ESTUDO DE ALTURAS MÍNIMAS DE VALA PARA DUTOS ENTERRADOS

Eder Chaveiro Alves1,3; Paulo Márcio Fernandes Viana 2,3.

1 2 3

Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG Professor Doutor – Orientador Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG.

RESUMO

A Utilização de dutovias tem sido a maneira mais econômica para o transporte de água, esgoto e combustíveis. Considerando que um dos principais custos de implantação de dutovias são os relacionados á instalação do duto, um estudo para a diminuição da altura de cobertura é de extrema importância. Este trabalho tem como principais objetivos desenvolver um programa computacional de modo que calcule a altura mínima, avalie a altura mínima para diferentes dutos e solos, e compare altura mínima calculada com as adotadas pela norma, catálogo e livros técnicos.

1-Duto Enterrado

2-Vala

3- Altura Mínima

Introdução

A utilização de dutovias vem crescendo nos últimos anos, principalmente devido ao desenvolvimento dos grandes centros urbanos. Certamente, quando comparada a outras soluções as dutovias apresentam menores custos em relação ao material empregado, às facilidades de transporte, instalação e manutenção. Viana, (2003). A altura mínima de uma vala é usada para garantir a segurança do duto, em relação às deflexões, deformações e flambagem resultantes do carregamento atuante sobre ele. O principal objetivo da altura mínima é dissipar a sobrecarga atuante na superfície garantindo a segurança do duto. Watkins e Anderson, (2000)

sendo a maior parte do carregamento suportado pelo solo. O sistema rígido é aquele que o duto é mais rígido do que o solo. e estimar os custos de implantação de um duto de aço considerando a altura mínima prevista utilzando o Método Clássico de Marston-Spangler aplicado em um programa computacional em linguagem Object Pascal. a deflexão limite ou a fissuração das paredes. Neste sistema o duto suporta praticamente toda carga aplicada na superfície e a carga do solo.Conhecendo-se o tipo de solo. Zaidler (1983) Considerando isto a fórmula de Marston-Spangler será: Qs = Cv *γ*(Bd)2 . Spangler (1951). tipo do solo de enchimento e condição do berço.0 – Cargas produzidas pelo solo e pelo atrito. Figura 1. As estruturas enterradas podem ser consideradas como sistemas rígidos. a rigidez relativa do sistema solo-duto e a sobrecarga atuante na superfície pode-se estimar a altura mínima considerando critérios de ruptura para o limite de utilização do duto. O principal objetivo deste trabalho é estimar e representar graficamente as alturas mínimas de uma vala para instalações típicas com diferentes solos e dutos (concreto. Métodos e Materiais O conceito de rigidez está relacionado com o tipo de duto. No sistema flexível o solo é mais rígido que o duto. majorada ou reduzida pelos efeitos das forças de atrito do solo adjacente. A Teoria Marston-Spangler. tendo o comportamento de uma viga. flexíveis e de rigidez intermediária (Gumbel (1982) apud Viana (1998)). PVC e aço). como por exemplo. pressupõem que a carga de solo atuante no duto enterrado é a do prisma interior. (1) .

a altura .728 1. DEBS.042 16. é calculada através da Teoria da Elasticidade. (1999) Tipos de Solo Peso Específico (tf/m3 ) Ângulo de atrito interno (graus) Materiais Granulares sem coesão Areia e pedregulho Solo saturado Argila Argila saturada 1.061*E’*r3 ) (5) Tabela 1 – Valores do peso específico e ângulo de atrito interno do solo USArmy.35 O programa computacional adotado para as aplicações do método do MarstonSpangler. Qd = (2 * F * q * Bc ) ( Le * t') (4) Para carga vertical (Q) total que atua no duto pode-se somar a carga produzida pelo solo (Qs) e a carga produzida pela sobrecarga na superfície do solo (Qd).885 1. A deflexão dos dutos flexível foi calculada pela equação: ∆x=___(Dl*K’*Q*r3 )___ . (E*I+0. ξ' (2) Para dutos flexíveis multiplica-se a equação (1) pela razão Bc/Bd dando a equação : Qs = Cv γ Bc Bd. As deduções dessas fórmulas estão no Projeto Estrutural de Tubos Circulares. de modo a calcular na instalação em vala.73 8. (3) A carga no duto enterrado produzido pela sobrecarga na superfície do solo. Foi adotado o ângulo de 35 graus.64 10.571 2.57 29.5 13.Cv = (1 − e −ξ *λ ) . a carga vertical sobre o duto. O método do espraiamento consiste em dissipar a carga aplicada na superfície do solo de acordo com a profundidade e o q que faz ângulo com a vertical.( 2003).4 1.

5 1 1. Altura mínima para enchimento com material granular sem coesão 12 SOBRECARGA (tf) 10 8 6 4 2 0 0 0.5 DUTO DE CONCRETO DUTO DE PVC ALTURA MÍNIMA (m) Figura 3.0 apresenta os resultados típicos obtidos por meio das análises realizadas com o programa desenvolvido. onde se empregou a linguagem de programação Object Pascal.mínima de aterro. para uma altura mínima considerando o enchimento com material granular sem coesão e com dutos de Concreto e PVC aplicando diferentes sobrecargas. Figura 2. da empresa Borland.0 – Altura mínima para enchimento com material granular sem coesão considerando dutos de Concreto e PVC para diferentes sobrecargas. a altura máxima de aterro e as deflexões do duto foi o Delphi 7.0 – Janela do programa onde foram calculadas as alturas mínimas Resultados e Discurssões A Figura 3. .5 2 2.

00 por Km e uma .ALTURAS MÍNIMAS DE DUTO DE AÇO PARA DIFERENTES TIPOS DE ENCHIMENTO 120 100 80 SOBRECARGA (tf) MATERIAIS GRANULARES SE M COESÃO AREIA E PEDEGULHO SOLO SATURADO 60 40 20 0 0 0. areia e pedregulho e solo saturado considerando dutos de Aço para diferentes sobrecargas. Isto se deve ao fato de que a sobrecarga aplicada tem uma influência maior sobre o duto do que a carga geostática e que o módulo de reação do solo não provoca mudança significativa na deflexão de dutos com material com alto valor de módulo de elasticidade.80m para sistema enterrado para condução de esgoto sanitário em tubo de PVC. Ainda. b) Considerando uma redução de 20% na altura mínima adotada para instalação de duto de aço em vala.5 2 ALTURA MÍNIMA (m) Figura 4. considerando uma altura mínima de 0. o que indica que o duto de aço possivelmente tenha uma rigidez relativa que lhe garante resistência suficiente para as sobrecargas comumente aplicadas na superfície do solo.800. NBR 14486 (2000) .5 1 1. E de cerca de 1. de 1 m adotada para sistema de água pluvial em tubo de concreto.5m adotada para dutos de Aço são majoradas. Observe na Figura 4. ter-se-ia uma redução de custo de corte de R$ 4.0 – Altura mínima para enchimento com material granular sem coesão.0 que o tipo de solo não influência significantemente na variação da altura mínima calculada. pode-se observar que sobrecarga necessária para causar algum dano estrutural no duto de aço excede.5m daria um valor de sobrecarga de 20t. Conclusões Baseado nos estudos realizados neste trabalho pode-se concluir que : a) As alturas mínimas empregadas frequentemente na prática são possivelmente majoradas e que pode-se observar que as alturas mínimas de 0.

M.C: US Army. culverts. . No prelo. P. (2000).00 por Km. London:C RC press. Structural Mechanics of Buried PipesCondutos . 69p. Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Estruturas – Universidade de São Paulo. Foram considerados o custo total de corte e do reaterro do solo na vala.F (2003).M.F. (1983). Projeto estruturais de tubos enterrados .n. Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo. SPANGLER. ENGINEERING MANUAL 1110-22902: Engineering and design conduits. [S. (1998). M. E. D. BUENO. and pipe s . Condutos enterrados: redução de esforços sobre a estrutura .:s.. M. (1951) Soil Engineering . 220p. Tese de Doutorado. São Paulo: Pini. 200p. NBR 14486 : Sistemas Enterrados para Condução do Esgoto Sanitário : Projetos de Rede Coletora com Tubos de PVC. L. Iowa: International Text Book Company. São Carlos. US ARMY CORPS OF ENGINEERING – (1997). 444p. WATKINS. VIANA.00 por metro cúbico e R$ 55. G.00 por metro cúbico. W. 157p. Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS (2000). Princípios gerais de dimensionamento de tubos enterrados . P.I. K. ZAIDLER. VIANA. R. Rio de Janeiro. (2003).].000. 2003. São Carlos. São Carlos. S (2003).redução de custo de reaterro com apiloamento de R$ 33. Washington. Projeto Estrutural de Tubos Circulares de Concreto Armado . R$ 8. Anderson. de respectivamente. 2003. K. B. DEBS. R. Dissertação (mestrado). Geovala: Um novo processo construtivo para dutos enterrados .. 42p. 1998.