1. A Literatura Portuguesa. Quesotes gerais.

O sistema cultural da Idade Média, espaço social galego-português nos séculos XII e XIII

1. Características gerais da Literatura Portuguesa Aubrey Bell afirma que a Literatura Portuguesa é a maior que um pequeno povo produziu, exceptuando a da Grécia Clássica. Por outra banda, segundo Figueirido, as principais características da Literatura Portuguesa são: 1) Importância dos ciclos dos descobrimentos, provavelmente não exista nenhum autor que não insira o mar na sua obra. 2) Predomínio do lirismo sobre o épico e o dramático, exceptuando obras como Os Lusíadas de Camões ou A mensagem de Pessoa, que não são obras líricas. 3) Frequência do gosto épico, no passado houve em Portugal a tendência de buscar personagens de classes importantes. 4) Escassez de teatro. 5) Carência de espírito crítico e filosófico, não é doado achegar um grande nome da filosofia em Portugal já que a filosofia está feita por narradores e, sobre tudo, por poetas. 6) Separação do público. 7) Certo misticismo de pensamento e sentimento. Há mitos muito recorrentes na Literatura Portuguesa:  Sebastianismo: faz referência ao rei Dom Sebastião, que desaparece mas ninguém o vê morrer, pelo que é símbolo da esperança. É um mito retomado até a actualidade (Pessoa).  Inês de Castro, que morre por amor. Alguns ensaístas como António Quadros ou Eduardo Lourenço não contestam a estas características, mas apontam detalhes com o barroquismo. No século XX podemos destacar as seguintes características na Literatura Portuguesa: a) Há escritores que se empenham no dialectalismo, outros no arcaísmo/barroquismo (Saramago), na musicalidade... b) Influência da política na literatura, em especial da ditadura salazarista:  Proclamação da república em 1910.  Poder dos militares em 1926.  Revolução dos cravos em 1974. c) Há uma escassez de romance até a 2ª metade do século XX, nas últimas décadas do século XX o mercado favorece a explosão deste género, assim aparecem novelas:  Psicológica.  Histórica.  Costumista.  Problematizante (Ferreira).  Experimental. d) Desde os anos 30 há muitas escritoras, já que a mulher já pode aceder à universidade. 2. Língua, Literatura, a História da Literatura
2.1. Língua

A)

Plano diacrónico:  Primeiros documentos escritos: datam do século XII (cantar de amigo de Sancho I). 1
Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

1. A Literatura Portuguesa. Quesotes gerais. O sistema cultural da Idade Média, espaço social galego-português nos séculos XII e XIII

Língua falada: data do século IX, dato que podemos saber pelos erros dos escribas, para os que o latim era já uma língua difícil e introduziam características da língua falada. Até o século XV não diferenciação entre português e galego-português, embora a língua tinha características diferentes do português actual: ● ão > om ● s=z ● ss = s ● pronúncia de ch como tch No século XVI já há uma diferenciação entre português e galegoportuguês que se mantém até a actualidade. As características do galegoportuguês se conservam na Galiza, no Minho, em Trás-os-Montes e em Beiras.

B)

Plano diatópico:  Brasil: sotaque característico de possível procedência africana.  Outros lugares nos que se fala português: Goa, Damão, Diu...  Crioulos: Cabo Verde, Ceilão, Guiné...  Galiza: sofre a influência da colonização castelhana e a perda de contacto com a zona portuguesa. Embora os galegos se entendam falando com os portugueses, a ortografia galega obedece às regras castelhanas.

A língua tem uns 200 milhões de falantes na Europa, na América e na Ásia, sendo a terceira língua intercontinental. Tem três variedades principais: o lusitano, o brasileiro e o galego; e há duas forças contraditórias que actuam sobre ela: a diferenciadora (linguagem quotidiana) e a unificadora (linguagem escrita). C) Diferenças do português com o castelhano: 1) Teorias que explicam a diferenciação linguística:  É possível que já antes da romanização se falasse uma língua ou uma família de línguas diferentes no Noroeste da Península, o que sustentaria a teoria dos substratos. Isto faria que o latim evolucionasse de forma distinta nesta zona, o que diferenciaria o galego-português do castelhano. Esta é a teoria que melhor explica a existência de diferentes línguas na actualidade.  Outra teoria para explicar esta diversidade linguística é a da penetração árabe, que teria contribuído para a diferenciação linguística que daria lugar ao galego-português e ao castelhano. 2) Características que diferençam as duas línguas:  Desaparecimento do n e o l entre vogais, que seria a característica mais antiga e única do Noroeste peninsular. Isto dá lugar em português a uma série de vogais nasais.  Vocalismo muito mais rico em português (12 vogais), mentes que o castelhano é mais rico em consoantes.  Preferência pelos ditongos descendentes em português face à preferência pelos ascendentes no castelhano.  Ritmo e sotaque: são a principal diferença. A sílaba tónica é muito forte no português e o ritmo e muito ondeante. Isto faz que os castelhanos não entendam o português falado, embora o compreendam escrito, e os portugueses si sejam quem de entender o castelhano falado. 2
Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

1. A Literatura Portuguesa. Quesotes gerais. O sistema cultural da Idade Média, espaço social galego-português nos séculos XII e XIII

Vocabulário e gramática: estão mais próximos que noutros aspectos, mais com o tempo têm-se distanciado. Uma peculiaridade do português e o galego é o infinitivo pessoal e o uso do perfeito simples.

2.2. História Literária

A História da Literatura é o estudo sincrónico – diacrónico das obras literárias. O mais sensato é estudar por separado a Literatura Portuguesa da literatura em Portugal. 3. O literário e o não literário, o estilo, os géneros etc.1 A)
Literatura vs. scriptura: O termo literatura procede das verbas latinas littera e

litteratura. O significado moderno da palavra aparece no século XVIII, momento no que se aplica “aos saberes e ciências profanas consagrados mediante letra escrita”, opondo-se a scriptura, que se refere aos textos religiosos, sagrados. B)
Que é algo literário?: é uma pergunta que há muitos séculos que se intenta

responder. Algumas características dos textos literários são:  Têm muitas significações.  Usa linguagem literária.  Pode-se afastar da norma (procura surpreender). C) D)
Que é o estilo?: é a maneira com a que um autor manipula a língua, neste caso

está ligado a escolas, modas, épocas... O estilo distingue o que é literário do que não o é. Os géneros: é uma das questões mais discutidas desde Platão. Em geral, seguem-se os chamados géneros ou formas naturais: lirismo, narrativa e teatro. Porém há zonas um pouco difusas.

4. O problema da periodização A periodização é objecto de grande discussão desde o ponto de vista teórico: 1) Há quem rejeita as etiquetas (Classicismo....) 2) Há quem prefere as etiquetas. 3) Há quem conjuga as duas posturas anteriores. 4) Há quem tem uma concepção circular da literatura, é dizer, cada geração contradiz a anterior, embora possa voltar a usar elementos da geração anterior. 5. A divisão histórica da Literatura Portuguesa
Época Medieval Época Clássica Época Moderna Época Contemporânea
1

Período trovadoresco Período palaciano Período renascentista Período barroco Período neoclássico ou arcádico Período Romântico Período Realista Tradicionalismo Modernismo Neo-realismo ou Superrealismo2

Ver apontamentos de Teoria da Literatura.

3

Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

1. A Literatura Portuguesa. Quesotes gerais. O sistema cultural da Idade Média, espaço social galego-português nos séculos XII e XIII

Com tudo, esta divisão histórica é discutível. 6. Sistema cultural da Idade Média, espaço social galego-português nos século XII e XIII As pessoas das diferentes classes sociais produziam e consumiam diferentes tipos de literatura: a) Clero: produz e consume obras didácticas (geografia, história...). b) Nobreza: romances de cavalarias, cantigas de amor cortês. c) Labregos: cantigas de escárnio e maldizer. Desde a mediados do século XII até mediados do século XIV os produtores são trovadores, cantadeiras, soldadeiras, jograis... A sua nacionalidade depende de quem fale deles. Em geral, podemos dizer que pertencem ao âmbito geográfico da franja ocidental da Península.
6.1. Géneros das cantigas

Os géneros fundamentais segundo a Poética fragmentária ou Arte de Trovar são: 1) Cantigas d’amor: o sujeito lírico é um homem e aparece a palavra senhor. 2) Cantigas d’amigo: o sujeito lírico é uma mulher e aparece a palavra amigo. 3) Cantiga d’escarneo e cantiga de mal dizer: a primeira caracteriza-se por usar palavras cobertas (com dobre sentido) e a segunda por ser mais directa. O que as distingue é um elemento estilístico, não temático, pelo que pode aparecer o nome da pessoa à que se refere numa cantiga d’escarneo.
Outros géneros são:

1) Tenção: cantiga composta por dois trovadores em estrofes alternadas como o mesmo esquema estrófico e métrico-rimático. Satirizam-se ou discutem opiniões contrárias. 2) Cantiga de seguir: são cantigas que imitam outras doutros produtores. 3) Pastorela: encontro entre um cavaleiro e uma pastor num ambiente campestre. Pode ter interferências da cantiga d’amor ou da cantiga d’amigo. 4) Descordo: cantiga que não segue as regras métricas, estróficas e melódicas de estrofe para estrofe. 5) Lais de Bretanha: caracterizam-se pelo seu conteúdo. São traduções e adaptações de lais líricos franceses. 6) Alba: denominação que nalguns manuais se lhe dá a certas cantigas d’amigo nas que os dois amantes se têm de separar ao amanhecer. 7) Cantigas de Santa Maria: cantam a Maria. Há mais de 400 poemas deste tipo, dos quais o 90% são narrativos, mas também os há líricos. As cantigas são textos concebidos para ser cantados, mas a associação texto – poesia só a conservamos no Pergaminho Vindel, no que 6 das 7 cantigas de Martim Codax têm notação musical. No que faz referência à forma, as cantigas podem ser de refrão (geralmente as de amigo) ou de mestria.
2

É mais tardio que o da França e pode ir por separado ou não, segundo a concepção.

4

Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

Master your semester with Scribd & The New York Times

Special offer for students: Only $4.99/month.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Cancel anytime.