TEORIA GERAL DA

EXECUÇÃO EXECUÇÃO
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
2
PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS
Pressupostos processuais e condições da ação executiva
– sendo a execução forçada uma forma de ação, o seu
exercício sofre subordinação aos pressupostos processuais e
às condições da ação.
Com relação aos pressupostos processuais da execução,
se reclamam: se reclamam:
1) a capacidade das partes,
2) a regular representação nos autos por advogado,
3) a competência do órgão judicial e
4) o procedimento legal compatível com o tipo de pretensão
executiva.
3
CONDIÇÕES DA AÇÃO
As condições da ação, prevalecem as mesmas
condições genéricas de todas as ações:
1) Possibilidade jurídica do pedido;
2) legitimidade das partes e 2) legitimidade das partes e
3) interesse processual.
4
Além disso, a execução forçada exige alguns
pressupostos e condições específicas. a conjugação
de dois requisitos básicos e indispensáveis para o
processo de execução e que são:
CONDIÇÕES DA AÇÃO
a) o formal – que é a existência do título executivo,
pelo qual se extrai o atestado de certeza e liquidez
da dívida (art. 586, CPC);
b) o prático – que é a atitude ilícita do devedor,
consistente no inadimplemento da obrigação, que
comprova a exigibilidade da dívida (art. 580, CPC).
TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS –
ARTIGO 475 – N DO CPC
I I–– Sentença Sentença proferida proferida no no processo processo civi civil l que que reconheça reconheça
aa existência existência de de obrigação obrigação de de fazer, fazer, não não fazer, fazer,
entregar entregar coisa coisa ou ou pagar pagar quantia quantia; entregar entregar coisa coisa ou ou pagar pagar quantia quantia;
••ÉÉ necessário necessário oo Trânsito Trânsito em em julgado? julgado?
••Serão Serão cumpridas cumpridas nos nos mesmos mesmos processos processos em em que que foram foram
formadas formadas. .
••Não Não há há mais mais menção menção àà condenação condenação. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS –
ARTIGO 475 – N DO CPC
II II –– Sentença Sentença penal penal condenatória condenatória transitada transitada em em julgado julgado
••Efeito Efeito civil civil da da sentença sentença penal penal condenatória condenatória;;
••ÉÉ necessário necessário oo Trânsito Trânsito em em julgado? julgado? (Princípio (Princípio da da Presunção Presunção de de
Inocência Inocência ));; Inocência Inocência ));;
••Liquidação Liquidação por por artigos artigos;;
••Só Só éé título título contra contra oo réu réu (condenado) (condenado);;
••Pólo Pólo ativo ativo: : vítima vítima - - herdeiros herdeiros ee sucessores sucessores
••Processo Processo autônomo autônomo com com aa citação citação do do devedor devedor –– artigo artigo 475 475 –– N, N,
parágrafo parágrafo único, único, do do CPC CPC. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS –
ARTIGO 475 – N DO CPC
III III–– Sentença Sentença homologatória homologatória de de conciliação conciliação ou ou
transação, transação, AINDA AINDA QUE QUE INCLUA INCLUA MATÉRIA MATÉRIA NÃO NÃO
POSTA POSTA EM EM JUÍZO JUÍZO. .
••Sentenças Sentenças de de mérito mérito –– artigo artigo 269 269, , III III do do CPC CPC –– juiz juiz analisa analisa
apenas apenas aspectos aspectos formais formais;;
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS –
ARTIGO 475 – N DO CPC
IV IV–– Sentença Sentença arbitral arbitral. .
••Título Título não não criado criado por por juiz juiz. . Não Não há há necessidade necessidade de de
homologação homologação pelo pelo Poder Poder Judiciário Judiciário;;
••Lei Lei nn. . 99. .307 307//96 96 (artigo (artigo 23 23 ee seguintes) seguintes);;
••Processo Processo autônomo autônomo com com aa citação citação do do devedor devedor –– artigo artigo 475 475 ––
N, N, parágrafo parágrafo único, único, do do CPC CPC. .
VV - - Acordo Acordo extrajudicial extrajudicial de de qualquer qualquer natureza, natureza,
homologado homologado judicialmente judicialmente
(Artigo (Artigo 57 57 da da Lei Lei nn. . 99. .099 099//95 95))
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS –
ARTIGO 475 – N DO CPC
VI VI–– Sentença Sentença estrangeira, estrangeira, homologada homologada pelo pelo STJ STJ. .
••Artigo Artigo 483 483//484 484 do do CPC CPC (Resolução (Resolução nn. . 99//2005 2005 do do STJ) STJ);;
••Execução Execução perante perante àà Justiça Justiça Federal Federal –– art art. . 109 109, , X, X, da da CF CF;;
••Processo Processo autônomo autônomo com com aa citação citação do do devedor devedor –– art art. . 475 475 –– N, N,
parágrafo parágrafo único, único, do do CPC CPC;; parágrafo parágrafo único, único, do do CPC CPC;;
••Artigo Artigo 105 105, , I, I, “i”, “i”, da da CF CF. .
VII VII - - Formal/Certidão Formal/Certidão de de partiha partiha (artigo (artigo 11. .027 027 do do CPC) CPC)
•• Vale Vale exclusivamente exclusivamente: : inventariante, inventariante, herdeiros herdeiros ee sucessores sucessores. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
I I–– Letra Letra de de câmbio, câmbio, nota nota promissória, promissória, duplicata, duplicata, debênture debênture
ee oo cheque cheque. .
Títulos Títulos de de créditos créditos que que possuem possuem força força executiva executiva;;
Regulados Regulados por por lei lei específicas específicas. .
••Duplicata Duplicata: : Lei Lei nn. . 55. .474 474//68 68. .
Depende Depende de de aceite aceite. . Se Se não não aceita aceita para para ter ter força força executiva executiva: : 11. . deve deve
ser ser protestada protestada;; 22. . acompanhada acompanhada do do comprovante comprovante de de entrega entrega do do
produto/efetiva produto/efetiva prestação prestação de de serviço serviço ee 33. . não não poderá poderá ter ter recusa recusa de de
aceite aceite –– art art. . 15 15;;
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
•• Letra Letra de de câmbio câmbio: : Lei Lei Uniforme Uniforme de de Genebra Genebra (Decreto (Decreto
57 57. .663 663//66 66 –– art art. . 43 43 ee seguintes) seguintes). . Não Não depende depende de de aceite aceite;;
••Nota Nota promissória promissória: : Lei Lei Uniforme Uniforme de de Genebra Genebra ––arts arts. . 75 75 aa 78 78;; ••Nota Nota promissória promissória: : Lei Lei Uniforme Uniforme de de Genebra Genebra ––arts arts. . 75 75 aa 78 78;;
••Cheque Cheque: : Lei Lei nn. . 77. .357 357//85 85 –– art art. . 47 47, , inciso inciso I I;;
••Debênture Debênture: : Arts Arts. . 52 52 aa 74 74 da da Lei Lei nn. . 66. .404 404//76 76. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
II II –– Escritura Escritura pública pública ou ou outro outro documento documento público público assinado assinado pelo pelo
devedor devedor, , oo documento documento particular particular assinado assinado pelo pelo devedor devedor e e duas duas
testemunhas testemunhas, , oo instrumento instrumento de de transação transação referendado referendado pelo pelo
Ministério Ministério Público, Público, pela pela Defensoria Defensoria Pública Pública ou ou pelos pelos advogados advogados
dos dos transatores transatores. . dos dos transatores transatores. .
III III - - Os Os contratos contratos garantidos garantidos por por hipoteca, hipoteca, penhor, penhor, anticrese anticrese ee
caução, caução, bem bem como como oo seguro seguro de de vida vida. .
••Direitos Direitos reais reais de de garantia garantia;;
••Contrato Contrato de de seguro seguro de de vida vida –– apólice apólice ee prova prova do do óbito óbito. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
IV IV–– Crédito Crédito decorrente decorrente de de foro foro ee laudêmio laudêmio. .
••Relacionados Relacionados àà enfiteuse enfiteuse (CC/ (CC/1916 1916, , art art. . 678 678 ee seguintes) seguintes) ––
proprietário proprietário faculta faculta oo uso uso do do domínio domínio útil útil de de um um bem bem imóvel imóvel proprietário proprietário faculta faculta oo uso uso do do domínio domínio útil útil de de um um bem bem imóvel imóvel
mediante mediante oo pagamento pagamento de de um um valor valor anual anual;;
••CC/ CC/02 02, , art art. . 22. .038 038 –– proibiu proibiu aa constituição constituição de de enfiteuses, enfiteuses, mas mas
reconheceu reconheceu as as já já existentes existentes;;
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
••FORO FORO –– verba verba anual anual que que oo enfiteuta enfiteuta paga paga ao ao proprietário proprietário do do
imóvel imóvel como como contrapartida contrapartida pelo pelo uso uso do do domínio domínio útil útil do do imóvel imóvel;;
••LAUDÊMIO LAUDÊMIO –– quantia quantia paga paga ao ao senhorio senhorio direto direto toda toda vez vez que que oo
domínio domínio útil útil for for transferido transferido por por venda venda ou ou dação dação em em pagamento pagamento
(CC/ (CC/1916 1916, , art art. . 686 686))
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
V V –– Crédito, Crédito, documentalmente documentalmente comprovado, comprovado, decorrente decorrente de de
aluguel aluguel de de imóvel, imóvel, bem bem como como de de encargos encargos acessórios, acessórios, tais tais
como como taxas taxas ee despesas despesas de de condomínio condomínio. .
••Documentalmente Documentalmente comprovado comprovado ≠≠ contrato contrato escrito escrito;; ••Documentalmente Documentalmente comprovado comprovado ≠≠ contrato contrato escrito escrito;;
••No No contrato contrato não não há há necessidade necessidade da da assinatura assinatura de de duas duas
testemunhas testemunhas;;
••“despesas “despesas de de condomínio” condomínio” –– título título do do condômino condômino locador locador XX
locatário locatário. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
VI VI - - Crédito Crédito de de auxiliares auxiliares da da justiça justiça (serventuário, (serventuário,
perito, perito, intérprete, intérprete, tradutor), tradutor), quando quando as as custas, custas,
emolumentos emolumentos ou ou honorários honorários forem forem aprovados aprovados por por
decisão decisão judicial judicial. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
VII VII –– Certidão Certidão de de dívida dívida ativa ativa da da Fazenda Fazenda
Pública Pública da da União, União, Estados, Estados, Distrito Distrito Federal Federal ee dos dos
Municípios, Municípios, correspondentes correspondentes aos aos créditos créditos inscritos inscritos
na na forma forma da da lei lei. .
••Execução Execução regulada regulada pela pela Lei Lei nn. . 66. .830 830//80 80. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
VI VI–– Todos Todos os os demais demais títulos títulos aa que que a a lei lei atribua atribua
força força executiva executiva. .
••Lei Lei federal federal –– art art. . 22 22, , I, I, da da CF CF;;
Cédula Cédula de de Crédito Crédito Rural Rural , , Cédula Cédula de de Crédito Crédito Industrial, Industrial, Cédula Cédula de de ••Cédula Cédula de de Crédito Crédito Rural Rural , , Cédula Cédula de de Crédito Crédito Industrial, Industrial, Cédula Cédula de de
Crédito Crédito Comercial, Comercial, Cédula Cédula de de Crédito Crédito Bancário, Bancário, Decisões Decisões do do
Tribunal Tribunal de de Contas Contas da da União, União, Contrato Contrato de de honorários honorários advocatícios advocatícios
etc etc. .
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS –
ARTIGO 585 DO CPC
Títulos Títulos executivos executivos extrajudiciais extrajudiciais oriundos oriundos de de
outro outro país país dependem dependem de de homologação homologação no no Brasil Brasil
pelo pelo STJ? STJ?
••Art Art. . 585 585, , parágrafo parágrafo segundo, segundo, do do CPC CPC. .
Satisfazer aos requisitos
de formação exigidos
pela lei do lugar de sua
celebração
••Não Não há há necessidade necessidade. .
••Para Para ter ter eficácia eficácia executiva executiva deve deve: :
••Propositura Propositura de de qualquer qualquer ação ação relativa relativa
ao ao débito débito constante constante no no título título executivo executivo
não não inibe inibe oo credor credor de de promover promover aa execução execução –– art art. . 585 585, , parágrafo parágrafo
primeiro, primeiro, do do CPC CPC. .
e
Indicar o Brasil como o
lugar de cumprimento
da obrigação
Profa. Fernanda Resende
www.profafernandaresende.blogspot.com
20
LEGITIMAÇÃO - PARTES
Das partes na execução – as partes ativas e
passivas são chamadas tradicionalmente no processo
de execução de exequente (credor) e executado
(devedor).
O CPC, no entanto, prefere denominá-las O CPC, no entanto, prefere denominá-las
simplesmente de credor e devedor, o que, todavia,
não importa banir da linguagem doutrinária e
forense as expressões tradicionais de exequente e
executado, mesmo porque mais significativas do que
aquelas eleitas pela nomenclatura legal.
21
SUJEITOS ATIVOS – Art. 566 e 567
a) Legitimação ativa originária do credor – no art.
566, I do CPC, tem-se a legitimação originária, ou
seja, aquele que decorre do conteúdo do próprio
título executivo e compreende o credor a quem a lei
confere título executivo.
Assim, no título judicial, credor ou exequente será o
vencedor da causa, como tal apontado na sentença.
E, no título extrajudicial, será a pessoa em favor de
quem se contraiu a obrigação.
22
SUJEITOS ATIVOS – Art. 566 e 567
b) Legitimação extraordinária do Ministério Público
(art. 566, II do CPC) – para os casos prescritos em
lei.
Atente-se que o MP ora funciona como órgão agente Atente-se que o MP ora funciona como órgão agente
(art. 81 do CPC), ora como órgão interveniente (art.
82 do CPC). No processo executivo, sua legitimação
ativa ocorrerá em regra nas hipóteses em que figure
como órgão agente (art. 81 do CPC).
23
SUJEITOS ATIVOS – Art. 566 e 567
c) Legitimação derivada (superveniente) – o art. 567
do CPC completa o elenco das pessoas legitimadas
ativamente para a execução forçada, arrolando os
casos em que estranhos à formação do título
executivo tornaram-se, posteriormente, sucessores do
credor, assumindo, por isso, a posição que lhe credor, assumindo, por isso, a posição que lhe
competia no vinculo obrigacional primitivo. Assim, a
legitimação derivada ou superveniente compreende:
c.1) o espólio, os herdeiros ou os sucessores do
credor, sempre que, por morte deste lhes for
transmitido o direito resultante do título executivo;
24
SUJEITOS ATIVOS – Art. 566 e 567
Apesar do CPC ser omisso quanto a situação da
massa falida, do condomínio, e da herança jacente
ou vacante, no processo executivo, limitando-se a
arrolar o espólio como universalidade capaz de
promover e sofrer a execução forçada – por óbvio se promover e sofrer a execução forçada – por óbvio se
deve considerá-las como partes ativas no processo
de execução.
Assim, quanto à massa falida, essa será
representada pelo Administrador Judicial (CPC, art.
12, III c/c Lei 11.101/2005); o condomínio pelo
administrador ou síndico (CPC, art. 12, IX); e a
herança jacente ou vacante pelo curador (CPC, art.
12, IV).
25
SUJEITOS ATIVOS – Art. 566 e 567
c.2) o cessionário quando o direito resultante do
título executivo lhe foi transferido por ato entre
vivos - Considera-se cessionário o beneficiário da
transferência negocial de um crédito por ato inter
vivos, oneroso ou gratuito. Outrossim, para que haja
a transferência negocial do crédito é preciso que a a transferência negocial do crédito é preciso que a
isso não se oponham a natureza da obrigação, a lei,
ou a convenção entre as partes (CC, art. 286).
c.3) o sub-rogado, nos casos de sub-rogação legal ou
convencional - Diz-se credor sub-rogado aquele que
paga a dívida de outrem, assumindo todos os
direitos, ações, privilégios e garantias do primitivo
credor contra o devedor principal e seus fiadores
(CC, art. 349).
26
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
Sujeitos passivos – dentro da sistemática do art. 568 do
CPC, a legitimação passiva pode ser dividida em:
devedores originários; sucessores do devedor originário; e
os apenas responsáveis.
a) devedor originário – o devedor, reconhecido como tal no a) devedor originário – o devedor, reconhecido como tal no
título executivo. Se se trata de cumprimento de sentença,
o executado será o vencido no processo de conhecimento
e sua identificação far-se-á pela simples leitura do
decisório exequendo.
Convém lembrar que não apenas o réu pode ser vencido,
pois também o autor, quando decai de seu pedido, é
condenado aos efeitos da sucumbência (custas e
honorários advocatícios), assumindo a posição de vencido
e sujeitando-se à execução forçada.
27
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
Necessário diferenciar o devedor (quem deve) e o
responsável (quem tem apenas a responsabilidade).
Relembre-se que a relação obrigacional é composta
pela dívida (caráter pessoal), e pela responsabilidade
(caráter de sujeição patrimonial). (caráter de sujeição patrimonial).
Normalmente esses dois elementos estão presentes no
pólo passivo da atividade executiva (quando o
executado é o próprio devedor), mas poderá ocorrer
de apenas o segundo elemento se fazer presente
(quando o executado for apenas um garante e não
aquele que contraiu a dívida).
28
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
b) Sucessores do devedor originário:
b.1) o espólio, os herdeiros ou os sucessores do
devedor – atente-se que o patrimônio do espólio não
se confunde com o patrimônio pessoal dos herdeiros.
O patrimônio do terceiro não está sujeito à execução
(princípio do benefício do inventário).
Outrossim, após efetuada a partilha, desaparece o
espólio, e nesse caso poderá responder o herdeiro
e/ou sucessor pelas dívidas do finado “na proporção
da parte que na herança lhe coube” (CPC, art. 597).
29
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
b.2) o novo devedor, que assumiu, com o
consentimento do credor, a obrigação resultante do
título executivo.
Trata-se de hipótese de cessão de débito, o que no
ordenamento brasileiro só é aceito com expressa
anuência do credor.
30
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
c) Apenas responsáveis – nessas hipóteses, figuram no
pólo passivo da execução - não os devedores
originários -, mas as pessoas que se
responsabilizaram pelo adimplemento da dívida que
não contraíram. São típicas hipóteses de caução
fidejussória (pessoal): fidejussória (pessoal):
c.1) o fiador judicial – é aquele que assume, por termo
nos autos, a responsabilidade por determinada
obrigação, nos casos em que a lei exige algum tipo
de caução ou garantia (v. g., art.273, § 3º , art. 588,
II, art.804, CPC).
31
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
Solvendo a dívida o fiador terá ação regressiva contra o
devedor, sub-rogando-se nos direitos do credor e
legitimando-se ao manejo da execução forçada contra o
afiançado (CC, art. 832) que poderá se dar nos mesmos afiançado (CC, art. 832) que poderá se dar nos mesmos
autos (CPC, art. 595, parágrafo único).
Seja convencional ou judicial, é assegurado o benefício
da ordem, isto é, a faculdade de nomear a penhora bens
livres e desembargados do devedor (CPC, art. 595).
Assim, a execução incidirá, primeiro, sobre bens do
afiançado, e só se estes não forem suficientes é que
recairá sobre o patrimônio do fiador.
32
SUJEITOS PASSIVOS – Art. 568, CPC
c.2) o fiador extrajudicial – caso esse figure no título
executivo extrajudicial (e a este nada se oponha), será
parte legítima passiva da execução.
c.3) o responsável tributário, assim definido na
legislação própria – conforme legislação própria (Lei n° legislação própria – conforme legislação própria (Lei n°
5.172/66 - CTN) considera-se responsável tributário “a
pessoa obrigada ao pagamento do tributo ou
penalidade pecuniária” (CTN, art. 121, caput). Que
poderá ser o contribuinte (quando tenha relação pessoal
e direta com a situação que constitua o respectivo fato
gerador – CTN, art. 121, parágrafo único, I) ou o
responsável (quando, sem revestir a condição de
contribuinte, sua obrigação decorra de disposição
expressa da lei – CTN, art. 121, parágrafo único, II).
33
COMPETÊNCIA
a)Competência para execução de título executivo
judicial – assim dispõe o art. 475-P e 575 do CPC: a
execução, fundada em título judicial, processar-se-á
perante:
a.1) os tribunais superiores, nas causas de sua a.1) os tribunais superiores, nas causas de sua
competência originária;
a.2) o juízo que decidiu a causa no primeiro grau de
jurisdição;
a.3) o juízo cível competente, quando o título executivo
for a sentença penal condenatória ou sentença arbitral.
34
COMPETÊNCIA
Exceções:
Na execução de alimentos, cuja competência é
fixada no domicílio ou residência do alimentando
(Art. 100, II, do CPC).
Parágrafo Único do art. 475-P que concede ao Parágrafo Único do art. 475-P que concede ao
credor a faculdade de optar em promover a
execução (cumprimento de sentença) no foro onde se
encontrem os bens do devedor sujeito à
expropriação ou no domicílio atual do devedor
executado, casos em que a remessa dos autos do
processo de conhecimento será solicitada ao juízo de
origem, pelo juízo onde foi proposta a execução.
35
COMPETÊNCIA
Para execução de títulos extrajudiciais – a
competência é territorial e relativa, vez que
determina-se a competência, em caso de execução
de título extrajudicial, segundo as regras comuns do
processo de conhecimento, pois o art. 576, do CPC processo de conhecimento, pois o art. 576, do CPC
remete o processamento da execução, fundada em
título executivo extrajudicial, para as regras do Livro
I, Título IV, Capítulo II e III, do CPC, ou seja, do art.
88 a 124 do CPC.
Há de se observar a seguinte ordem de preferência:
1° foro de eleição; 2° lugar de pagamento (querable
ou portable); e 3° domicílio do devedor.
36
COMPETÊNCIA
Para a execução fiscal – a competência para
processar e julgar a execução da Dívida Ativa da
Fazenda Pública exclui a de qualquer outro juízo,
inclusive o da falência, da Recuperação Judicial, da
liquidação, da insolvência ou do inventário. liquidação, da insolvência ou do inventário.
37
O art. 578, do CPC diz que a execução fiscal (Art. 585,
VII, do CPC), será proposta:
1) no foro do domicílio do réu e se não o tiver, no de sua
residência ou no lugar onde for encontrado.
2) Quando houver mais de um devedor, a Fazenda Pública
pode escolher o foro competente de qualquer um deles.
COMPETÊNCIA
pode escolher o foro competente de qualquer um deles.
3) Quando o devedor tiver mais de um domicílio, também
poderá escolher quaisquer deles.
4) Poderá, também, a seu critério, a Fazenda Pública
propor a execução no foro do lugar em que se praticou
o ato ou ocorreu o fato que deu origem à dívida, mesmo
que nele não mais resida o devedor ou, ainda, no foro
da situação dos bens, quando a dívida deles se originar
(CPC, Art. 578, Parágrafo Único).
38
COMPETÊNCIA
Para execução de sentença estrangeira – a
sentença estrangeira não pode ser imediatamente
executada no Brasil. Sua eficácia em nosso território
depende de sua prévia homologação pelo STJ
(EC/45). (EC/45).
Após, serão obedecidos os procedimentos executivos
previstos no art. 190, X da CF (competência da
Justiça Federal de 1° grau).
39
MODALIDADES DE EXECUÇÃO
Execução de obrigação de fazer e não fazer;
Execução de obrigação de entregar coisa certa e
incerta;
Execução de obrigação de pagar; Execução de obrigação de pagar;
Execução contra a Fazenda Pública;
Execução fiscal;
Execução de prestação de alimentos;
Execução coletiva.
40
BIBLIOGRAFIA
Wambier, Luiz Rodrigues. Coord. Curso Avançado de
Processo Civil. V.2. 9ª ed. São Paulo: RT, 2007.
Didier Jr, Fredier. Coord: Curso de Direito Processual
Civil. Execução. V.5, Salvador. Ed. Juspodivm, 2009.
Bueno, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de Bueno, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de
Direito Processual Civil. V.3, São Paulo: Saraiva, 2008