Direito Constitucional III Ministério Público (doravante chamado de MP) Autonomia:    Auto-organização: pela Lei Orgânica do Ministério Público;

Auto administra: - organiza serviços internos (contratação de funcionários) –Inicia PL do estatuto do MP – Não se subordina a outros órgãos; Autogoverno: pelo Procurador Geral da República (presidente do Conselho Nacional do MP).

Atribuições: 1. 2. Titularidade na ação penal pública. Exceção se não interposta no prazo legal, art. 5º, LIX. ( se o MP não entrar a pessoa pode. A pessoa tem que esperar o MP entrar com a ação). Investigação criminal: INDIRETA (inquérito policial) e DIRETA (requisição de documentos e informações). (no inquérito ele não vai requisitar diretamente às partes envolvidas, mas sim requerer novas informações, na requisição ele o faz diretamente às partes). Controle externo da atividade policial no âmbito da investigação, pelo trabalho de campo. Interpor ADIN e intervenção, art. 36, III e Iv. (Ele entra com uma ação contra o governo podendo tirar a lei, “apagá-la” tirando a norma do sistema. Quem entra é o procurador geral da união ou o procurador estadual). Defender: a) meio Ambiente; b) população indígena; c) patrimônio social e público (corrupção em prefeituras) e d) interesses difusos e coletivos (a pessoas indeterminadas). Manifesta-se em processos de sua competência (menores maiores incapazes, ação de paternidade).

3. 4.

5. 6.

ADVOGADO 1. 2. 3. 4. Indispensabilidade: não absoluta (HC, revisão criminal e JEC até 20 salários). Inviolabilidade: Para garantir o jurisdicionado, Não é absoluta (para defender o cliente, o advogado pode fazer tudo). Defensoria: Oferecer orientação e defesa jurídica gratuitamente aos necessitados, art. 134 CF. (procuradores do Estado, são advogados que defendem o estado ). Advocacia Pública: a) Advogado Geral da União representa a união, art. 131 b) Procuradoria do Estado, art. 132.

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE Definição: análise de compatibilidade (formal e Material) de lei frente à CF, com objetivo de impedir inconstitucionalidade. (formal: seguir o rito ditado pela CF; material: o conteúdo se choca com a CF). (tem que ver se a lei foi criada com a forma certa, e com material que não se choque com a CF, se não tiver não precisa seguir ). Origem: Marbury x Madison (juiz Marshall) (começou o controle difuso, para a parte, tira a obrigação da parte. Existem dois tipos de controle, o que é obrigacional e o de norma, para que nenhuma pessoa cumpra, de efeito erga omnes). Observações:     Hierarquia de normas (CF fica em cima); Presunção de legitimidade da norma (só quem pode declarar a inconstitucionalidade é o poder judiciário e não qualquer pessoa); Rigidez constitucional (tem que haver rigidez e não flexibilidade); Órgão competente (sem exclusividade do legislativo, tem que haver o judiciário para julgar a constitucionalidade).

Se for poder concentrado de Estados, ou federal já se entra no STF. Tipos de controle: 1) Preventivo: Exercido por comissões e veto (antes da lei ser aplicada);

Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADECON):  Autor: Presidente. Efeitos “erga omnes” e vinculantes (lei 9868/99. Também pode impugnar um projeto de lei. que tem efeito erga omnes. Governo. já na via de exceção à obrigação é tirada das partes. ou seja. B) Via de ação (concentrado): não depende do caso concreto e vale para todos. mesas da Assembleia Legislativa Estadual. procurador geral da república. Arguição de descumprimento de preceitos fundamentais  Autor: Presidente. mas tem a opção de não retirar. tira a norma do sistema. Ações na Via Concentrada (Via de Ação) Ação direta de inconstitucionalidade (ADIN):  Autor: Presidente. Partidos políticos (com representação no congresso). x. art. em caso concreto. via de ação (ADI – 103. Cita Advogado Geral da União para defender norma ele defende a lei de qualquer forma. Entidade de Classe Nacional. Espécies de inconstitucionalidade a) b) Formal: vício no processo legislativo Material: conteúdo da norma viola a CF. só não pode ser declarado inconstitucional o texto da CF de 1988. Partidos políticos (com representação no congresso). Efeitos: “erga omnes” e vinculante (ADPF é a única capaz de reclamar no STF norma municipal)   Controle por Omissão/ADI por Omissão   Se o Poder deixar de disciplinar a matéria. estadual e federal). Governo. mesas da Assembleia Legislativa Estadual. Art. LXXI) mandado de injunção. Conselho Federal da OAB (também é uma entidade de classe). Objetivo: Preceito fundamental (direitos fundamentais). . 5º.2) Repressivo: A) Via de defesa (exceção ou difuso): vale só para as partes. não foi feito). Observações: Cabe ação direta de inconstitucionalidade de emenda constitucional. ADIN. Vale analisar na hora da propositura da ação. a exceção se dá nos termos do art. 52. tira a obrigação da parte. ADECOM e ADPF. Objetivo: Norma Federal. ferido por ato do poder (de qualquer natureza. Conselho Federal da OAB (também é uma entidade de classe). Entidade de Classe Nacional. Conselho Federal da OAB (também é uma entidade de classe). Objetivos: Norma federal ou estadual (municipal não pode). dado na anguilidade. Efeitos: “Erga Omnes”. 28 parágrafo único) a inconstitucionalidade só vale do dia para frente. vale o que o STF decidir. Partidos políticos (com representação no congresso). Vinculante. Governo. (Ex: direito de greve do servidor público. mesas da Assembleia Legislativa Estadual. 52. Entidade de Classe Nacional. parágrafo 2º) da ciência para poder regular omissão. Tipos: via de exceção (art. mesas do Senado e da Câmara. pois o começo é o que vale. x: se o caso chegar ao STF ele pode declarar ao Senado que aquela norma é inconstitucional e pede para ele também (se eles quiserem) podem tirar a norma do sistema. mesas do Senado e da Câmara. tirando a norma do sistema.       Concurso: O controle repressivo se dá pela via de ação (concentrada). Residual (sobra) – apenas se não couber ADI e ADECON. Confederação Sindical (é um órgão em nível nacional). municipal. Se o senado quiser ele tira a lei do sistema. o resto pra frente pode. com relevante controvérsia (para todos). Controvérsia. Confederação Sindical (é um órgão em nível nacional). procurador geral da república. Confederação Sindical (é um órgão em nível nacional). mesas do Senado e da Câmara. procurador geral da república. depois que você entrou com a ação o interesse não é mais das partes e sim de todos. sem necessidade de controvérsia (não é necessário provar que a norma te afeta).

2. Obs. D) Observação: a EC 39/02 admitiu contribuição para custeio da iluminação pública. etc. Contida: norma de eficácia total e imediata. 145. para realizar fins do Estado. Ex: contribuição da OAB. IV. 5. 5º. Princípio Institutivo: esquema geral de instituição de órgão ou entidade. II): observância da capacidade econômica do contribuinte. pelo uso ou em potencial serviço (específico e divisível). 3. XXVII. Ex. 17 parágrafo 4º. “b”): impede cobrança no mesmo exercício financeiro da publicação da lei que instituiu ou aumentou o tributo. 3. parágrafo 1º): decorre da isonomia. b. 150. Irretroatividade (art. XIII. Contribuições: tributo que visa melhoria social. 218 (cria programas de governo. Plena: produz efeito imediato e não depende de norma infraconstitucional. C) Social: para custear o social (empregado/empregador) ex: seguridade social (195 I a III e 201). TRIBUTOS DEFINIÇÃO: Prestação pecuniária que o Estado exige dos sujeitos econômicos submetidos à soberania nacional. 2. Impostos: Tributo que não beneficia diretamente o contribuinte (não vinculado).: limite é o custo do serviço. “a”): veda a cobrança de tributos por fato gerador anterior à lei que instituiu o tributo. contribuição sindical. 4. 224 (é aquela que traz estrutura de órgãos. Ex: art.: confisco do café. Isonomia (art. seguro desemprego (239 parágrafo 4º). I (piloto de avião pode ser qualquer pessoa desde que qualificada). Ex. PIS (239). Taxas: beneficia diretamente o contribuinte (vinculado). cria um órgão). mas sim no TJ. Contribuição de melhoria: Tributo cujo fato gerador é a melhoria pública que valoriza o imóvel (melhoria) Obs.Autoridade administrativa deve adotar providências em 30 dias. Ex: art. IV): não pode subtrair além da parte razoável do patrimônio ou renda do contribuinte. (não estão atreladas ao princípio da alteridade – art. Ex: art. Abrange: normas estaduais e municipais. III. Empréstimo Compulsório: empréstimo que o governo faz excepcionalmente. 150. devendo ser contratada com a Constituição Estadual. 150. EFICÁCIA DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1. A) Interventiva: age no domínio econômico (para custear). Tem o direito. Princípio Programático: Princípios a serem cumpridos pelos órgãos. 20. Ex: greve do servidor público fica aguardando a lei para poder exercer (eficácia fraca). 2º. B) De atividade: visa interesse de categoria social ou econômica. mas é limitada (entrar com mandado de injunção). Anterioridade (art. . mas que pode ser restringida se não descaracterizá-la. Sempre pronta para produzir efeitos. parágrafo 1º. guerra ou iminência). PRINCÍPIOS TRIBUTÁRIOS a) b) c) d) e) f) Estrita Legalidade (art. em situação de urgência (calamidade. 37. I): impede criação ou aumento de tributo sem lei – para se criar um tributo tem que ter estrita legalidade. III.: recursos devem ser aplicados vinculadamente à despesa que os motivou. Não pode falar que violou a CF.: 5º. parágrafo terceiro). e sim que violou a CE). 150. Capacidade contributiva (art. promover ação do poder público). 195. 145. Espécies: 1. 150. Limitada: Só incide totalmente após a edição de norma ou ação do administrador que lhes de aplicabilidade. Não depende de nada para funcionar. Vedação ao confisco (art. a. Controle nos estados Definição: Constituições estaduais podem instituir ADI (não se pode entrar no STF.

Não pode conceder empréstimo. art. a) b) c) União: Imposto de importação e exportação IPI: imposto sobre produtos industrializados (Cigarro. Quando a constituição não falar nada é lei. art. fazer o orçamento. Comum: Taxas – qualquer ente pode fazer taxa Contribuição de melhoria Obs. 1º (criou o BNDES para fazer empréstimos). art. a) b) c) d) e) f) 2. ISSQNI – imposto sobre serviço de qualquer natureza. a) b) c) 4. Lei complementar sobre (art. Compra/venda título do tesouro nacional para regular oferta de moeda ou taxa de juros. Operações de câmbio dos entes. Atribuições do Banco Central a) b) c) d) Emissão de moedas. ITR: imposto territorial rural (quanto mais produtiva. menor o imposto). metade + 1 das cadeiras): a) b) c) d) e) Finanças públicas. Uniformidade (151 I): deve ser igual para todo território. TRIBUTOS Competência 1. 164. 164 (banco consta do dinheiro do povo). Dívida interna e externa. mais paga). Exceção: pedágio. quanto vai entrar e quanto vai gastar).g) h) i) Ilimitabilidade ao trafego de pessoas e bens (150 V): impede limitação do trafego de pessoas por meio de tributos. ITBI – imposto sobre transmissão de bens imóveis (inter vivos).: os dois podem legislar qualquer ente. Estados: ITCMD – imposto de transmissão causa morte ou doação. automóveis). Ex: não pode variar pelo local onde está o contribuinte (estados e municípios) Observação: os tributos devem ser instituídos por LC. A constituição fala quando é lei complementar. Finanças e Orçamentos Definição: Atividade econômica do Estado para: a) b) Obter receitas (recebe receitas por meio de tributos) Controle das despesas (fluxo de moeda. Imposto sobre grandes fortunas -> ainda não existe. IOF: imposto sobre operações financeiras (usar cartão no exterior). Fiscaliza instituições financeiras (Banco Central). Recebe saldo de caixa da União (demais entes depositam em instituições oficiais) só pode depositar a sobra na União. Sistema orçamentário (165/169) Leis: . a) b) c) 3. ICMS – imposto de circulação de mercadorias e serviço IPVA – imposto sobre propriedades de veículos automotores. pois necessita de lei complementar. IR: imposto de renda (quanto mais ganha. 163. maioria absoluta. Títulos da dívida pública (compra meu título por 100 e depois vende para o banco por 120). Municípios: IPTU – imposto predial ou territorial urbano (terreno vazio paga mais). 164 2º.

Programar despesas. LDO Definição: norma que (vai criar diretrizes para se criar a LO. Norteia a LO. PLANO PLURIANUAL (PP) Definição: norma que estabelece por região os objetivos e prioridades da administração (estabelece o orçamento das obras com continuidade) e delineia planos e programas de governo. ou inteira ou nenhuma). (orçar quanto vai gastar e quanto vai receber. para evitar abuso do poder econômico (ex. Com exceção de crédito suplementar e operações de crédito (165.: só cria direito subjetivo para Estado//validade de um ano com elaboração no primeiro semestre (art. baseia-se nos anos passados. sem desfigurar (não pode desfigurar o projeto mas pode mudar) Emendas da comissão mista compatível com a LDO e PP. Valor social do trabalho humano: trabalhador deve ser valorizado. autoriza o poder público a fazer gastos. Veda: programas não inclusos na LO (não pode gastar mais do que já está escrito) /Despesa maior que crédito da LO (não pode criar despesa) /Vincular receita de imposto (pode pegar imposto e usar na educação e saúde). a) b) c) d) e) f) . 2º. ORDEM ECONÔMICA Definição: Sistema embasado no capitalismo (próprio mercado que regula a economia). que regra relações econômicas. Comissão das duas casas= Deputados e Senadores. Fundamentos da ordem econômica   Livre Iniciativa: poder para cidadão explorar atividade econômica. que segue a LDO e o PP): a) b) c) d) Define diretrizes e prioridades da administração. assegurando a justiça social. Obs: repassa a verba do MP. Receber autorização legislativa para cumprir. Obs. legislativo e judiciário até dia 20 de cada mês (duodécimos: recebe em 12 pagamentos)// investimento só pode ultrapassar exercício se constar no Plano plurianual (obras de período maior)// sem dispositivo estranho. I. II. Política de aplicação das agencias financeiras oficiais de fomento. 35. Princípios: Universalidade: prevê toda a receita e despesa (não existe despesa que não esteja no orçamento). sem autorização dos órgãos públicos (resalvadas restrições legais). 8º). Unidade: orçamento deve ser peça única (ou aprovam ou não aprovam. o povo participa por meio do voto nos legisladores). ADCT). Observações: presidente inicia e comissão mista aprecia e fiscaliza. para obras que demorem mais de 1 ano. só é feito de 4 em 4 anos. Anualidade: tem validade anual (só vale por um ano e terá que ser votada novamente). Atender princípio da legalidade. Exclusividade: sem matéria alheia ao orçamento (só pode haver orçamento de despesas). ADCT): é feito no final de cada mandato. Lei orçamentária anual (LO) Definição: meio para poder público: a) b) c) d) Orçar receitas.Orçamento anual (LO – lei orçamentária) Lei de diretrizes orçamentárias (LDO) – todo ano tem que fazer uma nova LO e uma nova LDO Plano plurianual (PP) – é uma previsão. Vigência quadrienal (35. monopólio). Não vinculação: imposto não vinculado REGRA (salvo se for saúde e ensino).

Definição: atuação do Estado para normatizar e regrar economia (CF princípios fundamentais da ordem econômica). Ordem Social (a maior parte dos autores diz que não são direitos fundamentais)   Definição: visa justiça social. XXIII (nuclear) e 177 (petróleo). Formas do Estado atuar: agente econômico e agente normativo regulador.  Habilitação e reabilitação do deficiente. econômica: Estado como agente econômico ou como aquele que regra o mercado. o Planejamento: estrutura economia para diagnosticar e estabelecer objetivos e meios. Seguridade Social: Assistência Social//Previdência//Saúde. 173. notadamente no primado do trabalho.  Bens penhoráveis. 3º.  Empregados admitidos por concurso (art. (LOAS) 14 3402 1300 . Funções: o Fiscaliza mercado para vedar (173. 4):  Dominação. etc.  Integração no mercado de trabalho. centrada.  Sem falência. o Abrange: (elementos essenciais para dignidade do homem)  Família.: 21.  Aumento arbitrário de lucros.  Barreira à livre concorrência. infância e adolescência. maternidade. Ex. Agente normativo regulador: normatiza a economia para preservar o mercado com justiça social. 37). o Assistência social (203 e 204 CF): assiste necessitado independentemente de contribuição. o Competição:  Regras iguais da empresa privada.  Benefício de um salário mínimo para deficiente ou idoso que comprove não ter meios para se manter.Intervenção estatal no domínio econômico.   Agente econômico: explora diretamente atividade quando necessário para segurança nacional e interesse coletivo. Regimes: o Monopólio: só CF autoriza. o Incentivo: fomento para economia.   C. II.