A Hierarquia Celeste segundo Santo Tomás de Aquino Prof. Dr.

Paulo Faitanin - Universidade Federal Fluminense/Instituto Aquinate (www.aquinate.net) Intenção: A hierarquia celeste é um breve estudo sobre a ordem das criaturas espirituais no céu. Deus é supremo e está fora de qualquer hierarquia e ordem. Esta palestra procura apresentar a hierarquia celeste segundo o pensamento de Tomás de Aquino. Muitas vezes esquecidos, negados, mal entendidos, reduzidos a símbolos, mitos ou a fenômenos psíquicos, é sempre oportuno recordar a verdade sobre o que são os anjos.

1

 

DOGMA A existência do Anjo é uma verdade de fé. O nome Anjo significa mensageiro e não identifica a natureza do ser espiritual que ele é, mas a sua função. Deste modo, o seu ser é espírito e o seu ofício é anjo. É espírito pelo que é e anjo pelo que faz.

Origem
As Escrituras testificam a existência dos anjos. A palavra ‘céu’ em Gn 1, 1 refere-se aos Anjos. Tem origem por criação como atesta São Paulo em Cl 1, 16: “porque n´Ele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis: Tronos, Soberanias, Principados, Autoridades, tudo foi criado por Ele e para Ele”. Unânime é o Magistério da Igreja e Santo Tomás sobre a sua origem espiritual por criação, à imagem e semelhança de Deus.

Finalidade
Criado para servir a Deus, contemplar a Sua glória, testemunhar, guardar, anunciar e executar a Sua Palavra no governo e conservação do universo. Serve a Deus, servindo ao homem, criatura que Deus quis por si mesma, imagem e semelhança do Seu Filho, centro da existência dos anjos e dos homens, porque por Ele todas as coisas foram feitas, as visíveis e as invisíveis.

Natureza
O anjo é criatura espiritual subsistente com intelecto, vontade e liberdade, portanto ser pessoal eviterno, incorruptível e único diante de Deus, boa por natureza, mensageiro da verdade, nominalmente conhecido por Deus. Apesar de espírito é criatura limitada.

Estado
Depois da criação, mas antes de ver a Deus, o anjo foi posto à prova. Com a conversão a Deus, veio a confirmação permanente do estado, com a aversão a Deus veio a negação permanente do estado original.

A Queda
Os Anjos maus converteram-se às criaturas e se reconheceram nelas, dando origem ao mal de culpa, induzindo à queda de muitos inferiores por persuasão. Enraizado na soberba por não querer submeter-se a Deus naquilo que era devido, na inveja, por não conseguir que não existissem os santos e entristecer-se diante do bem do homem e da grandeza de Deus, desejou

com o intuito de atingir diretamente o Filho do Homem. toda a natureza para o que ela entendeu e se inclinou a escolher. E nisso consiste a criação. malícia e ódio. de Quem o homem foi criado à imagem e semelhança.  ser semelhante a Deus por virtude própria e não por auxílio divino. este se torna no mundo o principal alvo de sua mentira. pois não se dá a conhecer porque não se reconhece. abstrair ou raciocinar. pelo qual se decidiria. convertendo toda a sua inteligência na mentira e a sua vontade no mal. Perverteu o mundo e aquilo que no mundo fora mais querido por Deus. Isso justifica a razão de o Anjo caído preferir vaguear no mundo corpóreo a ter que ir para o inferno. ao mesmo tempo em que quis tomar para si aquilo que para Deus é o Seu bem mais precioso na criação: o homem. mas por sabedoria ou maldade. Modo Capaz de escolher segundo o conhecimento que possuía antes da confirmação ou da queda. mediante uma contração substancial. Indivíduo Cada anjo é único e não há nenhum outro que se lhe assemelhe em espécie. o anjo não atuou por ignorância. Sem Cara Sem coesão no ser o demônio não se ‘reconhece’ como criatura divina individual. decidir e escolher simultânea. Sua natureza disforme o faz manifestar-se com variadas formas sem ‘face’. um amor semelhante ao de Deus pela criatura. sem sentir. o homem. O anjo bom converteu todo seu entender. definitiva e perfeitamente uma ou muitas coisas como elas são. querer e agir para este amor. Todo anjo tem a capacidade de entender. Consequência Sua escolha converteu plenamente toda a sua capacidade intelectual natural para o que escolheu. 2   Situação Confirmado no amor o anjo bom converteu-se em mensageiro da verdade. emocionar-se. ao mesmo tempo em que resignava o intelecto e a vontade nesta livre decisão da natureza. mas o anjo mau privado do amor tornou-se o pai da mentira. pois se tratava de um ato único e exclusivo. Mundo A aversão a Deus e a conversão a si mesmo o fez crer na falsa ideia de que o esplendor do universo fosse um efetivo reflexo do brilho de sua própria natureza e não da glória divina. direta e de uma única vez. Deus criou a forma espiritual subsistente iluminando-a e a iluminou criando-a. porque ao converter-se ao mundo reconhece em si a natureza material das coisas e se se reconhece nelas. mas o anjo mau entronizou o ódio e tornou-se o maior adversário do amor. sendo incapaz de revogar o seu ato de eleição. iluminação e individuação do anjo. Convertido ao mundo tornou-se senhor deste mundo. . querer. O que constitui formalmente cada uma destas naturezas subsistentes individuais foi o que cada uma recebeu por iluminação divina no instante da sua criação. contraindo-se exclusivamente nisso. criado à imagem e semelhança de Seu Filho. Faculdade A faculdade do anjo é amar.

esperança e a Terceira hierarquia . por conseguinte. . Segunda hierarquia . 3ª Ordem. a dos Serafins (ardor caritativo: imagem do amor divino).  Pessoa O anjo é pessoa. Dominação (governo dos próprios anjos: domina e distingue o que fazer). Virtude (executa a ordem da dominação com relação à natureza física). por sua escolha e ação é justamente a dissolução da dignidade da natureza Angélica e. porque o anjo mau. como o Papa. Potestade (ocupa-se do combate aos anjos caídos). 3ª Hierarquia 1ª Ordem. Cada ordem é composta por uma multidão de anjos. Anjo (anuncia. Ele santamente governa segundo a Sua sabedoria. 3ª Ordem. do seu ser pessoal. Principado (guia na execução dos atos e dirigem os destinos das nações). Tudo que Deus cria. 2ª Ordem. imprimindo uma ordem na criação. Cada hierarquia é composta por três ordens. 2ª Hierarquia 1ª Ordem. ou seja. Deste modo. 1ª Hierarquia 1ª Ordem. mas só o anjo bom goza desta dignidade.fé. bispos e sacerdotes). 3ª Ordem. 3   Hierarquia Hierarquia é governo sagrado. Arcanjo (anuncia importantes missões aos homens e guarda as pessoas que desempenham importantes funções para a glória de Deus. a dos Querubins (plenitude de ciência: imagem da sabedoria divina). a dos Tronos (assento de Deus: compreendem o juízo divino). comunica e protege individualmente cada homem). em razão das suas perfeições próprias. Primeira hierarquia caridade. outra que ilumina e outra ainda que aperfeiçoa. só impropriamente lhe convém o nome pessoa. segundo a perfeição da Trindade: uma perfeição que purifica. 2ª Ordem. 2ª Ordem. Cada ordem é denominada de acordo com as suas propriedades. um ser espiritual individual subsistente com natureza digna por representar uma semelhança divina.

pela qual comunica alguma verdade e perfeição da Palavra divina dirigida ao anjo que é denominada locução. segundo uma moção típica dos corpos que se movem por si mesmos. odeiam os homens e rejeitam a justiça de Deus. Os Anjos caídos foram: Primeira Hierarquia 2ª. aumentando-lhe a capacidade. mas agem de modo diferente. que impele a sua vontade a mover-se. nem se desloca. Ordem: Principados O principado subordina-se à Potestade. o anjo pode agir de maneira peculiar sobre os sentidos fora do modo ordinário. A iluminação é justamente este acréscimo de capacidade intelectual e de conteúdo intelectual no espírito. alterando a forma de percepção sensível das coisas. pela iluminação. ou ao homem. não imprimindo uma imagem que o homem não tenha. Moção Espiritual Pode ser por: Iluminação (na alma unida ao corpo. mas esta precedência não infere relação de concórdia entre eles. a alma espiritual unida ao corpo ou separada dele. Ordem: Querubins Segunda Hierarquia 3ª. sobre o intelecto angélico. a outro espírito puro. conforme uma moção específica dos corpos que são postos em movimento por ação do movimento de outro corpo. Tal movimento advém de sua capacidade espiritual. valendo-se externamente das coisas sensíveis. Não se locomove. pela qual se odeiam uns aos outros. O anjo confirmado no amor tem esta capacidade. sem propriamente alterar a formas das coisas. 4   Iluminar Iluminar é um ato próprio da onisciência divina pelo qual irradia sua luz. mas pela maldade em comum a todos eles. ou mesmo qualquer outra criatura corpórea. pois se um obedece a outro não é pelo amor ou amizade que têm entre si. mas não pode provocar uma imaginação do que não se sente. ou internamente. Desse modo. Podem agir sobre os sentidos externos. o anjo bom inspira a boa imaginação e o anjo mau a má. Insinuar Os anjos podem agir sobre a imaginação. mediante algum ato do seu entendimento. Moção O anjo tem o poder de mover-se a si mesmo. a graça.  Desordem Há entre os anjos caídos uma ‘ordem’ se for observado o que tem relação originalmente com a natureza e ao que foi recebido por iluminação na criação. mas não quanto ao que é relativo à glória. separada no purgatório ou no céu) Insinuação (na alma unida ao corpo ou separada no purgatório) . Ordem: Potestades Terceira Hierarquia 1ª.

quando algo se faz para além da ordem da natureza. como os . porém úteis para a sua manifestação. cura. quando é um anjo mau ele infesta o que toca porque a utiliza como instrumento de manifestação do seu ódio. uma aparência humana enganadora. vileza. por isso aparenta o que não é. prodígios. embora possam enganar fazendo parecer serem capazes de fazer. 5   O Milagre Os anjos não realizam milagres. baixeza. verdade e beleza. bondade. que logo dá a impressão de ser o mais belo e perfeito dos seres humanos. má. Tudo o que fazem é segundo o seu poder natural. como fragmentos de ossos). na maioria das vezes. algum utensílio e mesmo partes do corpo de uma alma santa. Manifestação Os anjos se manifestam aos homens. levitação. Mas milagre só Deus faz. dentro do contexto da sua vida. São objetos que podem ser utilizados tanto pelo anjo quanto pelo demônio para manifestar o seu poder ou mesmo persuadir o homem acerca do que ele deve acreditar e decidir. As operações ocultas na natureza que os demônios fazem não são efetivos milagres. Pode apresentar falsamente forma esplendorosa. segundo diversas aparências passíveis de serem total ou relativamente compreendidas pelo homem. sinais astronômicos. para além de toda ordem natural criada. portanto. segundo uma aparência humana esplendorosa. línguas. ou separada no inferno) Tentação (insinuando ou persuadindo um anjo ou uma alma unida ao corpo a acreditar. segundo a capacidade da coisa). em conseqüência da sua natureza decaída no pecado manifesta sua aparência totalmente carente de unidade. O anjo mau. bilocação. não raro e por causa do modo como se manifesta. apesar do esplendor do seu espírito. falsa e. Por isso. expulsão de demônios e ressurreição. assumindo. aceitar e escolher uma inverdade). ou de mesmo de animais monstruosos ou criaturas amorfas desconhecidas ao homem. Os objetos de infestação. fazendo parecer o que de fato não é para seduzir e levar a alma ao pecado. do que nela os homens puderam aprender e imaginar: ao assumir aparência de corpo. portentos ou virtudes. profecia. com imenso fulgor. quando é um anjo bom ele sagra o que toca (um pedaço de roupa. às vezes. Não podem realizar sinais. feia. Moção Corporal Poder ser por: Locomoção (suspender um corpo) Composição (compondo substâncias. fealdade e falsidade. ao possuir o espírito humano. mostra-se numa aparência compreensível ao espírito humano.  Persuasão (no anjo inferior. ao infestar coisas ou obcecar pessoas A Aparência O anjo bom. Trata-se de uma aparência sem face indescritivelmente múltipla. O Toque O anjo pode tocar as realidades naturais. estigmas. na alma unida ao corpo. fazer aparecer o fogo) Impressão (imprimindo no corpo uma nova coloração. são vis e não raro profanos. o demônio foi descrito com as formas mais aberrantes e feias que encontramos no universo sensível.

Isso o anjo bom não faz. embora a possessão atue na posse da razão e vontade para manifestar o seu poder.  objetos que são usados para simpatias. não porque careça de poder. desordenando-a. ao contrário. insinua falsa e ilusoriamente. mediante isso. sentimento ou imaginação. segundo aquilo que toca alguma fraqueza humana. contrariamente à moção da graça e da virtude. as sensações. Mover o corpo possesso. valendo-se da provocação externa causada pela infestação. Manutenção do juízo e consciência. Possui e manipula parcialmente a potência fisiológica. o que implica na aversão a Deus e a conversão à criatura. útil e prazeroso. A obsessão causa a cegueira espiritual da alma e a impede de ver a luz da graça. circulatória etc. falsear e distorcer a verdade. transformando num objeto de obsessão da alma. mediante uma operação que consiste em tomar. O demônio faz isso propondo imagem que ele não inventa nem impõe. com o intuito de enfraquecer o domínio natural do intelecto sobre a vontade. matriz das alterações bioquímicas e de funções como: reprodutiva. mas sugere. O demônio também pode persuadir a alma a aderir tal paixão. fazendo-o levitar. enquanto entra no corpo do homem. Condições para a Possessão Permissão divina para purificar a alma e manifestar o seu poder sobre o demônio. augúrios e coisas semelhantes que são potencialmente instrumentos de infestação. tornando-o mais forte e imune a medicamentos como calmante ou qualquer outra droga que acalme a agitação espiritual da alma possessa. na medida em que insinua e/ou persuade a alma a aderir a tal paixão. . O demônio. 6   A Possessão Denomina-se possessão a manifestação do demônio sobre a alma humana. provocando-lhe uma paixão na alma. mas porque respeita a liberdade humana. todo o corpo. persuadindo o pensamento mediante a insinuação de imagens algumas verdadeiras e outras falsas. Ação da Possessão Usar órgãos: a boca e as cordas vocais para vocalizar língua rara blasfemando. Insinua imagens internas e move as paixões. digestiva. para levar muitos à conversão. assumir ou possuir as faculdades da alma e. embora não possa tocar e manipular a liberdade humana nem conheça a intenção humana. nutritiva. ou para informar fatos aparentemente ocultos ao conhecimento humano. respiratória. recorre a este ato extremo para manifestar o seu poder. Domina a potência sensitiva. fazendo-a parecer verdade. fazendo parecer com que algo perverso e avesso à graça de Deus se manifeste como algo bom. porque não a respeita. A Obsessão Denomina-se obsessão a manifestação do poder do demônio sobre alguma sensação do corpo. Mina a vontade com a moção das paixões contrárias ao bem e a verdade. adivinhações. Não conivência da alma humana.

Possuir a alma humana. Mas sobre isso se deve advertir que os anjos em suas ações onde estão servem principalmente a Deus e só secundariamente ao homem. conseguem estar onde querem estar. 7   Missão Missão significa a ação em que alguém envia outrem com a incumbência de executar uma tarefa ou exercer um encargo. mas de um anjo inferior que Lhe servisse. para afastá-las de Deus. condição para alcançar a caridade. providencia que o anjo guarde o espírito do homem. em sua onisciência. como homem. por ser similitude à liberdade divina. A missão e o serviço devem ser exercidos na caridade. está incluído na ordem divina servir o homem. eles também são servos dos homens. não precisou de um anjo superior a Ele que Lhe guardasse como ser inferior. Por isso. Como tal. pois do contrário seria uma infestação se o demônio se valesse de um cadáver para manifestar-se. Daí que anjos bons sejam enviados para a guarda dos homens. O envio tem tais finalidades: que o enviado comece a estar em algum lugar onde antes nunca esteve ou que sirva quem o enviou onde esteja. Condições da Missão Os anjos são enviados para agirem como servos para executar ordens dadas por quem os enviou. Ora. tal como um senhor envia um servo. a missão implica uma dupla relação: do enviado com quem o envia e do enviado com o fim para o qual é enviado. o apanágio da natureza humana. Guarda O anjo é enviado por Deus para servi-lO. pois quem ordena é superior. Blasfemar e escandalizar as almas mediante mostra de poder mediante a possessão. não precisando por isso da guarda dos anjos. Sem missão os demônios sempre tentam estar onde não podem estar.  Possuir o corpo vivo. Não há missão para os demônios. pois era dirigido imediatamente pelo Verbo de Deus. como no corpo possesso ou nos ares. para dispô-la contra Deus. não possuiu anjo da guarda. justifica-se enviar um súdito fiel e poderoso para guardá-lo. mas não o podem normalmente. um dos serviços prestados pelo anjo é a guarda dos homens. Portanto. sob a permissão divina. pois toda missão Angélica supõe uma ordem e uma finalidade dadas e ordenadas segundo a caridade por Deus. ele por si mesmo não consegue suficientemente evitar o mal e fazer o bem. No caso do anjo. mas não querem estar no inferno. enquanto acende o fogo do amor no coração dos homens. se o homem é o tesouro da criação divina. Portanto. Escravizar a liberdade humana. Ora. o homem necessita desta guarda. verdadeiro princípio vital do corpo. mediante uma ordem. Condições da Guarda Cristo. De fato. . para dirigi-los e movê-los ao bem. Os anjos enviados gozam da presença divina no encargo que executam. porque embora livre. quem o envia o faz por uma ordem ou mandato. porque sabe que tal tesouro se encontra depositado num ‘vaso de barro’. pois contraídos no ódio não servem. Deus. Algumas vezes.

se encontra vulnerável frente a qualquer investida do demônio sobre a couraça que protege o seu coração: a esperança. Uma vez desarmada da lança da fé e desprotegida da couraça da esperança. a alma desarmada. se sabe a fraqueza. Tenta para saber. De fato. e domina porque o quer utilizar como instrumento para fazer o mal. dada pela virtude adquirida pelo exercício da . Não é suficiente ao homem para evitar ou resistir ao assédio tentador do demônio sobre a concupiscência humana apenas a ascese. Como tenta o Demônio O anjo serve o homem na caridade. guardando a alma na esperança. O demônio não guarda porque quer que o homem se perca do caminho. pois quer saber como alguém está na fé ou na virtude para enganá-lo ou fazê-lo cair. pois nada acontece no mundo que contrarie a vontade do anjo da guarda. embora não queira que o homem peque e sofra não se entristece nem sofre pela culpa nem pela pena do homem que guarda. Completamente desarmada a alma. como testemunha dos atos bons ou maus cometidos por ela. Em seguida.  A todos os homens são delegados. e persiste porque quer dominar. Não há um demônio tentador para cada homem. O anjo também mostrará ao tribunal sua diligência. vida virtuosa ou testemunhará a sua negligência. pois o número de demônios não é superior ao de anjos da guarda e um só demônio pode tentar pela comum concupiscência da carne. a alma enfraquecida deixa exposta o seu tesouro: a caridade. persiste. no coração do homem são entronizados o ódio. Seria uma resistência inútil se a alma não tivesse o auxílio da graça divina e o auxílio da guarda do anjo. O anjo da guarda conduzirá a alma guardada diante do tribunal. para animá-la com graças que servem para que ela resista com fé ao combate do demônio. o mal tanto quanto gostaria. Tentação Tentar é experimentar alguma coisa e o demônio tenta o homem com uma finalidade má. porque a sua vontade perfeitamente adere à ordem da divina justiça. ele tenta porque não sabe se o homem resiste à tentação. Tenta a carne para enfraquecer a vontade e incliná-la ao pecado. mediante sua influência sobre tal homem. despojada de sua lança. desde o nascimento. A sucessiva investida do demônio sobre o coração faz com que aos poucos ele seja despojado do seu tesouro e fique totalmente exposto e vulnerável às contínuas investidas do demônio. Tenta para estimular o vício ao qual o homem está mais inclinado. sem nunca totalmente os abandonar. com a intenção de que no fim da jornada terrestre reine com ele um anjo. 8   Como Guardam O anjo da guarda priva o homem mau de fazer um mal ainda maior e evita que o demônio possa realizar. para que não encontre no fim deste caminho o inferno. a fraqueza e a falsidade. onde haverá um demônio para puni-lo. anjos para guardá-los. que protege o coração. o demônio primeiramente tenta a alma para desarmar-lhe da lança com que ela se defende: a fé. Quer instigar o pecado e punir o homem. O anjo da guarda. Conhecedor da concupiscência humana pelas coisas externas que o homem realiza. muitos homens ou muitos a um só homem. De tal modo que o anjo da guarda não deixa que o demônio valha-se de um homem para fazer todo o mal que queira. se alcançado o almejado.

Anjos Hoje A proliferação de seitas é sinal de uma profunda crise da unidade da fé cristã em nossos dias. consiste em ir de uma mera consideração dos anjos como símbolos poéticos. com as teses materialistas e racionalistas que interpretam tais seres como mitos que alienam. para que o mal difundido por ele desde a origem se desenvolva por ação do próprio homem. A infeliz propagação da teologia da prosperidade substantiva o mal no demônio e acaba por gerar uma espécie de idolatria às avessas. O teológico. como sustenta R. acabam facilmente por conceber e enquadrar anjos e demônios em alguns dos tipos de neurose e/ou psicose. não consegue por si mesmo resistir à tentação. como nos relata conta o Papa Pio XI em sua Encíclica Studiorum ducem. a Igreja não o teria conhecido como Doutor Angélico. 9   Conclusão O Papa João Paulo II. mais do que nunca se faz necessário uma adequada exposição acerca da natureza destes seres. filosófico e científico. por causa da sua concupiscência.  temperança da carne quanto aos prazeres do mundo. quando não negada por causa de três erros: teológico. muitas vezes. as ciências humanas.) a fim de que o mal se converta cada vez mais num pecado estrutural e cada vez menos se possa identificá-lo como pecado pessoal”. transformando-o em social. De fato. como a psicanálise. a base de sustentação do equívoco teológico e científico. em mensagem de 31 de março de 1985 dizia aos jovens como identificar nos dias de hoje este latido do demônio: “A tática que aplicou e que aplica consiste em não se revelar. como assinala P. entre as classes e entre as nações (. O equívoco filosófico se identifica. Dentre os teólogos católicos as maiores reservas com relação à consideração da natureza Angélica devem ser feitas com relação à doutrina de Karl Rahner. Seguramente isso se reflete numa Angelologia desacreditada. .. a partir de uma infundada oposição aos demônios e de um absoluto esquecimento da devida veneração aos santos anjos. O erro filosófico é. a ponto de um dos seus maiores intérpretes mostrar a ambiguidade e a periculosidade de sua doutrina. Tillich. Sem a graça e o auxílio do anjo da guarda o homem. especialmente aquelas aplicadas que se fundamentam em tais doutrinas filosóficas e que estudam o comportamento humano. através dos sistemas e das relações entre os homens. o mais grave. E nada mais perfeito do que se valer do que há de melhor dentre o que de melhor se escreveu sobre tais seres: Santo Tomás de Aquino – quem muito foi tentado contra a castidade e que a venceu. e se não a tivesse vencido com o auxílio do seu anjo da guarda que lhe infundiu a graça de Deus. Bultmann. como atuam em silêncio na origem do pecado pessoal. Em razão do exposto. sobremaneira. à simples negação da sua existência.. mitificada.