You are on page 1of 5

r e v b r a s o r t o p .

2 0 1 3; 4 8(5) :412–416

www.rbo.org.br

Artigo Original

Relac ¸ ões anatômicas entre as inserc ¸ ões femorais dos ligamentos meniscofemoral de Wrisberg e cruzado posteriorଝ
Heetor Campora de Sousa Oliveira a,∗ , Julio Cesar Gali b e Edie Benedito Caetano c
Ex-residente da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (FCMS-Sorocaba/PUC-SP); Assistente Voluntário do Servic ¸ o de Ortopedia e Traumatologia, FCMS-Sorocaba/PUC-SP, Sorocaba, SP, Brasil b Doutor em Ortopedia e Traumatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; Assistente Voluntário do Servic ¸ o de Ortopedia e Traumatologia, FCMS-Sorocaba/PUC-SP, Sorocaba, SP, Brasil c Professor livre-docente; Chefe do Servic ¸ o de Ortopedia e Traumatologia, FCMS-Sorocaba/PUC-SP, Sorocaba, SP, Brasil
a

informações sobre o artigo
Histórico do artigo: Recebido em 11 de junho de 2012 Aceito em 14 de agosto de 2012 Palavras-chave: Fêmur Ligamento cruzado posterior Meniscos tibiais

r e s u m o
Objetivo: Avaliar a frequência e a morfometria do ligamento meniscofemoral de Wrisberg e a relac ¸ ão de suas inserc ¸ ões femorais com aquelas do ligamento cruzado posterior (LCP). Desenho do estudo: Estudo laboratorial controlado. Métodos: Foram feitas dissecc ¸ ões minuciosas das inserc ¸ ões femorais dos ligamentos de Wrisberg (LW) e do LCP em 24 pec ¸ as anatômicas de joelhos. As pec ¸ as foram fotografadas com uma câmera digital e marcador milimetrado; o programa Image J foi usado para medir a área das inserc ¸ ões ligamentares, em milímetros quadrados. Resultados: O LW esteve presente em 91,6% das pec ¸ as estudadas. Nessas, seu formato foi elíptico em 12 pec ¸ as (54,54%). Em 68% dos joelhos a inserc ¸ ão do LW esteve proximal à crista intercondilar medial, próximo à banda posteromedial do LCP. A área média da inserc ¸ ão femoral do LW foi de 20,46 ± 6,12 mm2 , o que correspondeu a 23,3% da área de inserc ¸ ão do LCP. Conclusões: O LW é estrutura frequente nos joelhos, com grande variabilidade de sua área média. Proporcionalmente ao LCP, sua área média sugere que esse ligamento pode contribuir para a estabilidade posterior do joelho. © 2013 Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

Trabalho realizado na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Sorocaba, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Sorocaba, SP, Brasil. ∗ Autor para correspondência: Av. Eugênio Salerno, 387, Sorocaba, SP, Brasil. CEP 18035-430. Fax: +15 3229 0202. E-mail: hectormed@bol.com.br (H.C.S. Oliveira).
0102-3616/$ – see front matter © 2013 Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Publicado por Elsevier Editora Ltda. Todos os direitos reservados.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rbo.2012.08.010

2).3% of the PCL’s average area.5% e cloreto de sódio 1%. Study design: Controlled laboratory study.5%. Sua frequência na espécie humana varia de 90% a 93%. The pieces were photographed with a digital camera and ruler. Methods: 24 unpaired knee pieces. In 68% of the knees. Figura 1 – Dissecc ¸ ão profunda que mostra o ligamento cruzado posterior (LCP).7 O objetivo do nosso estudo foi avaliar a frequência do LW nas pec ¸ as analisadas. In those its shape was elliptical in 12 pieces (54. the WL insertion was proximal to the medial intercondilar ridge. Estudos mais recentes também mostraram que o LW faz parte de um complexo em conjunto com o LCP e permanece tenso na extensão do joelho. There is a wide variation of its insertion area.6. 4 8(5) :412–416 413 Anatomical relationships between Wrisberg meniscofemoral and posterior cruciate ligament’s femoral insertions a b s t r a c t Keywords: Femur Posterior cruciante ligament Tibial menisci Objective: To evaluate the frequency and morphometry of the Wrisberg’s ligament and its relationships with the posterior cruciate ligament’s femoral insertion. 2 0 1 3. Proportionally to the PCL’s insertion area the WL one’s suggests that it may contribute to the posterior stability of the knee joint. os meniscos e o LCP e identificamos também suas bandas anterolateral (AL) e posteromedial (PM). formol 2. 12 direitas e 12 esquerdas. As pec ¸ as usadas foram fixadas em formol a 10% e conservadas numa mistura de fenol 2. com direc ¸ ão ligeiramente mais oblíqua (fig. atua como restritor secundário à translac ¸ ão posterior da tíbia e responde por 35% a 45% dessa ac ¸ ão com o joelho a 90◦ de flexão. cursa do aspecto lateral do côndilo femoral medial para o corno posterior do menisco lateral (ML).6% of the studied pieces. Desse modo esperamos poder contribuir para ampliar o conhecimento anatômico do complexo estabilizador posterior do joelho.5.4 ). All rights reserved. close to the PCL posteromedial bundle. Como as inserc ¸ ões do LW e das bandas do LCP não se localizam exatamente no mesmo . © 2013 Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.46 ± 6. Nenhum joelho apresentava sinais de artrose. Colabora na estabilidade posterior e no movimento harmônico do ML na flexoextensão do joelho. Published by Elsevier Editora Ltda. Conclusions: WL ligament is a common structure in knees.1–3 A primeira descric ¸ ão na literatura médica do ligamento meniscofemoral foi feita por Humphrey em 1858.6 Juntamente com o ligamento meniscofemoral anterior. Tem situac ¸ ão posterior e muito próxima ao ligamento cruzado posterior (LCP). in square millimeters. o ligamento meniscofemoral de Humphrey (LH) e Wrisberg (LW) e o menisco lateral (ML). a forma e a área de sua inserc ¸ ão femoral e a relac ¸ ão dessa com o LCP.12 mm2 . 12 right and 12 left were submitted to a deep dissection of the Wrisberg and posterior cruciate ligaments. Introduc ¸ ão O ligamento meniscofemoral posterior (MFP).r e v b r a s o r t o p .The average area for the WL was 20. Fizemos dissecc ¸ ão minuciosa do aspecto posterior do joelho com bisturi de lâmina 11. 1). isolamos o LW. This number corresponded to 23.54%). Após isolar o LW e as bandas do LCP. dividimos o fêmur distal no plano sagital para melhor visualizac ¸ ão das estruturas e delimitamos suas áreas de inserc ¸ ão. Em todas as pec ¸ as os ligamentos cruzados e a cartilagem articular estavam íntegros. Usamos um marcador milimetrado colocado no mesmo nível das inserc ¸ ões e fotografamos as pec ¸ as com uma máquina digital Canon EOS Rebel T1i (fig. ou ligamento de Wrisberg (LW). Results: The Wrisberg ligament was present in 91. the Image J software was used to measure the ligaments’ insertion areas. Em 1899 Poirier e Charpy relataram duas estruturas distintas que deixavam o corno posterior do ML e envolviam o LCP (apud Gupte et al. Métodos Foram estudadas 24 pec ¸ as anatômicas desemparelhadas de joelhos de cadáveres adultos.

67 ± 16.41% da área da banda AL e a 50.12 Em nosso estudo o LW foi encontrado em 91. A média de sua área de inserc ¸ ão foi de 20.13–16 Talvez tenhamos encontrado o LW numa porcentagem maior do que outros estudos porque nossa dissecc ¸ ão foi feita de modo muito minucioso. respectivamente.80 ± 28.21 mm2 .16 mm.19 mm2 . Nessas.9.19 mm2 .. além das prováveis variac ¸ ões de sexo e etnia das amostras estudadas. respectivamente).0 ± 25. pode variar entre 35% a 76%. Portanto.14 e 40. Para Takahashi et al.13 ± 19.9%) o LW esteve mais próximo da banda PM do que da banda AL (distância média entre os centros de inserc ¸ ão igual a 9. Em 68% dos joelhos a inserc ¸ ão do LW esteve proximal à crista intercondilar medial. No entanto. Sua incidência.1 mm2 . de acordo com a região a ser estudada. Estudos anatômicos sugerem sua importância na harmonia da mobilidade normal do menisco lateral e o côndilo femoral lateral.414 r e v b r a s o r t o p . de 122. delimitamos exclusivamente os sítios ósseos de inserc ¸ ão femoral dos ligamentos. 3).7 mm2 e a do LCP.14 e 40.12 mm2 e a média da área de inserc ¸ ão do LCP foi de 87. Discussão Os estudos relacionados ao LCP têm aumentado substancialmente na literatura médica.13%. A tabela 1 mostra as medidas encontradas em nossa pesquisa. As áreas obtidas em nossa pesquisa possivelmente são menores porque. Para esses autores. respectivamente 32. a média da área de inserc ¸ ão do LW foi de 20.15 mm e 14. Cho et al.6 ± 50. 67. a área média do LW correspondeu a 23. As estruturas do complexo posterior. as imagem foram feitas o mais perpendicularmente possível às inserc ¸ ões das estruturas anatômicas. seu formato foi elíptico em 12 pec ¸ as (54.93% e 60.99%.80 ± 28. provavelmente por causa de uma variac ¸ ão anatômica da disposic ¸ ão das bandas do LCP. A func ¸ ão detalhada e específica do LW ainda não está totalmente compreendida. em milímetros ou em milímetros quadrados. a 43. também contribuiria de maneira indireta para a saúde articular do compartimento lateral do joelho. Provavelmente essas porcentagens possam ser ainda maiores com o uso de equipamentos de maior resoluc ¸ ão.4 mm2 e da banda ¸ ões das PM. como o LW.26 ± 6.13 o LW esteve sempre em situac ¸ ão proximal à crista intercondilar medial. LW/AL e LW/PM foram. respectivamente. Resultados O LW foi identificado em 22 das 24 pec ¸ as analisadas (91.3% da área da banda PM. 4 8(5) :412–416 Figura 2 – Visão lateral do côndilo femoral medial que mostra a crista intercondilar medial.05 mm e 10. Em nossa avaliac ¸ ão. A área de inserc ¸ ão média da banda AL foi de 58. Em 68% dos joelhos de nossa casuística a inserc ¸ ão do LW esteve proximal à crista intercondilar medial. As médias das áreas de inserc ¸ ão das bandas AL e PM foram.6%). as proporc áreas LW/LCP. porém em duas pec ¸ as essa situac ¸ ão foi inversa. respectivamente.21 mm2 .4 e também para Yamamoto e Hirohata. O programa Image J foi usado para calcular as medidas de interesse. em estudos anatômicos na literatura. para Gupte et al. de 64. respectivamente. com .17 identificaram o LW em 66% e 93% das ressonâncias magnéticas avaliadas.46 ± 6. A distância média do centro da área de inserc ¸ ão do LW à cartilagem articular posterior e distal do côndilo femoral medial foi de 7.54%). 47. 47.8–11 Dessa forma.. Figura 3 – Visão lateral do côndilo femoral medial que mostra o centro de inserc ¸ ão femoral do ligamento de Wrisberg (LW) e das bandas anterolateral (AL) e posteromedial (PM) do LCP. As médias das áreas de inserc ¸ ão das bandas AL e PM foram. plano.16 a média da área de inserc ¸ ão do LW foi de 39. as inserc ¸ ões femorais do ligamento de Wrisberg (LW) e as bandas anterolateral (AL) e posteromedial (PM) do LCP.4 ± 13.12 mm2 e a média da área de inserc ¸ ão do LCP foi de 87. igualmente podem ganhar importância dentro das cirurgias reconstrutivas.18 mm.6 ± 24. 2 0 1 3. que predispôs a essa situac ¸ ão (fig.7 mm2 .3% da área do LCP.6% dos joelhos avaliados.3 e Watanabe et al.67 ± 16. com bisturi de lâmina 11. Na maioria das pec ¸ as (90. com isolamento das estruturas sempre a partir do corno posterior do ML.13 ± 19.

60 16.20 19.31 4.91 5.73 14.98 11.78 16.21 13.67 14.33 16.75 8.37 12.84 18.88 10.60 14.35 12.63 13.70 11.82 7.57 9. (mm) 4.19 63.48 5.09 25.39 56.23 19.47 7.40 7.81 10.01 28.89 15.26 5.96 43.53 20.97 64.57 5.67 60.12 Maior diâmetro (mm) 5. 4 8(5) :412–416 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 17 18 19 20 21 22 23 24 Média DP D E E E E D D E D D D D D E E E E E D D E E 20.15 1.51 20.16 37.09 11.57 29.87 14.91 9.28 11.34 67.47 10.95 22.91 38.10 12.90 9.98 26.04 20.32 38.91 37.83 9.30 7.83 23.75 5.46 ÁREA (cm2 ) 21.71 7.58 6.47 25.76 47.22 41.99 5.36 86. para cart.28 13.96 8.34 11. para cart.49 12.19 10.72 7.07 21.66 11.12 44.21 46.31 18.56 30.70 4.89 17.00 11.48 10.26 6.52 8.80 4.46 7.21 14.72 5.02 6.27 6.97 7.35 44. dist.55 55.99 6.05 Dist.52 8.89 23.15 16.28 7.80 6.03 415 .84 12.55 5.60 4.02 21.20 13.83 33.93 13.93 4.44 16.91 16. (mm) 9.33 24.48 9.75 47.89 14.64 10.33 9.68 75.07 27.59 Relac ¸ ão LW/PM (% área) 39.21 7.11 26.15 22.23 5.75 10.43 32.31 36.23 9.93 24.61 55.11 12.02 6.32 73.17 85.25 62.12 10.44 8.47 5.86 9.87 18.37 12.24 24.95 7.18 12.72 15.15 68.77 18.94 11.58 13. 2 0 1 3.09 8.29 5.16 10.64 10.92 44.23 8.Tabela 1 – Medidas quantitativas das inserc ¸ ões femorais do ligamento de Wrisberg e sua relac ¸ ão com o ligamento cruzado posterior Coluna6 Coluna7 Coluna8 Coluna9 Coluna10 Coluna11 Coluna12 Coluna13 Coluna1 Coluna2 Coluna3 Coluna5 r e v b r a s o r t o p .14 51.17 27.50 7.06 3.86 9.74 11.88 11.57 19.93 Relac ¸ ão LW/LCP (% área) 16.52 11.16 Dist.32 8.62 34.74 4.86 7.38 22.28 7.42 12.67 3.74 51. post.20 5.29 4.22 Relac ¸ ão LW/AL (% área) 28.85 7.78 9.19 4.46 9.13 19.60 8.44 29.77 9.50 11.08 32.50 60.75 10.51 12.53 13.74 15.20 44.56 11.19 6.18 Distância para banda AL (mm) 14.27 14.40 4.89 15.95 89.57 13.94 9.41 7.63 11.95 11.67 28.53 6.27 25.50 17.90 18.96 77.79 6.91 13.87 4.35 55.53 Distância para banda PM (mm) 9.10 12.50 8.94 12.26 27.64 Distância para centro LCP (mm) 13.67 51.14 13.30 26.43 91.54 77.14 70.16 11.86 48.40 13.93 54.10 7.62 9.

O’Brien M. Poynton AR. Cho JM.22:362–6. Watanabe AT. Takahashi M. Morphologie et fonction des ligaments ménisco-femoraux de l’articulation de genou chez l’homme. Suh JS. Thomas RD.11:96–103.22:872–7. 13. Amis AA. J Bone Joint Surg Br. Poyton AR. Wan ACT. 5. 2008. Abdalla RJ.71:857–62. Finegan PJ. Estudos futuros de secc ¸ ão ligamentar seletiva e testes biomecânicos poderão determinar qual o papel específico desse ligamento na estabilizac ¸ ão posterior da articulac ¸ ão. J Bone Joint Surg Br. 4. Anatomic relation between the posterior cruciate ligament and the joint capsule.38:304–23. Javadpour SM.14:1055–9. Bull AM. Moreno B. Arthroscopy. Gruber B. Surgical treatment of posterior cruciate ligament tears: an evolving eechnique. 17. Moran CJ. Acta Anat. et al. 16. 1995.84:846–51. A review of the function and biomechanics of the meniscofemoral ligaments.19:161–71. assim como no de Takahashi et al.24:1367–72. 6. 1989. Heller L. 2006. Na JB. Meniscus-stabilizing function of the meniscofemoral ligament: experimental study of pig knee joints. Hirohata K. Ellis E. Matava MJ. Cho S. Doi M. 3. Moran R. Candiollo L. 4 8(5) :412–416 dissecc ¸ ão cuidadosa. Amis AA. Anatomical study on the meniscofemoral ligaments of the knee. 14. McDermott ID. Teitelbaum GP.91% e 34. a impossibilidade de se conseguir uma visão tridimensional da inserc ¸ ão do LW com uso de uma câmera digital. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc. Enquanto isso. refer ê ncias 1. Conclusão Em conclusão. devemos fazer todo esforc ¸ o possível para preservar o LW nas reconstruc ¸ ões do LCP. ainda. sem incluir as expansões fibrosas que se inserem na periferia do sítio ósseo de inserc ¸ ão. 2009.. Nagano A. 10. Arthroscopy. Matsubara T. Kohn D. Gupte CM. J Bone Joint Surg Br.416 r e v b r a s o r t o p . Anatomical study. Langman J. J Bone Surg Br. 12. fato que provavelmente demonstra uma diferenc ¸a importante entre as medidas individuais na amostragem. 2002. Meniscus insertion anatomy as a basis for meniscus replacement: a morphological cadaveric study. 9.28:189–95. respectivamente). Arthroscopy. Carter BC. 2 0 1 3. Skeletal Radiol. Conflitos de interesse Os autores declaram não haver conflitos de interesse. Smith A. Moran CJ. The menisco-femoral ligaments. Ramos LA. Suzuki D.46:307–13. Cho JH. nossos achados sugerem que o LW é estrutura frequente nos joelhos e que. 1995.77% da área total. Variations in meniscofemoral ligaments at anatomical stydy and MR imaging. de Carvalho RT. Woo JK.30:683–8. Analysis of meniscofemoral ligament tension during knee motion. 2006.17:435–46. Bradley Jr WG.79:327–30. Anatomical study of the femoral and tibial insertions of the anterolateral and posteromedial bundles of human posterior cruciate ligament. Bull AM. 15. 1948. O’Brien M. deve contribuir para a estabilidade posterior do joelho. 1991. Felle P. and clinical implications. Clin Anat. por representar em média 23. 2006. 1997. Cohen M. The meniscofemoral ligaments of the knee. dada a grande variac ¸ ão anatômica encontrada e. age correlation.37:209–26. 8.27:365–71. Kim Y. Ko S. Meniscofemoral ligaments revisited. 11.16 verificamos um desvio-padrão alto na média das áreas de inserc ¸ ão do LW no fêmur (29. . Some anatomical details of the knee joint. 1964. Arthroscopy. 1999. 2003. Arthroscopy. 1959. Common pitfalls in magnetic resonance imaging of the knee. The menisco-femoral ligaments of the human knee. Nossa pesquisa tem algumas limitac ¸ ões: o número de joelhos estudados pode ser considerado pequeno. J Am Acad Orthop Surg. J Bone Joint Surg Am. Em nosso estudo. 2011.3% da área de inserc ¸ ão LCP. 7. Poynton A. Gupte CM. The meniscofemoral ligaments influence lateral meniscal motion at the human knee joint. Thomas RD.8:323–6. O’Brien M. Kobe J Med Sci. Last RJ. Yamamoto M. 2. Moran R. Yoo WK. Arthroscopy. Gautero G.