PETAR

Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira É uma unidade de conservação que compõe o continuo ou corredor ecológico, para preservação da Mata Atlântica.   Trata-se do maior fragmento de Mata Atlântica. Mais de 35000 hectares, localizado no Sul do Estado de São Paulo, abrangendo parte dos municípios de Iporanga e Apiaí. Além do valor de área remanescente de floresta Atlântica, a importância ambiental associa-se com o chamado “relevo de exceção”. Iporanga  Abriga a maior porção de Mata Atlântica preservada do Brasil e mais de 400 cavernas.  É cortada por rios como o Ribeira de Iguape e o Betari. Geologia    A geologia no PETAR é essencialmente carbonática. Extensa matriz geológica composta por filitos, argilitos, granitos, metabazitos, diabásios e quartzitos. São cerca de 80km de cavernas, em fase de desenvolvimento há aproximadamente 1,7 milhões de anos (karman, 1994). Os solos calcários são mais férteis, mas pouco profundos.

Maciço Carbonático  A água, tanto meteórica quanto subterrânea são os principais condicionantes para que ocorra a morfogênese cárstica.

Definições   Cavernas = qualquer cavidade natural penetrável pelo homem. Gruta = caverna com desenvolvimento predominantemente horizontal (devem possuir um mínimo de 20 metros de desenvolvimento de planta). - menor que 20 metros = abrigo. Abismos = predomínio vertical, com desnível igual ou superior a 10 metros. - menor que 10 metros = fosso

Zona Afótica  Vegetação superior inexistente devido a falta de luz. Desenvolvimento de uma microflora e microfauna peculiar (devido aos guanófilos). Aquífero Cárstico

 Atualmente sabe-se que um sistema cárstico pode se desenvolver em subsuperfície sem relação com a superfície (processos subterrâneos de dissolução). O rio que hoje passa no Couto. Formas cársticas primárias = destrutivas (dolinas.. lápias. aragonita ( ) e dolomita CaMg( ) . Dolinas são depressões cônicas.. pequena parte deste gás combina-se com a água dando origem ao ácido carbônico. . Formas cársticas secundárias = construtivas (estalactites.  Zona epicárstica (desenvolvimento dos processos de recarga. O gás carbônico encontrado na atmosfera é dissolvido pela água da chuva. formadas pela subsidência lenta ou rápida do terreno. magnésio. há milhares de anos atrás.  A água que eventualmente circula em superfície perde-se em profundidade. Caverna Morro Preto   Caverna seca. os carbonatos acham-se combinados com íons cálcio. armazenamento e distribuição das águas de infiltração). II. de natureza calcária... etc. já passou na Morro Preto e as evidências dessa evolução geológica são facilmente observadas. colunas. devido ao abatimento do teto das cavernas. ( ) () ( ) ( ) ( ) ( ) ( )  Equação que descreve intemperismo químico e a formação dos espeleotemas. Quimicamente.. O mecanismo básico de formação dos esteleotemas é resultado da percolação de água através de descontinuidades rochosas. Condições de Formação dos Espeleotemas O tema espeleotema foi criado por Moore (1952) e corresponde a depósitos minerais secundários em cavernas. circulares na superfície. em especial. caso contrário. o maciço teria uma dissolução homogênea.). ferro. sendo que. poljes. um dos mais importantes agentes do intemperismo. Efeito Cárstico  A água produz o efeito cárstico. ou por um sumidouro único ou por uma série complexa de fendas. Enquanto que os minerais mais comuns são constituídos de calcita.. manganês. estalacnites. I.). Modelo Cárstico Diversificado  Os caminhos das águas seguiram através de fraturas.

A coloração dos espeleotemas deve-se a presença de impurezas das soluções. como helictites. principalmente. Depósitos de meio aquoso que consistem de reentrâncias do piso. Os poros só permitem exsudação. os espeleotemas podem ser relacionados dentro de 3 categorias. são os denominados reservatórios. conforme o tipo de movimentação das suas soluções matrizes:    Formas oriundas de carbonato de cálcio por águas que continuamente se movem. em direção a superfície superior. Depósitos de águas de exsudação. . pela ação da força da gravidade. ao longo do tempo. as flores que são formadas pelo lento e descontínuo movimento das águas através dos vazios intercristalinos.Quanto a origem.