Teste

Azeites dizem ser o que não são
e você, na hora de comprar azeite, costuma optar pelos extravirgens por acreditar que eles sejam mais puros, saborosos e saudáveis, saiba que pode estar sendo enganado. Testamos 19 marcas e constatamos que boa parte dos que se dizem "extravirgens", na verdade, não passa de "virgens" e alguns são até "lampantes" (veja na pág. 10 os tipos de azeite). De quatro testes que já realizamos com esse produto, este foi o que teve pior resultado, com o maior número de fraudes contra o consumidor. Verificamos também que preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, nossa avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos. O preço mínimo de nossa escolha certa, por exemplo, sai por menos da metade do preço mínimo dele – ou seja, dá para comprar duas garrafas de azeite pelo custo de uma e ainda receber troco.

Testamos 19 marcas de extravirgens e descobrimos que, na verdade, sete são virgens e quatro têm indícios de fraude contra o consumidor. Também verificamos que nem sempre vale a pena optar pelo mais caro.

S

Análise indicou adição de outros óleos

Receita de molho para salada à base de azeite: www.proteste.org.br/ alimentacao/ receita-molho-parasalada

VEJA EM NOSSO SItE

As propriedades antioxidantes do azeite de oliva são os grandes atrativos desse produto, devido ao seu efeito benéfico à saúde. Mas, para que o azeite mantenha suas características, é importante que ele não seja misturado a outras substâncias. Assim, as fraudes, além de serem um abuso contra o consumidor, podem reduzir as suas virtudes ao organismo. Detectamos indícios de fraude em quatro marcas de azeite de oliva extravirgem: Figueira da Foz, Tradição, Quinta d’Aldeia e Vila Real. Esses produtos foram desclassificados do teste, pois não podem sequer ser considerados azeites. Os quatro, na verdade, são

COMO FIZEMOS O TESTE
Levamos ao laboratório 19 marcas de azeite de oliva extravirgem para verificar se há produtos adulterados, ou seja, comercializados fora das especificações estabelecidas por lei. FRAUDE Analisamos diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes: espectrofotometria (presença de óleos refinados); quantidade de ceras, estigmastadieno, eritrodiol e uvaol (adição de óleos obtidos por extração com solventes); composição em ácidos graxos e esteróis (adição e identificação de outros óleos e gorduras); isômeros transoleicos, translinoleicos, translinolênicos e ECN42 (adição de outras gorduras vegetais).

Data de validade difícil de ler

No geral, os rótulos de todos são muito bons. Mas vimos alguns pequenos problemas. Cocinero e La Violetera não trazem a data de fabricação. Essa informação não é exigida por lei, mas consideramos importante para que você possa optar pelo produto mais fresco. No caso da Cocinero, há o agravante de a data de validade não ser muito fácil de ler (veja na página ao lado), assim como na do Borges. Além disso, nenhum azeite testado informa o prazo de validade depois de aberto. E o Serrata é o único que não traz um telefone ou outra forma de contato com o serviço de atendimento ao consumidor (SAC) do fabricante. Na avaliação do estado de conservação dos produtos, nenhum deles teve um mau desempenho, mas Figueira da Foz, Tradição, Quinta d’Aldeia e Vila Real apresentaram resultado apenas “aceitável” nessa avaliação. E nos mesmos, com exceção do Tradição, encontramos problemas também nas medições que se referem à qualidade. Ainda assim, eles foram considerados aceitáveis.
8 ProTeste 130 Novembro 2013

www.proteste.org.br

p OU p E

R$ 12

Na análise sensorial, defeitos ficam óbvios

Fizemos a análise sensorial em laboratório reconhecido pelo Conselho Oleico Internacional (COI), por provadores selecionados, treinados e formados segundo o guia do COI. Eles avaliaram a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial. Nessa avaliação, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas (na tabela da pág. 11, são os oito primeiro produtos). Entre as outras, sete alcançaram defeitos que, pela legislação, as caracterizavam como azeites virgens. São elas: Borges, Carbonell, Beirão, Gallo, La Espanhola, Pramesa e Serrata. As quatro marcas com problemas de fraude foram também consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes. Para os especialistas, o produto mais apreciado foi o Olivas do Sul. Outros bem avaliados foram os azeites Cocinero e Carrefour. E justamente o produto que é marca própria dessa rede de supermercados ganhou a posição de nossa escolha certa, por ter um preço muito atraente e uma qualidade tão boa quanto à do melhor do teste. Para se ter ideia da economia, na comparação dos preços mínimos, você pode economizar R$ 12,07 se optar pelo Carrefour em vez do Olivas do Sul. Porém, se em sua cidade não houver essas marcas, veja em nossa tabela da pág. 11 qual é o azeite mais bem pontuado que se encontra disponível em um supermecado perto de você. ¬
www.proteste.org.br

Na garrafa do azeite Carbonell, é fácil ler a data de validade, porque está impressa em preto diretamente no rótulo. Na garrafa do azeite Cocinero, a data de validade está em alto-relevo. É preciso girá-la até encontrar a posição certa de luz que permita a leitura.

ProTeste 130 Novembro 2013 9

Shutterstock/Latinstock

uma mistura de óleos refinados, com adição de outros óleos e gorduras nem sempre provenientes da azeitona. Em diversos parâmetros de análise, essas marcas apresentaram valores que não estão de acordo com a legislação vigente. Os testes realizados indicaram que os produtos não só apresentam falta de qualidade como também apontaram a adição de óleos de sementes de oleaginosas, o que caracteriza a fraude da qual estamos falando.

Quatro produtos testados não podem sequer ser considerados azeites pelos padrões da lei

Teste
Apenas saber a acidez não evita fraudes...
A acidez do azeite é um dos indicativos de sua qualidade e tipo, como você vê no quadro abaixo. Mas esse não é o único parâmetro que define o produto. Aspectos como sabor e aroma são igualmente importantes. TIPO ACIDEZ USO
Produto de alta qualidade gastronômica, usado para a finalização de pratos ou para temperar saladas. Seu principal uso é culinário, como ingrediente de alguma receita ou para frituras. Mistura de azeite de oliva refinado com um dos dois tipos acima. Seu uso também é culinário. Apenas para uso industrial, na mistura com outros azeites de oliva. Não é vendido em supermercados.

EXTRAVIRGEM VIRGEM DE OLIVA LAMPANTE

Até 0,8% Entre 0,8% e 2% Até 1% Maior que 2%

...porque descobrimos que esses não são extravirgens
Em nossas análises, descobrimos que as seguintes marcas, embora tenham a acidez de um extravirgem, não o são.

VIRGENS
ALIMENtO pODE EVItAR DOENÇAS DO CORAÇÃO
As gorduras têm fama de vilãs quando o assunto é saúde e boa forma. Mas nem todas podem ser eliminadas da dieta. Elas atuam na manutenção da temperatura corporal, formação de hormônios, reserva de energia, proteção dos órgãos internos e absorção de vitaminas A, D, E e K (lipossolúveis, precisam da gordura para a absorção). E o equilíbrio das taxas de colesterol depende da escolha da gordura consumida.

FRAUDES
Prefira, então, as poli e monoinsaturas, como o azeite. A monoinsaturada é a mais benéfica para o coração. Se comparado a outros óleos, o azeite ganha disparado na quantidade dessa gordura: ela é responsável por 77% de sua composição contra 24% presentes no óleo de soja. E o melhor para a saúde é o extravirgem. O azeite também é rico em antioxidantes, capazes de combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular. Com isso, há uma proteção contra doenças degenerativas, entre as quais a cardíaca. Ele está associado, ainda, a baixos níveis de colesterol ruim, que prejudica o coração. E pesquisas identificaram a possibilidade de aumentar o colesterol bom: seu consumo regular ajuda a equilibrar os níveis de colesterol no sangue, ou seja, enquanto diminui o ruim, aumenta o bom. Porém, gorduras em excesso fazem mal. Por isso, não exagere ao pôr azeite no prato.

Apenas oito marcas, entre as 19 testadas, apresentam qualidade de azeite extravirgem

10 ProTeste 130 Novembro 2013

www.proteste.org.br

aZEItES

PREÇO (R$)

RESULtaDOS
Qualidade e conservação Análise sensorial

COMO LER a taBELa
AvalIaÇÃO FInal Preços Valores foram coletados nas capitais de BA, ES (mais Vila Velha), MG, PE, PR, RJ (mais Niterói), RS, SC e SP (mais Campinas). Conservação O estado de conservação dos produtos avaliado por sua acidez, pelo índice de peróxido e pela análise espectrofotométrica. Qualidade Exame da presença de contaminantes nos azeites, como umidade e impurezas.
O melhor do teste A escolha certa O barato do teste Muito bom Bom Aceitável Fraco Ruim

Agosto de 2013 (entre... e...)

Conservação

Rotulagem

Qualidade

OLIVAS DO SUL CARREFOUR CARDEAL COCINERO ANDORINHA LA VIOLETERA VILA FLOR QUALITÁ LA ESPANHOLA CARBONELL SERRATA BEIRÃO GALLO PRAMESA BORgES FIgUEIRA DA FOZ QUINTA DA ALDEIA TRADIÇÃO VILA REAL

19,76 - 23,90 7,69 - 15,29 11,09 - 19,90 8,79 - 14,69 10,39 - 19,75 12,50 - 19,90 8,98 - 15,84 8,28 - 11,90 9,49 - 17,99 9,29 - 18,39 7,99 - 17,49 8,88 - 12,98 9,89 - 19,99 7,98 - 7,98 9,09 - 15,99 7,79 - 12,90 6,48 - 11,19 5,39 - 8,99 10,19 - 10,75

Fraude

Acidez

de Nossa receita ia em líc De da la Sa ste.org. br/ w w w.prote receitao/ ca ta en al im ic ia sa lada-del

[A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A]

[A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [B] [A] [A] [A] [A] [A]

[B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [B] [C] [C] [C] [C]

[B] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [B] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [C] [C] [B] [C]

[A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [A] [E] [E] [E] [E]

[A] [B] [C] [B] [C] [C] [C] [C] [D] [D] [D] [D] [D] [D] [D] [E] [E] [E] [E]

80 74 72 70 67 67 65 62 30 30 30 30 30 30 30 X X X X

Bons produtos

Não compre

Eliminado

Azeites A escolha certa

A PROTESTE reivindica
Verificamos que quatro marcas de azeite de oliva que se dizem extravirgens não podem nem ser consideradas azeites, e sim uma mistura de óleos refinados. Outros sete não chegam a cometer fraude, mas também não podem ser vendidos como extravirgens. Ou seja, o consumidor escolhe o melhor tipo de azeite e paga mais caro por isso, mas recebe um produto fora das especificações e denominação descritas no rótulo. Isso é considerado crime de fraude no comércio. Não é a primeira vez que constatamos fraude nesse tipo de alimento e, novamente, apresentamos os resultados deste teste ao Ministério Público e ao Ministério da Agricultura, exigindo fiscalização mais eficiente. Já testamos azeites outras três vezes. Em 2002, avaliamos os virgens tradicionais e encontramos fraudes. Em 2007, foi a vez dos extravirgens e também havia fraudes. Em 2009, a fraude foi em uma marca que se dizia extravirgem. O fato de o número de produtos com fraude ter crescido, depois de tantos alertas que fizemos, demonstra que os fabricantes ainda não recebem a fiscalização necessária.

80
O melhor da análise sensorial. R$ 19,76 a R$ 23,90

74
Também teve bom desempenho geral no teste. R$ 7,69 a R$ 15,29

OLIVAS DO SUL

CARREFOUR

www.proteste.org.br

ProTeste 130 Novembro 2013 11

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful