You are on page 1of 30

Contabilidade Geral

Professora: Glenda Soprane

Palavras Chave Lucro, Prejuízo, Posição econômica

1

Capítulo 5 Demonstr ação do Resultado do Exer cício (DRE) Objetivos desse capítulo:
Identificar as Contas de Resultado que compõem a demonstr ação do r esultado do exer cício.

2

Elabor ar a demonstr ação do r esultado do exer cício. Analisar a demonstr ação do r esultado do exer cício.

3

se ela obteve lucr o ou pr ejuízo. 4 .DRE É atr avés da DRE que se consegue evidenciar os componentes que pr ovocam alter ações no patr imônio líquido da empr esa. ou seja.

Faz a compar ação das r eceitas com os custos e despesas. 5 . r econhecidos e apr opr iados no per íodo de apur ação. tendo como base o r egime de competência.

6 .Regime de Competência: Estabelece que as r eceitas e as despesas devem ser incluídas na apur ação do r esultado do exer cício quando for em ger adas.DRE . independente do r ecebimento ou pagamento. sempr e quando se cor r elacionar em.

A DRE é um fato econômico (r elacionado a r iqueza) e não financeir o (r elacionado a dinheir o). 7 .

Segue um modelo: 8 . ficando cada empr esa livr e par a elabor ar o modelo que melhor espelhe o r esultado de suas atividade.A legislação pr evê a obr igator iedade da elabor ação da DRE e também estabelece as infor mações mínimas que devem estar contidas na DRE.

Demonstração do Resultado do Exercício Empresa X Receita Operacional Bruta (-) Deduções da receita bruta (=) Receitas operacionais líquidas (-) CPV ou CMV ou CSP (=) Lucro Bruto (-) Despesas operacionais (continua) 31/12/ 2010 9 .

(=) Resultados antes do imposto de renda (-) Provisão p/IR e CSLL (=) Resultado depois do imposto de renda (=) Lucro ou Prejuízo líquido do Exercício 31/12/ 2010 10 .(continuação) Demonstração do Resultado do Exercício Empresa X (=) Lucro ou Prejuízo Operacional (-/+) Despesas e/ou Receitas não-operac.

11 . todas as r eceitas das vendas e/ou pr estação de ser viços.Receita Oper acional Br uta Repr esenta todo o fatur amento da empr esa. car acter izado pela saída dos bens vendidos a ter ceir os.

As deduções das vendas são r efer entes a descontos concedidos (abatimentos). 12 . IPI. devoluções ou cancelamento de vendas e ainda aos impostos incidentes sobr e as vendas (ICMS. ISSQN. PIS e Cofins).

Receita Oper acional Líquida Vendas Br utas (-) deduções de vendas br utas. Custos das mer cador ias vendidas (CMV/CPV ou CSP): CMV= E inicial+ C.E final 13 . é utilizada par a análise das r eceitas efetivamente r ealizadas pela empr esa.

E final E inicial = Estoque inicial de mer cador ias C= Compr as de mer cador ias Líquidas (c/ de vidas deduções) E final = Estoque final de mer cador ias no per íodo Daí calcula-se o Lucro Bruto 14 .CMV CMV= E inicial+ C.

Despesas Oper acionais São aquelas r elacionadas à atividade pr incipal da empr esa 15 .

provisão para devedores duvidosos 16 . garantia. propaganda. Ex: marketing. comissão.Podem ser : De vendas: relacionadas com a comercialização dos produtos.

Ex: jur os pagos. r endimentos de aplicações 17 . descontos concedidos. despesas bancár ias. .Aqui se faz a dedução das r eceitas financeir as como descontos obtidos.Financeir as: decor r entes da necessidade de capital de gir o ou do financiamento do ativo. jur os r ecebidos.

Ex: honor ár ios da administr ação.Ger ais administr ativas: são r efer entes à gestão da empr esa. salár ios e encar gos da adm. depr eciação de móveis e utensílios. Ainda há outr as despesas oper acionais não r elacionadas 18 . despesas legais e judiciais. mater ial de escr itór io.

Resultado antes do IR É a base de cálculo par a a pr ovisão do imposto de r enda e também par a a contr ibuição social sobr e o lucr o líquido (CSLL). Se houver pr ejuízo. não haver á incidência de IR nem CSLL 19 .

com adaptações da legislação. 20 . calculado no LALUR (livr o de apur ação do lucr o r eal).A base do IR é o Lucr o Real.

21 . E ainda as contr ibuições par a instituições ou fundos de assistência ou pr evidência dos empr egados.Par ticipações e Contr ibuições Devem-se ser deduzidas as par ticipações dos empr egados. dos administr ador es e das par tes beneficiár ias títulos negociados). de debêntur es (títulos de cr édito).

Lucr o ou pr ejuízo líquido do exer cício Cor r esponde ao r esultado final à disposição dos pr opr ietár ios (sócios ou acionistas) que deter minar ão a aplicação desse r esultado. 22 .

O lucr o integr ar á a conta lucr os acumulados e ser á distr ibuído como dividendos (par te a ser distr ibuída aos acionistas) e destinados par a r eser vas constantes no PL. r eduzindo esse PL. 23 . ser á r egistr ado no PL no Balanço Patr imonial. Se o r esultado for pr ejuízo.

Lucr o por Ação Há uma pr er r ogativa na Lei das Sociedades por Ações que. 24 . após a apur ação do lucr o ou pr ejuízo líquido do exer cício. per mite apur ar se houve ou não valor ização de suas ações.

25 .Infor ma par a os acionistas e investidor es (de companhias aber tas pr incipalmente) a evolução do desempenho oper acional da empr esa.

Lucr o por Ação Lucro por ação = Lucro líquido do exercício número de ações * númer o de ações em cir culação do capital social 26 .

4000 Exer cício Estr utur e a DRE 27 .000 30.000 100.000 600.000 150. prestados Custo das mercador ias vendidas Dividendos Propostos Receitas de serviços prestados Provisão para imposto de renda Saldos 30.Contas Imposto sobre serviços ICMS sobre vendas Despesas financeiras Despesas admin.000 80.000 600.000 180. Custos serv.000 204.

Resolução do Exer cício 28 .

29 .

Centro de Educação a Distância Universidade Anhanguera Uniderp 30 .