Ciência& Saúde Coletiva

Print ISSN 1413-8123

Ciênc. saúde coletiva vol.10 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2005

Saúde mental e trabalho: os problemas que persistem

Leny SatoI; Márcia Hespanhol BernardoII
I

Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo !e"arta#ento de Psicologia Social e do $ra%al&o' (v' Pro)essor *ello *oraes 1'+21 ,--,8-.,, São Paulo SP' len/sato0us"'%r II Centro de 1e)erência de Saúde do $ra%al&ador de Ca#"inas

RES M! 2ste artigo to#a "or o%3eto a Saúde *ental e $ra%al&o co#o u#a su%4rea do ca#"o da Saúde do $ra%al&ador' Parte da constata5ão de 6ue os "ro%le#as de saúde #ental e tra%al&o 34 identi)icados e# #eados da d7cada de 1.8, "ersiste#' ("8s reto#ar a ta9ono#ia de tais "ro%le#as %usca evidenciar algu#as de suas e9"ress:es atuais a "artir da assistência e da vigil;ncia e# saúde do tra%al&ador %e# co#o "ela "ers"ectiva de alguns sindicatos #ais atentos < 6uestão' Para tal to#a co#o "onto de "artida o Centro de 1e)erência e# Saúde do $ra%al&ador =C1S$> de Ca#"inas' Por )i# "ontua algu#as caracter?sticas do tra%al&o no conte9to atual "ara co#"reender as #otiva5:es dessa "ersistência' "ala#ras$cha#e: Saúde do tra%al&ador Saúde #ental e tra%al&o Pol?ticas de saúde do tra%al&ador Psicologia social da saúde

Introdu%&o
Co#o o t?tulo do artigo anuncia recon&ece-se 6ue a te#4tica da Saúde *ental e $ra%al&o no @rasil 34 te# u# %o# ca#in&o "ercorrido e #uitos dos "ro%le#as 6ue i#"ulsionara# o desenvolvi#ento dessa 4rea "ersiste#' So% a designa5ão Saúde *ental e $ra%al&o te#os desde o in?cio da d7cada de 1.8, no @rasil diversos estudos "es6uisas e atividades de interven5ão a "artir dos servi5os "ú%licos de saúde e das entidades sindicais con)or#ando o 6ue se "oderia deno#inar de u#a su%4rea do ca#"o da Saúde do $ra%al&ador' A )ato de esta%elecer#os esse corte te#"oral não signi)ica 6ue antes desse "er?odo não se desenvolvesse# atividades )ocaliBando a saúde #ental de "essoas 6ue tra%al&asse#' C %o# notar 6ue desde a d7cada de 1.2, nos 2stados Unidos da (#7rica docu#enta#-se atividades englo%adas so% o t?tulo de Saúde *ental Acu"acional =S&artle 1.-,> 6ue co#o "r4tica "rivilegiava a o)erta de assistência "sicoter4"ica aos tra%al&adores sendo o tra%al&o suas condi5:es e sua organiBa5ão to#ados a"enas co#o "ano de )undo dos "ro%le#as 6ue de#andava# essa assistência' C4lculos de custo-%ene)?cio era# )ortes argu#entos "ara a o)erta de "sicotera"ia' No @rasil "or seu turno as deno#inadas Dciências do co#"orta#entoD na d7cada de 1.4, ta#%7# se ocu"ava# da saúde #ental das "essoas 6ue tra%al&ava#' @ertolli-Eil&o =1..21..3> #ostra co#o a #edicina ocu"ando-se da es)era "sicol8gica atuava e# dois do#?niosF o "ri#eiro 6ue congregava a constru5ão e a a"lica5ão de t7cnicas visando < sele5ão e < ada"ta5ão "ro)issional dos tra%al&adores =a "sicot7cnica> e a segunda 6ue se dava através da análise de operários que apresentavam possíveis "transtornos mentais", causadores ou resultantes de acidentes que comprometiam a existência do indivíduo e dos companheiros de labuta. Neste segundo do#?nio os "ro)issionais de saúde #ental era# recrutados "ara atuare# co#o "eritos "ara a Gusti5a do $ra%al&o co# vistas a su%sidiar sua decisão nos casos de "edidos de indeniBa5ão enca#in&ados "elos tra%al&adores acidentados' (6ui tanto a

...> e Eigueiredo =2. "neurose de dese!o" e "indenizofilia" =@ertolli-Eil&o 1..#%ito acadê#ico o de%ate "ode "rioriBar a di#ensão te8rico-#etodol8gica de cada u#a das a%ordagens no .KL 1.8KL 1..2> )oi a realidade de tra%al&o ur%ano so% regula#enta5ão da CJ$ a6uela 6ue de in?cio )oi to#ada co#o )oco de aten5ão' !esta )eita os "ro%le#as identi)icados são a6ueles 6ue tra%al&adores e lideran5as sindicais inseridos nesse conte9to traBe# aos servi5os "ú%licos de Saúde do $ra%al&ador e <s entidades de assessoria sindical co#o "or e9e#"lo o !I2S($ =!e"arta#ento Intersindical de 2studos e Pes6uisas de Saúde e dos (#%ientes de $ra%al&o>' .+>' Co#o 34 e9tensa#ente a"resentado "or Selig#ann-Silva =1.i#"ortante diga-se de "assage# ."sican4lise co#o o "aradig#a organicista )ora# adotados co#o a"oios "ara a e#issão desses laudos' A%serva-se 6ue a"esar de to#are# leituras te8ricas %astante distintas as conclus:es convergia# "ara o #es#o diagn8sticoF ''' existência de traumatismos físicos H"rovocados "elo acidenteI favorecedores do desenvolvimento de "neuroses de responsabilização" dos patr es pelo acidente de trabalho.. "neurose de renda"... sentimento rotulado pela medicina como "sinistrose".2-1..4L 1i%eiro et al' 2.+> e *ina/o-Mo#eB & $&edi#Costa =1.2> a res"eito da "sicologia o 6ue se #ostra "ertinente ta#%7# "ara o caso 6ue a6ui se discute' Pual6uer levanta#ento das "es6uisas desenvolvidas no @rasil de teses disserta5:es e artigos evidenciar4 6ue essa #ulti"licidade de orienta5:es encontra a%rigo e# gru"os e lin&as de "es6uisa sediados e# universidades no @rasil' Se no .3>' 2sses diagn8sticos sustentava# então a conclusão de 6ue os tra%al&adores acidentados era# Dsi#uladoresD e assi# %uscava# e9tor6uir as co#"an&ias seguradoras' $anto a deno#inada saúde #ental ocu"acional co#o as ciências do co#"orta#ento %usca# a gênese dos "ro%le#as de saúde #ental dos tra%al&adores no universo intra-individual sendo o tra%al&o suas condi5:es e sua organiBa5ão #ero "ano de )undo' (ssi# ao a%strair as condi5:es concretas de tra%al&o e "rinci"al#ente as rela5:es de tra%al&o contri%u?ra# "ara construir a e9"lica5ão 6ue Dcul"a%iliBa a v?ti#aD' !e #odo distinto ao estar a%rigada no ca#"o da Saúde do $ra%al&ador a Saúde *ental e $ra%al&o to#a as rela5:es de tra%al&o e sua &istoricidade co#o #atriB de leitura con)or#e a )or#ula5ão da Saúde Coletiva descrita "or JacaB =1.e# torno das teorias e dos #7todos #ais ade6uados "ara co#"reender inter"retar ou e9"licar os )enQ#enos de Saúde *ental e $ra%al&o %usca-se outro ti"o de res"ostaF e# 6ue #edida esses ol&ares "oderão su%sidiar a5:es "r4ticas individuais e coletivas 6ue considere# o a"arato institucional e legal 6ue en6uadra# as rela5:es de tra%al&o no @rasilR 2 al7# disso e# 6ue #edida as o"5:es te8ricas to#adas "oderão nos levar a angariar ele#entos "ara intervir na realidadeR As "ro%le#as de orde# "r4tica 6ue se a"resenta# ta#%7# e9ige# 6ue outras 6uest:es co#o direitos tra%al&istas e "revidenci4rios se i#"on&a# e de#ande# a aten5ão dos "ro)issionais de saúde' A 6ue se veri)ica nessa tra3et8ria de cerca de duas d7cadas da Saúde *ental e $ra%al&o no @rasil 7 6ue alguns gru"os de "ro%le#as )ora# se con)or#ando a "artir da acol&ida das de#andas aos servi5os "ú%licos de Saúde do $ra%al&ador e <s entidades sindicais' I#"ortante ressaltar 6ue dada a orige# #es#a do *ovi#ento de Saúde do $ra%al&ador no @rasil =Sato JacaB & @ernardo 2.#%ito dos servi5os "ú%licos de saúde e das entidades sindicais ele te# se desenvolvido e# torno "rioritaria#ente do alcance de res"ostas 6ue considere# a diversidade da realidade vivida "elos tra%al&adores e a "re#ência e# co#"reender lidar e #odi)icar as condi5:es 6ue gera# os "ro%le#as de saúde #ental' ( diversidade de situa5:es a"resentadas "ela realidade cotidiana#ente "or eles vivida não res"eita as )ronteiras te8rico#etodol8gicas' (ssi# "ara al7# do de%ate ..4> a Saúde *ental no $ra%al&o co#o ca#"o de investiga5ão e de "r4ticas te# acol&ido di)erentes correntes te8rico#etodol8gicas construindo diversos o%3etos de investiga5ão' $e#-se desde as a%ordagens sustentadas na teoria do estresse at7 as 6ue orienta# suas leituras "ela "sican4lise e# seus v4rios #atiBes' Co#o não dei9aria de ocorrer a6ui ta#%7# as ciências 6ue )ocaliBa# o #undo "sicol8gico a "artir de distintos o%3etos =co#"orta#ento so)ri#ento su%3etividade i#agin4rioNsi#%8lico doen5a #ental> tê# suas vincula5:es tanto co# a @iologia co#o co# as Ciências Sociais =(ntro"ologia Sociologia JingO?stica> )aBendo co# 6ue #últi"los Dno#esD se3a# utiliBados "ara se re)erir < Saúde *ental e $ra%al&o' Inevit4vel então 6ue no #ais das veBes ne# se#"re se consiga enta%ular di4logo entre as diversas a%ordagens co#o constata# Eigueiredo & Santi =2..

ncia e# a#%ientes e "rocessos de tra%al&o' ' saúde mental #ista pela assist)ncia ao trabalhador Puando se o%serva o 6ue &4 de novo e o 6ue "ersiste to#ando-se a assistência < saúde #ental dos tra%al&adores nota-se 6ue as DnovidadesD não diBe# res"eito a u#a #aior ên)ase dada a esse ti"o de "ro%le#a nos servi5os de saúde ne# a u# au#ento e9"ressivo de noti)ica5:es de "ro%le#as de saúde #ental #as si# a inclusão de novas ocu"a5:es entre a6uelas 6ue #ais )re6Oente#ente tê# sido associadas <s 6uei9as relacionadas < es)era "s?6uica' A 6ue se o%serva no C1S$ de Ca#"inas 7 6ue o nú#ero de noti)ica5:es de "ro%le#as de saúde #ental relacionados ao tra%al&o ainda 7 "ouco signi)icativo e# rela5ão ao total dos atendi#entos )ato 6ue "arece ta#%7# ocorrer e# outros servi5os do #es#o ti"o' No ano de 2..re"resentara# #enos de 1S dos 8.nas condi5:es aci#a a"ontadas ...4>' Considerou-se a6ui .K>F o "ri#eiro diB res"eito < cl4ssica rela5ão entre saúde #ental e organiBa5ão do "rocesso de tra%al&o' (6ui )ora# i#"ortantes os estudos no setor de servi5os e no setor industrial nos 6uais a organiBa5ão do tra%al&o ta/lorista-)ordista )oi %astante estudada' A segundo se re)ere aos e)eitos neuro"sicol8gicos decorrentes da e9"osi5ão a solventes e #etais "esados "ara cu3o e6uaciona#ento a atua5ão #ultidisci"linar )oi e9tre#a#ente i#"ortante tendo os "ro)issionais da 4rea D"siD u# "a"el %astante relevante no sentido de contri%uir "ara o diagn8stico "recoce da into9ica5ão =1e%ou5as et al' 1.2 diagn8sticos #7dicos atri%u?dos a novos "acientes desse servi5o en6uanto as J21 corres"ondera# a 6uase +.S desse total =C1S$-Ca#"inas 2.4 "or e9e#"lo os Dtranstornos "s?6uicosD .>' A terceiro gru"o te# as re"ercuss:es "sicossociais decorrentes dos acidentes de tra%al&o e de doen5as do tra%al&o e "ro)issionais co#o )oco e# 6ue as Jes:es "or 2s)or5os 1e"etitivos são u# i#"ortante e9e#"lo' Autra )a#?lia de "ro%le#as congrega os relacionados ao so)ri#ento "s?6uico 6ue "ode estar associado ao )ato de os tra%al&adores en)rentare# cotidiana#ente situa5:es de risco < vida co#o as e9"los:es e o tra%al&o e# altura' Por )i# co#o a"ontado "or Selig#ann-Silva =1.nica o estresse e os transtornos do sono .8K>F o con&eci#ento e a su%3etividade o"er4ria' ( intera5ão cotidiana no local de tra%al&o e e# outros es"a5os de socia%ilidade a vivência "essoal e singular e a troca de in)or#a5:es ani#a# a constru5ão "elos tra%al&adores de con&eci#entos e e9"lica5:es so%re a rela5ão saúde #ental e tra%al&o' Eoi a "artir do acol&i#ento <s de#andas aos servi5os "ú%licos de saúde e <s entidades sindicais 6ue alguns gru"os de "ro%le#as viera# a con)or#ar essa su%4rea de Saúde *ental e $ra%al&o' Pode#os aco#od4-los e# cinco gru"os con)or#e Sato & Selig#ann-Silva =1..#ais es"eci)ica#ente a de"ressão nãoorg.Inde"endente#ente do a"orte te8rico-#etodol8gico adotado "ara o e9a#e das rela5:es entre a saúde #ental e o tra%al&o recon&ece-se 6ue u# "onto de "artida i#"ortante "ara o e9a#e detido "or "arte dos "ro)issionais de saúde de deter#inados "ro%le#as de saúde %e# co#o os recortes o"erados 7 dado "ela vivência e9"eriência e con&eci#ento dos tra%al&adores so%re o seu dia-a-dia de tra%al&oL ou se se "re)erir a ter#inologia e#"regada "or Addone et al' =1.+> as situa5:es de dese#"rego "rolongado e# suas re"ercuss:es "sicossociais' I#"ortante le#%rar 6ue u#a ta9ono#ia 7 se#"re u#a dentre v4rias "oss?veis e "or isso arrisca se"arar )enQ#enos 6ue deveria# estar nu#a #es#a categoria e englo%ar nu#a única os 6ue "oderia# estar se"arados' Correndo esse risco a o"5ão a6ui adotada )oi norteada "ara a"resentar gru"os de "ro%le#as 6ue se #ovi#entara# dos locais de tra%al&o "ara as entidades sindicais "ara os servi5os "ú%licos de saúde e "ara as institui5:es de "es6uisa e universidade' ' e(press&o atual dos problemas de saúde mental e trabalho Para a"resentar co#o os "ro%le#as de saúde #ental e tra%al&o &o3e se e9"ressa# o"ta-se "or to#ar o caso de u# servi5o "ú%lico de Saúde do $ra%al&ador o Centro de 1e)erência e# Saúde do $ra%al&ador =C1S$> de Ca#"inas co#o local de "onto de "artida "ara a discussão a6ui desenvolvida' Co# esse intuito "ri#eira#ente serão estudados os "ro%le#as 6ue con)igurara# a 4rea de Saúde *ental e $ra%al&o .8.%uscando discutir as )or#as co#o eles se a"resenta# na de#anda "or assistência e# Saúde do $ra%al&ador' 2# seguida as 6uest:es de Saúde *ental e $ra%al&o serão analisadas < luB da "erce"5ão dos sindicatos e dos "ro)issionais de saúde 6ue realiBa# atividades de vigil.8K> e Sato =1.

>' Por outro lado o nú#ero "ouco signi)icativo desses diagn8sticos não indica necessaria#ente sua %ai9a )re6Oência na "o"ula5ão tra%al&adora' (ntes "arece# #ostrar a "ersistência da di)iculdade "or "arte de todos os envolvidos .ta#%7# )orte#ente "resente nos ca#"os "revidenci4rio e 3ur?dico ..tais co#o de"ressão e ansiedade .+L Sato 2.nico 6ue ele relacionava ao )ato de ter sido v?ti#a de assalto na agência e# 6ue tra%al&ava evento 6ue envolveu ta#%7# o se6Oestro de seus )a#iliares' Nesse caso a de#anda < assistência )oi #otivada a"8s ter vivenciado e"is8dio de tensão e9tre#a' A 6ue "arece e)etiva#ente DautoriBarD o tra%al&ador a a"resentar < assistência os "ro%le#as de saúde #ental e tra%al&o atual#ente 7 a J21' A%serva-se 6ue os tra%al&adores 6ue de#anda# assistência ao C1S$ devido a essas les:es na ocasião da consulta ta#%7# relata# "ro%le#as de saúde #ental 6ue relaciona# ao tra%al&o' I#"ortante notar 6ue #uitas veBes os sinto#as de orde# "s?6uica .3>' U# outro as"ecto a se ressaltar 7 6ue os tra%al&adores 6ue "rocura# trata#ento "ara J21 costu#a# identi)icar os #es#os as"ectos da organiBa5ão do "rocesso de tra%al&o co#o res"ons4veis tanto "ela doen5a osteo#uscular co#o "elos "ro%le#as de orde# "s?6uica =@orges 2.3L @ernardo 2.. a sua noti)ica5ão ainda re"resenta u# desa)io "ara a saúde "ú%lica' ( l8gica "ositivista &ege#Qnica e a visão de 6ue a gênese desses "ro%le#as reside na es)era intra-individual .aca%a "or ser deter#inante ta#%7# no ca#"o da Saúde do $ra%al&ador tendo e# vista os e#%ates )re6Oentes 6ue se esta%elece# entre essas 4reas' !o lado dos tra%al&adores "or sua veB o%serva-se 6ue #uitos "arece# se sentir #ais autoriBados a %uscar a assistência no C1S$ 6uando se ressente# de "ro%le#as de orde# )?sica sendo rara a sua ocorrência e# situa5:es e# 6ue eles a"resente# u#a de#anda clara e inicial de "ro%le#a de saúde #ental' !estaca#-se a6ui dois dos casos 6ue de#andara# assistência no C1S$ "or esse #otivo' A "ri#eiro 7 o de u# tra%al&ador de cerca de 4.ncia do &or4rio noturno e# u#a atividade 6ue l&e e9igia aten5ão constante' (6ui clara#ente se evidencia a i#"ort.2>' (tual#ente evidencia-se ta#%7# a convivência co# u# outro ti"o de riscoF o risco < vida decorrente da violência "or agressão' 2sse )oi o caso de u# gerente de %anco 6ue "rocurou o C1S$ de Ca#"inas co# diagn8stico de s?ndro#e do "..3>' 29"ress:es co#o Drit#o alucinanteD Dtra%al&o incessanteD DloucuraD Ddeses"eroD são usadas co# )re6Oência "elos tra%al&adores "ara e9"ressar a intensidade do so)ri#ento "rovocado "or essas caracter?sticas da organiBa5ão do tra%al&o' ( atividade de teleatendi#ento "arece ser u# caso e9e#"lar do 6ue )oi descrito aci#a' C u#a atividade 6ue ve# se e9"andindo e9traordinaria#ente nas últi#as d7cadas devido so%retudo .a"enas os diagn8sticos "rinci"ais atri%u?dos co# %ase na Classi)ica5ão Internacional de !oen5as =CI! 1.ncia da "artici"a5ão da organiBa5ão do tra%al&o na vivência desses sinto#as' Contudo deve-se notar 6ue a DautoriBa5ãoD "ara %uscar a a3uda do C1S$ )oi dada "or u# #7dico' No caso de "ro%le#as de saúde #ental associados < convivência cotidiana co# situa5:es de risco no tra%al&o "arece agora &aver u#a nova con)igura5ão e#%ora continue# "resentes e# ra#os co#o o da constru5ão civil e o da indústria 6u?#ica =@ernardo 2.nicos ="ressão alta eletrocardiogra#a alterado> e "s?6uicos =insQnia irrita%ilidade etc'> 6ue "arecia# decorrentes de estresse e )oi-l&e sugerido 6ue "rocurasse o C1S$ de Ca#"inas' Na entrevista inicial no C1S$ ele associava direta#ente as caracter?sticas do seu tra%al&o co#o as causadoras dos seus "ro%le#as de saúde destacando a grande res"onsa%ilidade associada < sua )un5ão e < 3ornada e9cessiva de tra%al&o' Segundo ele durante anos era co#u# 6ue tra%al&asse "or at7 vinte &oras seguidas co# "redo#in.era# inclusive sentidos &4 #ais te#"o do 6ue os sinto#as osteo#usculares e 6ue "ortanto não seria# a e9"ressão das re"ercuss:es "sicossociais desse ti"o de adoeci#ento =Sato et al' 1..e# recon&ecer o tra%al&o co#o causador de "ro%le#as de saúde #ental o 6ue conse6Oente#ente reduB a %usca de a3uda e# servi5os de re)erência co#o os C1S$s' ("esar de os "ro%le#as de Saúde *ental e $ra%al&o sere# recon&ecidos na CI! 1.1L 1i%eiro 1.. anos 6ue era res"ons4vel "ela e9"edi5ão de "rodutos de u#a grande e#"resa de ali#entos' 2le "rocurou a3uda de u# outro servi5o de saúde a"8s ter u#a crise de ausência en6uanto conduBia u# carro e 6uase ter "rovocado u# grave acidente 6ue envolveria sua es"osa e )il&os' 2# avalia5ão realiBada "elo #7dico da6uele servi5o )oi veri)icado 6ue esse tra%al&ador a"resentava sinto#as org.e#"resas "ro)issionais de saúde e "eritos do INSS ..

-.ncia e# a#%iente de tra%al&o realiBadas "elos "ro)issionais de saúde do tra%al&ador' 2sse enca#in&a#ento no entanto não signi)ica 6ue os tra%al&adores não associasse# seus sinto#as a "rodutos 6u?#icos "ois #uitos deles ao sere# atendidos no C1S$ a)ir#ava# esta%elecer essa rela5ão' Contudo diante da negativa do ne9o co# o tra%al&o )re6Oente#ente a"resentada "elos servi5os #7dicos das e#"resas ou "elos #7dicos dos convênios de saúde os tra%al&adores se vira# se# a5ão at7 a iniciativa do Sindicato ou da Vigil. aí.. que é estresse . que antes não eram vistos na fábrica. em todos esses três anos $. eles falam2 "oh..a tensão vivenciada cotidiana#ente "elas situa5:es de "ressão "ela )alta de autono#ia e "elo controle e9cessivo no tra%al&o . depois. vem acompanhando dentro da fábrica e.> ta#%7# nesse caso 7 raro 6ue os tra%al&adores "rocure# a3uda devido a 6uei9as relacionadas < es)era "s?6uica' No C1S$ de Ca#"inas os teleo"eradores c&ega# ao servi5o de saúde e9"ressando a"enas a 6uei9a de J21 e 7 so#ente 6uando são indagados a res"eito das causas 6ue atri%ue# a seus sinto#as .. Ho 6uêRI "stresse/ 0 dia'n1stico.. a'ora.ve# lutando "ara de#onstrar a conta#ina5ão de tra%al&adores "or "rodutos 6u?#icos utiliBados nos "rocessos de "rodu5ão de diversas .-. eu estudava. você está li'ado na área de sa&de. Paulo avalia 6ue esse "ro%le#a te# tido ocorrência crescente entre os #etalúrgicos devido <s #udan5as nos siste#as de "rodu5ão ins"iradas no #odelo 3a"onês 6ue i#":e# u#a intensi)ica5ão #arcante do rit#o de tra%al&o e u#a carga de res"onsa%ilidades aos tra%al&adores 6ue ultra"assa a si#"les e9ecu5ão de u#a tare)a' (inda segundo ele o dese#"rego 7 u# )ator de "ressão adicional so%re o tra%al&ador "ara 6ue aceite se su%#eter a situa5:es de tra%al&o desu#anas' G4 o Sindicato dos Pu?#icos dessa #es#a região .%.. (s 6uei9as a"resentadas "elos tra%al&adores são segundo ele os distúr%ios do sono e a di)iculdade e# DorganiBar as id7iasDF "les procuram você.a 6ual vale le#%rar 7 u# dos #ais i#"ortantes "8los "etro6u?#icos do "a?s . .% e. né( "u fui cipeiro.. tá no sindicato.6ue re)ere# co#u#ente a e9istência de sinto#as de orde# "s?6uica tais co#o de"ressão insQnia dese6uil?%rio e#ocional etc' A%serva-se assi# 6ue alguns dos "ro%le#as identi)icados entre as tele)onistas "or Je Muillant =1.. você começa a observar que os trabalhadores estão começando a desenvolver esses tipos de dist&rbio.neo < o"era5ão de ter#inal de co#"utador' ("esar de a rela5ão entre as caracter?sticas dessa atividade co# a ocorrência de "ro%le#as de saúde #ental 34 tere# sido %astante discutidas =SBnelTar & Uidan 2..'ente percebe al'uns dist&rbios. não s8 se re"roduBe# no caso do teleatendi#ento #as ta#%7# se a#"lia# co# a intensi)ica5ão do tra%al&o e a so)istica5ão do controle "ro"iciado "ela tecnologia #icroeletrQnica' Einal#ente no 6ue diB res"eito a sinto#as neuro"s?6uicos relacionados a into9ica5:es "or "rodutos 6u?#icos no tra%al&o o "rinci"al as"ecto 6ue "ode ser considerado u#a #udan5a 7 o )ato de &aver #aior con&eci#ento e recon&eci#ento dos sinto#as neuro"sicol8gicos co#o indicativos de into9ica5ão "or "rodutos 6u?#icos' Veri)ica-se 6ue os tra%al&adores co# diagn8sticos dessa es)era 6ue são aco#"an&ados "elo C1S$ de Ca#"inas 6uase 6ue invariavel#ente )ora# enca#in&ados "or outros servi5os de saúde e sindicatos ou )ora# identi)icados e# a5:es de vigil. a maioria das pessoas. por duas 'est es $.ê que vem intensificando as doenças mentais.". tenho que ler cinco ou seis vezes uma coisa simples para poder abstrair 45 ou 657. aqui no #indicato. assimilava tão bem.. 3s vezes tá estudando.< necessidade de as e#"resas #antere# contato #ais direto co# seus clientes e "ode ser considerada u#a sucessora da "ro)issão de tele)onista' 2# geral a tare)a dos teleo"eradores consiste e# atendi#ento tele)Qnico si#ult. eu não consi'o dormir 3 noite.ncia e# Saúde "ara u#a veri)ica5ão #ais a"urada dessas situa5:es' ' Saúde Mental e *rabalho pela perspecti#a dos sindicatos Para alguns sindicatos de tra%al&adores atentos <s 6uest:es de saúde do tra%al&ador os "ro%le#as de saúde #ental relacionados ao tra%al&o são cada veB #ais o%servados' No 6ue diB res"eito < organiBa5ão do "rocesso de tra%al&o a situa5ão dos #etalúrgicos "arece ser u# %o# e9e#"lo' ("esar de as J21s sere# ainda a "rinci"al doen5a do tra%al&o identi)icada nos tra%al&adores da categoria Paulo S7rgio Mo#es diretor de saúde do Sindicato dos *etalúrgicos da região de Ca#"inas 34 a"resenta u#a grande "reocu"a5ão e# rela5ão ao cresci#ento das 6uei9as de estresse' 2# u#a entrevista e esse res"eito ele diB o seguinteF "stou há três anos no #indicato e. . quando você vai conversar diz que está. lo'o de início você observa.. vice)presidente de *+. "antes."..84> na d7cada de 1... a 'ente !á observa. eu fiquei trabalhando na sa&de e de lá pra cá.. eu não consi'o mais.

ncias nas e#"resas do #unic?"io' As riscos "ara a saúde #ental dos tra%al&adores se3a# a6ueles relativos < organiBa5ão do tra%al&o < convivência co# situa5:es de "erigo ou < conta#ina5ão "or "rodutos 6u?#icos não s8 "ersiste# co#o i#"ortantes "ro%le#as de saúde "ú%lica co#o tê# se agravado sensivel#ente do "onto de vista da vigil.+L 1.ncia e# saúde' 2sse 7 "articular#ente o caso dos )atores relacionados < organiBa5ão do tra%al&o' A rit#o acelerado a "ressão "or "rodu5ão os constrangi#entos cotidianos e a a#ea5a de dese#"rego são o%servados e# 6uase todas as e#"resas su%#etidas < vigil.3L Miraud 1.#ica e assi# tratados erronea#ente' !esse #odo o ne9o co# o tra%al&o 7 )unda#ental "ara 6ue os tra%al&adores 6ue a"resenta# dis)un5:es neuro"s?6uicas rece%a# atendi#ento ade6uado' ' #i+il.ncia co#o as "rovenientes dos sindicatos de tra%al&adores a realidade se a"resenta de outro #odo' (o se co#"arar o acú#ulo de con&eci#entos e in)or#a5:es e9istentes &4 2.-L (nderson 1. Saúde Mental e *rabalho e o conte(to atual ( visada so%re os "ro%le#as de Saúde *ental e $ra%al&o to#ando-se co#o "onto de "artida u# servi5o "ú%lico de saúde do tra%al&ador "er#ite o%servar co#o anunciado desde o in?cio a "ersistência dos "ro%le#as descritos desde #eados da d7cada de 1.+L (r%i9 .ncia "elo C1S$ de Ca#"inas' ( intensi)ica5ão do rit#o 7 tal 6ue os tra%al&adores não tê# te#"o "ara conversar co# os "ro)issionais 6ue atua# na vigil.+L 1odrigues 1.L 1a#al&o 1.e#"resas da sua %ase' *uitos desses "rodutos tê# e)eitos neurot89icos e "ode# "rovocar sinto#as 6ue são )acil#ente con)undidos co# "ro%le#as de saúde #ental de orige# "sicodin. anos e &o3e so%re o te#a Saúde *ental e $ra%al&o não se "ode negar 6ue atual#ente a "rodu5ão t7cnico-cient?)ica na 4rea e9"eri#entou cresci#ento o)erecendo ele#entos no sentido de )ortalecer os argu#entos e socialiBar o de%ate acerca da i#"ortante "artici"a5ão das condi5:es e da organiBa5ão do tra%al&o na vivência dos "ro%le#as de saúdeNdoen5a #ental' (o #es#o te#"o #ostrando co#"orta#ento se#el&ante veri)ica-se o es"raia#ento dos servi5os "ú%licos dirigidos aos tra%al&adores na 6ualidade de tra%al&adores os 6uais ta#%7# teria# "a"el de )ortalecer a constru5ão do "onto de vista da Saúde do $ra%al&ador so%re a deter#ina5ão e causalidade dos )enQ#enos co# os 6uais tra%al&a' !e outro lado as recentes e "ro)undas #udan5as na realidade de tra%al&o tê# tido "a"el )unda#ental na con)or#a5ão de u# conte9to "ouco )avor4vel < e9"licita5ão dos "ro%le#as de saúde #ental e tra%al&o' $ais #udan5as .+L (ntunes 1.articuladas "elos )enQ#enos da glo%aliBa5ão e da reestrutura5ão "rodutiva no conte9to neoli%eral =Ianni 1.ncia' 2sses as"ectos "arece# estar cada veB #ais naturaliBados nos "rocessos de tra%al&o co# a alega5ão "or "arte das e#"resas de 6ue elas não tê# outra o"5ão "ois ta#%7# so)re# "ress:es do D#ercadoD' 2sses "ro%le#as não a)eta# so#ente o setor industrial ..6ue e# geral não conta# co# sindicatos atuantes ..-L @e/non 1.ncia em saúde e as quest-es de Saúde Mental e *rabalho (s avalia5:es do sindicato dos 6u?#icos e do sindicato dos #etalúrgicos de Ca#"inas a"resentadas aci#a coincide# co# a6uilo 6ue 7 o%servado "elos "ro)issionais do C1S$ de Ca#"inas e# vigil.ta#%7# tê# a"resentado ocorrência crescente desse ti"o de situa5ão o 6ue 7 agravado co# o au#ento de atividades realiBadas no "er?odo noturno' ( o)erta de servi5os de atendi#ento vinte e 6uatro &oras ou at7 altas &oras da noite te# au#entado sensivel#ente e# diversos setores o 6ue a)eta não s8 os tra%al&adores direta#ente envolvidos #as ta#%7# outros co#o os "ro)issionais de li#"eBa e #anuten5ão 6ue concentra# suas atividades na #adrugada co#o 7 o caso dos shoppin' centers...#as ta#%7# estão intensa#ente "resentes no setor de servi5os' (l7# do caso 34 citado do teleatendi#ento os servi5os terceiriBados .8L @or8n 1.' 2# "ri#eiro lugar di)erentes realidades se a"resenta#F ol&ando a "artir da assistência e# ter#os nu#7ricos 7 insigni)icante a atri%ui5ão co#o "ri#eiro diagn8stico de distúr%io #entalL tal realidade se #odi)ica 6uando se to#a a J21 co#o diagn8stico a 6ual "arece )uncionar co#o u#a es"7cie de )ac&ada "ara 6ue os "ro%le#as de saúde #ental se3a# levados < assistênciaL "or outro lado to#ando-se as in)or#a5:es angariadas tanto nas a5:es de vigil.8....onde ali4s 7 cada veB #ais co#u# ouvire#-se relatos dos tra%al&adores so%re a total i#"ossi%ilidade de atender necessidades &u#anas %4sicas durante a 3ornada de tra%al&o tais co#o %e%er 4gua ou ir ao %an&eiro ....

. porque senão vai ficar sob a mira do capataz e aí é "ir pr.2>' Se antes tra%al&ar so% a regula#enta5ão da CJ$ ou o so% o regi#e dos servidores "ú%licos era u# direito &o3e a6uele 6ue te# a Dcarteira de tra%al&o assinadaD 7 u# "rivilegiado' Co#o a)ir#a @oito Gr' =1.. porque senão "aqueles malucos =os sindicalistas> lá... vão atrapalhar a minha vida/ =P7rsio !utra HPenin&aI 2. =@oito Gr' 1.+> . tanto em aç es tomadas em con!unto.o olho da rua". porque tem banco de horas e "vamos nessa porque precisamos vestir a camisa da empresa" ) !ustamente para não perder o empre'o se calam9 é aquela situação da pessoa estar trabalhando com dor e não ir ao médico porque ele não pode se afastar. também. trabalhador.1. fazer hora extra sem cobrar. "xemplificando2 até ?@A6.. na realidade.L Soares 2.-2. não deixa de conhecer...> de Do terceiro es"?rito do ca"italis#oD' A dese#"rego crescente assu#e então u#a )aceta i#"ortante co#o controle si#%8lico' ( )or5a de todas essas #udan5as notada#ente sua )orte vincula5ão co# a situa5ão e o D)antas#aD do dese#"rego 7 sentida co#o i#o%iliBadora da a5ão articulada dos indiv?duos e ta#%7# dos sindicatos' $alveB se3a essa u#a das e9"ress:es do 6ue Eorrester =1..N2..> se re)lete direta#ente na sua atua5ão e# rela5ão < saúde' 2sse )ato 7 "articular#ente o%serv4vel e# rela5ão a "ro%le#as cu3a orige# est4 na . quanto na ação e eficácia do "stado para 'erir as dificuldades ou conflitos da sociedade =@endassolli 2.. e de sindicato eu. aquele medo do desempre'o..+> deno#ina de Dviolência da cal#aD em que a calma dos indivíduos e das sociedades é obtida pelo exercício de forças coercitivas anti'as.. por exemplo.co#o ocorre e# rela5ão ao n?vel de escolaridade .. 2ssa Dcal#aD gan&a re)or5os si#%8licos #ediante o intenso es"raia#ento e a articula5ão cristaliBada do Ddiscurso da co#"etênciaD . mas como privilé'io de poucos a ser revo'ado. +sso implica no $sic% se'uinte2 o indivíduo tem de bancar os custos de sua formação profissional9 ele tem de avaliar)se periodicamente para ver se está adequado 3s re'ras e exi'ências que o mercado demanda dele...88 =WernecX Viana 2. al'um tipo de estabilidade no empre'o $.. visando a interesses p&blicos..% <... s1 vou querer saber depois que eu for demitido.1> a%ordando assi# o 34 con&ecido discurso 6ue cul"a%iliBa a v?ti#a ="elo acidente de tra%al&o "ela doen5a do tra%al&o "elo dese#"rego>' @asica#ente tal discurso se caracteriBaria dentre outras coisas "or 8azer o indivíduo 'erir responsabilidades privadas pela condução da pr1pria vida profissional. de uma violência e de uma eficácia tal que passa despercebida. mas ele simplesmente =faz de conta>.versão "o"ulariBada da ideologia gerencial . A en)ra6ueci#ento na #o%iliBa5ão dos tra%al&adores desde o avan5o das "ol?ticas neoli%erais na d7cada de 1.3> e o au#ento se#"re crescente do dese#"rego e do tra%al&o não regula#entado "ela CJ$' Se o dese#"rego 7 u# dos "ro%le#as 6ue con)or#ou a 4rea de Saúde *ental e $ra%al&o assi# o )oi considerado "rinci"al#ente "elos e)eitos delet7rios 6ue "roduB <6ueles 6ue não consegue# se inserir e# u#a atividade "rodutiva' 2ntretanto atual#ente ele ta#%7# gera conse6Oências "ara a saúde #ental da6ueles 6ue tra%al&a#' (ltas ta9as de dese#"rego aco#"an&adas de u#a #aior e9igência so%re a6ueles 6ue se candidata# a e#"rego .6ue de"osita no indiv?duo a causa de Dtodos os #alesD e conse6Oente#ente a )onte de todos os re#7dios =Mui#arães 2..3L @endassolli 2.>F -ntes. trabalhadores que têm plena consciência do mal que o trabalho lhe causa ) eu estou falando de coisas que se refletem no ambiente psicossocial do trabalho que é a pressão da chefia.1>' 2 e9"ressando a )or5a dessa realidade concreta assi# teste#un&a P7rsio !utra =Penin&a> diretor do Sindicato dos $ra%al&adores e# Processa#ento de !ados do 2stado de São PauloF "u ve!o.%.i#"licara# o en)ra6ueci#ento dos sindicatos o se6Oestro da "ro#essa de cidadania e9"ressa na Constitui5ão Eederal de 1.. < tudo isso aí e que ele. Bo!e. :esmantelar a confiança. sub!acentes. cada trabalhador via no direito conquistado por outro um primeiro passo para que ele pr1prio conquistasse o seu9 ho!e.e so%re a6ueles 6ue estão tra%al&ando os 6uais deve# estar se#"re de#onstrando dedica5ão total <s e#"resas são alguns dos as"ectos 6ue con)igura# o conte9to deno#inado "or @oltansXi & C&ia"ello =1. o trabalhador tende a ver no direito conquistado por outro um privile'io que ameaça seus pr1prios direitos.. $.... a estabilidade do funcionalismo p&blico era um estímulo 3 luta do trabalhador do setor privado para obter. a mesma estabilidade do funcionalismo não é vista como ob!etivo a ser atin'ido por todos.

#ica lutando "or "osi5:es centrais no ca#"o cient?)ico =@ourdieu 1..> 6ue "ro"icia a &i"ertro)ia do discurso da cul"a%iliBa5ão da v?ti#a' .2' (s re"resenta5:es dos tra%al&adores so%re os riscos e# u#a usina 6u?#ica' *adernos de .K>F o conte9to atual congrega duas tendências o"ostas' !e u# lado a e9istência de con&eci#entos acu#ulados so%re o te#a e de outro o Dterceiro es"?rito do ca"italis#oD con)or#e @oltansXi & C&ia"ello =1...1' A voca%ul4rio da &a%ilidade e da co#"etênciaF algu#as considera5:es neo"rag#4ticas' *adernos de ..sicolo'ia #ocial do Frabalho -F1-18' H JinXs I @ernardo *Y 2.-..3' Mru"os tera"êuticos "ara tra%al&adores co# J21N!A1$F a e9"eriência de Ca#"inas ""' ..+.olaboradores J Sato e *Y @ernardo "artici"ara# igual#ente de todas as eta"as de ela%ora5ão do artigo' Re/er)ncias biblio+rá/icas (nderson P 1.-' @alan5o do neoli%eralis#o ""' .-2... trabalho e sindicatos ) reestruturação produtiva na +n'laterra e no Drasil' @oite#"o 2ditorial São Paulo' H JinXs I (ntunes 1 1.2' In J Carleial & 1 Valle =orgs'>' Eeestruturação produtiva e mercado de trabalho no Drasil' Yucitec-(@2$ São Paulo' H JinXs I @endassolli PE 2.K> tais discursos estão e# rela5ão din. experiências e perspectivas' 2ditora P*P Piracica%a' H JinXs I .+' As desca#in&os do governo e a "recariBa5ão das rela5:es de tra%al&o ""' 48.3' In *(@C $aXa&as&i & 1M Vilela =orgs'> ...sa&de do trabalhador e sa&de ambiental2 cenário.1s) neoliberalismo ) as políticas sociais e o "stado democrático' 2ditora PaB e $erra São Paulo' H JinXs I (ntunes 1 1.-23' In 2 Sader & P Mentili =orgs'>' ..83> e deve# sua )or5a argu#entativa não a eles #es#os #as <s condi5:es concretas e# 6ue se insere#' ( "ersistência dos "ro%le#as de Saúde *ental e $ra%al&o "ode ser co#"reendida nos #oldes "ro"ostos "or JacaB =1.1-.sicolo'ia #ocial do Frabalho 3N4F K-+K' H JinXs I @ernardo *Y 2..K> 6ue to#ou co#o o%3eto de estudo as )or#a5:es discursivas da acade#ia dos servi5os e dos 8rgãos sindicais so%re as rela5:es Saúde e $ra%al&o #ostrando as di)eren5as entre o discurso da Saúde Acu"acionalN*edicina do $ra%al&o e o da Saúde do $ra%al&ador' Se o da Saúde Acu"acionalN*edicina do $ra%al&o deve sua e#ergência no conte9to do "rocesso de industrialiBa5ão %rasileira vindo ao encontro da necessidade de controlar a )or5a de tra%al&o sustentando-se e# u#a visão )uncionalista e individualiBante a Saúde do $ra%al&ador 7 )or3ada no conte9to do ressurgi#ento do #ovi#ento sindical no @rasil no )inal da d7cada de 1.. 0s sentidos do trabalho2 ensaio sobre a afirmação e a ne'ação do trabalho ' @oite#"o 2ditorial São Paulo' H JinXs I (r%i9 M 1. e %uscou nas rela5:es de tra%al&o a deter#ina5ão do "rocesso saúde-doen5a' Con)or#e JacaB =1...+' $ra%al&o reestrutura5ão "rodutiva e algu#as re"ercuss:es no sindicalis#o %rasileiro ""' +1-8-' In 1 (ntunes =org'>' Ceoliberalismo.organiBa5ão do "rocesso de tra%al&o co#o 7 o caso de grande "arte dos "ro%le#as de saúde #ental e tra%al&o' Nessas condi5:es talveB u#a das caracter?sticas i#"ortantes no 6ue se re)ere < saúde dos tra%al&adores se3a a de 6ue eles tê# condi5:es de recon&ecer as situa5:es de risco do tra%al&o "ara sua saúde #as não tê# tido outra o"5ão 6ue a su%#issão a tais condi5:es' C co#u# atual#ente ouvir-se 6ue 6ue# te# u# e#"rego não i#"orta 6ual 34 "ode ser considerada u#a "essoa de sorte' 2ssa su%#issão consciente a condi5:es inade6uadas "articular#ente no 6ue diB res"eito ao rit#o de tra%al&o e <s "ress:es cotidianas "arece estar se tornando u# )ator adicional de so)ri#ento "s?6uico 6ue #erece u#a aten5ão es"ecial da 4rea de Saúde *ental e $ra%al&o' 2sse conte9to "ortanto #ostra-se "ouco "ro"?cio "ara 6ue o discurso da Saúde do $ra%al&ador ten&a )or5a argu#entativa cedendo es"a5o "ara 6ue a visão alin&ada ao discurso da Saúde Acu"acionalN*edicina do $ra%al&o recrudes5a' (6ui vale recu"erar o estudo desenvolvido "or JacaB =1.

.' .84' ( neurose das tele)onistas' Eevista Drasileira de #a&de 0cupacional 4+=12>+-11' $radu5ão de Ga névrose des téléphonistes Ja Presse #7dicale 1...&blica 13F8--. Ima visão hist1rica da psicolo'ia como ciência' 2duc São Paulo' H JinXs I Eorrester V 1.-K' H JinXs I *ina/o Mo#eB C & $&edi#-Costa S*E$ 1... -spectos da cultura popular no Drasil' @rasiliense São Paulo' H JinXs I C1S$-Ca#"inas 2. 1...\ edi5ão>' VoBes Petr8"olis' Eigueiredo JC & Santi PJ1 2.8' .+' 0 horror econJmico' 2ditora da Universidade 2stadual Paulista São Paulo' H JinXs I Miraud PN 1.' +nsalubridade..1' (s les:es "or es)or5os re"etitivos =J21> co#o ?ndice do #al-estar no #undo do tra%al&o ""' 1-+-1+4' In JY @orges *M@ *oulin & *! (raú3o =orgs'>' 0r'anização do trabalho e sa&de ) m&ltiplas relaç es' 2!UE2S Vit8ria' H JinXs I @or8n ( 1.sociedade 'lobal' 2ditora CiviliBa5ão @rasileira 1io de Ganeiro' H JinXs I JacaB E(C 1.1s)neoliberalismo ) as políticas sociais e o "stado democrático' 2ditora PaB e $erra São Paulo' H JinXs I @ourdieu P 1.sicolo'ia ) uma $nova% introdução.olítica neoliberal e sindicalismo no Drasil' 2d' Eora da Arde# São Paulo' H JinXs I @oltansXi J & C&ia"ello 2 1.+' Saúde dos tra%al&adoresF cen4rio e desa)ios' *adernos de #a&de .@ertolli-Eil&o C 1..3' .8.+' Jes:es "or 2s)or5os 1e"etitivos =J21>F u#a doen5a e#%le#4tica' *adernos de #a&de .3' *onformismo e resistência.3' H JinXs I .K' #a&de do Frabalhador2 um estudo sobre as formaç es discursivas da -cademia.83' A ca#"o cient?)ico ""' 122-1--' In 1 ArtiB =org'>' .3' *edicina e tra%al&oF as Dciências do co#"orta#entoD na d7cada de 4.desi'ualdade do mundo ) a economia do mundo contemporKneo' $erra#ar 2ditores !istri%uidores e Jivreiros Jtda Jis%oa' H JinXs I Mui#arães 2V 2. trabalho e sindicatos ) reestruturação produtiva na +n'laterra e no Drasil' @oite#"o 2ditorial São Paulo' H JinXs I 1e%ou5as (G( et al.' H JinXs I Je Muillant J 1.&blica 13=su"l' 2>F+-1.&blica 13=su"l' 2>F21-32' H JinXs I Addone I et al.2-1. dos #erviços e do Hovimento #indical' $ese de doutorado' Eaculdade de Ciências *7dicas' Unica#" Ca#"inas' H JinXs I JacaB E(C 1...ierre Dourdieu2 sociolo'ia' 2ditora Ztica São Paulo' H JinXs I C&aui * 1.8K' -mbiente de trabalho2 a luta dos trabalhadores pela sa&de' $rad' Salvador A%iol de Ereitas' Yucitec São Paulo' H JinXs I 1a#al&o G1 1...' Ge nouvel esprit du capitalisme' Malli#ard Paris' H JinXs I @orges JY 2..-' ( sociedade civil de"ois do dilúvio neoli%eral ""' K3-118' In 2 Sader & P Mentili =orgs'>' .+' ( constru5ão do ca#"o da saúde do tra%al&adorF "ercurso e dile#as' *adernos de #a&de . Horte lenta no trabalho' !iesatNA%or7 São Paulo' H JinXs I 1i%eiro YP 1.+' (s "r4ticas do tra%al&o e# #uta5ão ""' ...+' PrecariBa5ão do tra%al&o e i#"asses na organiBa5ão coletiva no @rasil ""' 8--114' In 1 (ntunes =org'>' Ceoliberalismo.. 1..' Eevista de Bist1ria 12+-128F3+--1' H JinXs I @e/non Y 1.. trabalho e sindicatos ) reestruturação produtiva na +n'laterra e no Drasil ' @oite#"o 2ditorial São Paulo' H JinXs I @oito Gr ( 1.4' Sia#a" 2[' Ca#"inas' H JinXs I H JinXs I Eigueiredo JC 2.-38' In 1 (ntunes =org'>' Ceoliberalismo.2' Hatrizes do pensamento psicol1'ico =....3' "xecutivos em revista ) discursos de e para executivos e aspirantes a executivos' !isserta5ão de #estrado' Progra#a de P8s-Mradua5ão e# Psicologia Social IPUSP São Paulo' H JinXs I Ianni A 1..' .

.-K4' In GE Eerreira-Eil&o & S Gardi# =org'>' .+' ( inter)ace dese#"rego "rolongado e saúde "sicossocial ""' 1..1i%eiro YP et al..2' Yerval Pina 1i%eiro Erancisco (ntonio de Castro JacaB Carlos ("ar?cio Cle#ente e P7rsio !utra )ala# so%re a &ist8ria do !I2S($ =2ntrevista co# Jen/ Sato>' *adernos de .K' $ra%al&o e Saúde *ental ""' 1K.sMcholo'M .=21>F4..' Industrial "s/c&olog/' -nnual EevieO of ..sicolo'ia #ocial do Frabalho -FK3-8-' H JinXs I 1odrigues I1 1.4' Ps/c&olog/ and WorXers Yealt& *ove#ent in t&e State o) São Paulo' Lournal of Bealth ..' In 1C 1uiB =org'>' Im mundo sem G"E é possível' UI$( =União Internacional dos $ra%al&adores da (li#enta5ão> *ontevid7o' H JinXs I Sato J (raú3o *! Udi&ara *J Eranco EN !aldon *$@ Setti#i ** & Silvestre *P 1.' In 1 (ntunes =org'>' Ceoliberalismo.-.KN2.3' (tividade e# gru"o co# "ortadores de J'2'1' e ac&ados so%re a di#ensão "sicossocial' Eevista Drasileira de #a&de 0cupacional +.#estres e9"lica# a glo%aliBa5ão>' H JinXs I SBnelTar JI & Uidan JN =orgs'> 2. 2.+N2.("rovado e# 28N..' H JinXs I Sato J & Selig#ann-Silva 2 1.0 2008 Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva '#1 Brasil2 3456 $ sala 744 Man+uinhos 89434$569 Rio de :aneiro R: $ Bra....sMcholo'M vol' 1F1-11+2' H JinXs I Soares J$ 2.4' :es'aste mental no trabalho dominado' 2ditora UE1G 1io de GaneiroL CorteB 2ditora São Paulo' H JinXs I Selig#ann-Silva 2 1.americanização $perversa% da se'uridade social no Drasil2 estraté'ias de bem)estar e políticas p&blica ' UC(* Iu"er3 1io de Ganeiro' H JinXs I (rtigo a"resentado e# 1+N.3' 0 desastre social' 2ditora 1ecord 1io de Ganeiro-São Paulo' =As "or6uês da desorde# #undial ...=1>F121-13.danação do trabalho ) or'anização do trabalho e sofrimento psíquico' $e Cor4 2ditora 1io de Ganeiro' H JinXs I S&artle CJ 1..4.' 0 trabalho humano com sistemas informatizados no setor de serviços' Plêiade São Paulo' H JinXs I WernecX-Vianna *J$ 2..' .8K' Saúde #entalF as diversas e9"ress:es' Frabalho N #a&de =8rgão in)or#ativo do !I2S($> ano 1-F38. trabalho e sa&de mental no Drasil' $ra5o São Paulo' H JinXs I Selig#ann-Silva 2 1.8K' Crise econQ#ica tra%al&o e saúde #ental ""' -4-132' In V( (ngera#i =org'>' *rise. trabalho e sindicatos ) reestruturação produtiva na +n'laterra e no Drasil' @oite#"o 2ditorial São Paulo' H JinXs I Sato J 1..3' Su%3etividade saúde #ental e J21 ""' K1-8.+' Sindicalis#o e#"rego e rela5:es de tra%al&o na indústria auto#o%il?stica ""' 11--12.Versão )inal a"resentada e# 28N.. Heio -mbiente e *ondiç es de Frabalho ) conte&dos básicos para uma ação sindical ' CU$ São Paulo' H JinXs I Sato J 2.-1+-' In Central ]nica dos $ra%al&adores' #a&de.+2.-K2' H JinXs I Sato J JacaB E(C & @ernardo *Y 2.il *el1: <== 89 88>4$3?>5 @ 5??8$>9=9 .' H JinXs I Selig#ann-Silva 2 1.