Portal Instrumentador

HTTP://WWW.INSTRUMENTADOR.COM.BR
Autoria: Prof Dr Alaércio Apar ci!o ! Oli" ira

Código Deontológico
Do Instrumentador Cirúrgico
Retirado do SIMENG (Sindicato dos Instrumentadores Cirúrgicos do Estado de Minas Gerais)

Dir ito#

D " r # !o I$#tru% $ta!or Cir&r'ico

A# profi##( # #)o * rci!a# % fu$+)o ! u% co$,u$to ! co$- ci% $to co% pr !o%.$io !o l % $to téc$ico. O# co$- ci% $to# #)o po#to# a # r"i+o !o -o% % co%o i$!i".!uo co%u$i!a! . A !i$/%ica ! ## # co$- ci% $to# # r ali0a $o $#i$o1 $a p #2ui#a $a pr #ta+)o ! # r"i+o#1 co% a fi$ali!a! ! 1 $a 3r a cir&r'ica1 pr $c- r u% "a0io1 cola4ora$!o pr ci#a% $t co% a# E5UIPES M6DICO7CIR8R9ICAS ao# l $ca!o# t %po# cir&r'ico#1 pr #ta$!o r l "a$t # cui!a!o# co$# r"a$!o o# i$#tru% $to# cir&r'ico#. E##a fi$ali!a! é ! #u%a1 O BEM. Ma# o BEM $)o é ap $a# a fi$ali!a! 1 é ta%4é% a cau#a. El # $co$tra $o pri$c.pio1 $o % io $o fi%.

Na co$!i+)o ! cau#a1 é o fu$!a% $to !a# a+( # -u%a$a# 1 co%o fi$ali!a! 1 é a %oti"a+)o 2u a# ,u#tifica. E$tr a cau#a a fi$ali!a! 1 # $co$tra% $or%a#1 % for%a ! ! " r #1 ! #ti$a!o# a #t $! r :# a+( # -u%a$a# a -ar%o$ia i$ r $t ao BEM co%o cau#a ao BEM co%o fi%.

C? 7 O Instrumentador Cirúrgico programa e coordena todas as atividades de instrumentação cirúrgica que visam a seguridade do Cirurgião e sua equipe cirúrgica em campo cirúrgico& Art. constituindo.CAP. fundações públicas ou privadas.TU<O 7 II DO EHERC. ou assume encargo. >? 7 O Instrumentador Cirúrgico presta assistência de instrumentação cirúrgica ao Cirurgião e à comunidade. F? 7 +ntre os Instrumentadores Cirúrgicos de qualquer especialidade não h) hierarquia e nem subordinação. G? 7 O Instrumentador Cirúrgico tem a responsabilidade de atuali'ar e ampliar seus conhecimentos t%cnicos. quando capa' de desempenho seguro para o cirurgião e sua equipe& Art. proteção. autarquias diretas ou indiretas. preservação. em nome da liberdade do e erc"cio profissional e do sigilo profissional. privados ou cl"nicas. @? 7 O Instrumentador Cirúrgico 'ela pela provisão e manutenção de adequada assistência de instrumentação cirúrgica ao Cirurgião& Art. elemento indispens)vel aos procedimentos cirúrgicos e fa'er respeitar. conservação. reconhecimento nominal e funcional rigoroso instrumental cirúrgico. na adequação e posicionamento das mesas de instrumental e promoção rigorosa dos tempos cirúrgicos. e ercendo. com os Cirurgiões e membros de suas equipes. cient"ficos e culturais em benef"cio de cirurgia e do desenvolvimento da profissão& CAP. devendo$se a todos consideração e respeito rec"procos& Art.CIO PRO=ISSIONA< . A? 7 (o seu minist%rio privado. por sistemas de convênios ou particulares. em hospitais públicos.TU<O 7 I DOS DIREITOS E DAS RESPONSABI<IDADES =UNDAMENTAIS DO INSTRUMENTADOR CIR8R9ICO Da < 'iti%a+)o !ir ito# !o I$#tru% $ta!or Cir&r'ico: Art. E? 7 O Instrumentador Cirúrgico % respons)vel pelo aperfeiçoamento t%cnico e cient"fico pessoal sob sua orientação e supervisão& Art. em situações que requerem medidas relacionadas a promoção. o Instrumentador Cirúrgico presta serviços em Centros Cirúrgicos de !rgãos públicos ou privados. a inviolabilidade do seu domic"lio e dos seus arquivos& Art. recuperação. que lhe forem confiados# par3'rafo &$ico $ a denominação de Instrumentador Cirúrgico % privativa dos regularmente inscritos no quadro respectivo& Art. reabilitação. a profissão em todo territ!rio nacional na defesa do direito do e erc"cio profissional. B? 7 * responsabilidade do Instrumentador Cirúrgico por falha cometida em seu trabalho não % diminu"da pelo fato de este ter sido e ecutado coletivamente ou em equipe cirúrgica& Art. D? 7 O Instrumentador Cirúrgico avalia sua competência e somente aceita atribuições delegadas. com liberdade.

credo pol"tico. 44I& nenhum receio de desagradar o Cirurgião e sua equipe cirúrgica ou a qualquer autoridade. nacionalidade. findo a instrumentação cirúrgica. o prest"gio e as tradições da profissão# manter segredo sobre o fato sigiloso que se tenha conhecimento em ra'ão de sua atividade profissional e e igir o mesmo comportamento do pessoal sob sua direção# prestar assistência de instrumentação cirúrgica ao indiv"duo. II. sem pleitear vantagem pessoal# respeitar o natural pudor e a intimidade do cliente# respeitar o direito do cliente de decidir sobre sua pessoa e seu bem$estar# assumir seu papel na determinação de padrões dese2)veis do ensino e do e erc"cio da instrumentação cirúrgica# cumprir os preceitos contidos neste C!digo e levar ao .Art. assim como os trabalhos . quando as deva. preservando a honra.IC+/0 $ . do civismo e das leis em vigor. al%m do e erc"cio profissional em adequado e correspondente Centro Cirúrgico.IC+/0 $ . deter) ao Instrumentador Cirúrgico no cumprimento de suas tarefas e deveres# O Instrumentador Cirúrgico compreende. o recibo de quitação de seus honor)rios. nem de incorrer em impopularidade. XIII. pugnar pelo e emplar e erc"cio profissional e contribuir para o aperfeiçoamento das instituições# 'elar pela e istência. XIV. XVII.indicato de Instrumentadores Cirúrgicos do +stado de /inas 0erais. a superveniência de incompatibilidade ou impedimento formulando consulta. os direitos e as prerrogativas profissionais e a reputação da classe# 'elar a pr!pria reputação mesmo fora do e erc"cio profissional# e ercer sua atividade com 'elo e probidade e obedecer aos preceitos da %tica profissional. e comunicar por escrito. com independência.IC+/0.IC+/0. X. ou propor contra ele ação de prestação de contas. o e erc"cio administrativo. XVIII. e cooperar com os que forem investidos de tais mandatos e encargos# 'elar pela dignidade do cirurgião e sua equipe cirúrgica. III. aceitando os mandatos e encargos que lhe forem confiados por este.ão deveres do Instrumentador Cirúrgico- I. V. da moral.indicato de Instrumentadores Cirúrgicos do +stado de /inas 0erais# prestar contas ao cliente. VI. respeitados a dignidade e os direitos da pessoa humana. VII. no pra'o de trinta dias. 4I4& defender a instrumentação cirúrgica e a Constituição da . fins e prest"gio do . e ecutando$se os de números 5 e 67# XX. se o e condição s!cio$econ1mica e de modo a que a prioridade no atendimento obedeça e clusivamente as ra'ões de urgência# representar ao poder competente contra a autoridade e funcion)rios por falta de e ação no cumprimento do dever# respeitar a vida humana desde a concepção at% a morte. XII.indicato (acional de Instrumentadores Cirúrgicos $ . não prescindindo de igual tratamento# manifestar& ao se inscrever no . 2amais cooperando em ato que voluntariamente se atente contra ela. no caso de dúvida# defender.epública. a e istência de qualquer impedimento para o e erc"cio da profissão. tratando as autoridades e funcion)rios com respeito e independência. ou que coloque em risco a integridade f"sica ou ps"quica do ser humano# colocar seus serviços profissionais à disposição da comunidade em caso de guerra e3ou cat)strofe.I(IC& par)grafo primeiro $ aos estagi)rios aplica$se o disposto em todos os incisos neste artigo. IV. salvo os que negam o respectivo pagamento. VIII. >I? 7 . independentemente de qualquer consideração relativa a etnia. conhecimento de ato atentat!rio a qualquer um de seus dispositivos# pagar em dia as contribuições devidas ao . XI. facultando ao profissional o e erc"cio de pedido de providências 2unto ao . IX. XVI. quando se recuse a recebê$las ou lhe dar quitação# restituir ao cliente. XV.

:I& transgredir preceito do C!digo de 8tica 9rofissional# negar a assistência de instrumentação cirúrgica em caso de emergência# e ercer a profissão quando impedido de fa'ê$lo. função ou emprego# prestar ao cliente serviço que. comissão. XIV.de pesquisas de consultoria e assessoria. salvo em caso de absoluta força maior# manter sociedade profissional fora das normas e preceitos estabelecidos nesta lei# prescrever medicamento ou colaborar em intervenção cirúrgica ou tratamento. praticado sem o consentimento do cliente ou. sem a garantia de continuidade de assistência. por qualquer meio. XIX. quandoa. função ou emprego ocupado pelo colega. no m"nimo. II. ou cooperar em pr)tica destinada a antecipar a morte do cliente# valer$se de agenciador de instrumentação cirúrgica. sem observ<ncia às disposições legais pertinentes# prestar concurso a clientes ou a terceiros para reali'ação de ato contr)rio ao e erc"cio profissional ou destinado a fraud)$lo# emprestar seu nome para propaganda de medicamento ou produto farmacêutico. ou facilitar. XVIII. proibido pela moral ou por lei# c. calamidade pública ou grave crise social# ser conivente. entidade de assistência à saúde ou estabelecimento congênere e de empresa industrial ou comercial. o seu e erc"cio aos não inscritos ou impedidos# abandonar o campo cirúrgico em meio a instrumentação cirúrgica. al%m do que lhe % devido em ra'ão de contrato ou e erc"cio de cargo. a uma entidade da classe. e as funções de diretor dos serviços de instrumentação cirúrgicas& par)grafo único $ ao estagi)rio em instrumentação cirúrgica somente % permitido ser assistido pelo profissional habilitado. salvo em caso de urgência. da 2urisdição onde e ercer sua atividade profissional# % dever do Instrumentador Cirúrgico apoiar as iniciativas que visam o aprimoramento cultural e a defesa dos leg"timos interesses da classe& DAS IN=RAJKES DISCIP<INARES DO INSTRUMENTADOR CIR8R9ICO I. XVI. escola. sendo vetado a pr)tica sem a presença deste& XXII. o Instrumentador Cirúrgico. de instituição ou de cliente. curso. ambulat!rio. XI. que acompanhar) em todo o procedimento cirúrgico. empresa ou estabelecimento congênere. XV. V. de seu representante legal ou respons)vel# provocar aborto ou cooperar em pr)tica destinada a antecipar a morte do cliente# promover a eutan)sia. sem nele e ercer as funções de Instrumentador Cirúrgico pressuposto# receber. X. XII. XIII. ou ato praticado por colega que infrin2a postulado %tico profissional# pleitear cargo. desnecess)rio# b. VIII. instrumental ou equipamento cirúrgico. quando se tratar de menor ou incapa'. tratamento. ou publicidade de empresa industrial ou comercial com atuação nesses ramos# permitir que seu nome conste no quadro de pessoal de hospital. mediante participação nos honor)rios a receber# reali'ar ou participar da reali'ação de pesquisa em que direito inalien)vel do homem se2a desrespeitado. III. de laborat!rio. XVII. ou acarrete perigo de vida ou dano a sua saúde f"sica ou mental# reali'ar ou participar da reali'ação de pesquisa que envolva menor ou incapa'. contravenção penal. casa de saúde. com crime. IX. guerra. % dever do Instrumentador Cirúrgico pertencer. ainda que a t"tulo de solidariedade. por sua nature'a. XXIII. incumbe a outro profissional. bem como praticar outros atos de concorrência desleal# VII. IV. . remuneração ou vantagem que não corresponda a serviço efetivamente prestado# solicitar ou receber outras vantagens.

urgência emergência# d. à entidade onde trabalha ou a outra instituição de assistência cirúrgica à saúde# recusar$se. determinação de !rgão ou autoridade do . ao Instrumentador Cirúrgico em contr)rio. bem como. conforme se trate de cliente. sem anuência do . XXI. cargo.IC+/0 o direito aos honor)rios contratados oi. com pr%via concord<ncia. >@? 7 * prestação de serviço profissional assegura aos inscritos no . função ou emprego vago pela ra'ão prevista no art& 6=># criticar. a remuneração compat"vel com o trabalho# par3'rafo t rc iro 7 proceder$se$) a e ame pericial. in2ustificadamente. leves ou escus)veis. em mat%ria da competência desta. XXV. o estagi)rio ou o Instrumentador Cirúrgico. o grau de 'elo e competência do profissional b. XXVII. se a fi ação do valor do procedimento cirúrgico ou do serviço depender de avaliação. igualmente. arbitrar$se$). o car)ter da intervenção cirúrgica. ou de terceiros por conta dele# revelar negociação confidencial de seus honor)rios quando tenha sido encaminhado com observ<ncia dos preceitos do C!digo de 8tica 9rofissional# deturpar o sincronismo harm1nico do procedimento cirúrgico. os honor)rios profissionais do Instrumentador Cirúrgico serão fi ados em percentagem sobre o valor do procedimento cirúrgico. >A? 7 (a falta de estipulação escrita do honor)rios profissionais. depreciativamente. depois de regularmente notificado# praticar.indicato (acional de Instrumentadores Cirúrgicos. colega ou outro membro da equipe cirúrgica. a possibilidade de ficar o Instrumentador Cirúrgico impedido de instrumentar a em outros casos ou de encontrar dificuldades no e erc"cio profissional& Art. ato e cedente da sua habilitação# faltar a qualquer dever profissional imposto nesta lei# Art. e esta e igir conhecimento especiali'ado# par3'rafo 2uarto 7 na fi ação dos honor)rios do Instrumentador Cirúrgico os arbitradores e o Cirurgião terão em conta - a. XXII. e3ou cirurgia o lugar da prestação do serviço c.XX. XXIII. do cliente ou seu respons)vel# par3'rafo # 'u$!o 7 no caso em que não tenha o valor do procedimento cirúrgico. XXIV. XXVI. cinq?enta por cento % devido e o restante no final independentemente da nature'a e esp%cie do procedimento cirúrgico& . dos que forem fi ados na forma desta lei& par3'rafo pri% iro 7 na falta de estipulação ou de acordo.eletiva. no pra'o estabelecido. >>? 7 *s faltas serão consideradas graves. conforme a nature'a do ato e as circunst<ncias de cada caso& DOS HONORLRIOS PRO=ISSIONAIS Art. por escrito. revelar diagn!stico de que se tenha conhecimento atrav%s de documentos e alegações do cliente# não cumprir.I(IC. aceitar. ou quando o que lhe for atribu"do não corresponda à realidade. a prestar contas ao cliente de quantias recebidas dele. na falta de contrato.

salvo se este provar que 2) os pagou& par3'rafo pri% iro 7 tratando$se de honor)rios previamente fi ados. da decisão final do processo# c. o seu contrato de honor)rios profissionais. o Cirurgião determinar) a Instituição @ospitalar. com a intervenção do cliente& Art. o acordo feito pelas partes $ cliente e Cirurgião. com a intervenção do profissional$acusado ou de procurador que o defenda. e o processo remetido ao C. >F? 7 Bransgredir preceito do C!digo de 8tica 9rofissional# Art. para 2ulgamento. O Instrumentador Cirúrgico e seu substituto. diretamente./ local. da ultimação do serviço# d. processo preparat!rio com observ<ncia do disposto no art& 5A do C!digo de 9rocesso Civil. por escrito. ou arbitrados 2udicialmente e. >G? 7 O poder de punir disciplinarmente os Instrumentadores Cirúrgicos. compete ao Conselho . quer os concedidos por determinação 2udicial ou e tra$2udicial& Art. o fato ser) apurado pelo C. previamente. por dedução da quantia a ser recebida pelo constituinte. acordar$se. cu2o resultado ser) comunicado ao C. >E? 7 O Instrumentador Cirúrgico credor de honor)rios e despesas feitas no desempenho da instrumentação cirúrgica tem o privil%gio especial sobre o ob2eto deste& CAP. do vencimento do contrato. como presunção da prestação do serviço contratado& Art. >B? 7 .TU<O 7 III PODER DISCIP<INAR DO INSTRUMENTADOR CIR8R9ICO Art. contado o pra'o a. at% antes de cumprir$se o procedimento cirúrgico.egional de /edicina local onde o profissional$acusado resida e tenha inscrição principal# par3'rafo pri% iro 7 se a falta for cometida em outra localidade e f!rum. não lhe pre2udica os honor)rios. desde que a2ustados mediante contrato escrito. estagi)rios. quer os convencionais. >D? 7 O Instrumentador Cirúrgico substituto não pode cobrar honor)rios sem a intervenção daquele que o contratou para os serviços de instrumentação cirúrgica& par3'rafo &$ico 7 devem ambos. >C? 7 9rescreve em dois anos a ação de cobrança de honor)rios de Instrumentador Cirúrgico. por escrito.Art. podendo requerer a Instituição @ospitalar o valor do procedimento cirúrgico correspondente# par3'rafo # 'u$!o 7 salvo aquiescência do Instrumentador Cirúrgico. a remuneração que lhes toca. da desistência ou transação# par3'rafo &$ico 7 a ação de cobrança de honor)rios pelos Instrumentadores Cirúrgicos guardar) a forma e ecutiva prevista na legislação vigente. devendo a petição inicial ser instru"da com o instrumento do mandato./ onde a falta foi cometida# . que lhe se2am estes pagos./ em que o mesmo tiver inscrição principal. tem o Instrumentador Cirúrgico direito aut1nomo de e ecutar a cobrança direta a parte.e o Instrumentador Cirúrgico fi'er 2untar ao prontu)rio cirúrgico. se houver# b.

em of"cio reservado. serão impostas pelo presidente do C.I(IC recusa ou demissão de cargo. em of"cio reservado. substituindo$os quando 2ulgar necess)rio ou por solicitação do Cirurgião& Art.(IC./ local onde o acusado tenha inscrição principal& Art. 'elando pelo cumprimento das e igências legais a eles pertinentes& Art.par3'rafo # 'u$!o 7 da decisão absolut!ria do profissional$acusado. ao presidente deste caber) a remessa. @A? 7 O Instrumentador Cirúrgico proteger) o cliente contra danos decorrentes de imper"cia. poder) recorrer ao presidente do C.egional para apuração e correspondente aplicabilidade das penas previstas no par)grafo terceiro do presente C!digo# par3'rafo # *to 7 nos casos dos par)grafos terceiro e quarto caber) recurso do interessado para o Conselho respectivo& Art./. +stagi)rios e Cursos de Instrumentação Cirúrgica. sem pre2u"'o das sanções previstas em outros dispositivos legais& Art. a fim de que se2am tomadas medidas para salvaguardar a segurança e o conforto do cliente& Art. a partir do recebimento da comunicação# par3'rafo t rc iro 7 as penas de advertência. @B? 7 O Instrumentador Cirúrgico comunicar) ao . al%m da e clusão do recinto# par3'rafo 2ui$to 7 o mesmo quando se tratar de falta cometida perante o . compete ao C. as informações necess)rias e complementares que requisitadas ao presidente do Conselho . ao presidente deste caberão imposição das penas de advertência. omissão ou imprudência por parte de qualquer membro da equipe cirúrgica. @D? 7 O Instrumentador Cirúrgico 'elar) para que o instrumental cirúrgico se2a adequado ao procedimento cirúrgico. respeitando as estruturas. e ceto quando contr)rias à %tica profissional. @F? 7 O Instrumentador Cirúrgico tem direito a 2usta remuneração por seu trabalho& . @@? 7 O poder de punir disciplinarmente os Instrumentadores Cirúrgicos. censura e multa. no pra'o de 6C Dquin'e. recorrendo à chefia imediata. @C? 7 O Instrumentador Cirúrgico e ecutar) as prescrições de instrumentação cirúrgica. não se fa'endo contar dos assentamentos do profissional$ acusado. em última inst<ncia. função ou emprego. alertando o profissional faltoso e. senão em caso de reincidência# par3'rafo 2uarto 7 quando se tratar perante o Conselho Eederal de /edicina. motivada pela necessidade de preservar os leg"timos interesses da profissão& Art. ou à segurança do cliente& Art. @I? 7 * caracteri'ação das infrações %ticas e a aplicação das respectivas penalidades regem$se por este COFIC $ C!digo Feontol!gico de Instrumentadores Cirúrgicos. na hip!tese do par)grafo anterior. @>? 7 Considera$se infração %tica a ação ou omissão que implique em desobediência ou inobserv<ncia às disposições do COFIC particulari'adas no presente C!digo de Infrações e 9enalidades& Art. funcionamento e funções anat1micas dos mesmos. à moral. @E? $ O Instrumentador Cirúrgico manter) a segurança da equipe cirúrgica./. censura e multa. dias. negligência.

ressalvadas as observações quanto. ap!s o t%rmino do procedimento cirúrgico. abrindo todos os instrumentos articulados e obedecendo o rigoroso crit%rio de lavagem. nomenclatura e esp%cie do instrumento cirúrgico& Art. A>? 7 O Instrumentador Cirúrgico comunicar) e registrar) toda e qualquer intercorrência quando da utili'ação inadequada do instrumental cirúrgico& .Art. secagem. @G? 7 O Instrumentador Cirúrgico ser) pontual no cumprimento das obrigações financeiras inerentes ao e erc"cio da profissão& Art. com amparo por legislação em vigor e conferindo$os conforme listagem nominal das respectivas cai as cirúrgicas fornecida pelo C/+ $ Centro de /aterial +sterili'ado. en )g?e. inspeção e manutenção. manuseando poucos instrumentos de cada ve'. separar) os instrumentos mais delicados dos mais pesados. AI? 7 O Instrumentador Cirúrgico. com a adequação de soluções correspondentes.a quantidade.