João Calvino era Assim - Capítulo 4 por Thea B.

Van Halsema

Vida Estudantil

No College de la ar!he" em #aris" havia um $amoso pro$essor %ue pre$eria ensinar prin!ipiantes ao inv&s de alunos mais adiantados. '#re$iro dar aos novos rapa(es um )om $undamento de latim e $ran!*s'" di(ia athurin Cordier" um e+-padre" !onhe!ido em toda a ,ran-a !omo e+ímio mestre.

João Calvino $oi um dos a$ortunados diante do %ual Cordier desvendou o mundo da )oa gram.ti!a. Cordier ensinava latim aos seus alunos" não permitindo %ue se tornasse uma língua morta. Ensinava-lhes o )om $ran!*s" li)ertando a língua materna das limita-/es %ue o homem da rua lhe impunha. João Calvino $i!aria endividado a Cordier pelo )om $undamento %ue permitialhe es!rever $luentemente em latim e vividamente em $ran!*s.

Vinte e sete anos mais tarde João Calvino mostrou a sua gratidão ao )om mestre dedi!ando-lhe o !oment.rio a #rimeira Carta aos Tessaloni!enses. 0 apropriado %ue vo!* este1a parti!ipando nos meus la)ores" es!reve João Calvino na dedi!at2ria. 3uando meu pai me enviou a #aris" ainda menino a #rovid*n!ia ordenou %ue por algum tempo eu tivesse o privil&gio de t*-lo !omo meu pro$essor" para %ue eu aprendesse o verdadeiro m&todo de instru-ão.

4 rapa( de %uator(e anos tam)&m impressionara o seu mestre de %uarenta e seis. Tanto assim %ue" muitos anos depois" %uando 1. velhinho" Cordier veio a 5ene)ra para ensinar na a!ademia $undada por João Calvino. Na margem es%uerda do 6io 7eine" entre os !ol&gios de #aris" havia um %ue era !onhe!ido !omo o mais antigo" o mais som)rio" e o mais su1o. Era o College de ontaigu" um edu!and.rio para o estudo de teologia. João Calvino trans$eriu-se para l. ap2s tr*s anos agrad.veis no College de la ar!he estudando as artes e as letras.

7ua !a)e-a" as ve(es" doia miseravelmente.ssi!os latinos" a l2gi!a" e os es!ritos dos te2logos da igre1a !omo Agostinho e Tomas de A%uino.rio #rotestante Cs vilas lo!ali(adas nos Alpes $ran!eses. Chamava-os. 6o)ert tinha dei+ado NoBon" !onverteu-se C nova $&" e mais tarde $i!ou !onhe!ido pelo mundo !omo 4liv&tan" tradutor da Bí)lia para o $ran!*s e mission. 7eu est>mago o in!omodava !om $re%?*n!ia. João" tam)&m" tinha %ue a!ordar de madrugada para dirigir-se a !avalo a%uele som)rio lugar.eli(mente" durante a%ueles anos di$í!eis" João Calvino teve ami(ades. 4 seu primo 6o)ert estava em #aris tam)&m. 4s $al!/es depenados de ontaigu. Tinha de(oito anos de idade %uando !on!luiu o !urso e re!e)eu o grau de mestre. Beda ainda voltava a ontaigu para ensinar a arte de de)ater em latim. os !l. Como & %ue se leva um por!o a $eira" pela !orda amarrada ao pes!o-o ou pelo !ampon*s %ue pu+a a !orda<= 4s rapa(es aprendiam a dis!utir horas a $io so)re tais t2pi!os ou outros mais &rios. . 4 grande es!ritor $ran!*s 6a)elais tinha uma $rase interessante para des!rever os piolhos %ue ha)itavam nas paredes" nas !amas" e nos rapa(es de vestes pretas. Não se permitia a ningu&m )al)u!iar %ual%uer palavra $ran!esa. 4s estudantes deram-lhe o apelido latino de 'terrível tempestade'. !omi: e+!lamou o s. 4h: %uantos ovos podres eu l. Era $amoso pelas pulgas" piolhos e !omida ruim" e pelas vergastadas in!lementes dos a!oites %ue puniam os alunos pregui-osos e lerdos. João Calvino dedi!ou-se ao domínio de todas as suas mat&rias.)io Erasmus so)re o ano %ue ele passara no College de ontaigu. Ae ve( em %uando se en!ontrava !om os amigos de !asa" os irmãos de Hangest" so)rinhos do )ispo.4 Coll8ge de ontaigu era $amoso" mas não por )ons motivos. João Calvino residia na !asa amiga do seu tio 6i!hard" mas os po)res internos tinham %ue a!ordar as %uatro para estudar. Ningu&m sa)e !om %ue $re%?*n!ia os primos se en!ontravam para !onversar so)re a Dgre1a de 6oma e so)re as verdades )í)li!as %ue estavam sendo !omentadas por Ee$evre e Eutero.rio !hamava-se Tempete. 4 diretor desse edu!and. as a sua 1ovem mente triun$ou so)re tudo isso@ estava a$iada" dis!iplinada e pronta para ser usada. 7omente o latim era ouvido nos !orredores 9midos e es!uros. . Antes dele o diretor tinha sido o empedernido Noel Beda" !a-ador-de-heresias e" agora" reitor na 7or)onne.

monergismo.ran-a. http.htm . Era de se admirar !omo um adoles!ente" so(inho numa grande !idade" podia ser tão %uerido por gente de importFn!ia. Visitava a resid*n!ia Cop muitas ve(es" ouvindo !onversas $as!inantes so)re novas id&ias. Havia outros amigos" pessoas in!omuns tam)&m. 4 rei tinha um m&di!o suí-o !hamado Cop" homem de muitas letras. Visitava" tam)&m" o lar de 5uilherme Bud&" o mais )rilhante pensador da . João era amigo intimo dos seus %uatro $ilhos" espe!ialmente Ni!olas.João Calvino !onsolidou novas ami(ades tam)&m.!omGte+tosG1!alvinoG!alvinoeraassim.GGHHH. 4 $ilho de Bud& era amigo de João. 4s seus amigos" outrossim" pare!iam !onsiderar $ora do !omum o 1ovem de NoBon.