SENAI – JULHO 2006

Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas
Técnicas) os limites das frações de solo pelo
tamanho são os da tabela 1:

TABELA 1
FRAÇÃO

LIMITES (ABNT)

Matacão

De 25cm a 1m

Pedra

de 7,6cm a 25cm

Pedregulho

de 4,8mm a 7,6cm

Areia Grossa

de 2,0mm a 4,8mm

Areia média

de 0,42mm a 2,0mm

Areia fina

de 0,05mm a 0,42mm

Silte

de 0,005mm a 0,05mm

Argila

Inferior a 0,005

TABELA 2
ANGULOS DE TALUDE NATURAL
NATUREZA DO MATERIAL

Argila seca
Argila Molhada
Terra Comum Seca
Terra Comum Molhada
Terra Sílico Argilosa Seca
Terra Sílico Argilosa Molhada
Areia úmida
Pedra rolada úmida

ÂNGULO DE TALUDE

45°
20°
40°
20°
40°
30°
30°
30°

Nelson Guimarães – Equipamentos de
Construção e Conservação – pg 48 Editora
UFPR - 2001

TABELA 3
Renato Sérgio Witkowski

1/13

8 0.82 0.79 0.59 0.6 0.88 0. granulares. a dura. com diâmetro médio entre rachão.5 21 25 25 26 26 69 13 13 66 33 100 Nelson Guimarães – Equipamentos de Construção TABELA 4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SEGUNDO A DIFICULDADE DE DESMONTE Esta é a classificação definida pelo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem e usada pelos Departamentos Estaduais.79 0. Solo Mole Renato Sérgio Witkowski 2/13 .8 0.SENAI – JULHO 2006 DENSIDADE. Solo Normal granulares. FATOR DE CONVERSÃO E EMPOLAMENTO DENSIDADE MATERIAL Argila Natural Argila Seca Argila Molhada Terra úmida Terra seca Arenito Areia Seca solta Areia Molhada Pedra Britada Terra úmida 50% rocha 50% Pedras soltas Ø até 20 cm CONVERSÃO EMPOLAMENTO kg/m³ solo kg/m³ corte f e % 1661 1483 1661 1602 1513 1513 1424 1839 1602 1721 1340 2017 1839 2076 2017 1899 2522 1602 2077 2670 2284 2670 0. 15 cm e 100 cm . CATEGORIA 1ª Categoria CARACTERÍSTICA DENOMINAÇÃO Solos de baixa consistência ou compacidade.75 0. matacão. com baixa capacidade de suporte.solos em geral Solo Podre. com diâmetro médio abaixo de 15 cm 2ª Categoria Solos de consistência ou compacidade média Solo Duro.88 0.volume abaixo de 2 m³ 3ª Categoria Rocha ou material de dureza semelhante a Rocha rocha são e ainda em blocos com diâmetro médio acima de 100 cm ou volume superior a 2 m³ Turfas e argilas orgânicas .

................... As pressões dadas em c.......... ..5kg/cm² f) Pedregulhos fofos e misturas de areia e pedregulhos....10kg/cm² d) Solo concrecionado ......... sem laminações............... tais como: xistos e ardósias ..................... basalto...................................... fissuras ou sinais de decomposição.............. g..1kg/cm² i) Argila dura.8kg/c m² e) Pedregulhos compactos e misturas compactas de areia e pedregulhos.................................. Areia grossa.............3kg/cm² g) Areia grossa fofa e areia fina compacta........................1kg/cm² m) Argilas muito moles .................... granitos....... diabase. compacta.................. estratificadas........................................... com pequenas fissuras................................................................................................................................................ n) Aterros................................ e f.................100kg/cm² b) Rochas laminadas................ maciça............................................. TABELA 6 Renato Sérgio Witkowski 3/13 .......... São exigidos cuidados especiais ou experiência local o) Outros solos....2kg/cm² h) Areia fina fofa submersa............................................................3kg/cm² j) Argila rija............SENAI – JULHO 2006 TABELA 5 A PNB51 recomenda como pressões admissíveis básicas sobre o terreno da fundação: a) Rocha viva.................................................35kg/cm² c) Depósitos compactos e contínuos de matacões e pedras de várias rochas................................. e h correspondem a solos submersos..................................... tais como: gnais....................................................................................................1kg/cm² l) Argila mole.......2kg/cm² k) Argila média .........

seco e compacto) AREIA (seca.CDU 624 TABELA 8 Renato Sérgio Witkowski 4/13 . misturada com argila) AREIA (limpa e seca) SILTITA e ALUVIÃO 1953 244 a 293 146 a 195 49 a 98 68 a 195 78 a 98 39 a 59 20 a 39 10 a 20 59 a 89 39 a 59 20 a 39 5 a 10 TABELA 7 ESPAÇAMENTO DE ESCORAS DE ACORDO COM A ESPESSURA DA LAJE ESPESSURA DA LAJE ESPAÇAMENTO ENTRE SARRAFOS DO PAINEL DISTANCIA ENTRE LONGARINAS BALANÇO DAS LONGARINAS DISTANCIA ENTRE ESCORAS cm cm cm cm cm 7 a 12 13 a 16 17 a 20 30 30 25 90 85 80 90 80 70 120 100 90 Fonte : Coleção Tecnologia SENAI . espessa e meio seca) ARGILA(mole e úmida) CASCALHO (grosseiro.Mestre de Obras .2ª Edição . compacta. AREIA e ARGILA (mista) ARGILA(camadas espessas e secas) ARGILA e CASCALHO(mista. não decomposto) ROCHA CALCÁRIA ROCHA ARENITO ROCHA FOLHELHO ROCHA (fraturada mas compacta) CASCALHO.2004 .SENAI – JULHO 2006 CARGA QUE PODE SER SUPORTADA COM SEGURANÇA POR VÁRIOS TIPOS DE SOLO EM MILHARES DE QUILOS POR METRO QUADRADO ROCHA (granito etc.

página 93 TABELA 10 PESO ESPECÍFICO DOS MATERIAIS Renato Sérgio Witkowski 5/13 .CDU 624 .Mestre de Obras São Paulo .2ª Edição .5 3.SENAI – JULHO 2006 DISTRIBUIÇÃO DE ESCORAS EM FUNÇÃO DA ALTURA DA VIGA (cm) ALTURA DA VIGA DISTANCIA ENTRE ESCORAS 40 50 60 70 80 80 75 70 65 60 Fonte: Coleção Tecnologia SENAI .CDU 624 TABELA 9 ÀREA DE INFLUÊNCIA PARA RE ESCORAMENTO EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA LAJE ALTURA DA LAJE cm UMA ESCORA A CADA m² 8 a 12 13 a 18 19 a 20 4.2004 .5 3 Fonte: Coleção Tecnologia SENAI .2ª Edição .2004 .Mestre de Obras São Paulo .

58 1890.9 464.5 2595.08 2595.84 7721.14 2803.2 2691.66 kg/m³ 1185.976 900.94 592.3 8730.1 1.04 272.28 1.78 7865.9 kg/m³ 924.7 lb/ft³ 72 57 175 45 29 lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ 131 lb/ft³ 6/13 7593.62 kg/m³ .74 1682. COMPACTO CIMENTO.06 kg/m³ 720.82 512.76 8891.0809 162 90 124 103 129 118 69 22 180 65 545 53 156 52 17 90 37 710 168 72 45 32 549 23 40 487 473 439 491 32 38 58.46 640.4 kg/m³ 3204 kg/m³ 2130.94 kg/m³ 608.38 352.2 1203 0.88 865.64 1185.09 kg/m³ 913.5 kg/m³ 1409.44 2883.44 720.5 720.648 1025. SOLTO CINZA DE MADEIRA CIPRESTE(MADEIRA) COBRE.4 64 62.26 kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ 7913.48 kg/m³ 400.76 kg/m³ 2995.14 kg/m³ 2643.74 7511.24 224.1 1201.34 1441.9 849.48 7881.8 56.06 2066.48 1650.58 2691.43379 704.74 11374.8 592.36 1105.2 1602 6632. MOLE ASFALTO BAMBU BARRO BASALTO BRONZE CAL CALCÁRIO CARVÃO.28 400.64 8794.74 8939.SENAI – JULHO 2006 AÇO ÁGUA ÁGUA DO MAR ALCATRÃO ÁLCOOL ALUMÍNIO.48 999.06 2499.29602 2595.4 49 160 100 414 0.1 kg/m³ 1922.6 1041.9 512.8 1986. FUNDIDO ALVENARIA ANTIMÔNIO AR ARDÓSIA AREIA ARENITO ARGAMASSA. PURO MOGNO(MADEIRA) NOGUEIRA ÓLEO DE LINHAÇA ÓLEO LUBRIFICANTE OURO OXIGÊNIO PAPEL PARAFINA PEDRA SABÃO PINHO PINHO DO CANADA QUARTZO SAL DE COZINHA TALCO TELHA Renato Sérgio Witkowski 474 62.3 lb/ft³ 57 lb/ft³ 165 lb/ft³ 205 lb/ft³ 120 lb/ft³ 200 lb/ft³ 133 lb/ft³ 74 lb/ft³ 25 lb/ft³ 88 555 75 162 lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ 35 lb/ft³ 147 lb/ft³ 38 lb/ft³ 187 105 47 37 558 32 74 492 482 445 lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ 53 lb/ft³ 45 lb/ft³ 57.24 1441.28 999. FUNDIDO COQUE SOLTO ENTULHO(DETRITOS) FERRO FORJADO FERRO FUNDIDO BRANCO FERRO FUNDIDO CINZENTO FERRO.3 2066.324 19272.8 7801.88 kg/m³ 1030.44 913.36 1153.12 833.46 7032.0895 44 54 162 14 25 165 129 168 113 lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ 494 lb/ft³ 64.58 kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ 2098.24 kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ 560.64 7128.64 608.76 941.98 2563. DURA ARGILA DURA ARGILA.16 512.354 kg/m³ 1153.7 kg/m³ 2354.36 1810. LENHITO CARVÃO VEGETAL CASCALHO CEDRO CHUMBO CIMENTO.648 784.1 752.98 368.3 kg/m³ 3284.9 kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ 849.5 2643.

6 kg/m³ TABELA 11 ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO (Velloso & Lopes.300 TABELA 12 ESTACAS DE AÇO (Velloso & Lopes.0 a 11.SENAI – JULHO 2006 TELHA MEIA-CANA TIJOLO TURFA XISTO 26 100 20 162 lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ lb/ft³ 45 lb/ft³ 150 lb/ft³ 30 lb/ft³ 416.700 2.300 1. 1996) Tipo de estaca Dimensão (cm) Carga nominal (kN) Pré-moldada vibrada Quadrada σ= 6.0 a 9.9 kg/m³ 2403 kg/m³ 480.0 a 14.4 2595.24 kg/m³ kg/m³ kg/m³ kg/m³ 720.52 1605 320.0 a 11.0 MPa φ 20 φ 25 φ 33 250 500 700 Pré-moldada centrifugada σ= 9.0 MPa φ 20 φ 23 φ 26 φ 33 φ 38 φ 42 φ 50 φ 60 φ 70 250 300 400 600 750 900 1.0 MPa φ 22 φ 29 φ 33 300 500 700 Pré-moldada protendida circular σ= 10.0 Mpa 20 x 20 25 x 25 30 x 30 35 x 35 250 400 550 800 Pré-moldada vibrada circular σ= 9. 1996) Renato Sérgio Witkowski 7/13 .

adotando-se tensão admissível compatível com o tipo e a qualidade da madeira. 1996b) Madeira σ = 4.200 σ≅ Perfis I e H σ≅ 80.0 Mpa (correto: descontar 1.12 da NBR 6122/96. Segundo o item 7. correspondente ao diâmetro da seção transversal média. as estacas de madeira transversal mínima têm sua carga estrutural admissível calculada sempre em função da seção transversal mínima. conforme a NBR 7190/97 TABELA 14 Renato Sérgio Witkowski 8/13 .5 mm para corrosão e aplicar σ≅ 120. esses valores para estacas de madeira representam apenas uma ordem de grandeza.0 Mpa TR 25 TR 32 TR 37 TR 45 TR 50 2 TR 32 2 TR 37 3 TR 32 3 TR 37 H 6” I 8” I 10” I 12” 2 I 10” 2 I 12” 200 250 300 350 400 500 600 750 900 400 300 400 600 800 1.SENAI – JULHO 2006 Tipo do perfil Tipo/dimensão Carga nominal (kN) Trilho usado 80.0 Mpa TABELA 13 ESTACAS DE MADEIRA (Alonso .8. depende do tipo de madeira empregada. pois a carga nominal.0 Mpa Dimensão (cm) Carga nominal (kN) φ 20 φ 25 φ 30 φ 35 φ 40 150 200 300 400 500 De acordo com Alonso (1996b).

geralmente a carga admissível do ponto de vista geotécnico não ultrapassa cerca de 10 KN por metro linear de estaca.0 ou 6.500 6. Nos estações e “barretes” é possível aumentar a tensão média no concreto para 5.000 12.000 3.0 Mpa Escavada com trado espiral (sem lama) σ= 4. desde que o equipamento disponível seja capaz de alcançar a profundidade prevista.0 Mpa Estaca-diafragma ou “barrete” σ= 4. com o correspondente acréscimo na carga nominal.0 Mpa.000 Nas estacas do tipo broca.000 12.0 Mpa 200 300 450 550 650 200 300 400 500 650 800 1.000 8.500 4.000 10. De maneira geral.0 Mpa Strauss σ= 4.SENAI – JULHO 2006 ESTACAS ESCAVADAS Tipo de estaca Dimensão (cm) Carga nominal (kN) Broca 20 x 20 25 x 25 φ 25 φ 32 φ 38 φ 42 φ 45 φ 25 φ 30 φ 35 φ 40 φ 45 φ 50 φ 60 φ 80 φ 100 φ 120 φ 140 φ 160 φ 180 φ 200 40 x 250 50 x 250 60 x 250 80 x 250 100 x 250 120 x 250 100 150 σ= 3.000 4.000 8.100 2.000 5. os equipamentos convencionais de escavação podem penetrar terrenos com índice de resistência à penetração do SPT de até 60 golpes.000 10. Renato Sérgio Witkowski 9/13 .0 Mpa Estacão (escavada com lama bentonítica) σ= 4.000 6.

geralmente a carga admissível do ponto de vista geotécnico não ultrapassa cerca de 15 kN por metro linear de estaca.5 φ 35 φ 40 φ 50 φ 60 φ 70 φ 80 φ 90 φ 100 120 200 σ= 4.700 100 – 150 100 – 250 150 – 350 250 – 600 400 – 800 600 – 1. a carga nominal depende da armadura utilizada.550 – 3. Cintra e Nelson Aoki Renato Sérgio Witkowski 10/13 .0 Mpa Raiz σ= 8.150 – 3.0 a 22. A estaca apiloada está mal definida na NBR 6122/96 (item 3.500 2.SENAI – JULHO 2006 TABELA 15 OUTROS TIPOS DE ESTACAS Tipo de estaca Dimensão (cm) Carga nominal (kN) Apiloada φ 20 φ 25 φ 35 φ 40 φ 45 φ 52 φ 60 φ 10 φ 12 φ 15 φ 20 φ 25 φ 31 φ 27.000 – 2. as bases alargadas têm usualmente os seguintes volumes de concreto: O exposto acima foi retirado do livro Carga admissível em fundações profundas de José Carlos A.0 a 5.0 Mpa Franki σ= 6.900 Nas estacas apiloadas.000 1.0 MPa Hélice contínua σ= 4. Para as estacas raiz.400 1. em que este tipo de estaca é tratado como estaca tipo broca (sic).16).100 – 1. Os valores apresentados de carga nominal para hélice continua são os indicados por Antunes & Tarozzo (1996).200 3.300 1. Para as estacas Franki.050 250 – 300 400 – 500 500 – 650 800 – 1.900 2. Os valores apresentados são indicados por Alonso (1993).0 MPa 600 750 950 1.550 – 1.

Plástico 60 a 80 50 a 70 40 a 60 Peças esbeltas ou com muita armadura.M.SENAI – JULHO 2006 TABELA 16 RECALQUES MÁXIMOS (SLUMP TEST) ABASTIMENTO MINI E MAX (mm) CONSISTÊNCIA EXECUÇÃO RAZOAVEL E REGULAR TIPO DE CONSTRUÇÃO (TRABALHABILIDADE) SEM VIBRAÇÃO EXECUÇÃO RIGOROSA COM VIBRAÇÃO Fundações e Muros não armados Firme 20 a 40 20 a 60 10 a 50 Fundações e Muros armados Firme até Plástico 30 a 80 30 a 70 20 a 60 Estruturas Comuns.Socados. Iseu R. Mole até Plástico 80 a 110 70 a 90 60 a 80 Concreto aparente Plástico até Mole 70 a 100 60 a 80 50 a 70 Até 40 m Mais de 40 m Elementos Pré fabricados.Losso e Marcelo Q. Muito Firme (úmido) - 10 a 30 0 a 20 Concreto bombeado Muito Mole - Manoel Henrique de Campos Botelho (Livro Concreto Armado Eu te Amo) TABELA 17 INTERPRETAÇÃO DO SLUMP TEST ABATIMENTO (mm) Até 0 20 50 120 200 a a a a a 0 10 50 120 200 250 CONSISTÊNCIA muito seco seco rijo plástico úmido fluido Apostila CEFET Adauto J.Varisco Renato Sérgio Witkowski 11/13 .Pisos Firme até Plástico 60 a 80 50 a 70 30 a 40 Blocos Maciços .Lima. Mole - - 80 a 100 70 a 90 - - 90 a 130 80 a 100 Plástico até Firme 30 a 100 30 a 80 20 a 70 Lastros .

65 0.79 515 375 345 320 300 250 .7 4.4 7.4 25 28 30 26 9 11.SENAI – JULHO 2006 TABELA 18 UMIDADE DAS AREIAS .METODO EXPEDITO TIPO % UMIDADE/PESO SECO VOLUME (Litros) ÁGUA EM 100 (Litros) DE AREIA INCHAMENTO (%) 2 3 4 6 2.4 26 POUCO ÚMIDA ÚMIDA MUITO ÚMIDA TABELA 19 RELAÇÃO ÁGUA/CIMENTO E A RESISTÊNCIA DO CONCRETO fcj RESISTÊNCIA MÉDIA 400 300 250 230 210 150 TRAÇO RELAÇÃO CONSUMO ÁGUA/CIMENTO DE CIMENTO VOLUMÉTRICO 1:1:2 1 : 2 : 2 1/2 1:2:3 1 : 2 1/2 : 3 1:2:4 1 : 2 1/2 : 5 Manoel Henrique de Campos Botelho (Livro Concreto Armado Eu te Amo) Renato Sérgio Witkowski 12/13 Litro/kilo kilo/m³ 0.45 0.7 0.6 0.55 0.6 3.

SENAI – JULHO 2006 TABELA 20 ARMADURAS DIÂMETRO DOS PINOS DE DOBRAMENTO "D" BARRAS TRACIONADAS TIPO DO AÇO BITOLA mm CA 25 CA 50 CA 60 < 20  20 4Ø 5Ø 5Ø 8Ø 6Ø TABELA 21 BITOLA mm  10 10<Ø<20  20 CA 25 TIPO DO AÇO CA 50 3Ø 4Ø 5Ø 3Ø 5Ø 8Ø CA 60 3Ø TABELA 22 COMPRIMENTO DE ANCORAGEM DE BARRAS TRACIONADAS RESISTÊNCIA DO CONCRETO fck 20 MPa fck 24 MPa fck 26 MPa Renato Sérgio Witkowski TIPO DO AÇO CA 25 CA 50 SEM GANCHO COM GANCHO 77 Ø 66 Ø 69 Ø 59 Ø 66 Ø 56 Ø 56 Ø 49 Ø 46 Ø 13/13 .