You are on page 1of 12

História dos Avivamentos

Profª. Carla Siciliani Márcio Giovane Rosa Araujo

Avivamento em Uganda
A obra do pastor John Mulinde

Sumário
Avivamento em Uganda ......................................................................................................................................... 3 A obra do pastor John Mulinde ...................................................................................................................... 3 A fé Anglicana em Uganda que influenciou John Mulinde: Simeoni Nsibambi [1897-1978]. (Movimento Balokole)........................................................................................................................................................ 4 Mapas ................................................................................................................................................................... 5 World Trumpet Mission - WTM .............................................................................................................................. 6 O chamado da WTM ...................................................................................................................................... 6 Nossa missão ................................................................................................................................................. 6 Qual é a justificação para esta missão ? .......................................................................................................... 6 Visão da WTM ................................................................................................................................................ 6 O que nos obriga a fazer o que fazemos ? ...................................................................................................... 7 Quais são os temas da nossa missão ? ............................................................................................................ 7 Qual é o mandato da WTM ? .......................................................................................................................... 7 Estudo de Caso: Uganda, símbolo de transformação .............................................................................................. 8 Conclusão ............................................................................................................................................................ 11 BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................................... 12

Avivamento em Uganda - página 2

Avivamento em Uganda
A obra do pastor John Mulinde

O pastor John Mulinde, 50 anos, é o Diretor-Fundador e presidente da “World Trumpet Mission” - WTM, uma organização orientada para a renovação missionária, com sede em Kampala, Uganda na África (vide figura 1). Ele é um pregador bastante procurado devido a sua temática no púlpito acerca de oração, renascimento e transformação da comunidade. Aparece entre os principais líderes nacionais que têm desempenhado um papel fundamental na transformação de Uganda e na luta da Igreja contra a AIDS. John Mulinde também é o fundador do “Sermão da Montanha Para Todas as Nações”, um retiro de 100 acres numa encosta perto de Kampala (capital de Uganda), dedicada e com o propósito de jejuar e orar por todas as nações. É o idealizador do “AfriCamp” – local de reuniões anuais no campo, agrupando milhares de fiéis e líderes de todo o mundo. Ainda também é o fundador da “Timothy Camp”, que reúne anualmente jovens de todo o mundo para a renovação e suporte espiritual. Seu ministério também inclui o “Trumpet Aid”, uma organização humanitária criada para cuidar de crianças pobres, especialmente dos órfãos com AIDS e das crianças de rua. John Mulinde é membro do Conselho Internacional de Anciãos de Jerusalém , casa de oração para todas as nações, liderado por Tom Hess. Além disso, ele atua no Conselho Nacional do Fórum da Juventude de Uganda liderado pela primeira-dama de Uganda, Janet Museveni. Em adição, Mulinde também é o chefe da Iniciativa Missionária da África, que treina trabalhadores em missão africana para ir para as nações com a visão de transformação. Na vida pessoal, até a data de pesquisa deste trabalho em outubro de 2013, John Mulinde é pai de nove filhos, sendo casado com Sheila Mulinde. Sua falecida esposa, Prossy, foi descansar no Senhor, desde 2000 [UCT13].

Avivamento em Uganda - página 3

A fé Anglicana em Uganda que influenciou John Mulinde: Simeoni Nsibambi [1897-1978]. (Movimento Balokole)

Simeoni Nsibambi nasceu e foi criado em Buloba na região de Busiro, em Uganda (vide figura 2). Ainda muito jovem demonstrava grandes qualidades, tanto que seu pai Walusimbi Kimanje, um chefe em Wakiso o nomeou seu sucessor apesar de ele não ser o filho mais velho. Foi educado na Escola Secundária Mengo e na Escola do Rei de Budo, onde acabou sendo o diretor. Uganda à época, sendo um protetorado britânico, envolveu-se na Primeira Guerra Mundial e Simeoni entrou para o Corpo Médico Nativo Africano. Foi condecorado pelos seus serviços. Em 1920 foi nomeado o Oficial Chefe de Saúde no governo de Kabaka. Ele era um líder natural, e entre as suas realizações fora: cantor, artista, jogador de futebol e lutador. Durante o tempo de serviço na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), Simeoni se conscientizou da dimensão espiritual da sua vida, e em 1922 se tornou um cristão comprometido. Ele rapidamente começou a demonstrar a preocupação pelas questões sociais que presenciava em sua volta e pela corrupção que ele sentia que invadia a Igreja de Uganda, da qual ele se tornou um membro ativo. Em 1951 casou-se com Eva Bakaluba, filha mais velha de Erasto Bakaluba, um cristão fervoroso e funcionário do Colégio do Rei em Budo. Simeoni e Eva tiveram doze filhos. O testemunho da sua família, especialmente a excelente reputação de Eva, foi um modelo para a sua geração. Ele generosamente recebia seus colegas e visitantes de todas as nacionalidades e origens étnicas. Uma reunião em 1929 entre Simeoni e o Dr. Joe Church, um missionário que trabalhava em Ruanda foi um ponto decisivo na vida deles e que o fez emerger como o precursor do Avivamento do Leste da África. Simeoni renunciou ao seu cargo no governo e devotou a sua vida a ganhar pessoas para Jesus Cristo. Ele era membro do grupo que liderou a convenção em Kabale (vide figura 2), Uganda, em setembro de 1935. Isto freqüentemente é considerado como o primeiro e maior evento de Avivamento do Leste da África, o qual transformou o Cristianismo no Leste da África nos próximos vinte anos. Apesar de não ser um orador eloqüente, sua pregação era tranqüila e profunda, onde muitas vezes provocou notáveis manifestações do Espírito Santo entre os ouvintes. A sua mansa e penetrante compreensão das pessoas e a sua profunda experiência cristã era uma inspiração para muitos nesta época. Ele compartilhava liderança das missões e das convenções na Uganda e no Quênia. Muitos procuravam o seu conselho. A sua sabedoria provinha de grandes habilidades intelectuais, a sua vasta leitura de livros cristãos e de sua caminhada junto com Deus. Em maio de 1941 ele adoeceu e daí em diante permaneceu confinado na sua casa. Desde sua casa, pelos trinta e sete anos restantes da sua vida, continuou a influenciar o curso do Avivamento . Seus muitos visitantes eram um tributo pelo seu amor às pessoas, sem importar a nacionalidade, e a sua preocupação pelo seu bem estar tanto físico quanto espiritual [DBC13].

Avivamento em Uganda - página 4

Mapas
Figura 1: Mapa da África – Uganda capital Kampala – a igreja WTM em oração pelo mundo.

Figura 2: Detalhe da localização da capital Kampala e das cidades de Buloba (20Km de Kampala) e de Kabale (400Km de Kampala) em Uganda.

Avivamento em Uganda - página 5

World Trumpet Mission - WTM
O chamado da WTM “Fomos chamados para provocar o povo de Deus em se preparar para o Dia do Senhor e terminar o trabalho da Grande Comissão.” [WTM13]. Nossa missão A igreja fundada em 1988 por John Mulinde, a World Trumpet Mission - WTM - teve suas raízes nas selvas de Uganda, onde nasceu o movimento de oração durante as ditaduras opressoras de governo (Idi Amin), que por conseguinte levou a transformação de toda a nação. A WTM cresceu para ser um ministério interdenominacional e internacional, com uma missão global e mandato para "tocar a trombeta" do iminente Dia do Senhor, com o objetivo de despertar e equipar as igrejas, provocando-as para concluir a missão de Cristo em todas as nações. Qual é a justificação para esta missão ? a. O Dia iminente do Senhor com as provações e armadilhas dos últimos dias. b. O Estado e males das nações sob a escuridão sufocante cobrindo a sociedade humana em todos os lugares. c. O estado lastimável da Igreja, que está em sono em muitas partes do mundo. d. Agenda do fim dos tempos de Deus. e. Terremotos globais – Hb 12:12 e Jl 3:14. f. Fim do tempo de derramamento do Espírito Santo em todo o mundo - Jl 2:28. g. Fim do tempo do exército de Deus para reunir e trazer a colheita - Jl 2:1-2; 3:9-14. Visão da WTM Nossa visão é para ver "Todas as nações discipuladas e da igreja mundial preparada para o Dia do Senhor.”. As nações são grupos de pessoas com identidade e destino comuns. Essa identidade é classificada de acordo com:

a. b. c. d.

O território comum. A linguagem comum. A etnia comum. A demografia comum.

Igreja Mundial é a comunidade universal dos crentes em Jesus Cristo, em todas as suas diferentes denominações e campos de fé. É com base no entendimento de que o Corpo de Cristo é um só, independentemente de: a. Diferenças no estilo de adoração. b. Ênfases doutrinários. c . Interpretações bíblicas. d . Mesmo grau de erro ou deficiências (Jo 10:16).

Avivamento em Uganda - página 6

O que nos obriga a fazer o que fazemos ? A consciência de que a hora é tardia e que a cada momento alguém está cruzando a linha de não retorno, além do arrependimento, em um caminho de destruição que vai roubá-los da herança eterna. Estamos, portanto, obrigados a um estilo de vida: • Missões para chegar até o povo de Deus de todas as maneiras possíveis, para ganhar almas que precisam ser ganhas para Cristo, e para vivificar aqueles que nEle tem crescido mornamente. • A oração, intercessão e súplica para que o Espírito Santo seja derramado para reanimar o povo de Deus e fazer avançar a vontade de Deus Unido. • A guerra espiritual, lutando contra as forças das trevas que possuem pessoas e territórios em cativeiro, a fim de libertar os cativos. • Doar e doar-se generosamente para missões e para o Evangelho, sabendo-se que tudo o que temos é para cumprir os propósitos de Deus: a hora vem, e é quando todos vão perder o conceito de valor ! Quais são os temas da nossa missão ? • Despertar através da evangelização e de renovação espiritual. • Equipar através da formação, discipulado e aconselhamento. • Provocar ao destino - a partir de indivíduos para todos indivíduos: a nível de destino dentro das empresas, em todos os dados demográficos e em todas as esferas de sociedade. Qual é o mandato da WTM ? Nosso mandato é global! O Senhor enviou-nos principalmente para o Corpo de Cristo em todo o mundo (para despertar, equipar e provocar aos cristãos em destino) e, em seguida, para as nações, onde atuamos com o resto do Corpo de Cristo no discipulado destas (Mt 28:18-20). Ambas as abordagens são para preparar o caminho da volta do Rei [WTM13].

Avivamento em Uganda - página 7

Estudo de Caso: Uganda, símbolo de transformação
Em entrevista, o pastor John Mulinde revela todos os segredos da transformação ocorrida em Uganda O 14º Congresso de Louvor e Adoração do Diante do Trono (dias 28, 29 e 30 março de 2013 na EXPOMINAS – Belo Horizonte/MG) trouxe um preletor que tem feito diferença em seu país - Uganda. Seu testemunho ficou conhecido em todo o mundo por meio de um documentário chamado “Transformação”, que registra mudanças operadas por Deus em muitas nações. Uganda foi transformada pelo poder de Deus e John Mulinde foi um dos líderes que Deus usou para unir a Igreja e mudar o país. É a segunda vez que ele vem à Igreja Batista da Lagoinha. A primeira foi em 2011 no congresso de pastores. O pastor e doutor John Mulinde, 50, nasceu, cresceu e mora em Kampala, Uganda, de onde tem viajado para conferências internacionais, e fala três línguas fluentemente. É casado, tem 9 filhos (6 biológicos e 3 adotados), e pertence à igreja World Trumpet Mission. John nasceu numa família católica muito devota e, perto dos 20 anos, encontrou a salvação. Em entrevista exclusiva a Atos Hoje, John Mulinde conta a história de como aconteceu a transformação de seu país: de nação islâmica a nação cristã [LAG13]. Lagoinha.com: Como aconteceu a sua conversão? John Mulinde: Desde garoto eu gosto de ler. Certo dia, não tinha um livro para ler, então, fui visitar minha irmã, e lá achei um livro intitulado “Nove horas da manhã”, de Dennis Benet, um líder episcopal nos EUA. Li todo o livro em uma única noite e minha vida foi mudada. O livro é a história de como o Espírito Santo agia no meio do povo, batizava com o Espírito Santo e as pessoas falavam outras línguas. Eu jamais tinha ouvido falar disso e não imaginava que Deus poderia agir dessa forma nos tempos atuais. Então, orei: “Deus, se isso serve para os nossos dias eu quero. Eu pago o que for necessário para ter isso”. Um mês depois, houve uma reunião na cidade onde as pessoas adoravam em línguas estranhas, e eu novamente falei com Deus que, se aquilo fosse real, eu também queria. Eu disse: “Deus, eu não preciso de milagre, cura, riquezas, eu só quero ser salvo. Se o Senhor for real muda-me em sete dias. Se nada acontecer nesse tempo, eu nunca mais voltarei ao Senhor”. Dois dias depois, fui para a universidade onde um aluno me confrontou perguntando: “Você é salvo?”. Diante da negativa, ele passou a pregar para mim. Como estava atrasado para aula, o único jeito de me livrar daquele rapaz foi aceitando a Jesus. Nesse momento me lembrei do livro que dizia que, quando uma pessoa aceitava a Jesus ela sentia alegria e um calor diferente. Por isso, resolvi tentar. Orei genuinamente, mas nada mudou. Concluí que Jesus não era real. Entretanto, ao voltar para o meu escritório, escutei um estrondo e uma voz falou comigo dizendo: “Acredite que você está salvo e você será salvo.”. Isso aconteceu quatro vezes, então me rendi e me entreguei verdadeiramente ao Senhor Jesus. Lagoinha.com: Antes de entendermos a transformação realizada em Uganda, gostaríamos de entender o país sob a sua ótica. Jonh Mulinde: Uganda é uma democracia com 34 milhões de habitantes que falam inglês e lugande, mas temos 52 tribos com 48 diferentes línguas. Temos presidente, primeiro ministro, parlamento, mas também temos reis que lideram diferentes regiões. Uganda é um país unitário, não tem estados, mas temos um movimento acontecendo pelos últimos 10 a 15 anos, em que 5 países querem se juntar – Uganda, Quênia, Tanzânia, Luanda e Burundi. Penso que nos próximos 5 anos vamos nos juntar. Uganda faz parte do que os historiadores chamam de útero da África, porque a maioria da população africana
Avivamento em Uganda - página 8

saiu daquela região e se espalhou pelo continente. É considerada a parte negra da África, com grande presença de macumbaria, feitiçaria e outras forças espirituais. Quando o Evangelho chegou foi uma luta tremenda, mas 10 anos depois, tínhamos muitas pessoas convertidas e outras totalmente contra o evangelho, o que ocasionou conflitos que levaram o rei a decidir que os cristãos deveriam renunciar a fé, caso contrário, seriam mortos. Até jovens no palácio do rei não renunciaram a fé e foram mortos, ficando famosos em Uganda. Isso foi benéfico para a expansão do Evangelho em Uganda, que se tornou o centro do avivamento na África, em 1935, chegando até a África do Sul. Missionários saíam de Uganda para a Europa, Austrália e Canadá. Até os anos 60, a igreja católica era forte. Entre 1971 e 1979, tivemos um presidente militar chamado Idi Amin, que baniu as igrejas cristãs e declarou o país como sendo islâmico. Depois de 8 anos de reinado de Idi Amin, Uganda saiu de 3% para 11% de mulçumanos. Idi Amin perseguia as igrejas e matava os seus líderes. Muitas pessoas se convertiam ao Islã por que o governo as ajudava com dinheiro, trabalho, privilégios em todos os sentidos. Se você fosse cristão, não podia trabalhar e tudo mais. Foi um tempo difícil. Durante esses 8 anos, a igreja começou a orar muito, não nos prédios das igrejas, porque eles foram fechados. Se orasse em casa, o governo prendia, por isso, o povo começou a se reunir nas florestas, pela madrugada. Mesmo assim, muitos foram presos e mortos, mas foi justamente nesse tempo que a igreja viveu uma unção tremenda que se espalhou pela nação. Quando Idi Amin saiu do poder, tudo foi voltando ao normal, o país foi melhorando, então o nível de oração diminuiu. A conseqüência foi que, devagar, voltávamos a ter confusão, discórdia, ditadura, abuso de direitos humanos, e etc. Estava se formando um caos. Mas a igreja acordou novamente e voltou a orar fervorosamente. Nessa época, a presença de Deus foi tão forte que era visível aos olhos humanos. Era como uma fumaça que tomava conta das igrejas. Você via as pessoas orando, mas não conseguia ver a parte de cima dos seus corpos. Houve uma onda de milagres e curas em todas as igrejas – tradicionais, pentecostais e carismáticas. Lagoinha.com: Alguém ou alguma igreja coordenou ou organizou esse movimento? Jonh Mulinde: Não. Foi um mover de Deus. Depois de um tempo começamos a ver as igrejas crescendo, milagres acontecendo, a nação começou a ser curada. Então, veio um segundo período, um movimento um pouco mais organizado entre as igrejas, quando Deus começou a colocar em nosso coração o destino de nossa nação, não orando somente pelos problemas que estávamos vivendo, mas também pelos propósitos que Deus tinha para nós. Já tivemos um movimento no país de oração pela AIDS, um problema que estava destruindo nosso povo. Foi somente quando Deus começou a falar sobre o destino da nação que começamos a fazer um movimento organizado, indo de Norte ao Sul, Leste a Oeste e construindo altares de adoração ao Senhor em toda a nação. Falávamos às pessoas para que construíssem altares em suas casas, igrejas e empresas.

Avivamento em Uganda - página 9

Lagoinha.com: Vocês usaram muita mídia, TV, rádio, durante o movimento de avivamento? John Mulinde: De fato, não. Houve um tempo que tínhamos alguns programas de rádio, mas foram dirigidos para que pregassem somente o Catolicismo e o Islamismo. Com o tempo, o governo abriu outras mídias, mas eram mídias podres, de linguagem obscena. Por isso, decidimos banir essas rádios de nossas casas. Mas percebemos que nossos filhos estavam escutando essas rádios nas escolas, então, começamos a orar pedindo a Deus que nos desse a mídia. Em seis meses, a primeira rádio evangélica foi aberta, depois a primeira TV. Hoje, somos 150 rádios e não existe uma sequer que não tenha programas evangélicos todos os dias. O gosto da população mudou. Quem quiser alcançar o povo terá que colocar música gospel e apresentar programas gospel. Todas as TVs têm programas gospel. Nós não dominamos a mídia, mas ela está trabalhando para Deus. Lagoinha.com: Em resumo, quais seriam os segredos dessa transformação? John Mulinde: Penso que são vários: buscar a Deus por meio da oração, jejum, buscando o Espírito Santo, realizar uma guerra espiritual com estratégias, trabalhar por territórios, libertando cidades, buscar unidade do Corpo de Cristo, porque sem unidade você diminui sua autoridade no mundo espiritual. Quando igrejas caminham juntas a autoridade aumenta e elas podem entrar no governo, no mercado, na mídia, nas escolas. Foi no segundo momento de oração, quando Deus falava sobre o destino da nação, que começamos a entrar no parlamento, palácios e firmar altares de oração em todos os ministérios do governo. Então, começamos a ver muitos governantes e celebridades, como cantores, atores, se rendendo a Jesus. Muitos e muitos líderes mulçumanos se renderam a Jesus, não sei se vocês conhecem, mas há outro pastor com o mesmo nome que tenho, Mulinde, que hoje está em tratamento médico em Israel porque jogaram ácido na face dele. Esse pastor foi usado para alcançar milhares de líderes mulçumanos. Oficialmente, hoje, o país - Uganda - tem 12% a 13% de mulçumanos e 86% de cristãos, incluindo a Igreja Católica. Lagoinha.com: Em quanto tempo aconteceu esse avivamento? John Mulinde: Desde o tempo de Idi Amin, em torno de 30 anos. Mas mesmo hoje tem muita coisa acontecendo em Uganda. A BBC, a TBN, e outras empresas seculares têm feito documentários sobre a transformação em Uganda. Eu diria que a transformação está acontecendo no tempo presente. Estamos vivendo mudanças em todos os setores da vida em Uganda. Quase tudo está melhorando. Em 1986, Uganda tinha menos de 15 fábricas em todo o país. Tudo estava em ruínas, quebrado, destruído. Atualmente, estamos crescendo 6,6% ao ano, o que tem sido consistente nos últimos 20 anos [LAG13].

Avivamento em Uganda - página 10

Conclusão
O trabalho de avivamento do pastor John Mulinde em Uganda, influenciado por seu conterrâneo de fé anglicana e também avivalista Simeoni Nsibambi (1935), não foi diferente dos demais avivamentos registrados na história. Como testemunhou Mulinde, tudo começou por oração: antes, durante e depois do período repressivo onde era proibido ser cristão (1971-1979) na época da ditadura de Idi Amin Dada. A razão política não conteve a fé cristã. Muitos cristãos foram massacrados e mortos na busca pelo Espírito Santo na época da perseguição. Assim, provou-se que a persistência na oração foi e é a base do movimento de transformação contínua em Uganda, largamente demonstrada no trabalho da igreja World Trumpet Mission. Claro está que, quando os cristãos de Uganda começaram a orar mais e a jejuar, de todo o coração e de todo o seu entendimento, houve um mover do Espírito Santo. Os demônios da repressão e os de toda sorte em apologia à morte começaram a serem expulsos de vidas em nome do Senhor. Assim, caiu o governo perseguidor e repressivo aos cristãos. Houve a paz. Porém, persistiam (e vão persistir) outros problemas, porém agora não mais longe da graça de Deus, dos ensinamentos de Jesus Cristo e da ação do Espírito Santo no combate a esses. Também testificado por Mulinde, Deus respondeu com a liberdade. Paz aos que dEle buscavam. Vencido o inimigo no poder, o desafio era o combate à enfermidade grave: a AIDS, principalmente em crianças e em órfãos desprovidos de recursos. A fome e o desemprego também eram (e são) vetores de destruição da população ugandense. Tornou-se necessário a ajuda de todos para resolver o problema local. Os irmãos em Cristo de Uganda dedicaram-se muito a oração e ao jejum. Houve um clamor a Deus por mais almas a serem salvas, e uma súplica por mais obreiros nessa seara para ajudar aos mais necessitados física e espiritualmente. E Deus respondeu operando curas, milagres, suprindo Ele com alimentos e levantando mais obreiros em socorro. Deus ergueu uma geração cheia do Espírito Santo, acompanhada de todo tipo de bênçãos. Mulinde, sem ser batizado pelo Espírito Santo, testificou o falar em línguas e em línguas estrangeiras daqueles que estavam em suas pregações e, mais tarde, maravilhado e pedindo a Deus tais dons, também pode falar e entender o poder que Deus havia concedido a cada um, conforme o chamado, sendo também batizado pelo Espírito Santo. Da parte de Mulinde houve sim um primeiro agir na fé. E como ele mesmo afirmou, tudo começou em oração em locais que eram possíveis de se orar a Deus – na floresta – durante um período de repressão ao evangelismo. Vencidos oito anos de ditadura e massacre aos cristãos, a liberdade concedida por Deus produziu paz e o direito de criar-se novas igrejas evangélicas sem haver, então, novas perseguições. Não foi obra política, mas do agir do Espírito Santo. Mais tarde Mulinde seria também batizado no Espírito Santo. O trabalho de John Mulinde não terminou com a vinda do período de paz. Logo em seguida houve a luta contra a fome e a AIDS em todas as idades; a preocupação com novos jovens se convertendo ao evangelho; a necessidade da evangelização de dirigentes (líderes de empresas e de Estado) e principalmente a preocupação com a evangelização de todas as nações. Hoje, o reconhecimento do trabalho avivalista de John Mulinde, não só está na manutenção dos novos cristãos discipulados na Palavra que oram e jejuam continuamente, como também no crescimento desta seara cristã além dos limites físicos de Uganda, quando do envio de novos missionários ugandenses a todas as nações do mundo. Que exemplo. Que assim seja e glória a Deus !

Avivamento em Uganda - página 11

BIBLIOGRAFIA

[DBC13]

Dicionário de Biografias Cristãs da África. 2013. http://www.dacb.org/portuguese/pstories/uganda/p-nsibambi_simeoni.html Site da lagoinha. Publicado às 08:00 hs do dia 07/04/2013. http://www.lagoinha.com/ibl-noticia/uganda-simbolo-de-transformacao United Caribbean Trust. 2013. http://www.unitedcaribbean.com/johnmulinde.html World Trumpet Mission. 2013. http://www.worldtrumpet.com

[LAG13]

[UCT13]

[WTM13]

Avivamento em Uganda - página 12