O Barroco nasceu do declínio do Renascimento ocorrido principalmente pelas divergências religiosas, o surgimento da Reforma Protestante e da derrocada do comércio com

o Oriente. Tanto na pintura quanto na poesia a arte barroca é rebuscada, procura estabelecer uma contradição entre simples e complexo, há sempre um contraste, oposição de ideias, antítese. Para o Barroco o sagrado pode ser profano e o profano pode ser sagrado. Na pintura faz-se uso de cores fortes como o vermelho e o azul, ilusão de movimento de profundidade, uso do claro e escuro. Na escultura há um predomínio nas curvas e drapeados das roupas para dar um sentido de vivacidade. Na Literatura há algumas características predominantes que são: o cultismo, que é caracterizado pelo jogo de ideias e imagens e esse método era apoiado em metáforas, sinestesias, prosopopeias entre outros. O conceptismo é um tipo de argumentação que visa convencer o leitor pelo pensamento. Eis um exemplo da poesia barroca portuguesa: Ao Rigor de Lisi
Mais dura, mais cruel, mais rigorosa Sois, Lisi, que o cometa, rocha ou muro Mais rigoroso, mais cruel, mais duro, Que o Céu vê, cerca o mar, a terra goza. Sois mais rica, mais bela, mais lustrosa Que a perla, rosa, Sol ou jasmim puro, Pois por vós fica feio, pobre e escuro, Sol em Céu, perla em mar, em jardim rosa. Não viu tão doce, plácida e amena, (Brame o mar, trema a terra, o Céu se agrave), Luz o Céu, ave a terra, o mar sirena. Vós triunfais de sirena, luz e ave, Claro Sol, perla fina, rosa amena, Mor cometa, árduo muro, rocha grave. Jerónimo Baía, Fénix Renascida

Figuras de Linguagem no Barroco Notam-se figuras que tentam apreender a realidade por meio dos sentidos de quem vê ou lê a Arte Barroca. Metáfora: É uma comparação implícita como no exemplo de Gregório de Matos: Incêndio em mares de água disfarçado Rio de neve em fogo convertido! Antítese: Reflete a contradição, o dualismo do homem barroco, a seguir no trecho de Manuel Botelho de Oliveira: Considera no sol, que luminoso Ama o jardim de flores guarnecido;

Na rosa adverte. E cresceu-te um olhar pouco advertido. Criou-te o esperar de um entendido. Que nunca sereis mais de outro imitado Bem que sejais de todos aplaudido. engenho tão subido. no cedro o incorruptível. Foste com desapego mal criado. pássaros fragrantes. Prosopopéia: Personificação de seres inanimados para avivar a realidade assim como no trecho a seguir de Padre Antônio Vieira: No diamante agradou-me o forte. a Deus cuidado. Nasceste de um acaso não pensado. Poesia para análise Chora o Poeta de Uma Vez Perdidas as Esperanças A Deus vão pensamento. que em um rosto corres desatado. Tu. Vieira. que em coral florido De Vênus veste o nácar lastimoso. na águia o sublime. que um peito abrasas escondido. Sinestesia: É uma figura de retórica intimamente ligada à metáfora e à imagem tal qual o exemplo de Gregório de Matos: Não dão o parabém à nova Aurora Flores canoras. Paradoxo: União de idéias contrárias em um só pensamento tais como na estrofe de Gregório de Matos: Tu. Quando fogo em cristais aprisionado. no leão o generoso. Nem seu âmbar respira a rica Flora. Tão singular. Quando cristal em chamas derretido. que atrevidamente . e tão avantajado. no sol o excesso de luz. Hipérbole: é a idéia de grandiosidade como no poema de Manuel Botelho de Oliveira: Fostes. E às mãos morreste de um desesperado: Ícaro foste. Porque sendo de uns olhos bem nascido. Que eu te mando de casa despedido.

Análise É um soneto composto por 2 quartetos e 2 tercetos. os quartetos são rimas entrelaçadas. Porque nesse Brandão dos céus luzente Falta a razão. Na terceira estrofe o poeta utiliza artifícios da cultura GrecoLatina e faz alusão da fugaz paixão de Ícaro pelo sol. É uma poesia reflexiva. nota-se nitidamente um tom pessimista. Na última estrofe percebe-se que ele deixou-se iludir pela beleza. na primeira estrofe há uma descrença em relação a sua vida desde o nascimento até a fase adulta. Na segunda estrofe aparece a desesperança. pois ainda há resquícios do Renascimento e o homem barroco sempre está em dúvida entre profano e religioso. se sobra a formosura. pois nasceu sem saber o porquê de seu nascimento e morreu sem entender o motivo pelo qual nasceu. É notório na poesia Barroca o pessimismo do poeta e até mesmo algum tipo de questionamento. De onde te arrojou teu vôo ardente. pois o poeta fala de si mesmo.Te remontaste à esfera da luz pura. Fiar no sol. onde o primeiro verso rima com o quarto e o segundo com o terceiro. é irracional loucura. .

com. http://www. E-dicionário de Termos Literários. São Paulo: Global. Clássicos da Poesia Brasileira.jor.html http://www. 2 Ed. A Literatura no Brasil. Gregório de.antoniomiranda. História social da Literatura e da Arte.br/poesia_brasis/bahia/manuel_botelho. v. Ed.jornaldepoesia. Matos. 2004. 7.com.Referência Bibliográfica Coutinho. Afrânio.php http://www.br/grego.soliteratura. 1982.br/barroco/barroco06. São Paulo: Mestre Jou.html . Hauser.Arnold. 2.