INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER

CINOMOSE CANINA E ACUPUNTURA: RELATO DE CASO

AKEMI HIRONO CORRÊA NAKAGAVA

Monografia apresentada para conclusão de curso de Especialização em Acupuntura Veterinária.

Belo Horizonte 2009

INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER

CINOMOSE CANINA E ACUPUNTURA: RELATO DE CASO

AKEMI HIRONO CORRÊA NAKAGAVA

Orientadores: Daniela Furst Bueno Leonardo Rocha Vianna Tatiana Abdalla Fontenelle

Belo Horizonte 2009
2

AGRADECIMENTOS

A DEUS por minha existência. Ao meu companheiro Sylvio, sempre me apoiando nas horas difíceis. Aos meus orientadores, em especial Daniela, uma pessoa encantadora e gentil. Aos animais que são motivo da minha inspiração, especialmente Luna e Goku.

3

0 – TRATAMENTO DA CINOMOSE ATRAVES DA ACUPUNTURA 6.0 .3 .1 – CASO 1 6.INTRODUÇÃO 2.0 – MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E ACUPUNTURA 4.CINOMOSE 2.0 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Página 7 8 8 10 11 12 14 17 21 21 24 34 35 4 .1 – PATOGENIA E SINAIS CLÍNICOS 2.0 .CONCLUSÃO 8.TRATAMENTO 3.2 – CASO 2 7.DIAGNÓSTICO 2.0 .0 – RELATO DE CASO 6.SUMÁRIO 1.2 .0 – CINOMOSE SEGUNDO A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA 5.

VG 16-Fengfu e VG 20-Baihui FIGURA 5: Pontos VB 20-Fengchi. R 3-Taixi e R 7 FIGURA 8: Pontos R 3-Taixi e R 7 FIGURA 9: Pontos B 18-Ganshu. VB 29. VB 30 e VB 34 FIGURA 6: Pontos IG 4-Hegu e IG 11-Quchi FIGURA 7: Pontos R 1-Yongquan.ÍNDICE DE FIGURAS FIGURA 1: Seqüência de Geração FIGURA 2: Seqüência de Controle FIGURA 3: Ponto extra Yintang FIGURA 4: Pontos VG 14-Dazhui. B 23-Shenshu e B 47-Hunmen FIGURA 10: Pontos B 40 e B 60 FIGURA 11: Ponto F 3 FIGURA 12: Ponto BP 6-Sanyinjiao Página 13 13 25 26 27 28 29 30 31 31 32 32 5 .

É endêmica e altamente contagiosa. pois as seqüelas são constantes. Este estudo relata dois casos de animais. O uso da acupuntura nesses casos está sendo muito requisitado. normalmente levando a um quadro neurológico e ao óbito. 6 .Resumo A cinomose canina é uma das doenças infecciosas mais importantes do mundo. que foram tratados com acupuntura obtendo resultados satisfatórios. com seqüelas de cinomose. sendo indicação a eutanásia. O tratamento convencional para a cinomose não é muito eficaz. devolvendo a cães afetados qualidade de vida e uma alternativa à eutanásia.

doença viral que atinge cães e geralmente leva a um quadro neurológico deixando seqüelas. provavelmente. exemplo a Cinomose.0 – Introdução Derivada dos radicais latinos acus e pungere. Doenças imuno-mediadas como: alergias. síndrome da cauda eqüina. (SCOGNAMILLO-SZABÓ. A acupuntura chega a Medicina Veterinária como um complemento ao tratamento convencional. No Oriente. Para doenças até então ditas como incuráveis. A acupuntura veterinária é. 1985). a acupuntura vem sendo usada com finalidades preventiva e terapêutica há vários milênios. Alterações do sistema urinário como: nefrites. 2001). 2001. urolitíases. uretrites. distúrbios na micção e diurese. em animais onde os efeitos colaterais não são 7 . doenças auto-imunes. Recomenda-se a sua indicação nas patologias neurológicas e músculo-esqueléticas como: paralisias e paresias. pode ser indicada a substituir os medicamentos alopáticos. com a inserção de agulhas e/ou transferência de calor em pontos específicos chamados acupontos. cistites. podem ter grandes chances de recuperação e/ou uma melhor qualidade de vida. que significam agulha e puncionar. imunossupressões. entre outras. espondilopatias. tão antiga quanto a história da acupuntura humana.1. (SCOGNAMILLO-SZABÓ. Relata-se o uso de agulhas de pedra e de espinha de peixe. e muitas vezes. Com a utilização da acupuntura estes animais. Estima-se em 3000 anos a idade de um tratado descoberto no Sri Lanka sobre o uso de acupuntura em elefantes indianos. antes destinados à eutanásia. durante a Idade da Pedra (cerca de 3000 anos AC). na China. respectivamente. o uso da acupuntura tem sido indicado com sucesso. Atualmente. epilepsias. vem se expandindo com bons resultados. WEN. Diversas publicações relatam as possibilidades de aplicações clínicas da acupuntura veterinária. o uso da acupuntura na Medicina Veterinária. a acupuntura visa à terapia e a cura das enfermidades pela aplicação de estímulos através da pele. osteoartroses. Há relatos de benefícios em afecções reprodutivas e gastrointestinais.

2. 2008). 1997.suportados. antigenicamente e morfologicamente. trazendo. (ETTINGER. ORSINI. no entanto. Entre o 8 . são os cães domésticos os principais animais acometidos e nos quais a cinomose se manifesta como a principal enfermidade infecciosa. ORSINI. ao ressecamento. sendo a maior ocorrência relacionada à fase da perda da imunidade passiva em filhotes seguindo ao desmame. fenol e amônio quaternário.1 . formol. A transmissão do vírus de um animal acometido para um suscetível se dá principalmente pela via aerógena. estando intimamente relacionado.Patogenia e sinais clínicos As partículas virais inaladas alcançam o epitélio do trato respiratório superior e em 24 horas multiplicam-se nos macrófagos teciduais levando a uma infecção inicial das tonsilas palatinas e dos linfonodos bronquiais. uma opção de tratamento em patologias onde a medicina ocidental não consegue solucionar. 2008). como éter. (ETTINGER. sendo suscetíveis a temperaturas superiores a 50 a 60ºC por 30 minutos. Acomete diversas espécies de carnívoros domésticos e selvagens. É provocada por um vírus da família Paramyxoviridae. entre 12 a 16 semanas de vida. a proprietários e veterinários. 2. (ETTINGER. radiação ultravioleta e são usualmente destruídos por desinfetantes de uso rotineiro em hospitais.0 – Cinomose A cinomose é uma doença febril que apresenta distribuição mundial. Possui alta morbidade e mortalidade em cães não vacinados de todo o mundo. por meio da inalação de aerossóis provenientes de secreções corporais de animais infectados. 1997. 2008). A doença não apresenta predileção por raça ou sexo. O vírus pode ser eliminado por até 60 a 90 dias após a infecção. BARBOSA. com o vírus do sarampo humano e da peste bovina. clorofórmio. São relativamente lábeis. 1997.

segundo e quarto dia pós–infecção. anorexia. Entre o sétimo e nono dia ocorre a viremia. 2007. descarga nasal e ocular. tais como baço. com a disseminação do vírus para as células epiteliais e Sistema Nervoso Central (SNC) através da via hematógena. ORSINI. vão definir o tipo de lesão produzida e o curso da infecção no SNC. sendo que a forma aguda pode evoluir para a crônica em cães que sobrevivem à infecção. intestino delgado. ocorre a disseminação do vírus com manifestações multissistêmicas severas. o vírus dissemina para outros órgãos linfóides. erupções cutâneas e pústulas abdominais. Fatores como a idade. (ETTINGER. Os cães acometidos podem apresentar febre. através de macrófagos e linfócitos infectados. Entre o quarto e sexto dia o vírus replica-se na lâmina própria do estômago. tempo de exposição. com pobre estado imunológico. As manifestações neurológicas são classificadas em encefalite aguda ou encefalite crônica. desidratação. 1997). A disseminação e proliferação do vírus nos órgãos linfóides corresponde ao início da elevação da temperatura corporal e leucopenia. A infecção dos tecidos epiteliais promove sinais e sintomas clínicos que variam de moderados a severos. vômitos. O status imunológico (humoral e celular) do cão nesta fase pode controlar a infecção. hiperqueratose de coxins. 1997. Em geral os sinais clínicos neurológicos iniciam uma a três semanas após a recuperação da doença sistêmica. O período de incubação para o aparecimento dos sintomas é geralmente 14 a 18 dias após a exposição e contaminação pelo vírus da cinomose. timo. linfonodos retrofaríngeos e medula óssea. (ETTINGER. linfonodos mesentéricos e células de Kuppfer`s no fígado. Cães com adequado status imunológico podem se ver livres da infecção e não evoluir sinais clínicos. Os sinais variam de acordo com a 9 . 2008). resultante de infecções bacterianas secundárias. imunocompetência. BARBOSA. Já em animais. diarréia. propriedades neurotrópicas e imunossupressivas do vírus. 2008. que sofrem algum atraso ou falha na formação de anticorpos. bronquite e pneumonia. SILVIA.

Na bioquímica observamos diminuição da albumina e elevação de alfa e gama globulinas. À medida que progride. sendo o sintoma clínico inicial a deficiência visual. sinais cerebelares e vestibulares como andar em círculos.2 . hiperqueratose dos coxins plantares e palmares e sintomas neurológicos é altamente indicativo de cinomose. tosse. e geralmente culminam com o óbito dos animais. 1997). 2. vocalização e paralisias são os sinais mais característicos da infecção do SNC pelo vírus da cinomose. o vírus da cinomose canina persiste nos tecidos nervosos e ocasiona uma encefalite tardia. associados com desmielinização.Diagnóstico O diagnóstico baseia-se no histórico (idade. mioclonias e espasmo flexores. conjuntivite. neutrófilos e hemácias podem ser observados em esfregaço sanguíneo. cegueira. As lesões do SNC são as alterações mais graves da doença. chamada encefalite do cão idoso. imunização) e nos sintomas clínicos. Em alguns animais. contato com outros animais. especialmente em cães jovens não vacinados ou adultos com histórico de vacinação inadequada. ataxia sensorial. Na hematologia podemos encontrar leucopenia por linfocitopenia. (ETTINGER. Alterações pulmonares intersticiais e alveolares podem ser 10 . durante a fase aguda. diarréia. convulsões. pneumonia). Hiperestesia e rigidez cervical podem estar associadas à inflamação meningeal. movimentos mastigatórios crônicos.área do SNC afetada. as complicações neurológicas vão se intensificando e os cães afetados apresentam alterações de personalidade não respondendo a estímulos normais em seu ambiente. Trombocitopenia pode estar presente no início. Uma combinação de sinais como febre. ingestão do colostro. descarga nasal e ocular. sintomas respiratórios (rinite. sendo a cinomose a causa mais comum de convulsões em animais com menos de seis meses de idade. Presença de corpúsculos de inclusão citoplasmáticos em linfócitos circulantes.

mas apresentam valor diagnóstico limitado. como a cinomose. suplementos nutricionais. 1997. (ETTINGER. fluidoterapia oral ou parenteral.observadas radiologicamente com o avanço da infecção e associação bacteriana. O prognóstico é reservado nos casos onde ocorre acometimento neurológico. Os filhotes devem ser vacinados entre 6 a 8 semanas de idade e receber reforço a cada 3 semanas até completarem 14 semanas de idade. Em casos de doença neurológica avançada a eutanásia pode ser indicada. 2008). corticoterapia na fase nervosa. uma vez que os animais acometidos podem ou não apresentar títulos de anticorpos mensuráveis. (BARBOSA. principalmente linfócitos. Sendo o tratamento realizado apenas de suporte. BARBOSA. Antibioticoterapia no controle das infecções bacterianas secundárias. 1997). 2008). ELISA e teste de anticorpos fluorescentes podem ser utilizados. Testes sorológicos como imunofluorescência indireta. 11 .3 . A análise do líquido cérebro espinhal indica elevação na concentração de proteínas e no número de células. anticonvulsivantes. A vacinação tem sido utilizada com relativo sucesso na prevenção das principais doenças víricas em cães. fisioterapia em caso de paralisia e acupuntura. É importante prevenir o proprietário de possíveis seqüelas neurológicas. vitaminas do complexo B. (ETTINGER.Tratamento Não há medicamentos antivirais específicos. 2. A vacina deve ser reforçada anualmente. vitamina C.

1985). A deficiência faz o outro aparecer em excesso. 2005. (JACQUES.3. Essa relação se expressa de modo claro nos processos fisiológicos. WEN. Além do conceito Yin e Yang.C. O excesso de um consome o outro.T.T.) baseia-se na doutrina do equilíbrio entre Yin e Yang. (Fig. mais voláteis. Deste modo. (JACQUES. MACIOCIA. Na linha Yin estão os fenômenos mais materiais. (JACQUES. assim com todos os sinais e sintomas que apontam para disfunções orgânicas. a M. O Termo Yin refere-se ao "lado da montanha que está na sombra" e Yang ao "lado da montanha que está no sol".0 – Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura A Medicina Tradicional Chinesa (M. pode ser analisados e interpretados pela ótica dos dois princípios. WEN. Se o equilíbrio entre os elementos for respeitado a saúde do organismo será mantida.C.C. mais profundos. pode ser resumida a tonificar o Yin ou Yang deficientes ou a dispersar o Yin ou Yang em excesso. como a regulação da temperatura corporal. mais densos. mais frios. mais inertes e mais escuros. 2005. A interação do Yin e do Yang pode ser observada em processos fisiológicos que convergem para o equilíbrio. na linha Yang os fenômenos mais imateriais. 1985). mais claros e com mais movimentos. Se houver ruptura ou descontinuidade nos mecanismos que mantêm o sistema em equilíbrio ocorrerá à doença. a estratégia terapêutica da M. onde todas as estruturas e funções orgânicas. 1996. 1971. 12 . WEN. mais quentes. Nos processos patológicos o Yin ou Yang aparecem em excesso ou deficiência. onde os elementos relacionam entre si e estabelecem um processo de transformação contínua dos fenômenos. baseia-se também na teoria dos cinco elementos. MANN. 1985). 1996.T. 1 e 2). o calor (Yang) provoca o aumento da sudorese (Yin) e o frio (Yin) faz o corpo tremer (Yang) para produzir mais calor e manter a temperatura corporal. 2005. MACIOCIA. expressando o rompimento do equilíbrio.

A cada elemento associa-se um orgão (Zang). WEN. e de seus respectivos canais. 13 . 1996. uma víscera (Fu) e um par de meridianos (Jing) ou vasos (Jing-mo). 2: Teoria dos cinco elementos – Ciclo de controle.Fig. As funções do órgão e da víscera. 1994. 1: Teoria dos cinco elementos – Ciclo de geração. devem coexistir em equilíbrio dinâmico. MACIOCIA. Fig. ROSS. 1985). 2005. (JACQUES. Os meridianos e vasos conectados entre si. uma vez que existe a interdependência entre eles. fazem parte de uma rede de meridianos (Jing-luo) através dos quais substâncias vitais fluem sem cessar. O desequilíbrio numa das funções repercutirá em todo o sistema.

ELEMENTO MADEIRA FOGO TERRA METAL ÁGUA ÓRGÃO FÍGADO CORAÇÃO BAÇO PULMÃO RIM Elementos . Outra função importante do Fígado (Gan) é armazenar o Sangue (Xue) e regular seu volume no organismo. Na visão da M. É dividido em dois tipos de acordo com a intensidade dos sintomas. O Fígado (Gan) tem a função de assegurar o fluxo suave de Qi por todo o organismo. VÍSCERA VESÍCULA BILIAR INTESTINO DELGADO ESTÔMAGO INTESTINO GROSSO BEXIGA 4. enquanto o Baço/Pâncreas (Pi) regula a formação e a quantidade de Qi e o Pulmão (Fei) e Coração (Xin) governam a circulação de Qi pelo corpo. O Calor moderado 14 . cujo órgão (Zang) é o Fígado (Gan) e a víscera (Fu) é a Vesícula Biliar (Dan). Se a circulação de Qi é prejudicada ou obstruída. ROSS.CINOMOSE SEGUNDO A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Segundo COLE (1996) a cinomose é sugestiva em estabelecer analogia primordialmente as síndromes referentes ao Vento e Calor.0 .T. Em equilíbrio com os outros Zang Fu. O aumento descontrolado do movimento do Qi do Fígado (Gan) pode levar a um aumento do Yang do Fígado ou do Fogo do Fígado gerando uma patologia. (MACIOCIA. o Fígado regula o equilíbrio da circulação de Qi. 1994). podendo ser de origem interior ou exterior. que corresponde ao elemento madeira. O Calor é um fator patogênico de característica Yang e relaciona-se com o movimento fogo. a estação relacionada a energia Vento é a primavera. ocorre a patologia.C.seus órgãos e vísceras. O Sangue (Xue) também pode tornar-se estagnado devido a estagnação de Qi do Fígado. 1996.

paralisias. principalmente na cabeça. O Calor pode afetar o Coração (Xin). mioclonias. A ascensão vigorosa do Calor extremo cria uma grande "turbulência" na circulação de Qi e Sangue (Xue). sem causar sintomas sistêmicos. por isto as doenças de calor podem evoluir com sintomas relativos à Shen. nas quais há invasão de Calor ou Vento-calor externos. manifestação conhecida como Vento Interno. por ser Yang tende a ascender fazendo com que os sintomas concentrem-se geralmente na parte superior do corpo. penetrando no Sangue (Xue) e gerando o Vento Interno. podendo ser de origem interior ou exterior. no aquecedor superior. O Coração é a morada do Shen (mente). O Calor consome o Yin gerando um predomínio de Yang. O conceito "Vento". portanto tremor e as paralisias. O Vento é um fator patogênico de característica Yang. parestesias. tonturas e convulsões. 1996). (WEN. sendo um movimento Yang..invade pequenas regiões da pele. Por ser leve. 1985. Sendo uma patologia causada por um agente patológico virulento. a cinomose está relacionada ao calor externo que invade o organismo. 15 . MACIOCIA. Segundo ROSS (1994) e MACIOCIA (1996) há três padrões distintos de Vento do Fígado (Gan): Calor extremo gerando Vento Este padrão ocorre nas patologias febris graves e agudas. indica movimento rápido e inconstante. As manifestações clínicas gerais do Vento do Fígado (Gan) são tremores. (MACIOCIA. o Vento tem característica de ascender.T.C. tendendo a danificar o Sangue (Xue) e o Yin. segundo a M. Sinais de vento interior são caracterizados por movimentos ou pela ausência destes. Os sintomas têm manifestações de início agudo e costumam localizar-se ou serem mais intensos no alto do corpo. 1996). O Calor intenso acomete o corpo de forma mais grave gerando sintomas sistêmicos.

mioclonias. tontura. parestesia e hemiplegia. ressentimento ou frustração por períodos prolongados. Desta forma. espasmos. tremores. Deficiência de Sangue (Xue) do Fígado (Gan) gerando Vento O conceito de Sangue do Fígado (Gan Xue) está associado às funções de armazenamento e regulação do volume de Sangue realizado pelo Fígado (Gan).Deficiência de Yin do Fígado com aumento do Yang do Fígado gerando Vento Quando há um período prolongado de deficiência de Yin do Fígado. A ascendência do Yang do Fígado também pode ocorrer por fatores emocionais como fúria. há dificuldade em se manter um fluxo estável e harmonioso de Sangue (Xue) pelos Canais e Colaterais (Jing Luo) e Vasos sanguíneos (Xue Mai). o fluxo de Sangue (Xue) se apresenta fraco e oscilante. 16 . o que provoca uma "turbulência". deficiência de Yin do Rim (Shen) e a deficiência de Sangue (Xue) no Fígado. em corda e rápido nos padrões de Calor extremo. A língua pode se apresentar de vermelho-escura nos padrões de excesso a pálida nas patologias por deficiência de Sangue (Xue). O pulso é comumente cheio. inconsciência. como calor interno prolongado. vazio-flutuante e rápido nos padrões de deficiência de Yin e agitado nos casos de deficiência de Sangue (Xue). o qual pode gerar Vento Interno do Fígado. A inabilidade do Fígado (Gan) em harmonizar o Sangue (Xue) está comumente associada à depressão de Qi e a deficiência de Sangue (Xue). Nos casos de deficiência de Sangue (Xue) do Fígado. ocorre hiperatividade do Yang do Fígado. Os principais sintomas causados pela agitação do Vento Interno do Fígado (Gan) são as convulsões. deficiência de Jin Ye (líquidos orgânicos). conhecida como Vento Interno. Dentre as causas de deficiência do Yin do Fígado têm-se o seu desgaste por excesso.

sob o ponto de vista da acupuntura. respiratório e neurológico. Portanto.T. gerando atrofia progressiva.T.C.T. A diarréia caracteriza-se pela invasão da umidade no 17 apresenta sintomatologia. baseia-se na correção da desarmonia. 2001. Derivada dos radicais latinos acus e pungere. Atrófica).5. devemos observar os sintomas clínicos e correlacionálos de acordo com a metodologia da M. (SCOGNAMILLOSZABÓ. vejamos os principais sintomas de cada fase que acometem um cão com cinomose. refere-se ao quadro caracterizado por “secagem” dos músculos e tendões.C. (ETTINGER. com a inserção de agulhas e/ou transferência de calor em pontos específicos chamados acupontos. A acupuntura vem sendo utilizada pela M. WEN. a Síndrome Atrófica consiste em um quadro caracterizado por fraqueza dos quatro membros. a acupuntura visa à terapia e cura das enfermidades pela aplicação de estímulos através da pele. restabelecendo o equilíbrio do organismo e a cura da doença. Calor Externo e Síndrome Wei Bi (Síndrome .T.0 . A cinomose. O termo Bi sugere inabilidade ao andar. A cinomose possui três quadros sintomáticos distintos: intestinal. Sendo assim.T. relacionadas à Síndrome Vento. 1996). por ser uma infecção causada por um agente patológico virulento. 1985).C. há vários milênios como um método terapêutico e preventivo.Tratamento da cinomose através da acupuntura O tratamento na M.C. Para estabelecer a estratégia de tratamento em um animal com cinomose. (MACIOCIA. proveniente de desnutrição tanto de Qi e/ou Xue. restaurando a harmonia dos sistemas. sua patogenia e tratamento sob a ótica da M. incapacidade de andar corretamente e eventualmente paralisia. respectivamente. 1997). A fase intestinal da cinomose é caracterizada por diarréia e vômito. O termo Wei significa “murcho” e na M.C. conforme vimos anteriormente. que significam agulha e puncionar. estado flácido dos músculos e tendões.

a descida do Qi do Pulmão causando a tosse. O princípio de tratamento seria clarear o Calor no Pulmão. rigidez cervical. o Vento Interior impede o Fígado de umedecer os tendões. Opstótono. WEN. Nos casos mais severos o Calor e o Vento podem obscurecer a Mente e causar o coma. O Vento penetra na pele e na porção Qi de defesa que é controlada pelos Pulmões. Por outro lado. 1997). 1985). temperatura elevada.C. 1996). dispersar o Fígado e dominar o Vento. portanto. É um tipo de excesso do Vento Interior e como conseqüência aparecem sinais como tremores e convulsões. A fase respiratória da cinomose é caracterizada por uma broncopneumonia bacteriana secundária. 1996). (MACIOCIA. tremores. 1986. restabelecer a descida de Qi do Pulmão e dominar o Vento. WEN. 1985). incoordenação. A fase neurológica é caracterizada pela presença de convulsões. O fluxo de Qi normal é para baixo. Este padrão é encontrado somente nas patologias febris agudas. prejudicando. Na tosse. descarga nasal e ocular. mioclonias. que se condensam na forma de muco. convulsões. tremor dos membros.T. 1986. (MACIOCIA. paralisia e outros sinais associados ao acometimento do SNC. (ETTINGER. 1997). 18 . As fezes com muco amarelado e estrias de sangue são características de Umidade Calor. que rapidamente seca por completo os fluidos pulmonares. o Qi do pulmão direciona-se para cima. quando o Calor patogênico exterior tiver penetrado profundamente no nível do Sangue (Xue). (AUTEROCHE & NAVAILH. O Vento externo é a principal causa de tosse. tontura e coma são sintomas comumente associados a Calor extremo gerando Vento do Fígado. a tosse é a inversão do fluxo de Qi normal dos pulmões. e isto é chamado de inversão do fluxo de Qi do pulmão. dando origem ao Vento Interior do Fígado. (ETTINGER. Os princípios de tratamento são eliminar o Calor. Segundo a M. para possibilitar a captura de Qi do ar. A tosse ocorre quando algum fator interfere na descida do Qi. (AUTEROCHE & NAVAILH.estômago e intestinos. com tosse. o que causa rigidez do pescoço e o opstótono. A mucosidade provém da combinação do Vento com o Calor.

O coração é a morada do Shen. Os sinais manifestam-se como vertigens intensas.. A deficiência do Sangue (Xue) do Fígado cria um “vazio” nos vasos sanguíneos os quais são “preenchidos” pelo Vento Interior. (MACIOCIA. Este padrão é do tipo deficiente do Vento Interior. causa o aumento ascendente do Yang do Fígado gerando Vento Interior. acalmar o Shen e assentar a Alma Etérea. Os princípios de tratamento são nutrir o Yin do Fígado. podem ser causadas por Vento. Os tremores e mioclonias são decorrentes do Vento Interior. Este padrão necessita de dois fatores para aparecer: a deficiência de Yin do Fígado e a ascendência do Yang. dominar o Yang do Fígado e o Vento. possuem duas fisiopatologias básicas. A parestesia é decorrente do Sangue deficiente que não nutre os músculos e tendões. (WEN. 1996).V. Vertigens. inconsciência repentina. com náusea e vômito. rotatórias. (MACIOCIA. Os princípios de tratamento são drenar o Fogo.T. Se o coração for deficiente de Sangue ou agitado por fatores patogênicos.C.C. 19 . A Insônia está relacionada com o equilíbrio Yin e Yang do corpo. Os princípios de tratamento são tonificar o Sangue do Fígado e dominar o Vento. 1985). 1996). tontura. assim se o Coração for saudável e o Sangue abundante. súbitas. Esta condição origina-se da deficiência de Yin do Fígado que. a Mente é devidamente enraizada e o sono será profundo. como o Fogo ou Calor. tanto Interno ou Externo. a Mente não é devidamente enraizada e o sono será afetado. mioclonias. (MACIOCIA. segundo a M. tremor na cabeça e membros são sintomas causados pela deficiência de Sangue do Fígado causando Vento. hemiplegia. que perturba os orifícios superiores (órgãos dos sentidos) ou são causadas por deficiência de Qi e/ou Xue que não ascendem à cabeça para nutrir os órgãos dos sentidos.Convulsões.). Nestes casos pode ocorrer o Acidente Vascular Cerebral (A. Quando existe predomínio de Yang o paciente tem dificuldade em dormir. por um período longo de tempo. desvio dos olhos e boca são sintomas causados por aumento do Yang do Fígado causando Vento. Paresia dos membros. 1996). A qualidade e quantidade do sono dependem do estado da Mente (Shen).

VB 34 e E36 e dezessete cães não receberam nenhum tratamento. VB 20. Todos os cães tratados com acupuntura sobreviveram. estimulação elétrica ou moxabustão de acordo com cada caso. O tratamento foi realizado com estímulo manual das agulhas. concluindo o sucesso da acupuntura nos casos de doenças neurológicas. de acordo com a Medicina Ocidental. A cura foi observada em nove cães tratados com acupuntura. B 12. decorrente de cinomose. Dezessete cães foram tratados convencionalmente. em apenas um dos cães tratados convencionalmente e em nenhum dos cães não tratados. entre elas a cinomose. Na mesma linha de pesquisa COLE (1996) desenvolveu um estudo com 52 cães acometidos por paralisia dos membros posteriores. A acupuntura foi realizada semanalmente durante quatro semanas.Um estudo realizado por JOAQUIM (2003) observou a eficácia do uso da acupuntura no tratamento de 43 cães acometidos por doenças neurológicas. 20 . No final do último tratamento os cães foram classificados novamente. com uso de antibióticos. após a realização de uma avaliação neurológica completa. O tratamento era considerado um sucesso quando os cães conseguiam andar novamente sem a permanência de outras complicações. B 23. enquanto que três cães tratados convencionalmente e cinco não tratados apresentaram óbito. corticosteróides. complexo vitamínico e outros medicamentos conforme necessário. como incontinência urinária ou fecal. Dentre os 43 cães tratados 93% obtiveram melhoras dos sintomas. INADA (1990) citado por SCHOEN (2006) obteve êxito ao se usar acupuntura para tratar distúrbios neurológicos decorrente de cinomose em cães. nos pontos B 10. Dezoito cães foram tratados com acupuntura sem estimulação elétrica por dez minutos cada sessão. demonstrando que o tratamento com acupuntura apresentou bons resultados para tratar distúrbios neurológicos produzidos por cinomose em cães. Os animais foram divididos aleatoriamente em três grupos. VB 30.

dispersar Vento Calor. incontinência urinária e fecal. 1994). 21 . como não apresentava melhora foi indicada a eutanásia. até a reversão total da paralisia. 5).1 .Caso 1 Um cão sem raça definida (SRD). foi encaminhado à clinica apresentando quadro característico de seqüela de cinomose. tonificar o Qi do Sangue. Foi instituída terapia com antibiótico. B 40. há aproxidamente dois meses. (ROSS. vitamina C e fisioterapia juntamente com a acupuntura. A escolha dos pontos utilizados foi feita de acordo com a sintomatologia apresentada e a função energética de cada ponto. vitaminas do complexo B. testes neurológicos revelaram sensibilidade superficial e profunda presentes. 1997). A acupuntura foi realizada duas vezes na semana.0 . E 36. Indicações: Dor na parte baixa das costas e região dos quadris. B 18. (ETTINGER. VG 14.Relato de Caso 6. VB 34. dor coxofemoral. atrofia muscular e paralisia ou paresia dos membros pélvicos. sua função energética e a sua indicação: VB 30 – Huantiao (Círculo Saltante): Localiza-se na depressão cranial ao trocanter maior do fêmur. Bafeng e Baxie. onde o quadro evoluiu para paralisia dos membros posteriores. Membros anteriores com ataxia e incoordenação. (ETTINGER. B 23. Na anamnese constatou que animal não possuía nenhuma vacinação. no teste do carrinho de mão. Proprietária relata que o paciente começou a apresentar quadro de diarréia e secreção nasal. Abaixo estão listadas a localização de cada ponto. VG 3. corticosteróide e cuidados de enfermagem. Foram utilizados os pontos: VB 30. Ao exame clínico observou-se paralisia flácida dos membros posteriores. 1997). (Fig. foi internado em outra clínica durante um mês.6. com agulhamento seco. com atrofia muscular acentuada. num total de 16 sessões. B 60. de 6 meses de idade. Funções: Remover a estagnação de Qi e Sangue. R 3. Priapismo. mas diminuídas. foi tratado com antibióticos. remover o Vento Exterior.

Harmoniza via das águas.VB 34 – Yanglingquan (Fonte da Colina de Yang): Localiza-se na depressão cranial e ventral à cabeça da fíbula. (ETTINGER. no espaço interósseo formado pela articulação da cabeça da fíbula e a tíbia. distúrbios neurológicos do membro pélvico. neuralgia e paralisia do membro pélvico. 1997). sobre a face lateral do membro pélvico. 1996). Yang e Sangue). 22 . coxofemoral e das coxas. paralisia pélvica. acalma a hiperativadade do Yang do Fígado. 9). vertigens. Tetania muscular. Funções: Regula e tonifica o Fígado (especialmente Qi. lateral ao décimo espaço intervertebral. Estabiliza Qi dos Rins e fortalece as costas e joelho. B 23 – Shenshu (Ponto de Associação do Rim): Localiza-se lateralmente à depressão entre os processos espinhosos dorsais de L2-L3. 1996). B 40 – Weizhong (Centro da Fossa): Localiza-se no centro da fossa poplítea. Regula. no sulco muscular situado entre os músculos longo e iliocostal. Indicações: Para uso geral nos problemas dos músculos e tendões. Regula os músculos e tendões. expande e controla fluxo de Qi do Fígado. na ponta do processo transversal da vértebra L2. problemas urogenitais. (LADE. 1994). 9). especialmente bom para dor nas regiões lombar. insanidade. paralisia do nervo femoral. (ETTINGER. 1997). Acalma Calor do Sangue. acalma a mente e as emoções. (Fig. Clareia Fogo e Calor do Fígado. problemas nos membros pélvicos. Funções: Ponto Mestre dos músculos e tendões. síndrome atrófica. (Fig. 5) B 18 – Ganshu (Buraco do Fígado): Localiza-se lateralmente na borda inferior do processo espinhoso da nona vértebra torácica. Funções e indicações: Dor nas costas e membro pélvico. desorientação e irritabilidade. regula aquecedor inferior. (LADE. lombalgias e fraqueza nos joelhos. disfunção urinária (incontinência e retenção urinária). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. elimina a Umidade-Calor em Fígado e Vesícula Biliar. (ROSS. Função: Tonifica os rins (especialmente Qi e Yang). (ETTINGER. Indicações: Distúrbios renais. (Fig. Indicações: Doenças do Fígado. Domina o Yang do Fígado. tonifica a fonte de Qi. move a estagnação de Qi do Fígado e da Vesícula Biliar. 1997). 1997).

(ETTINGER. deficiência imune. Dispersa Vento. VG 14 – Da-zhui (Grande Processo Espinhoso): Localiza-se na linha média dorsal. Função: Fortalece o Qi dos Rins. 1997). 1997). dor e rigidez da parte superior das costas. LADE. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. VG 3 . paralisia pélvica. (Fig. a regular o metabolismo da água. Fortalece as costas e relaxa os tendões. 1996). membro pélvico. Funções: Como ponto fonte tonifica o Qi essencial. área lombar ou lombosacra e paralisia dos membros pélvicos. R 3 – Taixi (Grande Ribeirão): Localiza-se em uma depressão entre o maléolo medial e o tendão do Calcâneo. (ROSS. (Fig. ajuda os Rins a manter energia da respiração na parte inferior do corpo. 10). 1997). seca Umidade. Indicações: Lombalgia. Indicações: Rigidez do pescoço.problemas motores na articulação do quadril e pernas. dor e fraqueza nas pernas e joelhos. tonifica e regula o Sangue. (ETTINGER. dor e rigidez cervical. (Fig. Indicações: Tonifica condições de deficiência. fraqueza nos membros posteriores. 4). (Fig. (LADE. 1996). controlar orifícios inferiores e tonificar o Jing. dor no quadril. epilepsia. 1997). 7 e 8). 1997. regula a passagem das águas. entre os processos espinhosos das vértebras C7 e T1. (ETTINGER. alterações neurológicas. (Lade. 1997). favorece o fluxo de Qi e Sangue. Funções: Tonifica os Rins. 23 . paralisia dos membros pélvicos e atrofia muscular. (ETTINGER. 1997). B 60 – Kunlun (Montanha Kun Lun): Localiza-se na depressão entre o maléolo lateral da fíbula e a ponta da tuberosidade do calcâneo. paresia pélvica. 1996). 10). paralisia dos membros posteriores. Funções e indicações: Febre e moléstias infecciosas. (ETTINGER. 1994).Bai Hui – Yaoyangguan (Portão de Yang): Localiza-se na linha média dorsal situada entre os processos espinhosos dorsais das vértebras L4 e L5. Beneficia as regiões lombares e ossos. problemas urinários. (ETTINGER.

aumenta energia vital. tetraparesia rígida seguida de tetraparesia flácida e hiperreflexia de membros.Caso 2 Cadela. nas comissuras entre os dedos das mãos. enterite. no total de oito pontos nas duas mãos. Dispersa a Umidade-Calor. Funções: Movimenta e circula Qi no corpo. com 6 meses de idade. conseguindo controlar a micção e defecação. atrofia muscular e decúbito lateral. Indicações: dor nos dedos dos pés. Na sexta sessão de acupuntura o animal já apresentava significativa melhora do quadro neurológico. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. ponto importante em estado de fraqueza de diversas origens. os membros posteriores sem ataxia e com coordenação ao caminhar de carrinho de mão. neurite periférica do membro inferior. 24 .bilateralmente). incontinência urinária e fecal. Funções e indicações: Dispersa o Vento Perverso e o Calor. Indicações: náuseas e vômito. ativação motora e psíquica geral. Três destes pontos correspondem ao F2. Na décima sessão o animal conseguia manter-se em estação por alguns segundos e dar pequenos passos. Exterioriza as Energias Perversas. Relaxa os tendões. Baxie Localiza-se no dorso da mão. epilepsia e para fortalecimento geral. na depressão localizada na extremidade das comissuras dos dedos dos pés (oito pontos no total .E 36 .2 . na base do musculo tibial cranial. SRD. 6. Funções: Exterioriza as Energias Perversas. 1997). foi encaminhada para acupuntura apresentando sintomas de seqüela de cinomose: mioclonia na região facial e dos membros. paralisia na perna. inflamação no dorso do pé. adormecimento do membro inferior ou dor no dorso dos pés. Dispersa o Vento e o Calor. E44 e VB43. Bafeng Localiza-se no dorso do pé.Zusanli (ponto He) Localiza-se em um aprofundamento lateral à tuberosidade tibial. em diante seu quadro foi evoluindo até a reversão total da paralisia.

E36. agitação psíquica. VB34. E36. Bafeng e Baxie.O animal havia sido tratado anteriormente com antibioticoterapia sistêmica. R1. acalma a mente e alivia a ansiedade. A acupuntura foi realizada duas vezes na semana até a reversão da paralisia. rinite e obstrução nasal. perturbação mental. (Fig. VG14. E e do complexo B e corticoterapia sem melhora clínica. com exceção dos pontos: VG3(Bai Hui). B47. R7. Os pontos foram adotados de acordo com os sintomas apresentados e a evolução do caso e a eletroacupuntura foi adotada em todas as sessões. VB34. vitaminas C. Bafeng e Baxie. 3). Função: Elimina o Vento. F3. sua função energética e a sua indicação. Ponto extra Yintang (Hall da Foca): Localiza-se na linha média da face. IG4. ID3. IG11. Indicações: Cefaléia. interrompe convulsões. B18. BP6. B60. VB30. B23. 1994). insônia. VB29. VB20. Abaixo estão listadas a localização de cada ponto. B18. B60. E34. VB30. 3: Ponto extra Yintang FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. vertigens. Os principais pontos usados foram: Yin Tang. 1997 25 . VG14. VG16. (ROSS. que foram citados anteriormente. VG3(Bai Hui). VG20. Fig. B23. Meia distância entre as sobrancelhas.

forame atlantoocciptal.VG 16 . e VG 20-Baihui 26 . 1997). 4: Pontos VG 14-Dazhui. FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. 1997). (Fig. (ROSS. Elimina Vento Interno. 4). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. 4). 1997). 1994). (ROSS. (Fig. Funções: Ponto de encontro de todos os Meridianos Yang. acalma o Fígado. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. beneficia o cérebro. ataques de forma epilética. VG 16-Fengfu. desobstrui a mente. VG 20 . 1994). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. na altura de VB 20. afasia.Baihui (Cem Encontros): Localiza-se partindo perpendicularmente à pele para cima da base posterior da concha acústica para a linha central da abóbada do crânio. 1997). o Yang e a mente. inquietude geral e medo. Indicações: Epilepsia. Funções: Elimina o Vento. síndrome cervical.Fengfu (Palácio do Vento): Localiza-se abaixo da profundidade occiptal externa. Indicações: Pescoço duro. paralisia. 1997 Fig.

(ROSS.Juliao Localiza-se cranial ao trocanter maior. Indicações: Doenças da articulação do quadril. posteriormente ao osso occipital. o Fogo e o Vento do Fígado e acalma a mente. 5). (Fig. 1997). 27 . 1997). vertigem e tonteira. (ROSS. pacifica o Yang. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. VB 29. dispersar Vento Calor. 1994). 1997). afecções febris. Funções: Dispersa Vento.VB 20 – Fengchi (Poça de Vento): Localiza-se na parte rostral dorsal do pescoço. Indicações: Convulsões. (Fig. Funções: Remover a estagnação de Qi e Sangue. na depressão existente entre os músculos cleidocervical e esternooccipital. em um aprofundamento diante da articulação do quadril. remover o Vento Exterior. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. dores e paralisias na extremidade posterior. VB30 e VB34. 1994). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. tonificar o Qi do Sangue. FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. 5). dor e rigidez cervical. 1997 Fig. VB 29 . 5: Ponto VB 20. AVC.

1997 28 . (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. harmoniza a ascendência do Yang e descendência do Yin. (Fig. 1994).Quchi (Pequeno Lago Tortuoso): Localiza-se no cotovelo levemente dobrado. possui grande ação calmante e anti-espasmódica. no meio. (ROSS. Quando em combinação com o F3 expele Vento Interno e Externo da cabeça e acalma a mente. 6). imunoestimulante.Hegu (Vale da Junção): Localiza-se na extremidade medial da articulação metacarpofalângeana II. É o principal ponto para expelir o Vento-Calor. 1997). 1997). Funções: Elimina o Calor. apresenta forte influência sobre a mente e pode ser usado para reduzir a ansiedade. sendo muito utilizado no padrão de Fogo do Fígado. paralisia. expele Vento Externo. 1994).IG 4 . Pode ser usado nos padrões de Calor Interno. 1997). Indicações: Dores do ombro. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. Fig. Funções e indicações: Dispersa o Vento. entre o final da dobra do cotovelo e o epicôndilo lateral do úmero. (ROSS. 6: Pontos IG 4-Hegu e IG 11-Quchi FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. (Fig. ponto importante para diminuir febre. esfria o Sangue (Xue). 6). limpa o Coração (Xin). cotovelo e antebraço. na cabeça do osso metacarpo II. IG 11 .

no terço superior plantar dos ossos metatársicos. acalma a mente. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. Funções e indicações: Problemas de micção. 7 e 8). Fig. faringite. 1997). (Fig. 1994). diarréia. dores na extremidade posterior. 1997 29 . (ROSS. 7 – Pontos R1. (Fig. principalmente o Yang ou Vento do Fígado. diminui a rebelião do Qi ascendente. Indicações: Problemas de micção. diretamente na altura da passagem tendo muscular. limpa o cérebro.R 1-Yongquan (Fonte Borbulhante): Localiza-se entre a terceira e quarta articulação metacarpofalangeana. R3 e R7 FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. choques. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. R 7 – Fuliu (O Refluxo): Localiza-se na extremidade anterior do tendão de aquiles. restaura a consciência. fraqueza em geral. reduz a ansiedade. Funções: Domina o Vento. 1997). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. 1997). fezes sanguinolentas. edemas na coxa inferior. paralisia dos membros posteriores. 7).

no nono espaço intercostal. FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. trata alterações emocionais relacionadas ao Fígado. 1997 30 . 8 – Pontos R7 e R3 B 47-Hunmen (Porta da Alma Etérea): Localiza-se lateral à extremidade inferior do processo espinhoso da décima vértebra torácica. 9 e 10). elimina a estagnação do Qi do Fígado quando em combinação com o B18. Funções e indicações: Regulariza o Qi do Fígado. (Figs. (ROSS. em uma linha na margem caudal escapular à tuberosidade coxal do mesmo lado.Fig. 1994). 1997). (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN.

FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. B 23 e B 47 Fig. o Fogo e o Vento do Fígado. (Fig. 10 – Pontos B 40 e B 60 F 3 . 1994).Taichong (Precipitação Maior): Localiza-se medialmente na extremidade superior do osso metatársico II. (ROSS. 9 – Pontos B 18. forte efeito calmante sobre a mente. 11). 31 . acalma os espasmos. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. Funções e indicações: Acalma o Yang. promove fluxo suave de Qi do Fígado. 1997). 1997 f Fig.

e em particular o Yin do Rim.Fig. 12: Ponto BP 6 . Fig. Normaliza o Fígado e suaviza o fluxo de Qi do Fígado. do Rim e do Baço/Pâncreas. 1997). Acalma a mente e alivia a irritabilidade. Tonifica o Rim (Shen). age sobre os Meridianos do Fígado. 1997 FONTE: Draehmpaehl & Zohmann. Remove a estase do Sangue (Xue) e tonifica o Baço (Pi). 1997 32 . (ROSS.Sanyinjiao (Três Encontros Yin): Localiza-se atrás da extremidade medial da tíbia. Funções e indicaçoes: Sendo o ponto de encontro dos três Meridianos Yin dos membros posteriores. nutrindo o Sangue (Xue). 12). (Fig. 11: Ponto F 3-Taichong BP 6 . (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. 1994).Sanyinjiao FONTE: Draehmpaehl & Zohmann.

proximal à articulação metacarpofalangeana. inicialmente da cabeça. nesta fase o animal já ficava em decúbito esternal. Nos meses seguintes. mas o animal já se alimentava melhor e se apresentava mais ativo e bem-disposto. e em seguida dos membros anteriores e do controle dos esfíncteres urinário e fecal. faringite. Nos dois primeiros meses de tratamento a melhora da paralisia e mioclonia não foi substancial. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. quando o animal voltou a ficar em estação. 1997). observou-se recuperação lenta dos movimentos. a recuperação dos movimentos dos membros posteriores ocorreu ao término de 6 meses de tratamento. (DRAEHMPAEHL & ZOHMANN. 1997). entre o corpo e cabeça ósseos metacárpicos V. 33 .ID 3 – Houxi (Fenda Posterior): Localiza-se lateralmente. Indicações: Dores no ombro e cotovelo. 1994). Funções: (ROSS. recuperando completamente sua deambulação. dores na área da cabeça e nuca.

. para os dois casos relatados. principalmente as relacionadas ao sistema nervoso. comprovando a eficácia desta especialidade como uma alternativa na cura de doenças até então dita como incuráveis. onde a eutanásia era normalmente indicada para animais com quadro neurológico instalado e paralisias de membros. provenientes da cinomose. conferindo qualidade de vida aos animais anteriormente destinados ao sacrifício.7. torna-se possivelmente o único tratamento. Pode-se concluir.0 . demonstrou resultados satisfatórios. 34 . os pacientes retornaram a suas atividades físicas e estão em pleno vigor. tem demonstrado grande eficácia na recuperação dos sintomas. sendo uma destas patologias a Cinomose.Conclusão A acupuntura tem sido utilizada e indicada com sucesso para o tratamento de diversas patologias. Ótimos resultados têm sido obtidos com o emprego desta terapia milenar. O uso da Acupuntura. que o emprego da acupuntura em pacientes com seqüelas neurológicas. a Acupuntura. onde para as seqüelas neurológicas.

4. Terapia pela acupuntura na clínica de pequenos animais. FILADELPHO. Santos. G.1.inf. Tratado de Medicina Interna Veterinária: moléstias do cão e do gato. n. R. São Paulo: Roca. L. B. BARBOSA. Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. Os Fundamentos da medicina chinesa. Biológicas. Disponível em < http:// www. Study of 43 Dogs with Neurological Diseases. A Western and Easten View of the Neurological Pattern of Diseases. 2005. 1987. P. C.. G.Referências bibliográficas ALTMAN. 1. E. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. R. 289-297. p.. Vet. Lilian Moreira. H. COLE. 35 . v.1. Agrárias e da Saúde. Evaluación del efecto de la acupuntura y carbamacepina en el tratamiento de la epilepsia idiopática y las convulsiones epileptiformes causadas por distemper em el perro. ed. K. M. jul. N. FOGANHOLLI. Washington: Eastland Press.n. CAMBEROS. As Bases Científicas da Medicina Tradicional Chinesa. D. Análise dos casos de cinomose no H.F. São Paulo: Roca. LÓPEZ. F. O. 1996. AUTEROCHE. E. São Paulo: [s. 2006.1.XII. CAPLAN.br. n. Recife.8. Méx. p. 1996. MACIOCIA. Acupuntura para tratar distúrbios neurológicos. Acupuntura no cão e no gato:princípios básicos e prática científica. v. JOAQUIM. JOSEPH. ZOHMANN. NAVAILH. L. São Paulo: Annablume. A.9. 29. 245p. FELDMAN. 420 p. J. M. M. 1986. 2007. São Francisco de Assis da Faculdade Latino Americana. p. Avaliação dos efeitos terapêuticos obtidos com acupuntura e com tratamento convencional dos distúrbios neurológicos causados pela cinomose em cães. PASSOS.18. LADE. A. B. 170p. Goiás. V.139-150. 2008. V.. S. p. KLINE. 2003.. et al. S. S. DE LAVARA.. 363 p. Ano V. Tratamento de Distúrbios Neuromusculares em Cães com o uso da Acupuntura. R. n. São Paulo: Brazil. A. 6 ed.175-189. J. A. São Paulo: Roca. 205p. Revista. São Paulo: Manole. 1997. 1997. P. L.27-31. E. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural de Pernambuco.. J. DRAEHMPAEHL..]. In: SCHOEN..481-496. ed. 1996. 658p. In: ETTINGER. Ensaios e Ciência: C..0 . J. In: International Congress on Veterinary Acupuncture. O diagnóstico na medicina chinesa. nov. Acupuncture Points: Images e Functions.. J.> JACQUES. 2003.

jan. SCOGNAMILLO-SZABÓ.inf. jan. 1091-1099. 6. Rio de Janeiro: maio 2007. n.10. 1971. A. Santa Maria. 228p.> WEN.. E. n. Revista Clínica Veterinária. 74. T. FELDMAN. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. Aspectos Clinicopatológicos de 620 casos neurológicos de cinomose em cães.. et al. F.A. V. C. R. Bras. p. 36 . Ciência Rural. AMARAL. Revista. G. S. A. UEDA. Ano XIII. São Paulo: Roca.5. 1997. Acupuntura e Cinomose: Revisão de Literatura. R. Disponível em < http:// www. Moléstias Virais Caninas. 2001. 2008.. SILVA. 28-34. BONDAN. São Paulo: Manole. In: SCHOEN.br. Vol 27.inf. Revista. F. São Paulo: Roca. n. G.> ORSINI... SWANGO. J. S. Acupuntura clássica chinesa. Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. G. SCHWARTZ. Tratado de Medicina Interna Veterinária: moléstias do cão e do gato. F. F. A. São Paulo: Cultrix. Diagnóstico pela medicina tradicional chinesa em pequenos animais. 267p.573-588. C. p. Ano VI. Acupuntura: bases científicas e aplicações. ed. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. 2008. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. Patogenia das lesões do Sistema Nervoso Central (SNC) na Cinomose Canina. 1994. 31. n. H. BECHARA. São Paulo: Hemus. 2006. E. L.br. M. PENHA. 2008. maio/jun. p. FIGUERA. Ano VI. S. In: ETTINGER. M. MELLO. p. C. J. Acupuntura: a antiga arte chinesa de curar. H. T. C. Aspectos Clínicos Patológicos da Cinomose em Cães. 1985. Disponível em < http:// www. n. C. Pesq. M. Vet.147-158. ROSS.MANN. 208p. v.10. 4.

37 .