =á "ue se destacar' ainda' a e<ist8ncia da previsão constitucional das contribuições para o financiamento da Se5uridade Social Gart. e sua arrecada%ão não est+ su5eita 0 e#ig:ncia constitucional da pr.o. Defendem tal corrente Neraldo Ataliba' Sac.o e 3aulo de Barros Carval.i. >E Ag> H4FHH3@><. As contribuições previstas no arti5o $-O podem ser separadas em2 GiH contribuições sociaisP GiiH contribuições para a intervenção no dom!nio econEmicoP e GiiiH contribuições de interesse das cate5orias profissionais ou econEmicas.. 3ara classificação dos tributos e<istentes podemos destacar dois fatores2 primeiramente' o critério le5al' "ue divide as espécies tributárias em vinculadas ou não a uma atividade estatal. tir.sti!os co!puls-rios. São tributos não vinculados a"ueles cu a . não obstante sua nature$a tribut+ria.DEU F4@43@1. Rma corrente doutrinária entende "ue é poss!vel usar apenas este conceito' i5norando a destinação do produto da arrecadação dos tributos. pací&ica.eiros' STTT. Eulga!ento e! F?@11@F44?G AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDIN!RIO. &. .54@K> . Agra'o regi!ental a 8ue se nega pro'i!ento. $ =ip?tese de incid8ncia /ributária. FD =ur!a. Assim' para tal corrente' não é poss!vel considerar as contribuições sociais e os empréstimos compuls?rios como espécies tributárias autEnomas.

“A "uestão não é acad8mica e tem efeitos práticos relevantes2 se a contribuição sobre a fol.0o sentido contrário' entende:se "ue deve ser levado em conta "ue nas contribuições sociais' e. (sto e"uivale di4er "ue o eventual desvio da destinação acarretará a anti uridicidade da pr?pria cobrança”S . $US VK0V9J DY0(K1' 0icolau. São 3aulo2 Aal. Direito Constitucional /ributário.5. Contribuições Sociais. 6%T U S VK0V9J DY0(K1' 0icolau.eiros' STT%. $U$:$US - . M "ue somente a inserção de um novo critério de classificação permitiria di4er "ue as espécies tributárias são tr8s' ou mais” U.a de salários' institu!da pela Jei n.SS' (H não se destinasse F se5uridade social Garti5o $$' ((' e pará5rafo 7nico' “a”H' mas sim F pr?pria Rnião' não .o mais se5uro para a identificação do re5ime ur!dico das contribuições. p.averia d7vida de "ue não se estaria frente a uma contribuição social Garti5o $O6' (H' mas sim a um imposto da sua compet8ncia residual' a reclamar o atendimento aos re"uisitos do arti5o $6-' (' da Constituição *ederal”-. p. 0icolau VonCel D7nior afirma "ue' tomando –se apenas o critério le5al ser!amos obri5ados a recon. Contribuições Sociais. São 3aulo2 Zuartier Jatin' STT6. SS. .ecer apenas duas formas tributárias' em detrimento das U previstas no C* $-62“Admitindo:se como verdade Gapenas para ar5umentarH "ue a Constituição *ederal adotou apenas a clássica divisão dos tributos em vinculados e não:vinculados' uma primeira conse">8ncia G?bviaH seria o sur5imento de A390AS duas espécies tributárias' a saber' tributos vinculados e tributos não:vinculados. CA11AXXA' 1o"ue AntEnio.' a destinação se relaciona de forma estreita com a finalidade a ser dada aos recursos advindos de sua cobrança' finalidade esta' imprescind!vel para a instituição da citada fi5ura tributária. p. 0esse sentido' o professor Carra44a coloca "ue2 “3or a! estamos percebendo "ue a finalidade é o camin.S$SWO$ Gart. ed. São 3aulo2 Zuartier Jatin' STT6.