SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO A GEOGRAFIA ESCOLAR: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Iomara Barros Dantas da Silva

Angelica Carvalho Di Maio Universidade Federal Fluminense- UFF Departamento de Análise Geoambiental-GAG Av. Litorânea s/n – Boa Viagem 24220-000 – Niterói, RJ

iomara.geouff@gmail.com dimaio@vm.uff.br
Resumo O presente trabalho apresenta uma proposta metodológica de ensinar Cartografia para o 6º e 7º ano do Ensino Fundamental, por meio de um sítio educativo para o ensino básico denominado GEODEN(Geotecnologias Digitais no Ensino Básico) que se divide em GEODEF (Geotecnologias Digitais no Ensino) direcionado para o Ensino Fundamental e GEODEM( Geotecnologia Digitais no Ensino Médio) direcionado para o Ensino Médio e, encontra-se disponível em: http://www.uff.br/geoden. O GEODEF (Geotecnologias Digitais no Ensino Fundamental) se divide em três módulos: Astronomia, Cartografia e Sensoriamento Remoto reunindo textos interativos, exercícios, curiosidades e leitura complementar. As atividades escolares são propostas, a partir do banco de dados Rio de Janeiro e, desenvolvidas no EduSPRING (versão especializada do SPRING/INPE, adaptado para educação básica) por meio de mapas, imagens de satélites e fotografias aéreas. A principal meta do GEODEF é promover a socialização da ciência relacionando o ensino de Geografia com a prática cotidiana dos alunos. Palavras-chave: Ensino de Geografia, Sensoriamento Remoto, Cartografia 1.Introdução Nos últimos anos, as grandes descobertas científicas e tecnológicas vem provocando inúmeras modificações, não apenas na produção e na organização espacial, mas também, nos modos de viver, sentir e pensar do ser humano. Assim, a tecnologia ganha importância na sociedade contemporânea e, por essa razão surge a necessidade de repensar sobre os conteúdos e recursos didáticos, de modo que estejam voltados para a formar cidadãos capazes de compreender, intervir e, acima de tudo transformar o mundo em que vivem. Diante dessa realidade, o papel da educação na sociedade da informação consiste em: “formar os indivíduos para .aprender a aprender, de modo a serem capazes de lidar positivamente com a contínua e acelerada transformação da base tecnológica.”( Takahashi, 2000, p.3) A utilização de novas tecnologias no ensino, está plenamente justificada se temos que dar consta que um dos objetivos básicos da educação é preparar os alunos para exercer seu papel de cidadão em uma sociedade plural, democrática e tecnologicamente avançada. A escola, locus privilegiado da disseminação dos conhecimentos sistematizados, deve procurar oferecer um ambiente de ensino e aprendizagem onde os conhecimentos possam ser construídos e apreendidos de forma reflexiva e atualizada, preparando indivíduos capazes de lidar com as modernas linguagens de comunicação e informação. A informática está cada vez mais presente na vida cotidiana dos indivíduos, funcionando como fonte de busca de informações seja por meio da internet ou dos recursos de multimídias; no campo educacional, essa tecnologia se constitui uma ferramenta de grande importância para o processo de ensino e aprendizagem. Transformar informação em conhecimento requer pensamento crítico, raciocínio e juízo crítico (Martínez, p.97) papel este dedicado à educação escolar, conforme descrito a seguir:

“Essa mudança na nova maneira de entender a escola, vinculando-se ao desenvolvimento de novas habilidades e competências, é indispensável para promover a utilização da internet e de outros recursos tecnológicos. Certamente, a partir dessa perspectiva, a informática é concebida como uma ferramenta para a aprendizagem.” (Filmus, 2006, p 124-125) Nesse sentido, os computadores se tornaram mais um recurso didático importante a ser utilizado no processo de ensino e aprendizagem no ensino de Geografia, tendo em vista que o computador, conforme menciona Di Maio (apud MEC, 2006, p. 1458): “... permite experimentar diferentes variáveis para situações do mundo real, a partir da manipulação de parâmetros, oferece recursos que favorecem a leitura e a construção de representações espaciais - comandos que auxiliam no estabelecimento de relações de proporção, distância, orientação, aspectos fundamentais para a compreensão e uso da linguagem gráfica.” O uso do computador aplicado ao ensino possibilita a manipulação de informações diversificadas quase num mesmo instante e também uma aproximação dos alunos a com a realidade. “Projetando uma dinâmica em cadeia de reflexão-atuação-reflexão transformação de si próprio e de seus entornos” (Santos, 2002, p.52). Dentre as inúmeras descobertas proporcionadas pela revolução tecnológica, descrita por Milton Santos como meio técnico-científico-informacional, se insere as inovações da informática que vem trazendo mudanças nos métodos de mapeamento da superfície terrestre através das técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento que alavancaram a cartografia digital, favorecendo a construção de mapas com maior rapidez e menor custo e, principalmente permitindo atualizar as informações sobre o espaço em menor tempo. Com isso, além da construção analógica, o mapa passou a ser gerado também no formato digital tornando-se um método de grande potencial e com aplicações nos mais diversos campos do saber científico. A utilização dessas tecnologias de mapeamento da superfície terrestre em sala de aula contribui para a motivar e despertar interesse nos alunos pelos conteúdos de Geografia conforme os resultados positivos oriundos de experimentos educacionais com o uso da tecnologia de Sensoriamento Remoto juntamente com a tecnologia de geoprocessamento por meio de um Sistema de Informação Geográfica (SIG) no Ensino Fundamental e Médio que contribuíram para a disseminação de geotecnologias no espaço escolar, como por exemplo, os trabalhos de DI MAIO (2004), Carvalho (2006) , Sausen (1998). A escolha dessas geotecnologias como material educativo viabiliza aos docentes de Geografia adotar uma prática pedagógica caracterizada que busque desenvolver nos seus alunos uma postura crítica diante dos conteúdos da Geografia promovendo dessa forma, a interação do aluno com o saber escolar, de modo que os conhecimentos possam ser utilizados em sua prática cotidiana. O presente trabalho mostra como o uso de geotecnologias através do GEODEF- material educativo em meio digital aplicado às aulas de Geografia para o 3º ciclo do Ensino Fundamental (6º e 7º ano do Ensino Fundamental) demonstra como um instrumento educativo para trabalhar os conteúdos curriculares de Astronomia, Cartografia e Sensoriamento Remoto direcionado para o 6º e 7º ano do Ensino Fundamental; este reúne textos interativos, curiosidades, leitura complementar e, principalmente atividades escolares propostas, a partir do banco de dados Rio de Janeiro, desenvolvidas no Sistema de Informação Geográfica denominado EduSPRING contemplando principalmente conteúdos relacionados ao Estado do Rio de Janeiro por meio de mapas, imagens de satélites e fotografias aéreas. Portanto, o GEODEF se buscar incentivar nos alunos a leitura e compreensão da dinâmica das relações espaciais, humanas e ambientais e, ainda levar a conhecer as múltiplas relações de um lugar com outros lugares, distantes no tempo e no espaço e perceber as relações do passado com o presente (PCN, p.15). 2. A importância das geotecnologias como recurso didático no ensino de Geografia

Até o início do século XX, os mapas eram gerados apenas na forma analógica, impossibilitando análises mais precisas e detalhadas. O desenvolvimento da Segunda Guerra Mundial (1937-1945) e, posteriormente o surgimento da Guerra Fria despertou no homem buscar mais informações a respeito da superfície terrestre. Por essa razão, a ciência espacial começou a se delinear como objeto de pesquisa, tendo em vista a potencialidade do uso das fotografias aéreas e das imagens de satélites devido à precisão e atualização de dados da superfície terrestre, resultado da combinação entre diferentes mapas e informações cartográficas. . Com a tecnologia de Sensoriamento Remoto tornou-se possível adquirir informações sem contato físico com os objetos e, posteriormente com o surgimento do geoprocessamento nos anos 80 do século passado, foi possível adquirir, armazenar e tratar grandes quantidades de informações sobre a superfície terrestre utilizando técnicas matemáticas e computacionais e, ainda possibilitando, nas palavras de Câmara e Davis (2000, p.1): “...realizar análises complexas, ao integrar dados de diversas fontes e ao criar bancos de dados geo-referenciados.” Na ciência geográfica a tecnologia de Sensoriamento Remoto aplicado ao SIG constitui-se uma importante ferramenta que permite “(re)conhecer” a Terra em diferentes escalas espaciais e temporais, contribuindo dessa forma ao homem conhecer melhor o espaço onde vive. A introdução das geotecnologias na Geografia Escolar representa uma ferramenta, conforme escrito por Salomon (2006, p.33) : “...capaz de imprimir o dinamismo necessário ao estudo do espaço geográfico e capaz, ainda, de solucionar um dos grandes problemas em que se esbarra o ensino da Geografia que é a falta de maturidade dos alunos diante de situações que requeiram um grau acentuado de abstração como o estudo através de mapas.” A introdução do conhecimento científico e tecnológico na Educação Básica está em consonância com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB 9.394/96) e com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN´S) para o Ensino Fundamental, mencionando que os alunos devem ser capazes de: “saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos” ( MEC, 1998, p.15) Logo, o uso das geotecnologias no ensino de Geografia se configura como um recurso didático inovador no ensino básico, contribuindo para a melhoria a qualidade do processo de ensino e aprendizagem, ao possibilitar aos alunos apreenderem os conteúdos de Geografia por meio de um método de ensino que busca informações atualizadas do espaço geográfico. 3. GEODEF (Geotecnologias Digitais no Ensino Fundamental) – um potencial material didático para o Ensino Fundamental As geotecnologias consideradas ferramentas úteis na produção de informações com referência espacial (mapas, gráficos, tabelas, etc.), baseadas no uso de produtos de sensoriamento remoto e SIG (Criscuolo,2009) possuem aplicações em várias áreas do conhecimento. Na Ciência Geográfica permiti responder, ao mesmo tempo, analisar questões relativas tanto a Geografia Física como Geografia Humana (Carvalho, 2004). Em virtude disso, o ensino de Geografia baseado nos métodos da pedagogia tradicional – memorização, descrição dos fenômenos geográficos não faz mais sentido na atual conjuntura de nossa sociedade tecnológica. É preciso levar o aluno a compreender a pluralidade do mundo por meio de um saber geográfico construído pelo paradigma da Geografia Crítica que vem se expandindo no Brasil desde os anos 80 do século passado caracterizado por uma relação professor-aluno em que ambos são, ao mesmo tempo, educando e educadores.

“ ... a escola de hoje precisa urgentemente adaptar-se e corresponder aos estímulos do progresso tecnológico e científico a ser estimulante e atrativa para uma juventude.” (Hasse, 1999, p.129) Em meio a inserção indiscriminada das tecnologias na sociedade contemporânea é preciso transformar informações científicas em conhecimentos; sendo assim, faz-se necessário socializar a ciência através da introdução de mudanças no sistema de ensino e aprendizagem. “ ... é preciso uma integração entre os recursos tecnológicos, agora especialmente o computador, e uma proposta realmente inovadora de educação”. (Hasse, 1999, p.132) As rápidas modificações no campo tecnológico implicam novos ritmos de ensinar e aprender Kenski (1998). Sendo assim, o ensino de Cartografia se beneficia em meio informatizado, pois permite a atualização das informações contidas nos textos e atividades de maneira mais rápida e praticamente sem custos para as instituições públicas de ensino. O GEODEF é um recurso educativo direcionado para o Ensino Fundamental que está inserido dentro GEODEN o qual pode ser acessado pela internet em: http://www.uff.br/geoden/geodef (figura1). Este trabalho mostra uma proposta inovadora para o ensino de Geografia ao disponibilizar gratuitamente um material educativo em meio digital com o objetivo de aumentar a qualidade do ensino, já que a grande maioria, das escolas carece de materiais como cartas, mapas, imagens de satélites e fotografias aéreas, mas possuem laboratórios de informática com Internet (Di Maio, 2007).

Figura 1- Exemplo da tela inicial do sítio educativo GEODEN Vale ressaltar que o GEODEF está em fase de novos desenvolvimentos nos três módulos: Astronomia, Cartografia e Sensoriamento Remoto. A escolha de cada um dos módulos está em consonância com as proposições de conteúdos curriculares dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN´S) para o terceiro ciclo do Ensino Fundamental, especificamente o ensino de Geografia. O módulo 1 (figura 2) correspondente ao conteúdo de Astronomia contém textos didáticos, curiosidades e experimentos, subdividindo-se em: História da Astronomia, Universo, Galáxias, Sistema Solar e Constelações. A inserção dos conteúdos de Astronomia se justifica pelos os temas ligados à disciplina de Geografia estarem presentes no cotidiano dos indivíduos, tais como: estações do ano, fases da Lua, constelações, planetas, galáxias: “Os temas astronômicos fornecem os elementos que completam o conjunto de fatores para a análise geográfica que interagem nos lugares, o que o torna o estudo e a compreensão da Astronomia tão importante em Geografia” (Sobreira, 2002, p.30).

Figura 2- Exemplo do módulo 1 - Astronomia O módulo 2 (figura 3) correspondente ao conteúdo de Cartografia reúne textos, exercícios, curiosidades relacionados a História dos mapas, Coordenadas Geográficas, Fusos Horários, a Escala, Projeções Cartográficas e, ainda Semiologia Gráfica (com o intuito de levar o aluno a identificar e reconhecer os mapas temáticos por meio dos aspectos qualitativos, ordenados ou quantitativos, como também em função da implantação dos fenômenos de forma pontual, linear e zonal) – elementos básicos para a compreensão da dinâmica dos fenômenos geográficos através de diversos mapas visando o preparo do aluno para o domínio espacial.

Figura 3- Exemplo do módulo 2- Cartografia Ler mapas é importante para a ação e interação do indivíduo com o seu meio. É crucial o professor procurar desenvolver nos seus alunos conhecimentos e habilidades, como localização, orientação e representação os quais são essenciais para entender como a sociedade organiza seu espaço e, assim realizar uma análise espacial (Almeida e Passini, 2005). O saber geográfico deve prestar atenção as formas de localização dos fenômenos geográficos (Lacoste, 1988). O ensino da Cartografia Escolar por meio do Sensoriamento Remoto aplicado ao SIG em meio digital visa proporcionar aos alunos a compreensão da dinâmica dos fenômenos geográficos, como também se constitui uma forma de aproximar os conhecimentos científicos e tecnológicos do cotidiano dos alunos. O módulo 3 (figura 4) corresponde ao Sensoriamento Remoto que reúne pequenos textos didáticos e atividade sobre noções de fotografias aéreas e imagens de satélites, mostrando como um recurso inovador e hábil à reformulação da dinâmica imposta pela atual conjuntura sócio-tecnológico (Pereira, 2007); e, dessa forma proporciona aos alunos visualizar a intensa dinâmica dos mais diversos lugares da Terra por meio de informações geo-referenciadas e atualizadas e com maior precisão do espaço construído historicamente nas relações contraditórias entre a sociedade e natureza.

Figura 4 – Exemplo do módulo de Sensoriamento Remoto Os exercícios (figura 5) propostos para o GEODEF foram desenvolvidos para cada módulo e, são realizados em sua grande maioria pelo EduSPRING - SIG educativo elaborado pelo Projeto GEOIDEA1 - utilizando banco de dados referente ao Planisfério, Brasil, contemplando principalmente o banco de dados do Estado do Rio de Janeiro por meio de mapas, imagens de satélites e fotografias aéreas do território fluminense. “...a partir da observação e apreensão do espaço vivido se chegue à compreensão dos principais aspectos da vida social. Este tipo de experiência levará o aluno a uma maior compreensão dos processos atuantes dentro da sociedade em que vive.” ( Carvalho, 2004, p.2) * As coordenadas geográficas são linhas imaginárias utilizadas na localização precisa de um ponto qualquer da superfície terrestre; logo, você está indicando a latitude e a longitude de um lugar. Utilizando o cursor de vôo, preencha o quadro abaixo mencionando a latitude e a latitude dos seguintes municípios fluminenses:

Latitude (N ou S) Longitude (W ou E) a) Paraty

b)Vassouras

c) Rio de Janeiro

d) Sumidouro

e) Varre-Sai

f) Bom Jesus do Itabapoana

_____________
1

O Projeto Geoidea (Geotecnologia como instrumento de inclusão digital e educação ambiental) desenvolvido pelo Departamento de Análise Geoambiental do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense/RJ desenvolve e aplica metodologia voltada para a inclusão digital de alunos do ensino básico, através do uso de Sistema de Informação Geográfica por meio da elaboração de uma versão voltada para a educação denominada Eduspring, em particular, nas aulas de Geografia e Ciências.

* Utilizando o mapa-múndi delimite as zonas térmicas do planeta. Pesquise quais os fatores que explicam a diferença de temperatura na Terra. ( Utilize o Paint Brush para fazer as anotações.)

*Leia atentamente a historinha abaixo e, em seguida resolva o desafio proposto:

Um grupo de amigos resolveu percorrer o Estado do Rio de Janeiro para explorar seus pontos turísticos. Partindo da cidade do Rio de Janeiro, ele foram em direção a Cidade do Aço e, depois seguiram em direção a Três Rios onde ficaram por quatro dias. Em seguida, eles foram visitar a Fazenda Santana de Macabu no munic Trajano de Morais. Após dois dias, eles resolveram visitar a cidade que tem apresentado maior dinamismo econômico nos últimos anos devido à intensa exploração do petróleo e, ainda faz limite com Rio das Ostras. Por último, visitaram a Cidade Sorriso; no dia seguinte, retornaram para a cidade maravilhosa
Partindo da cidade do Rio de Janeiro, descubra as orientações geográficas das localidades, que estão em negrito, que foram tomadas por esse grupo de amigos no decorrer dessa aventura. *Utilizando o óculos 3D( tridimensional), responda as perguntas abaixo:

Anaglifo é uma imagem que nos fornece um efeito tridimensional estereoscópica quando vista em de duas cores -cada lente com uma cor diferente, ou seja, azul e vermelha. Confecção do óculos 3D: a) Quais as feições geográficas que podemos observar na imagem acima? b) Após observar o anaglifo acima, que conclusão você chegou? Figura 5- Exemplos dos exercícios para o GEODEF As curiosidades as leituras complementares (figura 6) foram inseridas com o intuito de complementar os textos referentes aos conteúdos de cada módulo, incentivando os alunos a conhecer um pouco mais a respeito de fenômenos e fatos curiosos que acontecem na superfície terrestre.

Figura 6- Exemplos de curiosidades O ensino é encarado como forma de propiciar ao aluno o desenvolvimento da sua capacidade de apreensão da realidade através de raciocínios mais articulados e aprofundados do espaço; de maneira que condicione ao indivíduo uma consciência espacial (Cavalcanti, 2006). Portanto, a abordagem da Astronomia, Cartografia e Sensoriamento Remoto em meio informatizado disponibiliza ao professor de Geografia trabalhar esses conteúdos por meio de informações atualizadas em textos e atividades interativas de maneira mais rápida e praticamente sem custos para as instituições públicas de ensino. 4. Considerações Finais Este trabalho gerou um recurso didático em meio digital para o terceiro ciclo do Ensino Fundamental por meio da inserção das geotecnologias (Sensoriamento Remoto e o EduSPRING) adaptada ao ensino de Geografia contemplando, principalmente conteúdos relacionados ao Estado do Rio de Janeiro por meio de mapas, imagens de satélites e fotografias aéreas; este material educativo possibilita ao professor de Geografia revitalizar o seu trabalho pedagógico e, por conseguinte melhorar a qualidade de suas aulas, sem desconsiderar o uso do livro didático e dos mapas analógicos. Este artigo apresenta a primeira etapa do GEODEF que consiste na a reestruturação do GEODEF por meio da inserção de novos textos, exercícios, curiosidades e leituras complementares e, posteriormente haverá uma segunda etapa que consistirá na aplicação dos exercícios e avaliação feita com alunos do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental da rede pública de ensino do estado do Rio de Janeiro. Portanto, a principal meta do GEODEF é promover a socialização da ciência relacionando o ensino de Geografia com a prática cotidiana dos alunos, contribuindo para melhorar o rendimento e desempenho dos alunos nesta disciplina escolar. 5. Referências Bibliográficas

Almeida,Rosângela; Passini, Elza- O Espaço Geográfico – ensino e representação. 90p. ed. Contexto. São Paulo 2005. Câmara, G; Davis, C. Introdução- Por que Geoprocessamento? Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro. Acesso 27 abr.20092006. 192 p.
Cavalcanti, Lana. Geografia, Escola e Construção de Conhecimentos. 9 ª ed. Campinas/SP: Papirus, Criscuolo,C; Bacci, D.C; Furtado,A.L.S; Rodriguês, CA.G;Silva, S.S; Dourado, L. A inserção de geotecnologias na escola por meio de jogos educativos. Disponível em: www.cori.unicamp.br/centenario2008/trabalhos/WorkshopBrJapao_ArtigoCCriscuolo.pdf. Acesso em 15 abr.2009 Di Maio, Angelica. Geotecnologias Digitais no Ensino Médio:avaliação prática de seu potencial. Tese de doutorado em Geografia / Análise da Informação espacial. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro 2004, 189 p. _____________ GEODEN: geotecnologias digitais no ensino básico por meio da Internet. In:Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Anais. Florianópolis, 21-26 abril de 2007, INPE,

p. 1457-1464 Fernand, Joly. Cartografia. 10ª ed Campinas/SP: Papirus, 2007.136p. Filmus, D. Breve reflexões sobre a escola do futuro e apresentação da experiência da experiência “aulas na rede” da cidade de Buenos Aires. Educação e Novas Tecnologias:esperanças ou incerteza? ed.Cortez- UNESCO,2003. p.123-136. Hasse. S. H. A Informática na Educação – mito ou realidade? In : Pesquisa em Educação- História, Filosofia e Temas Transversais. Campinas, 10ª de. Autores Associados: HISTEDBR, Unc, 1999 Kenski, V.M., 1998. Novas Tecnologias: o Redimensionamento do Espaço e do Tempo e os Impactos no Trabalho Docente. Revista Brasileira de Educação, No8, maio/junho/julho/agosto. Lacoste, Yves. A Geografia – Isso serve, em primeiro lugar, para fazer a Guerra. 3ª ed. Campinas/SP: Papirus, 1988. 202 p. Martínez, J.H.G. Novas tecnologias e o desafio da educação. Educação e Novas Tecnologias:esperanças ou incerteza? ed.Cortez- UNESCO,2003. p.95-108. MEC. 1998. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais, Geografia (3 ciclo do Ensino Fundamental, SEF, Brasília, 156 p. Pereira. T. O Sensoriamento Remoto como recurso didático no Ensino Fundamental. Uberlândia, 2005.120f. Dissertação( Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia Santos, V. M. N, 2002. Escola, cidadania e novas tecnologias: O Sensoriamento Remoto no ensino, São Paulo, ed.Paulinas, 100 p. ___________________ O uso escolar do Sensoriamento Remoto como recurso didático pedagógico no estudo do Meio Ambiente. Disponível em: http://mtc-m12.sid.inpe.br/col/Cap 12_VMNSantos.pdf Acesso em: 17 fev. 2009. Salomon, V.M.G;Cruz, C.B.M ; Rocha, E.M.F. Sensoriamento Remoto e o Ensino de Geografia – novos desafios e metas. Disponível em

http://www.inpe.br/unidades/cep/atividadescep/jornada/progra
ma/t-11_trab_15.pdf __________________ Sensoriamento remoto no ensino básico da geografia: definindo novas estratégias. Tese de Doutorado - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006, p.284. Disponível em: http://www.ppgg.igeo.ufrj.br/teses. Acesso em 15 mar 2009.

Sausen, T. M. A Educação Espacial na América Latina e a Posição do Brasil no Contexto Regional. Disponível em: http://ftp.mct.gov.br/cee/revista/Parcerias7/revista13.pdf Sobreira. P. H.A. Astronomia no ensino de Geografia – Análise Crítica nos livros didáticos. Tese de Doutorado em Geografia Física. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002, 276p. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-19072002-102117/ .
Acesso 28 abr.2009 Cp030037 Takahashi, T. (Org.) Sociedade da Informação no Brasil- Livro Verde, Ministério da Ciência e Tecnologia, Brasília, 2000. Disponível em: http://www.soinfor.org.br. Acesso em: 23 abr.2009 Florenzano, Teresa. Geotecnologias na Geografia Aplicada: Acesso e Difusão. Disponível em: http:// www.geografia.fflch.usp.br/publicacoes/RDG/RDG_17/Teresa_Gallotti_Florenzano.pdf. Acesso em: 25 abr. 2009