You are on page 1of 9

FORMAÇÃO DE FORMADORES

“ “A AR RA AU UT TO OS S D DA A S SA AL LV VA AÇ ÇÃ ÃO O” ”
APOSTILA DE FORMAÇÃO PARA PREGADORES

A AP PR RE ES SE EN NT TA AÇ ÇÃ ÃO O

A A C Co om mi is ss sã ão o d de e F Fo or rm ma aç çã ão o é é u um m ó ór rg gã ão o d de e a as ss se es ss so or ri ia a e e c co on ns su ul lt to or ri ia a d do o C Co on ns se el lh ho o N Na ac ci io on na al l e e t te em m a a
f fi in na al li id da ad de e d de e a ar rt ti ic cu ul la ar r e e r re ea al li iz za ar r a as s a at ti iv vi id da ad de es s d de e f fo or rm ma aç çã ão o d de e t to od da a R RC CC C d do o B Br ra as si il l e e v ve em m d da ar r s su up po or rt te e a a t to od do os s
m mi in ni is st té ér ri io os s p pa ar ra a q qu ue e r re ea al li iz ze em m s su ua as s f fo or rm ma aç çõ õe es s e es sp pe ec cí íf fi ic ca as s e e q qu ue e p po os ss sa am m a at te en nd de er r c co om m q qu ua al li id da ad de e o os s g gr ru up po os s
d de e o or ra aç çã ão o. .
“ “J Ju un nt to o a a u um ma a f fo or rt te e e ex xp pe er ri iê ên nc ci ia a r re el li ig gi io os sa a e e u um ma a d de es st ta ac ca ad da a c co on nv vi iv vê ên nc ci ia a c co om mu un ni it tá ár ri ia a, , n no os ss so os s
f fi ié éi is s p pr re ec ci is sa am m a ap pr ro of fu un nd da ar r o o c co on nh he ec ci im me en nt to o d da a P Pa al la av vr ra a d de e D De eu us s e e o os s c co on nt te eú úd do os s d da a f fé é, , v vi is st to o q qu ue e e es st ta a é é
a a ú ún ni ic ca a m ma an ne ei ir ra a d de e a am ma ad du ur re ec ce er r s su ua a e ex xp pe er ri iê ên nc ci ia a r re el li ig gi io os sa a” ”
A A b bu us sc ca a d de e s sa ab be ed do or ri ia a e e d do o c co on nh he ec ci im me en nt to o d da a P Pa al la av vr ra a d de e D De eu us s é é u um ma a c co on ns st ta an nt te e n na a v vi id da a d do o s se er r
h hu um ma an no o. . O O h ho om me em m é é u um m s se er r r re el li ig gi io os so o e e n na a s su ua a c ca am mi in nh ha ad da a b bu us sc ca a f fa az ze er r d da a r re el li ig gi iã ão o u um m e en nc co on nt tr ro o c co om m D De eu us s, ,
c co on nh he ec ce er r D De eu us s. .
A A p pa ar rt ti ir r d do o e en nc co on nt tr ro o p pe es ss so oa al l c co om m C Cr ri is st to o e ex xp pe er ri im me en nt ta ad do o a ao o r re ec ce eb be er r o o a an nú ún nc ci io o q qu ue er ri ig gm má át ti ic co o o o c cr ri is st tã ão o
f fi ic ca a e en nt tu us si ia as sm ma ad do o e e c ca ad da a v ve ez z m ma ai is s q qu ue er r c cr re es sc ce er r n no o a ap pr ro of fu un nd da am me en nt to o d do ou ut tr ri in na al l, , m mo or ra al l e e e es sp pi ir ri it tu ua al l. . B Bu us sc ca an nd do o
v vi iv ve er r a a e ex xp pe er ri iê ên nc ci ia a p pe es ss so oa al l d do o B Ba at ti is sm mo o n no o E Es sp pí ír ri it to o S Sa an nt to o ( (I Id de en nt ti id da ad de e d de e n no os ss so o m mo ov vi im me en nt to o) ), , s se en nt ti im mo os s a a
n ne ec ce es ss si id da ad de e d de e u um ma a f fo or rm ma aç çã ão o m ma ad du ur ra a e e d do ou ut tr ri in ná ár ri ia a p pa ar ra a n nã ão o a an nd da ar rm mo os s a ao o s so op pr ro o d de e q qu ua al lq qu ue er r d do ou ut tr ri in na a. .
D Da an nd do o s se eq qü üê ên nc ci ia a a ao o m mó ód du ul lo o b bá ás si ic co o d de e f fo or rm ma aç çã ão o P Pa au ul lo o A Ap pó ós st to ol lo o, , a am mp pl li ia an nd do o c co om m t tr rê ês s e en nc co on nt tr ro os s d de e
f fo or rm ma aç çã ão o h hu um ma an na a, , c ca ad da a m mi in ni is st té ér ri io o n na a R RC CC C t te em m a a r re es sp po on ns sa ab bi il li id da ad de e d de e a ap pl li ic ca ar r s su ua a f fo or rm ma aç çã ão o e es sp pe ec cí íf fi ic ca a, ,
n na aq qu ui il lo o q qu ue e é é i im mp po or rt ta an nt te e p pa ar ra a o o f fu un nc ci io on na am me en nt to o d do o m me es sm mo o. . E E e es st ta a d de ev ve e s se er r s si is st te em má át ti ic ca a, , a ad da ap pt ta ad da a a a
c ca ap pa ac ci id da ad de e d do os s s se eu us s m me em mb br ro os s p pa ar ra a q qu ue e t to od do os s p po os ss sa am m r re es sp po on nd de er r c ca ad da a v ve ez z m ma ai is s a a r ra az zã ão o d de e s su ua a f fé é. . U Um ma a
b bo oa a f fo or rm ma aç çã ão o é é a a g ga ar ra an nt ti ia a d da a v vi id da a e e d da a f fo or rç ça a d de e c ca ad da a m mi in ni is st té ér ri io o s se en nd do o, , p po or rt ta an nt to o, , a a g gu ua ar rd di iã ã d do os s c ca ar ri is sm ma as s. .
A A f fa al lt ta a d de e c co om mp pr re ee en ns sã ão o e e c co on ns se eq qü üe en nt te em me en nt te e n nã ão o a as ss su um mi ir r o o c ca am mi in nh ho o d da a f fo or rm ma aç çã ão o c co om m e em mp pe en nh ho o e e
d de ed di ic ca aç çã ão o t tê êm m c ca au us sa ad do o d de es sv vi io os s, , a ap pa at ti ia as s e e a at té é m me es sm mo o a ab ba an nd do on no o d da a R RC CC C e e d da a I Ig gr re ej ja a. .
H Há á, , p po or rt ta an nt to o, , u um ma a n ne ec ce es ss si id da ad de e i in nc co on nt te es st tá áv ve el l d de e q qu ue e a as s l li id de er ra an nç ça as s e e o os s m me em mb br ro os s d da a R RC C C C n nã ão o
r re es si is st ta am m à à f fo or rm ma aç çã ão o, , m ma as s a a b bu us sq qu ue em m i in nc ce es ss sa an nt te em me en nt te e, , p pa ar ra a p pe er rm ma an ne ec ce er re em m n no o c ca am mi in nh ho o d de e s sa an nt ti id da ad de e e e
s se er rv vi iç ço o. .
R Re es ss sa al lt ta am mo os s, , a ai in nd da a q qu ue e o os s m mi in ni is st té ér ri io os s s sã ão o i in ns st ta an nc ci ia as s d de e s se er rv vi iç ço o d do o G Gr ru up po o d de e o or ra aç çã ão o, , d da a
d di io oc ce es se e, , d do o e es st ta ad do o, , e et tc c. . C Ca ab be e a a e el le es s e es st ti im mu ul la ar r e e i in nc ce en nt ti iv va ar r a a f fo or rm ma aç çã ão o, , p po or ré ém m n nã ão o t tê êm m e el le es s
a au ut to on no om mi ia a d de e d de ec ci is sõ õe es s, , d de ev ve en nd do o s se e r re ep po or rt ta ar r p pa ar ra a o or ri ie en nt ta aç çõ õe es s e e d de ec ci is sõ õe es s s se em mp pr re e d do o c co oo or rd de en na ad do or r d do o
g gr ru up po o d de e o or ra aç çã ão o/ /d di io oc ce es sa an no o/ /e es st ta ad do o, , d de ep pe en nd de en nd do o d da a e es sf fe er ra a. . O Os s m mi in ni is st té ér ri io os s n nã ão o p po od de em m c cr ri ia ar r
c co oo or rd de en na aç çõ õe es s p pa ar ra al le el la as s, , p po oi is s c ca ab be e a ao o c co oo or rd de en na ad do or r d do o G GO O, , d da a d di io oc ce es se e o ou u d do o e es st ta ad do o o o d di is sc ce er rn ni im me en nt to o
e e p pa as st to or re ei io o d di ir re et to o d do os s s se er rv vo os s. . A Ao os s r re es sp po on ns sá áv ve ei is s p pe el lo os s m mi in ni is st té ér ri io os s e em m q qu ua al lq qu ue er r e es sf fe er ra a c ca ab be e a a
f fo or rm ma aç çã ão o e es sp pe ec cí íf fi ic ca a d do o m me es sm mo o. .
C Co on ns sc ci ie en nt te es s d da a i im mp po or rt tâ ân nc ci ia a d da a f fo or rm ma aç çã ão o e e q qu ue e e es st ta a n nã ão o p po od de e e es st ta ar r s se ep pa ar ra ad da a d de e u um ma a v vi id da a d de e
o or ra aç çã ão o, , p pe er rm ma an ne ec ce em m e em m C Ce en ná ác cu ul lo o p pa ar ra a u um m p pe er re en ne e P Pe en nt te ec co os st te es s. .
N No os ss sa a S Se en nh ho or ra a s se ed de e d da a s sa ab be ed do or ri ia a, , r ro og ga ai i p po or r n nó ós s! !
C Co om mi is ss sã ão o N Na ac ci io on na al l d de e F Fo or rm ma aç çã ão o

CURSO: ARAUTOS DA SALVAÇÃO

OBJETIVO: ATENDER AO PROJETO REAVIVANDO A CHAMA
AÇÕES: CRIAR, DESENVOLVER E MINISTRAR UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PREGADORES PARA
GRUPOS DE ORAÇÕES.
JUSTIFICATIVA: OS GRUPOS DE ORAÇÃO NECESSITAM DE PREGADORES QUE SEJAM CAPAZES
DE EVANGELIZAR QUERIGMATICAMENTE.


1 1 - - Q QU UE ER RI IG GM MA A P PA AR RT TE E P PO OR R P PA AR RT TE E
No princípio da vida da Igreja, batizavam-se somente os convertidos. Hoje em dia a tarefa é o
inverso: converter os batizados. A Igreja precisa ser evangelizada em seu interior para que ela se converta
em Boa Nova para o mundo. Por isso, hoje, evangelizar os batizados é imperativo urgente.
A evangelização se dá em dois momentos sucessivos que são complementares e interdependentes:
• O Querigma: Primeiro anúncio de Jesus
• A Catequese: Ensino progressivo da fé

2 2 - - O O Q QU UE ER RI IG GM MA A X X C CA AT TE EQ QU UE ES SE E
Há uma relação entre as duas etapas, mas há também diferenças que temos de distinguir.
Talvez o “insucesso” da evangelização que promovemos esteja exatamente na falta de distinguir e
diferenciar estes dois passos do mesmo processo. Muitas vezes queremos catequizar antes de anunciar o
querigma, antes de apresentar Jesus como Salvador dos homens. Preocupamo-nos em ensinar a sã
doutrina e não em promover uma experiência do Amor de Deus.

A. Querigma
Etimologia => kqµuooe => “keryssein”: clamar, proclamar como arauto, gritar.
- Significado teológico-cristão => primeiro anúncio da Boa Nova feito por Jesus e pe-los Apóstolos.
Catequese
- Etimologia => _otq_ce => comunicar, narrar, instruir numa doutrina; _otq_qoi, => katejein:
ensinar, reter (CATEQUESE).

Significado cristão => ensino sistemático e progressivo da fé.
A base de todo cristianismo é Jesus Cristo, portanto, é necessário um encontro pessoal de fé e
conversão para tê-lo como fundamento de nossa fé. Sem este ponto de partida tudo que se edifique
(catequese, moral,...) será construído sobre a areia, mesmo nossos compromissos morais ou reformas
sociais.
O primeiro passo é CRISTIANIZAR para depois CATOLIZAR. O fundamento, o essencial, Jesus ensina
a Nicodemos: É preciso nascer de novo.
É fundamental aceitar a Boa Nova para ter vida nova.

O QUERIGMA é exatamente isto: apresentar Jesus Cristo, morto, ressuscitado e glorificado para termos
uma experiência de vida nova, graças a fé e a conversão. Experimentar Jesus vivo como Salvador, Senhor,
Messias, que dá o Espírito Santo.
O QUERIGMA é o cimento da construção, por isso a catequese não supre, nem antecede, o primeiro
anúncio que é, antes de tudo, vida.

B. Catequese
Ensino sistemático das verdades da fé e aprofundamento da vivência cristã.
Portanto, se o Querigma é o tocar dos sinos, a CATEQUESE é o ressoar, é a continuação de Querigma:
aprofunda e sedimenta aquilo que foi anunciado.
CATEQUESE não inclui e nem suplanta o Querigma, ela o supõe. Edifica-se sobre ele, que cumprindo
seu objetivo, desperta nova vida.
Para que esta vida cresça, é necessário que se tenha nascido nela, isto é,que tenhamos a experiência
do que é a vida nova trazida por Jesus.

Relações entre querigma e catequese
(Página 18 do livro Como Evangelizar os Batizados, 6ª edição, 1.990)
OBJETIVOS
ASSUNTOS
E ATIVIDADES
Formar pregadores a partir de uma experiência pessoal de
salvação
- Apresentação do querigma,
parte por parte;
- Diferença entre querigma
e catequese;
- Teoria do método
querigmático de evangelização;
- Treinamento do método
querigmático de evangelização.
Capacitar os membros dos grupos de oração, notadamente
os pregadores, a anunciarem o Evangelho utilizando o
querigma.
Dotar os evangelizadores de método que os capacite a
anunciarem o Evangelho por meio de testemunho eficaz,
destemido e ardoroso.

C. Jesus histórico
Que Jesus apresenta?
- O homem natural da Galiléia, da cidade da Nazaré.
- Nascido em Belém em, mais ou menos, 08 a 04 a.C., durante o governo de Herodes, sendo
Imperador de Roma, Otávio Augusto.
- Iniciou a vida pública aproximadamente aos 30 anos e seu ministério foi de, no mínimo, um ano.
- Morto, entre ano 28 e 33 d.C., sob o governo de Pôncio Pilatos em Jerusalém e o Imperador de
Roma era Tibério César .
- Alguns textos não cristãos:
Anais (de Tácito) - Relata o incêndio de Roma, informando que Nero acusara os seguidores de Cristo,
crucificado no governo de Tibério.
Talmud (texto Judaico) - Informa que Jesus foi crucificado por apostasia.
São poucos documentos; só seus amigos se interessavam por Ele.

D. Jesus querigmático
Temos de apresentar:
Jesus
MORTO:
- Por nossos pecados;
- Para nos salvar;
- Para nos dar nova vida - Jo 10,10;
- Por obediência.

RESSUSCITADO:
- Venceu a morte- 1 Cor 15,55ss;
- Vence o pecado e a morte.

GLORIFICADO:
- Recebe todos os títulos.

SALVADOR:
- Vivifica o que estava morto.

SENHOR:
- Dono e proprietário.

MESSIAS:
- O Ungido de Deus que dá o Espírito Santo, Penhor de Salvação.

QUERIGMA (anunciar) CATEQUESE (ensinar)
Leva a nascer de novo, ter vida. Leva a crer em Cristo, ter vida em abundância.
Apresenta Jesus morto, ressuscitado, glorificado,
Salvador, Senhor, Messias.
Apresenta a doutrina da fé, moral, dogma, bíblia,
etc.
Proclama-se a Jesus como a Boa Nova;
Testemunho Pessoal.
Ensino ordenado e progressivo; Fé de toda a
Igreja.
Precisa de um evangelizador e testemunha cheio
do Espírito Santo
Precisa de um catequista e mestre cheio do
Espírito Santo
As metas são: experiência do Amor de Deus e de
nosso ser pecador; encontro pessoal com Jesus
pela fé e conversão; proclamação de Jesus como
Salvador; receber o dom do Espírito Santo;
integrar-se à comunidade.
As metas são: Encontro com o Corpo de Cristo: a
Igreja; santidade do povo de Deus.

Resposta Pessoal (meu Salvador, meu Senhor,
meu Messias).
Resposta comunitária e social (nosso Salvador,
nosso Senhor, nosso Messias).
HOJE! A PARTIR DE HOJE!


EVANGELIZAÇÃO
QUERIGMA CATEQUESE
HOJE
(Agora,
imediatamente)
●===============================> CÉU
DE AGORA EM DIANTE (para sempre)

Fundamento da evangelização
a) Querigmática
JESUS
Morto, ressuscitado e glorificado (PESSOA REAL, QUE VIVEU NESTE
MUNDO)
b) catequética
É também:
JESUS
Morto, ressuscitado e glorificado (A ressurreição de Jesus confirma o
Antigo Testamento e gera o Novo)

E. Conclusão
O fundamental do QUERIGMA nós encontramos resumidos nos seis discursos Querigmáticos que são a
síntese da pregação primitiva.
(Atos 2,14- 39; 3,12- 26; 4,9- 12; 5, 29-32; 10,34-43 e 13,16-4 ).

3 3 - - T TE EO OR RI IA A D DO O M MÉ ÉT TO OD DO O Q QU UE ER RI IG GM MÁ ÁT TI IC CO O

A. Introdução
O Evangelho é o mesmo ontem e hoje. A Igreja vive e proclama esta verdade: Jesus, morto e
ressuscitado, é o Salvador do homem todo e de todos os homens.
Este evangelho terá de ser apresentado a homens concretos, de diferentes culturas e diversas
condições de vida. Portanto, é necessário adaptá-lo pedagogicamente, não mudá-lo.
A Evangelização inicia-se dentro da Igreja (ad intra), portanto, vamos evangelizar primeiramente,
cristãos que têm um verniz de religião, que já “ouviram” falar de Jesus Cristo, mas não têm ainda uma
experiência de Salvação, estão adormecidos e amortecidos na fé.

B. Os grandes temas do Querigma
Tomando por base as pregações de Jesus e os Apóstolos, chegamos a um temário básico.
I - Jesus, a salvação de Deus para os homens.
II - Fé e conversão.
III - O dom do Espírito Santo
IV- A comunidade cristã- Igreja
Para apresentar esta verdade há uma necessidade urgente de uma pedagogia própria, a que
chamaremos de “Pregação Querigmática”.

C. Pregação Querigmática
Para apresentar pedagogicamente estes temas, acrescenta-se alguns outros que juntamente com
algumas qualidades formam esta maneira de evangelizar:

c.1) Temário

01- O amor de Deus. Conhecer Jesus nosso
02- O pecado. Salvador Pessoal.
03- Jesus, Salvador Aquele que nos dá
04-Fé e conversão. Uma nova vida e
Exige uma resposta
de todos nós para
experimentar esta salvação.
Jo3, 14-15; 10,10.
Rm 4,22-25; Ef 2,8-10.
At3,19-20; Ap3,20-21.


05- O dom do Espírito Santo -
O Espírito Santo é o penhor da salvação. È por meio d’Ele que em Jesus temos acesso ao Pai.

06- A comunidade cristã - Sua presença em nosso coração forma a comunidade que é o sinal do Reino
entre nós.
Gal 4,6-7; Ez 36,25-28. Gal 5; Rm 12; Ef 2,19-22 e 1 Pd 2,9-10.
O 1º anúncio é composto por seis temas fundamentais. Aqui mostraremos um modelo, pois existem
várias formas de anunciar o Querigma. Apresentaremos as idéias de maneira sintética e sistemática:

a) O amor de Deus: Deus te ama:
Deus é um Pai amoroso, que te ama pessoal e incondicionalmente e quer o melhor para ti.
Não te ama porque sejas bom, mas sim porque ele é bom.
Motivação: Não te pede que o ames, mas que te deixes amar por ele.

b) O pecado: não te podes salvar por ti mesmo
O pecado, que consiste em não confiar em Deus e não depender Dele impede que sintas o amor
divino.
És pecador necessitado de Salvação, porque não és capaz de vencer Satanás nem de libertar-te do
poder do pecado.
Motivação: Reconhece o teu pecado diante Dele.

c) Jesus, única solução: Jesus já te salvou.
Existe uma boa notícia: Jesus já te salvou e perdoou, pagando a dívida com o preço de Seu
sangue.
Com Sua morte por ti e Sua ressurreição, partilhou contigo a vida: vida de filho de Deus.
Já estamos em paz com Deus e é possível a felicidade. Jesus não nos salva. Já nos salvou.
d) Fé e conversão: aceita o Dom da Salvação
Jesus ganhou, já, uma Nova Vida para ti. Receba-a, crendo e convertendo-te:
- Crer em Alguém, mais do que algo, confiando que Seu caminho é melhor que o teu.
- Confessá-lo como Salvador pessoal e renunciar a qualquer outro meio de Salvação.
- Converter-te é mudar tua vida pela vida de Jesus. Entregar tua vida de pecado e começar a viver a
vida de filho de Deus.
- Proclamar Jesus como Senhor de todas as áreas da vida.
Motivação: Abre as portas do teu coração a Jesus que te chama.
e) O Dom do Espírito: a promessa é para ti
Jesus se faz presente com sua Salvação por meio de seu Espírito.
Ele está sedento de presentear-te com a água viva do Espírito de filiação, que clama: “Abba”: papai.
Motivação: Pede e recebe o Dom do Espírito.

f) A comunidade: Jesus está no irmão
Não basta nascer: é preciso crescer na vida nova. Para isso, é necessário manter-se unido à vida
(Jesus), vivendo como parte do Corpo de Cristo, em união com todos os outros membros.
O encontro com Cristo leva, necessariamente, ao encontro do irmão, especialmente do mais
necessitado.
Motivação: Persevera com Jesus na comunidade.

c.2) Qualidades

01- Atual - significa não falar de um Deus do passado, mas de um Deus vivo, atuante, agora. Se você
crê e converte seu coração, Ele dará agora a experiência de seu Amor.

02- Direta - Deus nos ama com um Amor pessoal. DEUS AMA VOCÊ! Não é uma filosofia, você não
experimenta este amor porque é pecador e precisa de salvação.

03- Concatenada - os temas devem ser apresentados, ligados uns aos outros para que a
evangelização dê ao fiel uma visão clara, sem equívocos, da mensagem de Salvação de Deus a todos nós
e suas exigências.

04- Condições - existem três condições necessárias para o pregador:
- Experiência de Salvação:
O Evangelizador não é um professor, é antes de tudo testemunha.
Ele fala daquilo que seu coração está repleto, de Amor que ele experimenta.
- Zelo pelo Evangelho:
O evangelizador tem de ser um apaixonado por Jesus e sua obra. O zelo é um fato impagável no
coração.
- Testemunho de vida:
O testemunho autentica a pregação. Temos de lutar para não pecar e invalidar com isso, o Evangelho
que pregamos.
D. Conclusão

A pregação era acompanhada de poder - 1º Ts 1,5. Não há evangelização eficaz se o Espírito Santo
não agir com seu poder, que consiste na capacidade de converter corações, situações e ambientes de
pecado.
Os sinais devem acompanhar a pregação Mc 16,16ss. A palavra permanece atual, especialmente
quando acompanhada de sinais de poder – E.N.nº 12.

As palavras e sinais estão intimamente unidas ao Plano de Deus. (Dei Verbum 2).

Hoje, mas do que nunca, o mundo, a Igreja, precisam destes sinais de poder, que acompanham a
evangelização. Jesus não pregou de outra maneira: “Realizou sua missão através de sinais.

4 4 – –T TR RE EI IN NA AM ME EN NT TO O D DO O M MÉ ÉT TO OD DO O Q QU UE ER RI IG GM MÁ ÁT TI IC CO O

01- Deus ama você hoje. Porque não percebo?

02- Por que somos pecadores? Qual a Solução?

03- Jesus é o Salvador. O que devo fazer?

04-Crer e converter seu coração. Para que?

05-Para receber o Espírito Santo, já. E agora?

06- Venha para a comunidade.

4 4. .1 1 - - O OB BJ JE ET TI IV VO OS S D DO O Q QU UE ER RI IG GM MA A

A. Considerações
A boa nova consiste em anunciar Jesus, Salvador e Messias, que morreu e ressuscitou, foi glorificado
para livrar-nos do pecado e suas conseqüências.
Quando proclamamos este Evangelho, não se anuncia simplesmente em fato histórico, mas tem-se um
objetivo claro e definido:
“Tornar presente esta Salvação”!
Para tanto é necessário um encontro pessoal com Jesus, Senhor e Messias, que acontece pela fé e
conversão, abrindo nossos corações para receber assim a vida nova que nos é dada pelo Seu ESPÍRITO
SANTO, tornando-nos Igreja.
Podemos distinguir quatro metas imediatas, ligadas umas às outras, que procuramos atingir com a
pregação Querigmática:
- A salvação
- A fé e a conversão
- Receber o Espírito santo
- Formar Igreja

B. Salvação
É antes de tudo o cumprimento da promessa de Deus aos homens em Adão. Consiste na libertação de
tudo que oprime o homem, mas sobretudo, a libertação do pecado e do maligno, dentro da alegria de
conhecer a Deus a ser conhecido por Ele, de vê-lo e entregar a Ele. (E.N.9).
Esta salvação tem dois aspectos complementares:
- Salvação do pecado e suas conseqüências:
Significa:
Reconciliação com Deus, do qual nos separamos pelo pecado Ef. 2,14-18 – Rm 5,10 – 11
Expiação de nossos pecados – 1º Cor 15, 3, que foram pagos pelo sangue de Cristo.
Libertação do pecado que nos capacita vencer o pecado em nós, para que o mal não se apropria de
nossa vida. Gal 5,1.
Justificação pela misericórdia de Deus, recebemos sua justiça que consiste no Amor com que nos amou
primeiro. Rm 3,23 -26.
- Ter vida nova
Jo. 10,10
A nova vida vem do alto. É um nascer de novo, como Jesus afirma a Nicodemos. Implica em viver uma
vida diferente dos gentios – Ef. 4,17 ss. É conhecer a Deus e Aquele que enviou – Jo 17,3.

C. Fé e conversão
a) A fé e a conversão são as formas com que respondemos “sim” ao apelo de Deus.
b) A fé é indispensável para sermos salvos, é ela que nos liga aos méritos de Jesus, conseguidos na
sua morte e ressurreição. (Gal 2,16; Ef 2,8-9).
Consiste em: Confiar, obedecer e depender de Deus, como nosso Senhor e Salvador.
c) A salvação, dom de Deus, se faz presente unicamente, quando cremos nEle e em seu Filho que nos
foi dado e deste modo mudamos-convertemos – “nosso modo de vida anterior”, agindo de acordo com
Aquele que acreditamos.
d) A conversão não é simplesmente uma mudança moral, é uma transformação de vida, é sobretudo,
uma mudança de mentalidade – Metanóia – causada pela fé que nos leva a aceitar Jesus como Senhor de
nossas vidas, para receber d’Ele o Espírito Santo que tudo renova e vivifica.

D. Receber o dom do Espírito santo
A obra da salvação não termina com nossa resposta de fé e conversão, mas quando o próprio Deus
sela sua obra, derramando seu Espírito Santo. (At. 2,38 – Hb 6,4-5)
A Salvação é Jesus que, como Senhor e Messias, derrama seu Espírito Santo sobre aqueles que crêem
nEle – Jo 7,37-39. Por isso é imprescindível pedir o derramamento do Paráclito para que a obra de Deus
fique completa.
O objetivo de Querigma é “nascer de novo, da Água e do Espírito”, que nos faz conhecer
verdadeiramente a Jesus estando em nós converte-nos e nos dá força para testemunhar. (Jo 14,17-26;
15,26 – 1 Cor 3,16; 6,19).

E. Formar Igreja
Jesus não veio salvar indivíduos isolados, sem nenhuma ligação entre si, mas formar um povo Santo,
um Reino em que a principal característica é a unidade e o amor, (1º Pd 2,9; Mt 4,17; 1º Cor 12; Jo 13,35;
Jo 17,21).
A redenção é levada ao seu termo quando o Espírito Santo congrega os fiéis, formando neles Cristo,
com diversidade de dons e ministérios, com uma só fé, um só Batismo, um só Deus e Pai, cuja pedra
angular é Cristo, cujas colunas são os apóstolos e profetas, enquanto que todos nós entramos na
construção como pedras vivas, (2º Cor 3,18; 1º Cor 12; Ef 4,5-6.11; Pd 2,5-6).
A autêntica comunidade cristã está constituída de tal forma que as relações pessoais podem ser reais, e
o amar pode se manifestar de uma forma concreta. Por isso, é necessário não somente sentir-se membro
da Igreja Universal, mas ao mesmo tempo, de uma pequena comunidade onde se possa ter um
compromisso concreto entre os irmãos. Esta comunidade deve estar inserida e em comunhão com a Igreja
paroquial e diocesana.
A conversão a Deus está intimamente ligada à conversão ao irmão. Quem encontrou Deus Sabe
reconhecê-lo no rosto dos irmãos, especialmente dos mais necessitados. Quem ama Jesus ama tudo o que
Ele ama, ama com o Amor que é amado.

C CO ON NC CL LU US SÃ ÃO O
O Querigma não está isolado, mas encontra-se dentro do plano salvífico. É o núcleo que coroa toda
a história da salvação, temos que conhecer sua inter-relação, para apresentação dentro do processo e não
como aerólito sem relação com o passado nem com o futuro. Dessa forma será mais fácil localizá-lo, para
vivê-lo e transmiti-lo.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PREGAÇÃO
Observações:
È necessário distinguir dois aspectos importantes no que tange a diferença entre querigma e
catequese e que foram muito utilizados por Jesus: A Pregação e o Ensinamento. Na pregação Jesus
despertava nos corações o desejo de conhecer o reino e mostrou as condições básicas para entrar nele. No
ensino, Jesus procurou fortalecer as convicções interiores, dando critérios de vida e ensinando valores para
a vida das pessoas. Sendo assim se faz necessário esclarecer as diferenças entre: Pregar e Ensinar.
Pregar está relacionado com o primeiro anúncio, com o conteúdo querigmático; Jesus encarnado,
morto, ressuscitado e glorificado. Ensinar está relacionado com a catequese, modo sistemático de transmitir
a fé. O Ensino é, pois, um conteúdo voltado para o desenvolvimento e o conhecimento doutrinário e
teológico e também os valores que regerão as relações entre irmãos.
A Pregação é o primeiro anúncio, o Ensino é a continuidade. A Pregação (anúncio) é o despertar da
fé; o Ensino é o viver da fé. O Anúncio é ser inebriado do Amor de Deus; o Ensino é viver o Amor de Deus.
A Pregação é a tomada de consciência do pecado; o Ensino nos leva a combater o pecado. A Pregação nos
leva a Deus; o ensino nos faz ir aos irmãos. Portanto, Pregar é anunciar o Querigma e Ensinar é Catequizar.

Para um maior aprofundamento, o formador deve ter em mãos o Lv. “Como Evangelizar os
batizados, José H. Prado Flores” para um estudo mais apurado.
A AN NE EX XO O
Este anexo visa complementar o ensino sobre a pregação do Querigma no Grupos de Oração. É um
texto já conhecido e que pode ser muito útil para os pregadores e que deve ser considerado na preparação
dos encontros

AMOR DE DEUS
Jr 31, 3 – Amo-te com amor eterno.
Is 49, 15 – Por acaso uma mulher esquecerá de sua criancinha de peito? Não compadecerá ela do filho do
seu ventre? Ainda que as mulheres se esquecessem, eu não me esquecerei de ti.
Is 43, 4 – Porque és precioso a meus olhos, porque eu te aprecio e te amo.

PECADO
Rm 3, 23 – Com efeito, todos pecaram e todos estão privados da glória de Deus.
1 Jo 1, 8-9 – Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em
nós. Se reconhecemos os nosso pecados e para nos purificar de toda iniqüidade.

SALVAÇÃO DE JESUS
Jo 3, 16-17 – Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o
que nele crer não perece, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-
lo, mas para que o mundo seja salvo por Ele.
Jo 10, 10 – Eu vim para que todos tenham a vida, para que a tenham em abundância.
Cl 2, 13b – 14 – É Ele que nos perdoou todos os pecados, cancelando o documento escrito contra nós,
cujas prescrições nos condenavam. Aboliu-o definitivamente, ao encravá-los na cruz.

FÉ E CONVERSÃO
At 3, 19 – Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos, para serem apagados os vossos pecados.
Jo 3, 3 – Em verdade, em verdade te digo, quem nascer de novo, não poderá ver o Reino de Deus.
Ap 3, 20 – Eis que estou à porta, e bato: Se alguém ouvir minha voz e me abrir à porta, entrarei em sua
casa e cearemos, Eu com ele e ele comigo.
Hb 11, 1 – A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê.

ESPÍRITO SANTO
At 1, 8 – Mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força, e sereis minhas testemunhas.
At 2, 39 – Pois a promessa é para os vossos Filhos e para todos os que ouvirem de longe o apelo do
Senhor, nosso Deus.
Ez 36, 26 – Dar-vos-ei um coração novo e em vós porei um espírito novo; tirar-vos-ei do peito o coração de
pedra e dar-vos-ei um coração de carne.
Jo 4, 14 – Mas o que beber da água que eu lhe der, jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser
nele fonte de água, que jorrará até à vida eterna.

COMUNIDADE
Rm 12, 5 – Assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós somos
membros uns dos outros.
1 Tm 3, 15 – Todavia, se eu tardar, quero que saibais como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja
de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade.


BIBLIOGRAFIA

II João Paulo – Vocação e Missão dos Leigos na Igreja e no Mundo, Christifideles Laici.
2000, Evangelização
Curso de Formação de Evangelizadores. 2º ed. FLORES, Prado – Como Evangelizar os batizados.
1986

APÓSTOLO, Escola Paulo – Apostila Igreja.

Adaptação e Aplicação – Tarcísio Augusto.

Este material está sob os cuidados do Ministério de Formação Diocesano da RCC de Bragança



Q QU UA AD DR RO O

AMOR DE DEUS PECADO SALVAÇÃO FÉ E CONVERSÃO ESPÍRITO
SANTO
COMUNIDADE

Papel do
evangelizador

Canal do amor de
Deus.
Deixar que o
Espírito Santo
convença do
pecado.
Proclamar a
Salvação e
testificar que é
verdade.

Ajudar a decidir e
animar a responder.

Suscitar a sede
da Água Viva no
evangelizado.
Propor e mostrar o
ambiente para
viver a Nova Vida.



Papel do
evangelizado


Experimentar o
amor
misericordioso de
Deus.

Reconhecer o
pecado,
incapacidade de
salvar-se e
necessidade de
ser salvo.


Encontrar
pessoalmente com
Jesus morto e
ressuscitado.
+ Confessar Jesus
como Salvador
pessoal, único e
suficiente, +
Proclamar Jesus
Senhor de toda a
vida.

Pedir e receber
de Jesus
Messias uma
nova efusão do
Espírito Santo.

Incorporar-se a
uma comunidade
para viver e
perseverar na
Nova Vida.


Idéia Central
Deus lhe ama,
hoje, como você é.

Você não pode
se salvar.
Jesus é a única
solução para você.
Aceite e responda ao
Dom da Salvação.

A promessa é
para você hoje.
Jesus está nos
irmãos da
comunidade.











Conteúdo
Deus é um o Pai
amoroso, que o
ama pessoal e
incondicionalmente
e quer o melhor
para você. Não o
ama porque você é
bom , mas porque
Ele é bom.
O pecado
impede de
experimentar o
amor divino.
Você é pecador
necessitado de
salvação, porque
você não é
capaz de vencer
Satanás nem de
libertar-se do
poder do pecado.
Boa notícia: Jesus
já o salvou e
perdoou, pagando
sua conta, que
estava pendente,
com o preço de
seu sangue. Com
sua morte vicária
(por você) e sua
ressurreição
partilhou com você
a Vida Nova: vida
de filho de Deus.
Recebe a Nova Vida,
crendo e
convertendo-se: -
Creia em Alguém
(Jesus), confiando
que o caminho dele
é melhor do que o
seu. – Converta-se ,
trocando a sua vida
pela vida de Jesus.
Entregue sua vida de
pecado e comece a
viver a vida de filho
de Deus.
Jesus se faz
presente, com
sua Salvação por
meio de seu
Espírito . Ele
está sedento
para lhe
presentear com a
Água Viva do
espírito de
filiação, para que
você tenha Vida
Nova.
Não basta nascer,
é preciso viver a
Vida Nova, vivendo
como parte do
Corpo de Cristo. O
encontro com
Cristo leva,
necessária-
Mente, a encontrar
o irmão,
especialmente o
mais necessitado,
para construir o
Reino de Deus.

Motivação Deus não pede a
você que o ame,
mas que você se
deixe amar por ele!

Reconheça seu
pecado diante de
Deus!

Jesus não o salva.
Já o salvou!
Aceite-o!

Abra as portas de
seu coração para
Jesus que chama!

Peça e receba o
Dom do Espírito
Santo!

Persevere com
Jesus na
comunidade
Exemplo
Filho pródigo: Lc
15,1-24.
O fariseu e o
publicano: Lc
18,9-14.

Tomé: Jo 20,24-
28.

Os dois ladrões na
cruz: Lc 23,39-43.

Samaritana: Jo
4,1-42

Madalena: Lc 8,1-
2; Jo 20,11-18.
Citação Bíblica
(para memorizar)

Jr 31,3. 1Jo 4,8. Is
54,10

Rm 3,23. Jo
8,34. Rm 6,23
Jo 3,16-17. Jo
10,10. Rm 4,24-25
Rm 10,9-10. Ef 2,8.
Jo 3,3. At 3,19. Ap
3,20
Ez 36,26. At 1,5.
At 2,39. Ap 22,17
Rm 12,5 . Cl 2,19.
1Pd 2,9-10.