You are on page 1of 64

FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO INTA - INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

EM HISTÓRIA DO BRASIL

JOÃO ARTUR RICARDO DE OLIVEIRA

NOS TRILHOS DA CIDADE: A ESTRADA DE FERRO DE BATURITÉ E AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE DE ARACOIABA – 1880-1890

FORTALEZA-CE 2013

JOÃO ARTUR RICARDO DE OLIVEIRA

NOS TRILHOS DA CIDADE: A ESTRADA DE FERRO DE BATURITÉ E AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE DE ARACOIABA – 1880-1890

Monografia

apresentada

ao

Instituto

Superior de Teologia Aplicada como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em História do Brasil, sob a orientação do Prof. Dr. Thiago Alves Nunes Rodrigues Tavares.

FORTALEZA - CE 2013

Monografia apresentada como requisito necessário para obtenção do grau de Especialista em História do Brasil. Qualquer citação atenderá as normas da ética científica.

___________________________________________________________________ João Artur Ricardo de Oliveira

Monografia aprovada em ____ / ____ / _____

___________________________________________________________________ Orientador Prof. Dr. Thiago Alves Nunes R. Tavares

___________________________________________________________________ 1º Examinador: Profa. Me. Carla Silvino de Oliveira

___________________________________________________________________ 2º Examinador: Prof. Me. Renato de Mesquita Rios

__________________________________________________________________ Coordenador do Curso de Pós-Graduação

Meu pai João Emídio (in memória) que se estivesse aqui ficaria muito orgulhoso. A minha filha Ana Cecília que me inspirava com sua alegria. e a todos os meus irmãos que estiveram sempre ao meu lado.Dedico este trabalho a minha esposa Robervany. . Minha mãe Maria Ricardo. que sempre me deu forças para continuar. que com seu amor materno me ajudou sempre que precisei.

Sempre. Quero agradecer antes a DEUS – Senhor Maior. Muito obrigado a todos! ... orientador: Thiago Tavares... A meu querido amigo.Agradecimentos. À minha família – toda ela –. professor. que acredita mais em mim do que eu mesmo. Finalmente. Há de se ter sempre muita gratidão. que me suporta. a todos os meus amigos e colegas de turma que me possibilitaram infinitas experiências e observações.

apontando o crescimento econômico com o escoamento do algodão e do café. Objetivo centro desse estudo é compreender como se deu essas transformações. que serviram como base para compreender os fatos históricos em estudo. Que vai desde visitas ao Arquivo Público de Fortaleza. A metodologia aplicada partiu da pesquisa de fontes. na Região do Maciço de Baturité no Ceará. Espero com essa pesquisa trazer as informações precisas que nos faça compreender o quanto é importante a valorização e preservação dessa estação ferroviária para o povo de Aracoiaba. Mudanças. Câmara de Vereadores. atual cidade de Aracoiaba. Palavras – Chave: Ferrovia. bem como para o correto e profundo conhecimento da área. Biblioteca. . dez anos depois da chegado do trem no povoado de Canoa. Identificando os processos políticos que motivaram a Emancipação Política de Aracoiaba. Aracoiaba. bem como destacando as mudanças culturais ocorridas na sociedade aracoiabense com a chegada da ferrovia e compreendermos o papel do transporte ferroviário no desenvolvimento local e regional.RESUMO A pesquisa a seguir trata desde o surgimento da ferrovia no mundo até as transformações ocorridas em Canoa. com objetivos de esclarecimento de muitas duvidas e questões surgidas ao longo do trabalho. Arquivo e Museus.

..................................................................................................................................................................................................... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ...................... 1........................................1 Características Gerais do Município .................................. 1.. ARACOIABA: “LUGAR DE SINFONIA DE PÁSSAROS” E OS IMPACTOS TRAZIDOS PELA FERROVIA . 1......... 3.......................... 31..................................5 A Importância das Estradas de Ferro em São Paulo ....... 3............. 08 10 10 12 16 18 20 23 23 24 27 30 38 38 42 43 46 47 52 54 57 60 .................................................................................. 3........................ 2.... CONSIDERAÇÕES FINAIS .............. 3.....SUMÁRIO INTRODUÇÃO .........2 A Chegada da Ferrovia no Brasil ......................................3 O Fracasso das Ferrovias Inglesas no Brasil e as Primeiras Encampações ......... 2..................................................................................................4 A Política Republicana de Encampar Ferrovias ...........................................1 A Origem das Estradas de Ferro ..................2 As Primeiras Concessões de Ferrovia no Ceará ............................3 O Cotidiano de Canoa antes da Chegada da Ferrovia .4 O Prolongamento da Via Férrea de Baturité ............................... A CHEGADA DA FERROVIA NO CEARÁ E A CONSTRUÇÃO DE EF DE BATURITÉ ................................................................ O ADVENTO DA FERROVIA NO MUNDO E SUAS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS ...................................... CAPÍTULO II ............................4 Inauguração da Estação de Canoa ...................................... CAPÍTULO III ............... 3...........................................2 Muamba “Papoco” ............................5 A Elevação do Povoado de Canoa a Cidade de Aracoiaba ................................................ 2.............................. 2................................................ 3............... 1............... 1................................3 A Ferrovia da Seca e as Obras Públicas ...........................................................................1 Breve Histórico de Aracoiaba ..1 A Cidade de Fortaleza na Segunda Metade do Século XIX ........................................... CAPÍTULO I ....................................................................................................................................................6 Impactos Trazidos com a Chegada da Estrada de Ferro de Baturité ......

INTRODUÇÃO

Há anos a ferrovia encanta-me. Quando ainda criança o trem me fascinava ao vê-lo passar pela segunda Estação de Aracoiaba, localizada no bairro São José; minha mãe, sempre no final da tarde, levava-me para ver o trem passar. Esse fascínio com o tempo só me impulsionava a pesquisar mais sobre ferrovias, e quando tomei conhecimento que havia outra estação em Aracoiaba, por onde o trem, antigamente passava logo me despertou o interesse de conhecer os antigos prédios que ali se encontravam, abandonados e esquecidos. No ano de 2007, inicie juntamente com mais três amigos um trabalhos de pesquisa de conclusão do curso de graduação, que tinha como tema: A Ferrovia e a Seca no Ceará nos anos de 1878/77/79. Foi a partir desse artigo que tive o primeiro contato com aquele espaço de memória local esquecido no tempo. Descobri a importância de dar vida a história daquela estação do final do século XIX, que outrora teve sua grande importância para o desenvolvimento de Aracoiaba, e que agora vivia no esquecimento das pessoas. Era hora de dar vida àquele lugar depois de anos coberto pelo mato e pelo esquecimento. A pesquisa tem como objetivo analisar os aspectos que motivaram mudanças econômicas, políticas, sociais e culturais, e os aspectos que motivaram a formação do povoado de Canoa (atual Aracoiaba), com a construção da Estrada de Ferro de Baturité, uma das mais importantes do Ceará e que cortava a região. Apontando desde o crescimento urbano até as mudanças de hábitos e costumes do lugar. A referida pesquisa busca compreender como ocorreram essas

transformações ao longo da construção da Linha Férrea. Num primeiro momento a pesquisa aborda o surgimento da ferrovia no mundo, a chegada ao Brasil, os fracassos das ferrovias inglesas nas primeiras encampações no Brasil, a política republicana de implantação das ferrovias, e fechando a primeira parte, com a importância da ferrovia de São Paulo por ser uma das mais importantes do país. Na segunda parte descrevo a chegada das ferrovias no Ceará e o início das construções da Estada de Ferro de Baturité, destacando a cidade de Fortaleza na

9

metade do século XIX, as primeiras concessões e obras da primeira ferrovia no Ceará e as consequências da seca que assolava o estado durante esse período. Já na terceira e última parte, o ápice da pesquisa. Serão apresentadas as características do Município de Aracoiaba, a escolha do local onde foi construída a Estação, o dia a dia de Canoa antes da chegada da via férrea, bem como a inauguração e elevação do povoado de Canoa à cidade de Aracoiaba, e os impactos trazidos com a chegada da Estrada de Ferro de Baturité. Por último, trago as considerações finais e a bibliografia utilizada para a elaboração da pesquisa. A metodologia aplicada partiu da pesquisa de fontes, que serviram como base para compreender os fatos históricos em estudo. Foram feitas visitas ao Arquivo Público de Fortaleza (Caixas de Obras Públicas no Ceará), Biblioteca Municipal de Fortaleza, Arquivos Municipais de Aracoiaba e de Baturité, Museu de Aracoiaba e de Baturité, Câmara de Vereadores de Aracoiaba e de Baturité e o Arquivo e Museu da RFFSA, com objetivos de esclarecimento de muitas dúvidas e questões surgidas ao longo do trabalho, bem como para o correto e profundo conhecimento da área. Para a realização da pesquisa, foram consultadas diversas fontes e documentos: Atas de Seções do Legislativo de Aracoiaba e de Baturité, Portarias, Relatórios da RFFSA, Jornais do Centenário de Aracoiaba, Cearense, Comércio, O Retirante; livros, artigos, dissertações de mestrados e doutorados, revistas, documentários, que abordam a temática ferrovia no Ceará e no Brasil, a Internet em sites específicos sobre a Ferrovia e Escritos de memorialistas e cronistas e outros documentos referente aos anos de 1880 a meados de 1891.

10

CAPÍTULO I

O ADVENTO DA FERROVIA NO MUNDO E SUAS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS

1.1

A Origem das Estradas de Ferro

A ideia de trilho adveio da antiguidade, quando os carros puxados a cavalo se atolavam e, para prosseguirem em viagem era necessário colocar duas varas de madeira sob as rodas (LIMA & PEREIRA, 2009, p. 19). Os trilhos côncavos feitos para apoiar veículos, eram encontrados nas antigas e estreitas estradas da Grécia. Já os romanos chamavam de “estradas trilhadas” os sulcos de 8 a 10 cm de profundidade e aproximadamente 20 cm de largura. Com uma distância entre si de 1.40 a 1.45m, esses trilhos sulcados serviam de guia para as rodas de carros, proporcionando mais segurança (LIMA & PEREIRA, 2009, p.19). Na Inglaterra de 1555, no Condado de Durham, é que surgiram os primeiros trilhos, que eram na verdade vigas paralelas feitas de madeira. É interessante destacar que no início apenas um vagão corria sobre os trilhos, sendo posteriormente acrescentado outros. Por volta do século XVII, com a deterioração dos trilhos de madeira, entra a era dos trilhos revestidos de chapa de ferro. Os trilhos de ferro são mais resistentes e duráveis. Segundo José Hamilton Pereira e Francisco de Assis Silva de Lima, em seu livro Estradas de Ferro do Ceará:
A resistência mais definitiva de trilhos, erradicando os de madeira, deve-se às técnicas do engenheiro francês Marc, quando as mesmas passaram a ser fabricados em aço, sendo aprovados em 1857 na ferrovia inglesa. (LIMA & PEREIRA, 2009, p.19).

Com a evolução dos trilhos, o maquinário precisava também passar por mudanças. As primeiras locomotivas do mundo foram sendo aperfeiçoadas, na medida em que os engenheiros concluíam seus estudos. Um desses engenheiros Thomas Newcomem, ao criar em 1712 o primeiro motor a vapor, e logo depois,

Willian Bruton (1813) e George Stephenson (1814). [. Richard Trevithick. 2002). a Inglaterra aos 27 de setembro de 1825.11 sendo aperfeiçoadas pelo escocês James Watts. Um protótipo do que viria a ser uma locomotiva é implantado por Nicolas Josep Cugnot em 1769. (USSELMAN. que lhe daria o prêmio no concurso “Rainhill” para a Liverpool e Manchester Railway – e a “Adler” que em 1835 inaugurou a ferrovia da Alemanha. apresenta ao mundo “uma locomotiva”.] os motores a vapor elevaram as estradas de ferro a outro patamar de desempenho. Em 21 de fevereiro de 1804.” (LIMA & PEREIRA. Com isso.U. 2009. as máquinas passaram a ser mais compacta e bastante potente no século XVIII. logo construiria a “Rockert” (1829). p. que conseguiu transportar quatro pessoas com um veículo de três rodas. Os grandes nomes que modificaram as engrenagens das locomotivas podem destacar: Trevithick (1808). George Stephenson. que “Pesava cinco toneladas.A 1848 Rússia 1849 1850 1851 1852 Iugoslávia e Índia África do Sul Peru Chile 1829 França 1830 Irlanda 1834 Alemanha e Bélgica 1835 . declarou ao mundo a invenção oficial do trem.. sua obra prima. Com a utilização desse motor em locomotivas. Sendo esse último o grande responsável pela construção do trecho ferroviário Stockton – Darlington. a partir desse período o transporte ferroviário passa a ser mais prático e poderoso. 20). desenvolveu uma velocidade de 5 km/h e na experiência rebocou cinco vagonetes com dez toneladas de ferro e dez homens.. Cronologia da Implantação das Principais Ferrovias do Mundo 1825 Inglaterra (A mãe do trem) E. que as transformaram no mais importante meio de transporte de pessoas e cargas por mais de cem anos. com sua famosa Locomotion.

Minas Gerais. a partir do surgimento da ferrovia no mundo. às empresas que se propusessem a construir estradas de ferro. como forma de compreendermos que a implantação de ferrovias no mundo serviu como base para o desenvolvimento de diversos países ao longo do tempo. Rio Grande do Sul e Bahia. São Paulo. interligando o Rio de Janeiro. até sua expansão ao século XIX.2 A Chegada da Ferrovia no Brasil Não tardou muito para que estas questões relacionadas à invenção da locomotiva e a construção de estradas de ferro. fossem conhecidas no Brasil. Pois ferrovia e inovação caminham juntas.12 Canadá 1836 Cuba 1837 Áustria 1838 Holanda e Itália 1839 Espanha 1844 Jamaica 1845 Hungria 1846 Suíça 1847 1854 1855 1856 1857 1872 1876 1885 1895 Brasil. Austrália Portugal e Suécia Argentina Japão China Vietnã E a última no século XIX na África Ocidental O quadro acima mostra a cronologia desde o surgimento do trem na Inglaterra. Mas diante do . Egito e Noruega. 1. de 31 de outubro de 1835. Com a revolução nos transportes. as portas do desenvolvimento de muitos lugares se abriram. a concessão das estradas de ferro no Brasil. com privilégio pelo prazo de 40 anos. na África ocidental. O Governo Imperial consubstanciou na Lei nº 101. berço da Revolução Industrial.

“Estradas de Ferro de Petrópolis”. pois as perspectivas de lucro não foram consideradas suficientes para atrair investimentos. isto é 6. Maria Joaquina Machado de Souza. novas concessionárias e 10 anos para navegar a vapor entre a corte e um porto da praia do município de Estrela) para empresas nacionais ou estrangeiras que se interessassem em construir e explorar estradas de ferro em qualquer parte do território brasileiro. A primeira locomotiva a vapor a circular no Brasil foi à famosa “Baroneza”. Composição essa.3 mil quilômetros. 2007). Irineu Evangelista de Souza (1813-1889). de 26 de julho de 1852. sua esposa (LIMA & PEREIRA. não despertou muito interesse de alguns investidores. 2009). Recebeu esse nome em homenagem a Sra. introduzindo a primeira operação intermodal do Brasil. fundando a “Imperial Companhia de navegação à Vapor”. o transporte de mercadorias era transportado nos lombos dos burros em estradas carroçáveis (LIMA & PEREIRA. 2009). popularmente conhecido como Barão de Mauá. Com a promulgação da Lei nº 641. Até a chegada das ferrovias no Brasil. no Rio de Janeiro. na Inglaterra. Atualmente essa locomotiva faz parte do monumento cultural brasileiro. A referida máquina era do tipo Single 2-2-2. recebeu a concessão do Governo Imperial o direito de construir e explorar a linha férrea no Rio de Janeiro. em Manchester. 2009). Despertara a atenção do grande empreendedor brasileiro. que dava vantagens do tipo isenções e garantias de juros (juros baixos.13 grande desafio de se construir uma ferrovia desse porte no Brasil.3 mil quilômetros por décadas (MEDEIROS & ABREU. permitiu a integração das modalidades de transportes aquaviário e ferroviário. mais conhecida como “Estrada de Ferro Mauá” (LIMA & PEREIRA. A Estrada de Ferro Mauá. em direção à cidade de Petrópolis-RJ. Entre 1884 e 1919. entre o Porto de Estrela. foram construídos 22. situado ao fundo da Baía de Guanabara e a localidade de Raiz da Serra. privilégios de zona de construção das ferrovias. que em 1852. . encomendada à Firma Willian Fairbain & Sons. que inaugurou a Estrada de Ferro Mauá. do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN.

O trem inaugural partiu da es tação “Guia de Pacobaíba” até a localidade de fragoso. serviu para o transporte de toda a produção cafeeira do interior de São Paulo para à capital paulista. e chegou a atingir a uma velocidade de 63 km/h. outras concessões foram outorgadas.02. o imperador Dom Pedro II.03. p. Companhia Paulista uma das mais importantes do Sul do país. Um exemplo é a Companhia Sorocabana por onde escoava boa parte da produção de café que seria embarcado em navios do porto de Santos para a Europa. sucederam-se as seguintes ferrovias.02.1858 D. Foi um domingo apoteótico. (LIMA & PEREIRA. assombrosa para a época.1872 Companhia Paulista Com a implantação da Estrada de Ferro Mauá. .3 quilômetros em 23 minutos. o traçado das Estradas de Ferro excessivamente sinuosos e extensos e as Estradas de Ferro localizadas de forma dispersa e isoladas. trouxe algumas consequências ao sistema ferroviário do país. A política de incentivos à construção de ferrovias. fez um percurso de 14. 31). A partir do quadro encontramos outras companhias que tiveram suas concessões com bitola métrica. logo se seguiram outras ferrovias como mostra o quadro. Pedro II 28.1860 Bahia ao São Francisco 16. na bitola métrica.08. como: a diversidade de bitolas que vem dificultando a integração operacional entre as ferrovias. 2009. quando o Barão de Mauá. adotada pelo Governo Imperial. Essa última. todas em bitola de 1. Até o final do século XIX.06. comitiva imperial e convidado especial embarcaram no trem composto pela Baronesa e três carros de passageiros.60m: Ferrovia Data de Inauguração 08.14 A solenidade de inauguração da primeira seção da ferrovia nº 1 do Brasil ocorreu no dia 30 de abril de 1854. Após a inauguração da Estrada de Ferro Mauá.1858 Recife ao São Francisco 29.1867 Santos a Jundiaí 11.

07. Uma vez construídas. às minas e produtos naturais. 2008. mas principalmente no interior. transformação do valor de uso em valor de troca. as ferrovias provocaram mudanças não só econômicas e sociais..09.12.12.1875 Companhia Mogiana 10. elas causaram certo crescimento espacial e urbano.04. A ferrovia inaugura um . barateamento dos gêneros.02. 42).1876 Central da Bahia 02. p.1884 Corcovado As ferrovias surgiram no Brasil num período em que era uma exigência para o seu progresso possuir meios de circulação eficiente. Foi também grande responsável pela emigração rural e expansão da fronteira agrícola. Muitos empreendimentos foram edificados às margens das estradas de ferro. um sistema de trilhos ligando os centros agrícolas aos portos de cada província. para a criação de um mercado consumidor.] A verdade é que uma nova fase de desenvolvimento econômico se abriu para o Brasil.1884 Porto Alegre a Nova Hamburgo 04. mesmo já tendo encontrado algumas barreiras de início.05. p. O transporte de trem viria a ser uma inovação.1883 Paranaguá a Curitiba 14. (LIMA & PEREIRA. 2008. onde engenhos viraram vilas e depois cidades (MELO. 45). não só nas capitais. incentivo à agricultura de exportação. 30). A ferrovia no Brasil também dinamizou a vida urbana e alterou as relações entre as cidades..1875 Companhia Sorocabana 02. Apesar de as ferrovias terem sido introduzidas no Brasil dentro dos princípios neocolonialistas. mas ambientais (MELO. 2009. Contribuíram. bem como o crescimento urbano.1884 Dona Tereza Cristina 09. p. [.15 Data de Inauguração Ferrovia 03. isto é. As ferrovias produziram uma série de mudanças na economia da América Latina e do Brasil. tais como: redução nos custos do transporte.10. alterando padrões da cultura material e criando novas relações sociais de produção. criação de novas mercadorias. encurtando as distâncias.1880 Santo Amaro 19. ainda.

principalmente com taxas de juros de 7%. p. resolve rever a política de financiamento das ferrovias inglesas. Já para o dicionário Priberam da Língua Portuguesa encampar é Rescindir (contrato de arrendamento) restituindo ao dono a coisa arrendada. ressarci-lo. bem como as ferrovias particulares cearenses. como Ottoni. Fez alguns ensaios com rodagens e assumiu a EF Pedro II (EF Central do Brasil). Coisa também que nem a São Paulo Railway fez. No final do século XX.3 O Fracasso das Ferrovias Inglesas no Brasil e as Primeiras Encampações Antes mesmo de abordar sobre as encampações das ferrovias. O que mais saltava à vista dos críticos. 2008. houve uma queda de 20% na importação deste . causando dívidas às empresas inglesas (MELO.159). (MELO. Não é que o Império tenha descartado encampar ferrovias. para desobrigar o Estado e. 2008). as retortas de carvão usado para a fabricação de hulha utilizada como combustível para as locomotivas vinham da Inglaterra. as inglesas não ressarciram o Governo. esta taxa apenas ajudou as companhias. nem a GWBR depois de ter-se tornado rede nordestina a partir de 1900. um produto não rentável. preferindo se desobrigar da garantia antes de se tornar rentável. De fato. em seguida. Com isso. Tomar o governo posse de (uma empresa) após acordo em que se ajusta a indenização que deve ser paga. Segundo os dicionários online da Língua Portuguesa e o Dicionário do Aurélio online – Encampar é Rescindir ou anular um contrato. é com essa importação. 1. jogando a taxa de garantia no pacote de arrendamentos. o estado republicano. era a ineficiência das ferrovias inglesas em atingir os 7% da taxa de garantia. a manter a distribuição dos dividendos. em Londres. Manter ferrovias no Brasil saía muito caro para os ingleses. Ineficiência ou tática. é preciso saber a definição de encampação. Após definirmos o que seja encampação vejamos no trecho abaixo os motivos que levaram as encampações nas ferrovias brasileiras. A partir do discurso denunciante dos engenheiros fiscais e com a crise política do fim do império.16 novo tempo para a economia de lugares de difíceis escoamentos de seus produtos agrícolas como café e algodão (LIMA & PEREIRA. quase como que numa atitude arrivista. que preferiu arrendar as co-irmãs e as estatais deficitárias. 2009). Baturité e Sobral.

p. em vez dos portos de Recife e Salvador. (MELO. Até 1888. referências ao longo período de seca que vai de 1877 a 1879. 1979). 2008. que já tinham lançado estradas inglesas em direção àquele rio. que viraria a EF Sul de Pernambuco). conhecida como seca dos três setes. Então como forma de socorrer às “províncias do norte”. Pedro II.17 combustível. Era tempo. Segundo o historiador pernambucano Josemir Camilo de Melo. A primeira ferrovia inglesa a ser encampada. Na Lei de 1852. Ottoni faz severa críticas às . tomando 25. O Governo estava interessado em que esta ferrovia chegasse ao rio São Francisco. A partir daí. Diante desse fato. p. com o capital de £ 500. de o Estado recorrer ao item da compra da ferrovia.160). então. Entre as ferrovias adquiridas pelo governo brasileiro podemos citar como sendo a primeira a EF D. fazendo com que as ferrovias inglesas instaladas aqui no Brasil se adaptassem com a lenha. no Ceará. Essa expropriação por parte do Governo teve seu auge a partir da seca de 1877. quando esta já havia gastado todo seu capital original na tentativa de cruzar a Serra do Mar. baseada em cinco dos últimos sete mais rentáveis anos. autorizada em 1871. foi a D. como forma de mover as locomotivas. 2008. através do qual o Estado assumiu a propriedade da empresa. (MELO. as 10 ferrovias estatais tinham um custo p/km em torno de £ 8.000. a encampação dessas ferrovias no Nordeste gerou polêmicas a respeito da dedução ou não do que o Governo havia pagado de garantia. sem a companhia ter sequer um desenho da linha ou sequer seus pontos de partida. (EL-KAREH. a garantia das 17 ferrovias inglesas financiadas orçava em £ 12. autoriza a construção de estradas estatais em Alagoas (EF Paulo Afonso) e em Pernambuco (a EF Caruaru e o prolongamento da RSF.526. entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.983. o Governo encampa a EF Baturité e a EF de Sobral. um empréstimo de £ 1. até aquela data. p. começa-se uma grande devastação das florestas. bem como a poluição do meio ambiente (BENÉVOLO. a cláusula de compra prescrevia que o Estado pagaria em fundos públicos.500. uma soma igual à média líquida. 161). enquanto. especificado em cada contrato. 127/7). Pedro I. Em 1883. A Companhia solicitou a seu maior acionista. o Governo imperial. o Governo deu a garantia.760.000 ações para si. 2008.

o Ministro da Fazenda. baseada em 7% de garantia (MELO. Rui Barbosa.. 1975).uma ferrovia de interesse nacional. que tinha decretado ser a Great Western Brazil Railway – G. levadas a efeito por Hugo Wilson & Son. 1. . na lei de 1882. O então Ministro da Agricultura. aumentar a riqueza das fundições. prover melhores rendas a companhias estrangeiras. o Encilhamento. 2008. cerca de 86 concessões foram emitidas.. o que levou a um boom de empreendimentos em cerca de 370%. 2008. 166).] a política de garantia tinha sido pesada para suportá-la [. o Brasil tinha tentado reorganizar sua rede ferroviária.B..] as linhas não foram bem exploradas.6 por ano. isto é. mas em suas despesas [. p. Barbosa criticou a velha política de financiamento das ferrovias.W.. 103/104). No período de 1880-90. 8. dividindo os lucros com os empresários. Ao mesmo tempo. p.. lançando uma política econômica liberal.R . Tal política não produziu bom resultados como tinha sido calculado.. mas uma especulação e um jogo. na época Antonio da Silva Prado. o governo tentou organizar o mercado. tentando montar um governo onde pudessem valorizar e implantar uma grande rede ferroviária de cerca de 1.000 km no Nordeste. propõe-se a lançar uma política para ligar vários pontos de trilho nordestinos. Os republicanos. dizendo. Em 1890.4 A Política Republicana de Encampar Ferrovias Em 1887. com o fim de enriquecer o concessionário. O Governo tornou-se responsável pela especulação. (MELO. Esta política era baseada. Não era um empreendimento ferroviário sério. ao mesmo tempo. como tentativa de diminuir o custo de manutenção e. 1902..161). (RODRIGUES. principalmente. ao custo de enorme sacrifício do Tesouro Nacional [. p. lançando 19 concessões ferroviárias sob a garantia de 6%. baseada na emissão de papel moeda.18 especulações feitas pelo Governo.. nomeou José Carlos Rodrigues novamente para discutir a compra das ferrovias inglesas em Londres. não somente na sua construção. ou as ferrovias inglesas custaram mais que as nacionais.] por causa da alta taxa de juros de 7%. mesmo que várias delas nunca tenham sido construídas (ZALDUENO.

035. em 1899. 1882). no Nordeste. 1889).. . evitando a cachoeira de Paulo Afonso. muito embora. o pior empreendimento estatal. o Governo lançou um novo decreto para arrendar suas ferrovias. A Central de Pernambuco (ex-Estrada de Ferro de Caruaru) que era uma das lucrativas (perda na década de 1885/1894) e ainda não podia fazer face aos custos. 1896). que tinham sido calculados. o Governo tinha assinado um acordo com representantes de ferrovias inglesas para atrair propostas para arrendar a EF Sul de Pernambuco e ramal. Para o historiador Josemir Camilo de Melo. Pelos fins dá década de 1890. a Baturité. onde não havia produção agrícola específica para ser transportada. Sua construção era um claro resultado dos interesses políticos regionais. A Paulo Afonso. o Governo decidiu arrendá-las por 33 anos (MELO. de volta. em 1896. ao Dr. já que tinha sido apoiado pelo Ministro da Agricultura. enquanto a receita líquida não foi mais que £ 36.273 p/km (ALMEIDA PERNAMBUCO.477. em 1898. Seu objetivo principal era ligar as duas cidades. 168/9). O Estado teria também a posse temporária das linhas e do material rodante para operações militares. Antônio Sampaio Pires Ferreira. em £ 1. o alagoano Visconde de Sinimbu. já que as constantes secas impediam a acumulação de capital na região (MORAIS. apresentavam perdas. a Sobral e a Sul de Pernambuco encontraram arrendatários e proveram um melhor desempenho (FERNANDES PINHEIRO. Finalmente. por volta de 1887.000. A política federal de arrendar as estradas resultou do alto custo da construção comparada com a taxa de receita. perdida entre duas pequenas cidades no sertão. o arrendamento: [. com exceção da EF Central do Brasil. para carregar os produtos do São Francisco.] deveria durar por 60 anos e o Estado teria o direito de reclamá-las. Outras ferrovias críticas eram a Baturité e a Sobral. que duraram por 10 anos. mas compensando os arrendatários no nível da média das receitas de quando o Estado retomasse a posse (MELO. 2008). dentro de 30 anos. p. Era difícil arrendar companhias deficitárias. As obras para subir a Serra da Borborema. que ainda tiveram alguma importância para a produção do algodão. construídas fora da área açucareira.. somente a Central de Pernambuco chegou a ser arrendada. Em 1894. 2008. aumentaram os custos de construção em £ 9. as seis estradas estatais no Nordeste. era uma linha curta. bem como a Alagoinhas-Juazeiro.19 Como as ferrovias estatais. mas.

a Província de São Paulo estava deslocada dos principais eixos de produção agrícola e se mantinha a margem da economia do país. serviam de ramais de captação de cargas para as grandes e médias companhias. Assim como em outros lugares as estradas de ferro foram decorrência natural das exportações agrícolas.. o Governo parou de estender a rede nordestina e tentou arrendar as ferrovias. 1998. 1953). Era impossível confiar em tal instabilidade. (BEATRIZ MUGAYAR KUHL. já que mudava o Governo a cada quatro anos.5 A Importância das Estradas de Ferro em São Paulo Em meados do século XX as ferrovias tiveram um papel de destaque no rompimento do histórico isolamento do planalto e no grande desenvolvimento do interior do Estado.074 km.539 km. do Governo.]. SÃO PAULO. de comunicação com outras regiões do país e com o exterior. A partir daí. deste total. com 2. assim como no desenvolvimento da cidade de São Paulo [. principalmente devido à taxa de câmbio que vinha caindo.. que se deu.20 A instabilidade da política ferroviária. Havia ainda o problema crônico de conexão entre o planalto e o litoral e seus portos e. consequentemente. veio a política do Funding Loan. Paradoxalmente. principalmente.129). Companhia Paulista de Estradas de .954 km. Em 1896. O café da região do Vale do Paraíba foi o grande responsável pela expansão e desenvolvimento do Estado de São Paulo (KÜHL. sendo que. Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. como a Estada de Ferro Sorocabana. a partir de meados do século passado. com 1. com extensões inferiores a 100 km. metade. pela riqueza gerada pelo café. de acordo com as eleições. o Governo tinha exatamente autorizado a Baturité a estender seus trilhos até Quixadá. 1998). As estradas de ferro tiveram um papel de destaque na progressão da cultura cafeeira e da própria ocupação do território de São Paulo. em bônus. alcançando 8d per mil réis no fim da década de 1890 (BENÉVOLO. no entanto. dificultava o arrendamento das linhas. suspendendo a dívida externa por 13 anos e obrigando as ferrovias estrangeiras a receber a garantia. 1. Estradas de Ferro Noroeste do Brasil. p. com 1. De 1867 até a década de 1930 existiam 18 ferrovias. Anteriormente.

515 3.666 6. no final do século XIX. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexão sobre a sua preservação. Empresas ferroviárias foram organizadas. com 1.150 58. são apresentados alguns dados comparativos da evolução ferroviária de São Paulo.21 Ferro. 134). Beatriz Mugayar.549 2.150 São Paulo 1.829 7. 1998. e São Paulo Railway com 246 km. consistia na única ligação ferroviária do planalto paulista com o Porto de Santos (KÜHL.347 1908 18. Estradas de Ferro Araraquara. . As ferrovias em São Paulo foram importantes para o sucesso da urbanização do hinterland paulista. São Paulo: Ateliê Editorial: FAPESP: secretaria da Cultura. No quadro a seguir.983 Inglaterra 26483 Rússia (KÜHL. com 379 km. em relação aos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais e ao total das vias férreas do Brasil e de alguns países da Europa (em quilômetro): Ano 1886 9. com destino ao mercado internacional (SAES.771 58. com vistas a atender as demandas por transporte rápido e seguro para o escoamento do principal produto de exportação da província – o café – até o porto de embarque.086 Rio de Janeiro 2. Entretanto.358 1927 31.617 Minas Gerais 37.625 2.536 km.040 47. p.705 - Brasil 2. os condicionantes de seu surgimento não se restringem aos propósitos da urbanização do território. 1981). 1998). que até a década de 1930.823 37.423 4.535 Alemanha 32491 França 30.

1903). encurtando as distâncias (LIMA & PEREIRA. que passaram a enxergar o prolongamento de linhas em regiões desabitadas e cobertas por matas nativas. pois suas linhas eram projetadas para acompanharem as plantações de café (PINTO. as ferrovias eram chamadas de “cata-café”. 2009).22 Segundo Saes (1981). uma excelente oportunidade de ampliação de seus negócios. Esta prática seria substituída. 2011). . Na primeira etapa da expansão ferroviária paulista. a única exceção foi a Companhia Sorocabana fundada para o transporte do algodão produzido na região de Sorocaba e exportado para o mercado internacional. Dentro deste contexto cafeeiro. sobretudo pela abertura de novas frentes produtoras e de núcleos urbanos que dependeriam da ferrovia para se conectar a rede urbana paulista já conhecida. na aurora do século XX. Diante de todos os fatos da história da ferrovia no Brasil império-república. começou a perceber a grande importância desse meio de transporte para dinamizar a vida urbana e alterar as relações entre as cidades. quando as companhias ferroviárias passaram a planejar suas rotas de expansão em meio a terras ainda inexploradas pela agricultura (CAMPOS. Para a pesquisadora Cristina Campos (2011) esta nova postura é reveladora do aparecimento de uma lógica de expansão das companhias ferroviárias. as companhias Paulista. Ituana e Mogiana foram organizadas na região central da província de São Paulo até o porto de Santos.

a criação de gado em pé e a manufatura da carne de charque. Segundo Clovis Jucá. 45). 2007.23 CAPÍTULO II A CHEGADA DA FERROVIA NO CEARÁ E A CONSTRUÇÃO DA EF DE BATURITÉ A Via férrea de Baturité sempre será a primeira Empresa do Ceará. 47). “a vila de Fortaleza. 14-08-1872). a partir de então. a cidade de Fortaleza foi favorecida pela política de centralização do Império. no decorrer do século XIX” ( JUCÁ. 47). o artesanato e a agricultura realizada nas imediações do perímetro central de Fortaleza. só sedimentou seu processo hegemônico no território cearense com o fortalecimento da agricultura de exportação por meio do comércio algodoeiro. incrementando o comércio. Isso fez com que a movimentação mercantil de grosso trato no Ceará fosse feita pelo porto da capital. que. p. Esse comércio foi fundamental para o desenvolvimento econômico da capital. (MOTA. passou a concentrar diversas atividades urbanas ligadas ao setor de serviços e produção artesana. sobrepujando a cidade de Aracati. tendo como atividade de força. em sua dissertação de mestrado. Mota. destacou-se como um dos principais núcleos urbanos dos setecentos. 2. juntamente com a cidade de Icó. como especulação lucrativa ou como obra patriótica. havendo um grande favorecimento das capitais provinciais com as relações comerciais com o exterior. Com isso. 2009. 2009. (MOTA. destaca muito bem a cidade de Aracati como Porto Branco: Aracati. sede da Capitania. que começava a viver um significativo crescimento com o aumento das exportações de algodão. (Senador Thomaz Pompeu. . p. p.1 A Cidade de Fortaleza na Segunda Metade do Século XIX A cidade de Fortaleza assumiu a partir da segunda metade do século XIX a hegemonia econômica no Ceará.

Entre essas casas de fundição. A locomoção pessoal e a movimentação de mercadorias tinham a marca da lentidão. quando não andava a pé. J. A Comunicação pelos Caminhos de Ferro. de J. principalmente no Ceará. 267). Alencar. 2. 48). 1973. além de curtumes e pequenas manufaturas têxteis de redes e tecidos grossos. (LIMA. bem como as serras de Maranguape e Aratanha. de 3 de outubro de 1857. que concedia a construção das primeiras estradas de ferro no Ceará. Tinha como objetivo “suprir as necessidades de peças de reposição e conserto das locomotivas” (MOTA.C. já se registravam fábricas de selins. p. 34). instalada na oficina de Fortaleza. já que era de difícil acesso a locomoção das mesmas. quão era também sua importância no deslocamento das pessoas. Os primeiros estudos para implantação de uma estrada de ferro no Ceará surgem com a necessidade em abastecer a capital. Revista do Instituto do Ceará.C. Fortaleza de 1870. chapéus. p. Para Pedro Airton Queiroz: Essa produção. p. O Ceará por ser um estado pioneiro no uso de fundição. 2009. que surgiu no final do século XIX. Nas décadas seguintes foram instaladas. sabão e cigarros. podemos citar a casa de fundição da Estrada de Ferro de Baturité. na Revista do Instituto do Ceará. Um dos grandes mentores desse projeto foi Thomaz Dixon Lowdem. foi bastante influenciada pelas flutuações do mercado interno. incluindo a pecuária e o algodão. distante cerca de 100 quilômetros ao sul da capital. (ARARIPE. fez com que se melhorasse a capacidade produtiva. pode-se encontrar claramente como era o transporte na capital da província na segunda metade do século XIX. casas de fundição como forma de melhorar e baratear os custos. realizada em sua maioria por trabalhadores livres. montava cavalo. que ora promoviam ora desorganizavam a produção. guarda-sóis. Se a ferrovia era importante para o escoamento da produção do interior da província. que ganhou a exploração por um período . produtoras de gêneros alimentícios.2 As Primeiras Concessões de Ferrovia no Ceará A partir do decreto nº 1983. No texto “A Comunicação pelos Caminhos de Ferro”. 2000. Um exemplo foi a Estrada de Ferro de Baturité que teve início com a missão de ligar Fortaleza à região serrana do maciço de Baturité. burro ou jumento. e pelo fluxo migratório dos períodos de seca.24 Em 1854. Alencar Araripe.

p. 2009. 31-32). p. no Centro de Fortaleza. pois. 2009. Dr. passando por Sobral. “fora revogada pelo seu sucessor. no local do antigo cemitério de São Casemiro praticamente com mão-de-obra dos retirantes da seca de 1877 em terreno que pertencia à sesmaria de Jacarecanga. com ramal para a cidade de Maranguape. foi assinado pela Companhia Cearense da Via Férrea de Baturité e o Governo Provincial.” (PEREIRA. o contrato para a construção da estrada de ferro na província. A imagem abaixo mostra a Estação João Felipe. Centro de Fortaleza. Localizado onde antigamente era “o Cemitério de São Casimiro foi escolhido para ser construído o escritório central da EF Baturité e as oficinas” (LIMA.25 de 50 anos no extremo norte da província cearense. e que a mando do governo tinha como objetivo observar como se organizava uma estrada de ferro. no ano de 1868. 50). 32). p. O senhor James Foster. não saiu do papel assim como outros no Brasil que foram arquivados. grande produtora de café na época. atualmente conhecida como a Estação Professor João Felipe. foi escolhida na época pela diretória da Companhia da Via .férrea no Ceará. é o do engenheiro José Pompeu de Albuquerque Cavalcante. Em 25 de julho de 1870. 2009. Após a assinatura do contrato. construção da referida estação. partindo de Camocim e imediações de Granja. Pompeu criaram então uma empresa para trabalhar com a construção da via . Outro nome que se destacou na história da ferrovia no Ceará. A Praça Castro Carreira (antigo campo D’Amélia). em 14 de abril de 1868.Férrea de Baturité. na época presidente da província cearense. a empresa passou a denominar-se “Estrada de Ferro de Baturité” (DIÓGENES. A lei que foi assinada por Antonio Joaquim Rodrigues Júnior. que no caso era a Estrada de Ferro de Baturité. Mas o referido projeto de se construir uma estrada de ferro que escoasse os produtos do interior para a capital da província. Senhor Diogo Velho Cavalcante Albuquerque” (PEREIRA. de procedência da família Torres que fez doação a uma sociedade de . inaugurada no final do século XIX. popularmente conhecida como Praça da Estação. 25). p. projetada e construída com planta do engenheiro Henrique Foglare. 2002. seguiria para Ipú. “Esse empreendimento deveria construir e explorar uma via férrea a qual. No projeto elaborado a linha partiria de Fortaleza até a Vila de Pacatuba. que na época residia em Recife. agora tinha como ponto final a cidade de Baturité.

e escadaria demarcando o acesso ao interior do edifício. Estação Ferroviária Professor João Felipe 1880 – Fortaleza-Ceará Arquivo de Nirez.2013) Imagem 01. Esse trecho ligava a Capital da Província a Arronches. Com . arrematadas superiormente por cornijas e platibandas (http://www.htm acessado em 23. Os primeiros trilhos e dormentes do primeiro trecho. O edifício desenvolvendo-se em um único pavimento.com.1878 e 1879). A fachada do bloco central possui colunas sobre pedestal encimado por frontão triangular.26 oficiais do exército para o exercício de soldados. Devido a uma terrível seca que assolou o Estado. É interessante destacar que a inauguração desse trecho só ocorreu em 29 de novembro de 1873.br/preservando/estacao. de 7. As fachadas contíguas possuem fenestração com aberturas em arco pleno. já o tráfego de trens em 14 de setembro de 1873. foram assentados no dia 10 de julho 1873. Outras estações também foram inauguradas ao longo dos anos: estações de Mundubim e Maracanaú em 14 de janeiro de 1875 e Pacatuba em 9 de janeiro do ano seguinte. já a Estação João Felipe de onde todas as locomotivas partiam só foi inaugurada no dia seguinte.20 km. conhecida popularmente como seca dos três sete (1877. e domina completamente o espaço urbano da praça. Em janeiro de 1944 teve o nome alterado para Parangaba. A inauguração da estação só ocorreu em 29 de novembro de 1873 com o nome de Arronches. era município. Na época.06.ofipro. no período de 1877 a 1879. que acabou sendo anexado a Fortaleza nos anos de 1920.

quanto antes. como temia Castro Carreira. No discurso proferido em 1878. impedindo desta forma a continuidade das obras. evidenciando uma verdadeira “ciência” no modo de planejar e executar as diversas e criativas medidas propostas pelos engenheiros e “homens ilustres”. a desapropriação dos terrenos marginais dessas vias-férreas para serem divididas pelos retirantes ou colonos nacionais . as obras de melhoramento dos portos marítimos e fluviais. ficou dependendo de medidas do governo imperial que fugia a qualquer controle por parte daquela comissão de engenheiros. aos poucos. Sr. O Conde d’Eu.. a construção de linhas telegráficas gerais. José Júlio de Albuquerque Barros. no interior da província do Ceará e outras assoladas pela seca. pelo então Exmo.3 A Ferrovia da Seca e as Obras Públicas Em novembro de 1877. p. que na época era Presidente da Província do Ceará.Falade 1º de novembro de 1878. 56-57.27 isso a situação financeira da Companhia não era boa. . propôs: [. represas nos rios e açudes nas localidades que para esse fim forem apropriadas. 2. a “pareceres. uma comissão de engenheiros foi formada pelo governo imperial com o intuito de ir ao Ceará estudar os melhores meios de minorar os efeitos maléficos das secas (Jornal do Comércio. E mesmo o prolongamento da ferrovia de Baturité. ficou a comissão restrita. relatórios e orçamentos para serem arquivados nas secretarias de Estado” (Jornal do Comércio. mesmo contando com forte simpatia da imprensa. As obras do porto de Fortaleza. é fácil compreender a necessidade que se tinha os flagelados da seca em trabalhar. Em grande parcela. Ativar ou executar para dar trabalho e salários à população que se tem retirado para os centros mais favorecidos: a construção das vias-férreas já estudadas na região flagelada pela seca.] construir. cujo projeto foi estudado pelo engenheiro Julius Pinkas. (TYRONE. 30). Os debates sobre as “soluções para a seca” foram. 2005. foram consideradas por demais dispendiosas. que na época era presidente do Instituto Politécnico. Nenhum dos projetos de construção de açudes apresentados pela comissão chegou a ser executado naquela seca.. 24/02/1878). p. 04/11/1877).

34-35). (Jornal do Comércio . (TYRONE. À medida que o governo agia com lentidão e descaso em relação aos trabalhos de construção da ferrovia de Baturité. açudes. outras medidas foram exaltadas e reivindicadas com entusiasmo. o mesmo defendia a ideia como forma de evitar os “vícios” decorrentes da “ociosidade” dos retirantes. quartéis etc.. que tinha a província [. que.28 A partir do momento que a comissão de engenheiros ficou desacreditada pela opinião pública. (Jornal do Comércio de 11/01/1878). 2005. . Um editorial do Jornal do Comércio (11/01/1878) atestava isso quando dizia: As obras até aqui realizadas no Ceará e Pernambuco.férrea de Baturité constituía-se. Nem mesmo as pequenas obras de construção não surtiam efeito na ocupação dos retirantes. como grande fonte de trabalho e salário para o povo sertanejo que passava fome no Ceará nesse período. todas de pequeno vulto.4/07/1877). se podem realizar com vantagem para as localidades. sem grandes orçamentos e capitais.férrea a mais urgente e necessária medida de socorro público”. não só pelo emprego a milhares de trabalhadores. Foi quando o emprego produtivo dos retirantes nos prolongamentos das ferrovias. diante desse fato crescia o aumento vertiginoso de retirantes na capital cearense nos últimos meses do ano de 1877. cujo prolongamento já se poderia ter realizado por muitos quilômetros. Um artigo publicado no Jornal do Comércio do dia 4 de julho de 1877. 2005. prisões. (TYRONE. Não demorou muito e começaram a aparecer as primeiras notícias dos problemas ocasionados pela seca. e nestas circunstâncias seria da maior vantagem a sua continuação. quase se havendo limitado a reparos e reconstruções que não podem ter ocupado senão escasso número de braços e por poucos dias. p. Na verdade a retomada do prolongamento da via . e o prolongamento da via . estão longe de corresponder às reais necessidades das duas províncias. o cearense Castro Carreira. cemitérios. e proveitos para quem pode trabalhar. “tudo confluiu para tornar o prolongamento daquela via . como pela economia com que pode ser executada. tais como construção ou reforma de escolas.. 35). um grande defensor dos trabalhos dos retirantes na construção da ferrovia.] avulta a da estrada de ferro de Baturité. A execução de algumas obras. câmaras municipais. A estrada de Baturité. O Jornal do Comércio (4/07/1877) já chamava a atenção quanto às obras de maior importância. ganhou espaço.férrea de Baturité e de outras estradas de ferro. não avançou um só que fosse.. prestando assim utilíssimo serviço na atual conjuntura. igrejas. em particular a de Baturité. p.

a estrada de Baturité que apenas tem 70 quilômetros em terrenos planos. A construção da ferrovia de Baturité passa a ser canal importante nas reivindicações feitas pelos representantes da elite nortista para que o governo imperial não abandonasse aquelas províncias que agonizavam com a grande seca. posteriormente. articular-se a outras regiões. mais ao sul. informa-nos. a construção da via . uma vez que. comerciantes e intelectuais com acesso à grande imprensa. com isso: [. 1977. ao mesmo tempo melhoraria a situação de comerciantes e produtores agrícolas que lucrariam com um meio de transporte mais rápido e eficiente que os contraproducentes lombos de jumentos e cavalos que faziam os transportes desses produtos. MELLO. ao sul do Ceará. 1999). 20/02/1878).férrea de Baturité era a mais vantajosa. . (EISENBERG. com 85 quilômetros em terrenos acidentados.] a encampação da estrada de ferro de Baturité foi projetada como a mais promissora dessas obras. promovendo uma importante integração nacional. Devido o declínio econômico na produção açucareira nas províncias do norte e o crescimento das exportações de café na região Oeste de São Paulo. além de empregar um contingente vultoso de retirantes numa só frente de serviço. 2005. (TYRONE. Beaurepaire -Rohan. (Jornal do Comércio. (TYRONE. Viriato de Medeiros. engenheiro como André Rebouças.. 37). não em 55 dias.29 De todas as soluções encontradas pelo governo... no Livro: Trem das Secas. pode nestas circunstâncias ser realizada. a ferrovia ligaria Fortaleza à região do Cariri. mas em 4 ou 6 meses se assim quiser o governo. como o fértil vale do rio São Francisco. Com base nesses argumentos. E da mesma forma que a elite nortista e a imprensa forjaram o “discurso da seca”. p. Diversos engenheiros com consonância com alguns políticos. 2005. e cortados por três grandes rios. Tyrone. 36).] a ferrovia de Baturité poderia. auxiliar na construção da ferrovia de Baturité. que: [. Em nota no Jornal do Comércio do dia 20 de fevereiro de 1878. promoveram movimentos populares em favor das obras a serem executadas para salvar os flagelados do norte do império. era possível encontrar: O engenheiro Stantan na Índia construiu em 55 dias um caminho de ferro entre o Ganges e Darhburga. Todos esses argumentos tinham como objetivo. pois permitia empregar os retirantes durante um período de tempo razoável.. p.

2. a partir da seca de 1877. entendeu que a liderança da empresa deveria continuar com o Senador Pompeu que por sua vez. foi lançado um edital para a eleição da nova diretoria da Estrada de Ferro de Baturité. a de Paulo Afonso e algumas outras pelo interior brasileiro) passasse a ser considerada. Buarque de Macedo e muitos outros fizeram com que a ferrovia de Baturité (como posteriormente também a de Sobral. marca uma nova etapa na encampação dessa ferrovia. Já algumas matérias de jornais do ano de 1878. Heráclito de Alencastro Pereira da Graça. Caetano Estelita Cavalcante Pessoa buscava na nessa época. Um mês após essas inaugurações. conservou o Barão de Aquiraz na tesouraria geral. edição de 27/2/1876). e mais tarde buscarão o mesmo centro. referiram-se à ferrovia de Baturité como uma “estrada de ferro estratégica” (Cearense. (Jornal Comércio de 7/4/1877).4 O Prolongamento da Via Férrea de Baturité O Presidente da Província do Ceará. próximo ao antigo Liceu do Ceará e do 9º Batalhão. ou melhor. o vapor “Pará” que conduziu o Engenheiro Luís da Rocha Dias. Aos 14 de junho de 1876. em 9 de janeiro de 1876. o governo passa a partir de aquele momento continuar administrar os trabalhos de construção da Estrada de Ferro de Baturité. (Jornal O Cearense. A crise começa apenas a manifestar-se e já existem n’esta cidade mais de mil emigrantes em busca de trabalho. além dos que em maior numero povoam a esta hora as serras de Baturité. Baptista Vieira Barão de Aquiraz com 142 votos. Maranguape e Pacatuba. por exemplo). Qua rtel Militar (atualmente 10ª Região Militar). Com a inauguração das estações de Monguba e Pacatuba. desenvolver formas que pudessem empregar essas levas de emigrantes e famintos no prolongamento da estrada de ferro de Baturité. na questão do empate. como mostra o Jornal O Cearense: Houve um empate entre o Senador Thomas Pompeu com o Bel. pelo então Presidente da Província do Ceará. A assembleia dos acionistas.30 Capanema. uma “estrada de ferro estratégica”. que veio . Nessa época o Escritório da Estrada de Ferro de Baturité localizava-se na Rua Conde D’Eu nº 43. 13/11/1878. era inaugurado o Poço das Dragas (antigo porto de Fortaleza).

“a Empresa ainda teve de pagar no mesmo ano 10. o Major de Engenheiros Sr. Essa junta ficaria só até a próxima eleição. p. 62). Eduardo Sovinier. Com isso. Foi aí que o então Senador Pompeu. tornando as pequenas obras de construção meio eficácia para que retirantes se ocupassem. N. O engenheiro Dias. foi indicado para o cargo de chefe do prolongamento em 1º de maio de 1877. algumas cláusulas foram contrárias aos interesses de dois grandes acionistas: Barão de Ibiapaba e o negociante inglês Brocklehurst. após retornar da Corte em 8 de março de 1877. “O teor do contrato foi assinado juntamente com o Sr. sua grande paixão. Diante do contrato protocolado pelo Governo Imperial. Então o austríaco Julius Pinkas. como medida de socorro. 2009. A Companhia Cearense da Via Férrea de Baturité S. que nomeia interinamente para a direção da companhia. coisa que nunca ocorreu. 61).A. “Depois dessa situação Senador Pompeu ausentou -se do trem. traz a resolução do contrato. que era chefe da comissão de engenheiros do Império. de empréstimos contraídos em gastos na construção da estrada na primeira seção” (LIMA. . o mesmo abdicou-se do convívio. observando o funcionamento da Empresa com cofres vazios. 2009. frustrado pela ausência de seus companheiros políticos e sócios. o então capitão Luiz de Seixas Correia e na parte de fiscalização. Hansem e levado ao Rio de Janeiro para apreciação da Corte” (LIMA. Isso causou um clima constrangedor para a empresa. deixavam recursos para a Companhia. e com mais um ano de seca. 2009. ficou sendo dirigido pelo então José Pompeu de Albuquerque Cavalcante. Como se não bastasse. e auxiliado por uma junta composta por Gonçalo Baptista Vieira. p. para o prolongamento da linha entre Pacatuba e Canoas (atualmente Aracoiaba). Nesse período a situação do Ceará era caótica com a seca e o descaso do Governo em empreender a retomada dos trabalhos de construção da Estrada de Ferro de Baturité. João Martins da Silva e José Privat.. aos 59 anos de idade” (PEREIRA. E algum mês depois morre (1º de outubro de 1877). p. Jerônimo Luiz Ribeiro. 61-62). foram requeridas ações que.400$000 (dez contos e quatrocentos mil réis) de juros ao Banco do Brasil. já completamente falida.31 ser o encarregado de concluir as negociações do contrato entre a EFB e o Governo Imperial.

O ministro e secretário de Agricultura Comércio e Obras Públicas. como é o do Ceará. começaram o assentamento dos primeiros trilhos na terraplanagem preparada entre as cidades de Pacatuba e Guaiúba. no dia 2 de janeiro de 1879. condições de prosperidade. O referido programa ganhou expressão com Júlio Barros. o Engenheiro norte americano Carlos Alberto Morsing. assinou uma portaria onde a empresa responsável pela encampação passou a chamar Companhia da Via Férrea de Baturité S. 2009). e recolher-se-á esta verdade [. Foram tomadas. com objetivo de amenizar o sofrimento e as dificuldades dos cearenses nesse ano de seca. e sertões adjacentes. .] (Trecho do editorial do Jornal do Comércio. engenheiro da primeira seção da construção até Acarape. garantindo a vida e o destino de uma população.918 e nº 6. Comércio e Obras Públicas. João Lins Cansanção de Sinimbú. em substituição a Julius Pinkas (PEREIRA. indicou José Júlio de Albuquerque Barros (o Barão de Sobral) para o Governo do Ceará e interviu junto ao Império com um programa de solução: um plano sistemático de transformação dos indigentes em trabalhadores. que assumira a presidência da Província aos 8 de março de 1878.32 E que maior interesse público pode haver do que dar ao tão extenso território. Um estudo aprofundado de Sinimbú sobre a situação caótica que se encontrava a província do Ceará nesse período levou o governo por meio do Decreto nº 6. após alguns dias de sua posse que ocorreu no dia 5 de janeiro de 1878. que já ascende a mais de dois milhões de almas? Atenta-se para a configuração topográfica do Crato.919.. A partir do quadro abaixo onde os abarracamentos eram distribuídos em forma de três etapas conhecidas na época de “Residências”. Nesse mesmo período foi firmado para a Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura. A partir do ano de 1878 o Imperador do Brasil D. Veja como estavam organizados os abarracamentos ao longo do prolongamento da via férrea de Baturité.1877).12. A. 2009). tornando assim o engenheiro chefe. Pedro II. 27... ficou patente a necessidade de uma política empreendedora mais ostensiva. Com os estudos feitos pelo engenheiro Julius Pinkas. uma série de medidas que pudessem amenizar a situação dos flagelados da seca. de 1º de junho de 1878 (LIMA. Walter Rietmann. agora com responsabilidade do engenheiro Dr. afinal.

somente em 1842 foi elevada a sede distrito. evidentemente. Vieram também quatro giradores e várias peças de reposição para as máquinas. A locomotiva “Sinimbú” conduziu as autoridades e a EFB se fez representar pelos engenheiros Morsing e Amarilio Olinda. No dia 14 de junho de 1879 (km 41. foi inaugurada a estação da estrada de ferro destinada a unir a zona sul do Estado à Capital da Província. três para passageiros e uma para plano inclinado. O povoado ali formado. procedente de Filadélfia – USA. a 9 de janeiro. 700 famílias. com dois 100 abarracamentos. “Fato auspicioso para a vida local. 1960). posteriormente fora apelidada de “Amarilio”. que fora destinada aos serviços do ramal da Alfândega e. trazendo sete locomotivas fabricadas pela The Baldwin Locomotive Works. XVI. 400 famílias. a partir de então a cidade cresce com a chegada do trem (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. 650 famílias. ferreiros. Três máquinas eram para cargas. que supervisionavam a mão de obra. ocorreu em 1876. a estação de Guaiúba (Guayuba) era inaugurada. O parque de . publicava em sua edição que em cada residência havia oficinas. IBGE.805). no entanto. a barca “American Union” chegou em Fortaleza. bem como projetavam os bueiros e a alvenaria da base das pontes que ora estavam em construção. famílias de e uma Água Verde que. materiais para carpina e que cada residência havia também engenheiros. Vol. cresceu a partir da estação ferroviária que cortava seu território (FILHO. criação de víveres. 1959). A cidade de Pacatuba remonta ao século XVII. Em 4 de julho de 1879. 700 famílias. Terceira Residência abrigavam: centena solteiros homens O Jornal “O Cearense” (1879). Em 1869 passa a município.33 Alto do Bode: Primeira Residência: Floresta: Guaiúba: Mata Fresca: Segunda Residência Baú: 300 homens. O povoado de Guaiúba. quando.

foi recebida com aplaus os de uma multidão. passou à Redenção e Acarape. Depois. a estação Amaro Cavalcante (Itapahy) era inaugurada em 20 de setembro de 1896 (Fonte: Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil. 2009). O Governo tinha pressa e o engenheiro Julius Pinkas enfrentou pressões políticas e até ameaças de ataques pessoais. Decidido sobre a rampa e o acentuado corte na Serra de Itapahy. Imagem 02 – Corte de Itapay – Antonio Diogo em 1879.545 pessoas. por sua vez. Nas obras de prolongamento de Acarape (Redenção) foram empregados 9. Arquivos da EFB . 1960). O local em que a estação foi erguida chamava-se Calaboca (atualmente cidade de Acarape) e já existia antes da chegada da ferrovia.515 operários que beneficiavam 28. com redivisões municipais e anexação de distritos. era o nome original do município no qual se situava o povoado de Calaboca (Fonte: Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil.34 tração da Baturité agora havia passado para 12 locomotivas. A Estação de Baú (João Nogueira) foi inaugurada em 14 de março de 1880. a locomotiva “José Júlio”. (PEREIRA. A estação de Acarape (Redenção) foi inaugurada em 26 de outubro de 1879. Era inaugurada a estação de Água Verde (Fonte: Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil. Aos 29 de setembro de 1879. 1960). 1960). que.

35 O corte de Itapay como ficou conhecido fica localizado nas proximidades do Distrito de Antonio Diogo em Redenção. quando uma nova seca motivou o reinício dos trabalhos de prolongamentos rumo ao sertão da província cearense (LIMA. Aqui não iremos aprofundar sobre a estação de Canoas. já que todo o 3º capítulo é dedicado a ela.1897 Quixeramobim – Ibicuã (Arrendamento Novis& Porto). Fortaleza – Pacatuba (Empresa Privada). A imagem acima mostrar um corte feito na serra para que fossem colocados os trilhos da Estrada de Ferro de Baturité.1876 Paralisado. 1878 . no topo da serra entre Fortaleza e Baturité. A concretização do tão esperado projeto da encampação aconteceu somente em 2 de fevereiro de 1882. No mesmo dia e ano foi inaugurada a estação de Canoas (Atualmente Aracoiaba). com as encampações realizadas para a implantação da ferrovia e suas paralizações ocorridas e que por muitos anos atrasou a conclusões dos trabalhos da via férrea de Baturité que ligava o Norte ao Sul do Ceará. 1898 . 1895 . 2009). Nos anos de 1940 seu nome foi alterado para Antonio Diogo. A estação de Canafístula foi inaugurada em 14 de março de 1880. Essa estação ficou como terminada até 1888. 1872 .1894 Paralisados. inspiração dos idealizadores da Companhia. O quadro mostra cronologicamente como se deu todo o prolongamento da Estrada de Ferro de Baturité. 1889 . 1877 Pacatuba – Baturité (Encampada pelo Governo). já que era preciso para que pudessem dá continuidade ao prolongamento da estrada.1908 Ibicuã – Iguatu (Iniciado pela Novis& Porto e concluído 1909 . 1883 Baturité – Quixeramobim (Encampada).1882 Paralisados.1910 . quando a linha férrea chega a cidade de Baturité.

Estradas de Ferro do Ceará (1986) – Arquivo do IBGE . até a cidade de Altos no Piauí (EF Sobral). para mostrar que praticamente obedeceu aos mesmos traçados depois dos prolongamentos feitos ao longo do tempo). Paralisados.36 pela South American Railway ConstructionLimited). Mapa 01. 1911 – 1914 O mapa abaixo mostra claramente todo o traçado da linha férrea do Ceará em 1986 (mais de cem anos depois. passando por Sobral até Crateús.1926 Governo). ultrapassando os limites do estado. Tendo a estação Professor João Felipe em Fortaleza como partida e a estação do Crato no Sul do Ceará como ponte de chegada com ramal para Sousa na Paraíba (EF de Baturité). Já o outro traçado partiu também da estação Professor João Felipe em Fortaleza. Iguatu – Crato (Os trabalhos já foram executados pelo 1915 .

que mudanças ocorreram com a chegada da ferrovia no cotidiano do pequeno povoado. . No próximo capítulo apresentaremos reflexões em torno do prolongamento da Estrada de Ferro de Baturité até chegar em Canoa (Aracoiaba).37 O mapa acima traça toda a linha férrea do Ceará com suas duas principais estradas de ferro – Estrada de Ferro de Baturité até a cidade do Crato com ramal até Sousa na Paraíba e a outra a Estrada de Ferro de Sobral com ramal até Picos no Piauí.

2012. de origem Tupi-Guarani. Vol 1. Rose Mary Santana. segundo Barão de Studart: “Lugar do Canto das Aves” ou “Lugar onde as Aves Cantam”. Por volta de 1712. causando a morte de aproximadamente 200 indígenas. Somente em 1721 que as tribos dos Jenipapos. os Anacés e Jaguaribaras. Entre cerca de 1500 a.1 Breve Histórico de Aracoiaba De acordo com dados embasados em Pesquisas Nacionais. É o comprovado registro de suas presenças em nossa região. Enquanto Barão de Studart aponta para uma defi nição “Lugar do Canto das Aves”. os nativos começaram a trilhar os caminhos da região do Maciço de Baturité. nome de origem Tupi-Guarani. Passados quatro anos. A partir desses conflitos. que quase pôs fim aos brancos no Ceará. fornecidos pela Fundação Nacional do Índio – FUNAI (1984) pode-se traçar um pouco do resumo histórico dos índios que habitaram o Maciço de Baturité e Aracaoiaba. especialmente Aracoiaba. . acontecer essas divergências. os jenipapos se digladiaram com os Canindés na bacia do Rio Banabuiú. que nos leva a compreender como se formaram esses povos pioneiros na abertura dos caminhos para Aracoiaba. no Maciço de Baturité. 52).C. e assaltaram a Vila de Aquiraz. no Brasil encontravam-se núcleos de povoamento Tupi-Guarani que se caracterizam. Para Luís Carlos Tibiriçá afirma que o Topônimo significa “Rodelas de Penachos de Cocar” . Fortaleza: Premius. p. essas tribos se uniram com os Jaguaribaras e Anacés. Aracoiaba. por serem agricultores de florestas tropicais. e 1000 d. Um ano após esse fato.38 CAPÍTULO III ARACOIABA: “LUGAR DE SINFONIA DE PÁSSAROS” E OS IMPACTOS TRAZIDOS PELA FERROVIA 3. atacados no riacho Aracoiaba. entre outras coisas. Silveira Bueno prefere “Lugar Onde se Colhe Banana”. (MATOS. Esse fato ficou conhecido como Rebelião de 1713/1715. São comuns cidades cujo nome. Livro – Aracoiaba: História em Retalhos. Muitos etnólogos divergem quanto ao significado do nome de Aracoiaba.C.

de uma tribo TUPY GUARARY. Diante dessas dificuldades o índio Sr. principalmente na época das cheias. em verdade. as “Canoas” (Livreto Histórico da Origem do Município e da Paróquia Nossa Senhora da Conceição. carroceiro.. dificultando assim a comercialização de seus produtos. 1990).. Aranahudure Araguagaba Aracoagoaba Aracahuaba Aracoyaba Aracoiaba 1707 1707 1735 1735 1743 Atualmente Tabela 01. No entanto. Essa definição fica bem explicitada no Hino do Centenário de Aracoiaba: É lugar. 5). do rio. uma família. Manuscritos das Datas de Sesmarias do Ceará Arquivo Público do Estado do Ceará. Como o Rio Aracoiaba era navegável. foi o nome que deram os bárbaros. o acesso se tornava difícil e só era possível através de pequenas embarcações. extraído a partir dos registros na documentação de Concessão das Sesmarias. no caso. o acolheu. . (Hino do Centenário de Aracoiaba – Letra e Música de Salomão Alves de Moura Brasil.1990). tendo em vista a passagem pelo rio. ARA-COY-ABA.39 No caso de Aracoiaba. construiu sua barraca às margens do Rio Aracoiaba. ocorriam diversas transações comerciais com os povoados de Choró e Ideal. p. só deu sorte e a cidade cresceu [. Aracoiaba. 4ª estrofe. Em língua TUPY. 2012. uma estrada carroçável. feita por determinação de D. Sinfonia de Pássaros.]. Pedro II e que era a única existente na região (MATOS. toponímia nativa. passando à cidade.16. Marcelino. Vejamos o quadro a seguir. 59).08. no local onde era cortada pela dita Estrada Real. até chegar à denominação atual. O nome próprio distingue e identifica uma pessoa. que passou por várias denominações indígenas. Nessa época. seu curso não dava com a capital cearense. p. o que prevaleceu foi a definição de barão de Studart – ARACOY-ABA “Lugar do Canto das Aves” (Jornal do Centenário de Aracoiaba. E. As comunicações com Fortaleza teriam que ser feitas via Estrada Real. de acordo com sua origem como é o caso do nome do Rio Aracoiaba. 2005. com amor. nosso povo.

É a partir desse fato que o povoado recebe esse nome “Canoa”. Com o fracasso das demais Capitanias inclusive a do Ceará. principalmente econômico. 2012. que posteriormente se transformaram no atual município de Aracoiaba. a Capitania de São Vicente e Pernambuco. plantação de cana-de-açúcar e criação de gado. Diz o capitam Pedro da Rocha Maciel. foi a forma encontrada pelos colonizadores para facilitar o desenvolvimento do Brasil. p. morador no termo desta Capitania que ele Suplicante nem tem terras suas próprias que plantar suas lavouras e que de prezente ter descuberto terras devolutas e desaproveitadas em hum Riacho que nasce da Serra de Baturité e dezagoa no Rio Choró chamado o dito Riocho Aracahuaba e como faz a bem das Reais Rendas de sua Magestade que Deus guarde. conforme originais no Arquivo Público do Estado do Ceará. povos indígenas já habitavam essa região. Com a chegada dos primeiros homens brancos na região é que ocorrem as primeiras formas de organização dessas terras por meio de Capitania Hereditária. surgiu outra forma de se controlar as terras: Sistema de Sesmaria. O sesmeiro era o responsável pelas terras como forma de estimular a produção. No caso do Ceará. regiões mais propícias para a fundação de fazendas. Sabemos que. 59).. lá na “Canoa” e posteriormente a região caracterizou-se como local chamado “Canoa” (MATOS. mas que somente duas capitanias se deram bem. inicialmente o Sistema de “Capitania Hereditária”.. As primeiras terras oficializadas na capitania do Ceará. o que propiciava maiores e melhores condições de prosperar. estão documentadas na Petição das Sesmarias de Pedro da Rocha Maciel. os colonos tiveram preferências pelas margens dos rios.] (Manuscrito das Datas de Sesmarias do Ceará – Arquivo Público do Estado do Ceará). com as frases: “Vamos nos encontrar lá no seu Canoa”. portanto pede a vossa mercê lhe conceda em nome do dito Senhor três léguas de comprimento [.40 Esse cruzamento tornou-se célebre. que normatizava a distribuição de terra na colônia. o serem dadas. O fracasso se deu por diversos motivos. Antes mesmo de essa nominação surgir. Os índios Tupi-Guarani foram os primeiros a chegarem às terras que hoje é a região do Maciço de Baturité. daí a . devido ao rio. povoado esse. posteriormente passaria a se chamar Aracoiaba. a margem do Rio Aracoiaba.

99 do livro nº 11 das Sesmarias. Do Siará Grande e governador da Fortaleza de nossa Senhora da Assumpção por sua Magestade que Deus guarde ettª. datado de 02 de junho de 1735. Fortaleza-1933. concedida pelo Capitão Mór Domingos de Simões Jurdão.41 importância do Rio Aracoiaba para a criação de várias Sesmarias no Maciço de Baturité. Dentre essas. onde estão os documentos das Sesmarias que deram origem dentre outras. estão a Sesmarias de Pedro da Rocha Maciel. em 2 de junho de 1735 das paginas 98v. onde se juntaram os benefícios do rio com a fertilidade da serra. Domingos Simão Jordão. É importante ressaltar que as Sesmarias da Região Serrana eram mais fracionadas devido a sua estrutura geográfica. conforme a Coleção dos Anais do Arquivo Público do Estado do Ceará e publicado através do Índice Geral Alfabético e Remissivo das Datas das Sesmarias do Estado do Ceará. (Coleção dos Anais do Arquivo Público do Estado do Ceará e publicado através do Índice Geral Alfabético e Remissivo das Datas das Sesmarias do Estado do Ceará. Vejamos a seguir a Sesmaria de Pedro da Rocha Maciel.Petição: Diz o Capitam Pedro da Rocha Maciel morador no termo desta Capitania que ele Supplicante nem terras suas próprias que plantar suas lavouras e que de prezente ter descuberto terras devolutas e desaproveitadas em hum Riacho que nasce da Serra de Baturité e dezagoa no Rio Choró chamado o dito Riacho Aracahuaba e como faz a bem das Reais Rendas de sua Magestade que Deus guarde o serem dadas por tanto pede a vossa mercê lhe conceda em nome do dito Senhor três leguas de comprimento em dito digo comprido em o dito Riacho Aracahuaba fazendo piam em a barra do Riacho Putihú que se topa hu e outro fora dos boqueirões da Serra com légua e meya para baixo e légua e meya para cima da dita Barra r meya para cada banda.: Concedo ao Suplicante a Terra que pede em nome de sua Magestade que Deus guarde nam prejudicando a terceiro villa da Fortaleza dois de junho de mil e setecentos e trinta e sinco (Rubricado) o que visto por mim seu Requerimento Hey por bem de conceder como pella prezente o faço em nome de sua Magestade três léguas de terras continuas principiando e confrontando tudo na forma da petiçãm do Suplicante para ele e seu erdeiros ascendentes e descendentes . Despacho “Governado da Capitania Domingos Simão Jor dão Cavalleiro professo na ordem de Chisto Capitão Mór da Cappta. as cidades do Maciço de Baturité e a de Aracoiaba. Segundo os manuscritos pesquisados sobre essa Sesmaria que originou a cidade de Aracoiaba. Fortaleza-1933). na forma do estilo e Recebera mercê. Nº 131 – Registro da data e sesmaria do Capitão Pedro da Rocha Maciel de uma sorte de terra de três léguas na serra de Baturité no Riacho Araccahuaba. que deram origem o povoado de Canoa. podemos perceber que os Sesmeiros tinham a missão de estimular a produção nas terras que lhe eram confiadas como já havia sido mencionado. Segue abaixo o documento de Despacho do Governador da Capitania do Ceará. posteriormente cidade de Aracoiaba.

ou leis imperiais ou provinciais. Aracoiaba fica na Região Administrativa 8. testadas e logradouros que nelas ouverem das quais pagaram Dizimo a Deus dos frutos que nelas daram Caminhos Livres do Conselho. História em Retalhos. Por divisão do IBGE/IPECE. Págs. mas como povoações que foram crescendo e se organizando e.1.42 com todas as suas aguas. 2012. 3.42. “Aracoiaba é uma cidade que faz parte da América do Sul. embargo ou contradição alguma e se Rezstrará nos livros das datas da Sesmaria deste Governo e nos mais a que tocar. de 18 de agosto de 1871. Capítulo 1. 86). Três anos depois em 21 de agosto de 1874. E em 16 de agosto de 1890. Dada nesta Villa da Fortaleza de nossa Senhora da Assumpção aos dois dias do mês de junho de mil e setecentos e trinta e cinco anos. expede o oficio nº 200.607 é criado o Distrito de Paz de Canoa. Vol.. a Povoação de Canoa é elevada a categoria de Vila e consequentemente município de Aracoiaba (MATOS. Estado do Ceará. Declaro que não seram vendidas a Religiões e quanto e sejam será com Condição de pagarem Dizimo dellas. p. O Secretário Hironymo de Albuquerque escrivão das datas e sesmarias a subscrevy [. p. Por Ato Provincial. o Presidente da Província do Ceará. e por firmeza de tudo lhe demmandey passar a prezende por mim assignada e selada com o signete de minhas armas que se guadará e cumprirá tam pontual e inteiramente como nella se conthem e declara sem duvida. criando o Distrito Policial da Povoação de “Canôa”.. . Macrorregião de Planejamento de Baturité. acompanhando as margens do Rio Aracoiaba.1 Características Gerais do Município Segundo informações coletados no Livro – Aracoiaba. II. se tornaram gradativamente vilas. Fortaleza-1933). 86). através da Lei nº 1. por atos.] (Coleção dos Anais do Arquivo Público do Estado do Ceará e publicado através do Índice Geral Alfabético e Remissivo das Datas das Sesmarias do Estado do Ceará. 2012. pelo Decreto nº 44. Ao longo da concessão das Sesmarias no Ceará. muitos municípios foram se formando em decorrência das povoações que deram origem ao Maciço de Baturité. Brasil. pontes e pedreiraspêra o que ordeno a todos os ministros da fazenda e justissa a quem esta minha carta de data de sesmaria deva e haja de pertencer lhe dem posse real afectiva e atual na forma Custumada. Entre esses povoados está Canoa (Aracoiaba) que não surgiram como distritos de outros. municípios e cidades (MATOS. Mattos. campos. localizada no Nordeste. 41. Mesorregião Norte Cearense e Microrregião de Baturité. pera fontes.

43 Inicialmente.53 km² Aracoiabense NORTE: Barreira e Redenção Atualmente a cidade se limita SUL: Itapiúna e Ibaretama LESTE: Ocara OESTE: Baturité Distância de Fortaleza 73 km (MATOS. História em Retalhos. com os primeiros moradores dessa região pelo pesquisador Salomão Alves de Moura Brasil. II. Palavra de origem Tupi. Porém. Com o quadro extraído do Livro – Aracoiaba: “História em Retalhos” (MATOS. 3.446km. 41 e 42) é possível encontrar informações mais detalhadas sobre Aracoiaba Município Estado Região Latitude Longitude Altitude Área Gentílico Aracoiaba Ceará Nordeste 04º22’16’’S 38º48’51’’W 107m 656. que ficava às margens do Rio Aracoiaba. estampido. Rose Mary Santana. que tinha como chefe o índio Marcelino. Vol. 2012. onde no passado ocorriam diversos estampidos das festividades indígenas realizadas nessa região. mas após a subdivisão com o município de Ocara”. e publicada no Jornal do Centenário de Aracoiaba. o município abrangia uma área de 1. proprietário daquela Canoa que deu nome à Povoação e que se transformaria posteriormente na cidade de Aracoiaba. Ali residia uma das Tribos dos Jenipapos. Aracoiaba. Segundo entrevistas feitas na década de 1990. 41-42). ocupando inclusive o 5º lugar em relação às áreas dos demais municípios cearenses. espetacular. Capítulo 1. palavra que significa ruído. com a . p. magnífico.2 Muamba “Papoco” A Estação foi construída na localidade de “Papoco”. p. em 16 de agosto de 1990.

com o nº 493 era a Sesmaria de Ignacio (Inácio) Moreira de Barros. em 21 de janeiro de 1746 (Manuscritos das Datas de Sesmarias do Ceará folhas 2 a 2v.p. o Capitão Pinguim. estendendo-a até a cidade de Baturité. 440-441). a estrada de ferro teve que ser desviada 18 km até o povoado de Canoa. alegou ser possuidor de criações de bastantes galinhas e que a passagem de trem por ali. devido às consecutivos anos de secas (1777/1778/1779) conhecidas como seca dos três setes que vinha assolando a região com o objetivo de gerar condições de sobrevivências ao povo. outra Sesmaria desenvolveu-se paralelamente na região. mas dos estampidos das armas nas disputas pelas terras. um dos importantes proprietários de Vazantes na época. que a estrada de ferro passasse por Vazantes (MATOS. O que isso tem a ver? Onde Vazantes entra nessa história? Ora quando D. Por ser o povoado mais antigo. que posteriormente ficou conhecida como Lagoa de São João e Vazantes. . Essa teve início por volta de 1746. logo procurou os responsáveis por aquela obra e. ao tomar conhecimento da nova construção. Porém.44 chegada dos primeiros colonizadores e Sesmeiros. mais ou menos no local onde atualmente é a prefeitura de Aracoiaba. 2012. devido a outro fato pitoresco ocorrido durante os preparativos das obras. Mas. poderia ocasionar o extermínio de seu grandioso criatório. Pedro II assumiu a continuidade da construção da Estrada de Ferro. na localidade de Lagoa de São João. Devido esse fato. Vejamos o que diz o documento abaixo. Vazante tinha tudo para ser o centro do município já que estudos mostravam que a dita Estrada de Ferro cortaria esse povoado. buscando os Passos de Aracoyaba. Data e sesmaria de Ignacio Moreira de Barros e seu companheiro de três léguas de terras na Lagoa de São João. Arquivo Público do Estado do Ceará. Para compreendermos melhor como se deu a escolha do lugar da construção da dita Estação é preciso saber que após a criação da Sesmaria de Pedro da Rocha Maciel em 1735. impedindo assim. do Livro nº 13. Fortaleza). a região começou a ser disputada por todos e o som agora já não era mais de comemorações ou devoções indígenas. que foram arrebatadas daqueles indígenas (Jornal do Centenário de Aracoiaba. concedida pelo Capitão Mór João de Teyve Barreto e Menezes. que originou o povoado de Vazantes. põem a construção em questão. agosto de 1990).

escrito em 1892. (MATOS. “Qui vouller bien passer. em todo o Brasil pelas invasões ou por opção.. para pagar no final da semana. responsável pela construção da “Estrada de Ferro de Baturité”. no povoado de Papoco que posteriormente ficou conhecido como muamba. em pleno período de implantação e desenvolvimento da Estrada de Ferro em Canoa (Aracoiaba) nos traz essa definição claramente do nome da localidade de “MUAMBA”. transportar qualquer coisa ou receber um amigo.] o engenheiro Carlos Alberto Morsing.45 Segundo a pesquisadora Rose Mary Santana Matos (2012) em suas pesquisas sobre o assunto. relata que [. Logo o açougueiro. quando mandara comprar uns quilos de carne. logo se vingara.. Tudo tem escorregado Tudo acaba e desacaba Não cei onde se amocamba Os dinheiro da Nação É porque na cumição Todo mundo fais muamba. Muamba (sic) (Álvaro de Melo Falcão) I É generoso e honrado. em francês estropiando. não conhecendo o novo freguês. 2012. Pedro Pois não tem cido brincadeira. respondeu ao portador mais ou menos o seguinte. pois se falava em pouco de francês. 441-442). Que quer dizer: “Quem quiser passar bem não deve sair de sua casa”. chegara à Povoação de Canoa. ne doit sortir de as Maison”. Por que muamba? O poema do aracoiabense Álvaro de Melo Falcão. II Ceija(seja) rico ou ceija pobre Homenzarrão ou menino Tenha prata ou ouro fino Tenha zinco. Com isso. branzeou cobre Tudo esconde e tudo incobre Finge andar com a perna bamba Cai aqui adiante camba O homem de mais saúde Vai-ce a honra e a virtude Todo mundo fais (faz) muamba . Devido a esse fato a Estação foi construída a um quilometro da sede de Canoa. p. ou no final do mês. Nosso Imperador D. não se sabe ao certo. toda vez que quisesse pegar um trem. Os milhões que tem mandado. o Engenheiro Carlos Morsing. segundo a escritora. dando o troco com as seguintes palavras: Respondeu para o açougueiro que ele teria que esticar as peruas por mais um quilômetro.

“era homenagear Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Gonzaga de Bragança. não era fácil se deslocar até a capital (MATOS. a Princesa Isabel. Essa estrada carroçável era perigosa (roubos e crimes constantemente eram registrados) com isso. 27 de agosto de 1892 (Assinado por): Álvaro” I Mas essa denominação de “povoado de Muamba” não durou por muito tempo. 447). Canoa. o motivo segundo o historiador Salomão Alves de Moura Brasil. p. não as lamba! Que um deles cai a crista Todo dois são muambistas Todo mundo fais muamba. cavalos. 2012) . filha de Dom Pedro II. em viagem que duravam dias num sol escaldante. passando pelo nosso município e consequentemente trazendo o progresso e a elevação da Povoação de Canoa para o Município de Aracoiaba” (MATOS. IV Empregados do Amazonas Chefactura (chefatura) e comiçarios Mandantes e mandatários Trabalhadores também Não exceptuoaninguém Que não dance neste samba Tapuias e Tupinambás Patrícios e estrangeiros Doutores e ingenheiros Todo mundo fais muamba Fim. burros.46 III Dous touros numa manada Onde tinha muito povo Um touro velho e um novo Jugarão quatro patadas Depois da lucta travada Entre o gigante e o zamba Veja o gato. de quem partiu a ordem da construção da Estrada de Ferro de Baturité. Como o Rio Aracoiaba não ligava a capital da província (Fortaleza) os únicos meios de transportes na região eram por meio de “carros de boi”. logo recebeu outra denominação “Arraial Santa Isabel”.3 O Cotidiano de Canoa antes da Chegada da Ferrovia No ano de 1875 o povoado de canoa vivia praticamente da agricultura no cultivo de algodão e cana-de-açúcar. 2012. 3.

47 No povoado de Canoa existia. logo pela manhã por volta das nove horas. No tocante a educação do povoado basicamente se resumia em escolas somente para meninos (anos posteriores é que as meninas começaram a estudar) e funcionava na casa dos próprios professores. Essa região que era um lugar pacato e calmo passou por mudanças radicais. Nesse período foram criados campos de concentração para abrigar trabalhadores vindos de diversos recantos do Ceará. furtos ocorriam com frequência. 443). rua da capela (atual Largo da Matriz. tocou o Hino . Crônicas. p. Segundo a pesquisadora Rose Mary.203 pessoas agrupadas em aproximadamente 387 famílias. Primeiro a violência aumentou consideravelmente. A tradicional lamparina e velas eram as únicas formas de iluminação. Segundo as notícias publicadas no Jornal Cearense. Praticamente era essa a realidade do povoado de Canoa antes da chegada da ferrovia (PAIVA. Essas levas de pessoas eram sertanejas que vinham fugindo da seca que assolava o Ceará (1877/1878/1879) e que o governo vinha empregando-os nessa obra pública. 2012. Com a chegada do “Abarracamento Boa Esperança”. doenças e pedintes nas ruas logo percebidas pela população que já não saía ao anoitecer. Os campos passaram a se chamar “Abarracamento”. segundo recenseamento da época (1878). o povoado de Canoa havia um Abarracamento com objetivo de abrigar as famílias que vinham com a missão de construção da ferrovia. As ruas eram no barro vermelho e praticamente só havia a rua grande. na época não havia Igreja Matriz era apenas capela da Paróquia de Nossa Senhora da Palma de Baturité. Não havia iluminação pública. uma população de 2. s/d). local onde abrigava muitas famílias que vinham com a missão de construir a Estação de Canoa e o prosseguimento dos trilhos até a cidade de Baturité (MATOS. 3. passando a ser Paróquia somente em 14 de maio de 1914). por ser a rua maior do povoado (atualmente Rua Santos Dumont).4 Inauguração da Estação de Canoa Em 14 de março de 1880 era inaugurada a tão sonhada Estação Ferrovia de Canoa. e muito menos nas residências. a Banda de Música do 15º Batalhão de Infantaria.

48 da Indústria. digamos com franqueza. Anno XXXVI. realisando em pouco mais de um ano. de suas condições sociais. 14 de março de 1880 (SIC). mas de uma realidade. Inaugura-se hoje a estação de Canoa. o que era ontem. Para o Ceará fica sendo o dia de hoje. que visa a feracíssima (no sentido de fecunda. Não se tratava de uma utopia. Esse melhoramento de tão elevado alcance. que parte desta capital com direção ao sul da província. fértil. do que o prolongamento dessa estrada. enfim. para o melhoramento. de autoria de seu Mestre de Música. uma esplêndida realidade (Jornal Cearense. Nº 27. um largo passo para o futuro. ligando à conquista dos mais patrióticos esforços. Abaixo segue conforme o original do trecho do Jornal o Cearense datado em 14 de março de 1880. Presidente da Província. do prolongamento da via férrea. O que era ontem um esforçado e louvável tentativa de alguns espíritos audazes. a última por enquanto. no dia 14 de março. uma utopia para a maior parte. Domingo 14 de março de 1880). que consistia no prolongamento da estrada de ferro de Pacatuba às imediações da cidade de Baturité. empreende-se para o desenvolvimento de suas forças para o aperfeiçoamento de suas industrias. para o progresso de suas artes. Nº 27. Fortaleza. uma extensão de quase 60km. Anno XXXVI. como seu ponto objetivo. um bellohymno. expressa o sentimento de alegria do povo. Nada podia com mais vantagem. inspirados em são patriotismo e dedicados de coração ao bem da terra natal. ao bater-se o ultimo grampo da estrada. de alguns cearenses. . pois a chegada da ferrovia seria uma forma de desenvolver aquela região. o mestre de musica do 15º Batalhão de Infantaria compoz e ofereceu ao Exm. Um projeto idealizado por muitos e que a partir daquele instante estava sendo concretizado. é hoje. Hymno da Industria (sic) – Em honra da inauguração da Estrada da Canôa. O Jornal Cearense ao noticiar a inauguração desse trecho e a Estação de Canoa. Nessa mesma edição o Jornal Cearense noticiava com mais detalhes a inauguração da Estação de Canoa. Domingo 14 de março de 1880). que foi tocado pela banda militar. e mereceu justos aplausos (Jornal Cearense. uma data gloriosa. produtiva) região do Araripe. importa para a nossa província.

A imagem acima é uma das mais antigas de Aracoiaba.um galpão para abrigo a oficina dos trens. Arquivo de Nirez. p. commandada (sic) pelo capital Manoel Bezerra de Alouquerque (sic) Junior.. edifícios administrativos e casa do chefe da estação. Estação Ferroviária de Canoa. A mesma mostrar a Estação de Canoa (Aracoiaba) em pleno funcionamento no final do século XIX observe a Maria Fumaça parado próximo à casa de maquinas (à esquerda) e pessoas caminhando na calçada da estação (à direita). dirigio-se ao ponto terminal da linha e. Foi o que aconteceu. O único prédio que foi preservado e restaurado conforme o estilo da época foi à casa do chefe da estação (hoje residência do atual proprietário). Sua Excelencia tendo aos seus lados o diretor da estrada e o chefe da 2ª secção.49 Imagem 03. recebendo das mãos do engenheiro em chefe um martelo de prata bateo . ano de 1880. Todo o material de construção foi trazido de Liverpool – Inglaterra (MATOS. mas todo um conjunto arquitetônico que incluía: Ponte Ferroviária (a menos de 500m da estação). 2012. A inauguração foi marcada com o ato simbólico de fincar o último dormente com um grampo de prata. uma forma de simbolizar o término daquele trecho. [.447).] os operários da estrada com a presença de uma guarda de honra do 15º Batalhão de Infantaria. Não fora construído somente a Estação.. Atualmente ainda pode ser vista a mesma estrutura completamente coberta pela vegetação e abandonada.

Os surtos epidêmicos continuaram ocorrendo no século XIX e a vacinação só se tornou efetiva a partir do século XX. somente na Europa. A varíola até o final do século XVIII constituía um verdadeiro flagelo humano. s/d). Foi o dia que o povoado parou para ver pela primeira vez uma máquina daquele porte com pessoas tão importantes. Os indígenas eram particularmente vulneráveis. vinda tanto da Europa como da África. o restituio a S. Henrique. 452-453). iniciando-se na Bahia e causando cerca de 30. Crônicas. http://usuarios. após a campanha iniciada no Rio de Janeiro por Oswaldo Cruz (RESENDE. 2009.br/jmrezende/variola. A primeira epidemia de varíola ocorreu em 1563. Eram homens. Edward Jenner foi o grande descobridor da vacina que erradicou a doença no mundo. Muitos tombaram pelo meio do caminho. e muitas tribos foram dizimadas por verdadeiras epidemias de varíola. Não podemos esquecer que a história não é feita somente com personagens conhecidos.50 com ele o grampo do último dormente e o passou as mãos do SrMorsing.htm . Calcula-se que no século XVIII houve. que depois de preencher a mesma formalidade com muitos outros cidadãos distinctos.000 mortes. Esse dia foi memorável para as pessoas em Canoa. acenando com a chegada da comitiva.cultura. Calcula-se que a varíola tenha ocasionado maior número de óbitos nos três primeiros séculos de colonização do que todas as outras doenças reunidas.. A varíola foi introduzida no Brasil pelos colonizadores portugueses. 60 milhões de vítimas de varíola. 1881). 2012. mulheres. Muamba nesse dia foi a sede do povoado (PAIVA. segundo registros as mortes eram constantes principalmente por varíola “ [. foram vítimas dessa terrível doença: varíola.03. No Brasil. Amarilio de. jovens e crianças todas com bandeirinhas.000” (VASCONCELOS.com. pedindo-lhe que o trouxesse como memória da feliz terminação dos trabalhos da construção da via férrea de Baturité” (MATOS. Excelência. mas de pessoas anônimas que aqui tiveram um papel fundamental para que essa estação estive de pé.acessado em 25. .. ceifando vidas ou desfigurando o rosto dos sobreviventes com cicatrizes indeléveis e perda de visão.p.2013).] no percurso da linha férrea até Baturité a mais de 5. Relatório. a vacinação antivariólica foi tornada obrigatória ainda no século XVIII. & FOGLARE. porém era praticada de maneira irregular e ao mesmo tempo combatido e rejeitado pela população.

461). já que nessa época somente homens trabalhavam). 2012. O mesmo Sr. depositou nas mãos de S. agradeceu o concurso inestimável prestado a empresa pelo Exmo. Sr. muitos trocavam até um dia de trabalho no prolongamento da via férrea de Baturité por um simples prato de comida. proferiu também um belíssimo discurso. na edição do Almanaque do Ceará (1908) e Biblioteca Pública do Estado do Ceará. e no final proferiu as seguintes palavras: “Está inaugurada e aberta ao trafego a estação de Canoa” (MATOS. uma espécie de vila para os operários da via férrea em Canoa. 2012. Segundo Tyrone (2002). A pesquisadora Rose Mary Santana Matos (2012) nos mostra sua obra. 454). ainda 133 homens continuavam trabalhando mesmo doente e 54 chefes de famílias estavam hospitalizados sem trabalhar. 2012. José Júlio Albuquerque Barros (Barão de Sobral) discursou. 60 famílias eram formadas por viúvas (os maridos haviam tombado no trabalho da ferrovia. S. A carta de liberdade que n’aquella ocasião conferia a uma sua escrava de 24 annos de idade. Entre as famílias que trabalhavam na construção da Estrada de Ferro de Baturité e que morava no “Abarracamento Boa Esperança”. Vejamos em ordem cronológica os dirigentes que trabalharam na Estação de Canoa do período que vai de 1880. José Julio e concluindo. p. 443). Amaro Cavalcante foi alforriada em homenagem por aquela ocasião. advogado na cidade de Baturité. . Muitos não resistiam o calor forte e a desidratação. segundo informações colhidas no Arquivo Público do Ceará. renumerou os serviços valiosíssimos prestados pelos dignos engenheiros. Exc. encontramos os nomes dos primeiros dirigentes da Estação de Canoa (Aracoiaba). uma escrava de 24 anos do Sr. (MATOS. Amaro. p. Em frase eloquente e comovida. Retornando para o dia da inauguração não podemos deixar de destacar que no encerramento da solenidade.51 Outras dificuldades encontradas pelos operários foram às secas constantes (1877/1879/1879) que assolavam o Ceará nesse período. De acordo com documentos pesquisados a partir dos originais no Arquivo Público do Ceará. p. Para encerrar a solenidade o Presidente da Província do Ceará.S. (MATOS. Dr. data de sua inauguração até 1958 ano de sua desativação.

política e administrativamente fazia parte da . Logo no dia seguinte o povoado voltou à rotina de sempre. com a chegada da ferrovia em 1880. o Povoado de Canoa era elevada a cidade de Aracoiaba. Anno XXXVI. Domingo 14 de março de 1880). o Povoado de Canoa foi elevada à Vila e posteriormente. O baile foi reservado somente às elites. Por meio do Decreto Nº 44 de 16 de agosto de 1890.52 João Henrique de Lemos Heráclito de Souza Pedro Henrique Arquimedes Soares Ferreira Manoel de Oliveira Enéas Frutuosa Paiva Antonio Marques de Souza Francisco Dário Rocha (último dirigente da Estação de CanoaAracoiaba) Franco de Moraes 1880 a 1880 1881 a 1884 1885 a 1888 1892 a 1897 1900 a 1902 1903 1918 1943 a 1958 Ao meio dia o trem inaugural retornava para a capital (Fortaleza) com toda a comitiva. para solemnisar a inauguração da Estrada de Canoa e em testemunho de apreço e reconhecimento aos dignos engenheiros (Jornal Cearense. enquanto o povo de Canoa não pode participar da festa. Entre esses jornais podemos citar o Jornal Cearense que noticiou o referido baile. Nº 27. Dez anos depois da chegada da Estrada de Ferro de Baturité.5 A Elevação do Povoado de Canoa a Cidade de Aracoiaba Com o “desenvolvimento” alcançado pela Povoação de Canoa. Por volta das três horas da tarde chegou à Estação Central (Estação João Felipe). No dia 14 de março próximo deve ter lugar um baile no Palácio da Presidência. Diversos jornais noticiaram o baile festivo em prol da inauguração da Estação em Canoa. oferecido à comunissão construtora da via-férrea de Baturité. com a denominação de Aracoiaba em 1890. 3. À noite foi organizado um baile no Palácio da Presidência do Ceará.

as seguintes palavras: Eleva a categoria de Villa à povoação de Canoa. Fica elevada à cathegoria de Villa com a Denominação de Aracoyaba a povoação de Canoa.. A partir desse Decreto é criado o município de Aracoiaba. O então governador. (Trechos dos Decretos e Legislação em geral de criação.. Pertencia a comarca de Baturité. cidade de Aracoiaba. Art. o que se comprova que Aracoiaba nunca pertenceu a Baturité. a partir do Decreto nº 44. 68: Os Estados organizar-se-ão de forma que fique assegurada a autonomia dos Municípios em tudo quanto respeite ao seu peculiar interesse (Trecho da Constituição da República dos Estados do Brasil. supressão e reintegração do Município de Aracoiaba – Arquivo Público do Ceará). Art. o mesmo Governador eleva o Distrito de Paz. Um ano depois. nos anos de 1889 a 1891. Nivardo Alves de . em 16 de agosto de 1890. supressão e reintegração do Município de Aracoiaba – Arquivo Público do Ceará). a “Vila” de Aracoiaba. José Cândido Freire. usando da faculdade que lhe confere. ou melhor. De acordo com a Constituição da República dos Estados do Brasil de 24 de fevereiro de 1891. sendo composta por: Manoel Guedes de Alcoforado (Presidente). Luís Antônio Ferraz. ou melhor. III. Art. em nenhum momento se diz que Aracoiaba se desmembrou de Baturité. do Município diz: Art. II.53 Província do Estado do Ceará e juridicamente ainda não era comarca. Título III – Biblioteca Pública de Fortaleza). Ficam revogadas as disposições em contrário. como em Aracoiaba não possuía Comarca. logo pertencia a Comarca de Baturité. do Termo e Comarca de Baturité. Os limites do município serão os mesmos dos respectivos Distritos de paz e policial. com a denominação de Aracoyaba e com os limites do distrito de paz (Trechos dos Decretos e Legislação em geral de criação. de 24 de fevereiro de 1891. O referido Decreto foi assinado pelo primeiro governador do Ceará. Com isso. Como podemos perceber que. I. em seu Título III. Casa do Governo do Ceará. decretou a partir do Decreto nº 7 de 20 de Novembro de 1889. A primeira nomeação foi para o período de 20 de agosto de 1890 a 17 de setembro de 1891.] do Termo e Comarca de Baturité”. eram os chamados Intendentes que governavam por meio de indicação do Presidente (Governador) da Província do Ceará. logo a pós a Proclamação da República do Brasil (1989) Aracoiaba passa a nomear o seu Poder Executivo Municipal que na época não possui eleição direta. Aracoiaba dependia “[.

principalmente os vestuários (moda na época).. Francisco de Vasconcelos. 45 anos depois de se tornar cidade). . (mas foi somente no ano de 1937. os dez anos que vão desde a Inauguração da Estação de Ferro de Baturité – trecho de prolongamento até Canoa à sua elevação de cidade de Aracoiaba. O contato com outras culturas levaram a mudança de alguns hábitos. também foi frequente como afirma a pesquisadora Rose Mary Santana Matos (2012): “as primeiras famílias a chegarem em Aracoiaba. 2008. 3. p. Com a chegada do trem. Raimundo Germano Maia e Lucas Evangelista de Castro (Atas do Poder Legislativo de Aracoiaba – Câmara Municipal de Aracoiaba. em 08 de dezembro de 1935 (isto é. cavalos e jumentos. novas palavras no dicionário foram adquiridas. facilitou o transporte das pessoas até a capital. As cartas e telegramas agora chegavam com mais rapidez.. ou seja.6 Impactos Trazidos com a Chegada da Estrada de Ferro de Baturité Foram muitas as mudanças ocorridas com esse evento. econômicos e culturais ao crescimento urbano. Cândido Acácio Fernandes Bastos e Antonio Francisco de Assis Marinho (Atas do Poder Legislativo de Aracoiaba. bem como ambientais [. já que os únicos meios eram por meio de mulas. Retornando ao século XIX (precisamente 1880). Para a Câmara: José Eduardo Nobre (Presidente). Manoel Ayres da Silva. vieram do Rio Grande do Norte. livros 1 e 2). para um mandato de 1936 a 1939. 44-45). tendo como primeiro prefeito eleito pelo povo: Eduardo de Castro e Silva. vão desde as transformações políticas. Nessa época não havia o cargo de vice-prefeito. “As ferrovias provocaram mudanças não só econômicas e sociais. A migração de pessoas dos mais longínquos lugares desse Brasil. Só houve uma eleição em Aracoiaba com participação do povo. sociais.54 Oliveira. João Cordeiro dos Santos.]” (MELO. surgiu o interesse de alguns jovens de estudar na capital. Pernambuco e Paraíba”. já que nossa pesquisa remonta o período que vai de 1880 a 1890. devido ao golpe militar “ESTADO NOVO” que durou de 1937 a 1945). Francisco Augusto de Oliveira. Ata de 1936). com a ida e vindas de passageiros.

. Na obra ele se refere ao valor da ferrovia para a cidade: A chegada dos trilhos é quase sempre um marco na história de uma cidade. Isso é tão provável que aumentou o número de fábricas de processamento de algodão na região nesse período. mas principalmente no interior. Campinas.. ponto de cruzamento de trens ou local de baldeação (MATOS. que constantemente as pessoas entravam nos vagões para vender e iam até Baturité (Isso quando a Estação de Baturité já havia sido inaugurada em 2 de fevereiro de 1882) (A partir das Crônicas de Alcy Paiva. não só nas capitais. sua população praticamente dobrou. Na política. para um total de 4. Era a sociedade aracoiabense mudando. Pontes. especialmente quando a cidade.203 pessoas.. Praticamente todos os povoados por onde os trilhos passaram transformaram-se em cidades. Outro historiador Odilon Matos (1990) que aborda esse mesmo assunto no Livro: Café e Ferrovias: a evolução ferroviária de São Paulo e o desenvolvimento da Cultura Cafeeira. passando de 2. Um marco na história desse povo. a elevação de povoado à Vila e conseguintemente a cidade. Próximo à estação havia um espaço que funciona uma pequena feira que se tinha de tudo. Foi a partir do trem que muitos agricultores e proprietários de fábricas de algodão puderam vender seus produtos para a capital. por alguma razão. ou seja. Odilon. . escritórios.55 A população de Aracoiaba na época do povoado Canoa contabilizava 2. sem data). onde engenhos viraram vilas e depois cidades” (MELO. devido às diversas mudanças advindas com o trem. 2008. A cidade de Aracoiaba também foi fruto de uma cidade que nasceu praticamente às margens dos trilhos com a chegada da Ferrovia.203 pessoas em 1878.. 42). Com a estrada de ferro vem todo o aparelhamento que ela exige. 1990). O historiador Josemir Camilo de Melo da Universidade Federal de Campos Grandes (UFCG).] elas causaram certo crescimento espacial e urbano. p. em 1890. Dez anos após a inauguração da Estrada de Ferro de Baturité em Aracoiaba. principalmente muambas. Café e Ferrovias: a evolução ferroviária de São Paulo e o desenvolvimento da Cultura Cafeeira. em seu Livro: Ferrovias Inglesas e Mobilidade Social no Nordeste – 1850-1900 – destaca que “[. oficinas. é escolhida para sede de qualquer atividade especial da estrada: armazém.126.

56 Outra novidade que chegou a Aracoiaba foi o telégrafo. bem próxima a antiga Estação do Arraial Santa Isabel (primeira estação). A ferrovia trazia à cidade de Aracoiaba outro ritmo de vida. A cidadezinha onde moro. Crônicas. p.br/Raul-seixas/48335/ em 12 de janeiro de 2013 às 20:20horas). editado em 1919). tá chegando na estação. exausto e só. e estrondos furiosos dos engates de vagões. Sobre o telégrafo lembrei aquele Poema de Monteiro Lobato. de Raul Seixas – pesquisado no site: letras. sino da estação indicando chegada e partida. . não podendo acompanhar o batalhão. controlado pelo relógio da estação e inteirado das novidades do mundo por meio do telégrafo. Recentemente começaram estudos para a construção da Transnordestina que cortara a cidade de Aracoiaba.. menos modorrento. “Cidades Mortas”. Pois com o desvio e construção de outra Estação no Bairro São José (sede) no ano de 1965 desviando toda a malha ferroviária para outro mais curta até Baturité foi desativada definitivamente no ano de 1967. 2012. é o último do sertão. 472) A dita Estação do Bairro São José (sede de Aracoiaba) funcionou até o início da década de 1980. Desviou-se dela a civilização.]” (Trecho do Poema de Monteiro Lobato.. se deixa ficar. A Estação de Canoa funcionou durante 87 anos. do sertão. “O telégrafo não a põe as falas com o rosto do mundo nem as estradas de ferro se lembraram de uni-la à rede por intermédio de humilde ramalzinho [. com os olhos saudosos pousados na nuvem de poeira erguida além. (Trecho da Música: O trem das sete.férrea por meio de postes de madeira. lembra soldado que fraqueasse na marcha e. editado em 1919. Aquela cidade silenciosa e pacata agora ouvia novos sons que inundavam constantemente aquele ar com apitos. à beira do caminho. Aracoiaba é uma cidade realmente marcada pela vinda e ida do trem. É o trem das sete horas. cujos fios usualmente seguiam a via . atualmente sobraram somente as ruínas e saudade. Ficando só a saudade de um tempo bom e memorável (MATOS. importante meio de comunicação do período. s/d).mus. Quem vai ficar quem vai partir? Pois o trem está chegando. “Cidades Mortas”. e com ele a iluminação que era restrita a Estação (PAIVA.

tanto nas obras quanto nos campos de concentração.57 CONSIDERAÇÕES FINAIS [.. Foi também possível entender o real valor desse transporte para o homem moderno. p. que devido à estiagem de 1877/78/79 tiveram que se deslocar para essas frentes de trabalho em busca de comida que pudesse amenizar a fome. desde o projeto de prolongamento até sua implantação. 2008. algodão. Ao retratar essa realidade na construção da Estrada de Ferro de Baturité foi possível perceber que muitos que fizeram esse prolongamento da via férrea. Isso mostra que as formações dessas vilas praticamente eram formadas por pessoas de diversos lugares do Ceará e do Nordeste. Canoa só adquiriu sua Emancipação Política. É a partir desse empreendimento que a cidade começa a se desenvolver. no escoamento da produção de café. dez anos após a construção da Estrada de Ferro de Baturité na região. Canoa é apenas um exemplo de povoado. encurtou caminhos e trouxe progresso por onde passou.38). que com a chegada da ferrovia ganhou status de cidade. açúcar e outros artigos produzidos na Serra de Baturité.. Os desafios encontrados pelos operários. Apesar dos desafios.] gradativamente as ferrovias foram fazendo com que muitos empreendimentos fossem edificados às margens das estradas de ferro. passaram a residir em pequenos vilarejos que com um tempo foram ganhando formas de cidades. Conclui-se com esse estudo que as ferrovias foram fundamentais para a formação de povoados ao longo dos trilhos. mas social na região do Maciço de Baturité. Apesar dos altos investimentos estrangeiros aplicados . A ferrovia teve grande impacto não só de ordem econômica. Assim como Canoa. Foi possível perceber o quanto a estrada de ferro foi essencial para o desenvolvimento de cidades. bem como. (MELO. Com esse estudo foi possível compreender como se deu esse processo. Facilitou seu deslocamento para lugares mais distantes. diversos vilarejos e povoados se desenvolveram ao longo do trilho. que por sinal foram muitos. Como vimos nesse estudo.

Os impactos sociais. Com os altos custos que não compensavam tal empreendimento. Ou seja. Analisando as fontes de pesquisa. econômicos. hábitos. os investimentos ingleses em ferrovias no Brasil. mas falhou” (MELO. como um resultado da construção ferroviária. Diversos flagelos da seca trabalharam na construção da EF Baturité (Tyrone. transformando-os em cidades. 2008. por diversas vezes as obras tiveram que ser paralisadas. especificamente no Nordeste. Houve um choque cultural que vai desde os costumes tradicionais. conheceram novas pessoas. até o novo jeito de ser do homem moderno. produziu. Mas. As pessoas passaram a se deslocarem com mais facilidade para a capital. Isso fez com que a EF de Baturité demorasse anos para ficar pronta.58 nessa obra já que “a Oligarquia cearense tentou construir a EF Baturité com seu recurso. 2008) facilitou a implantação das ferrovias e subsequentemente. e com isso. modos e estilos que até então só era vivido na capital. 182). No caso cearense a seca prejudicou o andamento dos trabalhos. 2005) como forma de escaparem da fome. No entanto. Em alguns Estados do Nordeste. políticos e culturais advindos com a chegada da EF de Baturité em Canoa foram muitos. vários e modernos engenhos centrais foram estabelecidos ao longo da via férrea. Essa ida e vinda no trem fizeram o povo canoense experimentar um estilo de vida completamente diferente daquele vivido até então. especialmente Pernambuco. compreendi também que se no início do projeto. na Região do Cariri e assim interligar com a ferrovia de Pernambuco. prejudicou no andamento dos trabalhos que constantemente eram abandonadas por falta de recursos. talvez tivesse tido mais sucesso com a construção de trechos da EF Baturité e a EF de Sobral. as ferrovias enriqueceram pequenos lugares. trazidos de outras regiões do Brasil. O comércio passou a comprar e vender seus produtos com . mas gerou uma mão de obra barata para a construção desse empreendimento. Posteriormente o governo passou a financiar e administrar essa ferrovia como forma de prolongá-la até o sul do Ceará. um dos grandes produtores e exportadores de açúcar do Brasil na época (MELO. p. muitos efeitos sociais e econômicos. Muitos desses engenhos tradicionais tornaram-se cidades. sem dúvidas. o Estado tivesse construído com recursos próprios esses empreendimentos ferroviários no Ceará.

Uma cidade antes e depois da chegada da EF de Baturité. movimentando a economia da região. deixo uma pergunta. os comerciantes passaram a embarcar seus produtos tanto para a capital como para Baturité. socialmente. sem ele a história de Aracoiaba seria outra.59 mais facilidades. que por muito tempo restringia somente àquele povoado. A partir de então começaram a pensar em transformá-lo em município e ser independente economicamente. Com o comércio em crescimento. culturalmente e principalmente politicamente. Foi o que ocorreu em 16 de agosto de 1890. foram surgindo novas residências e mais pessoas passaram a comercializar por aqui e o povoado começava a crescer. Os trilhos cortaram o sertão e deixaram as marcas de esperança por onde passaram e que hoje muitos desses trilhos e estações vivem no esquecimento sem o real valor dado a elas por deixarem sua herança num tempo de ouro e desenvolvimento. E mostrou que o trem foi um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento no início de Aracoiaba. Por isso. Com a chegada da ferrovia. Essa foi a conclusão que essa pesquisa pode mostrar. Com a Emancipação Política Aracoiaba podia crescer ainda mais. dez anos após a implantação da EF de Baturité e a inauguração da Estação Ferroviária. que a partir daquele instante passava a se chamar Aracoiaba em referência ao Rio de mesmo nome que cortava a região e que havia recebido essa denominação dos índios Tupi–Guarani. mas. Novas ruas iam surgindo e com o crescimento significante do povoado era visível. ou seja. por onde passou. Foi o impulsionador do desenvolvimento não só em Aracoiaba. o que seria do povoado de Canoa se não estivesse às margens da via férrea de Baturité? . Foi um marco na História de Canoa.

2005. MATOS. p. São Paulo: Companhia das Letras. Modernização sem Mudanças: A indústria açucareira em Pernambuco: 1840 – 1910. LEMENHE. Paris. Pinheiro. 2ª Ed.) Le Brésilen 1889.. retirantes e operários (1877-1880): Fortaleza: Museu do Ceará – Secretaria da Cultura do Estado do Ceará. São Paulo. Maria Auxiliadora. Cristina. 2ª Ed. EISENBERG..). José Hamilton. Trem da Seca: Sertanejos. São Paulo. 254. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 383/439. Francisco de Assis de. Tyrone Apollo Pontes. Alameda. Fortaleza: Stylus Comunicações. Chemias de Fer. Ateliê Editorial: Fapesp: Secretaria da Cultura. p. M. Beatriz Mugayar. 247. BENÉVOLO. 1961. A Ferrovia do Diabo. FERREIRA. O Homem e a Máquina. 2011. CÂNDIDO. (Rede de Viação Cearense). p. História da R. Melhoramentos e Secretaria de Estado da Cultura. 1998. Fortaleza. Introdução à História Ferroviária do Brasil. 2009. . Estrada de Ferro no Ceará. O trem fantasma: a ferrovia madeira-Mamoré e a modernidade na selva. p. Ver. Brasil. 2005. p. Vol. 1981. p. Arquitetura do Ferro e Arquitetura Ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. In. Francisco Foot. Expressão Gráfica e Editora Ltda. Eduardo Romero de.128. As razões de uma cidade: conflitos e Hegemonias. Jandira Carvalho de. E ampl. Aracoiaba: História em Retalhos. FERNANDES. OLIVEIRA.. 400.60 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LIVROS AZEVEDO. 2012. Fortaleza: Premius. BRASIL. Territórios e cidades: Projetos e representações – 1870-1970.. CAMPOS. Maria Lucia Caira (orgs. 1959. O Menino que disse sim. LIMA. 1977. Salomão Alves de Moura. Recife: 1953. 2008. Ademar. 496. PEREIRA. Ed. Manoel Rodrigues. HARDMAN. KÜHL. 1991. Gitahy. São Paulo. Fortaleza. 1889. 2 ed. p. 436.C. Fortaleza: Premius. Estudo social. Santa – Anna Nery (Ed. Peter. p. Rose Mary Santana. Político e Histórico. BECKER.V. Fundo de Cultura. 1. Besil. 224.

Buenos Aires. Ed. O processo histórico de industrialização da Ceará. Francisco. Rio de Janeiro. Independente. Hucitec – INL. Frederico de Castro. Órgão do Partido Liberal. 2007. 1880. MEMÓRIA. 1903. O Cearense. OLIVEIRA. ZALDUENO. Vanorden. Flávio de Azevedo Marques de. São Paulo. Café e Ferrovias: a evolução ferroviária de São Paulo e o desenvolvimento da Cultura Cafeeira. SAES. Fortaleza. 10 de abril de 1889. PINTO. F. Fortaleza. MORAIS. 1923. 233. 2005. 1870 – 1940. Caminhos de Ferro no Brasil. Apud: NEVES. Aracoiaba. 1990.61 MATOS. A multidão e a história: saques e outras ações de massacres no Ceará. 1884. 1989. Rio de Janeiro. Ferrovias Inglesas e Mobilidade Social no Nordeste. Rio de Janeiro. Coordenadoria da Divulgação. 16. OLIVEIRA. Geraldo. 2ª Edição revisada. Fortaleza: Relume Dumará. Estradas de Ferro de Paulo Afonso. Canadá e Índia durante El siglo XIX. Padre Clóvis Nogueira de. Tipografia Comercial. O Norte Agrário e o Império (1871 – 1889). 1878. 1902. História da Viação Pública de São Paulo (Brasil). Pontes. (Descrição e Estatística de todas nossas Estradas de Ferro). Editora El Coloquio. 2000. Livreto. Campina Grande. MELLO. Campinas. Adolfo Augusto. Resgate das Estradas de Ferro do Recife e da Bahia ao São Francisco. Eduardo José de. Rio de Janeiro: Topbooks. 1975. O Ex-Chefe Kruger e seus contatos. Octávio. Josemir Camilo de. Evaldo Cabral de. SENAI-IR-CE. São Paulo. p. P. PASSOS. Luís Augusto de. As Estradas de Ferro do Brasil em 1879. NOBRE. Histórico da Origem do Município e da Paróquia Nossa Senhora da Conceição. José Carlos. . Odilon. Estudos Práticos e Econômicos. p. 1981. Libras y Rieles: Las 0InversionesBritanicas para El Desarrollo de La ferrocarrilles em Argentina. 1882. EDUFCE. RODRIGUES. Rio de Janeiro. 1999. Rio de Janeiro. Ed. Eduardo A. Origem da Viação Férrea Cearense. Brasil. Viação Férrea do Brasil. MELO. As ferrovias de São Paulo. PICANÇO. Fortaleza: Federação das Indústrias no Estado do Ceará.

Fortaleza: vol. “Uma Contribuição aos Estudos dos Indicadore s de Desempenho Operacional de Ferrovias de Carga: O caso da Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN”. Ferrovias: do Charme ao Pesadelo. nº 2. 1973. Fortaleza. COPPE/ UFRJ. ARTIGOS. 1877-1880. Trajetos – Revista de história UFC. CÂNDIDO. Sc. DIÓGENES. Crato. M.08. 1877-1878. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia. 2008. CÂNDIDO. Memórias Descarriladas: o Trem na cidade do Crato. Germano Sanford. Fortaleza. 267-277. 1877 – 1878. Jornal do Centenário de Aracoiaba. Revista do Instituto do Ceará. Ana Isabel Ribeiro Parentes. Ano 5. 18. 1. “Os Trilhos do Progresso: Episódios das lutas operárias na construção da Estrada de Ferro de Baturité (1872 – 1926)”. Tyrone Apollo Pontes. C. Alencar. p. 2007. 83 – 101.62 PERIÓDICOS Via Férrea de Baturité. Jornal do Comercio. Renato Alcântara de. Artigo (graduação) – URCA. As metamorfoses dos retirantes nas cabeças dos engenheiros: trabalho de Resistência no Prolongamento da Ferrovia de Baturité na seca de 1877. p. 2002. 6 de agosto d 1873. 2008. . J. Dissertação (mestrado) – UFC. O Retirante. REVISTA ARARIPE. Fortaleza. Artigo (doutorando em história) – UFF. TESES E DISSERTAÇÕES ABREU. In: Jornal Pedro II. Tyrone Apollo Pontes. (trechos). (trechos). Clóvis Ramiro. Rio de Janeiro. Cearense. A Comunicação pelos Caminhos de Ferro. Salvador. Rio de Janeiro. Fortaleza. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro. (trechos). CORTEZ. Engenharia de Transportes. Fevereiro de 2010. nº 53. O advento da ferrovia e suas transformações sociais no distrito de Lages – Ce. A Urbanização do Ceará Setecentista: as vilas de Nossa Senhora da Expectação do Icó e de Santa Cruz do Aracati. 2002.1990. JUCÁ NETO.

Helena Carolina. Geografia das Estradas de Ferro Brasileiras. Relatórios dos Presidentes da Província do Ceará. SITES DNIT .gov. Crônicas de Alcy Paiva. Rio de Janeiro. DOCUMENTOS DIVERSOS FALCÃO. Atas do Poder Legislativo de Aracoiaba. Instituto do Ceará. MEDEIROS. Inovação em Serviços no Setor Ferroviário: um estudo de caso. Mutualismo Ferroviário prover e proteger na sociedade beneficente do pessoal da Estrada de Ferro de Baturité de 1891 aos anos 1930. Dissertação (mestrado) – UFRJ. Aline França de.htm > . FUNAI. 87/176.dnit. Arquivo Público do Ceará. 1954. Aracoiaba. VIEIRA.br/ce_crato/parangaba.com. Moacir M. In: I Centenário das Ferrovias Brasileiras. 1954. Fragmentos do Poema de Monteiro Lobato – “Cidades Modernas”.. IBGE. Florianópolis. Guia Geral de Informações dos Índios No Brasil. MOTA. Rio de Janeiro. Fortaleza.63 LIMA.br/ferrovias/historico> EstaçõesFerrovias:<http://www. Poema: “Muamba”. Os Caminhos Ferroviários Brasileiros. IBGE. Henrique. Amarilio de. 27 de agosto de 1892. Dissertação (mestrado) – UFC. Livros 1 e 2. Anais da Sesmaria do Estado do Ceará. À sombra das ingazeiras: o café na Serra de Baturité (1850-1900).estacoesferroviarias. Flávio. 1919. Aracoiaba. s/d. & FOGLARE. Arquivos das Bibliotecas Públicas de Fortaleza e Aracoiaba. Arquivos dos anos 1880 a 1884. 1984. 2000. Rio de Janeiro. ABREU.<http://www. Álvaro de Melo. Relatório. 1960. 1881. Kleiton Nazareno Santiago. 2009. Guia Geral das Estradas de Ferro. SILVA. p. VASCONCELOS. Artigo (pós – graduação em Engenharia de Produção) – UFSC. Pedro Airton Queiroz. F.

br/ce_crato/aracoiaba.do.com.estacoesferroviarias. MAPAS Arquivo do IBGE . BNB.: http://letras.br/raul-seixas/48335/ Dicionário on-line Priberam da Língua Portuguesa . 2001.Estradas de Ferro do Ceará (1986).iphan.64 Cultura: http://usuarios.mus.gov.br/portal/montarPaginaInicial. BNB. Raul Seixas – Site: Letras Mus.estacoesferroviarias.priberam.cultura. 2001.pt/dlpo/ IPHAN:http://portal. Álbum de Fotos da Estrada de Ferro de Baturité – EFB.com.com. .jsessionid=469F82034 F1A184BCADBF3393DFE078D IMAGENS NIREZ.htm EstaçõesFerroviáriasdoBrasil–Aracoiaba–Ceará http://www. Miguel Ângelo de Azevedo: Cronologia Ilustrada de Fortaleza.http://www. Fortaleza. NIREZ.br/jmrezende/variola.htm Estações Ferroviárias do Brasil: http://www. Álbum de Fotos da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima – RFFSA.br/ Trecho da Música “Trem das onze”. Miguel Ângelo de Azevedo: Estações do Ceará.