REPRESENTAÇÃO ESPACIAL E DIALOGISMO: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AS REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS DAS CRIANÇAS ATRAVÉS DOS DESENHOS

Bruno Muniz Figueiredo Costa Universidade Federal Fluminense RESUMO Os desenhos têm sido muito utilizados em vários trabalhos acadêmicos para tratar a dimensão espacial das crianças. As principais correntes interpretativas destas representações têm crescido e desenvolvido diversas metodologias de trabalho. Este artigo é fruto do reencontro com uma pesquisa de graduação em Geografia, onde busquei uma nova metodologia para trabalhar a interpretação das representações espaciais das crianças pelos desenhos. Após um período de afastamento e algum aprofundamento teórico advindo do desenvolvimento de minha pesquisa no programa de mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense, retorno à pesquisa em questão com algum desvelamento e auto-crítica Muitos estudos que se dizem qualitativos vêm defendendo a valorização do olhar dos sujeitos de pesquisa, dando-lhes voz. No entanto, quando estes sujeitos são crianças, esta voz nem sempre é ouvida, o que aponta para a falta de reconhecimento de sua autonomia como sujeitos. Ainda mesmo que suas vozes sejam ouvidas, nem sempre são problematizadas. Qualquer representação é portadora de um discurso, mesmo que não-verbal. A isto, obviamente, somam-se as representações espaciais que, nesta perspectiva, são elementos de linguagem. Considerando o exposto, se crianças realizam representações, são sujeitos da linguagem. Sim, além de sujeitos que constroem suas geografias e histórias, as crianças também são sujeitos da linguagem. Apesar da etimologia da palavra infante – infans – estar relacionada àquele que não fala, as crianças estão inseridas e interagem socialmente. Portanto, produzem enunciados e são sujeitos ativos de linguagem. E se para Bakhtin a utilização da linguagem é uma marca cultural, as crianças são, também, produtoras de cultura. Na pesquisa em questão, busquei uma perspectiva qualitativa, que valorizasse o olhar das crianças através de suas representações espaciais. No entanto, a interpretação dos desenhos foi exclusivamente minha, o pesquisador, sem consultar ou ouvir o que os autores das representações pensavam das mesmas. Esta é uma condição historicamente comum quando tratamos de crianças. A visão adultocêntrica, vertical, chega a ser autoritária. Porém, uma pesquisa qualitativa que não considera o dialogismo está ligada à idéia de reificação do homem e os sujeitos passam a ser enxergados não como tais, mas como objetos de pesquisa. Desta forma, este texto parte do reconhecimento das crianças como sujeitos ativos. Portanto, construtoras do espaço geográfico pelas interações que estabelecem com o mundo adulto e com seus pares. Estas interações permitem a produção das representações espaciais das crianças, que portam determinado discurso. E este discurso, numa perspectiva dialógica, deve ser interpretado pelo pesquisador com as crianças, e não para elas, uma vez que são autoras de suas próprias representações.

Palavras-chave: crianças, geografia da infância, representações espaciais. Forma de apresentação: oral

CRIANÇAS E SUAS LINGUAGENS: ALGUMAS APROXIMAÇÕES AO PENSAMENTO DE BAKHTIN

“Antes de mais nada, seria preciso tomas várias providências. A mais urgente delas era a respeito de nossa linguagem cifrada, pela qual obrigatoriamente nos comunicávamos: - Nãopão popodepemospôs fapalarpar maispais napa linpinguapá dopô pepê. Opô Gerpersonpon sapabepê fapalarpar nepessapá linpinguapá. Hopojepê epelepê enpentependeupeu tupudopô quepe fapaleipei nopô tepelepefoponepê. Pela manhã eu tinha telefonado para a agente Anairam, convocando-a para a reunião. Em geral, quando tínhamos assunto mais longo para falar, usávamos nosso telefone privado, feito de um barbante passado por cima do muro e tendo em cada extremidade a parte de dentro de uma caixa de fósforos. Usávamos então a linguagem comum mesmo, que mal conseguíamos escutar. Não dava para usar a língua do pê, como em nossas conversas no telefone de verdade, que estavam correndo o risco de ser ouvidas e entendidas pelo Gerson. Propus aos demais que dali por diante a nossa língua oficial passasse a ser o alemão: - Aus, énter, ínter, ómber, úfter. Sómber vaus-mosómber faus-laus aus-sínter.” Fernando Sabino

Para tentar algumas reflexões acerca destas questões, aproximo a Sociologia da Infância e a Filosofia da Linguagem. Analisar os processos das crianças à luz de Mikhail Bakhtin é um exercício desafiador que garante forte subsídio teórico para a discussão acerca do trabalho com desenhos, pois seu interesse é compreender o humano a partir da linguagem. Apresenta a linguagem como um campo de disputas de visões de mundo, de acordo com trajetórias individuais, mas que se interpenetram e se compartilham. Desta forma, discuto a dimensão alteritária e dialógica da interação entre os sujeitos, a fundação de suas consciências e a composição de suas culturas. Desta maneira, apoiado em Bakhtin, tento resolver algumas de minhas inquietações sobre as crianças e suas infâncias. Movido pela valiosa e instigante obra deste autor, vejo o desvelamento ocorrer a cada página de estudos, aumentando minhas esperanças de contribuir para uma condição mais justa para as crianças numa sociedade que naturaliza um modelo de incompletude e défcit para representar estes sujeitos. Em uma de suas principais obras, Bakhtin / Voloshinov (1995, p. 14) destacam o caráter social da linguagem, que surge da necessidade de comunicação ligada às estruturas sociais. Assim, não procura uma abordagem da linguagem por sua forma ou estrutura, mas por ser articuladora, por excelência, das relações humanas. É através de sua função mediadora das relações sociais que a linguagem contribui para os processos de subjetivação, criando significados e fundando consciências. Estas se estabelecem através de signos construídos nas interações sociais de grupos organizados. O signo é produto ideológico por estar inserido em uma realidade, mas refletir / refratar uma outra. A afirmação da consciência de um indivíduo só pode existir a partir da materialização dos signos. Minha compreensão das coisas ocorre quando aproximo os novos signos aos já conhecidos. Assim, pelas interações sociais, a cadeia ideológica vai se estabelecendo interligando as consciências individuais. Bakhtin não trabalha a ideologia como algo já dado, nem como exclusivamente subjetivo. Voloshinov (apud Miotello, 2005. p.169) exprime isto quando afirma que

“Por ideologia entendemos todo o conjunto dos reflexos e das interpretações da realidade social e natural que tem lugar no cérebro do homem e se expressa por meio de palavras […] ou outras formas sígnicas”.

O Círculo de Bakhtin parte do conceito de ideologia abordado pelo marxismo “oficial” e o reconstrói, em parte, pela concepção de ideologia do cotidiano. “A ideologia do cotidiano é considerada como a que brota e é constituída nos encontros casuais e fortuitos, no lugar do nascedouro dos sistemas de referência, na proximidade social com as condições de produção e reprodução da vida”. (Op. cit. p. 169) Desta forma, a aceitação de que o psiquismo é individual e a ideologia é social é um engano. Qualquer sujeito é sócio-ideológico. O conteúdo do psiquismo individual é social e a própria consciência do sujeito como tal é ideológica. Fica estabelecido, então, o fenômeno da linguagem: o encontro entre um emissor e um receptor inseridos em um meio social a constituem. Não pode ser vista como um fenômeno dado, mas como uma constante construção que acompanha a evolução social. “Lo que hemos expuesto basta para convencerse de que el lenguaje no es un don divino ni un regalo de la naturaleza. Es el producto de la actividad humana colectiva, y refleja en todos sus elementos tanto la organización económica como la sociopolítica de la sociedad que lo há generado (grifo do autor)”. (Bakhtin, M. 1993. p. 227) Para buscar a compreensão de sua ação mediadora, entretanto, creio que ainda seja necessário aprofundar em algumas discussões. Para as Ciências Humanas, o pensamento nasce do pensamento do outro. Ao tomar o dialogismo como um dos pilares de seu pensamento, Bakhtin assume uma postura de concordância com o exposto, ou seja, as interações sociais ocorrendo nos encontros estabelecidos entre os enunciados. É importante lembrar que na interação dos discursos entre autor-receptor não estão presentes apenas as suas vozes. Ao contrário, Bakhtin considera para a constituição dos enunciados e estabelecimento dos discursos a história de cada um dos sujeitos participantes, que também compõe a situação. Desta forma, cada indivíduo é autor e traz múltiplas vozes que compõem seu enunciado. A isto, Bakhtin denomina polifonia. “A polifonia se define pela convivência e pela interação em um mesmo espaço do romance, de uma multiplicidade de vozes e consciências independentes e imiscíveis, vozes plenivalentes e consciências eqüipolentes, todas representantes de um determinado universo e marcadas pelas peculiaridades desse universo. Essas vozes e consciências não são objeto do discurso do autor, são sujeitos de seus próprios discursos. […]. Essas vozes possuem independência excepcional na estrutura da obra, é como se soassem ao lado da palavra do autor, combinando-se com ela e com as vozes de outras personagens.” (BEZERRA, 2005. p. 194) É esta multiplicidade de vozes que atua na interação dos discursos e na constituição dos sujeitos. Obviamente, todo este pluralismo dialógico e polifônico é conflituoso, pois os lugares sociais de onde partem os enunciados não são simétricos (AMORIM, 2003. p. 13). Esta situação de conflitos desperta vozes e resistências, gerando múltiplas vozes e consciências (BEZERRA, 2005. p. 193). Daí a importância do outro pela enunciação. Eu me constituo pelo outro, pois é no outro que está o meu íntimo e é o outro que reflete o meu eu. Conviver com o outro é enxergar-me na diferença:

“O espelho, são muitos. E ainda que devolvam, bons ou maus, favorecendo ou detraindo, imagens que vemos, resta a pergunta: como somos, no visível? Somente o outro pode dizer e os outros são nossos espelhos muitos, mas nas relações com eles é preciso estar aberto à diferença para que o praticamente imudado torne-se mudado.” (GERALDI, 2003. p. 54) Assim, eu não tenho uma visão de totalidade de mim mesmo, e busco o excedente de visão que somente o outro pode construir. “O excedente de minha visão contém em germe a forma acabada do outro, cujo desabrochar requer que eu lhe complete o horizonte sem lhe tirar a originalidade. Devo identificar-me como outro e ver o mundo através de seu sistema de valores, tal como ele o vê; devo colocar-me em seu lugar, e depois, de volta ao meu lugar, completar seu horizonte com tudo o que se descobre do lugar que ocupo, fora dele; devo emoldurá-lo, criar-lhe um ambiente que o acabe, mediante o excedente de minha visão, de meu saber, de meu desejo e de meu sentimento”. (BAKHTIN, 1992. p. 45) Bakhtin denomina este movimento da consciência de exotopia, que expressa a idéia de lugar exterior. Trata-se de um desdobramento de olhares, onde consigo compreender do outro o que nem ele compreende de si próprio. Daí a importância do diálogo para Bezerra (2005, p. 196) “Ora, é pelo diálogo que as personagens se comunicam entre si, com o outro, se abrem para ele, revelam suas personalidades, suas opiniões e ideais, mostram-se sujeitos de sua visão de mundo, sujeitos esses cuja imagem o autor do romance polifônico constrói de sua posição distanciada, dando-lhes o máximo de autonomia, sem lhes definir a consciência à revelia deles, deixando que eles mesmos se definam no diálogo com outros sujeitosconsciências, pois os sente a seu lado e à sua frente dialogando com ele.” Nesta perspectiva, os sujeitos se constituem na enunciação através do outro e com o outro, numa relação dialógica e de alteridade, um segundo pilar do pensamento bakhtiniano. O que ocorre não é apenas um diálogo, mas a presença do outro em mim. Tenho que passar pela consciência do outro para me construir, pois minha consciência se projeta no outro que também se projeta em mim. Conviver com o outro, interagir com o outro, compartilhar com ele olhares e enunciados é o que possibilita o processo de construção de subjetividades pela alteridade. Assim, é pela interlocução que o sujeito desenvolve sua consciência e se constitui como tal. A maneira como os signos são internalizados varia para cada sujeito, criando identidades diversas. É na experiência da comunicação, portanto, que o homem constrói o mundo, ao mesmo tempo em que constrói a si mesmo. Kramer (2003, p.60), aproxima Benjamim de Bakhtin ao afirmar que “O homem cria a si próprio, criando o mundo, e se torna sujeito na linguagem. Linguagem – como Bakhtin também considera – é uma produção social.” E, neste caminho, Miotello (2005, p. 171) concorda que “(…) para Bakhtin o sujeito não se constitui apenas pela ação discursiva, mas todas as atividades humanas, mesmo as mediadas pelo discurso, oferecem espaço de encontros de constituição da subjetividade, pela constituição de sentidos.” E acrescenta , quando afirma que

“O meio social envolve, então, por completo o indivíduo. O sujeito é uma função das forças sociais. O eu individualizado e biográfico é quebrado pela função do outro social.” (Op. cit. p. 175)

DESENHOS DE CRIANÇAS: ESTRATÉGIAS DE PESQUISA?

Nestes últimos anos trabalhando e pesquisando a Geografia, tenho me deparado com a necessidade de aproximação de outras áreas das humanidades. Entendo que é somente assim que meu movimento rumo à compreensão da condição humana avança, tomando o espaço geográfico como viés. Ao tomar as crianças como meus sujeitos de pesquisa, entendo que a intertextualidade com as discussões da psicologia, educação e sociologia da infância podem trazer boas reflexões para a pesquisa. Crianças devem ser sujeitos da pesquisa geográfica exatamente por serem crianças. Como atores, sociais, participam também dos processos de construção do espaço geográfico. Suas interações sociais com os adultos e também com seus pares, têm, portanto, uma dimensão espacial que nem sempre é considerada nos estudos geográficos. Dialeticamente, na medida que atuam na construção do espaço geográfico, estes sujeitos vão se constituindo como tais. Em sua vivência, portanto, as crianças vão criando suas próprias apropriações e percepções do espaço, o que, a princípio, poderia nos ajudar a compreender um pouco mais sobre suas interações sociais. Um recurso bastante utilizado para na busca pela compreensão do que as crianças percebem do espaço geográfico é o desenho. Esta atividade muito presente no cotidiano destes sujeitos vem sendo muito estimulada por alguns estudiosos e pesquisadores como metodologia de pesquisa e, portanto, cabem aqui algumas breves aproximações. O que esperar de uma criança quando solicitada que tome lápis e papel para desenhar o espaço em que vive? Esta resposta pode vir, na realidade, de diversas formas, uma vez que podemos esperar qualquer produção das crianças a partir deste pedido. Isto, no entanto, é muito menos importante do que a intenção daquele que realiza este pedido e, principalmente, do que se faz com sua resposta – ainda mais quando se trata de uma resposta em forma de desenho. A intenção de quem realiza uma solicitação destas pode vir entremeada por uma série de razões, que não cabe aqui enumerar. No entanto, o que esperam boa parte dos pesquisadores é a representação da realidade compreendida pela criança a partir da interpretação de seu desenho. Não nego aqui a possibilidade de que esta intenção seja atingida dentro de qualquer proposta, mas isto, definitivamente, não é uma regra. O ato de desenhar, mesmo quando orientado pelos adultos, pode ser visto pelas crianças de diversas maneiras: como uma tarefa que deve ser mecanicamente cumprida, como uma forma de descobrirem novos instrumentos; como uma brincadeira ou atividade lúdica; como um meio de interagirem com outras crianças e com adultos ou também como um mecanismo para representarem a realidade em que se inserem. Além disso, esta variabilidade está também submetida às condições do contexto pesquisado que podem influenciar para diversos comportamentos (em casa, na escola, entre outros). O que é preciso deixar claro é que estas são apenas algumas dentro de uma infinidade de possibilidades, o que nos permite entender que não há uma obrigatoriedade de todo desenho ser uma representação da realidade. As representações estão contidas em processos mais amplos e complexos. A representação não pode ser separada do processo de internalização, uma vez que, ao representar, a criança trabalha o externo que vai sendo reorganizado internamente. Este movimento semiótico tem como base um sistema cultural estruturado que realiza a mediação entre a criança e o mundo e através do qual a criança vai reconstruindo sua atividade psicológica. Na medida que aumenta a complexidade de seu comportamento, suas funções psicológicas superiores se desenvolvem e, junto com elas sua capacidade de organização simbólica. Como se vê, a representação/internalização tem importante papel no desenvolvimento psicológico dos sujeitos. Dessa forma, a preocupação do pesquisador não deve ser com o produto

desta ação, mas muito mais com seu processo. Sob um olhar geográfico, penso que um pesquisador que pede a uma criança que faça um desenho sobre algum espaço e se prende exclusivamente a este desenho, fecha os olhos para o processo de desenvolvimento psicológico desenvolvido ao longo da atividade que tem, neste caso, o espaço como elemento primeiro e que poderia trazer contribuições muito maiores não somente para o conhecimento do espaço, mas, principalmente, para o conhecimento do sujeito. . Este processo entre o espaço e seus sujeitos é o que deve buscar a Geografia. Assim, não se pode pensar o espaço pelo espaço, em detrimento dos sujeitos que o constroem e se constituem como tais neste movimento. Mas antes buscar a relação dialética estabelecida entre ambos e perceber suas interferências mútuas. Considerando o que fazer com os desenhos pesquisados, entendo que novamente múltiplas possibilidades são abertas. Hoje vejo como um grande equívoco de pesquisa a forte corrente que tenta interpretar os desenhos das crianças exclusivamente de acordo com as impressões do pesquisador. Esta situação revela uma condição muito comum de tratamento destinada às crianças por qualquer segmento (político, científico, religioso, entre outros), sobretudo no mundo ocidental, e que já perdura há algum tempo. É na Modernidade que a concepção ocidental de infância – bem como a sua visão de criança – é forjada. Como uma construção socialmente desenvolvida de acordo com diferentes contextos, a infância passa a ser vista, desde então, como a etapa da incompletude, composta por indivíduos de mentes vazias que seriam aos poucos preenchidas passivamente, de acordo com o que era determinado pelos adultos. A criança é vista, nesta perspectiva, como um não-sujeito. É uma criança tomada pela ausência (de trabalho, de fala, de conhecimentos...) e que virá a se tornar um sujeito quando for um “adulto formado”. Esta forma de perceber as crianças está presente muito ativamente ainda nos dias atuais. E quando procuro interpretar suas representações exclusivamente a partir do meu olhar, contribuo para a manutenção e propagação desta deste pensamento de infância ocidental-burguês da modernidade. Neste sentido, ao negar a condição de sujeito da criança, nego também a sua condição de autoria, de sua própria representação, de sua própria construção psicológica e subjetiva. Reconhecer a condição de sujeito da criança é encará-la como um ator social, que atua na construção do espaço geográfico e também de sua história, pela interação estabelecida entre seus pares e com o mundo adulto. Esta interação se dá mediada pela linguagem, a qual a criança também é portadora. O nascimento de um ser humano é, pela perspectiva sócio-histórica, um evento cultural. Ao nascer, o indivíduo é inserido em um meio social cujo sistema cultural vem sendo historicamente construído por aqueles que a antecederam. Ao agir com o mundo, a criança toma contato com a cultura de seu grupo, que passa a constituir sua subjetividade. No entanto, este não é um movimento que a coloca em uma condição passiva. Contrariamente, a criança é um sujeito culturalmente ativo por interferir na construção cultural de seu grupo criando seus próprios sistemas de signos e significações. Para Bakhtin (1995), todo ser cultural é portador e produtor de linguagem, seja verbal ou extra-verbal. Portanto, como um sujeito cultural, a criança é portadora e também produtora de linguagem. O momento em que o pesquisador trabalha a interpretação da representação de espaço construída pela criança revela o encontro de duas trajetórias. Em uma perspectiva alteritária, a consciência da criança se aproxima de sua própria consciência pelo signo ali representado. O signo é produto ideológico por estar inserido em uma realidade, mas refletir / refratar uma outra. A afirmação da consciência de um indivíduo só pode existir a partir da materialização dos signos. Minha compreensão das coisas ocorre quando aproximo os novos signos aos já conhecidos. Assim, pelas interações sociais, a cadeia ideológica vai se estabelecendo interligando as consciências individuais. Dessa maneira, penso que a tentativa de interpretar as representações espaciais das crianças é bem intencionada, mas não vejo aí grandes contribuições, uma vez que a maneira como os signos são internalizados varia para cada sujeito, o que revela o poder de refração do real, que é próprio dos signos. Ou seja, apesar da voz da criança-autor estar presente em seu desenho, o pesquisador não consegue atingi-la. Em última instância, ao realizar a interpretação o pesquisador cria uma nova representação sua que, como tal, não pode ser tomada como realidade. As pesquisas de cunho qualitativo se utilizam cada vez mais da ideia de “dar voz aos sujeitos”. No entanto, mais importante ainda, é saber ouvir estas vozes, buscando a sua visão do mundo. Assim,

o objeto de pesquisa em Ciências Humanas é o discurso dos sujeitos pesquisados e o pesquisador deve estar atento para pesquisar com o outro e não apenas para ou sobre o outro. A postura do pesquisador não pode ser autoritária, verticalizando e impondo sobre os sujeitos o direcionamento que, mesmo bem-intencionado, quis dar à proposta. De acordo com Bogdan & Biklen (1994), o direcionamento da pesquisa interpretativa é dado pelos eventos surgidos no campo de observação e, portanto, não ficam sob o controle absoluto do pesquisador. A preocupação com os resultados das observações deixa em segundo plano as vozes dos sujeitos, que são negligenciadas durante quase todo o processo de pesquisa. A pesquisa que se dá com o outro traz consigo o dialogismo como um importante pilar. É o entrecruzamento dos discursos, pelas enunciações, que permite ao pesquisador se aproximar da consciência de seu sujeito. Desta forma, é preciso dialogar com as crianças e reconhecê-las como autoras dos desenhos. Entendo que cabe somente a elas apresentar o desenho como uma representação. “Não é possível representar adequadamente o mundo ideológico de outrem, sem lhe dar sua própria ressonância, sem descobrir suas palavras.” (BAKHTIN, 1990, p. 137) Este deve ser o ponto de partida para o pesquisador que pretenda trabalhar a espacialidade destes sujeitos através de desenhos. “As ciências humanas não se referem a um objeto mudo ou a um fenômeno natural, referem-se ao homem em sua especificidade. O homem tem a especificidade de expressar-se sempre (falar), ou seja, de criar um texto (ainda que potencial). Quando o homem é estudado fora do texto e independentemente do texto, já não se trata de ciências humanas (mas de anatomia, de fisiologia humanas, etc).” (BAKHTIN, 1992, p. 334) E as crianças têm muito a dizer sobre o espaço geográfico. Mesmo porque vivem ativamente a sua construção e, como todo ator social, têm o espaço como elemento constituinte de sua subjetividade. Por isso, se a criança trata seu desenho como uma representação do espaço, sua condição de sujeito social ativo e autônomo deve ser respeitada. Esta representação deve ser considerada, como qualquer outra, um trabalho cartográfico. O fato de sua autoria partir de uma criança o torna tão importante quanto qualquer outra representação de outro autor. A caminhada daquele que escolheu a investigação científica é um constante movimento de construção/desconstrução. A retomada de minha produção anterior foi um encontro com outro de mim. Mesmo porque a continuidade de minha trajetória trouxe novos discursos e enunciados, novas vozes (muitas de meus sujeitos de pesquisa) que passaram a constituir o que agora sou. O desenho realmente pode ser uma importante ferramenta do pesquisador que trabalha com a espacialidade das crianças. Mas é importante que elas mesmas reconheçam este desenho como uma representação e falem sobre ela. Permitir esta situação é, no mínimo, um ato de coragem. Afinal, quando reconheço a condição de autoria e autonomia das crianças, quebro uma concepção social de infância historicamente construída. Isso pode gerar muitas resistências, inclusive do próprio pesquisador, que se constituiu nesta concepção. Mas é somente através destas ações de contestação que se pode engajar na luta pela condição ativa destes sujeitos. A atitude de respeito e reconhecimento para com as crianças é urgente e imprescindível para uma sociedade que se deseja mais justa e acessível a todos.

Definir o que é ser criança ainda é uma tarefa difícil. Mas posso defender que são seres reais, que produzem culturas, histórias e geografias, transformando o mundo ativamente. É preciso entender a criança como um ator competente, que interpreta sua realidade critica e criativamente, que é constituído pela sociedade e também a constitui, através das relações estabelecidas.
Os olhares destinados a estes sujeitos têm crescido e se preocupado mais com suas condições. Apesar da grande explosão de trabalhos acadêmicos sobre as questões acerca de crianças e infâncias, ainda há muito a ser discutido. Afinal, as crianças têm muito a dizer, são detentoras de conhecimentos

e visões de mundo muito particulares. Mas para que possam falar, é preciso que exista quem queira escutá-las. Neste sentido, a obra de Bakhtin e suas reflexões sobre linguagem trazem enormes contribuições para pensar a criança como sujeito da linguagem, como sujeito cultural. Pela interação com seus pares e com o mundo adulto tornam-se legítimas autoras de sua própria constituição subjetiva. É nestes embates que constroem suas culturas de pares. Muitas pesquisas trazem crianças-modelo, congeladas e enquadradas em um padrão esperado, quando na verdade o que mais interessa é conhecer seus movimentos. A relação pesquisador-sujeito neste tipo de pesquisa é delicada e cheia de nuances. Uma grande preocupação decorrente deste processo é permitir que as crianças sejam elas mesmas e não o que eu espero que elas sejam. Como esta relação é mediada pela linguagem, a aproximação da pesquisa etnográfica às concepções de Bakhtin torna-se imperativa. Através destas reflexões, entendo que o encontro com o outro é um encontro comigo mesmo e que são estas relações que me constituem. É na cadeia estabelecida de interlocuções que produzimos nossos significados, nossas visões de mundo e de nós mesmos. Na pesquisa, não interpreto o sujeito em si, mas a representação que este faz de si mesmo, através de seu discurso. A linguagem vista nesta perspectiva não é um mero instrumento de comunicação humana. Torna-se, em última instância, o próprio humano. Somos linguagem. Assim, percebo que em minha atividade de pesquisa, permito que a minha vida e de meus sujeitos seja reinventada através da experiência. Quem opta por trabalhar com pesquisa humana deve reconhecer que esta condição não é estrutural, cartesiana, é HUMANA. Por isso, é importante deixar a nossa humanidade falar e ser ouvida.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMORIM, Marília. A contribuição de Mikhail Bakhtin: a tripla articulação ética, estética e epistemológica. In: FREITAS, M. T., JOBIM, S., KRAMER, S. (orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhitn. São Paulo: Cortez, 2003. ÀRIES, Philippe. História social da criança e da família. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. __________. ¿Qué es el lenguaje? In: SILVESTRI, A. & BLANCK, G. Bajín y Vygotski: la organización semiótica de la conciencia. Barcelona: Anthropos, 1993. BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 7ed. São Paulo: Hucitec, 1995. BEZERRA, Paulo. Polifonia. In: BRAIT, Beth. Conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. BOGDAN, Roberto C. & BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. PortoPortugal: Porto Editora, 1994. BORBA, Ângela Meyer. As culturas da infância nos espaços-tempos do brincar: estratégias de participação e construção da ordem social em um grupo de crianças de 4-6 anos. Caxambu: ANPED, 2006. Disponível na Internet: www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT072229--Int.pdf. Acesso em 06 de abril de 2008. BRAIT, Beth. Conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

CALLAI, Helena Copetti. Do ensinar geografia ao produzir o pensamento geográfico. In: REGO, Nelson (org.) et al. Um pouco do mundo cabe nas mãos: geografizando em Educação o local e o global.. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2003. 310p. CASTELLAR, Sonia (org.). Educação Geográfica: teorias e práticas. São Paulo: Contexto, 2005. 167p. CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimento. Campinas: Papirus, 1998. 192p. CORSARO, William A. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 443-464, Maio/Ago. 2005. Disponível na Internet: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 25 de julho de 2008. FREITAS, M. T., JOBIM, S., KRAMER, S. (orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhitn. São Paulo: Cortez, 2003. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1.ed. 13.reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008. GERALDI, João Wanderley. A diferença identifica. A desigualdade deforma. Percursos bakhtinianos de construção de ética e estética. In: FREITAS, M. T., JOBIM, S., KRAMER, S. (orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhitn. São Paulo: Cortez, 2003. JAMES, Adrian L. & JAMES, Allison. Children and Childhoods: towards a theory of continuity and change. Annals of the American Academy of Political and Social Science, 575, 25-37. May, 2001. KRAMER, Sonia. Entrevistas coletivas: uma alternativa para lidar com diversidade, hierarquia e poder na pesquisa em ciências humanas. In: FREITAS, M. T., JOBIM, S., KRAMER, S. (orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhitn. São Paulo: Cortez, 2003. LOPES, Jader Janer Moreira, VASCONCELLOS, Tânia de. Geografia da Infância: uma área de pesquisa. Juiz de Fora: FEME, 2005. MIOTELLO, Valdemir. Ideologia. In: BRAIT, Beth. Conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. PINO, Angel. As Marcas do Humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev. S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005. RIO, Vicente Del. & OLIVEIRA, Lívia de (orgs.). Percepção Ambiental: A Experiência Brasileira. São Paulo: Studio Nobel, 1996. 265p. SABINO, Fernando. O menino no espelho. 82ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2008. SARMENTO, Manuel J. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. 2004. Disponível na Internet: http://cedic.iec.uminho.pt/Textos_de_Trabalho/textos/encruzilhadas.pdf. Acesso em 23 de janeiro de 2009. ____________________. Imaginário e Culturas da Infância, 2002. Disponível na Internet http://www.cce.udesc.br/titosena/Arquivos/Textos%20para%20aulas/Cultura%20na%20Inf%E2ncia.p df. Acesso em 23 de janeiro de 2009. ___________________. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de & SARMENTO, Manuel J. (orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira&Martin, 2007.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: Um Estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambiente. São Paulo: Difel, 1980. 288p. VENTURA, Maria da Conceição. Da experiência da criança cigana no jardim de infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de & SARMENTO, Manuel J. (orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira&Martin, 2007. VOGUEL, Arno, et. al. (org.). Como as Crianças Vêem a Cidade. Rio de Janeiro: Pallas: Flacso: UNICEF, 1995. VOLOCHINOV, V. N. Estrutura do enunciado. TODOROV, T. Mikhail Bakhtin – lé príncipe dialogique. Paris, Seuil, 1981. Tradução livre de Ana Vaz. Circulação Restrita.