1

PRÁTICA III: Ensaio de Filtração
SEGABINAZZI, Andressa; COSTANTIN, Valesca e TOIGO, Elisa Universidade de Caxias do Sul, Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Curso de Engenharia Química Operações Unitárias na Indústria Química I – Profª. Jadna Catafesta

_____________________________________ SEGABINAZZI, COSTANTIN E TOIGO

COSTANTIN E TOIGO . Gás-líquido (ar comprimido) Ar (grau farmaceutico) •Estado de pureza desejado Características da suspensão: •Vazão •Temperatura •Tipo e concentração de sólidos •Granulometria •Heterogeneidade •Forma das partículas 2 METODOLOGIA Pretende-se determinar as características da torta formada durante a filtração de uma suspensão de CaCO3. Para especificar um filtro adequado para determinada aplicação. Válvula solenoide.2 Procedimento Experimental: Após agitar a suspensão vigorosamente. 2. O aparelho de filtração de laboratório mais comum é denominado filtro de Büchner. Nas indústrias de alimentos e bebidas. deve-se considerar diversos fatores associados às características da torta resultante da filtração e da suspensão a ser filtrada. a filtração aparece na produção de suco de frutas. Solução de CaCO3 (100g/L). No fundo do funil. realizar o ensaio de filtração com –dP= 30mmHg e 60mmHg. Como a resistência à passagem pelo meio poroso aumenta no decorrer do tempo. entre outros produtos. Proveta Graduada. E Funil de Buchner: É efetuada com sucção com auxílio de uma trompa de vácuo e Kitassato.2 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO Filtração ou filtragem é um método utilizado para separar sólido de líquido ou fluido que está suspenso. sobre a placa plana perfurada é adaptado o disco de papel filtro molhado.1 Equipamentos e materiais: Bomba de vácuo. óleos vegetais. usa-se um vaso Kitasato conectado a uma bomba de vácuo. Os sistemas de filtração podem ser: • • • • Sólido-líquido (sucos de frutas) Sólido-gás (chaminés). apenas muda a quantidade de material a ser filtrado. Manômetro diferencial de Hg. pela passagem do líquido ou fluido através de um meio permeável capaz de reter as partículas sólidas. Características da torta: •Compressibilidade •Propriedades físico-químicas •Uniformidade _____________________________________ SEGABINAZZI. O líquido é colocado por cima e flui por ação da gravidade e no seu percurso encontra um tecido poroso (um filtro de papel). 2. O princípio da filtração industrial e o do equipamento de laboratório é o mesmo. leite e derivados. Papel Filtro. aderido devido à sucção.

x + b vamos obter o coeficiente angular e o coeficiente linear. 3.10-4kg/m. COSTANTIN E TOIGO . resultou nem um volume de filtrado em um determinado tempo.3 Anotar o volume de filtrado em função do tempo.s v é a velocidade linear em m/s ε é a porosidade da torta L é a espessura da torta em m S0 é a área superficial específica expressa em m2 / m3 ∆Pc é a diferença de pressão na torta N/m2 Se: cs = kg de sólidos/m3 do filtrado.16 x 1013 α= k1 (1 − ε ) S 2 0 ρ pε 3 Para a resistência da tela filtrante podemos usar Equação de Darcy: − ∆p dV = A dt  αc V  µ  s + Rm   A  Observação: Nos anexos são apresentadas as tabelas e gráficos com os dados registrados no experimento.85 mm 4.s w=100g/l dV=20ml Diâmetro do filtro de filtração: 93.CÁLCULOS Em todos os casos práticos de filtração o escoamento é laminar.86. ε3 Onde: k1 é uma constante para partículas de tamanho e forma definida µ é a viscosidade do filtrado em Pa. _____________________________________ SEGABINAZZI. e com esses dois valores conseguimos chegar aos valores das resistência especifica da torta e a resistência da tela do filtrante. Com essas variáveis podemos gerar uma equação da reta (com os valores de volume médio e a media do tempo dividido pela media do volume). Na equação da reta y =a.64 x 1013 Para dP=-30mmHg: α= 2. Com esses resultados conseguimos calcular o volume médio de filtração. a media do tempo dividido pela media do volume. então o balanço será: LA (1 − ε ) ρ p = cs (V + εLA) 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados como Viscosidade= 8. a dt/dV. Onde α é a resistência específica da torta (m/kg) definida como: Para dP=-60mmHg: α= 8.1 Coeficiente Angular pode ser igualado a formula abaixo e encontramos a resistência especifica da torta. onde podemos utilizar a equação de Carman-Kozeny: − ∆pc L = k1 µ v (1 − ε ) 2 S02 A filtração realizada na aula pratica. O Gráfico 1 e Gráfico 2 os resultados demonstram os resultados obtidos para a pratica filtração. a media te tempo.

36 x 109 m-1 Observação: Nos anexos são apresentadas as tabelas e gráficos com os dados registrados no experimento. COSTANTIN E TOIGO . De posse destes valores.2 Coeficiente Linear pode ser igualado a fórmula abaixo e encontramos a resistência específica da torta. 10.4 4.36 x 1010 m-1 Para dP=-30mmHg: RM= 3. Para dP=-60mmHg: RM = 2. Foi possível determinar experimentalmente os coeficientes α e Rm para uma solução de carbonato de cálcio. 670 p. Princípios das operações unitárias. 4 CONCLUSÕES Com base nos valores encontrados no ensaio para volume ao longo do tempo. Alan Shivers et al. Rio de Janeiro: Guanabara Dois. 1982. 5 REFERÊNCIAS FOUST. pudemos construir uma curva considerando o volume médio e a variação do tempo pela variação do volume. 2.ed. _____________________________________ SEGABINAZZI. E assim dimensionar sistemas de filtração maiores. Esta curva linearizada gerou a equação de uma reta. se torna possível realizar o cálculo de tempo de filtração para qualquer processo que utilize essa solução nesta concentração. com essa equação determinamos o valor dos coeficientes angular e linear da reta de ajuste.

00E-05 1.20E-04 1.00E-05 9.00E+05 3.00E-05 ∆θ/∆V 0 1.00E-05 2.00E-05 6.50E-04 1.50E+05 1.00E-05 7.00E-04 1.00E-05 4.50E+06 1.00E-05 3.00E-05 1. COSTANTIN E TOIGO .25E+06 1.50E+05 9.20E+06 Vmed 0 1.00E-05 2.5 6 ANEXOS Tabela 1: apresenta dP=-60mmHg Volume (m³) 0 2.60E-04 1.10E+06 1.00E-05 2.00E-05 2.95E+06 3.70E-04 t(s) 0 2 9 28 50 75 109 139 178 210 ∆θ 0 2 7 19 22 25 34 30 39 32 ∆V 0 2.00E-05 2.00E-05 5.00E-05 2.00E-05 1.00E-05 2.00E-05 8.30E-04 1.10E-04 1.40E-04 1.65E-04 Gráfico 1 apresenta dP=-60mmHg _____________________________________ SEGABINAZZI.70E+06 1.

50E+05 1.35E+06 1.00E-05 2.00E+06 3.00E-05 ∆θ/∆V 0 3.20E+06 3.00E-05 34 6.80E+06 2.6 Tabela2: apresenta dP=-30mmHg Volume (m³) t(s) ∆θ 0 0 2.40E-04 271 1.00E-05 2.00E-05 2.20E-04 207 1.10E-04 1.00E-05 9. COSTANTIN E TOIGO .55E+06 5.50E-04 1.00E-05 2.00E-05 97 1.00E-05 2.00E-05 1.60E-04 342 1.00E-05 2.35E+06 1.00E-05 7 4.00E-05 7.30E-04 1.00E-05 61 8.65E+06 Vmed 0 1.70E-04 Gráfico 2 apresenta dP=-30mmHg _____________________________________ SEGABINAZZI.00E-05 2.00E-05 3.00E-04 147 1.00E-05 5.00E-05 2.50E+06 3.80E-04 455 ∆V 0 7 27 27 36 50 60 64 71 113 0 2.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful