You are on page 1of 5

Rolling Stone – Abril de 2007

Donos de TVs e rádios, parlamentares desrespeitam a Constituição
Pelo menos 80 parlamentares são donos de concessões de rádio e TV, contrariando a onstit!i"ão# omo$
Nas últimas semanas, veio à tona um debate sobre a possibilidade de o governo criar uma rede pública de televisão, com conteúdo independente das influências políticas da vez. A discussão se dá também em torno da proposta de uma rede do oder !"ecutivo, algo #ue seria como uma $oz do %rasil &' (oras por dia no ar, não no rádio, mas em um canal de )$. Nada se falou, no entanto, sobre uma outra rede de emissoras de rádio e )$ *á e"istente, presente praticamente em todo o país, interligada por um fator comum+ são de propriedade de políticos, muitos deles parlamentares da atual legislatura. ,e acordo com o mais recente levantamento, divulgado no final do ano passado, pelo menos um ter-o dos ./ senadores e mais de /01 dos 2/3 deputados federais controlam canais de rádio ou televisão. 4sso poderia ser apenas uma razão de desconfian-a, pela possibilidade de uso político da comunica-ão, se não estivesse escrito na 5onstitui-ão #ue é proibido. 6 Artigo 2' afirma #ue deputados e senadores, a partir do momento em #ue tomam posse, não podem 7firmar ou manter contrato7 ou 7aceitar ou e"ercer cargo, fun-ão ou emprego remunerado7 em empresa concessionária de servi-o público. 8ádios e televis9es são *ustamente isso+ recebem a concessão de uso de uma fai"a do espectro eletromagnético por onde transmitem sua programa-ão. !spectro esse #ue é público, finito e, por isso, regulado pelo !stado. A primeira lin(a do artigo seguinte da 5onstitui-ão, de número 22, diz+ 7 erderá o mandato o deputado ou senador #ue infringir #ual#uer das proibi-9es estabelecidas no artigo anterior7. :ão &; senadores e 23 deputados s<cios ou parentes de proprietários de empresas de comunica-ão concessionárias de servi-o público. !sses parlamentares foram rastreados em um cruzamento de dados realizado pela Agência 8ep<rter :ocial. As bases de dados foram as declara-9es prestadas pelos pr<prios parlamentares aos )ribunais 8egionais !leitorais =)8!s>, a pes#uisa do 4nstituto de !studos e es#uisas em 5omunica-ão =!pcom>, do 8io ?rande do :ul, #ue divulgou uma lista de senadores com parentes donos de emissoras, e uma lista divulgada em &002 pelo soci<logo e doutor em 5omunica-9es da @niversidade de %rasília =@n%>, $enício de Aima, de deputados #ue têm os nomes entre os s<cios de concessionárias, em uma listagem divulgada então pelo Binistério das 5omunica-9es C #ue não está mais no site do governo. Além desses .0 parlamentares, entretanto, muitos outros podem dirigir veículos de comunica-ão sem #ue a sociedade saiba. A dificuldade para descobrir, com precisão, #uantos deles têm concess9es, é grande. Não (á uma lista pública atualizada com os nomes dos s<cios proprietários de rádios e televis9es. !, mesmo #ue (ouvesse, muitos parlamentares colocam as empresas em nome de laran*as, às vezes sem parentesco algum. 5omo é #ue podeD, perguntaria o leitor mais curioso. 6 uso político das concess9es não é recente. 6 livro $ozes da ,emocracia C Eist<rias da 5omunica-ão na 8edemocratiza-ão do %rasil, escrito por 3& *ornalistas de várias partes do país, conta #ue, 7no final do governo Figueiredo =/G;GC/G.2>, (ouve um número e"cessivo de concess9es de canais de rádio e )$ em um curto período. :omente nos últimos dois meses e meio do governo do general Figueiredo (ouve G/ decretos de concess9es. Huase o mesmo número de todo o ano anterior =GG decretos> e mais #ue o total de /G.3 =.0 decretos>. !ntre os privilegiados, as redes de televisão %andeirantes e :%)7. $enício de Aima diz #ue 7até a 5onstitui-ão de /G.. o direito de outorga era e"clusivo do oder !"ecutivo. 6 processo come-ava no Binistério das 5omunica-9es, #ue emitia um ato de outorga, #ue depois era enviado diretamente ao presidente da 8epública, #ue assinava7. ,epois de .., por uma reivindica-ão liderada pela Federa-ão Nacional dos Iornalistas, o poder de outorga passou a ser compartil(ado pela @nião com o oder Aegislativo. 6u se*a, o processo de concessão, (o*e,

$eneza aulista Atda. educativas e )$ a cabo seguem por outros camin(os. C a transferência do !"ecutivo para o Aegislativo do poder de outorga C ainda não se mostrou eficiente. *amais um pedido de renova-ão de concessão ou outorga (avia sido se#uer #uestionado. inclusive. Na 5Jmara. 7Não sabemos como os processos são formados. 6 deputado afirma #ue ser s<cio de rádio não irá interferir em seu trabal(o na comissão.7 6 deputado cita. para rádios comerciaisK comunitárias. ela primeira vez na (ist<ria. para 7analisar as normas de outorga e renova-ão de concessão.epois. então. mas. #uase &0 anos depois. or e"emplo. 5om todos esses processos e burocracia. tem no nome as empresas 8ádio Nova %ebedouro Atda. pai de Iorgin(o e prefeito reeleito = FA> de Ara-atuba =: > com mais de 32 mil votos. !ssa #uestão está sendo tratada como uma verdadeira cai"a fec(ada. mas foram re*eitados pelos deputados Iúlio :emeg(ini = :. Huestionado sobre o Artigo 2' da 5onstitui-ão. ara a re*ei-ão definitiva.7come-a no ministério. . . de acordo com ele. por /2. 6 deputado Iorgin(o BalulM = FAC: > é um deles. BalulM diz #ue conseguiu a rádio antes de se eleger. de forma #ue esse processo se*a transparente e democrático7. )ecnologia. eu dei"o a comissão. serão necessários os votos de dois #uintos dos 2/3 deputados C a aprova-ão ocorre por maioria simples. eu. estamos em um processo de moralidade cada vez maior. (á donos de emissoras... 6s processos (aviam c(egado à 5omissão com pareceres favoráveis dos respectivos relatores. 7!u mesmo ten(o uma pe#uena emissora de rádio.. para #ue ela trabal(e da mel(or maneira possível. no período militar+ 7!"iste até uma corrente. seguirão para vota-ão em plenário. permissão ou autoriza-ão de servi-o de radiodifusão sonora e de sons e imagem7. 6 #ue pareceu ter sido um avan-o na 5onstitui-ão de /G.epois da 5Jmara. para #ue outros colegas decidam se min(a empresa está dentro dos padr9es. para não ter esse vínculo de o parlamentar interferir na concessão de uma empresa do seu interesse7. BalulM é s<cio das rádios 5lube de Birand<polis Atda. @ma rádio recebe concessão para atuar por dez anosK uma )$. diz Iorgin(o. como são definidos.7 Não (á. 7a 5onstitui-ão #uis dar ao Aegislativo poderes de con(ecer o setor e influir nas concess9es. em muitos dos processos analisados faltava a documenta-ão apropriada. segundo o levantamento da pes#uisa 8ep<rter :ocial. 8icardo %arros = C 8>. Iorge BalulM Netto. o processo ainda segue para o :enado. depois vai para o 5ongresso. . Iorge %ittar = )C8I> e $ic ires Franco = FAC%A>. #ue ten(o uma empresa.3 foram re*eitadas. defendida pelo deputado aulo %orn(ausen = FAC:5> para tirar do 5ongresso essa prerrogativa de conceder as outorgas e dei"ar no pr<prio ministério. passam todos os processos7. #ue tem poder terminal sobre a confirma-ão da outorga. 6 #ue não #uer dizer #ue os pedidos não serão aceitos C eles apenas foram re*eitados na comissão. L preciso abrir a cai"a. alguém poderia até imaginar #ue cada concessão é investigada a fundo. Ainda precisam ser analisados pela 55I da 5Jmara. entra na 5omissão de 5iência. . 4sso. previsão de data para a aprecia-ão dos processos na 55I. :egundo o deputado Iorge %ittar. se min(a participa-ão for ter alguma conota-ão de parcialidade. a e"istência de uma proposta para #ue a lei volte a ser como era antes de /G. or lá. se isso vier a interferir no meu trabal(o na comissão. vai para a :ecretaria de 8ela-9es 4nstitucionais. mas. ! mesmo na subcomissão especial. e a )$ :istema Ara-a de 5omunica-ão Atda. resolvemos adotar uma medida enérgica com a reprova-ão de todos os processos. onde passa por comiss9es similares.. 7Ac(o #ue a comissão está avan-ando.iante disso.%C: >. e de lá vai para a 5omissão de 5onstitui-ão e Iusti-a =55I>. 4sso por#ue os pr<prios concessionários estão onde as concess9es são feitas ou renovadas+ um de cada cinco membros da pr<pria 55)54 é s<cio de concess9es públicas de rádio ou televisão. #uais são as prioridades do Binistério das 5omunica-9es. . para s< depois receber a autoriza-ão de funcionamento. 5omunica-ão e 4nformática =55)54>. e 5idade Andradina Atda. entretanto. Auiza !rundina = :%C: >. no entanto. Até dezembro do ano passado. e estou disposto a contribuir para #ue a comissão ten(a imparcialidade e possa cumprir com o seu papel7. eu abro mão. em benefício da democracia e do cidadão. criada em fevereiro de &00. A subcomissão tem feito uma série de audiências para tocar nesse ponto+ se (á um direcionamento ou não..

*á (avia e"ercido o mandato de deputado estadual em ?oiás e era suplente de sua segunda legislatura. 6 senador brasiliense aulo 6ctavio T#ue renunciou ao 5ongresso para assumir a :ecretaria de .7 Aeréia transfere as denúncias para outra fai"a do dial. Na mídia. a 8ádio FB :erra da Besa. ! mesmo antes de . Não podemos misturar os interesses pessoais com os interesses da na-ão7.. A comissão é suprapartidária. você fala diretamente com a popula-ão7. não s< política. Bina-u. 5omo artista. 7Abordava *ornalismo em geral. mas *amais vou usar do meu poder para me beneficiar. or #uêD or#ue tin(am o direito antes da 5onstitui-ão. por meio da mídia #ue possuem. . mas #ue.eputados é 5arlos Alberto Aeréia = :. Na época. 7!"istem estados onde é not<ria a presen-a de políticos no controle das comunica-9es. defende. sim. para #ue os parlamentares não possam usufruir de uma licen-a #ue é pública7. como também polícia e esporte7. na verdade. de divulgar idéias7.%C?6>. Aeréia também se defende dizendo #ue conseguiu a concessão antes de se tornar político. 76 #ue acontece muito (o*e são rádios comunitárias #ue conseguem concessão. divulgado no ano seguinte. em Bina-u. Novato na vida política. o deputado 5arlos Bassa Iúnior = :5C 8>. como parlamentar. conta $enício. Aguiar analisa #ue estar em pro*e-ão na mídia faz. acusa. diz. Admite #ue o 7rádio tem uma intera-ão imediata com o cidadão. por trás das associa-9es têm políticos #ue interferem e usam a rádio7. Aeréia tin(a um programa em sua cidade natal. você tem um espa-o mínimo. 7Não atuo desde /GGP7. Na comissão. não poderia ter sua concessão retirada. 8adialista de origem.7 Além de Iorgin(o BalulM. !m seu livro Bídia./&1 de todas as emissoras de rádio e televisão no %rasil eram controladas por políticos. !stamos avan-ando para a democratiza-ão ainda mais do setor das comunica-9es. nem participarei de vota-9es. )emos na 5onstitui-ão um artigo #ue diz #ue promotor público não pode participar do processo político. Huando (ouver algo do meu interesse. ! assim como aguiar. 7!u sou profissional da área. 4sso é um incoerência. or 7direito ad#uirido7. @m levantamento de /GG'. !le faz #uestão de destacar #ue nunca teve uma concessão pública. e temos deputados #ue são promotores. 7A#ui em %rasília. Be tornei parlamentar agora.esenvolvimento !conRmico e )urismo do . sobretudo regionais e locais. na divisa de ?oiJnia com )ocantins. 7Obvio #ue a arte possibilita meios de se comunicar com a popula-ão muito mais diretamente. dei"ou raízes profundas no país C e essa é uma característica #ue certamente vai e"istir ainda por muitos anos7. 7!stamos analisando as mel(ores formas de restringir isso. diferen-a na (ora da elei-ão. defendeCse. ara o pes#uisador $enício de Aima. outro parlamentar #ue se beneficiou dos meios de comunica-ão para alcan-ar uma vaga na 5Jmara dos . outro parlamentar membro da subcomissão especial da 55)54 #ue analisa as normas para concessão é o deputado FranN Aguiar = )%C: >. 6 resultado é #ue o vínculo entre as comunica-9es e as elites políticas. 4sso e"iste por causa de uma interpreta-ão e#uivocada da lei. (á casos em #ue a mãe do deputado distrital é a dona da rádio C o %runelli. defende. )eoria e olítica. o controle sobre parte do eleitorado. Bas não considera #ue foi favorecido politicamente pelo fato de ser proprietário de uma emissora. indicava #ue 3/. conta. em #ue tin(a um programa. $enício de Aima conta #ue 7e"press9es como Qcoronelismo eletrRnicoQ ou Qcart<rios eletrRnicosQ têm sido fre#Sentemente utilizadas para caracterizar a tentativa de políticos de e"ercer.7!"iste algo #ue se c(ama direito ad#uirido. não é bem assim. mas rodado nos bailes de forr<. 7Eá um impedimento legal. :ão fre#Sentemente mencionados+ nos estados da %a(ia =grupo de Antonio 5arlos Bagal(ães>K Baran(ão =Iosé :arneM>K 8io ?rande do Norte =Aluízio Alves>K :ergipe =Albano Franco e Ioão Alves>K ará =Iader %arbal(o>K 8oraima =4nocêncio 6liveira>K :ão aulo =6restes Huércia> e araná = aulo imentel e Iosé 5arlos Bartinez>7. 5omo o camarada #ue concede a concessão pode também ser o mesmo #ue consegue a concessãoD Eá uma flagrante obscenidade no ato. #ue tem de disputar com outros 2/&. (avia o c<digo das comunica-9es. con(ecido também como 8atin(o Iúnior. FranN Aguiar é suplente de outro comunicador. #ue também impedia isso.istrito FederalU é o latifundiário local de concessão7. onde é con(ecido como o 75ãozin(o dos )eclados7.

A razão foi #ue. considerou #ue a outorga e a renova-ão de concess9es de emissoras públicas ainda são atos políticos e 7de simpatia7. são obrigadas a passar pelos processos do 5ongresso. o fato é #ue até (o*e (á espa-o para utilizar as concess9es como moeda política para a compra de apoios. deputado Auís !duardo Bagal(ães = FAC%A>. pelo menos a !rundina está conseguindo levantar o problema. disse #ue tin(a sido difícil para ele dei"ar de atender às solicita-9es dos amigos7. or e"emplo. de /' membros. sob pena 7de a 5Jmara aprovar concess9es #ue serão posteriormente criticadas pela sociedade7. Iorge da 5un(a Aima. o mesmo decreto #ue estendeu a licita-ão para concess9es de rádios comerciais e"cluiu a necessidade de licita-9es para concess9es de rádios educativas. residente da subcomissão especial da 55)54. Não levam em considera-ão parJmetros científicos e sociais #ue re#uerem uma 7observa-ão profunda7 de elementos *urídicos. a#ueles #ue mereciam a confian-a do ministro e do presidente deveriam gan(ar a concorrência. principal articuladora do c(amado Qgrupo das comunica-9esQ7. !m /GG2. em vez de apenas um. (o*e senador = FAC%A>. 6 pr<prio presidente. Antes. em vez de uma. como foi pra"e no governo :arneM. $enício diz #ue 7s< agora saiu uma regula-ão #ue impede isso. #uando interpelado por rep<rteres para e"plicar por#ue tin(a autorizado #uatro concess9es. Ainda assim..emocracia. !ntre idas e vindas.. embora um s< canal de )$ tivesse sido anunciado para concessão em determinada área geográfica. a deputada Auiza !rundina = :%C: > defende a discussão aberta das concess9es. conforme lembra o livro $ozes da . dados levantados pelo professor $enício de Aima. 4gualmente. técnicos e de conteúdo. :egundo o estudo A Aegisla-ão :obre as 5oncess9es na 8adiodifusão. é um come-o+ 7Na subcomissão. publicado em *ul(o de &00P. 6 assessor de imprensa do Binistério das 5omunica-9es disse publicamente #ue. em setembro de /G. era ministro das 5omunica-9es do governo :arneM durante os debates da nova 5onstitui-ão e um dos grandes interessados em manter o poder da comunica-ão. . !m entrevista à Agência %rasil. dará mais seguran-a para os deputados aprovarem ou negarem a outorga e renova-ão de concess9es às emissoras educativas. &00& e &00P =deputados e senadores eleitos para o #uadriênio &00. 7não causou espanto. avalia $enício de Aima. da pes#uisadora Anita :imis. criada em parceria com a popula-ão e entidades do setor. abriu a possibilidade de #ue retransmissoras virassem geradoras. ara $enício. o parlamento tem sido conivente7. um dos mais atuantes nas #uest9es de comunica-9es no 5ongresso. 8Rmulo $ilar Furtado. Besmo o oder !"ecutivo andou dando *eitin(os para conceder emissoras sem passar pelo 5ongresso. como previsto. por seu fil(o. !sse é o primeiro passo7. o fato de a comissão criada pelo Binistro Antonio 5arlos Bagal(ães.2.C&0/0>. um mês antes da promulga-ão da nova 5onstitui-ão. !ssas concess9es ferem os princípios constitucionais7. 78epresentado na 5onstituinte pelo seu irmão. o presidente da Associa-ão %rasileira das !missoras úblicas !ducativas e 5ulturais =Abepec>.6A6?4A+ 5om base nos dados do )ribunal :uperior !leitoral. afirmou+ 7!sse decreto transforma novamente a concessão de televisão em balcão de neg<cios políticos. #uatro amigos do presidente estavam concorrendo pela concessão. a então deputada 8ita Furtado. o presidente =Iosé :arneM> concedeu #uatro canais. para e"aminar possíveis irregularidades nas concess9es feitas no último período do regime militar. portanto. não causou surpresa a continua-ão e mesmo o aumento do uso de critérios políticos e políticoCeleitorais nas concess9es de rádio e )$. B!)6. ter concluído pela absoluta regularidade de todos os processos. desafinos e c(iados. muitos se beneficiaram com isso+ e"istem no %rasil mais de /0 mil retransmissoras7. Na época. durante o governo de Fernando Eenri#ue 5ardoso. e também pelo então secretárioC geral do Binistério das 5omunica-9es. #ue acompan(ou a vota-ão das novas leis ao lado de sua esposa. na opinião do governo. políticos.Antonio 5arlos Bagal(ães. @m decreto de /GG. no início de outubro de /G. deputado Vngelo Bagal(ães = FAC %A>. o deputado Walter in(eiro = )C%A>. por um processo interno do Binistério das 5omunica-9es. !la disse acreditar #ue uma legisla-ão específica. 7Na mel(or das (ip<teses.

eaN e .aniel Berli são editores da Agência %rasil. Fonte+ 8ep<rter :ocial. e não declarados em &00P aos )8!s. e não declarados em &00P aos )8!s. membros do 5oletivo 4ntervozes de 5omunica-ão :ocial e dois dos autores do livro reportagem $ozes da . com base na lista do Binistério das 5omunica-9es. em &002. $enício de Aima =.ezX&00P> André . !pcom.da @n%. conforme dados do Binistério das 5omunica-9es.emocracia C A Eist<ria da 5omunica-ão na 8edemocratiza-ão do %rasil . em &002. dados levantados pelo 4nstituto de !studos e es#uisas em 5omunica-ão =!pcom>.