You are on page 1of 23

CENTRO PAULO SOUZA ETEC PROF.

BASILIDES DE GODOY– EXT CEU PQ ANHANGUERA Guilherme Jansen Lacerda das Mercês

APOSTILA NORTEADORA PARA O EIXO TECNOLÓGICO DE GESTÃO E NEGOCIOS COMPONENTE: CURRICULAR GESTÃO AMBIENTAL.

São Paulo 2012

GUILHERME JANSEN LACERDA DAS MERCÊS

Apostila de Orientação para a Unidade curricular de Gestão Ambiental para o Curso de Técnico Administrativo

São Paulo 2012

PROFESSOR: Guilherme Jansen Lacerda Das Mercês

Titulo: APOSTILA NORTEADORA PARA O EIXO TECNOLÓGICO DE GESTÃO E NEGOCIOS COMPONENTE:CURRICULAR GESTÃO AMBIENTAL.

Dedico esta apostila todos que se importam com o Meio Ambiente e que de alguma forma agem em prol de uma vida mais sustentável, a fim de galgar melhorias socioambientais para o

coletivo comum.

"A vida só pode ser vivida perigosamente - não existe outro jeito de vivê-la. É só por meio do perigo que a vida atinge maturidade, que ela cresce. A pessoa precisa ser aventureira, estar sempre pronta para pôr em risco o conhecido em favor do desconhecido. E, uma vez que ela prove os prazeres da liberdade do destemor, nunca se arrependera, pois então saberá o que significa viver intensamente. Então ela saberá o que significa viver desregradamente. E um único instante dessa intensidade já é mais gratificante que toda uma eternidade vivendo uma vida medíocre"

Osho.

Apresentação:

Desenvolvimento sustentável : ”É o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades” Definição do desenvolvimento sustentável, em Nosso futuro comum ou Relatório Brundtland, da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU, 1987.

São Paulo 2012

Introdução 1.

Neste momento a humanidade passa por intensas transformações técnicocientíficas e fenômenos de desequilíbrios ecológicos, os modos de vida humano, individuais e coletivos, deflagram uma progressiva deterioração, esta

preocupação com a gestão social e ambientalmente correta se faz cada vez mais presente nos discursos das organizações de todos âmbitos (sociais – políticos – econômicos / socioambiental).( JÚNIOR,2008)

As discussões referentes a preocupação socioambiental tem por objetivo em primeiro momento de analisar como o capitalismo utilizou o espaço para ampliar sua dominação e reproduzir o capital, e os impactos ambientais e sociais provocados, porém pode se dizer que é uma visão simplória dos impactos e aspectos ambientais, surgem em um contexto de ruptura, de descentralização, de multiplicação de antagonismos e processos.

A natureza não pode ser separada da cultura, sendo necessário aprender a pensar interdisciplinaridade, transversal nas interações entre o ecossistema e os universos de referências sociais e individuais (JUNIOR, 2008 apud GUATARRI 1995).

Essas discussões referentes a preocupação socioambiental tem por objetivo em primeiro momento de analisar como o capitalismo utilizou o espaço para ampliar sua dominação e reproduzir o capital, e os impactos ambientais e sociais provocados, porém é uma visão simplória dos impactos e aspectos ambientais.

É notável que, não basta reduzir a pressão sobre os recursos naturais, há que se garantir a igualdade de oportunidades a todas as partes envolvidas inclusive os setores produtivos, para que as cidades e as nações se desenvolvam com sistematicidade (equilíbrio homeostático) (ICLEI,2007)

Com isso surgi à necessidade do ser humano organizar as diversas formas de relacionar-se com o meio ambiente, abrangendo-se a visão tradicionalista de riscos ambientais, é notável que as práticas melhorem a eficiência do uso de produtos e recursos, que reduzam o impacto sobre o meio ambiente, pode-se utilizar uma visão Holística e Sistemática, tornando-se preocupações centrais em todos os níveis de tomada de decisão.

2.PRECEDENTES HISTÓRICOS DA GESTÃO AMBIENTAL.

Para avaliar o “acumulo” de degradação ambiental exige que voltemos para as causas reais da problemática ambiental devido a sua complexidade e a quantidade de interesses ambientais nos tempos modernos. (JUNIOR,2008)

A ideia de Gestão Ambiental (G.A) não é um conceito novo nem mesmo uma necessidade nova. O intento de Gestão significa Administrar e ambiental não é somente “áreas verdes” e sim suas interações HOMEM+NATUREZA, partindo deste preceito a particularidade da G.A. “Utilizar intentos e ferramentas administrativas de forma sistemática e holística, com visão homem natureza, a fim de galgar a sustentabilidade socioambiental da organização indiferente do seu segmento ou setor ou padrão político”.

Os aspectos administrativos da gestão ambiental deve-se pensar além compreendendo os elementos do meio considerando-os como recursos, analisando sua localização e demanda pela utilização, como são as práticas de captação e despejo (descarte), com objetivo de reduzir os efeitos negativos da intervenção humana (UEHARA, OTERO, MARTINS, JÚNIOR 2008).

Nos casos em que tal preceito não ocorre, o homem teve de enfrentar as consequências perigosas da sua atuação, historicamente acumulação

indiscriminada de resíduos que na Idade Média, por exemplo, é perceptível levando por consequência: poluição da água e do ar, resultando em gravíssimos problemas de saúde pública. (FREIRE, 1970)

Entretanto o agravamento da problemática ambiental (aumento de resíduo, degradação, consumo excessivo, descarte inadequado, etc.) recebe um destaque, mais plausíveis, durante período da industrialização na qual contribui de forma bastante acentuada para a poluição do meio ambiente. (JÚNIOR,2008).

Devido ao processo de modernização de alguns setores econômicos, como por exemplo, o agronegócio, surgiu um modelo baseado no uso intensivo de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos na agricultura, hoje é um fato corrente no campo e está presente na vida de muitos produtores em diversas áreas do mundo.(ANDRADES .GANIMI.,2007)

3.REVOLUÇÃO VERDE Com a modernização da agricultura baseada no modelo de uso intensivo e exagerada de agroquímicos e fertilizantes sintéticos, trouxe para muitos países muitos a maximização do lucro, através da monopolização de fatias cada vez maiores do mercado; e a aquisição de royalty, por intermédio dos pacotes tecnológicos. (ANDRADES, GANIMI. 2007)

Ressaltando que a construção e adoção de um maquinário pesado, como: tratores, colheitadeiras, para serem utilizados nas diversas etapas da produção agrícola, desde o plantio até a colheita, trouxeram impactos sociais e ambientais para as zonas rurais. Esses impactos socioambientais são: – aumento da concentração da renda e da terra,  exploração da mão de obra no campo,  envenenamento dos agricultores,

 migração para as cidades,  contaminação dos ecossistemas, compactação do solo, etc.

Para compreender a modernização da agricultura e seus impactos deve-se analisar o processo histórico da Revolução Verde. Neste sentido será imprescindível remeter para o contexto do final da Segunda Guerra Mundial.( ANDRADES, GANIMI.2007)

Antes de terminar a Segunda Grande Guerra, instituições privadas, como a Rockfeller e a Ford, vendo na agricultura uma boa chance para reprodução do capital, começaram a investir em técnicas para o melhoramento de sementes, denominadas Variedade de Alta Produtividade (VAP), no México e nas Filipinas (ANDRADES, GANIMI.2007 apud ROSA, 1998).

As indústrias químicas que abasteciam a indústria bélica norte-americana começaram a produzir e a incentivar o uso de agrotóxico: herbicida, fungicida, inseticidas e fertilizantes químicos na produção agrícola para eliminar fungos, insetos, ervas daninhas.

Em outro período de tensões no mundo, Guerra Fria, término da 2ºGM marcado pela bipolaridade, duas superpotências disputam, ideológica e economicamente, a hegemonia do mundo, de um lado, a União Soviética, liderando o bloco socialista e do outro os Estados Unidos, no comando do bloco capitalista.

É neste imbricado cenário geopolítico que a ideia para implantação da Revolução Verde vai ter argumentação política, social e econômica. Um forte argumento é o de exterminar a fome no mundo, bem ilustrado por Rosa:

“O problema da fome tornava-se cada vez mais sério em várias partes do mundo, e o governo americano e os grandes capitalistas elemento decisivo nas tensões sociais temiam que se tornasse

existentes em muitos países, o que

poderia ampliar o número de nações sob o regime comunista, particularmente na Ásia e na América Central, tradicionais zonas de influência norte-americana (ROSA, 1998, p. 19).”

É possível entender o raciocínio geopolítico norte-americano, segundo está lógica da Guerra Fria no que diz respeito à fome. E mais, a afirmação é excelente, pois deixa claro o aspecto ideológico da Revolução Verde na medida em que a resolução do problema da fome não passa somente por inovações tecnológicas.

É notório o aumento da produtividade, todavia a agricultura foi concebida como um meio para reproduzir o capital, ao invés de colaborar para solucionar o problema da fome (GEORGE, 1978).

4. Padronização e Normalização:

A preocupação ambiental se tornou algo importante a partir da mudança de paradigmas da sociedade em relação à visão do homem para com o ambiente que o cerca. A evolução de alguns conceitos também foi fundamental para que a preocupação ambiental tornasse mais relevante.

Em pensar nas praticas de mercado, as trocas faz com que surjam os padrões. Isto se deve ao fato decorrente da necessidade de mensurar pesos, quantidades e intensidades, decorrem normas para definir os procedimentos de trocas justas e necessárias para viabilizar transações entre indivíduos, cidades e nações.

4.1 O Conceito de Padronização

Segundo Gapski (2007) a compreensão de padronização deve-se primeiramente visualizar detalhes para evitar a compra de materiais e os compradores não necessitam distribuir “amostras” para cotação.

Para

entender

melhor

este

comentário

partimos

para

a

definição

de

Padronização.

“É a representação sucinta de um conjunto de requisitos a serem satisfeitos por um produto, um material ou um processo, indicando-se, sempre que for apropriado, o procedimento por meio do qual se possa determinar se os requisitos estabelecidos são atendidos”. (GASPKI, pag.15, 2007)

Ressaltando este entendimento o estatuto de Licitações em seu art. 15 que trata de compras, a ideia de padrão e expressa sempre que possível, que imponha compatibilidade técnica e de desempenho, observadas, quando for o caso, as condições de manutenção, assistência técnica e garantias oferecidas.

O sucesso do processo depende das seguintes condições:

a) Existência de catalogação de nomes, que deve ser padronizada:

b) Estabelecimento de padrões de descrição;

c) Existência de programa de normalização de materiais. Critérios sobre a descrição:

• A descrição deve ser concisa, completa e permitir a individualização;

• Deve-se abolir a utilização de vocábulos regionais, gírias, marcas comerciais;

• A descrição deve ser sumária e objetiva, termos técnicos adequados e usuais e critério de qualidade para determinado uso.

Dentre os critérios destacam-se:

a) A denominação deverá, em princípio, ser sempre no singular;

b) A denominação deverá prender-se ao material especificamente e não a sua forma ou embalagem, apresentação ou uso;

c) Utilizar, sempre que possível denominação, única para materiais da mesma natureza;

d) Utilizar abreviaturas devidamente padronizadas.

Com isso padrão são diretrizes que são seguidas por empreendimentos que querem se adequar aos requisitos externos, enquanto padronização é a utilização destes requisitos.

4.2. Conceito de Norma.

A ideia de norma é uma forma acordada, repetível de se fazer algo, isto é, um documento que contém especificação técnica ou outros critérios precisos

desenvolvidos para serem utilizados consistentemente como uma regra, diretriz, ou definição. As normas tornam a vida mais simples e aumentam a confiabilidade e a efetividade de muitos produtos e serviços que usamos.

As normas são criadas formando um conjunto de experiência e conhecimento de todas as partes interessadas tais como os produtores, vendedores, compradores, usuários e regulamentadores de material, produto, processo ou serviço em particular. As normas são desenvolvidas para uso voluntário e não impõem nenhuma regulamentação

5. Certificações e selos

Certificação é o processo no qual uma terceira parte acreditada, audita a organização em relação ao seu sistema de gestão e emite um certificado para demonstrar que a ela obedece aos princípios definidos nas normas

regulamentadoras ou nas certificações (selos).

Os principais agentes do desenvolvimento econômico de um país são as empresas, onde seus avanços tecnológicos e a grande capacidade de geração de recursos fazem com que cada vez mais precisem de ações cooperativas e integradas onde possam desenvolver processos que tem por objetivo a Gestão Ambiental e a Responsabilidade Social.

A certificação é uma vantagem competitiva para as empresas e um fator de desenvolvimento para o país. Assim sendo, não é de admirar que a certificação de empresas e instituições seja uma área em franca expansão, as empresas e instituições nacionais possuem majoritariamente a certificação de gestão da qualidade, respeitando assim a norma ISO 9001.

Segundo dados das entidades certificadoras, os sectores da construção e da indústria são os que apresentam um maior número de certificações emitidas.

As empresas socialmente responsáveis tem uma postura ética onde o respeito da comunidade passa a ser um grande diferencial. O reconhecimento destes fatores pelos consumidores e o apoio de seus colaboradores faz com que se criem vantagens competitivas e, consequentemente, atinja maiores níveis de sucesso.

Porem existem outros métodos de responsabilidade social como por exemplo ECOEFICIÊNTE.

Segundo Demajorovic (2003) no seu texto “Ecoeficiência em serviços: diminuindo impactos e aprimorando benefícios ambientais” a ecoeficiência está se tornando cada vez mais importantes nas estratégias de gestão ambiental das

organizações. Este motivo deve se, principalmente, as pressões de leis mais severas e no aumento de custos com o uso dos recursos naturais, leva um número cada vez maior de empresas a superar paradigma de que o meio ambiente e competitividade seriam variáveis antagônicas, pensava se assim até a década de 80.

Está preocupação tem se limitado somente a indústrias devido aos grandes impactos dos riscos socioambientais vivenciados pela sociedade obrigando as empresas a incorporar em seus objetivos ações, de internalizar parte dos custos de seus impactos ambientais.

Em contrapartida o setor de serviços, tem deixado de lado internalização dos impactos ambientais. A preocupação começou, segundo o autor, quando a ligação com os impactos negativos de uma atividade com o seu crescimento

econômico. Como solução de solucionar as externalidades nas internalidades nasce a Ecoeficiência como alternativa. Porem muitas empresas ainda tem o pensamento engessado no antigo paradigma.

O que poderia amenizar este impasse seria criação de uma legislação que conduzisse a esse caminha e pela permanência de uma visão mais ampla (dicotômica) meio ambiente + competitividade.

Para entender essa necessidade de introduzir os impactos ambientais nas ações das empresas debates sobre desenvolvimento sustentável, dizendo sobre uma série de ferramentas voltadas à concretização da responsabilidade

socioambiental no âmbito empresarial têm sido discutidas, tais como produção limpa, produção mais limpa, prevenção à poluição e ecoeficiência.

O termo ecoeficiência começou a se moldar de forma mais palpável para as empresas. Após muitas publicações sobre Ecoeficiência chegou se a um consenso que Ecoeficiência significa: gerar mais produtos e serviços com menor uso dos recursos e diminuição da geração de resíduos e poluentes. A popularidade desta ferramenta junto ao setor empresarial é o fato de que a ecoeficiência não impõe limites ao crescimento e não envolve restrições a qualquer tipo de atividade industrial. Dessa forma, a ecoeficiência tem conseguido grande aceitação no meio empresarial, mesmo tendo ferramentas limitadas.

O setor de serviços, segundo o texto, apresenta uma variedade de aspectos ambientais que, dependendo da atividade, possa se transformar em menores ou maiores impactos ambientais levando ter uma estratégia que reduza esse impacto.

O caso de hotéis, os principais impactos causados pelo hotel e o consumo de água, e a obtenção de energia, disposição final dos contaminantes químicos. Para remediar isso o autor coloca com Ecoeficiência a educação ambiental de

funcionários e clientes e o reaproveitamento dos recursos naturais utilizados pelo hotel, alem de tecnologias limpas para obtenção de redução de recursos (água e energia).

No caso de hospitais norte americanos, é o grande numero de empreendimentos e o amplo período de funcionamento um solução foi à criação de um programa denominado “Hospitais Para Um Ambiente Saudável” que oferece uma serie de informações que possibilitam o gestor melhorarem o desempenho econômico e ambiental da organização.

No setor Bancário, o consumo de papel e de energia devido as grandes quantidades de agências bancárias e uma legislação que não oferece medidas de boas pratica ambiental e um dos desafios para Ecoeficiência.

Porém com o programa de “Manejo Ambiental nas Instituições Financeiras” cujo objetivo é cria uma rede global para disseminação de melhores pratica no setor financeiro voltado para a implementação das políticas e programas ambientais, começa a ganhar espaço devido aos benefícios que a redução de custos e a ganho com marketing.

Para justificar que a Ecoeficiência realmente favorece a redução dos impactos ambientais o autor apresenta um estudo de caso: Grand Hotel De Jordão. Onde foram colocadas estratégias em diferentes áreas, consumo de água; utilizados os registros condutores de vazão nos chuveiros e nas torneiras, etc. consumo de energia, tratamento dos efluentes (possibilidade de utilizar água de reuso) e destinação correta dos resíduos.

A Ecoeficiência é um começo de novas praticam de preocupação ambiental. Porem vale a pena lembrar que o meio ambiente não e somente rios, matas, fauna e flora, o meio ambiente e muito maior.

Envolve o homem também. Ou seja, ainda a questão ambiental está sendo vista por setores que na verdade devemos ter e um a visão sócioambiental do problema, introduzindo mais a questão social.

A busca pelo desenvolvimento sustentável em uma escala global é o desafio deste novo século.

Embora muito esforço já tenha sido feito com inúmeros tratados e acordos internacionais a partir do consenso de que a questão ambiental não pode estar dissociada das questões econômicas e sociais, os mecanismos institucionais criados são fragmentados e não estão suficientemente coordenados, segundo os interlocutores do United Nations Environmental Program (PIOTTO, 2003 apud UNEP, 2001a).

O novo modelo de governança internacional deve ser instituído de forma a possibilitar a obtenção do desenvolvimento sustentável considerando-se a sua estreita interdependência de inúmeros fatores como demanda social, pressões demográficas e pobreza nos países em desenvolvimento, contrapondo-se com o consumo excessivo e o desperdício nos países desenvolvidos. (PIOTTO, 2003).

A sustentabilidade traz no seu bojo o confronto com o paradigma da modernidade, que norteou a sociedade até bem pouco tempo atrás. Tornar real esse conceito é um colossal desafio para o novo século que se inicia. Muito esforço está sendo feito por diversos países e organismos internacionais para estabelecer indicadores que permitam tornar mensurável a sustentabilidade.

Referências Bibliográficas
AMBIENTE BRASIL. Litoral Norte, A Participação Brasileira na Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO. Disponível em: http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./snuc/index.html&conteu do=./snuc/art-tec.html. Acesso em 10 de março de 2008

AMBIENTE

BRASIL.

Litoral

Norte,

Sistema

Nacional

de

Unidades

de

Conservação. Disponível em: http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./snuc/index.html&conteu do=./snuc/sudeste/apae/mapa.html acessado em 09 de abril de 2008

AMBIENTE

BRASIL.

Trilhas.

Disponível

em:

http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./ecoturismo/index.html& conteudo=./ecoturismo/artigos/trilhas.html. Acesso em 10 de maio de 2008

ANDRADE,

W.J.

Manejo

de

trilhas.

[S.1.],

Disponível

em:

<http://geocities.yahoo.com.br/grupochaski/downloads/trilha.doc.>. Acesso em 14 de outubro 2008. Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Região da Mata Atlântica CONTRATO DE EMPRÉSTIMO 1681-OC/BR FEVEREIRO DE 2008. BID 2008. Brandon, K. Etapas básicas para incentivar a Participação da Comunidade em projetos de Turismo de Natureza. Ecoturismo: Um guia para planejamento e gestão. Kreg Lindberg e Donald E. Hawkins (ed.) São Paulo: Senac 1995

Brito, Maria Cecília Way de. Unidades de Conservação: Intenções e Resultados. 2º Edição –São Paulo: Annablume: Fapesp, 2003

Cândido, Lucia Aparecida. Turismo em áreas naturais protegidas. Caxias do sul: Edusc, 2003. Cidade, L.C.F ; Silva, H.L Instrumentos de Gestão ambiental: Analise da experiência com a taxa de fiscalização ambiental no estado de Goiás Revista Múltipla - Ano XI - vol. 14 - nº. 20, Brasília, DF, junho de 2006. Cruz, Luciane Genciano. Souza, Maria Salete Ayala S. P. de. Rossi, Patricia Regina. Ilhabela : o avesso do ecoturismo - São Paulo: 2002

Eagles, P.; McCool, S.; Haynes, C. Sustainable tourism in protected areas: Guideless for planning and management. Switzerland and Cambridge, UK, IUNC Gland, 2002

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Programa Gerenciamento Costeiro – Macrozoneamento do Litoral Norte do Estado de São Paulo, 2000

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro. São Paulo, 2000. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº. 4.340, de 22 de dezembro de 2002.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Plano estadual de recursos hídricos 2004 2007 São Paulo 2007

Graefe, A.R, Kuss, F.R. ; Vaske, J.J. Visitor impact management: the planning framework , vol. 2, National Parks and Conservation Association. Washington, DC, 1990

Hauff, S. Aplicação do Espectro de Oportunidades de Recreação para as Unidades de Conservação brasileiras. In: II Congresso nacional de Unidades de Conservação, Campo Grande, 2000.

Kinker, Sonia. Ecoturismo e conservação da natureza em parques nacionais Campinas São Paulo: Papirus, 2002

ILHABELA PONTO ORG. Histórico das trilhas no Município de Ilhabela. Disponível em: http://www.ilhabela.org/frame_trilhas.htm acesso em 15 de Agosto de 2008

INSTITUTO THEOROS. Curso de capacidade de carga turística. São Paulo, 2004. 80p. Apostila. 2004

Instituto de Pesquisa e Tecnologia plano de bacia da unidade de gerenciamento de recursos hidricos 2004 2007 Relatório Final São Paulo 2008

Lei n. ° 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Lei nº. 6513, de 20 de dezembro de 1977. Áreas Especiais e de Locais de Interesse Turístico

Machado, Alvaro. Ecoturismo : um produto viável : a experiência do Rio Grande do Sul - Rio de Janeiro: Ed. Senac Nacional, 2005.

Matheus, Zilda Maria Alves. Ruschmann, Doris Van de Meene. Gestão e avaliação de programas - estudo de caso: programa nacional de municipalização do turismo - PNMT - São Paulo:2003

Mitraud, Sylvia (Organização) - Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. [Brasília]: WWF Brasil, c2003.

McNeely, J.A. ; Thorsell, J. Jungles, mountains and islands: how tourism can help conserve natural heritage. IUCN: Gland, Switzerland, 1989

Ministério do Meio Ambiente - MMA. Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo. Brasília,1995.

Neiman,

Zysman. Meio

Ambiente

Educação

e

ecoturismo- São

Paulo: Manole, 2002

Neiman,

Zysman. Mendonça,

Rita. Ecoturismo

no

Brasil - São

Paulo: Manole, 2005.

Newsome, D. ; Moore, S. ; Dowling, R. Natural Area Tourism: Ecology, Impacts and management. Sydney: Channel View Publications, 2002

Passeios

&

Tours

Ecológicos

-

Brasil

Mata Atlântica - Trekking & Biking – Mapas Tours Ecológicos 2008 / 2009 disponível em http://www.brazadv.com/images/ilhabela.jpg Acesso em 14 de outubro 2008.

Pires, P.S. Capacidade de carga: como paradigma de gestão dos impactos da recreação e do turismo em áreas naturais. In.: Turismo e Análise. V. 16 n. 1.

Programa

Mata

Atlântica

MMA

(Ministério

do

Meio

Ambiente)-

http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./snuc/index.html&conteu do=./snuc/programas/mata_atlantica.html -acessado 09 de abril de 2008

Ribeiro, E.M.S. Estudo para avaliação dos impactos ocasionados pelo uso público nas trilhas do Parque Estadual de Dois irmãos. Recife - PE, 2006

Resolução da Assembléia da República n.º 10/89 Convenção que cria a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Seus Recursos (UICN), feita, em 5 de Outubro de 1948, em Fontainebleau. Rocktaeschel, Benita Maria Monteiro Mueller. Terceirização em áreas protegidas: estímulo ao ecoturismo no Brasil - São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, 2006