You are on page 1of 62

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Núcleo Universit rio Cont!"e# C$rso %e Ci&nci!

s Cont 'eis

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE ENTREPOSTO INDUSTRIAL COM CONTROLE INFORMATI(ADO PARA UMA IND)STRIA DE M*+UINAS DE CONSTRU,-O E AGRÍCOLA

Túlio C.s!r Silv! So!res

2

Contagem 2008

3

Túlio C.s!r Silv! So!res

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE ENTREPOSTO INDUSTRIAL COM CONTROLE INFORMATI(ADO PARA UMA IND)STRIA DE M*+UINAS DE CONSTRU,-O E AGRÍCOLA

Monografia apresentada ao curso de Ciências Contábeis da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais 2! semestre de 2008 como re"uisito parcial # obten$%o de bac&arelato em Ciências Contábeis' (rea de concentra$%o) Contabilidade *iscal e +ributária' ,rientador) Carlos -lberto de Carval&o .unior

Contagem 2008

4 .

5-2 -6-78-9:32) .-O /ome do aluno) +0lio C1sar 2ilva 2oares +ítulo) Re"i#e A%$!neiro Es0eci!l %e Entre0osto In%$stri!l so' Controle In1or#!ti2!%o 0!r! $#! In%ústri! %e M 3$in!s %e Constr$45o e A"r6col!7 Monografia apresentada # disciplina 3stágio 2upervisionado do curso de Ciências Contábeis da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais 2008' 432UM./C38+.) <<<<<<<< <<<<<<<< <<<<<<<< <<<<<<<< .' 5o professor orientador) 2' 5a apresenta$%o oral) =' M1dia final) C.5 FOL/A DE APROVA.

unior pela disponibilidade paciência e aten$%o na reali?a$%o deste trabal&o de pes"uisa' -os meus amigos da *iat 2ervices "ue colaboraram incentivaram e de alguma forma contribuíram para a reali?a$%o deste trabal&o' 3 *inalmente a min&a família pelo apoio e compreens%o' .AGRADECIMENTOS -grade$o primeiramente a 5eus por ter me a>udado a completar mais este desafio na camin&ada da min&a forma$%o profissional' -o meu grande amigo e orientador Professor Carlos -lberto de Carval&o .

.G -to 5eclaratório 3Aecutivo7777777777777777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4.= 3Atrato da 5eclara$%o de 8mporta$%o77777777777777777777777777777777777777777 *8GU4. 98 99 9< 9= 9> 9. Macro fluAo 43C. 9.5 LISTA DE FIGURAS *8GU4.8 *luAo 2istema de 8mporta$%o pelo 43C..2 *luAograma da Modalidade de 5raBbacC 2uspens%o 7777777777777777 *8GU4.E Custo 8mporta$%o sem 5raBbacC77777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4.* J .D *luAo 2istema 8mporta$%o /ormal7777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4. <? <: .* J Maio 777777777777777777777777777 *8GU4. @uadro 2inótico777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4.un&o 77777777777777777777777 *8GU4.F Custo 8mporta$%o com 5raBbacC77777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4...* 77777777777777777777777777777777 *8GU4.H 4esumo das importa$Ies pelo 43C.*777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777 *8GU4.0 4esumo das importa$Ies pelo 43C..2 Compara$%o dos regimes777777777777777777777777777777777777777777777777777777777 89 :9 :.

6 LISTA DE +UADROS @U-54. Premissas para utili?a$%o do 43C.*7777777777777777777777777777777777777777777777 <@ . .

pera$Ies de Com1rcio 3Aterior 58) 5eclara$%o de 8mporta$%o M-/+4-) 2istema 8ntegrado de Gerência do Manifesto do +rMnsito e do -rma?enamento P-32) Parcelamento 3special P-3L) Parcelamento 3Acepcional 43*82) Programa de 4ecupera$%o *iscal 4*K) 4eceita *ederal do Krasil 24*) 2ecretaria da 4eceita *ederal 23C3L) 2ecretaria de Com1rcio 3Aterior 232P4.7 LISTA DE SIGLAS -K/+) -ssocia$%o Krasileira de /ormas +1cnicas -53) -to 5eclaratório 3Aecutivo C+/) Código +ributário /acional 53C3L) 5epartamento de .M3L) 2istema 8ntegrado de Com1rcio 3Aterior .) 2ervi$o *ederal de Processamento de 5ados 282C.

......................................................................................................................1 $abilita !o para Operar o 5e6i#e......51 < AN*LISE DOS RESULTADOS7777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777<9 5.................................................................................................................oleta "e Da"os...................................................................................11.....................54 5.......................................a !o "o benefício...............25 2....................3 ............2+ 2...7...................................................................................3 ....................................................................................................................................................4..5 Deli#ita !o "o estu"o.........................................32 2............................23 2................................................7 Dra7bac8.......................................7.............................2/ 1.....37 4.1 1reve $ist%rico "a ..............................6................56 = CONCLUSBES77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777<A REFERCNCIAS77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777<.......................iste#a "e 4#porta !o pelo 5E..................55 5...................uspens!o.............uspens!o.27 2............................ontabili"a"e..............................7.................................................O:.................ele !o "os ..............1 ....O:............................... 1..7...ontabili"a"e &ribut2ria.6 5ecof..................................2 Dra7bac8 ........................................................17 1........................ujeitos...12 1.11....7................................+ SUMÁRIO @ INTRODU..............................iste#a "e 4#porta !o nor#al < Dra7bac8 .............................iste#a "e 4#porta !o 9or#al.....................6 0i#ita !o "o Estu"o...........4 ...4 Defini !o "os ter#os...uspens!o < 5E......................a !o "o 5E...................................13 1..............4 5e(uisitos para utili..............O:..................2...................................2/ 8 REFERENCIAL TEÓRICO77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777788 2............34 : /ISTÓRICO DA EMPRESA7777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777:< 9 DESENVOLVIMENTO7777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777:A 4.....-O77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777....................1 Esp3cie "e &ributos.........17 1.....6......o#pro#isso para $abilita !o "a E#presa 4n"ustrial..........................5 &rata#ento "os Da"os........................1 &ipo "e 'es(uisa............................43 4............2 .........................................a !o "o 5E.....................6 $ip%tese.......+ Dra7bac8 ..........................2 ............... .......................................2 Objetivos Específicos...............................................O:...............................1 .......................46 4.12 1.....................................1+ 1........................................................................................................................................................................................................5 4#posto....................................................................3 'laneja#ento &ribut2rio................22.....2+ 2.......................................31 2.....2 5esulta"o "o Gan=o :inanceiro co# a utili....................................................2..........22 2....1 Objetivo Geral...........3 Gan=o 0o6ístico co# a utili......11 1..........................3 Justificativa.....................................................................................4 &ributo........................................2 )niverso e *#ostra......7.......17 1..3/ 2..........................................................................................................................................................................................

*O foi instituído pela 8nstru$%o /ormativa 2*4JD.G 20'0D'200D' . mecanismo funciona como um incentivo #s eAporta$Ies pois redu? os custos de produtos eAportáveis internacional' -tualmente vivemos em cenário muito competitivo e para mel&orar o resultado da empresa n%o 1 possível simplesmente aumentar o pre$o dos produtos' Para tanto buscamJse alternativas no plane>amento tributário como uma forma de mel&orar a performance econQmica e financeira das entidades tornando possível se produ?ir com "ualidade sem "ue se eleve o pre$o dos produtos' .tributa$%o se verifica após o faturamento do produto industriali?ado' .- @ INTRODU.*8/2O "ue ser%o submetidas a opera$%o de industriali?a$%o de produtos destinados a eAporta$%o' -s mercadorias admitidas pelo regime especial após serem industriali?adas ser%o comerciali?adas' 3m fun$%o do destino final das mercadorias podemos di?er "ue) J 6enda ao Mercado 3Aterno) .-O 3ste trabal&o tem como ob>etivo estudar o regime aduaneiro especial de entreposto industrial com controle informati?ado N43C.*O "ue permite #s empresas importar ou ad"uirir mercadorias no mercado interno para serem empregadas em seu processo produtivo com suspens%o do pagamento do 8mposto de 8mporta$%o N88O 8mposto sobre Produtos 8ndustriali?ados N8P8O Contribui$Ies para o Programa de 8ntegra$%o 2ocial P P82 e para o Programa de *orma$%o do PatrimQnio do 2ervidor P0blico P P-23P NP82RP-23PO e a Contribui$%o para o *inanciamento da 2eguridade 2ocial NC. regime aduaneiro especial de entreposto industrial com controle informati?ado N43C.suspens%o se converte em isen$%oS J 6enda ao Mercado 8nterno) .s profissionais de Contabilidade desempen&am papel fundamental nas organi?a$Ies desenvolvendo pro>etos de redu$%o de custos associados a pro>etos de plane>amento fiscal e tributário proporcionando um diferencial para a"ueles "ue "uerem se manter no mercado' /este sentido grandes empresas dedicamJse cada tornandoJos mais competitivos no mercado de .

escol&a deste tema se deu pelo fato de "ue o plane>amento fiscal e tributário 1 de grande importMncia no campo da gest%o administrativa' -o escol&er o 43C.1/ ve? mais a esses estudos de possibilidades como ferramenta de gest%o primordiais para manuten$%o de seus ativos' .* como ob>eto do estudo foram analisados os possíveis gan&os "ue a -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tda vem tendo adotando a esse regime especial' .

1 Objetivo Geral 6erificar "uais os benefícios "ue a empresa vem usufruindo na utili?a$%o do regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C. 43C.*O para ind0stria automotiva' .T-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tdaU 1 uma empresa "ue atua no segmento industrial na atividade de fabrica$%o de má"uinas e comerciali?a$%o de pe$as' .2. seu uso concomitantemente a outro incentivo oferecido pelo governo denominado 5raBbacCS 4edu$%o de interven$%o nas áreas alfandegáriasS +ra?er benefícios financeiros e logísticosS .empresa estudada vem tendo o gan&o financeiro e logístico esperadoV @72 Objetivos 1.11 @71 O problema .* 1 um incentivo fiscal "ue tem como características principais) • • • .

*O para uma ind0stria automotiva' 5emonstrar as conse"Wências caso o produto final n%o se>a eAportado' 5emonstrar "ual benefício obtido na utili?a$%o do regime' @73 Justificativa 5evido ao atual cenário econQmico a necessidade de venda para o mercado eAterno 1 uma grande oportunidade para as empresas locali?ados os maiores clientes' Com o ob>etivo de proporcionar aos fabricantes nacionais a oportunidade de inserirJse nesse mercado t%o competitivo o governo brasileiro criou o regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado para ind0stria instituído pela 8nstru$%o /ormativa 2*4JD.12 1.G de 20'0D'200D "ue permite a empresa importar ou ad"uirir no mercado interno com suspens%o da eAigibilidade de tributos mercadorias a serem submetidas a opera$Ies de industriali?a$%o de produtos destinados a eAporta$%o' 3ssa instru$%o normativa tem como ob>etivo incentivar as empresas a reverem seus plane>amentos de venda proporcionando uma nova oportunidade de crescimento e desenvolvimento e criar uma carteira de clientes no mercado eAterno visto "ue o ob>etivo do regime aduaneiro especial 1 redu$%o nos custos dos produtos vendidos ao eAterior possibilitando ao eAportador brasileiro competir em igualdade de condi$Ies com seus similares em outros países' 3ste estudo 1 de grande importMncia para o crescimento profissional do aluno visto "ue demonstra o lado do plane>amento estrat1gico da empresa' Para a empresa estudada este trabal&o servirá para demonstrar se o regime vem sendo seguido como determina a legisla$%o e tamb1m verificar se realmente a empresa vem tendo benefícios com a ado$%o do regime aduaneiro especial' pois 1 onde est%o .2 Objetivos Específicos 3studar a legisla$%o do regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.2.

13 3 para a ciência poderá servir como referência para novos estudos' @74 Definição os termos Entre0osto In%$stri!l co# o Controle In1or#!ti2!%o RECOF . 4egime -duaneiro 3special de 3ntreposto 8ndustrial sob Controle 8nformati?ado P 43C.* 1 um regime "ue permite importar ou ad"uirir no mercado interno com suspens%o de tributos N88 8P8 P82 CofinsO mercadorias a serem submetidas a opera$%o de industriali?a$%o de produtos destinados a eAporta$%o' N8nstru$%o /ormativa 24* nX D.HHGO .G 200DO Incoter#s .H=F "uando a CMmara 8nternacional de Com1rcio com sede em Paris resolveu editar um livreto consolidando e interpretando as várias fórmulas contratuais "ue vin&am a muito tempo sendo utili?adas pelos comerciantes internacionais' N4-++8S .s 8/C.+34M2 surgiram em . propósito do 8ncoterms 1 fornecer um con>unto de regras internacionais para a interpreta$%o dos termos de com1rcio mais comumente usados no com1rcio eAterior' -ssim as incerte?as de diferentes interpreta$Ies de tais termos em países diferentes podem ser evitadas ou pelo menos redu?idas a um grau considerável' NK8Y3778S 2000O .

S 200GS p' GO .S 200GS p' HO +rataJse de modalidade caracteri?ada por se vincular a compromisso futuro de eAporta$%o implicando por isto ser pleiteada anteriormente # ocorrência da importa$%o da produ$%o e da eAporta$%o do bem no "ual ser%o aplicados os insumos com essa finalidade importados' Por conseguinte o insumo assim .*8/2 n%o s%o devidos Nou ficam suspensosO at1 "ue se>a comprovada a eAporta$%o do produto final' NG../+8. 5raBbacC 1 o regime especial de tributa$%o instituído pelo 5ecretoJlei nX =G de 2./+8.HFF "ue consiste na suspens%o ou elimina$%o de tributos incidentes sobre mat1riasJprimas e insumos importados para utili?a$%o na fabrica$%o de produtos a serem eAportados' NG.corre a 2uspens%o por"ue o 8P8 N8mposto sobre Produtos 8ndustriali?adosO o 8mposto de 8mporta$%o o P82RP-23P e a C. draBbacC 1 um incentivo # eAporta$%o "ue permite ao fabricante ou produtor importar insumos desonerados de impostos "uando destinados a compor produtos a eAportar ou mesmo eAportados' NG-4C8-S 200GS p' .D0O' Dr!D'!cE S$s0ens5o 3ssa modalidade de 5raBbacC caracteri?aJse pelo desembara$o aduaneiro de mat1riasJprimas insumos embalagens partes e pe$as com suspens%o de tributos por se tratarem de itens "ue ser%o utili?ados na fabrica$%o de produtos destinados # eAporta$%o' . de novembro de .14 Incentivo Fisc!l Z a redu$%o ou elimina$%o direta ou indireta do Qnus tributário oriundo de lei ou norma específica' NPortal +ributário disponível em &ttp)RRBBB'portaltributario'com'brRtributarioRincentivofiscal'&tm 2008O Dr!D'!cE ..

88 P 8mposto de 8mporta$%o 1 aplicável em alí"uotas diferenciadas conforme o produto incidindo sobre o valor C8* da importa$%o P independentemente da condi$%o de venda negociada P ou sobre o valor aduaneiro calculado' . e ./+8. 88 será pago mediante d1bito automático na contaJcorrente bancária indicada pelo importador no momento do registro da 58 P 5eclara$%o de 8mporta$%o no 282C.M3L' NC-2+4. 8mposto sobre Produtos 8ndustriali?ados 1 de competência da Uni%o *ederal 1 seletivo e segue ao princípio da n%oJcumulatividade ou se>a o imposto pago na a"uisi$%o de mat1riasJprimas insumos e embalagens pode ser compensado com o "ue for devido na saída de mercadorias' 5essa forma a empresa pode registrar cr1ditos tributários correspondentes ao imposto pago nas a"uisi$Ies os "uais ser%o compensados "uando a empresa reali?ar opera$Ies tributadas' +al sistemática 1 con&ecida como Tsistema de d1bito e cr1ditoU uma ve? "ue apropriaJse cr1ditos pelas a"uisi$Ies e d1bitos em fun$%o das vendas tributadas' .S 200GS p' . valor do imposto a ser efetivamente recol&ido pela empresa resulta pois do confronto desses montantes' NG.=GO' I#0osto so're Pro%$tos In%$stri!li2!%os FIPIG .D2O' I#0osto %e I#0ort!45o FIIG .15 importado deverá participar da produ$%o da mercadoria a ser eAportada' NG-4C8-S 200GS p' .D.O .. 2000S p' .

HH8 a C..S 200GS p' =O ..E de de?embro de .HG0 e a contribui$%o para o Programa de *orma$%o do PatrimQnio do 2ervidor P0blico foi criada pela 7ei Complementar nX 8 de = de de?embro de .Constitui$%o *ederal de .*8/2 passou a alcan$ar tamb1m as demais receitas auferidas pelas empresas dispositivo incorporado # Constitui$%o *ederal atrav1s da 3menda Constitucional nX 20 de ./+8.8R.HHH por for$a dos dispositivos da 7ei nX H'G.partir de fevereiro de .*8/2 incidia apenas sobre o faturamento das pessoas >urídicas considerado como tal a receita bruta das vendas de mercadorias e de servi$os de "ual"uer nature?a em conformidade com o disposto na reda$%o original do art' .HG0' .16 PISHPASEP FContri'$i4Ies 0!r! o Pro"r!#! %e Inte"r!45o Soci!l J PIS e 0!r! o Pro"r!#! %e For#!45o %o P!tri#Knio %o Servi%or Pú'lico L PASEPG7 .HH8' NG.S 200GS p' DO Contri'$i45o 0!r! o Fin!nci!#ento %! Se"$ri%!%e Soci!l J COFINS -s pessoas >urídicas em geral inclusive as empresas individuais a elas e"uiparadas pela legisla$%o do 8mposto de 4enda est%o su>eitas # Contribui$%o para *inanciamento da 2eguridade 2ocial P C./+8.HE da Constitui$%o *ederal' .*8/2' 8nicialmente a C.contribui$%o para o Programa de 8ntegra$%o 2ocial foi criada pela 7ei Complementar nX G de G de setembro de .H88 recepcionou essas contribui$Ies Nart' 2=H C*R88O determinando "ue passassem a financiar o programa do seguroJdesemprego e um abono anual correspondente a um salárioJmínimo para os empregados "ue percebam de empregadores "ue contribuem para o P82RP-23P at1 dois salários mínimos de remunera$%o mensal' -l1m disso dos recursos arrecadados com essas contribui$Ies pelo menos D0[ ser%o destinados a financiar programas de desenvolvimento econQmico atrav1s do Kanco /acional de 5esenvolvimento 3conQmico e 2ocial P K/532' NG.

17 @7< Deli#it!45o %o est$%o .empresa tem um maior custo com pessoal por"ue tem "ue destinar Rcontratar pessoas para fa?er um controle rígido das importa$Ies "ue utili?am o 4ecof tal controle 1 necessário pois se algum produto "ue foi ad"uirido pelo regime aduaneiro especial n%o foi destinado ao mercado eAterno deverá ser tributados com >uros e multas' .un&o de 2008' @7= /i0Mtese .200G p'DFO' .pes"uisa obedece a dois crit1rios básicos)  "uanto aos fins  "uanto aos meios . leitor deve ser informado sobre o tipo de pes"uisa "ue será reali?ada sua conceitua$%o e >ustificativa # lu? da investiga$%o especificaU' N634G-4.s benefícios eAistem por"ue a empresa obt1m gan&os financeiros e logísticos com a utili?a$%o deste regime aduaneiro especial' @7! "eto olo#ia 1. estudo proposto consiste no levantamento das importa$Ies reali?adas "ue compreende o período de Maio e .1 $ipo e %es&uisa T.!.

pes"uisa descritiva eApIe características de determinada popula$%o ou de determinado fenQmeno' Pode tamb1m estabelecer correla$Ies entre variáveis e definir sua nature?a' /%o tem compromisso de eAplicar os fenQmenos "ue descreve embora sirva de base para tal eAplica$%o' N634G-4.200G p'DHO 1.200G p'DGO' .pes"uisa pode ser documental "uando T8nvestiga$%o documental 1 reali?ada em documentos conservados no interior de órg%os p0blicos e privados de "ual"uer nature?a \''']U' N634G-4.200G p'D8O' Pode tamb1m ser bibliográfica) TPes"uisa bibliográfica 1 o estudo sistemati?ado desenvolvido com base em material publicado em livros revistas >ornais redes eletrQnicas isto 1 material acessível ao p0blico em geral'U N634G-4200G p'D8O' +amb1m pode se apresentar como estudo de caso) T1 o circunscrito a uma ou poucas unidades entendidas estas como pessoa família produto empresa órg%o p0blico comunidade ou mesmo paísU' N634G-4.!. universo 1 a área de contabilidade com1rcio eAterior e o departamento de plane>amento tributário da empresa "ue s%o os departamentos diretamente . 2002 p'G=O .2 'niverso e (mostra .ndeV ComoV 5escrevemJse ainda as dificuldades as preocupa$Ies a supervis%o e o controle e registro dos dados' NC346.pes"uisa "uanto aos meios eRou procedimentos pela "ual se condu? 1 estudo de caso bibliográfica e documental da empresa -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tda' .pes"uisa descritiva fa? a descri$%o detal&ada de todos os passos da coleta e registro dos dados' @uemV @uandoV .1+ @uanto aos fins a pes"uisa se en"uadra como descritiva' +em como ob>etivo verificar se o controle de mat1riasJprimas e insumos importados pelo regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado está de acordo com a legisla$%o' .

200G p'E0O' 1.á a amostra foram os relatórios de impostos suspensos a fim de se verificar como vendo sendo utili?ado o 43C. pes"uisador deve informar ao leitor como se pretende obter os dados "ue precisa para responder ao problema' .4 *oleta e Da os 2egundo 6ergara N200GO .1- envolvidos na eAecu$%o desse tipo de trabal&o e tamb1m servem como instrumento de gera$%o de informa$%o para a tomada de decis%o dentro da empresa' .!.s dados referentes # eAecu$%o deste pro>eto foram obtidos por meio de pes"uisa documental nos ar"uivos da empresa e em estudo no seu controle de mat1riasJprimas e insumos importados pelo regime de tributa$%o draBbacC assim como o auAílio de planil&as e no sistema de controle' .!.200G p' E=O' .s su>eitos de pes"uisa foram os analistas contábeis e os analistas de com1rcio eAterior' 1.* na empresa -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tda' +rataJse de definir toda a popula$%o e a popula$%o amostral' 3ntendaJse a"ui por popula$%o n%o o n0mero de &abitantes de um local como 1 largamente con&ecido o termo mas um con>unto de elementos Nempresas produtos pessoas por eAemploO "ue possuam as características "ue ser%o ob>eto de estudo' Popula$%o amostral ou amostra 1 uma parte do universo Npopula$%oO escol&ida segundo algum crit1rio de representatividade' N634G-4.3 )eleção os )ujeitos 2u>eitos da pes"uisa s%o as pessoas "ue fornecer%o os dados de "ue você necessita' ^s ve?es confundeJse com Uuniverso e amostraU "uando estes est%o relacionados com pessoas' N634G-4.

2/

*oi recorrido tamb1m # pes"uisa bibliográfica com o ob>etivo de obter subsídios para se tradu?ir em teoria toda # situa$%o da aplica$%o do processo de garantia da empresa analisada'

1.!.+ $ratamento os Da os

2egundo 6ergara N200GO tratamento dos dados refereJse #"uela se$%o na "ual se eAplicita para o leitor como se pretende tratar os dados a coletar >ustificando por "ue tal tratamento 1 ade"uado aos propósitos do pro>eto' ,b>etivos ser%o alcan$ados com a coleta o tratamento e posteriormente com a interpreta$%o dos dadosS portanto n%o se deve es"uecer de fa?er a correla$%o entre ob>etivos e formas de atingiJlos' 6erificar "uais os benefícios "ue a utili?a$%o do regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C,*O para ind0strias vem tra?endo # empresa al1m de demonstrar os procedimentos seguidos por ela para usufruir dos benefícios oferecidos atrav1s deste sistema'

1.!., -imitação o Estu o

Conforme cita 6ergara N200GO todo m1todo tem possibilidades e limita$Ies' Z saudável anteciparJse #s criticas "ue o leitor poderá fa?er ao trabal&o eAplicando "uais as limita$Ies "ue o m1todo escol&ido oferece mas "ue ainda assim o >ustificam como o mais ade"uado aos propósitos da investiga$%o' - metodologia escol&ida para a pes"uisa apresentam as seguintes dificuldades e limita$Ies "uanto # coleta e ao tratamento dos dados)  - n%o atuali?a$%o do acervo disponível ao pes"uisadorS  8nforma$Ies limitadas por parte da empresa pes"uisadaS

21

 Proibi$%o de divulga$%o de certas informa$IesS  Mudan$a no "uadro de gerência da empresa'

22

8 REFERENCIAL TEÓRICO

87@ Nreve /istMrico

a *ontabili a e

5e acordo com 2á N;HHGO a contabilidade nasceu com a civili?a$%o e >amais deiAará de eAistir em decorrência delaS talve? por isso seus progressos "uase sempre ten&am coincidido com a"ueles "ue caracteri?aram os da própria evolu$%o do ser &umano' Como ciência social atada aos interesses do &omem pelos cuidados "ue dedica # ri"ue?a viveu nosso con&ecimento "uase todo o tempo em sua periferia ou se>a da evidência das memórias das provas da singela informa$%o' , conceito de contabilidade tem evoluído acompan&ando as mudan$as decorrentes do desenvolvimento dos negócios das empresas e da globali?a$%o da economia' , professor *rancisco 5_-uria no livro Contabilidade) no$Ies preliminares' ;=' 3d' 2%o Paulo) /acional ;HEG p' FH nos dá notícia da primeira defini$%o oficial de contabilidade aprovada no Krasil "ue se transcreve em &omenagem a seu valor &istórico)
, 8 Congresso Krasileiro de Contabilidade reali?ado em setembro de ;H2D aprovou a seguinte defini$%o) Contabilidade 1 a ciência "ue estuda e pratica as fun$Ies de orienta$%o controle e registro relativo aos atos e fatos da administra$%o econQmica' N*-K43++8S 200=S p' =0O

-pesar do tempo decorrido e das grandes transforma$Ies políticas sociais e econQmicas verificadas desde ent%o podeJse di?er sem medo de errar "ue em sua essência a defini$%o continua válida' Para fins didáticos e tomando por base a primeira defini$%o oficial e acrescentando alguns elementos o autor define)
Contabilidade 1 a ciência "ue estuda registra e controla o patrimQnio e as mudan$as "ue nele operam os atos e fatos administrativos demonstrando

resultado apurado deve ser economicamente eAato' 3ntretanto a legisla$%o tributária fre"uentemente atropela os resultados econQmicos para por imposi$%o legal adaptáJlos a suas eAigências e darJ l&es outro valor Nresultado fiscalO "ue nada tem a ver com o resultado contábil' N*-K43++8S 200=S p' 2HO' .2RFFO em seu art' HF di?) -rt' HF' .Contabilidade 1 o instrumento "ue fornece o máAimo de informa$Ies 0teis para a tomada de decisIes dentro e fora da empresa' 3la 1 muito antiga e sempre eAistiu para auAiliar as pessoas a tomarem decisIes' Com o passar do tempo o governo come$a a utili?arJse dela para arrecadar impostos e a torna obrigatória para a maioria das empresas' 4essaltamos entretanto "ue a Contabilidade n%o deve ser feita visando basicamente atender #s eAigências do governo mas o "ue 1 muito mais importante auAiliar as pessoas a tomarem decisIes' +odas as movimenta$Ies possíveis de mensura$%o monetária s%o registradas pela contabilidade "ue em seguida resume os dados registrados em forma de relatórios e os entrega aos interessados em con&ecer a situa$%o da empresa' 3sses interessados atrav1s de relatórios contábeis recordam os fatos acontecidos analisam os resultados obtidos as causas "ue levaram #"ueles resultados e tomam decisIes em rela$%o ao futuro' NM-48.2RFFS art' HFO' 5e acordo com *abretti N200=O) Z o ramo da contabilidade "ue tem por ob>etivo aplicar na prática conceitos princípios e normas básicas da contabilidade e da legisla$%o tributária de forma simultMnea e ade"uada' Como ramo da contabilidade deve demonstrar a situa$%o do patrimQnio e o resultado do eAercício de forma clara e precisa rigorosamente de acordo com os conceitos princípios e normas básicas de contabilidade' ./S 200DS p' 2FO 878 Cont!'ili%!%e Tri'$t ri! .eApress%o legisla$%o tributária compreende as leis os tratados e conven$Ies internacionais os decretos e as normas complementares "ue versem no todo ou em parte sobre tributos e rela$Ies >urídicas a eles pertinentes' NC+/ 7ei nX E'G.23 no final de cada eAercício social o resultado obtido e a situa$%o econQmicoJ financeira da entidade' N*-K43++8S 200=S p' =0O' Conforme cita Marion N200DO) . conceito dado pelo C+/ N7ei nX E'G.

ob>eto da contabilidade tributária 1 apurar com eAatid%o o resultado econQmico do eAercício social demonstrandoJo de forma clara e sint1tica para em seguida atender de forma eAtraJcontábil as eAigências das legisla$Ies do 84P.24 -inda segundo *abretti N200=O) . P @uadro 2inótico *onte) Contabilidade +ributária 200= .contabilidade tributária consiste basicamente em) aO ade"uado plane>amento tributário N"ue eAige con&ecimento da legisla$%o tributáriaOS bO relatórios contábeis efica?es "ue demonstrem a eAata situa$%o das contas do patrimQnio e do resultado N"ue eAige con&ecimento de contabilidadeO' *igura .O' . e da Contribui$%o 2ocial sobre o 7ucro determinando a base de cálculo fiscal para forma$%o das provisIes destinadas ao pagamento desses tributos as "uais ser%o abatidas do resultado econQmico NcontábilO para determina$%o do lucro lí"uido # disposi$%o dos acionistas sócios ou titular de firma individual' N*-K43++8S 200=S p' =.

rio -tualmente a despeito da grande importMncia de todas as supracitadas atribui$Ies o contador tem principalmente nas atividades de plane>amento tributário a grande oportunidade de dar enormes contribui$Ies # alta dire$%o da empresa' 5iscuteJse a urgente mudan$a de nosso sistema tributário e a ado$%o de novos mecanismos para simplifica$%o das rotinas tributárias' 3n"uanto isso n%o ocorre as empresas necessitam cada ve? mais de um plane>amento tributário criterioso e criativo "ue possa resguardar seus direitos de contribuinte e ao mesmo tempo proteger seu patrimQnio' 4edu$%o de custos 1 uma estrat1gia "ue muito se ouve nos dias atuais em todo o mundo globali?ado' 2em d0vida para obter o mel&or resultado numa economia t%o instável como a brasileira um dos mais significativos instrumentos de "ue dispIem as empresas para "ue possam racionali?ar seus custos tributários sem afrontar as diversas legisla$Ies "ue regem os mais diversificados tributos 1 o plane>amento tributário em todas as fases da cadeia de valores do ciclo produtivo e comercial' .3 %lanejamento $ribut. estudo feito preventivamente ou se>a antes da reali?a$%o do fato administrativo pes"uisandoJse seus efeitos >urídicos e econQmicos e as alternativas legais menos onerosas denominaJse plane>amento tributário' `á alternativas legais válidas para grandes empresas mas "ue s%o inviáveis para as m1dias e pe"uenas dado o custo "ue as opera$Ies necessárias para eAecu$%o desse plane>amento podem eAigir' -nalisandoJse as alternativas e as lacunas Nbrec&asO eAistentes na legisla$%o verificaJse "ue atrav1s dos anos o fisco vem eliminandoJas por sucessivas altera$Ies da lei' N*-K43++8S 200=S p' =2O' Yanluca N2008O cita) Z de notório con&ecimento "ue o nível de tributa$%o sobre as empresas e pessoas físicas no Krasil 1 absurdo c&egando a inviabili?ar certos negócios' 3mpresas "uebram com elevadas dívidas fiscais e nem as recentes Trenegocia$IesU como 43*82 P-32 e P-3L trouAeram alguma tran"Wilidade ao contribuinte' 2e o contribuinte pretende diminuir os seus encargos tributários poderá fa?êJlo legal ou ilegalmente' .maneira legal .25 2.

786384.e outrosS 200=S p' =GO .26 c&amaJse elis%o fiscal ou economia legal Nplane>amento tributárioO e a forma ilegal denominaJse sonega$%o fiscal' .M8/GU32S 2008O' . contribuinte tem o direito de estruturar o seu negócio da maneira "ue mel&or l&e pare$a procurando a diminui$%o dos custos de seu empreendimento inclusive dos impostos' 2e a forma celebrada 1 >urídica e lícita a fa?enda p0blica deve respeitáJla' NY-/7UC-S 2008O' 5omingues N2008O conceitua o plane>amento tributário como sendo) 3m nosso entendimento o plane>amento tributário consiste em um con>unto de medidas contínuas "ue visam a economia de tributos de forma legal levandoJse em conta as possíveis mudan$as rápidas e efica?es na &ipótese do fisco alterar as regras fiscais' @uando se trabal&a o plane>amento tributário buscaJse atrav1s da a$%o do contador ou em con>unto com profissional da área >urídica promover menor impacto no fluAo de caiAa da empresa' -s grandes empresas >á contemplam &o>e em sua estrutura organi?acional um Comitê de Plane>amento +ributário constituído por pessoas de várias forma$Ies e segmentos para tratar especificamente desse grande pro>eto' N5. plane>amento tributário 1 um con>unto de sistemas legais "ue visam diminuir o pagamento de tributos' .e outrosS 200=S p' =FO 5essa maneira tornaJse claro o entendimento de "ue o plane>amento tributário 1 o estudo das alternativas lícitas de formali?a$%o >urídica de determinada opera$%o antes da ocorrência do fato gerador para "ue o contribuinte possa optar pela "ue apresente o menor Qnus tributário' N.786384.liveira e outros N200=O conceituam plane>amento tributário como) 3ntendeJse por plane>amento tributário uma forma lícita de redu?ir a carga fiscal o "ue eAige alta dose de con&ecimento t1cnico e bomJsenso dos responsáveis pelas decisIes estrat1gicas no ambiente corporativo' +rataJse do estudo pr1vio # concreti?a$%o dos fatos administrativos dos efeitos >urídicos fiscais e econQmicos de determinada decis%o gerencial com o ob>etivo de encontrar a alternativa legal menos onerosa para o contribuinte' N.

*isco só pode agir na forma e nos estritos limites fiAados em lei sem o "ue &averá abuso ou desvio de poder' 5ispIe o C+/) -rt' D! .27 2.nature?a >urídica do tributo 1 determinada pelo fato gerador da respectiva obriga$%o sendo irrelevantes para "ualificáJla) 8 P a denomina$%o e demais características formais adotadas pela leiS 88 P a destina$%o legal do produto da sua arrecada$%o' .liveira e outros N200=O conceituam tributo como) Para mel&or entendimento sobre a defini$%o de tributo 1 possível decompor sua defini$%o nas seguintes características) J presta$%o pecuniária) significa "ue o tributo deve ser pago em unidades de moeda corrente ineAistindo o pagamento in natura ou in labore ou se>a o "ue 1 pago em bens ou em trabal&o ou presta$%o de servi$oS J compulsória) obriga$%o independente da vontade do contribuinteS em moeda ou cu>o valor se possa eAprimir) as penalidades pecuniárias ou multas n%o se incluem no conceito de tributoS assim o pagamento de tributo n%o decorre de infra$%o de determinada norma ou descumprimento da leiS J instituída em lei) só eAiste a obriga$%o de pagar o tributo se uma norma >urídica com for$a de lei estabelecer essa obriga$%oS cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada) a autoridade n%o possui liberdade para escol&er a mel&or oportunidade de . C+/ estabelece T"ue n%o constitua san$%o por ato ilícitoU pois nesse caso o pagamento compulsório refereJse # multa por infra$%o fiscal e n%o a tributo' 5ispIe ainda "ue o tributo só pode ser eAigido por lei Nprincípio da legalidade art' .E0 8 da C*O e cobrado mediante atividade administrativa plenamente vinculada' .4 $ributo . C+/ define tributo em seus arts' =X a EX) -rt' =! +ributo 1 toda presta$%o pecuniária compulsória em moeda ou cu>o valor nela se possa eAprimir "ue n%o constitua san$%o por ato ilícito instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada' -nalisando esse artigo podeJse resumir o conceito de tributo afirmando "ue 1 sempre um pagamento compulsório em moeda forma normal de eAtin$%o da obriga$%o tributária' .

786384.J22O 2.e outrosS 200=S p' 2.liveira e outros N200=O citam) -s taAas e contribui$Ies de mel&oria têm pouco significado tanto no "ue se refere ao montante arrecadado como ao impacto causado no contribuinte' .786384.e outrosS 200=S p' 2.F do C+/) -rt' .0O' +rataJse da esp1cie denominada 8MP.F' 8mposto 1 o tributo cu>a obriga$%o tem por fato gerador uma situa$%o independentemente de "ual"uer atividade específica relativa ao contribuinte' .2+.2+ cobrar tributoS a lei >á estabelece todos os passos a serem seguidos' N. definida no art' .J22O' 87+ 0mposto Z a"uele "ue uma ve? instituído por lei 1 devido independentemente de "ual"uer atividade estatal em rela$%o ao contribuinte' Portanto n%o está vinculado a nen&uma presta$%o específica do 3stado ao su>eito passivo' N*-K43++8S 200F p' .1 Esp/cie e $ributos /o "ue se refere #s esp1cies de tributos o 2istema +ributário /acional está estruturado de forma a permitir ao 3stado a cobran$a de) • • • 8mpostos) "ue decorrem de situa$%o geradora independente de "ual"uer contrapresta$%o do 3stado em favor do contribuinteS +aAas) "ue est%o vinculadas # utili?a$%o efetiva ou potencial por parte do contribuinte de servi$os p0blicos específicos e divisíveisS Contribui$Ies da mel&oria) "ue s%o cobradas "uando do benefício tra?ido aos contribuintes por obras p0blicas' Conforme .4.á os impostos representam de fato o instrumento do "ual o 3stado dispIe tanto para angariar recursos para gerir a -dministra$%o P0blica e permitir investimentos em obras p0blicas como para direcionar o comportamento da economia' N..

o -s opera$Ies de industriali?a$%o a "ue se refere o c!0$t limitamJse #s modalidades de) 8 J montagem de produtos relacionados no -neAo 8 por seus códigos na /omenclatura Comum do Mercosul N/CMO em nível de oito dígitos das ind0strias) aO aeronáutica N4ecof -eronáuticoOS bO automotiva N4ecof -utomotivoOS cO de informática ou de telecomunica$Ies N4ecof 8nformáticaOS e dO de semicondutores e de componentes de alta tecnologia para informática e telecomunica$Ies N4ecof 2emicondutoresOS 88 J transforma$%o beneficiamento e montagem de partes e pe$as utili?adas na montagem dos produtos referidos no inciso 8S e 888 J acondicionamento e reacondicionamento de partes e pe$as a serem comerciali?adas no mesmo estado em "ue foram importadas' a 2o -s mercadorias referidas no c!0$t dever%o destinarJse a produtos da lin&a de fabrica$%o do beneficiário' a =o -s opera$Ies de montagem referidas nos incisos 8 e 88 do a . sistema deverá incluir relatório de apura$%o mensal das mercadorias' NK8Y3778 e K-4K. regime permite importar ou ad"uirir no mercado interno com suspens%o da eAigibilidade de tributos mercadorias a serem submetidas a opera$Ies de industriali?a$%o de produtos destinados a eAporta$%o' a .* permite importar com ou sem cobertura cambial com suspens%o do pagamento do 8mposto de 8mporta$%o P 88 e do 8P8 mercadorias definidas pela 24* a serem submetidas a opera$Ies de industriali?a$%o de produtos destinados # eAporta$%o ou # venda no mercado interno' -s opera$Ies de industriali?a$%o limitamJse #s modalidades de transforma$%o beneficiamento e montagem' .2- 87.EFO .EEJ. o poder%o ser reali?adas total ou parcialmente por encomenda do beneficiário a terceiro &abilitado ou n%o ao regime' a Do Poder%o tamb1m ser admitidos no regime) 8 J produtos relacionados no -neAo 8 para serem) aO submetidos a testes de performance resistência ou funcionamentoS ou bO utili?ados no desenvolvimento de outros produtosS 88 J produtos estrangeiros usados para serem submetidos a opera$Ies de renova$%o recondicionamento manuten$%o ou reparo na &ipótese de) aO motores e transmissIesS ou .* ser%o efetuados de forma individuali?ada por estabelecimento importador da empresa &abilitada mediante processo informati?ado com base em softBare desenvolvido pelo beneficiário "ue possibilite a interliga$%o com os sistemas de controle da 24*' .2-S 2000S p' . 1ecof 5e acordo com Ki?elli e Karbosa N2000O) . controle aduaneiro da entrada da permanência e da saída de mercadorias no 43C.G de 20 de abril de 200D prevê) Art7 8o . 4egime -duaneiro 3special de 3ntreposto 8ndustrial sob Controle 8nformati?ado P 43C.8nstru$%o /ormativa 24* n!' D.

.o .aplica$%o do regime depende de pr1via &abilita$%o da empresa industrial interessada na 2ecretaria da 4eceita *ederal N24*O' a .3/ bO produtos da ind0stria aeronáuticaS 888 J mercadorias a serem utili?adas nas opera$Ies descritas nos incisos 8 e 88 deste parágrafoS e 86 J produtos da ind0stria aeronáutica relacionados no -neAo 8 usados para desmontagem e posterior eAporta$%o ou reeAporta$%o' Art7 :o -s importa$Ies referidas no art' 2 o poder%o ser efetuadas com ou sem cobertura cambial' NK4-287 200DO 2.G N200DO nos artigos DX e EX prevêem) 4e"uisitos e Condi$Ies para a `abilita$%o -rt' Do .1 2abilitação para Operar o 1e#ime . disposto neste artigo tamb1m se aplica # empresa eAclusivamente prestadora de servi$os de reparo e manuten$%o de aeronaves e de e"uipamentos e instrumentos de uso aeronáutico' -rt' Eo Para a &abilita$%o de "ue trata o art' Do a empresa deverá) 8 J preenc&er os re"uisitos eAigidos para o fornecimento de certid%o negativa ou de certid%o positiva com efeitos de negativa de d1bitos relativos a tributos e contribui$Ies administrados pela 24*S 88 J possuir patrimQnio lí"uido igual ou superior a 4b 2E'000'000 00 Nvinte e cinco de mil&Ies de reaisOS 888 J dispor de sistema informati?ado de controle de entrada permanência e saída de mercadorias de registro e apura$%o de cr1ditos tributários devidos eAtintos ou com eAigibilidade suspensa integrado aos sistemas corporativos da empresa no País com livre e permanente acesso da 24*S e 86 J possuir autori?a$%o para eAercício da atividade eApedida pela autoridade aeronáutica competente se for o caso' a . sistema referido no inciso 888 deverá individuali?ar as opera$Ies de cada estabelecimento indicado pela empresa &abilitada bem assim de seus fornecedores coJ&abilitados na forma do art' Go' . montante referido no inciso 88 deverá representar a situa$%o patrimonial da empresa no 0ltimo dia do mês anterior #"uele em "ue for protocoli?ado o pedido de &abilita$%o' a 2o .8nstru$%o /ormativa 24* nX' D.o Poderá &abilitarJse a operar o regime a empresa industrial) 8 J fabricante de produtos relacionados no -neAo 8S ou 88 J fabricante de partes e pe$as para os produtos das ind0strias automotiva e aeronáutica relacionados no -neAo 8' a 2o .empresa "ue n%o atenda ao re"uisito previsto no inciso 88 poderá ser &abilitada ao regime ou nele permanecer desde "ue manten&a garantia em favor da Uni%o sob a forma de depósito em din&eiro fian$a bancária ou seguro aduaneiro a seu crit1rio no valor referido na"uele inciso ou em montante e"uivalente # diferen$a entre o valor eAigido e o seu patrimQnio lí"uido' a =o Para as empresas eAclusivamente prestadoras de servi$os de manuten$%o e reparo de aeronaves e e"uipamentos e instrumentos de uso aeronáutico o valor a "ue se refere o inciso 88 será de 4b E'000'000 00 Ncinco mil&Ies de reaisO' a Do ..

s re"uisitos previstos neste artigo dever%o ser mantidos en"uanto a empresa estiver &abilitada para operar o regime' NK4-287 200DO 2.31 a Eo .s compromissos de eAporta$%o referidos no inciso 8 ficam redu?idos em cin"Wenta por cento no primeiro ano da &abilita$%o da empresa industrial' a =o /a apura$%o dos montantes previsto no inciso 8 do caput) 8 J será considerada a eAporta$%o ao pre$o constante da respectiva declara$%o de eAporta$%oS 88 J ser%o subtraídos os valores correspondentes #s importa$Ies de mercadorias admitidas em outros regimes aduaneiros vinculados a compromissos de eAporta$%o e utili?adas nos produtos eAportadosS 888 J n%o ser%o considerados os valores correspondentes #) aO eAporta$%o ou reeAporta$%o dos produtos usados referidos nos incisos 88 e 86 do a Do do art' 2oS e bO eAporta$%o de partes e pe$as no mesmo estado em "ue foram importadasS e 86 J ser%o computados os valores relativos #s eAporta$Ies efetuadas ao amparo de todas as modalidades para as "uais está &abilitada a empresa na &ipótese de empresa industrial &abilitada a mais de uma modalidade do regime' a Do Para os efeitos de comprova$%o do cumprimento dos compromissos de eAporta$%o assumidos poder%o ser computados os valores das vendas) 8 J de partes e pe$as fabricadas com mercadorias admitidas no regime reali?adas a outro beneficiário &abilitado ao regimeS e 88 J reali?adas a empresa comercial eAportadora instituída nos termos do 5ecretoJlei no .'2D8 de 2H de novembro de ..2 *ompromisso para 2abilitação a Empresa 0n ustrial .HG2' .8nstru$%o /ormativa 24* nX' D.0'000'000 00 Nde? mil&Ies de dólares dos 3stados Unidos da -m1ricaO para as ind0strias referidas nas alíneas ccc e cdc do inciso 8 do a .o Para atendimento dos compromissos referidos no caput ser%o computadas as opera$Ies reali?adas a partir da data do desembara$o aduaneiro da primeira declara$%o de importa$%o N58O de mercadorias para admiss%o no regime' a 2o .G N200DO em seu artigo FX prevê) -rt' Fo Para a &abilita$%o ao regime a empresa industrial interessada deverá ainda assumir os compromissos de) 8 J eAportar produtos industriali?ados com a utili?a$%o de mercadorias estrangeiras admitidas no regime no valor mínimo anual e"uivalente a) aO U2b .o do art' 2o S e bO U2b 20'000'000 00 Nvinte mil&Ies de dólares dos 3stados Unidos da -m1ricaO para as demais ind0striasS e 88 J aplicar anualmente pelo menos 80[ Noitenta por centoO das mercadorias estrangeiras admitidas no regime na produ$%o dos bens "ue industriali?e' a ..

draBbacC 1 um incentivo # eAporta$%o "ue permite ao fabricante ou produtor importar insumos desonerados de impostos "uando destinados a compor produtos a eAportar ou mesmo eAportados' .R200F da 2eceA P 2ecretaria de Com1rcio 3Aterior apresenta a sistemática administrativoJoperacional do benefício intitulandoJo de 4egime -duaneiro 3special de 5raBbacC' .citada Portaria atribui ao 5eceA P 5epartamento de . princípio básico do draBbacC consiste na desonera$%o dos tributos incidentes sobre os insumos importados empregados na produ$%o de bens destinados # eAporta$%o' Conforme cita Garcia N200GO) ..base legal desse incentivo está contida no 4egulamento -duaneiro por1m a Portaria nX =E de 2DR.32 a Eo .D.O' .pera$Ies de Com1rcio 3Aterior a autonomia para a concess%o acompan&amento e verifica$%o do cumprimento do compromisso de eAportar' NG-4C8-S 200GS p' . percentual previsto no inciso 88 do caput) 8 J ficará redu?ido a) aO GE[ Nsetenta e cinco por centoO se a empresa eAportar no ano produtos industriali?ados com a utili?a$%o de mercadorias estrangeiras admitidas no regime em valor superior a U2b E0'000'000 00 Ncin"Wenta mil&Ies de dólares dos 3stados Unidos da -m1ricaOS e bO G0[ Nsetenta por centoO se a empresa eAportar no ano produtos industriali?ados com a utili?a$%o de mercadorias estrangeiras admitidas no regime em valor superior a U2b .00'000'000 00 Ncem mil&Ies de dólares dos 3stados Unidos da -m1ricaOS e 88 J terá o seu cumprimento apurado) aO com base no valor aduaneiro das mercadorias admitidas no regimeS e bO desconsiderandoJse os valores das opera$Ies dos incisos 88 e 86 do a D o do art' 2o' a Fo /a &ipótese de &abilita$%o em mais de uma modalidade de 4ecof o compromisso de "ue trata o inciso 8 do caput corresponderá ao maior entre as modalidades da &abilita$%o' NK4-287 200DO 87! Dra3bac4 .

D0O' Conforme cita Ki?elli N2000O) Poderá ser concedido nos termos e condi$Ies a seguir indicados o benefício do draBbacC nas seguintes modalidades) 8O restitui$%o total ou parcial dos tributos "ue &a>am sido pagos na importa$%o de mercadoria eAportada após beneficiamento ou utili?ada na fabrica$%o complementa$%o ou acondicionamento de outra eAportadaS 88O isen$%o dos tributos eAigíveis na importa$%o de mercadoria fabrica$%o eAportadosS 888O suspens%o do pagamento dos tributos eAigíveis na importa$%o de mercadoria a ser eAportada após beneficiamento fabrica$%o eAportada' Concluindo o ob>etivo do draBbacC 1 proporcionar redu$%o nos custos dos produtos vendidos ao eAterior possibilitando ao eAportador brasileiro competir em igualdade de condi$Ies com seus similares em outros países' ou destinada # complementa$%o ou acondicionamento de outra a ser complementa$%o ou acondicionamento de em "uantidade e "ualidade e"uivalente # utili?ada no beneficiamento produtos .S 2000S p' .33 5e acordo com Castro N2000O) 5raBbacC 1 um incentivo fiscal # eAporta$%o "ue permite # empresa industrial ou comercial importar livre do pagamento de tributos mercadoria para ser utili?ada na fabrica$%o de novo produto a ser gerado por transforma$%o beneficiamento ou integra$%o com a condi$%o básica de este produto final ser integralmente eAportado' NC-2+4.

modalidade suspens%o permite #s organi?a$Ies industriais e comerciais a suspens%o do pagamento dos tributos incidentes sobre a importa$%o de mercadoria a "ual após ser transformada ou integrada a um novo produto obrigatoriamente deverá ser eAportada' 5e acordo com Castro N2000O) 4essalteJse "ue o novo produto gerado e eAportado deve conter a mesma "uantidade de mat1riaJprima componente material de embalagem etc' importado sob o regime de draBbacC eAcluídos apenas os resíduos e subprodutos resultantes do processo de industriali?a$%o' este produto final ser integralmente eAportado' NC-2+4.O' .S 2000S p' .D.5 Dra3bac4 )uspensão Conforme cita Garcia N200GO) +rataJse de modalidade caracteri?ada por se vincular a compromisso futuro de eAporta$%o implicando por isto ser pleiteada anteriormente # ocorrência da importa$%o da produ$%o e da eAporta$%o do bem no "ual ser%o aplicados os insumos com essa finalidade importados' Por conseguinte o insumo assim importado deverá participar da produ$%o da mercadoria a ser eAportada' NG-4C8-S 200GS p' .E2O' Com vistas a propiciar mel&or visuali?a$%o da modalidade 2uspens%o adiante segue seu fluAograma operacional' *igura 2 P *luAograma da Modalidade de 5raBbacC 2uspens%o *onte) 3Aporta$%o aspectos básicos N2000O .34 2.

.empresa re0ne o con&ecimento e a &eran$a de suas famílias Capa 2pa e +C2 `olandi suportados pela for$a e pelos recursos de sua sustenta$%o comercial industrial de produtos e organi?a$%o de finan$as' .0 bil&Ies de dólares tornandoJse o maior fabricante no setor de má"uinas agrícolas o maior no segmento de má"uinas leves para constru$%o atualmente ocupa o terceiro lugar no ranCing de má"uinas pesadas para constru$%o está entre os maiores fabricantes de má"uinas agrícolas e de constru$%o do mundo e 1 um dos maiores eAportadores neste segmento' .-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tda 1 uma compan&ia global suportada por =H instala$Ies de manufatura na 3uropa -m1rica do /orte -m1rica 7atina na C&ina dndia e tamb1m no U?be"uist%o' Composta por um time de aproAimadamente 28'.empresa U-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tdaU foi criada em .35 : /ISTÓRICO DA EMPRESA .F0 países' .s clientes est%o crescendo e a empresa investe diariamente para a>udáJlos a crescer negociante e o apoio ao cliente "ue 1 sempre uma etapa adiante' Com esta inova$%o vis%o e compromisso a -MC fornece aos seus clientes uma lin&a completa de tratores para atender a necessidade de todas as regiIes' Com a fus%o da TCapa 2paU com a T+C2 `olandiU a empresa está passando por muitas mudan$as e rápidas transforma$Ies pois a partir de ent%o passou a abranger um maior espa$o no mercado de atua$%o' +odas elas com o ob>etivo de preparar para novos desafios' Z natural "ue tantas mudan$as tragam certa apreens%o por parte dos clientes' Mesmo por"ue aproveitando as mudan$as os concorrentes inclusive por con&ecer a for$a e suas marcas tentam ao máAimo tirar proveito da situa$%o' Mas obtendo recursos internacionais para fornecer mel&orias constantes de "ualidade e confiabilidade ao .00 empregados e mais de .HHH com a a"uisi$%o da T 2ica CorporationU pela TCapa 2paU e em seguida com a fus%o da T+C2 `olandiU "ue >á operava no setor' Com isso a T-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tdaU >á nasceu com um faturamento de mais de .'000 negociantes em .

36 para enfrentar o desafio a empresa tem uma arma muito poderosa) informa$%o clara e transparente para todos os seus clientes' .

2-S 2000S p' D.37 9 DESENVOLVIMENTO 971 )istema e 0mportação 6ormal 8nicialmente o despac&o aduaneiro de importa$%o 1 o procedimento motivado pelo importador "ue tem por ob>etivo o desembara$o Nlibera$%oO de mercadoria procedente do eAterior ten&a esta sido importada a título definitivo ou n%o' -s importa$Ies definitivas s%o a"uelas "ue ocorrem "uando a mercadoria estrangeira importada 1 nacionali?ada o "ue significa integráJla # massa de ri"ue?as do País com a transferência de propriedade do bem para "ual"uer pessoa a"ui estabelecida' -s importa$Ies n%oJdefinitivas em contraparte s%o a"uelas em "ue contrariamente #s importa$Ies definitivas n%o ocorre nacionali?a$%o' 2%o os casos por eAemplo de mercadorias importadas sob o regime aduaneiro especial de admiss%o temporária "ue após a sua permanência no país s%o eAportadas' 5eveJse notar "ue essas importa$Ies poder%o de acordo com a op$%o do importador tornarJse definitivas devendoJse ent%o ser providenciada toda a documenta$%o pertinente e pagos os impostos devidos' 5e acordo com Ki?elli e Karbosa N2000O) Como regra geral essas importa$Ies n%o se su>eitam ao pagamento de impostos eAceto no caso de admiss%o temporária com utili?a$%o econQmica do bem no País "ue implicará no recol&imento proporcional calculado em ra?%o do tempo de sua permanência e no pra?o de vida 0til considerado pela 2ecretaria da 4eceita *ederal' NK8Y3778 e K-4K.á no caso de nacionali?a$%o de impostos inicialmente ingressados no país em caráter n%oJ definitivo a fatura comercial por eAemplo pode servir para comprovar a referida transferência' .O .nacionali?a$%o consiste na transferência da mercadoria estrangeira para a economia nacional' /as importa$Ies definitivas o con&ecimento de embar"ue 1 um documento "ue prova a transferência da propriedade do bem importado' .

despac&o aduaneiro 1 o processo de libera$%o ou desembara$o da mercadoria "ue se inicia pelo registro da 58 N5eclara$%o de 8mporta$%oO no 2iscomeA N2istema 8ntegrado de Com1rcio 3AteriorO' 3ste procedimento só pode ter início após a c&egada da mercadoria na Unidade da 4eceita *ederal onde será processado' . preenc&imento da 58 1 feito atrav1s do 2iscomeA com o sistema offJline' regra geral 1 "ue cada 58 corresponda a um con&ecimento de embar"ue' /o entanto para cada mercadoria deve ser formulada uma adi$%o' .s autori?ados a cuidar do despac&o aduaneiro 1 o próprio importador ou seu representante legal "ue pode ser um funcionário com vínculo empregatício ou despac&ante aduaneiro' 5eclara$%o de 8mporta$%o N58O) Como documento norteador do despac&o aduaneiro a 58 deve conter as informa$Ies gerais "ue incluem importador transporte carga e pagamentoS e as específicas c&amadas de adi$%o onde constam o fornecedor valor aduaneiro 8ncoterms tributos e cMmbio' . despac&o de importa$%o deverá come$ar at1 H0 NnoventaO dias da descarga se a mercadoria estiver em recinto alfandegário' . despac&o para consumo tem por ob>eto satisfeitas todas as eAigências legais colocar a mercadoria nacionali?ada ou se>a transferida da economia estrangeira para a economia nacional # disposi$%o do importador para seu uso' 5espac&o aduaneiro de importa$%o 1 o procedimento fiscal mediante o "ual se processa o desembara$o aduaneiro de mercadoria procedente do eAterior se>a importada a título definitivo ou n%o' . sistema gera um n0mero se"Wencial agregado # 58' -pós o preenc&imento o importador pode transmitir a 58 para o computador central do 2espro N2ervi$o *ederal de Processamento de 5adosO apenas para conferência dos dados ou para registro' 5epois da recep$%o os documentos seguir%o para um dos canais de conferência aduaneira) • • • canal verde) a carga 1 liberada automaticamente sem conferência física ou documentalS canal amarelo) 1 feita a conferência documental da opera$%oS canal vermel&o) a carga 1 submetida # conferência documental física e análise do valor aduaneiroS .3+ .

3- • canal cin?a) as mercadorias v%o para esse canal "uando &á suspeita de subfaturamento onde ocorre uma perícia' .

4/ Para mel&or visuali?a$%o e demonstra$%o abaiAo eAemplos de 58es ) *igura = P 3Atrato da 5eclara$%o de 8mporta$%o *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 .

41 *igura = P 3Atrato da 5eclara$%o de 8mporta$%o *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 2008 .

42 *igura = P 3Atrato da 5eclara$%o de 8mporta$%o *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 .

draBbacC 1 um incentivo # eAporta$%o representado por um regime aduaneiro especial "ue possibilita a isen$%o ou suspens%o do recol&imento de diversos impostos e taAas incidentes sobre insumos importados para utili?a$%o na industriali?a$%o de produtos eAportados ou restitui$%o de impostos federais' .industriali?a$%o 1 entendida como "ual"uer opera$%o "ue modifi"ue a nature?a o funcionamento o acabamento a apresenta$%o ou a finalidade do produto ou o aperfei$oe para consumo nas seguintes formas de classifica$%o) • • tr!ns1or#!45o P a$%o eAercida sobre mat1riaJprima ou produto intermediário "ue resulte na obten$%o de esp1cie novaS 'ene1ici!#ento P a$%o de modificar aperfei$oar ou alterar o funcionamento a utili?a$%o o acabamento ou a aparência do produtoS .43 -nalisandoJse o sistema normal de importa$%o sem a utili?a$%o de "ual"uer beneficio dentro da empresa vimos "ue a mercadoria tem um pra?o m1dio de E dias desde o momento de sua c&egada ao porto at1 o seu recebimento na fábrica de destino tal fluAo está demonstrado na figura a seguir) *igura D P *luAo 2istema 8mporta$%o /ormal *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 972 Dra3bac4 )uspensão .

utras taAas "ue n%o correspondem # efetiva contrapresta$%o de servi$os reali?ados' -ntes mesmo de se reali?ar a importa$%o deve ser feito o pedido de draBbacC' -pós a aprova$%o do pedido de utili?a$%o do regime draBbacC reali?aJse a importa$%o' .*8/2 P 8mporta$%oS . pra?o de cumprimento do compromisso de eAportar 1 de um ano podendo ser prorrogado por igual período' 3m caso de bens de longo período de fabrica$%o o pra?o máAimo 1 de cinco anos' .pera$Ies 4elativas # Circula$%o de Mercadorias e sobre a Presta$%o de 2ervi$os de +ransporte 8nterestadual e 8ntermunicipal e de Comunica$%o N8CM2OS • • • • -dicional ao *rete para 4enova$%o da Marin&a Mercante N-*4MMOS P82RP-23P P 8mporta$%oS C. beneficiário do draBbacC suspens%o pode usufruir das seguintes vantagens) • • • 8mposto de 8mporta$%o N88O 8mposto sobre Produtos 8ndustriali?ados N8P8O 8mposto sobre .44 • #ont!"e# P reuni%o de produtos pe$as ou partes "ue resultem em novo produto ou unidade autQnoma classifica$%o fiscalS ainda "ue sob a mesma P utili?a$%o de • • !con%icion!#ento o$ re!con%icion!#ento embalagem "uando propicia agrega$%o de valor ao produto finalS renov!45o o$ recon%icion!#ento P a$%o eAercida sobre produto usado ou parte remanescente de produto deteriorado ou inutili?ado "ue restabele$a suas condi$Ies de uso' Um dos principais ob>etivos do draBbacC 1 baratear os custos do produto >á na fase inicial de produ$%o e manter os padrIes de "ualidade eAigidos pelos compradores estrangeiros' .

45 /a c&egada da importa$%o a empresa firma o termo de responsabilidade >unto # receita federal para a suspens%o dos impostos' -ssim como no sistema de importa$%o normal os autori?ados a cuidar do despac&o aduaneiro 1 o próprio importador ou seu representante legal "ue pode ser um funcionário com vínculo empregatício ou despac&ante aduaneiro' 5epois da recep$%o os documentos seguir%o para o canal verde de conferência aduaneira onde a carga 1 liberada automaticamente sem conferência física diferentemente do sistema de importa$%o normal onde a documenta$%o e a mercadoria est%o su>eitas a passar pelos canais verde amarelo vermel&o e cin?a' -baiAo demonstra$%o da diferen$a entre o custo de uma importa$%o sem draBbacC e o custo de uma importa$%o com draBbacC suspens%o' 3sta demonstra$%o tem como ob>etivo mostrar a redu$%o do custo com impostos incidentes sobre uma importa$%o' *igura E P Custo 8mporta$%o sem 5raBbacC *onte) 5raBbacC P Universidade Corporativa Kanco do Krasil 200D' .

aplica$%o do regime depende de pr1via &abilita$%o da empresa industrial interessada na 4eceita *ederal do Krasil N4*KO' .G de 20 de abril de 200D' .&abilita$%o ao regime será re"uerida por meio do formulário demonstrado abaiAo a ser apresentado # unidade da 4*K responsável pela fiscali?a$%o de tributos sobre o com1rcio eAterior com >urisdi$%o sobre o domicílio da sede da empresa interessada acompan&ado de) • • • • • Kalan$o ou balancete apurado no 0ltimo dia do mês anterior ao da protocoli?a$%o do pedido de &abilita$%oS -to constitutivo estatuto ou contrato social em vigor devidamente registradoS 5ocumenta$%o t1cnica relativa ao sistema informati?ado referido na legisla$%oS 4ela$%o de produtos ou família de produtos por ela industriali?adosS 5escri$%o do processo de industriali?a$%o e correspondente ciclo de produ$%oS e .46 *igura F P Custo 8mporta$%o com 5raBbacC *onte) 5raBbacC P Universidade Corporativa Kanco do Krasil 200D' 973 )istema e 0mportação pelo 1E*O7 .*O ser%o efetuados de acordo com o disposto na 8nstru$%o /ormativa D.concess%o e aplica$%o do regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.

&abilita$%o para a empresa operar o regime será concedida em caráter precário por meio de -to 5eclaratório 3Aecutivo N-53O do 2uperintendente da 4eceita *ederal da 4egi%o *iscal com >urisdi$%o sobre o domicílio da sede da empresa interessada' -baiAo segue o -53 concedido # empresa estudada' *igura G P -to 5eclaratório 3Aecutivo N-53O *onte) &ttp)RRBBB'recof'com'brRdocumentosRato<.47 • Plano de contas e respectivo modelo de lan$amentos contábeis a>ustados ao registro e controle por tipo de opera$%o de entrada e saída de mercadorias incluídas a"uelas n%o submetidas ao regime bem assim dos correspondentes esto"ues' .E<0.<200G'&tml 2008 .

<200G'&tml 2008 .4+ *igura G P -to 5eclaratório 3Aecutivo N-53O *onte) &ttp)RRBBB'recof'com'brRdocumentosRato<.E<0.admiss%o no regime de mercadoria importada terá por base declara$%o de importa$%o específica formulada pelo importador no 2iscomeA' *ica dispensado # mercadoria importada para admiss%o no regime o tratamento de Tcarga n%o destinada a arma?enamentoU no 2istema de Gerência do +rMnsito do Manifesto e do -rma?enamento NMantraO nos termos da norma específica' .mercadoria ob>eto da declara$%o de admiss%o no regime será desembara$ada automaticamente por meio do 2iscomeA' -s movimenta$Ies das mercadorias admitidas no regime da unidade da 4*K de despac&o at1 o estabelecimento do importador diretamente ou por interm1dio de porto seco ou de depósito fec&ado do próprio beneficiário será acompan&ada de /ota *iscal contendo a indica$%o do n0mero da respectiva declara$%o registrada no 2iscomeA' /o caso de admiss%o de mercadorias nacionais no regime terá por base a /ota *iscal emitida pelo fornecedor' .

* *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 .4- . sistema informati?ado de controle do 43C.s produtos remetidos ao estabelecimento &abilitado sair%o do estabelecimento do fornecedor nacional com suspens%o da eAigibilidade dos impostos devendo constar do documento de saída # eApress%o) T2aída com suspens%o do 8P8 8CM2 P82 e C.*8/2 para estabelecimento &abilitado ao 4ecof P -53 24* nX AAA de AARAARAAAAU' .* acol&e os dados de todas as opera$Ies de entrada permanência e saída de mercadorias ou se>a toda a TvidaU da mercadoria amparada pelo regime inclusive informa$Ies tributárias o "ue gera a necessidade de um suporte operacional e t1cnico permanente "ue garanta a eAatid%o destas informa$Ies e a manuten$%o do benefício' *igura 8 P *luAo 2istema de 8mporta$%o pelo 43C.

* a empresa n%o incorre em custo com impostos' /otaJse "ue a empresa somente incorre em custo seguro e frete' 6e>a nas figuras abaiAo os valores "ue a empresa deiAou de recol&er devido a utili?arJse do benefício do 43C.* J .5/ -trav1s das informa$Ies coletadas >unto a empresa -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola podeJse apresentar conforme abaiAo o "uadro resumo das importa$Ies reali?adas no período de Maio e .un&o *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 .*' *igura H P 4esumo das importa$Ies pelo 43C.* J Maio *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 *igura .* constatouJse "ue pelo 43C.un&o onde demonstraJse o gan&o financeiro "ue a empresa conseguiu utili?andoJse do 43C.0 P 4esumo das importa$Ies pelo 43C.

P Macro fluAo 43C..G de 20 de abril de 200D a concess%o do benefício permite ao importador ad"uirir no mercado eAterno com suspens%o da eAigibilidade dos tributos as mercadorias "ue ser%o submetidas a opera$Ies de industriali?a$%o de produtos destinados a eAporta$%o' -lguns aspectos devem ser levados em considera$%o para a concess%o do benefício' .empresa deverá preenc&er os re"uisitos eAigidos para o fornecimento de certid%o negativa ou de certid%o positiva com efeitos de negativa de d1bitos .* *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008 Vendas Vendas Domésticas Domésticas Impostos a Pa!ar purado pelo Sistema 974 1e&uisitos para utili8ação o benefício Conforme definido na 8nstru$%o /ormativa 24* nX D.51 6isto todo o processo de a"uisi$%o de insumos para industriali?a$%o e comerciali?a$%o >unto ao mercado eAterno e no mercado interno pelo regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.*O conseguimos demonstrar resumidamente o sistema 4ecof atrav1s de um macrofluAo' Fabricante Fabricante Intermediário Intermediário Exportação Exportação de de Produtos / Partes Produtos / Partes Entrep% S$" duaneiro RE"#F Impostos Relevados purado pelo Sistema Importação Importação Direta Direta Impostos Suspensos *igura .

'E2G'EDH HG cumprindo ent%o o .* *onte) 8nstru$%o /ormativa nX D.empresa U-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tdaU possuía um patrimQnio lí"uido de 4b HF0'E.G'GDH 2D em 200G estando o mesmo de acordo com o eAigido pela legisla$%o para &abilita$%o do regime aduaneiro especial' Por ser uma empresa idQnea a -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tda possui a certid%o negativa dos tributos de competência da 4*K sendo "ue as mesmas s%o instrumentos básicos para concreti?a$%o das opera$Ies da empresa como a &abilita$%o aos processos de licita$%o de má"uinas >unto aos órg%os p0blicos NPrefeitura 3stados Governo *ederal etc'O' /o ano de 200G a empresa T-MC Má"uinas de Constru$%o e -grícolas 7tdaU efetuou eAporta$Ies no montante de 4b H2. J Premissas para utili?a$%o do 43C.* abaiAo um "uadro demonstrativo no "ual foram retratadas de modo ob>etivo essa necessidade' Pre#iss!s %! Le"isl!45o C!0!ci%!%e !t$!l %! AMC M 3$in!s %e Constr$45o e A"r6col!s Lt%! e# !ten%er !s eOi"&nci!s %! Le"isl!45o N L O Positiva N L O Positiva N L O Positiva N L O Positiva N L O Positiva N O /egativa N O /egativa N O /egativa N O /egativa N O /egativa 8doneidade fiscal PatrimQnio 7í"uido igual ou superior a 4b 2 mil&Ies 2oftBare para controle do regime 3Aportar no mínimo de Ub 20 mil&IesRano com mercadorias admitidas no 4egime 5estinar pelo menos 80[ do material ad"uirido ao processo produtivo @uadro .52 relativos a tributos e contribui$Ies administrativas pela 4*K deverá possuir um patrimQnio lí"uido igual ou superior a 4b 2E'000'000 00 Nvinte e cinco mil&Ies de reaisO entre outros re"uisitos' Para uma mel&or visuali?a$%o da análise reali?ada nas premissas legais a serem observadas para a ades%o ao 43C.G de 20 de -bril de 200D .

53 re"uisito no "ual fala "ue a empresa deve eAportar no mínimo Ub 20 mil&IesRano com mercadorias admitidas no 4egime' .

54 < AN*LISE DOS RESULTADOS <.00[ no canal verde de conferência aduaneira e fica suspensa a eAigibilidade do recol&imento dos tributos com a condi$%o obrigatória de "ue o produto final industriali?ado se>a destinado ao mercado eAterno' .1 )istema e 0mportação normal 9 Dra3bac4 )uspensão 9 1E*O7 Como vimos no decorrer do trabal&o o regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.*O pode ser utili?ado concomitantemente com o 5raBbacC' PodeJse perceber "ue no sistema de importa$%o normal a empresa importadora tem a obrigatoriedade do recol&imento dos tributos incidentes sobre a a"uisi$%o de mercadorias e insumos no mercado eAterno isto para "ue o desembara$o aduaneiro da mercadoria se>a feito e a mesma siga para a empresa' -inda com rela$%o ao sistema de importa$%o normal notaJse "ue os tributos relativos # venda de produtos ao mercado eAterno n%o se aplicam' Por meio do estudo no sistema draBbacC suspens%o podeJse perceber "ue as mercadorias importadas s%o parametri?adas .

55 Por meio dos estudos reali?ados podeJse c&egar ao "uadro abaiAo "ue demonstra a compara$%o entre os regimes' *igura .2 P Compara$%o dos regimes *onte) -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola 2008' <78 Res$lt!%o %o G!nPo Fin!nceiro co# ! $tili2!45o %o RECOF Conforme foi abordado no decorrer do trabal&o o 4ecof 1 um regime especial "ue permite a a"uisi$%o de produtos no mercado interno ou no mercado eAterno com a suspens%o da eAigibilidade dos tributos' 3sses produtos ser%o industriali?ados e seu produto final deverá ser destinado ao mercado eAterno caso o produto se>a comerciali?ado >unto ao mercado interno a empresa deverá efetuar o recol&imento de todos os tributos devidos sobre a a"uisi$%o das mercadorias' Como vimos # empresa "uando efetua uma a"uisi$%o no mercado eAterno passa por um processo desde a c&egada da mercadoria at1 a porta da empresa este processo leva em torno de cinco dias pois a mesma passa por diversos processos de conferência aduaneira antes de ser liberada para ser transportada at1 a empresa' 3sta demora para libera$%o da mercadoria obriga a mesma a incorrer .

56 em gastos com arma?enagem entre outros gastos "ue s%o conse"Wência da demora na libera$%o da carga' Conforme pes"uisa >unto # empresa o 43C. 43C.* tem feito com "ue a empresa n%o mais incorra em gastos com arma?enagens e outros oriundos da demora para libera$%o da mercadoria no porto este gan&o se dá pelo fato de "ue pelo 43C.00[ no canal verde de conferência aduaneira' .*O o "ue trouAe para a empresa uma redu$%o aproAimada de FD F0[ do recol&imento dos tributos devidos sobre opera$Ies de importa$%o' Caso a empresa opte por comerciali?ar o produto final no mercado interno certamente ela deverá efetuar o recol&imento dos tributos por1m o beneficiário tem a op$%o de recol&er os tributos at1 o "uinto dia do mês subse"Wente a reali?a$%o da venda' <73 Gan:o -o#ístico com a utili8ação o 1E*O7 /o estudo reali?ado constatouJse "ue normalmente o desembara$o aduaneiro das mercadorias girava em torno de D N"uatroO a G NseteO dias e >á pelo regime 43C.* o desembara$o aduaneiro passou a ser de D N"uatroO a E NcincoO &oras sendo "ue todo embar"ue sob o 4ecof 1 parametri?ado .* redu?Jse a interven$%o aduaneira sobre as mercadorias importadas' -trav1s do estudo reali?ado >unto # empresa -MC Má"uinas de Constru$%o e -grícola podeJse constatar "ue das 2'EF. importa$Ies foram pelo regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.F.* ainda tra? o benefício de "ue a mercadoria n%o passa por vistoria física ou documental se>a no porto ou no aeroporto o "ue diminui o intervalo de tempo gasto para "ue a mercadoria c&egue at1 a empresa e ainda minimi?a os efeitos de greve dos funcionários da alfMndega' . 5eclara$Ies de 8mporta$%o registradas 2'.

plane>amento tributário tem um ob>etivo a economia Ndiminui$%oO legal da "uantidade de din&eiro a ser entregue ao governo' .agilidade no despac&o aduaneiro parametri?a$%o da mercadoria importada .00[ canal verde facilidades de logística para libera$%o de carga desembara$o .* oferece várias vantagens para a empresa &abilitada entre as "uais a suspens%o de todos os impostos incidentes sobre a a"uisi$%o >unto ao mercado eAterno e interno' possibilidade de importar mercadorias com a suspens%o de impostos sob a condi$%o de industriali?a$%o passa a ser uma vantagem financeira importante para o fluAo de caiAa da empresa' .*O tem um importante papel para a economia brasileira mas nem sempre as empresas "ue atuam no segmento conseguem visuali?ar os benefícios "ue podem ser proporcionados #s suas opera$Ies de com1rcio eAterior' 3ste regime foi criado com o ob>etivo de estimular e facilitar as opera$Ies de importa$%o e eAporta$%o dando maior competitividade e agilidade para seus produtos e insumos de produ$%o nas trocas comerciais internacionais al1m de a>udar no crescimento do mercado nacional' Por meio dos estudos reali?ados vimos "ue o 43C.s tributos Nimpostos taAas e contribui$IesO representam importante parcela dos custos das empresas sen%o a maior' Com a globali?a$%o da economia tornouJse "uest%o de sobrevivência empresarial a correta administra$%o do Qnus tributário' /o mercado automobilístico o regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob controle informati?ado N43C.57 = CONCLUSBES Como foi abordado no decorrer do trabal&o o plane>amento tributário &o>e 1 de grande importMncia para as empresas serem mais competitivas no mercado onde as empresas buscam cada ve? mais elevarem seus lucros por1m procurando alternativas para redu$%o dos altos custos com tributa$%o' PodeJse di?er ent%o "ue o plane>amento tributário 1 estudo e implementa$%o de op$Ies lícitas a serem tomadas pela empresa passiva da rela$%o >urídica tributária no "ue tange a evitar a ocorrência de evento "ue l&e colo"ue na posi$%o de su>eito passivo Ncontribuinte ou responsávelO ou n%o sendo possível evitáJla redu?ir seu impacto econQmico' .

G de 20 de abril de 200D "ue surgiu com o propósito de incentivar as empresas a reverem o seu plane>amento tributário e tamb1m suas estrat1gias de compra e venda' Para analisar os refleAos da utili?a$%o do 4ecof automotivo utili?ouJse como estudo de caso a contabilidade e o departamento de com1rcio eAterior da empresa T-MC Má"uinas de Constru$%o Civil e -grícolaU' Para aplica$%o do regime foi desenvolvida na empresa uma e"uipe composta por analistas contábeis e analistas de com1rcio eAterior "ue controlam as opera$Ies reali?adas pelo regime' -ssim sendo o ob>etivo foi identificar os gan&os financeiros e logísticos "ue a empresa vem obtendo em decorrência da ado$%o do 43C.*' ConstatouJse "ue empresa vem usufruindo de uma boa redu$%o em sua carga tributária e tamb1m vem gan&ando tempo em seu processo de logística e "ue como conse"Wência deiAa de incorrer tamb1m em altos custos com impostos taAas e contribui$Ies e ainda gastos com arma?enagem e outras taAas alfandegárias' .5+ automático redu$%o de taAas de arma?enagem tamb1m s%o facilidades oferecidas na ado$%o do regime' .pes"uisa baseouJse no estudo da 8nstru$%o /ormativa D.

4icardo' No4Ies N sic!s %e I#0ort!45o' Gf 3d' 2%o Paulo) 3di$Ies -duaneiras 2000' K4-287 Código tributário nacional N..M8/GU32 /ereu Miguel 4ibeiro' . .contabilidade e a tributa$%o' 5isponível em &ttp)RRBBB'cosif'com'brRpublica'aspVar"uivog200D0F. Paulo 21rgio do Carmo' Incentivos 1isc!is Ss eO0ort!4Ies7 Kelo `ori?onte 200G' M-48./G4322.HFFO' CM%i"o tri'$t rio n!cion!l' . K4-287384.os1 Carlos' Cont!'ili%!%e N sic!' Gf 3d' 2%o Paulo) -tlas 200D' .o%o dos 2antos e K-4K./ ./+-K8785-53 L68 2000 GoiMnia) Consel&o *ederal de Contabilidade +ema 8) .o%o dos 2antos' Incoter#s 8???Q re"r!s o1ici!is %! ICC 0!r! ! inter0ret!45o %e ter#os co#erci!is7 2%o Paulo) 3di$Ies -duaneiras 2000' K8Y3778 .7ui? Martins' EO0ort!rQ Rotin!s e Proce%i#entosR Incentivos e For#!45o %e Pre4os7 Hf 3d' 2%o Paulo) 3di$Ies -duaneiras 200G' G.2.s 4efleAos do Plane>amento +ributário na Contabilidade' 8n) C. -mado 7ui?' Meto%olo"i! cient61ic!' Ef 3d' 2%o Paulo) Prentice `all 2002' 5. 53 C./+8..5- REFERCNCIAS K8Y3778 .os1 -ugusto de' EO0ort!45oQ As0ectos 0r ticos7 =f 3d' 2%o Paulo) 3di$Ies -duaneiras 2000' C346.f 3d' 2%o Paulo) 4evista dos +ribunais 200F' K4-287 8nstru$%o /ormativa 24* nX D.Helisao' -cesso em) 02 nov' 2008' *-K43++8 7áudio C' Cont!'ili%!%e Tri'$t ri!7 8f 3d' 2%o Paulo) -tlas 200=' G-4C8.G de 20 de abril de 200D' 5ispIe sobre o 4egime -duaneiro 3special de 3ntreposto 8ndustrial sob Controle 8nformati?ado' Di rio O1ici!l %! Uni5o Krasília 2G abril 200D' C-2+4.

/+8*dC8.7uís Martins de et al' M!n$!l %e Cont!'ili%!%e Tri'$t ri!7 2f 3d' 2%o Paulo) -tlas 200=' P.53 M8/-2 G34-82' PróJ4eitoria de Gradua$%o' 2istema de Kibliotecas' P!%r5o PUC Min!s %e nor#!li2!45o) normas da -K/+ para apresenta$%o de trabal&os científicos teses disserta$Ies e monografias' Kelo `ori?onte' 5isponível em i &ttp)RRBBB'pucminas'brRdocumentosRnormali?acao<monografias'pdfj -cesso em 2G'.HHG' 2( -ntonio 7opes de' /istMri! Ger!l e %!s Do$trin!s %! Cont!'ili%!%e7 2%o Paulo) -tlas .786384..'2008' 4-++8 Kruno' Co#.2klvia Constant' ProUetos e Rel!tMrios %e Pes3$is! e# A%#inistr!45o' 8f 3d' 2%o Paulo) -tlas 200G' Y-/7UC.U/8634285-53 C-+h78C..rcio intern!cion!l e cT#'io7 Hf 3d' 2%o Paulo) -duaneiras .6/ .HHG' 634G-4.0lio C1sar' Pl!neU!#ento Tri'$t rioQ P!"$e MenosR Dentro %! Lei7 5isponível em &ttp)RRBBB'portaltributário'com'brRplane>amento'&tml' -cesso em) 2D ago' 2008' .