You are on page 1of 44

. A IDENTIDADE CULTURAL NA PÓS-MODERNIDADE Stuart Hall Livro na íntegra (totalmente escaneado

)
(Do livro: A identidade cultural na pós-modernidade, DP&A Editora, 1 edi!"o em 1##$, %io de &aneiro, 11 edi!"o em $''(, 1'$ p)ginas, tradu!"o: toma* +adeu da ,ilva e -uacira Lopes Louro)

1. A IDENTIDADE EM QUESTÃO A questão da identidade está sendo extensamente discutida na teoria social. Em essência, o argumento é o seguinte: as velhas identidades, que por tanto tempo esta ili!aram o mundo social, estão em declino, "a!endo surgir novas identidades e "ragmentando o indiv#duo moderno, até aqui visto como um su$eito uni"icado. A assim chamada %crise de identidade% é vista como parte de um processo mais amplo de mudan&a, que está deslocando as estruturas e processos centrais das sociedades modernas e a alando os quadros de re"erência que davam aos indiv#duos uma ancoragem estável no mundo social. ' prop(sito deste livro é explorar algumas das quest)es so re a identidade cultural na modernidade tardia e avaliar se existe uma %crise de identidade%, em que consiste essa crise e em que dire&ão ela está indo. ' livro se volta para quest)es como: *ue pretendemos di!er com %crise de identidade%+ *ue acontecimentos recentes nas sociedades modernas precipitaram essa crise+ *ue "ormas ela toma+ *uais são suas conseq,ências potenciais+ A primeira parte do livro -caps. ./01 lida com mudan&as nos conceitos de identidade e de su$eito. A segunda parte -caps. 2/31 desenvolve esse argumento com rela&ão a identidades culturais 4 aqueles aspectos de nossas identidades que surgem de nosso %pertencimento% a culturas étnicas, raciais, ling,#sticas, religiosas e, acima de tudo, nacionais. Este livro é escrito a partir de urna posi&ão asicamente simpática 5 a"irma&ão de que as identidades modernas estão sendo %descentradas%, isto é, deslocadas ou "ragmentadas. Seu prop(sito é o de explorar esta a"irma&ão, ver o que ela implica, quali"icá/la e discutir quais podem ser suas prováveis conseq,ências. Ao desenvolver o argumento, introdu!o certas complexidades e examino alguns aspectos contradit(rios que a no&ão de %descentra&ão%, em sua "orma mais simpli"icada, desconsidera. 6onseq,entemente, as "ormula&)es deste livro são provis(rias e a ertas 5 contesta&ão. A opinião dentro da comunidade sociol(gica está ainda pro"undamente dividida quanto a esses assuntos. As tendências são demasiadamente recentes e am #guas. ' pr(prio conceito com o qual estamos lidando, %identidade%, é demasiadamente complexo, muito pouco desenvolvido e muito pouco compreendido na ciência social

0 contempor7nea para ser de"initivamente posto 5 prova. 6omo ocorre com muitos outros "en8menos sociais, é imposs#vel o"erecer a"irma&)es conclusivas ou "a!er $ulgamentos seguros so re as alega&)es e proposi&)es te(ricas que estão sendo apresentadas. 9eve/se ter isso em mente ao se ler o restante do livro. :ara aqueles;as te(ricos;as que acreditam que as identidades modernas estão entrando em colapso, o argumento se desenvolve da seguinte "orma. <m tipo di"erente de mudan&a estrutural está trans"ormando as sociedades modernas no "inal do século ==. >sso está "ragmentando as paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, ra&a e nacionalidade, que, no passado, nos tinham "ornecido s(lidas locali!a&)es como indiv#duos sociais. Estas trans"orma&)es estão tam ém mudando nossas identidades pessoais, a alando a idéia que ternos de n(s pr(prios como su$eitos integrados. Esta perda de um %sentido de si% estável é chamada, algumas ve!es, de deslocamento ou descentra&ão do su$eito. Esse duplo deslocamento4 descentra&ão dos indiv#duos tanto de seu lugar no mundo social e cultural quanto de si mesmos 4 constitui uma %crise de identidade% para o indiv#duo. 6omo o serva o cr#tico cultural ?o ena @ercer, %a identidade somente se torna urna questão quando está em crise, quando algo que se sup)e como "ixo, coerente e estável é deslocado pela experiência da dAvida e da incerte!a% -@ercer, .BBC, p. D21. Esses processos de mudan&a, tomados em con$unto, representam um processo de trans"orma&ão tão "undamental e a rangente que somos compelidos a perguntar se não é a pr(pria modernidade que está sendo trans"ormada. Este livro acrescenta uma nova dimensão a esse argumento: a a"irma&ão de que naquilo que é descrito, algumas ve!es, como nosso mundo p(s/moderno, n(s somos tam ém %p(s% relativamente a qualquer concep&ão essencialista ou "ixa de identidade4algo que, desde o >luminismo, se sup)e de"inir o pr(prio nAcleo ou essência de nosso ser e "undamentar nossa existência como su$eitos humanos. A "im de explorar essa a"irma&ão, devo examinar primeiramente as de"ini&)es de identidade e o caráter da mudan&a na modernidade tardia. Três concepções e ! en"! # e :ara os prop(sitos desta exposi&ão, distinguirei três concep&)es muito di"erentes de identidade, a sa er, as concep&)es de identidade do: a1 su$eito do >luminismo, 1 su$eito sociol(gico e c1 su$eito p(s/moderno. ' su$eito do >luminismo estava aseado numa concep&ão da pessoa humana como um indiv#duo totalmente centrado, uni"icado, dotado das capacidades de ra!ão, de consciência e de a&ão, cu$o %centro%

2 consistia num nAcleo interior, que pela primeira ve! quando o su$eito nascia e com ele se desenvolvia, ainda que permanecendo essencialmente o mesmo 4 continuo ou %idêntico% a ele 4 ao longo da existência do indiv#duo. ' centro essencial do eu era a identidade de urna pessoa. 9irei mais so re isto em seguida, mas pode/se ver que essa era uma concep&ão muito %individualista% do su$eito e de sua identidade -na verdade, a identidade dele: $á que o su$eito do >luminismo era usualmente descrito como masculino1. A no&ão de su$eito sociol(gico re"letia a crescente complexidade do mundo moderno e a consciência de que este nAcleo interior do su$eito não era aut8nomo e auto/su"iciente, mas era "ormado na rela&ão com %outras pessoas importantes para ele%, que mediavam para o su$eito os valores, sentidos e s#m olos 4 a cultura 4 dos mundos que ele;ela ha itava. E.H. @ead, 6.H. 6ooleF e os interacionistas sim (licos são as "iguras/chave na sociologia que ela oraram esta concep&ão %interativa% da identidade e do eu. 9e acordo com essa visão, que se tornou a concep&ão sociol(gica clássica da questão, a identidade é "ormada na %intera&ão% entre o eu e a sociedade. ' su$eito ainda tem um nAcleo ou essência interior que é o %eu real%, mas este é "ormado e modi"icado num diálogo cont#nuo com os mundos culturais %exteriores% e as identidades que esses mundos o"erecem. A identidade, nessa concep&ão sociol(gica, preenche o espa&o entre o %interior% e o %exterior%4 entre o mundo pessoal e o mundo pA lico. ' "ato de que pro$etamos a %n(s pr(prios% nessas identidades culturais, ao mesmo tempo que internali!amos seus signi"icados e valores, tornando/ os %parte de n(s%, contri ui para alinhar nossos sentimentos su $etivos com os lugares o $etivos que ocupamos no mundo social e cultural. A identidade, então, costura -ou, para usar uma metá"ora médica, %sutura%1 o su$eito 5 estrutura. Esta ili!a tanto os su$eitos quanto os mundos culturais que eles ha itam, tornando am os reciprocamente mais uni"icados e predi!#veis. Argumenta/se, entretanto, que são exatamente essas coisas que agora estão %mudando%. ' su$eito, previamente vivido como tendo uma identidade uni"icada e estável, está se tornando "ragmentadoG composto não de uma Anica, mas de várias identidades, algumas ve!es contradit(rias ou não/ resolvidas. 6orrespondentemente, as identidades, que compunham as paisagens sociais %lá "ora% e que asseguravam nossa con"ormidade su $etiva com as %necessidades% o $etivas da cultura, estão entrando em colapso, como resultado de mudan&as estruturais e institucionais. ' pr(prio processo de identi"ica&ão, através do qual nos pro$etamos em nossas identidades culturais, tornou/se mais provis(rio, variável e pro lemático. Esse processo produ! o su$eito p(s/moderno, conceptuali!ado como não tendo uma identidade "ixa, essencial ou permanente. A identidade torna/se uma %cele ra&ão m(vel%: "ormada trans"ormada continuamente em rela&ão 5s "ormas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam -Hall, .BHI1. E de"inida historicamente, e não iologicamente. ' su$eito assume identidades di"erentes em di"erentes momentos, identidades que não são uni"icadas ao redor de um %eu% coerente. 9entro

D de n(s há identidades contradit(rias, empurrando em di"erentes dire&)es, de tal modo que nossas identi"ica&)es estão sendo continuamente deslocadas. Se sentimos que temos uma identidade uni"icada desde o nascimento até a morte é apenas porque constru#mos uma c8moda est(ria so re n(s mesmos ou uma con"ortadora %narrativa do eu% -ve$a Hall, .BBC1. A identidade plenamente uni"icada, completa, segura e coerente é uma "antasia. Ao invés disso, 5 medida em que os sistemas de signi"ica&ão e representa&ão cultural se multiplicam, somos con"rontados por uma multiplicidade desconcertante e cam iante de identidades poss#veis, com cada unia das quais poder#amos nos identi"icar 4 ao menos temporariamente. 9eve/se ter em mente que as três concep&)es de su$eito acima são, em alguma medida, simpli"ica&)es. Jo desenvolvimento do argumento, elas se tornarão mais complexas e quali"icadas. Jão o stante, elas se prestam como pontos de apoio para desenvolver o argumento central deste livro. O c#r$"er # %& #nç# n# %o ern! # e "#r !# <m outro aspecto desta questão da identidade está relacionado ao caráter da mudan&a na modernidade tardiaG em particular, ao processo de mudan&a conhecido como %glo ali!a&ão% e seu impacto so re a identidade cultural. Em essência, o argumento é que a mudan&a na modernidade tardia tem um caráter muito espec#"ico. 6omo @arx disse so re a modernidade:
é o permanente revolucionar da produ&ão, o a alar ininterrupto de todas as condi&)es sociais, a incerte!a e o movimento eternos ... Kodas as rela&)es "ixas e congeladas, com seu corte$o de vetustas representa&)es e concep&)es, são dissolvidas, todas as rela&)es recém/ "ormadas envelhecem antes de poderem ossi"icar/se. Kudo que é s(lido se desmancha no ar... -@arx e Engels, .BI2, p. IC1.

As sociedades modernas são, portanto, por de"ini&ão, sociedades de mudan&a constante, rápida e permanente. Esta é a principal distin&ão entre as sociedades %tradicionais% e as %modernas%. AnthonF Eiddens argumenta que:
nas sociedades tradicionais, o passado é venerado e os s#m olos são valori!ados porque contêm e perpetuam a experiência de gera&)es. A tradi&ão é um meio de lidar com o tempo e o espa&o, inserindo qualquer atividade ou experiência particular na continuidade do passado, presente e "uturo, os quais, por sua ve!, são estruturados por práticas sociais recorrentes -Eiddens, .BBC, pp. 2I/H1.

N A modernidade, em contraste, não é de"inida apenas como a experiência de convivência com a mudan&a rápida, a rangente e cont#nua, mas é uma "orma altamente re"lexiva de vida, na qual:
as práticas sociais são constantemente examinadas e re"ormadas 5 lu! das in"orma&)es rece idas so re aquelas pr(prias práticas, alterando, assim, constitutivamente, seu caráter -i id., pp. 2I/H1.

Eiddens cita, em particular, o ritmo e o alcance da mudan&a 4 %5 medida em que áreas di"erentes do glo o são postas em interconexão umas com as outras, ondas de trans"orma&ão social atingem virtualmente toda a super"#cie da terra% 4 e a nature!a das institui&)es modernas -Eiddens, .BBC, p. 31. Essas Altimas ou são radicalmente novas, em compara&ão com as sociedades tradicionais -por exemplo, o estado/na&ão ou a mercantili!a&ão de produtos e o tra alho assalariado1, ou têm uma enganosa continuidade com as "ormas anteriores -por exemplo, a cidade1, mas são organi!adas em torno de princ#pios astante di"erentes. @ais importantes são as trans"orma&)es do tempo e do espa&o e o que ele chama de %desalo$amento do sistema social% 4 a %extra&ão% das rela&)es sociais dos contextos locais de intera&ão e sua reestrutura&ão ao longo de escalas inde"inidas de espa&o/tempo% -i id., p. 0.1. Leremos todos esses temas mais adiante. Entretanto, o ponto geral que gostaria de en"ati!ar é o das descontinuidades
's modos de vida colocados em a&ão pela modernidade nos livraram, de tuna "orma astante inédita, de todos os tipos tradicionais de ordem social. Kanto em extensão, quanto em intensidade, as trans"orma&)es envolvidas na modernidade são mais pro"undas do que a maioria das mudan&as caracter#sticas dos per#odos anteriores. Jo plano da extensão, elas serviram para esta elecer "ormas de interconexão social que co rem o glo oG cm termos de intensidade, elas alteraram algumas das caracter#sticas mais #ntimas e pessoais de nossa existência cotidiana -Eiddens, .BBC, p. 0.1.

9avid HarveF "ala da modernidade como implicando não apenas %um rompimento impiedoso com toda e qualquer condi&ão precedente%, mas como %caracteri!ada por um processo sem/"im de rupturas e "ragmenta&)es internas no seu pr(prio interior% -.BHB, p. .01. Ernest Maclau -.BBC1 usa o conceito de %deslocamento%. <ma estrutura deslocada é aquela cu$o centro é deslocado, não sendo su stitu#do por outro, mas por %uma pluralidade de centros de poder%. As sociedades modernas, argumenta Maclau, não têm nenhum centro, nenhum princ#pio articulador ou organi!ador Anico e não se desenvolvem de acordo com o desdo ramento de uma Anica %causa% ou %lei%. A sociedade não é, como os soci(logos pensaram imitas ve!es, um todo uni"icado e em delimitado, uma totalidade, produ!indo/se através de mudan&as evolucionárias a partir de si mesma, como o

3 desenvolvimento de uma "lor a partir de seu deslocada por "or&as "ora de si mesma. As sociedades da modernidade tardia, argumenta ele, são caracteri!adas pela %di"eren&a%G elas são atravessadas por di"erentes divis)es e antagonismos sociais que produ!em urna variedade de di"erentes %posi&)es de su$eito% 4 isto é, identidades 4 para os indiv#duos. Se tais sociedades não se desintegram totalmente não é porque elas são uni"icadas, mas porque seus di"erentes elementos e identidades podem, so certas circunst7ncias, ser con$untamente articulados. @as essa articula&ão é sempre parcial: a estrutura da identidade permanece a erta. Sem isso, argumenta Maclau, não haveria nenhuma hist(ria. Esta é uma concep&ão de identidade muito di"erente e muito mais pertur adora e provis(ria do que as duas anteriores. Entretanto, argumenta Maclau, isso não deveria nos desencora$ar: o deslocamento tem caracter#sticas positivas. Ele desarticula as identidades estáveis do passado, mas tam ém a re a possi ilidade de novas articula&)es: a cria&ão de novas identidades, a produ&ão de novos su$eitos e o que ele chama de %recomposi&ão da estrutura em torno de pontos nodais particulares de articula&ão% -Maclau, .BBC, p. DC1. Eiddens, HarveF e Maclau o"erecem leituras um tanto di"erentes da nature!a da mudan&a do mundo p(s/moderno, nas suas ên"ases na descontinuidade, na "ragmenta&ão, na ruptura e no deslocamento contêm uma linha comum. 9evemos ter isso em mente quando discutirmos o impacto da mudan&a contempor7nea conhecida como %glo ali!a&ão%. O '&e es"$ e% (o)o n# '&es"*o #s ! en"! # es+ Até aqui os argumentos parecem astante a stratos. :ara dar alguma idéia de como eles se aplicam a uma situa&ão concreta e do que está %em $ogo% nessas contestadas de"ini&)es de identidade e mudan&a, vamos tomar um exemplo que ilustra as conseq,ências pol#ticas da "ragmenta&ão ou %plurali!a&ão% de identidades. Em .BB., o então presidente americano, Oush, ansioso por restaurar uma maioria conservadora na Suprema 6orte americana, encaminhou a indica&ão de 6larence Khomas, um $ui! negro de vis)es pol#ticas conservadoras. Jo $ulgamento de Oush, os eleitores rancos -que podiam ter preconceitos em rela&ão a um $ui! negro1 provavelmente apoiaram Khomas porque ele era conservador em termos da legisla&ão de igualdade de direitos, e os eleitores negros -que ap(iam pol#ticas li erais em quest)es de ra&a1 apoiariam Khomas porque ele era negro. Em s#ntese, o presidente estava %$ogando o $ogo das identidades%. 9urante as %audiências% em torno da indica&ão, no Senado, o $ui! Khomas "oi acusado de assédio sexual por uma mulher negra, Anita Hill, uma ex/colega de Khomas. As audiências causaram um esc7ndalo ul o. Ela está constantemente sendo %descentrada% ou

I pA lico e polari!aram a sociedade americana. Alguns negros apoiaram Khomas, aseados na questão da ra&aG outros se opuseram a ele, tomando como ase a questão sexual. As mulheres negras estavam divididas, dependendo de qual identidade prevalecia: sua identidade como negra ou sua identidade como mulher. 's homens negros tam ém estavam divididos, dependendo de qual "ator prevalecia: seu sexismo ou seu li eralismo. 's homens rancos estavam divididos, dependendo, não apenas de sua pol#tica, mas da "orma como eles se identi"icavam com respeito ao racismo e ao sexismo. As mulheres conservadoras rancas apoiavam Khomas, não apenas com ase em sua inclina&ão pol#tica, mas tam ém por causa de sua oposi&ão ao "eminismo. As "eministas rancas, que "req,entemente tinham posi&)es mais progressistas na questão da ra&a, se opunham a Khomas tendo como ase a questão sexual. E, uma ve! que o $ui! Khomas era um mem ro da elite $udiciária e Anita Hill, na época do alegado incidente, uma "uncionária su alterna, estavam em $ogo, nesses argumentos, tam ém quest)es de classe social. A questão da culpa ou da inocência do $ui! Khomas não está em discussão aquiG o que está em discussão é o %$ogo de identidades% e suas conseq,ências pol#ticas. 6onsideremos os seguintes elementos: • • • As identidades eram contradit(rias. Elas se cru!avam ou se %deslocavam% mutuamente As contradi&)es atuavam tanto "ora, na sociedade, atravessando grupos pol#ticos Jenhuma identidade singular 4 por exemplo, de classe social 4 podia alinhar todas asear uma pol#tica. As pessoas não identi"icam mais seus interesses sociais

esta elecidos, quanto %dentro% da ca e&a de cada indiv#duo. as di"erentes identidades com uma %identidade mestra% Anica, a rangente, na qual se pudesse, de "orma segura, exclusivamente em termos de classeG a classe não pode servir como um dispositivo discursivo ou uma categoria mo ili!adora através da qual todos os variados interesses e todas as variadas identidades das pessoas possam ser reconciliadas e representadas. • 9e "orma crescente, as paisagens pol#ticas do mundo moderno são "raturadas dessa

"orma por identi"ica&)es rivais e deslocantes 4 advindas, especialmente, da erosão da %identidade mestra% da classe e da emergência de novas identidades, pertencentes 5 nova ase pol#tica de"inida pelos novos movimentos sociais: o "eminismo, as lutas negras, os movimentos de li erta&ão nacional, os movimentos antinucleares e ecol(gicos -@ercer, .BBC1. • <ma ve! que a identidade muda de acordo com a "orma como o su$eito é interpelado ou representado, a identi"ica&ão não é automática, mas pode ser ganhada ou perdida. Ela tornou/se politi!ada. Esse processo é, 5s ve!es, descrito como constituindo uma mudan&a de urna pol#tica de identidade -de classe1 para urna pol#tica de di"eren&a.

H :osso agora esquemati!ar, de "orma reve, o restante do livro. Em primeiro lugar, vou examinar, de uma "orma um pouco mais pro"unda, como o conceito de identidade mudou: do conceito ligado ao su$eito do >luminismo para o conceito sociol(gico e, depois, para o do su$eito %p(s/moderno%. Em seguida, o livro explorará aquele aspecto da identidade cultural moderna que é "ormado através do pertencimento a uma cultura nacional e como os processos de mudan&a 4 uma mudan&a que e"etua um deslocamento 4 compreendidos no conceito de %glo ali!a&ão% estão a"etando isso. ,. NASCIMENTO E MORTE DO SU-EITO MODERNO Jeste cap#tulo "arei um es o&o da descri&ão, "eita por alguns te(ricos contempor7neos, das principais mudan&as na "orma pela qual o su$eito e a identidade são conceptuali!ados no pensamento moderno. @eu o $etivo é tra&ar os estágios através dos quais uma versão particular do %su$eito humano% 4 com certas capacidades humanas "ixas e um sentimento estável de sua pr(pria identidade e lugar na ordem das coisas 4 emergiu pela primeira ve! na idade modernaG como ele se tornou %centrado%, nos discursos e práticas que moldaram as sociedades modernasG como adquiriu uma de"ini&ão mais sociol(gica ou interativaG e como ele está sendo %descentrado% na modernidade tardia. ' "oco principal deste cap#tulo é conceitual, centrando/se em concep&)es mutantes do su$eito humano, visto como uma "igura discursiva, cu$a "orma uni"icada e identidade racional eram pressupostas tanto pelos discursos do pensamento moderno quanto pelos processos que moldaram a modernidade, sendo/lhes essenciais.

Kentar mapear a hist(ria da no&ão de su$eito moderno é um exerc#cio extremamente di"#cil. A idéia de que as identidades eram plenamente uni"icadas e coerentes e que agora se tornaram totalmente deslocadas é urna "orma altamente simplista de contar a est(ria do su$eito moderno. Eu a adoto aqui como um dispositivo que tem o prop(sito exclusivo de uma exposi&ão conveniente. @esmo aqueles que su screvem inteiramente a no&ão de um descentramento da identidade não a sustentariam nessa "orma simpli"icada. 9eve/se ter essa quali"ica&ão em mente ao ler este cap#tulo. Entretanto, esta "ormula&ão simples tem a vantagem de me

B possi ilitar -no reve espa&o deste livro1 es o&ar um quadro aproximado de corno, de acordo com os proponentes da visão do descentramento, a conceptuali!a&ão do su$eito moderno mudou em três pontos estratégicos, durante a modernidade. Essas mudan&as su linham a a"irma&ão ásica de que as conceptuali!a&)es do su$eito mudam e, portanto, têm uma hist(ria. <ma ve! que o su$eito moderno emergiu num momento particular -seu %nascimento%1 e tem uma hist(ria, segue/se que ele tam ém pode mudar e, de "ato, so certas circunst7ncias, podemos mesmo contemplar sua %morte%. P agora um lugar/comum di!er que a época moderna "e! surgir uma "orma nova e decisiva de individualismo, no centro da qual erigiu/se uma nova concep&ão do su$eito individual e sua identidade. >sto não signi"ica que nos tempos pré/ modernos as pessoas não eram indiv#duos mas que a individualidade era tanto %vivida% quanto %conceptuali!ada% de "orma di"erente. As trans"orma&)es associadas 5 modernidade li ertaram o indiv#duo de seus apoios estáveis nas tradi&)es e nas estruturas. Antes se acreditava que essas eram divinamente esta elecidasG não estavam su$eitas, portanto, a mudan&as "undamentais. ' status, a classi"ica&ão e a posi&ão de uma pessoa na %grande cadeia do ser% 4 a ordem secular e divina das coisas 4 predominavam so re qualquer sentimento de que a pessoa "osse um indiv#duo so erano. ' nascimento do %indiv#duo so erano%, entre o Humanismo Qenascentista do século =L> e o >luminismo do século =L>>>, representou uma ruptura importante com o passado. Alguns argumentam que ele "oi o motor que colocou todo o sistema social da %modernidade% em movimento. QaFmond Rilliams o serva que a hist(ria moderna do su$eito individual reAne dois signi"icados distintos: por um lado, o su$eito é %indivis#vel% 4 uma entidade que é uni"icada no seu pr(prio interior e não pode ser dividida além dissoG por outro lado, é tam ém uma entidade que é %singular, distintiva, Anica% -ve$a Rilliams, .BI3G pp. .22/N: ver ete %individual%1. @uitos movimentos importantes no pensamento e na cultura ocidentais contri u#ram para a emergência dessa nova concep&ão: a Qe"orma e o :rotestantismo, que li ertaram a consciência individual das institui&)es religiosas da >gre$a e a expuseram diretamente aos olhos de 9eusG o Humanismo Qenascentista, que colocou o Homem -sic1 no centro do universoG as revolu&)es cienti"icas, que con"eriram ao Homem a "aculdade e as capacidades para inquirir, investigar e deci"rar os mistérios da Jature!aG e o >luminismo, centrado na imagem do Homem racional, cient#"ico, li ertado do dogma e da intoler7ncia, e diante do qual se estendia a totalidade da hist(ria humana, para ser compreendida e dominada. Erande parte da hist(ria da "iloso"ia ocidental consiste de re"lex)es ou re"inamentos dessa concep&ão do su$eito, seus poderes e suas capacidades. <ma "igura importante, que deu a essa concep&ão sua "ormula&ão primária, "oi o "il(so"o "rancês Qené 9escartes -.NB3/.3NC1. Algumas ve!es visto como o %pai da Siloso"ia moderna%, 9escartes "oi uni matemático e cientista, o "undador da geometria anal#tica e da (tica, e "oi pro"undamente in"luenciado pela %nova ciência% do século =L>>. Ele "oi atingido pela pro"unda dAvida

.C que se seguiu ao deslocamento de 9eus do centro do universo. E o "ato de que o su$eito moderno %nasceu% no meio da dAvida e do ceticismo meta"#sico nos "a! lem rar que ele nunca "oi esta elecido e uni"icado como essa "orma de descrevê/lo parece sugerir -ve$a Sorester, .BHI1. 9escartes acertou as contas com 9eus ao torná/lo o :rimeiro @ovimentador de toda cria&ãoG da# em diante, ele explicou o resto do mundo material inteiramente em termos mec7nicos e matemáticos. 9escartes postulou duas su st7ncias distintas 4 a su st7ncia espacial -matéria1 e a su st7ncia pensante -mente1. Ele re"ocali!ou, assim, aquele grande dualismo entre a %mente% e a %matéria% que tem a"ligido a Siloso"a desde então. As coisas devem ser explicadas, ele acreditava, por uma redu&ão aos seus elementos essenciais 5 quantidade m#nima de elementos e, em Altima análise, aos seus elementos irredut#veis. Jo centro da %mente% ele colocou o su$eito individual, constitu#do por sua capacidade para raciocinar e pensar. %.ogito, ergo sum% era a palavra de ordem de 9escartes: %:enso, logo existo% -ên"ase minha1. 9esde então, esta concep&ão cio su$eito racional, pensante e consciente, situado no centro do conhecimento, tem sido conhecida como o %su$eito cartesiano%. 'utra contri ui&ão cr#tica "oi "eita por Tohn MocUe, o qual, em seu Ensaio so/re a compreens"o 0umana, de"inia o indiv#duo em termos da %mesmidade (sameness1 de um ser racional% 4 isto é, uma identidade que permanecia a mesma e que era cont#nua com seu su$eito: %a identidade da pessoa alcan&a a exata extensão em que sua consciência pode ir para trás, para qualquer a&ão ou pensamento passado% -MocUe, .B3I, pp. 0.00.21. Esta "igura -ou dispositivo conceitual1 4 o %indiv#duo so erano% 4 está inscrita em cada um dos processos e práticas centrais que "i!eram o mundo moderno. Ele -sic1 era o %su$eito% da modernidade em dois sentidos: a origem ou %su$eito% da ra!ão, do conhecimento e da práticaG e aquele que so"ria as conseq,ências dessas práticas 4 aquele que estava %su$eitado% a elas -ve$a Soucault, .BH3 e tam ém Penguin Dictionar1 o2 ,ociolog1: ver ete %su $ect%1. Algumas pessoas têm questionado se o capitalismo realmente exigiu uma concep&ão de indiv#duo so erano desse tipo -A ercrom ie et alli, .BH31. Entretanto, a emergência de urna concep&ão mais individualista do su$eito é amplamente aceita. QaFmond Rilliams sinteti!ou essa imersão do su$eito moderno nas práticas e discursos da modernidade na seguinte passagem:
A emergência de no&)es de individualidade, no sentido moderno, pode ser relacionada ao colapso da ordem social, econ8mica e religiosa medieval. Jo movimento geral contra o "eudalismo houve uma nova ên"ase na existência pessoal do homens, acima e além de seu lugar e sua "un&ão numa r#gida sociedade hierárquica. Houve uma ên"ase similar, no :rotestantismo, na rela&ão direta e individual do homem com 9eus, em oposi&ão a esta rela&ão mediada pela >gre$a. @as "oi s( ao "inal do século =L>> e no século =L>>> que um novo modo de análise, na M(gica e na @atemática, postulou o indiv#duo como a entidade maior -c". as %m8nadas% de Mei ni!1, a partir da qual outras categorias -especialmente categorias coletivas1 eram derivadas. ' pensamento pol#tico do >luminismo seguiu principalmente este

..
modelo. ' argumento come&ava com os indiv#duos, que tinham uma existência primária e inicial. As leis e as "ormas de sociedade eram deles derivadas: por su missão, como em Ho esG por contrato ou consentimento, ou pela nova versão da lei natural, no pensamento li eral. Ja economia clássica, o comércio era descrito através de um modelo que supunha indiv#duos separados que Vpossu#am propriedade eW decidiam, em alguns ponto de partida, entrar em rela&)es econ8micas ou comerciais. Ja ética utilitária, indiv#duos separados calculavam as conseq,ências desta ou daquela a&ão que eles poderiam empreender -Rilliams, .BI3, pp..2N/31.

Ainda era poss#vel, no século =L>>>, imaginar os grandes processos da vida moderna como estando centrados no indiv#duo %su$eito/da/ra!ão%. @as 5 medida em que as sociedades modernas se tornavam mais complexas, elas adquiriam uma "orma mais coletiva e social. As teorias clássicas li erais de governo, aseadas nos direitos e consentimento individuais, "oram o rigadas a dar conta das estruturas do estado/ na&ão e das grandes massas que "a!em uma democracia moderna. As leis clássicas da economia pol#tica, da propriedade, do contrato e da troca tinham de atuar, depois da industriali!a&ão, entre as grandes "orma&)es de classe do capitalismo moderno. ' empreendedor individual da Qique!a das %a&)es de Adam Smith ou mesmo dX' capital de @arx "oi trans"ormado nos conglomerados empresariais da economia moderna. ' cidadão individual tornou/ se enredado nas maquinarias urocráticas e administrativas do estado moderno. Emergiu, então, unia concep&ão mais social do su$eito. ' indiv#duo passou a ser visto como mais locali!ado e %de"inido% no interior dessas grandes estruturas e "orma&)es sustentadoras da sociedade moderna. 9ois importantes eventos contri u#ram para articular um con$unto mais amplo de "undamentos conceptuais para o su$eito moderno. ' primeiro "oi a do cére ro humano. ' segundo evento "oi o surgimento das novas ciências sociais. Entretanto, as trans"orma&)es que isso p8s em a&ão "oram desiguais: • moderna. • ' dualismo t#pico do pensamento cartesiano "oi institucionali!ado na divisão das ciências sociais entre a psicologia e as outras disciplinas. ' estudo do indiv#duo e de seus processos mentais tornou/se o o $eto de estudo especial e privilegiado da psicologia. • A sociologia, entretanto, "orneceu uma cr#tica do %individualismo racional% do su$eito ' %indiv#duo so erano%, com as suas -dele1 vontades, necessidades, dese$os e ioloCa d arYiniana. ' su$eito humano "oi % iologi!ado% 4 a ra!ão tinha uma ase na Jature!a e a mente uni %"undamento% no desenvolvimento "#sico

interesses, permaneceu a "igura central tanto nos discursos da economia moderna quanto nos da lei

cartesiano. Mocali!ou o indiv#duo em processos de grupo e nas normas coletivas as quais,

.0 argumentava, su $a!iam a qualquer contrato entre su$eitos individuais. Em conseq,ência, desenvolveu uma explica&ão alternativa do modo como os indiv#duos são "ormados su $etivamente através de sua participa&ão em rela&)es sociais mais amplas G e, inversamente, do modo como os processos e as estruturas são sustentados pelos papéis que os indiv#duos neles desempenham. Essa %internali!a&ão% do exterior no su$eito, e essa %externali!a&ão% do interior, através da a&ão no mundo social -como discutida antes1, constituem a descri&ão sociol(gica primária do su$eito moderno e estão compreendidas na teoria da sociali!a&ão. 6omo "oi o servado acima, E. H. @ead e os interacionistas sim (licos adotaram unia visão radicalmente interativa deste processo. A integra&ão do indiv#duo na sociedade tinha sido uma preocupa&ão de longa data da sociologia. Ke(ricos como Eo""man estavam pro"undamente atentos ao modo como o %eu% é apresentado em di"erentes situa&)es sociais, e como os con"litos entre estes di"erentes papéis sociais são negociados. Em uni n#vel mais macrossociol(gico, :arsons estudou o %a$uste% ou complementaridade entre %o eu% e o sistema social. Jão o stante, alguns cr#ticos alegariam que a sociologia convencional mantivera algo do dualismo de 9escartes, especialmente em sua tendência para construir o pro lema como uma rela&ão entre duas entidades conectadas mas separadas: aqui, o %indiv#duo e a sociedade%. Este modelo sociol(gico interativo, com sua reciprocidade estável entre %interior% e %exterior%, é, em grande parte, um produto da primeira metade do século ==, quando as ciências sociais assumem sua "orma disciplinar atual. Entretanto, exatamente no mesmo per#odo, um quadro mais pertur ado e pertur ador do su$eito e da identidade estava come&ando a emergir dos movimentos estéticos e intelectuais associado com o surgimento do @odernismo. Encontramos, aqui, a "igura do indiv#duo isolado, exilado ou alienado, colocado contra o pano/de/ "undo da multidão ou da metr(pole an8nima e impessoal. Exemplos disso incluem a "amosa descri&ão do poeta Oaudelaire em %:intor da vida moderna%, que ergue sua casa %no cora&ão Anico da multidão, em meio ao ir e vir dos movimentos, em meio ao "ugidio e ao in"inito% e que %se torna um Anico corpo com multidão%, entra na multidão %como se "osse um imenso reservat(rio de energia elétrica%G o, "laneur -ou o vaga undo1, que vagueia entre as novas arcadas das lo$as, o servando o passageiro espetáculo da metr(pole, que Ralter Oen$amin cele rou no seu ensaio so re a :aris de Oaudelaire, e cu$a contrapartida na modernidade tardia é, provavelmente, o turista -c". <rrF, .BBC1G %?%, a v#tima an8nima, con"rontado por uma urocracia sem rosto, na novela de ?a"Ua, ' :rocessoG e aquela legião de "iguras alienadas d a literatura e da cr#tica social do século == que visavam representar a experiência singular da modernidade. Lárias dessas %inst7ncias exemplares da modernidade%, como as chama Sris F, povoam as páginas dos principais te(ricos sociais da virada do século, como Eeorge Simmel, Al"red Schut! e Sieg"ried ?racauer -todos os quais tentaram

.2 capturar as caracter#sticas essenciais da modernidade em ensaios "amosos, tais como Khe Stranger ou 'utsider1 -ve$a Sris F, .BHN, p..CB1. Estas imagens mostraram/se pro"éticas do que iria acontecer ao su$eito cartesiano e ao su$eito sociol(gico na modernidade tardia.

.D Descen"r#n o o s&(e!"o Aquelas pessoas que sustentam que as identidades modernas estão sendo "ragmentadas argumentam que o que aconteceu 5 concep&ão do su$eito moderno, na modernidade tardia, não "oi simplesmente sua desagrega&ão, mas seu deslocamento. Elas descrevem esse deslocamento através de uma série de rupturas nos discursos do conhecimento moderno. Jesta se&ão, "arei um rápido es o&o de cinco grandes avan&os na teoria social e nas ciências humanas ocorridos no pensamento, no per#odo da modernidade tardia -a segunda metade do século ==1, ou que so re ele tiveram seu principal impacto, e cu$o maior e"eito, argumenta/se, "oi o descentramento "inal do su$eito cartesiano. A primeira descentra&ão importante re"ere/ se 5s tradi&)es do pensamento marxista. 's escritos de @arx pertencem, naturalmente, ao século =>= e não ao século ==. @as um dos modos pelos quais seu tra alho "oi redesco erto e reinterpretado na década de sessenta "oi 5 lu! da sua a"irma&ão de que os %homens -sic1 "a!em a hist(ria, mas apenas so as condi&)es que lhes são dadas%. Seus novos intérpretes leram isso no sentido de que os indiv#duos não poderiam de nenhuma "orma ser os %autores% ou os agentes da hist(ria, uma ve! que eles podiam agir apenas com ase em condi&)es hist(ricas criadas por outros e so as quais eles nasceram, utili!ando os recursos materiais e de cultura que lhes "oram "ornecidos por gera&)es anteriores. Eles argumentavam que o marxismo, corretamente entendido, deslocara qualquer no&ão de agência individual. ' estruturalista marxista Mouis Althusser -.B.H/.BHB1 -ver Penguin Dictionar1 o2 ,ociolog1: ver ete %Althusser%1 a"irmou que, ao colocar as rela&)es sociais -modos de produ&ão, explora&ão da "or&a de tra alho, os circuitos do capital1 e não tuna no&ão a strata de homem no centro de seu sistema te(rico, @arx deslocou duas proposi&)es/chave da "iloso"ia moderna: • • que há uma essência universal de homemG que essa essência é o atri uto de %cada indiv#duo singular%, o qual é seu su$eito real:

Esses dois postulados são complementares e indissolAveis. @as sua existência e sua unidade pressup)em toda unia perspectiva de mundo empirista/idealista. Ao re$eitar a essência do homem como sua ase te(rica, @arx re$eitou todo esse sistema org7nico de postulados. Ele expulsou as categorias "ilos("icas do su$eito do empirismo, da essência ideal, de todos os dom#nios em que elas tinham reinado de "orma suprema. Jão apenas da economia pol#tica -re$ei&ão do mito do homo economicus, isto é, do indiv#duo, com "aculdades e necessidades de"inidas, como sendo o su$eito da economia clássica1G não apenas da hist(riaG ... não apenas da ética -re$ei&ão da idéia ética Uantiana1G mas tam ém da pr(pria "iloso"ia -Althusser, .B33, p. 00H1.

Essa %revolu&ão te(rica total% "oi, é ( vio, "ortemente contestada por muitos te(ricos humanistas que dão maior peso, na explica&ão hist(rica, 5 agência humana. Jão precisamos discutir aqui se Althusser estava

.N total ou parcialmente certo, ou inteiramente errado. ' "ato é que, em ora seu tra alho tenha sido amplamente criticado, seu %anti/humanismo te(rico% -isto é, um modo de pensar oposto 5s teorias que derivam seu racioc#nio de alguma no&ão de essência universal de Homem, alo$ada em cada su$eito individual1 teve um impacto considerável so re muitos ramos do pensamento moderno. ' segundo dos grandes %descentramentos% no pensamento ocidental do século == vem da desco erta do inconsciente por Sreud. A teoria de Sreud de que nossas identidades, nossa sexualidade e a estrutura de nossos dese$os são "ormadas com ase em processos ps#quicos e sim (licos do inconsciente, que "unciona de acordo com uma %l(gica% muito di"erente daquela da Qa!ão, arrasa com o conceito do su$eito cognoscente e racional provido de uma identidade "ixa e uni"icada4 o %penso, logo existo%, do su$eito de 9escartes. Este aspecto do tra alho de Sreud tem tido tam ém um pro"undo impacto so re o pensamento moderno nas três Altimas décadas. A leitura que pensadores psicanal#ticos, como Tacques Macan, "a!em de Sreud é que a imagem do eu como inteiro e uni"icado é algo que a crian&a aprende apenas gradualmente, parcialmente, e com grande di"iculdade. Ela não se desenvolve naturalmente a partir do interior do nAcleo do ser da crian&a, mas é "ormada em rela&ão com os outrosG especialmente nas complexas negocia&)es ps#quicas inconscientes, na primeira in"7ncia, entre a crian&a e as poderosas "antasias que ela tem de suas "iguras paternas e maternas. Jaquilo que Macan chama de %"ase do espelho%, a crian&a que não está ainda coordenada e não possui qualquer auto/imagem como uma pessoa %inteira%, se vê ou se %imagina% a si pr(pria re"letida 4 se$a literalmente, no espelho, se$a "igurativamente, no %espelho% do olhar do outro 4 como uma %pessoa inteira% -Macan, .BII1. -Aliás, Althusser tomou essa metá"ora emprestada de Macan, ao tentar descrever a opera&ão da ideologia1. >sto está pr(ximo, de certa "orma, da concep&ão do %espelho%, de @ead e 6ooleF, do eu interativoG exceto que para eles a sociali!a&ão é uma questão de aprendi!agem consciente, enquanto que para Sreud, a su $etividade é o produto de processos ps#quicos inconscientes. A "orma&ão do eu no %olhar% do 'utro, de acordo com Macan, inicia a rela&ão da crian&a com os sistemas sim (licos "ora dela mesma e é, assim, o momento da sua entrada nos vários sistemas de representa&ão sim (lica 4incluindo a l#ngua, a cultura e a di"eren&a sexual. 's sentimentos contradit(rios e não/resolvidos que acompanham essa di"#cil entrada -o sentimento dividido entre amor e (dio pelo pai, o con"lito entre o dese$o de agradar e o impulso para re$eitar a mãe, a divisão do eu entre suas partes % oa% e %má%, a nega&ão de sua parte masculina ou "eminina, e assim por diante1, que são aspectos/ chave da %"orma&ão inconsciente do su$eito% e que deixam o su$eito %dividido%, permanecem com a pessoa por toda a vida. Entretanto, em ora o su$eito este$a sempre partido ou dividido, ele vivencia sua pr(pria identidade como se ela estivesse reunida e %resolvida%, ou uni"icada, como resultado da "antasia de si mesmo como uma %pessoa% uni"icada que ele "ormou na "ase do espelho. Essa, de acordo com esse tipo de pensamento psicanal#tico, é a origem contradit(ria da %identidade%.

.3 Assim, a identidade é realmente algo "ormado, ao longo do tempo, através de processos inconscientes, e não algo inato, existente na consciência no momento do nascimento. Existe sempre algo %imaginário% ou "antasiado so re sua unidade. Ela permanece sempre incompleta, está sempre %em processo%, sempre %sendo "ormada%. As partes %"emininas% do eu masculino, por exemplo, que são negadas, permanecem com ele e encontram expressão inconsciente em muitas "ormas não reconhecidas, na vida adulta. Assim, em ve! de "alar da identidade como uma coisa aca ada, dever#amos "alar de identi"ica&ão, e vê/la como um processo em andamento. A identidade surge não tanto da plenitude da identidade que $á está dentro de n(s como indiv#duos, mas de uma "alta de inteire!a que é %preenchida% a partir de nosso exterior, pelas "ormas através das quais n(s imaginamos ser vistos por outros. :sicanaliticamente, n(s continuamos porque procuramos recapturar esse pra!er "antasiado da plenitude. 9e novo, o tra alho de Sreud e o de pensadores psicanal#ticos como Macan, que o lêem dessa "orma, têm sido astante questionados. :or de"ini&ão, os processos inconscientes não podem ser "acilmente vistos ou examinadas. Eles têm que ser in"eridos pelas ela oradas técnicas psicanal#ticas da reconstru&ão e da interpreta&ão e não são "acilmente suscet#veis 5 %prova%. Jão o stante, seu impacto geral so re as "ormas modernas de pensamento tem sido muito considerável. Erande parte do pensamento moderno so re a vida su $etiva e ps#quica é %p(s/ "reudiana%, no sentido de que toma o tra alho de Sreud so re o inconsciente como certo e dado, mesmo que re$eite algumas de suas hip(teses espec#"icas. 'utra ve!, podemos avaliar o dano que essa "orma de pensamento causa a no&)es que vêem o su$eito racional e a identidade como "ixos e estáveis. ' terceiro descentramento que examinarei está associado com o tra alho do ling,ista estrutural, Serdinand de Saussure. Saussure argumentava que n(s não somos, em nenhum sentido, os %autores% das a"irma&)es que "a!emos ou dos signi"icados que expressamos na l#ngua. J(s podemos utili!ar a l#ngua para produ!ir signi"icados apenas nos posicionando no interior das regras da l#ngua e dos sistemas de signi"icado de nossa cultura. A l#ngua é um sistema social e não um sistema individual. Ela preexiste a n(s. Jão podemos, em qualquer sentido simples, ser seus autores. Salar uma l#ngua não signi"ica apenas expressar nossos pensamentos mais interiores e originaisG signi"ica tam ém ativar a imensa gama de signi"icados que $á estão em utidos em nossa l#ngua e em nossos sistemas culturais. Além disso, os signi"icados das palavras não são "ixos, numa rela&ão um/a/um com os o $etos ou eventos no mundo existente "ora da l#ngua. ' signi"icado surge nas rela&)es de similaridade e di"eren&a que as palavras têm com outras palavras no interior do c(digo da l#ngua. J(s sa emos o que é a %noite% porque ela não é o %dia%. ' serve/ se a analogia que existe aqui entre l#ngua e identidade. Eu sei quem %eu% sou em rela&ão com %o outro% -por exemplo, minha mãe1 que eu não posso ser. 6omo diria Macan, a identidade, uscando a %identidade% e construindo iogra"ias que tecem as di"erentes partes de nossos eus divididos numa unidade

.I como o inconsciente, %está estruturada como a l#ngua%. ' que modernos "il(so"os da linguagem 4 como Tacques 9errida, in"luenciados por Saussure e pela %virada ling,#stica% 4 argumentam é que, apesar de seus melhores es"or&os, o;a "alante individual não pode, nunca, "ixar o signi"icado de uma "orma "inal, incluindo o signi"icado de sua identidade. As palavras são %multimoduladas%. Elas sempre carregam ecos de outros signi"icados que elas colocam em movimento, apesar de nossos melhores es"or&os para cerrar o signi"icado. Jossas a"irma&)es são aseadas em proposi&)es e premissas das quais n(s não temos consciência, mas que são, por assim di!er, condu!idas na corrente sang,#nea de nossa l#ngua. Kudo que di!emos tem um %antes% e um %depois% 4 uma %margem% na qual outras pessoas podem escrever. ' signi"icado é inerentemente instável: ele procura o "echamento -a identidade1, mas ele é constantemente pertur ado -pela di"eren&a1. Ele está constantemente escapulindo de n(s. Existem sempre signi"icados suplementares so re os quais não temos qualquer controle, que surgirão e su verterão nossas tentativas para criar mundos "ixos e estáveis -ve$a 9errida, .BH.1. ' quarto descentramento principal da identidade e do su$eito ocorre no tra alho do "il(so"o e historiador "rancês @ichel Soucault. Juma série de estudos, Soucault produ!iu uma espécie de %genealogia do su$eito moderno%. Soucault destaca um novo tipo de poder, que ele chama de %poder disciplinar%, que se desdo ra ao longo do século =>=, chegando ao seu desenvolvimento máximo no in#cio do presente século. ' poder disciplinar está preocupado, em primeiro lugar, com a regula&ão, a vigil7ncia é o governo da espécie humana ou de popula&)es inteiras e, em segundo lugar, do indiv#duo e do corpo. Seus locais são aquelas novas institui&)es que se desenvolveram ao longo do século =>= e que %policiam% e disciplinam as popula&)es modernas 4 o"icinas, quartéis, escolas, pris)es, hospitais, cl#nicas e assim por diante -ve$a, por exemplo, Hist(ria da loucura, ' nascimento da cl#nica e Ligiar e punir1. ' o $etivo do %poder disciplinar% consiste em manter %as vidas, as atividades, o tra alho, as in"elicidade e os pra!eres do indiv#duo%, assim como sua saAde "#sica e moral, suas práticas sexuais e sua vida "amiliar, so estrito controle e disciplina, com ase no poder dos regimes administrativos, do conhecimento especiali!ado dos pro"issionais e no conhecimento "ornecido pelas %disciplinas% das 6iências Sociais. Seu o $etivo ásico consiste em produ!ir %um ser humano que possa ser tratado como um corpo d(cil% -9reF"us e Qa inoY, .BH0, p. .2N1. ' que é particularmente interessante, do ponto de vista da hist(ria do su$eito moderno, é que, em ora o poder disciplinar de Soucault se$a o produto das novas institui&)es coletivas e de grande escala da modernidade tardia, suas técnicas envolvem uma aplica&ão do poder e do sa er que %individuali!a% ainda mais o su$eito e envolve mais intensamente seu corpo:
Jum regime disciplinar, a individuali!a&ão é descendente. Através da vigil7ncia, da o serva&ão constante, todas aquelas pessoas su$eitas ao controle são individuali!adas... ' poder

.H
não apenas tra! a individualidade para o campo da o serva&ão, mas tam ém "ixa aquela individualidade o $etiva no campo da escrita. <m imenso e meticuloso aparato documentário torna/ se um componente essencial do crescimento do poder Vnas sociedades modernasW. Essa acumula&ão de documenta&ão individual num ordenamento sistemático torna %poss#vel a medi&ão de "en8menos glo ais, a descri&ão de grupos, a caracteri!a&ão de "atos coletivos, o cálculo de dist7ncias entre os indiv#duos, sua distri ui&ão numa dada popula&ão% -9reF"us e Qa inoY, .BH0, p. .NB, citando Soucault1.

Jão é necessário aceitar cada detalhe da descri&ão que Soucault "a! do caráter a rangente dos %regimes disciplinares% do moderno poder administrativo para compreender o paradoxo de que, quanto mais coletiva e organi!ada a nature!a das institui&)es da modernidade tardia, maior o isolamento, a vigil7ncia e a individuali!a&ão do su$eito individual. ' quinto descentramento que os proponentes dessa posi&ão citam é o impacto do "eminismo, tanto como uma cr#tica te(rica quanto como um movimento social. ' "eminismo "a! parte daquele grupo de %novos movimentos sociais%, que emergiram durante os anos sessenta -o grande marco da modernidade tardia1, $untamente com as revoltas estudantis, os movimentos $uvenis contraculturais e anti elicistas, as lutas pelos direitos civis, os movimentos revolucionários do %Kerceiro @undo%, os movimentos pela pa! e tudo aquilo que está associado com %.B3H%. C que é importante reter so re esse momento hist(rico é que: • • pol#tica. • • • Eles suspeitavam de todas as "ormas urocráticas de organi!a&ão e "avoreciam a Esses movimentos se opunham tanto 5 pol#tica li eral capitalista do 'cidente quanto 5 Eles a"irmavam tanto as dimens)es %su $etivas% quanto as dimens)es %o $etivas % da

pol#tica %estalinista% do 'riente.

espontaneidade e os atos de vontade pol#tica. 6omo argumentado anteriormente, todos esses movimentos tinham uma ên"ase e uma "orma cultural "ortes. Eles a ra&aram o %teatro% da revolu&ão. Eles re"letiam o en"raquecimento ou o "im da classe pol#tica e das organi!a&)es em como sua "ragmenta&ão em vários e separados

pol#ticas de massa com ela associadas, movimentos sociais. •

6ada movimento apelava para a identidade social de seus sustentadores. Assim, o

"eminismo apelava 5s mulheres, a pol#tica sexual aos gaFs e lés icas, as lutas raciais aos negros, o movimento anti elicista aos paci"istas, e assim por diante. >sso constitui o nascimento hist(rico do que veio a ser conhecido como a pol#tica de identidade 4 uma identidade para cada movimento.

.B @as o "eminismo teve tam ém uma rela&ão mais direta com o descentramento conceitual do su$eito cartesiano e sociol(gico: • • Ele questionou a clássica distin&ão entre o %dentro% e o %"ora%, o %privado% e %pA lico%.

' slogan do "eminismo era: %o pessoal é politico%. Ele a riu, portanto, para a contesta&ão politica, arenas inteiramente novas de vida

social: a "am#lia, a sexualidade, o tra alho doméstico, a divisão doméstica do tra alho, o cuidado com as crian&as, etc. • Ele tam ém en"ati!ou, como uma questão pol#tica e social, o tema da "orma como somos "ormados e produ!idos como su$eitos generi"icados. >sto é, ele politi!ou a su $etividade, a identidade e o processo de identi"ica&ão -como homens;mulheres, mães;pais, "ilhos;"ilhas1. • • Aquilo que come&ou como uni movimento dirigido 5 contesta&ão da posi&ão social das ' "eminismo questionou a no&ão de que os homens e as mulheres eram parte da

mulheres expandiu/se para incluir a "orma&ão das identidades sexuais e de gênero. mesma identidade, a %Humanidade%, su stituindo/a pela questão da di"eren&a sexual. Jeste cap#tulo, tentei, pois, mapear as mudan&as conceituais através das quais, de acordo com alguns te(ricos, o %su$eito% do >luminismo, visto como tendo urna identidade "ixa e estável, "oi descentrado, resultando nas identidades a ertas, contradit(rias, inaca adas, "ragmentadas, do su$eito p(s/moderno. 9escrevi isso através de cinco descentramentos. 9eixem/me lem rar outra ve! que muitas pessoas não aceitam as implica&)es conceituais e intelectuais desses desenvolvimentos do pensamento moderno. Entretanto, poucas negariam agora seus e"eitos pro"undamente desesta ili!adores so re as idéias da modernidade tardia e, particularmente, so re a "orma como o su$eito e a questão da identidade são conceptuali!ados. .. AS CULTURAS NACIONAIS COMO COMUNIDADES IMA/INADAS Kendo descrito as mudan&as conceptuais pelas quais os conceitos de su$eito e identidade da modernidade tardia e da p(s/modernidade emergiram, me voltarei, agora, para a questão de como este %su$eito "ragmentado% é colocado em termos de suas identidades culturais. A identidade cultural particular com a qual estou preocupado é a identidade nacional -em ora outros aspectos este$am a# implicados1. ' que está acontecendo 5 identidade cultural na modernidade tardia+ Especi"icamente, como as identidades

0C culturais nacionais estão sendo a"etadas ou deslocadas pelo processo de glo ali!a&ão+ Jo mundo moderno, as culturas nacionais em que nascemos se constituem em unia das principais "ontes de identidade cultural. Ao nos de"inirmos, algumas ve!es di!emos que somos ingleses ou galeses ou indianos ou $amaicanos. ' viamente, ao "a!er isso estamos "alando de "orma meta"(rica. Essas identidades não estão literalmente impressas em nossos genes. Entretanto, n(s e"etivamente pensamos nelas como se "ossem parte de nossa nature!a essencial. ' "il(so"o conservador Qoger Scruton argumenta que:
A condi&ão de homem -sic1 exige que o indiv#duo, em ora exista e a$a como um ser aut8nomo, "a&a isso somente porque ele pode primeiramente identi"icar a si mesmo como algo trais amplo 4 conto um mem ro de uma sociedade, grupo, classe, estado ou na&ão, de algum arran$o, ao qual ele pode até não dar um nome, mas que ele reconhece instintivamente corno seu lar -Scruton, .BH3, p. .N31.

Ernest Eellner, a partir de uma posi&ão mais li eral, tam ém acredita que sem um sentimento de identi"ica&ão nacional o su$eito moderno experimentaria um pro"undo sentimento de perda su $etiva:
A idéia de um homem -sic1 sem uma na&ão parece impor urna -grande1 tensão 5 imagina&ão moderna. <m homem deve ter uma nacionalidade, assim como deve ter um nari! e duas orelhas. Kudo isso parece ( vio, em ora, sinto, não se$a verdade. @as que isso viesse a parecer tão o viamente verdadeiro é, de "ato, um aspecto, talve! o mais central, do pro lema do nacionalismo. Ker uma na&ão não é um atri uto inerente da humanidade, mas aparece, agora, como tal -Eellner, .BH2, p. 31.

' argumento que estarei considerando aqui é que, na verdade, as identidades nacionais não são coisas com as quais n(s nascemos, mas são "ormadas e trans"ormadas no interior da representa!"o. J(s s( sa emos o que signi"ica ser inglês% devido ao modo como a %inglesidade% - Englis0ness1 veio a ser representada 4 como um con$unto de signi"icados 4 pela cultura nacional inglesa. Segue/se que a na&ão não é apenas uma entidade pol#tica mas algo que produ! sentidos 4 um sistema de representa!"o cultural. As pessoas não são apenas cidadãos;ãs legais de uma na&ãoG elas participam da id3ia da na&ão tal como representada em sua cultura nacional. <ma na&ão é uma comunidade sim (lica e é isso que explica seu %poder para gerar um sentimento de identidade e lealdade% -SchYar!, .BH3 , p..C31. As culturas nacionais são uma "orma distintivamente moderna. A lealdade e a identi"ica&ão que, numa era pré/moderna ou em sociedades mais tradicionais, eram dadas 5 tri o, ao povo, 5 religião e 5 região, "oram trans"eridas, gradualmente, nas sociedades ocidentais, 5 cultura nacional. As di"eren&as regionais e étnicas

0. "oram gradualmente sendo colocadas, de "orma su ordinada, so aquilo que Eellner chama de %teto pol#tico% do estado/na&ão, que se tornou, assim, uma "onte poderosa de signi"icados para as identidades culturais modernas. A "orma&ão de urna cultura nacional contri uiu para criar padr)es de al"a eti!a&ão universais, generali!ou urna Anica l#ngua vernacular como o meio dominante de comunica&ão em toda a na&ão, criou uma cultura homogênea e manteve institui&)es culturais nacionais, como, por exemplo, um sistema educacional nacional. 9essa e de outras "ormas, a cultura nacional se tornou uma caracter#stica/chave da industriali!a&ão e um dispositivo da modernidade. Jão o stante, há outros aspectos de uma cultura nacional que a empurram numa dire&ão di"erente, tra!endo 5 tona o que Homi Oha ha chama de %a am ivalência particular que assom ra a idéia da na&ão% -Oha ha, .BBC, p. .1. Algumas dessas am ig,idades são exploradas no capítulo 4. Ja pr(xima se&ão discutirei como uma cultura nacional "unciona como um sistema de representa&ão. Ja se&ão seguinte, discutirei se as identidades nacionais são realmente tão uni"icadas e tão homogêneas como representam ser. Apenas quando essas duas quest)es tiverem sido respondidas é que poderemos considerar adequadamente o argumento de que as identidades nacionais "oram uma ve! centradas, coerentes e inteiras, mas que estão sendo agora deslocadas pelos processos de glo ali!a&ão. N#rr#n o # n#ç*o0 &%# co%&n! # e !%#)!n# # As culturas nacionais são compostas não apenas de institui&)es culturais, mas tam ém de s#m olos e representa&)es. <ma cultura nacional é um discurso 4 um modo de construir sentidos que in"luencia e organi!a tanto nossas a&)es quanto a concep&ão que temos de n(s mesmos -ve$a Penguin Dictionar1 o2 ,ociolog1: ver ete %discourse%1. As culturas nacionais, ao produ!ir sentidos so re %a na&ão%, sentidos com os quais podemos nos identi"icar, constroem identidades. Esses sentidos estão contidos nas est(rias que são contadas so re a na&ão, mem(rias que conectam seu presente com seu passado e imagens que dela são constru#das. 6omo argumentou Oenedict Anderson -.BH21, a identidade nacional é uma %comunidade imaginada%. Anderson argumenta que as di"eren&as entre as na&)es residem nas "ormas di"erentes pelas quais elas são imaginadas. 'u, como disse aquele grande patriota rit7nico, Enoch :oYell: %a vida das na&)es, da mesma "orma que a dos homens, é vivida, em grande parte, na imagina&ão% -:oYell, .B3B, p. 0DN1. @as como é imaginada a na&ão moderna+ *ue estratégias representacionais são acionadas para construir nosso senso comum so re o pertencimento ou so re a identidade nacional+ *uais são as representa&)es, digamos, de %>nglaterra%, que dominam as identi"ica&)es e de"inem as identidades do povo %inglês%+ %As na&)es%, o servou Homi Oha ha, %tais como as narrativas, perdem suas origens nos mitos do tempo e e"etivam

00 plenamente seus hori!ontes apenas nos olhos da mente% -Oha ha, .BBC, p..1.6omo é contada a narrativa da cultura nacional+ 9os muitos aspectos que uma resposta a rangente 5 questão incluiria selecionei cinco elementos principais: • Em primeiro lugar, há a narrativa da na&ão, tal como é contada e recontada nas

hist(rias e nas literaturas nacionais, na m#dia e na cultura popular. Essas "ornecem uma série de est(rias, imagens, panoramas, cenários, eventos hist(ricos, s#m olos e rituais nacionais que sim oli!am ou representam as experiências partilhadas, as perdas, os triun"os e os desastres que dão sentido 5 na&ão. 6omo mem ros de tal %comunidade imaginada%, nos vemos, no olho de nossa mente, como compartilhando dessa narrativa. Ela dá signi"icado e import7ncia 5 nossa mon(tona existência, conectando nossas vidas cotidianas com um destino nacional que preexiste a n(s e continua existindo ap(s nossa morte. 9esde a imagem de uma verde e agradável terra inglesa, com seu doce e tranq,ilo interior, com seus chalés de treli&as e $ardins campestres 4 %a ilha coroada% de ShaUespeare 4 até 5s cerim8nias pA licas, o discurso da %inglesidade% -englis0ness1 representa o que %a >nglaterra% é, dá sentido 5 identidade de %ser inglês% e "ixa a %>nglaterra% como um "oco de identi"ica&ão nos cora&)es ingleses -e angl("ilos1. 6omo o serva Oill SchYar!:
Essas coisas "ormam a trama que nos prende invisivelmente ao passado. 9o mesmo modo que o nacionalismo inglês é negado, assim tam ém o é sua tur ulenta e contestada hist(ria. ' que ganhamos ao invés disso... é uma ên"ase na tradi&ão e na heran&a, acima de tudo na continuidade, de "orma que nossa cultura politica presente é vista como o "lorescimento de uma longa e org7nica evolu&ão -SchYar!, .BH3, p. .NN1.

Em segundo lugar, há a ên"ase nas origens, na continuidade, na tradi&ão e na

intemporalidade. A identidade nacional é representada como primordial 4 %está lá, na verdadeira nature!a das coisas%, algumas ve!es adormecida, mas sempre pronta para ser %acordada% de sua %longa, persistente e misteriosa sonolência%, para reassumir sua inque rantável existência -Eellner, .BH2, p. DH1. 's elementos essenciais do caráter nacional permanecem imutáveis, apesar de todas as vicissitudes da hist(ria. Está lá desde o nascimento, uni"icado e cont#nuo, %imutável% ao longo de todas as mudan&as, eterno. A sra. Khatcher o servou, na época da Euerra das @alvinas, que havia algumas pessoas %que pensavam que n(s não poder#amos mais "a!er as grandes coisas que uma ve! hav#amos "eito... que a Erã/Oretanha não era mais a na&ão que tinha constru#do um >mpério e dominado um quarto do mundo... Oem, eles estavam errados... A Erã/ Oretanha não mudou% -citado em Oarnett, .BH0,p. 321.

02 • <ma terceira estratégia discursiva é constitu#da por aquilo que Ho s aYm e Qanger

chamam de inven&ão da tradi&ão: %Kradi&)es que parecem ou alegam ser antigas são muitas ve!es de origem astante recente e algumas ve!es inventadas... Kradi&ão inventada signi"ica um con$unto de práticas ... , de nature!a ritual ou sim (lica, que uscam inculcar certos valores e normas de comportamentos através da repeti&ão, a qual, automaticamente, implica continuidade com um passado hist(rico adequado%. :or exemplo, %nada parece ser mais antigo e vinculado ao passado imemorial do que a pompa que rodeia a monarquia -Ho s aYm e Qanger, .BH2, p.X1. • <m quarto exemplo de narrativa da cultura nacional é a do mito 2undacional: uma rit7nica e suas mani"esta&)es cerimoniais pA licas. Jo entanto..., na sua "orma moderna, ela é o produto do "inal do século =>= e ==%

est(ria que locali!a a origem da na&ão, do povo e de seu caráter nacional num passado tão distante que eles se perdem nas rumas do tempo, não do tempo %real%, mas de um tempo %m#tico%. Kradi&)es inventadas tornam as con"us)es e os desastres da hist(ria intelig#veis, trans"ormando a desordem em %comunidade% -por exemplo, a Olit! ou a evacua&ão durante a >> Erande Euerra1 e desastres em triun"os -por exemplo, 9unquerque1. @itos de origem tam ém a$udam povos desprivilegiados a %conce erem e expressarem seu ressentimento e sua satis"a&ão em termos intelig#veis% -Ho s aYm e Qanger, .BH2, p..1. Eles "ornecem uma narrativa através da qual uma hist(ria alternativa ou uma contranarrativa, que precede 5s rupturas da coloni!a&ão, pode ser constru#da -por exemplo, o rasta"arianismo para os po res despossu#dos de ?ingston, TamaicaG ver Hall, .BHN1. Jovas na&)es são, então, "undadas so re esses mitos. -9igo %mitos% porque, como "oi o caso com muitas na&)es a"ricanas que emergiram depois da descoloni!a&ão, o que precedeu 5 coloni!a&ão não "oi %uma Anica na&ão, um Anico povo%, mas muitas culturas e sociedades tri ais di"erentes1. • A identidade nacional é tam ém muitas ve!es sim olicamente aseada na idéia de um povo ou 2ol5 puro, original. @as, nas realidades do desenvolvimento nacional, é raramente esse povo -2ol51 primordial que persiste ou que exercita o poder. 6omo, acidamente, o serva Eellner: %*uando Vos ruritananosW vestiram os tra$es do povo e rumaram para as montanhas, compondo poemas nos clar)es das "lorestas, eles não sonhavam em se tornarem um dia tam ém poderosos urocratas, em aixadores e ministros% -.BH2, p. 3.1. ' discurso da cultura nacional não é, assim, tão moderno como aparenta ser. Ele constr(i identidades que são colocadas, de modo am #guo, entre o passado e o "uturo. Ele se equili ra entre a tenta&ão por retornar a gl(rias passadas e o impulso por avan&ar ainda mais em dire&ão 5 modernidade. As culturas

0D nacionais são tentadas, algumas ve!es, a se voltar para o passado, a recuar de"ensivamente para aquele %tempo perdido%, quando a na&ão era %grande%G são tentadas a restaurar as identidades passadas. Este constitui o elemento regressivo, anacr8nico, da est(ria da cultura nacional. @as "req,entemente esse mesmo retorno ao passado oculta urna luta para mo ili!ar as %pessoas% para que puri"iquem suas "ileiras, para que expulsem os %outros% que amea&am sua identidade e para que se preparem para uma nova marcha para a "rente. 9urante os anos oitenta, a ret(rica do thatcherismo utili!ou, algumas ve!es, os dois aspectos daquilo que Kom Jairn chama de %"ace de Tanus% do nacionalismo -Jairn, .BII1: ditar para trás, para as gl(rias do passado imperial e para os %valores vitorianos% e, ao mesmo tempo, empreender uma espécie de moderni!a&ão, em prepara&ão para um novo estágio da competi&ão capitalista glo al. Alguma coisa do mesmo tipo pode estar ocorrendo na Europa 'riental. As áreas que se separam da antiga <nião Soviética rea"irmam suas identidades étnicas essenciais e reivindicam uma nacionalidade sustentada por %est(rias% -algumas ve!es extremamente duvidosas1 de origens m#ticas, de ortodoxia religiosa e de pure!a racial. 6ontudo, elas podem tam ém estar usando a na&ão como uma "orma através da qual possam competir com outras %na&)es% étnicas e poder, assim, entrar no rico %clu e% do 'cidente. 6omo tão agudamente o servou >mmanuel Rallerstein, %os nacionalismos do mundo moderno são a expressão am #gua Vde um dese$oW por... assimila&ão no universal... e, simultaneamente, por... adesão ao particular, 5 reinven&ão das di"eren&as. Ja verdade, trata/se de um universalismo através do particularismo e de um particularismo através do universalismo% -Rallerstein, .BHD, pp. .33/I1. Descons"r&!n o # 1c&2"&r# n#c!on#210 ! en"! # e e !3erenç# A se&ão anterior discutiu como uma cultura nacional atua como uma "onte de signi"icados culturais, um "oco de identi"ica&ão e um sistema de representa&ão. Esta se&ão volta/se agora para a questão de sa er se as culturas nacionais e as identidades nacionais que elas constroem são realmente uni2icadas. Em seu "amoso ensaio so re o tema, Ernest Qenan disse que três coisas constituem o princ#pio espiritual da unidade de uma na&ão: %...a posse em comum de um rico legado de mem(rias..., o dese$o de viver em con$unto e a vontade de perpetuar, de uma "orma indivisiva, a heran&a que se rece eu% -Qenan, .BBC, p. .B1. 9evemos ter em mente esses três conceitos, ressonantes daquilo que constitui uma cultura nacional como uma %comunidade imaginada%: as memórias do passadoG o dese6o por viver em con$untoG a perpetua&ão da 0eran!a. KimothF Orennan nos "a! lem rar que a palavra na&ão re"ere/se %tanto ao moderno estado/na&ão quanto a algo mais antigo e ne uloso 4 a natio 4uma comunidade local, um domic#lio, urna condi&ão de pertencimento% -Orennan, .BBC, p. DN1. As identidades nacionais representam precisamente o resultado da reunião dessas duas metades da equa&ão nacional 4 o"erecendo tanto a condi&ão de mem ro do estado/

0N na&ão pol#tico quanto unia identi"ica&ão com a cultura nacional: %tornar a cultura e a es"era pol#tica congruentes% e "a!er com que %culturas ra!oavelmente homogêneas, tenham, cada uma, seu pr(prio teto pol#tico% -Eellner, .BH2, p. D21. Eellner identi"ica claramente esse impulso por uni"ica&ão, existente nas culturas nacionais:
...a cultura é agora o meio partilhado necessário, o sangue vital, ou talve!, antes, a atmos"era partilhada m#nima, apenas no interior da qual os mem ros de uma sociedade podem respirar e so reviver e produ!ir. :ara tuna dada sociedade, ela tem que ser uma atmos"era na qual podem todos respirar, "alar e produ!irG ela tem que ser, assim, a mesma cultura -Eellner, .BH2 , pp. 2I/H1.

:ara di!er de "orma simples: não importa quão di"erentes seus mem ros possam ser em termos de classe, gênero ou ra&a, uma cultura nacional usca uni"icá/los numa identidade cultural, para representá/los todos como pertencendo 5 mesma e grande "am#lia nacional. @as seria a identidade nacional uma identidade uni"icadora desse tipo, uma identidade que anula e su ordina a di"eren&a cultural+ Essa idéia está su$eita 5 dAvida, por várias ra!)es. <ma cultura nacional nunca "oi um simples ponto de lealdade, união e identi"ica&ão sim (lica. Ela é tam ém unia estrutura de poder cultural. 6onsideremos os seguintes pontos: • A maioria das na&)es consiste de culturas separadas que s( "oram uni"icadas por um

longo processo de conquista violenta 4isto é, pela supressão "or&ada da di"eren&a cultural. %' povo rit7nico% é constitu#do por unia série desse tipo de conquistas 4 céltica, romana, sax8nica, viUinge normanda. Ao longo de toda a Europa, essa est(ria se repete ad nauseam. 6ada conquista su $ugou povos conquistados e suas culturas, costumes, l#nguas e tradi&)es, e tentou impor uma hegemonia cultural mais uni"icada. 6omo o servou Ernest Qenan, esses come&os violentos que se colocam nas origens das na&)es modernas têm, primeiro, que ser %esquecidos%, antes que se comece a "or$ar a lealdade com uma identidade nacional mais uni"icada, mais homogênea. Assim, a cultura % rit7nica% não consiste de uma parceria igual entre as culturas componentes do Qeino <nido, mas da hegemonia e"etiva da cultura %inglesa%, locali!ada no sul, que se representa a si pr(pria como a cultura rit7nica essencial, por cima das culturas escocesas, galesas e irlandesas e, na verdade, por cima de outras culturas regionais. @attheY Arnold, que tentou "ixar o caráter essencial do povo inglês a partir de sua literatura, a"irmou, ao considerar os celtas, que esses %nacionalismos provinciais tiveram que ser a sorvidos ao n#vel do pol#tico, e aceitos como contri uindo culturalmente para a cultura inglesa% -9odd, .BH3, p. .01.

03 • Em segundo lugar, as na&)es são sempre compostas de di"erentes classes socais e

di"erentes grupos étnicos e de gênero. ' nacionalismo rit7nico moderno "oi o produto de um es"or&o muito coordenado, no alto per#odo imperial e no per#odo vitoriano tardio, para uni"icar as classes ao longo de divis)es sociais, ao provê/las com uni ponto alternativo de identi"ica&ão 4pertencimento comum 5 %"am#lia da na&ão%. :ode/se desenvolver o mesmo argumento a respeito do gênero. As identidades nacionais são "ortemente generi"icadas. 's signi"icados e os valores da %Znglesidade% -englis0ness1 têm "ortes associa&)es masculinas. As mulheres exercem um papel secundário como guardiãs do lar e do clã, e como %mães% dos %"ilhos% -homens1 da na&ão. • Em terceiro lugar, as na&)es ocidentais modernas "oram tam ém os centros de

impérios ou de es"eras neoimperiais de in"luência, exercendo uma hegemonia cultural so re as culturas dos coloni!ados. Alguns historiadores argumentam, atualmente, que "oi nesse processo de compara&ão entre as %virtudes% da %inglesidade% - Englis0ness) e os tra&os negativos de outras culturas que muitas das caracter#sticas distintivas das identidades inglesas "oram primeiro de"inidas -ve$a 6. Hall,.BB01. Em ve! de pensar as culturas nacionais como uni"icadas, dever#amos pensá/las como constituindo um dispositivo discursivo que representa a di"eren&a como unidade ou identidade. Elas são atravessadas por pro"undas divis)es e di"eren&as internas, sendo %uni"icadas% apenas através do exerc#cio de di"erentes "ormas de poder cultural. Entretanto 4como nas "antasias do eu %inteiro% de que "ala a psicanálise lacanianas identidades nacionais continuam a ser representadas como uni2icadas. <ma "orma de uni"icá/las tem sido a de representá/las como a expressão da cultura su $acente de %um Anico povo%. A etnia é o termo que utili!amos para nos re"erirmos 5s caracter#sticas culturais 4l#ngua, religião, costume, tradi&)es, sentimento de %lugar% 4 que são partilhadas por um povo. E tentador, portanto, tentar usar a etnia dessa "orma %"undacional%. @as essa cren&a aca a, no mundo moderno, por ser um mito. A Europa 'cidental não tem qualquer na&ão que se$a composta de apenas um Anico povo, unia Anica cultura ou etnia. As na!7es modernas silo, todas, 0í/ridos culturais. E ainda mais di"#cil uni"icar a identidade nacional em torno da ra&a. Em primeiro lugar, porque 4 contrariamente 5 cren&a generali!ada 4 a ra&a não é uma categoria iol(gica ou genética que tenha qualquer validade cient#"ica. Há di"erentes tipos e variedades, mas eles estão tão largamente dispersos no interior do que chamamos de%ra&as%quanto entre uma %ra&a%e outra.A di"eren&a genética 4 o Altimo re"Agio das ideologias racistas 4 não pode ser usada para distinguir um povo do outro. A ra&a é uma categoria discursiva e não uma categoria iol(gica. >sto é, ela é a categoria organi!adora daquelas "ormas de "alar, daqueles sistemas de representa&ão e práticas sociais -discursos1 que utili!am um con$unto "rouxo, "req,entemente

0I pouco espec#"ico, de di"eren&as em termos de caracter#sticas "#sicas 4 cor da pele, textura do ca elo, caracter#sticas "#sicas e corporais, etc. 4 como marcas sim (licas, a "im de di"erenciar socialmente um grupo de outro. Jaturalmente o caráter não cient#"ico do termo %ra&a% não a"eta o modo %como a l(gica racial e os quadros de re"erência raciais são articulados e acionados, assim como não anula suas conseq,ências -9onald e Qattansi,.BB0, p.l1. Jos Altimos anos, as no&)es iol(gicas so re ra&a, entendida como constitu#da de espécies distintas -no&)es que su $a!iam a "ormas extremas da ideologia e do discurso nacionalista em per#odos anteriores: o eugenismo vitoriano, as teorias européias so re ra&a, o "ascismo1 têm sido su stitu#das por de"ini&)es culturais, as quais possi ilitam que a ra&a desempenhe um papel importante nos discursos so re na&ão e identidade nacional. :aul EilroF tem analisado as liga&)es entre, de um lado, o racismo cultural e a idéia de ra&a e, de outro, as idéias de na&ão, nacionalismo e pertencimento nacional:
En"rentamos, de "orma crescente, um racismo que evita ser reconhecido como tal, porque é capa! de alinhar %ra&a% com nacionalidade, patriotismo e nacionalismo. <m racismo que tomou uma dist7ncia necessária das grosseiras idéias de in"erioridade e superioridade iol(gica usca, agora, apresentar uma de"ini&ão imaginária da na&ão como uma comunidade cultural uni"icada. Ele constr(i e de"ende uma imagem de cultura nacional 4 homogênea na sua ranquidade, em ora precária e eternamente vulnerável ao ataque dos inimigos internos e externos... Este hum racismo que responde 5 tur ulência social e pol#tica da crise e 5 administra&ão da crise através da restaura&ão da grande!a nacional na imagina&ão. Sua constru&ão on#rica de nossa ilha coroada como etnicamente puri"icada propicia um especial con"orto contra as devasta&)es do decl#nio -nacional1 -EilroF, .BB0, p.HI1.

@as mesmo quando o conceito de %ra&a% é usado dessa "orma discursiva mais ampla, as na&)es modernas teimosamente se recusam a ser determinadas por ela. 6omo o servou Qenan, %as na&)es l#deres da Europa são na&)es de sangue essencialmente misto: a Sran&a é Vao mesmo tempoW céltica, i érica e germ7nica. A Alemanha é germ7nica, céltica e eslava. A >tália é o pa#s onde... gauleses, etruscos, pelagianos e gregos, para não mencionar outros, se intersectam numa mistura indeci"rável. As ilhas rit7nicas, consideradas como um todo, apresentam uma mistura de sangue celta e germ7nico, cu$as propor&)es são particularmente di"#ceis de de"inir% -Qenan, .BBC, pp..D/.N1. E essas são misturas relativamente simples se comparadas com as encontradas na Europa 6entral e 'riental. Este reve exame solapa a idéia da na&ão como uma identidade cultural uni"icada. As identidades nacionais não su ordinam todas as outras "ormas de di"eren&a e não estão livres do $ogo de poder, de divis)es e contradi&)es internas, de lealdades e de di"eren&as so repostas. Assim, quando vamos discutir se as identidades nacionais estão sendo deslocadas, devemos ter em mente a "orma pela qual as culturas nacionais

0H contri uem para %costurar% as di"eren&as numa Anica identidade. 4. /LO5ALI6A7ÃO ' cap#tulo anterior questionou a idéia de que as identidades nacionais tenham sido alguma ve! tão uni"icadas ou homogêneas quanto "a!em crer as representa&)es que delas se "a!em. Entretanto, na hist(ria moderna, as culturas nacionais têm dominado a %modernidade% e as identidades nacionais tendem a se so repor a outras "ontes, mais particularistas, de identi"ica&ão cultural. ' que, então, está tão poderosamente deslocando as identidades culturais nacionais, agora, no "im do século ==+ A resposta é: um complexo de processos e "or&as de mudan&a, que, por conveniência, pode ser sinteti!ado so o termo %glo ali!a&ão%. 6omo argumenta AnthonF @cEreY -.BB01, a %glo ali!a&ão% se re"ere 5queles processos, atuantes numa escala glo al, que atravessam "ronteiras nacionais, integrando e conectando comunidades e organi!a&)es em novas com ina&)es de espa&o/tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiência, mais interconectado. A glo ali!a&ão implica um movimento de distanciamento da idéia sociol(gica clássica da %sociedade% como um sistema em delimitado e sua su stitui&ão por uma perspectiva que se concentra na "orma como a vida social está ordenada ao longo do tempo e do espa&o% -Eiddens, .BBC, p. 3D1. Essas novas caracter#sticas temporais e espaciais, que resultam na compressão de dist7ncias e de escalas temporais, estão entre os aspectos mais importantes da glo ali!a&ão a ter e"eito so re as identidades culturais. Eles são discutidos com mais detalhes no que se segue. Mem remos que a glo ali!a&ão não é um "en8meno recente: %A modernidade é inerentemente glo ali!ante% -Eiddens, .BBC, p. 321. 6omo argumentou 9avid Held -.BB01, os estados/na&ão nunca "oram tão aut8nomos ou so eranos quanto pretendiam. E, como nos "a! lem rar Rallerstein, o capitalismo %"oi, desde o in#cio, um elemento da economia mundial e não dos estados/na&ão. ' capital nunca permitiu que suas aspira&)es "ossem determinadas por "ronteiras nacionais% -Rallerstein, .BIB, p. .B1. Assim, tanto a tendência 5 autonomia nacional quanto a tendência 5 glo ali!a&ão estão pro"undamente enrai!adas na modernidade -ve$a Rallerstein, .BB., p. BH1. 9evemos ter em mente essas duas tendências contradit(rias presentes no interior da glo ali!a&ão. Entretanto, geralmente se concorda que, desde os anos IC, tanto o alcance quanto o ritmo da integra&ão glo al aumentaram enormemente, acelerando os "luxos e os la&os entre as na&)es. Jesta e na pr(xima se&ão, tentarei descrever as conseq,ências desses aspectos da glo ali!a&ão so re as identidades culturais, examinando três poss#veis conseq,ências: • As identidades nacionais estão se desintegrando, como resultado do crescimento da

0B homogenei!a&ão cultural e do %p(s/moderno glo al%. • • As identidades nacionais e outras identidades %locais% ou particularistas estão sendo re2or!adas pela resistência 5 glo ali!a&ão. As identidades nacionais estão em decl#nio, mas novas identidades 4 h# ridas 4 estão

tomando seu lugar. Co%press*o esp#ço-"e%po e ! en"! # e *ue impacto tem a Altima "ase da glo ali!a&ão so re as identidades nacionais+ <ma de suas caracter#sticas principais é a %compressão espa&o/tempo%, a acelera&ão dos processos glo ais, de "orma que se sente que o mundo é menor e as dist7ncias mais curtas, que os eventos em um determinado lugar têm um impacto imediato so re pessoas e lugares situados a uma grande dist7ncia. 9avid HarveF argumenta que:
A medida que o espa&o se encolhe para se tornar urna aldeia %glo al% de telecomunica&)es e urna %espa&onave planetária% de interdependências econ8micas e ecol(gicas 4 para usar apenas duas imagens "amiliares e cotidianas 4 e 5 medida em que 's hori!ontes temporais se encurtam até ao ponto em que o presente é tudo que existe, temos que aprender a lidar com um sentimento avassalador de compressão de nossos mundos espaciais e temporais -HarveF, .BHB, p. 0DC1.

' que é importante para nosso argumento quanto ao impacto da glo ali!a&ão so re a identidade é que o tempo e o espa&o são tam ém as coordenadas ásicas de todos os sistemas de representa&ão. Kodo meio de representa&ão 4 escrita, pintura, desenho, "otogra"ia, sim oli!a&ão através da arte on dos sistemas de telecomunica&ão 4 deve tradu!ir seu o $eto em dimens)es espaciais e temporais. Assim, a narrativa tradu! os eventos numa seq,ência temporal %come&o/meio/"im%G os sistemas visuais de representa&ão tradu!em o $etos tridimensionais em duas dimens)es. 9i"erentes épocas culturais têm di"erentes "ormas de com inar essas coordenadas espa&o/tempo. HarveF contrasta o ordenamento racional do espa&o e do tempo da >lustra&ão -com seu senso regular de ordem, simetria e equil# rio1 com as rompidas e "ragmentadas coordenadas espa&o/ tempo dos movimentos modernistas do "inal do século =>= e in#cio do século ==. :odemos ver novas rela&)es espa&o/tempo sendo de"inidas em eventos tão di"erentes quanto a teoria da relatividade de Einstein, as pinturas cu istas de :icasso e Oraque, os tra alhos dos surrealistas e dos dada#stas, os experimentos com o tempo e a narrativa nos romances de @arcel :roust e Tames ToFce e o uso de técnicas de montagem nos primeiros "ilmes de Lertov e Eisenstein. Jo capitulo 8 argumentei que a identidade está pro"undamente envolvida no processo de

2C representa&ão. Assim, a moldagem e a remoldagem de rela&)es espa&o/tempo no interior de di"erentes sistemas de representa&ão têm e"eitos pro"undos so re a "orma como as identidades são locali!adas e representadas. ' su$eito masculino, representado nas pinturas do século =L>>>, no ato de inspe&ão de sua propriedade, através das em/reguladas e controladas "ormas espaciais clássicas, no crescente georgiano -Oath1 ou na residência de campo inglesa -Olenheim :alace1, ou vendo a si pr(prio nas vastas e controladas "ormas da Jature!a de um $ardim ou parque "ormal -6apa ilitF OroYn1, tem um sentido muito di"erente de identidade cultural daquele do su$eito que vê a %si pr(prio;a% espelhado nos "ragmentados e "raturados %rostos% que olham dos planos e super"#cies partidos de uma das pinturas cu istas de :icasso. Kodas as identidades estão locali!adas no espa&o e no tempo sim (licos. Elas têm aquilo que EdYard Said chama de suas %geogra"ias imaginárias% -Said, .BBC1: suas %paisagens% caracter#sticas, seu senso de %lugar%, de %casa;lar%, ou 0eimat, em como suas locali!a&)es no tempo 4 nas tradi&)es inventadas que ligam passado e presente, em mitos de origem que pro$etam o presente de volta ao passado, em narrativas de na&ão que conectam o indiv#duo a eventos hist(ricos nacionais mais amplos, mais importantes. :odemos pensar isso de uma outra "orma: nos termos daquilo que Eiddens -.BBC1 chama de separa&ão entre espa&o e lugar. ' %lugar% é espec#"ico, concreto, conhecido, "amiliar, delimitado: o ponto de práticas sociais espec#"icas que nos moldaram e nos "ormaram e com as quais nossas identidades estão estreitamente ligadas:
Jas sociedades pré/modernas, o espa&o e o lugar eram amplamente coincidentes, uma ve! que as dimens)es espaciais da vida social eram, para a maioria da popula&ão, dominadas pela presen&a%// por uma atividade locali!ada... A modernidade separa, cada ve! mais, o espa&o do lugar, ao re"or&ar rela&)es entre outros que estão %ausentes%, distantes -em termos de local1, de qualquer intera&ão "ace/a/"ace. Jas condi&)es da modernidade..., os locais são inteiramente penetrados e moldados por in"luências sociais astante distantes deles. ' que estrutura o local não é simplesmente aquilo que está presente na cenaG a %"orma vis#vel% do local oculta as rela&)es distanciadas que determinam sua nature!a -Eiddens, .BBC, p. .H1.

's lugares permanecem "ixosG é neles que temos %ra#!es%. Entretanto, o espa&o pode ser %cru!ado% num piscar de olhos 4 por avião a $ato, por "ax ou por satélite. HarveF chama isso de %destrui&ão do espa&o através do tempo% -.BHB, p. 0CN1 E% !reç*o #o p8s-%o erno )2o9#2+ Alguns te(ricos argumentam que o e"eito geral desses processos glo ais tem sido o de en"raquecer ou solapar "ormas nacionais de identidade cultural. Eles argumentam que existem evidências de um

2. a"rouxamento de "ortes identi"ica&)es com a cultura nacional, e um re"or&amento de outros la&os e lealdades culturais, %acima% e %a aixo% do n#vel do estado/na&ão. As identidades nacionais permanecem "ortes, especialmente com respeito a coisas como direitos legais e de cidadania, mas as identidades locais, regionais e comunitárias têm se tornado mais importantes. 6olocadas acima do n#vel da cultura nacional, as identi"ica&)es %glo ais% come&am a deslocar e, algumas ve!es, a apagar, as identidades nacionais. Alguns te(ricos culturais argumentam que a tendência em dire&ão a uma maior interdependência glo al está levando ao colapso de todas as identidades culturais "ortes e está produ!indo aquela "ragmenta&ão de c(digos culturais, aquela multiplicidade de estilos, aquela ên"ase no e"êmero, no "lutuante, no impermanente e na di"eren&a e no pluralismo cultural descrita por ?enneth Khompson -.BB01, mas agora numa escala glo al 4 o que poder#amos chamar de pós-moderno glo/al. 9s 2lu:os culturais, entre as na&)es, e o consumismo glo al criam possi ilidades de %identidades partilhadas%4 como %consumidores% para os mesmos ens, %clientes% para os mesmos servi&os, %pA licos% para as mesmas mensagens e imagens 4 entre pessoas que estão astante distantes umas das outras no espa&o e no tempo. A medida em que as culturas nacionais tornam/se mais expostas a in"luências externas, é di"#cil conservar as identidades culturais intactas ou impedir que elas se tornem en"raquecidas através do om ardeamento e da in"iltra&ão cultural. As pessoas que moram em aldeias pequenas, aparentemente remotas, em pa#ses po res, do %Kerceiro @undo%, podem rece er, na privacidade de suas casas, as mensagens e imagens das culturas ricas, consumistas, do 'cidente, "ornecidas através de aparelhos de KL ou de rádios portáteis, que as prendem 5 %aldeia glo al% das novas redes de comunica&ão. Teans e a rigos 4 o %uni"orme% do $ovem na cultura $uvenil ocidental 4 são tão onipresentes no sudeste da [sia quanto na Europa ou nos Estados <nidos, não s( devido ao crescimento da mercantili!a&ão em escala mundial da imagem do $ovem consumidor, mas porque, com "req,ência, esses itens estão sendo realmente produ!idos em KaiYan ou em Hong ?ong ou na 6oréia do Sul, para as lo$as "inas de Jova \orU, Mos Angeles, Mondres ou Qoma. E di"#cil pensar na %comida indiana% como algo caracter#stico das tradi&)es étnicas do su continente asiático quando há uni restaurante indiano no centro de cada cidade da Erã/Oretanha *uanto mais a vida social se torna mediada pelo mercado glo al de estilos, lugares e imagens, pelas viagens internacionais, pelas imagens da m#dia e pelos sistemas de comunica&ão glo almente interligados, mais as identidades se tornam desvinculadas 4desalo$adas 4de tempos, lugares, hist(rias e tradi&)es espec#"icos e parecem %"lutuar livremente%. Somos con"rontados por uma gama de di"erentes identidades -cada qual nos "a!endo apelos, ou melhor, "a!endo apelos a di"erentes partes de n(s1, dentre as quais parece poss#vel "a!er uma escolha. Soi a di"usão do consumismo, se$a como realidade, se$a como sonho, que contri uiu para esse e"eito de %supermercado cultural%. Jo interior do discurso do consumismo glo al, as di"eren&as e as distin&)es culturais, que até então de"iniam a identidade, "icam redu!idas a uma espécie de

20 l#ngua "ranca internacional ou de moeda glo al, em termos das quais todas as tradi&)es espec#"icas e todas as di"erentes identidades podem ser tradu!idas. Este "en8meno é conhecido como %homogenei!a&ão cultural%. Em certa medida, o que está sendo discutido é a tensão entre o %glo al% e o %local% na trans"orma&ão das identidades. As identidades nacionais, como vimos, representam v#nculos a lugares, eventos, s#m olos, hist(rias particulares. Elas representam o que algumas ve!es é chamado de uma "orma particularista de v#nculo ou pertencimento. Sempre houve uma tensão entre essas identi"ica&)es e identi"ica&)es mais universalistas 4por exemplo, uma identi"ica&ão maior com a %humanidade% do que com a %inglesidade% -englishness1. Esta tensão continuou a existir ao longo da modernidade: o crescimento dos estados/na&ão, das economias nacionais e das culturas nacionais continuam a dar um "oco para a primeiraG a expansão do mercado mundial e da modernidade como uni sistema glo al davam o "oco para a segunda. Jo cap#tulo N, que examina como a glo ali!a&ão, em suas "ormas mais recentes, tem um e"eito so re as identidades, pensaremos esse e"eito em termos de novos modos de articula&ão dos aspectos particulares e universais da identidade ou de novas "ormas de negocia&ão da tensão entre os dois. :. O /LO5AL; O LOCAL E O RETORNO DA ETNIA As identidades nacionais estão sendo %homogenei!adas%+ A homogenei!a&ão cultural é o grito angustiado daqueles;as que estão convencidos;as de que a glo ali!a&ão amea&a solapar as identidades e a %unidade% das culturas nacionais. Entretanto, como visão do "uturo das identidades num mundo p(s/ moderno, este quadro, da "orma como é colocado, é muito simplista, exagerado e unilateral. :ode/se considerar, no m#nimo, três quali"ica&)es ou contratendências principais. A primeira vem do argumento de ?evin Qo in e da o serva&ão de que, ao lado da tendência em dire&ão 5 homogenei!a&ão glo al, há tam ém uma "ascina&ão com a di"eren&a e com a mercantili!a&ão da etnia e da %alteridade%. Há, $untamente com o impacto do %glo al%, um novo interesse pelo %local%. A glo ali!a&ão -na "orma da especiali!a&ão "lex#vel e da estratégia de cria&ão de %nichos% de mercado1, na verdade, explora a di"erencia&ão local. Assim, ao invés de pensar no glo al como %su stituindo% o local seria mais acurado pensar numa nova articula&ão entre %o glo al% e %o local%. Este %local% não deve, naturalmente, ser con"undido com velhas identidades, "irmemente enrai!adas em localidades em delimitadas. Em ve! disso, ele atua no interior da l(gica da glo ali!a&ão. Entretanto, parece improvável que a glo ali!a&ão vá simplesmente destruir as identidades nacionais. E mais provável que ela vá produ!ir, simultaneamente, novas identi"ica&)es %glo ais% e novas identi"ica&)es %locais%. A segunda quali"ica&ão relativamente ao argumento so re a homogenei!a&ão glo al das identidades é que a glo ali!a&ão é muito desigualmente distri u#da ao redor do glo o, entre regi)es e entre di"erentes

22 estratos da popula&ão dentro das regi)es. >sto é o que 9oreen @asseF chama de %geometria do poder% da glo ali!a&ão. ' terceiro ponto na cr#tica da homogenei!a&ão cultural é a questão de se sa er o que é mais a"etado por ela. <ma ve! que a dire&ão do "luxo é desequili rada, e que continuam a existir rela&)es desiguais de poder cultural entre %o 'cidente% e %o Qesto%, pode parecer que a glo ali!a&ão 4 em ora se$a, por de"ini&ão, algo que a"eta o glo o inteiro 4 se$a essencialmente um "en8meno ocidental. ?evin Qo ins nos "a! lem rar que:
Em ora tenha se pro$etado a si pr(prio como trans/hist(rico e transnacional, como a "or&a transcendente e universali!adora da moderni!a&ão e da modernidade, o capitalismo glo al é, na verdade, um processo de ocidentali!a&ão 4 a exporta&ão das mercadorias, dos valores, das prioridades, das "ormas de vida ocidentais. Em um processo de desencontro cultural desigual, as popula&)es %estrangeiras% têm sido compelidas a ser os su$eitos e os su alternos do império ocidental, ao mesmo tempo em que, de "orma não menos importante, o 'cidente vê/se "ace a "ace com a cultura %alien#gena% e %ex(tica% de seu %'utro%. A glo ali!a&ão, 5 medida que dissolve as arreiras da dist7ncia, torna o encontro entre o centro colonial e a peri"eria coloni!ada imediato e intenso -Qo ins, .BB., p. 0N1.

Ja Altima "orma de glo ali!a&ão, são ainda as imagens, os arte"atos e as identidades da modernidade ocidental, produ!idos pelas indAstrias culturais das sociedades %ocidentais% -incluindo o Tapão1 que dominam as redes glo ais. A proli"era&ão das escolhas de identidade é mais ampla no %centro% do sistema glo al que nas suas peri"erias. 's padr)es de troca cultural desigual, "amiliar desde as primeiras "ases da glo ali!a&ão, continuam a existir na modernidade tardia. Se quisermos provar as co!inhas ex(ticas de outras culturas em um Anico lugar, devemos ir comer em @anhattan, :aris ou Mondres e não em 6alcutá ou em Jova 9elhi. :or outro lado, as sociedades da peri"eria têm estado sempre a ertas 5s in"luências culturais ocidentais e, agora, mais do que nunca. A idéia de que esses são lugares %"echados% 4 etnicamente puros, culturalmente tradicionais e intocados até ontem pelas rupturas da modernidade 4 é uma "antasia ocidental so re a %alteridade%: uma %"antasia colonial% so re a peri"eria, mantida pelo 'cidente, que tende a gostar de seus nativos apenas como %puros% e de seus lugares ex(ticos apenas como %intocados%. Entretanto, as evidências sugerem que a glo ali!a&ão está tendo e"eitos em toda parte, incluindo o 'cidente, e a %peri"eria% tam ém está vivendo seu e"eito plurali!ador, em ora num ritmo mais lento e desigual.

T<e Res" !n "<e =es" >O Res"o no Oc! en"e?

2D As páginas precedentes apresentaram três quali"ica&)es relativamente 5 primeira das três poss#veis conseq,ências da glo ali!a&ão, isto é, a homogenei!a&ão das identidades glo ais. Elas são: a1 glo ali!a&ão caminha em paralelo com um re"or&amento das identidades locais, em ora isso ainda este$a dentro da l(gica da compressão espa&o/tempo. 1 A glo ali!a&ão é um processo desigual e tem sua pr(pria %geometria de poder%. c1 A glo ali!a&ão retém alguns aspectos da domina&ão glo al ocidental, mas as identidades culturais estão, em toda parte, sendo relativi!adas pelo impacto da compressão espa&o/tempo. Kalve! o exemplo mais impressionante desse terceiro ponto se$a o "en8meno da migra&ão. Ap(s a Segunda Euerra @undial, as potências européias descoloni!adoras pensaram que podiam simplesmente cair "ora de suas es"eras coloniais de in"luência, deixando as conseq,ências do imperialismo atrás delas. @as a interdependência glo al agora atua em am os os sentidos. ' movimento para "ora -de mercadorias, de imagens, de estilos ocidentais e de identidades consumistas1 tem uma correspondência num enorme movimento de pessoas das peri"erias para o centro, num dos per#odos mais longos e sustentados de migra&ão %não/plane$ada% da hist(ria recente. impulsionadas pela po re!a, pela seca, pela "ome, pelo su desenvolvimento econ8mico e por colheitas "racassadas, pela guerra civil e pelos distAr ios pol#ticos, pelo con"lito regional e pelas mudan&as ar itrárias de regimes pol#ticos, pela d#vida externa acumulada de seus governos para com os ancos ocidentais, as pessoas mais po res do glo o, em grande nAmero, aca am por acreditar na %mensagem% do consumismo glo al e se mudam para os locais de onde vêm os % ens% e onde as chances de so revivência são maiores. Ja era das comunica&)es glo ais, o 'cidente está situado apenas 5 dist7ncia de uma passagem aérea. Kem havido migra&)es cont#nuas e de grande escala, legais e %ilegais%, para os Estados <nidos, a partir de muitos pa#ses po res da América Matina e da acia cari enha -6u a, Haiti, :orto Qico, QepA lica 9ominicana, ilhas do 6ari e Orit7nico1, em corno grande nAmero de %migrantes econ8micos% e de re"ugiados pol#ticos do Sudeste da [sia e do Extremo 'riente4 chineses, coreanos, vietnamitas, cam o$ianos, indianos, paquistaneses, $aponeses. ' 6anadá tem uma su stancial minoria de popula&ão cari enha. <ma conseq,ência disso é uma mudan&a dramática na %mistura étnica% da popula&ão dos Estados <nidos 4 a primeira desde as migra&)es em massa das primeiras décadas deste século. Em .BHC, um em cada cinco americanos tinha origem a"ro/americana, asiático americana ou ind#gena. Em .BBC, essa estat#stica era de um em cada quatro. Em muitas cidades grandes -incluindo Mos Angeles, San Srancisco, Jova \orU, 6hicago e @iami1, os rancos são agora uma minoria. Jos anos HC, a popula&ão da 6ali"(rnia

2N cresceu em N,3 milh)es, D2 por cento dos quais eram pessoas de cor 4 isto é, incluindo hisp7nicos e asiáticos, em como a"ro/americanos -comparados com 22 por cento em .BHC1 4 e um quinto tinha nascido no estrangeiro. Em .BBN, previa/se que inn ter&o dos estudantes das escolas pA licas americanas seria constitu#do de %não/ rancos% -6enso dos Estados <nidos, .BB., citado em :latt, .BB.1. Ao longo do mesmo per#odo, houve urna %migra&ão% paralela de ára es do @aghre -@arrocos, Argélia, Kun#sia1 para a Europa, e de a"ricanos do Senegal e do ]aire para a Sran&a e para a OélgicaG de turcos e norte/a"ricanos para a AlemanhaG de asiáticos das >ndias 'cidentais e 'rientais -ex/col8nias holandesas1 e do Suriname para a HolandaG de norte/a"ricanos para a >táliaG e, o viamente, de pessoas do 6ari e e da >ndia, :aquistão, Oangladesh, *uênia, <ganda e Sri ManUa para o Qeino <nido. Há re"ugiados politicos da Somália, Eti(pia, Sudão e Sri ManUa e de outros lugares, em pequenos nAmeros, em toda parte. Esta "orma&ão de %enclaves% étnicos minoritários no interior dos estados/na&ão do 'cidente levou a uma %plurali!a&ão% de culturas nacionais e de identidades nacionais. A !#2@"!c# #s ! en"! # es 6omo esta situa&ão tem se mostrado na Erã/ Oretanha, em termos de identidade+ ' primeiro e"eito tem sido o de contestar os contornos esta elecidos da identidade nacional e o de expor seu "echamento 5s press)es da di"eren&a, da %alteridade% e da diversidade cultural. >sto está acontecendo, em di"erentes graus, em todas as culturas nacionais ocidentais e, como conseq,ência, "e! com que toda a questão da identidade nacional e da %centralidade% cultural do 'cidente "osse a ertamente discutida. Jum mundo de "ronteiras dissolvidas e de continuidades rompidas, as velhas certe!as e hierarquias da identidade rit7nica têm sido postas em questão. Jum pa#s que é agora um reposit(rio de culturas a"ricanas e asiáticas, o sentimento do que signi"ica ser rit7nico nunca mais pode ter a mesma velha con"ian&a e certe!a. ' que signi"ica ser europeu, num continente colorido não apenas pelas culturas de suas antigas col8nias, mas tam ém pelas culturas americanas e agora pelas $aponesas+ A categoria da identidade não é, ela pr(pria, pro lemática+ E poss#vel, de algum modo, em tempos glo ais, ter/se um sentimento de identidade coerente e integral+ A continuidade e a historicidade da identidade são questionadas pela imediate! e pela intensidade das con"ronta&)es culturais glo ais. 's con"ortos da Kradi&ão são "undamentalmente desa"iados pelo imperativo de se "or$ar uma nova auto/interpreta&ão, aseada nas responsa ilidades da Kradu&ão cultural -Qo ins, .BB., p. D.1. 'utro e"eito desse processo "oi o de ter provocado um alargamento do campo das identidades e uma proli"era&ão de novas posi&)es/de/identidade, $untamente com um aumento de polari!a&ão entre elas. Esses processos constituem a segunda e a terceira conseq,ências poss#veis da glo ali!a&ão, anteriormente re"eridas

23 4 a possi ilidade de que a glo ali!a&ão possa levar a um "ortalecimento de identidades locais ou 5 produ&ão de novas identidades. ' "ortalecimento de identidades locais pode ser visto na "orte rea&ão de"ensiva daqueles mem ros dos grupos étnicos dominantes que se sentem amea&ados pela presen&a de outras culturas. Jo Qeino <nido, por exemplo, a atitude de"ensiva produ!iu uma %inglesidade% -englishness1 re"ormada, um %inglesismo% mesquinho e agressivo e um recuo ao a solutismo étnico, numa tentativa de escorar a na&ão e reconstruir %uma identidade que se$a una, uni"icada, e que "iltre as amea&as da experiência social% -Sennett, .BI., p..N1. >sso "req,entemente está aseado no que antes chamei de %racismo cultural% e é evidente, atualmente, em partidos pol#ticos legais, tanto de direita quanto de esquerda, e em movimentos pol#ticos mais extremistas em toda a Europa 'cidental. Algumas ve!es isso encontra uma correspondência num recuo, entre as pr(prias comunidades comunitárias, a identidades mais de"ensivas, em resposta 5 experiência de racismo cultural e de exclusão. Kais estratégias incluem a re/identi"ica&ão com as culturas de origem -no 6ari e, na ^ndia, em Oangladesh, no :aquistão1G a constru&ão de "ortes contra/etnias 4 como na identi"ica&ão sim (lica da segunda gera&ão da $uventude a"ro/cari enha, através dos temas e motivos do rasta"arianismo, com sua origem e heran&a a"ricanaG ou o revival do tradicionalismo cultural, da ortodoxia religiosa e do separatismo pol#tico, por exemplo, entre alguns setores da comunidade isl7mica. Kam ém há algumas evidências da terceira conseq,ência poss#vel da glo ali!a&ão 4 a produ&ão de novas identidades. <m om exemplo é, o das novas identidades que emergiram nos anos IC, agrupadas ao redor do signi"icante lacU, o qual, no contexto rit7nico, "ornece um novo "oco de identi"ica&ão tanto para as comunidades a"rocari enhas quanto para as asiáticas. ' que essas comunidades têm em comum, o que elas representam através da apreensão da identidade lacU, não é que elas se$am, cultural, étnica, ling,#stica ou mesmo "isicamente, a mesma coisa, mas que elas são vistas e tratadas como %a mesma coisa% -isto é, não/ rancas, como o %outro%1 pela cultura dominante. E a sua exclusão que "ornece aquilo que Maclau e @ou""e chamam de %eixo comum de equivalência% dessa nova identidade. Entretanto, apesar do "ato de que es"or&os são "eitos para dar a essa identidade /lac5 um conteAdo Anico ou uni"icado, ela continua a existir como uma identidade ao longo de uma larga gama de outras di2eren!as . :essoas a"ro/cari enhas e indianas continuam a manter di"erentes tradi&)es culturais. ' /lac5 é, assim, um exemplo não apenas do caráter pol#tico das novas identidades isto é, de seu caráter posicional e con$untural -sua "orma&ão em e para tempos e lugares espec#"icos1 mas tam ém do modo como a identidade e a di"eren&a estão inextrincavelmente articuladas ou entrela&adas em identidades di"erentes, uma nunca anulando completamente a outra. 6omo conclusão provis(ria, parece então que a glo ali!a&ão tem, sim, o e"eito de contestar e deslocar as identidades centradas e %"echadas% de urna cultura nacional. Ela tem um e"eito plurali!ante so re as

2I identidades, produ!indo uma variedade de possi ilidades e novas posi&)es de identi"ica&ão, e tornando as identidades mais posicionais, mais pol#ticas, mais plurais e diversasG menos "ixas, uni"icadas ou trans/ hist(ricas. Entretanto, seu e"eito geral permanece contradit(rio. Algumas identidades gravitam ao redor daquilo que Qo ins chama de %Kradi&ão%, tentando recuperar sua pure!a anterior e reco rir as unidades e certe!as que são sentidas como tendo sido perdidas. 'utras aceitam que as identidades estão su$eitas ao plano da hist(ria, da pol#tica, da representa&ão e da di"eren&a e, assim, é improvável que elas se$am outra ve! unitárias ou %puras%G e essas, conseq,entemente, gravitam ao redor daquilo que Qo ins -seguindo Homi Oha ha1 chama de %Kradu&ão%. ' capítulo ( descreverá, revemente, esse movimento contradit(rio entre Kradi&ão e Kradu&ão, num quadro mais amplo e glo al, e perguntará o que isso nos di! so re o modo como as identidades devem ser conceptuali!adas, em rela&ão com os "uturos da modernidade. Jaquilo que di! respeito 5s identidades, essa oscila&ão entre Kradi&ão e Kradu&ão -que "oi rapidamente descrita antes, em rela&ão 5 Erã/ Oretanha1 está se tornando mais evidente num quadro glo al. Em toda parte, estão emergindo identidades culturais que não são "ixas, mas que estão suspensas, em transi&ão, entre di"erentes posi&)esG que retiram seus recursos, ao mesmo tempo, de di"erentes tradi&)es culturaisG e que são o produto desses complicados cru!amentos e misturas culturais que são cada ve! mais comuns num mundo glo ali!ado. :ode ser tentador pensar na identidade, na era da glo ali!a&ão, como estando destinada a aca ar num lugar ou noutro: ou retornando a suas %ra#!es% ou desaparecendo através da assimila&ão e da homogenei!a&ão. @as esse pode ser um "also dilema. :ois há uma outra possi ilidade: a da Kradu&ão. Este conceito descreve aquelas "orma&)es de identidade que atravessam e intersectam as "ronteiras naturais, compostas por pessoas que "oram dispersadas para sempre de sua terra natal. Essas pessoas retêm "ortes v#nculos com seus lugares de origem e suas tradi&)es, mas sem a ilusão de um retorno ao passado. Elas são o rigadas a negociar com as novas culturas em que vivem, sem simplesmente serem assimiladas por elas e sem perder completamente suas identidades. Elas carregam os tra&os das culturas, das tradi&)es, das linguagens e das hist(rias particulares pelas quais "oram marcadas. A di"eren&a é que elas não são e nunca serão uni2icadas no velho sentido, porque elas são, irrevogavelmente, o produto de várias hist(rias e culturas interconectadas, pertencem a uma e, ao mesmo tempo, a várias %casas% -e não a uma %casa% particular1. As pessoas pertencentes a essas culturas 0í/ridas têm sitio o rigadas a renunciar ao sonho ou 5 am i&ão de redesco rir qualquer tipo de pure!a cultural %perdida% ou de a solutismo étnico. Elas estão irrevogavelmente tradu!idas. A palavra %tradu&ão%, o serva Salman Qushdie, %vem, etimologicamente, do latim, signi"icando %trans"erir%G %transportar entre "ronteiras%. Escritores migrantes, como ele, que pertencem a dois mundos ao mesmo tempo, %tendo sido transportados através do mundo..., são homens tradu!idos% -Qushdie, .BB.1. Eles são o produto das novas di)sporas

2H criadas pelas migra&)es p(s/coloniais. Eles devem aprender a ha itar, no m#nimo, duas identidades, a "alar duas linguagens culturais, a tradu!ir e a negociar entre elas As culturas h# ridas constituem um dos diversos tipos de identidade distintivamente novos produ!idos na era da modernidade tardia. Há muitos outros exemplos a serem desco ertos. A. BUNDAMENTALISMO; DIASPORA E CI5RIDISMO Algumas pessoas argumentam que o %hi ridismo% e o sincretismo 4 a "usão entre di"erentes tradi&)es culturais 4 são uma poderosa "onte criativa, produ!indo novas "ormas de cultura, mais apropriadas 5 modernidade tardia que 5s velhas e contestadas identidades do passado. 'utras, entretanto, argumentam que o hi ridismo, com a indetermina&ão, a %dupla consciência% e o relativismo que implica, tam ém tem seus custos e perigos. ' romance de Salman Qushdie so re a migra&ão, o >slã e o pro"eta @aomé, Lersos sat7nicos, com sua pro"unda imersão na cultura isl7mica e sua secular consciência de um %homem tradu!ido% e exilado, o"endeu de tal "orma os "undamentalistas iranianos que eles decretaram/lhe a senten&a de morte, acusando/o de las"êmia. Kam ém o"endeu muitos mu&ulmanos rit7nicos. Ao de"ender seu romance, Qushdie apresentou uma de"esa "orte e irresist#vel do %hi ridismo%:
Jo centro do romance está um grupo de personagens, a maioria dos quais é constitu#da de mu&ulmanos rit7nicos, ou de pessoas não particularmente religiosas, de origem isl7mica, lutando precisamente com o mesmo tipo de pro lemas que têm surgido em torno do livro, pro lemas de hi ridi!a&ão e gueti!a&ão, de reconciliar o velho com o novo. Aquelas pessoas que se op)em violentamente ao romance, ho$e, são de opinião de que a mistura entre di"erentes culturais inevitavelmente en"raquecerá e destruirá sua pr(pria cultura. Sou da opinião oposta. ' livro Lersos sat7nicos cele ra o hi ridismo, a impure!a, a mistura, a trans"orma&ão, que vêm de novas e inesperadas com ina&)es de seres humanos, culturas, idéias, pol#ticas, "ilmes, mAsicas. ' livro alegra/se com os cru!amentos e teme o a solutismo do :uro. ;3lange, mistura, um pouco disso e um pouco daquilo, 3 dessa 2orma <ue o novo entra no mando . E a grande possi ilidade que a migra&ão de massa dá ao mundo, e eu tenho tentado a ra&á/la. ' livro =ersos sat>nicos é a "avor da mudan&a/por/"usão, da mudan&a/por/reunião. E uma can&ão de amor para nossos cru!ados eus -Qushdie, .BB., p. 2BD1.

Entretanto, o livro =ersos sat>nicos pode per"eitamente ter "icado preso entre as irreconciliáveis "or&as da Kradi&ão e da Kradu&ão. Essa é a visão, simpática a Qushdie, mas tam ém cr#tica, de OhiUu :areUh -.BHB1. :or outro lado, existem tam ém "ortes tentativas para se reconstru#rem identidades puri"icadas, para se restaurar a coesão, o %"echamento% e a Kradi&ão, "rente ao hi ridismo e 5 diversidade. 9ois exemplos são o

2B ressurgimento do nacionalismo na Europa 'riental e o crescimento do "undamentalismo. Juma era em que a integra&ão regional nos campos econ8micos e pol#ticos, e a dissolu&ão da so erania nacional, estão andando muito rapidamente na Europa 'cidental, o colapso dos regimes comunistas na Europa 'riental e o colapso da antiga <nião Soviética "oram seguidos por um "orte revival do nacionalismo étnico, alimentado por idéias tanto de pure!a racial quanto de ortodoxia religiosa. A am i&ão para criar novos e uni"icados estados/na&ão -que, como sugeri acima, nunca realmente existiram nas culturas nacionais ocidentais1 tem sido a "or&a impulsionadora por detrás de movimentos separatistas nos estados álticos da Est8nia, Met8nia e Mitu7nia, da desintegra&ão da >ugoslávia e do movimento de independência de muitas das antigas repA licas soviéticas -da Ee(rgia, <cr7nia, QAssia e Armênia até o 6urdistão, <s equistão e as repA licas asiáticas isl7micas do antigo estado soviético1. ' mesmo processo, em grande parte, tem ocorrido nas %na&)es% da Europa 6entral, que "oram moldadas a partir da desintegra&ão dos impérios austro/ hAngaro e otomano, no "oral da :rimeira Euerra @undial. Esses novos aspirantes ao status de %na&ão% tentam construir estados que se$am uni"icados tanto em termos étnicos quanto religiosos, e criar entidades pol#ticas em torno de identidades culturais homogêneas. ' pro lema é que elas contêm, dentro de suas %"ronteiras%, minorias que se identi"icam com culturas di"erentes. Assim, por exemplo, há minorias russas %étnicas% nas repA licas álticas e na <cr7nia, poloneses étnicos na Mitu7nia, um enclave armênio -Jagorno/?ara aUh1 no Ad!er a$ão, minorias turco/cristãs entre as maiorias russas da @oldávia, e grande nAmero de mu&ulmanos nas repA licas sulistas da antiga <nião Soviética, que partilham mais coisas, em termos culturais e religiosos, com seus vi!inhos isl7micos do 'riente @édio do que com muitos de seus %conterr7neos%. A outra "orma importante de revival do nacionalismo particularista e do a solutismo étnico e religioso é, o viamente, o "en8meno do %"undamentalismo% . >sto é evidente em toda parte -por exemplo, no ressuscitado e mesquinho %inglesismo%, anteriormente mencionado1, em ora seu exemplo mais impressionante deva ser encontrado em alguns estados isl7micos do 'riente @édio. 6ome&ando com a Qevolu&ão >raniana, têm surgido, em muitas sociedades até então seculares, movimentos isl7micos "undamenta listas, que uscam criar estados religiosos nos quais os princ#pios pol#ticos de organi!a&ão este$am alinhados com as doutrinas religiosas e com as leis do 6orão. Ja verdade, esta tendência é di"#cil de ser interpretada. Alguns analistas vêem/na como uma rea&ão ao caráter %"or&ado% da moderni!a&ão ocidental: certamente, o "undamentalismo iraniano "oi uma resposta direta aos es"or&os do =á nos anos IC por adotar, de "orma total, modelos e valores culturais ocidentais. Alguns interpretam/no como uma resposta ao "ato de terem sido deixados "ora da %glo ali!a&ão%. A rea"irma&ão de %ra#!es% culturais e o retorno 5 ortodoxia têm sido, desde há muito, uma das mais poderosas "ontes de contra/identi"ica&ão em muitas sociedades e regi)es p(s/coloniais e do Kerceiro @undo -podemos pensar, aqui, nos papéis do nacionalismo e da cultura nacional

DC nos movimentos de independência indianos, a"ricanos e asiáticos1. 'utros vêem as ra#!es do "undamentalismo isl7mico no "racasso dos estados isl7micos em esta elecer lideran&as %moderni!antes% em/ sucedidas e e"ica!es ou partidos modernos, seculares. Em condi&)es de extrema po re!a e relativo su desenvolvimento econ8mico -o "undamentalismo é mais "orte nos estados isl7micos mais po res da região1, a restaura&ão da "é isl7mica é uma poderosa "or&a pol#tica e ideol(gica mo ili!adora e uni"icadora. A tendência em dire&ão 5 %homogenei!a&ão glo al%, pois, tem seu paralelo num poderoso revival da %etnia%, algumas ve!es de variedades mais h# ridas ou sim (licas, mas tam ém "req,entemente das variedades exclusivas ou %essencialistas% mencionadas anteriormente. Oauman tem/se re"erido a esse %ressurgimento da etnia% como uma das principais ra!)es pelas quais as vers)es mais extremas, desa ridas ou indeterminadas do que acontece com a identidade so o impacto do %p(s/moderno glo al% exige uma séria quali"ica&ão:
' %ressurgimento da etnia%... tra! para a linha de "rente o "lorescimento não/antecipado de lealdades étnicas no interior das minorias nacionais. 9a mesma "orma, ele coloca em questão aquilo que parece ser a causa pro"unda do "en8meno: a crescente separa&ão entre o pertencimento ao corpo pol#tico e o pertencimento étnico -ou mais geralmente, a con"ormidade cultural1 que elimina grande parte da atra&ão original do programa de assimila&ão cultural... A etnia tem/se tornado uma das muitas categorias, s#m olos ou totens, em torno dos quais comunidades "lex#veis e livres de san&ão são "ormadas e em rela&ão as quais identidades individuais são constru#das e a"irmadas. Existe agora, portanto, um nAmero muito menor daquelas "or&as centri"ugas que unia ve! en"raqueceram a integridade étnica. Há, em ve! disso, unia poderosa demanda por uma distintividade étnica pronunciada -em ora sim (lica1 e não por uma distintividade étnica institucionali!ada.

' ressurgimento do nacionalismo e de outras "ormas de particularismo no "inal do século ==, ao lado da glo ali!a&ão e a ela intimamente ligado, constitui, o viamente, urna reversão notável, uma virada astante inesperada dos acontecimentos. Jada nas perspectivas iluministas moderni!antes ou nas ideologias do 'cidente nem o li eralismo nem, na verdade, o marxismo, que, apesar de toda sua oposi&ão ao li eralismo, tam ém viu o capitalismo como o agente involuntário da %modernidade% previa um tal resultado. Kanto o li eralismo quanto o marxismo, em suas di"erentes "ormas, davam a entender que o apego ao local e ao particular dariam gradualmente ve! a valores e identidades mais universalistas e cosmopolitas ou internacionaisG que o nacionalismo e a etnia eram "ormas arcaicas de apego 4a espécie de coisa que seria %dissolvida% pela "or&a revolucionadora da modernidade. 9e acordo com essas %metanarrativas% da modernidade, os apegos irracionais ao local e ao particular, 5 tradi&ão e 5s ra#!es, aos mitos nacionais e 5s %comunidades imaginadas%, seriam gradualmente su stitu#dos por identidades mais racionais e universalistas. Entretanto, a glo ali!a&ão não parece estar produ!indo nem o triun"o do %glo al% nem a persistência, em sua

D. velha "orma nacionalista, do %local%. 's deslocamentos ou os desvios da glo ali!a&ão mostram/se, a"inal, mais variados e mais contradit(rios do que sugerem seus protagonistas ou seus oponentes. Entretanto, isto tam ém sugere que, em ora alimentada, so muitos aspectos, pelo 'cidente, a glo ali!a&ão pode aca ar sendo parte daquele lento e desigual, mas continuado, descentramento do 'cidente.

REBERDNCIAS 5I5LIO/REBICAS

AOEQ6Q'@O>E, E, J., Hill, S. e Kurner, O. ,overeign ?ndividuals o2 .apitalism. Mondres: Allen and <nYin, .BH3. AOEQ6Q'@O>E, J., Hill, S. e Kurner, O. -orgs.1 +0e Penguin Dictionar1 o2 ,ociolog1. 0% ed. HarmondsYorth: :enguin, .BHH. AMKQ<SSEQ, M. Sor @arx. Mondres: Lerso, .B33. AJ9EQS'J, O. ?magined .ommunities. Mondres: Lerso, .BH2. OAQJEKK, A. >ron Oritannia. Mondres: Allison and Ous F,.BH0. OA<@AJ, ]. %;odernit1 and am/ivalence%. >n Seatherstone, @. -org.1, Elo al 6ulture. Mondres: Sage, .BBC. OHAOHA, H. -org.1 @arrating t0e @ation. Mondres: Qoutledge, .BBC. O'6'6?, Q. e Khompson, ?. -orgs.1. ,ocial and .ultural Aorms o2 ;odernit1 . 6am ridge: :olitF :ress, .BB0. OQEJJAJ, K. %+0e national longing 2or 2orm%. >n Oha ha, H. -org.1. Jarrating the Jation. Mondres: Qoutledge, .BBC. 9EQQ>9A, T. Briting and Di22erence. Mondres: Qoutledge, .BH.. 9'99, :. %Englis0ness and t0e national culture%. >n 6olts, Q. e 9odd, :. -orgs.1. Englis0ness: Politics and .ulture, .HHC/.B0C. Mondres: 6room Helm, .BH3. 9'JAM9, T. e Qattansi, A. -orgs.1 %Qace%, .ulture and Di22erence, Mondres: Sage, .BB0. 9QE\S<S, H. e Qa inoY, :. ;ic0el Aoucault: Ce1ond ,tructuralism and Dermeneutics. Orighton: Harvester, .BH0. S'QESKEQ, T. %A /rie2 0istor1 o2 t0e su/6ect %. >n >dentitF: Khe Qeal @e, >6A 9ocument 3. Mondres:

D0 >nstitute "or 6ontemporarF Arts, .BHI. S'<6A<> K, @. ;adness and .ivili*ation. Mondres: KavistocU, .B3I. S'<6A<MK, @. Cirt0 o2 t0e .linic. Mondres: KavistocU, .BI2. S'<6A<MK, @E Discipline and Punis0. Mondres: Allen Mane, .BIN. S'<6A<MK, @. %+0e su/6ect and poFer%. >n 9reF"us, T. e Qa inoY, :. ;ic0el Aoucault: Ce1ond ,tructuralism and Denrmeneutics. Orighton: Harvester, .BH3. SQ>SO\, 9. Aragments o2;odernit1. 6am ridge: :olitF :ress, .BHN. EEMMJEQ, E. @ations and @ationalism. 'x"ord: OlacUYell, .BH2. E>99EJS, A. +0e .onse<uences o2 ;odernit1. 6am ridge: :olitF :ress, .BBC. E>MQ'\, :. %+0e end o2 anti-racism%. >n 9onald. T. e Qattansi, A.-orgs.1 %Qace%, .ulture and Di22erence. Mondres: Sage, .BB0. E>MQ'\, :. +0ere ainGt no Clac5 in t0e Hnion &ac5. Mondres: Hutchinson, .BHI. HAMM, 6. B0ite, ;ale and ;iddle .lass: E:plorations in Aeminism and Distor1. 6am ridge: :olitF :ress, .BB0. HAMM, S. %%eligious cults and social movements in &amaica %. >n OococU, Q. e Khompson, ?. -orgs.1 %eligion and ?deolog1E @anchester: @anchester <niversitF :ress, .BHN. HAMM, S. %;inimal ,elves%, in >dentitF: Khe Qeal @e. >6A 9ocument 3. Mondres: >nstitute "or 6ontemporarF Arts, .BHI. HAMM, S. %.ultural identit1 and Diaspora%. >n Quther"ord, T. -org.1. >dentitF. Mondres: MaYrence and Rishart, .BBC. HAMM, S. e Eie en, O. -orgs.1 Aormations o2 ;odernit1. 6am ridge: :olitF :ress, .BB0. HAQLE\, 9. +0e .ondition o2 Post-;odernit1. 'x"ord: 'x"ord <niversitF :ress, .BHB. HEM9, 9. %+0e development o2 t0e modern state%. >n: Stuart Hall e Oram Eie en -orgs.1. Aormations o2 ;odernit1. 6am ridge: :olitF :ress;'pen <niversitF :ress, .BB0. pp. I./.03. H'OSOAR@, E. e Qanger, K. -orgs.1 Khe >nvention o" Kradition.6am ridge: 6am ridge <niversitF :ress, .BH2. MA6AJ, T. %+0e mirror stage as 2ormative o2 t0e 2unction o2 t0e ? %. >n EcritsE Mondres: KavistocU, .BII. MA6MA<, E. @eF %e2lections on t0e %esolution o2 our +ime. Mondres: Lerso, .BBC. MA6MA<, T. An Essa1 .oncerning Duman Hnderstanding. Mondres: Sontana, .B3I. @AQ=, ?. e Engels, S. %+0e .ommunist ;ani2esto%. >n Qevolutions o".HDH. HarmondsYorth: :enguin OooUs, .BI2. @ASSE\, 9. %A glo/al sense o2 place%, @arxism KodaF, $unho de .BB..

D2 @cEQEY, A. %A glo/al societ1+%. >n: Stuart HallG 9avid Held e KonF @cEreY -orgs.1. ;odernit1 and its 2utures. 6am ridge: :olitF :ress;'pen <niversitF :ress, .BB0: 3./..3. @EQ6EQ, ?. %Belcome to t0e 6ungle%. >n Quther"ord, T. -org.1. >dentitF. Mondres: MaYrence and Rishart, .BBC. JA>QJ, K. +0e Crea5-up o2 Critain. Mondres: Lerso, .BII. :AQE?H, O. %CetFeen 0ol1 te:t and moral void%, @eF ,tatesman and ,ociet1, 02 de mar&o, .BHB. :EJE<>J 9>6K>'JAQ\ 'S S'6>'M'E\: ve$a A ercrom ie et alii :MAKK, A. De2ending t0e .anon, Sernand Oraudel 6entre and >nstitute o" Elo al Studies. Oinghamton: State <niversitF o" JeY \orU, .BB.. :'REMM, E. Areedom and %ealit1. Sarnham: Elliot Qight RaF OooUs, .B3B. QEJAJ, E. %B0at is a nation+%. >n Oha ha, H. -org.1 Jarrating the Jation. Mondres: Qoutledge,.BBC. Q'O>JS, ?. %+radition and translation: national culture in its glo/al conte:t%. >n 6orner, T. and HarveF, S. -orgs.1, Enterprise and Heritage: 6rosscurrents o" Jational 6ulture. Mondres: Qoutledge,.BB.. Q<SH9>E, S. ?maginar1 Dornelands. Mondres: 6ranta OooUs, .BB.. SA>9, E. I@arrative and geoprap01%. @eF Le2%evieF, n..HC, mar&o;a ril, pp.H./.CC,.BBC. S6HRAQ], O. I.onservatism, nationalism and imperialism%. >n 9onald, T. e Hall, S. -orgs.1, Politics and ?deolog1. @ilton ?eFnes: 'pen <niversitF :ress, .BH3. S6Q<K'J, Q. %Aut0orit1 and allegiance_. ln 9onald, T. and Hall, S.-orgs.1 Politics and ?deolog1. @ilton ?eFnes: 'pen <niversitF :ress, .BH3. SEJJEKK, Q. +0e ?deas o2 Disorder. HarmondsYorth: :enguin, .BI.. KH'@:S'J, ?. %,ocial pluralism and post-modernit1%. >n Stuart HallG 9avid Held e KonF @cEreY -orgs.1. ;odernit1 and its 2utures. 6am ridge: :olitF :ress; 'pen <niversitF :ress, .BB0: 00./0I0. <QQ\, TE +0e +ourist -a*e. Mondres: Sage,.BBC. RAMMEQSKE>J, >. +0e .apitalist Econom1. 6am ridge: <niversitF :ress, .BIB. RAMKEQSKE.J, .. +0e Politics o2 t0e Borld Econom1 . 6am ridge: 6am ridge <niversitF :ress, .BHD. RAMMEQSKE>J, >E J+0e national and t0e universal%. >n ?ing, A. -orgE)E .ulture, -lo/ali*ation and t0e Borld ,1stemE Mondres: @acmillan, .BB.. R>MM>A@S, Q. Ke1Fords. Mondres: Sontana,.BI3.

DD