INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MIOLOGIA

I – INTRODUÇÃO
1. Generalidades:
O corpo humano contém mais de quatrocentos músculos
esqueléticos, os quais apresentam 40 – 50% da massa
corporal.
2. Miologia:
Grego: mios = músculos + logus = estudo
É a parte da anatomia que estuda os músculos.
3. Músculos:
São órgãos ou parte de órgãos constituídos por células
(fibras musculares) com capacidade de contração e
relaxamento.
4. Funções:
4.1 – Geração de força para locomoção
e respiração.
4.2 – Sustentação postural.
4.3 – Geração de calor nos períodos de
exposição ao frio.
II – CLASSIFICAÇÃO DOS MÚSCULOS
1. Quanto ao controle do sistema nervoso:
1.1 – Voluntários: o impulso (potencial de ação) de contração resulta de um ato de vontade
própria.
1.2 – Involuntários: o impulso nervoso não resulta de um ato de vontade (sem controle
consciente).
2. Quanto ao aspecto histológico:
2.1 – Liso: movimentam a parede das vísceras.
2.2 – Estriado cardíaco: compõem a camada média da parede do coração (miocárdio).
2.3 – Estriado esquelético: movimentam os ossos, articulações e pele.
II – MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO
1. Elementos constitutivos:
1.1 – Ventre: porção central, avermelhada e contrátil do músculo.
1.2 – Tendão: partes ou extremidades dos músculos por onde os músculos se fixam.
1.2.1 – Tendão propriamente dito: em forma de fita, cilíndrico.
1.2.2 – Aponeurose: tendão em forma de fita.
1.3 – Fáscias: lâmina de tecido conjuntivo que envolve cada músculo, separando os grupos
musculares em lojas ou compartimentos conforme as suas funções. Para que os músculos possam
exercer eficientemente um trabalho de tração ao se contrair e para que estes deslizem entre si, é
necessário que eles estejam dentro de uma bainha elástica de contenção.
1.3.1 – Retináculos: são espessamentos da fáscia, localizados nos membros, que servem para
a contenção dos tendões.
2. Anexos Musculares:
São estruturas que contém líquido sinovial e permitem aos tendões o deslizamento sem atrito durante o
movimento das articulações.
2.1 – Bainhas sinoviais: abraçam os tendões, deixando um mesotendão.
2.2 – Bolsas sinoviais: interpõem-se entre o tendão e o osso.
3. Origem e inserção de um músculo:
3.1 – Origem: é a extremidade do músculo que está preso no segmento que permanecerá fixo
durante o movimento.
3.2 – Inserção: é a extremidade do músculo que está preso no segmento que se deslocará
durante o movimento.
Nos membros, geralmente a origem de um músculo é proximal e a inserção é distal. Porém um músculo
pode alterar seus pontos de origem e inserção em determinados movimentos.
4. Classificação dos músculos estriados esqueléticos:
4.1 - Quanto à forma e arranjo das fibras:
4.1.1 – Fibras paralelas:
a. Longos: o comprimento predomina sobre as outras dimensões.
- Fusiformes: as fibras convergem em direção aos tendões de origem e inserção,
sendo a parte média mais larga do que as extremidades. Ex: bíceps braquial.
b. Largos: são os músculos que apresentam a largura e o comprimento equivalentes.
Ex: Glúteo máximo.
- Leque: as fibras convergem para um tendão em uma das extremidades.
Ex: Peitoral maior.
4.1.2 – Fibras oblíquas:
a. Unipenados: fibras paralelas inserem-se obliquamente em um dos lados dos tendões.
Ex: extensor longo dos dedos do pé.
b. Bipenados: o tendão está no centro, e de cada lado se insere um feixe de fibras
paralelas entre si. Ex: reto femoral.
c. Multipenados: apresentam várias disposições penadas. Ex: Del tóide.
4.1.3 – Fibras circulares: as fibras estão dispostas em círculos paralelos, formando
verdadeiros anéis. Ex: orbicular do olho.
4.2 – Quanto à origem ou ao número de cabeças:
4.2.1 – Bíceps: têm duas cabeças.
4.2.2 – Tríceps: têm três cabeças.
4.2.3 – Quadríceps: tem quatro cabeças.
4.3 – Quanto à inserção ou ao número de caudas:
4.3.1 – Monocaudados: contêm uma cauda.
4.3.2 – Bicaudados: contêm duas caudas.
4.3.3 – Policaudados: contêm mais de duas caudas.
4.4 – Quanto ao número de ventres:
4.4.1 – Digástrico: possui dois ventres.
4.4.2 – Poligástrico: possui mais de dois ventres.
4.5 – Quanto à ação:
4.5.1 – Extensores.
4.5.2 – Flexores.
4.5.3 – Adutores.
4.5.4 – Abdutores.
4.5.5 – Rotadores.
4.5.6 – Supinadores.
4.5.7 – Pronadores.
4.6 – Quanto à função em determinado movimento:
4.6.1 – Agonistas: realizam o movimento principal.
4.6.2 – Antagonistas: trabalham em sentido contrário.
4.6.3 – Fixadores ou posturais: mantém a postura.
4.6.4 – Sinergistas: estabilizam as articulações para o agonista agir.
4.7 – Quanto à origem embriológica:
4.7.1 – Miotômicos: derivam dos miotomos dos somitos.
4.7.2 – Branquiméricos: derivam dos arcos branquiais.
III – APLICAÇÕES PRÁTICAS:
1. Tônus muscular.
2. Bursites.
3. Tendinites.
4. Atrofias musculares.
5. Hipertrofias musculares.
6. Dores musculares.
7. Cãibras.
IV – EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO:
1. Conceitue miologia e músculo.
2. Como se classificam os músculos quanto ao controle do Sistema Nervoso e aspecto histológico?
3. Cite e conceitue os elementos que constituem os músculos estriados esqueléticos.
4. Cite, conceitue e diferencie os anexos musculares.
5. Como determinamos a origem e a inserção de um músculo? Exemplifique.
6. Dê um exemplo de músculo para cada classificação feita.
PRICIPAIS MÚSCULOS AXIAIS DO CORPO HUMANO
I – Cabeça:
1. Da mastigação:
1.1 – Músculos: temporal, pterigoídeos lateral e medial e masseter.
2. Da expressão facial:
2.1 – Músculos: galéia aponeurótica, occipital, frontal, parietal, auriculares superior, anterior e
posterior, platisma, orbicular da boca, zigomáticos maior e menor, elevador e depressor do ângulo da
boca, elevador do lábio superior, depressor do lábio inferior, mentoniano, rizório, depressor do septo
nasal, corrugador do supercílio, prócero, nasal, levantador do lábio superior, dilatador da asa do nariz
e bucinador.
Músculos da cabeça Origem Inserção
Masseter
Arco zigomático
Face lateral do ramo da mandíbula
Temporal
Linha temporal inferior
Processo coronóide da mandíbula
Pterigoídeo medial Face medial da lâmina lateral do processo
pterigoídeo
Face medial do ângulo da mandíbula
Pterigoídeo lateral Face lateral da lâmina lateral do processo
pterigoídeo
Anteriormente ao colo da mandíbula e
cápsula da articulação ATM
II – PESCOÇO
1. Ventrais:
1.1 – Superficiais:
1.1.1 – Músculos: esternocleidomastoídeo, supra-hioídeos (digástrico, milo-hióideo e gênio-
hioídeo), infra-hioídeos (esterno-hioídeo, esternotireoídeo, tíreo-hioídeo e omo-hioídeo).
1.2 – Profundos:
1.2.1 – Músculos: Músculos: longos da cabeça e do pescoço, escalenos anterior, médio e
posterior.
2. Dorsais:
2.1 – Profundos:
2.1.1 – Músculos: retos anterior, posteriores maior e menor e oblíquos superior e inferior.
Músculos do
pescoço
Origem Inserção
Esternocleidomastoídeo Por duas cabeças, do manúbrio do esterno
e terço medial da clavícula
Processo mastóide
Digástrico VP: processo mastóide do osso temporal
VA: fossa digástrica da mandíbula
Os dois ventres se unem no tendão
intermediário que é ligado pela alça fibrosa
do osso hióide
Estilo- hióideo Processo estilóide Osso hióide - junção do corpo com o corno
maior
Milo-hióideo Linha milo-hióidea Rafe mediana no assoalho da boca
Gênio-hióideo Sínfise mentual (tubérculo geniano) Corpo do hióide
Esterno-hióideo Posteriormente no manúbrio Borda inferior do corpo do hióide
Omo-hióideo VI: borda superior da escápula
VS: tendão intermediário
VI: tendão intermediário
VS: borda inferior do corpo do hióide
Esternotireoídeo Posteriormente no manúbrio Cartilagem tireóide da laringe
Tiro- hióideo Cartilagem tireóide da laringe Corno maior do hióide
Escaleno anterior
Escaleno médio
Escaleno superior
Processos transversos das vértebras
cervicais
Face superior da 1ª costela (escalenos
anterior e médio) e 2ª costela (escaleno
posterior)
Reto anterior da cabeça Processo transverso do atlas Parte basilar do osso occipital
Reto lateral da cabeça Processo transverso do atlas Processo jugular do occipital
Reto posterior maior da
cabeça
Espinha do áxis Linha nucal inferior
Reto posterior menor da
cabeça
Arco posterior do atlas Linha nucal inferior
Oblíquo superior Processo transverso do atlas Linha nucal inferior
Oblíquo inferior Espinha do áxis Processo transverso do atlas
Longo da cabeça Processos transversos das vértebras
cervicais inferiores (3ª à 6ª)
Longo do pescoço Corpos das vértebras torácicas superiores e
cervicais inferiores e processos transversos
das vértebras cervicais superiores
Corpo das vértebras cervicais superiores,
processos transversos de vértebras
cervicais e arco anterior do atlas
III – Tórax
1. Músculos: peitorais maior e menor, subclávio, serrátil anterior, intercostais internos, externos e íntimo,
subcostais, transverso do tórax, supratorácicos (inconstantes) e diafragma.
Músculos do
tórax
Origem Inserção
Peitoral maior
Metade medial da clavícula, esterno e seis
primeiras cartilagens costais e aponeurose
do m. oblíquo do abdome
As fibras convergem para o tendão
único que se fixa na crista do
tubérculo maior do úmero
Peitoral menor
Da 2ª à 5ª costela, próximo à união da
cartilagem costal com a costela
Borda medial do processo
coracóide
Subclávio
Na união da cartilagem costal com a
primeira costela
Sulco na face inferior da clavícula
Serrátil anterior Digitação na face externa das oito costelas
superiores
Face costal do ângulo superior, borda
medial e ângulo inferior da escápula
IV – ABDOME:
1. Músculos: oblíquos interno e externo do abdome, transverso do abdome, reto do abdome, piramidal
(inconstante), quadrado lombar, psoas maior e menor (inconstante) e ilíaco.
Músculos do
abdome Origem Inserção
Oblíquo externo Oito últimas costelas, interdigitando com o
m. serrátil anterior e m. grande dorsal
Fibras posteriores e inferiores na crista
ilíaca, bainha do reto do abdome e linha
alva
Oblíquo interno Aponeurose toracolombar Bainha do reto do abdome
Transverso do
abdome
Face interna das seis últimas cartilagens
costais, aponeurose toracolombar e crista
ilíaca
Bainha do reto abdome
Reto do abdome Processo xifóide, 5ª e 6ª cartilagens costais Sínfise e crista púbica
Piramidal Corpo do púbis Parte inferior da linha alva
Quadrado lombar Crista ilíaca 12ª costela e processos transversos das
quatro vértebras lombares
Psoas maior Discos intervertebrais e vértebras de T12 à
L4
Trocanter menor
Ilíaco Parte superior da fossa ilíaca Trocanter menor
V – PELVE
1. Músculos: levantador do ânus, coccígeo, isquicoccígeo, p ubococcígeo, puborretal e piriforme.
VI – PERÍNEO
1. Músculos: bulbo esponjoso, isquiocavernoso, transverso profundo do períneo e transverso superficial
do períneo.
VII – DORSO
1. Músculos superficiais: trapézio e grande dorsal.
2. Músculos médios: rombóides maior e menor, elevador da escápula e serrátil póstero-superior e
inferior.
3. Músculos profundos (eretores da espinha): ileocostais, longos, espinhais, multífidos e
rotadores longos e curtos.
Músculos do
dorso Origem Inserção
Trapézio Linha nucal superior, protuberância occipital
externa, ligamento nucal, processos
espinhosos de todas as vértebras torácicas
Terço lateral da clavícula,
acrômio e espinha da escápula
Grande dorsal Processos espinhosos das 6 últimas
vértebras torácicas, crista ilíaca e f áscia
toracolombar
Crista do tubérculo menor e
assoalho do sulco intertubercular
Elevador da escápula Tubérculo posterior do processo transverso
das quatro primeiras vértebras cervicais
Borda medial da escápula, da
espinha até o ângulo superior
Rombóides maior e
menor
Processos espinhosos da 7ª vértebra
cervical e cinco primeiras vértebras
torácicas
Borda medial da escápula, da
espinha até o ângulo inferior
VIII – MEMBROS SUPERIORES
1. Ombro e axila:
1.1 – Músculos: deltóide, supra-espinhal, infra-espinhal, redondos maior e menor e subescapular.
Músculos do
ombro e axila
Origem Inserção
Deltóide Espinha da escápula, acrômio e terço
lateral da clavícula
Tuberosidade deltóidea do úmero
Subescapular Fossa costal da escápula Tubérculo menor do úmero
Supra-espinhal Fossa supra-espinhal da escápula Tubérculo maior do úmero
Infra-espinhal Fossa infra-espinhal da escápula Tubérculo maior do úmero
Redondo menor Borda lateral da escápula Tubérculo maior do úmero
Redondo maior Borda lateral da escápula Crista do tubérculo menor do úmero
2. Braço:
2.1 – Músculos ventrais (flexores): bíceps braquial, braquial e coracobraquial.
2.2 – Músculos dorsais (extensores): tríceps braquial.
Músculos do
braço Origem Inserção
Bíceps braquial Porção longa no tubérculo
supragleinodal e porção curta no
processo coracóide da escápula
Tuberosidade do rádio e através da
aponeurose do bíceps na fáscia do
antebraço
Braquial Face anterior do úmero Tuberosidade da ulna
Coracobraquial Processo coracóide da escápula Terço médio do úmero medialmente
Tríceps braquial
- Porção longa: tubérculo
infragleinoidal da escápula
- Porção lateral: face posterior do
úmero acima do sulco do nervo radial
- Porção medial: face posterior do
úmero abaixo do sulco do nervo radial
Face posterior do olécrano da ulna
3. Antebraço:
3.1 – Ventrais (região flexora e pronadora) :
3.1.1 – Superficiais: músculos pronador redondo, flexor radial do carpo, flexor ulnar do carpo,
palmar longo (inconstante) e flexor superficial dos dedos.
3.1.2 – Profundos: músculos flexor profundo dos dedos, flexor longo do polegar e pronador
quadrado.
3.2 – Dorsais (região extensora e supinadora):
3.2.1 – Superficiais: músculos braquiorradial, extensores radiais longo e curto do carpo,
extensor dos dedos, extensor do dedo mínimo, extensor ulnar do carpo e ancôneo.
3.2.2 – Profundos: músculos supinador, abdutor longo do polegar, extensores longo e curto do
polegar e extensor do indicador.
Músculos do
antebraço
Origem Inserção
Pronador redondo Porção umeral: crista supracondilar
medial do úmero
Terço médio da face lateral do rádio
Flexor radial do carpo Epicôndilo medial, pelo tendão flexor
comum
Base do 2º metacarpo (às vezes
também no 3º)
Palmar longo Epicôndilo medial, pelo tendão flexor
comum
Aponeurose palmar
Flexor ulnar do rádio Epicôndilo medial, pelo tendão flexor
comum e olecrano
Osso pisiforme
Flexor superficial dos
dedos
Epicôndilo medial pelo tendão flexor
comum, face medial do processo
coronóide e parte proximal da borda
anterior do rádio
Por quatro tendões na base da
falange média dos dedos
Flexor profundo dos
dedos
Facetas anterior e medial da ulna e
membrana interóssea
Por quatro tendões na base da
falange distal dos dedos
Flexor longo do
polegar
Face anterior do rádio e membrana
interóssea
Falange distal do polegar,
medialmente
Pronador quadrado Face anterior da ulna Face anterior do rádio
Braquiorradial Crista supracondilar lateral do úmero Face lateral do rádio, logo acima do
processo estilóide
Extensor radial
longo do carpo
Crista supracondilar lateral do úmero Base do segundo metacarpo
Extensor radial
curto do carpo
Epicôndilo lateral do úmero, pelo
tendão extensor comum
Base do terceiro metacarpo
Extensor dos dedos Epicôndilo lateral do úmero, pelo
tendão extensor comum
Extensor do dedo
mínimo
Epicôndilo lateral do úmero, pelo
tendão extensor comum
Extensor ulnar do rádio Terço distal da face posterior da ulna
Abdutor longo do
polegar
Faces posterior da ulna e do rádio e
membrana interóssea
Face lateral da base do primeiro
metacarpo
Extensor curto do
polegar
No rádio, distalmente ao m. abdutor
longo do polegar e membrana
interóssea
Falange proximal do polegar
Extensor longo do
polegar
Face posterior da ulna e membrana
interóssea
Falange distal do polegar
4. Mão:
4.1 – Eminência tênar: músculos abdutor curto do polegar, flexor curto do polegar, oponente do
polegar e adutor do polegar.
4.2 – Eminência hipotênar: músculos abdutor do dedo mínimo, flexor curto do dedo mínimo,
oponente do dedo mínimo e palmar curto.
4.3 – Região Mesotenar (Músculos intrínsecos): lumbricais e interósseos dorsais e
palmares.
Músculos da mão Origem Inserção
Abdutor curto do
polegar
Retináculo dos flexores, trapézio e escafóide Base da falange proximal do
polegar
Flexor curto do polegar Juntamente com o abdutor curto do polegar Base da falange proximal do
polegar
Oponente do polegar Profundamente, do retináculo dos flexores e
trapézio
Borda lateral do 1º metacarpo
Adutor do polegar
- Porção oblíqua: base do 2º metacarpo,
trapezóide e grande osso
- Porção transversa: face anterior do 3º
metacarpo
Base da falange proximal do
polegar (medialmente)
Abdutor do dedo
mínimo
Osso pisiforme Falange proximal do 5º dedo
Flexor curto do dedo
mínimo
Ânulo do osso unciforme e retináculo dos
flexores
Funde-se com o abdutor do dedo
mínimo e com ele se insere
Oponente do dedo
mínimo
Ânulo do osso unciforme e retináculo dos
flexores
Corpo do 5º metacarpo
IX – MEMBROS INFERIORES
1. Fossa ilíaca:
1.1 – Músculo: iliopsoas.
2. Região glútea:
2.1 – Ventral: músculo tensor da fáscia lata.
2.2 – Dorsal: glúteos máximo, médio e mínimo e rotadores laterais da coxa (piriforme, gêmeos
superior e inferior, obturadores interno e externo e quadrado femoral).
M. Þlrllorme
M. Cômeo
superlor
M. Cbturador lnterno
M. Cômeo lnlerlor
M. Cuadrado
lemoral
Músculos da fossa
ilíaca e região glútea Origem Inserção
Psoas maior Processos transversos, corpos e discos intervertebrais das
vértebras lombares
Trocanter menor, junto com o
m. ilíaco
Ilíaco Fossa ilíaca
Trocanter menor do fêmur,
junto com o m. psoas maior
Glúteo máximo No ílio, posteriormente, à linha glútea posterior, face
posterior do sacro e ligamento sacrotuberoso
Tuberosidade glútea do fêmur
e trato iliotibial
Glúteo médio No ílio, entre as linhas glúteas posterior e anterior Trocanter maior do fêmur
Glúteo mínimo No ílio, entre as linhas glúteas anterior e inferior Trocanter maior do fêmur
Piriforme Face pélvica do sacro (2ª à 4ª vértebras sacrais) Trocanter maior do fêmur
Obturador interno Contorno externo do forame obturado e membrana
obturadora
Face medial do trocanter
maior do fêmur
Obturador externo Contorno externo do forame obturado e membrana
obturadora
Fossa trocantérica
Gêmeo superior Espinha isquiática Tendão do m. obturatório
interno
Gêmeo inferior Tuberosidade isquiática Tendão do m. obturatório
interno
Quadrado femoral Borda lateral da tuberosidade isquiática Crista intertrocantérica
3. Coxa:
3.1 – Músculos:
3.1.1 – Dorsais: bíceps femoral, semitendinoso e semimembranoso.
3.1.2 – Mediais: pectíneo, adutores longo, curto e magno e grácil.
3.1.3 – Ventrais: quadríceps femoral (reto femoral, vastos lateral, intermédio e medial) e
sartório.
Músculos da coxa Origem Inserção
Tensor da fáscia lata Espinha ilíaca ântero-superior e
lábio externo da crista ilíaca
Trato ílio- tibial
Sartório Espinha ilíaca ântero-superior Borda medial da tuberosidade da tíbia
Reto femoral
(Quadríceps)
Espinha ilíaca inferior e borda do
acetábulo
Por tendão único, nas bordas proximais e
laterais da patela e, por meio do ligamento
patelar, na tuberosidade da tíbia
Vasto medial
(Quadríceps)
Linha intertrocantérica e lábio
medial da linha áspera
Por tendão único, nas bordas proximais e
laterais da patela e, por meio do ligamento
patelar, na tuberosidade da tíbia
Vasto lateral
(Quadríceps)
Face anterior do trocanter maior
e lábio lateral da linha áspera
Por tendão único, nas bordas proximais e
laterais da patela e, por meio do ligamento
patelar, na tuberosidade da tíbia
Vasto intermédio
(Quadríceps)
Faces anterior e lateral do corpo
do fêmur
Por tendão único, nas bordas proximais e
laterais da patela e, por meio do ligamento
patelar, na tuberosidade da tíbia
Pectíneo Linha pectínea do púbis Linha pectínea do fêmur
Adutor longo Corpo do púbis Lábio medial da linha áspera do fêmur
Adutor curto Corpo e ramo inferior do púbis Linha áspera do fêmur
Adutor magno -Porção adutora: ramo inferior do
púbis
-Porção extensora: tuberosidade
isquiática
- Porção adutora: linha áspera
- Porção extensora: linha supracondilar medial
e tubérculo adutor do fêmur
Grácil Corpo e ramo inferior do púbis Face medial da porção proximal do corpo da
tíbia
Bíceps femoral - Porção longa: tuberosidade
isquiática
- Porção curta: linha áspera do
fêmur
Cabeça da fíbula
Semitendíneo Tuberosidade isquiática Face medial do corpo da tíbia
Semimembranoso Tuberosidade isquiática Côndilo medial da tíbia, póstero-medialmente
4. Perna:
4.1 – Músculos:
4.1.1 – Ventrais: tibial anterior, extensores longo do hálux e dos dedos.
4.1.2 – Laterais: fibulares longo, curto e terceiro (inconstante).
4.1.3 – Dorsais:
a. Superficiais: tríceps sural (gastrocnêmio, sóleo e cabeças lateral e medial).
b. Profundos: tibial posterior, flexor longo do hálux e flexor longo dos dedos.
1endão
calcâneo
Sóleo
Þopllteo
Músculos
da perna Origem Inserção
Tibial anterior Côndilo lateral e 2/3 proximal da tíbia Base do primeiro metatarso e face medial
do osso cuneiforme
Extensor longo
dos dedos
3/4 proximais da fíbula, côndilo lateral
da tíbia e membrana interóssea
Por quatro tendões, um para cada um dos
quatro dedos laterais, na base das falanges
média e distal
Fibular terceiro 1/3 inferior da fíbula Base do quarto ou quinto metatarso
Extensor longo
do hálux
1/3 médio da fíbula e membrana
interóssea
Base da falange distal do hálux
Fibular longo Cabeça da fíbula e 2/3 proximais da
fíbula
O tendão tem um trajeto medial na planta
antes de inserir-se no cuneiforme e 1º
metatarso
Fibular curto 2/3 distais da fíbula Base do quinto metatarso
Gastrocnêmio
VL: côndilo do fêmur
VM: logo acima do côndilo
medial do fêmur
Os ventres do gastrocnêmio convergem
numa lâmina membranácea que se funde
com o tendão do m. sóleo subjacente para
formar o tendão calcâneo. Este prende- se
à tuberosidade do calcâneo
Sóleo Parte proximal e posterior da fíbula,
linha do sóleo
Tendão calcâneo ou, medialmente, no
calcâneo
Plantar Face poplítea do fêmur acima do
côndilo lateral
Poplíteo Origina-se dentro da cápsula fibrosa
da articulação do joelho, da
superfície lateral do côndilo lateral
do fêmur e menisco lateral
Face posterior proximal da tíbia acima da
linha do sóleo
Flexor longo
dos dedos
1/3 médio da face posterior da tíbia,
abaixo da linha do sóleo
Por 4 tendões, cada um deles fixando na
base da falange distal dos dedos II e V
Flexor longo do
hálux
2/3 inferiores, posteriormente, na
fíbula
Base da falange distal do hálux
Tibial posterior 2/3 proximais da face posterior da
tíbia e da fíbula, membrana
interóssea
Tuberosidade do navicular, todos
cuneiformes e bases do II, III e IV
metatarsos
5. Pé:
5.1 – Músculos:
5.1.1 – Dorsais: extensor curto dos dedos.
5.1.2 – Plantares:
a. Primeira camada: aponeurose plantar, adutor do dedo mínimo, flexor curto dos dedos
e abdutor do hálux.
b. Segunda camada: tendões do músculos flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux,
quadrado plantar e lumbricóides.
c. Terceira camada: flexor curto do dedo mínimo, adutor do hálux e flexor curto do hálux.
d. Quarta camada: interósseos dorsais e pl antares.
Músculos do pé Origem Inserção
Abdutor do 5º dedo Tubérculos medial e lateral do calcâneo Lateralmente na falange proximal
do V dedo
Flexor curto dos
dedos
Tubérculo medial do calcâneo Por quatro tendões nos lados da falange
média dos dedos II a IV
Abdutor do hálux Tubérculo medial do calcâneo
Medialmente, na base da falange proximal
do hálux
Quadrado plantar
Por duas cabeças, medial e lateralmente na face
plantar do calcâneo
Tendão do flexor longo dos dedos
Lumbricais
Lados adjacentes dos tendões do flexor longo
dos dedos II, IV e V; lado medial do tendão do
flexor para o dedo II
Medialmente na falange proximal do
respectivo dedo
Flexor curto do 5º
dedo
Base do 5º metatarso e ligamento plantar longo Lateralmente na base da falange proximal
do V dedo
Abdutor do hálux
- Porção Transversa: cápsula articular das
articulações metatarsofalângicas do II, II, IV e V
dedos
- Porção oblíqua: ligamento plantar longo
- Porção transversa: no tendão do flexor
longo do hálux
- Porção oblíqua: junto com o flexor
curto do hálux
Flexor curto do
hálux
Cubóide e nos dois cuneiformes laterais Lateralmente na base da falange proximal
do hálux junto com o abdutor e adutor do
hálux
Interósseos
plantares
Medialmente, na base do 3º, 4º e 5º ossos
metatársicos
Medialmente na base da falange proximal
dos dedos II, III e IV
Interósseos dorsais Diáfise dos ossos metatársicos adjacentes Base da falange proximal dos dedos II, III e
IV