You are on page 1of 32

• Como a criatividade acontece em nosso cérebro

Willian Duggan
 William Duggan é professor na Columbia

Business School onde leciona inovação nos cursos de MBA e MBA Executivo e nos programas de Administração.

 É autor do livro Strategic Intuition: The

Creative Spark in Human Achievement (Columbia Business School Publishing, 2007).

Teorias mais recentes  As teorias mais recentes sugerem que as empresas estão utilizando ferramentas erradas para desenvolver a criatividade e inovação. .

analítico e ativar o seu cérebro direito.Lado direito e lado esquerdo  Esses métodos são derivados de uma teoria inexata de criatividade:  Que as pessoas precisam desativar seu cérebro esquerdo. criativo para produzir novas ideias. .

lógico e racional. artístico e intuitivo e o lado esquerdo considerado analítico. .  Segundo Sperry.Lado esquerdo e lado direito  Para entender o novo modelo do cérebro. devemos voltar para 1981. e por que isso é importante para a inovação empresarial. o lado direito era criativo. quando Roger Sperry ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho sobre os dois lados do cérebro.

. pois pareceu explicar por que algumas pessoas vinham com novas ideias facilmente e outros lutavam muito para conseguir alguma inovação. "Eu sou uma pessoa de cérebro do lado direito" ou  "Poderia você usar seu cérebro esquerdo sobre este problema?" ou  "Nós somos uma organização do cérebro direito".Os neurocientistas  Este modelo inconsistente se espalhou rapidamente por todo o mundo dos negócios.  Podia-se dizer.

 Pessoas começaram a agendar reuniões onde todo mundo deveria desligar seu cérebro esquerdo e ativar o seu cérebro direito e então deixar as ideias criativas fluirem.Brainstorming  A aplicação mais generalizada do modelo de Sperry foi o brainstorming. .

mas ela não ensinam a vir com uma ideia estratégica para o que fazer.  Afinal.Como ter uma ideia estratégica?  A famosa "estratégia competitiva da Michael Porter" tornou-se quase universal no ensino das escolas de administração e negócios e em aplicações em empresas. o subtítulo do livro do Porter Competitive Strategy (Free Press. Porter irá compará-la com sua análise.  ela ensina a analisar sua situação estratégica.  Mas o passo de chegar com a ideia fica a cargo de você mesmo.  Uma vez que você já venha com sua ideia. 1980) é técnicas para a análise de indústrias e concorrentes. e não “como conseguir ter uma ideia estratégica”. . Ele não dá nenhuma orientação sobre como fazê-lo.

Resolução de problemas  O mesmo acontece com outros métodos de       resolução de problemas e tomada de decisão. (5) seleciona a melhor alternativa e (6) implemente e faz follow up. (2) identifica critérios. (3) faz uma busca e avaliação dos dados. onde você geralmente (1) define o problema. . (4) relaciona e avalia alternativas.

Brainstorm  Mas o quê exatamente você faz na etapa 4?  Como listar ou relacionar alternativas — ou seja. como aparecerão ideias novas sobre o que fazer e como fazer?  A orientação é sempre a mesma: Brainstorm. .

 Kandel ganhou o Prêmio Nobel. . dois anos mais tarde pela sua contribuição para este trabalho. Larry Squire e Eric Kandel publicaram um artigo inovador na revista Neuron. neurocientistas deixaram de aceitar a teoria do cérebro de dois lados de Sperry. "Neurociência cognitiva e o estudo da memória".  Desde então.Como ocorre a criatividade?  O ano base para essa compreensão é 1998. quando Brenda Milner.

em várias combinações. em todo o cérebro.  Não há nenhum cérebro esquerdo e não há nenhum direito.A Memória Inteligente  O novo modelo do cérebro é o da "memória inteligente". .  Há apenas aprendizagem e recordação. no qual análise e intuição trabalham juntos na mente em todos os modos de pensamento.

.A memória inteligente  O neurocientista Barry Gordon dá uma visão geral desse modelo mais recente do cérebro em seu livro Intelligent Memory: Improve the Memory That Makes You Smarter (Viking. em coautoria com Lisa Berger.  Ele define a memória inteligente cotidiana dos seres humanos como o maior sistema de inventário existente na terra. 2003).

 Quando uma nova informação chega. . as separa e as coloca em prateleiras. seu cérebro faz uma busca para ver como ela pode se encaixar com outras informações já armazenadas na memória. seu cérebro guarda as coisas.Como funciona a inovação?  A partir do momento que você nasce.

as memórias anteriores vêm para fora da prateleira e se combinam com a nova informação e o resultado é um “pensamento”.O Pensamento  Quando encontra uma informação correspondente. .

Análise e intuição  A separação e o processo de armazenamento é o que chamamos de “análise”.  Ambas (busca e combinação) são necessárias para todos os tipos de pensamento. .  A busca e a combinação com informações anteriores é o que chamamos de “intuição”.  Até mesmo um cálculo matemático requer intuição para recordar os símbolos e fórmulas anteriormente aprendidas para aplicá-las para o problema.

Pensamento comum  Quando as peças vêm da prateleira sem problemas. . nos padrões familiares — tais como adição simples que você fez muitas vezes — você nem sequer percebe o que aconteceu.

a memória inteligente combina análise e intuição. .O AHA!  Quando lotes de diferentes peças se combinam em um novo padrão. aprendizagem e recuperação.  Mas o mecanismo mental funciona da mesma maneira em ambos os casos.  Se ele está trabalhando em uma fórmula familiar ou uma ideia nova. você sentirá como um flash de discernimento. o famoso "AHA!".

E as empresas?  Assim como o conceito de memória inteligente substituiu a velha teoria de cérebro de dois lados em neurociência. . as empresas precisam substituir o velho brainstorming por métodos que reflitam com mais precisão como as ideias realmente se formam no cérebro.

vemos que Clausewitz oferece orientações úteis sobre como aplicar a memória inteligente à estratégia.O que fazer? Como fazer?  O maior estudioso militar desse período foi Carl Von Clausewitz.  Um grande general obtém uma ideia estratégica como um coup d’oeil que significa "golpe de olho" em francês. .  Se lermos On War com o conhecimento da neurociência moderna. É um simples olhar que indica o que fazer — um flash de discernimento. da Prússia. cuja experiência levou ao livro On War (Sobre a Guerra) de 1832.

exemplos selecionados da história combinam as ideias.  Em uma mente limpa e clara." quando você estuda explicitamente o que outros fizeram antes de você e 2. A última etapa é a decisão ou resolução. 3. quando você limpa seu cérebro de todas as expectativas de soluções. . "exemplos da história. “Relaxamento mental".O que fazer? Como fazer?  Duas etapas precedem o flash: 1. quando o flash lhe dá a vontade de agir sobre a ideia apesar dos obstáculos enfrentados.

mas um estudo ativo pode acelerar e melhorar esse processo como demonstrou Napoleão.Estudo ativo  As prateleiras do cérebro são estocadas com o que você viu ou ouviu falar ou leu sobre o que outros fizeram antes. .  Este processo ocorre naturalmente em cada cérebro humano.

Napoleão  Ele ganhou sua primeira batalha no cerco de Toulon com a idade de 24 anos.  Mas ele era um estudante de história militar aprofundado e combinou elementos de batalhas passadas para compor sua estratégia vencedora.  Os elementos não eram novos. . sem qualquer experiência militar anterior. mas suas combinações eram novas. Seu processo de pensamento exemplificou a maneira na qual a memória inteligente produz ideias criativas.

 Isso explica porque você dá início às suas melhores ideias não nas reuniões de brainstorming formal. mas no chuveiro. as varreduras do cérebro dos monges que também . que agora os neurocientistas conseguem medir.Relaxamento mental  O relaxamento mental que Clausewitz descreve é semelhante ao estado de calma que precede um flash de discernimento. em vez de focada em um determinado problema.  Aliás. que podemos aprender. dirigindo ou ao adormecer à noite — quando seu cérebro está relaxado e errante. mostram este “relaxamento mental” apontam para a realidade de que se trata de uma disciplina mental.

 (3) flash de introspecção e  (4) decisão/resolução.As quatro etapas  Você pode encontrar as quatro etapas de Clausewitz:  (1) exemplos da história. .  (2) relaxamento mental.  Em inúmeros casos de verdadeira inovação na prática.

 Vejam que o caminho que percorreram e percorrem são os ensinados pelas novas teorias e não pelas velhas.  Afinal o que fazem essas pessoas com mentes brilhantes? .Mentes brilhantes  Daí poderemos compreender a razão pela qual nesta sala se encontram tantas mentes brilhantes.

.Mentes brilhantes  Enchem seu cérebro de informações relevantes que farão com que sua memória inteligente tenha disponível um estoque imenso de dados para que sejam usados pelo cérebro em sua busca incessante de correlações.

.  Lêem jornais.  Relacionam-se muito bem (networking)..  Informam-se por todos os meios. revistas e quase tudo o que lhes cai nas mãos.  Participam de Feiras e Eventos!  Assistem palestras. .Mentes brilhantes e memória inteligente  Viajam muito.

PENSE NISSO! Nunca relaxar no aprender. .  E aprender a importância de relaxar.