EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA ... VARA DO JÚRI DA COMARCA ...

Como o problema não fala em qual comarca ocorreu o caso, não podemos inventá-la. Ademais, por se tratar de crime doloso contra a vida, o juiz competente é aquele da Vara do Júri. Por fim, sobre o polêmico uso do “doutor”, ressalto: pouco importa à nota. Com ou sem doutor, a sua nota será a mesma. Romualdo, nacionalidade, estado civil, profissão, residente e domiciliado no endereço, representado por seu advogado, que esta subscreve, vem à presença de Vossa Excelência requerer o RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE, com fulcro no art. 5º, LXVI, da CF/88 e 310, I, do CPP, pelas razões a seguir expostas: Por não existir processo em trâmite, acho mais interessante a qualificação completa do preso. No entanto, atenção: não invente dados. Ademais, dê bastante destaque ao nome da peça (escreva em letra maiúscula), e não se esqueça de mencionar os artigos que a fundamentam. Como a correção feita pela FGV é muito mal feita, não custa nada ajudar o examinador a encontrar a sua resposta. Ah! Escreva tudo por extenso, ok? Nada de “CF”, “CPP” etc. I. DOS FATOS Na data de ____, por volta de 22h, o requerente encontrava-se em sua residência, localizada no endereço ____, quando, em determinado momento, ouviu um barulho em seu quintal. Pensando que se tratava de um ladrão, e temendo por sua vida, desferiu 03 (três) disparos de arma de fogo contra o invasor, que veio a falecer em consequência das lesões provocadas pelos projéteis. Imediatamente, dirigiu-se à delegacia para comunicar os fatos, e, diante do relato, a autoridade policial o prendeu em flagrante. Não gaste muito tempo com o tópico “dos fatos”, pois não é objeto de quesito. Basta resumir o que diz o problema. II. DO DIREITO Entrementes, trata-se, inegavelmente, de prisão ilegal, pois não está caracterizada a hipótese de flagrante, nos termos do art. 302 do CPP. Vejamos o que diz o

dispositivo:

Art. 302. Considera-se em flagrante delito quem: I - está cometendo a infração penal; II - acaba de cometê-la; III - é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração; IV - é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração.
No caso em discussão, não se verifica nenhuma das situações acima transcritas, pois o requerente apresentou-se espontaneamente à autoridade policial. Destarte, a prisão em flagrante é manifestamente ilegal, sendo imperioso o seu imediato relaxamento. No modelo acima, falei de forma bem sucinta sobre a tese. Em sua peça, até vale a pena dar uma caprichada, mas evite “encher linguiça”. A correção da prova, como já comentei, é bem mecânica. De nada adianta escrever três laudas sobre o assunto e não mencionar o artigo que está no gabarito. Para o examinador, o que importa é que examinando fale tudo o que ele quer. Além disso, como são muitas teses a serem defendidas, não dá para perder muito tempo em uma só. Sobre a transcrição do artigo 302, só o fiz para dar uma encorpada em nosso modelo. Na prova, não é necessário. Basta mencioná-lo. III. DO PEDIDO Diante do exposto, requer seja deferido o pedido de relaxamento da prisão em flagrante, reconhecendo-se a ilegalidade da prisão. Pede, ademais, a expedição de alvará de soltura em favor do requerente. Nesses termos, pede deferimento. Local, data. Advogado.