You are on page 1of 70

LIDERANÇA

MARIA RITA GRAMIGNA

Todos os direitos autorais reservados à Catho Online
Material de apoio do Curso Online Liderança

2

APRESENTAÇÃO DO CURSO Bem-vindo ao curso Liderança! Você j parou para pensar !uais s"o as !ualidades indispens veis de um l#der competente$ %epois de desco&rir essas !ualidades' o !ue (a)er$ *uais s"o as orientaç+es pr ticas para desenvolver as competências !ue você mais precisa$ %escu&ra a!ui !uais s"o as competências !ue (a)em a di(erença em um l#der e aprenda tam&,m o caminho para desenvolver em você mesmo cada uma delas.ro(issionais em !ual!uer n#vel hier r!uico necessitam de um conjunto de capacidades espec#(icas para en(rentar a competitividade presente em nosso mercado- /os m0dulos desta apostila' você ver assuntos relacionados às capacidades necess rias para um l#der e1ercer corretamente seu papel e aumentar as capacidades de seus cola&oradoresConhecimento' 2a&ilidade e 3titude4 essas três palavras (ormam uma competência' termo !ue você ouvir &astante da!ui para (rente.ara entender melhor' veja a se5uir um e1emplo de competência4 .ara jo5ar (ute&ol' você precisa ter conhecimento das re5ras do jo5o- 3l,m disso' você precisa ter habilidade' ou seja' sa&er dominar &em a &ola e (a)er jo5adas criativas- .ara completar' precisamos tam&,m de atitude- Você pode conhecer as re5ras' ser um cra!ue' mas n"o ter vontade de jo5ar' n"o ter 6

Con(ira' nesta apostila' as competências !ue s"o indispens veis para o sucesso de um l#der- 9 .5arra e (i&ra para vencer.ode ser !ue os nomes tenham sido di(erentes' mas essas competências sempre e1istiram em l#deres &emsucedidos7ssas competências n"o s"o 8nicas para tornar um l#der &em-sucedido./"o importa a . !ue essas competências sempre (oram necess rias ao lon5o do tempo. (undamental3 com&inaç"o de conhecimento' ha&ilidade e atitude .poca ou os sistemas de 5overno. o !ue (a) uma pessoa competente em uma determinada reaO mais interessante ./esse caso' a atitude ..

m de co-autora do Manual de @est"o de .essoas B D@.niversidade ?ernando .Maria Aita ./3 B . autora tam&.?AC=AC>' .essoas e 7!uipesMaria Aita @rami5na .niversidade de <antia5o de Compostela =7spanha>' 5raduada em .cnicas Vivenciais' L#deres Dnovadores e Modelo de Competências e @est"o dos Talentos' al.oti5u =A/>' ?aculdade Cam&urE =@O>' .' ministra aulas em cursos de MB3' p0s-5raduaç"o e mestrado em instituiç+es como .ortu5al>- F .eda5o5ia pela .m articulista de jornais e revistas de circulaç"o nacional e internacional' diri5e o Dnstituto de @est"o de ./3 =M@> e .ni"o de /e50cios e 3dministraç"o =M@>.m de outros t#tulos' como' Co5os de 7mpresa' Co5os da 7mpresa e T.SOBRE O AUTOR Ma ia Rita ! ami"na : Mestre em Criatividade Total 3plicada pela . tam&.niversidade de .niversidade ?ederal de Minas @erais e p0s-5raduada em 3dministraç"o de Aecursos 2umanos pela .essoa =.

O L#der 3rtista 9-2 .O L#der Coerente 2-2 .O L#der 3mante 9-6 .O L#der Mentor 2-6 .O L#der Bu("o =&em-humorado> 2-9 .O Viajante G-2 .O L#der Ma5o 9-9 .Aecapitulando M%DU&O / ( O C 0tico e o De1t uto 6-G .Aecapitulando M%DU&O 2 ( A ti1ta13 Amante1 e Ma"o1 9-G .o 2-G .Aecapitulando H .Caminhos do Cr#tico 6-2 .Aecapitulando M%DU&O + ( Conhe.Caminhos do %estrutor 6-6 .SUM#R$O Dntroduç"o M%DU&O ' ( O )ia*ante e o !ue ei o G-G .@uerreiro G-6 .a o Bu-.

5ia do l#der com vis"o sistêmicaI -enumerar as etapas de desenvolvimento do l#der com vis"o sistêmicaI -mapear as pr0prias reas de desenvolvimento em relaç"o à e!uipeI -demonstrar inte5ridade em todas as suas aç+es e um controle so&re sua pr0pria pessoaI -viver sem se lamentar pela complacência ou pelo lamento' sem 5anhar ou perderI -estar sempre alerta e l8cido a tudo !ue o rodeiaO M6dulo ' est dividido em três t0picos4 '5' O Viajante '5+ @uerreiro '5/ Aecapitulando J .o Si1têmica3 e o @uerreiro' para &ide an.tili)ando dois persona5ens' o Viajante' para a competência )i1.M%DU&O ' O )$A4ANTE E O !UERRE$RO /este m0dulo' você ver como desenvolver competências !ue ajudar"o em sua trajet0ria rumo à e1celência da liderança5 .a e Plane*amento veremos' a se5uir' (ormas de4 -avaliar o n#vel pessoal da competência vis"o sistêmicaI -reconhecer o valor da competência vis"o sistêmicaI -identi(icar conhecimentos' ha&ilidades e atitudes relacionados à vis"o sistêmicaI -identi(icar a estrat.

Mas' n"o h nada !ue eu possa (a)er a n"o ser re)ar?i!ue tran!uilo.ma ratoeira$ Dsso n"o me p+e em peri5o--7nt"o' o rato' ca&is&ai1o' voltou para a casa para encarar a ratoeira.7 na!uela noite' ouviu-se um &arulho!Meu %eus! <eria a ratoeira pe5ando sua v#tima$ 3 mulher do (a)endeiro correu para ver de onde vinha o &arulho.'5' O )ia*ante 3ntes de entender a vis"o sistêmica' con(ira a ( &ula a&ai1o.O senhor ser lem&rado nas minhas preces.%esculpe-me' senhor Aato.7u entendo !ue isso seja um 5rande pro&lema para o senhor' mas n"o me prejudica em nada' n"o me incomodaO rato diri5iu-se' ent"o' à vaca.7la voltou com (e&reK .7 a co&ra picou a mulher--.7la' num mu1o1o' disse4 .m rato' olhando pelo &uraco na parede' viu o (a)endeiro e a mulher a&rindo um pacote.2 uma ratoeira na casa' uma ratoeira! .O (a)endeiro a levou imediatamente ao hospital.%esculpe-me' senhor Aato' disse o porco./o escuro' ela n"o viu !ue a ratoeira havia pe5ado a cauda de uma co&ra venenosa.3o desco&rir !ue era uma ratoeira (icou aterrori)adoCorreu at. o porco e lhe disse4 . o p tio e advertiu aos outros animais4 2 uma ratoeira na casa' uma ratoeira na casa! 3 5alinha' disse4 .3 hist0ria tem como &ase a vis"o sistêmica !ue ser e1plicada a se5uir78bula1 9ue En1inam O rato (oi at.

o 1i1têmica e o ajuda a reali)ar aç+es !ue podem in(luenciar o (uturo.Cresce com a caminhada.Leva pouca &a5a5em.3ssume a vida como uma aventura !ue vale a pena ser vivida' sem nunca perder o entusiasmo' a capacidade de aprender e surpreender-seL ..7ssa compreens"o chama-se :i1.7n5ana-se' re(a) sua rota.ara alimentar al5u.3o passar pelo caminho do viajante' você aprende a conviver com o medo e o dom#nio' o risco e a con(iança' a certe)a e a incerte)a' o alvo e o caminhoO l#der viajante tem a capacidade de manter a vis"o do todo e entender a relaç"o entre as partes. a!uela pessoa !ue estimula os outros a alçar novos voos..ara entender melhor' conheça o olha ' o pe -il e a po1tu a do l#der viajanteOlha do )ia*ante O turista dele5a sua via5em a uma a5ência e se5ue a pro5ramaç"o (eita por outros.ara alimentar todo a!uele povo' o (a)endeiro' ent"o' sacri(icou a vaca para servir churrasco aos ami5os! Dsso .O (a)endeiro pe5ou seu cutelo e (oi providenciar o in5rediente principalComo a doença da mulher continuava' os ami5os e vi)inhos vieram visit -la.ara aliment -los' o (a)endeiro matou o porco3 mulher rece&ia visitas todos os dias. vis"o sistêmica4 entender as relaç+es e como uma parte pode a(etar a outraO l#der viajante .?a) do estranho o conhecido.Muita 5ente mesmo!.O viajante tem sua pr0pria meta' .m com (e&re' nada melhor !ue uma canja de 5alinha. um verdadeiro e1plorador' dei1a-se sedu)ir pelo encanto do inesperado.

.Cultiva a pai1"o pelo conhecimento' tem esp#rito pioneiro e a&raça as causas !ue valem a pena lutar..m interno' tra&alhando na construç"o permanente de sua identidade.odemos e1empli(icar a etapa da esta&ilidade em momentos onde o l#der ainda n"o perce&eu as mudanças ou as oportunidades à sua volta+5 Sinal de Ale ta Causada por al5um acontecimento !ue nos tira da )ona de con(orto.7st a&erto a novos pontos de vista e se mistura nas (ormas de vida' culturas e maneiras distintas !ue encontra pelo caminho' tornando a via5em mais a5rad vel e desa(ianteChe5ou a hora de conhecer !uais s"o as H etapas de desenvolvimento do l#der viajante./as or5ani)aç+es' o sinal de alerta pode ocorrer !uando um cliente' por GM .%es(ruta a via5em' valori)ando o caminho.Con(ira! '5 Po1tu a de E1tabilidade Caracteri)ada pela aceitaç"o da rotina e pela ausência do esp#rito e1plorador.Pe -il do )ia*ante 71plora o mundo e1terno e tam&.or e1emplo' uma perda ou uma mudança inesperada na vida pessoal ou pro(issional' a5indo como elemento alavancador para a aç"o.7scuta seus sentimentos' en(renta seus temores' identi(ica suas necessidades e desco&re seus sonhos e donsPo1tu a do )ia*ante O viajante tem o coraç"o a&erto ao desconhecido' supera medos' preconceitos e certe)as.

: a lu) no (im do t8nel e o encontro com resultados positivos>5 Celeb a.e1emplo' muda de (ornecedor ou !uando se perde um 5rande projeto.Dsso acorda o l#der para a aç"o/5 Encont o com a1 Somb a1 e D a". &uscar aliados para levar à (rente seu projeto de mudança ou de melhoria=5 De1pe ta da Con1ciência /esta etapa' começamos a desco&rir uma nova consciência de nossas reais possi&ilidades' da miss"o e dos desa(ios !ue teremos !ue en(rentar.7les se mani(estam por meio de pessoas' do res5ate de crenças' de persona5ens do mundo m#tico ou do encontro com o lado espiritual.e1< ?rente ao desconhecido' emer5em os temores=N> Medos e sentimento de inse5urança oriundos da perda de esta&ilidade podem aparecer nesta etapa !ue podem paralisar a aç"o do l#der25 Encont o com Aliado1 /a travessia do viajante' sempre h aliados.: o momento em !ue o l#der perce&e !ue poder in(luenciar no evento ao !ual est direcionando suas aç+es.Momento da recompensa' onde 5eralmente os resultados alcançados pelo l#der s"o reconhecidos pelos seus pares' superiores e e!uipe' tornando o momento prop#cio à cele&raç"o3o praticar a vis"o sistêmica' você passa a olhar o conjunto e perce&er como as aç+es podem a(etar todo o GG .*uando o l#der supera os medos e as di(iculdades' a tendência ..o 3o assumir a travessia como uma aventura de desco&rimento' o viajante (inalmente vê-se livre dos dra5+es e encontra o seu her0i interior' alça seus pr0prios voos.

/ormalmente' tendemos a olhar partes isoladas do sistema.e1 ..O desa(io .. manter o olhar no conjunto.. necess rio !ue você utili)e os sistemas de in(ormaç+es dispon#veis.Veja como identi(icar essas in(ormaç+es e or5ani)a-las de (orma si5ni(icativa ao seu tra&alhoDado1 s"o os (atos em sua (orma prim ria.ara (acilitar essa vis"o . a or5ani)aç"o de dados de (orma si5ni(icativa.Você pode coletar internamente' a partir dos departamentos' das comunicaç+es internas e e1ternamente' a partir dos meios de comunicaç"o- dado 5ama dado B dado &eta dado 3 dado al(a %ados dispostos em sua (orma prim ria $n-o ma.sistema.or e1emplo' se você re8ne dados de um pro&lema no setor de entre5as e os junta com a reclamaç"o do cliente' você tem uma in(ormaç"o si5ni(icativa' !ue poder ajud -lo tomar a melhor decis"o$N7ORMAÇ?ES dado al(a dado &eta dado 5ama dado 3 dado B %ados or5ani)ados de acordo com suas caracter#sticas (ormando 5rupos de in(ormaç+es- G2 .

dividido em !uatro elementos4 ar' 5ua' (o5o e terra.7le .O l#der deve estar antenado às not#cias internas e e1ternas da empresa para !ue suas decis+es sejam resultados de uma vis"o sistêmicaTet a" ama O Tetra5rama .Todas as in(ormaç+es ser"o de importOncia (undamental para ajudar o l#der na tomada de decis+es..or isso' vale destacar !ue os sistemas de in(ormaç"o da empresa devem ser con(i veis e amplos para au1iliar o processo de tomada de decis"o. uma (erramenta importante para você desco&rir as suas tendência1 pe11oai1 em relaç"o à e!uipe de tra&alho.3&ai1o' est"o listadas as caracter#sticas pessoais de cada elemento*ue tal um desa(io$ Mar!ue as suas principais caracter#sticas presentes em cada 5rupo e' depois' se desejar' preencha o tetra5rama de acordo com as instruç+esE&EMENTO AR ?acilidade e clare)a na comunicaç"oTendência a sonhar com o (uturo?acilidade para rece&er cr#ticas e reconhecer as pr0prias di(iculdades e potenciais?acilidade e 5osto por conhecimentos te0ricosComportamento inovador' atividades !ue &uscam emoç+es =adrenalina>' tais como esportes radicais' competiç+es esportivas' enduro' outros?acilidade para reconhecer en5anos e para mudar de opini"o' ideias e planosVida social movimentadaG6 .

Costuma pensar e planejar antes de a5ir: h &il em deci(rar mensa5ens Ppor tr s das not#ciasQ =percepç"o do !ue n"o est posto em mesa>.ercepç"o a5uçada pelos sentidos =tato' vis"o' audiç"o' paladar' ol(ato>.aciência !uando en(renta pro&lemas ou contrariedades.ratica al5uma atividade !ue tra&alhe a respiraç"oCostuma ministrar palestras ou cursos?re!uenta re5ularmente cursos' semin rios ou palestras.ratica meditaç"oC se deparou ima5inando situaç+es en5raçadas: (iliado =a> a al5um 5rupoTem costume de (icar em silêncio por al5um tempo3precia instrumentos de sopro =toca ou ouve re5ularmente>Tem (acilidade para memori)ar (atos' n8meros' te1tosE&EMENTO TERRA .m constantes>@eralmente concreti)a suas id.ias =trans(orma em aç+es>@osta de tocar ou ouvir re5ularmente instrumentos de percuss"oG9 .sa a cor a)ul =roupas' m0veis' o&jetos pessoais>Costuma usar a a5enda re5ularmente.reserva espaços de tra&alho e pessoais =chaves nas 5avetas' poucos ami5os' por.

sa as cores verde (olha' &e5e' marrom =roupas' m0veis' o&jetos pessoais>: pr tico =a>: o&jetivo =a>: detalhista' minucioso =a>Tem (acilidade para or5ani)ar coisas.@' outras>@osta de (a)er supermercado ou (eiraCostuma andar descalço' em contato com a terra3precia m8sicas mais a5itadas' eu(ori)antes- E&EMENTO #!UA 3presenta (acilidade em e1pressar emoç+es%emonstra a(eiç"o pelas pessoasTem (acilidade para esta&elecer ami)ades pro(undas.rocura (a)er as coisas com per(eiç"o e (ica irritado =a> !uando n"o d"o certoTem costume de (a)er caminhadas por puro pra)erCultiva plantas e cuida delas..reocupa-se e costuma dar apoio aos outrosTem (acilidade para administrar con(litos<a&e contornar pro&lemas' tem Pjo5o de cinturaQ: 5eneroso =a>' desape5ado =a>Costuma tomar decis+es com &ase nas emoç+esMa5oa-se (acilmenteGF .ratica a arte de modelar em ar5ilaCostuma preparar a pr0pria comidaCuida de si mesmo =autonomia>?a) al5uma atividade corporal =massa5em' A.

3precia a dança: sens#vel@osta de nadar' mer5ulhar' (icar perto da 5ua =mar' rio ou la5oa>@osta de contar est0rias e casosCostuma contemplar a nature)aC se deparou olhando o movimento de um rio ou mar%emonstra a(etividade com as pessoasToma &anhos demorados: dedicado =a> ao !ue (a).sa as cores verde' a)ul clara eRou &ranca =roupas' m0veis' o&jetos pessoais>: carinhoso =a> com as pessoas- E&EMENTO 7O!O 3dota atitudes e comportamentos entusiastasOusa' cria' inovaTem muita ener5ia e automotivaç"oCostuma de(ender com (ervor seus pontos de vista: decidido =a>' tem autocon(iança: impulsivo =a>/"o 5osta !ue os outros o limitem.ias com (acilidadeToma decis+es com &ase na intuiç"o (re!Sentemente.@osta de li&erdade%emonstra impaciência com (re!Sência71pressa id.sa as cores vermelha' coral e laranja =roupas' m0veis' o&jetos pessoais>35e com e1trava5OnciaGH .

ratica al5um tipo de artes marciais.Tem comportamentos e1cêntricos' di(erentes@osta de comidas &em temperadas.: &em humorado =a>Valori)a o !ue (a)Curte a intensidade de uma vela ou (o5ueira35ora !ue você j marcou as a(irmativas acima' veja como montar o seu tetra5rama• • • • Cada elemento apresenta vinte a(irmativasO 5r (ico do tetra5rama possui !uatro ei1osO centro do 5r (ico corresponde ao n8mero )ero =nenhuma marcaç"o na letra re(erente>O (inal de cada ei1o corresponde ao m 1imo de marcaç+es =vinte>- Colo!ue um ponto no local correspondente ao n8mero de marcaç+es em cada letra.ratica al5um esporteAeali)a al5uma atividade ao solTem costume de dançar' &rincar' rir.essoal- GJ .7m' se5uida' junte os pontos e ter visuali)ado seu Tetra5rama .

3 se5uir' veja o !ue si5ni(ica cada elemento' sua interpretaç"o e a importOncia !uanto à (alta e presença desses elementos em um l#der no am&iente empresarialElemento A P e1en,a do elemento a .alavra-chave4 Comunicaç"o Dnteli5ente e %ecis"o .essoas !ue têm #ndices altos de escolha na letra 3 B elemento ar - apresentam como caracter#stica principal a &oa comunicaç"o e a (acilidade para ela&orar planosDn!uietos =as> e soci veis' aderem a mudanças com (acilidade e 5ostam de movimento- <ua (le1i&ilidade permite !ue se ajustem a situaç+es de toda ordem com pouco es(orço- Aacionais' apresentam &oa capacidade de an lise' s"o cr#ticos =as> e tendem a jul5ar os outros e a si mesmos =as>GK

7alta do elemento a <uper(icialidade' hiperatividade' nervosismo' dispers"o' e1cesso de autoridade e (alta de cooperaç"o3p0s conhecer a presença e (alta do elemento ar nas caracter#sticas pessoais' veja a importOncia do elemento ar no am&iente empresarial/o momento em !ue as mudanças s"o velo)es e presentes no cen rio empresarial' as pessoas do elemento ar s"o necess rias para in(luenciar o ambiente de ino:a,.oCom sua capacidade de planejar de (orma racional e concreta' s"o imprescind#veis nas e!uipes e au1iliam a4 • • • • (ortalecer id,ias inovadorasI (ormali)ar planos com o&jetivos e metasI criar a cultura da (le1i&ilidadeI in(luenciar mudançasElemento 7o"o P e1en,a do elemento -o"o .alavra-chave4 (a)er acontecer' idealismo.essoas !ue têm #ndices altos de escolha na letra ? B elemento (o5o - apresentam como caracter#stica principal a capacidade de correr riscos calculados e (a)er acontecer- <ua ener5ia entusi stica' vitalidade e autocon(iança alavancam comportamentos empreendedores- 3 (acilidade de e1press"o reunida com a decis"o tornam as pessoas do elemento (o5o e1celentes Ptocadoras de projetosQ- <ua identidade , (orte e GL

raramente vê-se uma pessoa orientada pelo elemento (o5o com P&ai1o astralQ por muito tempo7alta do elemento -o"o 71cesso de otimismo' in!uietaç"o' e5o#smo' desejos 0&vios e imediatos' e1pectativas e1a5eradas' impaciência' atropelo' c0lera' a5ressividade' desconsideraç"o' com&atividade' or5ulho' am&iç"o' prepotência e me5alomania3p0s conhecer a presença e (alta do elemento (o5o nas caracter#sticas pessoais' veja a importOncia do elemento (o5o no am&iente empresarial3s pessoas do elemento (o5o (a)em acontecer e n"o dei1am a or5ani)aç"o a re&o!ue das inovaç+es- 7st"o permanentemente Tplu5adasU com o !ue ocorre no entorno e s"o respons veis por4 • • • • • (a)er acontecerI implantar inovaç+esI &uscar resultados pela aç"oI manter a ener5ia da e!uipeI reali)ar empreendimentos internosElemento Te a P e1en,a do elemento te a .alavra-chave4 percepç"o@eralmente' as pessoas com as caracter#sticas deste elemento possuem (acilidade para trans(ormar crises em oportunidades' en1er5ando &rechas e pontos positivos nas 2M

ercepç"o de detalhes e o todo or5ani)acionalCapacidade para ela&orar projetos' id.Têm o h &ito de demarcar limites e preservar o !ue con!uistaram7alta do elemento te a O&sessividade no tra&alho' tendência ao conservadorismo' atitudes de d8vida e ne5aç"o' (i1aç"o em re5ras' e5o#smo' isolamento' lentid"o' tendência a acumular recursos' controle dos outros' (alta de verdadeira empatia' ultraconservadorismo e avare)a3p0s conhecer a presença e (alta do elemento terra nas caracter#sticas pessoais' veja' a&ai1o' a importOncia do elemento terra no am&iente empresarial• • • • • • • .Aealidade e aç"o s"o conceitos das pessoas de terra.%emonstram (irme)a' esp#rito pr tico' capacidade para reali)ar' construir projetos ou patrimVnios e mantê-los.ersistência e comportamento pra5m ticoElemento #"ua P e1en.resença da vis"o sistêmica.<"o &ons administradores.ias ou planos2a&ilidade para lidar com as crises de (orma assertiva' trans(ormando-as em oportunidades de ne50cioManutenç"o da cultura empresarial7mpatia no relacionamento interpessoal.O !ue n"o pode ser captado pelos sentidos n"o e1iste.situaç+es apresentadas.a do elemento 8"ua 2G .

apresentam como caracter#stica principal a sensi&ilidade e a (acilidade para demonstrar emoç+es.3 sensi&ilidade da!ueles !ue s"o orientados pelo elemento 5ua torna-os pr01imos e (acilitam o esta&elecimento de v#nculos com as e!uipes e pessoas*uando h desa(ios' o&st culos ou pro&lemas a resolver e transpor' as pessoas de 5ua mant.m sua harmonia e a5em com (luide)' contornando as situaç+es sem perder a calma3 5enerosidade e a entre5a s"o determinantes no relacionamento deste 5rupo@eralmente demonstram a(etividade e pro(undidade de a(eto com os outros.%evido às suas caracter#sticas' as pessoas de 5ua administram con(litos com (acilidade7alta do elemento 8"ua 7moç+es (icam em dese!uil#&rio resultando em indolência' (alta de senso de realidade' medo' apreens+es' inse5urança' sensacionalismo' e1a5ero de proporç+es' cultivo de tempestades emocionais' pouca simpatia ou pouca compai1"o di(#cil e1press"o dos sentimentos3p0s conhecer a presença e (alta do elemento 5ua nas caracter#sticas pessoais' veja' a&ai1o' a importOncia do elemento 5ua no am&iente empresarialO relacionamento es5arçado nas or5ani)aç+es deve-se' principalmente' à ausência do elemento 5ua !ue d sensi&ilidade às pessoas' !uando presente7ste elemento tra) al5umas vanta5ens.Con(ira! 22 .alavra-chave4 sensi&ilidade..essoas !ue têm #ndices altos de escolha no elemento 5ua .

ara e1ercer in(luência so&re as pessoas' você deve trat las com respeito' mostrar !ue necessita e depende delas e' principalmente' desco&rir o !ue motiva essas pessoas concentrar-se nessas atividadesSabedo ia 35ir com sa&edoria si5ni(ica assumir !ue n"o sa&e al5o e !ue precisa de ajudaI evitar (o(ocas e lidar com a a5ressividade de outros de maneira positiva' procurando ver suas !ualidades e conversando so&re pro&lemas em momentos de pa)' n"o no calor da discuss"o26 . o per(il do l#der 5uerreiro' conheça !uais s"o os se5redos para ser &em-sucedido em sua liderança$n-luência .7le a(irmou !ue um 5uerreiro vive cada momento de sua vida' sem orientar-se pela complacência ou pelo lamento' sem 5anhar ou perder.*uem disse isso (oi Carlos CastaWeda.7le deve estar sempre alerta e l8cido a tudo !ue o rodeia35ora !ue você j sa&e !ual .• • • • • • • Minimi)a climas tensosTorna as pessoas mais male veis e emp ticasMa1imi)a os tra&alhos em e!uipe3pro1ima lideranças de liderados e pares7stimula a motivaç"o do 5rupo a manter o clima harmonioso.romove a !ualidade nas relaç+es de tra&alho7vita &oicotes e outros comportamentos pouco assertivos das e!uipes ou lideranças- '5+ O !ue ei o O 5uerreiro demonstra inte5ridade em todas as suas aç+es e um controle so&re sua pr0pria pessoa.

Elo"io 2 duas dicas (undamentaisG.ns!>Ca i1ma <i5ni(ica esta&elecer cone1+es -01ica1 =cumprimento' olho nos olhos' aperto de m"o' a&raço>' emocionai1 =perce&er emoç+es' 5est+es' demonstrar interesse nas pessoas> e intelectuai1 =pessoas carism ticas con!uistam outras pela sua inteli5ência>$nte e11e 3s pessoas respondem de (orma positiva !uando al5u.Todos !uerem ser apreciados e admirados.<eja espec#(ico no elo5io.Dsso n"o si5ni(ica dar o !ue !uerem' mas' sim' demonstrar interesse pessoal' reconhecer seu tra&alho e trat -las com respeito..ara&.O cola&orador vai se lem&rar da cr#tica somente2./"o somos uma sociedade de ro&Vs.Tra&alhamos com seres humanos !ue têm sentimentos.<e as tratarmos como autVmatas' responder"o como autVmatasO l#der 5uerreiro ou de van5uarda deve or5ani)ar-se em torno de !uatro aprendi)a5ens (undamentais !ue' ao lon5o de toda a vida' ser"o os pilares de sua aç"oConheça um pouco mais so&re essas !uatro aprendi)a5ens29 .m se interessa por elas./"o elo5ie primeiro para criticar depois' isso passa uma sensaç"o de t tica &arata.<e tratarmos as pessoas de acordo com suas e1pectativas' elas responder"o de (orma mais (avor vel e entusiasta.<"o dois os tipos de elo5io4 va5o =e1-4 Você est (a)endo um &om tra&alho!> e espec#(ico =e1-4 Você conse5uiu superar a meta de produç"o este mês.

<a&er lidar com essa diversidade .cnicas de todos os car5os so& sua responsa&ilidade' mas sa&er o su(iciente para n"o (icar P&oiandoQ ou comprometer o n#vel de discuss"o e decis"o por conta da (alta de conhecimento t.m' pelo pra)er de compreender' de conhecer' de desco&rir.Todo ser humano necessita ela&orar pensamentos autVnomos e cr#ticos para (ormular 2F .tico e respeitoso com os outros em todas as atividades humanas.cnico. necess rio para viver di5namente' para desenvolver as suas capacidades pro(issionais' para comunicar e tam&.ia' começa a perder cone1"o com a realidade das tare(as e pessoas so& sua responsa&ilidadeAp endi@a"em /A Ap ende a Con:i:e Cooperar e manter um relacionamento .Cada um desco&re meios de aprender' avaliando a !ualidade e pro(undidade desses meios &em como o 5rau de pra)er e1perimentado durante o aprendi)adoAp endi@a"em +A Ap ende a 7a@e 7st li5ado à !uest"o das competências pro(issionais4 pVr em pr tica os seus conhecimentos para poder a5ir so&re o meio em !ue tra&alha e vive.Ap endi@a"em 'A Ap ende a Conhece 3d!uirir os instrumentos da compreens"o do mundo !ue o rodeia' pelo menos na medida em !ue isso lhe . muito importante para transitar &em em !ual!uer am&ienteAp endi@a"em 2A Ap ende a Se Buscar o desenvolvimento inte5ral4 esp#rito e corpo' inteli5ência' sensi&ilidade' sentido . (undamental' pois o l#der convive com pessoas de todos os n#veis =culturais' sociais e econVmicos>.?a)er n"o si5ni(ica conhecer todos os detalhes' macetes e t.Dsso .tico' responsa&ilidade pessoal e espiritualidade.*uando o l#der n"o tem a menor id.

' seu e1emplo diante os outros' !ue ele cumpre seu papel interpessoalPapel $n-o macional Todas as in(ormaç+es importantes para o desenvolvimento do tra&alho s"o responsa&ilidades do l#der.: por meio de sua liderança direta' ou seja' dele5ando' distri&uindo &em as tare(as' usando (eed&acX' orientaç"o e acompanhamento' e pela liderança indireta' isto .rias à administraç"o de con(litos' .7le cuida para !ue o clima entre eles seja saud vel.os seus pr0prios ju#)os de valor' de modo a poder decidir por si mesmo' como a5ir nas di(erentes circunstOncias da vidaMuitas pessoas' !uando s"o promovidas à car5os de liderança' às ve)es continuam sua rotina por!ue n"o entenderam seu no:o papel =sem contar !ue pre(erimos manter a situaç"o atual' pois mudanças sempre nos desa(iam>.is (undamentaisPapel $nte pe11oal O l#der . o respons vel pelo relacionamento entre cola&oradores' pares e superiores.3 maior parte das pessoas tem 5randes di(iculdades para planejar o !ue deve ser (eito. responsa&ilidade do l#derO l#der precisa sa&er planejar e administrar todo o seu tempo.Tudo !ue se relaciona com o andamento dos tra&alhos' da de(iniç"o de a5enda de (.Vale lem&rar !ue um &om planejamento inclui4 2H ..ara o l#der' h três pap.7le atua como um radar' captando e distri&uindo a comunicaç"o para um e(etivo tra&alho inte5radoPapel Deci1o ial %ecis+es !ue a(etam resultados s"o responsa&ilidades do l#der.

3ntes de li5ar' relacione os assuntos a serem tratados e as in(ormaç+es de !ue precisa.7leja as prioridades em seu tra&alho.?i!ue atento e evite distraç+es en!uanto o outro (ala.7sta&eleça o&jetivos claros.rios para acompanhar resultados.7sta&eleça padr+es para tra&alhos rotineiros' &em como crit..<impli(i!ue seu tra&alhoSe*a A11e ti:o em 1ua Comunica.rocure eliminar visitas n"o a5endadas.<eja direto e o&jetivo e con(ira se o outro est compreendendo. preciso !ue o l#der4 Se*a di1ciplinado ..tili)e sua cai1a postal =secret ria eletrVnica> !uando estiver (a)endo um tra&alho !ue e1ija concentraç"o.<i5a as normas da empresa nas li5aç+es tele(Vnicas e mantenha as in(ormaç+es !ue devem ser tratadas à m"o.• listar as atividadesI • de(inir !uais s"o ur5entes ou importantes e classi(ic las como prioridadesI • prote5er seu tempo para reali)ar o !ue (oi planejadoI • avaliar as atividades reali)adas para otimi) -las e aprender liç+es3 5rande !uest"o ..7vite pensar ne5ativamente so&re o outro' elimine preconceitos2J .<ai&a ouvir. como administrar o tempo para !ue as atividades sejam completadas dentro do planejado..71erça a empatia' procurando entender o ponto de vista alheio.o .ara !ue isso ocorra' .

?ale com convicç"o e conhecimento e n"o com a5ressividade.Comuni!ue com clare)a e o&jetividade de (orma !ue a pessoa sai&a o !ue se espera dela.ara um l#der ser &em-sucedido' ele precisa e1ercer in(luência so&re as pessoas e trat -las com respeito.Treine e acompanhe a pessoa'5/ Recapitulando Aeveja os principais assuntos estudados no M6dulo '5 .m disso' o l#der deve a5ir sempre com sa&edoria2K .3companhe a pessoa para a !ual você dele5ou a tare(aDsso .rocure transmitir a in(ormaç"o da (orma como ima5ina !ue o outro 5oste de rece&erDele"ue AdeBuadamente ..cnicas para e1ecutar determinada atividade.Bus!ue (eed&acX.Dado1 s"o os (atos em sua (orma prim ria.er5unte !uando n"o sou&er so&re determinada in(ormaç"o.%ele5ue à pessoa capacitada..3l.ara !ue mudanças sejam e(etuadas' o l#der necessita desenvolver a vis"o sistêmica....3 vis"o sistêmica a&ran5e a capacidade de manter a vis"o do todo e entender a relaç"o entre as partes.3o dele5ar' estimule a motivaç"o' esta&eleça o&jetivos claros e propicie meios para alcanç -los.Veri(i!ue se houve aceitaç"o da incum&ência por parte de !uem a rece&eu..C in-o ma.e1 s"o a or5ani)aç"o de dados de (orma si5ni(icativa. educativo.Certi(i!ue com antecedência !ue a pessoa possui condiç+es t.

o papel do l#der.m como um l#der pode apoiar de perto o desenvolvimento das pessoas ao redorO M6dulo + est dividido em !uatro t0picos4 +5' .Lem&re-se de !ue um l#der completo (a) a di(erença na vida da sua e!uipe3!ui' você desco&rir como uma e!uipe amadurece e !ual .O L#der Bu("o =&em-humorado> +52 .M%DU&O + CONCEÇA O BU7ÃO /este m0dulo' aproveite para desco&rir suas potencialidades como l#der e traçar seu pr0prio caminho de desenvolvimento.O L#der Coerente +5+ .O L#der Mentor +5/ .Aecapitulando 2L .Você aprender tam&.

+5' O &0de Coe ente .Tem esperança mesmo !uando as coisas n"o est"o &oas.O&serve a&ai1o !uais s"o as três (ases7ASE ' 6M .7 isso acontece mesmo com e!uipes em !ue as pessoas j se conhecem.Você j perce&eu a coerência nas crianças$ 7las (a)em o !ue di)em' s"o espontOneas e (ocadas$ Tente distra#-las !uando estiverem envolvidas na &rincadeira e veja como elas conse5uem manter o (oco no !ue est"o (a)endo.%emonstra autocon(iança e otimismo. se entrosarem &em em um tra&alho em e!uipe.Carre5a pontos de re(erência !ue (a)em perce&er o mundo como um Plu5ar se5uroQComunica.35e com transparência. a coerência no seu jeito de ser.o ..ma das principais caracter#sticas do l#der !ue mo&ili)a os 5rupos e estimula o tra&alho em e!uipe .?a) o !ue (ala' de (orma respeitosa e natural.3presenta capacidade de &rincar com seriedadeOs 5rupos passam por (ases at.Veja a&ai1o al5umas caracter#sticas do l#der coerenteMente .35e de acordo com suas crenças e convicç+es)i1.o .3presenta capacidade para romanti)ar o mundo' ver o lado am vel !ue os outros n"o vêem.

Con(ira o !ue passa na ca&eça de cada uma delas e entenda o motivo de tais comportamentos.$nclu1.Medo de errar' de ser criticado.descon(iançaI .di(iculdade em se e1pressarI .PVou ser aceito =a> por estas pessoas$Q Veja o !ue est (altando neste primeiro momento.o ao " upoA momento em !ue as pessoas est"o che5ando para perse5uirem um o&jetivo em comum/esta (ase' (i!ue atento aos compo tamento1 mai1 comun1./ecessidade de ser aceito.isolamentoI .PConse5uirei me (a)er entender$Q .Dnte5raç"o e apro1imaç"o maior entre as pessoasO papel do l0de .4 6G .P<erei capa) de en(rentar este 5rupo$Q .3utocon(iança.Medo de se e1por.<"o eles4 .%esconhecimento do !ue vai acontecerTodos os motivos listados e1ercem (orça ativa na vida das pessoas.&usca de conhecidos =panelinhas>I .inse5urançaVeja' a5ora' !uais s"o os p incipai1 moti:o1 para os comportamentos citados acima.PMinhas e1pectativas ser"o atendidas$Q .Con(iança no 5rupo.

7sta&elecimento da con(iança.Co&ranças.promover as apresentaç+es.Dnte5raç"o.erda dos medos.Con(ira o !ue passa na ca&eça de cada uma delas e entenda o motivo de tais comportamentosP<erei capa) de me destacar neste 5rupo$Q PComo (a)er para ocupar meu espaço$Q 62 .esta&elecer um clima descontra#do e l8dico no primeiro momento.Con(ira! . o momento em !ue as pessoas sentem necessidade de con!uistar seu espaço no 5rupoC nesta se5unda (ase' outros compo tamento1 se tornam mais comuns..esta&elecer a (orma de participaç"o e levantar e1pectativas7ASE + Cont oleA .ara cada comportamento' e1iste um moti:o.in(ormar so&re o motivo da reuni"o =o&jetivos e conte8do>.Vontade de e1ercer in(luências.Tentativas de liderança.?eed&acX../ecessidade de ocupar espaços no 5rupo3ssim como na primeira (ase' os motivos listados e1ercem (orça ativa na vida das pessoas.!ue&rar a &arreira da descon(iança.Veja !uais s"o eles.

3(etividadeOs motivos apresentados e1ercem (orça ativa na vida das pessoas' assim como nas demais (ases.respeitar pontos de vistaI .?ormaç"o de pe!uenos 5rupos.%emonstraç"o de a(eto ou desa(eto.4 .ara entendê-los melhor' con(ira os p incipai1 moti:o1 por tr s de cada comportamento apresentado.manter um comportamento mais discretoI ./ecessidade de criar v#nculos.Con(ira o !ue 66 .3pro1imaç"o.PTenho id.?acilidade de e1press"o.Veja todos eles.7sta&elecimento de ami)ades.iasI .ias !ue !uero colocar!Q P.ne5ociar as e1i5ências =caso surjam>I .osso contri&uir neste 5rupo!Q /este caso' o papel do l0de .decidir em conjunto7ASE / Matu idadeA instante em !ue as pessoas j têm v#nculos mais (ortes e se e1pressam com mais (acilidade e sinceridade dentro do 5rupo/esta terceira e 8ltima (ase' os compo tamento1 mai1 comun1 s"o outros.<olicitaç"o de novos encontros.promover discuss+es e incentivar id.

.reconhecer o valorI . simples.O primeiro passo .identi(icar as caracter#sticasI .or isso' você tem o desa(io de ajudar a desenvolver as competências necess rias para um pro(issionalDma5ine !ue você precisa estruturar e desenvolver uma e1celente e!uipe de vendas.Com isso' .m$ 3 resposta .m prontinho' com todas as competências desenvolvidas.2oje' as e1i5ências de !uali(icaç"o s"o muitas e praticamente .m l#der pode apoiar de perto o desenvolvimento das pessoas por meio do coachin5.passa na ca&eça de cada uma delas e entenda o motivo de tais comportamentosP*uero encontrar estas pessoas novamente-Q P*uando sur5ir um novo encontro semelhante a este' vou comparecer-Q PValeu a pena!Q O papel do l0de D4 . poss#vel4 . identi(icar as competências necess rias para essa e!uipe%e acordo com essas competências' você pode 69 .incentivar o (eed&acX+5+ O &0de Mento .promover a apro1imaç"o das pessoasI .avaliar o n#vel pessoalI .estimular compromissos com mudanças e melhoriasI . imposs#vel encontrar al5u.identi(icar as melhores pr ticas de coachin5Mas' por !ue treinar al5u.

Or5ani)a e planeja cada visita ao cliente.Veja al5uns e1emplos de per(is e suas tare(as mais comuns.m um cadastro de clientes e os acompanha6F .cnicas' servem de modelo e acompanham os vendedores com menor ha&ilidade' au1iliando-os em suas ne5ociaç+esCola&orador !ue sa&e o "ani@a e plane*a o tra&alho4 .m cola&orador !ue sa&e ne"ocia 4 .Mant.ouveI .in(orma detalhesI .m atitude (le1#vel e en1er5a oportunidades na ne5ociaç"o7stes cola&oradores desenham as estrat.determinar tare(as !ue se adaptem ao per(il do pro(issional !ue você tem.ossui uma vis"o de !ue a ne5ociaç"o deve tra)er vanta5ens para as duas partes.Tem claros os pontos onde deve ceder.capta as necessidades do clienteI .se e1pressa com o&jetividade7ssa pessoa poder se responsa&ili)ar pelos contatos anteriores às visitas' dar suporte na venda-direta e na ne5ociaç"o.orientaI .5ias de a&orda5em e venda' sistemati)am e repassam aos outros suas t..3presenta &oa ar5umentaç"o e conhecimento do produtoRserviço.Mant.ma pessoa !ue se comunica com sucesso' em sua empresa4 .

3 5est"o do conhecimento torna-se parte da cultura do 5rupo.Traça o&jetivos e metas de curto e m.Conse5ue cativar o cliente4 desde o mais acess#vel at.Mant.m contato re5ular com sua carteira de clientes.% suporte à!ueles !ue necessitam.dio pra)os.: or5ani)ado=a> e possui (erramentas de acompanhamento do seu tra&alhoOs mais or5ani)ados au1iliam na de(iniç"o de m.<ua ha&ilidade interpessoal poder reverter a situaç"oVeja a5ora' as vanta5ens de (ormar uma e!uipe &aseada em competências3 estrat.3tende de maneira personali)ada.Trata cada cliente de acordo com seu per(il.cnicas !ue 5arantam o controle so&re a carteira de clientes*uando seu pro(issional possui ha&ilidade para lida com di-e en. inevit vel !uando as pessoas tra&alham juntas. o mais in(le1#vel7stes s"o desi5nados para ne5ociar com os clientes mais di(#ceis.7stimula-se a cooperaç"o' diminuindo a pr tica da competiç"o interna entre pro(issionais da rea comercial6H ..3ntecipa necessidades.O apoio da!ueles mais talentosos in(luencia na atuaç"o dos !ue têm al5uma di(iculdade.5ia contri&ui para o aprendi)ado coletivo' j !ue a troca de in(ormaç+es e de e1periência .a14 .todos e t.

7ssa .3 estrat. e1i5ido' principalmente da!uele !ue est em posiç"o de liderança' a presença da competência emocional.5ia contri&ui para o aumento da produtividade e melhoria do clima de tra&alho.o 3!ui' você aprender como o relacionamento interpessoal pode ajudar um l#der a con!uistar e manter o respeito e apoio de seus lideradosVocê deve se sentir atra#do em seu tra&alho por a!uelas pessoas !ue vivem rindo e (a)endo piadas.Vamos dei1ar um ponto de partida para você4 analisaremos cinco emoç+es & sicas e seu impacto na or5ani)aç"oMedo' raiva' triste)a' ale5ria e amor s"o as cinco emoç+es & sicas. uma outra competência indispens vel para o l#der7stamos em trans(ormaç"o. de uma e!uipe im&at#velLem&re-se de !ue n"o podemos contratar 5ênios' mas podemos construir uma e!uipe 5enial+5/ O &0de Bu-.O cliente .%e (ato' elas têm um ma5netismo pessoal !ue alivia a dure)a e aspere)a do dia-a-dia. atendido de (orma personali)ada e !ualitativa.Con(ira' a se5uir' suas principais caracter#sticasMedo 6J .3 ima5em passada para o mercado ..Cada ve) mais .: necess rio repensar atitudes e comportamentos' com vistas à melhoria da !ualidade nos relacionamentos.

Mudanças &ruscas no modelo de 5est"o' sem a devida sensi&ili)aç"o e preparo dos cola&oradoresRai:a *uando presente 5era tens"o nos m8sculos' pupilas diminu#das' maior circulaç"o de san5ue nos 0r5"os peri(. pouco produtivo.ricos' preparando o corpo para a de(esa e o ata!ue.Com isso' vem a descon(iança' o ci8me' a inveja e outros sentimentos !ue inter(erem so&remaneira no tra&alho cola&orativo de e!uipe.7stilo de liderança autorit rio.ricos' preparando o corpo para a (u5a.O medo est relacionado com ameaças à so&revivência<im&olicamente' podemos citar al5umas situaç+es !ue causam tal emoç"o.essoas com raiva tendem a mani(estar comportamentos a5ressivos e de revide.m unidos pela solidariedadeOs principais (atores !ue 5eram a raiva s"o4 .<ua presença altera os &atimentos card#acos' acelera a respiraç"o' dilata as pupilas e redu) o (lu1o de san5ue dos 0r5"os peri(.essoas com medo tendem a (u5ir de compromissos' evitam desa(ios e apresentam &ai1os resultados.injustiçasI .%emiss+es em massa' !ue tra)em como conse!Sência a ameaça constante para a!ueles !ue (icam.O am&iente onde ela impera .postura de liderança a5ressiva e des!uali(icante6K .recisamos de times com&ativos e competitivos' por.

perdas pessoaisAle" ia *uem est ale5re apresenta um tVnus vital elevado' ener5ia' olhos &rilhantes' movimento' riso ( cil e disponi&ilidade para a5ir3o encontrar pessoas (eli)es' perce&emos no ar al5o di(erente4 o clima da pai1"o pelo !ue se est produ)indoLo5icamente' um time ale5re' onde a camarada5em se (a) presente' tem mais chances de 5erar resultados e conta5iar o am&iente com sua aç"oVeja o !ue (a) as pessoas (eli)es.m !ue est preocupada consi5o 5erar resultados$ 3 triste)a indu) à apatia' à (alta de ener5ia e à paralisaç"o da aç"o. (echada e voltada para o pr0prio um&i5o.<"o elas4 .3titudes .Aeconhecimento.3m&ientes muito introspectivos' 5eralmente' carre5am essa emoç"o3s causas podem ser variadas.ticas e coerentes6L .reduç"o do espaço de poderI .O a&atimento' os om&ros ca#dos' a ausência de vitalidade e a ausência do &rilho no olhar indicam tal emoç"oComo pode al5u.T i1te@a 3 postura de !uem est triste .perda de statusI .

3s duas emoç+es ener5i)am o ser humano.Tra&alho si5ni(icativo.%esa(ios.@erentes e l#deres !ue s"o e1emploAmo 3le5ria e amor caminham lado a lado..Modelos de 5est"o a&ertos.ossi&ilidades de desenvolvimento e crescimento pro(issional.Lealdade.3s pessoas se respeitam' se ajudam' preocupamse com o semelhante' a&rem seus coraç+es e suas mentes para um sa&er compartilhado. (acilitada' a 5est"o do conhecimento corre de (orma natural e' conse!uentemente' os resultados se ma1imi)amVeja o !ue leva um time a amar o !ue (a)..Aespeito..<istema de 5est"o a&erto.erce&a !ue 5erentes e l#deres !ue amam o !ue (a)em e s"o matri)es de identidade+52 Recapitulando Aeveja os principais assuntos estudados no M6dulo +5 9M .3 retenç"o de talentos .m o amor acalma' (a) com !ue nosso or5anismo se harmoni)e' promovendo o &emestar (#sicoOnde o amor se (a) presente perce&e-se um P!ueQ de sa5rado.or.

uma competência imprescind#vel no momento atual de mercado' em&ora seja uma e1i5ência para a competitividade' as pessoas ainda apresentam di(iculdade para compartilhar seus sa&eres e sair da atitude individual para a aç"o cooperativa.: sa&ido !ue pessoas descontentes n"o produ)em com motivaç"o- 9G .ma das responsa&ilidades do l#der ...O tra&alho em e!uipe . o desenvolvimento de sua e!uipe de tra&alho.

or isso' a cr#tica deve ser e!uili&rada com a auto-cr#tica' ou seja' ser anal#tico com os outros e conosco mesmos/este m0dulo' você conhecer como utili)ar a cr#tica a seu (avor e' assim' torn -la uma aliada no processo de tomada de decis"o.Aecapitulando 92 . uma atitude !ue en5randece e valori)a o l#derO M6dulo / est dividido em três t0picos4 /5' .M%DU&O / O CRET$CO E O DESTRUTOR Muitos (alam mal' criticam duramente' mas n"o têm soluç+es consistentes.Caminhos do Cr#tico /5+ .Outros usam a cr#tica como (erramenta para se so&ressair e humilhar os demais..m disso' você aprender como a (le1i&ilidade .3l.Caminhos do %estrutor /5/ .

O&serve !ue este 5esto correspondente à cr#tica =um dedo apontado para (rente e três em nossa direç"o>.. (le1#vel e o&jetivo' pois ele analisa os diversos pontos de vista antes de emitir sua opini"o' en1er5a os (atos como um processo e pratica a di(#cil arte do respeitoO&serve os cuidados !ue você' como um l#der cr#tico' deve ter em al5umas situaç+es do dia-a-diaDeci1.Dsso nos (a) notar !ue a cr#tica' na verdade' nos orienta para a autocr#tica.e1A ao tomar decis+es' você precisa reconhecer a importOncia de três componentes4 pessoas' realidade e lin5ua5em3s pessoas s"o di(erentes.Veja' a5ora' as principais caracter#sticas do cr#ticoO cr#tico tem o papel de um assessor interno por meio de cr#ticas construtivas' como' retro-alimentar' estimular' apoiar e alertar7le impulsiona à tomada de decis"o !uando estamos con(usos ou paralisados' (a)endo superar o medo' crescer' e avançarO verdadeiro cr#tico .Como e1emplo' en1er5amos um mesmo (ato de maneira di(erente.or isso' h 96 ./5' Caminho1 do C 0tico Costumamos apontar erros' en1er5ar (alhas' desco&rir de(eitos etc.or isso' !uando temos a capacidade de o&servar' perce&er pontos de melhoria e (a)er cr#ticas isentas de preconceitos pessoais ou tendências' estamos no caminho da e1celência.

o respons vel pelo repasse de in(ormaç+es !ue permitam a compreens"o do conte1to e pela sensi&ili)aç"o das pessoas4ul"amento1A incluem opini+es pessoais in(luenciadas por valores e crenças.3l. interpretada de acordo com sua e1periência de vida.%eclaraç+es (eitas por pessoas !ue n"o detêm o poder (ormal tornam-se inv lidas..?a) parte do papel do declarante assumir a responsa&ilidade pelo !ue declarou e suportar conse!Sências das mudanças nas re5ras do jo5o/em sempre as mudanças declaradas s"o aceitas de &om 5rado pelas e!uipes.: a (orma mais imparcial nas relaç+es de tra&alho e a !ue menos a(eta emocionalmente as pessoasComo .7sses s"o os di(erentes pontos de vista so&re um mesmo tema3 realidade de cada um .e1A de(inem a realidade./esse caso' o l#der .de&ates' discuss+es e diver5ências. o presidente' diretor ou l#der7les possuem autoridade para tal.Traumas' &ons resultados' opini"o de 5ente in(luente' estudos e meio em !ue viveu modelam &oa parte das crenças' convicç+es e atitudes de uma pessoa3s palavras e as intenç+es =impl#citas nas palavras> e1ercem um poder assustador na vida das pessoas. neutra' essa lin5ua5em au1ilia todas as outrasDecla a.odem ajudar a construir uma auto-ima5em positiva ou destruir sonhos e desejosA-i ma.m das conversas in(ormais' os ju#)os se estendem no am&iente empresarial' 99 ..e1A descrevem um (enVmeno com neutralidade' sem ju#)o de valor./o am&iente empresarial' !uem declara ..

?a) mais estra5os !uando s"o direcionados às pessoas' como PVocê n"o se es(orçaQ ou PVocê .O incentivo' desa(io e ne5ociaç"o s"o poderosos est#mulosP ome11a1A con(i5uram o (uturo.Muitas ve)es . s0 dei1ar claro aonde a e!uipe che5ar eRou !ue alvo v"o alcançar7ssa vis"o estimula a pessoa durante o trajetoTomada de Deci1.Veja' a5ora' o conceito do !ue se deve e o !ue se pode (a)erDe:e 7a@e A est li5ado à .3 cada solicitaç"o' pode se5uir uma promessa' atrelada a resultados ne5ociados/"o si5ni(icam apenas prêmios.oA ao se deparar com mais de uma opç"o em seu caminho' o ser humano se vê (rente a um impasse4 o !ue deve (a)er e o !ue pode (a)er.tica' ao respeito à justiça' à moral social' à reli5i"oPode 7a@e A &aseia-se na capacidade de desempenhar uma determinada (unç"o e na permiss"o interior para (a)ê-lo- 9F ..e1 e O-e ta1A s"o usadas !uando se pretende 5erar compromissos na e!uipe.ara o&ter a ades"o de cola&oradores em um projeto' decida-se pela lin5ua5em de solicitaç"o' evitando !ual!uer cr#tica ou re(erência a (racassos do passado. desatentoQSolicita.entrelaçando-se nos outros tipos de lin5ua5em<orrateiramente' como !uem n"o !uer nada' o ju#)o de valor vai in(luenciando no comportamento das pessoas' nem sempre de (orma positiva*uase sempre acompanham a(irmaç+es' declaraç+es e promessas e a(etam a (inalidade da comunicaç"o.

7sse item est relacionado ao produtoRserviçoRid.ia.iaOpo tunidade1A re(erem-se às oportunidades !ue poder"o ser aproveitadas com a adoç"o da id.ias.ia.<"o relacionadas ao am&iente in(luenciadorVeja' a se5uir' as per5untas e pontos !ue você pode levantar durante uma an lise ?O?39H .or e1emplo' uma pessoa pode se achar capa) de 7 O reali)ar al5uma coisa =pode>' mas sem a permiss"o 7 A interior =deve>' pressionado por uma auto-cr#tica proi&itiva para (a)ê-lo' aca&a n"o (a)endo.ias7o tale@a1A identi(icaç"o das (orças e os pontos positivos das id.O%7 5eram con(litos interiores.ias>' no momento em !ue o es&oço da id.<"o relacionadas ao am&iente e ao conte1to in(luenciadorAmea.ias re5istradas.ia7 aBue@a1A s"o os pontos vulner veis das id.ias 5eradas3s (ra!ue)as di)em respeito ao produtoRserviçoRid..3 ?O?3 d pistas e condiç+es para a decis"o em adotar ou n"o a nova id.ia j est ela&orado. uma (erramenta usada ap0s um brainstorming =tur&ilh"o de id.a1A (atores e1ternos ameaçadores !ue poder"o inter(erir na implantaç"o das id.: uma (erramenta !ue ajuda a selecionar as melhores' dentre as melhores id.3 (ase 7ort adulta une o !ue est acontecendo (ora de n0s ao ale)a !ue est ocorrendo no nosso interior para che5ar a s um consensoOp ortunidades 7ra!ue)as Ameaças ?O?3 .O %7V7 e o .

: de ( cil criaç"o$ O *ue ?a)er .Cont.71i5e pessoal especiali)ado$ .er5untar . caro$ .O tempo de criaç"o . insu(iciente$ O *ue ?a)er .71i5e poucos recursos$ .ias$ .Tem custo &ai1o de produç"o$ .7o tale@a1 O *ue .ia similar no mercado$ .Como com&ater as (ra!ue)as das id.C e1iste produtoRserviçoRid./ecessita de pessoal especiali)ado$ .O n8mero de (ortale)as .3s (ortale)as das id.3 !uem posso pedir ajuda$ .osso aproveitar as (ortale)as para minha estrat.O tempo de resposta . ra)o vel$ .er5untar .Como trans(ormar (ra!ue)as em (ortale)as$ 9J .71i5e muitos itens de se5urança$ .5ia$ .ias poder"o contri&uir para o alcance de meus o&jetivos$ 7 aBue@a1 O *ue . demorado$ ..3s (ra!ue)as podem ser eliminadas$ .O custo de criaç"o .m um di(erencial$ .

71i5e uma estrutura !ue n"o possu#mos$ .Como aproveitar as oportunidades$ ..71iste a demanda no mercado e n"o h (ornecedores dispon#veis no momento$ .er5untar .7st distante das e1pectativas dos clientes$ O *ue ?a)er .: uma &oa id.Como evitar as ameaças$ .osso contorn -las$ .*ue 5anhos vamos o&ter ao oportunidades$ Amea.3 concorrência n"o tem estrutura para um lançamento similar$ .7st dentro da e1pectativa dos clientes$ O *ue ?a)er .osso trans(orm -las em oportunidades$ 9K aproveitar as .Com !uem posso contar$ .*uem envolverei na estrat.er5untar .Os concorrentes (a)em al5o similar$ .ia' mas o mercado n"o apresenta demanda$ .<"o ameaças de 5rande porte$ .a1 O *ue .Opo tunidade1 O *ue .5ia$ ..

ias anti5as e resistem ao novo e às mudanças correm o risco de se tornarem o&soletas para o mercado3 primeira e 0&via per5unta ..O destrutor ajuda-nos a rever posturas pouco ade!uadas' tais como4 Panulaç"o do !ue !ueremos em (unç"o do !ue o outro !uer de n0sQ.7ste ape5o est diretamente li5ado à palavra Pn"oQ- . uma metodolo5ia para analisar pro&lemas e tomar decis+es.recisamos da ener5ia do destrutor para eliminar' com cora5em' tudo a!uilo !ue n"o .m presos ao mundo das limitaç+esO ape5o a velhas estruturas de pensamento e a anti5os 9L paradi5mas . autêntico ou verdadeiro4 um medo muito anti5o' por e1emplo.. mais necess rio e dei1ar entrar o novo.or !ue o chamam de %estrutor$ Leia a&ai1o al5umas e1plicaç+es so&re a denominaç"o do l#der destrutor e entenda sua posiç"o (rente à e!uipe4 .' do pro&lema e das suas implicaç+es3ssim' o processo de tomada de decis"o se torna mais o&jetivo e a&ran5ente/5+ Caminho1 do De1t uto Você aprender como adaptar-se às circunstOncias.essoas !ue se ape5am às id..4 .pocas de mudanças aceleradas' .O destrutor ajuda-nos a jo5ar por terra as m scaras' as crenças o&soletas e os padr+es !ue nos mant.ara usar a ener5ia do destrutor' precisamos en(rentar nossos medos' constatando suas ori5ens.<er (le1#vel .3 an lise ?O?3 .7la o ajudar a ter uma vis"o do todo' isto . preciso destruir o !ue n"o . uma das mais (ortes &arreiras à mudança.7m . (undamental para o l#der de hoje.

7la passa pela compreens"o do processo de mudança' onde duas vari veis est"o presentes4 tempo e n#vel de di(iculdade.or !ue as pessoas em 5eral s"o t"o e1i1tente1 F1 mudan./a era da competitividade' (a)-se importante destruir e reconstruir paradi5mas e estrat.O receio do insucesso' da cr#tica' do novo' nos (a) alimentar o senhor das ne5aç+es7stamos diante de um conte1to' onde a!uele !ue se ape5a a paradi5mas o&soletos e n"o renova suas pr ticas tem menores chances de alcançar a e1celência3s mudanças se mostram ur5entes' do campo das atitudes aos processos de tra&alho e modelos de 5est"o. sucesso hoje pode n"o (uncionar amanh".: mais con(ort vel para n0s manter o !ue j e1iste no espaço !ue conhecemos. clara.Vamos aprender mais so&re as etapas de um processo de mudançaFM .<empre !ue h mudanças' elas me1em com a chamada )ona de con(orto' a!uela rea ao nosso redor em !ue conhecemos todas as coisas' as pessoas' os m. arriscar antecipar os resultados' o (amoso Pj sei o !ue vai acontecerQ' Pj vi esse (ilmeQ7 como essa mudança pode come.todos e podemos at.or !ue têm medo de ousar e renovar$ 3 resposta .a1$ .a $ : simples.5ias' atuar com a5ilidade' anteciparse às demandas e acreditar !ue o !ue .

cnica e pessoal2H ETAPAA 7a@e FG .Caracter#sticas pessoais tais como autocon(iança' (le1i&ilidade' iniciativa' motivaç"o empreendedora e vis"o de (uturo s"o elementos (acilitadores na decis"o para mudar. menos ameaçador do !ue se e1por e adotar posturas inovadoras.3s in(ormaç+es nos che5am de (ormas diversas4 atrav. mesmo paralisar o processo/G5 ETAPAA Plane*a 7ste novo de5rau s0 . transposto !uando a pessoa decide mudar e o planejamento se (a) presente./esta etapa' a vontade de mudar pode demorar um tempo maior e at.O l#der precisa dedicar tempo e (orça de vontade na &usca de sua capacitaç"o t. o primeiro passo do processo.'G ETAPAA Pe cebe Ddenti(icar o momento certo para mudar . a (ase !ue e1i5e menor tempo e menor n#vel de di(iculdade+G ETAPAA 9ue e O !uerer .ara deci(rar esses sinais' o l#der deve (icar atento aos (atos' aos dados' às pistas' aos conceitos e às in(ormaç+es dispon#veis.3(inal' permanecer na rotina .. o momento onde a pessoa se posiciona (rente à demanda perce&ida.7n1er5ar a demanda ./essa (ase as di(iculdades aumentam.s de (eed&acX direto' nas comunicaç+es (ormais' nas orientaç+es de mercado e nas atitudes das pessoas à nossa volta.3o contr rio' a inse5urança' o medo' a acomodaç"o e a vis"o limitada podem predispor a uma atitude de manutenç"o do statusquo.7scolher os caminhos' de(inir os recursos' traçar o&jetivos e prever (ormas de lidar com di(iculdades ajudam na caminhada dos !ue pretendem adotar a mudança como alvo.

Momento da aç"o propriamente dita.7sta etapa pode ser conclu#da ou n"o' dependendo do conte1to or5ani)acional em !ue o l#der atua.Ddenti(icar e se adaptar a mudanças . (ortalecida !uando h o dom#nio desta capacidade.3o entender a dinOmica e as etapas da mudança' podemos ajudar nossos cole5as a percorrer essa trajet0ria- F2 . uma competência de &ase para a aç"o de liderança.%iretri)es superiores' cultura da empresa' sistema de valores vi5ente' crenças' mitos' clima de tra&alho' (orma de atuaç"o das e!uipes e recursos dispon#veis s"o al5umas vari veis !ue atuam como (orças propulsoras ou ini&idoras à aç"o.3 metodolo5ia ?O?3 ap0ia a tomada de decis"o &aseada em dados concretos e an lise criteriosa./osso persona5em %estrutor ajuda a compreender e desenvolver sua capacidade de adaptaç"o a mudanças &em como propiciar re(le1+es para uma aç"o (le1#vel no seu cotidiano.3 (unç"o de liderança .O (a)er pode tornar-se realidade ou permanecer na intenç"o ou no discurso/52 Recapitulando Aeveja os principais assuntos estudados no M6dulo /5 .

O L#der 3mante 25/ .O L#der 3rtista 25+ .Aecapitulando F6 .M6dulo 2 A ti1ta13 Amante1 e Ma"o1 /este m0dulo você vai avaliar o&jetivamente o n#vel pessoal da competência criatividade e inovaç"oDdenti(icar conhecimentos' ha&ilidades e atitudes relacionados a essa competência e ainda' criar (atores !ue estimulam e desco&rir (ormas de destruir seus &lo!ueadoresO M6dulo 2 est dividido em !uatro t0picos4 25' .O L#der Ma5o 252 .

or.<ocial .3s pessoas di)em P/"o sou criativoQ' P/"o consi5o ima5inar nada di(erenteQ. /ata 3 crença de !ue o ser criativo j nasce pronto ../a realidade' nascemos com um potencial ilimitado e' dependendo das condiç+es às !uais somos su&metidos' esse potencial poder se e1pressar ou n"o nas diversas (ormas de inteli5ência.7ntre elas' podemos citar4 .m a F9 . muito popular.L05ica Ou seja' h atores criativos' 5inastas criativos' pessoas soci veis com coment rios criativos' administradores criativos.Corporal .3 vis"o de !ue todo criativo . e1cêntrico' emotivo' louco' melanc0lico eRou revolucion rio (oi re(orçada pelo comportamento de al5uns 5ênios conhecidos pela humanidade.25' O &0de A ti1ta 71istem mitos so&re a competência c iati:idade' vamos e1plic -los e desmisti(ic -los para !ue você entenda o conceito de criatividade e e1erça com e1celência o !ue aprenderMito G 3 Criatividade . para 5ente e1cêntrica- Ys ve)es olhamos pessoas e1tremamente criativas com roupas' estilos e jeito de ser !ue consideramos PmalucosQ e jamais nos ima5inamos da!uela (orma.3rt#stica .7m !ual!uer rea' dependendo do seu potencial' você pode ser muito criativoMito 2 3 Criatividade .

3 criatividade est diretamente li5ada à aç"o..recisamos desco&rir novas rotas' ou o &arco poder a(undar*uem (ar isso$ Todos !ue est"o envolvidos no empreendimento .crença de !ue Psomente os 5ênios s"o criativosQ precisa ser desmisti(icada<omos' por cultura' medrosos e pre(erimos' muitas ve)es' dei1ar de (a)er al5o do !ue tentar e (alhar. do diri5ente .O &arco nave5ava em 5uas mansas' sem alteraç+es na mar.Tempo de calmaria.Aeconhecê-los e super -los . &em pouco tempo' a criatividade (oi tratada como um dom reservado à al5umas pessoas e era pouco valori)ada nos meios empresariais B per#odo em !ue as mudanças eram !uase impercept#veis.2oje estamos vivendo o tempo' onde os mares a cada dia se a5itam mais.: ele !uem inicia o processo.Ca&e ao diri5ente &uscar respostas às per5untas4 Criar para !uê$ Mudar em !ue direç"o$ Dnovar de !ue maneira$ /aturalmente' h (atores !ue estimulam a criatividade =j ouviu (alar das salas &em in(ormais da Microso(t$> e FF .m o poder de decis"o e !ue determina os rumos da empresa.Dnovaç"o e criatividade s"o re!uisitos imprescind#veis no atual conte1to. o passo (undamental em direç"o à e1press"o do potencial.: uma (orma de perce&er' sentir e se comportar !ue resulta em uma resposta pr tica e usual a pro&lemas e desa(ios3t.a!uele !ue det.Custamente' na calmaria perdeu-se de vista o valor da criatividade e da necessidade de &uscar novas alternativas.do comandante aos ajudantesContudo' a principal responsa&ilidade pela iniciativa do processo .Cultivamos al5uns medos aprendidos' dentre eles4 de se e1por' de ousar' de trans5redir' de errar e da cr#tica.

ias' a primeira re5ra .$denti-ica.ara responder essa !uest"o' acompanhe a hist0ria de Zoshiro/o livro P@rande Dd.ias+H . (icar calmo.: crucial ser capa) de encontrar tempo e li&erdade para desenvolver as suas melhores id.EJi1tência de ambiente adeBuado5 3o desenvolver id.iaQ' Charles Thompson conta a hist0ria de Zoshiro /aXamats' detentor de mais de duas mil e tre)entas patentes de invento' dentre elas o dis!uete (le1#vel de computador' o compact disc' o C% plaEer e o rel05io di5italCon(ira as condiç+es !ue (avoreceram a criatividade para Zoshiro e as utili)e em seu dia-a-dia para desenvolver a sua criatividade tam&. t"o importante em nossos dias.outros !ue a &lo!ueiam.V jo5ando id.o e libe dade pa a c ia <eus pais lhe deram li&erdade para criar desde se jul5ou capa)3 li&erdade .ias e dei1e sua mente diva5ar/H .o do melho "e a idDia15 momento pa a FH .. o mais importante de tudo.Vamos con(erir esses (atores para ver como podemos desenvolver nossa criatividadeE1timulado e1 ..ode ser !ue você se per5unte por !ue a criatividade .m-4 'H I Da e1pa.

..E1-o .Dnspiraç"o.ratica&ilidade' via&ilidade e ne5ocia&ilidade=H .recisamos a&rir o mundo' compartilhar e intera5ir>H .o com e1ultado15 Você precisa usar a sua vida.o e po11ibilidade1 de inte a.Teoria do conhecimento.ias com mais (acilidade por estar mais descansada' ou' em al5uns casos' mais a5itada2H I Bu1ca um mDtodo 35ir com (oco para atravessar os três elementos da criaç"o4 . satis(aç"o. os cento e vinte anosBloBueado e1 2 v rios (atores !ue &lo!ueiam a criatividade.Cultu a de pa ticipa.7sses (atores s"o apresentados por Mar5arita de < nche)' pro(essora do Mestrado em Criatividade 3plicada da .71istem momentos em !ue nossa mente pode 5erar id.<e você tem potencial de de) e usa s0 oito' isso n"o ..o e 1ati1-a.. satis(aç"oKH .<e você tem um potencial de de) e usa do)e' isso .4o:ialidade e c iati:idade5 Muitos cientistas acreditam !ue podemos viver at.niversidade de <antia5o de Compostela.o5 .7la os chama de limitadores da criatividadeFJ .

o otimi@ada da ealidadeO&servaç"o de elementos soltos' sem inte5r -los dentro de uma totalidade' nem relacion -los entre si.3 pessoa4 .3 pessoa perce&e e o&serva elementos soltos e (orma ju#)os' ar5umentos' descriç+es etc.m disso' ela emite FK .m disso' ela tem di(iculdades para incorporar novas in(ormaç+es e enri!uecer seus pontos de vista com os de outras pessoas e n"o aceita ar5umentos di(erentes dos seus/H I )i1.Veja a&ai1o os &lo!ueadores da criatividade e procure elimin -los de seu dia-a-dia'H I Pola i@a.3l.sem si5ni(icaç"o pertinente ao conte1to2H I Opini.o 3doç"o de posiç+es e1tremas' causada 5eralmente por (alhas na percepç"o.e1 1em e1paldo5 7miss"o de conclus+es apressadas' sem o&ter as in(ormaç+es necess rias.3l.<ustenta seus conceitos com ar5umentos !ue mostram uma vis"o incompleta da realidade+H I Ri"ide@ Dn(le1i&ilidade para mudar en(o!ues e pontos de vista.Considera somente uma parte da in(ormaç"o !ue rece&e.3 pessoa tende a utili)ar padr+es em cadeia e pensamento linear.3 pessoa opina sem ter a in(ormaç"o completa' ar5umenta sem &ases conceituais e sem justi(icativas apropriadas e n"o usa o pensamento para e1plorar possi&ilidades..

o em dete minado tempo5 O&servaç"o somente de certos per#odos de tempo..<e auto-su5estiona e de (ato imp+e limites a si%epois de con(erir os (acilitadores e &lo!ueadores' est na hora de ver !ual a e1t atD"ia do l0de a ti1ta.ias e &usca se livrar de preconceitos e pensamentos r#5idos.ara entendê-lo melhor' conheça al5umas caracter#sticas do l#der artista Viver atento e procurar en1er5ar as som&ras' os mati)es' os detalhes e contrastes nas diversas situaç+es 7sta&elecer um contato intenso com seu mundo interno' seu pr0prio &anco de dados' suas FL .. capa).m disso' ela tem di(iculdades em perce&er a relaç"o entre passado' presente e (uturo>H I BaiJo autoIconceito5 I <entimento de menos valia.opini+es 5eralmente &aseadas em preconceitos' crenças pessoais' emoç+es' id.O !ue di(erencia o artista das outras pessoas$ 7m resumo' o artista procura en1er5ar a realidade !ue a maioria ainda n"o desco&riu' o artista . uma pessoa a&erta às id.ias (i1as etc=H I 7iJa.3l..3 pessoa vive do passado' pensa s0 no tempo presente ou no (uturo e s0 conse5ue o&servar per#odos curtos de tempo.Tende a e1a5erar suas limitaç+es.ensa !ue n"o .<e sente in(erior.3 pessoa4 .

icasso !ue' uma ve) dominado um estilo' permitia-se e1perimentar e e1plorar novas possi&ilidades e1pressivas ao inv.e1periências' intuiç+es' recordaç+es' id.71i5e ha&ilidade para perce&er cen rios e conte1tos' sensi&ilidade e vontade de melhorar al5o' es(orço na &usca de meios para e(etivar a mudança' sistemati)aç"o de procedimentos' decis"o e cora5em para a5irTornando-nos criativos estaremos nos aper(eiçoando en!uanto pessoas' melhorando nossa (orma de viver' tornando-nos mais (eli)es e plenos' o !ue certamente se re(letir em nossas empresas/a medida em !ue con!uistamos pe!uenos saltos !ualitativos em nossas vidas' tornamo-nos mais dispon#veis' produtivos e 8teis à!ueles !ue nos rodeiam3 criatividade representa uma revoluç"o mental' uma nova (orma de conhecer e pensar' !ue en(ati)a HM .Mudar .s de acomodar-se com o sucesso con!uistado>*ue tal um pouco de re(le1"o$ 3ssim como n"o se che5ou a uma conclus"o so&re !uem veio primeiro' o ovo ou a 5alinha' mudança e criatividade caminham lado-a-lado.ias e sentimentos 3creditar nas intuiç+es e na convers"o dos sonhos em realidade 3dotar atitude e1perimental4 estar disposto a correr riscos Cultuar a arte do desprendimento =como . um processo dinOmico.

o e ene "ia pa a o t abalhoAeconhecer seu valor e identi(icar as caracter#sticas relacionadas a ela/em todas as tare(as de al5o !ue 5ostamos s"o a5rad veis. o L#der 3mante35ora você vai avaliar o&jetivamente o n#vel pessoal da competência moti:a. (undamental em nossos dias' at..Muita 5ente 5osta de projetar uma casa' mas n"o 5osta de preencher relat0rios t.Dmplica na construç"o de novos conhecimentos e na ma1imi)aç"o da dimens"o inventiva e (ant stica da mente humana e sua capacidade de ampliaç"o.3 criatividade n"o nos ensina o !ue aprendemos nos livros e sim as pr ticas di rias e re(le1+es de todas as (ormas de e1press"o' unidas à ima5inaç"o trans(ormadora e trans5ressora !ue convertem o ser humano em um cr#tico e trans(ormador de seus conte1tos25+ O &0de Amante Você j viu al5u.: muito di(erente.: a# !ue entra a pai1"o' !ue (a) você se concentrar na!uilo !ue mais 5osta e se5uir em (rente7sse . pra)eroso para a!uela pessoa envolver-se com o !ue ela mais 5osta de (a)er$ C perce&eu !ue a pessoa conta5ia os outros s0 de (alar so&re sua pai1"o$ 3ssim .a evoluç"o do sa&er. o primeiro passoMuita 5ente con(unde amor às pessoas' com relaç+es amorosas no tra&alho.cnicos para a pre(eitura.*uerer &em as pessoas com !uem você se relaciona' trat -las &em e valori)ar o !ue (a)em .m apai1onado pelo !ue (a)$ C viu como . por!ue passamos mais da metade da nossa vida em contato com pessoas no tra&alho ou na escolaHG .

o&ter al5um tipo de resultado atrav.3o assumir o car5o' ele tam&.. um super-homem7ntretanto ele .. a ne5ociaç"o.ma das competências e1i5idas em sua (unç"o .3o contr rio do !ue H2 .7sse .O&serve as principais marcas do l#der amante4 autoI aceita.s do es(orço da e!uipe.m assume os encar5osNe"ocia.m' ca&e a cada um de n0s se apai1onar de tal maneira pelo !ue (a)emos e pelas pessoas ao nosso redor de maneira !ue o dia-a-dia seja cheio de ale5ria e pra)er. o respons vel pela ener5i)aç"o de sua e!uipe.3 todo momento as oportunidades sur5em e devem ser aproveitadas./a liderança' a responsa&ilidade principal .Veja !uais s"o elas7un.o de LnimoA O l#der n"o .2 uma di(erença (undamental no tra&alho operacional e no de liderança.o e autoIe1timaO l#der amante demonstra capacidade de resolver con(litos de (orma harmoniosa e imparcial e comprometimento com o !ue (a)Ys ve)es ima5inamos !ue momentos de pai1"o intensa B !uando comemoramos a entre5a de um projeto' ou !uando rece&emos um novo cole5a de tra&alho B s"o r pidos e passa5eiros.../o primeiro' e1iste a responsa&ilidade pela e1ecuç"o.or. o desa(io do L#der 3mante7 para criar esse clima a5rad vel e pra)eroso' h aç+es pr ticas !ue você pode (a)er.oA Liderar ..oA . au1iliar a e!uipe a tra&alhar com mais e(ic cia' (ornecendo os recursos necess rios para atin5ir resultados$n*e.

a chave para entender o conte1to de l#der ma5oOs valores importantes para desenvolvimento desta capacidade s"o4 tole Mncia' ha monia e unidadeT a*et6 ia de um ma"o Con(ira !uais s"o os !uatro est 5ios da trajet0ria de um l#der ma5o importantes para lidar com situaç+es de con(lito !ue sur5em no dia-a-dia- H6 .Lo5o' .O con(lito 5eralmente sur5e !uando contratos s"o !ue&rados. (eito de diversos espaços ne5ociais !ue' se &em aproveitados' contri&uem para as &oas relaç+es pro(issionais e interpessoaisSen1ibilidadeA 35ir com sensi&ilidade na identi(icaç"o e administraç"o de con(litos torna o l#der um ponto de re(erência para sua e!uipe.O cotidiano .pensam al5umas pessoas' a ne5ociaç"o n"o est presente somente !uando est"o envolvidos valores (inanceiros.Você vai desco&rir a causa principal de con(litos e aprender orientaç+es pr ticas so&re como rea5ir diante de situaç+es de P5uerraQMa5o por!ue aprende a desenvolver a capacidade de relacionar-se com o 5rupo diante de con(litos' prestando muita atenç"o nas atitudes e comportamentos para !ue sejam ade!uados ao conte1to.7ssa . necess rio manter uma &oa comunicaç"o e aç+es coerentes com os tratos =(ormais ou in(ormais>25/ O &0de Ma"o Che5amos ao m0dulo !ue trata de 3dministraç"o de Con(litos.

m mais resultados !uando ad!uire a ha&ilidade para lidar com e!uipes em con(lito.m' um l#der o&t.or.7!uipes motivadas tra&alham em harmonia e produ)em mais do !ue a!uelas em con(lito.m a sua i5norOncia4 Pa5ora eu sei !ue n"o sei!QAesultado do aprendi)ado' o !ue leva ao reconhecimento das pr0prias capacidades e talentos4 P35ora' eu sei !ue sei!QMomento do s &io' onde as pessoas n"o sa&em !ue sa&em' mas o aprendi)ado j (icou arma)enado- .ara entender o motivo !ue leva a um clima pesado no tra&alho' . necess rio compreender a causa principal do con(lito4 a !ue&ra de contratoVeja !uais s"o as etapas do processo de !ue&ra de contrato- H9 .7st 5io da incompetência inconsciente 7st 5io da incompetência consciente 7st 5io da competência consciente 7st 5io da competência inconsciente 3 pessoa n"o sa&e !ue n"o sa&e e desconhece suas di(iculdades2ora em !ue sur5e um Pcli!ueQ interno' tornando claro para al5u.

actoRContrato Dn#cio do 7mpreendimento Aene5ociaç"o *ue&ra de Contrato Auptura Con(lito $n0cio do Emp eendimento /ormalmente' em !ual!uer empreendimento em e!uipe =pessoal ou pro(issional>' tudo se inicia com um contrato de e1pectativas e responsa&ilidades.%a# inicia-se o empreendimento7n!uanto todos os envolvidos cumprem sua parte' tudo se5ue &em9ueb a de Cont ato /o momento em !ue al5u.. lento e n"o se revela às claras3s pessoas n"o se con(rontam imediatamente' mas d"o pistas de sua insatis(aç"o4 mau humor' a5ressividade no trato com o outro' atrasos' etc.m !ue&ra um item do !ue (oi ne5ociado' inicia-se o con(litoCon-lito Muitas ve)es' o processo .Outras pistas sur5em de maneira mais velada' atrav./este contrato s"o de(inidas as normas de participaç"o' as responsa&ilidades' as metas a alcançar' os pra)os e outros detalhes !ue interessem às partes.s de &oatos' (o(ocas' (ormaç"o de PpanelinhasQ e reduç"o do n#vel de produtividadeHF .

3 !ue&ra desse novo pacto reinicia o ciclo.o /este momento' o l#der s0 tem uma opç"o4 en(rentar o pro&lema' assumindo seu papel de educador e procurar realinhar sua e!uipe.: necess rio um conjunto de aç+es interli5adas' tais como4 ..Caso haja muitas !ue&ras do mesmo pacto' pode ser !ue as pessoas j n"o acreditem nas tentativas de rene5ociaç"o e o relacionamento en(ra!ueça' correndo o risco de rupturas irrepar veis%e acordo com as etapas de !ue&ra de contrato' con(lito' ruptura e rene5ociaç"o' acompanhe um estudo de caso4 HH .<er necess rio um novo contrato ou pacto entre as partes' um consenso so&re a (orma de a5ir diante das circunstOncias para res5atar o !ue se perdeu ou reparar as perdas tanto !uanto poss#vel.3companhamento psicol05ico à e!uipe em con(litoI .3conselhamentos individuaisRene"ocia.<ess+es orientadas de (eed&acXI .Ruptu a 2 casos em !ue a !ue&ra de contrato perdurou por tanto tempo e a(etou t"o intensamente o clima de tra&alho !ue houve uma ruptura entre as partes.3 administraç"o do con(lito tem como principal o&jetivo desco&rir onde est"o os pontos da !ue&ra de contrato e &uscar estrat. reali)ada lo5o no in#cio do con(lito' uma simples conversa em reuni"o de tra&alho poder tra)er resultados r pidos e e(ica)es e tudo volta ao normal.Aeuni+es de rene5ociaç"oI .5ias para reajustar as responsa&ilidades PactoNCont ato /ormalmente' !uando a intervenç"o .

Ouviu atentamente cada vendedor' re5istrou os resultados e pediu su5est+es !ue pudessem sanar os pro&lemas !ue estavam 5erando a insatis(aç"oVeja a&ai1o as respostas o&tidas dos vendedoresMoti:o1 de 1ati1-a. muito &om..o e um de in1ati1-a..Certa manh"' ao presenciar uma conversa entre os vendedores' onde prevaleceram palavras a5ressivas' o l#der resolveu tomar uma atitude4 marcou uma reuni"o para o (inal da tarde' com a presença de todos/a reuni"o' pediu !ue cada pessoa apontasse um motivo de 1ati1-a.@ostaria de rece&er o retorno direto de minha che(ia.3s atitudes de cooperaç"o' a ale5ria e as &rincadeiras' !ue antes aconteciam (re!Sentemente' j n"o e1istiam mais.@ostaria de participar da de(iniç"o de metas..O treinamento de vendedores ajuda na nossa atuaç"oMoti:o1 de in1ati1-a.3s metas s"o passadas aos vendedores sem discutir com a e!uipe.m privati)ada' a e!uipe de vendas (ormada por vinte pro(issionais vinha apresentando resultados a&ai1o do esperado./a empresa P[Q' rec.O l#der perce&eu !ue as pessoas se encontravam rapidamente no in#cio do dia' mal se cumprimentavam e se diri5iam aos computadores para ela&orar seu plano individual de visitas.Os produtos !ue vendemos têm &oa aceitaç"o pelos clientes.<empre s"o meus cole5as !ue me (alam onde n"o estou indo &em.o4 O clima de tra&alho entre os vendedores .o4 /unca rece&o (eed&acX direto de meu 5erente.Ys ve)es prometemos a HJ .o no tra&alho..

O&serve a5ora' !uais s"o estas medidas7oco e cont ole emocional .oder &aseado na sua capacidade de (luir com os acontecimentos e n"o se dei1ar descontrolar por acontecimentos e1ternosEnJe "ando o Bue inte e11a .@ostaria de ter um crono5rama de entre5as da rea de produç"o%e posse das su5est+es' tratou lo5o de colocar em pr tica a!uelas !ue estavam ao seu alcance.<a&edoria para lidar com situaç+es con(litivas' encontrando maneiras de re(erir-se a elas' nomeando (atos' apresentando dados' promovendo re(le1+es' sensi&ili)ando para as conse!Sências' respeitando posiç+es e rea(irmando as suasHK ...Capacidade de en1er5ar o !ue est al.entre5a do produto em determinado dia e a empresa n"o cumpre os pra)os.*ual n"o (oi a surpresa da 5erente de vendas' !uando na semana se5uinte à reuni"o' notou !ue o clima de tra&alho estava mais leve' os sorrisos voltaram aos rostos dos vendedores e o principal .o de con-lito1 .3s !ue dependiam da e!uipe (oram ne5ociadas e cada um se comprometeu em cumprir a sua parte.m do 0&vio' desco&rindo a essências das pessoas e das situaç+esDom0nio da admini1t a. !ue as vendas aumentaramE1t atD"ia1 Baseado no estudo de caso descrito' o l#der ma5o precisaria adotar al5umas medidas para controlar a situaç"o.

so da intuiç"o como (erramenta & sica' !uando se vê diante de impassesP oblema1 ou opo tunidade1 .ara analisar con(litos' .$ntui.o ...Mais importante do !ue lidar com o con(lito' .3dministrar con(litos .essoas criativas têm maiores chances de inovar e se adaptar a mudanças' contri&uindo e(etivamente para a 5eraç"o de resultados si5ni(icativos nas or5ani)aç+es.cnica poss#vel- HL . importante utili)ar uma metodolo5ia de an lise' para !ue se vejam os v rios On5ulos e a soluç"o seja a mais t... reconhecê-lo e tirar proveito dele a (avor de resultados. uma competência essencial para o l#der de van5uarda.Capacidade para desco&rir as oportunidades por tr s dos pro&lemas252 Recapitulando Aeveja os principais assuntos estudados no M6dulo 25 .

*ualitEmarXBZ23/ \illiamI C-<mith' 3udreE BI .o de pe11oa1 na1 o "ani@a.aulo4 7ditora M&ooXs' 2MM9@A3MD@/3' Maria Aita5 Modelo de competência1 e !e1t.<"o .Aio de Caneiro4 7d..aulo4 3tlasLDM3' ?redericoI T7D[7DA3' .earson' 2MM9 @A3MD@/3' Maria Aita.sar.aulo4 7dotira .Talento4 desenvolvendo pessoas e estrat.<"o .`3' C.BM3/' 7d]ard L.7o mando &0de e1.e1.aulo CDi ecionamento e1t atD"ico e "e1t.5ias para o&ter resultados e1traordin rios.aese' Matthe] C.<"o .<"o .&ide an.aulo4 3tlas' 2MMM<O.aul.o do1 Talento1.&0de e1 $no:ado e1A ?erramentas da Criatividade !ue ?a)em a %i(erença.aA 3lcance seu potencial a&soluto.<"o .aulo4 7d..5ias inovadoras para o&ter o controle do seu setor e criar os mercados de amanh".RE7ERONC$AS B$B&$O!R#7$CAS BDAC2' .Talento1 P Competiti:idadeAio de Caneiro4 *ualitEmarX' 2MMM- - - - - - - JM .A323L3%' C-_Competindo pelo -utu o4 estrat.Aio de Caneiro4 Campus' GLLL23M7L' @arE 2amelI .earson' 2MMJ =2^.7diç"o> @.