BOLETIM PAROQUIAL DE AZEITÃO

ano iii | n. 11 | 17.11.2013

DOMINGO XXXIII TEMPO COMUM

paróquias Đ azeitão
Evangelho do dia
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaramLhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu. Mas antes de tudo isto, deitar-vosão as mãos e hão-de perseguir-vos, entregando-vos às sinagogas e às prisões, conduzindo-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome. Assim tereis ocasião de dar testemunho. Tende presente em vossos corações que não deveis preparar a vossa defesa. Eu vos darei língua e sabedoria a que nenhum dos vossos adversários poderá resistir ou contradizer. Sereis entregues até pelos vossos pais, irmãos, parentes e amigos. Causarão a morte a alguns de vós e todos vos odiarão por causa do meu nome; mas nenhum cabelo da vossa cabeça se perderá. Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas». Palavra da salvação.

Encerramento do Ano da Fé na Diocese de Setúbal
No próximo dia 24 de Novembro, a partir das 15 horas, terá início o primeiro ato do encerramento do Ano da Fé na nossa Diocese, com a celebração da Eucaristia, no Largo Gabriel Pedro, junto à Igreja Nova de Almada. Esta será presidida por D. Gilberto dos Reis, Bispo de Setúbal, e concelebrada pelo restante clero da Diocese. Todos estão convidados a trazer um género alimentar – como gesto de Fé traduzido em caridade concreta – para entregar nos locais que vão estar assinalados, e cujo destino será apoiar duas instituições da nossa Diocese: a Casa do Gaiato de Setúbal e a Associação Vele de Acór/Projeto Homem. Durante as Missas Vespertinas desse fim de semana e nas da manhã de cada paróquia da Diocese, devem ser recolhidos os compromissos de oração preenchidos, e que serão entregues, na ocasião da Apresentação dos Dons da Eucaristia, por um representante de cada paróquia. O Ofertório desta Eucaristia tem também um objetivo especial: reforçar o Fundo Diocesano de Solidariedade. Durante a celebração (e até já antes dela, desde as 14.30h) dentro da Igreja de Almada, estarão disponíveis vários sacerdotes para que quem deseje receber o Sacramento da Reconciliação o possa fazer. Terminada a Eucaristia, tem início a Procissão Eucarística, que passará pelas avenidas Nuno Álvares Pereira e do Cristo Rei até ao Santuário, num percurso de cerca de 1800 metros. Cada Paróquia deve trazer consigo a sua Cruz Paroquial e/ou Pendão, que irão na «cabeceira» da procissão; convidamse também todos os acólitos a estar devidamente revestidos de alva para este momento. A ordenação do percurso será mantida pelos escuteiros. O Santíssimo Sacramento irá em andor, em Custódia de Procissão especialmente construída para este efeito, e com cerca de dois metros de altura, de modo a proporcionar visibilidade maior durante a deslocação pelas ruas de Almada. O andor irá suportado por oito pessoas, tarefa para a qual se apela às paróquias, grupos e movimentos que façam chegar a sua disponibilidade à organização do encerramento, de modo a organizar as substituições durante o percurso. O Santíssimo irá ainda rodeado de lanternas, de modo a realçar a Sua presença. Durante o percurso irão ser escutadas pequenas meditações, intercaladas de música adequada, de molde a permitir um ambiente de devoção e fé. Chegados ao Santuário, serão ali cantadas as Vésperas da Solenidade de Cristo Rei, após o que será feita a Consagração a Nossa Senhora de todos os presentes e o momento de envio.   Chama-se a atenção que os autocarros não podem ir até ao exato local da Missa, pelo que devem largar os passageiros o mais próximo possível, apresentando-se como sugestão a Praça de S. João Batista ou a Praça Gil Vicente. No final, cada qual apanhará os seus passageiros no lugar combinado e considerado conveniente pelo respetivo motorista. Os carros particulares dispõem de estacionamento subterrâneo (pago) na Praça de S. João Batista e por detrás da Academia Almadense. © Notícias de Setúbal BML | 07/11/2013 01:11

Rosarium Virginis Mariæ
CAPÍTULO I (cont.) As recordações de Maria 11. Maria vive com os olhos fixos em Cristo e guarda cada palavra sua: « Conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração » (Lc 2, 19; cf. 2, 51). As recordações de Jesus, estampadas na sua alma, acompanharam-na em cada circunstância, levando-a a percorrer novamente com o pensamento os vários momentos da sua vida junto com o Filho. Foram estas recordações que constituíram, de certo modo, o “rosário” que Ela mesma recitou constantemente nos dias da sua vida terrena. E mesmo agora, entre os cânticos de alegria da Jerusalém celestial, os motivos da sua gratidão e do seu louvor permanecem imutáveis. São eles que inspiram o seu carinho materno pela Igreja peregrina, na qual Ela continua a desenvolver a composição da sua “narração” de evangelizadora. Maria propõe continuamente aos crentes os “mistérios” do seu Filho, desejando que sejam contemplados, para que possam irradiar toda a sua força salvífica. Quando recita o Rosário, a comunidade cristã sintoniza-se com a lembrança e com o olhar de Maria.

[ HORÁRIOS ]
Eucaristias feriais................................. 3.ª e 5.ª S. Lourenço 18h00 4.ª e 6.ª S. Simão 18h00 Eucaristias dominicais.......................... sáb. S. Lourenço 18h30 dom Aldeia da Piedade 9h00 S. Simão 10h15 S. Lourenço 11h30 S. Simão 18h30 Confissões.............................................. 5.ª - S. Lourenço 15h30 às 17h30 6.ª - S. Simão 17h00 às 17h45 Cartório (S. Lourenço).......................... 3.a 18h30 às 20h00 5.a 18h30 às 20h00 Contactos.............................................. S. Lourenço 21 219 05 99 S. Simão 21 219 08 33 Telemóvel 91 219 05 99 paroquiasdeazeitao@gmail.com bparoquial.azeitao@gmail.com catequeseazeitao@gmail.com

Prepare-se para receber o Sacramento do Crisma!!
“Muitas vezes vês os fios elétricos que estão nas ruas. Se não passar a corrente elétrica por eles, não haverá luz. O fio elétrico és tu e eu. A corrente é Deus. Nós temos o poder de deixar que a corrente passe dentro de nós, para assim acendermos a luz do mundo: JESUS – ou então, podemos fechar-nos e deixar que a escuridão se espalhe” (Madre Teresa de Calcutá) Querem experimentar a glória de Deus? É isso que se experimenta no Crisma. Já fazem parte da corrente? Já têm um contacto intenso com Deus? Ou acham que isso não existe? Será que se sentem como um cabo sem corrente e sem sentido na paisagem que vos circunda? Ou será que desejam ser um canal através do qual passe o amor de Deus? Querem sentir a Glória de Deus? Querem viver uma vida plena e intensa? Já tiveram alguma vez a sensação de estarem em contacto intimo com Deus, de estarem muito perto d’Ele, de serem muito amados, acarinhados, amparados e guiados? Ou têm de admitir, com toda a franqueza: “Há um grande vazio dentro de mim”; “Essas graças ainda não me foram concedidas”. É esta experiencia que as Paróquias de Azeitão querem proporcionar a todos aqueles que ainda não receberam o Sacramento da Confirmação e/ ou a Eucaristia (a Primeira Comunhão). Iremos começar este caminho no dia 19 de Novembro de 2013 às 21h00 na Igreja de São Lourenço. Venha participar! Venha receber este grande dom! Contamos com a sua presença! Em Cristo PE. LUÍS MATOS FERREIRA Pároco de Azeitão

QUESTIONÁRIO SOBRE A FAMÍLIA Ao responder indique APENAS a idade, género e sacramentos recebidos [baptismo, crisma, eucaristia ou matrimónio]. Entregue a resposta por escrito nos cartórios ou para bparoquial.azeitao@gmail.com A.1. Conhece alguma passagem bíblica sobre o matrimónio e a família? É capaz de a(s) citar? A.2. Alguma vez leu a doutrina do Concílio Vaticano II sobre a família? A.3. Sabe dizer o nome de algum documento [encíclica, carta apostólica, exortação apostólica, &c] que trate do problema da família? Qual (ou quais)? A.4. Alguma vez o(s) leu, estudou ou ouviu alguma catequese sobre eles, mesmo que parcialmente? B.1. Se lhe pedisse que resumisse o ensinamento da Igreja sobre a família em umas quantas palavras ou expressões soltas, quais seriam elas? [ex. indissolubilidade] B.2. O que pensa sobre a aceitação desse ensinamento quer na comunidade crente, quer fora dela. B.3. Acha que os crentes hoje têm dificuldades em colocar esse ensinamento em prática? Porquê? B.4. Quais são, no seu entender, os ensinamentos mais rejeitados pelos não-crentes? Porquê? B.5. Há algum ensinamento que acredita aceite pela generalidade dos não-crentes? Porquê? B.6. Teve conhecimento de alguma acção, paroquial ou diocesana, que tivesse como tema principal a família? [catequeses, retiros, movimentos, etc.] Quais? C.1. Concorda que a constituição de uma nova família deve ser exclusivamente entre um homem e uma mulher? Porquê? C.2. No seu entender, em que a sociedade no seu conjunto concorda ou discorda de si neste assunto? C.3. E na sua comunidade paroquial? A sua opinião é partilhada por alguns dos seus membros? Sem que nomeie, conhece alguém que discorde de si? Em quê e porquê? D.1. De forma geral, como observa a vida de fé pelas famílias cristãs? [participação na Eucaristia, oração em família, participação no sacramento da reconciliação, &c.] D.2. Quais as dificuldades que encontra na transmissão da fé aos filhos? D.3. Como procura superar essas dificuldades? D.4. Encontra na Igreja alguma forma de ajuda pastoral nessas dificuldades? Quais? E.1. Como vê, no contexto da paróquia, as situações irregulares? Que pensa sobre elas? E.2. Que pensa ser possível fazer por esses casais? E.3. No caso das uniões homossexuais, como acha que a Igreja deve desempenhar a sua importante missão de anúncio nesses casos? Há algum tipo de auxílio pastoral que a Igreja pode prestar nestes casos a quem sinceramente a procure? F.1. O que significa para si “paternidade responsável”? F.2. O que sabe dizer acerca da doutrina da Igreja sobre a regulação da natalidade? F.3. Tem alguma dificuldade em compreender as razões dessa doutrina? F.4. Acha que os casais cristãos procuram de forma sincera levar à prática tais ensinamentos? Quais as maiores dificuldades que encontra a quem o deseje fazer? F.5. Conhece algum movimento, grupo ou acções isoladas que esclareçam sobre os vários assim denominados “métodos naturais”? F.6. Que acharia apropriado fazer neste domínio para, não só esclarecer, mas também para ajudar os casais que o desejem? G.1. No seu entender, que situações encontra no mundo contemporâneo que dificultem ou mesmo impeçam o encontro das pessoas com Jesus? G.2. Como entende que se possa ser evangelizador nesse contexto? H.1. Outros comentários que queira acrescentar.

Graças derramadas em dia de Profissão de Fé para os jovens da nossa Paróquia
No passado Domingo, dia 10, as nossas Paróquias viveram um momento de verdadeiro Pentecostes, tais foram as Graças derramadas. O grupo que concluiu o VI volume da catequese, compareceu na Eucaristia das 18h30, na Igreja de S. Simão, para professar, perante Deus e a comunidade, a sua Fé em Nosso Senhor, que é Pai, Filho e Espírito Santo. Esta celebração certamente ficará na memória de todos quantos participaram, principalmente os nossos jovens, que em voz forte afirmaram que pretendem continuar, agora pelo próprio pé, a peregrinação que iniciaram com o Baptismo. Assumiram assim o compromisso que os pais subscreveram por eles, quando bébés. Com a Igreja cheia e a presença dos Reverendíssimos Pe. Luis Ferreira e Pe. Rui Gouveia (director do secretariado Diocesano da Catequese) a missão destes jovens não se avizinhava fácil... O nosso Reverendíssimo Prior, não deixou os créditos por mãos alheias e para surpresa de todos lançou o desafio: Servirem de conselheiros para um Conselho Paroquial extraordinário. E foram bastantes e pertinentes as questões levantadas. O diálogo gerado com esta "brincadeira séria" foi um momento único, onde de forma descontraída, desmontámos algumas situações reais...O resultado? Todos saímos mais ricos...não de forma material, mas na relação com Nosso Senhor. Estando todos aprovados no exigente teste, foram convidados a permanecer junto do altar, onde os jovens, acompanhados à distância pelos pais, afirmaram perante Nosso Senhor, e os restantes presentes como testemunhas, o motivo de estarem ali: Deixar um Fé infantil e professar a Fé em Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo . Também os pais efectuaram o compromisso de continuar a ajudar os filhos neste crescimento. Então ao som do refrão: "No peito eu levo uma Cruz, no meu coração o que disse Jesus" cada jovem recebeu, entregue pelo Rev. Pe. Luis, uma cruz... De Cruz ao peito, os jovens e a restante comunidade professaram então a Fé, através do Credo. A Celebração continuou até ao seu auge, a Consagração dos dons e a Comunhão Eucarística. Nesta altura percebemos como tudo faz sentido. A vida destes jovens não pode ser resumida nesta Celebração, mas a Celebração resume o caminho que têm feito. Este desejo de conhecer, de experimentar Nosso Senhor, mesmo quando aparentemente a sociedade é tão mais atractiva. Não queria deixar de referir o Terço da Misericórdia que rezámos todos antes da Eucaristia, pedindo que nosso Senhor recebesse cada um nesta Sua Infinita e Insondável Misericórdia. Se tens desejo de conhecer melhor este nosso Deus, não tenhas receio...tens muito mais a ganhar...seja qual for a tua idade...a comunidade tem diversos grupos, que procura incluir todos, porque Nosso Senhor espera e chama por todos... Arrisca...fala com um catequista, com um amigo que tenhas nalgum grupo, com um responsável de grupo ou com o Sacerdote. Jesus, eu confio em Vós

RICARDO ROSA